Somos Santos?

- por René Burkhardt | 15 de Agosto de 2010

³Sede santos, porque eu sou santo´ (1Pe 1.16) Quanta coisa se tem feito por causa dessa ordem. A religião arrancou essa passagem do contexto bíblico e a aplica das piores formas possíveis, sempre impingindo ao homem o fardo de obedecê-la integralmente, a despeito de sua [do homem] incapacidade para tanto. Verdade é, que essa ordem foi dada ao homem e deve ser cumprida, mas, como em todas as coisas ligadas ao nosso relacionamento com Deus, é o próprio Senhor que nos aponta o caminho a ser trilhado e nos capacita, no Espírito Santo, a alcançar a meta, se quisermos. Jesus se entregou por nós a fim de nos remir de toda a maldade e purificar para si mesmo um povo particularmente seu, dedicado à prática de boas obras E boas obras, para . que assim sejam consideradas, são o resultado do amor que enche a pessoa, a ponto de não poder mais ser contido e explodir em atitudes santas e santificadas, para com Deus e para com as outras pessoas. Elas nunca podem ser fruto da intenção racionalizada de se cumprir uma ordem. Quando dizemos: ³Faço o bem e elimino meus pecados, porque a Palavra de Deus determina isto!´, na verdade, agimos como os fariseus, que pensam garantir sua salvação através do cumprimento da lei. Transformamos a Graça em Lei! O que fazemos, nesse caso, é cuidar da aparência! Dizemos: ³Não fumo, não bebo, não me drogo, não adultero, não sou assassino, não sou pedófilo, não sou homossexual, falo baixo, me domino em tudo, não vou a festas, não assisto nem vou ao futebol, não assisto televisão, vou sempre à igreja e faço tudo o que a Palavra de Deus manda!´. Sobrou alguma coisa para o Senhor operar em nós, a fim de Ele nos purificar para Si mesmo? Com esse discurso, o que realmente estaríamos dizendo é: ³Não tenho pecado. Graças Te dou, meu Deus, porque eu não sou como esses outros, que fazem essas coisas!´. Mas, se afirmarmos que não temos cometido pecado, fazemos de Deus um mentiroso, e a sua palavra não está em nós. E o Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração É . possível que alguém não faça nenhuma dessas coisas, na sua própria força. Por fora, esse alguém aparenta uma vida piedosa. No entanto, o seu interior está cheio de ódio pelas pessoas que tais coisas fazem. A todo momento, essa pessoa condenará às outras, porque elas não se esforçam para atingir esse padrão de ³santidade´ que ela atingiu, com o seu esforço. Ela sempre olha as outras pessoas de cima para baixo, como se ela fosse um ser humano melhor, perfeito, ainda que diga, da boca para fora, ³Não sou perfeito! Também tenho meus pecados!´. Ela só diz isto, para não transgredir a ³lei´ de que não podemos afirmar que não temos pecado. Vemos uma pessoa dessas e a consideramos ³santa´, porém, o Senhor sabe que o seu coração é enganoso mais do que todas as coisas, e , desesperadamente corrupto. Não tem amor! O nosso Deus Pai e Criador nos indicou a forma para chegarmos à santidade que Ele requer de nós: ³Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça´. Não sou pedófilo, mas devo confessar: ³Senhor, sou homem e, enquanto estiver neste corpo carn estarei suscetível a cometer al, esse erro pavoroso. Não sou melhor do que as pessoas que caíram nesse erro, Senhor, por isto, não me deixe cair em tentação e livra-me do mal´. Não sou assassino, mas devo confessar a mesma coisa! E assim devemos fazer com todas as maldades que brotam em nosso coração, porque do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias. E são essas coisas que tornam o homem impuro, não-santo! Assim também é, quando nos aproximamos do Senhor, ainda cansados e sobrecarregados de erros, atendendo ao Seu chamado. Devemos ter a confiança de estarmos assentados nos

lugares celestiais, em Cristo Jesus, santificados por Ele, através do Espírito Santo, que milita contra nossa carne, para que não façamos o que, porventura, for de nossa vontade. E isto não acontece em um passe de mágica! É gradual! Todos os dias somos ensinados pelo Senhor! Todos os dias somos santificados por Ele, para que sejamos apresentado perante s ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis, se é que permanecemos nessa fé, alicerçados e firmes. Com essa fé, de que é Ele quem nos purifica, e com a confissão sincera da nossa fraqueza e da nossa impossibilidade de nos aperfeiçoarmos, o Espírito de Cristo nos mostra o caminho a seguir, luta contra nossa carne, age nas circunstâncias, para que não sejamos tentados além de nossas forças, e coloca o Seu amor em nosso coração, a fim de que ele seja capacitado a ver às outras pessoas, como o Senhor as vê, em amor, além de não pensarmos mais do que convém, a nosso próprio respeito. Mas a Palavra de Deus não está cheia de recomendações para que abandonemos o pecado? Sim, está! Mas, se isto fosse possível, na nossa própria força, Jesus não precisaria ter-Se dado em sacrifício por nós. Ele veio, como Cordeiro de Deus, exatamente por não nos ser possível a auto-santificação! E essa é a mensagem central do Evangelho: arrependimento de obras mortas! Isto significa nos conscientizarmos da nossa incapacidade de alcançar, pelo nosso esforço, a santidade, sem a qual ninguém verá a Deus. Essa consciência nos leva a confessarmos a nossa fraqueza a Deus e a entregarmos nossa vida em Suas mãos , confiando que Jesus é, realmente, o único Caminho para nos chegarmos a Deu E esse s. Caminho, somente Ele, é a nossa sabedoria, nossa justificação, nossa santificação e nossa redenção! Aplicar isto à nossa vida é obedecer aos mandamentos para deixar o pecado. "Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros" (Jo 13.35). É expressando amor, que nos tornamos discípulos de Jesus. ³Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos (Mt 5.44.45). É expressando amor, que nos tornamos filhos de Deus. Como ter esse amor, se do nosso coração só saem coisas ruins? Simples: reconhecendo que somos maus, a despeito de nosso esforço em parecermos ser santos! É diminuirmos, para que Cristo cresça em nós. E diminuir, aqui, significa pararmos de achar que somos capazes de fazer alguma coisa boa e nós mesmos. m É termos esta consciência: ³O meu corpo e o meu coração poderão fraquejar, mas Deus é a força do meu coração e a minha herança para sempre´ (Sl 73:26). É para o Senhor, que estamos de pé, ou caímos. Mas estaremos de pé, pois o Senhor é poder oso para nos sustentar. Isto é a Graça de Deus, que, através do amor, encravou a Lei na Cruz. Isto é andar no Espírito. Nós, que amamos a Jesus Cristo, devemos romper definitivamente com os mandamentos e ensinos humanos, do tipo: "Não manuseie!", "Não prove!", "Não toque!". Essas regras têm, de fato, aparência de sabedoria, com sua pretensa religiosidade, falsa humildade e severidade com o corpo, mas não têm valor algum para refrear os impulsos da carne. Só Jesus é a nossa santificação!

Extraído de http://kasteloforte.blogspot.com/2010/08/somos-santos.html

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful