Você está na página 1de 1

Portflio

Disciplina de tica Mdica

Aluno: MARCELO FALCO BARROS (A3; 2013098691)

Dara: 30/10/2017

Tema: tica no cotidiano das relaes interprofissionais

tica deriva da palavra grega ethos e se refere a tudo aquilo de bom costume, de
costume superior e portador de carter. diferente da moral, visto que esta implica na
obedincia a normais e regras sociais, pr-estabelecidas. Como bem resumiu o professor
Mrio Srgio Cortella, a tica um conjunto de valores e princpios que nos permite
internalizar regras e condutas sociais a moral. Portanto, podemos chegar concluso de que
a tica um conjunto de princpios usados para alcanar a boa vida de Aristteles e da onde
so extradas as leis e normais sociais a moral.

O Cdigo de tica Mdica, elaborado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) desde 2009,
um exemplo de cdigo moral que contm as normas que devem ser seguidas
pelos mdicos no exerccio de sua profisso, inclusive no exerccio de atividades relativas
ao ensino, pesquisa e administrao de servios de sade, bem como no exerccio de
quaisquer outras atividades em que se utilize o conhecimento advindo do estudo
da Medicina. Contudo, como salientado acima, no basta apenas que exista um conjunto de
normas que delimitem o que pode ou no pode, deve ou no deve ser feito pelos mdicos.
preciso que existam princpios que orientem a relao no s entre mdicos mas entre estes e
outros profissionais de sade, pacientes e estudantes.

Como salienta a doutora Dborah Pimentel, as relaes ticas entre profissionais de sade,
seus pacientes e familiares so um forte pilar para garantir a eficcia adeso ao tratamento,
reduzir conflitos e impactos em situaes de erro, muito comuns na rea. O trabalho
multidisciplinar um grande desafio pois requer humildade, tolerncia, respeito,
companheirismo e solidariedade entre todos os profissionais. Os conflitos podem surgir em
diferentes nveis: entre mdicos e mdicos, mdicos e outros profissionais de sade, mdicos e
pacientes, dentre outras combinaes.

Para melhorar a relao entre todos os participantes do processo sade-doena, temos a


melhora da comunicao, a tentativa de se evitar conflitos, a acomodao, a reduo das
situaes de competio e hierarquia, dentre outras solies. preciso deixar de lado suas
perspectivas e julgamentos e olhar para o outro com empatia, bem como necessrio
respeitar a opinio e pontos de vista do outro. Sem dvidas, as relaes sempre devem ser
transparentes, sem conflitos de interesses, por exemplo, entre a prescrio do mdico e a
indstria farmacutica.

Conclui-se que as relaes entre mdicos, outros profissionais de sade e pacientes pode ser
permeada por muitos conflitos, mas h vrias formas de solucion-lo. A existncia de um
cdigo moral o Cdigo de tica Mdica necessrio, mas no suficiente, para mitigar esses
conflitos: alm disso, cada profissional deve levar consigo princpios que permitam a
convivncia harmoniosa e o maior benefcio para todas as partes envolvidas.

Você também pode gostar