Você está na página 1de 9
1
EDUCAÇÃO E O USO DA TECNOLOGIA Neste tópico, vamos tratar sobre a força que a

EDUCAÇÃO E O USO DA TECNOLOGIA

Neste tópico, vamos tratar sobre a força que a tecnologia tem exercido em nossas vidas. Indiretamente, ela tem chegado e se integrado em nosso dia a dia, e nem percebemos que isso está acontecendo. Como na charge abaixo, nos tornamos tão dependentes dela que, às vezes, não conseguimos nem mesmo realizar tarefas rotineiras, como armazenar ou anotar um simples telefone em um papel. Isso é automático, e já deve ter ocorrido com você, não é mesmo? Faça o teste: você sabe de cor todos os telefones que estão na sua agenda? Certamente não, um bom exemplo disso é que, quando preciso falar com minha sogra, que coisa, nunca me lembro do número do telefone dela; mas basta localizar o nome no celular e pronto, estarei falando com ela!

o nome no celular e pronto, estarei falando com ela! Figura 1 – Tecnologia é do

Figura 1 Tecnologia é do mundo

Na verdade, isso ocorre naturalmente com você, e também com os alunos, que tem mais facilidade no uso desses recursos. Assim, nasce naturalmente que a tecnologia já está presente na vida dos alunos, facilitando o ensino e o aprendizado com a utilização dos seus recursos. Também estaremos apresentando um percurso histórico da tecnologia no Brasil, seu envolvimento com a educação e os principais marcos relatados ao longo do envolvimento. O Dicionário Houaiss (2001) explica o que é a tecnologia:

Tecnologia: teoria geral e/ou estudo sistemático sobre técnicas, processos, métodos, meios e instrumentos de um ou mais ofícios ou domínios da atividade humana. A origem da palavra tecnologia, na sua etimologia, está na palavra grega tekhnología, que significa: “tratado ou dissertação sobre uma arte, exposição das regras de uma arte”, pois é formada a partir do radical grego tekhno, que vem de tékhné, que significa: “arte, artesania, indústria, ciência”, e do radical grego logía, que vem de logos, que significa: “linguagem, proposição”.

Lembrete A Tecnologia O papel do professor diante da tecnologia é estar devidamente capacitado e

Lembrete A Tecnologia O papel do professor diante da tecnologia é estar devidamente capacitado e promover o uso da ferramenta como apoio pedagógico; dessa forma, uma série de fatores pode contribuir para seu uso e a melhoria da educação no País.

A sociedade da tecnologia

A sociedade se inova a cada dia, desde as formas de organizar-se, de produzir bens, de comercializá-los, de se divertir, de ensinar e de aprender. Desde a década de 1990, com a utilização em grande escala dos microcomputadores, passamos por uma verdadeira revolução tecnológica. Os desafios impostos pela rápida evolução dessas novas tecnologias e sua inserção em todos os ramos da atividade humana somam-se às contradições sociais. Muitas escolas acreditam que modernização é simplesmente adotar equipamentos de informática, programas e professores para ministrar cursos de treinamento de uso de ferramentas aos seus alunos, esquecendo o lado pedagógico. É preciso entender que a nova prática pedagógica deve preparar as pessoas para aprender a usar a tecnologia como ferramenta de apoio pedagógico e não material final.

Você já deve ter escutado que a sociedade está se construindo através da tecnologia. Perguntamos: será?

Sabe-se que, historicamente, a tecnologia esteve presente na mídia em geral, passando por fotos, telégrafos, telegrafia sem fio, telefones, telecomunicações, gravação de sons, filmes, rádio, televisão, até os microcomputadores e softwares. Não podemos nos esquecer também dos monitores de TV, das videoconferências, dos vídeos interativos, dos treinamentos por meio de softwares e da distância, que, com softwares específicos, tentava auxiliar e criar métodos de ensino via internet ou teleconferência. Outra coisa interessante foram as unidades de armazenamento, antes os discos, CDs e DVDs, e hoje estão migrando para os pendrivers. A resposta é: realmente a tecnologia tem-nos influenciado. E o que a tecnologia tem a ver com o conceito pedagógico? As formas de se comunicar estão mudando, e com elas as de ensinar, pois os recursos são melhores, assim o aspecto tecnológico tem- nos auxiliado a adotar novas formas de ensinar mais práticas e mais próximas da sociedade. Por isso, a grande maioria das ações dos governos é direcionada à utilização de tecnologias como fonte de apoio ao ensino-aprendizagem e como foco de inclusão digital, daí vem a necessidade de envolver-se neste mundo novo.

O que é tecnologia?

Como citamos anteriormente, a tecnologia está presente em nosso dia a dia, em tudo que fazemos, seja para se comunicar, alimentar, locomover, comprar e outras atividades rotineiras. Você consegue identificá-la com maior facilidade nos computadores, nos equipamentos eletrônicos e de comunicação, que têm invadido nossos lares e tomado parte de nossa vida. O termo “tecnologia” refere-se a tudo que se inventou, tanto artefatos como métodos e técnicas, para estender a capacidade física, sensorial, motora ou mental do homem, facilitando e

simplificando o seu trabalho, enriquecendo suas relações interpessoais, ou simplesmente lhe dando prazer. Definindo tecnologia, sentimos a necessidade de entender o significado de “arte”: habilidade ou disposição dirigida para a execução de uma finalidade prática ou teórica, realizada de forma consciente, controlada e racional, ou definida como “conjunto de meios e procedimentos através dos quais é possível a obtenção de finalidades práticas ou a produção de objetos; técnica”. As técnicas são formas, jeitos ou habilidades especiais em lidar com cada tipo de tecnologia, que encontramos ao executar nossas atividades cotidianas, lidando com vários equipamentos, produtos

e serviços originados da tecnologia. Algumas dessas técnicas são simples e de fácil aprendizado, transmitidas de geração para geração, e se incorporam aos costumes e hábitos sociais de um determinado grupo de pessoas. Dessa linha, refletimos, a tecnologia está presente em nossas vidas, qual é o papel da mesma em nível educacional? O computador pode ser a ferramenta que substitua o professor? Veja a charge abaixo e reflita sobre a dificuldade do aluno.

Veja a charge abaixo e reflita sobre a dificuldade do aluno. Figura 2 – Tecnologia –

Figura 2 Tecnologia lição de casa

A tecnologia educacional é um pouco diferente da tecnologia, pois ela pode ou não ser utilizada, fica a cargo dos professores e da coordenação pedagógica essa decisão. Diferente da sociedade, que tem de se adequar às novas formas de viver, ela simplesmente colabora e permite novos caminhos e soluções para sanar as deficiências de ensino. A tecnologia não irá, em nenhum momento, substituir a figura do professor, como na charge,

o aluno pode ser o melhor em nível tecnológico, mas não condiz com seu português, seu inglês ou suas formas de calcular. Em nível educacional, a tecnologia são ferramentas, programas e técnicas que permitem que o aluno reflita e aprenda o que está sendo ensinado.

Os professores e a tecnologia

Recentemente foi divulgado que cerca de 1,7 milhão de jovens brasileiros entre 15 e 17 anos está fora da sala de aula, devido à falta de estímulo para o estudo. A evasão está direcionada ainda à falta de estímulos na visão dos alunos, que consideram as aulas monótonas e cansativas. A tecnologia pode servir de apoio ao professor com as mídias, som, imagem, filmes, pesquisas, promovendo a criatividade e o estímulo aos alunos. Diante do avanço tecnológico, o professor não poderá ser apenas um técnico, mas um profissional que desenvolve, implementa inovações, participando ativamente e criticamente do processo, transformando-se em um agente dinâmico cultural, social e curricular que possa tomar decisões educativas e elaborar projetos com os colegas controlado pelo coletivo. Fazer parte da “sociedade moderna” implica lançar-se à razão instrumental e tecnológica, que valoriza, antes de mais nada, apenas a razão como elemento explicador e transformador do mundo. Se escolhermos apenas a razão, podemos cometer um grave erro, pois na maioria das vezes

pensamos em um único e exclusivo movimento de transmissão, que termina quando a coisa que se transmite é recebida. Ensinar vai além disso, é necessário um processo permanente de atualização e continuidade, o qual vai além do transmitir. Ao ensinar, o professor proporciona aos alunos a mediação, o encontro com a realidade, e articula novos saberes, transmitindo e ensinando simultaneamente a cada nova aula. A arte de ensinar é complexa, mas pode se transformar em oportunidade para ampliar o conhecimento de estudantes e educadores. Os alunos podem ser mais ou menos ativos durante o processo de aprendizagem; alguns se interessam mais, outros ficam quietos e não participam da proposta. Daí a necessidade de uma boa proposta construída pedagogicamente que desperte oportunidades e possibilidades de união de trabalho coletivo. Os dois devem desempenhar papéis de protagonistas dos próprios processos de aprendizagem. Uma das formas de colaboração para ampliar o conhecimento poderia vir da realização de processos de aprendizagem com tecnologia, gerando uma melhoria nas condições de acesso à informação, minimizando as restrições de tempo e de espaço e permitindo agilizar a comunicação entre professores, alunos e instituições. A teoria e a prática de ensino apareceriam como elementos fundamentais para o trabalho do docente, devendo ser entendidas como prática de contribuição ao desenvolvimento do trabalho no ensino. Paralelamente, há muito se fala em desenvolver nos alunos a habilidade de “aprender a aprender”, e que não se trata de um novo meio de ensinar, mas de propor que alunos e professores passem a ter produção própria, desenvolvendo a criatividade e a inovação. O “aprender a aprender” fundamenta-se na busca da autonomia de professores e alunos impulsionados pelo ato de refletir e criticar as suas próprias experiências e delas extrair conhecimentos. Nesse processo, o professor não existe para explicar a matéria, e sim para mostrar quais são os caminhos e como dominar os temas propostos; mas para que isso ocorra o aluno deve passar a ver o professor como um pesquisador, um motivador, o qual se tornaria um parceiro na construção dos conhecimentos, acabando com o ponto de terminalidade na escola. Devido à velocidade de renovação do saber e do fazer, baseados em tecnologia, a maior parte dos conhecimentos adquiridos por uma pessoa no início de sua formação profissional será obsoleta ao iniciar a carreira. A nova sociedade baseada na informação insere na educação o desafio de formar continuamente indivíduos capazes de interagir com as tecnologias e apropriar- se delas. Transformar a formação inicial em formação ao longo da vida seria o único caminho para alcançar ou manter-se em condições de competitividade em nível individual ou nacional, numa economia globalizada altamente tecnológica; assim, o ensino a distância é o parceiro ideal para desenvolver essa tarefa.

O COMPUTADOR: TRABALHOS CIENTIFICOS DA ACADEMIA

O Computador como Ferramenta Educacional

É possível observar a evolução dos computadores através dos anos, e décadas, subsequentes a sua criação. Atualmente, é possível encontrar computadores de mão (Palmtops, PDAs), além de computadores com velocidade de processamento e capacidade de armazenamento que superam as expectativas humanas. O computador é uma ferramenta capaz de reunir em uma só máquina os aparelhos citados anteriormente, além de ser uma ferramenta que possibilita interação com usuário, executando somente o que

é requisitado por quem o manipula. Além do mais, o computador é uma mídia que adquiriu popularidade em

pouco tempo, e foi e continua sendo alvo de estudos de como esta nova ferramenta pode auxiliar no processo de ensino-aprendizagem. No início dos anos 2000, os computadores chegavam as escolas e causavam alvoroço no que se referiria à utilização desta tecnologia como benefício a aprendizagem. De acordo com o mesmo artigo, o computador não será a primeira tecnologia ser inserida na educação, tampouco a última, e cita enciclopédias, dicionários, lápis, papel, giz, lousa, retroprojetor, rádio, televisão, videocassete, e outros aparelhos que foram adotados pela escola como auxílio ao processo de ensino e consequentemente a aprendizagem. Além do mais, a diferença causada por esta tecnologia, no caso, o computador, será a forma em como tal equipamento será utilizado. O ganho do computador em relação aos demais recursos tecnológicos, no âmbito educacional, estão relacionado à sua característica de interatividade, à sua grande possibilidade de ser um instrumento que pode ser utilizado para facilitar a aprendizagem individualizada, visto que ele só executa o que ordenamos; portanto limita-se aos nossos potenciais e anseios.

) (

conceito básico de diferenciação dessa máquina em relação às demais, também, se dá por conta do seu próprio sistema de funcionamento: entrada, processamento e saída de

informações sistema do qual nenhuma outra máquina dispõe. (TAJRA, 2004, p. 49)

O computador é uma máquina que possibilita a interatividade em tempo real. O

Segundo Cysneiros (2000) o computador pode ser uma tecnologia educacional, e também pode ser

uma tecnologia não educacional. O computador não é considerado como uma tecnologia educacional quando, as atividades desenvolvidas com o uso do mesmo não têm qualquer relação com o processo de ensino ou aprendizagem. O computador é classificado como tecnologia educacional “quando for parte de um conjunto

), envolvendo uma

relação com alguém que ensina ou com um aprendente. ” De acordo com o mesmo autor, “uma coisa é ensinar o manejo computadores a qualquer pessoa; outra,

é ensinar a usar a ferramenta em contextos educacionais, por um professor ou um aprendiz, com objetivos

explícitos de ensinar ou de aprender algo em ambientes escolares.” (CYSNEIROS, 2000) Dando sequência a este raciocínio, quanto à utilização do computador no ensino, de acordo com Tajra (2004), o computador pode ser usado para fins pedagógicos ou sociais. Quanto à utilização do computador como fins sociais, ele é utilizado apenas para repassar para os alunos conteúdos relacionados à tecnologia. Quando o computador é utilizado com fins pedagógicos, a escola o utiliza como ferramenta de ensino. “A escola usa o computador para complementos e sensibilização disciplinares ou projetos educacionais.”

(TAJRA, 2004, p. 59) As escolas que utilizam o computador apenas como ferramenta pedagógica, os alunos ficam, de certa forma, inseguros ao manusear o computador, pois os alunos não são capacitados para trabalharem com os softwares disponíveis em computadores. Do mesmo modo quando o computador é utilizado apenas com fins sociais, os alunos desconhecem a maneira de relacionar a suas atividades diárias com o uso de ferramentas tecnológicas. (TAJRA, 2004) A maneira indicada, segundo Tajra (2004), diz respeito à conciliação entre os fins pedagógicos e sociais, elaborando um plano de curso utilizando a informática, prevendo o momento em que serão repassadas

orientações tecnológicas ligadas às práticas pedagógicas. Dessa forma é necessário que ao utilizar o computador no processo de ensino, o professor não ensine apenas noções técnicas de informática, assim como use o computador apenas como uma ferramenta pedagógica. É necessário que o professor saiba como integrar da melhor forma noções técnicas e pedagógicas, pois se acredita que os dois estão ligados entre si. Tomamos como exemplo, o caso de um professor que trabalhe com um tema em específico, esse mesmo professor pede que os alunos criem um texto utilizando um editor de textos do computador; da mesma forma que é necessário que o aluno conheça algo a respeito do tema (ou caso seja um tema novo, necessitando a pesquisa para a formação de um conceito por parte do aluno),

é necessário também que ele saiba como utilizar o editor de textos, ou seja, o aluno terá que conhecer o

processo de digitação, alinhamento de texto, mudar estilo de fonte, cor, tamanho, inserir caracteres especiais, dentre outros.

de ações (práxis) na escola, no lar ou noutro local com o objetivo de ensinar ou aprender (

A utilização do computador no processo de ensino dever ser como um meio de o aluno construir o seu conhecimento, ou seja, é necessário que o professor não traga informações prontas para o aluno, é necessário que o professor incentive o aluno a buscar a informação, a formar conceitos sobre os vários assuntos. Uma visão geral do Windows, podemos utilizar os atalho de teclado da máquina para dinamizar, o tempo, mão de obra, melhor configuração.

Windows em geral

WIN = Abre o menu Iniciar. Use as setas para navegar nas opções, e dê ENTER para abrir um item. WIN + D = Mostrar área de trabalho. WIN + M = Minimizar tudo. SHIFT + WIN + M = Desminimizar tudo. WIN + R = Executar. WIN + E = Abre o Windows Explorer. WIN + PAUSE BREAK = Propriedades do sistema. WIN + F = Pesquisar arquivos ou pastas. WIN + U = Gerenciador de utilitários. WIN + L = Bloquear computador ou trocar de usuário, sem fazer logoff. CTRL + ESC = Abre o menu Iniciar. CTRL + ALT + DEL = Gerenciador de tarefas, permite fechar programas travados. No Windows NT/2000/XP/Vista etc. pode abrir a janela “Segurança do Windows”, com opções para trocar senha, fazer logoff ou abrir o gerenciador de tarefas. CTRL + SHIFT + ESC = Gerenciador de tarefas (com a vantagem de abri-lo direto, e não a tela de segurança, em algumas versões de Windows). ALT + LETRA SUBLINHADA DE MENUS OU BOTÕES = Acessa o menu ou botão. Use as setas de direção do teclado para se mover, ENTER para confirmar ou a barra de espaços para marcar ou desmarcar as caixinhas de marcação. ALT + TAB = Alterna as janelas abertas. Segure ALT e vá teclando TAB até selecionar a janela desejada, e então solte tudo. SHIFT + ALT + TAB = Alterna as janelas abertas, só que selecionando as anteriores, e não as próximas. Ao usar o ALT + TAB, você pode teclar ou soltar SHIFT quando precisar. ALT + ESC = Alterna diretamente para a janela anterior na barra de tarefas. CTRL + TAB = Alterna as guias (abas) das janelas que tem abas, avançando, e em alguns programas, alterna os documentos abertos. SHIFT + CTRL + TAB = Alterna as guias, voltando para as anteriores, em vez de avançar. ALT + F4 = Fecha a janela ativa. Se nenhuma janela estiver aberta, abre a caixa de diálogo “Desligar o computador”. ALT + ESPAÇO = Abre o menu de controle da janela ativa (= clicar na barra de título com o botão direito do mouse ou, mais precisamente, clicar no ícone que fica à esquerda, na barra de título dos programas). Dica: use para maximizar, minimizar ou restaurar janelas pelo teclado. F10 = Seleciona os menus do programa atual. Use as setas de direção do teclado para se mover por eles. SHIFT + F10 = Corresponde a clicar com o botão direito no objeto selecionado ou em foco. Use as setas para escolher um item do menu, e ENTER para “clicá-lo”. Pode-se usar diretamente a tecla que tem um menu com uma setinha, é a chama “tecla de atalho de aplicativo”, que normalmente fica entre as teclas WIN DIREITA e CTRL de alguns teclados. PRINT SCREEN = Copia uma imagem da tela atual para a área de transferência. Basta colar no seu programa gráfico preferido (pode ser o Paint), ou num editor que aceite imagens (como o Word). Ideal para pegar ilustrações de tela sem precisar de programas de terceiros. ALT + PRINT SCREEN = Copia uma imagem apenas da janela ativa, e não da tela inteira (janela ativa é a janela que está em primeiro plano).

8

Windows Explorer Confira mais abaixo as dicas de seleção de textos, muitas valem para o trabalho com arquivos e pastas também F3 = Pesquisar arquivos na pasta atual. F4 = Abre a listinha da barra de endereços. F5 = Atualiza a janela atual. F6 = Seleciona o texto da barra de endereços. F11 = Abre a página em tela cheia. Tecle F11 para voltar ao normal. CTRL + H = Abre a lista do histórico. CTRL + I = Abre a lista dos favoritos. BACKSPACE = Abrir a pasta pai (acima).