Você está na página 1de 5

Argumentação e retórica

O domínio do discurso argumentativo a procura de adesão do auditório

Rui Coelho

18-11-2015

Índice

Lógica formal e lógica formal

Lógica formal e lógica formal

2

Distinção

2

Demonstração e argumentação

2

Distinção
Distinção
Distinção
Distinção

Distinção

2

Relação entre o auditório e orador por meio do discurso

2

Retórica

3

Definição

3

«Provas» ou estratégias de persuasão

3

Ethos, pathos e logos

3

Resumindo

3

Lógica formal e lógica formal

DistinçãoLógica formal e lógica formal Lógica formal Logica informal Estuda os argumentos dedutivos Estuda os

Lógica formal

Logica informal

Estuda os argumentos dedutivos

Estuda os argumentos não dedutivos (por exemplo: indutivos, por analogia, de autoridade)

Há uma relação de necessidade entre as premissas e a conclusão

Premissas verdadeiras não garantem a verdade da conclusão

Não atende ao conteúdo dos argumentos, mas apenas à sua forma

Atende, não apenas à forma, mas também ao conteúdo dos argumentos

Os argumentos são válidos ou inválidos

Os argumentos são bons ou maus, consoante são mais ou menos prováveis/plausíveis/ razoáveis

Demonstração e argumentação

Distinçãorazoáveis Demonstração e argumentação A argumentação pressupõe uma relação entre o orador e

A argumentação pressupõe uma relação entre o orador e um auditório particular, e é

contextualizada, enquanto a demonstração se dirige a um auditório universal. O fim da argumentação é obter a adesão do auditório às teses que lhe são apresentadas, enquanto o fim da demonstração é deduzir consequências das premissas (verdadeiras) apresentadas. A argumentação é do domínio do verosímil, ou seja, do que pode ser verdadeiro, mas não necessariamente, enquanto que a demonstração é do domínio do constringente, isto é, impõe-se de maneira evidente e necessária a qualquer auditório. A linguagem usada na demonstração é desprovida de ambiguidade enquanto que na argumentação se usa linguagem

natural e corrente.

Relação entre o auditório e orador por meio do discurso

A argumentação pode ser definida como apresentação de argumentos tendentes a convencer

e a conquistar a adesão de um auditório a uma determinada tese. A argumentação pressupõe três elementos fundamentais:

Orador: é um sujeito particular, com rosto, que possui certas crenças, ideias e prespetivas sobre o é um sujeito particular, com rosto, que possui certas crenças, ideias e prespetivas sobre o mundo, e que pretende influenciar um auditório.

Auditório: conjunto de pessoas que o orador quer influenciar pela sua argumentação. conjunto de pessoas que o orador quer influenciar pela sua argumentação.

Discurso: é o meio utilizado pelo orador para comunicar e explicar ao auditório as razões que é o meio utilizado pelo orador para comunicar e explicar ao auditório as razões que sustentam a tese que defende e para reforçar ou modificar as suas convicções. Trata-se do discurso argumentativo.

«Regra» fundamental da argumentação: adaptação do discurso ao auditório a que se dirige e ao contexto que lhe está associado.

Retórica

DefiniçãoRetórica Arte de persuadir ou arte de falar com eloquência a fim de convencer um auditório.

Arte de persuadir ou arte de falar com eloquência a fim de convencer um auditório.

Nota: A retórica dedica-se a analisar as técnicas e as estratégias utilizadas na argumentação, vai desde o tipo de argumentos utlizados até aos mecanismos que visam persuadir ou até mesmo manipular o auditório.

«Provas» ou estratégias de persuasãoque visam persuadir ou até mesmo manipular o auditório. Atendendo à «regra» da adequação do discurso

Atendendo à «regra» da adequação do discurso ao auditório, os meios utilizados na persuasão dos auditórios são, segundo Aristóteles, o ethos, pathos e o logos.

Ethos, pathos e logossão, segundo Aristóteles, o ethos , pathos e o logos. As estratégias de persuasão podem ser

As estratégias de persuasão podem ser caracterizadas por:

Ethos: refere-se ao caracter moral do orador, ao conjunto de características que orador tem ou que refere-se ao caracter moral do orador, ao conjunto de características que orador tem ou que o auditório vê nele, tais como o prestígio, a autoridade moral ou científica, a personalidade, ou até mesmo o seu aspeto físico (encanto, «charme», ou beleza)

Pathos: refere-se às emoções que o orador é capaz de despertar no auditório com vista à refere-se às emoções que o orador é capaz de despertar no auditório com vista à persuasão.

Logos: refere-se à racionalidade do discurso, ao tipo de argumentos utilizados para persuadir. refere-se à racionalidade do discurso, ao tipo de argumentos utilizados para persuadir.

Resumindo

 

Ethos

Pathos

Logos

Um discurso que persuade pelo ethos centra-se na figura do orador.

Um discurso que persuade pelo pathos centra-se na sedução do auditório através das emoções nele despertadas.

Um discurso que persuade pelo logos centra-se nos próprios argumentos.

 

Dimensão moral

Dimensão emocional

Dimensão racional

Âmbito da aplicação da retóricaDimensão moral Dimensão emocional Dimensão racional A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam:

A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam:

Politicoda retórica A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam: Marketing Judicial Jornalístico Publicitário 3

Marketingda retórica A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam: Politico Judicial Jornalístico Publicitário 3

Judicialda retórica A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam: Politico Marketing Jornalístico Publicitário 3

Jornalísticoda retórica A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam: Politico Marketing Judicial Publicitário 3

Publicitárioda retórica A retórica tem diversos âmbitos nos quais se destacam: Politico Marketing Judicial Jornalístico 3

Esquema-síntese

Esquema-síntese 4

4