Você está na página 1de 33
4T07 Simples Assim Informações e Resultados Consolidados Quarto Trimestre e ano de 2007 (Não Auditados) TELE
4T07
Simples Assim
Informações e Resultados
Consolidados
Quarto Trimestre e ano de 2007
(Não Auditados)
TELE NORTE LESTE PARTICIPAÇÕES S.A.
e
26/7/2007
TELEMAR NORTE LESTE S.A.
www.oi.com.br/ri
1
www.oi.com.br/ri
4T07
4T07
4T07 28/02/2008 www.oi.com.br/ri 2
4T07 28/02/2008 www.oi.com.br/ri 2
4T07 28/02/2008 www.oi.com.br/ri 2
4T07
4T07

Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 2008: Tele Norte Leste Participações S.A. (Bovespa: TNLP4 e TNLP3) e Telemar Norte Leste (Bovespa: TMAR5) divulgam hoje os resultados do 4° trimestre e do ano de 2007.

1) PRINCIPAIS DESTAQUES

Unidades Geradoras de Receitas ampliadas em 1,11 milhão no 4T07 e 3,13 milhões no ano, +134,8% e +20,9% em relação ao 4T06 e a 2006, respectivamente. Oi Móvel e o Oi Velox foram os destaques no trimestre, com expansões de 1,08 milhão e 125 mil, respectivamente.

 

Embora em menor ritmo, os planos alternativos mantiveram expansão no trimestre, desta vez de 296 mil, totalizando 5,0 milhões em dezembro/07 (45,2% das linhas residenciais).

Com a adesão de 125 mil clientes, Oi Velox manteve patamar de expansão do trimestre anterior (127 mil). Em 2007, as adições líquidas acumularam 390 mil usuários, 20,7% acima de 2006.

Na móvel, o “Oi Conta Total” também manteve o ritmo de crescimento do trimestre anterior, encerrando o ano com 537 mil clientes (20,7% dos pós-pagos). No segmento pré- pago, as adições líquidas de 951 mil usuários no trimestre foram resultado da continuidade do sucesso da campanha “Oi Ligadores”.

Receita líquida consolidada do trimestre somou R$4.484 milhões, ligeiro crescimento em relação ao 3T07 (+1,1%). Em 2007, as receitas totalizaram R$17.584 milhões (+4,2%), influenciadas principalmente pelos serviços de dados, banda larga e móvel.

Ligeiro crescimento do ARPU da fixa (R$85,59; +0,1% vs 3T07), confirmando por mais um

trimestre o sucesso dos

planos alternativos na defesa

destas receitas.

O ARPU

da

móvel

(R$22,74) foi 1,8% superior ao do trimestre anterior e 2,7% acima do 4T06.

 

O EBITDA consolidado somou R$1.548 milhões no trimestre (margem de 34,5%), redução em relação ao EBITDA / margem EBITDA recorrentes do trimestre anterior (R$1.679 milhões e 37,8%). No acumulado do ano, o EBITDA de R$6.501 milhões (margem de 37,0%), representa aumento de 6,5% em relação a 2006. Ajustando os efeitos não recorrentes, o EBITDA do ano seria de R$6.332 milhões (margem de 36,0%) e crescimento de 3,8% em relação ao ano anterior.

Ao final de dezembro/07, a dívida líquida de R$2.681 milhões representa redução de 14,2% no trimestre e de 45,1% no ano, e equivale a 0,41x EBITDA de 2007.

Lucro líquido consolidado de R$911 milhões no 4T07 e R$2.358 milhões em 2007 (R$6,17/ação e US$3,17/ADR), resultado 80,0% superior ao de 2006.

Os investimentos consolidados somaram R$1.026 milhões no 4T07, acumulando R$2.328 milhões no ano, e representando 22,9% da receita líquida no trimestre (13,2% no ano).

O fluxo de caixa líquido após investimentos somou R$629 milhões no trimestre (-41,5% vs 3T07), acumulando R$3.330 milhões no ano (+2,5% vs 2006).

4T07
4T07

Quadro 1 – Principais Indicadores Financeiros

 

Trimestral

 

Anual

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

Trim.

Ano

2006

2007

 

Ano

TNL Consolidada

Receita Líquida EBITDA Margem EBITDA (%)

33,8%

43,0%

  • 4.437 1,1%

  • 1.908 -18,9%

34,5%

  • 4.444 0,9%

  • 1.504 2,9%

-8,5 p.p.

  • 4.484 16.872

  • 1.548 6.102

0,7 p.p.

36,2%

17.584

6.501

37,0%

 

4,2%

6,5%

0,8 p.p.

Lucro Líquido

613

637

911

 

43,0%

48,6%

1.310

2.358

80,0%

Dívida Líquida

4.883

3.126

2.681

-14,2%

-45,1%

4.883

2.681

-45,1%

CAPEX

764

572

1.026

79,4%

34,3%

2.307

2.328

0,9%

Fluxo de Caixa Livre

907

1.076

629

-41,5%

-30,7%

3.250

3.330

2,5%

Dívida Líquida / EBITDA

0,8

0,5

0,4

-20,0%

-50,0%

0,8

0,4

-50,0%

     

TMAR Controladora

Receita Líquida

3.642

3.595

3.621

 

0,7%

-0,6%

14.297

14.297

 

0,0%

EBITDA

1.423

1.561

1.213

-22,3%

-14,8%

5.721

5.385

-5,9%

Margem EBITDA (%)

39,1%

43,4%

33,5%

-9,9 p.p.

-5,6 p.p.

40,0%

37,7%

-2,3 p.p.

Lucro Líquido

558

772

939

21,6%

68,3%

1.615

2.692

66,7%

Oi (TNL PCS)

Receita Líquida

1.021

1.063

1.105

 

4,0%

8,2%

3.555

4.195

 

18,0%

EBITDA

94

353

352

-0,3%

274,5%

439

1.154

162,9%

Margem EBITDA (%)

9,2%

33,2%

31,8%

-1,4 p.p.

22,6 p.p.

12,3%

27,5%

15,2 p.p.

Lucro Líquido

211

92

216

134,8%

2,4%

138

456

230,4%

2) PERFORMANCE OPERACIONAL:

Telefonia Fixa – Oi Fixo

A base de linhas em serviço de telefonia fixa (14.222 mil) manteve-se praticamente estável em relação a setembro/07 (-0,7%). A continuidade da política de crédito mais flexível mostrou-se eficaz na manutenção de clientes do segmento de baixa renda na base, que, apesar do nível de inandimplência (PDD) mais elevado, em seu conjunto gera resultados positivos para a Companhia. Relativamente à base final de 2006, a redução de 1,2% ficou dentro do esperado no início do ano.

Os planos alternativos atingiram 5,0 milhões de clientes ao final de 2007, um crescimento de 6,3% no trimestre e 154,3% no ano. Estes planos representam 35,1% do total de linhas fixas em serviço e 45,2% das linhas residenciais, contribuindo não só para uma maior fidelização do cliente, mas também para defesa/crescimento do ARPU de telefonia fixa.

Banda Larga – Oi Velox

A planta de acessos ADSL (Oi Velox) apresentou crescimento trimestral de 9,0%, repetindo o forte ritmo de expansão do trimestre anterior. Oi Velox encerrou 2007 com uma base de 1.518 mil clientes, um crescimento de 34,6% (390 mil) em relação aos 1.128 mil acessos de 2006.

4T07
4T07

Telefonia Móvel – Oi Móvel

Oi Móvel também manteve forte ritmo de crescimento no 4T07, gerando 1.084 mil adições líquidas (adições brutas de 2.482 mil clientes e desligamentos de 1.398 mil), representando 37,3% das adições líquidas de todo o ano (2.906 mil clientes). O churn do trimestre (9,1%) apresentou redução de 2,4 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior. No final do ano, a base de clientes Oi Móvel atingiu 15.984 mil clientes ativos, expansão de 22,2% em relação a dezembro/06, confirmando a liderança de mercado na Região I, com participação de mercado de 26,9%.

O segmento pré-pago apresentou crescimento robusto devido ao sucesso da campanha “Oi Ligadores”, iniciada em julho/07, que contribuiu para elevar as adições líquidas do segmento para 2.152 mil nos dois últimos trimestres de 2007 (+80,4% no ano). Ao final de 2007, a base de pré-pagos totalizou 13.395 mil clientes.

A base de clientes pós-pagos apresentou forte recuperação no 4T07 (+133 mil adições líquidas), encerrando o ano com 2.589 mil assinantes (16,2% da base de usuários móveis).

Quadro 2 – Indicadores Operacionais*

 

4T06

1T07

2T07

3T07

4T07

Telefonia Fixa - Oi Fixo

(a)

Linhas em Serviço (Mil)

14.388

14.338

14.347

14.318

14.222

Residencial (%)

78,1%

78,1%

78,1%

77,9%

77,7%

Comercial (%)

17,9%

17,9%

17,9%

18,1%

18,2%

TUP (%)

4,0%

4,0%

4,0%

4,0%

4,1%

Base Média (Mil)

14.430

14.359

14.339

14.337

14.271

Planos Alternativos (Mil)

1.963

3.027

4.071

4.696

4.992

% das Linhas em Serviço

13,6%

21,1%

28,4%

32,8%

35,1%

ARPU Oi Fixo (R$)

87,2

84,5

85,1

85,5

85,6

Banda Larga - Oi Velox

 

(b)

Usuários ADSL (Mil)

1.128

1.182

1.266

1.393

1.518

% das Linhas em Serviço

7,8%

8,2%

8,8%

9,7%

10,7%

Residencial (%)

84,4%

84,6%

85,3%

85,1%

85,7%

Base Média (Mil)

1.068

1.153

1.224

1.327

1.458

ARPU Oi Velox (R$)

54,7

53,6

51,8

50,1

46,4

Telefonia Móvel - Oi Móvel

4T06

1T07

2T07

3T07

4T07

(c)

Usuários Móveis (Mil)

13.078

13.358

13.634

14.900

15.984

% Pós - Pago

18%

17%

18%

16%

16%

Base Média (Mil)

12.816

12.952

13.097

14.320

15.348

Market Share Oi - Região I

27,4%

27,2%

26,5%

27,0%

26,9%

% das Adições Líquidas da Região I

22,9%

21,1%

11,5%

34,1%

25,4%

Penetração Região I

46,8%

47,9%

50,1%

53,5%

57,5%

Churn Trimestral

8,8%

7,7%

7,7%

11,5%

9,1%

ARPU Oi (R$)

22,1

21,6

21,5

22,3

22,7

UGR - Unidades Geradoras de Receita (a+b+c) (Mil)

28.594

28.878

29.247

30.611

31.724

Trim.

Ano

 

-0,7%

-1,2%

-0,2 p.p.

-0,4 p.p.

0,1 p.p.

0,3 p.p.

0,1 p.p.

0,1 p.p.

-0,5%

-1,1%

6,3%

154,3%

2,3 p.p.

21,5 p.p.

0,1%

-1,8%

 

9,0%

34,6%

1,0 p.p.

2,9 p.p.

0,6 p.p.

1,3 p.p.

9,9%

36,5%

-7,4%

-15,2%

D Trim.

D Ano

7,3%

22,2%

0,0 p.p.

-2,0 p.p.

7,2%

19,8%

-0,1 p.p.

-0,5 p.p.

-8,7 p.p.

2,5 p.p.

4,0 p.p.

10,7 p.p.

-2,4 p.p.

0,3 p.p.

1,8%

2,7%

3,6%

10,9%

*Nestes números não estão incluídos 112 mil UGRs da Way TV (TV a cabo: 57 mil; banda larga: 55 mil), bem como, os 3,7 milhões de clientes do provedor “Oi Internet” (2,9 milhões com internet discada e 770 mil com acesso banda larga).

4T07
4T07

3) RESULTADOS CONSOLIDADOS:

3.1) Receita

A receita bruta consolidada foi superior em 1,6% no trimestre (+3,8% no acumulado do ano), com destaque para as receitas de serviços “móveis”, “dados” e os “serviços fixo–móveis” (VC1, VC2 e VC3), compensando perdas em receitas de “telefones públicos”, “uso de rede” e “fixo-local (ex. VC-1)”.

Quadro 3 – Composição da Receita Bruta Consolidada

 

Trimestral

Anual

Composição %

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

Trim.

Ano

2006

2007

Var. %

2006

2007

Telefonia Fixa

5.362

5.182

 

0,0%

  • 5.180 20.758

-3,4%

20.717

-0,2%

86%

82%

Local (ex - VC1)

2.346

2.220

2.175

 

-2,0%

-7,3%

9.249

 
  • 8.882 -4,0%

38%

35%

Assinatura

1.691

1.784

1.754

-1,7%

3,7%

6.661

  • 6.980 4,8%

27%

28%

Tráfego Local

625

408

398

-2,5%

-36,3%

2.477

  • 1.797 -27,5%

10%

7%

Outros

29

28

23

-17,9%

-20,7%

111

106

-4,5%

0%

0%

Fixo Móvel Local (VC1)

715

682

 

6,9%

  • 729 2.650

2,0%

 
  • 2.771 4,6%

11%

11%

Longa Distância (ex - VC2/3)

743

686

 

-2,2%

  • 671 3.000

-9,7%

 
  • 2.771 -7,6%

12%

11%

Fixo Móvel (VC2/3)

200

201

 

7,5%

8,0%

  • 216 703

 
  • 816 16,1%

3%

3%

Uso da Rede

205

155

 

-2,6%

-26,3%

  • 151 715

 
  • 603 -15,7%

3%

2%

Dados

673

730

 

4,0%

12,8%

  • 759 2.513

 
  • 2.879 14,6%

10%

11%

Velox

260

285

3,5%

  • 295 915

13,5%

  • 1.121 22,5%

4%

4%

Outros

413

445

4,5%

  • 465 1.597

12,6%

  • 1.759 10,1%

7%

7%

Telefones Públicos

267

289

 

-19,4%

  • 233 1.117

-12,7%

 
  • 1.106 -1,0%

5%

4%

Serviços Adicionais

153

167

 

3,6%

  • 173 576

13,1%

 
  • 644 11,8%

2%

3%

Voz Avançada / Outros

59

51

72

 

41,2%

22,0%

236

 
  • 245 3,8%

1%

1%

 

Telefonia Móvel

1.037

1.156

 
  • 1.262 3.474

9,2% 21,7% 10,3% 24,1% 7,1% 0,0% 3,2% 21,3% 7,1% 47,9% -10,8% -14,7%
9,2%
21,7%
10,3%
24,1%
7,1%
0,0%
3,2%
21,3%
7,1%
47,9%
-10,8%
-14,7%
  • 1.204 3.156

  • 187 44,4%

    • 270 746

  • 420 14,0%

    • 479 1.403

 
  • 4.436 27,7%

14% 18% 13% 17% 3% 4% 6% 7% 0% 0% 3% 5% 1% 1% 1% 1%
14%
18%
13%
17%
3%
4%
6%
7%
0%
0%
3%
5%
1%
1%
1%
1%

Serviços

Assinatura

Chamadas Originadas

970

1.092

  • 241 12,0%

  • 416 15,1%

1.658

  • 4.197 33,0%

    • 937 25,6% 18,2%

Roaming

30

28

30

   

120

113

-5,8%

Uso de Rede

263

309

  • 319 610

  • 105 277

1.154

89,2%

Dados / Valor Adicionado

71

98

335

20,9%

Revenda de Aparelhos

68

65

58

   

319

239

-25,1%

 

Telefonia Fixa

Telefonia Móvel

   
  • 5.362 0,0%

  • 1.037 9,2%

  • 5.182 20.758

    • 5.180 -3,4%

  • 1.156 3.474

    • 1.262 21,7%

20.717

4.436

-0,2%

27,7%

86% 82% 14% 18% 100% 100% 70% 70%
86%
82%
14%
18%
100%
100%
70%
70%
   

Receita Bruta Total

   
  • 6.338 1,6%

6.399 0,7% 6.442 24.232 4.444 0,9% 4.484 16.872
  • 6.399 0,7%

    • 6.442 24.232

  • 4.444 0,9%

    • 4.484 16.872

 
  • 25.153 3,8%

Receita Líquida Consolidada

   
  • 4.437 1,1%

 
  • 17.584 4,2%

Telefonia Fixa:

A receita bruta de telefonia fixa manteve-se estável tanto no trimestre quanto no acumulado do ano (-0,2%). No quarto trimestre, foram registradas quedas nas receitas dos serviços “local” e “telefones públicos” compensados pelo aumento dos serviços “fixo-móvel” (VC1, VC2 e VC3), “dados” e “voz avançada/outras”. Em 2007, destaca-se o aumento das receitas com “assinaturas”, “comunicação de dados”, “fixo-móveis” (VC1, VC2 e VC3) e “serviços adicionais”, que compensaram a queda das receitas de tráfego “local”, “longa distância (ex-VC2/3)” e de “uso de rede”, cabendo evidenciar os seguintes eventos:

4T07
4T07
  • (a) reajuste de 1,83% de tarifas da cesta local (exceto minuto) e de longa distância, em julho/07;

  • (b) reajuste da tarifa do minuto da cesta local em outubro/07 no mesmo percentual (1,83%);

  • (c) reajuste de 2,88% nas tarifas fixo-móveis (VC1, VC2, VC3) em julho/07 e aumento de tráfego destes

serviços;

  • (d) expansão de produtos de transmissão de dados, principalmente o serviço de banda larga - Oi Velox;

  • (e) adesão relevante de clientes aos planos alternativos de minutos (2,5 milhões de clientes);

  • (f) redução de 20% na tarifa de interconexão com a rede local (TU-RL) em janeiro/07.

Serviço Local

Fixo-Fixo:

A

receita

bruta dos serviços locais apresentou

queda de

2,0% no

(assinatura,

trimestre. Durante o 4T07 houve a adesão de mais 296 mil clientes aos

tráfego,

planos alternativos (contém pacote de minutos), contribuindo para a

(+4,8%).

habilitação)

diminuição do “tráfego excedente faturado”. No entanto, neste trimestre

tal movimento não foi suficiente para ampliar as receitas com “assinaturas”, fato observado quando analisamos o acumulado do ano

Fixo-Móvel:

O crescimento da receita, tanto no trimestre (+6,9%) quanto no ano

(VC1)

(+4,6%), foi influenciado pelo reajuste da tarifa ocorrido em julho/07 (2,88%), bem como pelo aumento de tráfego deste serviço.

Serviços de Longa Distância (LD)

LD Fixo-Fixo (LDN e LDI)

A redução da receita no trimestre (-2,2%) e no acumulado do ano (-7,6%), deve-se ao menor tráfego, compensada em parte pelo reajuste tarifário de julho/07 (+1,83%).

LD Fixo-Móvel

O serviço de longa distância fixo-móvel registrou receita 7,5% superior ao

(VC2/VC3)

3T07, acumulando crescimento de 16,1% no ano. Ressalta-se que tal desempenho decorre das mesmas razões do VC1: crescimento do tráfego, bem como o reajuste de tarifas de 2,88% em julho/07.

Remuneração pelo Uso da Rede Fixa:

Neste trimestre a receita manteve-se praticamente estável quando comparada ao 3T07 (-R$4 milhões). No entanto, relativamente ao mesmo período do ano anterior, a receita acumulada registrou queda de 15,7% (-R$112 milhões) devido à redução de 20% na tarifa de interconexão da rede fixa local (TU-RL) em janeiro/07, prevista no contrato de concessão.

4T07
4T07

Serviços de Comunicação de Dados:

A receita do trimestre foi superior em R$29 milhões (+4,0%) relativamente ao 3T07, e de R$366 milhões (+14,6%) no acumulado do ano. Destaca-se o desempenho das receitas de Oi Velox em virtude do crescimento da base de usuários do serviço de acesso à internet em banda larga: +9,0% no trimestre e +34,6% no ano. Vale ressaltar, ainda, o crescimento de receita de “Serviços IP” relacionada com o projeto dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007 (R$102 milhões), bem como, de receita de assinatura do provedor de internet “Oi Internet” (R$40 milhões), impactando positivamente as receitas no ano de 2007 quando comparadas ao ano anterior.

Telefones Públicos:

No trimestre a queda de 19,4% em relação ao 3T07 ocorreu devido à menor quantidade de créditos vendidos. Em relação ao acumulado do ano de 2006, no entanto, a receita de TUP manteve-se praticamente estável em R$1,1 bilhão (-1,0%).

Telefonia Móvel

A receita bruta dos serviços de telefonia móvel aumentou R$106 milhões no trimestre (+9,2%) e R$962 milhões em 2007 (+27,7%). No 4T07, a elevação da receita decorreu da expansão de “assinaturas” (+12,0%) e de “chamadas originadas” (+15,1%). Em 2007, a receita dos serviços de telefonia móvel representou 17,6% das receitas consolidadas (crescimento de 3,3 p.p.), mesmo com redução de 25,1% das receitas de revenda de aparelhos, principalmente devido à expansão da base de clientes (+2.906 mil) e ao impacto do pleno full billing na receita de “uso de rede” (+89,2%; R$544 milhões), contra apenas 5,5 meses do ano anterior.

No ano de 2007, cabe destacar, ainda, as receitas de “assinatura” e de “chamadas originadas”, a saber:

(a) os planos convergentes destinados a clientes de alto valor (“Oi Conta Total”) impulsionaram o crescimento da base de usuários do segmento pós-pago (+9,7%). Estes clientes já representam 537 mil (20,7%) da base total de pós-pagos;

(b) a campanha do “Oi Ligadores”, iniciada em julho/07, ampliou o ritmo de expansão de usuários pré-pago. A base pré-paga totalizou 13.395 mil, (+25,0% no ano), tendo “Oi Ligadores” contribuído com 4,3 milhões de novos clientes. Ressalta-se, ainda, que a migração de clientes antigos para a base de “Oi Ligadores” (3,4 milhões no ano) contribuiu para o aumento da receita de “dados/valor adicionado” em função da cobrança da tarifa de adesão ao plano;

A receita de revenda de aparelhos caiu 25,1% no acumulado do ano, devido à política de venda apenas do chip (sim card alone) no segmento pré-pago, dando continuidade à estratégia da Companhia de redução de custo de aquisição de clientes. A receita consolidada do serviço de “uso de rede” totalizou R$319 milhões após eliminação das receitas de R$206 milhões (R$187 milhões no 3T07) recebidas pelo Oi Móvel da TMAR no 4T07. No acumulado do ano, estas receitas registraram expansão de 89,2% conforme mencionado anteriormente. Ressalta-se que o

4T07
4T07

reajuste da tarifa da VUM (+1,97%) em julho/07 somou-se ao full billing pleno em 2007 na expansão das receitas de uso de rede.

A receita média mensal por usuário (ARPU) atingiu R$22,7 no trimestre (+1,8% no trimestre e +2,7% superior ao ano anterior), e de R$22,1 em todo o ano de 2007.

No ano, a receita bruta da Oi (TNL- PCS) somou R$5.689 milhões, crescimento de 17,3%.

3.2) Custos e Despesas Operacionais

Os custos e despesas operacionais (ex. depreciação/amortização) aumentaram R$407 milhões no 4T07, e R$314 milhões no acumulado de 2007. O aumento registrado no trimestre deveu-se, basicamente, a maiores despesas de “Interconexão” (aumento do tráfego fixo-móvel), “Pessoal” (no 3T07 houve item não recorrente positivo, reversão de provisão), “Serviços de Terceiros” (basicamente consultorias jurídicas e outras), e “Outras Despesas (Receitas) Operacionais” (efeito positivo da reversão de provisões não recorrentes no 3T07). Estes aumentos foram parcialmente compensados por menores gastos com aparelhos (CMV), menor PDD (Provisão para Devedores Duvidosos) e despesas com materiais.

Em todo o ano, os principais responsáveis pelo aumento da despesa foram “Interconexão” (R$540 milhões) e “PDD - Provisão para Devedores Duvidosos” (R$174 milhões), parcialmente compensado pela redução das despesas de “Custos de Aparelhos SMP e Outros” (R$316 milhões) e “Outras Despesas (Receitas) Operacionais” (R$269 milhões).

Ressalta-se que a sistemática do full billing, se de um lado contribuiu para o aumento de receita, também trouxe impacto em custos, respondendo pelo crescimento deste item ocorrido no ano. A PDD, que representa 2,5% da receita bruta do 4T07 (2,6% no ano), registrou aumento de 36,6% em todo o ano, principalmente, em decorrência da política de flexibilização de crédito nas vendas de linhas fixas.

Quadro 4 – Composição dos Custos e Despesas Operacionais

 

Trimestral

Anual

Item - R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

Trim.

Ano

2006

2007

 

Ano

Interconexão Pessoal Materiais Custo de Aparelhos SMP e outros (CMV) Serviços de Terceiros

76

1.004

1.050

  • 782 3,9%

    • 818 8,7%

  • 167 73,0%

    • 115 19,2%

      • 79 -1,3%

-5,1%

  • 189 -67,2%

    • 75 -17,3%

  • 975 7,7%

4,6%

  • 850 2.792

  • 199 646

    • 75 305

    • 62 578

3.866

3.332

3.965

19,3%

  • 692 7,1%

  • 295 -3,3%

  • 262 -54,7%

2,6%

Publicidade e Propaganda Aluguéis e Seguros PDD Outras Desp. (Rec.) Operac.

76

68

5

76

11,8%

  • 177 1,5%

    • 198 13,6%

  • 137 -2,4%

    • 167 19,0%

  • 362 -27,9%

5120,0%

0,0%

310

  • 201 703

  • 163 475

  • 261 1.095

  • 300 -3,2%

  • 765 8,8%

  • 649 36,6%

  • 826 -24,6%

TOTAL

2.940

2.529

2.936

 

16,1%

-0,1%

10.770

11.084

 

2,9%

O Quadro 5, a seguir, mostra mais detalhadamente a composição, por grupos, dos custos e despesas operacionais (ex. depreciação/amortização).

4T07
4T07

Quadro 5 – Abertura da Composição dos Custos e Despesas Operacionais

 

Trimestral

Anual

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

2006

2007

 

Ano

Custos e Despesas Operacionais

2.940

2.529

2.936

10.770

11.084

2,9%

Interconexão

782

818

850

2.792

3.332

19,3%

Aparelhos SMP e Acessórios

189

75

62

578

262

-54,7%

Custos de Serviços Prestados

802

840

853

3.228

3.410

5,6%

Pessoal

48

47

76

192

253

31,8%

Serviços de Terceiros

428

450

439

1.727

1.815

5,1%

Materiais

71

76

69

288

  • 280 -2,8%

Aluguel/Arrendamento Mercantil/Seguros

150

176

176

599

  • 673 12,4%

Contrato Concessão Anatel

  • 35 20

  • 20 -30,9%

139

96

Outros

  • 70 71

283

  • 72 3,5%

293

Despesas de Comercialização

651

663

695

 

2.544

2.657

 

4,4%

Pessoal

46

24

42

181

167

-7,7%

Serviços de Terceiros

380

395

399

1.536

1.489

-3,1%

Publicidade e Propaganda

76

68

76

310

300

-3,2%

Materiais

2

1

1

 
  • 6 -50,0%

3

 

Aluguel/Arrendamento Mercantil/Seguros

0

0

(0)

  • 2 -50,0%

1

Outros

10

8

14

 

35

49

 

40,0%

PDD e Baixa de Contas a Receber

137

167

  • 163 36,6%

475

649

 

Despesas Gerais e Administrativas

274

233

 
  • 330 4,2%

1.005

1.047

Pessoal

73

44

81

 

272

 
  • 271 -0,4%

Serviços de Terceiros

167

159

213

603

  • 661 9,6%

Materiais

3

2

5

11

  • 12 9,1%

Aluguel/Arrendamento Mercantil/Seguros

26

22

24

103

  • 91 -11,7%

Outros

5

5

7

16

  • 13 -18,8%

Outras Despesas (Receitas), líquidas

242

(100)

148

622

375

 

-39,7%

Interconexão:

O aumento de 3,9% dos custos de “interconexão” no trimestre (R$32 milhões) deve-se, basicamente ao aumento de tráfego fixo-móvel (VC-1, VC-2 e VC-3).

Em 2007, o aumento de 19,3% refere-se, principalmente, à introdução, a partir de julho/06 full billing entre as operadoras móveis, que, em 2006, impactou resultados apenas parcialmente (5,5 meses).

Pessoal:

O aumento de 73,0% dos custos e despesas com pessoal no trimestre (R$84 milhões) ocorreu em função do estorno de provisões realizadas no 3T07, que impactou positivamente as despesas com “pessoal” daquele trimestre em R$60 milhões.

O aumento de 7,1% no ano de 2007 (R$46 milhões) deve-se à primeirização de serviços relacionados ao Centro de Gerenciamento de Rede (CGR), ao início das operações da SEREDE (controlada integral da TMAR) em agosto/07.

Ao final de 2007, o quadro consolidado de colaboradores totalizava 9.936 (7.098 no final de 2006). O aumento de 2.838 colaboradores no ano deve-se à contratação de colaboradores para SEREDE (final de 2007 - 1.160 colaboradores) e para suportar a primeirização do CGR - Centro de Gerenciamento de Rede (1T07).

4T07
4T07

Custo de Aparelhos SMP e outros (CMV):

Redução de R$13 milhões no trimestre, e de R$316 milhões relativamente ao ano anterior, decorre da continuidade da estratégia de venda do “sim card alone” para o segmento pré-pago. A partir desta estratégia de eliminação do subsídio de aparelhos pré-pagos houve substancial redução do custo de aquisição de clientes deste segmento.

Parte da variação ocorrida entre o

ano atual

e

o anterior refere-se

ao

estorno da

provisão de

obsolescência do estoque, no valor de R$55 milhões, em função do incêndio ocorrido no centro de

distribuição do Rio de Janeiro, conforme detalhado no relatório do primeiro trimestre de 2007.

Serviços de Terceiros:

As despesas com serviços de terceiros aumentaram 4,6% no trimestre (R$46 milhões), em função de maiores gastos com consultorias e com assessoria jurídica por êxito em processos judiciais (R$10 milhões e R$19 milhões, respectivamente). Acrescenta-se a isso as maiores despesas com comissões e vendas (R$8 milhões) e processamento de dados, compensados parcialmente pela redução nos gastos de manutenção de planta.

Em todo o exercício de 2007, estas despesas aumentaram em R$99 milhões. Contribuindo para tal elevação, encontram-se os gastos com energia elétrica, devido ao reajuste de tarifas, e ao aumento do consumo de energia pela expansão da planta (banda larga e móvel), maiores despesas com processamento de dados e com “outra despesas” que referem-se, basicamente, ao aumento do volume de vendas de ofertas premium para o segmento pós-pago.

Quadro 6 – Composição de “Serviços de Terceiros”

 

Trimestral

Anual

Item - R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

Trim.

Ano

2006

2007

Ano

Manutenção da Planta (CSP) Comissões e Vendas (DCOM) Postagem e Cobrança (DCOM)

89

 
  • 336 -2,0%

  • 127 5,8%

    • 89 0,0%

  • 335 -0,3%

  • 146 15,0%

    • 89 0,0%

  • 342 1.378

  • 138 528 357

1.363

-1,1%

  • 525 -0,6%

  • 356 -0,3%

Energia Elétrica (CSP/DGA)

83

  • 81 6,2%

  • 86 3,6%

 

317

  • 340 7,3%

Processamento de Dados (CSP/DGA)

55

  • 45 17,8%

  • 53 -3,6%

162

  • 180 11,1%

Operação de Call Center (DCOM)

87

111

116

4,5%

33,3%

391

  • 399 2,0%

Consultorias e Assessorias Jurídicas (CSP/DGA)

71

  • 89 48,3%

  • 60 25,4%

255

  • 256 0,4%

Serviços de Impressão e Clearing (DCOM)

15

  • 16 13,3%

    • 17 6,3%

59

65

10,2%

Outros

112

122

120

-1,6%

7,1%

418

480

14,8%

Total

975

1.004

1.050

4,6%

7,7%

3.866

3.965

2,6%

Publicidade e Propaganda:

No trimestre houve aumento de 11,8% (R$8 milhões), devido aos maiores dispêndios com veiculação televisiva. Na comparação anual ocorreu uma queda de 3,2% (R$10 milhões), face a menores despesas com patrocínios e pesquisas de mercado, a despeito dos gastos referentes às campanhas de divulgação e consolidação da marca “Oi”, e do patrocínio do projeto dos Jogos Pan-Americanos Rio – 2007, ambos ocorridos no primeiro semestre de 2007.

4T07
4T07

Provisões para Devedores Duvidosos – PDD:

A PDD manteve-se estável em relação ao trimestre anterior. Quando comparada ao ano de 2006, houve, no entanto, aumento de R$174 milhões que reflete, principalmente, a estratégia da Oi na implementação de política de crédito mais flexível para segmentos de usuários de telefonia fixa de baixa renda.

Outras Despesas (receitas) Operacionais:

O aumento de R$256 milhões nas “outras despesas operacionais” no trimestre ocorreu, principalmente, pelo fato deste item ter sido impactado positivamente no 3T07 por alguns valores não recorrentes, conforme detalhado no relatório do 3T07, a saber:

Reversão de R$265 milhões do saldo da contingência trabalhista em decorrência da utilização de novas estimativas de apuração das perdas em processos trabalhistas, calculadas com base no histórico dos pagamentos efetivamente realizados;

Registro complementar de R$96 milhões de contingências regulatórias, após implementação de estimativas mais aderentes ao descumprimento de compromissos contratuais, destacando-se os relacionados ao PGMU - Plano Geral de Metas de Universalização.

No acumulado de 2007, a redução das “outras despesas/receitas operacionais” em R$269 milhões devem-se, principalmente, pelos efeitos positivos não recorrentes do 3T07, notadamente a reversão da contingência trabalhista de R$265 milhões, conforme comentado anteriormente.

3.3) Demais Itens do Resultado Consolidado

EBITDA (LAJIDA):

Quadro 7 – EBITDA e Margem EBITDA

 

Trimestral

 

Anual

 

4T06

3T07

3T07

Recorrente

4T07

  • Ano

Trim.

2006

2007

2007

Recorrente

Ano

TNL Consolidado

EBITDA (R$ MM) Margem %

1.504

33,8%

1.908

43,0%

1.679

37,8%

1.548

34,5%

  • -18,9%

-8,5 p.p.

2,9%

0,7 p.p.

6.102

36,2%

6.501

37,0%

6.332

36,0%

6,5%

0,8 p.p.

TMAR Consolidada

EBITDA (R$ MM) Margem %

1.513

34,0%

1.914

43,1%

1.688

38,0%

1.557

34,8%

  • -18,7%

-8,3 p.p.

2,9%

0,8 p.p.

6.150

36,5%

6.530

37,2%

6.362

36,2%

6,2%

0,7 p.p.

TMAR Controladora

EBITDA (R$ MM) Margem %

1.423

39,1%

1.561

43,4%

1.344

37,4%

1.213

33,5%

  • -22,3%

-9,9 p.p.

-14,8%

-5,6 p.p.

5.721

40,0%

5.385

37,7%

5.217

36,5%

-5,9%

-2,3 p.p.

Oi (TNL-PCS)

EBITDA (R$ MM) Margem %

94

9,2%

353

33,2%

346

32,5%

352

31,8%

  • -0,3%

-1,4 p.p.

274,5%

22,6 p.p.

439

12,3%

1.154

27,5%

1.155

27,5%

162,9%

15,2 p.p.

O EBITDA consolidado do trimestre somou R$ 1.548 mil (-18,9% vs 3T07), representando margem de 34,5%. No entanto, na comparação com o trimestre anterior, cabe ressaltar que o 3T07 contempla efeitos não recorrentes positivos de R$229 milhões líquidos. Desconsiderando tais efeitos não

4T07
4T07

recorrentes, tal queda teria sido de 7,8%. A comparação de margem EBITDA com a do 3T07 recorrente, mostra redução de 3,3 p.p ..

O EBITDA consolidado recorrente e respectiva margem EBITDA, registraram reduções no 4T07, face ao desempenho das operações de telefonia fixa, cujo EBITDA foi impactado por maiores custos de interconexão (maior tráfego fixo-móvel), PDD (maiores vendas de linhas fixas para classes de baixa renda), gastos com relacionamento com o cliente (melhoria do nível de serviço), provisões para contingências (fiscais e trabalhistas) e despesas jurídicas.

O EBITDA consolidado da TMAR foi de R$1.557 milhões (margem de 34,8%), acumulando R$6.530 milhões em todo o ano. A TMAR controladora atingiu EBITDA de R$1.213 milhões no 4T07 (margem de 33,5%), tendo acumulado R$5.385 milhões no ano (margem de 37,7%).

Na empresa de telefonia móvel (TNL-PCS), o EBITDA do trimestre atingiu R$352 milhões com uma margem de 31,8%, estável em relação ao trimestre anterior. Destaque para o EBITDA do acumulado do ano de 2007, que totalizou R$1.154 milhões, 162,9% superior ao de 2006 e com margem de 27,5% (+15,2 p.p.). O segmento móvel manteve, em 2007, um ritmo de crescimento da base de clientes consistente, ao mesmo tempo em que, conseguiu ampliar suas margens operacionais, principalmente, pelos menores custos de aquisição de novos clientes.

No ano de 2007, o EBITDA consolidado acumulou R$6.501 milhões, com margem de 37,0%

representando crescimento de 6,5% e de 0,8 ponto percentual. Considerando os ajustes não recorrentes do ano a margem teria sido de 36,0%, o que representa uma estabilização da margem EBITDA consolidada. Destaque para o desempenho positivo dos serviços de comunicação de dados (Oi Velox) e principalmente do serviço de telefonia móvel (Oi Móvel), que alcançou 27,5% de margem EBITDA em

2007.

Em decorrência da declaração de JCP – Juros sobre Capital Próprio em dezembro/07 (TNL e TMAR) e de Lucro da Exploração (TMAR), a provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social resultou positiva no 4T07, contribuindo sobremaneira para o crescimento do Lucro Líquido final.

Quadro 8 – EBITDA x EBIT x Lucro Líquido

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

2006

2007

EBITDA

1.504

1.908

1.548

6.102

6.501

Depreciações e Amortizações

(739)

(658)

(649)

(3.147)

(2.605)

EBIT

765

1.250

898

2.955

3.895

Equivalência Patrimonial

49

(1)

203

163

211

Receitas (Despesas) Financeiras Líquidas

(254)

(52)

(65)

(1.290)

(424)

Receitas (Despesas) não operacionais

(14)

12

16

(17)

40

Participações Minoritárias

(101)

(139)

(170)

(292)

(487)

Imposto de Renda e Contribuição Social

169

(433)

29

(210)

(877)

Lucro líquido

613

637

911

1.310

2.358

4T07
4T07

Resultado Financeiro:

As despesas financeiras líquidas consolidadas somaram R$65 milhões no 4T07, com aumento de R$13 milhões sobre o 3T07, e queda de R$866 milhões no acumulado do ano relativamente a 2006, como detalhado a seguir:

Quadro 9 – Resultado Financeiro

 

Trimestral

Anual

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

2006

2007

Receitas Financeiras

210

213

321

733

960

Juros s/ Aplicações financeiras

95

102

135

362

443

Outras Receitas financeiras

115

111

185

370

517

Despesas Financeiras

(464)

(264)

(386)

(2.022)

(1.384)

Juros s/ empréstimos e financiamentos

(170)

(154)

(166)

(732)

(651)

Resultado Cambial s/ Emprest. e Financ.

(62)

(50)

(29)

(400)

(156)

Variação monetária e cambial

63

48

72

344

440

Resultado de hedge cambial

(125)

(98)

(101)

(744)

(596)

Outras Despesas Financeiras

(231)

(61)

(192)

(890)

(577)

Encargos bancários (incluindo CPMF)

(59)

(50)

(40)

(232)

(217)

Juros s/ impostos parcelados (Refis)

(15)

(13)

(13)

(72)

(55)

Atualização monetária de prov.contingências

(139)

95

(40)

(350)

(81)

IOF, PIS, COFINS sobre receitas financeiras

(1)

(1)

(59)

(67)

(63)

Outras

(17)

(91)

(40)

(169)

(161)

Resultado Financeiro Líquido

(254)

(52)

(65)

(1.290)

(424)

As receitas financeiras consolidadas foram superiores às registradas no 3T07 em R$108 milhões devido ao maior volume médio de caixa no período e ao registro da atualização monetária de depósitos judiciais trabalhistas e cíveis (R$80 milhões). No ano, aumentaram 31,0% devido ao maior volume médio das disponibilidades aplicadas no mercado financeiro e ao aumento das receitas com atualização monetária de depósitos judiciais e de descontos financeiros.

As despesas financeiras somaram R$386 milhões no 4T07 e R$1.384 milhões em 2007, aumento de R$122 milhões no trimestre e queda de R$638 milhões no ano, como detalhado a seguir:

  • - Juros sobre empréstimos e financiamentos com despesas de R$166 milhões, superiores em R$12 milhões na comparação com 3T07, devido, basicamente, ao aumento do volume médio de dívida em conseqüência de novas captações. No ano, as despesas somaram R$651 milhões, redução de R$81 milhões, refletindo, principalmente, a queda da taxa de juros no período.

  • - Resultado cambial sobre empréstimos e financiamentos com redução de despesas em R$21 milhões no trimestre, totalizando despesas de R$29 milhões decorrentes de:

(a) Ganho líquido de R$72 milhões: ganho cambial sobre a dívida de R$74 milhões, face à valorização do Real frente ao Dólar americano e despesas com variações monetárias de R$2 milhões;

(b) Despesa de R$101 milhões com hedge cambial, provenientes de despesas de R$38 milhões com variações cambiais e de R$63 milhões com juros base CDI.

4T07
4T07

No ano, o resultado cambial sobre empréstimos e financiamentos foi de R$156 milhões, R$244 milhões inferior a 2006 decorrente do menor volume de dívida em moeda estrangeira.

Outras despesas financeiras somaram R$192 milhões, aumento de R$131 milhões no trimestre, devido, principalmente, ao registro da reversão da atualização monetária da provisão de contingências trabalhistas no 3T07 de R$143 milhões, além de R$59 milhões provenientes da tributação de PIS e COFINS sobre a declaração de JCP ocorrida no trimestre, que foram parcialmente compensados pela redução das despesas de “outros” em R$51 milhões.

No ano, a redução de R$313 milhões deveu-se, principalmente, à queda nas despesas de atualização monetária de contingências (R$269 milhões), impactada pelo registro da reversão da atualização monetária da provisão de contingências trabalhistas no 3T07 de R$143 milhões e pelo menor registro de atualizações monetárias de contingências no período.

Depreciação/Amortização

As depreciações e amortizações totalizaram R$649 milhões no 4T07 (-1,4% sobre o 3T07) e R$2.605 milhões em todo o ano (-17,2% sobre 2006). A queda durante o ano, notadamente na telefonia fixa, é reflexo do término das depreciações aplicadas sobre os investimentos realizados quando do Plano de Antecipação de Metas (2000/2001). Ressalta-se que, durante o ano, o valor das depreciações na telefonia fixa situaram-se em torno de R$450/460 milhões por trimestre.

Quadro 10 – Depreciações e Amortizações

 

Trimestral

 

Anual

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

Trim.

Ano

2006

2007

 

Var. %

Telefonia Fixa / Holding

     
  • 566 -16,3%

    • 467 1,5%

  • 474 2.485

1.879

-24,4%

Depreciações

548

449

455

 

1,3%

-17,0%

2.413

1.806

-25,2%

Amortização do Ágio/Diferido (Líq.)

18

18

19

5,6%

5,6%

72

73

1,4%

Telefonia Móvel

     
  • 191 -7,9%

  • 174 1,1%

  • 176 663

726

9,5%

Depreciações

136

141

137

 

-2,8%

0,7%

511

 
  • 561 9,8%

Amortização da Licença/Diferido

38

50

39

-22,0%

2,6%

152

  • 165 8,6%

Total

     
  • 658 -1,4%

  • 739 -12,2%

  • 649 3.147

2.605

 

-17,2%

Resultado Líquido

O lucro líquido consolidado do trimestre atingiu R$911 milhões (R$2,39 por ação e US$1,34/ADR), (+43,0%), acumulando R$2.358 milhões no ano (+80,0%). Os fatores que mais contribuíram para a expansão do lucro líquido foram: EBITDA maior (R$399 milhões), redução das despesas de depreciação e amortizações (R$542 milhões) e despesa financeira líquida menor (R$866 milhões). Tais contribuições ao resultado de 2007 foram parcialmente compensadas por maiores despesas de IR/CS R$667 milhões.

4T07
4T07

O lucro líquido da TMAR foi de R$939 milhões no trimestre (+21,6%), totalizando R$2.692 milhões no ano (+66,7%).

A Oi (TNL PCS) apresentou lucro de R$216 milhões no trimestre (+134,8%) e R$456 milhões no ano

(+230,4%).

Quadro 11 – Lucro Líquido

 

Trimestral

 

Anual

 

4T06

3T07

4T07

 

Trim.

Ano

2006

2007

 

Ano

TNL Consolidado

Lucro Líquido (R$ MM)

613

637

911

 
43,0% 48,6% 6,0 p.p. 6,5 p.p. 43,2% 48,6% 63,9% 79,1% 21,6% 68,3% 3,6 p.p. 8,4 p.p.
43,0%
48,6%
6,0 p.p.
6,5 p.p.
43,2%
48,6%
63,9%
79,1%
21,6%
68,3%
3,6 p.p.
8,4 p.p.
21,6%
68,2%
134,8%
2,4%
10,8 p.p.
-1,2 p.p.
 
1.310 2.358 7,8% 13,4% 3,428 6,172 1,575 3,170 1.615 2.692 9,6% 15,3% 6,766 11,281
1.310
2.358
7,8%
13,4%
3,428
6,172
1,575
3,170
1.615
2.692
9,6%
15,3%
6,766
11,281
1.310 2.358 7,8% 13,4% 3,428 6,172 1,575 3,170 1.615 2.692 9,6% 15,3% 6,766 11,281
 

80,0%

Margem Líquida

13,8%

14,3%

20,3%

5,6 p.p.

Lucro por ação (R$)

1,605

1,666

2,385

80,0%

Lucro por ADR (US$)

0,746

0,815

1,336

101,3%

TMAR Consolidado

 

Lucro Líquido (R$ MM)

558

772

939

 

66,7%

Margem Líquida

12,6%

17,4%

21,0%

 

5,7 p.p.

Lucro por ação (R$)

2,339

3,234

3,934

66,7%

Oi (TNL-PCS)

 

Lucro Líquido (R$ MM) Margem Líquida

211

20,7%

92

8,7%

216

19,5%

  • 230,4%

138

3,9%

456

10,9%

7,0 p.p.

         

4) ENDIVIDAMENTO, INVESTIMENTOS E FLUXO DE CAIXA

4.1) Endividamento

A dívida líquida consolidada registrou redução de R$445 milhões no trimestre e de R$2.202 milhões no exercício, encerrando o ano com R$2.681 milhões (41,2% do EBITDA do ano).

Do total de dívida bruta da companhia (R$9.390 milhões), 8,38% encontra-se exposto à variação cambial do Dólar/Real e do Yen/Real. O custo médio da dívida acumulada no ano ficou em 92,5% do CDI, após os efeitos dos hedges cambiais.

Quadro 12 - Endividamento (final de período)

           

% Dívida

R$ Milhões

dez/06

mar/07

jun/07

set/07

dez/07

Bruta

Curto Prazo

2.092

 
  • 1.849 1.713

 
  • 1.873 21,7%

2.036

 

Longo Prazo

7.478

  • 6.958 7.670

  • 6.603 78,3%

7.354

Dívida Total

9.570

8.807

8.476

9.382

9.390

100,0%

Em moeda nacional

4.733

 
  • 4.500 5.164

 
  • 4.404 55,9%

5.248

 

Em moeda estrangeira

3.377

  • 2.965 2.943

  • 2.628 30,1%

2.826

Swap

1.460

  • 1.342 1.275

  • 1.444 14,0%

1.316

(-) Caixa

(4.687)

(4.563)

(4.470)

(6.257)

(6.710)

71,5%

(=) Dívida Líquida

4.883

4.245

4.006

3.126

2.681

28,6%

4T07
4T07

No trimestre, a TMAR captou R$20 milhões, dos quais R$11 milhões da emissão privada de debêntures (remuneradas pelo IPCA + 0,5% ao ano), visando financiar a expansão de serviços de telefonia móvel de diversas localidades no Estado de Minas Gerais ("Projeto Minas Comunica").

No trimestre anterior, a Oi (TNL PCS) celebrou contrato de financiamento com o BNDES no montante de R$467 milhões e desembolsou R$290 milhões (custo médio de TJLP + 4,50% ao ano) com o objetivo de financiar a expansão e atualização tecnológica da rede de telecomunicação móvel da Oi programadas para o período entre 2006 e 2008. No trimestre, a Oi desembolsou mais R$150 milhões referente a esse financiamento.

O cronograma de vencimentos da dívida bruta está razoavelmente distribuído para os próximos anos, sem concentrações de pagamentos. O volume de recursos existentes em caixa (R$6.710 milhões) é suficiente para fazer frente a 98% dos vencimentos das dívidas que vencem até 2011.

Quadro 13 - Cronograma de Amortização da Dívida Bruta

           

2013 em

 

(R$ milhões)

2008

2009

2010

2011

2012

diante

Total

Amortização da

2.036

1.386

1.063

2.384

641

1.879

9.390

Dívida Bruta

4.2) Investimentos

No trimestre, os investimentos consolidados somaram R$1.026 milhões, sendo R$689 milhões (67,2%) alocados na telefonia fixa, e R$337 milhões (32,8%) na telefonia móvel. Em comparação com o 3T07, os investimentos cresceram 79,4% em função de maiores expansões tanto na telefonia fixa como na móvel:

  • - Na telefonia fixa foram investidos R$219 milhões a mais predominantemente na ampliação da rede e infra-estrutura da planta de dados, visando aumentar a capacidade de transmissão e expansão da plataforma de banda larga (Oi Velox);

  • - Na telefonia móvel foram aplicados R$235 milhões a mais no trimestre, dos quais R$131 milhões referem-se à aquisição da outorga para atuação no estado de São Paulo (licença 2G) e para o aumento da freqüência em alguns estados que a Oi já está presente.

No exercício, os investimentos acumularam R$2.328 milhões, praticamente o mesmo volume do ano anterior (R$2.307 milhões).

Quadro 14 – Investimentos

 

Trimestral

 

Anual

R$ Milhões

4T06

3T07

4T07

 

Trim.

Ano

2006

2007

 

Ano

Telefonia Fixa

     
  • 519 32,8%

    • 470 46,6%

  • 689 1.639

1.761

7,4%

Expansão e Qualidade Dados / Sist. de Comunic. / Outros

     
  • 166 13,3%

    • 131 43,5%

    • 339 47,8%

  • 353 41,9%

    • 188 593

    • 501 1.046

    516

    1.244

    -13,0%

    18,9%

    Telefonia Móvel

         
    • 245 37,6%

      • 102 230,4%

    • 337 668

    568

    -15,0%

    TOTAL

    764

    572

    1.026

     

    79,4%

    34,3%

    2.307

    2.328

    0,9%

    4T07
    4T07

    4.3) Fluxo de Caixa

    O

    fluxo

    de caixa

    líquido,

    após atividades

    de investimentos, foi

    de R$629 milhões

    no

    trimestre,

    totalizando R$3.330 milhões no ano de 2007, praticamente estável em relação ao ano de 2006

    (R$3.250 milhões). A redução do trimestre deve-se a:

    (i) aporte de R$260 milhões na Fundação Atlântico feitos em outubro, com o objetivo de adequar as demonstrações financeiras da Fundação às mudanças de premissas atuariais; conforme detalhado no relatório trimestral do 3T07 (página 18).

    (ii) pagamento de R$128 milhões referentes a licenças 2G.

    No ano, cabe destacar o incremento no fluxo operacional de caixa (+R$368 milhões) compensado pelo maior volume de investimentos (+R$289 milhões). Por outro lado, há que se considerar que em 2007 (abril), foram pagos R$234,9 milhões relativos à taxa de renovação das concessões de telefonia fixa (STFC), que é desembolsada a cada dois anos.

    Quadro 15 – Fluxo de Caixa

     

    Trimestral

    Anual

    R$ Milhões

    4T06

    3T07

    4T07

     

    2006

    2007

    (i) Fluxo de caixa das atividades operacionais

    1.721,1

    1.703,7

    1.892,5

    5.590,6

    5.958,9

    Lucro do Período

    613,3

    636,8

    911,5

    1.310,0

    2.358,5

    Participação minoritárias no resultado

    100,9

    139,5

    169,7

    291,9

    486,6

    Ajuste para conciliar o lucro às disponibilidades

    1.417,5