Você está na página 1de 20
PRECURSORES, In principio erat verbum. Too, Biblia. Imtroibo ad altere De James Joyce, Ulisse 11. Opop [Emque se consti o pop Uma aide ant-estétic, uma ex pressioartistica datadacdelimitadahistoricamente ov um extilode vide? © fenmeno popes definide dentro do campo das artes plis- ticas como um movimento estilistico da arte acidental que surgiv na Inglatera.e nos Estados Unidos, com movimentos paralelos no cont ‘nenteeuropeu, entre 1956¢ 1966, embora seus antecedentesremon- tema 1912. Caracterizase como uma ae figrativac realist, no ‘panic de seus temas, como amb através de sua configura. ‘Aare pop tem suas raze fixadas no urbanorefletindo mun dd das grandes cidades: Londres, Nova lorgue, Sao Francisco, ee ‘Sendoos Estados Unidos o centro mundial da indsria de consume, € natural ue ane pop tena encontrado ali seu lr erefigio,propa- ando-se from coast to coast Ese fato demonstra 0 deslocamento dda arte de Paris, até enti centro produtor de eultura, que cede @ seu ugar aonéeleo do capitalism, (Os temas da arte pop slo © banal eo prossico, ou sa, os simbolos veicudos pelos meios de comunicago de mass: quad ose revista iustadas, anincios embalagens.omundodoespeticulo popular, misia pop cinema de Hollywood, eiras de amostras, par- ‘es de diversdo, rio, elevisso, tabl6ides sensacionalisas, bens de consumo durdves(efrigeradores, carts, motcicletas, estrada eps tosde gasolna, alimentos, dinhero, banderas ete ” Precarores © termo popular art, proposto por Leslie Fiedler ¢ Reyner ‘Banham em 1955, referindo-se ao repertrio de imagens populares imegrado pea publciade, levisio cinema, ftonovelae quadtinhos, \designava a apropriacio do repertrio ido da cultura de massa. ‘Baseada nos aspectos do cotidiano da sociedad de consumo, nas ‘éeicas ena emitica da iconografia dos meos de comunicag, a ate pop penetra na cultura “auraizada” deelt,c transforms no ponto ‘de encontrentreaarteculta ea comunicapio de massa. Ea proclama uma “stéica da consumablidade”” através da substituigo de temas ‘considerados nobres pela arte tradicional porimagens da vida urbana ‘moder. ‘Arte pop surgi como ums rea parcial ao Expressionismo Abstrato que vigora na década de SO. tnha como base aida de ‘que arte deveria ser um documentiro dos impulsosintrioese das ‘emogées do artists. Ess atte foi veementemente conestada pelos tsi pop ao proporem uma ane politico enico-mistic, mistrada 0s detitos do cotidiano. Ele repdiarama ane seadémica cinsttu- ionalizada, maifestando-e contra establishment, vo mesmo tem poem que procuravam devolver vide are que Ihe foraroubada ‘A arte pop assemetha-se as tendéncias vanguardistas de Toeepor Oswald de Andrade cm Oreidavela: eugene arb er Novem reuse pn mena oe oti goa -ocmesar engi ma Say Let recast ic po a Precursores A pespria temic da pega se constn na dominago imperia- nore-amercana, mesma temica que alguns escritores pop bra~ viriam a abordar posterirmente. ‘Por outro lad, tlizaio d bandeira nacional PING capa do veo Pau Brasil, de Oswald de Andre, i indica um prenincio de uma tude pop —Iargamenteex- plored po Jasper lbs anista pop nore-ameriano que tlzon como temade seus quadros bandeira ds Esta dos Unidos - que, maistade, na década ‘670, seconslriacom Lincoln Volini ere s0vilza abandeirabrasileira no Salo BE Gaal de Belo Hoxzonte= 'A apropriagio pardistca do Modernism revel como um proceso 00 Ga criagdo arstica. Drummond, Cassiano € J retomaram Gongalves Dias © 0 wopicalsta igen orquato Neo sepuivamesma inhaem" Marginal: /™* Minaeratem plmcias ‘onde sop 0 veto fore Ghfome domedoe mato prinipulmente duone.” Ainertextualdade levada a extemo quando Terguatoreto- “mnaDrummond, um otto pardiador, em “Lets play tat, *revelando que um dos agentes do process de dessacraizag i haviadeixado a “gua marca sacalizada na histéria da nossa literatura, passando de ‘parodiadora parodiado, de dessacralizadora saralizado, como de- poisocorre com aarte pope todos os movimentos de contraclra Saree ” 0 POP Latin iinet ibs remmeppmemc in peor sg rites eee Se nd iene ane raat a te Poa age Se ee teaae ener aea ea am Stacie ome Dano: Seen eer ion Sennen cneapne eee ya eee lee ere eae ee nes eae eeeat a aie ae eee caer see cr Sn ame saan ae Re lan imeem orale me a ee ec a etn mean Cavern ear iatientorenpeanrcmsemom eC ces BR ere Precanores uma cateiraprofissional eum rendimento regular, buscando spe- as satsfagbes narcsics do corpo eda ments, natentativa de Fazer incipio do prazee se sobrepusesse 20 “prinespio de ra Valea pena ressaltar que nessa msina pc surgi sobs homem unidimensional (1954), Eros eChilizagdo (1985), ambos Herbert Marcuse, A vida contra a morte (1959), de Norman O. que confontam as obras de Marx e Preud e analisama nature “das sociedadesindustiais avangadas cua possibile de trans- do revolucionia, Esses tabalhos buscam desvenda os meca- 0 sentido ov as ales de fendmenos como a repressio oy aliens ‘fo, assim comoas possiblidades de modanca social radical nas mo- eras sociedades industrias. les se tomaram uma das bases tericas las das rica de conacultar,juntamentecomostrabalos {dePaul Goodman, Dwight McDonald eC. Wright Mills ede grupos nadores de publicagdes raicas, como Liberation e Dissent, analsavam a ealidade das sociedadestenocrats. estilo de comportamento dos beamits 0s tora um dos gr [os pioneros do espirto de contestao contraculturl dos anos 6. ‘Em How", Ginsberg lang oermo hipster fazendo com que Norman ‘Maile. romancistaigado a esse grupo, passasse achamar a tens [ara um outro fendmeno contemporiinea aos beaniks, os hipsters, ue se contrapiem aos squares “cares”, “quadrados” conforms. fas facilment justiveis ao establishment. Otermo seria depois con Sagrado pelo proprio Mailer no artigo “The white negro: Superficial Iefletions onthe hipster” paraindicar aguee que se rebela contra “American way of life. Na eseala de valores de Mailer, o hispster acim do beatnik, piso primeiro vai de enconto passive “dee falta de afirmagio do segundo”. ‘Ocspirito de revolta,marginaldade e o8mia nse imitow apenas aos Estados Unidos. Damesma forma que Nova lorgue, Chi {go ¢ So Francisco, Londres e Paris também aeobertavam esses Jebeldes de inguagem existencal eandruica que bascavam a trans * 0 POP es wine itis ene a io aaeecaee eee ee See a a scone eenctaertacs Ses ae aaa cnet aera ee : ont aces a eres (a nare”nio mulberesbomossexaat-. Nowa sued ceeieeieiee re NC © emia do underground." Precunoret Detodasessas manifesagies que perseguam uma utopia evo ‘india a msica fo’ sem vida said alerativa da expresso de des- ‘ontentamenio dese reeldes que masse desta dente ous, ois ‘rock deixou deter apenas una sghticagio msi, Henkel do rock ‘n'rolldos anos 50~época bastante associa James Dean, sibo}0 os “rebedes sem causa ea Elvis Presley, sntese da mica rancae egraquefomenton dangasertmos como visto Madison, 0 Wats, ‘hull gully jerk, 0 surf assim por diante-orocklevaem frente Potencial crfco dessa radio, razendonovas marcas, como apOR- lod dade entre pbliooe compositor. Enquanto 0 rock-and-roll era eriado para jovens por grupos mas velhos, rock dos anos 60 era feito por jovens, que alentow 8 orga social da juventude. Os Beatles, Bob Dylan eos Rolling Stones sinetizam arevoluo cultural desencadead pela sia encarmando a revolia eas aspirag tes da juventude rebelde, cujaidentdade se apoiava ‘ngalianca entre ate, comportamentoecontestasio. A ptirdeles, sur umainfndade de nomese grupos que tiveran Juma grande imporincia nos rumos dessa javentude, tis como: The ‘Mamma’ and the Papa's, Pink Floyd, Genesis, Yes, Deep Purple, Led “Zeppelin, Queen, The Who, Jethro Tull, Mothers of Invention Jiamy Hens, Ca Stevens, Joan Barz Janis Jpline anes outros Muito desss ‘messin consinuam alghoje inflenciar uma nova gerade ovens (Os festvais de misica, dos quas se destacam Woodstock © Altamont, proliferavam como verdadeiros happenings rasicais. De avordo com Luis Carlos Maciel, receitaconracultaral do rock con- Sssteem recoer da cultura estabelecida aguilo que éconsderado xo pelos pes intelectais vigenteslevé-loa sro come matéiapri- Ina da criagio de uma nova cultura. Assim, misticismo iracionaista, filosfia oriental, astrologia, especulagio metalsic, hedonismo rimitvista cc. foram transformados nas principas disciplines da wea se situa oelo de ligago entre amisica ~ s 0 POP atin mine nce ‘rock —ealiteratura pop ilizando-se do lixo da eeigdo aos pa lGesestabeleidos como fundamentos de uma novaestitica, Essa gpoca ropes uma maior alianga entra msi ite | ‘tur, oque consi também uma das propestas da iterate pop 30 ‘defender aeliminagio das ronsta ene as ares. la az de volta 0 { lntgoelo ene poemaemasia daerigem da lica ou sj, composi- ‘Gopetce ara sercantadaa som deca discon estrada {parr dos fins da era trovadoresa. Os povas pop encontrar ma | misica (oro) a forma de divulgacio de seus tabalhos ede seus pensamentos. A "misicade protest” possuaumaalacargarevolucio- % Precurores ia (Joan Baez. Dylan, Lennon) evidenciada no 6 através do som guitarra da atitude dos compositoresfinkérpretes, mas principal através da letra, que € poema musicado, Dessa maneia, ga- 3s poetas como Bob Dylan, Join Lennon, Paul MeCartne, asin 0s brasileiros Caetano Veloso Gilberto Gil eTorquato Neto, antos outs, vera as suas composes podticasdvulgodas som de melodias canta por milhares de joven. A atitude pop tanto dos beamiks come dos potas/eomposito f cantores de rock esté bastante associada a0 espitito de tracultura dos anos 60. sua carcterssticaemergente do interior ue estamos clasiicarcomo pop ests entrada na atte de ago police artstica que se voli conta sociedad de con © contra as arocidades da guerra, sem contudo recorrer 405 sengendrados por essa sociedade para questioné-los, da forma se eftivou naar ena literatura pop posterior. Cam exces o da apop tropicalis brasileira, que se tlzou dos mesmos pressu- [Pstos da arte pop destacando os mtosurbanos na forma de coger, no se veriico de mancira sistema nocendrio da misica wacional, onde o recurso 4 colagem limitou-se a imagetica ica do inconscient através da exaltago i instesia propa elas drogas, como atestam as misicas dos Beatles (Ly in sky with diamonds, por exemple Pink Floyd (The darkside of ‘moon). Inaugurando um novo estilo devia, mais tarde fomnentado pe Beatles e pelos hippies tanto os poetas beamiks com os artistas [Pop possufam como inimigo comum asociedade de consume aex "Pansio bélica. Contudo, a atitude da arte pop © a dos posta beats lifere da aide dos esritores pop dos fins da década de 60 e dos fanos 70/80. busca da sensapio eda stistag 0 orgidstica daqueles [ports deu margens i interpretagio dessa atitude como um proved. ‘mento centadona passvidade ou na falta de afimagio, conforme ti lise de Norman Maier, da mesma forma que algunscrticos se negaram Aver qualquer atte erica encenada pla ate pop, acusando.wmes- made ser uma simples ampliago de modelos. ” re