Você está na página 1de 2

Equipes multiprofissionais e mortalidade em UTI

Michelle M. Kim, MSc; Amber E. Barnato, MD, MPH; Derek C. Angus, MD,
MPH; Lee F. Fleisher, MD; Jeremy M. Kahn, MD, MSc. The Effect of
Multidisciplinary Care Teams on Intensive Care Unit Mortality. Arch Intern
Med. 2010;170(4):369-376.

Introdução
A mortalidade das principais síndromes (sepse, SARA) que levam à
admissão na UTI é de até 50%. Alguns estudos têm sugerido que mudanças
organizacionais, como a permanência de um intensivista 24h na unidade,
associam-se a menor mortalidade. No entanto, o papel de equipes
multiprofissionais ainda não é bem estabelecido.
O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto que uma visita
multiprofissional com ou sem a presença de um intensivista está associada a
uma menor mortalidade em 30 dias.

O estudo
Foram coletados dados de 112 hospitais americanos e de um total de
107.324 pacientes. Comparou-se a mortalidade em 30 dias para hospitais com
e sem equipes multiprofissionais e com ou sem intensivista 24h.

Resultados
Vinte e dois hospitais tinham tanto a presença de um intensivista 24h
quanto uma equipe multiprofissional (definida como a presença de um médico,
enfermeiro e mais outro profissional).
A presença apenas de uma equipe multiprofissional associou-se a uma
redução de 16% na mortalidade (OR 0,84; IC 95% 0,76-0,93, p=0,001). A
presença do intensivista também associou-se a uma redução de 16% na
mortalidade (OR 0,84, IC 95% 0,75-0,94, p=0,002).
A combinação de uma equipe multiprofissional e um intensivista 24h
associou-se a uma redução a de 22% (OR 0,78; IC 0,68-0,89, p <0,001). A
presença de equipe multiprofissional sem intensivista associou-se a uma
redução de 12% da mortalidade (OR 0,88; IC 0,79-0,87, p=0,01).
Além disso, a presença de uma equipe multiprofissional associou-se a
uma menor mortalidade nos dois subgrupos analisados, pacientes com sepse e
em ventilação mecânica (redução de 20 e 19%, respectivamente). Sempre que
se associava a presença de um intensivista 24h, as mortalidades eram
menores (redução de 26 e 26%, respectivamente).

Implicações para a prática clínica


Este estudo foi o primeiro a mostrar o impacto de uma equipe
multiprofissional na UTI, impressão empírica que todos nós temos. Além disso,
mostrou a sinergia da associação de um intensivista 24h e de uma equipe
multiprofissional. A presença de equipes multiprofissionais parece ser
importante pelo conhecimento que cada membro traz e pela visão única que a
sua formação específica permite. Assim, a aplicação de evidências e
protocolos seria teoricamente mais fácil.
No entanto, os achados são limitados por dois motivos principais: Não se
detalhou como eram formadas as equipes (Fisioterapeuta? Farmacêutico?
Psicólogo?) e apenas UTIs clínicas participaram do estudo.
Um dado interessante que poderia ser mostrado era o impacto de
diferentes equipes com diferentes componentes no prognóstico dos pacientes.
Por exemplo, qual o impacto de se ter ou não um farmacêutico na UTI?