Você está na página 1de 6

MA23 - Geometria Anal´ıtica

Unidade 4 - Distˆancias no plano e posi¸c˜ao relativa entre retas e c´ırculos

Jo˜ao Xavier

PROFMAT - SBM

13 de agosto de 2013

- Distˆancias no plano e posi¸c˜ao relativa entre retas e c´ırculos Jo˜ao Xavier PROFMAT - SBM
- Distˆancias no plano e posi¸c˜ao relativa entre retas e c´ırculos Jo˜ao Xavier PROFMAT - SBM

Distˆancias no plano

Iniciamos esta unidade definindo distˆancia de um ponto a uma reta

e distˆancia entre duas retas, bem como apresentando express˜oes alg´ebricas para efetuar o c´alculo de tais distˆancias.

Defini¸c˜ao: A distˆancia d (P, r ), do ponto P `a reta r , ´e definida como:

d(P, r ) = min{d(P, Q) : Q

r }.

Fazendo uso do teorema de Pit´agoras, prova-se que existe um unico´ P r tal que d(P, r ) = d(P, P ). N˜ao ´e dif´ıcil verificar que P ´e o p´e da perpendicular a r que passa pelo ponto P .

O resultado a seguir apresenta uma forma alg´ebrica de calcularmos a

distˆancia do P = (x 0 , y 0 ) `a reta r : ax + by = c :

Distˆancias no plano

Proposi¸c˜ao:

d (P, r ) = |ax 0 + by 0 c|

a 2 + b 2

.

Prova: Seja s a reta perpendicular a r passando por P. Como o vetor (a, b) ´e perpendicular a r , a equa¸c˜ao param´etrica de s ´e X (t) =

(x 0 + ta, y 0 + tb).

Seja t tal que X (t) r , isto ´e, X (t) = proj r (P).

Ent˜ao, a(x 0 + ta) + b(y 0 + tb) = c. Desta igualdade decorre que

t = c ax 0 by 0

.

a 2 + b 2

Portanto, d(P, r ) = d(P, proj r (P)) = d(P, X (t)). mente,

Consequente-

d(P, r) = (ta) 2 + (tb) 2 = |t| · a 2 + b 2 = |ax 0 + by 0 c|

.
.

a 2 + b 2

Distˆancias no plano

Como consequˆencia do resultado provado, podemos facilmente de- duzir uma expres˜ao para o c´alculo da distˆancia entre duas retas. Ve- jamos defini¸c˜ao e color´ario a seguir.

Defini¸c˜ao: Definimos a distˆancia entre duas retas r e r como sendo a menor distˆancia entre um ponto de r e um ponto de r . Isto ´e,

d(r, r ) = min{d(P, P ) : p r e

P

r }.

Pela defini¸c˜ao, podemos concluir que d (r , r ) = 0 se, e somente se, r e r s˜ao coincidentes ou concorrentes.

= c e r : ax + by = c retas paralelas

Corol´ario: Sejam r : ax + by

(c

=

c ). Ent˜ao,

d(r, r ) =

|c c |

a 2 + b 2 .

Posi¸c˜ao relativa entre retas e c´ırculos

Vimos na unidade anterior, as posi¸c˜oes relativas que duas retas podem ter no plano. Abordaremos agora as posi¸c˜oes relativas entre c´ırculos e retas do ponto de vista alg´ebrico. Para isso, lembramos da Geometria Plana, que um c´ırculo C e uma reta r no plano podem estar em trˆes posi¸c˜oes relativas:

(a)

r C consiste de dois pontos: r ´e dita secante ao c´ırculo C .

(b)

r C consiste de exatamente um ponto: a reta r ´e dita tangente

ao c´ırculo C .

(c) r C = : a reta r ´e dita exterior ao c´ırculo C .

Posi¸c˜ao relativa entre retas e c´ırculos

Fazendo uso da express˜ao obtida para calcular a distˆancia entre um ponto e uma reta e da conhecida classifica¸c˜ao das ra´ızes de um polinˆomio do segundo grau, em termos quantitativos, em fun¸c˜ao do seu discriminante prova-se o seguinte resultado:

um c´ırculo de

centro A = (x 0 , y 0 ) e raio α. Ent˜ao,

Proposi¸c˜ao:

Sejam r

: ax + by

= c

uma reta e C

(a)

C r

= se, somente se, d(A, r ) > α.

(b)

C r consiste de um unico´ ponto se, e somente se, d(A, r ) = α.

(c)

C r consiste de exatamente dois pontos se, e somente se,

d(A, r) < α.