Você está na página 1de 2

TEORIAS DA ASSESSORIEDADE DA PARTICIPAO

a) Teoria da acessoriedade mnima: a participao penalmente relevante quando o


partcipe contribui para a prtica de um fato tpico.

b) Teoria da acessoriedade limitada: a participao penalmente relevante quando o


partcipe contribui para a prtica de um fato tpicoe ilcito.

c) Teoria da acessoriedade extremada: a participao penalmente relevante quando o


partcipe contribui para a prtica de um tpico, ilcito e culpvel.

d) Teoria da hiperacessoriedade: a participao penalmente relevante quando o partcipe


contribui para a prtica de um tpico, ilcito e culpve e punvel.

c) Os princpios da adequao social e da insignificncia, sugeridos pela doutrina, servem de


instrumentos de interpretao restritiva do tipo penal, que afetam a tipicidade formal do fato.

LETRA C ERRADA Segundo o professor Rogrio Sanches (in Manual de direito penal: parte
geral (arts. 1 ao 120) 4 ed. rev., ampl. e atual. Salvador: JusPODIVM, 2016. p. 72):

O princi pio da insignificancia tem lugar justamente neste primeiro aspecto da tipicidade
conglobante, a tipicidade material.64

O legislador, ao tratar da incriminacao


de determinados fatos, ainda que norteado por preceitos
que limitam a atuacao do Direito Penal, nao pode prever todas as situacoe
s em que a ofensa ao
bem juri dico tutelado dispensa a aplicacao de sua insignificancia. Assim,
de reprimenda em razao
sob o aspecto hermeneutica, o princi pio da insignificancia pode ser entendido como um
instrumento de interpretacao restritiva do tipo penal.

Sendo formalmente ti pica a conduta e relevante a lesao


, aplica-se a norma penal, ao passo que,
havendo somente a subsuncao legal, desacompanhada da tipicidade material, deve ela ser
afastada, pois que estara o fato atingido pela atipicidade.

esta relacionada apenas com o princi pio da insignificancia.


A tipicidade material nao
Resumidamente, temos o seguinte:
a) princi pio da insignificancia: e materialmente ati pica a conduta que provoca uma lesao

irrelevante ao bem juri dico;

b) princi pio da lesividade: e materialmente ati pica a conduta que nao provoca sequer
ameaca de lesao ao bem juri dico;

c) princi pio da adequacao social: e materialmente ati pica a conduta socialmente adequada;

d) princi pio da alteridade: e materialmente ati pica a conduta que nao lesa bens juri dicos de
terceiros;

e) atos determinados por lei: e materialmente ati pica a conduta considerada li cita pelo
ordenamento juri dico."