Você está na página 1de 54

2005-2008 Fundação IDEPAC Todos os direitos reservados.

ÍNDICE
1. BREVE HISTÓRIA DA REDE 02
1.1. QUAL SOFTWARE UTILIZAR? 03

2. MONTANDO UMA REDE FISICAMENTE 04


2.1. CABEAMENTO 04
2.2. INTERFERENCIA EM CABEAMENTO METALICO 05
2.3. MÉTODOS P/ REDUZIR NÍVEIS DE RUÍDOS ELET. EM SIST.DE CABEAMENTO 05
2.4. TÉCNICAS DE PROTEÇÃO 05
2.5. MONTANDO CABO PAR TRANÇADO 06
2.6. ESTRUTURA DE CABEAMENTO PARA REDES 07
2.6.1. CABEAMENTO NÃO ESTRUTURADO 07
2.6.2. CABEAMENTO ESTRUTURADO 07
2.6.2.1. TOPOLOGIA BASICA 08
2.6.2.2. FIXAÇÃO DOS CABOS UTP 10
2.7. OUTRO MODO DE COMUNICAÇÃO VIA REDE 10
2.8. EXERCÍCIOS 12

3. SUGESTÃO PARA UMA REDE ELÉTRICA 13


3.1. SISTEMA DE ATERRAMENTO 15
3.2. CONSEQUENCIAS DA FALTA DE ATERRAMENTO 15
3.3. O QUE NÃO SE DEVE FAZER 16

4. DOCUMENTANDO UMA REDE 17


4.1. EXERCÍCIOS 17

5. PROTOCOLOS DE REDE 18
5.1. CLASSES DE IP 18
5.2. PROTOCOLOS 18
5.2.1. TCP\IP 19
5.2.2. NETBEUI 19
5.2.3. IPX/SPX 19
5.3 EXERCÍCIOS 20

6. CONFIGURAR REDE LÓGICA 21


6.1. REDE CLIENTE SERVIDOR 21
6.2. REDE PONTO A PONTO 22
6.2.1. CONFIGURANDO REDE WINDOWS 98 22
6.2.2. COMO FAZER COMPARTILHAMENTO NA REDE WINDOWS 98 28
6.2.3. MAPEAMENTO PARA WINDOWS 98 31
6.3. EXERCÍCIOS 36

7. CONFIGURANDO WINDOWS XP 37
7.1. CRIANDO CONTAS DE USUÁRIOS 37
7.2. COMPARTILHAMENTO COM O XP 41
7.3. MAPEAMENTO NO WINDOWS XP 45

8. INSTALANDO DHCP 49
8.1. EXERCÍCIOS 51

BIBLIOGRAFIA 52
1 .BREVE HISTÓRIA DA REDE

Os primeiros computadores não eram multiusuários. A preocupação dos inventores, era a


forma de funcionar aquele amontoado de fios, válvulas e outros componentes eletrônicos.
Com a introdução dos computadores nas empresas e entidades governamentais, ficou muito claro
que os computadores só seriam úteis se utilizados por mais de uma pessoa. Surgiram assim os
primeiros computadores multiusuários.

O funcionamento em rede era situação normal antigamente , quem não se lembra dos filmes de
ficção cientifica antigos, onde existia uma sala enorme só para os computadores, nas décadas de
60 e 70? . Na que época existia uma CPU para vários terminais, chamados de terminais “burros”,
tinham apenas teclado e mouse, estes acessavam todos os recursos do computador central,
incluindo processador e memória.

Este sistema era muito lento, e os programadores tinham que se esforçar para criar programas
ágeis e pequenos, para se ter uma idéia veja o comparativo abaixo:

Ontem Hoje
Velocidade processador (clock) Velocidade processador (clock)
1 Mhz 800, 900 Mhz , 1, 2 Ghz

Memória Ram Memória Ram


128 Kb 128 Mb

Espaço HD Espaço HD
100 Mb 40 Gb

E estes computadores de ontem tinham que abastecer uma rede de 100 a 200 terminais “burrosI”
imaginem a velocidade para executar uma tarefa. Os números acima refletem quanto foram
melhorados os computadores desde o principio (cerca de 1.000 vezes).

Página 2
A história da informática começou a mudar na década de 80, com o lançamento do IBM PC que
marcou o inicio do predomínio da INTEL , com os processadores séries Z80 como 8088 e 8086
(XT), 80286 (AT), 80386, 80486, Pentium e assim por diante. Nesta época surgiu também a
NOVELL mesmo tendo um custo muito elevado, cerca de US$ 1.000 por estação a Novell
conquistou um nome no mercado e montou uma base sólida.

O que mudou com os PC? A diferença é que o processamento deixou de ser executado no
computador central e passou a ser feito em cada estação, criou-se inclusive o termo “downsizing”
que significa “diminuir o tamanho”, este termo constitui em substituir antigos computadores com
processamento centralizado por unidade autônomas.

Até a década de 90 a novell praticamente dominou sozinha o mercado, até o surgimento da


concorrência (Microsoft), que embutiu no seu sistema Windows, a partir da versão 3.11 um bom
sistema de compartilhamento de recursos, e começou a asfixiar a rainha das redes. Hoje alem da
Microsoft temos surgindo o LINUX que alem de ser um software gratuito (baixo custo) tem ótimas
ferramentas para acesso e segurança da internet.

1.1 - Que software utilizar ?

Comparação entre diversos softwares de rede

Windows 9x Windows NT /2000 / XP /2003 Novell Linux

Fácil instalação Instalação mais complicada Exige qualificação técnica Exige qualificação técnica
Valor software baixo Valor alto software Valor alto software Valor baixíssimo software
Nível baixo de segurança Nível alto segurença Nível alto segurança Nível alto de segurança
Exige muitos aplicativos Exige muitos aplicativos Quantidade aplicativos regular Poucos aplicativos
Até 10 terminais Varios terminais + depende de licença Varios terminais + dep.licenças Numero ilimitado
Servidor internet fraco Bom servidor de internet Médio servidor de internet Muito bom serv. Internert

Estes são os softwares para redes existentes hoje no mercado, cada um tem a suas vantagens e
desvantagens, mas quem deve optar pelo tipo de rede a ser utilizada no seu ambiente é a pessoa
que vai adquirir o produto, não o técnico que irá executar a instalação, o técnico deve mostrar ao
cliente custo beneficio de cada software.
Nesta apostila iremos explicar e exemplificar cada um destes aplicativos. Mas antes temos que
conhecer alguns itens importantes para instalação de qualquer tipo de rede.

Página 3
2 .MONTANDO UMA REDE FISÍCAMENTE

2.1. CABEAMENTO.

Antigamente as redes eram montadas a partir de cabos coaxiais de 50 ohms. Hoje , eles foram
substituídos por cabos de par trançado, os UTP (Unshielded Twisted Pair ou Par Trançado sem
Blindagem) e STP (Shielded Twisted Pair Par Trançado com Blindagem).

Coaxial Par Trançado (UTP)

Este cabo, par trançado, tem um custo baixo e fácil de se manusear, porém não oferecem uma
proteção muito grande contra ruídos (interferências).
Os cabos UTP/STP são divididos em categorias de acordo com a frequência suportada, conforme
abaixo:

Categoria 1 (CAT 1) – Voz (cabo telefônico)


Categoria 2 (CAT 2) – Dados a 4 Mbps (Megabit por segundo)
Categoria 3 (CAT 3) – Dados até 10Mbps (Megabit por segundo)
Categoria 4 (CAT 4) – Dados até 20Mbps (Megabit por segundo)
Categoria 5 (CAT 5) – Dados até 100Mbps (Megabit por segundo)
Categodia 5e (CAT 5e) – Dados até 1000Mbps (Gigabit por segundo)
Categoria 6 (CAT 6) – Dados acima de 1000Mbps (Gigabit por segundo)
Categoria 7 ( CAT 7) – Dados acima de 1000Mbps (Gigabit por segundo)

Página 4
Os cabos mais utilizados atualmente são os de categoria 5e (CAT 5e) são cabos que suportam
redes baseadas em gigabit (1000 Mbps), melhor que o CAT 5 por ter mais tranças e ser fabricado
com maior qualidade de material.
Cabos CAT 6 apesar de já estarem disponíveis no mercado, seu custo é bem mais alto que o da
CAT 5e, sendo mais utilizado por grandes corporações, os cabos de CAT 7 ainda estão sendo
testados.

2.2. INTERFERENCIA EM CABEAMENTO METÁLICO:

Ruído Elétrico

Os problemas de energia elétrica são as principais causas de defeitos em redes de computadores,


são chamadas de interferências eletromagnéticas (EMI) e interferência de rádio freqüência (RFI).
Causadores de ruídos elétricos: Descarga atmosférica (raios), motores elétricos, equipamentos
industriais, transmissores de rádio, relés, termostatos, luzes fluorescentes.

2.3. MÉTODOS PARA REDUZIR NÍVEIS DE RUIDOS ELÉTRICOS EM SISTEMAS DE


CABEAMENTOS:

Balancear os níveis de tensão nas extremidades dos cabos.


Blindagem na estrutura de passagem dos cabos.
Aterramento elétrico.

2.4. TÉCNICAS DE PROTEÇÃO:

Blindagem
Utilização de cabo STP (blindado) funciona como uma barreira para os sinais de interferência ,
obviamente a trança ou malha aumenta o diâmetro e o custo do cabo.

Página 5
Cancelamento
È o que chamamos de tranças, a corrente de um fio cria um campo eletromagnético ao seu redor,
se os dois fios estiverem próximos seus campos eletromagnéticos serão opostos. O efeito
cancelamento, é melhorar o trançado dos fios.

2.5. MONTANDO UM CABO PAR TRANÇADO:

Para iniciarmos a montagem do cabo, necessitamos de ferramenta adequada, que são: alicate de
crimpagem , conector RJ-45, teste de cabo ou cabling test e o cabo UTP.

Alicate de crimpagem Conector RJ 45 Teste Cabo

Esquema de pinagem dos conectores RJ45:

Até aqui aprendemos como preparar o material para podermos montar os cabos de uma rede,
agora iremos ver qual a melhor estrutura para se fazer a passagem destes cabos nos vários
ambientes para a conexão dos equipamentos.

Página 6
2.6. ESTRUTURAS DE CABEAMENTO PARA REDES:

2.6.1. Cabeamento não estruturado:

É aquele que não tem um planejamento prévio e não considera modificações ou expansões
futuras. Utiliza cabos dedicados cada aplicação especifica, como, cabo para voz , dados , etc....A
instalação física do cabeamento não estruturado apresenta vantagens iniciais de custo
relativamente baixo e um tempo de implantação pequeno se comparado ao cabeamento
estruturado. Funciona bem em ambientes que não sofrem alterações constantes no layout físico,
os usuários raramente mudam de posição.

Outras características de rede não estruturada:

Passagem dos cabos é feita em estrutura já existente, nem sempre adequada (sistema elétrico).
Não utiliza qualquer tipo de organizador de cabos ( Path panel).
Não envolve obras civis, quando os dutos não são suficientes, utilizam-se caminhos adicionais
(canaletas).
Pouca ou nenhum flexibilidade.
Não oferecem documentação adequada.

2.6.2. Cabeamento estruturado:

Atualmente é a estrutura ideal para uma infra-estrutura de redes locais. Baseia-se em previsão
adequada para atender quaisquer exigências de expansão ou alteração na infra-estrutura física da
rede.

Outras características da rede estruturada:


Passagem de cabos em estrutura planejada e adequada ( calhas de piso ou piso elevado).
Utiliza organizadores de cabos, racks , patch panel.
Alta flexibilidade.
Exige documentação adequada.

Página 7
O propósito de uma rede estruturada é montar uma base sólida para o bom desempenho de uma
rede, nessa estrutura diferente da anterior, temos centralizado os sistemas de informações, com
dados, voz, imagem etc...,que devido aos dispositivos padronizados, podem ser facilmente
redirecionados entre quaisquer pontos da rede.

2.6.2.1. Topologia Básica:

De acordo com as normas técnicas ANSI/EIA/TIA-568-A e ANSI/EIA/TIA-606,


Ansi- American National Standards Institute ( Instituto Nacional Americano de Padrões)
TIA – Telecomunications Industry Association ( Associação das Industrias de telecomunicações
EIA – Eletronic Industries Alliancce ( Aliança das Industrias Eletrônicas).
A instalação de um cabeamento divide-se em sete elementos basicamente:

1- Cabeamento Horizontal: Ligam o painel de distribuição ao ponto final do cabeamento. Ele é


permanente e são chamados de cabos secundários,por eles trafegam as informações de dados
voz e imagens, ligados as tomadas (conectores) que podem ser alteradas (de voz para dados
por exemplo) conforme a necessidade do usuário, bastando mudar o patch-cord (cabo) no painel
de distribuição.

2- Cabeamento Vertical: Cabeamento tronco, cabos primários interligam a sala de


equipamentos ao backbone e a pontos de facilidade de entrada.

3- Área de trabalho: É o local de trabalho do usuário final, onde ele acessa o sistema por meio
de tomadas ou conectores fixos para a conexão de cada equipamento.

4- Salas de telecomunicações: São locais de terminações dos cabos , interligam o sistema


horizontal ao backbone, onde estão distribuídos os repetidores (switchies), racks e acessórios,
blocos de conexão, patch panel, etc. Normalmente ficam um em cada andar.

Página 8
5- Sala de equipamentos: Este local pode ser uma sala,um quadro ou um armário. Nele
costuma-se instalar o painel de manobras, que pode ser composto patch panels, bloco 110 ,
blocos de saídas rj45 ou distribuidores óticos.

6- Facilidade de entrada : (DGT) Distribuidor Geral de Telecomunicações, é onde se realiza a


interface entre a estrutura externa e interna do cabeamento. Maiores que os armários de
telecomunicações, abrigando os cabos de telefonia da concessionária, normalmente localizados
no térreo ou subsolo do edifício. (exemplos de serviços segurança, telefonia, redes corporativas
e outros serviços).

Alguns equipamento citados acima:

Guia de cabos Painel de controle Patch panel

Página 9
Rack Switch Patch cord

2.6.2.2. Fixação dos cabos UTP

- Não exceder a curvatura num anglo maior que 90º.


- Evitar que sejam amassados ou marrados de forma incorreta (utilizar velcro)
- Cada seguimento de cabo não deverá ultrapassar a 100mts
- Os cabos devem passar a distancia de 1,20mts de motores e transformadores.
- 30 centímetros de conduítes e cabos de distribuição de energia elétrica.
- 12 centímetros de lâmpadas fluorescentes.
- O cruzamento dos cabos UTP com os de energia elétrica devem ser feitos de forma
perpendicular.

2.7. Outro modo de comunicação via rede

Uma outra forma de se fazer a comunicação entre dois ou mais micros, sem a utilização de
cabeamento, é a rede WIRELESS, onde para se fazer a interligação dos micros utilizamos placas
de rede WI-FI e um comunicador ACESS POINT (AP).(utilizado no IDEPAC).

Existe ainda um certo receio da utilização desta tecnologia, pois, é recente e tem algumas
limitações e interferências como: telefone sem fio, micro ondas, e até por outras redes próximas.
As suas limitações são em função da velocidade de acesso, enquanto uma rede de cabeamento
metálico pode chegar (em uma configuração básica) a 100 mbs, a wireless hoje esta com a
velocidade máxima de 56 mbs e ainda cada acess poit suporta no máximo 60 terminais, e

Página 10
dependendo do trabalho executado pode causar lentidão. Por isto antes de usar esta ferramenta é
ideal verificar quais aplicações e serviços serão utilizados.

A sua grande vantagem sobre o cabeamento metálico e a facilidade de expansão e a flexibilidade


de mudança de layout, e o seu custo não fica muito acima do cabeamento.

Mas ambas dependem de uma boa estrutura de rede elétrica, que veremos a seguir.

Acess Point placa WI-FI

Página 11
2.8. EXERCICIOS:

1- Quando se percebeu que os computadores só seriam úteis em rede?

2- O que eram terminais “BURROS”?

3- O que mudou com os PCs?

4- Quando a NOVELL começou a perder mercado?

5- Quais os softwares de rede que temos hoje no mercado?

6- Como o técnico de rede deve proceder junto ao cliente na escolha do software?

7- O que quer dizer UTP e STP?

8- Ruído elétrico é um tipo de? explique?

9- Quais as categorias que se dividem os cabos UTP

10- Quais os tipos de proteção para os cabos metálicos?

11- O que é cabeamento não estruturado?

12- O que é cabeamento estruturado?

13- Cite 4 elementos da divisão de cabeamentos estruturados?

Página 12
3 - SUGESTÃO PARA REDE ELÉTRICA

A rede elétrica deve possuir um circuito exclusivo para a alimentação da rede de computadores. É
ideal que seja estabilizada e possuir filtros de linha caso não haja nos estabilizadores, e um
sistema de no-break , para uma possível falta de energia.

Quando toda a rede estiver conectada a apenas um estabilizador o quadro de força deverá ser
montado após o estabilizador. Ideal ter a cada circuito até 3 tomadas.

Não permitir que sejam ligados outros equipamentos como: Copiadoras, ventiladores, motores
elétricos, ou qualquer outro que exija ou produza ruído na linha.

Página 13
Quando forem utilizados estabilizadores individuais de voltagem para cada estação de trabalho, o
quadro de força para os micros deverá ser montado após o quadro geral de força. Conforme
esquema abaixo :

Para os circuitos que alimentam as estações de trabalho , recomenda-se disjuntores de no Maximo


10 A (dez ampéres).
Para a ligação das tomadas, deverá ser usado cabos de ótima qualidade, de diâmetro compatível,
a bitola deve ser de no mínimo 4mm.
As tomadas devem ser do tipo universal de três pinos (tripolares) e a ligação fase/neutro/terra
conforme figura a seguir:

Página 14
As tensões aproximadas na rede elétrica deverão ser as seguintes:
Entre terra e fase = 117 V
Entre neutro e fase = 115 V
Entre terra e neutro = 2,5 V(valor Maximo tolerado)

3.1. SISTEMA DE ATERRAMENTO

O terra dos equipamentos de informática DEVE ser totalmente independente dos demais terras
existentes.
Observando o seguinte na instalação:
Ser construído á distância mínima de 2,40m dos outros terras do quadro e do neutro e a uma
distância mínima de 25,00 do terra de pára-raios.
O cabo que liga as barras de aterramento ao quadro deve ser encapado, possuir bitola compatível
com a distancia entre o sistema e o quadro, e NÃO DEVERÁ ESTAR NUNCA CONECTADO AO
NEUTRO.Não são aconselháveis distâncias maiores que 50m entre o terra e o quadro de
distribuição.

Material necessário para um aterramento simples:

3 barras de cobre, com 2 a 3 metros de comprimento e 15cm de diâmetro.


6 abraçadeiras de bronze para as barras de cobre.
10 metros de fio isolado, de bitola idêntica á dos fios fase e neutro.
Sal grosso, carvão vegetal e enxofre em quantidades suficientes para cobrir o poço dos eletrodos.
Água destilada suficiente para regar a mistura.
As barras de cobre são chamadas eletrodos de aterramento; dão uma referência de terra de 0 volt
e uma conexão á terra para descargas elétricas atmosféricas. Também fornecem uma trajetória de
impedância baixa á terra ( valor máximo de 25 ohms).

3.2. Consequências da falta de aterramento:

Aparição de BAD CLUSTERS no HD ou até mesmo a perda total. Isto não demora a acontecer.
Você poderá perder seu HD em 2 ou 3 meses.
Danos na placa mãe.
Danos na memória, que podem vir a causar perda repentina de dados e ou congelamento de todo
o sistema.

Página 15
3.3. O que não deve ser feito, veja exemplos abaixo:

Página 16
4 - DOCUMENTAR UMA REDE

Nos itens anteriores vimos o que devemos ou não fazer com a parte física da rede, como
manusear cabos e a melhor maneira de se instalar uma rede elétrica e o aterramento.
Agora, antes de sairmos passando os cabos e colocando canaletas devemos primeiro analisar o
local para melhor dimensionar a passagem dos mesmos.
O ideal é fazer um projeto, verificando toda a estrutura do local o layout as mesas e possíveis
expansões. Fazer um levantamento de material necessário (como canaletas, cabos , conectores,
etc..), procurar apresentar mais de uma opção de projeto é sempre bom, e não esquecer de
identificar cada ponto de rede.

Obs.: Veja quando falamos em projeto, não queremos e não vamos formar engenheiros
aqui, nossa intenção e mostrar que uma documentação bem feita pode ser o diferencial
dentro desta área , o projeto pode ser escrito, não necessariamente um desenho, lógico que
se possuir o desenho é muito melhor, mesmo porque hoje existem ferramentas para auxiliar
neste propósito.

4.1. EXERCICIOS:

1- O que deverá possuir uma rede elétrica inicialmente?


2- Quando toda a rede estiver conectada a um estabilizador o quadro de força deverá?
3- Quando forem utilizados estabilizadores individuais?
4- As tomadas devem ser do tipo?
5- Para o sistema de aterramento o que devemos observar na instalação?
6- Qual as conseqüências da falta de aterramento?

Página 17
5 - PROTOCOLOS DE REDE

Para iniciarmos a instalação lógica de qualquer rede , precisamos entender algumas coisas antes,
uma delas é sobre classes de IP e protocolos de rede, que iremos utilizar para configurar o
software de rede que for escolhido, seja ele qual for.

5.1. CLASSES DE IP:

Cada host ( nome dado para um computador principal,centra, que controla toda um rede de
serviços) e cada roteador ( é um dispositivo que interliga duas ou mais redes) tem um endereço IP
, é uma combinação exclusiva, onde duas maquinas na internet nunca tem o mesmo endereço. Os
números de rede são atribuídos por uma corporação sem fins lucrativos chamada ICANN (
Internet Corporation for Assigned Names and Numbers).

Classe Endereço IP Mascara


A 1.0.0.0 até 127.255.255.255 255.0.0.0
B 128.0.0.0 até 191.255.255.255 255.255.0.0
C 192.0.0.0 até 223.255.255.255 255.255.255.0
D 224.0.0.0 até 239.255.255.255 255.255.255.255
Tabela de classes de IP

Para o Brasil utilizamos a classe C que esta em negrito, nesta apostila não iremos entrar a fundo
na questão dos cálculos destes valores, pois é um assunto muito extenso, como sugestão, faremos
um trabalho de pesquisa sobre o assunto que deverá ser entregue até o final deste módulo. Esta
explicação rápida servirá para entendermos um pouco mais sobre protocolo de rede TCP\IP.

5.2. PROTOCOLOS:

Para que os computadores de uma rede possam trocar informações é necessário que todos
adotem as mesmas regras para o envio e recebimento de informações. Este conjunto de regras é

Página 18
conhecido como protocolos de comunicação. Falando de outra maneira, para que os
computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário que todos estejam
falando a mesma língua.
Antes da popularização da internet existiam vários tipos de protocolos, os mais utilizados eram:
TCP\IP
NETBEUI
IPX\SPX

5.2.1. TCP\IP

O TCP\IP foi criado nos anos 70, para atender as necessidades militares, os militares americanos
necessitavam de uma rede capaz de automaticamente se reconfigurar e encontrar caminhos
alternativos caso uma ou mais nós da rede saíssem do ar. Com o final da guerra fria, esta
tecnologia foi adotada por entidades educacionais, sendo mais tarde disponibilizada para uso
comercial. Hoje sua maior utilização é na internet, por ser um protocolo que se comunica com
vários softwares de rede como: Windows, Linux, Novell, Unix, é um protocolo utilizado tanto em
redes locais como em rede de longa distancia, se adapta a diferentes tecnologias e diferentes
velocidades.

5.2.2. NETBEUI

Protocolo nativo da Microsoft, ao contrario do TCP\IP e do IPX\SPX , este protocolo foi concebido
para ser utilizado somente em pequenas redes e com isto acabou se tornendo um produto
extremamente simples, bastante ágil e rápido e foi considerado o mais rápido protocolo de rede
durante muito tempo. Sua maior desvantagem para os outros protocolos é que ele não roteavel, e
a própria Microsoft adotou a partir do windows 2000 o TCP\IP como protocolo padrão para seus
sistemas.

5.2.3. IPX\SPX

Protocolo nativo da Novell, para ser utilizado somente com as redes Netware, devido a grande
popularidade da Novell , outros sistemas operacionais de rede, incluindo a Microsoft passaram a
suportar este protocolo. Apesar de a rede Netware suportar outros protocolos, como o próprio
TCP\IP, o IPX/SPX é seu protocolo padrão, sendo mais fácil configura-lo dentro do seu ambiente,
hoje nas versões recentes da novell o TCP/IP já predomina sobre o IPX/SPX, por ser um protocolo
especifico para a internet.

Página 19
Devido a grande popularização da internet, o protocolo que iremos trabalhar será o TCP/IP,
mesmo porque alguns equipamentos, como o SPEEDY por exemplo já vem configurado com este
protocolo, facilitando a sua instalação.

5.3. EXERCÍCIOS

1- O que é host?

2- O que roteador?

3- O que é endereço IP?

4- O que são protocolos?

5- Netbeui e IPXSPX são ?

6- Porque oTCP\IP é o protocolo mais utilizado hoje em dia?

Página 20
6 – CONFIGURANDO REDE LOGÍCA

Vimos até agora como executar a instalação física de uma rede, mas não é somente a passagem
dos cabos e a parte elétrica que faz com que os micros troquem informações entre si, precisamos
alem de protocolos que vimos no item anterior, configurar o SERVIDOR e ESTAÇÕES de
TRABALHO para concluir nossa rede.
SERVIDOR : Micro que centraliza as informações e fornece as senhas para os usuários.
ESTAÇÕES de TRABALHO: Onde o usuário executa os trabalhos.
Uma observação importante, verifique se o adaptador de rede (placa de rede) já esta instalado,
caso não esteja, providencie o driver (software) do mesmo para proceder a instalação, se a placa
de rede for ONBOARD, provavelmente já deverá estar instalada, faltanto apenas a sua
configuração.

6.1. REDE CLIENTE SERVIDOR:

Neste sistema, temos computadores centrais, que funcionam o tempo todo apenas fornecendo
serviços para a rede, temos computadores clientes ou usuários que usufruem dos serviços
fornecidos pelo servidor. Solução que permite um melhor controle dos acessos, com uma
performance de rede superior, tem maior flexibilidade e segurança, porem um maior custo.

Página 21
6.2. REDE PONTO A PONTO

Neste sistema, todos os computadores são tanto servidores de recursos para a rede quanto
clientes dos serviços fornecidos pelos outros computadores. Pode-se utilizar também sistemas
mistos que tem trechos cliente servidor e outros trechos no sistema ponto a ponto. Menor custo.

6.2.1. CONFIGURANDO REDE WINDOWS 98.

Para iniciarmos a instalação da rede em ambiente windows 98, devemos observar antes alguns
itens (após o windows instalado):

- Este tipo de rede, é conhecida como rede doméstica, portanto ,tem uma limitação de
usuários conectados simultaneamente, segundo a Microsoft o ideal é máximo de 10 micros, mas
com a nossa experiência, indicamos máximo de 8 equipamento (7 micros e 1 servidor).
- Neste tipo de rede não existe um software especifico de servidor, qualquer equipamento
pode ser um, costuma-se definir como servidor, o micro que tem maior capacidade de memória e
espaço em disco.
- Procurar não colocar no nome do computador e compartilhamento, caracteres especiais
como: @, # , %, $, &, espaços, e também nomes muito extensos como: Contabilidade ou
paralelepípedo.

Página 22
- Utilizar apenas um tipo de protocolo, para evitar concorrência entre eles. Você pode
instalar mais de um, mas isto implica em mais drivers instalados e pode causar lentidão.

Após verificarmos os detalhes acima e selecionarmos a maquina que será nosso servidor,
procederemos da seguinte forma:

Sendo a primeira vez que instalamos uma rede no ambiente, não irá aparecer no desktop (área de
trabalho) do windows o ícone meu computador, portanto para iniciarmos as configurações

devemos acessar o botão INICIAR, CONFIGURAÇÕES, PAINEL DE CONTROLE e selecionar o


item REDE.

Tela do painel de controle

Se seu adaptador for onboard, provavelmente


já deverá ter o driver instalado conforme a
figura ao lado, caso não esteja aparecendo
o adaptador , você deverá verificar no manual
da maquina qual o driver a ser utilizado, se não
tiver o manual em mãos, verifique na placa
mãe o chipset ou se for offboard verifique na
placa qual o driver correspondente.

Página 23
Mesmo assim se não conseguir identificar, existem alguns softwares que mostram qual os
componentes estão instalados no seu equipamento. (ex.: Belarc Advisor, etc.)
Nesta mesma tela, após verificarmos e adicionarmos o adaptador, iremos adicionar (clicar no botão
adicionar) ainda o cliente para a rede que necessitamos e o protocolo de comunicação, veja
explicação a seguir:

Clicando no botão adicionar


iremos instalar o cliente para a
rede Microsoft.

Após selecionarmos o
cliente clicaremos em “OK”
para proceder a instalação,
em seguida ira voltar a tela
de configurações mostrando
o cliente para rede Microsoft
já instalado, se o protocolo
não aparecer, iremos clicar
em adicionar novamente e
instalar o protocolo.

Página 24
Iremos adicionar o
fabricante, Microsoft e
selecionar o protocolo
TCP/IP, e clicar na tecla
“OK” para adicionar.

Aparecerá então na tela as


seguintes informações, como
podemos ver, mas ainda nos
falta mais um serviço, que é o
compartilhamento de arquivos
e impressoras, que aparece
logo abaixo do “LOGON
PRIMÀRIO DA REDE”,
clicamos nessa opção.

Página 25
Clicando no botão
“compartilhamento de arquivos”
e impressoras aparecerá a
seguinte tela, onde podemos
selecionar os dois itens, ou
somente um deles, se
selecionar que desejo apenas
compartilhar arquivos, minhas impressoras não poderão ser disponibilizadas na rede para outros
usuários, se selecionar que desejo apenas compartilhar minhas impressoras, não poderei
disponibilizar meus arquivos e pastas para os outros usuários na rede. Clicamos no botão “OK”
para gravar a informação.

Para a parte de configurações, é o


que precisamos para utilizarmos a
rede, falta nesta tela ainda
configurarmos o protocolo, no caso
da rede windows 98 iremos colocar
um endereço IP fixo, para outras
redes como windows 2000 ou XP,
Novell e Linux, elas dispões de um
serviços chamado DHCP, que
iremos explicar mais a frente, que
fornece o endereço IP
automaticamente. Para
configurarmos o protocolo,
clicaremos duas vezes sobre o
item “TCP/IP”.

Página 26
Nesta tela iremos selecionar a
opção “Especificar um endereço
IP” , e vamos digitar o IP e a
mascara conforme vimos no
item classes de IP
anteriormente, em seguida
clicamos e “OK” para gravar as
informações. O próximo passo é
preencher o dados de
identificação do micro, que
veremos na próxima tela. Para
cada micro deveremos ter um
numero de IP diferente, não
pode existir 2 maquinas com o
mesmo numero IP, neste
exemplo colocamos o IP
192.168.5.2, na próxima
maquina usaremos 192.168.5.3, e assim por diante.

Nesta tela precisamos identificar o


“Nome do computador” em nosso
exemplo este é um servidor de
rede, usaremos a palavra
“SERVIDOR” lembre-se nunca
use neste campo nomes
extensos e caracteres especiais
(* @, #,$,%,& e espaços). No
campo “Grupo de Trabalho”,
normalmente usamos o nome da
empresa, o um setor ou
departamento, no campo “
descrição” podemos usar
qualquer caractere, com

Página 27
espaços, sem problemas. Uma sugestão: Procure não colocar nomes de pessoas no nome do
computador, pois, se ela sair da empresa ou for para outro setor, o micro ficará sempre com o
nome dela, principalmente se existirem pastas ou impressoras compartilhadas neste equipamento,
coloque o nome do setor ou depto no nome do micro e na descrição o nome do usuário, desta
forma você poderá altera-lo a qualquer momento. Depois , clicaremos em OK para gravar as
informações.

Para o SERVIDOR windows 98 ou para as estações os passos de instalação para a rede são
os mesmos, o que irá alterar será o nome do computador e os números de IP´s. Podemos
seguir estes mesmos passos para a configuração das demais redes se as estações forem
win98.

No caso do servidor de rede temos algumas orientações a mais a serem feitas, caso do win98 não
aconselhamos a utilizar na mesma maquina de servidor de arquivos com a internet e ter
impressoras compartilhadas, os três serviços juntos consomem muito recurso do servidor , e isto
fará com que exista uma lentidão em sua rede.
Outro detalhe importante, muitas pessoas compartilham direto a unidade “C:\” deixando assim
vulnerável o servidor, portanto, procure compartilhar somente as pastas que você tem realmente
necessidade de utilizar na rede, como iremos explicar a seguir.

6.2.2. COMO FAZER COMPARTILHAMENTO NA REDE WINDOWS 98:

Podemos utilizar de 2 recursos para executar este processo o primeiro deles é pelo windows
explorer, veja os passos a seguir :

Página 28
Na janela do windows explorer selecionaremos a unidade de disco ou a pasta que desejamos
compartilhar, em seguida clicaremos com o botão do lado direito do mouse e selecionaremos a
opção “COMPARTILHAMENTO”.

Quando selecionarmos a opção


compartilhamento irá aparecer a
tela ao lado, com algumas opções.
“compartilhado como” temos que
seleciona-la para habilitar outros
campos, ela já virá sugerindo um
nome, que podemos alterar, caso o
nome seja extenso ou tenha
caracteres especiais, o campo
“comentário “ não é obrigatório ser
preenchido, fica a seu critério.
“Tipo de acesso” é como desejo
disponibilizar para os usuários esta
pasta ou unidade de disco.
“somente leitura” o usuário poderá
copiar ou ler as informações, mas
não alterar-las ou exclui-las.

Página 29
“Completo”, como o nome já diz, o usuário não terá restrições nenhuma, neste caso ainda posso
atrelar ao o acesso uma senha.
“Depende da senha” , se acionarmos esta opção ela irá habilitar dois campos de senhas no campo
“SENHAS” uma senha para somente leitura e outra senha para acesso completo. Em seguida ,
clicar em aplicar e OK

No exemplo acima deixamos compartilhado a unidade “C:\” com acesso completo, isto não é o
ideal, o correto seria criarmos uma pasta dados e programas e dentro delas colocaríamos todos os
documento e sistemas que devem ser utilizados em rede e depois compartilharmos estas pastas
com acesso completo, pois, existem softwares que se não estiver com acesso completo para o
usuário, pode vir a ocorrer alguma incompatibilidade.

Outra forma de se compartilhar uma pasta ou unidade de disco é, clicando no ícone “Meu
Computador”, onde irá aparecer as unidades disponíveis você pode, clicando com o botão direito
do mouse sobre a unidade, e selecionar “compartilhamento” ou clicar duas vezes sobre a unidade
de disco e compartilhar apenas uma pasta.
Alem de compartilharmos uma unidade de disco ou pastas, podemos também compartilhar
impressoras, procedendo como
segue:
No menu iniciar, configurações,
impressoras irá aparecer a tela ao
lado, clicando com o botão do
lado direito do mouse, iremos
selecionar o item
compartilhamento.

Página 30
Nesta tela iremos selecionar a opção
“compartilhado como” o sistema já nos
apresenta uma sugestão de nome,
que podemos altera-lo caso seja um
nome extenso ou contenha caracteres
especiais, não é necessário alterar
mais nenhum campo, os outros itens
não são obrigatórios. Em seguida
clicar em aplicar e OK

6.2.3. MAPEAMENTO PARA WINDOWS 98:


O mapeamento de uma rede é normalmente executado em uma estação de trabalho, para facilitar
o caminho para acesso a uma pasta ou unidade de disco, alem disto alguns sistemas, necessitam
de uma unidade de disco mapeada para poder executar suas rotinas, vejamos abaixo como fazer
um mapeamento.
Temos duas formas para executar o mapeamento, a primeira delas que é mais simples é a
seguinte:

Na área de trabalho clicaremos duas vezes sobre o ícone ambiente de rede

Página 31
Dentro da tela de ambiente de
rede iremos selecionar o micro
onde as pastas ou a unidade de
rede foi compartilhada,
clicaremos 2 vezes nome do
micro que desejamos mapear.

Quando clicarmos sobre o


nome do micro, aparecerá a tela
ao lado com todos os itens que
foram compartilhados, então
devemos clicar com o botão do
lado direito do mouse na pasta
ou unidade de disco de
desejamos compartilhar. Irá
abrir um menu de opções onde
devemos selecionar o item
“Mapear unidade de rede”.

Página 32
Na opção unidade
selecionaremos a letra da
pasta ou unidade mapeada,
logo abaixo aparece o
caminho que esta letra irá
corresponder, na opção
“reconectar ao fazer logon”
devemos deixar marcada, para que toda vez que reiniciarmos o windows, não seja necessário
refazer o mapeamento.
Podemos verificar nesta tela que a letra que aparece é a “F”, e porque não apareceu a letra “A”? é
simples , a letra “A” corresponde a unidade de disco 3 ½ de seu micro, a letra “B” não esta em
uso, era uma unidade de disco antiga, a letra “C” corresponde a o HD do seu micro, a letra “D”
corresponde a unidade de CD Room de seu micro ou outra HD que se tenha instalada, e a letra “E”
corresponde a unidade de gravador de CD, então a próxima letra disponível neste caso é a letra
“F”.
Você não precisa usar a letra sugerida, podemos utilizar a letra que quisermos, desde que ela seja
padrão para todas as outra estações de trabalho que formos mapear, este padrão não é
obrigatório, apenas irá facilitar para qualquer usuário identificar qual é a unidade de rede instalada,
em qualquer micro. Após selecionarmos a letra que utilizaremos no mapeamento, clicaremos em
“OK”

A partir daí em qualquer local do


windows que precisar consigo utilizar
esta unidade mapeada, como por
exemplo: “Meu Computador”, “Prompt
do MSDos”, “Windows Explorer”.

Página 33
Outra forma de mapeamento é utilizando o windows explorer, que vamos explicar a seguir:

No windows explorer, iremos selecionar o item ambiente de rede, e clicaremos 2 vezes sobre ele.

Quando selecionarmos, os nomes do micro, ao lado terão as pastas e unidades compartilhadas,


clicamos com o botão do lado direito do mouse na pasta ou unidade desejada.

Página 34
Na opção unidade
selecionaremos a letra da
pasta ou unidade mapeada,
logo abaixo aparece o
caminho que esta letra irá
corresponder, na opção
“reconectar ao fazer logon”
devemos deixar marcada, para que toda vez que reiniciarmos o windows, não seja necessário
refazer o mapeamento.
Podemos verificar nesta tela que a letra que aparece é a “F”, e porque não apareceu a letra “A”? é
simples , a letra “A” corresponde a unidade de disco 3 ½ de seu micro, a letra “B” não esta em
uso, era uma unidade de disco antiga, a letra “C” corresponde a o HD do seu micro, a letra “D”
corresponde a unidade de CD Room de seu micro ou outra HD que se tenha instalada, e a letra “E”
corresponde a unidade de gravador de CD, então a próxima letra disponível neste caso é a letra
“F”.
Você não precisa usar a letra sugerida, podemos utilizar a letra que quisermos, desde que ela seja
padrão para todas as outra estações de trabalho que formos mapear, este padrão não é
obrigatório, apenas irá facilitar para qualquer usuário identificar qual é a unidade de rede instalada,
em qualquer micro. Após selecionarmos a letra que utilizaremos no mapeamento, clicaremos em
“OK” e a partir daí em qualquer local do windows que precisar consigo utilizar esta unidade
mapeada, como por exemplo: “Meu Computador”, “Prompt do MSDos”, “Windows Explorer”.

Página 35
6.3. EXERCÍCIOS:

1- O é uma rede cliente servidor?

2- O que é uma rede ponto a ponto?

3- O que devemos observar antes de configurar um ambiente de rede windows 98?

4- O que é um adaptador de rede?

5- Quando devemos utilizar o endereço IP fixo?

6- Que cuidados devemos tomar ao fazer um compartilhamento?

7- O que é compartilhamento?

8- Qual o processo para compartilhar uma impressora?

9- O que devo fazer se não aparece o item compartilhamento para impressoras?

10- O que é mapeamento?

11- Podemos mapear uma impressora?

Página 36
7 – CONFIGURANDO XP

A primeira coisa que devemos entender é que diferentemente do windows 98 o XP tem


definições de usuários e senhas. Todos os usuários que tenham acesso ao servidor devem
ser cadastrados no servidor, com seu direitos ou restrições, lembrando que mostraremos
aqui um processo básico, não entraremos neste módulo nas configurações mais avanças do
XP como ACTIVE DIRECTORY, após entendermos um pouco mais sobre o XP iremos
comentar sobre as outras ferramentas (DHCP – números de IP automáticos).
Após o XP instalado, podemos criar e alterar senhas, mas para isto devemos primeiro nos
logar com a senha de administrador, esta senha normalmente não é visível, e é criada a
medida que procedemos a instalação do XP, da posse do usuário e senha do administrador,
tecle 2 vezes CTRL+ALT+DEL , que irá solicitar para entrarmos com a senha de
administrador.

7.1. CRIANDO CONTAS DE USUÁRIOS


Para criarmos contas de usuários temos duas opções no XP, a primeira é a opção contas de
usuários no painel de controle, esta opção oferece uma interface mais amigável, é ideal para
usuários, que estão começando a estudar e a lidar com contas de usuários e grupos.
Veremos a outra opção mais para frente.

Mostrar tela do painel de controle


e a tela de contas de usuários e
grupos;

Página 37
Dentro desta tela podemos,
alterar uma conta já existente,
criar uma nova conta ou alterar
as forma de fazer logon e logof
do usuário, vamos clicar no item
criar nova conta.

Nesta tela colocaremos o nome


da nova conta de usuário. E
clicamos em avançar.

Página 38
Aparece a tela ao lado as
opções, Administrador do
computador ou Limitado. Os
usuários limitados não terão
direitos a instalar determinados
programas, necessitando
utilizar uma senha da
administrador, já o
administrador terá direitos
totais. Clicamos em criar conta,
observe que ainda não solicitou
a senha, para isto iremos na tela
seguinte.

Clicando sobre a conta criada,


duas vezes, ou na opção
alterar uma conta iremos
configurar a senha da
novaconta.

Página 39
Nesta tela podemos fazer varias
modificações na conta de usuário
que criamos, como alterar o nome,
criar uma senha e ainda excluir a
conta. Vamos selecionar a opção
criar uma senha.

Devemos digitar e confirmar a nova


senha e podemos ainda digitar uma
frase caso, não lembrarmos da
senha, devemos lembra que o nome
do usuário tanto faz se é maiúscula
ou minúscula mas para a senha isto
fará diferença, e procure misturar
letras e números para poder
dificultar invasões.Clicar em criar
senha para prosseguir.

Página 40
No Windows XP ou mesmo no windows 2000 é Ideal criar contas dos usuários que estarão
acessando as pastas compartilhadas, para definirmos quais usuários podem acessar quais pastas.
Depois de criarmos os usuários, faremos o compartilhamento das pastas e unidades.

7.2. COMPARTILHAMENTO COM O XP:

O procedimento é basicamente semelhante ao do Windows 98, o que altera é que podemos definir
os direitos dos usuários em cada pasta, entrando no windows explorer, clicaremos com o botão
direito do mouse na pasta ou unidade de disco que queremos compartilhar e selecionaremos a
opção compartilhamento e segurança.

Página 41
Irá aparecer a tela ao lado, onde devemos
selecionar a opção compartilhar esta pasta, para
habilitar os campos onde iremos definir o nosso
compartilhamento.

Observe que ao selecionarmos a opção de


compartilhamento, já nos sugere um
compartilhamento, no caso especifico deste
item, estamos compartilhando a unidade “C”, se
deixarmos como “Recurso Compartilhado
Padrão” teremos os recursos de
compartilhamento restrito, inclusive não
poderemos alterar as permissões.

Se
tent
arm
os
entr
ar
na opção de “permissões”, por exemplo, irá aparecer esta tela de aviso, portanto teremos, no caso
da unidade “C:” criar um novo compartilhamento.

Página 42
Nesta tela iremos selecionar a opção
“compartilhado como” o sistema já nos
apresenta uma sugestão de nome,
que podemos altera-lo caso seja um
nome extenso ou contenha caracteres
especiais, não é necessário alterar
mais nenhum campo, os outros itens
não são obrigatórios. Em seguida
clicar em aplicar e OK

6.2.3. MAPEAMENTO PARA WINDOWS 98:


O mapeamento de uma rede é normalmente executado em uma estação de trabalho, para facilitar
o caminho para acesso a uma pasta ou unidade de disco, alem disto alguns sistemas, necessitam
de uma unidade de disco mapeada para poder executar suas rotinas, vejamos abaixo como fazer
um mapeamento.
Temos duas formas para executar o mapeamento, a primeira delas que é mais simples é a
seguinte:

Na área de trabalho clicaremos duas vezes sobre o ícone ambiente de rede

Página 31
Quando entramos nesta tela não
estará aparecendo a relação de
usuários como estamos vendo,
precisamos clicar no item “Localizar
agora” para que a relação de usuários
apareça, para acrescentarmos um
usuário, selecionamos o qual
desejamos e clicamos na opção “OK”

Após clicarmos, voltará a esta tela, onde


podemos observar que o usuário foi adicionado,
mas ainda esta com direitos de somente leitura,
precisamos definir qual direitos este usuário terá,
basta clicar na opção desejada, ou “Controle
Total” ou “Alteração”. Para concluirmos basta
clicarmos no botão “OK”.
E confirmarmos nas telas seguintes.

Página 44
7.3. MAPEAMENTO NO WINDOWS XP:

Na situação anterior fizemos os passos para a criação de uma maquina para ser nosso servidor de
rede, criamos os usuários, compartilhamos a unidade de disco, e cadastramos os usuários do
compartilhamento, como ficaria agora as estações de trabalho. Caso nossos terminais tenham
instalado o windows 98, podemos proceder o mapeamento, como no item “mapeamento para
windows 98”, se as estações de trabalho forem XP faremos o seguinte:

Numa estação, na área de trabalho, clicamos sobre o ícone “Meus Locais de rede” .

Página 45
Selecionaremos a opção “Exibir computadores do meu grupo de trabalho”.

Selecionaremos o servidor ou micro que desejamos mapear.

Página 46
Em seguida, clicaremos com o botão direito do mouse sobre a pasta ou a unidade de disco que
desejamos mapear, e selecionaremos a opção “mapear unidade de rede”.

Nesta tela iremos selecionar a letra que utilizaremos como unidade de rede, diferente do
windows98 que não apresenta a letra “B:” o XP tem esta letra disponível para o mapeamento.

Página 47
Selecionando a letra desejada clicaremos na opção “Reconectar Durante o Logon”, para quando
reiniciarmos o micro ele não perca o mapeamento,em seguida clicamos em concluir.

Depois do processo executado, tanto no Windows explorer, quanto no item meu computador ou
mesmo no comando do prompt, poderemos utilizar esta unidade.

Página 48
8 – INSTALANDO DHCP

Quando instalamos uma rede com 10, 20 computadores, é até fácil você deixar o endereço IP das
maquinas estático ou fixo, mas quando falamos de 100, 200 ou 400 estações a coisa fica muito
complicada, nesta situação o ideal é se utilizar de um serviço chamado DHCP, este serviço esta
disponível somente em softwares servidores, como 2000 Server, 2003 Server, Linux, e para ser
utilizado você precisa ativar o serviço e configurá-lo.
Tinha a idéia de mostra este serviço no Windows XP, já que no windows 98, este serviço não
existe, mas durante as pesquisas para esta apostila, descobri que no XP ele tem o serviço, mas só
como cliente, ser desejarmos utilizar o DHCP numa rede com windows XP, temos que utilizar o
windows 2000server ou windows 2003 Server para acionar este serviço, portanto, o que vamos
mostrar neste capitulo é como instalar e configurar o serviço DHCP no windows 2000 Server.
Vamos primeiro falar o que é o DHCP, Dynamic Host Configuration Protocol que quer dizer
Protocolo de Configuração de Host Dinâmico , este serviço serve para disponibilizar para as
estações de trabalho um numero de IP automaticamente, quando o usuário se logar na rede, a
estação irá consultar este serviço que irá fornecer um numero de IP para ela, para isto acontecer,
nas estações devemos deixar nas configurações de rede, no item TCP\IP a opção “obter um
endereço IP automaticamente”

Tela de configuração do Windows 98

Página 49
Tela de configuração do windows XP

Para instalarmos um serviço de DHCP no 2000 Server procederemos da seguinte forma:


- Abrir o Painel de Controle
- Abrir o adicionar ou remover programas.
- Clique em adicionar e remover programas do Windows
- De um clique em avançar
- De um clique em serviços de rede e depois no botão detalhes.
- De um clique na caixa de verificação ao lado de DHCP.
- De um clique em OK para voltar aos componentes do Windows.
- De um clique em avançar para instalar o serviço
- De um clique em concluir o assistente.
- De um clique em fechar para fechar o adicionar e remover programas do Windows.

Fazer Power point destas telas para acrescentar na apostila dos alunos.

Página 50
8.1. EXERCÍCIOS:

1- Como aciono a senha de “Administrador” no Windows XP?

2- Como crio senha de usuários no Windows XP?

3- Quais as principais diferenças entre o compartilhamento do XP e o 98?

4- Porque não posso alterar as permissões do compartilhamento “C$”?

5- Explique o mapeamento do Windows XP?

6- O que é DHCP? E qual a sua função?

7- No XP tenho como criar um serviço DHCP? Pesquisar.

8- Quais as principais diferenças em o XP e o 98 que você percebeu?

Página 51
9 – BIBLIOGRAFIA

- GUIA COMPLETO DE CABEAMENTO DE REDES ( Editora Campus)

- REDES DE COMPUTADORES (Editora Campus)

- TEORIA E PRÁTICA REDES WINDOWS (Brasport)

- WINDOWS XP BASICO E DETALHADO (Visual Books)

- WINDOWS XP HOME E PROFESSIONAL PARA USUÁRIOS


E ADMINISTRADORES (Axcel Books)

- DOMINANDO WINDOWS 2000 SERVER “A BIBLIA” (Makros Books)

- WWW.GABRIELTORRES.COM.BR

- E VARIOS OUTROS SITES SOBRE O ASSUNTO

Página 52