Você está na página 1de 52

16 8

Ano

outubro

2012

16 8 Ano n° outubro 2012 Novos manuais da Coletânea FMC auxiliam na identificação de percevejos
16 8 Ano n° outubro 2012 Novos manuais da Coletânea FMC auxiliam na identificação de percevejos

Novos manuais da Coletânea FMC auxiliam na identificação de percevejos e doenças da soja

O futuro de portas abertas

Com crescimento acelerado do mercado, FMC estrutura e acessa a porta de entrada para o futuro, focando em Inovação, Práticas de Negócios e Operações

De olho nas plantas daninhas:

é hora de dar atenção ao cafezal

E MAIS:

Ponto de Partida: Operações barter Praça das Viagens: Barreiras (BA)

Este é o lugar Uma geração inteira cresceu ouvindo dizer que o Brasil é o
Este é o lugar Uma geração inteira cresceu ouvindo dizer que o Brasil é o
Este é o lugar Uma geração inteira cresceu ouvindo dizer que o Brasil é o
Este é o lugar Uma geração inteira cresceu ouvindo dizer que o Brasil é o
Este é o lugar Uma geração inteira cresceu ouvindo dizer que o Brasil é o

Este é o lugar

Uma geração inteira cresceu ouvindo dizer que

o Brasil é o país do futuro. E quando seria esse

dia? Quando o “celeiro do mundo” realmente desabrocharia para cumprir seu papel? Parece que esse dia, enfim, chegou. Hoje não pairam dúvidas: a porta de entrada para o

esperado futuro está bem aqui, no nosso país, e a nossa agricultura é a principal senha de acesso. Estamos no lugar certo, na hora certa. E, com os ingredientes que temos em mãos, cumpre- nos agir de maneira correta também, tornando o Brasil a vanguarda do agronegócio.

É com essa disposição que oferecemos nesta

edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante.

Boa leitura!

essa disposição que oferecemos nesta edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante. Boa
essa disposição que oferecemos nesta edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante. Boa
essa disposição que oferecemos nesta edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante. Boa
essa disposição que oferecemos nesta edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante. Boa
essa disposição que oferecemos nesta edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante. Boa
essa disposição que oferecemos nesta edição um pouco da nossa contribuição para esse futuro brilhante. Boa

sumário

Encontro Marcado

Trocando Ideias

Grão Brasil

Gente Amiga

Especial

Praça dos Negócios

Praça do Conhecimento

Praça das Plantas Daninhas

Ponto de Partida

Praça das Viagens

Banco de Craques

Área VIP

05

08

13

15

18

26

29

34

38

40

44

48

7 Hábitos da Atuação Responsável no campo para alimentar o mundo

Viagem ao conhecimento

Credibilidade de ponta a ponta

Conquista em família

Passagem para o futuro

O amanhã começa hoje

Impressões da soja

A hora do café

Revendo as operações de troca

Barreiras é parada obrigatória

Rio-2016. Como será?

Sob holofotes

expediente

obrigatória Rio-2016. Como será? Sob holofotes expediente Ano 8 - nº 16 Outubro 2012 Presidente FMC

Ano 8 - nº 16 Outubro 2012

será? Sob holofotes expediente Ano 8 - nº 16 Outubro 2012 Presidente FMC Corporation América Latina
será? Sob holofotes expediente Ano 8 - nº 16 Outubro 2012 Presidente FMC Corporation América Latina
será? Sob holofotes expediente Ano 8 - nº 16 Outubro 2012 Presidente FMC Corporation América Latina

Presidente FMC Corporation América Latina Antonio Carlos Zem

Diretor de Negócios Brasil Walter Costa

Diretor de Marketing Márcio Farah

Conselho Editorial

Douglas Kuada

Marcelo Figueira

Eduardo Menezes

Maria Paula Luporini

Erica Rodrigues

Mariana Alves

Flávio Centola

Raphael Souza

Gustavo Canato

Reinaldo Torres

Jonas Cuzzi

Ricardo Werlang

Leandro Garcia

Roberto Puzzo

Lichardsom Malacrida

Yemel Ortega

Luciano Zanotto

Gerente de Comunicação Fernanda Teixeira

Redação Alfapress Comunicações Ltda. Jornalista Responsável Inês Costa - MTb 28.685 ines.costa@alfapress.com.br Fone (19) 3232-0050

Direção de Arte e Projeto Gráfico Via B | Branding + Design www.viab.com.br Fone (19) 3295-5466

Capa Composição de imagens Via B | Branding + Design

Revisão

Marília Cotomacci

Fotolito e Impressão Gráfica Mundo

Tiragem

3.500 exemplares

FMC Square é uma publicação semestral da área de Marketing da FMC Agricultural Products Av. Dr. José Bonifácio Coutinho Nogueira, 150 1º andar - 13091-611 - Campinas - SP (19) 3735-4400 - www.fmcagricola.com.br

Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da revista. Por falta de espaço não publicamos as referências bibliográficas citadas pelos autores dos artigos que integram esta edição. Os interessados podem solicitá-las à redação por e-mail:

fmcsquare@alfapress.com.br

LEITOR

AO

CARTA

SQUARE

Caros amigos,

O tema sustentabilidade tem sido recorrente na

FMC e não é sem motivo, posto que essa conduta se tornou uma prioridade para a corporação. Além

de inúmeras iniciativas de cunho estratégico que já vêm sendo desenvolvidas com o objetivo de trilhar esse caminho, no que diz respeito à postura ética

e transparente com relação às nossas atividades, também lançamos este ano o nosso Relatório de

Sustentabilidade, descrevendo nosso desempenho

e ações desenvolvidas no Brasil em 2011.

Para nós, sustentabilidade é a criação de um desempenho de longo prazo repensando a forma como inovamos, operamos e gerenciamos nossas práticas de negócios para atender às demandas em transformação. É, portanto, um conceito que está atrelado de maneira definitiva aos negócios. Não está relacionada apenas a uma conscientização sobre como tratar de maneira responsável as questões que envolvem aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade. Porém, vista como oportunidade, a sustentabilidade é fator de competitividade para as empresas.

Para a agricultura, os esforços de sustentabilidade estão ligados ao aumento de consumo de alimentos no mundo e ao avanço da tecnologia. Na nossa visão, sustentabilidade é, portanto, o caminho que percorreremos para atingir nossas metas de crescimento, a evolução de nosso portfólio, buscando atender às necessidades de um planeta que necessita de soluções inovadoras.

Seguimos investindo na conveniência para o produtor – ou seja, combinando produtos, fazendo tecnologia que traga facilidade e rapidez de uso. Estamos com os nossos olhos voltados – e já introduzindo produtos – para a área biológica e natural. Combinar métodos de controle é uma realidade que está mais próxima que nunca. Particularmente, acredito em uma grande

próxima que nunca. Particularmente, acredito em uma grande transformação da nossa indústria a partir do uso

transformação da nossa indústria a partir do uso de elementos biológicos para controlar as pragas

e doenças. E vemos também com muito carinho a parte de nutrição de plantas.

Tudo isso está apenas começando, mas é aqui no

Brasil que as coisas estão acontecendo. Ainda que

o país tenha muitos problemas, não há como negar

que é o lugar certo para estar, principalmente para quem está na agricultura.

Antonio Carlos Zem

Presidente FMC Corporation América Latina

MARCADO

ENCONTRO

SQUARE

7 Hábitos da Atuação Responsável no campo para

SQUARE 7 Hábitos da Atuação Responsável no campo para alimentar o mundo O agronegócio brasileiro ganha

alimentar o mundo

O agronegócio brasileiro ganha cada vez mais relevância dentro do cenário econômico mundial. Diante disso, a

proteção dos cultivos, da saúde humana e do meio ambiente para produção de alimentos de qualidade é imprescindível para alimentar o mundo de maneira sustentável e responsável.

Nesse panorama, profissionais que trabalham diretamente com a agricultura têm o compromisso e dever de desenvolver diversas formas de educar, conscientizar e levar o conceito de boas práticas agrícolas aos campos brasileiros, de maneira eficaz e inovadora, rumo a uma agricultura forte e responsável.

O 2°

hábito é o Transporte Seguro.

Transportar produtos fitossanitários é uma tarefa de

alta responsabilidade e exige

a FMC

Tendo em vista esse cenário,

que sejam

várias medidas

tomadas

de prevenção para

Atuando

diminuir o risco de

acidentes em

criou há nove anos o programa

vias públicas

e aumentar as chances

de sucesso em atendimento

de emergências. São

com Responsabilidade, que tem como

medidas que

visam proteger a

integridade física das

pessoas, conservar

à comunidade rural,

o patrimônio público e preservar o

proposta transmitir

meio ambiente.

As exigências

e dicas

correto são: Avalie as condições do

para transporte

e didática, a mensagem

de forma simples

veículo utilitário

(caminhonete);

Organize adequadamente

Não transporte os produtos com: Alimentos

do uso correto e

a carga;

sobre a importância

Medicamentos; Pessoas e animais; Mantenha sempre

e rações;

produtos fitossanitários, que

em ordem o kit de

seguro dos

emergência, kit de equipamentos

individuais e documentos (Nota

foi resumida nos 7 hábitos da atuação

Fiscal, Envelope de

Emergência, Ficha

de Emergência).

responsável.

práticas que

sintetiza no as cotidiano

Cada hábito

O 3° hábito é o “Armazenamento”.

da

As

adotadas

ser agrícola.

devem

normas para armazenar produtos fitossanitários no

atividade

Brasil foram revistas

e tornaram-se mais rigorosas

a partir da publicação do

Decreto 4.074, de 4 de

janeiro de 2002. Além da exigência

deve ser a “Aquisição

do Licenciamento

O 1° hábito

Ambiental, as implicações legais num

meio de

caso de

de Produtos por

acidente podem ser agravadas

É produto via

Receituário Agronômico”.

se comprovada a não

observância das normas vigentes, pois os infratores

Agrônomo

Engenheiro

só um guardar então para correta

de consultar Além

e fundamental

poderão ser punidos de Ambientais.

acordo com a Lei de Crimes

o a problemas a

dos

avaliação

uma

fazer

para

doenças

pragas,

de

ataque

a o de

como

lavoura,

da

do e são deve e bulas

produto

Para operar

o uma e

um armazém comercial com produtos

do daninhas,

a danificadas de e guardar

plantas

fitossanitários, é necessário obter todos os

adquirido.

ser

nota

também

documentos exigidos junto aos

órgãos estaduais e

deve-se

receituário,

de

Código

a perante

municipais. Entre os mais importantes

garantia

é referentes

estão: alvará

esta

pois

fiscal,

de funcionamento expedido pela Prefeitura; certificado

Consumidor.

Defesa

de vistoria do Corpo de Bombeiros; licença de

hábito

esse

cuidados

operação expedida

Outros

pelo órgão de meio ambiente;

do

quantidade

e

que

laudo de para-raios.

certificar-se

área

tratar

suficiente

será

comprado

excesso,

Todos esses

documentos são baseados na edificação,

adquiri-lo

em

o evitando

desejada,

não

de

além

pavimentação, drenagem,

validade,

ventilação, iluminação, incêndio, proteção

prazo

examinar

rótulos

medidas de proteção contra

embalagens

aceitar

coletiva e sistema de contenção

de resíduos, além da

ilegíveis.

sinalização, organização do armazém e empilhamento

primeiro hábito, a FMC

Para executar o

dos produtos.

disponibiliza o site www.pragasagricolas.com.br

e

“FMC Agrícola do Brasil para

também o aplicativo

no Google Play, sendo

App Store ou

baixar na

manuais de plantas

possível consultar todos os

insetos de qualquer lugar,

infestantes, pragas e nas pontas dos dedos.

SQUARE

“Utilização Adequada de Equipamentos

Proteção Individual (EPI) é o

Nas lavouras, a função básica do EPI é proteger

de

tóxico, minimizando

hábito.

ao produto

o organismo de exposições

durante o manuseio

de intoxicação

risco

fitossanitários. Por isso, é

todo e qualquer

ou a aplicação de produtos

responsabilidade do empregador o fornecimento dos EPIs

O último e

devidamente higienizados, além

7° hábito é “Destinação

ao trabalho,

de Sobras e Embalagens”.

do treinamento dos trabalhadores quanto

adequados

O principal

da instrução e

motivo para realizarmos

à utilização correta. Fiscalizar e exigir o uso dos EPIs

a destinação final correta

das embalagens vazias dos agrotóxicos é

suas obrigações, além de repor os

diminuir o

de

faz parte

do trabalhador

risco para a saúde

também

das pessoas e de contaminação do

equipamentos danificados. Já a obrigação

meio ambiente. Porém, trata-se de um procedimento

EPI. Entre os mais importantes

o

é usar e conservar

complexo que requer a participação efetiva

e calça

luvas, respiradores, viseira facial, jaleco

de todos

calça em não tecido, boné árabe,

os agentes envolvidos

estão

na fabricação, comercialização,

hidrorrepelentes, jaleco e

utilização, armazenamento

e no processamento

touca, avental e botas.

dessas embalagens. Neste processo, os usuários

capuz ou

devem preparar os recipientes

vazios e manter

suas

respectivas tampas e rótulos; armazená-los em

local apropriado, até a sua devolução; transportá-

O 5° hábito é

los e devolvê-los à unidade de recebimento

o “Preparo da Calda”,

indicada

exige muita

pelo canal de distribuição

atenção, pois é

que

na nota fiscal, dentro do

neste momento em que o

trabalhador manuseia o produto concentrado.

prazo de validade; manter em seu poder,

para fins

a embalagem deve ser aberta com cuidado

de fiscalização, os comprovantes

Por isso,

de entrega das

derramamento. A utilização de balanças, copos graduados,

embalagens (pelo período de um ano), a receita

para evitar o

baldes e

funis específicos

agronômica (por dois anos) e a nota fiscal do produto.

torna-se necessária. Outras

regras importantes são: nunca

Os produtos fitossanitários

utilizar

existem para proteger o

para outras

esses equipamentos

atividades, fazer a lavagem da embalagem

campo e aumentar a

produtividade e a rentabilidade

vazia logo após o

seu esvaziamento

nas lavouras. Com os sete hábitos da atuação

e também lavar

os utensílios e secá-los ao sol

responsável, todos nós podemos alimentar o mundo

logo após

calda. Além disso,

o preparo da

deve-se

com mais segurança, qualidade

usar apenas

pulverizador para misturar a calda, utilizar sempre água

e sustentabilidade.

o

agitador do

A FMC investe

nessas ações e em novas tecnologias,

limpa para prepará-la

e evitar o entupimento

pois acredita no crescimento agricultura sustentável.

do pulverizador, verificar

do País por meio

dos bicos

da

se todas

as embalagens

estão fechadas

usadas

e guardá-las no depósito. Por último,

porém não

menos importante, manusear

de crianças, animais e pessoas

os produtos

longe

desprotegidas.

é a “Tecnologia de

O 6° hábito Aplicação”.

Toda vez que se realizar

um

a utilização de produtos

tratamento fitossanitário com

responder, no mínimo, a três

químicos, é necessário

resultados agronômicos:

perguntas para garantir bons

controlado?

alvo biológico que precisa ser

Qual é o

Como realizar uma

adequado?

Qual o tratamento mais

errada de

Isso porque a aplicação

aplicação eficaz?

produtos químicos é sinônimo de prejuízo, pois, além

consideravelmente os

de gerar desperdício, aumenta

das pessoas e do ambiente.

riscos de contaminação

Produtos Fitossanitários

Tecnologia de Aplicação de

A

dos conhecimentos científicos a

consiste na aplicação

É preciso atentar

processo produtivo.

um determinado

da calda, a utilização

como a agitação

a alguns fatores,

o volume de pulverização

a ser

SQUARE

dos filtros corretos,

condições climáticas

utilizado, o tamanho das gotas, as

pulverização.

e a escolha dos equipamentos de

a d o s e q u i p a m e n t o s
a d o s e q u i p a m e n t o s

Maria de Lourdes Setten Fustaino

Diretora de Registro América Latina

IDEIAS

TROCANDO

SQUARE

Viagem ao conhecimento

Os Estados Unidos tornam-se destino de consultores de algodão e de grupo ligado a citros que, em busca de novas tecnologias, visitam empresa em Memphis e área produtiva na Califórnia

SQUARE

MEMPHIS

Programa contempla visita a empresa americana de produtos que utilizam mecanismos naturais para melhorar o crescimento das plantas e o ambiente do solo

M emphis, cidade norte-americana de cerca de 650 mil habitantes, às margens do rio Mississipi,

localizada no estado do Tennessee, tem muitos atrativos para ser visitada, entre os quais a casa do rei do rock, Elvis Presley, transformada em museu. Porém, sem desprezar seus atributos turísticos, há em Memphis uma razão pela qual a cidade se tornou destino de viagem para um grupo de consultores brasileiros de algodão: a empresa Helena Chemical, fabricante do ativador fisiológico Utilize, o primeiro produto biológico baseado em extratos naturais de plantas do portfólio da FMC.

Chamado Cotton Connection 2012, este programa, que tem o patrocínio da FMC e copatrocínio da Helena, contemplou um grupo de 10 consultores e dois pesquisadores das principais regiões produtoras do Brasil, com o objetivo de proporcionar-lhes novos e maiores conhecimentos técnicos.

“Uma viagem técnica como essa tem grande importância por contribuir para a troca de informações entre os profissionais e pela busca de novas tecnologias”, opina o engenheiro agrônomo e consultor da Astecplan, Rubem Staudt. “Pudemos observar na empresa Helena, que tem grande representatividade nos Estados Unidos, as aplicações de seus produtos

Helena Products Group

Fundada em 1957, a Helena Chemical Company cresceu para ser um dos principais distribuidores de defensivos agrícolas, insumos de produção e serviços para os mercados de controle de relva, agrícolas e ornamentais, florestais, aquáticos, manejo de vegetação e de pragas nos Estados Unidos.

Com sede em Collierville, TN, nas extremidades de Memphis, Helena tem aproximadamente 3.000 funcionários, incluindo 600 representantes de vendas, que trabalham no campo em mais de 350 pontos de venda em mercados estratégicos em todo o país.

Entre os produtos que produz e comercializa estão os de controle biológico, que utilizam mecanismos naturais para melhorar o crescimento das plantas e o ambiente do solo. O princípio por trás do desenvolvimento de produtos biológicos é descobrir, isolar e replicar os modos de ação dos compostos recém-descobertos que têm um efeito benéfico agronômico.

SQUARE

SQUARE em ensaios e campos demonstrativos”, relata, lembrando que todos os conhecimentos recebidos poderão ser

em ensaios e campos demonstrativos”, relata, lembrando que todos os conhecimentos recebidos poderão ser aplicados no algodão brasileiro, “com as adaptações que se julgarem necessárias, visando alcançar maiores patamares de produtividade”. “Já estamos avaliando o Utilize em nossos ensaios, com resultados interessantes, constatando que este é um produto que pode agregar valor ao resultado final na cultura do algodão e também em outras culturas, como nos foi apresentado pela Helena.”

O consultor Jerley Fernando Alves Lima, que também participou da viagem, ressalta a oportunidade de verificar a utilização de várias técnicas que favorecem o alcance de produtividades em condições adversas relacionadas a clima, solo, pragas, entre outros. “Eu entendo que teremos várias mudanças na agricultura

10 FMC

Participantes

EZELINO CARVALHO, consultor

JERLEY FERNANDO ALVES LIMA, consultor

MILTON AKIO IDE, consultor

PEDRO BRUGNERA, consultor

RUBEM CESAR STAUDT, consultor

EVALDO MULINARI, consultor

MARCELO FELÍCIO MARQUES, consultor

GUSTAVO PAZZETTI, pesquisador

WANDERLEY OISHI, consultor

RONALDO PEREIRA, FMC

LUCIANO ZANOTTO HOHMANN, FMC

CHRYZ SERCILOTO, FMC

PAULO EDIMAR SARAN, consultor

LAÉRCIO DE ANDRADE JUNIOR, consultor

TADEU TAKEYOSHI INOUE, pesquisador (soja)

JUNIOR, consultor TADEU TAKEYOSHI INOUE, pesquisador (soja) Algodão Tecnologia: UTILIZE E LEGEND, produtos de alta
Algodão
Algodão
consultor TADEU TAKEYOSHI INOUE, pesquisador (soja) Algodão Tecnologia: UTILIZE E LEGEND, produtos de alta performance

Tecnologia: UTILIZE E LEGEND, produtos de alta performance para a cultura do algodão

brasileira com as tecnologias que teremos daqui em diante, pelo forte apelo a produtos de condicionadores de plantas em ambientes diversos, porém é uma ferramenta que teremos que aprender a utilizar, ainda mais sendo o Brasil responsável por ter que aumentar a produção nos próximos anos.”

“Foi uma viagem muito agradável em todos os aspectos”, relata. “A FMC é uma empresa com know- how em atendimento e relacionamento com o cliente, consultorias e fornecedores e, ao nos convidar para conhecer a estrutura da sua parceira Helena, nos permitiu atestar a seriedade de ações desta empresa no mercado, a grandeza da sua estrutura física e da sua logística, bem como a sua aceitação no mercado americano, não deixando dúvidas de que, de fato,

essa é uma boa parceria.”

bem como a sua aceitação no mercado americano, não deixando dúvidas de que, de fato, essa

SQUARE

CALIFÓRNIA

Viagem técnica abrange palestras e visita a instituições de pesquisa, universidade, fazendas de produção de citros e associação de produtores

A Califórnia é o maior centro industrial dos Estados Unidos e líder nacional na produção de produtos agropecuários, este último, o motivo pelo qual este estado norte-americano entrou na rota do programa Intertech Citros FMC, promovido com o objetivo de enriquecer conhecimentos e abrir portas para trocas tecnológicas.

Essa viagem técnica foi realizada por um grupo de dez participantes, entre eles, consultores, pesquisadores, diretores técnicos de grandes grupos citrícolas e produtores independentes, que, durante

a visita, puderam conhecer a citricultura californiana, seu processo produtivo, manejo, cadeia de valor e sustentabilidade da cultura.

A agenda contemplou visitas técnicas a packing

houses e também a instituições de pesquisa (Universidade da Califórnia, Lindcove - CA), fazendas de produção de citros e à associação de produtores de

citros da Califórnia (California Citrus Mutual), além de palestras com consultores independentes, permitindo

a oportunidade de trocar experiências e tecnologia do setor citrícola.

de trocar experiências e tecnologia do setor citrícola. Packing House Tour: O grupo acompanhou o processo

Packing House Tour: O grupo acompanhou o processo de seleção de laranja, automático e manual – realizado por funcionários –, no Packing House

SQUARE

SQUARE Universidade da Califórnia: Em visita a campo nas instalações da universidade, onde o grupo pôde

Universidade da Califórnia:

Em visita a campo nas instalações da universidade, onde o grupo pôde conhecer experimentos de variedades de laranja, controles de pragas e doenças e sistema de irrigação

O coordenador de marketing HF, Café e Citros da FMC, Marcelo Figueira, ressalta ainda o fato de que uma viagem técnica como essa permite criar referências sobre os padrões produtivos da citricultura brasileira em relação a outros países produtores. “O Brasil é o maior produtor e exportador de citros do mundo, portanto, conhecer outras regiões produtoras é de fundamental importância para a manutenção e sustentabilidade do setor no país”, avalia.

Ele explica ainda que a viagem proporcionou o contato real com toda a cadeia produtiva citrícola da Califórnia,

que difere bastante da cadeia produtiva da Flórida, principalmente por estar focada na produção de fruto de mesa (mercado), enquanto a da Flórida produz, em grande parte, laranja para indústria (suco).

Os participantes Marcelo Pedreira de Miranda, pesquisador da Fundecitrus, e Aprígio Tank Júnior, gerente agrícola da Agroterenas, destacam também a oportunidade de conversar com os representantes da Universidade da Califórnia e de ouvir os consultores palestrantes. “É interessante poder comparar sistemas de manejo diferentes e trazer coisas que a gente vê em outro contexto para as nossas condições, tentar direcionar o conhecimento adquirido. Isso promove um aprimoramento”, opina Miranda.

A troca de informações entre o grupo e a proximidade

com a equipe FMC também foram destacadas por

Tank Júnior, que considerou esses os pontos fortes da viagem. “Esse contato mais próximo, em que pudemos observar a preocupação da empresa em relação aos produtos e o quanto está focada nas necessidades do cliente, foi de grande importância para nós da Agroterenas”, explica. Segundo o gerente, a troca de informações se deu tanto sobre a prática agrícola em

si quanto em relação a aspectos administrativos e

pessoais. “Para mim, foi muito bom.”

prática agrícola em si quanto em relação a aspectos administrativos e pessoais. “Para mim, foi muito

12 FMC

BRASIL

GRÃO

SQUARE

Por: Antonio Henrique Botelho Lima

Credibilidade de ponta a ponta

Q uando meus sócios Gustavo Garbellini Degani, Luiz Fernandes Barbosa, Nicolau Cardoso e

eu nos unimos em 2007, para juntos criarmos a Agrológica, nos baseamos principalmente no nosso histórico de 16 anos no ramo de insumos agrícolas em Mato Grosso.

Queríamos, com a nossa experiência, oferecer aos clientes o melhor atendimento, pautados pela seriedade e competência no que fazemos. Nosso objetivo era nos estabelecermos como empresa referência em conhecimento técnico e modalidades diferenciadas de negociação no agronegócio.

Conquistamos a credibilidade do mercado focando nossa atuação em bons serviços, relacionamento e produtos. Assim, em pouco tempo, adquirimos uma reputação que nos permitiu ampliar horizontes e crescer para além da Região Sul, onde temos forte atuação, chegando à Região Norte, respaldados também pela confiança dos nossos fornecedores e parceiros.

Hoje, estamos presentes em Primavera do Leste, onde se localiza a matriz, Rondonópolis e também em Lucas do Rio Verde, fazendo aquilo que sabemos e temos prazer em fazer: servir bem ao produtor rural, a quem consideramos amigos.

SQUARE

SQUARE Equipe Agrológica 14 FMC Temos prazer em servir bem ao produtor rural, a quem consideramos

Equipe Agrológica

SQUARE Equipe Agrológica 14 FMC Temos prazer em servir bem ao produtor rural, a quem consideramos

14 FMC

SQUARE Equipe Agrológica 14 FMC Temos prazer em servir bem ao produtor rural, a quem consideramos

Temos prazer em servir bem ao produtor rural, a quem consideramos amigos

em servir bem ao produtor rural, a quem consideramos amigos E é com base nesse conceito

E é com base nesse conceito que investimos nas pessoas, hoje, uma equipe formada por 36 funcionários que incorporam e traduzem os valores da empresa, que preconizam a honestidade, o conhecimento, o relacionamento, a rentabilidade e a responsabilidade socioambiental.

Esse último quesito, por sinal, constitui-se em um ponto relevante da nossa gestão, que se propõe a desenvolver ações que contribuam com a sociedade, tanto levando educação e informação sobre a crescente preocupação com o meio ambiente, como também por meio da interatividade e do apoio a instituições como a APAE.

Também valorizamos muito a parceria com os nossos fornecedores, salientando que é por meio deles que nos tornamos os aliados dos produtores no campo. Vale ressaltar que a FMC tem sido um parceiro que acredita e nos incentiva em nossos desafios, apoiando-nos em nossos objetivos de crescimento.

Com parceiros como a FMC podemos garantir que estamos prontos e preparados para a nossa missão:

“Levar soluções para o sucesso dos produtores rurais na gestão de seus negócios, com modalidades diferenciadas de negociação, conhecimento técnico, atendimento personalizado, responsabilidade social e

ambiental.”

personalizado, responsabilidade social e ambiental.” Antonio Henrique Botelho Lima Engenheiro Agrônomo e
personalizado, responsabilidade social e ambiental.” Antonio Henrique Botelho Lima Engenheiro Agrônomo e

Antonio Henrique Botelho Lima

Engenheiro Agrônomo e Diretor- Geral da Agrológica

AMIGA

GENTE

SQUARE

Conquista em família

(Um exemplo de como a união faz a força)

S e é verdade que família que trabalha unida permanece unida, os Smaniotto são um exemplo

disso. Capitaneada pelos irmãos Perci e Moacir, que trabalham juntos desde que se entendem por gente,

a família segue firme como um dos mais tradicionais clãs ligados à agricultura em Mato Grosso.

Nascidos e criados em Santa Catarina, caçulas de uma família de 16 irmãos e tendo ficado órfãos por volta dos dez anos de idade, os dois irmãos passaram por muitas dificuldades, mas coisa que nunca tiveram foi medo de desafios: trabalharam como borracheiro, frentista de posto e caminhoneiro, até que passaram

a ser sócios em uma Kombi para transporte e,

posteriormente, abriram uma madeireira, negócio com o qual se estabeleceram e prosperaram no Sul.

SQUARE

SQUARE Perci e Laurena, pais de Ana Karla, Paula Kristine, José Carlos e Perci Henrique, tendo

Perci e Laurena, pais de Ana Karla, Paula Kristine, José Carlos e Perci Henrique, tendo como netos Felipe, João Pedro e Luis Eduardo

Mesmo assim, inspirados por amigos que ali já atuavam, optaram por deixar uma vida de conforto para buscar um sonho em Mato Grosso, morando

em fazenda, sem energia elétrica, onde o hospital e

o banco mais próximos estavam a 300 quilômetros

de estradas de terra, esburacadas e cheias de pó ou lama. Foi assim que se tornaram agricultores. Sem nenhuma experiência anterior – apenas o desejo e a determinação para vencer.

Isso eles aprenderam desde cedo. A perda dos pais, ainda tão novos, os ensinou a encarar os desafios, mas, especialmente, compreenderam que a união

entre os dois os tornaria mais fortes. Mesmo diante de inúmeras dificuldades e alguns desentendimentos, que naturalmente ocorrem, a união entre os patriarcas

e entre todos os membros da família prevaleceu, tornando esta história ainda mais bonita.

Casados, respectivamente, com as irmãs Laurena e Cirlei, os irmãos Perci e Moacir (cada casal com seus

16 FMC

primeiros filhos, todos ainda pequenos) chegaram ao novo estado no final da década de 70 para plantar arroz. Sem nenhum conhecimento agrícola, em menos de quatro anos se estabeleceram na nova atividade e no início dos anos 1980 já haviam se tornado produtores de arroz e de soja.

Mais tarde, os filhos já crescidos – inclusive os dois novos membros, cidadãos mato-grossenses –, era chegada a hora de oferecer a eles a oportunidade de completar o ensino superior e, sem oferta local, todos,

Os Smaniotto têm muito orgulho de ser o que são e fazem questão de zelar pelo nome da família

SQUARE

SQUARE Moacir e Cirlei, pais de Júnior, Fernando e Ana Paula, tendo como neto Mateus Mesmo

Moacir e Cirlei, pais de Júnior, Fernando e Ana Paula, tendo como neto Mateus

Mesmo diante de inúmeras dificuldades e alguns desentendimentos, que naturalmente ocorrem, a união entre os patriarcas e entre todos os membros da família prevaleceu

cada um a seu tempo, se deslocaram para a capital, Cuiabá, para Florianópolis e para Chapecó, formando- se em engenharia agronômica, administração de empresas, direito e ciência da computação.

Esta bela história tem muito do esforço e da garra dos patriarcas, porém eles creditam todo o sucesso que alcançaram ao fundamental apoio de suas esposas, Laurena e Cirlei. Foram as duas irmãs que, lado

a

lado, sempre estiveram presentes nos desafios

e

conquistas da família, ajudando seus maridos a

superar cada uma das dificuldades com trabalho, amor e sabedoria.

Talvez seja essa força das mães o principal ingrediente da união familiar, presente em todas as horas, como aos domingos, em que as reuniões de negócio dão lugar a animados almoços nos quais a família exercita uma outra grande habilidade que tem: o churrasco, indispensável também nas festas de confraternização que se repetem em datas comemorativas.

Os Smaniotto têm muito orgulho de ser o que são

e fazem questão de zelar pelo nome da família, que

se tornou sinônimo de honestidade em Lucas do Rio Verde, onde moram, como também nos municípios de Sorriso e Nova Mutum, onde possuem propriedades (em sociedade ou individualmente).

Os patriarcas, descendentes de italianos, são durões e passaram aos filhos os valores que aprenderam a cultivar, porém esses são gratos pelos aprendizados

e pelo conforto que o trabalho árduo dos pais

possibilitou que eles desfrutassem. Hoje, como recompensa, além de novos frutos – a terceira geração já conta com quatro membros –, os filhos

oferecem aos pais a tranquilidade de saberem que

o negócio que eles construíram com tanto esforço e

carinho será sempre bem cuidado e que, apesar de uma certa resistência inicial às novidades trazidas pela nova geração, será o conhecimento dos filhos que perpetuará a semente plantada 35 anos atrás.

ESPECIAL

SQUARE

ESPECIAL SQUARE Passagem para o futuro O amanhã não deixa dúvidas: é preciso investir em ações

Passagem para o futuro

O amanhã não deixa dúvidas: é preciso investir em ações que trilhem o caminho da sustentabilidade; FMC foca em Inovação, Práticas de Negócios e Operações

18 FMC

ações que trilhem o caminho da sustentabilidade; FMC foca em Inovação, Práticas de Negócios e Operações

SQUARE

SQUARE D iante de tantas incertezas acerca do futuro, há pelo menos uma verdade insuspeita: o

D iante de tantas incertezas acerca do futuro, há pelo menos uma verdade insuspeita: o mundo

está e vai continuar mudando, e a única forma de tirar proveito de tais mudanças é adaptando-se a elas. Considerando-se essa premissa, a FMC aposta em Inovação, Práticas de Negócios e Operações, que formam os Princípios da Sustentabilidade FMC, para manter-se entre as grandes do setor no fornecimento de defensivos agrícolas.

A empresa tem se preocupado em interpretar as

necessidades que vêm surgindo na agricultura em função das novas demandas que movimentam

o mundo e vem buscando oferecer soluções que

possam suprir tais necessidades. O objetivo da FMC

é permanecer gerando ao produtor os melhores

resultados em produtividade e rentabilidade, mas a empresa está especialmente focada em incluir em seu portfólio produtos em harmonia com a natureza e em desenvolver ações socioeducativas que resultem na prática de uma agricultura responsável. A outra ponta desse tripé diz respeito às Operações, caminho pelo qual a empresa busca a redução de custos e a mitigação de impactos ambientais por meio do uso racional de recursos.

Do ponto de vista da Inovação o Presidente FMC Corporation América Latina, Antonio Carlos Zem, enfatiza que a empresa continuará apostando na parte química tradicional, mas que, muito mais do que pesquisar e investir na descoberta de moléculas, vislumbra a aquisição de outras novas. “Adquirimos três moléculas nos últimos dois anos e estamos em fase de aquisição de mais duas ou três, que esperamos poder anunciar em breve.”

Essa conduta é justificada pelas extensas e concentradas áreas de soja, milho e algodão, que serão uma realidade na agricultura do amanhã, tornando-se natural um aumento das pressões de pragas e doenças. “Temos o sentimento de que somente a resposta química não sustentará o todo. Precisamos de uma combinação de métodos. Trazer produtos biológicos, naturais, trabalhar mais a

PRINCÍPIOS DA SUSTENTABILIDADE FMC Inovação – impulsionar a sustentabilidade em nossos esforços de inovação.
PRINCÍPIOS DA
SUSTENTABILIDADE FMC
Inovação – impulsionar a sustentabilidade em
nossos esforços de inovação.
Operações – utilizar recursos com eficácia e
responsabilidade.
Práticas de Negócios – entre outras coisas, estão
relacionadas à responsabilidade social, que prioriza
o respeito às pessoas e a melhoria da qualidade de
vida em comunidades nas quais a empresa opera.

nutrição de plantas, a transgenia. Com todos esses aspectos combinados e articulados, teremos uma agricultura mais sustentável e poderemos realmente conseguir alavancar mais ainda a produção que buscamos”, explica Zem.

Em relação às Práticas de Negócios, que, entre

outras coisas, referem-se à responsabilidade social,

a empresa estabeleceu como prioridade o respeito

às pessoas e a melhoria da qualidade de vida em comunidades nas quais opera. Por isso, a FMC permanece investindo de maneira consistente na educação e conscientização quanto à importância da atuação responsável no campo para que se possa garantir um futuro sustentável. Sua mais recente iniciativa foi criar uma nova peça teatral, dentro do Programa Atuando com Responsabilidade, a exemplo do Plantando o 7, só que, desta vez, em defesa da natureza, intitulada “Árvore da Vida”, que ensinará às crianças a importância de um ecossistema, respeitando todos os seres vivos que ali habitam.

A

empresa também reforça seu compromisso com

o

meio ambiente por meio de processos seguros

e

responsáveis nas suas Operações: na fábrica,

em Uberaba (MG), já há alguns anos é feito o monitoramento da emissão de gases de efeito estufa (CO 2 ), porém esses e outros índices ambientais deverão se reduzir drasticamente até 2015 como consequência de um planejamento que tem metas agressivas de redução de resíduos e de emissões, como também do consumo de recursos escassos como

água e energia.

de redução de resíduos e de emissões, como também do consumo de recursos escassos como água

SQUARE

SQUARE INOVAÇÃO A química do sucesso Por: Yemel Ortega Conhecimento e estratégia revelam a magia de
SQUARE INOVAÇÃO A química do sucesso Por: Yemel Ortega Conhecimento e estratégia revelam a magia de

INOVAÇÃO

A química do sucesso

Por: Yemel Ortega

Conhecimento e estratégia revelam a magia de desenvolver soluções superiores para uma agricultura sustentável

soluções superiores para uma agricultura sustentável e necessidade da agricultura, toda essa gama de elementos

e

necessidade da agricultura, toda essa gama de elementos disponíveis será desperdiçada.

desenvolver combinações sinérgicas voltadas

à

Ou seja, podemos ter os melhores ingredientes ativos, mas, se não houver critério e engenhosidade para desenvolver formulações adequadas que facilitem manuseio e aplicação, e que proporcionem melhor desempenho, todo o trabalho será insatisfatório. Quando você conhece a necessidade do mercado, os ingredientes ativos e inertes, e domina as técnicas de formulação, você é bem-sucedido, resolvendo com criatividade e eficácia os problemas da agricultura.

Quando se consegue lançar continuamente formulações inovadoras e alcançar uma posição estável de liderança no mercado, esse feito não é o resultado de uma fórmula mágica, mas do profundo conhecimento e de um plano estratégico que conduz ao êxito.

e de um plano estratégico que conduz ao êxito. O mundo está cheio de recursos, elementos,

O mundo está cheio de recursos, elementos, moléculas e ingredientes ativos com potencial

para serem aplicados como soluções para uma agricultura mais produtiva e amigável ao ambiente. E, considerando-se as novas tecnologias, ainda é possível ao homem incrementar as possibilidades de encontrar alternativas inovadoras que cumpram com as exigências da sociedade moderna.

Além do conhecimento e das técnicas, a FMC se

esforça, a cada dia, para produzir os efeitos desejados a fim de maximizar a produtividade agrícola e o faz mediante o desenvolvimento de produtos e formulações altamente eficazes (efetivas e práticas) que permitem o controle de pragas e doenças da maior importância, de uma forma tão bem direcionada

e criativa que parece mágica!

Como o processo de melhoria contínua na FMC nunca cessa, recentemente evoluímos para uma estrutura

No entanto, se não houver conhecimento e criatividade para extrair o máximo do potencial de cada elemento, de maneira integrada e estável,

potencial de cada elemento, de maneira integrada e estável, PRÁTICAS DE NEGÓCIOS Árvore da Vida: respeitando

PRÁTICAS

DE

NEGÓCIOS

Árvore da Vida:

respeitando a natureza

Por: Fernanda Teixeira

C om inspiração no sucesso que o espetáculo teatral Plantando o 7 faz por onde passa,

levando a mensagem dos 7 hábitos quanto ao uso correto e seguro de produtos agroquímicos, criamos o projeto Árvore da Vida – uma peça que apresenta a descoberta de um novo hábito de atuação responsável: a defesa e o respeito pela natureza.

Este projeto, também em parceria com a companhia de teatro Sia Santa, reforça o propósito de explorar na criança seu grande potencial multiplicador de informações. E, mais uma vez, o teatro foi o meio escolhido, por ser um grande recurso didático e educativo, que permite fácil assimilação, gerando grande interesse e curiosidade nas crianças. O mais interessante é que as crianças, quando chegam em suas casas, replicam todo o conteúdo do espetáculo para seus familiares, exercendo o papel de cidadãs conscientes e responsáveis na sociedade, desde pequenas.

de Tecnologia e Inovação que integra as equipes de formulação e desenvolvimento de produtos em uma unidade coesa. Esta nova unidade trabalha completamente entrosada com o Marketing, para

a criação de soluções inéditas que antecipem as necessidades de nossos clientes.

Os relatos sobre os alquimistas, considerados por muitos como mágicos, demonstram que eles eram, na realidade, cientistas com uma visão clara de aonde queriam chegar, com interesses pela manipulação de materiais químicos e orgânicos, procurando incessantemente transformações desses materiais em ouro.

A FMC não transforma materiais em ouro, mas seu

compromisso é o de transformar materiais químicos,

orgânicos e biológicos em soluções para maximizar o rendimento das culturas com uma melhor qualidade e, consequentemente, um maior valor para o agricultor.

E isso, metaforicamente, pode ser chamado “ouro”.

Reconhecemos que a criação de produtos de alta qualidade requer formulações eficazes que permitam uma ação sinérgica ou aditiva entre os diferentes componentes para ter o melhor desempenho,

os diferentes componentes para ter o melhor desempenho, controlando, de forma preventiva e/ou curativa, os
os diferentes componentes para ter o melhor desempenho, controlando, de forma preventiva e/ou curativa, os

controlando, de forma preventiva e/ou curativa, os principais problemas de pragas, doenças e plantas daninhas. Dessa maneira, nosso objetivo é atingir, da forma mais prática e econômica possível, as necessidades atuais e futuras, pois sabemos que os sistemas agrícolas não são estáticos, e mudanças ocorrem diariamente.

Enfim, graças ao espírito inovador e empreendedor da FMC, estamos destinados a continuar fazendo “mágica” para criar, desenvolver e lançar os melhores produtos do mercado a fim de atingir as necessidades de nossos clientes. Essa é a química do nosso sucesso.

de nossos clientes. Essa é a química do nosso sucesso. Yemel Ortega Gerente de Tecnologia e

Yemel Ortega

Gerente de Tecnologia e Inovação

Relatório de Sustentabilidade, transparência e ética na gestão

de Sustentabilidade, transparência e ética na gestão Com uma série de ações de cunho socioambiental que

Com uma série de ações de cunho socioambiental que vem desenvolvendo, somadas ao expoente crescimento da sua participação de mercado, a FMC reeditou o seu Relatório de Sustentabilidade, publicando, em 2012, um balanço que demonstra o seu desempenho em 2011.

“O papel do Relatório de Sustentabilidade é tornar transparente aos seus públicos de interesse a atuação da organização nos campos econômico, social e ambiental, garantindo a ética da gestão”, explica a Gerente de Comunicação, Fernanda Teixeira, que coordenou a edição. “Esse relatório espelha a conduta de uma empresa cujo desempenho econômico está perfeitamente alinhado ao seu compromisso com o meio ambiente e com o desenvolvimento social”, analisa.

o meio ambiente e com o desenvolvimento social” , analisa. A gerente explica ainda que a

A gerente explica ainda que a sustentabilidade se tornou

uma prioridade enraizada nos valores e princípios éticos

e empresariais de toda a corporação, tanto que a matriz

adotou o método Global Reporting Initiative (GRI) para

divulgar o Relatório de Sustentabilidade, qualificado como Nível B, e cujas informações estão disponíveis no site corporativo da empresa, podendo ser acessadas pelo www.fmc.com/sustainability.

SQUARE
SQUARE

SQUARE

SQUARE A peça teatral conta a história de uma turma de insetos que se une para
SQUARE A peça teatral conta a história de uma turma de insetos que se une para
SQUARE A peça teatral conta a história de uma turma de insetos que se une para

A peça teatral conta a história de uma turma de insetos que se une para salvar a vida de uma grande árvore e do ecossistema de que ela faz parte. Mas esses pequenos heróis se deparam, em seu caminho, com muito suspense, perigos e aventuras, até descobrirem que a chave para a vitória está no conhecimento.

Com essa história simples e cativante, de aproximadamente 40 minutos de duração, Árvore da Vida garante muita diversão, informação e boas risadas para crianças de todas as idades, que aprendem, acima de tudo, a valorizar e preservar o meio ambiente.

acima de tudo, a valorizar e preservar o meio ambiente. Por acreditarmos na força e importância
acima de tudo, a valorizar e preservar o meio ambiente. Por acreditarmos na força e importância
acima de tudo, a valorizar e preservar o meio ambiente. Por acreditarmos na força e importância

Por acreditarmos na força e importância desse projeto, ele será disponibilizado aos clientes por meio dos benefícios de programas de relacionamento FMC, e para o próximo ano estamos preparando o processo para aprovação de financiamento via Lei Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada

em 2013.

Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada em 2013. 22 FMC Fernanda

22 FMC

Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada em 2013. 22 FMC Fernanda

Fernanda Teixeira

Gerente de Comunicação

Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada em 2013. 22 FMC Fernanda
Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada em 2013. 22 FMC Fernanda
Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada em 2013. 22 FMC Fernanda
Rouanet, o que significa que vem por aí uma grande temporada em 2013. 22 FMC Fernanda

SQUARE

SQUARE OPERAÇÕES Sustentabilidade com a química certa Por: Octávio Gerbasi D esde que chegou ao Brasil,

OPERAÇÕES

Sustentabilidade com a química certa

Por: Octávio Gerbasi

D esde que chegou ao Brasil, na década de 70, a FMC já vem adotando práticas pioneiras de

gestão ambiental. Com foco na sustentabilidade, Operações vem, em um novo ritmo, estabelecendo como prioridade o uso responsável dos recursos em sintonia com a visão 2015.

uso responsável dos recursos em sintonia com a visão 2015. Fazemos o mapeamento de todos os

Fazemos o mapeamento de todos os aspectos e impactos ambientais das atividades de nossas operações. Com base neste mapeamento implantamos ações que amenizam os impactos ambientais e também que geram benefícios adicionais para as operações e para o meio ambiente.

Com todo o crescimento projetado por meio de mais de 40 lançamentos de novos produtos e com a finalidade de suportar a dinâmica de novas formulações, adotamos as práticas sustentáveis também no processo de desenvolvimento.

Os produtos passam por exaustivos testes para defensivos agrícolas a fim de assegurar eficácia biológica e atendimento às exigências/regulamentares ambientais, de saúde pública e de eficiência operacional. Testes em campo também são realizados para atender todas as necessidades de nossos clientes.

para atender todas as necessidades de nossos clientes. Metas para até 2015 A FMC está comprometida

Metas para até 2015

A FMC está comprometida em reduzir

a geração de resíduos e otimizar o uso

dos recursos naturais e assim deixar um mundo melhor para as gerações atuais e vindouras.

Consumo de energia (kWh/MT)um mundo melhor para as gerações atuais e vindouras. Consumo de água (m³/MT) Geração de resíduos

Consumo de água (m³/MT)gerações atuais e vindouras. Consumo de energia (kWh/MT) Geração de resíduos (kg/MT) Redução de CO 2

Geração de resíduos (kg/MT)Consumo de energia (kWh/MT) Consumo de água (m³/MT) Redução de CO 2 (MT/ano) 5000 2000 450

Redução de CO 2 (MT/ano) 2 (MT/ano)

de resíduos (kg/MT) Redução de CO 2 (MT/ano) 5000 2000 450 128,6 120,6 105 80 9,6
de resíduos (kg/MT) Redução de CO 2 (MT/ano) 5000 2000 450 128,6 120,6 105 80 9,6
de resíduos (kg/MT) Redução de CO 2 (MT/ano) 5000 2000 450 128,6 120,6 105 80 9,6
5000 2000 450
5000
2000
450

128,6

120,6 105 80 9,6 7,6 5 3 0,7 0,6 0,5 0,3 2010 2011 2012 até
120,6
105
80
9,6
7,6
5
3
0,7
0,6
0,5
0,3
2010 2011
2012
até 2015
GESTÃO AMBIENTAL Gestão dos recursos hídricos: É a gestão da água para consumo, águas pluviais,
GESTÃO AMBIENTAL Gestão dos recursos hídricos: É a gestão da água para consumo, águas pluviais,

GESTÃO AMBIENTAL

Gestão dos recursos hídricos: É a gestão da água para consumo, águas pluviais, águas subterrâneas e efluentes líquidos do processo, em que todos os efluentes líquidos gerados no processo produtivo são enviados para incineração externa em empresas licenciadas e credenciadas para este serviço.

Gestão dos resíduos: Os resíduos gerados na unidade são quantificados, separados e classificados para fins de inventário. O inventário é enviado semestralmente para órgão ambiental competente. Há, basicamente, três tipos de resíduos na fábrica, sendo eles: os recicláveis, os resíduos domésticos não recicláveis e os resíduos perigosos.

Há rígido controle em todas as etapas e processos produtivos através de uma gestão integrada do meio ambiente e auditoria regular dos prestadores de serviços na disposição desses resíduos.

Gestão de emissões atmosféricas: Anualmente são realizadas análises nas chaminés da unidade com

são realizadas análises nas chaminés da unidade com Há rígido controle em todas as etapas e
são realizadas análises nas chaminés da unidade com Há rígido controle em todas as etapas e

Há rígido controle em todas as etapas e processos produtivos através de uma gestão integrada do meio ambiente e auditoria regular dos prestadores de serviços

ambiente e auditoria regular dos prestadores de serviços 24 FMC SQUARE o objetivo de avaliar o
24 FMC SQUARE
24 FMC
SQUARE
regular dos prestadores de serviços 24 FMC SQUARE o objetivo de avaliar o desempenho ambiental dos

o objetivo de avaliar o desempenho ambiental dos equipamentos de controle de poluição instalados no processo. São monitorados materiais particulados e ativos semivoláteis. Esses dados são controlados e enviados para o órgão ambiental competente.

Gestão de recursos energéticos: Toda a energia elétrica consumida tem como origem fonte externa da concessionária de energia. A unidade também utiliza combustíveis para geração de energia, entre eles o óleo diesel para secagem no processo do inseticida granulado e o GLP para movimentação de empilhadeiras. Todos os consumos são monitorados para fins de gestão, controle e melhoria de desempenho. Os gases de efeito estufa (CO 2 ) gerados no site são estimados através de parâmetros de conversão em que são considerados os consumos de energia elétrica, óleo diesel e GLP. Projetos para utilização de fontes de energia renováveis e diminuição do consumo energético estão em desenvolvimento para minimizar a geração dos gases de efeito estufa.

Todos os fatores-chave de sustentabilidade são considerados e as análises de aspectos e impactos ambientais estão inclusas neste momento.

Na FMC, a sustentabilidade é mais do que uma iniciativa ambiental e muito mais do que se sentir bem sobre os esforços para fazer a coisa certa. É a base para sustentar o futuro da empresa e relacionamentos valiosos com os clientes, funcionários e as pessoas que vivem e trabalham nas comunidades onde a empresa opera.

que vivem e trabalham nas comunidades onde a empresa opera. Octávio Gerbasi Gerente de Tolling para
que vivem e trabalham nas comunidades onde a empresa opera. Octávio Gerbasi Gerente de Tolling para
que vivem e trabalham nas comunidades onde a empresa opera. Octávio Gerbasi Gerente de Tolling para
que vivem e trabalham nas comunidades onde a empresa opera. Octávio Gerbasi Gerente de Tolling para
que vivem e trabalham nas comunidades onde a empresa opera. Octávio Gerbasi Gerente de Tolling para

Octávio Gerbasi

Gerente de Tolling para América Latina

NEGÓCIOS

DOS

PRAÇA

SQUARE

O amanhã

26 FMC

Por: Marco Faria

SQUARE

começa hoje

Uma das mais difíceis tarefas do produtor é interpretar as mudanças que determinam os rumos dos negócios, mas gerir essas mudanças, tomando as decisões certas na hora certa, é fundamental para o seu sucesso

A agricultura brasileira vai muito bem, obrigado! E isso se deve muito aos empresários agrícolas,

que há anos vêm investindo, apostando, muitas vezes nadando contra a maré. Posso dizer, com certo orgulho, que também fazemos parte dessa história, posto que a FMC sempre esteve lado a lado com o produtor, acompanhando de perto e contribuindo para esta revolução agrícola que está acontecendo. Com muitos aprendizados, o campo mais tecnificado e mais profissionalizado, é justo comemorar não somente os bons resultados atuais, como também o futuro promissor da agricultura brasileira.

Entretanto, é preciso focar no amanhã mais imediato. Não nesse amanhã que nos espera mais à frente, mas no amanhã de cada safra, que começa no hoje. Olhar

para a frente é um exercício obrigatório para planejar

o futuro, tanto quanto olhar para trás e aprender com

as experiências. E essas são ações que só podem acontecer no hoje.

É bom poder surfar nesta onda de um mercado

altamente favorável, mas há que se ter cautela e lembrar que, mais do que qualquer outra atividade, a agricultura vive de ciclos – que, entre outras coisas, são especialmente sensíveis a mudanças climáticas e econômicas. Gerir essas mudanças, safra a safra, é o grande desafio do produtor. Interpretar as mudanças que determinam os rumos do negócio e agir com precisão é das mais difíceis tarefas que o empresário agrícola tem.

Como uma das maiores empresas do segmento de defensivos agrícolas, a FMC está estruturada para apoiar o seu cliente nesse desafio constante. E não é de hoje. No passado, a empresa emparelhou-se com produtores de cana para ações pró-álcool e na criação do Clube da Cana. Não é por acaso que atualmente é líder no fornecimento a esse setor. O mesmo ocorreu com produtores de algodão, apoiando a criação da Abrapa e criando o Clube da Fibra. A mesma aposta e investimento vêm se repetindo junto aos produtores de grãos e mais consistentemente com sojicultores, que também já contam com o seu próprio fórum, o Clube da Soja.

SQUARE

28 FMC

SQUARE 28 FMC Olhar para a frente é um exercício obrigatório para planejar o futuro, tanto

Olhar para a frente é um exercício obrigatório para planejar o futuro, tanto quanto olhar para trás e aprender com as experiências. E essas são ações que só podem acontecer no hoje

E essas são ações que só podem acontecer no hoje em US$ 15 milhões; quando “estourava”
E essas são ações que só podem acontecer no hoje em US$ 15 milhões; quando “estourava”

em US$ 15 milhões; quando “estourava” alguma oportunidade de mercado, o momento de reação era menor e com menor custo. Hoje, uma virada no mercado, ou um repique, pode significar mais de US$ 75 milhões em novos negócios, e, claro, isso se torna mais complexo, com mais custos e dificuldades para atender de última hora.

Porém, podemos garantir que para o cliente o crescimento da FMC representa inúmeras vantagens, pois a empresa não cresceu apenas em tamanho. Vem crescendo em tecnologia, em capacitação de pessoas, em busca de soluções e principalmente na capacidade de focar as necessidades de seus clientes, antecipando-se aos problemas e às oportunidades dentro do sistema de produção da fazenda.

Finalmente, queria dizer que somos uma equipe “pronta pra tudo” e que, embora não possamos decidir pelos nossos clientes, trabalharemos incansavelmente para

que o seu amanhã seja tão bom ou melhor que o hoje.

para que o seu amanhã seja tão bom ou melhor que o hoje. Marco Faria Gerente
para que o seu amanhã seja tão bom ou melhor que o hoje. Marco Faria Gerente

Marco Faria

Gerente Nacional

Vendas Algodão

Isso porque somos, de fato, uma empresa com grande potencial para as principais culturas. Temos o Locker, único fungicida para soja proveniente da sinergia de três ativos diferentes dentro de um mesmo produto totalmente estável. Quando falamos em inseticidas, temos o Talisman, produto com ótimo espectro de controle, alta eficiência e pouca agressividade ao meio ambiente, indicado para soja e algodão. Enfim, temos portfólio completo para soja, cana e algodão e continuamos crescendo no portfólio de arroz, HF, fumo, citros e outros.

O time FMC está preparado para atender todas as culturas do cliente, sejam elas quais forem, porque, em pouco mais de dez anos, saltamos de um portfólio em que a quantidade de produtos podia ser contada nos dedos das mãos para mais de 50 produtos diversos em nossa linha, sem falar dos cerca de 40 produtos com previsão de lançamento até 2015. Éramos uma empresa com um time no campo que chegava à casa das 60 pessoas e hoje esse número mais que triplicou, somando acima de 200 pessoas. Como consequência desse crescimento, e também por causa dele, o faturamento saltou de US$ 150 milhões/ ano para mais de US$ 700 milhões/ano.

No entanto, a grandeza desses números traz consigo uma maior complexidade. Para entendermos essa questão, vamos comparar os dias de hoje com uma década atrás. Quando tínhamos de atender uma oportunidade de vendas, ou repique, falávamos

CONHECIMENTO

DO

PRAÇA

SQUARE

CONHECIMENTO DO PRAÇA SQUARE Por: Paulo Edimar Saran Impressões da soja Manuais registram os novos desafios

Por: Paulo Edimar Saran

Impressões da soja

Manuais registram os novos desafios que marcam a cultura da soja, com fotos e dados que demonstram a suscetibilidade a insetos e doenças em suas diversas fases

A cultura da soja vem acumulando novos desafios a cada safra. Esses desafios se apresentam na forma

de patógenos provocando lesões e de insetos que se transformam em pragas, causando danos à cultura.

Estas novas ocorrências, relacionadas a vários fatores, estão vinculadas principalmente ao monocultivo, abertura de novas áreas, rotações de culturas a cada safra ou sucessão de cultivos na mesma safra, provocando a interação de plantas involuntárias, hospedando ou multiplicando insetos de forma

na mesma safra, provocando a interação de plantas involuntárias, hospedando ou multiplicando insetos de forma FMC

SQUARE

SQUARE alternativa, num fenômeno chamado ponte verde. o Manual de identificação das doenças da soja e

alternativa, num fenômeno chamado ponte verde.

o

Manual de identificação das doenças da soja e

Esse fenômeno faz com que os insetos se adaptem

o

Manual de identificação de percevejos da soja,

à nova fonte, a novas variedades (mais suscetíveis

a novas doenças) e a prolongamentos de plantios,

aumentando o período de multiplicação de insetos ou aumentando a intensidade de patógenos no ambiente. Além disso, também os acertos e erros de manejo influenciam nas ocorrências dos insetos e doenças.

Todas essas ocorrências fazem com que a figura de um amostrador, tão comum nas lavouras de algodão, seja também comum nas lavouras de soja.

É exatamente a abordagem desses novos desafios na cultura da soja que está sendo tratada nos dois novos manuais da Coletânea FMC, de minha autoria:

30 FMC

que mantêm a qualidade dos manuais anteriores, respeitando a qualidade fotográfica e a riqueza de registros, por meio da identificação das várias fases de ocorrência das lesões.

Acredito que, com os novos manuais, a identificação das infecções das doenças nos vários estádios das lesões assim como o entendimento do comportamento, ciclo biológico e identificação das posturas, danos e dos percevejos nas várias fases (ninfas e adultos) serão facilitados pela qualidade e diversidade dos registros fotográficos apresentados.

As fotos foram registradas ao longo de várias safras e selecionadas de acordo com a representatividade fiel das características dos sintomas e variações dos insetos.

e selecionadas de acordo com a representatividade fiel das características dos sintomas e variações dos insetos.

SQUARE

Manual identificação das doenças da soja As doenças descritas Manual identificação de doenças da de
Manual
identificação
das
doenças
da
soja
As
doenças
descritas
Manual
identificação
de
doenças
da
de soja da rã, de são:
Tombamento,
Mancha
Mancha
e parda de
da
folha,
Míldio
soja,
Oídio
soja,
Antracnose,
Mancha-alvo,
Ferrugem
da
soja,
Mofo
branco,
Crestamento
foliar
de
cercospora,
Mela
e da no DFCs. haste olho folha,
Podridão
parda
da
haste,
Podridão
da
raiz
da da
haste,
Mancha
de
mirotécio,
Seca
da
e da
vagem,
Crestamento
bacteriano,
Viroses
Manual de identificação
de percevejos da soja
Os
insetos
descritos
Manual
identificação
de
percevejos
são:
Percevejo
castanho,
verde. Percevejo
verde,
Percevejo
soja pequeno,
Percevejo
marrom,
Percevejo
asa
da preta
e no Percevejo
de barriga

SQUARE

SQUARE Os insetos e doenças citados nos manuais são considerados como os mais comuns nas regiões

Os insetos e doenças citados nos manuais são considerados como os mais comuns nas regiões produtoras, principalmente no cerrado (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Piauí e Maranhão).

Além das imagens, os manuais possuem outras informações, como gráficos de ocorrência das doenças e dos percevejos e dos períodos reprodutivos em relação ao ciclo de cultivares na cultura da soja, descrição dos estádios vegetativos e reprodutivos da soja e algumas observações que podem induzir a erros de interpretação dos sintomas de danos de

doenças e percevejos.

dos sintomas de danos de doenças e percevejos. Paulo Edimar Saran Consultor Técnico Manuais disponíveis
dos sintomas de danos de doenças e percevejos. Paulo Edimar Saran Consultor Técnico Manuais disponíveis

Paulo Edimar Saran

Consultor Técnico

Manuais disponíveis site e estão no FMC no aplicativo manuais A FMC disponibilizou os da
Manuais
disponíveis
site e estão
no
FMC
no aplicativo
manuais
A FMC disponibilizou os
da sua coletânea no
site www.fmcagricola.com.br
e também
FMC Agrícola Brasil, na
App Store ou
no aplicativo
no Google Play,
para ter o
maior acervo de
bastando fazer o download
na tela do seu
Brasil disponível
imagens agrícolas do
computador, tablet
ou celular.

32 FMC

DANINHAS

PLANTAS

DAS

PRAÇA

SQUARE

A hora do café

Por: Matheus Rossi Rodrigues

SQUARE

U ma bebida tão antiga quanto o café, cercada de

mitos e apreciada no mundo todo, tem justificada

importância quando o assunto é o consumo. Desde

o coador de pano aos mais modernos equipamentos

para se obter o melhor sabor, sua influência na saúde

– para o bem e para o mal –, a qualidade do grão, a

melhor xícara, a melhor receita, quente ou gelado, o melhor horário ou lugar, na cidade ou na fazenda Enfim, haverá sempre um especialista para dar um bom conselho sobre o café.

E quando o assunto é a produção? Nessa hora

também são muitas as variáveis que podem influenciar no desenvolvimento da cultura, e uma dessas variáveis são as plantas infestantes, também chamadas daninhas por se desenvolverem no meio do cafeeiro, causando perdas à produção.

Os prejuízos são devidos à concorrência por água, nutrientes e luz para plantas novas e ramos plagiotrópicos da planta de café, interferindo nas práticas de adubação, arruação, esparramação, bem como na colheita.

Além disso, as plantas daninhas infestantes podem, ainda, ser prejudiciais ao hospedar pragas, como nematoides, lagartas, etc., razões por que o seu controle é muito importante para a formação e manutenção da produção da cultura do café.

Manejo das plantas daninhas Tanto quanto o simples ato de tomar um bom cafezinho está
Manejo das
plantas daninhas
Tanto quanto o simples ato de tomar um bom
cafezinho está relacionado a uma diversidade
de fatores, o manejo das plantas infestantes
também requer um conjunto de métodos
de controle, entre eles o controle químico e
medidas como a aplicação correta e no período
adequado, de maneira a se evitar prejuízos
econômicos e ambientais.
Sobressaindo-se como um herbicida de nova
geração, o Aurora é altamente eficiente em
baixas dosagens, proporcionando rápida
dessecação das plantas daninhas e alta
performance em ervas de difícil controle
(trapoeraba), além de ser seguro para culturas
vizinhas e oferecer baixo risco ao meio
ambiente, não apresentando residualidade,
volatilidade e persistência no solo.

Período Crítico

SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO
SET
OUT
NOV
DEZ
JAN
FEV
MAR
ABR
MAI
JUN
JUL
AGO

SQUARE

INTERFERÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS

Blanco et al. (1982) - perdas 56 a 77% (4 anos)

Matocompetição

SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO
SET
OUT
NOV
DEZ
JAN
FEV
MAR
ABR
MAI
JUN
JUL
AGO

Momento ideal para aplicação

Para vencer a batalha contra as plantas infestantes e garantir esse prazer aos milhares de apreciadores no mundo todo, é preciso duas coisas: o conhecimento sobre ecossistemas agrícolas, em que plantas daninhas e os cultivos desenvolvem-se numa mesma área, e, o mais importante, conhecer a forma de manejo que vai minimizar a interferência desta na produtividade e qualidade do café colhido.

36 FMC

Matocompetição é crítica no período chuvoso

Período crítico

As plantas daninhas, de maneira geral, entre elas

a trapoeraba, se desenvolvem mais na época das

águas, quando as temperaturas são mais elevadas, entre os meses de outubro e março, coincidindo com as fases de maior desenvolvimento vegetativo, floração e frutificação do cafeeiro, sendo que a maior concorrência se dá de dezembro a março, fase de granação dos frutos, quando aumenta a necessidade de nutrientes (Matiello, 1991).

Elas também competem com a cultura do café em formação, no período de outubro a abril (período de maior precipitação pluviométrica), provocando perdas de 56,0 a 77,0% da produção. O período entre a

arruação e a varrição para a colheita também deve ser mantido sem interferência de plantas daninhas, pois

a ausência de plantas daninhas facilita a operação e

diminui as perdas na colheita do cafeeiro (Blanco et al., 1982).

e diminui as perdas na colheita do cafeeiro (Blanco et al. , 1982). Matheus Rossi Rodrigues

Matheus Rossi Rodrigues

Desenvolvimento de Mercado

PARTIDA

DE

PONTO

SQUARE

Revendo as operações de troca

Por: Marina Fusco

SQUARE

O perações de troca, barter, escambo, enfim, nomes dados às negociações de pacotes de insumos tendo

como forma de pagamento a commodity produzida pelos produtores, surgiram com duas finalidades principais: alavancar vendas e lastrear o recebimento. Essa modalidade de operação se popularizou nos últimos anos, extrapolando as fronteiras do Cerrado, diversificando-se por diferentes commodities, conquistando cada vez mais adeptos e defensores.

conquistando cada vez mais adeptos e defensores. A operação de troca precisa se tornar cada vez

A operação de troca precisa se tornar cada vez menos pacote de produtos e mais uma solução integrada para o cliente

de produtos e mais uma solução integrada para o cliente No entanto, com o passar dos

No entanto, com o passar dos anos e o mercado nos surpreendendo com grandes volatilidades de preços das commodities e de moedas, com a expansão dos distribuidores de insumos e com a capitalização do produtor, tornou-se necessário olhar novamente para essa modalidade de negócio e enxergar nela novas finalidades.

Quem está na ponta que fecha a operação de troca, seja produtor com distribuidor, produtor ou distribuidor com a indústria química, precisa ter clara uma percepção de valor nessa relação. Seja porque ela está favorável ou porque esta permite que através das garantias sejam liberados financiamentos e limites de crédito, rebates em programas de relacionamento, formação de parcerias com outras empresas, acessos a novos mercados.

Atrelado a isso, a operação de troca permite que seja feita uma gestão de riscos da exposição diante das incertezas dos mercados. Ou seja, ao se fechar o pacote considerando os preços dos insumos na mesma moeda que das commodities, o risco de exposição financeiro está controlado. As formas de garantir essa relação de lastro de moedas são diversas, como através dos contratos a termo com as Tradings ou operando diretamente nas Bolsas, como CME, ICE e BM&FBovespa, através de contratos futuros, opções ou NDFs via bancos.

Por fim, a operação de troca precisa se tornar cada vez menos pacote de produtos e mais uma solução integrada para o cliente. Precisamos estar atentos para cada vez mais ouvir os problemas que nossos clientes estão enfrentando e encontrar alternativas

que possam surpreendê-los.

estão enfrentando e encontrar alternativas que possam surpreendê-los. Marina Fusco Especialista em Trading FMC 3 9
estão enfrentando e encontrar alternativas que possam surpreendê-los. Marina Fusco Especialista em Trading FMC 3 9

Marina Fusco

Especialista em Trading

VIA GENS

DAS

PRAÇA

Fotos: Secretaria de Turismo/Prefeitura Municipal de Barreiras

SQUARE

40 FMC

Barreiras é parada obrigatória

SQUARE

A s barreiras que serviram de inspiração para o nome desta cidade baiana foi o que promoveu o

desenvolvimento do povoado naquele local, último porto da parte navegável do Rio Grande, que banha a cidade.

Como se pode constatar, ao invés de obstáculos,

essas barreiras propiciaram à cidade crescer e com

o tempo ser considerada referência da agroindústria

brasileira. Tal fama foi conquistada no decorrer de sua história, iniciando com o ciclo da borracha. Depois, sequencialmente, foram a cana-de-açúcar, o algodão e

a mamona os principais produtos agrícolas cultivados

em terras barreirenses. A soja foi introduzida nos anos 1980, época em que se iniciou a exploração agrícola economicamente viável das áreas de cerrados e quando novos agricultores chegaram ao município, atraídos pela disponibilidade de terras baratas, com topografia plana favorável à agricultura mecanizada, temperatura e luminosidade adequadas e um potencial hídrico abundante.

A partir dos anos 90 houve uma dinâmica do

crescimento com a expansão das lavouras de sequeiro

e a implantação dos primeiros projetos de irrigação, o

BELEZAS NATURAIS

dos primeiros projetos de irrigação, o BELEZAS NATURAIS Rio de Ondas O Rio de Ondas tem

Rio de Ondas

O Rio de Ondas tem a calha coberta por pedras,

formando saltos e corredeiras espumantes e ondas que deram origem ao seu nome, propiciando

atividades como o “boia cross”, que utiliza câmaras de

ar para descer o rio, ou ainda a navegação em botes

e caiaques.

Cachoeiras do Acaba Vida e do Redondo

O Rio de Janeiro forma os mais belos cartões-postais

de Barreiras: as Cachoeiras do Acaba Vida e do Redondo. A Cachoeira do Acaba Vida, emoldurada pela mata, possui 36 metros de queda livre de exuberante beleza e a do Redondo, que tem uma queda d’água compacta formando enormes piscinas de águas cristalinas, propicia um excelente banho.

piscinas de águas cristalinas, propicia um excelente banho. Rio Grande O Rio de Janeiro, o Rio
Rio Grande O Rio de Janeiro, o Rio Branco e o Rio de Ondas com
Rio Grande
O Rio de Janeiro, o Rio Branco e o Rio de Ondas com
seus afluentes formam a Bacia do Rio Grande, que
banha a cidade fazendo um trajeto em forma de
ferradura, sendo o maior e mais importante afluente
do lado esquerdo do Rio São Francisco.
Serra do Mimo
Por entre trilhas rústicas, uma verdadeira cidade
de pedras guarda surpresas e vestígios de uma
civilização pré-histórica que está sendo estudada por
arqueólogos. E, ainda, a Gruta das Pedras Brilhantes
e a Caverna do Paulista guardam inscrições e pinturas
rupestres datadas de milhares e milhares de anos.

HISTÓRIA A cidade que supera obstáculos

Por estar numa localização considerada estratégica do mapa da Bahia, no eixo de entroncamento das

estradas com o rio navegável, Barreiras se desenvolveu como importante entreposto comercial, onde tropeiros

e boiadeiros se encontravam com as barcas que

faziam o transporte dos produtos para os centros consumidores. Contudo, sua história entremeia ciclos de desenvolvimento com outros de declínio, mesmo antes de sua fundação, que data de 1891.

Durante a colonização portuguesa do Brasil, a região recebia os primeiros desbravadores, que conduziam rebanhos avançando as terras banhadas por pequenos rios de águas claras. Com o bom avanço comercial, barqueiros e aventureiros subiam o Rio Grande e exploravam áreas desabitadas, culminando na formação de novas comunidades, entre elas a que levou o nome de São João de Barreiras, atual município de Barreiras, que viveu como um pequeno entreposto durante cerca de 150 anos. A localidade passou a conhecer um desenvolvimento maior com a passagem dos povoadores que buscavam atravessar os Rios São Francisco e Grande para se dirigir a Goiás.

O desenvolvimento foi ainda mais estimulado a partir

de 1880. A grande abundância, nas matas locais, da mangabeira, de cuja seiva se fazia a borracha,

foi fator definitivo de crescimento e de uma nova atividade econômica, pela qual o acanhado povoado pôde progredir mais rapidamente e obter, logo no ano seguinte, 1881, a criação de sua freguesia. Em 6 de abril de 1891, Barreiras deixou de ser apenas um

pequeno vilarejo pertencente ao município de Angical

e passou a ostentar o status de cidade.

Com a diminuição da atividade econômica da

borracha, foi, mais tarde, o aproveitamento dos rios para a obtenção de energia que deu novo impulso

a Barreiras e, em 1928, foi construída no município

a segunda hidroelétrica da Bahia, que fez com que indústrias se instalassem na região.

Desse modo, em pouco tempo, a cidade que praticamente não crescia economicamente viu

surgir frigoríficos, máquinas beneficiadoras de arroz

e algodão, fábricas têxteis, curtumes e empresas

especializadas na extração de borracha. Os bons tempos econômicos de Barreiras duraram até 1964,

ano em que a hidrelétrica foi desativada, só voltando

a alavancar novo processo de desenvolvimento

na década de 70, quando foi concluída a rodovia Salvador-Brasília (BR 242), e com a implantação da agricultura em larga escala obtida através da correção do solo até então pobre do cerrado baiano, nos idos de 1980. Pouco depois, o município foi beneficiado com projetos de irrigação. Hoje, é referência nacional em diversas culturas.

Hoje, é referência nacional em diversas culturas. Cristalândia do Piauí Barreiras Luís Eduardo
Hoje, é referência nacional em diversas culturas. Cristalândia do Piauí Barreiras Luís Eduardo
Cristalândia do Piauí Barreiras Luís Eduardo Ibotirama Magalhães Correntina SQUARE
Cristalândia
do Piauí
Barreiras
Luís Eduardo
Ibotirama
Magalhães
Correntina
SQUARE

42 FMC

Barreiras, com uma população de 137.428 habitantes, está localizada no oeste do estado, a 853 quilômetros da capital, Salvador.

SQUARE

LOCAIS HISTÓRICOS

Arraial da Penha: primeiro núcleo urbano de Barreiras, onde são fabricados doces e biscoitos típicos da região. Nos vales férteis, os engenhos, ainda movidos a tração animal, produzem cachaça de forma rudimentar.

Usina Hidrelétrica: prédio construído em 1928 para abrigar as três turbinas que eram movidas por uma queda d’água artificial (segunda hidrelétrica da Bahia).

Casa da Sertaneja: casarão em estilo neoclássico datado de 1919 em bom estado de conservação, construído para sediar a Cia. Sertaneja - Empresa Agropastoril S/A.

Museu Municipal: urnas funerárias com esqueletos, armas e objetos de pedra lascada e polida fazem parte do acervo em exposição.

Centro Histórico (1): no início do século XX, o progresso chegou a Barreiras e deixou marcas nos imponentes casarões de arquitetura neoclássica, verdadeiro monumento arquitetônico, que em parte sobrevive até hoje: Praça Duque de Caxias, Catedral São João Batista (2), Igreja de Santa Terezinha e Mercado Cultural Caparrosa, prédio construído na década de 50 para abrigar a feira municipal. É um espaço turístico, onde são realizadas apresentações culturais e exposições de artesanatos.

apresentações culturais e exposições de artesanatos. 1 2 que possibilitou a diversificação da atividade
1 2
1
2

que possibilitou a diversificação da atividade agrícola

e introduziu novos e grandes investimentos com moderna tecnologia de produção.

Se do ponto de vista da agricultura Barreiras se faz cada vez mais atraente, ao considerarmos as belezas naturais, com seus rios e cachoeiras, os achados

arqueológicos, seu conjunto arquitetônico, que conta

a história de uma época, uma coisa é certa: Barreiras

é parada obrigatória! E obrigatoriamente para quem

está ligado às culturas de café irrigado, soja, milho e algodão, nas quais o município se destaca.

Cortada pelo Rio Grande e atravessada por três rodovias federais, Barreiras compõe, junto com as cidades circunvizinhas, a maior região agrícola do Nordeste, além de despontar também no cenário

nacional como porta de entrada do mais novo polo de ecoturismo da Bahia, Caminhos do Oeste.

Hoje, com uma população de aproximadamente 140 mil habitantes e atenta às novas demandas, a cidade possui um centro comercial e de serviços em pleno desenvolvimento, oferecendo aos moradores e turistas todas as comodidades e conforto de uma cidade de porte, com rede bancária e hoteleira, aeroporto, restaurantes e muitas opções para o lazer e os negócios.

Como o transporte rodoviário é predominante, quer para o escoamento da produção quer para a movimentação de passageiros, o município conta com expressiva malha rodoviária: BR 242, BR 135 e BR

020 e a estadual BA 447.

passageiros, o município conta com expressiva malha rodoviária: BR 242, BR 135 e BR 020 e

CRAQUES

DE

BANCO

Ilustração: Mário Alberto

SQUARE

Rio-2016.

Como será?

Por: Mauro Naves

44 FMC

SQUARE

A ntes de mais nada, vale declarar que sou otimista. Por natureza. Sempre acreditei que o que vem pela frente pode e vai ser melhor do que tudo que ficou pra trás.

Mas existem situações que nos obrigam a refletir e, com os pés no chão, ver que nem sempre dá pra apostar num futuro tão diferente. É o caso, por exemplo, de quando a gente pensa na situação brasileira para a próxima Olimpíada.

E o pior, que deveria ser o melhor, é que a próxima vai ser aqui no Brasil, no Rio de Janeiro, diante de uma torcida apaixonada e esperançosa por um festival de medalhas. Mas a chance de decepção é muito maior do que a expectativa de se comemorar grandes resultados.

Olhando pra trás, o retrospecto nos mostra uma evolução pouco animadora. Este ano, em Londres, o

Brasil alcançou um recorde: 17 medalhas. Mas ainda

é um número muito pequeno e uma evolução mínima,

se observarmos que quatro anos antes, na China, trouxemos 15. E podemos ir além, se pensarmos que

15 o Brasil já havia conseguido em 1996, em Atlanta.

E

nesse intervalo conseguimos 12 em Sydney (2000)

e

10 em Atenas (2004).

São números que comprovam que nosso crescimento técnico foi mínimo nos últimos anos. E de uma forma geral, com raríssimas exceções, como o vôlei, tanto de quadra como de areia, a natação e o judô, no mais as conquistas brasileiras vivem de agradáveis surpresas.

Londres foi uma prova disso. Quem apostaria, além

deles próprios, nas vitórias do ginasta Arthur Zanetti

e dos boxeadores da família Falcão, os irmãos Esquiva

e Yamaguchi? E o maior problema é que se trata de conquistas que não são frutos de um trabalho que recebeu apoio ao longo dos anos. Nem do governo nem de patrocinadores.

ao longo dos anos. Nem do governo nem de patrocinadores. Certamente na Rio-2016 descobriremos novos heróis

Certamente na Rio-2016 descobriremos novos heróis olímpicos

na Rio-2016 descobriremos novos heróis olímpicos São conquistas que se devem a uma extrema dedicação dos

São conquistas que se devem a uma extrema dedicação dos próprios atletas. Numa conversa rápida com o Zanetti, já depois do ouro nas Argolas, ele me contou que só conseguiu um bom patrocinador oficial com menos de cinco meses antes da competição. Antes vivia apenas com o apoio básico da Prefeitura de São Caetano do Sul. Vale lembrar que, pra ganhar o ouro aos 22 anos, Zanetti se dedica aos treinos diários desde os 7 anos de idade. Um herói, e não apenas olímpico.

A trajetória dos irmãos Falcão não é muito diferente.

Na infância, graças ao incentivo do pai que é um ex- boxeador, eles treinavam numa improvisada academia

no quintal da casa deles, onde davam socos em uma bananeira. A falta de incentivo e perspectiva era tanta que, aos 16 anos, Esquiva abandonou o esporte para ganhar dinheiro vendendo drogas nas ruas. Por sorte, o pai descobriu rapidamente e evitou o pior trazendo-o de volta ao boxe.

Certamente na Rio-2016 descobriremos novos heróis olímpicos com histórias de vida parecidas. Mas não seria muito mais interessante e correto que contássemos com um grupo de atletas mais bem preparados? E só há um meio para se conseguir isso: apoio de base.

Sabemos que muitas empresas e até mesmo o governo federal gastam dinheiro apoiando atletas e clubes. Mas, em geral, essa assistência vem depois que os talentos esporádicos já se manifestaram. E aqueles que ficaram pelo caminho? É preciso ter uma política voltada pra formação desses atletas.

Faltam apenas quatro anos pra se conseguir o que deveria ter começado bem antes. No mínimo, em 2 de outubro de 2009, quando o Brasil teve o privilégio de ser o primeiro país sul-americano escolhido pra este tipo de evento esportivo. Mas os resultados de Londres parecem ter aberto olhos e cofres pra que uma nova realidade comece a ser sedimentada.

E as metas são audaciosas. Depois da 22ª colocação

geral em Londres, o país vai tentar estar entre os dez melhores na Rio-2016. Pra conseguir isso, o governo federal está lançando um plano de investimentos que prevê, entre outros pontos, a participação de mais atletas em competições internacionais, além de treinamentos com técnicos estrangeiros. O foco principal serão as seleções sub-19 e sub-21 de vários

esportes. Há ainda a previsão de criação de planos como

o Bolsa-Técnico e o Plano Medalha, além da melhoria

(fundamental) dos equipamentos da infraestrutura esportiva. Para garantir lugar entre os dez maiores, o Brasil precisará conquistar, no mínimo, 30 medalhas.

Pra se chegar lá, uma das estratégias será aumentar

o apoio para as modalidades individuais. E rever com

atenção os motivos de resultados insatisfatórios em Londres. E não foram poucos.

Tomara que tudo saia do papel o mais rapidamente possível. Afinal, segundo o site do Comitê Organizador do Rio de Janeiro, os custos de instalações e infraestrutura para a Rio-2016 serão de R$ 23,2 bilhões.

É muito dinheiro para se construir um palco em que os shows sejam feitos apenas pelos convidados. O dono

da festa merece ter um lugar de destaque.

convidados. O dono da festa merece ter um lugar de destaque. Mauro Naves Jornalista esportivo da
convidados. O dono da festa merece ter um lugar de destaque. Mauro Naves Jornalista esportivo da

Mauro Naves

Jornalista esportivo da Rede Globo de Televisão

FMC

OLIMPÍADAS

SQUARE

FMC OLIMPÍADAS SQUARE No pódium E m Londres, entre tantos atletas que disputavam as Olimpíadas, um

No pódium

E m Londres, entre tantos atletas que disputavam as Olimpíadas, um time se destacou: eram

os medalhistas FMC, que alcançaram o topo do pódium por apresentarem o maior crescimento em comercialização dos produtos Aurora, Mustang e Talstar, durante a campanha Conquista FMC.

Destinada a canais de distribuição que participam dos programas de relacionamento Revenda Aliança, Orion e Conta Ouro, a campanha ofereceu aos vencedores uma viagem a Londres, durante as Olimpíadas, para assistir ao vôlei de praia, provas de natação, vôlei masculino, hipismo e atletismo. Além dos ganhadores, participaram membros da equipe FMC responsáveis pelo atendimento do primeiro colocado.

FMC responsáveis pelo atendimento do primeiro colocado. 46 FMC Nossos medalhistas Ronaldo Bortolotto SANTERRA -

46 FMC

Nossos medalhistas

Ronaldo Bortolotto SANTERRA - Criciúma/SC

Carlos Alberto Carloto CIAGRO - São Borja/RS

Jean Piere Lorini AGROHORIZONTE - Rio Brilhante/MS

Marcelo Lucas da Silva CENTRAL - Vilhena/RO

José Benedito Guerra Maia AGROMAIA - Pilar do Sul/SP

Gilmar Dell Osbel VALE - Querência/MT

Ednei Luis Rodrigueiro LAVORO - Rondonópolis/MT

Paulo Rogerio Dinis Roque AGRIC. ROQUE - Campo Verde/MT

Wanderson Eder Sasdelli HERBICAMPO - Goiânia/GO

Luiz Piccinin AGRO AMAZÔNIA - Cuiabá/MT

Eduardo Menezes FMC - Pelotas/RS

Elenice Fernandes FMC - Campinas/SP

Ricardo Canedo Silva FMC - Goiânia/GO

Carlos Zavarize BM - Indaiatuba/SP

Renovaldo Montagnana AGROSS - Campinas/SP

Foco e motivação

“Desde o lançamento dessa campanha, a Lavoro Agro Comercial e todos seus colaboradores estiveram focados e muito motivados, almejando este prêmio espetacular e que ainda nos permitiria interagir com outros Distribuidores FMC.

Foi um orgulho para nossa empresa quando soubemos do resultado que tanto trabalhamos em equipe para atingir. E estar em Londres, nas Olimpíadas, e assistir às principais competições foi único e espetacular – uma recordação inesquecível.

No mais, a FMC, além dos ótimos negócios realizados, possui uma equipe que conhece as necessidades de seus clientes, estando sempre presente em momentos decisivos e importantes para a distribuição, e é esse relacionamento que nos traz a tranquilidade de sermos parceiros.”

Ednei Luis Rodrigueiro - LAVORO - Rondonópolis/MT

Satisfação em se superar

“Quando soubemos que éramos finalistas na campanha, a sensação foi de satisfação, pois mais uma vez nos superamos, assim como foi na campanha da Copa do Mundo, que a Agross também ganhou. Sabíamos que, com uma premiação dessas, iríamos desfrutar de grandes emoções, tanto esportivas como culturais.

Assistir ao vivo o maior evento esportivo do mundo foi simplesmente sensacional e emocionante, somando- se a isso o fato de conhecer uma das cidades mais belas e importantes, rica em história e cultura, sem falar dos ótimos restaurantes e pubs.

Tudo isso é fruto do ótimo relacionamento que temos com a FMC por meio do programa de que participamos, proporcionando uma grande motivação para o cumprimento das metas, as quais, além da Agross, beneficiam também nossa equipe.”

Renovaldo Montagnana - AGROSS - Campinas/SP

FMC 47 SQUARE
FMC 47
SQUARE

VIP

ÁREA

SQUARE

Sob holofotes

Com programa de relacionamento diferenciado, FMC valoriza de forma especial clientes que lhe dão preferência

48 FMC

SQUARE

D iz o dicionário que o favoritismo é a preferência que se dá ao favorito, aquele ou aquilo que

mais agrada por suas características. Colocando esses termos numa relação comercial, significa que o conjunto produto, serviço, assistência técnica, preço, atendimento, distribuição e demais valores agregados, oferecidos pelo negociante, é fator preponderante para a fidelidade do cliente.

de relacionamento, o Prima Classe, que coloca sob holofotes os clientes que lhe dão preferência,

oferecendo-lhes um leque de benefícios que vão desde

a aquisição de bens materiais (carros, motos, GPS,

etc.) até cursos de gestão, consultoria na área agrícola

e abertura de mercado para o algodão brasileiro, como o Brazilian Cotton Lint, entre outros.

“O Programa Prima Classe é bastante diferenciado,

Foram tais características que moldaram o relacionamento da FMC com seus clientes, sempre

pois não se trata de simples pontuação por aquisição de produtos. É por meio dele que nos aproximamos

pautado pelo senso de união em torno de um objetivo

e

conhecemos melhor as necessidades dos clientes,

em comum: o crescimento e a sustentabilidade da

o

que nos permite, efetivamente, oferecer benefícios

agricultura brasileira. E foi devido a essa condição de parceria que a FMC criou, em 2000, um programa

adequados a essas necessidades”, explica a Gerente de Relacionamento Maria Paula Luporini.

explica a Gerente de Relacionamento Maria Paula Luporini. PAULO MIZOTE – Produtor na região de São

PAULO MIZOTE Produtor na região de São Desidério/Roda Velha - BA, com foco nas seguintes culturas:

algodão (11 mil ha); soja (8 mil ha); e milho (4 mil ha) - safra 11/12.

“O Prima Classe é um exemplo de como a FMC entende o seu cliente no sentido de ajudá-lo a se fortalecer. Os benefícios do programa são voltados a nos ajudar na estruturação e desenvolvimento do negócio, sejam eles materiais ou de natureza técnica, como a consultoria de planejamento sucessório que estamos visando para a próxima pontuação.”

Prêmio: 1 caminhonete Hilux

INACIO URBAN Produtor que atua nas regiões mineiras de Coromandel, São Gonçalo do Abaeté, Presidente Olegário e Varjão de Minas. Planta 6000 ha de algodão; 6000 ha de milho; 8000 ha de soja; 1400 ha de café; 1000 ha de feijão; e 700 ha de trigo.

“Manter fidelidade com uma empresa multinacional, igual à FMC, transmite ao produtor muita tranquilidade e comodidade por estarem nos enviando produtos confiáveis. O bônus que recebemos é muito bom, porque são ferramentas em benefício da produção. As nossas quatro motocicletas serão enviadas para as fazendas para uso dos técnicos no monitoramento das culturas implantadas.”

Prêmios: 4 motocicletas Honda 150

SQUARE

NELSON VIGOLO – Diretor-presidente do Grupo Bom Jesus, que atua em Mato Grosso produzindo algodão, soja e milho, com propriedades em Tangará da Serra, Sorriso, Gaúcha do Norte e Rondonópolis.

“Ser cliente Prima Classe permite condições mais favoráveis e vários benefícios para o cliente. Entre as inúmeras vantagens, vale salientar algumas: a garantia de longevidade da parceria comercial na aquisição de químicos; a abertura de um canal direto de relacionamento entre as empresas e a facilidade de acesso às inovações tecnológicas disponíveis, entre outras. E os benefícios são ótimos. Atendem às demandas da empresa em investimentos no transporte e/ou serviços. Por exemplo, os prêmios que retiramos vão ser destinados ao segmento de produção da empresa, visando promover uma melhoria nos trabalhos da gestão técnica das fazendas.”

Prêmio: 4 automóveis Fiat Strada Tracking

RODRIGO RODRIGUES Engenheiro Agrônomo, formado pela ESALQ/USP (1997), e Diretor de Operações da Agrifirma, sendo responsável por toda a produção agrícola da empresa (soja, milho, algodão e café), bem como por todo o trabalho de desenvolvimento de terras (abertura, fertilização, infraestrutura e construções, maquinário, etc.), além de novos negócios.

“O Prima Classe é um programa muito bem pensado e gera um alinhamento de interesses entre o cliente e a empresa. Somos uma empresa de desenvolvimento de terras e produção de grãos e fibras e, como tal, investimos muito em nossas áreas. O Uno Mille Way será instrumental para a concretização de um projeto do nosso time, sendo o veículo que caracterizará a Patrulha do Bem. O conceito é que este carro deverá transportar o pessoal de TI, de Qualidade, de Meio Ambiente, Técnico de Segurança líder e Nutricionista, em visitas às nossas quatro fazendas no oeste baiano, levando informações aos gerentes e seus times, melhorando as condições de trabalho e auditando internamente o ambiente geral de nossas fazendas.”

Prêmio: 1 automóvel Fiat Mille Way

50 FMC

fazendas.” Prêmio: 1 automóvel Fiat Mille Way 50 FMC Maria Paula Luporini, Gerente de Relacionamento FMC,
fazendas.” Prêmio: 1 automóvel Fiat Mille Way 50 FMC Maria Paula Luporini, Gerente de Relacionamento FMC,

Maria Paula Luporini, Gerente de Relacionamento FMC, que está à frente do Programa Prima Classe

Instrumentos de melhoria

Nos 12 anos do Prima Classe a empresa já concedeu a seus clientes os mais diversos prêmios, que podem ser revertidos em benefício da produção, desde GPS, notebooks, motos, câmaras fotográficas, picapes, automóveis, cursos como o GEA – Gestão Empresarial do Agronegócio –, viagens de intercâmbio, palestras técnicas, serviços, e está prestes a lançar outras novidades que irão focar no planejamento sucessório.

palestras técnicas, serviços, e está prestes a lançar outras novidades que irão focar no planejamento sucessório.

A FMC divide com vocês sua última conquista:

Pela 9ª vez está entre AS MELHORES EMPRESAS PARA VOCÊ TRABALHAR.

A FMC divide com vocês sua última conquista: Pela 9ª vez está entre AS MELHORES EMPRESAS
A FMC divide com vocês sua última conquista: Pela 9ª vez está entre AS MELHORES EMPRESAS
A FMC divide com vocês sua última conquista: Pela 9ª vez está entre AS MELHORES EMPRESAS