Você está na página 1de 19
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Departamento de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações ANTENA LOG-PERIÓDICA Belo

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Departamento de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações

ANTENA LOG-PERIÓDICA

Belo Horizonte

2010

ANTENA LOG-PERIÓDICA

Trabalho apresentado à disciplina Antenas e Propagação do curso de

Engenharia

Eletrônica

e

de

Telecomunicações

da

Pontifícia

Universidade

Católica

de

Minas

Gerais.

Professor:

Belo Horizonte

2010

INTRODUÇÃO

Antenas do tipo Logarítmica-periódica, ou apenas Log-Periódica, foram apresentadas à comunidade científica pela primeira vez por R. H Duhamel e D. E. Isbell num artigo publicado em 1957. A antena Log-Periódica tem uma estrutura geométrica projetada de modo que os diagramas de radiação e a sua impedância de entrada variem de acordo com o logaritmo da frequência. Consiste em uma estrutura metálica onde são colocados os dipolos paralelamente em um plano. A alimentação da antena é através de uma linha balanceada ligada ao menor elemento. Sua aplicação é bastante facilitada devido a sua longa banda passante. Para a formação de diversos diagramas pode-se utilizar duas ou mais antenas. Para a introdução do assunto será feita uma abordagem sobre alguns assuntos relacionados á ondas eletromagnéticas, linhas de transmissão e antenas.

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - OEM

Conceito

Perturbação física composta por um campo elétrico (E) e um campo

magnético (H) variáveis no tempo, perpendiculares entre si, capaz de se propagar no espaço.

Propagação da OEM

Propagação da OEM

Frequência

número de oscilações por unidade de tempo (Hz).

Velocidade de propagação

depende do meio onde a onda se propaga. A velocidade máxima de uma OEM é a velocidade da luz, 300.000 km/s, no vácuo.

Comprimento de onda

Distância percorrida pela onda durante um ciclo. É definido pela

velocidade de propagação dividida pela frequência.

Comprimento de Onda e Período
Comprimento de Onda e Período

Comprimento de Onda e Período

Frequência angular da onda

É a relação entre período e ciclo completo de uma onda(2π). Defini-se pela vezes em que o período é medido em relação á “distãncia” 2π. Portanto, Δφ = ωΔt = ωT = 2π, e como consequência, a razão entre Δφ e Δt é dada por:

ω φΔt=2πT Denominada de frequência angular da onda.

LINHAS DE TRANSMISSÃO

É uma linha com dois ou mais condutores isolados por um dielétrico que tem por finalidade fazer com que uma OEM se propague de modo guiado. Esta propagação deve ocorrer com a menor perda possível. As linhas de transmissão podem ser construídas de diversas maneiras, cabos paralelos, pares trançados, microstrip, cabos coaxiais, guias de onda, etc.

Cabos coaxial
Cabos coaxial

Cabos coaxial

Cabos paralelos
Cabos paralelos

Cabos paralelos

MICROSTRIP
MICROSTRIP

MICROSTRIP

CARACTERÍSTICAS DE UMA ANTENA

A abertura física de uma LT paralela que transporta uma OEM proporciona uma variação senoidal de potencial (Volts) e de corrente (Amperes) nos condutores, provocando o aparecimento de linhas de campo magnético e elétricos variáveis em torno do dipolo formado, dando origem a uma onda eletromagnética que se propaga.

Diagrama de uma antena característica

Diagrama de uma antena característica

Tipos de Antenas

As antenas lineares, fabricadas a partir de fios ou hastes metálicas, são as mais comuns de serem encontradas no mercado. O exemplo mais simples deste tipo de antena é o dipolo. Os dipolos podem ser classificados de acordo com o seu comprimento, sendo que os de aplicação prática tem comprimentos acima de λ/10. O mais conhecido deles é o dipolo de meio comprimento de onda. Dipolos podem ser agrupados para maximizar certas características de uma antena. Dipolos alinhados lado a lado, sobre um único eixo, formam um conjunto chamado arranjo colinear. Dipolos alinhados sobre um mesmo plano, paralelos uns aos outros, podem ser denominados de antena log-periódica ou yagi.

Antenas log-períodicas de TV(UHF-VHF)
Antenas log-períodicas de TV(UHF-VHF)

Antenas log-períodicas de TV(UHF-VHF)

Outros tipos de antenas de alto ganho, muito utilizadas em rádio-enlaces, são aquelas denominadas helicoidais. Atualmente vêm se tornando popular as antenas denominadas planas. Estas antenas são de maior interesse em aplicações em que o volume do dipositivo irradiador tem que ser mínimo. As antenas planas podem ser utilizadas, por exemplo, nas fuselagens de aviões, foguetes e mísseis sem interferir nas características aerodinâmicas destes veículos.

Antena log-períodicas para recepção de sinal de TV Analógica e digital (hdtv)

Antena log-períodicas para recepção de sinal de TV Analógica e digital (hdtv)

Antenas Direcionais

Antenas Direcionais são utilizadas em rádio-enlace, uma vez que elas possuem características de radiação que levam á concentração de potência

radiada numa determinada direção do espaço. Estas características são:

Alta diretividade ou ganho;

Feixe de meia-potência estreito;

Alta relação frente-costas.

Para se obter estas propriedades, as antenas direcionais são constituídas de refletores ou vários elementos, como dipolos e “loops”. As antenas com refletores serão analisadas mais adiante, sendo o foco neste capítulo voltado para aquelas compostas por elementos. Foram selecionadas para análise três tipos de antenas muito utilizadas comercialmente. São elas: yagi-uda, log-periódica e helicoidal. Como já citado anteriormente, estaremos abordando as antenas log-periódica.

Antena Log-periódica

Antena Log-periódica

Antena Log-Periódica

As antenas log-periódica ("log" de "logarítmica") são constituídas por duas colunas de metades de dipolos l /4, uma esquerda e outra direita. Cada metade de dipolo l /4 é ligado ao seguinte da outra fileira, e dois deles na mesma fila (um esquerdo e outro direito) formam um dipolo l /2. Os dipolos têm comprimento decrescente, formando quase um vértice no final, de onde é tirada a linha de descida. Com este tipo de periodicidade logarítmica é possível se manter o ganho da antena praticamente constante para uma faixa ampla de frequências. As antenas do tipo log-periódicas mais comuns no mercado são aquelas constituídas de dipolos coplanares posicionados lado a lado paralelamente, Á primeira vista, uma log-periódica se assemelha muito com uma yagi. Entretanto, uma análise cuidadosa revela diferenças não só nas geometrias como também em algumas de suas características.

Diagrama De Irradiação Antena Log-Periódica

Diagrama De Irradiação Antena Log-Periódica

Os ganhos máximos obtidos com antenas log-periódicas têm valores próximos aos obtidos com antenas do tipo yagi, porém a diferença, como já foi comentado, está na manutenção do ganho para uma faixa larga de frequências. Com relação á geometria, pode-se comentar que as dimensões das antenas log-periódicas seguem uma regra específica baseada na seguinte equação:

Os ganhos máximos obtidos com antenas log-periódicas têm valores próximos aos obtidos com antenas do tipo

Onde τ é uma característica do projeto da antena, sendo τ = 0,9255 para antenas log de rádio FM e τ = 0,90 para toda a banda de canais de TV-VHF (do canal 2 ao 13, incluindo canais de Rádio FM no meio deles). O ângulo a , correspondendo ao vértice, é de 13º para Rádio FM e 41º para TV-VHF. Ele está associado à diretividade ou ganho da antena e ao espaçamento relativo.

Os ganhos máximos obtidos com antenas log-periódicas têm valores próximos aos obtidos com antenas do tipo

Todos os elementos da log-periódica são alimentados, enquanto na yagi apenas um é excitado. A alimentação pode ser feita com linhas balanceadas. A alimentação com linhas cruzadas, fornece uma defasagem adicional de 180º entre elementos adjacentes.

◦ Antena Log-periódica de 5 elementos

Antena Log-periódica de 5 elementos

Nesta condição, o lóbulo principal ocorre na direção do menor dipolo do conjunto. Em alguns projetos, a linha que alimenta os dipolos é terminada, na extremidade onde se encontra o elemento mais longo, por um toco de λmax/8. Isto faz com que haja uma redução nos lóbulos secundários, na direção oposta ao lóbulo principal, causando um aumento na relação frente-costas da antena. O princípio de funcionamento de uma log-períodica pode ser explicado da seguinte maneira: Para certas frequências, dentro da faixa de operação da antena, apenas um dos dipolos ressoa e radia praticamente toda a potência fornecida ao arranjo. Por exemplo, na frequência mais alta ressoa o dipolo mais curto, enquanto na frequência mais baixa ressoa o elemento mais longo. Nestas situações, os outros dipolos mais longos atuam como elementos refletores e os mais curtos como elementos diretores. Isso faz com que este tipo de antena mantenha a diretividade para diferentes valores de frequência dentro da banda projetada.

Alimentação com dois fios retos; Alimentação com fios trançados Ligações de Antenas Log-periódicas

Alimentação com dois fios retos;

Alimentação com fios trançados

Ligações de Antenas Log-periódicas

A impedância característica da antena log varia de 50 Ω a 300 Ω, conforme o projeto, mas mantém-se constante para toda a faixa. Tomando todos os dipolos que estejam ligados entre si (portanto l /4 alternados) formam- se dois planos; mantendo-os afastados 4,5 cm um no plano superior e outro no plano inferior - obtém-se uma impedância de aproximadamente 300Ω. A antena log zig-zag é um tipo simplificado, obedecendo aos mesmos padrões já vistos. Sua realização na prática pode ser usando fios nº 18 ou mais grosso para os dipolos e suporte isolante com espessura de 4,5 cm para manter o afastamento ideal entre os dois planos.

Antena log zig-zag

Antena log zig-zag

Projeto de uma Log-periódica

Para se projetar uma antena log-periódica, segue-se, até hoje, o procedimento apresentado por R. L. Carrel na sua tese de doutorado em 1961. Este procedimento se baseia nas especificações que se quer da antena. Em geral, estas especificações são:

diretividade (ou ganho), largura da banda de passagem e impedância de entrada da antena. Com as especificações em mão, obtém-se os seguintes parâmetros:

  • 1. Periodicidade τ e espaçamento relativo σ;

  • 2. Ângulo de abertura do arranjo, α;

  • 3. Comprimento total do arranjo, lt;

  • 4. Número de elementos, N;

  • 5. Comprimento dos elementos, ln;

  • 6. Espaçamento entre elementos, Rn+1 − Rn;

  • 7. Largura da linha de alimentação, s.

Correções para este procedimento foram sugeridas, ao longo dos anos, por outros autores, tornando os projetos das log-periódicas mais próximos dos resultados obtidos experimentalmente.

Valores do ganho da antena em dBi para diferentes τ e σ

Valores do ganho da antena em dBi para diferentes τ e σ

Espaçamento Relativo e Periodicidade

O espaçamento relativo e o fator de periodicidade são obtidos a partir da Tabela acima de acordo com o ganho desejado. Valores de τ pequenos levam à antenas mais compactas. O espaçamento relativo ótimo, aquele que oferece o maior ganho para um dado valor de periodicidade, é obtido através de

Espaçamento Relativo e Periodicidade O espaçamento relativo e o fator de periodicidade são obtidos a partir

Ângulo de abertura do Arranjo O ângulo α, em graus, é determinado utilizando-se a expressão:

Espaçamento Relativo e Periodicidade O espaçamento relativo e o fator de periodicidade são obtidos a partir

Comprimento Total do Arranjo

O comprimento total do arranjo está relacionado com o ângulo de abertura e as frequências máxima e mínima, isto é,

Espaçamento Relativo e Periodicidade O espaçamento relativo e o fator de periodicidade são obtidos a partir

sendo fmin em MHz e

Espaçamento Relativo e Periodicidade O espaçamento relativo e o fator de periodicidade são obtidos a partir

Número de Elementos

O número de elementos é obtido de

Espaçamento Relativo e Periodicidade O espaçamento relativo e o fator de periodicidade são obtidos a partir

arredondando-se para o inteiro mais próximo.

Comprimento dos Elementos

O maior comprimento é calculado considerando-se a menor frequência

da banda de interesse, ou seja,

Comprimento dos Elementos O maior comprimento é calculado considerando-se a menor frequência da banda de interesse,

lembrando-se que f min é fornecido em MHz. Os outros comprimentos são determinados utilizando-se

Comprimento dos Elementos O maior comprimento é calculado considerando-se a menor frequência da banda de interesse,

começando-se com l N até se obter l 1 .

Espaçamento entre Elementos Utilizando-se o espaçamento relativo σ e a expressão determina-se os espaçamentos entre os elementos

Comprimento dos Elementos O maior comprimento é calculado considerando-se a menor frequência da banda de interesse,

começando-se com l n = l N e

Comprimento dos Elementos O maior comprimento é calculado considerando-se a menor frequência da banda de interesse,

Largura da Linha de Alimentação

O espaçamento entre os fios ou tubos, que alimentam os elementos da antena, é obtido calculando-se primeiro a impedância característica da linha de alimentação. Seu valor aproximado é fornecido pela expressão

Comprimento dos Elementos O maior comprimento é calculado considerando-se a menor frequência da banda de interesse,

sendo Za, denominada impedância característica média dos elementos, dada por

sendo Za , denominada impedância característica média dos elementos, dada por e σ’ por R é

e σ’ por

sendo Za , denominada impedância característica média dos elementos, dada por e σ’ por R é

R in é a resistência nos terminais de alimentação da antena e d n o diâmetro do n-ésimo elemento. Utilizando-se a expressão de impedância de uma linha de fios paralelos,

sendo Za , denominada impedância característica média dos elementos, dada por e σ’ por R é

Tem-se,

sendo Za , denominada impedância característica média dos elementos, dada por e σ’ por R é

Onde d é o diâmetro dos condutores da linha que alimenta os dipólos.

CONCLUSÃO

Cada antena apresenta especificações elétricas e mecânicas particulares, a adequação e escolha de um tipo de antena em detrimento de outra deve levar em consideração estas características sempre à luz do cumprimento das especificações do projeto de viabilidade técnica e do melhor custo-benefício possível para o sistema de transmissão. Recorrer ao fabricante é sempre uma boa estratégia para otimizar a especificação do sistema radiante da sua estação.