Você está na página 1de 16

CORREÇÃO DE PROVA

TERRACAP – ENGENHEIRO CIVIL

Professor: João Paulo Pacheco

www.pontodosconcursos.com.br
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

CORREÇÃO DE PROVA – TERRACAP ENGENHEIRO CIVIL

Olá pessoal.
Abaixo estão as questões da prova do domingo passado (para o cargo de
Engenheiro Civil) comentadas.
Espero que essas questões possam ajudar os estudos de quem já fez a prova
(sempre é bom revisar o que errou) e os recursos das questões mais
polêmicas.

Para quem vai fazer a prova de Técnico em Fiscalização no próximo domingo,


é essencial resolver essa prova e revisar os principais tópicos cobrados
relacionados à matéria específica para o cargo de Técnico. 

Vamos começar!!

21 – Com relação ao cronograma físico-financeiro, temos que:


X = 33,3% - os R$ 20.000,00 de serviços de terraplenagem do 2º mês representam
33,3% do total de R$ 60.000,00 dos serviços de terraplenagem.
Y = R$ 24.000,00 – no 4º mês há R$ 12.000,00 representando 50% dos serviços de
alvenaria. Dessa forma, o total dos serviços de alvenaria é o dobro de 12 mil, ou seja,
24 mil.
Z = R$ 25.000,00 - o serviço de instalações elétricas possui 26% no 3º mês e 26% no
4º mês. Como os 26% representaram R$ 25.000,00 no 3º mês, eles também
representarão R$ 25.000,00 no 4º mês.
GABARITO: E – 33,3%; R$ 24.000,00; R$ 25.000,00.

22 – Devemos achar o caminho crítico das atividades para determinar qual sua duração
mínima. Para isso, vamos montar o diagrama de redes pelo método dos blocos:

2
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

Desse modo, temos os seguintes caminhos para ir do início até o final:


Início – C – J – Fim (duração de 13 dias).
Início – A – B – I – J – Fim (duração de 20 dias).
Início – D – E – H – J – Fim (duração de 19 dias).
Início – D – F – G – H – J – Fim (duração de 27 dias).
Portanto, nosso caminho crítico é o caminho Início – D – F – G – H – J – Fim, com
duração de 27 dias.
GABARITO: C – 27 dias.

23 – Temos os seguintes comprimentos de armaduras:


3 N3 de 344 cm – 1032 cm.
5 N2 de 181 cm – 905 cm.
4 N4 de 125 cm – 500 cm.
Somando as armaduras N3 + N2 + N4 temos 24,37 m. Como são 10 blocos iguais,
vamos ter no total 243,7 m de armadura.
Calculando a área circular da armadura (já que não temos uma tabela de bitolas na
prova), com o diâmetro de 0,50 cm e o raio de 0,25 cm, temos que: A = 3,14 * 0,25 2
= 0,19625 cm2.
Convertendo para metros, temos que a área é igual a 0,000019625 m2.
Multiplicando pelo comprimento, temos um volume de 0,004783 m 3.
Considerando o peso específico do aço de 7800 kg/m3, temos um peso total do aço de:
37,30 kg.
A alternativa mais próxima é a letra C – 37,5 kg.

3
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

GABARITO: C – 37,5 kg.

24 – Temos 10 blocos de 1,20 x 0,60 x 0,50 m. Dessa forma, temos um perímetro de


1,2 + 1,2 + 0,6 + 0,6 = 3,6 m. Multiplicado pela altura (0,5), temos uma área de
formas de 1,8 m3 por bloco, o que resulta em 18 m 2 de formas para concretagem de
todos os blocos da obra.
GABARITO: E – 18 m2.

25 – a) O estudo de viabilidade ambiental pode gerar expectativa de desenvolvimento


regional, mas não tem só atributos benéficos. Alternativa errada.
b) O estudo de viabilidade causa impactos diretos sobre o meio físico e biológico, mas
não de uma forma genérica. Alternativa errada.
c) O estudo de impacto ambiental precede a fase de obras. Alternativa errada.
d) O estudo não causa impacto sobre o padrão, ou nível de vida. Alternativa errada.
e) As medidas mitigadoras são medidas para diminuir futuros impactos que o projeto
pode trazer. Considerar os recursos ambientais e as unidades de conservação pode
diminuir futuros prejuízos nos aspectos ambientais do projeto. Alternativa correta.
GABARITO: E

26 – Os custos da obra são de R$ 380.000,00 (CD + CI). A administração central (2%)


e o custo financeiro (2%) incidem sobre a soma de CD + CI. Os tributos (6%) e o lucro
(10%) incidem sobre o preço de venda.
A administração central e o custo financeiro custam 4% do CD + CI, ou seja, R$
15.200,00.
Somando a administração central e o custo financeiro ao CD + CI temos R$ 395.200,00.
Temos então que o preço de venda é:
𝑃𝑉 = 395.200,00 + 0,16 ∗ 𝑃𝑉
𝑃𝑉 = 𝑅$ 470.476,19
Agora sim, vamos usar a fórmula tradicional do BDI:
𝑃𝑉 = 𝐶𝐷 ∗ (1 + 𝐵𝐷𝐼%)
470.476,19 = 350.000,00 ∗ (1 + 𝐵𝐷𝐼%)
1,34 = (1 + 𝐵𝐷𝐼%)
𝐵𝐷𝐼 = 34%

4
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

GABARITO: D – 34%

27 – A maioria dos tributos encontram-se inseridos no BDI.


Os impostos “tradicionais” do BDI são: COFINS, PIS e ISS (letras C, D e E).
O FGTS encontra-se inserido nos encargos sociais (Grupo A), sendo esse considerado
junto com a remuneração devida do funcionário. Para saber se está ou não no BDI,
temos que saber se a remuneração do funcionário se encontra no custo direto ou no
BDI.
A remuneração do servente se encontra no custo direto. Todavia a remuneração do
engenheiro fiscal pode constar no custo direto ou no BDI, a depender se ele é fiscal da
administração local (da obra) ou da administração central (trabalha na matriz, por
exemplo).
Por isso, o gabarito da questão é a letra A (FGTS incidente sobre a remuneração de um
servente).
Todavia, acho que com um bom recurso seja possível anular essa questão, visto que o
enunciado não explicou se o engenheiro fiscal faz parte da administração local ou da
administração central, sendo esses dois cenários possíveis.
GABARITO: A – FGTS sobre a remuneração de um servente.

28 – Para calcular o Empuxo ativo quando há presença de água devemos separar a


resultante da pressão hidrostática da resultante efetiva do solo.
𝑘𝑎 ∗ 𝑠𝑢𝑏 ∗ 𝑧 2 𝑤 ∗ 𝑧 2
𝐸𝑎 = +
2 2
0,49 ∗ 8 ∗ 44 10 ∗ 42
𝐸𝑎 = +
2 2
𝐸𝑎 = 31,36 + 80
𝐸𝑎 = 111,36 kN/m
Todavia, esse resultado, apesar de próximo, se diferencia do gabarito apontado pela
banca (119,2 kN/m).
GABARITO: D

29 – Temos que analisar o solo da distribuição granulométrica quanto à classificação


dada.

5
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

Primeiramente, vemos que na peneira nº 200 (0,074 mm) passa algo entre 20 e 25%.
Portanto, por possuir menos de 35% ele não pode ser classificado como material silto-
argiloso (A-4 ou A-5).
Na peneira nº 40 (0,42 mm) passa mais de 90%, por isso, o solo não pode ser A-1
(máx de 30%).
Na peneira nº 200, o máximo para que o solo seja considerado A-3 é de 10%. Como o
solo possui entre 20% e 25% passando na peneira nº 200, também não pode ser A-3.
Todavia, abaixo do gráfico, encontra-se escrito que o solo não possui plasticidade.
O único tipo de solo que, no limite de liquidez e no índice de plasticidade apresenta a
sigla NP (não plástico) é o grupo A3. Talvez, por isso, a banca considerou certa a
alternativa C – A-3.
Essa questão também pode ser revertida com um recurso, pois o solo dado não se
encaixa na faixa granulométrica para A-3.
GABARITO: C

30 – Para calcular a tensão efetiva vertical, devemos retirar a poropressão da tensão


total.
Dessa forma, temos:
'    u
'  (14*3 + 4*18 + 3*19 + 22*3)  10*10
'  137 kPa
GABARITO: B

31 – Os materiais isotrópicos são aqueles que apresentam as mesmas características


mecânicas em todas as direções.
O coeficiente de Poisson é o valor absoluto da relação entre a deformação específica
transversal e a deformação específica longitudinal. Ele normalmente varia entre 1/4 e
1/3 (0,25 e 0,33).
O coeficiente de Poisson que aprendemos em resistência dos materiais leva em conta
que o material em estudo é tanto isotrópico quanto homogêneo. Portanto, todos os
valores calculados de materiais comuns (concreto e aço, por exemplo) são coeficientes
de Poisson de materiais isotrópicos.

6
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

A questão nos leva a pensar que existe um coeficiente de Poisson específico para todos
os materiais isotrópicos, o que não é apresentado nos principais livros de resistência
dos materiais, em que há cálculo de coeficientes de Poisson diferentes para vários
materiais isotrópicos (um bom exemplo se encontra na Tabela de Propriedades
Mecânicas Médias de Materiais Típicos de Engenharia, no final do livro de Resistência
dos Materiais do Hibbeler).
Dessa forma, o único valor que se aproxima dos valores usuais do coeficiente é 0,25.
GABARITO: B – 0,25

32 – A pressão atmosférica ao nível do mar vale 1 atm, que é equivalente à 101,325


kN/m2 (vamos adotar apenas 100 para arredondar). Uma pressão de 600 kN/m 2 vale o
equivalente a 6 atm.
Ao nível do mar, em que Torriceli fez seu experimento em 1643 com uma coluna de
mercúrio, ao encher 1 metro de mercúrio, ele se equilibra ao nível do mar com a pressão
atmosférica em 760 mm (daí gerada a unidade de medida de milímetros de mercúrio,
em que 1 atm equivale a 760 mm/Hg).
Para equivaler 600 kN/m2, precisamos de 4,56 metros de mercúrio (6*0,76), ou 4,50
metros se utilizarmos 101,325 kN/m2 (sem arredondar).
A resposta mais próxima é 4,41, o que representa uma distância considerável para os
4,50 ou 4,56 metros encontrados.
De toda forma, a resposta da questão foi imprecisa e pode ensejar uma anulação.
GABARITO: B (4,41 m).

33 – O NSPT é representado pelos dois últimos segmentos de 15cm (apontados no


relatório como segundo 30 cm).
a) O maior NSPT encontrado foi 32, não 47 (não devemos somar os primeiros e segundos
30 cm). Alternativa errada.
b) O nível d’água foi encontrado em 10 m. Alternativa errada.
c) O NSPT é a soma dos dois últimos trechos de 15 cm, correspondendo aos segundos
30 cm no relatório. Alternativa errada.
d) A maior compacidade realmente foi encontrada aos 6 m de profundidade (areia
argilosa, compacta vermelha). Alternativa correta.

7
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

e) A sondagem SPT-T associa a tradicional SPT à medição de torque, avaliando a medida


de torque máximo e residual com um torquímetro, após a cravação dos 45 cm a cada
metro. Não há informações no relatório sobre torque, porque é um relatório comum de
SPT. Alternativa errada.
GABARITO: D

34 – Questão referente à NBR 15146-1/2011 – Controle tecnológico de concreto –


Qualificação de pessoal.
a) O auxiliar é o profissional apto a realizar coleta, redução de amostras de campo e
ensaios básicos de um ou mais grupos de atividades, sem avaliação e emissão de
relatórios. Alternativa errada.
b) O tecnologista é apto a realizar ensaios, definir procedimentos executivos de
inspeção e amostragem, discernir sobre os limites de aceitação de um ou mais grupos
de atividades e efetuar cálculos com avaliação e emissão de relatórios.
O profissional que é apto a realizar todas as inspeções abrangidas na preparação do
concreto é o inspetor. Ele se encontra acima do tecnologista. Alternativa errada.
c) O conceito foi trocado com o da alternativa anterior. Essa é a definição do
tecnologista, não do inspetor. Alternativa errada.
d) Há dois tipos de laboratoristas. O laboratorista 1, que tem sua atuação principal em
campo (obra) e o laboratorista 2, que tem sua atuação principal no laboratório.
Alternativa correta.
e) Para ser qualificado como laboratorista há três opções: ser técnico em edificações
com seis meses de experiência na atividade, ou ter ensino médio e um ano de
experiência ou ensino fundamental e dois anos de experiência. Alternativa errada.
GABARITO: D

35 – As linhas de mesmo período de deslocamento até a saída são chamadas de linhas


isócronas. São formadas por pontos da bacia que tem o mesmo tempo de translação
até a saída da bacia. Alternativa A.
GABARITO: A – isócronas

36 – Para o permeâmetro de carga constante, calcula-se o valor da permeabilidade “k”


através da equação:

8
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

𝑉∗𝐿
𝑘=
𝐴∗ℎ∗𝑡
Os dados foram todos explicitados na questão com as mesmas letras e já com as
unidades corretas para serem inseridos na equação (todos na casa dos centímetros ou
segundos). Dessa forma, temos:
100 ∗ 40
𝑘=
400 ∗ 20 ∗ 20
𝑘 = 2,5 ∗ 10−2 𝑐𝑚/𝑠
GABARITO: B

37 – a) As águas tipo A necessitam apenas de desinfecção e correção de pH. Não é


necessário coagulação ou floculação. Alternativa errada.
b) As águas tipo B precisam de desinfecção, correção de pH, decantação simples ou
filtração. Portanto, não é apenas desinfecção. Alternativa errada.
c) Exatamente. Tanto o tipo A quanto o B precisam de desinfecção e correção do pH
(esse é processo básico, que dispensa até ETA). No caso do tipo B, pode ser necessário
fazer uma decantação simples ou filtração. Alternativa correta.
d) As águas do tipo C necessitam de coagulação para enquadrarem na potabilidade.
Alternativa errada.
e) As águas do tipo D exigem o tratamento do tipo C (coagulação, seguida ou não de
decantação, filtração em filtros rápidos, desinfecção e correção do pH) acrescido de
mais algum tratamento especial para cada caso. A descrição dada na questão foi
exatamente a necessária para o tratamento de águas do tipo C. Alternativa errada.
GABARITO: C

38 – Questão em que era preciso decorar a tabela 3 da NBR 8160.


a) Bacia sanitária – DN 100 (pode ser usado 75) e 6 UHC. Alternativa errada.
b) Chuveiro de residência – DN 40 e 2 UHC. Alternativa errada.
c) lavatório de residência – DN 40 e 1 UHC. Alternativa errada.
d) máquina de lavar roupas – DN 50 (seguir recomendação do fabricante) e 3 UHC.
Alternativa correta.
e) tanque de lavar roupas – DN 40 e 3 UHC. Alternativa errada.
GABARITO: D

9
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

39 – A descrição da questão é do filtro biológico. São parte de um tratamento


secundário em que ocorre processo unitário (transformação química ou biológica do
esgoto), dotada de meio de suporte (meio inerte para que a biomassa fique aderida) e
de decantador secundário para remoção dos sólidos em suspensão.
GABARITO: E – biofiltro aerado submerso.

40 – A resposta está na Lei nº 11.445/2007 (Diretrizes Nacionais para o Saneamento


Básico).
Art. 35. As taxas ou tarifas decorrentes da prestação de serviço público de limpeza
urbana e de manejo de resíduos sólidos urbanos devem levar em conta a adequada
destinação dos resíduos coletados e poderão considerar:
I - o nível de renda da população da área atendida;
II - as características dos lotes urbanos e as áreas que podem ser neles edificadas;
III - o peso ou o volume médio coletado por habitante ou por domicílio.
Portanto, a alternativa correta é a letra A – nível de renda da população da área
atendida.
GABARITO: A

41 – a) É recomendado que a distância mínima a núcleos populacionais seja superior a


500 m. Distâncias superiores a 20 km entre o último ponto de coleta e o aterro são
consideradas antieconômicas. Alternativa errada.
b) Terras devolutas são terras públicas sem destinação pelo Poder Público e em que
nenhum momento integram o patrimônio de um particular. Dessa forma, são adequadas
para aterros, pois apresentam baixa densidade populacional (são terras não ocupadas)
e reduzem o gasto do poder público com desapropriações. Alternativa correta.
c) O coeficiente de permeabilidade deve ser inferior a 5 * 10-5 cm/s (quanto mais baixo,
mais impermeável é o solo e melhor é esse solo para ser um aterro sanitário – evita a
percolação do chorume). Alternativa errada.
d) Não é recomendado instalar um aterro em uma área de zoneamento urbano com
crescimento máximo, visto que em pouco tempo, a área passará a ser urbanizada,
passando os novos moradores a conviver com o aterro. São recomendadas áreas com
crescimento urbano mínimo pra instalação do aterro. Alternativa errada.

10
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

e) Partindo do mesmo princípio da alternativa acima, os aterros não devem estar em


zonas com grande densidade populacional. Alternativa errada.
GABARITO: B – terras devolutas

42 – a) Os materiais betuminosos são inócuos (não reagem quimicamente com os


agregados minerais) e termoplásticos (são facilmente fundidos e solidificados, não
possuindo ponto de fusão, amolecendo em temperaturas variadas). Por isso, podem ser
recicláveis. Alternativa correta.
b) Os materiais betuminosos quando aquecidos são moldados e resfriados sem perda
das propriedades, podendo passar novamente pelo mesmo processo. Nos materiais
termofixos (não é o caso dos betuminosos) a moldagem ocorre por reação química
irreversível, que o torna duro e quebradiço. Alternativa errada.
c) São materiais hidrófugos – repelem a água. Alternativa errada.
d) Não possuem ponto de fusão definido, amolecendo em temperaturas variáveis.
Alternativa errada.
e) Apresentam ductilidade muito influenciada pela exposição ao calor e luz solar.
Alternativa errada.
GABARITO: A

43 – a) A massa específica real é a razão entre o peso dos grãos sólidos (descontados
o peso dos vazios e da água) e o volume dos grãos sólidos (descontado o volume de ar
e de água). Alternativa errada.
b) Não pode ser afirmado que o agregado diminui a resistência à abrasão do concreto.
Alternativa errada.
c) Quando o agregado está na condição saturada superfície seca todos os poros
permeáveis estão preenchidos com água, mas não há umidade livre na superfície.
Quando o agregado está na condição saturada, todos os poros permeáveis estão
preenchidos com água e há umidade livre na superfície. A água em excesso além da
requerida para condição SSS é referida como umidade superficial.
A alternativa afirmou que quando há presença de umidade (o certo deveria ser umidade
superficial), se apresenta saturado por absorção (o certo deveria ser somente
saturado). Alternativa errada.

11
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

d) O agregado realmente imprime um aumento “barato” do volume da pasta de


concreto, diminuindo o custo do aglomerante. A grande dúvida da questão creio que
fica pela expressão “material plástico estrutural”, que pode ser entendido como um
material de plástico, ou algo assim (e não um material com plasticidade). De forma
forma, esse foi o gabarito da questão. Alternativa correta.
e) O inchamento dos agregados realmente é maior nas areias finas, mas porque elas
possuem maior superfície específica em relação aos demais agregados. Alternativa
errada.
GABARITO: D

44 – As alternativas dessa questão foram retiradas do livro “a técnica de edificar”, de


Yazigi.
a) Antigamente todas as emendas eram reforçadas por peças metálicas. Entretanto,
devido à falta de ferreiros para execução das referidas peças, como inconveniente de
se trabalhar com materiais diferentes, passou-se atualmente a usar como reforço das
emendas a própria madeira que é executada na obra.
Segundo Yazigi, as emendas das terças deverão ser feitas com talas de madeira,
posicionadas nas duas faces laterais da terça. Alternativa errada.
b) A estrutura principal da cobertura, isto é, as tesouras, os pontaletes e/ou as vigas
principais, precisam ser ancoradas ao corpo da edificação. Alternativa errada.
c) As emendas de terças serão feitas sobre os apoios ou deles afastadas
aproximadamente ¼ do vão. Alternativa errada.
d) Os chanfros das emendas das terças deverão ter 45º no sentido do diagrama de
momentos fletores, ou seja, os esforços na emenda deverão ser de compressão e nunca
de tração. Alternativa errada.
e) As terças deverão ser posicionadas de maneira a transmitir as cargas diretamente
sobre os nós das tesouras ou sobre os pontaletes das estruturas pontaletadas. Frase
copiada e colada do livro “A técnica de Edificar”, de Yazigi. Alternativa correta.
GABARITO: E

45 – As alternativas dessa questão foram retiradas da obra “Fundamentos da patologia


das estruturas nas perícias de engenharia”, de Afonso Vitório.

12
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

a) Segundo a NBR 15575-2, a fissura é um seccionamento na superfície ou em toda


seção transversal de um componente, com abertura capilar, provocado por tensões
normais ou tangenciais. A trinca, por sua vez, é uma expressão coloquial qualitativa
aplicável a fissuras com abertura maior ou igual a 0,6 mm.
A antiga NBR 9575 (2003) trazia que as fissuras são aberturas inferiores a 0,5mm e as
trincas entre 0,5mm e 1mm.
Segundo o livro de Afonso Vitório, temos:
Fissura é uma abertura em forma de linha que aparece nas superfícies de qualquer
material sólido, proveniente da ruptura sutil de parte de sua massa, com espessura de
até 0,5mm.
Trinca é uma abertura em forma de linha que aparece na superfície de qualquer material
sólido, proveniente de evidente ruptura de parte de sua massa, com espessura de
0,5mm a 1,00mm.
Rachadura é uma abertura expressiva que aparece na superfície de qualquer material
sólido, proveniente de acentuada ruptura de sua massa, podendo-se “ver” através dela
e cuja espessura varia de 1,00mm até 1,5mm.
Fenda é uma abertura expressiva que aparece na superfície de qualquer material sólido,
proveniente de acentuada ruptura de sua massa, com espessura superior a 1,5mm.
Diante disso, a afirmativa está incorreta.
b) Em uma laje maciça, as fissuras por ressecamento do concreto não são retilíneas.
Em uma laje nervurada, as fissuras por ressecamento do concreto seguem a armadura
principal. Pequena diferença que deixou a afirmativa incorreta.
c) As fissuras por flexão são sempre perpendiculares às armaduras. São as mais
conhecidas e fáceis de identificar. Alternativa correta.
d) As fissuras por cisalhamento, provocadas pelo esforço cortante, são inclinadas e
surgem inicialmente nas proximidades dos apoios, manifestando-se também na parte
média das vigas.
As fissuras que aparecem em todas as faces de peça com desenvolvimento helicoidal
(vão girando em volta da peça) são as fissuras por torção. Alternativa errada.
e) Fenda é uma abertura expressiva que aparece na superfície de qualquer material
sólido, proveniente de acentuada ruptura de sua massa, com espessura superior a
1,5mm. Alternativa errada.
GABARITO: C

13
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

46 – As informações dessa questão poderiam ser encontradas no Manual de


Pavimentação do DNIT (2006).
a) O revestimento é a cada posta sobre a base, tanto quanto possível impermeável,
que recebe diretamente a ação do rolamento dos veículos e destinada à melhorá-la.
Alternativa errada.
b) O reforço de subleito é uma camada de espessura constante (o leito já foi conformado
pela regularização de subleito anteriormente) posta por circunstâncias técnico-
econômicas, acima da regularização, com características geotécnicas inferiores ao da
camada superior e superiores ao da camada inferior. Nem sempre é necessária.
Alternativa correta.
c) O abaulamento é uma inclinação transversal na pista. Sua função não é compensar
o efeito da força centrífuga sobre os veículos, mas permitir o escoamento da água sobre
a pista. Alternativa errada.
A superelevação é a inclinação encontrada na curva que possui a função de compensar
o efeito da força centrífuga sobre os veículos. Alternativa errada.
d) A pista de rolamento é a parte da rodovia destinada ao trânsito de veículos. Não é
só para fila única ou fila dupla. Alternativa errada.
e) A largura do revestimento para rodovias de classe especial nas regiões planas,
onduladas montanhosas ou escarpadas é de 7,50 m. Para classe I que é de 7,00 m.
Alternativa errada.
GABARITO: B

47 – Segundo a Lei Complementar 803/2009 do DF, temos que as Áreas de Proteção


de Manancial e as Áreas de Interesse Ambiental são as porções do território que exigem
parâmetros e diretrizes de uso e ocupação do solo diferenciados e preponderantes sobre
aqueles das zonas em que se inserem.
Segundo o Art. 102. As Áreas de Interesse Ambiental destinam-se à conservação dos
recursos naturais, à manutenção de suas condições ecológicas e ao manejo e pesquisa
de fauna e flora, devendo ser atendidas as seguintes diretrizes:
I – respeitar a legislação específica aplicada à área, especialmente quanto ao plano de
manejo ou zoneamento referente às unidades de conservação;

14
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

II – recuperar as áreas degradadas, priorizada a recomposição da vegetação em Áreas


de Preservação Permanente;
III – garantir atividades rurais compatíveis com as diretrizes do plano de manejo;
IV – garantir atividades de pesquisa, conservação e manejo de espécies da fauna e
flora, bem como de visitação e de educação ambiental, próprias dos equipamentos
públicos do Jardim Botânico de Brasília e do Jardim Zoológico de Brasília.
Portanto, somente a alternativa A condiz com o que traz a Lei.
GABARITO: A

48 – Segundo a NBR 13531 – elaboração de projetos de edificações atividades técnicas


– as etapas das atividades técnicas do projeto de edificações e de seus elementos,
instalações e componentes é: levantamento – programa de necessidades – estudo de
viabilidade – estudo preliminar – anteprojeto – projeto legal – projeto básico – projeto
para execução.
a) o estudo preliminar vem após o estudo de viabilidade. Alternativa errada.
b) o anteprojeto vem após o estudo preliminar. Alternativa errada.
c) Os levantamentos são feitos antes do programa de necessidades. No Anexo A da
Norma há um fluxograma em que se encontram o levantamento topográfico (em um
primeiro momento) e o levantamento de arquitetura (em um segundo momento).
Todavia, era mais fácil acertar por exclusão das outras alternativas. Alternativa correta.
d) o projeto básico vem após o projeto legal. Alternativa errada.
e) apesar de não constar nessa norma, a Lei 8.666 traz que não será licitada obra sem
orçamento. Portanto, o orçamento vem antes da licitação. Alternativa errada.
GABARITO: C

49 – Vamos à NBR 12721:2006:


a) Para o cálculo da mão-de-obra, aplica-se o percentual de encargos e benefícios.
Alternativa errada.
b) É recomendável que a amostra por insumo seja composta de um mínimo de 20
informações. Alternativa errada.
c) Após a análise de competência, procede-se ao cálculo do promédio de cada insumo.
Alternativa errada.

15
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco
Curso de Técnico em Fiscalização
CORREÇÃO DE PROVA – ENGENHEIRO CIVIL - TERRACAP
Prof. João Paulo Pacheco

d) o valor do promédio de cada insumo aplica-se ao coeficiente físico correspondente


ao respectivo insumo no lote básico de cada projeto-padrão. Alternativa errada.
e) O custo calculado pela norma deve representar o custo efetivo da construção
praticado pelas construtoras. Para tanto, a coleta de preços deve ser mensal, realizada
preferencialmente junto às construtoras e realizada por meio de questionário, definindo
as especificações e a unidade do insumo informado. Alternativa correta.
Apesar as alternativas de erradas serem complexas e difíceis, a alternativa correta
dessa questão não era tão complexa assim.
GABARITO: E

Não comentei a questão 50 pois foge do escopo da engenharia civil.

Bom estudo pessoal !!  

16
www.pontodosconcursos.com.br | Prof. João Paulo Pacheco