Você está na página 1de 2

Aos Acionistas, Conselheiros e Administradores da

Rede Energia S.A.


São Paulo — SP

1. Revisamos as informações contábeis contidas nas Informações Trimestrais (ITR),


individuais e consolidadas, da Rede Energia S.A. (“Companhia”) e empresas
controladas, referentes ao trimestre e semestre findos em 30 de junho de 2010,
compreendendo o balanço patrimonial e as demonstrações do resultado, dos
fluxos de caixa e das mutações do patrimônio líquido, o relatório de
desempenho e as notas explicativas, elaborados sob a responsabilidade de sua
Administração.

2. Nossa revisão foi efetuada de acordo com as normas específicas estabelecidas


pelo Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), em conjunto
com o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), e consistiu, principalmente,
em: (a) indagação e discussão com os administradores responsáveis pelas áreas
contábil, financeira e operacional da Companhia e empresas controladas
quanto aos principais critérios adotados na elaboração das Informações
Trimestrais (ITR); e (b) revisão das informações e dos eventos subsequentes que
tenham, ou possam vir a ter, efeitos relevantes sobre a posição financeira e as
operações da Companhia e empresas controladas.

3. Com base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhuma modificação


relevante que deva ser feita nas informações contábeis contidas nas
Informações Trimestrais (ITR) acima referidas, para que estejam de acordo com
as práticas contábeis adotadas no Brasil e normas expedidas pela Comissão de
Valores Mobiliários (CVM), aplicáveis à elaboração das Informações Trimestrais.

4. Conforme mencionado na nota explicativa nº 4, durante o exercício de 2009,


foram aprovados pela CVM diversos Pronunciamentos, Interpretações e
Orientações Técnicas emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis
(CPC) com vigência para 2010, que alteraram as práticas contábeis adotadas no
Brasil. Conforme facultado pela Deliberação CVM nº 603/09, a Administração da
Companhia e empresas controladas optou por apresentar suas Informações
Trimestrais (ITR) utilizando as normas contábeis adotadas no Brasil até 31 de
dezembro de 2009, ou seja, não aplicou esses normativos com vigência para
2010. Conforme requerido pela citada Deliberação, a Companhia e empresas
controladas divulgaram esse fato na nota explicativa nº 4 às ITR e a descrição
das principais alterações que poderão ter impacto sobre as suas demonstrações
contábeis do encerramento do exercício e os esclarecimentos das razões que
impedem a apresentação da estimativa dos seus possíveis efeitos no patrimônio
líquido e no resultado, como requerido pela Deliberação CVM nº 603/09.
5. As Informações Trimestrais - ITR possuem informações contábeis referentes ao
trimestre findo em 31 de março de 2010, as quais foram revisadas por nós, e o
relatório de revisão dos auditores independentes, emitido em 13 de maio de
2010, não possuía ressalva. Adicionalmente, as demonstrações do resultado e
dos fluxos de caixa, referentes ao trimestre e semestre findos em 30 de junho
de 2009, apresentadas para fins de comparação, foram revisadas por nós, sobre
as quais emitimos relatório de revisão, datado de 04 de agosto de 2009, com
parágrafo de ênfase sobre recurso interposto pelas controladas Centrais
Elétricas Matogrossenses S.A. (CEMAT), Centrais Elétricas do Pará S.A. (CELPA),
Empresa Energética de Mato Grosso do Sul S.A. (ENERSUL) e Companhia de
Energia Elétrica do Estado do Tocantins (CELTINS) de informações relevantes
que não foram consideradas no cálculo das Tarifas de Fornecimento de Energia
Elétrica e de Uso do Sistema de Distribuição – TUSD, conforme apresentado pela
ANEEL nas Resoluções Homologatórias nº 784 e 785 de 24 de março de 2009, nº
830 de 16 de junho de 2009, nº 849 de 21 de julho de 2009 e pela Resolução
Homologatória nº 796, de 7 de abril de 2009, cujo entendimento dos
especialistas e assessores jurídicos das controladas foi que os componentes
financeiros apresentados (passivos regulatórios) nas Notas Técnicas nº 118 e 120
de 31 de março de 2009, nº 221 de 29 de junho de 2009 e nº 269 de 3 de agosto
de 2009, homologadas pelas Resoluções Homologatórias nº 794, 796, 847 e 857,
respectivamente, devem ser anulados e eram ajustes financeiros oriundos da
segunda Revisão Tarifária Periódica para as controladas mencionadas. Os
passivos regulatórios das controladas foram registrados e estão sendo
devolvidos na tarifa dos consumidores durante a vigência dos reajustes.

São Paulo, 12 de agosto de 2010

Luiz Carlos de Carvalho


Sócio-contador
CRC 1SP197193/O-6
BDO Auditores Independentes
CRC 2SP013439/O-5

As folhas da ITR por nós revisadas estão rubricadas somente para fins de
identificação.