Você está na página 1de 2

diz/fao qualquer trabalho, y m/eu amor de volta todo dia (v.

01/2017)
tatiana nascimento*

quizila!: quizila um pouco mais) dos santos, malditos, que


conteno quebran diriam
to forca Laroy! amm
camisa de fora (middicum?) rindo por dentro
sexo fora e vc, chuta no!
frceps / cesrea que eh macumba fingindo
sem-injeo eh o qu? enfeite? espanto?)
interrupo eh seita? aceite: quizila... que
a servio do patro neh enredo no branto...
basta neh folclore no If,
rdo e no eh possesso, com voc eu vim
mar: pardo eh religio do mar
(pra filha deles tem mas c acha que uma ala do amar
legalizao no sambdromo gor eu podia saber de cor
pra gente :) basta a dor
reteno no com ria? me chamar de errante
plexo de com tava baum? me ceder ao feitor
teno eu podia ser s
uma tese
com matria turva
na antropo
tenso memria podrejante em rio-
logia? que eh ca
com curva
pleio tarse do delrio coletivo?
mas mais, eu sou mais,
cor: eh primitivo? eh
aprendi a ser
tio fei / ti / a / ria?
mais:
ferro fantasia: carnaval / carnial
sou carne crua
marcadura bambuzal / urubuzal
lnguafiada
queimadura filial da sucursal
mente assentada
pele borbulha do inferno colonial
y pele... pele! ag,
raa impura "eu vim
minha
(mula! macaca! porque me roubaram"
pele: tu, es-
cachorra! piranha! me venderam
cura
burra.) porque me compraram!
tu
ferradura: (dor,
s cura que ali
a cavalo dado no se olha mares de banzo navegamos
via de um tanto
dentadura dor)
minhas fundura solido
dentio me arran-
minhas low
dente de leite caram
cura... banzo.
ama de leite? do descontinente
quebranto, quizila?
ma (e superamos!)
quel. acalanto. ronc
go... ama d? me chi
Ir! alegria pro meu corao,
relo-ouro, co / te / a /ram!
pro seu corao. y mira:
azeite... me odiaram.
o Or forte
dendezeiro... deleite! atearam fogo? tambm
o plexo
farofa eb pad! no terreiro de iai
convexo
(e quem acha que pad (mas sopra um vento, Oy,
y eu carrego um Of rumo:
cocana tem que ir Epahey Oy sopra um vento
sorte
um pouco mais atrs, Oy que livrai-nos do mal do
calmaria
pravanar esquecimento
tecnologia ancestral
de quem?
y fora! que ax,

princpio vital / fim / y meio,

fora

( canto

dana bena))

fora

o poema falado pode ser visto no link do qr-code ao lado

*tatiana nascimento poeta, compositora, cantora, tradutora,


editora, zineira, educadora lsbica negra, e ainda tem mais

diz/fao... foi publicado em 2016 no lundu,, primeiro livro


de poemas da autora, lanado pela pad editorial editora de
livros artesanais que publica autoras negras y/ou lgbtqi+

a pad editoria foi fundada em 2015 por tatiana nascimento e


barbara esmnia