Você está na página 1de 2

Era uma vez

O dia em que todo dia era bom


Delicioso gosto e o bom gosto
Das nuvens serem feitas de algodo
Dava pra ser heri
No mesmo dia em que escolhia ser vilo
E acabava tudo em lanche, um banho quente
E talvez um arranho

Dava pra ver


A ingenuidade, a inocncia cantando no tom
Milhes de mundos e universos to reais
Quanto a nossa imaginao
Bastava um colo, um carinho
E o remdio era beijo e proteo
Tudo voltava a ser novo no outro dia
Sem muita preocupao

que a gente quer crescer


E, quando cresce, quer voltar do incio
Porque um joelho ralado
Di bem menos que um corao partido

que a gente quer crescer


E, quando cresce, quer voltar do incio
Porque um joelho ralado
Di bem menos que um corao partido

D pra viver
Mesmo depois de

descobrir que o mundo ficou mau


s no permitir que a maldade do mundo
Te parea normal
Pra no perder a magia de acreditar
Na felicidade real
E entender que ela mora no caminho
E no no final

que a gente quer crescer


E, quando cresce, quer voltar do incio
Porque um joelho ralado
Di bem menos que um corao partido

que a gente quer crescer


E, quando cresce, quer voltar do incio
Porque um joelho ralado
Di bem menos que um corao partido
Era uma vez