Você está na página 1de 4

POTENCIAIS CELULARES

O corpo tem uma série de funções biológicas para manter desequilíbrio entre o meio. Carga interna negativa Carga externa positiva

POTENCIAL DE REPOUSO

‘’É a diferença de potencial elétrico existente entre duas faces da membrana plasmática, tal condição existe para todas as células humanas e é condição indispensável à organização celular’’

A membrana plasmática depende da organização assimétrica para se

organizar, as proteínas se posicionam de um jeito ou de outro, dependendo do DDP.

O potencial celular é no espaço perimembranar; nas duas faces da membrana.

Cada tipocelular tem um determinado DDP.

70mV - diferença entre DDP entre as faces da membrana, a célula quer manter essa DDP. QUANDO FORA FOR 0, DENTRO SERÁ 70, não se sabe o valor, apenas a diferença. Fora será 0 e dentro será a DDP. A carga corresponde ao íon. Para manter esse valor, em teoria, não teria que sair nem entrar nenhum íon. Porém, a membrana é semipermeável. Canais passivos de não serem fechados: canais vazantes (por onde os íons se movimentam).

QUEM CONFERE A CARGA INTERNA NEGATIVA? Substâncias presentes no espaço perimembranar e que tem carga negativa. As principais são, cloreto, fosfato e proteínas aniônicas. QUEM CONFERE A CARGA EXTERNA POSITIVA? O potássio, pois só há ele.

O Na anula toda a carga negativa do Cl, por ter mais quantidade.

TRANSPORTE PASSIVO

ENTRA 3 NA E SAI 2 K A membrana deixa o K passar mais facilmente que o Na, pois é mais concentrado fora. E sua carga positiva é atraída pela carga interna negativa. O gradiente eletroquímico do Na é muito favorável para o seu movimento. O K é mais concentrado dentro, então sai. O meio interno é negativo, a entrada do Na é facilitada, o K saindo é dificultada. 1 carga positiva está constantemente entrando, anularia a DDP rapidamente, pelo movimento passivo, através do Na pelos canais vazantes (corrente de vazamento).

Ganho constante de carga corrente de vazamento.

Bomba NaK

ENTRA 2 K E SAI 3 NA

TRANSPORTE ATIVO

Serve para manter uma distribuição assimétrica de íons, no caso sódio e potássio. É uma ATPase, quebra ATP em ADP + Pi, sobra energia. Agindo, ela desfaz o movimento passivo, mantendo a DDP.O principal regulador da bomba NaK é o potássio extracelular. Quanto mais potássio, mais a bomba trabalha. A atividade da bomba NaK durante o potencial de repouso é de 85% para manter a DDP.

a célula precisa manter seu potencial, seja ele qual for.

acontece o movimento passivo, gerando uma corrente iônica, que é contrabalançada pela atividade da bomba, movimento ativo, que mantém uma distribuição assimétrica, e que internamente, a carga negativa é feita pelo cloreto de sódio e proteínas, e externamente o potássio, o qual é o principal regulador da bomba, a qual trabalha em torno de 85%.

tudo no espaço perimembranar

POTENCIAL DE AÇÃO

‘’É um sinal elétrico em propagação para conduzir uma informação, seja uma ordem ou uma notícia. Tal potencial propaga-se ao longo das membranas excitáveis, de uma célula à outra (sinapse) ou até na intimidade de um tecido (túbulos T-músculos; Junção GAP T-Músculos cardíaco)’’

Exclusivo de células excitáveis e autoexcitáveis, não são todas. Desempenham condição elétrica. Haverá uma variação na condição do repouso.

Onda DIR

Despolarização igualar as cargas; fazer sumir o polo negativo e positivo. 0 e 0, empate

Inversãoinverte as cargas; interna positiva e externa negativa.

Repolarizaçãoretorno à condição original, novamente interno negativo e externo positivo

Se receber um estímulo adequado e suficiente, uma célula excitável irá sair do potencial de repouso e irá partir para o potencial de ação. Fazendo-a atingir o limiar excitatório, a resposta nervosa é tudo ou nada, é o quanto é preciso diminuir para começar o potencial de ação, gerando uma corrente elétrica, chamada de corrente capacitiva, diminui a DDP do repouso até o limiar excitatório, iniciando o potencial de ação. Considerando valores, 70 seria o potencial de repouso e 20 seria o limiar excitatório, se a célula chegar à esse valor, acontece tudo, se chegar a 21 não acontece nada.

Delimitando um espaço na membrana

Para não atrapalhar esse processo, a bomba NaK cai de 85% para 5% (o mínimo que ela pode) o estímulo foi dado e variou até o limiar excitatório

acontece a abertura do canal iônico na membrana, chamado de canal voltagem dependente (depende da variação da voltagem para poder se abrir). Se inicia no local onde foi aberta e se propaga para as regiões vizinhas. Abrindo os canais voltagem dependente. Toda a membrana despolariza, inverte e repolariza, em suas regiões vizinhas, pois é uma reação em cadeia, gerando corrente elétrica.

permitindo a corrente iônica, o qual é o movimento do Na e K

O Na entra e leva carga positiva, anulando a carga negativa que tem dentro, quando suficiente para anular a DDP, então houve uma despolarização. Agora as cargas são iguais. O Na continua entrando, deixando o meio interno positivo e o externo negativo, fechando o canal de Na e abrindo o canal de K. Levando para fora toda essa carga positiva, o K deixa o meio interno negativo e externo positivo. A bomba volta a trabalhar a 100%, porque saiu K e tem muito K fora. Então a bomba reconstitui as concentrações de Na e K.