Você está na página 1de 5

ADI AÇÃO DECLARATORIA DE INCONSTITUCIONALIDADE.

Competência - Conforme previsto na Constituição Federal (art. 102), a competência para processar e julgar é do Supremo Tribunal Federal (STF).

Objeto - visa declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal, estadual ou distrital, editados posteriormente à Constituição Federal de 1988. O Estado membro, no exercício de competência equivalente, pode declarar a inconstitucionalidade das leis ou atos normativos em face da constituição estadual (compete ao Tribunal de Justiça estadual). O STF pode analisar a constitucionalidade ou não de uma emenda constitucional, de forma a verificar se foram observados os parâmetros fixados no art. 60 da Constituição Federal para alteração constitucional. Importante relembrar que só há possibilidade de ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo editado posteriormente à constituição. O STF tem admitido ação direta de inconstitucionalidade cujo objeto seja decreto autônomo.

Legitimidade ativa são classificados em:

1. Universais (podem propor ADIN sobre qualquer matéria) Presidente da República, a mesa do Senado Federal, o Procurador Geral da República, Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, partido político com representação no Congresso Nacional.

2. Temáticos (devem demonstrar pertinência temática) - a mesa da Câmara dos Deputados, a mesa de Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal , confederações sindicais e entidades de âmbito nacional, governador de estado.

Advogado-Geral da União tem como atribuição a defesa da norma legal ou ato normativo impugnado, independentemente de sua natureza federal ou estadual, pois atua como defensor da constitucionalidade da norma.

Rito processual está previsto na Lei n.° 9.868/99, o Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal deve ser aplicado subsidiariamente.

Petição Inicial - A petição, que permite aditamentos, deverá indicar expressamente o dispositivo impugnado (cópia da publicação), os fundamentos jurídicos e o pedido.

Amicus curiae - é a intervenção de terceiros interessados ou não na ação e tem a finalidade de auxiliar na instrução do processo, não sendo possível admiti-Ia quando já iniciado ou em curso o julgamento. Ele deve expor ao STF os elementos capazes de melhorar o debate e servir de base para legitimação social da decisão.

Efeitos - a decisão terá efeito retroativo (ex tunc) e para todos (erga omnes), desfazendo, desde sua origem, o dispositivo declarado inconstitucional, juntamente com todas as conseqüências dele derivadas. Tem efeito vinculante obrigatório. A Lei n.° 9.868/99, em seu art. 27 prevê que "ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, e tendo em vista razões de segurança jurídica ou de excepcional interesse social, poderá o Supremo Tribunal Federal, por maioria de dois terços de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser fixado". (modulação dos efeitos da declaração de inconstitucionalidade, seja em relação à sua amplitude, seja em relação aos seus efeitos temporais, desde que presentes os dois requisitos constitucionais). Essa Lei das ADINs também previu, expressamente, que a declaração de constitucionalidade ou de inconstitucionalidade, inclusive a interpretação conforme a Constituição e a declaração parcial de inconstitucionalidade sem redução de texto, têm efeitos vinculantes em relação aos órgãos do Poder Judiciário e à Administração Pública federal, estadual e municipal. Os julgamentos do STF em ADIN limita-se ao pedido. No entanto, é admitido a declaração de inconstitucionalidade por arrastamento ou consequencial. Nessa modalidade, o STF, além de examinar o dispositivo impugnado explicitamente, aprecia os dispositivos dele decorrente ou a ele conexos.

Medida Cautelar caso o dispositivo impugnado possa causar dano irreparável, é possível a concessão de medida liminar, que poderá suspender a eficácia erga omnes e com efeito ex tunc até a decisão final do mérito. A decisão será de maioria absoluta dos membros do STF (6 dos 11 ministros), se presentes pelo menos 8 deles.

Rito sumário quando houver pedido de medida cautelar, o relator poderá fixar o prazo de 10 dias para a prestação das infromações, 5 dias para manifestação do Advogado Geral da União e Procurador-Geral da República.

Alguns lembretes importantes:

a) A inconstitucionalidade orgânica consiste na infração à forma de elaboração de lei por ter sido editada por órgão

incompetente.

b) Se a lei em que se baseia o regulamento for declarada inconstitucional, estará configurada a hipótese de

inconstitucionalidade derivada e conseqüente.

c) Se a norma impugnada for julgada inconstitucional pelo Tribunal de Justiça, em sede de controle abstrato, poderá

haver recurso extraordinário dessa decisão para o STF.

d) 2/3 dos membros do STF pode restringir os efeitos da declaração de inconstitucionalidade, com efeitos

vinculantes, partir do momento que venha por ela a ser fixado, pelo que se pode admitir nesse caso, que o ato

inconstitucional produz, ainda que temporariamente, efeitos válidos.

e) A liminar concedida em ADIN pode ter efeito ex nunc ou ex tunc, depende da decisão do STF.

f) Não cabe ADIN contra norma constitucional originária ou lei ordinária anterior à Constituição vigente.

g) Decretos autônomos podem ser objeto de ADIN.

h) O Advogado-Geral da União não poderá escusar-se de fazer a defesa de ato impugnado em ação direta de

inconstitucionalidade proposta perante do STF.

i) Pode-se declarar a inconstitucionalidade de Lei Federal que invadir o campo material reservado pela Constituição Federal ao Município.

j) É incabível o pedido de desistência no processo de ADIN.

ADPF - Arguição de descumprimento de preceito fundamental

(ADPF) é a denominação dada no Direito brasileiro à ferramenta utilizada para evitar ou reparar lesão a preceito fundamental resultante de ato do Poder Público (União, estados, Distrito Federal e municípios), incluídos atos anteriores à promulgação da Constituição.

No Brasil, a ADPF foi instituída em 1988 pelo parágrafo 1º do artigo 102 da Constituição Federal, posteriormente regulamentado pela lei nº 9.882/99. Sua criação teve por objetivo suprir a lacuna deixada pela ação direta de inconstitucionalidade (ADI), que não pode ser proposta contra lei ou atos normativos que entraram em vigor em data anterior à promulgação da Constituição de 1988. O primeiro julgamento de mérito de uma ADPF ocorreu em dezembro de 2005.

Características As principais características da ADPF são:

1) Legitimação ativa: É a mesma prevista para a ação direta de inconstitucionalidade (art. 103, I a IX, da Constituição

federal, e art. 2° da Lei 9.868/1999).

2) Capacidade postulatória: A exemplo da ADI, alguns legitimados para ADPF não precisam ser representados por

advogados, já que detêm capacidade postulatória.

3) Liminar: A ADPF admite liminar, concedida pela maioria absoluta dos membros do STF (art. 5° da Lei 9.882/1999).

A liminar pode consistir na determinação para que juízes e tribunais suspendam o andamento de processo ou de efeitos de decisões judiciais, ou de qualquer outra medida que apresente relação com a matéria objeto da ação.

4)

Informações: O relator da ADPF poderá solicitar informações às autoridades responsáveis pelo ato questionado.

5)

Efeitos da decisão: A decisão da ADPF produz efeito erga omnes (contra todos) e vinculantes em relação aos

demais órgãos do poder público. Os efeitos no tempo serão ex tunc (retroativos), mas o STF poderá, em razão da segurança jurídica ou de excepcional interesse social, restringir os efeitos da decisão, decidir que essa somente produzirá efeitos a partir do trânsito em julgado ou de outro momento futuro que venha a ser fixado. Decisões nessa linha excepcional exigem voto de dois terços dos membros do STF.

ADI, ADC E ADPF.

Principais pontos da Lei 9.868/99

A Lei dispõe sobre o processo e julgamento da ADI e da ADC perante o Supremo.

ADI e ADC

Legitimidade para propor (art. 103, CF): presidente da República; mesas do Senado Federal, da Câmara dos

Deputados, de Assembleia Legislativa e da Câmara Legislativa do Distrito Federal; governador de estado ou do

Distrito Federal; procurador-geral da República; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; partido político com representação no Congresso Nacional; e confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.

* Legitimados especiais (assembléia e câmara do DF; governador; confederação ou entidade de classe) só podem propor ADC comprovando pertinência temática, por se tratar de norma federal.

* Necessita de advogado para propor ação partido político e confederação sindical ou entidade de classe.

Obs.: Não cabe ADI ou ADC ajuizada pela Mesa do Congresso Nacional (a qual surge em situações excepcionais). Só cabe pela Mesa da Câmara ou do Senado.

Obs.: Partido político com representação no Congresso (presença de 1 deputado ou 1 senador) tem sua legitimidade averiguada no momento de ajuizamento da ação, mesmo que ocorra a perda da representação no Congresso posteriormente, a ação não será arquivada. Entendimento do STF a partir de 2004.

Obs.: Confederação sindical é caracterizada pela existência de 3 federações em, pelo menos, 3 Estados (analogia ao art. 535, CLT); e Entidade de classe de âmbito nacional deve representar uma classe ou categoria profissional com sua entidade presente em, pelo menos, 9 Estados para terstatus nacional (analogia à lei 9.096/95).

Obs.: Associações, até 2005, não eram legitimadas para ajuizar ADI. Na ADI 3153 de 2005, essa legitimidade passou a ser reconhecida pelo STF.

Petição: indicará o dispositivo da lei ou do ato normativo impugnado e os fundamentos jurídicos do pedido em relação a cada uma das impugnações. A petição deve ser acompanhada de procuração específica para o advogado ajuizar a ação.

Relator: pedirá informações aos órgãos ou às autoridades das quais emanou a lei ou o ato normativo impugnado, que deverão ser prestadas no prazo de 30 dias. Decorrido o prazo, serão ouvidos, sucessivamente, o advogado- geral da União e o procurador-geral da República, que deverão manifestar-se no prazo de 15 dias. Vencidos os prazos, o relator lançará o relatório, com cópia a todos os ministros, e pedirá dia para julgamento.

Rito abreviado: O ministro-relator, em caso de relevância da matéria, poderá adotar procedimento mais célere

para o julgamento da ação, para tanto, o prazo para informações é reduzido de 30 para 10 dias e a AGU e A PGR terão apenas 5 dias para opinarem sobre o tema. Por fim, o Plenário julgará diretamente a constitucionalidade ou

não da norma questionada, desconsiderando a análise do pedido de liminar (artigo 12 da Lei 9.868/99).

Decisão: A análise de uma ação constitucional (ADI, ADC e ADPF) só pode ser iniciada, no Plenário do STF, se

presentes à sessão pelo menos oito ministros. Entretanto, bastam 6 votos para que seja declarada a inconstitucionalidade de uma norma. A decisão tem natureza declaratória e, em regra, efeito ex tunc e erga omnes,

e deve ser observada pelos poderes Judiciário e Executivo (efeito vinculante). Para que tenha efeito ex nunc, será necessária a decisão de 8 ministros.

Obs.: O legislador não está vinculado às decisões do STF. Poderá produzir lei de conteúdo idêntico ao de outra lei declarada inconstitucional. No entanto, será uma lei que o Executivo não poderá executar e o Judiciário não poderá aplicar, pois ambos vinculam-se às decisões do STF.

Eficácia: A decisão que considera uma norma como inconstitucional é retroativa, ou seja, inválida a lei desde a sua criação. Entretanto o STF pode decidir que sua decisão passe a valer a partir de outro momento, seja da decisão em diante, ou ainda, a partir de uma data ou prazo futuro. É o que se chama modulação de efeitos. Esta não é somente temporal, pode também restringir a parcela de atingidos pela decisão.

Obs.: ADI interventiva ou representação interventiva está prevista no art. 36, III da CF e possui legitimação exclusiva do Procurador-Geral da República.

Obs.: Princípio da causa de pedir aberta No julgamento da ADI, o STF não estará preso aos fundamentos jurídicos explicitados pelo legitimado. O STF percorre toda a Constituição.

Obs.: Caso o relator indefira a inicial, caberá agravo ao pleno do STF.

Obs.: O AGU é o curador especial de presunção da constitucionalidade das leis. A sua faculdade de defender ou não

a lei é uma exceção (VIDE ADI 3415).

Obs.: A manifestação da PGR na ADI é de custus legis.

Obs.: A ADI é insuscetível de desistência.

Obs.: Na ADI há a possibilidade de participação do Amicus Curiae (amigo da corte). Poderá participar com a permissão do relator, durante todo o inter do procedimento, podendo, caso a caso, fazer sustentação oral.

Obs.: Não cabe na ADI intervenção de terceiros (exceto amicus curiae), recurso (salvo embargos declaratórios), ação rescisória, prescrição ou decadência.

Obs.: ADI e ADC tem caráter dúplice ou ambivalente é procedente ou improcedente; constitucional ou inconstitucional.

Principais pontos da Lei 9.882/99

A Lei estipula que a ADPF terá por objeto evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante de ato do Poder Público.

ADPF

Legitimidade para propor: os mesmos legitimados para ajuizar ADI e ADC (art. 103, CF)

Petição: deverá conter a indicação do preceito fundamental que se considera violado, a indicação do ato

questionado, a prova da violação do preceito fundamental, o pedido, com suas especificações, e, se for o caso, a comprovação da existência de controvérsia judicial relevante sobre a aplicação do preceito fundamental que se

considera violado.

Relator: poderá ouvir os órgãos ou autoridades responsáveis pelo ato questionado, bem como o advogado-geral da

União ou o procurador-geral da República, no prazo comum de cinco dias. Se entender necessário, poderá ouvir as partes nos processos que ensejaram a arguição e requisitar informações adicionais, entre outras medidas. Decorrido

o prazo das informações, o relator lançará o relatório, com cópia a todos os ministros, e pedirá dia para julgamento.

Decisão: somente será tomada com a presença de pelo menos dois terços dos ministros. A decisão que julgar procedente ou improcedente o pedido em ADPF é irrecorrível. Caberá reclamação contra o descumprimento da decisão proferida pelo STF, na forma do seu Regimento Interno.

Obs.: ADIs, ADCs e ADPFs têm efeitos ex tunc (anula a lei desde a sua criação), erga omnes (vale para todos) e vinculante para todo o Poder Judiciário e para todos os órgãos da Administração Pública, direta e indireta, não abrangendo, apenas, o Poder Legislativo.

A inconstitucionalidade por arrastamento

A teoria da inconstitucionalidade por arrastamento, também conhecida como inconstitucionalidade por

atração ou inconstitucionalidade conseqüente de preceitos não impugnados, deriva de uma construção jurisprudencial do STF. Portanto, não se encontra positivada em qualquer norma constitucional ou legal de nosso sistema jurídico.

Por esta teoria, o STF poderá declarar como inconstitucional, em futuro processo, norma dependente de outra já julgada inconstitucional em processo do controle concentrado de constitucionalidade.

Segundo a obra de Gilmar F. Mendes, Inocêncio M. Coelho e Paulo Gustavo G. Branco:

A dependência ou a interdependência normativa entre os dispositivos de uma lei pode justificar a extensão da declaração de inconstitucionalidade a dispositivos constitucionais mesmo nos casos em que estes não estejam incluídos no pedido inicial da ação. […]

Portanto, aspectos essenciais para a aplicação desta teoria devem ser observados.

Em primeiro lugar, o processo que possibilitou a declaração de inconstitucionalidade da norma principal deve, necessariamente, ter sido concebido na modalidade concentrada (ou abstrata) de controle de constitucionalidade. Com isso, conclui-se que a utilização da teoria da inconstitucionalidade por atração é inconcebível no controle difuso (ou concreto) de constitucionalidade.

Em segundo lugar, devemos observar a relação de interdependência entre a norma considerada como principal e a norma considerada como conseqüente. É o que observa a Ministra Ellen Gracie no corpo do acórdão da ADI 3645, in verbis:

Constatada a ocorrência de vício formal suficiente a fulminar a Lei estadual ora contestada, reconheço a necessidade da declaração de inconstitucionalidade conseqüencial ou por arrastamento de sua respectiva regulamentação, materializada no Decreto 6.253, de 22.03.06. Esta decorrência, citada por CANOTILHO e minudenciada pelo eminente Ministro Celso de Mello no julgamento da ADI 437-QO, DJ 19.02.93, ocorre quando há uma relação de dependência de certos preceitos com os que foram especificamente impugnados, de maneira que as normas declaradas inconstitucionais sirvam de fundamento de validade para aquelas que não pertenciam ao objeto da ação. Trata-se exatamente do caso em discussão, no qual “a eventual declaração de inconstitucionalidade da lei a que refere o decreto executivo (…) implicará o reconhecimento, por derivação necessária e causal, de sua ilegitimidade constitucional” (voto do Min. Celso de Mello na referida ADI 437-QO). No mesmo sentido, quanto à suspensão cautelar da eficácia do ato regulamentador, a ADI 173-MC, rel. Min. Moreira Alves, DJ 27.04.90.

Desta passagem, conclui-se que, observada a dependência normativa dos dispositivos, que não foram referidos na peça exordial, com aqueles expressamente impugnados, o Supremo poderá declará-los como inconstitucionais.

É o que bem observa o Ministro Carlos Veloso no seu voto proferido na ADI nº 2.895-2/AL:

[…] Também o Supremo Tribunal Federal, no controle concentrado, fica condicionado ao “princípio do pedido”. Todavia, quando a declaração de inconstitucionalidade de uma norma afeta um sistema normativo dela dependente, ou, em virtude da declaração de inconstitucionalidade, normas subseqüentes são afetadas pela declaração, a declaração de inconstitucionalidade pode ser estendida a estas, porque ocorre o fenômeno da inconstitucionalidade “por arrastamento” ou “por atração”. […]