Você está na página 1de 1

MINISTRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTNCIA SOCIAL

ANEXO VIII
PORTARIA CONJUNTA MDS/MPS/INSS N 2, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014

DECLARAO DE PERMANNCIA DE CRIANA OU ADOLESCENTE BENEFICIRIA


DO BPC EM INSTITUIO DE ACOLHIMENTO.

Eu,______________________________________________________________, portador do
CPF n____________________, e RG n___________________, na qualidade de dirigente
da entidade _________________________________________________________________
(nome da instituio), CNPJ n______________________________, DECLARO, sob as
penas do art. 299 do Cdigo Penal, que a criana ou adolescente
______________________________________________________________________ (nome
completo), titular do Benefcio de Prestao Continuada da Assistncia Social BPC n
______________________, encontra-se acolhido na Entidade em que sou dirigente.

Estou ciente de que o recebimento do benefcio de titularidade da criana ou do adolescente


acima qualificado aps o seu desligamento da Instituio acarretar em minha
responsabilidade pessoal pelo ressarcimento dos valores percebidos indevidamente.

Local:_______________________________________________________ Data:____/_____/_____

_____________________________________________
(ASSINATURA-DIRIGENTE)

Esclarecimentos:

1- Este benefcio passar por um processo de reviso a cada 2(dois) anos contado a partir da data da concesso,
para avaliar a continuidade das condies que deram origem, conforme dispe o art. 21 da Lei n 8.742, de 07 de
dezembro de 1993.
2- de obrigatoriedade do beneficirio, ou seu representante legal, informar ao INSS, as alteraes cadastrais tais como:
endereo atualizado, bito, situao de emprego e renda do titular do benefcio.

3- A constatao de qualquer irregularidade em relao ao Benefcio de Prestao Continuada da Assistncia Social,


pelo beneficirio ou terceiros, com a ocorrncia de ato com dolo, fraude, ou m f, obrigar a tomada das medidas
judiciais necessrias pelo INSS, visando a restituio das importncias recebidas indevidamente, independente de
outras penalidades legais. (art. 49 do Decreto 6.214/2007).