UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Direito - Sala 1B

Lista de exercícios das aulas 1-4

Henrique de Farias Sariedine -TIA:41705246
João Pedro Naddeo Dias Lopes-TIA:41739663
Fernando Tavares Bertholdo-TIA:41740874

São Paulo 20\09\2017
Aula n. 1 e n. 2

1. Dê a definição de Ética e de Moral, segundo VÁSQUEZ, A.

Para Vásquez, ética “ é a teoria ou ciência do comportamento moral dos
homens em sociedade”. Já moral, “é o conjuntos de normas, aceitas livre e
conscientemente, que regulam o comportamento individual e social dos
homens”.

2. Qual a finalidade do estudo da Ética como ciência da Moral, segundo
JIMENEZ, Molina?

Para Jimenez, o estudo da ética como ciência da moral tem a finalidade de
tornar a bondade moral mais lúcida, mais consciente; podendo proporcionar
consequências positivas sobre a vida moral.

3. Qual a finalidade da Ética segundo a Filosofia?

A finalidade da Ética, segundo a Filosofia, é de uma reflexão de como devemos
viver. Ainda, segundo Jimenez, tem como objeto de estudo o fenômeno moral.

4. Dê a classificação do Comportamento Moral, segundo a Ética. Defina
cada um deles.

A classificação do comportamento moral se da em:

-Moral: Aquele de acordo com a regra.

-Imoral: Aquele que viola a regra.

-Amoral: Aquele que ignota a moral por desconhecimento ou incapacidade.

-Não moral: Aquele que não entra na esfera de valores da moralidade.

5. Qual a diferença entre Sujeito Ético e Sujeito Aético?

O sujeito ético é aquele dotado de razão e consciência, sendo capaz de julgar,
deliberar, decidir e escolher. Já o sujeito aético, apesar de dotado de
racionalidade, é incapaz de julgar, deliberar, julgar e decidir; pelo fato de algum
distúrbio psíquico ou imaturidade.
6. De acordo com a definição de Sujeito Ético, indique quais os dois
atributos básicos que deve ter o sujeito para ser considerado Sujeito
Ético.

Ser dotado de razão e consciência.

7. Qual a função social da Norma Moral?

De acordo com Vásquez, a função social da norma moral é de regular ações
dos indivíduos, numa comunidade social dada, visando manter e garantir
determinada ordem.

8. Explique por que não é possível uma Moral Universal?

Isso se deve ao fato da moral ser cultural e concreta, ou seja, varia de acordo
com a cultura, tornando impossível sua universalização.

9. Explique por que podemos falar de uma Ética Universal?

Essa possibilidade se deve ao fato da ética ser transcultural e abstrata,
podendo assim se adequar a diversos povos e ter usa reinterpretação diversas
vezes, podendo ser adjetivada como universal.

10.Explique a diferença entre Moralidade Pública e Moralidade Privada

A moralidade de pública diz questão ao caráter social, enquanto a moralidade
privada se refere ao caráter privado.

11.O que acontece quando valorizamos excessivamente a Moralidade
Pública?

A valoração excessiva da moralidade pública enaltece o dogmatismo e o
legalismo.
12. O que acontece quando valorizamos excessivamente a Moralidade
Privada?

A valoração excessiva da moralidade privada enaltece o individualismo e a
tirania da intimidade.”

13. O que é Anomia Social?

A anomia social resulta do desequilíbrio entre a moralidade pública e a
moralidade privada, e consiste na desagregação normativa, ou seja, um conflito
estabelecido pela relação entre as normas de conduta estabelecidas como
regras pela sociedade (leis, costumes...) e meios utilizados por indivíduos para
alcançar as metas socias (ser rico, famoso, culto...) que compõem a estrutura
social. O estado de anomia é estabelecido quando aceita-se que alguém atinja
as metas socias por quaisquer meios, deixando de lado as normas socias
impostas pela sociedade. Os indivíduos intensificam a anomia quando eles
abandonam as normas usadas para satisfazer seus desejos.

14. Explique a diferença entre Moral Constituída e Moral Constituinte.

A moral constituída consiste em valores determinados pela sociedade que
orientam o individuo a ter um comportamento regrado por meio de normas. Ao
longo da vivência no meio de outros, tal indivíduo vai compreendendo e
interpretando tais normas ao seu ver, e vai se dirigindo a elas, demonstrando
assim a moral constituinte.

15. Dê a definição de Cidadania, segundo PINSKY & PINSKY.

Cidadania significa o conjunto de direitos e deveres pelo qual o cidadão está
sujeito no seu convívio em sociedade. É exercida pelo indivíduo, grupos ou
instituições através do poder que tem. É, portanto, o conjunto de direitos
políticos que cada indivíduo tem e que lhe permite intervenção dos negócios
públicos do Estado, participando diretamente ou indiretamente.
16. Explique por que a educação ética e a formação moral são
indispensáveis para o exercício da cidadania?.

A ética é uma disciplina filosófica que estuda o fenômeno moral, ou seja,
estudo do comportamento humano e exigências de quais regras deverermos
seguir e como seguir. A ética estuda a moral a milhares de anos e, ao longo
desse tempo, foi elaborando os conceitos e métodos para abordar
apropriadamente o fenômeno mencionado.

O exercício da cidadania só é possível quando trata-se de um indivíduo
doutrinado de forma a seguir as normas sociais de uma determinada
sociedade. Tais normas são definidas através dos anos de consolidação de
uma estrutura social, que resultam no estabelecimento de regras de conduta
morais visando a perpetuação de dada sociedade.

Aula n. 3 e n. 4

1. Quais são os três elementos que constituem o campo de estudo da
Ética?

O campo de estudo da Ética é constituído pelo agente moral, pelos valores e
obrigações, e os meios e os fins.

2. Cite as quatro características do Sujeito Ético e explique cada uma
delas.

O sujeito ético há de ser capaz de reflexão e de reconhecer a existência dos
outros como sujeitos éticos iguais a si;

1) O sujeito ético é dotado de vontade, ou seja, possui capacidade para
controlar e orientar suas vontades, para que estejam em conformidade com
as normas e os valores reconhecidos pela consciência moral. Também há
de possuir capacidade de julgar e decidir entre várias alternativas possíveis.
2) O sujeito ético é responsável, pois reconhece-se como autor da ação, e
possui capacidade de avaliar consequências dela sobre si e sobre os
outros, além de assumir tais desencadeamentos;
3) O sujeito ético é livre, pode oferecer-se como causa interna de sentimentos,
atitudes e ações por não sofrer influência externa que o forcem sentir,
querer ou fazer alguma coisa. A liberdade é configurada não como o poder
de escolher entre os vários possíveis, mas o poder para autodeterminar-se,
dando a si mesmo as regras de conduta.
3. Qual a diferença entre Autonomia, Heteronomia e Teonomia.

Autônomo é aquele que tem o poder para dar a si mesmo a regra, e goza de
autonomia; heterônomo é aquele que não tem a capacidade de autonomia e
portanto recebe de um outro a norma, a regra ou a lei; o teônomo é aquele que
guia-se pelas leis de Deus.

4. Qual a diferença entre Vontade e Desejo?

Na vontade, há a capacidade de decisão no querer. O querer transforma o
desejo na vontade. O que configura a vontade é a disposição do indivíduo para
realizar algo, atinjir seus fins; enquanto que desejo é somente a aspiração
diante de que algo corresponda ao esperado.

5. Qual a diferença entre Dilema e Conflito?

O dilema parte de premissas que se excluem mutuamente. Entretanto, chegam
em uma conclusão que deriva, necessariamente, de ambas as premissas. O
conflito, por seu turno, são premissas antagônicas; pode ou não ter um
resultado positivo.

6. Cite as três questões da vida humana que levantam problemas morais.

Querer, dever e poder.

7. Segundo o filósofo Immanuel Kant, qual é o primeiro princípio de toda
ética?

R: O homem possui fim em si mesmo: “Age de tal forma que trates a
humanidade, na tua pessoa ou na pessoa de outrem, sempre como um fim e
nunca apenas como um meio.” (Kant: 1785)
8. Cite o imperativo categórico de Kant.

R: O imperativo categórico – um noúmeno do ser - sintetiza a definição moral
de Kant. Divide-se o em três máximas:

Fim em si mesmo: as ações morais possuem seu valor em seu próprio âmago;
não são finalísticas;

Lei universal: as ações morais são universais; são invioláveis
independentemente da situação;

Legislador universal: O sujeito deve agir como legislador universal, isto é, fazer
suas máximas corresponderem a moral.

9. Qual a diferença que Kant estabelece entre coisas e pessoas?

R: O sujeito - capaz de perceber o objeto através de sua representação, de seu
fenômeno - é o ser cognoscente: percipiens.

Os objetos - perceptum - por sua vez, podem ser divididos em dois grupos:

Os objetos a posteriori: são conhecidos apenas pela experiência;

Os objetos a priori – noúmenos - são o conhecimento do conhecimento
empírico; obtidos através da razão pura: são transcendentes. Haja vista a
geometria;

10. Com base na questão anterior, explique por que na Ética não vale a
máxima de que os fins justificam os meios.

A moral é estabelecida a priori, ou seja, transcende o mundo empírico. Por
conseguinte, é um conceito puro, é um conceito que se apresenta como
verdade universal. Destarte, possui seus fins em seu próprio conceito, não em
suas consequências.

11. Explique por que para a Ética de Kant a mentira, as falsas promessas,
o engano, são moralmente condenáveis?

A ética de Kant é baseada em juízos sintéticos a priori: juízos que, para Kant,
definem a ciência. À vista disso, a ética é um conceito universal que possui
como fundamento, ou seja, conhecimento empírico, as máximas do ser
humano. Como as mentiras são ações que perturbam o bem universal, são
consideradas imorais.
12. Explique por que para a Ética Cristã a mentira é moralmente
condenável?

Na ética cristã Deus é agente regulador das ações humanas. Destarte, como
mentir é um valor que viola a pureza da verdade, é moralmente condenável.

14. O que é Liberdade?

Ser livre é ser capaz de escolher; de agir de acordo com seus desejos. É uma
condição intransponível do homem; o ser humano está condenado a ser livre.

15. O que é Responsabilidade?

O homem é capaz de escolher, logo, deve ter consciência das consequências
que corroboram tais ações. Agir com tal consciência é ser responsável.

16. Dê a definição de Virtude.

Virtude é um conjunto de hábitos que corroboram em ações positivas, boas.

17. O que é o Dever Moral?

O dever moral é estabelecido como regra universal. É uma obrigação
categórica.