Você está na página 1de 7

___________________________________________________________________

TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO PARTE 2


___________________________________________________________________

Guilherme Henrique Gonalves Mollica


RA: 11033

Universidade estadual Paulista


Sistemas Trmicos
Laboratrio N. 02

Guaratinguet
Junho, 2017
1. 0bjetivo

O objetivo principal deste experimento verificar a relao entre a


velocidade de escoamento do ar e o coeficiente de transferncia de calor por
conveco. Tambm podemos comparar o coeficiente de conveco
experimental e o obtido pela expresso de Hilpert.

2. Fundamento Terico

Em um escoamento externo de um cilindro em fluxo cruzado (Figura 1), a


taxa de transmisso de calor por conveco ser influenciada pela velocidade V,
densidade , pelo calor especifico c, pela condutividade trmica k, pelo dimetro
do tubo D, e pela viscosidade dinmica.

Figura 1 Tubo em escoamento externo cruzado

Fonte: Incropera

Portanto, pode ser demonstrado que existe uma relao entre h e as


variveis citadas anteriormente, pela seguinte expresso:
. . . .
= ( , ) (1)

Em que,
. . . .
Re = , = , Pr = (2)

A equao 1 pode ser reagrupada com os dados obtidos pela anlise


dimensional, obtendo-se:

. . . .
= ( ) ( ) (3)

Hilpert achou uma relao emprica que foi modificada para levar em
considerao vrios nmeros de Prandtl, podendo ser expressa da seguinte
forma:

1
= . . 3 (4)

Os valores de B e n podem ser encontrados em uma tabela, que os


relaciona com o valor do nmero de Reynolds.
Fazendo-se o logaritmo dos dois lados da equao (3), considerando
Prandtl tendo um valor de 0,7 para o ar, possvel encontrar:

log = log + log (5)

Onde,
. . .
= , =

3. Aparato experimental

Podemos verificar na figura 2, os equipamentos utilizados neste laboratrio. Um


tubo de ar de seco quadrada, aonde era colocado perpendicularmente um tubo
redondo, para simular um tubo cilndrico em um escoamento externo em fluxo
cruzado. Podemos tambm ver nesta figura, o tubo cilndrico de cobre sendo
aquecido com o auxlio de uma resistncia em que a sua temperatura est sendo
monitorada. Por ltimo podemos destacar a escala para medio da presso no
tubo de seo quadrada.

Figura 2 Equipamentos utilizados


4. Dados coletados em laboratrio

Podemos verificar nas tabelas abaixo os dados obtidos no experimento,


na tabela 1 foram obtidos os valores da presso na regio aonde foi colocado o
tubo. Aps o aquecimento do basto de cobre a uma temperatura um pouco
superior a 80C ele era colocado na coluna 3, e o tempo era medido at atingir a
temperaturas desejada de 40C. Este procedimento foi realizado para 5 valores
de reas de descarga, com o objetivo de variar a velocidade do escoamento.

Tabela 1 Dados e clculos

Os dados para B e n foram obtidos do livro INCROPERA para cada valor


de nmero de Reynolds e podem ser encontrados na tabela 2.
Tabela 2 - Constantes da equao de Hilpert

5. Resultados e discusses

Pode ser verificado na equao (5) que o coeficiente da

Figura 3 Curva para determinao de h (Centro 1 coluna)


6. Concluso

7. Bibliografia

INCROPERA, F. P., & DEWITT, D. P. (2002). Fundamentals of heat and


mass transfer. New York, J. Wiley.

Você também pode gostar