Você está na página 1de 3

Modelo de um Ensaio Científico “Uma análise sobre os efeitos do álcool ao volante na zona urbana

Por Dionísio Carmo-Neto, PhD

Fone: 71-8874-4570 * www.latinscience.org

Ensaio_Cientifico

INTRODUÇÃO

EXEMPLO APLICADO AO DIREITO

Problemas Problemática Objetivos Pressupostos Hipóteses de trabalho Justificativa Metodologia de análise

Problemas: (a) há um número expressivo de acidentes de veículos nas ruas das grandes cidades; (b) boa parte destes acidentes têm vítimas fatais; (c) a maior parte deles envolve pelo menos um dos motoristas que havia bebido álcool imediatamente antes de dirigir; (d) em geral, os acidentados não usavam cintos de segurança; (e) praticamente todos os envolvidos negam peremptoriamente terem bebido antes do acidente; e (f) o motorista que bebeu é sempre o que quer ter razão e o que diz que a bebida em nada contribuiu para o acidente.

Problemática: no momento de um acidente em que há o envolvimento direto ou indireto de bebida a sua resolução se torna difusa, enigmática, passando sempre a impressão de que houve algum grau de subjetividade: ou no modo como o evento foi concebido ou na maneira como ele é resolvido.

Objetivos: (1) entender as razões de por que as pessoas mentem em situações em que sentem que serão punidas; (2) apresentar um conjunto de argumentos que justificam tais 'modos racionais' sentidos por estas pessoas; e (3) avaliar se tem ou não razão de ser os medos sentidos por elas diante das punições previstas ou dos desesperos.

Pressupostos: (a) é possível se trabalhar diretamente com as pessoas envolvidas nos 2 lados do acidente: o que cometeu a infração e os parentes da vítima; (b) todos os envolvidos, esperam, de algum modo, que justiça seja feita, seja ela financeira ou penal; (c) a comunidade espera que o direito cuide de todos os aspectos que uma sociedade contemporânea pode estar sujeita; e (d) faz parte do papel advogado como cidadão preocupar-se com a qualidade de vida do outro, com o ser vivo e com o respeito ao próximo.

Hipóteses de trabalho: (1) existe um modo racional e educativo de reduzir o número de acidentes com veículos e motoristas alcoolizados; (2) a sociedade está disposta a pagar um outro preço, financeiro e de seguros por exemplo, a ter vítimas em suas famílias; e (3) social e economicamente, é mais barato e mais justo se prevenir do que ter que remediar as ocorrências de acidente.

Justificativa: este trabalho é importante porque busca entender as razões de porque certas pessoas acreditam não estarem cometendo acidentes quando dirigem. Ele é relevante na medida em que infere do discurso e das suas contradições o próprio conteúdo, que eles tentam negar enquanto se expressam, e, a pesquisa é também relevante porque atua no modo de agir de tais indivíduos sobretudo como elas pensam acreditando que nunca seria necessário respeitar o direito do outro ou serem punidas. Trata-se de um estudo útil porque, de algum modo, toda a comunidade está sujeita a tais tipos de comportamento de tais motoristas. É um ensaio de resultados aplicáveis a qualquer cidade deste país, porque esta é uma prática nacional. E, é generalizável porque, de alguma maneira, entre uma amostra e outra analisada, as razões apresentadas não devem diferir de modo significante.

DESENVOLVIMENTO

EXEMPLO APLICADO AO DIREITO

Explicar o método que será utilizado; Levantamento da literatura Apresentar um exemplo numérico; Se for ocaso, tecer comentários;

Explicar o método que será utilizado: este ensaio será produzido do seguinte modo: (a) inicialmente, uma observação aparentemente desinteressada será feita em algumas ruas bastante movimentadas numa grande cidade durante algum tempo; (b) procurar-se-á as emergências de hospitais para entrevistar as pessoas envolvidas e saber que comportamento elas têm logo após um acidente: o que comentam, que tipo de cadeia de fatos elas normalmente apresentam; (c) usar-se-á também um rádio que escute as chamadas da polícia para também estar presente nalguns casos; (d) buscar-se-á formar o imaginário de como as pessoas não envolvidas tendem a visualizar a vítima, o outro e o acidente em si; (e) como as pessoas envolvidas estão altamente estressadas, em desespero e sem condições de dar entrevistas, usar-se-á a observação presente, porém distante, tomando-se nota de todos os fatos que parecerem importantes à culpa, à ética, à educação, a justiça e a vingança; (f) um questionário próprio será desenvolvido para se entrevistar os policiais, os parentes e as testemunhas. O seu objetivo é fazer com que se obtenha informações mais precisas e também adicionais sobre as pessoas e a ocorrência em si; (g) os dados serão em seguida categorizados, criticados, ordenados e construídas as variáveis; (h) uma análise interpretativa dos fatos, das imagens criadas e de todo o rationale será feita a partir dos elementos colhidos; e (i) o ensaio será essencialmente qualitativo, usando-se por conseguinte a análise do discurso para obter se proceder algumas inferências.

Levantamento da literatura: Este ensaio fará uma análise dos principais trabalhos sobre acidente de trânsito urbanos no Brasil, entre 1990 e 1999, publicados e disponíveis em português. Com efeito, a questão da segurança no trânsito ainda não parece estar clara. Segundo a literatura brasileira recente, há pelo menos 2 vertentes opostas. Por um lado, de acordo com Silva (1990:267) "as pessoas que dirigem precisam estar precavidas tanto para agirem rapidamente em seus veículos quanto para defender-se dos vândalos que dirigem de qualquer modo." No entanto, tal afirmação pressupõe que praticamente o direito não exista, muito menos uma ação enérgica, constante, eficiente e eficaz por parte do Estado. Por outro lado, segundo Pereira (1995:45) "os motoristas não têm que cuidar dos outros, mas serem responsáveis pela seu próprio volante." Esta declaração indica subliminarmente que deve existir um conjunto de artefatos, artifícios, mecanismos ou aparelhos do Estado de modo que: eduque as pessoas, haja disciplina nas velocidades, campanhas de solidariedade e, também, um conjunto de leis próprias que cuidem da qualidade de vida do cidadão urbano, incluindo ou sobretudo o trânsito.

Exemplo de um levantamento numérico de dados: De acordo com as estatísticas da FIBGE (1990:23), 72% dos acidentes urbanos com veículos ocorrem em grandes artérias das cidades com populações acima de 250 mil pessoas. Algo como 37.5% destes acidentes envolvem vítimas e não menos que 78% deles um dos motoristas havia bebido menos de 60 minutos antes dos acidentes. Em média, os carros que envolvem acidentes continham 2.7 pessoas, sendo que algo como 39% eram crianças com idade inferior a 10 anos. Ainda, algo como 82.3% das vítimas não usavam cinto de segurança, cerca de 93% sentavam-se no banco da frente, e, 88% eram crianças soltas no banco traseiro sem cinto de segurança.

CONCLUSÃO

EXEMPLO APLICADO AO DIREITO

Mostrar de onde se partiu e como se concluiu Buscar fechar o ensaio Fazer inferências possíveis Elaborar algumas generalizações sensatas Listar algumas recomendações e Apresentar algumas limitações do ensaio

CONCLUSÕES:

Este ensaio mostrou que os acidentes urbanos são mais freqüentes nas vias de grande acesso, nos momentos em que o trânsito é bastante intenso ou “hora do rush”.

Os dados mostraram que boa parte dos acidentes que envolvem vítimas, está de alguma forma, associado aos motoristas que beberam álcool imediatamente antes de dirigir, e isso conduz às pessoas a mentirem por medo.

Inferiu-se que as campanhas pela mídia precisam ser melhor concebidas e ter a participação efetiva e ativa de toda a sociedade.

 

RECOMENDAÇÕES:

O ensaio discutiu a possibilidade de se criar uma disciplina específica tanto na escola fundamental quanto na graduação universitária de tal modo que as pessoas aprendam desde cedo a lidar com o próximo com respeito.

Mostrou-se que esta possibilidade é factível na medida em que ela pode ser executada nos horários normais das aulas, como aulas práticas, sobretudo na forma de seminários.

Buscou-se deixar claro que esta é uma experiência passível de ser repetida em qualquer instituição, independentemente de se ela é pública ou privada. Os efeitos serão de longo prazo, porém, são altamente promissores.

Discutiu-se a possibilidade da ciência idealizar algumas drogas que evitassem a dependência e, também, dos bares terem hora determinada para funcionar.

Procurou-se criar meios de se instigar a criatividade de autores brasileiros de livros infantis no sentido de pensarem textos que tanto funcionasse como provocadores de bom comportamento quanto servisse de base para reflexão e livros-textos para professores e trabalhadores da área.

LIMITAÇÕES:

A amostra que se tomou e os ambientes investigados se mostraram interessantes, porém insuficientes para tratar de todos os aspectos que requer o problema do álcool ao volante.

O ensaio também conseguiu esclareceu que todas estas propostas, mesmo aquelas sugeridas aqui, têm limites, não são uma panacéia. Finalmente ficou claro que outros modos de reduzir acidentes mais eficientes, mais eficazes, mais abrangentes e mais permanentes possam ser trazidos à tona no futuro.

Referências Básicas:

CARMO-NETO, Dionísio. Escrevendo e Orientando: papers, monografias e teses. Salvador-BA: Unyahna 2001, 144 p. CARMO-NETO, Dionísio. Metodologia Científica para Principiantes. 3a ed, Salvador-BA: American World University Press, 1996, 560 p.

CARMO-NETO, Dionísio. Métodos de Concepção da Realidade. Salvador-BA: Unyahna, 1999, 231 p.

CARMO-NETO, Dionísio. Teoria do Metadiscurso. Brasília-DF: CNPq & Unyahna, 1999, 231 p. CARMO-NETO, Dionísio. "Em que jogo você pode entrar quando escreve ou orienta uma tese?" São Paulo- SP: Revista Epistéme, 2(2): 9-30. Jul-Dez/97.