Você está na página 1de 49

DÉBITO CARDÍACO

Ruy R Campos Jr
Débito Cardíaco = volume de sangue bombeado
pelo VE/VD em cada minuto (5 a 30 L/min).

DC = VS X FC

VDF-VSF

Simpático e Parassimpático

Receptor Beta 1 Receptor Muscarínico


Circulação em Paralelo e em série.
Principais fatores determinantes
Débito Cardíaco
Quatro Determinantes

1) Freqüência cardíaca
2) Pré-Carga
3) Pós-Carga Resistência
Arteriolar (RPT)
4) Contratilidade

Retorno
Venoso
Fatores Cardíacos

• Freqüência cardíaca – Influências


autonômicas (simpático e vago) e FCI.

• Contratilidade – Cinética de Ca++.


Fatores Dependentes do
Coração e da Vasculatura

• Pré-Carga – Depende do retorno venoso


(RPT e complacência venosa).

• Pós-Carga – Depende do tamanho da


cavidade ventricular e da pressão aórtica.
(T = PxR/2h).
CONTRATILIDADE

• “Modificações no vigor de contração


independente do comprimento inicial
da fibra”.

• “Contratilidade é o potencial de
executar trabalho”.
Fatores que aumentam a
contratilidade

• Estimulação simpática.

• Potenciação pós-extrassistólica.

• Efeito de Bowditch – escada positiva.


Ativação Simpática
Estimativa de Contratilidade

• Derivada da Pressão ventricular esquerda


(dP/dT) – mmHg/s.

• Fração de ejeção – Volume percentual


ejetado em cada sístole – (FE=VS/VDF).
Estimulação simpática (dP
(dP//dt
dt))
Potenciação pós-extrassistólica

Extra-sístole
Fenômeno de escada positiva – Efeito
Bowditch
Fatores determinantes do vigor
sistólico
• Quantidade de cálcio que penetra no
sarcolema.

• Número de receptores de rianodina


ativados.

• Quantidade de cálcio disponível no RS.


Acoplamento excitação-
excitação-
contração
Reguladores do Cálcio citosólico

• Bomba do RS.

• Bomba de Cálcio do sarcolema


(ATP).

• Trocador Sódio/Cálcio (não há gasto


energético).
PRÉ-CARGA

MECANISMO DE FRANK-
STARLING
Mecanismo de Frank-
Frank-Starling
• Modificações no vigor sistólico
induzidas por alterações na pressão
de enchimento do coração (volume
ventricular diastólico final).
• Independe de inervação e ações
hormonais.
• Coração opera próximo ao máximo do
mecanismo de Frank-Starling.
Lei de Frank-
Frank-Starling
Curvas de função cardíaca
(Patterson & Starling – 1914)
Volume Ventricular Diastólico
Final
Mecanismos responsáveis
pela Lei do Coração

• Comprimento ótimo gera melhor


interação entre filamentos de actina e
miosina.

• Modificação na cinética do cálcio


(fator mais importante).
Dependência de Ca++.
Curvas de Função Ventricular
Mecanismo de Frank-Starling
• Faixa de Operação – Em repouso o coração
opera próximo ao ápice da curva de Frank-
Starling (2.2 a 2.4 um).
• Mecanismo importante em ajustes rápidos-
exercício físico, mudança postural e bomba
respiratória.
• Fase descendente – consequente à distensão
do tecido conjuntivo e não do sarcômero -
presença de titina.
Faixa de Operação
Fase Descendente
Fase descendente e
sarcômero
Retorno Venoso
• RV = (PA – PVC)/RPT

Ou:

• RV = (PVP – PVC)/RVP
Onde:

RV= retorno venoso


PA= Pressão arterial
PVC= Pressão Venosa Central
RPT= Resistência Periférica Total
RVP = Resistência Venosa Periférica
PSS = Pressão venosa periférica
Pressão de suplência sistêmica
ou Circulatória Média
Fatores que influenciam a PSS

• Volume Sanguíneo – 8% do peso


corpóreo.
• Tônus Venomotor – tono simpático (efeito
meias Kendall).
• Reservatórios Sanguíneos – Pele, fígado,
pulmões e baço.
• Resistência Periférica total – aumento da
RPT reduz a pressão venosa.
Retorno venoso x resistência
periférica
Ponto de Equilíbrio (acoplamento
coração--vasculatura).
coração vasculatura).
Curvas de Função Ventricular
Insuficiência Cardíaca
Ponto de Equilíbrio deslocado
Ponto de equilíbrio VD x VE
Pós--Carga
Pós
• Força desenvolvida pelo miocárdio
durante a contração.

• Influenciada pelo nível de pressão aórtica


e tamanho da cavidade ventricular.

• Laplace T=P x R/2h


Pós-Carga e Contratilidade
Pós-Carga x Esvaziamento Cardíaco

• Aumento de pós-carga com aumento de


pré-carga – esvaziamento mantido (ajuste
da pós-carga).

• Aumento de pós-carga não é compensado


pelo mecanismo de Frank-Starling –
esvaziamento reduzido (desajuste da
pós-carga).
Pós-Carga x Débito Cardíaco
Importância da Cavidade
Ventricular (cirurgia de Batista).
Função diastólica
• Quanto maior a distensibilidade basal,
menor o enchimento.

• Depende da participação conjunta da titina


e do tecido colágeno.

• Acima de 2,3 um de comprimento do


sarcômero, distensibilidade depende do
tecido conectivo.
Distensibilidade Ventricular
Frequência Cardíaca ótima
Débito Cardíaco depende tanto de
fatores cardíacos como periféricos
Resumo
• Fatores Cardíacos – Contratilidade e
Freqüência Cardíaca.

• Fatores Periféricos – Pressão arterial,


RPT, Pressão venosa periférica, Pressão
de suplência sistêmica, volemia e
reservatórios sanguíneos.