Você está na página 1de 46
ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS
ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA – CNI

Robson Braga de Andrade

Presidente

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti

Diretor de Educação e Tecnologia

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL – SENAI

Conselho Nacional

Robson Braga de Andrade

Presidente

SENAI – Departamento Nacional

Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti

Diretor Geral

Gustavo Leal Sales Filho

Diretor de Operações

Regina Maria de Fátima Torres

Diretora Associada de Educação Profissional

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NAIONAIS E ESTADUAIS
ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NAIONAIS E ESTADUAIS
ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA
NORMAS
TÉCNICAS
NAIONAIS E
ESTADUAIS
ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA NORMAS TÉCNICAS NAIONAIS E ESTADUAIS

© 2015. SENAI – Departamento Nacional

© 2015. SENAI – Departamento Regional de Santa Catarina

A reprodução total ou parcial desta publicação por quaisquer meios, seja eletrônico,

mecânico, fotocópia, de gravação ou outros, somente será permitida com prévia autorização, por escrito, do SENAI.

Esta publicação foi elaborada pela equipe de Gerência de Educação e Técnologia do SENAI

de Santa Catarina, com a coordenação do SENAI Departamento Nacional, para ser utilizada

por todos os Departamentos Regionais do SENAI nos cursos presenciais e a distância.

SENAI Departamento Nacional Unidade de Educação Profissional e Tecnológica – UNIEP

SENAI Departamento Regional de Santa Catarina Gerência de Educação e Técnologia - GEDUT

FICHA CATALOGRÁFICA

de Educação e Técnologia - GEDUT FICHA CATALOGRÁFICA SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
de Educação e Técnologia - GEDUT FICHA CATALOGRÁFICA SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
de Educação e Técnologia - GEDUT FICHA CATALOGRÁFICA SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
de Educação e Técnologia - GEDUT FICHA CATALOGRÁFICA SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial

SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Nacional

Sede Setor Bancário Norte • Quadra 1 • Bloco C • Edifício Roberto Simonsen • 70040-903 • Brasília – DF • Tel.: (0xx61) 3317-9001 Fax: (0xx61) 3317-9190 • http://www.senai.br

Lista de ilustrações

Figura 1 - Objetivos da normalização

17

Figura 2 - Padronização tomadas e plugues

18

Figura 3 - Eliminação de lâmpadas incandescente

18

Figura 4 - Níveis da normalização

20

Figura 5 - Sistema brasileiro de normalização

21

Figura 6 - Normas e regulamentos técnicos

22

Figura 7 - Sistema de distribuição elétrico

25

Figura 8 - Técnico em eletrotécnica

27

Figura 9 - Normas de segurança

29

Figura 10 - Motor elétrico alto rendimento

32

Figura 11 - Componentes elétricos

34

Sumário

Introdução

9

Normas técnicas

13

2.1 Normas técnicas

14

2.2 Disposições gerais e campo de aplicação

17

2.3 Organização

18

2.3.1

Organização do sistema brasileiro de normalização

19

2.4 Hierarquia e órgãos regulamentadores

20

2.4.1 Norma internacional (iec)

20

2.4.2 Norma internacional (iso)

21

2.4.3 Ieee – institute of electrical and electronic engineers

21

2.4.4 Norma nacional (ABNT)

22

2.4.5 Inmetro

22

2.4.6 Mme – ministério de minas e energia

22

2.4.7 Aneel - agência nacional de energia elétrica

23

2.4.8 Confea/crea

24

2.5 Tipos de normas

24

2.5.1 Técnicas

25

2.5.2 Normas de saúde e segurança no trabalho

27

2.5.3 Gestão de energia

29

2.6 Exemplos

31

2.7 Uso

33

2.8 Legislações: federais, estaduais e municipais

34

Referências

37

Minicurrículo dos Autores

39

Índice

41

Introdução 1
Introdução
1
Introdução 1 Neste livro poderemos identificar os órgãos reguladores nacionais e internacionais, suas

Neste livro poderemos identificar os órgãos reguladores nacionais e internacionais, suas particularidades, objetivos e características, analisando o emprego de ferramentas de norma- lização e metrologia, a fim de identificar a responsabilidade e regras de cada departamento envolvido no processo de padronização de bens, processos e serviços.

A normalização proporciona a adequada troca de informações entre clientes e fornecedo- res, e permite a eliminação de barreiras comerciais entre outros países. Os níveis de atuação das normas estão alinhados a fim estabelecer critérios para atender o maior número de envolvidos, assegurando a qualidade dos produtos e serviços disponíveis no mercado.

Este material tem por objetivo atualizar os profissionais para reconhecer e avaliar os tipos de normas gerais e específicas por região/concessionária de energia vigentes relacionadas ao cur- so técnico em eletrotécnica e informar aos profissionais o conselho responsável por definir as atribuições do profissional desta área, mostrando através de documentos legais as alterações das atribuições resultantes de resoluções reescritas e reavaliadas durante os anos.

Ao final desta unidade, você terá subsídios para:

reconhecer normas técnicas e regulamentadoras vigentes;

reconhecer a submissão entre as normas e regulamentações;

identificar normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho e as ambien- tais.

Atualização Técnológica em Eletrotécnica

MÓDULO

UNIDADES CURRICULARES

CARGA HORÁRIA

Introdutório

Normas técnicas Nacionais e Estaduais

16h

 

Smart Grid

16h

Específico

Eficiência Energética

28h

Fontes de Energia Renováveis

20h

Encontro Presencial

16h

Quadro 1 - Matriz curricular Fonte: SENAI DN

Normas Técnicas

2
2
Normas Técnicas 2 É difícil pensar em um mundo globalizado sem padronização dos componentes e equipa-

É difícil pensar em um mundo globalizado sem padronização dos componentes e equipa- mentos presentes em nossas casas e indústrias. Um grande caos para o desenvolvimento de novos produtos e manutenção das máquinas e equipamentos diversos. Uma simples lâmpada com vários modelos de conexão, impressoras de diversos tamanhos, pois o formato do papel utilizado para impressão e diferenciado em várias partes do mundo. Além disso, é importante ressaltar a necessidade de compreensão das legislações das profissões, onde cabe aos profis- sionais legalmente habilitados executar suas atribuições respeitando as normas técnicas vi- gentes, exercendo suas atividades dentro dos limites previstos em leis, decretos e resoluções, sendo fiscalizados pelos conselhos regionais de determinada área.

O objetivo desta unidade é apresentar os fundamentos que norteiam as Normas técnicas, apresentando o histórico e organização dos principais órgãos reguladores internacionais e na- cional relatando as vantagens e necessidade de implantação das normas e regulamentos téc- nicos em um determinado país.

Com os avanços das tecnologias e necessidade de otimização dos recursos, as normas e procedimentos técnicos seja ele empresarial, nacional ou internacional tem um fator de im- pacto significativo nos processos, criando vários atores de aplicação das normas em todas as áreas produtivas, onde desde a segurança pessoal, gestão ambiental e gestão energética de máquinas e equipamentos são normatizados estabelecendo a competitividade das empresas e benefícios para toda a sociedade.

Vamos entender melhor as siglas e termos técnicos, analisar a funcionalidade e responsabi- lidades de cada órgão normatizador nacional e internacional?

16
16

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

2.1 NORMAS TÉCNICAS

Não é possível imaginar que produtos, equipamentos e processos ainda sejam fabricados sem nenhum padrão de conectividade, qualidade e segurança, porque haveria muito desperdício de material e desen- volvimento de adaptadores. Por causa disso, praticamente tudo que utilizamos é criado dentro de um padrão, o que permite assegurar a interação de diversos produtos, facilitando a fabricação e o desenvolvi- mento de tudo que produzimos atualmente em todo mundo.

As normas técnicas são formuladas e suas regras são aplicadas para solucionar ou prevenir problemas de conectividade. Elas têm a finalidade de simplificar os procedimentos para eliminar a variedade de pro- dutos, diminuir o desperdício de produção e proteger o consumidor consolidando critérios e requisitos que aferem a qualidade dos produtos/serviços, permitindo assim segurança, ergonomia, intercambialida- de, eficiência e vários outros benefícios à sociedade.

Por definição - Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2015):

Norma é o documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo recon- hecido, que fornece regras, diretrizes ou características mínimas para atividades ou para seus resultados, visando à obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. A norma é, por princípio, de uso voluntário, mas quase sempre é usada por representar o consenso sobre o estado da arte de determinado assunto, obtido entre especialistas das partes interessadas.

Com a globalização os países buscam ampliar o acesso aos mercados externos e os acordos comerciais estabelecem o crescimento e desenvolvimento de um país.

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

17
17

Um dos principais objetivos da normatização é estabelecer critérios e regras globais para o livre comér- cio dos produtos, além disto, vários outros objetivos da normatização podem ser levados em conta, como mostra a figura a seguir:

Julio Cesar Borchers (2015)
Julio Cesar Borchers (2015)

Figura 1 - Objetivos da Normalização Fonte: adaptado de ABNT ISO/IEC Guia (2006)

É inegável a importância e a contribuição das normas para o nosso cotidiano. Quando implementadas, notamos por exemplo, a padronização de tomada e plugues determinada pela NBR 14136 - Plugues e to- madas para uso doméstico. Antes desta norma ser implementada tínhamos no mercado nacional dezenas de possibilidades de conexões elétricas nos equipamentos de uso domésticos.

18
18

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

Veja na figura abaixo alguns dos modelos existentes antes da padronização estabelecida por esta NBR.

Patricia Marcílio (2015)
Patricia Marcílio (2015)

Figura 2 - Padronização Tomadas e Plugues Fonte: adaptado de Nunes (2010)

Outro exemplo importante a ser citado é a proibição da comercialização e importação de lâmpadas incandescentes e fluorescentes compactas com potência superior a 100W fora dos padrões de eficiência energética estabelecido na Portaria interministerial nº 1007/2010 do MME – Ministério de Minas e Energia.

Patricia Marcílio (2015)
Patricia Marcílio (2015)

Figura 3 - Eliminação de Lâmpadas Incandescente Fonte: Adaptado de CNI (2002)

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

19
19

A medida do governo integra a nova legislação, elaborada pelo Comitê Gestor de Indicadores e Níveis

de Eficiência Energética (CGIEE), e é coordenada pelos Ministérios de Minas e Energia; Ciência, Tecnologia e Inovação, e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em parceria com o Instituto Nacional de Me- trologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), responsável pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE). (INMETRO, 2015)

2.2 DISPOSIÇÕES GERAIS E CAMPO DE APLICAÇÃO

O processo de normalização busca aperfeiçoar o livre comércio entre os países formulando e aplicando

regras para a solução ou prevenção de problemas referente a bens e ou serviços, desenvolvendo critérios de qualidade, eficiência, segurança e/ou dimensões de produtos ou processos.

“A norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reco- nhecido através de resultados consolidados da ciência, tecnologia e da experiência acumulada, visando à otimização de benefícios para a comunidade.” (ABNT/ISO/IEC, 2006, p.4).

A ABNT é responsável pela publicação das Normas Brasileiras (ABNT NBR), elaboradas por seus Comitês

Brasileiros (ABNT/CB), Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE).

As normas são de uso voluntário, isto é, não são obrigatórias por lei, e pode-se fornecer um produto ou serviço que não siga a norma aplicável no mercado determinado. No caso brasileiro o código de defesa do consumidor exige a obrigatoriedade de se seguir os procedimentos e padrões.

O Código de Defesa do Consumidor é um conjunto de normas que tem por objetivo disciplinar as re-

lações e as responsabilidades entre o fornecedor (fabricante de produtos ou o prestador de serviços) e o consumidor final, estabelecendo padrões de conduta, prazos e penalidades.

O texto do código que interessa à Normalização é:

Seção IV – Das Práticas Abusivas Artigo 39 – É vedado ao fornecedor de produtos e serviços:

Inciso VIII – Colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desa- cordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas es- pecíficas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra Entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Indus- trial. (CONMETRO apud CNI, 2002, p. 26)

Com a implantação destas regras os órgãos competentes estabeleceram regulamentos técnicos que são de caráter compulsório, emitido por instituições do poder público que detém a competência para regulamentar, seja na esfera federal, estadual ou municipal e seus órgãos fiscalizadores verificar, manter e conservar os padrões das normas técnicas.

20
20

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

2.3 ORGANIZAÇÃO

A normalização é executada em diferentes níveis de abrangência, começando na empresa, mais exigen- te e restritiva, que estabelece normas e procedimentos internos às empresas e alcançando o nível interna- cional menos exigente, mais genérica.

Nelson Viana Junior (2015)
Nelson Viana Junior (2015)

Figura 4 - Níveis da Normalização Fonte: adaptado de CNI (2002 apud PUC, 2011)

Em cada um dos níveis apresentados existe a necessidade de atuação harmônica e integrada, uma vez que os objetivos da normalização são comuns a todos os níveis, oferecendo benefícios técnicos, econômi- cos e sociais em diferentes setores da vida e do trabalho.

Os critérios para normalização são formulados e aplicados em âmbitos diferentes. níveis específicos conforme elencados pela ABNT (2006):

Nível Internacional – Normas técnicas de abrangência mundial, reconhecidas pelo OMC – Organização Mundial do comércio.

Nível Regional – Normas que abrangem conjuntos de países vinculados entre si. Um exemplo de nor- malização em nível regional é a implementada pela AMN – Associação Mercosul de Normalização.

Nível Nacional – Normas formuladas por representantes de diversos segmentos (governo, indústria, consumidores e comunidade científica de um país), aplicadas ao mercado nacional. Um exemplo deste nível é a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Estes configuram

Nível empresarial – Normas formuladas por uma empresa ou grupo de empresas.

Nível de associação – Normas desenvolvidas por entidades associativas ou técnicas. Estas podem se tornar referência para o comércio de modo geral.

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

21
21

2.3.1 ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA BRASILEIRO DE NORMALIZAÇÃO

Com a necessidade de estabelecer critérios para avaliar e certificar a qualidade de produtos, processos

e serviços no país, foi instituída em 11 de dezembro de 1973 a lei nº 5.966 que criou o Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (SINMETRO). Este órgão é constituído por entidades pú- blicas e privadas que exercem atividades relacionadas com metrologia, normalização, qualidade industrial

e avaliação da conformidade abrangendo organismos de certificação, rede de laboratórios de ensaio e de

calibração, organismos de treinamento, organismos de ensaios de proficiência e organismos de inspeção, todos credenciados pelo INMETRO.

Nelson Viana Junior (2015)
Nelson Viana Junior (2015)

Figura 5 - Sistema Brasileiro de Normalização Fonte: Adaptado de CNI (2002)

Conforme a CNI (2002), seus principais atores têm o seguinte papel:

O Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (CONMETRO) é um órgão normativo do SINMETRO a quem compete formular, ordenar e supervisionar a Política Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.

O Comitê Nacional de Normalização (CNN) é um órgão assessor do CONMETRO que tem por objetivo planejar e avaliar a atividade de normalização técnica no Brasil.

O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO) é um órgão exe- cutivo do SINMETRO, que tem a atribuição de exercer a Secretaria Executiva do CONMETRO e do CNN, e foro de compatibilização dos interesses governamentais.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, como principal atribuição, coordenar, orientar e supervisionar o processo de elaboração de Normas Brasi- leiras.

22
22

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

2.4 HIERARQUIA E ÓRGÃOS REGULAMENTADORES

Quando se pretender exportar um produto para um determinado mercado, é imprescindível conhecer se o produto ou serviço está de acordo com os procedimentos técnicos daquele país. Por causa da pos-

sibilidade de um entrave político foi criado um Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio (TBT) com

o objetivo de evitar obstáculos desnecessários aos comércios entre os países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O acordo apresenta regras que se restringem à elaboração de normas, regulamentos técnicos que enunciam as características de produtos industriais e agrícolas, ou os processos e métodos de produção a eles relacionados.

Karolina Machado Prado (2015)
Karolina Machado Prado (2015)

Figura 6 - Normas e Regulamentos Técnicos

Segundo INMETRO (2015) “estes regulamentos poderão, ainda, tratar parcial ou exclusivamente de ter- minologia, símbolos, embalagem, marcação e etiquetagem, bem como de que forma, esses são aplicados

a um produto, processo ou método de produção.”

As regras estabelecidas neste acordo são estruturadas com as normas internacionais, que por sua vez, são elaboradas por países membros em suas comissões regionais e nacionais.

2.4.1 NORMA INTERNACIONAL (IEC)

Com o avanço da revolução industrial o setor eletrotécnico percebeu a necessidade da normalização in-

ternacional e em 1906 foi fundada a Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC), que pode ser considerado

o primeiro organismo internacional de normalização.

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

23
23

A Comissão Eletrotécnica Internacional é a organização líder mundial que publica Normas Internacio-

nais consensuais e gerencia sistemas de avaliação de conformidade dos produtos elétricos e eletrônicos, sistemas e serviços, conhecidos coletivamente como eletrotécnica. Este órgão é composto por represen- tantes de várias organizações nacionais de normalização.

Para a atualização e criação de novas normas IEC os participantes no nível nacional em seus comitês alimentam novas propostas, que em seguida as trazem como novos projetos de trabalho. Após analisada e aprovada pelos membros da IEC, estes seguem para um apropriado comitê técnico que transforma as ideias e propostas em Normas Internacionais e outros tipos de documentos.

Muitas dessas publicações foram desenvolvidas em conjunto com a ISO - Organização Internacional para Padronização e servem de base para a normalização nacional e como referência na elaboração de propostas e contratos internacionais.

2.4.2 NORMA INTERNACIONAL (ISO)

A ISO - Organização Internacional para Padronização é uma entidade de padronização e normatização

criada na Suíça em 14 de outubro de 1945. É uma organização com o propósito de facilitar a coordenação internacional e a harmonização de normas internacionais aprovando e desenvolvendo normas em todos os campos técnicos. No Brasil, a ISO é representada pela ABNT. Quando forem necessários regulamentos técnicos e existam normas internacionais prevalece a utilização das normas. Isto não se aplica quando as normas internacionais ou seus elementos pertinentes sejam um meio inapropriado ou ineficaz para realização dos objetivos, porém as normas ISO e IEC na área eletrotécnica são balizadores para as normas nacionais.

2.4.3 IEEE – INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONIC ENGINEERS

O Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE) foi criado em 1884, nos Estados Unidos.

] [

prática da engenharia nos campos da eletricidade, eletrônica e computação. O IEEE con- grega mais de 400.000 associados, entre engenheiros, cientistas, pesquisadores e outros profissionais, em cerca de 150 países. (IEEE, 2015a)

é uma sociedade técnico-profissional internacional dedicada ao avanço da teoria e

É uma das maiores instituições de profissionais do mundo e muitos dos estudos do IEEE são utilizados

para a padronização das ISO/IEC em todo o mundo. Essa situação torna esta instituição uma das mais con- solidadas no que se refere à ciência e tecnologias da eletricidade e da informação, em benefício da huma-

nidade e da profissão. (IEEE, 2015a).

24
24

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

2.4.4 NORMA NACIONAL (ABNT)

A ABNT é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 28 de setembro de 1940, da qual podem ser

associadas pessoas ou empresas interessadas em participar do processo de normalização brasileiro. Este órgão é o representante no Brasil e membro dos seguintes órgãos internacionais:

ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização - ISO);

AMN - Asociación Mercosur de Normalización (Associação Mercosul de Normalização);

IEC - International Electrotechnical Commission (Comissão Eletrotécnica Internacional).

A ABNT cabe coordenar, orientar e supervisionar o processo de elaboração de Normas Brasileiras.

2.4.5 INMETRO

O INMETRO foi criado pela Lei 5.966, de 11 de dezembro de 1973. É uma autarquia Federal Brasileira,

vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O INMETRO objetiva fortalecer as empresas nacionais, aumentando sua produtividade por meio da adoção de mecanismos destinados à melhoria da qualidade de produtos e serviços através da metrologia e da avaliação da conformidade de acordo com os padrões nacionais e internacionais promovendo a competitividade, inovação do país

CURIOSI DADES No dia 30 de Janeiro de 2014, o Diário Oficial da União publicou

CURIOSI

DADES

No dia 30 de Janeiro de 2014, o Diário Oficial da União publicou a Portaria nº 51 do INMETRO, que aborda os Requisitos de Avaliação da Conformidade para Instalações Elétricas de Baixa Tensão (RAC). Esta portaria surge com uma garantia de que as instalações elétricas estão em conformidade com a Norma ABNT NBR 5410 e assim fornece as diretrizes para certificação voluntária dessas instalações. Para saber mais informações sobre esta portaria acesse o site: http://www.inmetro.gov.br/legislacao/

rtac/pdf/RTAC002082.pdf

2.4.6 MME – MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

O Ministério de Minas e Energia (MME) foi criado em 1960, pela lei n° 3.782, de 22 de julho de 1960. Em

1990 a lei n° 8.028 extinguiu o MME e transferiu suas atribuições ao Ministério da Infraestrutura. Já em 1992 por meio da lei n° 8.422 o MME voltou a ser criado para conduzir as políticas energéticas do país, sendo responsável por estabelecer o planejamento do setor energético nacional, monitorar a segurança do supri- mento do Setor Elétrico Brasileiro e definir ações preventivas para restauração da segurança de suprimento no caso de desequilíbrios conjunturais entre oferta e demanda de energia.

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

25
25

2.4.7 ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) é uma autarquia em regime especial vinculada ao Minis- tério de Minas e Energia que foi criada para regular o setor elétrico brasileiro, por meio da Lei nº 9.427/1996 e do Decreto nº 2.335/1997.

Thinkstock ([20--?])
Thinkstock ([20--?])

Figura 7 - Sistema de distribuição Elétrico

As principais atribuições da ANEEL são:

regular a produção, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica;

fiscalizar, diretamente ou mediante convênios com órgãos estaduais, as conces- sões, as permissões e os serviços de energia elétrica;

implementar as políticas e diretrizes do governo federal relativas à exploração da energia elétrica e ao aproveitamento dos potenciais hidráulicos;

estabelecer tarifas;

mediar, na esfera administrativa, os conflitos entre os agentes e entre esses agen- tes e os consumidores;

por delegação do governo federal, promover as atividades relativas às outorgas de concessão, permissão e autorização de empreendimentos e serviços de energia elétrica. (ANEEL, 2015)

26
26

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

2.4.8 CONFEA/CREA

O Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA) surgiu oficialmente em 11 de dezembro de 1933, por meio do Decreto nº 23.569, promulgado pelo então presidente da República, Getúlio Vargas. Este órgão é responsável pela elaboração e publicação das resoluções relativas ao exercício profissional dos engenheiros, técnicos e tecnólogos com o objetivo de zelar os interesses sociais e humanos de toda a sociedade brasileira. O sistema CONFEA contempla mais de um milhão de profissionais credenciados aos seus respectivos conselhos regionais de engenharia e agronomia (CREA) que desempenha a função de fiscalizar, julgar e decidir os processos de infração do exercício das profissões reguladas nas leis, decretos e resoluções, sendo o CONFEA a instância máxima a determinar os recursos sobre registros, decisões e pena- lidades impostas pelos Conselhos Regionais. (CONFEA, 2015).

Todo o profissional ou empresa deve solicitar perante o CREA a autorização para o exercício profissional onde será expedido um número de registro, permitindo a emissão da anotação de responsabilidade técni- ca (ART) que determina que qualquer obra ou serviço a ser realizado, está sendo executado por um profis- sional ou empresa devidamente habilitado respeitando as atribuições da profissão; o não cumprimento da documentação implica em multas e paralisações de obras e serviços.

2.5 TIPOS DE NORMAS

Com o avanço tecnológico dos últimos anos e a necessidade de investimentos no setor elétrico, novos produtos, processos e equipamentos são lançados todos os dias, e uma das profissões mais requisitadas atualmente é o técnico industrial em

Em todos os segmentos industriais, há a necessidade de energia elétrica. Neste sentido, o técnico em eletrotécnica é fundamental não só para garantir a disponibilidade de en- ergia elétrica, mas também para realizar melhorias tecnológicas nos sistemas elétricos atualizando as máquinas e equipamentos respeitando os procedimentos de segurança, eficiência e meio ambiente. (PETROBRÁS, 2014)

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

27
27
Thinkstock ([20--?])
Thinkstock ([20--?])

Figura 8 - Técnico em Eletrotécnica

Outro aspecto importante no exercício da profissão é o desenvolvimento de projetos adequados com os padrões normatizados e a atualização de projetos utilizando novas tecnologias. Quando um técnico em eletrotécnica realiza a inserção de um sistema fotovoltaico em uma empresa e ou residência, ele deve levar em considerações resoluções normativas de órgãos do governo, a fim de respeitar procedimentos técni- cos, ambientais e de segurança.

FIQUE ALERTA “Enquanto o uso de uma norma técnica é voluntário, o Regulamento Técnico é

FIQUE

ALERTA

“Enquanto o uso de uma norma técnica é voluntário, o Regulamento Técnico é obrigatório, ou seja, o seu não-cumprimento constitui uma ilegalidade com a correspondente punição. É por isso que os Regulamentos Técnicos representam potenciais barreiras técnicas ao comércio.” (CNI, 2002, p.28)

2.5.1 TÉCNICAS

Vamos destacar as principais normas, leis e resoluções no exercício profissional do técnico em eletro- técnica:

Normas sobre Instalações Elétricas em Baixa Tensão

NBR 5410:04 - Instalações elétricas de baixa tensão – procedimento.

NBR 5419:05 - Proteção de estrutura contra descargas atmosféricas – procedimento.

28
28

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

NBR 13534:95 - Instalações elétricas em estabelecimentos assistenciais de saúde - requisitos para se- gurança.

NBR 13570:96 - Instalações elétricas em locais de afluência de público – procedimento.

NBR 14306:99 - Proteção elétrica e compatibilidade eletromagnética em redes internas de telecomu- nicações em edificações – Projeto.

NBR 14639:01 - Posto de serviço - Instalações elétricas.

Normas sobre Instalações Elétricas em Média e Alta Tensão

NBR 5422:85 - Projeto de linhas aéreas de transmissão e subtransmissão de energia elétrica – proce- dimento.

NBR 5433:82 - Redes de distribuição aérea rural de energia elétrica – padronização.

NBR 5434:82 - Redes de distribuição aérea urbana de energia elétrica – padronização.

NBR 14039:05 - Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV.

Normas sobre Iluminação

NBR 5101:92 - Iluminação pública – procedimento.

NBR 5382:85 - Verificação de iluminação de interiores – procedimento.

NBR 5413:92 - Iluminâncias de interiores – procedimento.

NBR 10898:99 - Sistema de iluminação de emergência – procedimento.

Normas Sobre Equipamentos

NBR 7844:83 - Identificação dos terminais e das terminações de equipamentos elétricos - Disposições gerais para identificação por meio de notação alfanumérica.

NBR 8755:85 - Sistemas de revestimentos protetores para painéis elétricos – procedimento.

NBR 14136:02 - Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20 A/250 V em corrente alterna- da – Padronização.

NBR IEC 60439-1:03 - Conjuntos de manobra e controle de baixa tensão - Parte 1: Conjuntos com en- saio de tipo totalmente testados (TTA) e conjuntos com ensaio de tipo parcialmente testados (PTTA).

NBR IEC 60439-2:04 - Conjuntos de manobra e controle de baixa tensão - Parte 2: Requisitos particula- res para linhas elétricas pré-fabricadas (sistemas de barramentos blindados).

NBR IEC 60439-3:04 - Conjuntos de manobra e controle de baixa tensão - Parte 3: Requisitos parti- culares para montagem de acessórios de baixa tensão destinados a instalação em locais acessíveis a pessoas não qualificadas durante sua utilização - Quadros de distribuição.

NBR IEC 60529:05 - Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos (código IP).

NBR IEC 62208:03 - Invólucros vazios destinados a conjuntos de manobra e controle de baixa tensão - Regras gerais.

Normas sobre Segurança

NBR 9153:85 - Conceituação e diretrizes de segurança de equipamento elétrico utilizado na prática médica - aspectos básicos – procedimento.

NBR NM 60335-1:03 - Segurança de aparelhos eletrodomésticos e similares - Parte 1: Requisitos Gerais (IEC 60335-1:1991 - 3ª edição, MOD).

Normas de Condutores Elétricos

NBR 8662:84 - Identificação por cores de condutores elétricos nus e isolados.

NBR 9311:86 - Cabos elétricos isolados – designação.

NBR 11301:90 - Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime perma- nente (fator de carga 100%).

NBR NM 280:02 - Condutores de cabos isolados (IEC 60228, MOD).

2.5.2 NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

Em 1978, o Ministério do Trabalho publicou a Portaria n. 3214, de 08 de junho de 1978 que estabeleceu as normas regulamentadoras relativas à medicina, higiene e segurança do trabalho. Como consequência das políticas voltadas para a área do trabalho, estas normas regulamentam e orientam sobre procedimen- tos relacionados à segurança e medicina do trabalho.

Patricia Marcílio (2015)
Patricia Marcílio (2015)

Figura 9 - Normas de Segurança Fonte: Adaptado de Ferreira (2011)

30
30

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

Estas normas regulamentadoras são elaboradas e modificadas por comissões tripartites específicas compostas por representantes do governo, empregadores e empregados.

Conforme o Ministério do Trabalho e do Emprego, as principais normas regulamentadoras para conhe- cimento do enfermeiro do trabalho são:

NR 1 - Prevenção em saúde e segurança do trabalho;

NR 2 - Inspeção Prévia;

NR 3 - Embargo ou Interdição;

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho;

NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA);

NR 6 - Equipamento de Proteção Individual;

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

NR 8 - Edificações;

NR 9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais;

NR10 Serviços em Eletricidade;

NR 11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais;

NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;

NR 13 - Caldeiras e Vasos de Pressão;

NR 14 - Fornos;

NR 15 - Atividades e Operações Insalubres;

NR 16 - Atividades e Operações Perigosas;

NR 17 - Ergonomia;

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;

NR 19 - Explosivos;

NR 20 - Líquidos Combustíveis e Inflamáveis;

NR 21 - Trabalhos a céu aberto;

NR 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração;

NR 23 - Proteção contra incêndios;

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho;

NR 25 - Resíduos Industriais;

NR 26 - Sinalização de Segurança;

NR 27 - Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho no Ministério do Trabalho; (Revo- gada)

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

31
31

NR 28 - Fiscalização e Penalidades;

NR 29 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário;

NR 30 - Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário;

NR 31 - Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal Aqui- cultura;

NR 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde;

NR 33 - Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados;

NR 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval;

NR 35 - Trabalho em Altura;

NR 36 - Norma Regulamentadora sobre Abate e Processamento de Carnes e Derivados.

Atualmente três normas estão muito presentes no exercício da profissão do eletrotécnico. A NR-10 é uma obrigatoriedade na execução de atividades do eletricista. A NR-35 que trata sobre o trabalho em al- tura e a NR-12 que apresenta a necessidade de atualizações de segurança em máquinas e equipamentos, demandando ao profissional um grande volume de trabalho na área eletroeletrônica.

2.5.3 GESTÃO DE ENERGIA

As mudanças climáticas, a escassez de recursos não renováveis e o crescente apelo ambiental associado ao aumento significativo do custo de energia elétrica são fatores determinantes para a adoção de ações de gerenciamento energético pelas empresas.

No Brasil vários órgãos, Leis, Decretos, Resoluções e programas de incentivos têm sido elaborados sobre a eficiência energética. O Programa Nacional de Eficiência Energética (PROCEL), o Programa Nacional de Racionalização de uso de derivados de Petróleo e Gás Natural (CONPET) e o Programa Brasileiro de Etique- tagem (PBE) são bons exemplos de programas de incentivo para melhorar e eficiência energética do país.

O PROCEL apresenta um ótimo resultado desde sua implantação. Dados revelam que o programa possi- bilitou uma economia de energia de 34,4 bilhões de kW.h entre os anos de 1986 e 2009 equivalente a quase 10% do consumo total de energia do ano de 2009.

Além do PROCEL, outro programa de eficiência energética muito atuante foi instituído pela Lei nº 9.991, de 24 de julho de 2000. Ela estabelece que concessionárias de energia apliquem um percentual do mon- tante de sua receita líquida operacional em programas de eficiência energética.

SAIBA MAIS Para você saber mais sobre o PROCEL, acesse o site: http://www.procelinfo.com.br/

SAIBA

MAIS

Para você saber mais sobre o PROCEL, acesse o site: http://www.procelinfo.com.br/

main.asp?TeamID={921E566A-536B-4582-AEAF-7D6CD1DF1AFD}.

32
32

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

A Lei de Eficiência Energética 10.295/2001, estabelece regras sobre os motores elétricos e conjuntos motobombas monoblocos trifásicos. No dia 12 de dezembro de 2009, a Portaria 553 passou a ser aplicada, implicando na obrigatoriedade de atendimento dos novos níveis de rendimentos estabelecidos para mo- tores elétricos trifásicos de 1 a 250 cv.

Thinkstock ([20--?])
Thinkstock ([20--?])

Figura 10 - Motor Elétrico Alto Rendimento

No ano de 2011 foi lançada no Brasil a norma ABNT NBR ISO-50001. Esta norma especifica requisitos para o estabelecimento, implementação, manutenção e melhoria de um sistema de gestão da energia, cujo propósito é habilitar uma organização a seguir uma abordagem sistemática para atendimento da me- lhoria contínua de seu desempenho energético, incluindo eficiência energética, uso e consumo de energia, além de prever uma significativa redução de emissão de gases de efeito estufa. (ABNT, 2015).

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS CASOS E RELATOS 33 Gestão de Energia na indústria automotiva

CASOS E RELATOS

33
33

Gestão de Energia na indústria automotiva

O sistema climático global está aquecendo e este com certeza será um dos grandes problemas da humanidade, portanto, como crescer estabelecendo um mundo mais sustentável?

Mudanças significativas tem que ser tomadas a fim de otimizar o consumo de energia elétrica. A eficiência energética é o meio mais promissor para reduzir os gases de efeito estufa em curto prazo, evitando a construção de novas usinas.

Recentemente uma grande montadora de veículos brasileira foi certificada implantando a Norma de Gestão de Energia ISO 50001. Esta empresa utiliza 99% da energia proveniente de fontes reno- váveis, onde painéis solares fotovoltaicos instalados na fábrica, capazes de gerar 19,5 mil kW/ano, produzindo boa parte da energia necessária da fábrica. Segundo a montadora, desde 1994, para cada veículo produzido a redução do consumo de energia chegou a 57%. Esta empresa investiu mais de R$ 30 milhões em gestão ambiental. Em função das melhorias realizadas, a energia que deixou de ser consumida na fábrica seria suficiente para abastecer durante um ano uma cidade de 80 mil habitantes. (SGS, 2014).

2.6 EXEMPLOS

A Norma Brasileira NBR 5410 estabelece as condições mínimas necessárias para o correto funcionamen- to de uma instalação elétrica de baixa tensão, tornando-se o guia fundamental para o exercício profissional do técnico em eletrotécnica.

34
34

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

Thinkstock ([20--?])
Thinkstock ([20--?])

Figura 11 - Componentes Elétricos

Conforme Moraes (2013), a NBR 5410 aplica-se em:

em áreas descobertas das propriedades, externas às edificações;

reboques de acampamento (trailers), locais de acampamento (campings), marinas e instalações aná-

logas;

canteiros de obra, feiras, exposições e outras instalações temporárias.

aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1 000 V em corrente alterna- da, com frequências inferiores a 400 Hz, ou a 1500 V em corrente contínua;

aos circuitos elétricos, que não os internos aos equipamentos, funcionando sob uma tensão superior

a 1 000 V e alimentados através de uma instalação de tensão igual ou inferior a 1 000 V em corrente alternada (por exemplo, circuitos de lâmpadas a descarga, precipitadores eletrostáticos etc.);

a toda fiação e a toda linha elétrica que não sejam cobertas pelas normas relativas aos equipamentos de utilização;

às linhas elétricas fixas de sinal (com exceção dos circuitos internos dos equipamentos).

Conforme Moraes (2013), a Norma NBR 5410 não se aplica a:

instalações de tração elétrica;

instalações elétricas de veículos automotores;

instalações elétricas de embarcações e aeronaves;

equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida em que não comprometam

a segurança das instalações;

instalações de iluminação pública

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

35
35

redes públicas de distribuição de energia elétrica;

instalações de proteção contra quedas diretas de raios. No entanto, esta Norma considera as conse- quências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações (por exemplo, seleção dos dispositivos de proteção contra sobretensões);

instalações em minas;

instalações de cercas eletrificadas. Os componentes da instalação são considerados apenas no que con- cerne à sua seleção e condições de instalação. Isto é igualmente válido para conjuntos em conformidade com as normas a eles aplicáveis. A aplicação desta Norma não dispensa o atendimento a outras normas complementares, aplicáveis as instalações e locais específicos.

Além da NBR 5410, temos os procedimentos e normas estabelecidas pelas concessionárias de energia de cada região. Podemos citar como principais as normas referentes aos padrões de entrada de baixa e média tensão e os procedimentos de dimensionamento e instalação de empreendimentos de uso coletivo. Tais normas estabelecem todos os critérios balizados em normas ABNT informando todas as características técnicas necessárias para o correto funcionamento das instalações elétricas.

2.7 USO

Para contextualizar melhor todas as normas já apresentadas, vamos entender as etapas de um projeto

e instalação elétrica de uma residência em baixa tensão:

1º O projetista deverá ter no mínimo formação técnica em eletrotécnica com registro profissional no CREA do estado federativo da residência a ser executada a obra;

2º O projeto deve seguir as normas da ABNT principalmente a NBR 5410 para dimensionamento dos equipamentos de proteção, seccionamento e todas as necessidade de uma instalação elétrica;

3º Após a execução do projeto, o profissional solicitará uma ART- Anotação de responsabilidade técnica ao CREA, respeitando suas atribuições de acordo com leis, decretos e resoluções federativas;

4º Os componentes elétricos utilizados na obra devem estar de acordo com as normas do INMETRO

para comercialização no âmbito nacional, respeitando procedimentos relativos a segurança, saúde e meio

ambiente;

5º O profissional capacitado a efetuar a instalação elétrica deve obter os treinamentos mínimos relativo

a

segurança, podemos citar as normas regulamentadoras criadas e fiscalizadas pelo Ministério do Trabalho

e

Emprego, NR10 – Segurança em serviços com eletricidade e a NR 35 - Trabalho em Altura;

6º O padrão de entrada referente ao fornecimento de energia elétrica da residência projetada deve seguir as normas desenvolvidas e fiscalizadas pelas concessionárias de energia da região no caso de Santa Catarina, podemos citar a Padronização de entrada de energia elétrica de unidades consumidoras de baixa tensão (E - 3 2 1 . 0 0 0 1).

36
36

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ELETROTÉCNICA

Agora você pode compreender como é interessante todos esses procedimentos e que ambos os órgãos interagem entre si, a fim de estabelecer critérios que beneficiam e asseguram o bem-estar de toda a socie- dade.

2.8 LEGISLAÇÕES: FEDERAIS, ESTADUAIS E MUNICIPAIS

Cabe a alguns órgãos governamentais estabelecer a legislação e fiscalizar as normas e procedimentos relacionados a área elétrica e a atuação do técnico em eletrotécnica. No CONFEA/CREA é possível encontrar os normativos que regulamentam e regem o exercício profissional da Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Geologia, Geografia e Meteorologia, dos tecnólogos e dos técnicos industriais e agrícolas. Neste conselho estão disponíveis os seguintes normativos:

Lei: Norma geral de conduta que disciplina as relações de fato incidentes no direito, e cuja observância é imposta pelo poder estatal, sendo elaborada pelo Poder Legislativo, por meio do processo adequado.

Decreto: Ato do Presidente da República para estabelecer e aprovar o regulamento de lei, facilitando a sua execução.

Decreto-Lei: Norma baixada pelo Presidente da República que se restringia a certas matérias e estava sujeita ao controle do Congresso Nacional.

Resolução: Ato normativo de competência exclusiva do Plenário do CONFEA, destina- do a explicitar a lei, para sua correta execução e para disciplinar os casos omissos. Decisão Normativa: Ato de caráter imperativo, de exclusiva competência do Plenário do CONFEA, destinado a fixar entendimentos ou a determinar procedimentos a serem seguidos pelos CREAs, visando à uniformidade de ação. Decisão Plenária: Ato de competência dos Plenários dos Conselhos para instrumentar sua manifestação em casos concretos. (CONFEA, 2015b)

SAIBA MAIS Saiba mais sobre o CONFEA no site: http://normativos.confea.org.br/apresentacao/ apresentacao.asp.

SAIBA

MAIS

Saiba mais sobre o CONFEA no site: http://normativos.confea.org.br/apresentacao/ apresentacao.asp.

O Decreto nº 90.922, de 6 fev. 1985 que Regulamenta a Lei nº 5.524, de 5 nov. 1968, dispõe sobre o exercício da profissão de técnico industrial e técnico agrícola de nível médio ou de 2º grau. Portanto, “os técnicos em Eletrotécnica poderão projetar e dirigir instalações elétricas com demanda de energia de até 800 KVA, bem como exercer a atividade de desenhista de sua especialidade”. Esta afirmação gera bastante discussão porque não estabelece o nível de tensão para a potência citada.

1 NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS E ESTADUAIS

37
37

Para clarear tal afirmação, no anexo 1 da norma de fiscalização da câmara especializada de engenharia elétrica nº 002, de 26 de agosto de 2011, estabelece as atribuições do técnico em eletrotécnica naquele estado.

Saiba mais sobre o Anexo 1 no site: <http://crears.org.br/site/documentos/NORMA_SAIBA MAIS DE_FISCALIZACAO_DA_CEE_NUMERO_002_de_2011.pdf>

SAIBA

MAIS

DE_FISCALIZACAO_DA_CEE_NUMERO_002_de_2011.pdf>

RECAPITULANDOMAIS DE_FISCALIZACAO_DA_CEE_NUMERO_002_de_2011.pdf> Neste capítulo apresentamos a importância do uso das

Neste capítulo apresentamos a importância do uso das normas nos processos industriais, a fim de otimizar os recursos necessários para a produção, assegurar níveis de qualidade, segurança e conectividade aos consumidores e estabelecer critérios para o livre comércio entre países, respeit- ando as normais internacionais vigentes.

O objetivo desse capítulo foi identificar os principais órgãos responsáveis pela organização, regu- lamentação e fiscalização da normalização tanto em nível nacional quanto a nível internacional.

Verificamos as principais leis, decretos e normas que estabelecem o exercício profissional do téc- nico industrial em eletrotécnica estabelecendo suas principais características e fontes de consultas para maiores esclarecimentos sobre a profissão e questões como segurança, eficiência energética

e gestão ambiental.

Analisamos a importância e necessidade do registro profissional do técnico em eletrotécnica no conselho regional do seu estado e também que as concessionárias de energia possuem normas e procedimentos para a instalação e dimensionamento de obras residências, comerciais e industriais.

Aqui você pode compreender a importância do uso das normas técnicas no exercício profissional e

a

grande responsabilidade do profissional em cumprir suas atribuições respeitando as resoluções

e

decretos dos órgãos especializados.

REFERÊNCIAS

ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica. Institucional. 2015. Disponível em: < http://www. aneel.gov.br/area.cfm?idArea=636 >. Acesso em: 09 jun. 2015.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Disponível em: < http://www.abnt.org.br/ normalizacao/o-que-e/o-que-e >: Acesso em: 17 mai. 2015.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT ISO/IEC Guia 2:2006. Disponível em: < http:// www.abnt.org.br/normalizacao/o-que-e/objetivos>: Acesso em: 17 mai. 2015.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Decreto nº 90.922, de 6 de fevereiro de 1985. Disponível em: <http://

www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1980-1987/decreto-90922-6-fevereiro-1985-441525-

publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 19 mai. 2015.

CNI. Confederação Nacional da Indústria. Normalização: conhecendo e aplicando na sua empresa. Brasília, 2002. Disponível em: <http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_24/2012/0 9/06/270/20121127191848627516o.pdf>. Acesso em: 16 mai. 2015.

CONFEA. Conselho Federal de Engenharia e Agronomia. História. 2015a. Disponível em: <http:// www.confea.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=917>. Acesso em: 18 mai. 2015.

CONFEA. Conselho Federal de Engenharia e Agronomia. Apresentação. 2015b. Disponível em: < http://normativos.confea.org.br/apresentacao/apresentacao.asp >. Acesso em: 09 jun. 2015.

CONFEA. Norma de fiscalização da câmara especializada de engenharia elétrica nº 002, de 26 de agosto de 2011.Disponível em:

<http://crears.org.br/site/documentos/NORMA_DE_FISCALIZACAO_DA_CEE_NUMERO_002_

de_2011.pdf> Acesso em: 25 mai. 2015.

IEEE. Institute of Electrical and Electronic Engineers. Organização. 2015a.Disponível em:

< http://www.ieee.org.br/organizacao/>. Acesso em: 09 jun. 2015.

FERREIRA, Hugo Leonardo. Dia Mundial de Saúde e Segurança do Trabalho. 2011. Disponível em:

< http://www.safetyseguranca.com.br/?p=830 >. Acesso em: 09 jun. 2015.

INMETRO. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia O que é o Acordo TBT? 2015. Disponível em: < http://www.inmetro.gov.br/barreirastecnicas/faq/tbt.asp?iacao=imprimir >. Acesso em: 09 jun. 2015)

MORAES, Everton. NBR 5410 – Instalações Elétricas. 2013. Disponível em: < http://www. saladaeletrica.com.br/nbr-5410-download/ >. Acesso em: 18 maio 2015.

NUNES, Anna Flávia. Padronização de plugues e tomadas é novidade para o brasileiro. 2010. Disponível em: < http://www.otempo.com.br/capa/economia/padroniza%C3%A7%C3%A3o-de- plugues-e-tomadas-%C3%A9-novidade-para-o-brasileiro-1.470196 > Acesso em: 09 jun. 2015.

PETROBRÁS. Profissão Do Futuro: Eletrotécnica. 2015 Disponível em: <http://www. profissoesdefuturo.com.br/mapa-de-cursos/eletrotecnica>. Acesso em: 12 jun. 2015.

PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (PROCEL). O programa. Disponível em: <http://www.procelinfo.com.br/main.asp?TeamID={921E566A-536B-4582-AEAF- 7D6CD1DF1AFD}>. Acesso em: 15 mai. 2015.

PUC – Pontifícia Universidade Católica. Normalização internacional e responsabilidade social. 2011. Disponível em: < http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/21749/21749_3.PDF >. Acesso em: 18 jun. 2015.

SGS do Brasil. FIAT é a Primeira montadora Brasileira Certificada na ISO 50001. 2014. Disponível em: < http://www.sgsgroup.com.br/pt-BR/Local/Brazil/News-and-Press-Releases/2014/01/FIAT- ISO-50001.aspx. >. Acesso em: 26 maio 2015.

MINICURRÍCULO DO AUTOR

GILBERTO TIAGO MOREIRA

Possui especialização em Gestão Escolar (UNC) Universidade do Contestado (2011), graduação em Tecnologia em Processos Industriais - Habilitação em Eletromecânica pela Universidade da Região de Joinville UNIVILLE - Joinville (2010). Formação Técnica em Eletrotécnica, CEDUP (2003). Atualmente é Especialista em Eletroeletrônica - SENAI - SC - Unidade - Jaraguá do Sul. Tem experiência nas áreas de Projetos e Instalações Elétricas Prediais e Industriais, Automação e Manutenção Industrial com ênfase em Eletroeletrônica.

ÍNDICE

C

CONFEA/CREA 55

D

Decreto 51, 55

G

Gestão de Energia 55

I

IEC 51, 55 IEEE 51, 55 INMETRO 52, 55

L

Lei 55

N

Normas 51, 55

R

Resolução 55

SENAI – DEPARTAMENTO NACIONAL UNIDADE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA – UNIEP

Felipe Esteves Morgado

Gestor do Projeto Estratégico de Recursos Didáticos Nacionais

Waldemir Amaro

Gerente

Sinara Sant’ Anna Celistre

Coordenação Geral do Desenvolvimento dos Livros Didáticos

SENAI – DEPARTAMENTO REGIONAL DE SANTA CATARINA

Mauricio Cappra Pauletti

Diretor Técnico

Selma Kovalski

Coordenação do Desenvolvimento dos Livros Didáticos

Gilberto Tiago Moreira

Elaboração

Gilberto Tiago Moreira

Revisão Técnica

Morgana Machado Tezza

Coordenação do Projeto

Ana Balbina Madeira de Oliveira Lilian Elci Claas

Design Educacional

Carmen Marcia Geisler Vasel

Revisão Ortográfica e Gramatical

Emerson Rodrigo Ceolin Julio Cesar Borches Karolina Machado Prado Nelson da Silva Viana Junior Patricia Marcilio

Ilustrações, Tratamento de Imagens

Thinkstock

Banco de imagens

Sara Costa de Oliveira

Apoio Técnico de Avaliação

Ellen Cristina Ferreira Diagramação

Patrícia Correa Ciciliano

CRB-14/752

Ficha Catalográfica

i-Comunicação

Projeto Gráfico