Você está na página 1de 68
Geoquímica II TÉCNICAS ANALÍTICAS: ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Mestre Tiago Felipe A. Maia Manaus/2017

Geoquímica II

Geoquímica II TÉCNICAS ANALÍTICAS: ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Mestre Tiago Felipe A. Maia Manaus/2017

TÉCNICAS ANALÍTICAS: ESPECTROMETRIA

ATÔMICA

Prof. Mestre Tiago Felipe A. Maia

Manaus/2017

Introdução

Análise Química

Introdução Análise Química Métodos Clássicos (Via úmida) Gravimetria Volumetria Métodos Instrumentais Métodos Métodos Espectro- de Separação

Métodos Clássicos

(Via úmida)

Introdução Análise Química Métodos Clássicos (Via úmida) Gravimetria Volumetria Métodos Instrumentais Métodos Métodos Espectro- de Separação

Gravimetria

Volumetria

Métodos Instrumentais

Métodos Métodos Espectro- de Separação métricos
Métodos
Métodos
Espectro-
de Separação
métricos

Métodos

Eletroanalíticos

Espectrometria Atômica

três

tipos

espectrométricos

para

principais

identificação

de

de

métodos

elementos

presentes em amostras e

concentrações:

determinação

de

suas

(1) Espectrometria óptica; (2)
(1)
Espectrometria
óptica;
(2)

Espectrometria de massa e (3) Espectrometria de Raios-X:

Espectrometria Atômica • Há três tipos espectrométricos para principais identificação de de métodos elementos presentes em
Espectrometria Atômica • Há três tipos espectrométricos para principais identificação de de métodos elementos presentes em

Os dois primeiros requerem a atomização, mas o último não, em virtude de que os espectros de raios-x independem de

como os elementos químicos estão combinados.

Atomização refere-se ao processo de converter os elementos presentes em uma amostra em átomos gasosos (1) ou íons

elementares (2).

TÉCNICAS ANALÍTICAS

Dentre as técnicas analíticas instrumentais de espectrometria atômica destacam-se:

Espectrometria/Espectroscopia de Emissão Atômica (AES ou OES); Espectrometria/Espectroscopia de Absorção Atômica (AAS); Espectrometria/Espectroscopia de massa (MS); Fluorescência de raio X (XRF).

Óptica

5

Aspéctos Históricos e Fundamentos

- Queima de fogos na China Emissão

Aspéctos Históricos e Fundamentos - Queima de fogos na China  Emissão 1648: Joannes Marcus Marci
Aspéctos Históricos e Fundamentos - Queima de fogos na China  Emissão 1648: Joannes Marcus Marci

1648: Joannes Marcus Marci origem do arco-íris, baseado na difração e espalhamento da luz nas gotas de água

Google imagens

6
6
1679: Isaac Newton  desdobramento da luz solar em várias cores por um prisma 1850s: Bunsen

1679: Isaac Newton desdobramento da luz

solar em várias cores

por um prisma

1679: Isaac Newton  desdobramento da luz solar em várias cores por um prisma 1850s: Bunsen

1850s: Bunsen para espectroscopia

1ª chama

1900: Planck Lei quântica de absorção e emissão de energia

Google imagens

7

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO Google imagens 8

Google imagens

8

NATUREZA ONDULATÓRIA DA LUZ

A RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA (Energia radiante):

Forma de energia que se propaga seguindo um percurso ondulatório

NATUREZA ONDULATÓRIA DA LUZ A RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA (Energia radiante): Forma de energia que se propaga seguindo
λ ע Google imagens
λ
ע
Google imagens

comprimento de onda (λ) a distância entre duas cristas (pontos de máximo

da onda)

amplitude (A) a sua meia altura

freqüência de onda (ע) é quantidade de cristas que passam por um determinado ponto por segundo e é inversamente proporcional ao seu (λ)

9

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA

Pode ser considerada como uma combinação de

corrente elétrica alternada e campo magnético, que

percorre através do espaço com o movimento de uma

onda.

Onda
Onda
RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Pode ser considerada como uma combinação de corrente elétrica alternada e campo magnético, que

reflexão,

refração,

polarização.

difração,

Pode ser classificada em termos de comprimento de onda (), frequência () e velocidade da luz
Pode ser classificada em termos de
comprimento de onda (), frequência () e velocidade da luz
(c)
 = c/ 
10

- 1913: Niels Bohr Modelo atômico. Quando átomos, íons e moléculas absorvem ou emitem

radiação durante uma transição de um estado de

energia para um segundo estado, a freqüência e/ou o comprimento de onda da radiação estão relacionados com a diferença de energia entre os

dois estados:

Google imagens

- 1913: Niels Bohr  Modelo atômico. Quando átomos, íons e moléculas absorvem ou emitem radiação

11

Absorção

Emissão

Absorção Emissão Google imagens 12

Google imagens

12

Espectroscopia Atômica;

Espectroscopia Atômica; Google imagens 13

Google imagens

13

Google imagens 14
Google imagens 14

Google imagens

14

Google imagens

15

Espectrometria de emissão Atômica

Espectrometria emissão Atômica;

Princípio Este método baseia-se na introdução de uma amostra

em solução em uma chama ou plasma na forma de

um aerossol. A chama ou plasma induz a amostra a

emitir radiação eletromagnética na região UV-VIS

do espectro eletromagnético (SKOOG, 1998).

Espectrometria emissão Atômica; Princípio • Este método baseia-se na introdução de uma amostra em solução em

Google imagens

17

Google imagens 18

Google imagens

18

Espectrometria de Emissão Atômica

PRINCÍPIO DA TÉCNICA: Átomos neutros, excitados por uma fonte de calor emitem luz em comprimento de onda específicos.

Espectrometria de Emissão Atômica PRINCÍPIO DA TÉCNICA : Átomos neutros, excitados por uma fonte de calor

Espectrometria de Emissão Atômica

Espectrometria de Emissão Atômica Google imagens 20

Google imagens

20

Espectrometria de Emissão Atômica

Fotometria de chama (FAES)

Fonte de emissão (Atomização) por

chama

A chama é responsável por fornecer a energia necessária para a excitação dos átomos.

A composição da chama (combustível) proporciona diferentes temperaturas.

É possível analisar poucos elementos químicos (Grupos I e II).

Google imagens

Espectrometria de Emissão Atômica Fotometria de chama (FAES) Fonte de emissão (Atomização) por chama • A
Espectrometria de Emissão Atômica Fotometria de chama (FAES) Fonte de emissão (Atomização) por chama • A

Usando equipamento com alta resolução óptica, muitos outros elementos metálicos podem ser determinados

Espectrometria de Emissão Atômica Fotometria de chama (FAES) Fonte de emissão (Atomização) por chama • A

Sistema de Atomização - Chama

Google imagens
Google imagens

Sistema de Atomização - Chama

Propriedades de algumas Chamas

Combustível

Oxidante

Temperaturas

OBS

 

(ºC)

Acetileno

Ar

2100

- 2400

Mais

 

utilizada

Acetileno

Óxido

2600

- 2800

Elementos que formam

nitroso

 

refratários

Hidrogênio

Ar

2000

- 2100

Chama transparente

 

para elementos

facilmente ionizados

Acetileno

O 2

3050 3150

Elementos que formam

refratários

Espectrometria de Emissão Atômica

Emissão Atômica de Plasma

A espectrometria de emissão atômica ou óptica é a técnica baseada na energia emitida pelos átomos (na região do UV- VIS) quando excitados por fontes de energia à altas temperaturas (até 8000 K) (eletrodos, plasma, laser, chama, etc).

Quando a fonte é

o

plasma

a

técnica

é

chamada de

Espectrometria de emissão atômica (ou ótica) por plasma

indutivamente acoplado (ICP-AES ou ICP-OES).

Obs: Interface entre ICP e o OES

24

ICP-OES

Emissão Atômica de Plasma

ICP-OES Emissão Atômica de Plasma Google imagens 25
ICP-OES Emissão Atômica de Plasma Google imagens 25
ICP-OES Emissão Atômica de Plasma Google imagens 25

Google imagens

25

ICP-OES

Emissão Atômica de Plasma

ICP-OES Emissão Atômica de Plasma Google imagens 26

Google imagens

26

Plasma indutivamente acoplado - ICP

Plasma indutivamente acoplado - ICP 27

Plasma

O plasma consiste de um fluxo de argônio num alto campo elétrico externo (1kW.cm-3). As colisões dos átomos geram grande quantidade de íons argônio e elétrons que levam a altas temperaturas: 10.000K na base da tocha e 6.000 a 8.000K na região onde a emissão é medida (15 a 20 mm acima da bobina). Em relação à chama o plasma fornece melhor atomização e uma alta população de espécies

excitadas.

Google imagens

28

Google imagens 29

Google imagens

29

ICP-OES

ICP-OES Google imagens 30

Google imagens

30

Detecção

ICP-OES

Detecção ICP-OES Google imagens 31

Google imagens

31

ICP-OES

Análise Multielementar

ICP-OES Análise Multielementar Google imagens 32

Google imagens

32

Aplicações em materiais geológicos; • Amostras de Rocha, solo, sedimentos de corrente e água. 33

Aplicações em materiais geológicos;

Amostras de Rocha, solo, sedimentos de corrente e água.

Google imagens 34

Google imagens

34

Espectroscopia absorção Atômica

Espectroscopia absorção Atômica;

(HOLLER et al., 2007).
(HOLLER et al., 2007).

36

Google imagens

Princípio

Espectroscopia absorção Atômica;

37
37

Google imagens

Espectroscopia absorção Atômica;

Espectro de Absorção

Espectroscopia absorção Atômica; Espectro de Absorção Google imagens 38

Google imagens

38

Espectroscopia absorção Atômica;

Esquema Geral

Espectroscopia absorção Atômica; Esquema Geral Google imagens 39

Google imagens

39

40

ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS)

ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS) 41
ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS) 41

Elementos determinados por AAS

Elementos determinados por AAS Google imagens 42

Google imagens

42

Espectrometria de Massa

Espectrometros de Massa

Espectrometros de Massa Google imagens 44
Espectrometros de Massa Google imagens 44

Google imagens

44

Espectrometria de Massa

Considerações
Considerações

Um espectrómetro de massa é um aparelho que permite a medição de massas de isótopos ou radicais moleculares, estudando a trajetória de

partículas carregadas num campo magnético uniforme. Partículas com

a mesma velocidade, ao entrarem numa região onde existe campo

magnético vão descrever trajetórias circulares cujo raio depende da

sua massa

Antes de entrar na região onde existe campo magnético, as partículas, de carga q e massa m , são aceleradas por uma diferença de potencial \Delta V adquirindo assim energia cinética.

Espectrometria de Massa Considerações • Um espectrómetro de massa é um aparelho que permite a medição

Relação Massa/ carga (m/q)

(HOLLER et al., 2007).

Espectrometria de Massa

Espectrometria de Massa Google imagens Posteriormente, de modo a garantir que as partículas tem a mesma

Google imagens

Posteriormente, de modo a garantir que as partículas tem a mesma velocidade, o feixe passa por um filtro de velocidades. Este dispositivo permite determinar o valor da velocidade do feixe.

46

Como uma amostra é analisada?

IONIZAÇÃO

Formação de íons
Formação
de íons
Introdução da amostra
Introdução
da amostra

Líquida

Gasosa

Sólida

SEPARAÇÃO

Analisador de massa (m/z)
Analisador de
massa (m/z)

DETECÇÃO

Detector
Detector

Ions detectados

ESPECTRO DE MASSAS ANÁLISE DOS DADOS
ESPECTRO DE MASSAS
ANÁLISE DOS DADOS

Espectrometria de Massa Atômica

PLASMA ACOPLADO (ICP-MS)

Espectrometria de Massa Atômica PLASMA ACOPLADO (ICP-MS) Google imagens
Espectrometria de Massa Atômica PLASMA ACOPLADO (ICP-MS) Google imagens
Google imagens
Google imagens
Google imagens 49

Google imagens

49

ICP-MS: Características

LICHT et al., 2007

Google imagens 51

Google imagens

51

Espectrometria de Massa Atômica

Espectrometria de Massa Atômica ICP-MS Google imagens
ICP-MS Google imagens
ICP-MS
Google imagens
Espectrometria de Massa Atômica  ppb  ppt
Espectrometria de Massa Atômica
ppb
 ppt

Google imagens

54
55

55

56

LA Lazer Ablation (ablação à lazer)

Permite uma análise pontual em materiais sólidos; Melhora a resolução do método e consequentemente limite de detecção;

O sistema de ablação por laser UV de alta energia ( LA ) produz crateras na amostra variando em tamanho de 2

microns a 1200 microns. O material ablado é então varrido da célula de amostra diretamente para o plasma da ICP-MS.

LA – Lazer Ablation (ablação à lazer) • Permite uma análise pontual em materiais sólidos; •

Google imagens

57

LA Lazer Ablation (ablação à lazer)

Aplicações

LA – Lazer Ablation (ablação à lazer) Aplicações Estudo de inclusões fluidas Geocronologia e isótopos estáveis

Estudo de inclusões fluidas

LA – Lazer Ablation (ablação à lazer) Aplicações Estudo de inclusões fluidas Geocronologia e isótopos estáveis

Geocronologia e isótopos estáveis

Google imagens

58

LA-ICP-MS

LA-ICP-MS Google imagens 59

Google imagens

Fluorescencia de Raio X

Fluorescencia de Raio X

Definição

É uma técnica não destrutiva que permite identificar os elementos presentes em uma amostra (análise qualitativa)

assim como estabelecer a proporção (concentração) em que

cada elemento se encontra presente na amostra;

Permitir a análise de vários elementos simultaneamente, de modo rápido e a baixo custo, tem um elevado potencial de aplicação em várias áreas.

Na espectrometria de fluorescência de raios-X uma fonte de radiação de elevada energia (radiação gama ou radiação

X) provoca a excitação dos átomos da substância que pretendemos analisar;

(HOLLER et al., 2007)

61

Fluorescencia de Raio X

Quando um átomo no estado fundamental fica sob a ação de uma fonte externa de energia (e.g.: raios-X), ele absorve esta energia,

promovendo elétrons a níveis mais energéticos. Neste estado o átomo estará numa situação instável, chamada Estado Excitado.

Fluorescencia de Raio X Quando um átomo no estado fundamental fica sob a ação de uma

Google imagens

62

Fluorescencia de Raio X

Esquema Geral

Fluorescencia de Raio X Esquema Geral Google imagens 63

Google imagens

Fluorescencia de Raio X

Google imagens

Fluorescencia de Raio X Google imagens 64
Fluorescencia de Raio X Google imagens 64

Elementos Analizados por Fluorescencia de Raio X

Fluorescencia de Raio X

Aplicações

Muito usado na exploração mineral (portátil); análise química qualitativa e quantitativa de:

minerais; Rocha; Solo; Matérias Primas.

Referencias

HOLLER, F. J.; SKOOG, D. A.; CROUCH, S. R.; Princípios de Análise Instrumental. Bookman, 1056p., 2009 LICHT, O. A. B.,Prospecção Geoquímica: Princípios Técnicas e Amostragens,. Rio de Janeiro - CPRM, 1998.

LICHT, O. A. B., MELLO, C. S., B., SILVA. C., R.; Prospecção geoquímica: depósitos minerais

metálicos, não-metálicos, óleo e gás. Ed. Planeta Terra, 780p., 2007. LINS, C, A. C., Manual Técnico da Área de Geoquímica, versão 5.0, Rio de Janeiro CPRM, 2003.

SKOOG, D.A., HOLLER FL, NIEMAN

T.A..

Principles of Instrumental Analysis. 6th ed., 1998.