Você está na página 1de 58

Teoria da Contabilidade

ATIVOS, PASSIVOS, PATRIMÔNIO


LIQUIDO, RECEITAS E DESPESAS

Jorge Gerson Silva da Silva


1
Sumário

1 - Ativos

2 - Passivos

3 - Patrimônio Líquido

4 - Receitas, Despesas, Ganhos e Perdas

2
1.1 - Definição de Ativo

“O ativo compreende as aplicações de


recursos representados por bens e
direitos”

Resolução CFC 847/99

3
1.1 - Definição de Ativo

“o conjunto de meios ou a matéria posta


à disposição do administrador para que
este possa operar de modo a conseguir os
fins que a entidade ... tem em vista”...

Francisco D’Auria - 1958

4
1.1 - Definição de Ativo

“...ativos representam benefícios futuros


esperados, direitos que foram adquiridos
pela entidade como resultado de alguma
transação corrente ou passada”...

Sprouse e Moonitz - 1962

5
1.2 - Ativo: Conceitos Básicos

PROPRIEDADE E/OU DIREITO


POSSE E CONTROLE EXCLUSIVO

ATIVO
(Tangível e Intangível)

EXPECTATIVA
BENEFÍCIOS FUTUROS
Rendimentos Fluxo caixa
(receitas) Lucros
($$$)
(sacrifício ativos) 6
1.3 -Avaliação de Ativos

“...vontade que a avaliação represente a melhor


quantificação possível dos potenciais de serviços que
o ativo apresenta para a entidade.” (Iudicíbus)
Hendriksen e Breda
Historiadores = custo
histórico => beneficia a DRE

Futuristas = custo corrente =>


beneficia o Balanço

7
1.3 -Avaliação de Ativos

Valores
Postulado ⇒ Continuidade
de
Princípio ⇒ Custo Entrada
Representa o volume de caixa (...) pago quando um ativo ou seu
serviço ingressam na empresa (...) Podem basear-se em trocas
passadas, correntes ou futuras esperadas. (Hendriksen e Breda)
Valores
Visão mais gerencial de
Saída
Representa o volume de caixa (...) recebido quando um ativo ou seu
serviço deixa a empresa. (Hendriksen e Breda)
8
1.3 -Avaliação de Ativos

V A L O R E S D E
E N T R A D A
P a ssa d o c u s to h is t ó r ic o
C o rre n te c u s to d e r e p o s iç ã o
F u tu ro c u s to s e s p e ra d o s d e r e p o s iç ã o

V A L O R E S D E
S A Í D A
P a ssa d o p re ço s d e v e n d a p a ssa d o s
C o rre n te p re ç o s c o rre n te s d e v e n d a
F u tu ro v a lo r r e a liz á v e l e s p e r a d o

9
1.4 - Ativos: Critérios de Avaliação

Valores de Entrada
Custo histórico (original)
Custo histórico (original) corrigido
Custo reposição
ִCusto Corrente
ִCusto Original corrigido no estado em que se
encontra
ִCusto reposição - estado de novo
ִCusto reposição - estado em que se encontra
Custo de Reposição Corrigido 10
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada

Custo histórico (original)


Representa o sacrifício financeiro no
momento da sua aquisição

 “Uma das mais fortes razões da adoção generalizada


do custo histórico tem sido sua estreita relação com
o conceito de realização da receita na mensuração
do lucro.” (Hendriksen e Breda)
11
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada
Custo histórico (orig.) corrigido
Custo histórico corrigido pela variação do poder
aquisitivo da moeda.
Utilizado em países hiper-inflacionários
Reconhecido e indicado p/IASB e ONU
Quando a inflação é baixa tende-se a se afastar da
verdade setorial.

 Exemplo: Custo histórico de $200,00 em t1,


considerando a inflação de 20%, em t2, o custo
histórico corrigido seria de $240,00. 12
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada

Custo corrente
Quanto valem os insumos para a produção de
um bem numa determinada data? (em estado
de novo ou usado)
 Exemplo: Bem produzido em t0 por $ 1.000,00.
Considerando uma taxa de depreciação de 10%aa, ao
final do ano t1 teríamos $ 900,00. Entretanto, os
insumos necessários para a sua produção, em t1,
seria de $ 950,00.
13
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada

Custo original corrigido no estado em que


se encontra
Valor residual do bem corrigido pela inflação

 Exemplo: Bem adquirido em t0 por $1.000,00,


considerando uma taxa de depreciação de 10%ªª e
inflação anual de 50%, teríamos ao final de t1 o valor
original corrigido no estado em que se encontra de
$1.350,00.
14
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada

Custo de reposição no estado de novo


Bem novo produzido/adquirido, tendo
características técnicas diferentes, embora
prestando serviços equivalentes.

 Exemplo: Um Fiat Uno adquirido em 1990 e o mesmo


Fiat Uno ou um FIAT Palio adquirido em 2000

15
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada

Custo de reposição no estado em que se


encontra
Quanto custa hoje o bem adquirido no
passado? (levando em consideração os
desgastes e os atrasos tecnológicos).

 Exemplo: Quanto custa, em 2000, o FIAT Uno


adquirido em 1990?

16
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada
Custo de reposição corrigido
É o custo de reposição em t0 corrigido pela
variação do poder aquisitivo da moeda para t1.
Este valor normalmente será diferente do custo
de reposição em t1.

 Exemplo: Supondo um custo de reposição de $200,00


em t0 e uma inflação anual de 50% em t1. Logo, o
custo de reposição corrigido para t1 é de $300,00.
17
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Entrada
X 1 X 2 X 3
C u s to h is t ó r ic o ( o r ig in a l) 1 .0 0 0 ,0 0 2 5 % 2 0 %

C u s to h is t ó r ic o ( o r ig in a l) c o r r ig id o 1 .2 5 0 ,0 0 1 .5 0 0 ,0 0
C u s to d e r e p o s iç ã o 1 .0 0 0 ,0 0 1 .3 5 0 ,0 0 2 0 % 1 .4 5 0 ,0 0
C u s to d e r e p o s iç ã o c o r r ig id o 1 .2 5 0 ,0 0 1 .6 2 0 ,0 0

E m X 1 o s v a lo r e s d o c u s t o h is t ó r ic o e
c u s t o d e r e p o s iç ã o t e n d e m a s e r ig u a is ,
p o is s ã o o s v a lo r e s d e m e r c a d o .

O c u s t o h is t ó r ic o c o r r ig id o e o c u s t o d e
r e p o s iç ã o c o r r ig id o e m X 2 t a m b é m s ã o
s e m e lh a n t e s , e m f u n ç ã o d a p a r t id a in ic ia l.

O c u s t o h is t ó r ic o c o r r ig id o e o c u s t o d e
r e p o s iç ã o c o r r ig id o d e ix a d e s e r
s e m e lh a n t e s a p a r t ir d e X 2 .

D a d o s :
I n f la ç ã o X 2 2 5 %
I n f la ç ã o X 3 2 0 % 1 2 5 %

18
1.4 - Ativos: Critérios de Avaliação

Valores de Saída

Valores descontados das entradas líquidas de


caixa futuras
Preços correntes de venda
Equivalentes correntes de caixa
Valores em liquidação

19
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Saída

Valores descontados das entradas líquidas


de caixa futuras

Qual o valor presente de um fluxo de caixa


futuro, para um determinado ativo?

20
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Saída
Preços correntes de venda

Quanto a entidade pode conseguir através da


venda dos seus ativos, abatido as respectivas
despesas das vendas?
Não se aplica a todos os ativos, sendo mais
indicado para a avaliação dos estoques.

21
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Saída
Equivalentes correntes de caixa

Montante de caixa que poderia ser obtido com


a venda de cada ativo em condições
organizadas de liquidação num mercado
estável.
Não consegue exprimir valores para itens que
não possuem cotações correntes no mercado
(ex.: equipamentos especializados)
22
1.4 - Critérios de Avaliação: Valores de
Saída

Valores de liquidação

Montante de caixa que poderá ser obtido com a


venda forçada dos ativos, numa situação de
obsolescência do ativo ou descontinuidade da
empresa.

23
1.5 - Critérios de Avaliação: Custo x
Mercado
Conceito de avaliação mista, adota-se o que for
menor.

Política de Conservadorismo

Criticas (Hendriksen e Breda)


ִtendem a subavaliar os ativos
ִconservadorismo exercício 1 é contrabalançado no
exercício 2
ִé intrinsecamente incoerente (nenhum conceito
está sendo utilizado sistematicamente) 24
1.6 - Ativos Intangíveis

Capital Intelectual (Edvinsson e Malone)


ִCapital Humano
ִCapital Estrutural
ִCapital de Clientes

Goodwill

25
1.7 - Ativos: Outros Assuntos

Essência sobre a forma


(propriedade/posse)

ִLeasing
ִSale Lease back

26
2.1 - Definição de Passivo

“o Passivo compreende as origens de


recursos representados pelas obrigações
para com terceiros”

Resolução CFC 847/99

27
2.1 - Definição de Passivo

“obrigações ou compromissos de uma


empresa no sentido de entregar dinheiro,
bens ou serviços a uma pessoa, empresa
ou organização externa em alguma data
futura”

Hendricksen e Breda - 1999

28
2.2 - Passivo: Conceitos Básicos
Obrigação ou Transação ou
Responsabilidade Evento
Presente Ocorrido

PASSIVO

Comprometimento leva
a Sacrifício Futuro
29
2.3 - Avaliação e Mensuração dos
Passivos

Problema principal: momento do seu


reconhecimento

Avaliação recai sobre itens monetários


fixos
ִValor presente dos montantes a serem pagos
no futuro
30
2.3 - Avaliação e Mensuração dos
Passivos

Momento de Reconhecimento das


Exigibilidades
ִIncorrência de uma despesa
ִReconhecimento de uma perda
ִRecebimento de um ativo

Obrigações dependentes exclusivamente


de eventos futuros NÃO deveriam ser
incluídos
31
2.4 - Tipos de Passivos

Atividades operacionais, líquidas e certas


Decorrentes das atividades usuais da empresa
Atividades de financiamento
Decorrentes da contratação de empréstimos
(capital giro/investimento)
Atividades societárias
Obrigações estatutárias p/ sócios
Provisões
Passivos contingentes
32
2.5 - Passivos Contingentes

Obrigação que pode surgir dependendo


de uma ocorrência futura (probabilidade
de ocorrência alta)
Perda pode ser razoavelmente estimada
Probabilidade de ocorrência baixa ⇒
evidencia em notas explicativas

33
2.5 - Passivos Contingentes

FLUXOGRAMA DE DECISÃO - IAS 37


Início

Obrigação atual
NÃO Obrigação NÃO
como conseqüência
de um evento possível?
contingente? SIM
SIM
Saída NÃO SIM
Remota?
Provável?
SIM NÃO
Estimativa NÃO (rara)
confiável?
SIM
Divulgue o passivo
Provisione Não faça nada
contingente
34
2.5 - Passivos contingentes

Provisão para Contingências


X
Reserva para Contingências

35
2.5 - Passivos contingentes

Provisão para Contingências


ִExpectativas de perdas de ativos ou
acréscimos de exigibilidade que reduzem o PL
ִFato Gerador atrelado a eventos passados ou
presentes

 Exemplo: garantias a produtos, ações cíveis e


trabalhistas.

36
2.5 - Passivos contingentes

Reserva para Contingências


ִExpectativa de perdas ou prejuízos ainda não
incorridos
ִFato gerador atrelado a eventos futuros

 Exemplos: perdas cíclicas, por exemplo geadas,


secas, inundações.

37
2.6 - Passivos: Títulos Híbridos

Debêntures conversíveis em ações

Dividas Subordinadas

Instrumentos híbridos de capital e dívida

38
3.1 - Abordagens do Patrimônio
Líquido

Teoria do Proprietário

Ativo - Passivo = PL (Proprietário)

ִProprietário é o centro de atenção da


Contabilidade

39
3.1 - Abordagens do Patrimônio
Líquido
Teoria da entidade

Ativo = Obrigações + PL

OU

Ativo = Passivo

ִEntidade tem uma vida distinta dos


interesses pessoais dos proprietários
40
3.1 - Abordagens do Patrimônio
Líquido

Teoria do acionista ordinário

Ativos - Passivos = Interesse residual

ִVariante da teoria da entidade


ִInvestimentos em uma S/A, exceto os
acionistas ordinários, são outsiders
41
3.1 - Abordagens do Patrimônio
Líquido

Teoria do fundo

Ativo (aplicações) = Restrições sobre os ativos


(fontes)

ִFundo é o núcleo de interesse


ִFundo inclui grupo de ativos e obrigações
relacionadas
42
3.1 - Abordagens do Patrimônio
Líquido

Teoria do Comando

ִCentralizada no controle econômico


efetivo dos recursos pelos gerentes ou
“comandantes”

43
3.2 - Fontes de Patrimônio Líquido

Valores investidos por acionistas

Lucros retidos ou acumulados

Reavaliações de ativos

Doações de terceiros
44
4.1 - Receitas, Despesas, Ganhos e
Perdas
Visão Estática comparada
PLt1 - PLt0 = resultado
Definição de lucro (Hicks)
“lucro é o que podemos consumir durante uma
semana (mês, ano etc.) e sentir-nos ‘tão bem’
no final como nos sentimos no início.”
Distribuição dividendos ⇒ até que não
comprometa essa sensação (manter
patrimônio)
O que afinal gerou o lucro? 45
4.1 - Receitas, Despesas, Ganhos e
Perdas
Demonstração de fluxos
Apresentação analítica (qualitativa) do
resultado, o que possibilita uma melhor visão
dos efeitos ocorridos em um determinado
período. Dessa forma o resultado deve ser
apresentado obedecendo as seguintes
classificações:
ִReceitas
ִGanhos
ִDespesas
ִPerdas 46
4.2 - Definição de Receita

“o acréscimo de benefícios econômicos


durante o período contábil na forma de
entrada de ativos ou decréscimos de
exigibilidades e que redunda num
acréscimo do patrimônio líquido, outro
que não o relacionado a ajustes de
capital”
IASB

47
4.2 - Definição de Receita

Receita é a expressão monetária


validada pelo mercado à produção de
bens e serviços da entidade, em sentido
amplo, em determinado período

Iudícibus

48
4.3 - Receita: Conceitos Básicos
Evidenciada da seguinte forma:
(Iudicíbus)
Ligada à produção de bens e serviços em sentido
amplo
Valor final ⇒ validado pelo mercado
Relacionado a período de tempo
Embora reconheça que o esforço para produzir
receita provoca despesas, não subordina, no
tempo, o reconhecimento da receita ao
lançamento da despesa. 49
4.4 - Ganhos: Conceitos Básicos

Itens não recorrentes

Podem ou não surgir da atividade principal

Devem ser apresentados segregados das


receitas normais (manutenção do valor
preditivo da DRE)
50
4.5 - Receitas e Ganhos segundo o
IBRACON

Receita operacional

Receita não operacional

Ganho

Receita (ou lucro) extraordinária


51
4.6 - Definição de Despesa

“utilização ou consumo de bens e serviços


no processo de produzir receitas”

Iudícibus

52
4.6 - Definição de Despesa

“Saídas ou outros usos de ativos ou


ocorrências de passivos (ou ambos) para
a entrega ou produção de bens, a
prestação de serviços, ou a execução de
outras atividades que representam as
operações principais em andamento da
entidade”

FASB
53
4.7 - Tipos de Despesa

Relacionadas com a receita operacional


ִDiretamente
ִIndiretamente

Relacionadas com a continuidade da


entidade

54
4.7 - Aferição das Despesas

Como as despesas são medidas?


ִCusto histórico
ִMedidas correntes (custo de reposição)
ִCustos de oportunidade de equivalentes
correntes de caixa

(Hendriksen e Breda)

55
4.8 - Perdas: Conceitos Básicos

Podem ou não surgir no curso da


atividade principal da empresa
(normalmente imprevisível)
Ex.: sinistros, desincorporação de ativos não correntes
Ao contrário das despesas não tem valor
compensante
Devem ser apresentados segregados das
despesas normais (manutenção do valor
preditivo da DRE) 56
4.8 - Despesas e perdas segundo o
IBRACON

Custo

Despesa

Despesa não operacional

Prejuízo ou perda

Prejuízo (ou perda) extraordinário


57
4.9 - Ativo x Despesa x Custo

• Traz benefícios futuros


Ativo
• Potencial p/gerar receitas
• Não traz benefícios Futuros
Despesa • Consumido p/obter receita

• Utilização de bens/serviços na
Custo produção de outros bens
58