MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SÃO MIGUEL
Rua Deputado Herzíquio Fernandes, nº 229, Centro,
São Miguel/RN, CEP 59.920-000
Telefone/Fax: (84) 3353-2037 – mp-saomiguel@mp.rn.gov.br

EXCELENTÍSSIMOS SENHORES PROCURADORES DE JUSTIÇA, MEMBROS DO
CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE
DO NORTE.

Inquérito Civil nº 11/2008
Assunto: Apurar possíveis irregularidades na aplicação dos recursos públicos do
FUNDEF no ano de 2003, na área da saúde, pelo Município de São Miguel/RN.

EMENTA: INQUÉRITO CIVIL. APURAÇÃO DE PRÁTICA DE
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. POSSÍVEL DESVIO DE
RECURSOS DO FUNDEF. PRESCRIÇÃO. AUSÊNCIA DE
DANO AO ERÁRIO. ARQUIVAMENTO.

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, através de seu
representante nesta comarca de São Miguel/RN, com fulcro no art. 129, II e III, da
Constituição Federal, e ainda, em consonância com o disposto no art. 32, da Resolução
002/2008-CPJ, vem, à presença de Vossas Excelências, promover o ARQUIVAMENTO
do Inquérito Civil nº 11/2008, em razão dos fatos e fundamentos a seguir apontados.

I – RELATÓRIO.

Trata-se de Inquérito Civil, instaurado a partir de notícia de irregularidade
cometida pelo Município de São Miguel na aplicação dos recursos do FUNDEF, na área
da saúde, no ano de 2003.

Foi requisitado à Secretaria Municipal de Saúde Plano de Saúde do
Município, Relatório da Gestão de saúde, Plano de Cargos, Carreira e Salários da
Saúde,bem como informações sobre reuniões ordinárias do Conselho Municipal de
Saúde, dentre outros.

Tais documentos foram apresentados, como se infere do Anexo I do
presente procedimento.

É o breve relatório.

429/1992. 37. RECURSO ESPECIAL. Entretanto. 3.IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA . da Lei nº 8. é que o ato ilícito tenha causado prejuízo ao erário público. tendo em vista que ditos recursos oriundos do FUNDEF. Ocorre que o fim do seu mandato se deu em 31/12/2003. consistente na desrespeito. 12 da Lei 8. Descabe ao STJ analisar tese que não foi prequestionada na instância de origem. 2ª Turma. Os elementos acostados aos autos indicam a prática de improbidade administrativa. In casu.SÚMULA 282/STF . recebidos pelo erário municipal. Min. O inciso III do art. quando então era o gestor municipal o ex-prefeito Dário Vieira de Almeida. 2. já se perfazendo o prazo de 05 (cinco) anos previsto no art. é forçoso reconhecer que os fatos apurados encontram-se alcançados pela prescrição. do art. uma vez que este é imprescritível por força do disposto do parágrafo 5º. ao que reza a Emenda Constitucional nº 29/2000. ELIANA CALMON. (REsp 1198667/SP. resta analisar se houve prejuízo ao erário.II – FUNDAMENTAÇÃO. Rel. quando prevê que os municípios invistam ao menos 15% do seu orçamento anual em ações e serviços públicos de saúde. foi relativo ao ano de 2003. não há que se falar em dano ao patrimônio público em virtude da documentação acostada pelo município. 1. tendo em vista não ser possível a condenação para recomposição de dano hipotético ou presumido. DJe 30/08/2010) ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBICA POR IMPROBIDADE . trago à guisa os seguintes julgados do Superior Tribunal de Justiça: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO . A exigência primordial para a imprescritibilidade prevista no parágrafo 5°. Recurso especial conhecido em parte e nessa parte não provido. 19/08/2010.RESSARCIMENTO AO ERÁRIO .POSSIBILIDADE DE CONDENAR O RECORRIDO A PAGAR DANOS MORAIS À ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . da Constituição Federal. j. 37. da Constituição Federal. do art. Com efeito. inciso I.429/92 estabelece que a imposição de ressarcimento em decorrência de ato improbo perpetrado por agente público só é admitida na hipótese de ficar efetivamente comprovado o prejuízo patrimonial ao erário. 23. 157. por parte do gestor público. Estando a improbidade prescrita. quando são apresentados os serviços realizados na área da saúde.IMPOSSIBILIDADE. Nesse sentido. notadamente em resposta ao que fora requisitado às fls. o ressarcimento ao erário somente será possível quando a lesão ao patrimônio público ficar efetivamente comprovada.

VIII. DEVOLUÇÃO AOS COFRES PÚBLICOS INDEVIDA. NULIDADE RELATIVA. DJe 16/09/2009) Ademais.429/92 não deixa pairar qualquer dúvida de que a imposição de ressarcimento em decorrência de ato improbo perpetrado por agente público só é admita na hipótese de ficar efetivamente comprovado o prejuízo patrimonial. ART.) 4. Segunda Turma. Relatora Ministra Nancy Andrighi. IMPEDIMENTO NÃO DEMONSTRADO. REsp 737279/PR.429/92. Ademais.. o eventual ressarcimento caracteriza locupletamento indevido (Precedentes: EREsp 575551/SP. Relator Ministro Francisco Falcão. 5. SÚMULAS 282 E 356 DO STF. NÃO DEMONSTRAÇÃO. 03/09/2009. Primeira Turma.. Relator Ministro Castro Meira.. (. Corte Especial. com base no livre convencimento . 1. AUSÊNCIA DE COTEJO ANALÍTICO. BENEDITO GONÇALVES. porquanto é defesa condenação para recomposição de dano hipotético ou presumido. o Superior Tribunal de Justiça consolidou posição no sentido de que. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO.437/MG. DA LEI 8. Os acórdãos abaixo transcritos constituem exemplo eloquente deste entendimento: ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. é ressabido que o dano material reclama a prova efetiva de sua ocorrência. PRODUÇÃO DE PROVA PERICIAL. DJ de 30 de abril de 2009. ADMINISTRATIVA. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. ENRIQUECIMENTO ILÍCITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Min.. LIVRE CONVENCIMENTO MOTIVADO DO JUIZ.) (REsp 1113843/PR. TRIBUNAL A QUO QUE CONSIGNOU A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTRATADOS. havendo a efetiva prestação do serviço ou fornecimento dos bens contratados de forma ilícita não haverá espaço para ressarcimento ao erário. IMPOSSIBILIDADE. DA LEI 8. não obstante caracterizado o ato de improbidade administrativa. CONTRADITA. DEFICIÊNCIA NA FUNDAMENTAÇÃO RECURSAL. TESTEMUNHA. PRECLUSÃO. (. NÃO ACOLHIMENTO. CONTRATAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS SEM A REALIZAÇÃO DE CONCURSO. O magistrado pode. e REsp 917. PAS DE NULLITÉ SANS GRIEF. 12 da Lei 8. RECURSO ESPECIAL. QUANTIA PAGA A TÍTULO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. INDEFERIMENTO. III. j. 12. para que não se chancele um locupletamento indevido da Administração. EXEGESE DO ART. Rel. DANO AO ERÁRIO. RESSARCIMENTO AO ERÁRIO. Relator para acórdão Ministro Luiz Fux. DEFESA PRÉVIA. 10. DJ de 21 de maio de 2008. RECURSOS PARCIALMENTE PROVIDOS. MERA TRANSCRIÇÃO DE EMENTAS.429/92. Deveras. à mingua de prova respeitante ao prejuízo. PREJUÍZO. 1ª Turma. A leitura atenta do inciso III do art. DJ de 1 de outubro de 2008). IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.

2ª Turma. 16/09/2010.motivado. a pretensão da defesa na declaração de impedimento implica. especialmente do art. Recurso especial não provido. e sim porque o ressarcimento estaria condicionado a um prejuízo suportado pelo erário que inocorre na espécie. Aplicável. Min. Rel. é indevida a devolução das quantias percebidas caso tenha ocorrido a contraprestação. necessariamente. sob pena de enriquecimento ilícito da Administração Pública" (REsp 728. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. A origem constatou que os serviços foram efetivamente prestados e afastou a necessidade de devolução dos valores mencionados em razão da boa-fé da beneficiária. revolvimento de material fático-probatório. j. NÃO- CABIMENTO. Não há falar em nulidade do processo quando não demonstrado nenhum prejuízo em decorrência da inobservância da defesa prévia estabelecida no art. 4. a condenação em ressarcimento do dano é considerada indevida. 2.341/SP). ARNALDO ESTEVES LIMA. Conforme narra o próprio Ministério Público no especial. DJe 21/10/2010) ADMINISTRATIVO. 2. ainda que decorrente de contratação ilegal. como permitido pela parte recorrida. Daí porque não é possível acolher a pretensão recursal. Rel. 02/09/2010. RESSARCIMENTO. precluindo caso não arguida na primeira oportunidade. DJe 04/10/2010) .429/92. 17. § 7º. 1ª Turma. em matéria de improbidade administrativa no âmbito da contratação ou prestação ilegais de serviços. 5. da Lei 8. 3. no caso. 6. procedimento vedado. nos termos da Súmula 7/STJ. indeferir a produção de provas que julgar impertinentes. "Havendo a prestação do serviço. Min. Recursos especiais parcialmente providos tão somente para excluir da condenação a obrigação de devolver ao erário o valor referente à contraprestação de serviços. Precedentes. 3. É correta a decisão do magistrado que não acolhe a contradita quando não demonstrado o fato impeditivo da oitiva da testemunha. sua pretensão recursal diz respeito à devolução do que foi pago ilegalmente a servidora a título de hora extras. MAURO CAMPBELL MARQUES. 1. o princípio do pas de nullité sans grief. que prevê a interposição de agravo de instrumento contra decisão que recebe a petição inicial. Ademais. irrelevantes ou protelatórias para o regular andamento do processo. § 10. mas não em razão da desnecessidade de configuração do elemento subjetivo. 17. j. (REsp 927905/MG. (REsp 1184973/MG. § 7º) será relativa. Da interpretação sistemática da Lei 8. Esta Corte Superior possui entendimento consolidado no sentido de que. 17. SERVIÇOS EFETIVAMENTE PRESTADOS. HORAS EXTRAS PAGAS ILEGALMENTE.429/92. 4. infere- se que eventual nulidade pela ausência da notificação prévia do réu (art.

9° Se o órgão do Ministério Público. é inteligível a incidência da norma preceituada pelos enunciados dos artigos 9°. se convencer da inexistência de fundamento para a propositura da ação civil. não há motivos que justifiquem a atuação deste Parquet. promoverá o arquivamento do inquérito civil ou das peças de informação. 16 de abril de 2013. ou. Vejamos: "Art. Proceda a Secretaria Ministerial: a) à notificação pessoal do(a) interessado(a). da Lei Complementar Estadual 141/96. b) à devida anotação no livro de registro respectivo. fazendo-o fundamentadamente. encaminhando-se o correspondente procedimento ao Egrégio Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte. 31. face ao que preceituam as disposições legais inicialmente invocadas. nada mais resta senão proceder ao arquivamento dos presentes autos. com as cautelas devidas. da Lei 7. providencie-se a publicação de aviso no DOE. São Miguel/RN. 35 da Resolução nº 002/2008-CPJ). caso esta venha a restar inviabilizada. que comandam o arquivamento do feito investigativo quando ausente qualquer subsídio para proposição de medidas judiciais. encaminhando o teor da presente deliberação (art. Cumpra-se. da Resolução nº 002/2008-CPJ. por ofício dirigido ao seu Presidente.347/85 e 74. promoverá o arquivamento dos autos do inquérito civil ou das peças informativas. esgotada s todas as diligências. observado o prazo de três dias após a cientificação do(s) interessado(s) ou publicação de aviso. 74. fazendo-o fundamentadamente. Desta forma. Se o órgão do Ministério Público. para as finalidades de estilo. c) ao envio de mensagem eletrônica à Secretaria do e." III – CONCLUSÃO Ante o exposto. se convencer da inexistência de fundamento para propositura de ação civil. § 1º. em consonância com o que restou analisado nesta promoção. na forma do art. estando a improbidade administrativa prescrita e não havendo dano ao erário público que enseje ressarcimento. Sendo assim. d) à remessa dos presentes autos ao Egrégio CSMP-RN. esgotadas todas as diligências." "Ari. conforme o caso. FREDERICO AUGUSTO PIRES ZELAYA Promotor de Justiça . CSMP-RN e ao CAOP respectivo.

PRESCRIÇÃO. notadamente. conselho superior do ministério público PROCESSO Nº 2677/2013-CSMP ASSUNTO: PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO INTERESSADA: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SÃO MIGUEL RELATORA: CONSELHEIRA TEREZA CRISTINA CABRAL DE VASCONCELOS GURGEL EMENTA: INQUÉRITO CIVIL. se os recursos da saúde estavam sendo aplicados dentro dos limites mínimos exigidos pela Constituição Federal. Pelo compulsar dos autos. II – VOTO O presente procedimento foi instaurado com o fito de apurar eventuais irregularidades na aplicação de recursos públicos do FUNDEF pelo Município de Natal. verificou-se a ocorrência de improbidade administrativa. especificamente pela documentação acostada no Anexo I. DANO AO ERÁRIO. o representante deste Órgão Ministerial reconheceu a incidência do prazo prescricional de cinco anos. nos . Todavia. APLICAÇÃO INDEVIDA DOS RECURSOS DO FUNDEF. NÃO COMPROVAÇÃO.RELATÓRIO Adoto o relatório ofertado na promoção de arquivamento. se foi criado o Fundo Municipal de Saúde e o Plano de Carreira. 164-166. PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO. Cargos e Salários (PCSS) para o pessoal da saúde. I . VOTO PELA HOMOLOGAÇÃO. objetivando investigar. entre outras medidas. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. AÇÃO DE IMPROBIDADE QUE NÃO SE FAZ POSSÍVEL. às fls. SÃO MIGUEL.

TEREZA CRISTINA CABRAL DE VASCONCELOS GURGEL CONSELHEIRA .ditames do art. 23. que diante da não comprovação de dano ao erário. da L ei 7. uma vez que o mandado do então gestor municipal teve fim em 31/12/2003. da Resolução 002/2008-CPJ. da Lei Complementar Estadual n° 141/1996. Assim. voto pela HOMOLOGAÇÃO da promoção de arquivamento É como voto. com as al terações dadas pela Lei Complementar Estadual n°. inciso I. caput.347/1985 e artigo 31. da Lei nº 8. assente com disposto nos artigos 74. Natal/RN. artigo 9°.429/92. Aduziu ainda. 309/2005. impossível a exigência de seu ressarcimento. 27 de maio de 2013. pelos motivos expostos.