Você está na página 1de 3
MATERIAL DE APOIO
MATERIAL DE APOIO

Disciplina: Criminologia Professor: Gustavo Junqueira Aulas: 05 e 06 | Data: 08/04/2016

ANOTAÇÃO DE AULA

SUMÁRIO

CRIMINOLOGIA:

1) CONCEITO:

2) NECESSIDADE DA CRIMINOLOGIA:

3) FINALIDADE DA CRIMINOLOGIA:

4) CRIMINOLOGIA, POLÍTICA CRIMINAL E DOGMÁTICA JURÍDICA PENAL:

4.1) Criminologia X dogmática:

4.2) Criminologia x política criminal:

5) ANTIGA CRIMININOLOGIA OU INICIO DA CRIMINOLOGIA: (continuação) 5.1) Principais nomes da escola clássica:

5.2) Principais nomes da escola positiva:

6) SOCIOLOGIA CRIMINAL:

5.1) Principais nomes da escola clássica:

  • a) Beccaria: Contrato social, ou seja, a lei é legitimada pela porção de liberdade cedida pelo indivíduo ao

Estado. O homem é levado a satisfazer o próprio prazer e encontrar freio nas leis.

  • b) Carrara: Não acredita no estado de natureza. Ensina que existem duas ordens, a natural e a moral. A

natural é inflexível, se impõe (ex: lei da gravidade). A ordem moral precisa do reforço do Direito para ser

respeitada. O direito trata apenas da relação com terceiros e não com divindade, pois seria uma ousadia (um pecado) querer antecipar a vontade divina.

  • c) Feurbach: estrutura o princípio da legalidade. A pena deve ser um contra impulso criminoso. A

ameaçada pena deve convencer o cidadão que o crime não compensa.

5.2) Principais nomes da escola positiva:

  • a) Lombroso (médico): Obra “o homem criminoso”. Tem inspiração no determinismo biológico. O

delinquente é um doente social que deve ser tratado.

Tese principal: Atavismo. Determinadas características ancestrais permanecem estagnadas no criminoso. O delinquente é um homem que não evolui, é menos civilizado que seus contemporâneos.

  • b) Ferri: Obra “sociologia criminal”. Parte da premissa de um determinismo sociológico. Ferri prega

interferências interdisciplinares no crime, como a estatística, psicologia, etc. É famosa a classificação de criminoso: a) Nato; b) Ocasional; c) Passional; d) Habitual; e) Louco. Ferri dá especial importância para a pena

indeterminada e para a indenização da vítima. É a famosa construção dos substitutivos penais. Além da pena, os fatores sociais criminógenos devem ser atacados, como a educação, urbanismo, emprego, etc. Dentro dos substitutivos penais, Ferri tem também propõe penas diversas da prisão. É o grande crítico da prisão de curta duração.

MATERIAL DE APOIO Disciplina: Criminologia Professor: Gustavo Junqueira Aulas : 05 e 06 | Data: 08/04/2016

DELEGADO CIVIL NOTURNO

CARREIRAS JURÍDICAS

Damásio Educacional

c) Garófalo: obra “criminologia”. Parte da premissa de um determinismo psicológico (o criminoso tem problemas psíquicos).

c) Garófalo: obra “criminologia”. Parte da premissa de um determinismo psicológico (o criminoso tem problemas psíquicos). Propõe um conceito universal de crime: crime é a violação dos sentimentos básicos de

piedade e probidade comuns nas raças superiores. É atribuída a Garófalo o conceito de “periculosidade”

(temibilidade) como potencial para a pratica de novos crimes.

6) SOCIOLOGIA CRIMINAL:

A sociologia criminal que ganha especial força na obra de Ferri, é a baseado estudos de criminologia no final do século XIX e no começo do século XX.

Sociologia criminal X sociologia jurídico penal: Sociologia criminal estuda o comportamento desviante, com relevância penal. Sua gênese e importância em uma determinada estrutura social. Sociologia jurídico penal estuda os comportamentos relacionados à reação diante da conduta desviante.

Microsociologia X Macrosociologia: a microsociologia estuda o crime a partir do criminoso e sua interação social. Predomina nos Estados Unidos. Macrosociologia o foco esta na sociedade criminógena. Predomina na Europa. A macrosociologia pode ser:

a) etiológica: é o estudo das causas, ou seja, a macrosociologia etiológica busca analisar os fatores sociais que causam o crime.

b) de reação social: busca analisar o procedo de criminalização, ou seja, como são selecionados indivíduos e condutas e como é exercido o poder punitivo.

A sociologia criminal aborda o crime como fenômeno punitivo e busca relaciona-lo com fatores como a economia, educação, valores sociais. Na sociologia criminal são dois os principais ramos:

a) sociedade de consenso: São os movimentos funcionalistas de integração. O objetivo da sociedade é o perfeito funcionamento das instituições, que vão garantir proteção e eficiência aos valores comuns a todos os cidadãos. Parte da premissa que existe um consenso de valores e objetivos universais.

Principias nomes: Durkhein e Hughes

criminal.

Principais escolas criminógenos de consenso: Chicago, a Associação diferencial, a anomia e a subcultura Os modelos de consenso buscam estudar as regras pelas quais indivíduos ou grupos descumpriam as

regras.

b) sociedade de conflito: a coesão e a ordem são fundadas na força e na coerção, na dominação por alguns e sujeição de outros. O conflito é eterno e tem raízes economia religiosas e culturais.

Principais nomes: Marx e Dahendorf Principais escolas: Labeling Approach e da criminologia critica.

Durkhein: o crime é funcional, pois de um lado reforça a coesão social e de outro ajuda a quebraras barreiras do imobilismo permitindo o progresso. (pessoas que não se conhecem se unem para coibir o inimigo comum).

Hughes: parte das ideias de Durkhein para tratar da síndrome do trabalho sujo: a sociedade precisa de infratores dispostos a violar a lei e a moral para sociais desejos coletivos.

c) Garófalo: obra “criminologia”. Parte da premissa de um determinismo psicológico (o criminoso tem problemas psíquicos).

Página 2 de 3

Durkhein relaciona o crescimento do crime com a anomia: é a perda dos valores de referencia

Durkhein relaciona o crescimento do crime com a anomia: é a perda dos valores de referencia de uma determinada sociedade, muito comum em guerras, desastres naturais.

Objetos da Criminologia: delito, delinquente, vítima, controle social.

Delito: No direito penal crime é o ilícito seguido de pena. A escola positiva tenta, desde logo, fugir do conceito penal consagrando o conceito universal de crime de Garófalo. No entanto a fuga do conceito penal gerou grande insegurança nas premissas do estudo, e por isso o apego a lei penal é retomada.

Tappan parte da premissa que crime é o que os tribunais assim definem.

Na criminologia socialista afastada o conflito que era gerado pelo capitalismo não há necessidade de um conceito de crime diverso da lei, pois a definição legal é necessariamente a síntese do interesse da comunidade.

A retomada do conceito sociológico.

Durkhein relaciona o crescimento do crime com a anomia: é a perda dos valores de referencia

Página 3 de 3