Você está na página 1de 152
Técnicas de Produção Vegetal
Técnicas de Produção Vegetal
Técnicas de Produção Vegetal

Técnicas de Produção Vegetal

FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015

FORMAÇÃO

TÉCNICA

Curso Técnico em Agronegócio

Técnicas de Produção Vegetal

FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015

SENAR - Brasília, 2015

FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Técnicas de Produção Vegetal SENAR - Brasília, 2015

S474c

SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Curso técnico em agronegócio: técnicas de produção vegetal / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural ; Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, Rede e-Tec Brasil, SENAR (Organizadores). – Brasília :

SENAR, 2015. 150 p. : il. (SENAR Formação Técnica)

ISBN: 978-85-7664-083-7

Inclui bibliografia.

1. Produtividade agrícola. 2. Agroindústria - ensino. I. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. II. Rede e-Tec Brasil. III. Título. IV. Série.

CDU: 633

Sumário

Introdução à Unidade Curricular –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

Tema 1: Contexto da Agricultura em Sistemas de Produção Sustentável –––––––––––––––––––––––––––––––– 1 2

Tópico 1: Aspectos Econômicos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 2

Tópico 2: Produção Vegetal ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 4

Tópico 3: Produção Vegetal Sustentável –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 4

Tópico 4: Sistemas de Produção Sustentável –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 17

1. Agricultura Orgânica –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 17

2. Produção Integrada Agropecuária ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 0

3. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta iLPF –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 1

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 2

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 2

Tema 2: Sistema Solo-Planta-Atmosfera –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 4

Tópico 1: Solo, Planta e Atmosfera ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 4

1. Água –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2

6

2. Solo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 9

3. Planta ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3

4. Atmosfera ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3

2

6

Tópico 2: Sistemas de Manejo do Solo –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 7

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 9

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 9

Tema 3: Nutrição Mineral de Plantas e Fertilidade do Solo –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 1

Tópico 1: Nutrição Mineral de Plantas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 2

1. Deslocamento dos nutrientes na planta –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 4

2. Absorções radicular e foliar dos nutrientes –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 6

Tópico 2: Fertilidade do Solo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 8

1. Calagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5

0

2. Gessagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 3

3. Adubação ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 4

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 7

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 8

Tema 4: Cultura do Café ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 0

Tópico 1: História e Características Gerais do Café –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 0

1. Classificação e características ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 62

Tópico 2: Morfologia

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 63

1. Ramos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 64

2. Folhas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 65

3. Flor e floração ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 6

4. Fruto e frutificação ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 7

Tópico 3: Implantação da Lavoura ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 9

1. Conservação do solo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 1

2. Plantio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7

1

Tópico 4: Clima e Solo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 2

1. A geada e a cafeicultura ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 2

Tópico 5: Nutrição do Cafeeiro –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 3

1. Aspectos práticos da nutrição ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 74

Tópico 6: Manejo de Plantas Daninhas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 7

1. Modos e épocas de controle ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 8

2. Herbicidas e doses –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 9

3. Pragas e doenças do cafeeiro ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 0

Tópico 7: Colheita e Pós-colheita –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 0

1. Secagem em terreiros –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 1

2. Secagem em secadores –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 1

3. Secagem

mista –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 82

4. Armazenamento –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 83

Tópico 8: Classificação do Café por Sabor da Bebida e pelo Tipo dos Grãos –––––––––––––––––– 8 4

1. Tipo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 4

2. Bebida –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 4

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 5

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 5

Tema 5: Cultura da Cana-de-açúcar –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 87

Tópico 1: Histórico e Importância Econômica da Cana-de-açúcar –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 87

Tópico 2: Classificação Botânica –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 9

Tópico 3: Morfologia ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 0

Tópico 4: Fenologia – a Vida da Planta em Relação às Condições Ambientais ––––––––––––––– 92

1. Cana planta e cana soca –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 92

2. Estágios fenológicos da cana-de-açúcar ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 4

Tópico 5: Planejamento e Instalação da Cultura –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 5

1. Instalação da cultura ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 5

Tópico 6: Adubação e Irrigação –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 7

1. planta –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Cana

9 7

2. soca ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 7

Cana

3. Irrigação –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

8

Tópico 7: Plantas Daninhas, Doenças e Pragas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 9

1. Plantas daninhas em cana-de-açúcar –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 9

2. Doenças da cana-de-açúcar ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 9

3. Pragas da cana-de-açúcar –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 100

Tópico 8: Colheita e Parâmetros de Qualidade –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 101

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 102

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 102

Tema 6: Cultura da Soja –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 104

Tópico 1: Histórico e Importância Econômica da Soja ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 105

1. Classificação botânica –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 106

Tópico 2: Exigências Climáticas e Ambientais ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 106

1. Água ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 106

2. Exigências térmicas e fotoperiódicas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 107

3. Planejamento do plantio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 109

4. Preparo do solo –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 111

Tópico 3: Morfologia e Fenologia ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 113

1. Morfologia –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 113

2. Estágios fenológicos ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 114

3. Cultivares ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 117

4. Semente ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 117

Tópico 4: Controle de Plantas Daninhas, Pragas e Doenças ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 118

1. Doenças e medidas de controle ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 119

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 121

Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 121

Tema 7: Outros Produtos Brasileiros –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 123

Tópico 1: Grãos, Fibras e Oleaginosas –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 123

1. Algodão ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 123

2. Feijão (em grão) primeira safra –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 124

3. Milho (em grão) primeira safra ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 124

4. Arroz (em casca) ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 125

5. Centeio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 125

6. Trigo –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 125

7. Canola –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

126

Tópico 2: Frutas e Hortaliças –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 126

1. Definição e classificação dos frutos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 127

2. Definição e classificação das hortaliças –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 129

3. Ciclo vital dos frutos e das hortaliças ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 130

4. Planejamento da produção de hortaliças ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 131

5. Planejamento e produção de frutas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 135

Tema 8: Agricultura de Precisão ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 139

Tópico 1: Ferramentas para a Agricultura de Precisão –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 140

1. Fertilizantes e corretivos com apoio do Sistema de Posicionamento

Global GPS –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 140

2. Condutividade elétrica aparente CEa –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 142

3. Sensoriamento remoto SR –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 143

4. Mapa de produtividade –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 144

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 145

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 145

Encerramento da unidade curricular ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 146

Referências –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 147

Gabarito ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 149

Tema

Tema

Tema

Tema

Tema

Tema

Tema

1 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 149

2 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 149

3 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 149

4 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 150

5 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 150

6 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 150

8 –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 150

Introdução à Unidade Curricular

Introdução à Unidade Curricular
Introdução à Unidade Curricular
Introdução à Unidade Curricular

Introdução à Unidade Curricular

Esta unidade curricular apresenta noções importantes sobre a produção vegetal para que você possa desenvolver a habilidade de planejar os principais sistemas de cultivo agrícola a partir do conhecimento de aspectos econômicos, agronômicos e técnicos das três principais commodities cultivadas no Brasil: café, cana-de-açúcar e soja. A partir desse conteúdo, você poderá compreender as peculiaridades do cultivo de grãos, da fruticultura e da horticultura e sua relevância no agronegócio brasileiro.

a
a

Objetivos da unidade curricular

Ao final desta unidade curricular, espera-se que você seja capaz de:

• compreender os aspectos econômicos e agronômicos da produção agrícola;

• conhecer as principais culturas e seus tipos de manejo;

• conhecer as etapas das cadeias produtivas das principais produções agrícolas;

• relacionar os aspectos agronômicos das culturas com a sua importância econômica e social;

• conhecer os princípios da produção Orgânica e da Produção Integrada, e a importância desses tipos de produção como agregação de valor;

• conhecer como vem acontecendo a expansão das fronteiras agrícolas no Brasil e no mundo.

Técnicas de Produção Vegetal

9

Outro tema tratado aqui será a agricultura de precisão, uma vez que a globalização da economia e a competitividade dos produtos agrícolas indicam a necessidade de se obterem produções

10 em níveis cada vez maiores. Isso faz com que a atividade agrícola busque novos métodos e técnicas de produção, aliados à eficiência e ao maior controle dos resultados obtidos no campo para que os agricultores brasileiros continuem competitivos – produzindo cada vez mais com o menor custo de produção.

produzindo cada vez mais com o menor custo de produção. Fonte: Shutterstock Esse é o caminho

Fonte: Shutterstock

Esse é o caminho que você irá trilhar nesta unidade curricular, obtendo conhecimentos essenciais para suas atividades profissionais e pessoais, uma vez que a agricultura está integralmente presente em nossas vidas por meio de vestimentas, alimentação, energia, entre outros.

Bons estudos!

Curso Técnico em Agronegócio

01

Contexto da Agricultura e Sistemas de Produção Sustentável

01 Contexto da Agricultura e Sistemas de Produção Sustentável
01 Contexto da Agricultura e Sistemas de Produção Sustentável
01 Contexto da Agricultura e Sistemas de Produção Sustentável

12

Tema 1: Contexto da Agricultura e Sistemas de Produção Sustentável

Neste tema, você irá, inicialmente, rever a importância da agricultura e a representatividade de seus números para a economia do país. Em seguida, verá conceitos importantes, como

os de sustentabilidade e de produção vegetal, de que maneira se relacionar com os sistemas

sustentáveis de produção agrícola e quais são eles.

Por fim, compreenderá os fundamentos da agrotecnologia no século XXI e como podemos aplicá-los para se obter uma produção agrícola sustentável e rentável economicamente.

Ao final deste tema, você deverá ter desenvolvido as seguintes competências:

relacionar os aspectos econômicos das culturas com práticas de produção vegetal;

identificar sistemas de produção vegetal;

reconhecer os benefícios da produção vegetal sustentável.

Tópico 1: Aspectos Econômicos

A agricultura brasileira e o agronegócio têm experimentado um grande desenvolvimento tecnológico e produtivo, ampliando as exportações e, também, a renda dos produtores, que conseguem oferecer alimentos com melhor qualidade e a menores custos aos consumidores.

A produção agrícola nacional apresentou expansões relevantes nos últimos 15 anos,

contribuindo para que o Produto Interno Bruto – PIB do país registrasse crescimento médio

anual de 3,1% no período.

Curso Técnico em Agronegócio

De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab (2015), a safra 2014/2015 deverá apresentar os seguintes resultados:

Café

Cana-de-

açúcar

Grãos

O Brasil é o maior produtor mundial, com produção média de 45,36 milhões

de sacas de 60 quilos de café beneficiado, cuja área total plantada no país totaliza 2,2 milhões de hectares. Desse total, 323.381,4 hectares (14,3%) estão em formação e 1.933.120 hectares (85,7%) estão em produção.

O país também é o maior produtor mundial, devendo produzir 642,1 milhões

de toneladas de cana-de-açúcar nessa safra em pouco mais de 9 milhões de hectares.

Segundo maior produtor mundial, o país terá produção de 202,18 milhões de toneladas, cuja área plantada será de 57,76 milhões de hectares.

Observe, no gráfico a seguir, a distribuição da produção de diferentes grãos pelo país.

da produção de diferentes grãos pelo país. Milho Total (39.10%) Arroz ( 6.03%) Trigo ( 2.92%)

Milho Total (39.10%) (39.10%)

Arroz (6.03%) 6.03%)

Trigo (2.92%) 2.92%)

Feijão Total (1.65%) (1.65%)

Algodão em caroço (1.18%) 1.18%)

Soja (47.44%) 47.44%)

Demais Produtos*Total (1.65%) Algodão em caroço ( 1.18%) Soja ( 47.44%) 13 (*) Amendoim total, girassol, mamona,

13

(*) Amendoim total, girassol, mamona, sorgo, aveia, canola, centeio, cevada e triticale. Fonte: CONAB (2015, p. 9).

G
G

Atualização

As estimativas e os registros de safra são atualizados periodicamente. Consulte os levantamentos mais recentes no portal da Conab. Você encontra o link para o site no AVA. Acesse e confira!

Técnicas de Produção Vegetal

Tópico 2: Produção Vegetal

14 Em 1797, o economista inglês Thomas Malthus afirmou que a população iria crescer tanto, que seria impossível produzir alimentos suficientes para alimentar o grande número de pessoas no planeta. Para Malthus, a produção de alimentos crescia de forma aritmética, enquanto o crescimento populacional crescia muito mais rapidamente, de forma geométrica.

No entanto, a teoria de Malthus não considerou o desenvolvimento das tecnologias agrícolas, o emprego de fertilizantes, máquinas, implementos e informática, bem como os ganhos propiciados pelo melhoramento genético. Esses avanços otimizaram significativamente a produção.

O conceito técnico de produção, em qualquer uma das inúmeras esferas da atividade humana, relaciona tecnologia, automação, mão de obra, insumos e previsibilidade de acordo com o produto final.

A produção vegetal, em especial, resulta da complexa interação entre o potencial genético da planta, o clima, o solo e diversos fatores ambientais envolvidos no metabolismo vegetal. Dentro da produção vegetal, há ainda uma grande busca por sistemas sustentáveis, ecologicamente corretos, economicamente viáveis, socialmente justos e culturalmente aceitos.

Sustentabilidade

Sustentabilidade é um termo usado para definir ações e atividades humanas que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos sem comprometer o futuro das próximas gerações.

humanos sem comprometer o futuro das próximas gerações. Fonte: Shutterstock Tópico 3: Produção Vegetal

Fonte: Shutterstock

Tópico 3: Produção Vegetal Sustentável

Os sistemas sustentáveis de produção vegetal têm como premissa a utilização racional dos recursos naturais, o reconhecimento da importância dos processos biológicos e a capacidade de contribuir para o desenvolvimento socioeconômico de comunidades rurais.

Curso Técnico em Agronegócio

Esses sistemas associam a produção vegetal à conservação da biodiversidade, contribuindo para a manutenção da rede de interações da produção vegetal com o ecossistema. Para entender melhor, compare, no quadro a seguir, a produção agrícola não sustentável e um sistema agrícola sustentável:

Produção Não Sustentável

Produção Sustentável

Desmate de floresta para iniciar o cultivo agrícola.

Uso de áreas desflorestadas.

Exploração e abandono da área.

Exploração consciente da mesma área.

Novo desmate para novo cultivo.

Preservação de vegetação nativa, nascentes e cursos d’água.

Desrespeito à preservação da vegetação nativa.

Produtividade estagnada.

Aumento da produtividade.

A necessidade de atender à demanda de produção de alimentos e, ao mesmo tempo, manter a qualidade ambiental nos coloca perante um grande desafio: a integração da pre- servação ambiental e dos fatores biológicos nos sistemas de produção, o que é conhecido como “agroecologia”. Nesse sentido, a tecnologia utilizada na agricultura deve otimizar a eficiência biológica visando à produção sustentável dos agroecossistemas, como ilustrado na figura a seguir.

AGRICULTURA SUSTENTÁVEL Herbicidas Plantas Pragas e Peticidas e Manejo Agroecológico Daninhas Doenças
AGRICULTURA SUSTENTÁVEL
Herbicidas
Plantas
Pragas e
Peticidas e
Manejo Agroecológico
Daninhas
Doenças
Biocontrole
PRODUÇÃO
Diagnose
Irrigação
Deficit
Deficiências
AGROSSISTEMA
Fertilização
Manejo Água-Solo
Hídrico
Nutricionais
Inoculantes
CULTURA
Rotação
Sistema de
Genótipo e
Melhoramento
Consorciação
Biotecnologia
Produção
Variedades
Cobertura
FERTILIDADE E QUALIDADE DO SOLO
Corretivos
Cultivos
Uso e manejo
adequeado
Acidez e
Conservacionistas
FLUXO DE
ENERGIA E
DE NUTRIENTES
Fertilizantes
Baixa fertilidade
Reciclagem
ORGANISMOS
BIODIVERSIDADE
PROCESSOS
SOLO E AMBIENTE EDÁFICO

15

Fundamentos da agrotecnologia do século XX: integração de conhecimento para otimizar os processos biológicos do agroecossistema. Fonte: MOREIRA E SIQUEIRA (2006, p. 13).

Técnicas de Produção Vegetal

Observe que o solo é a plataforma operacional dos agrossistemas. Por meio da biota e de seus processos, garante-se o fluxo de nutrientes entre o solo e a vegetação, por isso a importância

16 da adubação e da calagem – elas mantêm a fertilidade adequada. Além do mais, cabe adotar um sistema de plantio conservacionista, reduzindo-se ao mínimo o revolvimento do solo e mantendo-se um rigoroso controle da erosão (MOREIRA E SIQUEIRA, 2006).

Biota

É o conjunto de seres vivos de um ecossistema, o que inclui a flora, a fauna, os fungos e outros grupos de organismos.

As interações e as atividades dos organismos do solo são essenciais para a sustentabilidade do agroecossistema e da produção das culturas. Dentre os fatores que promovem uma produção eficiente, destacam-se: a seleção de genótipos ou cultivares, o manejo da nutrição

mineral, o controle de pragas, doenças e das plantas daninhas, a disponibilidade de água para

a cultura e o sistema de produção. Sem o controle ou a adequação desses fatores, não se consegue uma produção eficiente e sustentável.

d
d

Comentário do autor

Antes de prosseguirmos, vale a pena esclarecer alguns conceitos:

Calagem é a prática utilizada para correção da acidez do solo, neutralização do alumínio e fornecimento de cálcio e magnésio.

Genótipo refere-se à constituição genética, ou seja, o material herdado dos progenitores.

Fenótipo define as características morfológicas, fisiológicas e comportamen- tais de um indivíduo.

Para fazer essa adequação do sistema produtivo, é necessário recorrer a tecnologias como:

melhoramento genético e biotecnologia; adubação de cobertura ou foliar; aplicação de pesticidas ou controle biológico; manejo da água no solo ou irrigação, e sistemas de cultivo, como rotação de culturas, consorciação e uso da cobertura vegetal ou cobertura morta (plantio na palha).

A agricultura brasileira avançou na direção da sustentabilidade ao longo das últimas décadas.

Dentre as alternativas de sistemas de produção sustentável, destacam-se a Agricultura Orgânica, a Produção Integrada Agropecuária, a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, além de várias outras soluções.

Curso Técnico em Agronegócio

Tópico 4: Sistemas de Produção Sustentável

1. Agricultura Orgânica

Quem trabalha no solo deve aprender com a natureza no sentido de observar, planejar, aplicar e avaliar os resultados com o menor impacto possível ao ecossistema.

A Agricultura Orgânica é um sistema de produção agrícola baseado em princípios ecológicos. Ela considera princípios de preservação do meio ambiente que abrangem o manejo adequado dos recursos naturais do solo, a nutrição vegetal, a proteção das plantas e a valorização dos recursos humanos.

O sistema orgânico dispensa o emprego de insumos agroquímicos agressivos, sendo uma tecnologia de processo, pois leva em consideração a relação solo-planta-ambiente, utilizando os recursos disponíveis no local ou na região (adubação orgânica, proteção das plantas etc.). Nesse sentido, não se utilizam sementes, mudas e transgênicos (organismos geneticamente modificados), assim como evitam-se aditivos químicos, coadjuvantes de fabricação e outros produtos geneticamente modificados.

Procura-se utilizar sementes nativas, rústicas e resistentes, adubação natural (esterco etc.), controle natural de pragas e outras técnicas que não agridem o meio ambiente. No manejo do solo, por exemplo, adotam-se a rotação e a consorciação de culturas, incluindo princípios alelopáticos – trabalhando com espécies, variedades e raças nativas já adaptadas ao local.

Alelopatia

Fenômeno de liberação de substâncias químicas pelas próprias plantas no meio ambiente que provocam efeitos estimulantes ou inibitórios na germinação, no crescimento e no desenvolvimento de outras plantas.

17

Confira algumas práticas envolvidas no sistema de produção orgânica:

práticas envolvidas no sistema de produção orgânica: Em áreas em que esteja plantada uma só espécie

Em áreas em que esteja plantada uma só espécie vegetal, deverão ser plantadas outras espécies, de preferência árvores nativas, para evitar a monocultura e estimular a biodiversidade vegetal.práticas envolvidas no sistema de produção orgânica: O solo deve proporcionar os nutrientes para as plantas

O solo deve proporcionar os nutrientes para as plantas por meio da regeneração de sua fertilidade, dando-se preferência aos adubos orgânicos e minerais de lenta liberação dos nutrientes. Não poderá haver agroquímicos ou adubos químicos solúveis nas propriedades orgânicas.árvores nativas, para evitar a monocultura e estimular a biodiversidade vegetal. Técnicas de Produção Vegetal

Técnicas de Produção Vegetal

18

As plantas nativas são consideradas parte do ecossistema – elas devem ser manejadas, e não

As plantas nativas são consideradas parte do ecossistema – elas devem ser manejadas, e não erradicadas.

Devem-se promover a diversificação de culturas, a integração de atividades agrícolas e agroindústria, e o

Devem-se promover a diversificação de culturas, a integração de atividades agrícolas e agroindústria, e o aproveitamento comercial dos subprodutos e dos resíduos das culturas.

A unidade de produção deve estar atenta às condições de armazenamento,

A

unidade de produção deve estar atenta às condições de armazenamento,

transporte e comercialização dos produtos segundo os critérios da legislação vigente.

A unidade de produção orgânica deve possibilitar a visita de consumidores

A

unidade de produção orgânica deve possibilitar a visita de consumidores

interessados em conhecer o processo e as condições de produção.

Uma exploração orgânica, para ser economicamente viável, deve estar atenta à sua comercialização observando três fatores básicos: quantidade produzida, continuidade da produção e qualidade, sendo igualmente importantes e inseparáveis. A escolha da espécie a ser cultivada deve levar em consideração as características edafoclimáticas (de solo, clima e chuvas) e a proximidade dos centros consumidores.

clima e chuvas) e a proximidade dos centros consumidores. Fonte: Shutterstock As regiões próximas aos grandes

Fonte: Shutterstock

As regiões próximas aos grandes centros consumidores sofrem grande especulação imobiliá- ria, levando, muitas vezes, o produtor a procurar áreas mais baratas. Contudo, quando o local de produção é distante dos centros de consumo e comercialização, fazem-se necessários o transporte e a conservação em frio (câmaras frigoríficas), com aumento das perdas e, logo, com aumento dos custos de produção e de comercialização.

Curso Técnico em Agronegócio

Em 2012, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA estimou no Brasil, no mínimo, 11.500 unidades de produção controlada ligadas aos sistemas produtivos de produtos orgânicos, incluindo propriedades rurais e estabelecimentos de processamento de orgânicos.

O
O

Informações extras

Os critérios de produção orgânica são monitorados. Para vender um produto como “orgânico”, é preciso obter certificação. Acesse o AVA e saiba mais sobre o assunto.

Atualmente, o Brasil conta com 1,5 milhão de hectares com certificação orgânica, sendo o Estado do Mato Grosso o campeão em área, com 622.800 hectares, seguido do Pará, com 602.600 hectares, e do Amapá, com 132.500 hectares. Porém, se analisarmos o número de produtores que trabalham com certificação orgânica, o Pará se destaca, com cerca de 3.300 produtores, seguido do Rio Grande do Sul, com 1.200, do Piauí, com 768, de São Paulo, com 741, e do Mato Grosso, com 691. Veja, no infográfico a seguir, alguns dados sobre os produtos orgânicos mais representativos de cada região.

sobre os produtos orgânicos mais representativos de cada região. Fonte: MAPA (2015). Técnicas de Produção Vegetal

Fonte: MAPA (2015).

Técnicas de Produção Vegetal

19

20

2. Produção Integrada Agropecuária

A Produção Integrada – PI é um sistema moderno baseado em boas práticas agropecuárias.

Ela contribui para o desenvolvimento humano, levando em conta a segurança do trabalhador, a legislação trabalhista, a qualidade de vida dos produtores e das comunidades, a conservação do meio ambiente (especialmente, solo e água), a sanidade e o bem-estar dos animais. Esse sistema de produção é muito demandado pelos compradores internacionais.

O sistema resulta em alimentos seguros, principalmente para o consumo humano, com

monitoramento em todas as etapas de produção, análise de resíduos de agrotóxicos e uso de tecnologias apropriadas que otimizam o modo de trabalhar. Esses procedimentos permitem

a continuidade do sistema produtivo, com sustentabilidade ao longo dos anos, e elevam os padrões de qualidade e competitividade dos produtos ao patamar de excelência.

O
O

Informações extras

A Produção Integrada Agropecuária no Brasil vem de 2010, quando o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA editou a Instrução Normativa nº 27, a qual ampliou as diretrizes da Produção Integrada de Frutas – PIF para as demais cadeias do agronegócio, inclusive a cadeia agropecuária. Essa instrução instituiu e validou normas técnicas específicas para se obter o selo oficial de certificação em produtos de origens animal e vegetal.

As regras para a Produção Integrada estão relacionadas a capacitação de trabalhadores rurais,

manejo, responsabilidade ambiental, segurança alimentar e do trabalho, e rastreabilidade, sendo esta uma das etapas significativas do sistema. Com acompanhamento e gerenciamento

de todas as fases, da colheita até as gôndolas do comércio varejista, é possível assegurar que

o processo é sustentável, o que preserva seus nutrientes e a qualidade.

Os seguintes produtos estão credenciados para a Produção Integrada: algodão, tabaco, cana-de-açúcar, milho, hortaliças folhosas, guaraná, anonáceas, morango, rosas, citros e flores tropicais, amendoim, arroz, batata, café, mangaba, tomate (mesa e indústria), feijão, mandioca, gengibre, inhame, taro, trigo, ovinos, mel, leite, cacau, borracha, pimentão, oliveira, ervas aromáticas, entre outros.

Como exemplo de sucesso, o Vale do Rio São Francisco, onde o sistema é bastante utilizado (juntamente com os estados do Rio Grande do Norte e do Ceará), é responsável por 40% dos mais de 600 milhões de dólares exportados em 2010. Isso demonstra como a Produção Integrada é fundamental, considerando o alto grau de exigência imposto pelos mercados europeus, que aceitam e recomendam o sistema.

Curso Técnico em Agronegócio

d
d

Comentário do autor

A adesão à Produção Integrada é voluntária, e o produtor que optar pelo sistema terá de cumprir as orientações estabelecidas. Para isso, pode-se acessar o site do MAPA ou contatar o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

– Inmetro para saber como adotar esse sistema de produção e verificar se o

produto que deseja produzir já possui norma técnica publicada. Se tiver, então

o Inmetro fornecerá a lista de empresas credenciadas para certificar aquele produto em Produção Integrada.

3. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta – iLPF

O sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta – iLPF é uma atividade em crescimento, inclusive nas áreas de agricultura familiar. Esse sistema é uma denominação coletiva para sistemas de uso da terra e práticas agrícolas nos quais se integram espécies lenhosas perenes (eucalipto e pínus, por exemplo) com cultivos anuais e/ou animais na mesma unidade de manejo da terra.

De acordo com a natureza de seus componentes, existem as seguintes modalidades de sistemas iLPF:

Agrossilvipastoril

Sistema que utiliza o consórcio entre as produções agrícola, florestal e animal.

Agropastoril

Sistema que usa o consórcio entre a produção de culturas anuais e a produção animal.

Silvipastoril

Sistema que utiliza o consórcio entre a produção florestal e a produção animal.

Agroflorestal

Sistema que usa o consórcio entre as produções agrícola e florestal.

g
g

Saiba mais sobre o sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta assistindo ao vídeo disponível no AVA.

Técnicas de Produção Vegetal

21

Encerramento do tema

22 Neste tema, você se atualizou com relação a alguns aspectos econômicos das principais cul- turas agrícolas e suas representatividades no cenário do agronegócio brasileiro, e aprendeu o conceito de produção vegetal, o que é sistema de produção sustentável e quais são seus tipos (Agricultura Orgânica, Produção Integrada Agropecuária e Integração Lavoura-Pecuária-Flo- resta e suas modalidades), além de conceitos importantes, tais como ecossistema e agroecos- sistema. No próximo tema, abordaremos os fatores que são a base da produção vegetal – o sistema solo-planta-atmosfera.

Atividade de aprendizagem

1. Na teoria de Malthus, a produção de alimentos crescia de forma aritmética, enquanto o crescimento populacional crescia de forma alarmante. No entanto, essa previsão não se confirmou. Por quê?

a) Porque ele não contava com o desenvolvimento da tecnologia agrícola, com o emprego de fertilizantes, com o melhoramento genético, entre outros fatores que levam ao desenvolvimento da agricultura.

b) Porque a população parou de crescer de forma alarmante.

c) Porque a produção de alimentos cresceu somente a partir do emprego de fertilizantes.

d) Porque o melhoramento genético foi o único fator que contribuiu para o desenvolvimento da agricultura.

2. Quais são as premissas dos sistemas sustentáveis de produção vegetal?

a) Convencional, cultivo mínimo e plantio direto.

b) Convencional, Agricultura Orgânica e Produção Integrada Agropecuária.

c) Convencional, Agricultura Orgânica e Produção Integração Lavoura-Pecuária-Floresta.

d) Agricultura Orgânica, Produção Integrada Agropecuária e Integração Lavoura-Pecuária- Floresta.

Curso Técnico em Agronegócio

02

Sistema Solo-Planta-Atmosfera

02 Sistema Solo-Planta-Atmosfera
02 Sistema Solo-Planta-Atmosfera
02 Sistema Solo-Planta-Atmosfera

24

Tema 2: Sistema Solo-Planta-Atmosfera

Este tema é de fundamental importância para que se entenda a produção vegetal em geral. A partir dos conceitos e das explicações aqui abordados, será mais fácil entender os aspectos agronômicos das principais culturas agrícolas do país.

O ecossistema é o conjunto formado por todos os fatores bióticos (diversas populações de plantas, animais e microrganismos) e abióticos (água, sol, vento e fatores químicos e físicos do solo). Um agroecossistema é o conjunto de todos esses fatores somado à presença de pelo menos uma espécie agrícola e que conta com a atuação do homem para desenvolvê-la. Você verá, neste tema, que a alteração de um único elemento desses fatores pode causar modificações em todo o sistema, levando à perda do equilíbrio existente.

Este tema foi elaborado para que você desenvolva as seguintes competências:

identificar a importância do sistema solo-planta-atmosfera;

analisar o papel do solo na nutrição das plantas;

conhecer os principais fertilizantes e técnicas de manejo de solo.

Tópico 1: Solo, Planta e Atmosfera

Um sistema deve ser ao mesmo tempo equilibrado e dinâmico. Isso significa que, apesar das mudanças e do movimento, o equilíbrio se mantém com o tempo. Para manter esse equilíbrio dinâmico, todos os ecossistemas requerem quatro elementos básicos:

1. substâncias inorgânicas: gases, minerais e íons;

2. plantas: que convertem as substâncias inorgânicas em alimentos;

3. consumidores (animais e humanos): que utilizam os alimentos;

Curso Técnico em Agronegócio

4. decompositores (microrganismos): que transformam o protoplasma, ou material bioló- gico, em substâncias que possam ser reutilizadas por plantas, consumidores e também pelos próprios decompositores, fechando assim o ciclo.

Em geral, apenas as plantas possuem a capacidade de usar a energia solar e produzir tecido vivo. O reino vegetal sustenta o reino animal, e ambos deixam seus restos para os decompositores. O uso eficiente dos produtos de decomposição pela natureza é também fator fundamental na formação do solo.

Esse processo é tão delicado e complexo que se estima que a formação de alguns centímetros de solo fértil leve séculos.

Os ecossistemas são regidos por uma série de leis fundamentais à manutenção do equilíbrio da vida. Uma delas é a adaptação: cada espécie encontra um lugar preciso no ecossistema que lhe fornece alimento e ambiente. Ao mesmo tempo, todas as espécies têm o poder defensivo de se multiplicar mais rapidamente que a sua própria taxa de mortalidade. Como resultado, predadores tornam-se necessários para manter a população dentro dos limites de sua disponibilidade de alimento. A diversidade também é outra lei necessária – quanto mais espécies diferentes existirem em uma área, menor será a chance de uma delas proliferar e dominar a região. A diversidade é a tática de sobrevivência na natureza.

A diversidade é a tática de sobrevivência na natureza. O sistema solo-planta-atmosfera, como parte da biosfera,

O sistema solo-planta-atmosfera, como parte da biosfera, está sujeito a todas essas leis e princípios. Do ponto de vista do homem, esse sistema fornece substâncias inorgânicas, é responsável pela produção de seus alimentos e faz o processo de decomposição que permite que o ciclo se feche. Entretanto, o homem tem violado as leis do equilíbrio e tem ameaçado tanto a natureza como sua própria existência no planeta.

25

O principal fator de desequilíbrio é a explosão demográfica, que contraria a lei da diversidade da natureza. A enorme população do planeta e sua elevada taxa de crescimento é o funda- mento de uma série de outros problemas que ameaçam os ecossistemas, dentre os quais se destaca a poluição ambiental. As fontes de poluição podem ser as mais variadas possíveis:

urbana: esgoto e lixo, principalmente;

industrial: efluentes inorgânicos e orgânicos, calor, queima de combustíveis fósseis;

energética: queima de combustíveis fósseis, com carros, caminhões, motos etc.;

agrícola: adubos, pesticidas, inseticidas, herbicidas e erosão;

resíduos radioativos: usinas nucleares, equipamentos hospitalares etc.;

grandes obras: intervenções nos ecossistemas e geração de resíduos.

No sistema solo-planta-atmosfera, cada constituinte sofre uma influência típica do homem. Em primeiro lugar, trataremos da água.

Técnicas de Produção Vegetal

26

1. Água

A água é essencial à vida. Ela é encontrada na face da Terra em maiores quantidades do que

qualquer outra substância, todavia, apenas 3% da água do planeta não é salgada.

Distribuição de água na Terra

Distribuição de água doce na Terra

de água na Terra Distribuição de água doce na Terra Água doce (2%) Água salgada (98%)

Água doce (2%)de água na Terra Distribuição de água doce na Terra Água salgada (98%) Distribuição da água

Água salgada (98%)Terra Distribuição de água doce na Terra Água doce (2%) Distribuição da água na Terra |

de água doce na Terra Água doce (2%) Água salgada (98%) Distribuição da água na Terra

Distribuição da água na Terra | Distribuição da água doce na Terra Fonte: STIKKER (1998).

Prontamente disponíveis (0,3%)Distribuição da água doce na Terra Fonte: STIKKER (1998). Não prontamente disponíveis (0,9%) Subterrâneas (30%)

Não prontamente disponíveis (0,9%)Terra Fonte: STIKKER (1998). Prontamente disponíveis (0,3%) Subterrâneas (30%) Geleiras (69%) Das águas prontamente

Subterrâneas (30%)disponíveis (0,3%) Não prontamente disponíveis (0,9%) Geleiras (69%) Das águas prontamente disponíveis, 65% são

Geleiras (69%)Não prontamente disponíveis (0,9%) Subterrâneas (30%) Das águas prontamente disponíveis, 65% são utilizados

Das águas prontamente disponíveis, 65% são utilizados pelas atividades agrícolas; 22%, pela in- dústria; e 7%, pelos municípios/cidades, sendo perdidos os 6% restantes. É importante destacar que, quando falamos em águas prontamente disponíveis, estamos tratando da quantidade de água que sobra depois de atendidos o consumo humano e a dessedentação de animais.

Isso significa que a agricultura utiliza 65% do excedente de água, que seria, de forma geral, destinado aos oceanos. Dessa forma, o consumo de água na agropecuária não pode ser considerado responsável pela falta de abastecimento em outros locais.

A água é uma das substâncias mais importantes para os processos vitais e físico-químicos.

Em mais de dois terços de nosso planeta, a água está nas formas líquida e sólida. Na forma gasosa, é constituinte da atmosfera, estando presente em toda parte. Sem a água, não seria possível a vida como a conhecemos. Os organismos vivos originaram-se em meio aquoso e se tornaram absolutamente dependentes dele no decurso de sua evolução. A água constitui 95% do protoplasma (materiais biológicos vivos) em seu peso total. No protoplasma, ela participa de diversas reações metabólicas, como a fotossíntese, por exemplo.

Como solvente universal, possibilita a maioria das reações químicas. Nas plantas, tem a função de manter a turgor celular, que é a força exercida pela água em uma célula, de dentro para fora, contra a parede celular de uma planta, sendo responsável pelo crescimento vegetal.

Assim como os animais, algumas culturas demandam grande quantidade de água nos seus processos fisiológicos. O arroz e a soja, por exemplo, necessitam de cerca de duas mil toneladas de água por tonelada de grãos. Já o trigo e o milho consomem mil toneladas de água por tonelada de grão.

Curso Técnico em Agronegócio

`
`

Atenção

O uso de água, nesse caso, é considerado não consuntivo. Isso significa que a água utilizada retorna à fonte de suprimento quase que em sua totalidade. Ou seja, o consumo para o cultivo é apenas uma etapa no ciclo da água, servindo a agricultura, muitas vezes, como um filtro natural, que elimina muitos de seus contaminantes. Não é por menos que a agricultura irrigada se torna um possível destino de águas residuárias de várias origens.

A qualidade dos resíduos é o grande diferencial da água utilizada na agricultura. Diferente- mente dos usos humano e industrial, que geram água de baixíssima qualidade, na agricultura bem feita, ela volta limpa. Além disso, o uso da irrigação na agricultura favorece a terceira safra no país, contribuindo para a produção de alimentos durante todo o ano.

As técnicas de irrigação nas culturas com maior volume de produção, como o milho e a soja, permitiram que a produção agrícola tivesse crescimento significativo nos últimos anos. A produtividade da agricultura irrigada brasileira chega a ser três vezes maior que a obtida com a agricultura tradicional. Em termos econômicos, o ganho com a irrigação é ainda mais expressivo: a produtividade na venda dos produtos irrigados é cerca de sete vezes maior.

Atualmente, segundo dados da Agência Nacional de Águas – ANA, são 5,5 milhões de hectares irrigados no país. Observe, na figura a seguir, as culturas e os estados com mais áreas irrigadas.

seguir, as culturas e os estados com mais áreas irrigadas. Cana-de-açúcar Bahia 1,7 milhão de hectares
seguir, as culturas e os estados com mais áreas irrigadas. Cana-de-açúcar Bahia 1,7 milhão de hectares
Cana-de-açúcar Bahia 1,7 milhão de hectares 299 mil hectares INFOGRÁFICO Arroz em casca 1,1 milhão
Cana-de-açúcar
Bahia
1,7 milhão de hectares
299 mil hectares
INFOGRÁFICO
Arroz em casca
1,1 milhão de hectares
Soja
624 mil hectares
Minas Gerais
Goiás
525 mil hectares
270 mil hectares
São Paulo
Milho em grão
770 mil hectares
559 mil hectares
Rio Grande do Sul
984 mil hectares
Feijão de cor
195 mil hectares
559 mil hectares Rio Grande do Sul 984 mil hectares Feijão de cor 195 mil hectares

Técnicas de Produção Vegetal

27

28

Se considerarmos toda a água captada no país, 72% vão para a agricultura – o que condiz com a média mundial, de 70%. Mesmo considerando que essa água retorna, de certa forma, limpa para

o ambiente, evitar o desperdício é preocupação constante. Nesse sentido, o governo, a Agência Nacional de Águas – ANA e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa têm desenvolvido ações e projetos para regulamentar e incentivar o consumo consciente de água.

Apesar de ainda apresentar altos índices de desperdício, o Brasil está à frente de muitos países considerados desenvolvidos quando se trata de ações para gerenciar o uso racional da água. A Agência Nacional de Águas, criada como desdobramento da Lei nº 9.443/97 (Lei das Águas), possui características institucionais e operacionais um pouco diferentes das demais

agências reguladoras. A legislação atribuiu ao Poder Executivo federal a tarefa de implementar

o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos – Singreh e a Política Nacional

de Recursos Hídricos. A ANA vem regulamentando os usos atuais e futuros de água e dos barramentos, e fomentando a instalação de comitês de manejo de bacias hidrográficas, que têm a participação de toda a sociedade civil no processo decisório.

O governo federal também tem investido no aperfeiçoamento e na ampliação da área irrigada

no Brasil por meio de projetos que beneficiam agricultores familiares e aumentam a oferta de produtos. Entre as iniciativas desenvolvidas está o Programa Mais Irrigação, com investimentos de R$ 10 bilhões, em recursos federais e parcerias com a iniciativa privada, para aumentar a eficiência das áreas irrigáveis e incentivar a criação de polos de desenvolvimento.

e incentivar a criação de polos de desenvolvimento. Fonte: Shutterstock Em outra frente, há o incentivo

Fonte: Shutterstock

Em outra frente, há o incentivo para que cada estado elabore planos diretores de irrigação, com indicadores, metas e prioridades para a agricultura irrigada. Esse é um instrumento estra- tégico para a política pública voltada para o setor. Com a Política Nacional de Irrigação, estra- tégias para o desenvolvimento da agricultura irrigada são estabelecidas, visando o aumento da produtividade de forma sustentável e a redução de riscos climáticos para a agropecuária.

Curso Técnico em Agronegócio

Mesmo sendo responsável por 72% da captação de água, a agricultura pode reduzir o uso

Mesmo sendo responsável por 72% da captação de água, a agricultura pode reduzir o uso em 20% com boas práticas (EMBRAPA, 2015).

Dois exemplos do benefício da irrigação são a fruticultura irrigada, no Nordeste, que permite

o desenvolvimento de polos regionais de produção e exportação, e as lavouras de arroz, no

Rio Grande do Sul. Para isso, conta-se com uma técnica chamada de “reservação”, que prevê

a distribuição adequada de água ao longo do ano.

d
d

Comentário do autor

A regulamentação no uso da água e o licenciamento ambiental, embora sejam imprescindíveis para a sustentabilidade, ainda encontram resistência em serem adotados por grande parte dos usuários. Entre os motivos está a forma impositiva da regulação, a burocracia e o trabalho que o produtor rural tem para regularizar a sua situação. Você vivenciou ou conhece alguém que buscou essa adequação? Como você acha que podemos melhorar a conscientização dos produtores?

2. Solo

O solo é a camada mais externa e agricultável da superfície terrestre. Origina-se de rochas por ação de processos físicos, químicos e biológicos de desintegração, decomposição e recombinação, que podem levar milhões de anos. Existem cinco fatores na formação do solo:

material de origem (rocha), tempo (idade), clima, topografia e organismos vivos.

g
g

No AVA, você encontra um vídeo sobre as características do solo e suas formação e importância. Acesse e confira!

29

Moreira e outros autores (2013), no livro O ecossistema solo, dizem que o solo é um material solto, macio, que cobre a superfície da Terra como a casca cobre a laranja. No entanto, ao contrário da casca da laranja, que apresenta superfície relativamente uniforme, os solos se diferenciam muito na superfície da Terra, tanto em relação à espessura, quanto em relação às suas características, como: cor, quantidade e organização de partículas (argila, silte e areia), fertilidade (capacidade em suprir nutrientes e água, e favorecer o crescimento das plantas), porosidade (quantidade e arranjamento dos poros), entre outras características. São constituídos por água, ar e materiais minerais e orgânicos, contendo ainda organismos vivos.

Existem diferentes classes de solos na natureza de acordo com suas características e perfis. No Brasil, temos o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos, publicado originalmente pela Embrapa em 1999 e que está em constante atualização. Os solos mais comuns no Brasil são os latossolos e os argissolos, que ocupam aproximadamente 60% das terras brasileiras.

Técnicas de Produção Vegetal

30

Latossolos

São de textura variável, de média a muito argilosa, geralmente bastante profundos, porosos, macios e permeáveis, apresentando pequena diferença no teor de argila entre os horizontes superficiais e subsuperficiais do solo, sendo, comumente, de baixa fertilidade natural. Geralmente, não apresentam variação da cor e de textura à medida que aprofundamos no perfil do solo.

Argissolos

Formam um grupo de solos bastante heterogêneos, os quais, em geral, têm em comum um aumento substancial no teor de argila em profundidade. São bem-estruturados, apresentam profundidade variável e cores predominantemente avermelhadas ou amareladas no horizonte B, com textura variando de arenosa a argilosa nos horizontes superficiais e de média a muito argilosa naqueles mais profundos. Sua fertilidade é variada, no entanto, predominam aqueles de baixa fertilidade natural.

Os solos apresentam quatro funções básicas no ambiente de produção vegetal:

1. Suporte: o solo sustenta o crescimento das plantas, fornecendo suporte mecânico, água

e nutrientes para as raízes, que, posteriormente, distribuem para a planta inteira e são

essenciais à sua existência. O solo, por meio de suas características, pode determinar os

tipos de vegetação e sua produtividade.

2. Controle da água: as características do solo determinam o destino da água na superfície da terra. A perda de água, a sua utilização, a contaminação e a purificação são afetadas pelo solo.

3. Reciclagem: o solo desempenha papel essencial na reciclagem de nutrientes e na produção de matéria orgânica ou húmus.

4. Habitat : um punhado de solo pode conter milhões de organismos vivos e mortos, que

influenciam nas suas características, como a porosidade, que é responsável pelo movimento

e pela manutenção da água e do ar no solo.

Define-se a qualidade do solo pela sua capacidade em sustentar a produtividade biológica, manter a qualidade ambiental e promover a saúde vegetal e animal. Para isso, conta-se com indicadores físicos, químicos e biológicos.

Indicadores da qualidade física

Textura, estrutura, agregação, densidade, profundidade e porosidade (relacionada com a aeração, a infiltração e a disponibilidade de água).

Indicadores da qualidade química

Capacidade de Troca de Cátions – CTC, pH, teor de matéria orgânica, disponibilidade de nutrientes e elementos tóxicos do solo – por serem relativamente fáceis de avaliar.

Indicadores

Podem ser observados pela biomassa, pela respiração microbiana e pela atividade de determinadas enzimas relacionadas a elementos importantes (carbono, fósforo, nitrogênio e enxofre).

de qualidade

biológica

Curso Técnico em Agronegócio

Todos os componentes químicos, físicos e biológicos do solo estão diretamente relacionados, de modo que a alteração de qualquer um deles pelos diversos tipos de manejo, assim como pelo clima, pode levar a alterações em menor ou maior grau nos demais, com reflexo na qualidade do solo e na produção vegetal.

Aproximadamente, a metade do volume do solo consiste de espaços vazios (poros) de tama- nhos variados, que podem ser preenchidos com água ou ar. A água do solo contém centenas de substâncias orgânicas ou inorgânicas, por isso é denominada de solução do solo. É por meio dessa solução que as plantas absorvem a maioria dos nutrientes.

A figura a seguir mostra o volume que cada um dos componentes (ar, água, partículas orgânicas

e minerais) deveria ocupar para o bom crescimento das plantas.

minerais) deveria ocupar para o bom crescimento das plantas. Partículas orgânicas (5%) Ar (25%) Água (25%)

Partículas orgânicas (5%)minerais) deveria ocupar para o bom crescimento das plantas. Ar (25%) Água (25%) Partículas Minerais (45%)

Ar (25%)o bom crescimento das plantas. Partículas orgânicas (5%) Água (25%) Partículas Minerais (45%) Distribuição ideal

Água (25%)das plantas. Partículas orgânicas (5%) Ar (25%) Partículas Minerais (45%) Distribuição ideal dos quatro

Partículas Minerais (45%)plantas. Partículas orgânicas (5%) Ar (25%) Água (25%) Distribuição ideal dos quatro constituintes do solo para

Distribuição ideal dos quatro constituintes do solo para o bom crescimento das plantas

Esses quatro componentes interagem entre si, determinando a natureza do solo: solos bons são aqueles que contêm conteúdos similares de água e ar, ocupando aproximadamente metade de seu volume. A quantidade de água que entra no solo, por meio das chuvas, irá controlar a quantidade de ar, expulsando-o para a atmosfera. A água no solo é atraída pelas partículas minerais (principalmente argilas), o que determina seu movimento e sua disponibilidade para as raízes das plantas. As partículas orgânicas, por atuarem como uma

cola que une as partículas minerais do solo em agregados, influenciam o tamanho dos poros

e a quantidade de água e de ar presentes em um determinado solo.

31

Para estabelecer a aptidão agrícola e o potencial produtivo de uma região ou área para

determinada cultura, faz-se um levantamento de informações relativas ao tipo, à característica

e à distribuição dos solos nas paisagens, com estudos de clima e relevo regionais. Assim,

pode-se decidir o que plantar e estimar a produtividade de uma cultura para cada tipo de solo sob determinadas condições climáticas (temperatura, chuva etc.).

Técnicas de Produção Vegetal

32

c
c

Leitura complementar

Para saber mais sobre esse assunto, você pode consultar os boletins da Embrapa – eles contêm informações relevantes quanto à aptidão agrícola dos solos no Brasil. Confira como acessá-los no AVA.

dos solos no Brasil. Confira como acessá-los no AVA. Fonte: Shutterstock 3. Planta O desenvolvimento dos

Fonte: Shutterstock

3. Planta

O desenvolvimento dos vegetais ocorre na atmosfera próxima ao solo, sendo este o seu apoio, a sua base. Para o seu desenvolvimento, o sistema radicular absorve água e nutrientes (presentes no solo ou aqueles que foram disponibilizados via adubação), subdivididos em:

Macronutrientes

Macronutrientes

Nitrogênio – N (NO 3 - e NH 4 + )

Potássio – K (K + )

Magnésio – Mg (Mg 2+ )

Fósforo – P (H 2 PO 4 - e HPO)

Cálcio – Ca (Ca + )

Enxofre – S (SO 4 - )

Esses elementos são essenciais para o crescimento e o desenvolvimento das plantas – sem eles,

Esses elementos são essenciais para o crescimento e o desenvolvimento das plantas – sem eles, a planta não completa seu ciclo de vida. São denominados macronutrientes não por serem os mais importantes, mas sim por serem absorvidos em maior quantidade.

Curso Técnico em Agronegócio

Micronutrientes

Micronutrientes

Zinco – Zn (Zn 2+ )

Manganês – Mn (Mn 2+ )

Boro – B (H 3 BO 3 )

Cloro – Cl (Cl - )

Cobre – Cu (Cu 2+ )

Ferro – Fe (Fe 2+ )

Molibdênio – Mo (MoO 4 2- )

Níquel – (Ni 2+ )

Os micronutrientes também são elementos essenciais, porém absorvidos e necessitados em quantidades muito baixas.

Os micronutrientes também são elementos essenciais, porém absorvidos e necessitados em quantidades muito baixas.

São essenciais ainda o carbono (C), o oxigênio (O) e o hidrogênio (H). Além disso, o cobalto

– Co (Co 2+ ) é importante para as leguminosas; o silício – Si (SiO 3 - ) e o níquel – Ni (Ni 2+ ) são encontrados nos tecidos vegetais.

O carbono, o oxigênio e o hidrogênio não são fornecidos via adubação. Você sabe como a

planta os absorve? A parte aérea da planta, composta pelas folhas, é que faz esse papel, especificamente por meio dos estômatos (estruturas celulares presentes na parte inferior das folhas), que têm a função de realizar trocas gasosas entre a planta e o meio ambiente. No processo, entra o gás carbônico (CO 2 ), que participa da fotossíntese – a síntese de açúcares realizada a partir da energia solar, processo por meio do qual as plantas verdes transformam energia radiante do sol (eletromagnética) em energia química.

A energia química resultante é utilizada pelas células vegetais em vários processos metabólicos.

A matéria orgânica produzida é o carboidrato, e os agentes de absorção da luz solar são

os pigmentos (clorofila) que ocorrem nos cloroplastos das plantas superiores. Observe essa

dinâmica na figura a seguir.

33

Técnicas de Produção Vegetal

SAIS MINERAIS

34

FOTOSSÍNTESE Síntese da GLICOSE (açúcar) CO2 O2 CASCA 1 2 RESPIRAÇÃO CAULE Oxidação da GLICOSE
FOTOSSÍNTESE
Síntese da GLICOSE
(açúcar)
CO2 O2
CASCA
1
2
RESPIRAÇÃO
CAULE
Oxidação da GLICOSE
(açúcar)
1
FLOEMA
2
Desce a seiva elaborada
XILEMA
Sobe a seiva bruta
ÁGUA
1 2
1
2
N P K
N
P K
Ca Mg S Cl Cu B Mn Fe Mo Zn
Ca Mg
S
Cl
Cu
B
Mn
Fe
Mo
Zn

MACRONUTRIENTES PRIMÁRIOS

Nitrogênio / Fósforo / Potássio

MACRONUTRIENTES SECUNDÁRIOS

Cálcio / Magnésio / Enxofre

MICRONUTRIENTES

Cloro / Cobre / Boro Manganês / Ferro / Molibdênio / Zinco

O2

CO2

O principal ciclo fotossintético de produção de carboidratos é o Calvin, com a formação do ácido fosfoglicérico – PGA, um açúcar com três carbonos. Por isso, plantas que seguem esse ciclo são denominadas plantas C 3 . Outro grupo de plantas, entre as quais algumas gramíneas tropicais, tais como cana-de-açúcar, milho e sorgo, e outras espécies de plantas adaptadas ao clima árido seguem uma variação do ciclo de Calvin e produzem o oxalacetato, ou malato ou aspartato (depende da espécie), um carboidrato com quatro carbonos, e são denominadas plantas C 4 . Existe, ainda, o metabolismo ácido das crassuláceas – CAM, cujo nome se deve ao fato de ser primeiro encontrado nas crassuláceas. Essa rota de fixação do CO 2 é muito comum nas famílias Agavaceae, Bromeliaceae, Cactaceae, Euphorbiaceae, Liliaceae e Orchidaceae.

Curso Técnico em Agronegócio

d
d

Comentário do autor

A família das crassuláceas abarca importantes gêneros de plantas suculentas, com várias espécies conhecidas no paisagismo. Saiba mais sobre essa e outras famílias apresentadas aqui acessando os links disponíveis no AVA.

Nas plantas de metabolismo C 4 , o primeiro metabólito a ser sintetizado pela fixação do CO 2 , que ocorre durante o dia, é o ácido oxalacetato. Nas plantas com metabolismo CAM, os processos de fixação, via PEPcase e Rubisco, ocorrem durante a noite, quando os estômatos estão abertos. Durante o dia, os estômatos se fecham para minimizar a perda de água.

Várias espécies que habitam em ambientes áridos e quentes apresentam o metabolismo CAM,

o que permite a manutenção do balanço positivo de carbono nos seus tecidos. Os cactos, o

abacaxi, as pitaias e as orquídeas são exemplos típicos de plantas com esse comportamento.

A

eficiência fotossintética varia significativamente entre plantas com metabolismo tipo C 3 , C 4

e

CAM de fixação de CO 2 atmosférico. As plantas C 4 são mais eficientes fotossinteticamente,

dentre as quais se destacam o milho, a cana-de-açúcar, o sorgo e os capins tropicais. As plantas C 3 , menos eficientes, incluem arroz, feijão, trigo, soja, algodão, amendoim, batata e mandioca.

Soja, planta C 3

Cana-de-açúcar, planta C 4

Cactáceas, plantas CAM

Soja, planta C 3 Cana-de-açúcar, planta C 4 Cactáceas, plantas CAM
Soja, planta C 3 Cana-de-açúcar, planta C 4 Cactáceas, plantas CAM
Soja, planta C 3 Cana-de-açúcar, planta C 4 Cactáceas, plantas CAM

35

Enquanto a planta cresce, ela se desenvolve. O conceito de “crescimento” refere-se mais ao tamanho da planta, enquanto que “desenvolvimento” envolve diferenciação. A planta passa por diversos estágios e fases até fechar o ciclo reprodutivo, produzindo sementes que perpetuarão a espécie. De forma genérica, fala-se em fase vegetativa, floração, frutificação, maturação e senescência.

Fases são períodos do ciclo da vida das plantas e não podem ser confundidos com estágios, que são momentos.

A descrição das fases e dos estágios é denominada fenologia. Importante, ainda, é o termo Dias

Após a Emergência (DAE), muito utilizado para acompanhar o ciclo de desenvolvimento das plantas.

Técnicas de Produção Vegetal

A duração do ciclo de uma dada espécie vegetal é razoavelmente constante. Logicamente,

depende de que as condições ambientais sejam adequadas, isto é, haja disponibilidade de

36 nutrientes e água, de luminosidade, temperatura adequada do ar e do solo etc. Podemos en- contrar variedades ou cultivares de ciclos precoce, médio e tardio. Em relação à luminosidade, destaca-se a duração do dia, que leva ao fenômeno do fotoperiodismo. A indução da floração é afetada pelo fotoperíodo, ou duração do dia, em muitas espécies. Há plantas que são fotos- sensíveis – algumas de dias longos e outras de dias curtos.

d
d

Comentário do autor

Cada espécie vegetal apresenta suas peculiaridades, portanto, para melhor conhecê-las, é preciso estudar individualmente cada cultura para conhecer suas características marcantes em relação aos fatores mencionados.

4. Atmosfera

A atmosfera é uma camada gasosa que envolve a Terra, essencial às formas de vida que aqui

evoluíram. Ela surgiu em razão das dimensões e dos processos físico-químicos e biológicos que se desenvolveram no planeta. A composição química da atmosfera variou bastante durante as eras geológicas, tendo atingido o equilíbrio dinâmico nos últimos 200 milhões de anos. A tabela a seguir apresenta a composição média dos gases mais importantes na atmosfera e no solo para a produção agrícola.

Composição média dos gases na atmosfera

 

Componente

% Atmosfera

% Solo

Nitrogênio

78,084

< 80

Oxigênio

20,946

0 - 21

Gás carbônico

0,033

0,3 - 15

Outros

0,937

-

Esses gases podem tanto ir da atmosfera para o solo, quanto do solo para a atmosfera, e, para compreendermos melhor a “atmosfera do solo”, o conhecimento de leis e princípios que regem o movimento dos gases no solo é de grande importância.

As plantas e os organismos aeróbicos exigem certos níveis de oxigênio na atmosfera do solo, consumindo O 2 e liberando CO 2 . Em função disso, a atmosfera do solo, em geral, possui menor concentração de O 2 e maior de CO 2 em comparação com a atmosfera acima do solo. Os processos de troca de gases entre a atmosfera superior e atmosfera do solo, muitas vezes, podem ser limitantes à produção para a maioria das culturas agrícolas, exceto para o arroz, por exemplo, que se desenvolve em ambientes anaeróbicos (sem oxigênio).

Curso Técnico em Agronegócio

A análise físico-química dos processos de transferência de gases no solo é bem complexa. Há

no solo “fontes” e “sumidouros” de CO 2 , O 2 , NH 3 , N 2 , SO 2 e uma série de compostos orgânicos voláteis. A renovação do O 2 no solo vem da atmosfera superior por difusão, por fluxo de

massa ou em solução com água.

Difusão

Fluxo de

massa

O movimento do gás por difusão acontece devido à variação de concentração de qualquer constituinte da mistura gasosa que provoca migração das moléculas da zona de alta para a de baixa concentração. Como exemplo de difusão, podemos citar a troca de gases entre a atmosfera e os poros do solo.

O fluxo de massa, também conhecido por “convecção”, acontece devido à variação de pressão do gás – a massa de ar da zona de alta pressão se move para a zona de baixa pressão, por exemplo, a penetração de água no solo durante uma infiltração.

pressão se move para a zona de baixa pressão, por exemplo, a penetração de água no

Acredita-se que a difusão seja o principal processo responsável pela transferência de gases no solo.

De maneira geral, para que as trocas gasosas ocorram de forma eficiente, é preciso que nos atentemos ao manejo adequado das adubações e do uso correto da irrigação, e evitemos a compactação do solo por meio do uso inadequado de maquinários agrícolas. Assim, estaremos evitando que essas trocas se tornem limitantes para a máxima produtividade agrícola.

Tópico 2: Sistemas de Manejo do Solo

O

manejo do solo se constitui de práticas indispensáveis ao bom desenvolvimento das culturas

e

compreende um conjunto de técnicas que, utilizadas racionalmente, proporcionam alta

produtividade. Porém, se mal utilizadas, podem levar à destruição dos solos em curto prazo, podendo chegar à desertificação de áreas extensas. De maneira geral, podem-se considerar os seguintes tipos de manejo do solo:

37

Preparo convencional: provoca inversão da camada arável do solo mediante o uso de arado; a essa operação seguem-se outras, secundárias, com uso da grade ou do cultivador para triturar os torrões. Nesse sistema, 100% da superfície é revolvido por implementos (arado, grade, cultivador). Ele tem como princípio melhorar o solo para a germinação de sementes e a eliminação de plantas daninhas antes do plantio, e corrigir características na subsuperfície do solo que necessite de incorporação de corretivos ou rompimento de camadas compactadas.

Cultivo mínimo: consiste na redução de operações de preparo do solo. Baseia-se no uso de implementos sobre os resíduos da cultura anterior, com o revolvimento mínimo necessário para o cultivo seguinte. Geralmente, é utilizado um escarificador (implemento que corta o solo sem revolvê-lo) a 15 cm de profundidade, o que é suficiente para romper crostas e descompactar o solo. Ele pulveriza menos o solo, deixa mais resíduos na sua superfície, reduz a compactação do solo, melhora a infiltração de água e diminui as perdas de solo e água por erosão em relação ao preparo convencional.

Técnicas de Produção Vegetal

38

38 Fonte: Shutterstock • Plantio direto : ocorre onde as sementes são semeadas por meio de

Fonte: Shutterstock

Plantio direto: ocorre onde as sementes são semeadas por meio de semeadora especial sobre a palhada de culturas do cultivo anterior ou de culturas de cobertura produzidas no local para esse fim. Proporciona melhor cobertura do solo, mantém a umidade em profundidade, contribui para a manutenção da matéria orgânica no solo durante a entressafra, possibilita melhor ciclagem de nutrientes no solo e é, hoje, amplamente difundido no Brasil como o método mais adequado para as condições edafoclimáticas do nosso país.

Plantio semidireto: semelhante ao plantio direto, faz a semeadura direta sobre a superfície com semeadora especial, diferindo deste sistema apenas por haver poucos resíduos na superfície do solo.

c
c

Leitura complementar

Na biblioteca do AVA, você encontra o artigo “Sistema de plantio direto na palhada e seu impacto na agricultura brasileira”. Acesse e leia para saber mais!

O

preparo mínimo, o plantio direto e o plantio semidireto são conhecidos como sistemas

conservacionistas – uma das melhores formas, estabelecidas até o momento, para a conservação de água e do solo.

As técnicas de manejo do solo a serem aplicadas em determinada área dependem de vários

fatores. Cada área rural tem suas peculiaridades e requer decisão própria. Para cada caso, são definidas técnicas de acordo com: a textura do solo, o grau de infestação de invasoras, os

resíduos vegetais que se encontram na superfície, a umidade do solo, a existência de camadas compactadas, a pedregosidade e os riscos de erosão pelo uso de máquinas.

O estudo do perfil do solo é primordial, mas vale a pena lembrar que, sempre que possível, deve-se decidir pelos manejos conservacionistas e, mesmo quando da impossibilidade de sua implantação, elegerem-se os preparos que provoquem o menor revolvimento do solo.

Curso Técnico em Agronegócio

Os objetivos de uma agricultura sustentável são o desenvolvimento de sistemas agrícolas que sejam produtivos, conservem os recursos naturais, protejam o ambiente e melhorem as condições de saúde e segurança em longo prazo. Nesse sentido, as práticas culturais e de manejo, como a rotação de culturas, o plantio direto e o manejo do solo conservacionista, são muito aceitáveis, pois, além de controlarem a erosão do solo e as perdas de nutrientes, mantêm e/ou melhoram a produtividade do solo.

Encerramento do tema

Neste tema, observamos que, para que um ecossistema seja sustentável, é necessário que haja equilíbrio dinâmico entre os elementos que o compõem. Cada constituinte do sistema solo-planta-atmosfera sofre influências do ser humano, o que tem provocado uma série de problemas que ameaçam os ecossistemas. Detalhamos, ainda, algumas características sobre a água, o solo, as plantas e a atmosfera, além de conhecer diferentes sistemas de manejo do solo: convencional, cultivo mínimo, plantio direto e plantio semidireto.

Como vimos, existe um conjunto de técnicas que, utilizadas racionalmente, proporcionam alta produtividade. Entre essas técnicas estão a nutrição das plantas e a fertilidade do solo, que serão abordados no próximo tema.

Atividade de aprendizagem

1. De forma resumida, qual das alternativas abaixo explica melhor a importância de cada componente do sistema solo-planta-atmosfera para a produção vegetal?

a) Solo – sustenta o crescimento das plantas, recicla os nutrientes e é habitat de muitos organismos. Planta – converte substâncias inorgânicas em alimentos. Atmosfera – é importante porque é composta por gases fundamentais para as plantas.

b) Solo – é nele que plantamos. Planta – é dela que tiramos os nossos alimentos. Atmosfera –fornece CO 2 .

39

c) Solo – tem água. Planta – faz fotossíntese. Atmosfera – disponibiliza gases.

d) Solo – é nele que plantamos. Planta – faz fotossíntese. Atmosfera – fornece CO 2 .

2. Dos tipos de manejo do solo, qual deles se encaixaria melhor no conceito de sustentabili- dade?

a) Plantio convencional.

b) Cultivo mínimo.

c) Plantio direto.

d) Todas as alternativas acima estão corretas.

Técnicas de Produção Vegetal

03

Nutrição Mineral de Plantas e Fertilidade do Solo

03 Nutrição Mineral de Plantas e Fertilidade do Solo
03 Nutrição Mineral de Plantas e Fertilidade do Solo
03 Nutrição Mineral de Plantas e Fertilidade do Solo

Tema 3: Nutrição Mineral de Plantas e Fertilidade do Solo

Você viu no Tema 2 que vários elementos químicos são essenciais à produção vegetal, pois, sem eles, as plantas não conseguem completar seu ciclo de vida. Viu, também, que o carbono, o oxigênio e o hidrogênio são supridos às plantas por meio da água e do ar, enquanto que os macro e os micronutrientes – essenciais ao crescimento das plantas – têm o solo como fonte primária fornecedora.

O solo pode ser modificado pelo homem, tanto no aspecto físico (aração, gradagem e

drenagem) quanto no químico (calagem e adubação). A calagem e a adubação são as formas mais rápidas e economicamente viáveis de que dispomos para aumentar a produção vegetal. Assim como o homem se alimenta de plantas, direta e indiretamente, e a planta tem que se alimentar, somente alimentando a planta adequadamente é possível alimentar o homem e ainda fornecer-lhe energia alternativa e a vestimenta de que necessita.

41

Os solos brasileiros, em geral, apresentam problemas de acidez, além de baixa fertilidade natural, fazendo-se necessário o uso de corretivos e fertilizantes para a nutrição mineral das plantas. Apesar dos avanços obtidos no entendimento da fertilidade do solo, ainda ocorrem muitos equívocos no manejo dos solos brasileiros. O objetivo deste tema é que, a partir do entendimento do uso correto de corretivos e fertilizantes, possamos tornar nossos solos altamente produtivos, de forma sustentada e economicamente viável, sem danos ao ambiente.

Ao fim deste tema, espera-se que você possa:

compreender os fundamentos da nutrição mineral das plantas e da fertilidade de solo;

identificar a fertilidade do solo como fator que influencia no retorno econômico e no meio ambiente;

decidir sobre quais fertilizantes adquirir e como aplicá-los, utilizando cálculos simples.

Técnicas de Produção Vegetal

42

42 Fonte: Shutterstock Tópico 1: Nutrição Mineral de Plantas O estudo da nutrição mineral de plantas

Fonte: Shutterstock

Tópico 1: Nutrição Mineral de Plantas

O estudo da nutrição mineral de plantas avalia os aspectos relacionados com a dinâmica, o

suprimento e a disponibilidade de nutrientes de plantas. Assim, está diretamente relacionado à fertilidade do solo.

O solo é o meio que atua como reservatório de minerais necessários às plantas. O esquema

abaixo é uma visão geral de compartimentos e vias de comunicação ou de transferência de um elemento, geralmente um nutriente.

NUTRIENTE (Solução do solo)

geralmente um nutriente. NUTRIENTE (Solução do solo) NUTRIENTE (Fase sólida) NUTRIENTE (Solução) NUTRIENTE

NUTRIENTE

(Fase sólida)

NUTRIENTE (Solução do solo) NUTRIENTE (Fase sólida) NUTRIENTE (Solução) NUTRIENTE (Raiz) NUTRIENTE

NUTRIENTE

(Solução)

do solo) NUTRIENTE (Fase sólida) NUTRIENTE (Solução) NUTRIENTE (Raiz) NUTRIENTE (Parte aérea) A solução do

NUTRIENTE

(Raiz)

(Fase sólida) NUTRIENTE (Solução) NUTRIENTE (Raiz) NUTRIENTE (Parte aérea) A solução do solo é o

NUTRIENTE

(Parte aérea)

A solução do solo é o compartimento de onde a raiz retira ou absorve os elementos es-

senciais. Quando a fase sólida (matéria orgânica + fração mineral) não consegue transferir para a solução do solo quantidades adequadas de um nutriente qualquer, é necessária sua aplicação via fertilizante que contenha os elementos em falta. Isso significa que a prática da adubação consiste em cobrir a diferença entre a quantidade do nutriente exigida pela planta e a quantidade disponível e fornecida pelo solo, visando obter colheitas compensadoras de produtos de boa qualidade nutritiva ou industrial provocando o mínimo de perturbação no ambiente.

Curso Técnico em Agronegócio

Na prática da adubação, procura-se responder a sete perguntas:

1. Qual? (nutriente em deficiência)

2. Quanto? (quantidade necessária a ser aplicada)

3. Quando? (época em que o nutriente deve ser fornecido)

4. Como? (maneira como o nutriente deve ser aplicado)

5. Quem pagará? (a colheita compensará o custo com o nutriente)

6. Qual o efeito da adubação na qualidade do produto?

7. Qual o efeito da adubação na qualidade do ambiente?

A resposta para cada pergunta demanda experiência e conhecimento do produtor, dos técnicos agrícolas ou dos engenheiros agrônomos, de acordo com as informações a seguir:

1.

Determinação dos elementos limitantes

Sintoma de carência: anormalidades visíveis e específicas do elemento em falta no solo.

Análise de solo: avaliação quantitativa do elemento em falta.

Diagnose foliar: a composição da folha indica o elemento que falta no solo.

Ensaios de adubação: identificação do elemento em falta por meio da resposta diferencial da planta à aplicação de adubos.

2.

Estabelecimento das quantidades necessárias

Exigências quantitativas: a análise mineral da planta dá as quantidades dos elementos exigidos.

Análise de solo: pode inferir as quantidades a aplicar.

3.

Época de aplicação

Análise periódica da planta: determinação dos períodos de maiores exigências.

4.

Localização

Distribuição do sistema radicular: determinação da distribuição das raízes absorventes por observação direta ou por meio da absorção do elemento colocado em diferentes posições no solo.

Comportamento do elemento no solo: mecanismos que determinam o contato entre o elemento e a raiz.

Técnicas de Produção Vegetal

43

44

5.

Rentabilidade

Análises da relação entre o preço do adubo e o lucro obtido.

6.

Efeito na qualidade do produto colhido

Análises químicas ou sensoriais: alterações provocadas pelo adubo na composição do produto ou na sua aceitação pelos consumidores.

7.

Efeito na qualidade do ambiente

Observações e análises de solo, água e ar: alterações nos teores de constituintes normais, aparecimento de produtos estranhos e seus efeitos no homem e nos animais.

1. Deslocamento dos nutrientes na planta

Algumas definições são importantes para que possamos compreender o deslocamento do nutriente na planta.

Absorção: processo pelo qual o elemento (nutriente) passa do substrato (solo, solução nutritiva) para dentro do tecido vegetal (raiz ou folha).

Transporte ou translocação: transferência do elemento (nutriente) do órgão de absorção para outro (raiz parte aérea [via xilema] / folha [adubação foliar] fruto e outras partes da planta [via floema]).

Observe, no quadro a seguir, o grau de mobilidade dos elementos no transporte via floema.

Altamente móveis

Móveis

Parcialmente móveis

Imóveis

Nitrogênio

Fósforo

Zinco

Boro

Potássio

Cloro

Cobre

Cálcio

Sódio

Enxofre

Ferro

 

Magnésio

Manganês

 

Molibdênio

Redistribuição: transferência do elemento (nutriente) de um órgão de função para outro (folha velha folha nova / folha fruto).

Observe, no quadro a seguir, o grau de mobilidade dos elementos na redistribuição.

Curso Técnico em Agronegócio

Móveis

Parcialmente móveis

Imóveis

Nitrogênio

Enxofre

Boro

Fósforo

Cobre

Cálcio

Potássio

Ferro

Magnésio

Manganês

 

Ferro

 

Molibdênio

Para entender melhor esses conceitos, observe com atenção a figura a seguir, que apresenta a absorção, o transporte e a translocação de um nutriente na planta.

ADUBO FOLIAR ABSORÇÃO FOLIAR REDISTRIBUIÇÃO (FLOEMA) TRANSPORTE (XILEMA) Nutriente CONTATO ION-RAI Z
ADUBO
FOLIAR
ABSORÇÃO
FOLIAR
REDISTRIBUIÇÃO
(FLOEMA)
TRANSPORTE
(XILEMA)
Nutriente
CONTATO
ION-RAI Z
ABSORÇÃO
RADICULAR

Intercepção radicular

Fluxo de massa Difusão

45

Na figura, o contato íon-raiz está relacionado às formas de contato e a como o nutriente pode ser absorvido via interceptação radicular, fluxo de massa e difusão.

Íon

Íons são moléculas carregadas eletricamente – positivas ou negativas. Nesse caso, são os nutrientes que a planta irá absorver, como Ca 2+ , NO 3- , K + etc.

Técnicas de Produção Vegetal

Interceptação radicular: à medida que a raiz se desenvolve, entra em contato com íons das fases líquida e sólida do solo. A contribuição desse processo é muito pequena, e a quantidade é

46 proporcional à relação existente entre a superfície das raízes e a superfície das partículas do solo.

Fluxo de massa: é o movimento do nutriente em fase aquosa móvel (solução do solo) em maiores distâncias devido ao gradiente de tensão da água adjacente (mais úmida). Os elementos dissolvidos são, assim, carregados pela água para a superfície radicular, por exemplo, nitrogênio (N), enxofre (S), cálcio (Ca), magnésio (Mg) e alguns micronutrientes.

Difusão: é o movimento do nutriente em uma fase aquosa estacionária a curtas distâncias, por exemplo, fósforo (P) e potássio (K).

2. Absorções radicular e foliar dos nutrientes

Uma série de fatores externos (do meio) e internos (da planta) influenciam nos processos de absorções radicular e foliar do nutriente.

Na absorção radicular, observam-se:

fatores externos: disponibilidade do nutriente, nível de acidez do solo (pH), aeração, umidade, temperatura, o próprio elemento, outros elementos e micorrizas;

fatores da planta: potencial genético, estado iônico da célula, nível de carboidrato nas raízes, taxa de transpiração das plantas e morfologia do sistema radicular.

Micorriza

Associação entre fungos do solo e raízes das plantas formando uma simbiose. Nessa associação, a planta fornece fotoassimilados para os fungos, e estes aumentam a área de absorção das raízes, contribuindo para a absorção daqueles nutrientes que estão mais distantes das plantas ou que apresentam baixa mobilidade no solo, como o fósforo, por exemplo.

Na absorção foliar, podemos encontrar:

fatores externos: molhabilidade da superfície foliar, temperatura e umidade relativa do ar, composição da solução (velocidades diferentes dos elementos na absorção) e luz;

fatores da planta: superfície foliar (cutícula, presença de estômatos e tricomas), idade da folha e estado iônico interno.

A adubação foliar é uma alternativa eficiente para solução de problemas específicos e/ou complemento de uma adubação convencional. Um grande aumento no consumo dos adubos foliares pode ser observado no Brasil, principalmente daqueles comercializados na forma líquida, com formulação “NPK + micronutrientes”, ou apenas “macronutrientes”. Essa forma de adubação tem sido proposta ou utilizada em determinadas situações ou condições que precisam ser definidas: adubação foliar corretiva, adubação foliar substitutiva, adubação foliar complementar e adubação foliar suplementar.

Curso Técnico em Agronegócio

Adubação foliar de correção de deficiências: permite correção rápida e eficiente, superando a adubação de solo.

Adubação foliar complementar: uma parte do adubo é aplicada ao solo convencional- mente, sendo completada pela aplicação foliar.

Adubação foliar suplementar estimulante: aplicação de pequenas quantidades de adubos NPK, conferindo efeito estimulante à adubação foliar na adubação radicular.

Adubação foliar suplementar no estágio reprodutivo: no final do ciclo da cultura, a atividade radicular diminui ao mesmo tempo em que há grande translocação de nutrientes das folhas para os grãos.

Para que se obtenha sucesso na aplicação foliar, é preciso identificar corretamente os nutrientes necessários, realizar a aplicação nas quantidades recomendadas, utilizar os bicos e a pressão dos pulverizadores adequados para as menores gotículas possíveis, fazer uso de agentes espalhantes e adesivos, e realizar a aplicação em horas mais adequadas. Veja, na figura a seguir, a localização dos sintomas de deficiência de nutrientes nas plantas.

B Zn Ca Mo Mn Fe Cu S N P K Mg
B
Zn
Ca
Mo
Mn
Fe
Cu
S
N
P
K
Mg

SOMENTE

NO TECIDO

DA FOLHA

JOVEM

TECIDO

DA FOLHA

VELHA

47

Agora, observe, neste quadro, as principais funções de cada nutriente nas plantas.

 

MACRONUTRIENTES

N – Nitrogênio (NO 3 - e NH 4 + )

Aumenta a absorção de potássio (K), cálcio (Ca) e magnésio (Mg), atua na formação de proteínas e contribui para a uniformidade dos frutos.

P

– Fósforo

Componente estrutural de ácidos nucleicos, atua na formação de adenosina trifosfato – ATP e adenosina difosfato – ADP (energia).

(H 2 PO 4 - e HPO)

K – Potássio

Atua na fotossíntese, na translocação de carboidratos e na

 

(K

+ )

resistência das plantas a insetos e doenças.

Ca – Cálcio (Ca + )

Participa da sustentação das plantas e contribui para uma melhor absorção de água e nutrientes.

Mg – Magnésio (Mg 2+ )

Componente da molécula de clorofila e de proteínas, auxilia na absorção e na translocação de fósforo e na ativação de enzimas.

S

– Enxofre (SO 4 - )

Contribui para a formação de aminoácidos, atua na ativação de enzimas e aumenta o teor de óleos.

Técnicas de Produção Vegetal

48

 

MICRONUTRIENTES

B – Boro

Atua no transporte de carboidratos.

(H

3 BO 3 )

Cu – Cobre (Cu 2+ )

Contribui para a produção enzimática e atua na fotossíntese.

Mn – Manganês (Mn 2+ )

Atua no metabolismo de ácidos orgânicos e na fotossíntese.

Mo – Molibdênio (MoO 4 2- )

Participa do processo de fixação biológica de nitrogênio – FBN e na redução do nitrato no ciclo do nitrogênio.

Zn – Zinco (Zn 2+ )

Contribui para a produção de enzimas e atua no crescimento das plantas.

Cl

– Cloro

(Cl)

Atua diretamente na fotossíntese.

Fe

– Ferro (Fe 2+ )

Participa no grupo ativo das enzimas e no transporte de elétrons.

Tópico 2: Fertilidade do Solo

A fertilidade do solo está diretamente relacionada à capacidade dos solos em suprirem nutrientes às plantas. Assim, conhecer cada nutriente e a sua disponibilidade nas plantas é importante, uma vez que, a partir desses conhecimentos, podemos, quando necessário, fazer uso de práticas corretivas e de adubação.

d
d

Comentário do autor

Lembre-se de que existem solos férteis naturalmente, que permitem a obtenção de elevadas produtividades sem uso de corretivos ou fertilizantes – pelo menos, enquanto a sua capacidade de suprir nutrientes para as plantas persistir.

Presume-se que cerca de 70% dos solos cultivados no Brasil apresentem uma ou mais limitações sérias de fertilidade. O manejo correto da fertilidade do solo é responsável pela maior parcela – em alguns casos, até mais de 50% – dos ganhos de produtividade obtidos pelo uso das práticas culturais recomendadas para as diversas culturas.

Para que um nutriente possa ser absorvido pela raiz, ele necessita ser transportado até a superfície radicular. Dessa forma, o teor disponível de um dado nutriente, em função do fator transporte, depende de aspectos físicos do solo que afetam esse deslocamento, tais como textura, compactação e teor de água. A umidade do solo é importante para a disponibilidade dos nutrientes.

Ao realizar o manejo da fertilidade do solo, no que se refere à recomendação de práticas corretivas ou de adubação, o técnico precisa atentar para três fatores básicos:

Curso Técnico em Agronegócio

Fator Solo Fator Planta MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO Fator Agricultor
Fator Solo
Fator Planta
MANEJO DA
FERTILIDADE DO SOLO
Fator Agricultor

Fator solo: considerar o que se deseja ganhar em produtividade (retorno econômico), o grau de compactação, as condições de drenagem e os aspectos químicos do solo.

Fator planta: conhecer as exigências nutricionais em termos de quantidade e época, e a capacidade de adaptação a condições adversas do solo das diferentes espécies vegetais.

Fator agricultor: considerar o nível tecnológico do agricultor (maquinário disponível), bem como seu conhecimento e suas observações da área a ser manejada.

A análise química do solo é o método que permite o conhecimento adequado da sua

capacidade em suprir nutrientes para plantas antes do plantio, sendo esse o método mais usado no mundo inteiro para as recomendações de adubação e correção de acidez.

O
O

Informações extras

Para fazer a análise química, é preciso recolher amostras do solo. Acesse o AVA e assista ao vídeo que explica como essa amostragem deve ser realizada.

O processo de análise química do solo pode ser dividido em três etapas: amostragem, análise
O
processo de análise química do solo pode ser dividido em três etapas: amostragem, análise
e
interpretação dos resultados. A partir daí, geram-se uma avaliação da fertilidade e um
conjunto de recomendações de práticas corretivas e/ou de adubação.
AMOSTRAGEM
ANÁLISE QUÍMICA
INTERPRETAÇÃO
DO SOLO
EM LABORATÓRIO
DOS RESULTADOS
RECOMENDAÇÕES
PARA O MANEJO
DA FERTILIDADE

49

Uma análise completa para a avaliação da fertilidade do solo deve incluir as seguintes determinações: acidez (pH), concentrações de fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre,

zinco, manganês, cobre, ferro, boro, alumínio e hidrogênio + alumínio, teor de matéria orgânica

e análise granulométrica (textura).

A seguir, um exemplo de laudo de análise de fertilidade do solo (macronutrientes + matéria

orgânica).

Técnicas de Produção Vegetal

50

50 É preciso levar em consideração que há diferentes procedimentos analíticos empregados nos diversos laboratórios

É preciso levar em consideração que há diferentes procedimentos analíticos empregados nos

diversos laboratórios do Brasil. Além disso, lembre-se de que é possível consultar boletins existentes de recomendação de corretivos e fertilizantes de diferentes estados.

1. Calagem

A calagem é uma prática agrícola que visa corrigir a acidez do solo, sendo que, para avaliar

essa acidez, são considerados a acidez ativa e a trocável, a saturação por alumínio e por base,

a capacidade-tampão – estimada por meio da acidez potencial – e o teor de matéria orgânica.

A acidez do solo também se relaciona com a disponibilidade de cálcio, magnésio, manganês e

outros micronutrientes.

Os valores de pH do solo variam na faixa entre 3,0 e 10,0. A reação do solo é o fator que, em geral, mais afeta a disponibilidade dos nutrientes às plantas. Sabe-se que a maior disponibilidade ocorre na faixa de pH entre 6,0 e 7,0.

Curso Técnico em Agronegócio

Sob acidez ou alcalinidade excessiva, entre outros problemas para as plantas, tem-se baixa disponibilidade de nutrientes. Portanto, antes da adubação e do preparo do solo, deve-se procurar saber as condições de acidez do solo.

d
d

Comentário do autor

A tolerância e a sensibilidade à acidez ativa (pH), a acidez trocável (Al 3+ ), a saturação por alumínio (H + Al), a saturação por base (V) e a disponibilidade de nutrientes variam muito de acordo com a cultura e com os cultivares. Dessa forma, devem-se sempre considerar as exigências específicas de cada cultura.

A maneira mais fácil, correta e economicamente viável de corrigir a acidez do solo, notadamente na camada arável, diz respeito ao uso de calcário, chamado de calagem.

O sucesso da calagem como importante prática de manejo da fertilidade depende de três

aspectos técnicos:

características do corretivo utilizado;

dose de corretivo utilizada;

forma e época de aplicação do corretivo.

Depende, também, de aspectos econômicos, como preço do corretivo e custos de transporte, aplicação e incorporação.

Os materiais corretivos utilizados na calagem são: óxidos, hidróxidos, carbonatos ou silicatos de cálcio e/ou magnésio. Todo calcário é, relativamente, rico em cálcio. Todavia, nem todos apresentam teor adequado de magnésio – o teor de MgCO 3 é muito variável. Em função do teor de MgCO 3 , os calcários são classificados em:

calcário calcítico – possui menos de 10% de MgCO 3 ou menos de 5% de MgO;

calcário magnesiano – possui de 10% a 25% de MgCO 3 ou de 5% a 12% de MgO;

calcário dolomítico – possui mais de 25% de MgCO 3 ou de 5% a 12% de MgO.

O

teor de magnésio de um calcário é uma característica muito importante a ser considerada

51

no processo de escolha, pois, se a interpretação da análise indica que o solo está deficiente em magnésio, recomenda-se a escolha de um corretivo mais rico nesse nutriente.

No Brasil, são utilizados, basicamente, três métodos para a determinação da necessidade de calagem – NC. Em todos, a necessidade de calagem calculada objetiva-se à correção de uma camada referencial de 0 cm a 20 cm e subentende-se o uso do calcário com Poder Relativo de Neutralização Total – PRNT igual a 100%.

Técnicas de Produção Vegetal

52

Método do tampão SMP

Baseia-se na elevação do pH do solo para o valor desejado a partir da mistura de solo com uma solução-tampão (método usado no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina). As soluções- tampão são soluções que resistem a mudanças de pH quando a elas são adicionados ácidos ou bases ou quando ocorre diluição.

Método baseado nos teores de alumínio, cálcio e magnésio trocáveis

Neste método, consideram-se ao mesmo tempo características do solo e exigências das culturas. Se for preciso corrigir a acidez do solo, leva-se em conta a suscetibilidade ou a tolerância da cultura à elevada acidez trocável – a máxima saturação por Al 3+ tolerada pela cultura (m t ) e a capacidade-tampão do solo (Y). Por outro lado, pode ser preciso elevar a disponibilidade de Ca e de Mg de acordo com as exigências das culturas neste nutriente (X).

 

Baseia-se na elevação da saturação por bases a valores desejados para diferentes espécies vegetais considerando a estreita relação entre a porcentagem de saturação por base e o pH do solo. A necessidade de calagem é dada pela fórmula a seguir: