Você está na página 1de 11

Introdu¸c˜ao ao Processamento Digital de Sinais Solu¸c˜oes dos Exerc´ıcios Propostos — Cap´ıtulo 2

Jos´e Alexandre Nalon

1. Verifique se os sinais abaixo tˆem ou n˜ao transformada de Fourier. Em caso positivo, calcule a transformada

correspondente:

a) x[ n ] = 2 δ [ n + 2] + 3 δ [ n ] δ [ n 3]

Solu¸c˜ao: O sinal tem transformada, pois ´e um sinal finito.

X (ω ) = 2e 2jω + 3 e 3jω

b) x[ n ] = 3 δ [ n + 2] + 2 δ [ n ] δ [ n 1] + 2 δ [ n 2]

Solu¸c˜ao: O sinal tem transformada, pois ´e um sinal finito.

X (ω ) = 3e 2jω + 2 e jω + 2e 2jω

c) x[ n ] = a n u [ n ], para | a | < 1

Solu¸c˜ao: O sinal tem transformada, pois

Assim,

n= −∞

X (ω )

|x [ n ]|

=

n= −∞


=

n=0

=

a n

1

1 a

| a n u [ n ]|

=

n= −∞

a n u [ n ] e jωn


=

=

n=0

n=0

a n e jωn

(ae jω ) n

=

1

1 ae jω

d) x[ n ] = a n u [ n ], para | a | > 1

Solu¸c˜ao: O sinal tem transformada, pois

∞ ∞

n= −∞

|x [ n ]|

=

n= −∞

0


=

n= −∞

| a n u [ n ]|

a n


=

n=0

a n


=

n=0

=

(a 1 ) n

1

1 a 1

1

2

Assim,

X (ω )

=

n= −∞

0


=

n= −∞

a n u [ n ] e jωn

a n e jωn


=

n=0


=

n=0

a n e jωn

(a 1 e ) n

=

1

1 a 1 e jω

e) x[ n ] = a n (u [ n ] u [ n N ])

Solu¸c˜ao: O sinal tem transformada pois ´e um sinal finito no tempo.

X (ω )

f) x[ n ] = e n

=

n= −∞

a n (u [ n ] u [ n N ])e jωn

N 1


=

n=0

N 1


=

a n e jωn

(ae jω ) n

=

n=0

1 (ae jω ) N

1 ae jω

Solu¸c˜ao: O sinal n˜ao tem transformada, pois n˜ao ´e absolutamente som´avel. Em particular,

1

n= −∞

1

g) x[ n ] = 3 n 2 u [ n

e n =

+ 2]

n=1

e n → ∞

Solu¸c˜ao: O sinal tem transformada, pois

n= −∞

| x [ n ]|

=

=

=

=

=

1

n= 2

n=0

3

n2

1

3

n4

1

3

4

n=0

1

3

n

81

1

1 1/3

243

2

Sua transformada de Fourier ´e

X (ω )

=

=

=

=

3 n2 e jωn

1

3 n4 e ( n+2)

1

n= 2

n=0

1

3 4 e 2

n=0

81e 2

1 1/3e jω

1

n e jωn

3

3

h)

1

x[ n ] = n + 1 u [ n ]

Solu¸c˜ao: O sinal n˜ao tem somat´orio finito, portanto, n˜ao tem transf ormada de Fourier. Este sinal ´e a conhecida s´erie harmˆonica. A demonstra¸c˜ao da divergˆencia de seu somat´orio pode ser feita por compara¸c˜ao:

n= −∞

|x [ n ]|

=

=

=

1

n + 1 u [ n ]

n= −∞

1

n + 1

1

1

2 + 3 +

1

4

+

n=0

1 +

.

.

.

Essa s´erie pode ser comparada termo a termo conforme abaixo. Pode-se notar que cada termo da s´erie harmˆonia ´e maior ou igual `a s´erie na linha abaixo:

>

1

+

1 +

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

   

2

+ 3 + 4 + 5 + 6 + 7 + 8 + 9 + 10 + 11 + 12 + 13 + 14 + 15 +

16

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

   

2

+ 4 + 4 + 8 + 8 + 8 + 8 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 +

16

+

.

+

.

.

.

.

.

Agrupando-se os termos da segunda s´erie, temos

1 + 1

2 +

1

1

1

4 + 1

4 + 8 + 8 + 8 + 1

1

1

1

8 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 + 16 +

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

= 1 +

2

+ 2 + 2 +

2

+

.

.

.

Essa soma claramente diverge, portanto, a s´erie harmˆonica tamb´em divergir´a. Portanto, o sinal n˜ao tem transformada de

Fourier.

i) x[ n ] =

1 | n |

N

0

,

,

se | n | < N

fora do intervalo

Solu¸c˜ao: Esta ´e uma sequˆencia triangular de largura 2N . Sua transformada de Fourier pode ser calculada facilmente, se levarmos em considera¸c˜ao que um pulso triangular de largura 2N ´e a convolu¸c˜ao entre dois pulsos retangulares de largura N . O pulso retangular tem transformada de Fourier dada por

Rect N (ω ) =

1 e jωN

1 e jω

ent˜ao, pelo teorema da convolu¸c˜ao,

X (ω )

= Rect N 2 (ω )

=

1 e jωN 1 e jω

2

Esse resultado pode ser melhorado desenvolvendo-se os quadrados:

X (ω ) =

1 2e jωN + e 2jωN

1 2e + e 2

Multiplicando-se essa fra¸c˜ao no numerador por e jωN e jωN e no denominador por e jω e jω , obtemos

X (ω ) =

e jωN 2 + e jωN e jωN

e 2 + e e

e utilizando a defini¸c˜ao exponencial do cosseno,

j)

X (ω )

=

=

2e jωN (cos(ωN ) 1) 2e jω (cos(ω ) 1)

e jω ( N 1) cos(ωN )1

cos(ω)1

x[ n ] = cos 2 π n , para 0 n < N

N

Solu¸c˜ao: Este sinal tem transformada de Fourier pois ´e um sinal finito. Para calcular sua transformada, notamos que

x [ n ] = cos 2π n (u [ n ] u [ n N ])

N

4

ou seja, um janelamento, cuja resposta pode ser dada na forma de uma convolu¸c˜ao no dom´ınio da frequˆencia. Pela Tabela 2.1, a transformada de Fourier do cosseno ´e dada por

F cos 2π n =

N

k

−∞ δ ω 2π + 2

=

N

Para simplificar, consideremos apenas o valor principal de ω . Assim,

F

cos 2π n = δ ω + 2π + δ ω

N

N

2π

N

A transformada de Fourier do pulso retangular ´e dada por

F { u [ n ] u [ n N ] } =

1 e jωN

1 e jω

Com alguma manipula¸c˜ao (veja a Se¸c˜ao 6.6), podemos escr ever como

k)

Assim,

Φ(ω ) = e jω N1

2

sen(ωN/2)

N sen(ω/2)

F { x [ n ]}

=

=

δ ω + 2π + δ ω 2π Φ(ω )

N

N

Φ ω + 2π + Φ ω 2π

N

N

x[ n ] = sen πn πn

Solu¸c˜ao: Ver Exemplo 2.8

2.

em fun¸c˜ao dessas duas transformadas, as transformadas abaixo:

a) y [ n ] = 3 x 1 [ n ] 2 x 2 [ n ]

Solu¸c˜ao:

Sejam X 1 (ω ) a transformada de Fourier do sinal discreto x 1 [ n ], e X 2 (ω ) a transformada do sinal x 2 [ n ]. Calcule,

Y (ω ) = 3X 1 (ω ) 2X 2 (ω )

b) y [ n ] = x 1 [ n 2] + x 2 [ n + 2]

Solu¸c˜ao:

Y (ω ) = e 2jω X 1 (ω ) + e 2jω X 2 (ω )

c) y [ n ] = x 1 [ n ] x 1 [ n 1]

Solu¸c˜ao:

Y

(ω ) = (1 e jω )X 1 (ω )

d) y [ n ] =

n

k = −∞

x

1 [ k ]

Solu¸c˜ao: Basta notar que x 1 [ n ] = y [ n ] y [ n 1], assim,

(1 e jω )Y (ω ) = X 1 (ω )

e)

Portanto

Y

y [ n ] = x 2 n

2

1

(ω ) = 1 e jω X 1 (ω )

Solu¸c˜ao: Veja a Se¸c˜ao 5.1

f) y [ n ] = x 1 [1 n ] x 2 [1 + n ]

Solu¸c˜ao: Veja que

y [ n ] = x 1 [ (n 1)] x 2 [ n + 1]

Assim, aplicando-se primeiro o deslocamento, e depois a revers˜ao, temos

Y (ω ) = e jω X 1 (ω ) e jω X 2 (ω )

5

g)

h)

3.

a)

y [ n ] = x 1 [ n ] + (1) n x 1 [ n ]

Solu¸c˜ao: Veja que

y [ n ] = x 1 [ n ] + e jπn x 2 [ n ]

Assim,

Y

(ω ) = X 1 (ω ) + X 2 (ω π )

y [ n ] = x 2 [ n ] x 2 [ n ]

Y (ω ) = X 2 (ω )X 2 ω = | X 2 (ω )| 2

Calcule a transformada de Fourier inversa das express˜oes abaixo :

X (ω ) =

1

1 ae jω

Solu¸c˜ao: Utilizando os resultados do exerc´ıcio 1d), obtemos

x [ n ] = a n u [ n ] , para | a| < 1

b)

X (ω ) =

1

(1 ae jω ) 2

Solu¸c˜ao: Seja x 1 [ n ] = a n u [ n ], com |a| < 1. Portanto

X 1 (ω ) =

1

1 ae jω

A derivada de X 1 (ω ) pode ser obtida facilmente como sendo

d

dω X 1 (ω ) =

jae jω (1 ae jω ) 2

Portanto

j

dω d X 1 (ω ) =

ae (1 ae jω ) 2

Como, por inspe¸c˜ao,

X

1

(ω ) = a e jω X 1 (ω )

ent˜ao, pela propriedade da diferencia¸c˜ao em frequˆenci a, combinada ao deslocamento no tempo, temos

c)

x [ n ]

1

a (n + 1)a n+1 u [ n + 1]

=

= a n (n + 1)u [ n + 1]

X (ω ) = 1

1 4 e

− 8 e jω 1 1 −
8 e jω
1
1

Solu¸c˜ao: A transformada X (ω ) pode ser decomposta em duas partes:

X (ω ) =

1 4 e jω 1 − 1 − 8 e jω 1 1 − 1
1 4 e jω
1
1 −
8 e jω
1
1 − 1
8 e jω

A primeira fra¸c˜ao pode ser obtida por inspe¸c˜ao, conform e exerc´ıcio 1d), e a segunda fra¸c˜ao ´e a mesma transformada com um

deslocamento aplicado no tempo. Assim,

d)

e)

X (ω ) =

x [ n ]

=

=

1

8 n u [ n ] 4 8 n+1 u [ (n + 1)]

8 n u [ n ] 1 4 8 n+1 u [ n 1]

1 , se | ω | < ω 0 0 , se ω 0 ≤ | ω | < π

Solu¸c˜ao: Veja Exemplo 2.8

X (ω ) = 0 , se | ω | < ω 0 1 , se ω 0 ≤ | ω | < π

6

Solu¸c˜ao: Seja X 1 (ω ) definido conforme no exerc´ıcio anterior. Assim, para este exerc´ıcio,

X (ω ) = 1 X 1 (ω )

Aplicando-se os teoremas da transformada inversa de Fourier, temos

f)

g)

x [ n ] = δ [ n ] sen ω 0 n πn

X (ω ) = sen sen ωN ω

Solu¸c˜ao: Veja Se¸c˜ao 6.6

X (ω ) = cos 2 ω

Solu¸c˜ao: Desenvolvendo X (ω ),

temos

X (ω ) = cos 2 ω = 1

4 e 2+ 2 + e 2

Pode-se aplicar a linearidade da transformada, al´em do des locamento no tempo. Assim,

 

F

1 e 2jω = δ [ n + 2]

e

 

F

1 e 2jω = δ [ n 2]

Assim,

x [ n ] = 4 δ [ n + 2] + 2 + 1

1

1

4 δ [ n 2]

4.

Fourier

a) x[ n ] =

Calcule a convolu¸c˜ao entre as sequˆencias abaixo utilizando o teor ema da convolu¸c˜ao para as transformadas de

2 δ [ n + 2] + δ [ n + 1] + 3 δ [ n ] + δ [ n 1] + 2 δ [ n 2]

h [ n ] = δ [ n ] + 0 , 5 δ [ n 1] 0 , 25 δ [ n 2]

Solu¸c˜ao:

X (ω ) =

H (ω ) = 1 + 0, 5e jω 0, 25e 2jω

X

2e 2jω + e jω + 3 + e jω + 2e 2jω

(ω )H (ω ) = 2e 2jω + 2e jω + 4 + 2, 75e jω + 3, 25e 2jω + 1, 25e 3jω + 0, 5e 4jω

Calculando a transformada inversa:

x [ n ] h [ n ] = 2δ [ n + 2] + 2δ [ n + 1] + 4δ [ n ] + 2, 75δ [ n 1] + 3, 25δ [ n 2] + 1, 25δ [ n 3] + 0, 5δ [ n 4]

b)

x[ n ] = u [ n ] u [ n N ]

h [ n ] = δ [ n ] δ [ n 1]

Solu¸c˜ao:

X (ω ) =

1 e jωN 1 e jω

H

(ω ) = 1 e jω

X

(ω )H (ω )

=

(1 e jω ) 1 e jωN 1 e jω

= 1 e jωN

Calculando a transformada inversa:

x [ n ] h [ n ] = δ [ n ] δ [ n N ]

c) x[ n ] =

n

1 N , se

h [ n ] = δ [ n 4]

0 n < N

Solu¸c˜ao: Neste exerc´ıcio em particular, n˜ao existe a necessidade de calcular a transformada de x [ n ]. Assim,

H

(ω ) = e 4jω

X

(ω )H (ω ) = e 4jω X (ω )

Calculando a transformada inversa:

x [ n ] h [ n ]

=

=

x [ n 4] 1 n 4

N

, se 4 n < N + 4

7

d)

x[ n ] = α n u [ n ] h [ n ] = β n u [ n ] para | α| < 1 e | β | < 1.

Solu¸c˜ao: Pela tabela das transformadas de Fourier,

X (ω ) =

H (ω ) =

1

1 αe jω

1

1 βe jω

X

(ω )H (ω )

=

 

=

1

1

1 αe jω × 1 βe jω

1

(1 αe jω )(1 βe jω )

Para encontrarmos a resposta no dom´ınio do tempo, precisam os calcular a transformada inversa. Para isso, fazemos a decomposi¸c˜ao da express˜ao acima em fra¸c˜oes parciais (veja a Se¸c˜ao 3.5.3). Escrevemos

X (ω )H (ω ) =

A

B

1 αe jω + 1 βe jω

As constantes A e B podem ser encontradas realizando a soma entre as duas fra¸c˜oes e igualando o resultado `a express˜ao anterior. Disso, tiramos duas equa¸c˜oes:

A + B = 1 βA + αB = 0

Resolvendo essa equa¸c˜ao, temos α

A =

α β

e

 

B

Assim,

 

X

=

β α β

(ω )H (ω ) =

α

1

β

1

α β 1 αe jω

α β 1 βe jω

Calculando a transformada inversa,

5.

x [ n ] h [ n ]

=

=

β

α β α n u [ n ] α β β n u [ n ]

α

α

n+1

β n+1

α β

u

[ n ]

O sinal de entrada x[ n ] de um sistema ´e dado por

x[ n ] = 2 cos π n + 3 sen 3 π n + π

8

4

4

Encontre a resposta do sistema a esse sinal, se a resposta ao impuls o ´e dada por

h [ n ] = 2 sen πn/ 2 πn

Solu¸c˜ao: O problema pode ser resolvido facilmente, desde que se perceba que h [ n ] ´e, na verdade, a resposta ao impulso de um filtro ideal com frequˆencia de corte π/2. Assim, as componentes abaixo dessa frequˆencia ser˜ao mantidas sem altera¸c˜ao, enquanto as componentes acima dessa frequˆencia ser˜ao cor tadas. O sinal x [ n ] possui duas componentes, uma em ω = π/4, e outra em ω = 3π/4. A primeira componente possui frequˆencia abaixo de π/2, e portanto ser´a mantida; a segunda componente possui frequˆencia acima de π/2, portanto, ser´a eliminada. Assim,

x [ n ] h [ n ] = 2 cos π n

4

6. Se x[ n ] ´e dado como na Figura 2.9, calcule, sem avaliar explicitamente a transformada de Fourier:

a) X (0)

8

Solu¸c˜ao: X (0) pode ser calculado diretamente pela substitui¸c˜ao de ω na equa¸c˜ao de an´alise de transformada de Fourier:

b)

c)

X (0) =

n= −∞

x [ n ] e j 0n =

x [ n ]

n= −∞

Pela inspe¸c˜ao direta dos valores de x [ n ] no gr´afico, X (0) = 0, 2.

Θ(ω )

 

Solu¸c˜ao: x [ n ] ´e uma fun¸c˜ao par. Como toda fun¸c˜ao par gera uma transformada de Fourier real, o espectro de fase ter´a

valores iguais a 0 ou π para todos os valores de ω .

X (π )

Solu¸c˜ao: Pela substitui¸c˜ao direta de ω por π , temos

X (0) =

n= −∞

x [ n ] e jπn =

n= −∞

(1) n x [ n ]

Ou seja, alternam-se os sinais das amostras sobre n ´ımpar. Aplicando esse resultado ao x [ n ] da figura, temos X (π ) = 3, 4.

d)

π

π

X (ω )

Solu¸c˜ao: Substituindo n = 0 na defini¸c˜ao da transformada inversa de Fourier, temos

π

e)

π

x [0] =

2π

π

1

π

X (ω )e jω 0 =

2π

π

1

π

Portanto,

2π

π

1

π

X (ω ) = 2πx [0] = 2π

| X (ω )| 2

X (ω )

Solu¸c˜ao: Pela rela¸c˜ao de Parseval (veja a Se¸c˜ao 2.2.12):

π

f)

π

2π

π

1

π

| X (ω ) | 2 =

Portanto,

π

π

|X (ω ) | 2 = 2π

2

dω X (ω )

d

n= −∞

n= −∞

|

x [ n ]| 2

| x [ n ]| 2 = 2π × 2, 12 = 4, 24π

Solu¸c˜ao: Aplicando-se a propriedade da diferencia¸c˜ao em frequˆencia, e tomando-se o valor absoluto, conclu´ımos que para realizar essa integral basta fazermos:

π

π

Portanto,

π

π

d

dω X (ω )

d

dω X (ω )

2

2

= 2π

n= −∞

|

nx [ n ]| 2

= 2, 72 × 2π = 5, 44π

Um sinal x[ n ] ´e alimentado a um sistema com resposta ao impulso h 1 [ n ] = 0 , 5 n u [ n ], e a resposta desse sistema

´e alimentada a um outro sistema com resposta ao impulso h 2 [ n ] = 0 , 2 n (u [ n ] u [ n 3]). Encontre a resposta em

7.

frequˆencia dos dois sistemas encadeados e sua resposta ao impuls o.

Solu¸c˜ao: Podemos encontrar facilmente:

e

H 1 (ω ) =

1

1 0, 5e jω

H 2 (ω ) = 1

0, 008e 3jω 1 0, 2e jω

9

A resposta em frequˆencia do sistema encadeado ´e dada pelo produto entre essas duas transformadas de Fourier, ou seja:

H (ω ) = H 1 (ω )H 2 (ω ) =

1 0, 008e 3jω (1 0, 5e jω )(1 0, 2e jω )

Para encontrarmos a resposta ao impulso do sistema, podemos calcular a transformada inversa de H (ω ). Para isso, reescrevemos

como

H (ω ) =

1

(1 0, 5e jω )(1 0, 2e jω )

0, 008e 3jω

(1 0, 5e jω )(1 0, 2e jω )

A segunda fra¸c˜ao nessa express˜ao corresponde simplesmente ao mesmo sinal da primeira fra¸c˜ao, com um atraso de 3 amostras.

Calculamos, portanto, a transformada inversa da primeira f ra¸c˜ao, que chamaremos de H s (ω ). Para isso, realizamos a decom- posi¸c˜ao em fra¸c˜oes parciais (veja a Se¸c˜ao 3.5.3). Uma maneira simples de realizar essa decomposi¸c˜ao ´e separar cada fator em uma fra¸c˜ao e calcular as constantes correspondentes:

H s (ω ) =

A

B

0, 5e jω + 1 0, 2e jω

1

Para calcular as constantes A e B , somamos as duas fra¸c˜oes e resolvemos o sistema linear for mado pela igualdade que resulta no numerador (pois a express˜ao obtida no numerador de H s (ω ) deve ser igual a 1. Assim, descobrimos que

5/3

2/3

1 0, 5e jω 1 0, 2e jω

Por inspe¸c˜ao direta `a tabela de transformadas, encontramos

H s (ω ) =

h s [ n ] = 3 0, 5 n u [ n ] 2

5

3 0, 2 n u [ n ]

A resposta ao impulso ´e encontrada fazendo:

h [ n ] = h s [ n ] 0, 008h s [ n 3]

8. Um sinal x[ n ] ´e alimentado simultaneamente a dois sistemas cujas respostas ao impulso s˜ao respectivamente

h 1 [ n ] = 0 . 5 n u [ n ] e h 2 [ n ] = 0 . 2 n (u [ n ] u [ n 2]). As sa´ıdas dos sistemas s˜ao combinadas. Encontre a resposta em

frequˆencia dos dois sistemas combinados e sua resposta ao impulso .

Solu¸c˜ao: Podemos encontrar facilmente:

e

H 1 (ω ) =

1

1 0, 5e jω

A

H 2 (ω ) = 1 0, 008e 3jω 1 0, 2e jω

resposta em frequˆencia do sistema encadeado ´e dada pela s oma entre essas duas transformadas de Fourier, ou seja:

H (ω ) = H 1 (ω ) + H 2 (ω ) =

5e + 1 0, 008e 3jω

1

1 0, 2e jω

1 0,

Realizando a soma, obtemos

H (ω ) = 2 0, 7e jω 0, 008e 3jω + 0, 004e 4jω (1 0, 5e jω )(1 0, 2e jω )

Para encontrarmos a resposta ao impulso do sistema, podemos calcular a transformada inversa de H (ω ). Uma vez, no entanto, que a resposta em frequˆencia ´e obtida por uma combina¸c˜ao, e a transformada de Fourier ´e linear, a resposta ao impulso ´e dada simplesmente por

h [ n ] = 0, 5 n u [ n ] + 0, 2 n (u [ n ] u [ n 3])

9. Por meio da transformada de Fourier, mostre que, se m x ´e o valor m´edio de x[ n ] e m y ´e o valor m´edio de y [ n ],

ent˜ao m x + m y ´e o valor m´edio de x[ n ] + y [ n ].

Solu¸c˜ao: Consideremos o valor m´edio do sinal em um intervalo que vai de N a N . Esse valor pode ser calculado pela

express˜ao:

m x =

1

2N + 1

N

x [ n ]

n= N

Esse resultado pode ser mapeado sobre a transformada de Four ier, fazendo ω = 0, e dividindo-se o resultado por 2N + 1:

m x

=

=

1

2N + 1

N

n= N

1 +

2N

1 X (0)

x

[ n ] e jω 0

10

O mesmo racioc´ınio pode ser feito para m y , e o valor m´edio do sinal pode ser calculado em todo o intervalo fazendo N → ∞ .

Seja agora o sinal w [ n ] dado pela soma de x [ n ] e y [ n ]. Seu valor m´edio no intervalo que vai de N a N ´e calculado de maneira

semelhante:

m w =

1 + 1 W (0)

2N

No entanto, como W (ω ) = X (ω ) + Y (ω ),

m w

=

1 + 1 (X (0) + Y (0))

2N

1 + 1 X (0) +

=

= m x + m y

2N

1

2N

+ 1 Y (0)

10. Demonstre que a energia de um sinal discreto x[ n ] pode ser encontrado pela express˜ao

E =

n= −∞

x[ n ] x [ n ]

Solu¸c˜ao: Seja

y [ n ]

=


=

x [ n ] x [ n ]

x [ k ] x [ n k ]

n= −∞

O dom´ınio em x [ k n ] se justifica pela revers˜ao do sinal. A transformada de Four ier de y [ n ] ´e dada por

Y (ω ) = X (ω )X (ω ) = |X (ω ) | 2

A energia do sinal x [ n ], portanto, ´e calculada por

E =

2π

π

1

π

Y (ω )

Esse valor pode ser calculado fazendo n = 0 na defini¸c˜ao da transformada de Fourier de y [ n ], ou seja

E

=

=

=

2π

π

1

π

2π

π

1

π

y [0]

Y

Y

(ω )

(ω )e jω 0

Substituindo n = 0 em y [ n ], obtemos

E

=

k = −∞

x

[ k ] x [ k ]

Basta agora trocar k por n para obter a express˜ao original.

11. Mostre que, se y [ n ] ´e a sa´ıda de um sistema linear invariante com o tempo com resposta ao impulso h [ n ] quando

a entrada ´e x[ n ], ent˜ao

| Y (ω )| 2 = (X R (ω ) + X

2

I 2 (ω ))(H R (ω ) + H (ω ))

2

2

I

em que X (ω ) = X R (ω ) + jX I (ω ) e H (ω ) = H R (ω ) + jH I (ω )

Solu¸c˜ao: O espectro de y [ n ] ´e dado pelo produto de x [ n ] e h [ n ], ou seja,

Y (ω ) = X (ω )H (ω )