Você está na página 1de 4

RESUMO:​​HISTÓRIA​​DA​​BIBLIOTECA​​COMO

EVOLUÇÃO​​DE​​UMA​​IDÉIA​​E​​DE​​UM​​SISTEMA

Serrai,​​Alfredo​​Revista​​Escola​​de​​Biblioteconomia​​UFMG,

Belo​​Horizonte,​​4(2):​​141-161,​​Set​​1975

Por:​​Diego​​Moraes​​Oliveira

Discorre​​que​​o​​passado​​das​​bibliotecas,​​e​​seus​​possíveis​​destinos,

​​são​​fruto​​de​​idéias​​e​​sistemas​​filosóficos.

A​​civilização​​formou​​se​​com​​base​​no​​acúmulo​​de​​informações​​de​​suas​​vivências.​​Conservação e​​transmissão​​de​​conhecimentos​​complexos,​​deu-se​​a​​partir​​de​​seus​​registros​​sólidos​​e resistentes.​​A​​princípio​​sua​​transmissão​​ocorria​​apenas​​de​​forma​​oral,​​porém​​as​​Bibliotecas surgem​​a​​partir​​da​​escrita​​de​​documentos,​​com​​a​​tecnologia​​disponível​​da​​época​​e/ou​​região. As​​memórias​​biológicas​​e​​individuais​​tornaram-se​​coletivas​​das​​experiências​​da​​pessoa​​e​​da sociedade.​​No​​início,​​sem​​diferenciação​​entre​​arquivo​​e​​biblioteca,​​passou-se​​à​​preservar​​os documentos​​não​​elaborados​​nos​​arquivos,​​os​​prontos​​na​​biblioteca. Com​​os​​acervos​​foi​​necessária​​organização,​​com​​mudanças​​de​​sua​​função​​e​​finalidade até​​a​​crise​​atual,​​onde​​a​​oferta​​dos​​serviços​​não​​é​​proporcional​​a​​demanda​​de​​informação.​​A reunião​​das​​coleções​​e​​documentos​​passou​​a​​ser​​feita​​através​​de​​catálogos​​(por​​autores​​e títulos)​​devido​​sua​​necessidade​​prática​​de​​classificar​​e​​catalogar,​​história​​a​​da​​biblioteconomia. Há​​registros​​de​​Bibliotecas​​séculos​​antes​​de​​Cristo,​​a​​exemplos​​Egito,​​China,​​em especial​​Nínive​​(VI​​A.C.​​Atual​​Mossul,​​Iraque)​​com​​sua​​gigantesca​​e​​organizada​​coleção​​de milhares​​tijolos​​de​​barro​​e​​Alexandria​​(II​​A.C.)​​com​​centenas​​de​​milhares​​de​​rolos​​habilmente organizados​​por​​classe;​​autor;​​ordem​​alfabética​​e​​seu​​centro​​de​​cópia. As​​bibliotecas​​ocidentais​​decaíram​​junto​​ao​​império​​romano,​​devido​​fatores​​externos​​e internos.​​Derrubadas​​e​​substituídas,​​impulsionadas​​pela​​ideologia​​cristã,​​esta,​​voltada​​para​​sua própria​​literatura,​​sobrando​​pouca​​literatura​​pagã,​​utilizada​​para​​condenação​​da​​mesma. Mudanças​​paralelas​​a​​mudança​​de​​materiais​​para​​cópia​​(do​​papiro​​para​​o​​pergaminho).​​A biblioteca​​do​​Império​​Bizantino​​permaneceu​​existindo​​e​​realizando​​suas​​funções,​​vezes

oscilante,​​até​​a​​primeira​​Cruzada​​Latina​​(1204)​​e​​ao​​saque​​dos​​Turcos​​(1453),​​copiando​​e

repassando​​manuscritos. A​​biblioteca​​medieval​​era​​uma​​fábrica​​de​​manuscritos,​​os​​monges​​fabricavam​​e encadernavam​​nos​​mosteiros.​​Poucos​​centros​​ligavam​​se​​ao​​passado​​pagão.​​A​​Irlanda cristianizada​​recebe​​monges​​que​​fundam​​grandes​​centros​​de​​cópia;​​em​​Montecassino​​(Itália) preservavam​​literatura​​clássica. O​​conhecimento​​se​​difunde​​no​​Séc.​​VIII​​na​​Escola​​Palatina​​(maior​​à​​época,​​fundada​​por Carlos​​Magno)​​e​​em​​necessidade​​do​​aumento​​de​​usuários,​​leva​​ao​​aprimoramento​​da organização.​​Surgem​​copistas​​leigos​​que​​sindicalizam-se.​​O​​registro​​contábil​​torna​​se​​marcante para​​alguns.​​Abertas​​a​​público,​​passam​​a​​condicionar​​códices​​em​​estantes.​​Aparece​​no​​Séc.

XII​​o​​primeiro​​catálogo​​interbibliotecas​​que​​compilava​​acervo​​de​​183​​mosteiros​​ingleses.

A​​importância​​dos​​livros​​e​​bibliotecas​​expande-se​​devido​​o​​humanismo​​e​​o renascimento.​​Tomas​​Parentucelli,​​o​​Papa​​Nicolau​​V,​​foi​​um​​teórico​​biblioteconomista,​​criou​​um plano​​de​​organização​​para​​a​​Biblioteca​​de​​São​​Marcos​​que​​virou​​modelo​​de​​muitas​​bibliotecas. Nicolau​​V​​e​​Sisto​​IV​​tornaram​​a​​Biblioteca​​do​​Vaticano​​a​​maior​​da​​Europa​​no​​Séc​​XV. Mesmo​​em​​bibliotecas​​públicas​​houve​​estabilização​​de​​volumes​​e​​usuários. Ocorreu​​a​​maior​​revolução​​da​​civilização​​posterior​​a​​escrita,​​com​​a​​criação​​de​​tipos

móveis​​na​​Europa​​(criados​​8​​séculos​​antes​​na​​China).​​De​​1450​​até​​hoje​​a​​produção​​gráfica

expandiu-se​​de​​maneira​​colossal.​​A​​biblioteca​​passa​​a​​ter​​dificuldades​​de​​acompanhar​​o crescimento,​​questionando​​significado​​e​​finalidade​​das​​mesmas. Devido​​suas​​incapacidades​​e​​condicionalidades,​​modificam-se​​continuamente​​seu significado​​e​​natureza​​até​​na​​atualidade.​​Mudanças​​diferentes​​ocorreram​​devido​​economia, cultura​​e​​escolhas​​políticas,​​surgiam​​novos​​tipos​​de​​bibliotecas​​devido​​diferentes​​origens​​e funções. Até​​o​​Séc.​​XV​​as​​bibliotecas​​eram​​privadas​​ou​​ligadas​​a​​instituições,​​surgindo​​no​​Séc. XVI​​novos​​e​​diversos​​tipos​​(fundadas,​​mantidas​​por​​dotação;​​Nacionais;​​Circulantes,​​mantidas por​​usuários;​​Filantrópicas,​​finanças​​mistas;​​Públicas​​anglo-americanas,​​contribuições​​fiscais). Após​​a​​formação​​dos​​estados​​centralizados,​​conscientiza-se​​o​​direito​​nacional​​de propriedade​​de​​bens​​culturais​​(ao​​menos​​dos​​produzidos​​em​​série)​​,​​as​​Bibliotecas​​nacionais têm​​depósito​​obrigatório.​​Francisco​​I​​(rei​​francês)​​iniciou​​o​​depósito​​obrigatório​​dos​​impressos idealizado​​pelo​​patrimônio​​bibliográfico,​​beneficiando​​a​​biblioteca​​real,​​utilizava​​da​​necessidade da​​cópia,​​para​​liberar​​a​​obra​​da​​censura,​​exemplo​​copiado​​na​​Europa. Devido​​o​​crescimento,​​mudam-se​​a​​engenharia,​​arquitetura,​​decoração​​e​​organização

das​​bibliotecas,​​a​​exemplo​​a​​do​​Escorial,​​construída​​em​​1584​​por​​Felipe​​II​​(Espanha).​​As

organizações​​atendiam​​a​​interesses​​ideológicos​​e​​hierárquicos-culturais.​​O​​esquema​​filosófico de​​Francis​​Bacon​​é​​um​​referencial. Os​​catálogos​​cada​​vez​​mais​​organizados​​e​​aperfeiçoados​​passam​​a​​ser​​publicados​​por algumas​ ​das​ ​maiores​ ​bibliotecas.​ ​Os​ ​4​ ​volumes​ ​da​ ​​Biblioteca​ ​universalis​ ​​(1545-1555)​ ​de Konrad​​von​​Gesner​​tornam​​se​​um​​modelo​​de​​indexação. Bibliotecas​​que​​possuíam​​dotação​​ou​​ligadas​​a​​universidades​​ditas​​públicas​​crescem, mas​​não​​sempre​​aberta​​a​​todos,​​umas​​das​​primeiras​​de​​fato​​públicas,​​a​​Biblioteca​​Angélica​​de Roma,​​aberta​​por​​Angelo​​Rocca​​no​​fim​​do​​Séc.​​XVI.​​G.​​Naudé​​(Séc​​XVII)​​idealiza​​uma biblioteca​​universal​​que​​serviria​​a​​todos​​criando​​um​​modelo​​para​​tal.​​Repensa​​os​​catálogos​​em

sua​​função​​e​​significado,​​melhorando​​a​​logística.​​Visões​​realizadas​​em​​1647​​em​​Paris​​com​​a

Biblioteca​​Mazariana.​​Entretanto,​​esta​​e​​outras​​foram​​saqueadas,​​desfeitas​​ou​​destruídas​​após a​​Revolução​​de​​Fronda​​ou​​em​​guerras​​geralmente​​religiosas​​do​​Séc.​​XVII​​principalmente​​na Alemanha. Durante​​o​​Séc.​​XVII​​passam​​a​​surgir​​nas​​capitais​​européias​​bibliotecas​​públicas. favorecidas​​pelo​​mecenatismo.​​Aumentava​​a​​pesquisa​​histórica​​e​​a​​investigação​​cìentifica. Entretanto​​muitas​​das​​novas​​bibliotecas​​permanecem​​seletivas.

Em​​1676,​​Gottfried​​Wilheim​​Leibniz​​com​​sua​​genialidade​​revoluciona​​a​​função​​das

bibliotecas,​​em​​especial​​às​​de​​pesquisa,​​dando​​lhe​​caráter​​público​​equiparado​​às​​escolas.

Considerou​​que​​para​​o​​progresso​​científico​​era​​indispensável​​o​​acesso​​a​​informação​​dos

pesquisadores​​sobre​​o​​assunto;​​objeto,​​tornando​​bibliotecas​​essenciais.​​Idealizava​​que​​as

bibliotecas​​possuíssem​​além​​dos​​catálogos​​sistemáticos​​e​​alfabético​​por​​autores,​​um cronológico​​(anual)​​e​​por​​assunto.​​Suas​​teorias,​​embora​​muitas​​não​​alcançadas, demonstravam​​a​​necessidade​​de​​enormes​​depósitos​​de​​dados​​constantemente​​atualizados. No​​Séc.​​XVIII​​despontam​​grandes​​trabalhos​​de​​reconstrução​​histórica​​e​​filológica​​do passado.​​Acaso,​​pessoas​​de​​grande​​capacidade​​de​​memória;​​grandes​​eruditos​​bibliotecários acabam​​por​​deformar​​a​​imagem​​da​​profissão.​​​​expansão​​das​​bibliotecas,​​devido​​estímulos​​à racionalidade​​expandindo​​também​​a​​produção​​editorial. Com​​poucos​​recursos,​​algumas​​bibliotecas​​especializam-se.​​Poucas​​desenvolvem-se, geralmente​​aristocratas.​​O​​rei​​francês​​mantinha​​antes​​da​​revolução​​francesa,​​a​​biblioteca​​real de​​maior​​acervo. As​​reformas​​jurídicas​​realizadas​​no​​Séc.​​XVIII​​por​​alguns​​monarcas,​​suprimiram​​ordens e​ ​irmandades​ ​que​ ​não​ ​hospitalares​ ​e​ ​educativas,​ ​transferindo​ ​os​ ​acervos​ ​para​ ​​ ​outras bibliotecas,​​ampliando​​e​​desorganizando​​ainda​​mais​​os​​acervos​​das​​que​​recebiam.​​A

Convenção​​Nacional,​​da​​França​​pós-revolução,​​cria​​o​​​​códice​​de​​regras​​catalográficas

perante​​a​​necessidade​​organizacional​​dos​​acervos​​abarrotados,​​vezes​​utilizavam​​fichas​​invés​​a criação​​de​​catálogos​​para​​acelerar​​o​​processo​​e​​diminuir​​seu​​gasto Cresceu​​constantemente​​neste​​período​​o​​número​​de​​alfabetizados,​​criaram​​as​​primeiras leis​​que​​visavam​​educação​​obrigatória​​e​​gratuita. Na​​Europa,​​ainda​​não​​entendiam​​o​​papel​​e​​os​​serviços​​que​​deveriam​​ser​​desenvolvidos pelas​​bibliotecas.​​Teorizados,​​porém​​não​​executados​​os​​ideais​​iluministas​​revolucionários. Ideais​ ​iluministas​ ​e​ ​da​ ​Revolução​ ​Francesa​ ​emigram​ ​para​ ​a​ ​Inglaterra​ ​e​ ​para​ ​​ ​os Estados​​Unidos,​​a​​história​​das​​bibliotecas​​no​​Séc.​​XIX​​é​​basicamente​​a​​das​​bibliotecas anglo-saxônicas​​que​​têm​​bom​​desempenho. A​​partir​​do​​Séc.​​XVII,​​devido​​as​​necessidade​​de​​leitura​​de​​estudantes​​e​​abastados, criam-se​​bibliotecas​​circulantes,​​que​​consistia​​no​​aluguel​​de​​livros,​​juntando-se​​posteriormente às​​de​​subscrição​​ou​​assinatura.​​Também​​as​​bibliotecas​​filantrópicas,​​que​​se​​desenvolvem​​em países​​anglo-saxônicos​​e​​têm​​séries​​de​​ficção​​publicadas​​exclusivamente​​para​​consumo. Começam​​a​​considerar​​a​​leitura​​um​​fazer​​de​​caráter​​social,​​passando​​a​​ser​​responsabilidade

dos​​governos​​a​​organização​​e​​consequências.​​Por​​volta​​de​​1850,​​EUA​​e​​Inglaterra,

regulamentam​​a​​atividade,​​criam​​impostos​​para​​construção​​e​​manutenção​​das​​públicas,

fundamental​​para​​possuírem​​redes​​de​​bibliotecas​​públicas.​​A​​biblioteca​​passa​​a​​ser​​par​​e

integrante​​da​​escola,​​formando​​e​​conscientizando​​pessoas.

Na​​Europa​​foram​​poucos​​casos​​de​​sucesso,​​comum​​ainda​​hoje,​​a​​separação​​de

bibliotecas​​acadêmicas​​das​​públicas​​e​​escoláticas.

A​​partir​​do​​Séc.​​XIX,​​as​​bibliotecas​​estabilizam​​sua​​forma;​​idéia,​​mantendo-se​​com​​base

nos​​métodos​​anteriores,​​como​​os​​da​​Biblioteca​​de​​Alexandria.​​Desenvolvem​​se​​com​​imposição

do​​aumento​​de​​acervos,​​espaços​​para​​os​​volumes,​​tamanhos​​dos​​prédios​​e​​catálogos,​​estes

que​​logo​​ficam​​defasados​​e​​precisam​​ser​​complementados.​​Como​​é​​impossível​​guardar​​toda

produção​​mundial,​​as​​nações​​guardam​​em​​ao​​menos​​uma,​​suas​​produções​​e​​parte​​da​​mundial.

Como​​determinadas​​publicações​​eram​​indispensáveis​​ao​​progresso,​​eram​​necessárias

suas​​urgentes​​disponibilidades,​​o​​que​​bibliotecas​​tradicionais​​não​​atendiam.​​Amplia-se​​a

variedade​​de​​bibliotecas​​e​​de​​documentos​​a​​serem​​armazenados,​​bibliotecas​​especializadas

que​​são​​de​​grande​​valia​​para​​a​​indústria​​e​​institutos​​de​​pesquisa,​​chamadas​​centros​​de

documentação.

Devido​​os​​problemas​​das​​bibliotecas​​atuais,​​como​​a​​desatualização,​​não​​devemos

reinventá-las?​​Será​​os​​bancos​​de​​dados​​seu​​futuro​​devido​​problemas​​com​​armazenagem​​e

conservação​​dos​​documentos​​atuais?