Você está na página 1de 142

Matemática elementar/Imprimir 1

Matemática elementar/Imprimir
Conjuntos
Em Matemática, conjunto é uma coleção de objetos (chamados elementos). Os elementos podem representar
qualquer coisa — números, pessoas, letras, etc - até mesmo outros conjuntos. Um conjunto pode conter outro(s)
conjunto(s), inclusive. Incorretamente chamada de "Teoria dos Conjuntos" no ensino médio. Essa teoria existe, mas
não é tratada no ensino médio, sendo a Teoria mais conhecida, a Axiomática de Zermello Frankel (ZFC, C
relacionado ao Axioma da Escolha), tratada de forma elementar no livro "Teoria Ingênua dos Conjuntos" de Paul
Halmos, traduzida para o português pelo prof. Irineu Bicudo.
Trata-se de um conceito primitivo. Um conjunto possui como única propriedade os elementos que contém. Ou seja,
dois conjuntos são iguais se eles tem os mesmos elementos.

Representação
Matematicamente o conjunto é representado por uma letra do alfabeto latino,
maiúscula (A, B, C, ...). Já os elementos do conjunto são representados por
letras latinas minúsculas. E a representação completa do conjunto envolve a
colocação dos elementos entre chaves, da seguinte maneira:

O conjunto A e seus 4 elementos

Para um conjunto A de 4 elementos v, x, y e z


A exceção é feita a conjuntos que contenham elementos que devem ser representados por letras maiúsculas — por
exemplo, pontos geométricos:

Especificando conjuntos
A maneira mais simples de representar algebricamente um conjunto é através de uma lista de seus elementos entre
chaves ({ }), conforme descrito nas seções anteriores:

Informalmente, usa-se o sinal ... quando a regra de formação do conjunto é óbvia a partir da enumeração de alguns
elementos. Por exemplo, os conjuntos abaixo, o primeiro com um número finito, e o segundo com um número
infinito de elementos:

Conjuntos que são elementos de outros conjuntos são representados com chaves dentro de chaves:

Porém há notações alternativas para representar os conjuntos, como a chamada notação de composição do conjunto,
que utiliza uma condição P para definir os elementos do conjunto:
Matemática elementar/Imprimir 2

P é uma função na variável x que tem o domínio igual ao conjunto A. A variável x pode estar limitada por outro
conjunto, indicando-se a relação de pertinência adequada. Por exemplo:

O conjunto A será formado, de acordo com o desenvolvimento da equação dada, por 2 e 4 (únicos números inteiros
que satisfazem a condição P, ou seja, que tornam verdadeira a equação). Logo, .
Um cuidado deve ser tomado com a propriedade P(x), já que a formação de conjuntos através deste método pode
gerar resultados paradoxais.

Terminologia

Conjunto unitário
Um conjunto unitário possui um único elemento.

Conjunto vazio
Todo conjunto também possui como subconjunto o conjunto vazio representado por , , ou . Podemos
mostrar isto supondo que se o conjunto vazio não está contido no conjunto em questão, então o conjunto vazio deve
possuir um elemento ao menos que não pertença a este conjunto. Como o conjunto vazio não possui elementos, isto
não é possível. Como todos os conjuntos vazios são iguais uns aos outros, é permissível falar de um único conjunto
sem elementos.

Conjuntos numéricos
Existem também os conjuntos numéricos, que em consideração especial em matemática. Os principais conjuntos
númericos são listados a seguir.

Conjunto dos números naturais


Os números naturais são usados para contar. O símbolo usualmente representa este conjunto.
O capítulo sobre números naturais oferece informações detalhadas sobre os seguintes assuntos: Tópicos:
• Definição
• Divisão em
• Critérios de divisibilidade
• Números primos
• Decomposição em fatores primos (fatoração)
• Máximo Divisor Comum (MDC)
• Fatoração disjunta
• Fatoração conjunta (algoritmo de Euclides)
• Mínimo Múltiplo Comum (MMC)
• Propriedade do MDC e do MMC
Matemática elementar/Imprimir 3

Conjunto dos números inteiros


O conjunto dos números inteiros aparecem como soluções de equações como x + a = b. O símbolo usualmente
representa este conjunto (do termo alemão Zahlen que significa números).

Conjunto dos números racionais


O conjunto dos números racionais são todos os números que podem ser representados por frações (e são expressos
tanto na forma fracionária quanto na forma decimal - por exemplo 3/4 e 0,75). Eles aparecem como soluções de
equações como a + bx = c. O símbolo usualmente representa este conjunto (da palavra quociente).
Tópicos
• Números racionais e frações
• Definições
• Decimais
• Tipos de frações
• Operações

Conjunto dos números irracionais


O conjunto dos números irracionais contém todos os números que não podem ser representados por frações do tipo
p/q, onde p e q são números inteiros, com q diferente de zero. Estes números podem, no entanto, ser associados a
pontos numa reta, a reta real. O símbolo usualmente representa este conjunto.

Conjunto dos números reais


O conjunto dos números reais é uma expansão do conjunto dos números racionais que engloba não só os inteiros e
os fracionários, positivos e negativos, mas também todos os números irracionais. Os números reais podem ser
dispostos ordenadamente em uma reta que é chamada reta real.

Tópicos
• Potenciação
• Definição
• Propriedades da potenciação
• Radiciação
• Propriedades da radiciação
• Racionalização de denominadores
• Intervalos reais
• Exercícios

Conjunto dos números complexos


O conjunto dos números complexos inclue os números, que resultam de qualquer radiciação possível, tendo uma
parte imaginária e uma parte real. O símbolo usualmente representa este conjunto.
Cada numero complexo é a soma dos números reais e dos imaginários: . Aqui tanto r quanto s podem ser
iguais a zero; então os conjuntos dos números reais e o dos imaginários são subconjuntos do conjunto dos números
complexos.
Tópicos
• Introdução
Matemática elementar/Imprimir 4

• O número imáginario
• Formas de representar os complexos
• Operações com os complexos
• Soma e subtração
• Multiplicação
• Divisão

Conjunto dos números imaginários


O conjunto dos números imaginários puros inclui os números que aparecem como soluções de equações como x 2
+ r = 0 onde r > 0.

Outros conjuntos numéricos


Há outros conjuntos numéricos definidos na matemática, mas que não interessam nesse nível de estudo.
Exemplo: O conjunto dos números algébricos inclue os números, que aparecem como soluções de equações
polinomiais (com coeficientes inteiros) e envolvem raízes e alguns outros números irracionais. O símbolo ou
usualmente representa este conjunto.

Subconjuntos
Dizemos que um conjunto A é subconjunto de outro conjunto B quando todos os
elementos de A também pertencem a B. Por exemplo:
A = { 1,2,3 }
B = { 1,2,3,4,5,6 }
Nesse caso A é subconjunto de B, é indica-se . Deve-se reparar que B é
subconjunto de si mesmo; os subconjuntos de B que não são iguais a B são
chamados subconjuntos próprios.
Nota: O conjunto vazio, { } ou Ф (phi), é um subconjunto de todos os conjuntos. A é um subconjunto de B

Conjunto das partes ou potência


Dado um conjunto A, definimos o conjunto das partes de A, , como o conjunto que contém todos os
subconjuntos de A (incluindo o conjunto vazio e o próprio conjunto A).
Uma maneira prática de determinar é pensar em todos os subconjuntos com um elemento, depois todos os
subconjuntos com dois elementos, e assim por diante.
Exemplo:
Se A = { 1, 2, 3 }, então = { ∅, {1}, {2}, {3}, {1, 2}, {1, 3}, {2, 3}, {1, 2, 3} }.
Observação:
Se o conjunto A tem n elementos, o conjunto terá 2n elementos. Ou seja:
.
Demonstração: Seja P(A) o conjunto de partes de A e n(S) o número de elementos distintos de S.
Se A = → P(A) = { } → n(P(A)) = 2^0 = 1
Se A = {a} → P(A) = { ,a} → n(P(A)) = 2^1 = 2
Se A = {a,b} → P(A) = { ,a,b,{a,b} → n(P(A)) = 2^2 = 4
Se A = {a,b,c} → P(A) = { ,a,b,{a,b},{b,c},{a,c},{a,b,c}} → n(P(A)) = 2^3 = 8
Matemática elementar/Imprimir 5

...
P(A) é formado por somado às possiveis combinações dos elementos de A, com taxa variando de 1 a n(A).
Assim, n(P(A)) = número de combinações n(A), com taxa variando de 1 a n(A) somado a 1 (responsável por ).

n(P(A)) =

Pelo triângulo de pascal, com a soma das linhas:

→ n(P(A)) =

Mas,

→ n(P(A))
Provando, portanto, que o número de elementos do conjunto de partes de A é dois elevado ao número de elementos
distintos de A.
Nota: O conjunto das partes é uma álgebra booleana sobre as operações de união e interseção.
O Teorema de Cantor estabelece que .

Conjunto Universo
Em certos problemas da teoria dos conjuntos, é preciso que se defina um conjunto que contenha todos os conjuntos
considerados. Assim, todos os conjuntos trabalhados no problema seriam subconjuntos de um conjunto maior, que é
conhecido como conjunto universo, ou simplesmente universo.
Por exemplo: em um problema envolvendo conjuntos de números inteiros, o conjunto dos números inteiros Z é o
conjunto universo; em um problema envolvendo palavras (consideradas como conjuntos de letras), o universo é o
alfabeto.

Relações entre conjuntos

Relação de pertinência
Se é um elemento de , nós podemos dizer que o elemento pertence ao conjunto e podemos escrever
. Se não é um elemento de , nós podemos dizer que o elemento não pertence ao conjunto e
podemos escrever .
Exemplos:


Subconjuntos próprios e impróprios


Se e são conjuntos e todo o elemento pertencente a também pertence a , então o conjunto é
dito um subconjunto do conjunto , denotado por . Note que esta definição inclui o caso em que e
possuem os mesmos elementos, isto é, são o mesmo conjunto ( ). Se e ao menos um
elemento pertencente a não pertence a , então é chamado de subconjunto próprio de , denotado por
. Todo conjunto é subconjunto dele próprio, chamado de subconjunto impróprio.
Matemática elementar/Imprimir 6

Igualdade de conjuntos
Dois conjuntos A e B são ditos iguais se, e somente se, têm os mesmos elementos. Ou seja, todo elemento de A é
elemento de B e vice-versa. A simbologia usada é . Se um conjunto não é igual a outro, utiliza-se o
símbolo .

Simetria de conjuntos
Um conjunto A é dito simétrico se, para todo elemento a pertencente a ele, houver também um elemento -a
pertencente a esse conjunto. Os conjuntos numéricos Z, R, Q e C são simétricos.

Operações com conjuntos

União
A união de dois conjuntos A e B é um conjunto que contém todos os
elementos de A, todos os elementos de B, e nada mais além disso. Ou
então: Dado um universo U e dois conjuntos A e B, chama-se união de A
com B ao conjunto cujos elementos pertencem pelo menos ao conjunto
A ou ao conjunto B. Matematicamente:

União de A e B (em azul mais escuro)

Por exemplo:

Observar no último exemplo que os elementos repetidos (3,5) não aparecem na união.
• A união de um conjunto , qualquer que seja, com o conjunto vazio é igual ao próprio conjunto ,
.
• Também deve ser observado que a operação de união é comutativa, ou seja,
.
Matemática elementar/Imprimir 7

Intersecção
A intersecção de dois conjuntos e , é o conjunto de elementos que
pertencem aos dois conjuntos. Ou então: Dados dois conjuntos e ,
pertencentes a um universo U, chama-se intersecção de A com B ao
conjunto cujos elementos pertencem tanto a quanto a .
Matematicamente:

Intersecção de A e B (em azul mais escuro)

Por exemplo:

Observar no último exemplo que, dado os conjuntos não terem elementos iguais, a intersecção resulta num conjunto
vazio.

Diferença
Dado um universo U ao qual pertencem dois conjuntos A e B, chama-se
diferença de A menos B ao conjunto de elementos que pertencem a A e
não pertencem a B; chama-se de diferença de B menos A ao conjunto de
elementos que pertencem a B e não pertencem a A. Matematicamente:

Diferença A menos B (em azul mais escuro)

Por exemplo, o conjunto definido pela diferença entre os números inteiros e números naturais é igual ao conjunto Z-
(números inteiros não-positivos):
Z = {...,-2,-1,0,1,2,...}
N = {1,2,3,4,5,...}

• A subtração de um conjunto A menos um conjunto vazio é igual ao próprio conjunto A, .


Matemática elementar/Imprimir 8

Complementar
Dado um universo U, diz-se complementar de um conjunto A, em
relação ao universo U, o conjunto que contém todos os elementos
presentes no universo e que não pertençam a A. Também define-se
complementar para dois conjuntos, contanto que um deles seja subconjunto
do outro. Nesse caso, diz-se, por exemplo, complementar de B em relação a
A (sendo B um subconjunto de A) — é o complementar relativo — e usa-se
o símbolo . Matematicamente: Complementar de B em relação a A (em
azul mais escuro)

Exemplo:
A = { 3,4,9,{10,12},{25,27} }
D = { {10,12} }

Cardinalidade
A cardinalidade de um conjunto A representa a quantidade de elementos do conjunto, e é
Exemplos:
Se A = { 7, 8, 9 }, então A = 3
Se A = { }, então A = 0.
Se um conjunto tem n elementos, onde n é um número natural (possivelmente 0), então diz-se que o conjunto é um
conjunto finito com uma cardinalidade de n ou número Número cardinal n.
Mesmo se o conjunto não possui um número finito de elementos, pode-se definir a cardinalidade, graças ao trabalho
desenvolvido pelo matemático Georg Cantor. Neste caso, a cardinalidade poderá ser (aleph zero), .
Nos dois casos a cardinalidade de um conjunto é denotada por ou por . Se para dois conjuntos A e B é
possível fazer uma relação um-a-um (ou seja, uma bijeção) entre seus elementos, então .

Problemas matemáticos sobre cardinalidade


Os problemas matemáticos no nível elementar sobre cardinalidade usualmente tomam as formas seguintes:
• É dada a cardinalidade de alguns conjuntos e suas interseções, uniões ou diferenças, e pede-se a cardinalidade de
algum conjunto derivado dele
• É dada a proporção ou porcentagem de alguns subconjuntos de algum conjunto (universo), e pede-se este número
para outro subconjunto.
Um problema típico simples do primeiro caso é:
• Em uma escola, existem duas atividades extra-escolares: Artesanato ou Bioterrorismo. 59 alunos fazem
Artesananto, 87 alunos fazem Bioterrorismo, e 31 alunos fazem ambos. Quantos alunos fazem alguma atividade
extra?
Um problema típico simples do segundo caso é:
• Em uma cidade, 5% da população foi exposta ao Antrax, 8% da população foi exposta a Peste Bubônica, e 87%
da população não foi exposta a Antrax nem Peste Bubônica. Quantas pessoas foram expostas a Antrax e Peste
Bubônica?
Matemática elementar/Imprimir 9

A resolução, nos dois casos, deve ser feita com o Diagrama de Venn, marcando-se em cada pedaço o número (ou
porcentagem) de elementos, começando-se sempre do mais interno para o mais externo. No caso da porcentagem,
deve-se levar em conta que o total do Universo é 100%.

Exercícios
• Matemática elementar/Conjuntos/Exercícios

Produto cartesiano
Dados dois conjuntos A e B, chama-se produto cartesiano de A em B ao conjunto formado por todos os pares
ordenados cuja primeira coordenada seja pertencente a A, e a segunda coordenada seja pertencente a B. O simbolo do
produto cartesioano é . Matematicamente:

O produto cartesiano de dois conjuntos A e B é o conjunto de pares ordenados:

A soma ou união disjunta de dois conjuntos A e B é o conjunto


.
• O produto cartesiano é não-comutativo: .
• Quem desenvolveu o conceito de produto cartesiano foi o matemático Descartes, quando desenvolvia a geometria
analítica. Ele enunciou, por exemplo, que o produto cartesiano definido por dois conjuntos de números reais R
(imagine os eixos das abcissas e ordenadas num gráfico) é igual a um plano.

Par ordenado
Um par ordenado é uma coleção de dois objetos que tem uma ordem definida; existe o primeiro elemento (ou
primeira coordenada) e o segundo elemento (ou segunda coordenada). Diferentemente do conjunto { a,b }, um
par ordenado — simbolizado por (a,b) — precisa ser apresentado em uma determinada ordem, e dois pares
ordenados só são iguais quando os primeiros elementos são iguais e os segundos elementos são iguais. Ou seja,

Porém, o par ordenado pode ser representado como um conjunto, tal que não existe ambiguidade quanto à ordem.
Esse conjunto é:

Observar que o formato do conjunto, que inclui um subconjunto contendo os dois elementos do par e um conjunto
contendo o primeiro elemento, elimina a possibilidade de ambiguidade quanto à ordem. A notação (a,b) também é
conhecida como intervalo aberto.
Matemática elementar/Imprimir 10

Relações
Na teoria dos conjuntos, qualquer subconjunto do produto cartesiano A × B é chamada relação de A em B. (O
assunto é abordado com mais detalhes na próxima seção.)

Ver também

Wikilivros
1. Teoria dos conjuntos - texto mais avançado

Wikipédia
1. Conjunto
2. Complementar
3. Diagrama de Venn
4. Diagrama de Euler
5. Teoria dos conjuntos

Ligações externas
• Números Naturais: Primeira parte [1]
• Números Naturais: Segunda parte [2]
• Critérios de Divisibilidade [3]
• Exercícios Resolvidos de MDC, MMC e Divisores [4]
• Números Inteiros [5]
• Frações [6]
• Frações e Números Decimais [7]
• Números Racionais [8]
• Frações e Números decimais (Exercícios) [9]
[[|]]

Números naturais

Definição
Um número natural é um número inteiro não-negativo (0, 1, 2, ...). Em alguns contextos, o número natural é
definido como um número inteiro positivo, i.e., o zero não é considerado como um número natural. O uso mais
comum deles é a contagem ("Há 4 melancias voando num mar de suco de limão") ou a ordenação ("Esta é a 20ª
melhor canção sobre melancias voadoras já cantada por um jacaré"). As propriedades dos números naturais como,
por exemplo, divisibilidade e a distribuição dos números primos, são estudadas neste capítulo. Outras propriedades
que dizem respeito a contagens e combinações são estudadas pela análise combinatória.
Os matemáticos usam para se referir ao conjunto de todos os números naturais. Este conjunto é infinito e
contável por definição.
= {0,1,2,3,4,5,6,7,...}
Se retirarmos o desses conjunto, obtemos o subconjunto:
= {1,2,3,4,5,6,7,...}
Matemática elementar/Imprimir 11

Operações em
São duas as operações em naturais que sempre tem correspondente natural. São a adição e a multiplicação de
naturais. As outras operações básicas, a subtração e a divisão nem sempre tem correspondente em naturais, embora
possam ter em outros conjuntos.

Critérios de divisibilidade

Divisibilidade por 2
Um número é divisível por 2 quando termina em 0, 2, 4, 6 ou 8, isto é, quando é par.

Divisibilidade por 3
Um número é divisível por 3 quando a soma dos valores absolutos de seus algarismos for divisível por 3.
Exemplo:
• 360 (3+6+0=9) → é divisível.

Divisibilidade por 4
Um número é divisível por 4 quando os dois últimos algarismo forem 0 ou formarem um número divisível por 4.
Exemplo:
• 416 (últimos dois algarismos: 16 [= 4×4]) → é divisível.

Divisibilidade por 5
Um número é divisível por 5 quando termina em 0 ou 5.
Exemplo:
• 2.654.820 → é divisível.

Divisibilidade por 6
Um número é divisível por 6 quando é divisível por 2 e por 3.
Exemplo:
• 414 → divisível por 6, pois
• par → divisível por 2
• 4+1+4=9 → divisível por 3.

Divisibilidade por 7
A divisibilidade por também pode ser verificada da seguinte maneira:
Tome por exemplo o número 453. Separando-se o último algarismo ficamos com 45 e 3. Do primeiro subtraímos o
dobro do segundo, ou seja, Como 39 não é divisível por 7 o número 453 também não é.
Outro exemplo: → Separando e teremos Como é divisível por o número
também é.
Outro critério usa a soma e não a subtração. Um número de mais de três algarismos ABCD... é divisível por 7 quando
o número B(C+2A)D... for múltiplo de 7. Isso porque 98 = 100 - 2 é múltiplo de 7, então o que esta operação faz é
trocar 100 A por 2 A. Exemplos: 1645 -> 665 -> 65 + 12 -> 77 (múltiplo de 7); 3192 -> 192 + 60 -> 252 -> 56
(múltiplo de 7); 9876 -> 876 + 180 -> 1056 -> 76 (não é múltiplo de 7).
Matemática elementar/Imprimir 12

Divisibilidade por 8
Um número é divisível por 8 quando os três últimos algarismo forem 0 ou formarem um número múltiplo de 8.
Exemplo:
• 24512 → é divisível.

Divisibilidade por 9
Um número é divisível por 9 quando a soma dos valores absolutos de seus algarismos for divisível por 9.
Exemplo:
• 927 (9+2+7=18) → é divisível.

Divisibilidade por 10
Um número é divisível por 10 quando termina em zero.
Exemplo:
• 154.870 → é divisível

A divisibilidade por 11
Segue uma regra parecida com a da divisibilidade por 7. A título de exemplo considere o número 154.
• Separe o último algarismo
15 e 4
• Subtraía o segundo do primeiro, ou seja,
15 - 4 = 11.
Como 11 é divisível por 11, então 154 também o é.
Num contra-exemplo, usaremos o número 277. Pelo algoritmo teremos 27 e 7; 27 - 7 = 20, que não é divisível por
11, e portanto 277 também não o é.
O algoritmo pode ser aplicado várias vezes no caso de números maiores.
Dica: Números que seguem a forma "ABBA" são divisíveis por 11.
Por exemplo: para 1221, temos A = 1 e B = 2.
Uma regra prática para números grandes é somar os algarismos de posição par e os de posição ímpar. Se as somas
forem iguais ou os restos das divisões por 11 forem iguais, então o número é múltiplo de 11. Ou seja, em um número
da forma ABCDEFG, compara-se A+C+E+G com B+D+F
Exemplo: 783178 é divisível por 11, porque 7+3+7 = 8+1+8 = 17. Analogamente, 703175 também é, porque o
resto da divisão das duas somas por 11 são iguais, 7+3+7=17 tem resto 6 e 0+1+5=6 também tem resto 6.
Dois exemplos com números grandes:
• 4611686018427387901307445734561825860123058430092136939501844674407370955160 →
, portanto é divisível.
• 4611686018427387903307445734561825860223058430092136939511844674407370955161 →
, portanto não é divisível.
Matemática elementar/Imprimir 13

Divisibilidade por
Um número é divisível por quando seus últimos n algarismos forem 0 ou divisíveis por

Números primos
Número primo é um número natural maior que 1 e que tem exatamente dois divisores positivos distintos: 1 e ele
mesmo. Se um número natural é maior que 1 e não é primo, diz-se que ele é um número composto. Por convenção,
os números 0 e 1 não são primos nem compostos.

Decomposição em fatores primos (fatoração)


O Teorema Fundamental da Aritmética afirma que qualquer número inteiro positivo pode ser escrito como o produto
de vários números primos (chamados fatores primos). O processo que recebe como argumento um número composto
e devolve os seus fatores primos chama-se decomposição em fatores primos (fatoração).
Exemplos:


Máximo Divisor Comum (MDC)


O máximo divisor comum (também conhecido por maior divisor em comum) entre dois números e
(vulgarmente abreviada como ) é o maior número inteiro encontrado, que seja divisor dos outros dois.
Por exemplo, A definição abrange qualquer número de termos.
Exemplo:

Esta operação é tipicamente utilizada para reduzir equações a outras equivalentes:
Seja o máximo divisor comum entre e e também e o resultado da divisão de ambos por
respectivamente.
Então, o seguinte se verifica:

Cálculo
Pode-se calcular o MDC de duas formas:
• Fatoração conjunta (ou algoritmo de Euclides, ou ainda Processo das divisões sucessivas)
• Fatoração disjunta

Fatoração disjunta
Faz-se a fatoração de cada termo separadamente para, depois, multiplicar os fatores comuns de menor expoente.
Exemplo

24 | 2
12 | 2
6 | 2 x
3 | 3
1 | 2³ • 3
Matemática elementar/Imprimir 14

40 | 2
20 | 2 x
10 | 2
5 | 5
1 | 2³ • 5

Com efeito,

MDC = 2³ = 8

Fatoração conjunta (algoritmo de Euclides)


Na Fatoração conjunta (ou algoritmo de Euclides, ou ainda Processo das divisões sucessivas) fatora-se
simultaneamente até dois números.
Monta-se a tabela com a seguinte estrutura:

A | B | R1 | R2 | R...
R1 | R2 | R... | 0

onde,

A = um dos números
B = o outro número
= quociente da divisão

= resto da divisão (em seguida, ele torna-se o divisor de B)

E assim em diante.

O último resto (antes do 0) será o MDC.


Exemplo

3 3
80 | 24 | 8 ← MDC (8)
8 | 0

Mínimo Múltiplo Comum (MMC)


O Mínimo Múltiplo Comum (também conhecido por menor múltiplo em comum) entre dois números e
(vulgarmente abreviada como ) é o menor número inteiro encontrado, que seja múltiplo dos outros
dois. Por exemplo,

Cálculo
Pode-se calcular o MMC de duas formas:
• Fatoração conjunta
• Fatoração disjunta
Matemática elementar/Imprimir 15

Fatoração conjunta
Faz-se a fatoração com todos os n termos, simultaneamente:
Exemplo

24, 40 | 2
12, 20 | 2
6, 10 | 2 x
3, 5 | 3
1, 5 | 5
1, 1 | 120

Fatoração disjunta
Faz-se a fatoração de cada termo separadamente para, depois, manter-se a base em comum e o expoente maior,
multiplicado pelos fatores não comuns.
Exemplo

24 | 2
12 | 2
6 | 2 x
3 | 3
1 | 2³ • 3

40 | 2
20 | 2 x
10 | 2
5 | 5
1 | 2³ • 5

Com efeito,

23 • 3 • 5
8 •3 •5
120,
Matemática elementar/Imprimir 16

Propriedade do MDC e do MMC

Ver também

Wikilivros
Uma abordagem mais avançada:
• Álgebra abstrata/Números naturais
• Teoria de números

Wikipédia
• Critérios de divisibilidade
• Fatoração
• Número natural
• Número primo
• Máximo divisor comum
[[|]]

Números inteiros

Definição
Os inteiros, ou números inteiros, consistem dos números naturais (0, 1, 2, ...) e dos números inteiros negativos (-1,
-2, -3, ...). O conjunto de todos os inteiros é normalmente chamado de Z (Mais apropriadamente, um Z em
blackboard bold, ), que vem de Zahlen (do alemão, "número").
Inteiros podem ser adicionados ou subtraídos, multiplicados e comparados. A principal razão para a existência dos
números negativos é que tornou possível resolver todas as equações da forma:a + x = b para a incógnita x; nos
números naturais apenas algumas destas equações eram solúveis.
Como os números naturais, os inteiros formam um conjunto infinito contável.
= {...,-3,-2,-1,0,1,2,3,...}
Se retirarmos o desses conjuntos, obtemos o subconjunto:
= {...,-3,-2,-1,1,2,3,...}
Outros subconjuntos de
• Conjunto dos inteiros não-negativos:
= {0,1,2,3,...}
• Conjunto dos inteiros não-positivos:
= {...,-3,-2,-1,0}
• Conjunto dos inteiros positivos:
= {1,2,3,...}
• Conjunto dos inteiros negativos:
= {...,-3,-2,-1}
Notas:
Matemática elementar/Imprimir 17

• =
• =

Veja também

Wikilivros
• Álgebra abstrata/Números inteiros - uma abordagem mais avançada

Wikipedia
• Número inteiro
[[|]]

Números racionais

Números racionais e frações


Fração é um número que exprime uma ou mais partes iguais que foi divida uma unidade ou um inteiro.
Assim, por exemplo, se tivermos uma pizza inteira e a dividirmos em quatro partes iguais, cada parte representará
uma fração da pizza.
Na matemática, um número racional (ou, vulgarmente, fração) é uma razão entre dois inteiros, geralmente escrita
na forma onde é um número inteiro diferente de Zero.
Exemplos:

A adição e multiplicação de racionais é dada da seguinte forma:

Exemplo:

+ =

Dois números racionais a/b e c/d são iguais apenas se ad = bc.


O conjunto de todos os números racionais é Q, ou:
Matemática elementar/Imprimir 18

Cada número racional pode ser escrito de diversas formas, como, por exemplo, 3/6 = 2/4 = 1/2. A forma mais
simples é quando a e b não possuem divisores em comum, e todo racional tem uma forma como esta. A expansão
decimal de um racional é finita ou periódica, propriedade que caracteriza os números racionais.

Definições
De modo simples, pode-se dizer que uma fração de um número, representada de modo genérico como designa

este número dividido em partes iguais. Neste caso, corresponde ao numerador, enquanto corresponde ao
denominador.

Por exemplo, a fração designa o quociente de por Ela é igual a pois x =

Nota: A divisão é a operação inversa da multiplicação.


Os números expressos em frações são chamados de números racionais. O conjunto dos racionais é representado por

={ / = com e }

Decimais

Decimais exatos

Decimais periódicos

= (a)

= (b)

Os decimais periódicos são denominados dízimas periódicas. As dízimas periódicas podem ser simples como no
exemplo (a) ou compostas como no exemplo (b). A fração que originou a dízima periódica é denominada de fração
geratriz e a parte que repete na dízima é denominada período.

Geratriz de dízima periódica

Dízima simples
A fração geratriz é obtida usando-se como numerador o período e como denominador um número formado por tantos
noves quantos forem os algarismos do período.
Matemática elementar/Imprimir 19

Dízima composta
A fração geratriz terá como numerador a parte não-periódica, seguida do período menos a parte não-periódica, e
denominador um número formado de tantos noves quanto são os algarismos do período, seguido de tantos zeros
quantos são os algarismos da parte não-periódica (ante-período).

=> + = + = =

Conversão entre dízima e fração


Seja o número x = 2,333... (dízima). O periodo da dízima é o número 3 (um só dígito), assim, para colocar o período
da dízima antes da vírgula, fazemos 10*x = 23,333.... Agora, podemos eliminar a dízima fazendo a subtração: 10*x -
x = 23,333... - 2,333..., ou seja, 9*x = 21 x =
Outro exemplo mais complexo desta conversão, que ocorre quando a dízima se apresente mais à frente da vírgula: x
= 38,07821821821... (dízima). Após a virgula, temos os números "07"´(dois dígitos) que não fazem parte do período
e o período "821" (três dígitos).
Primeiro isolamos o período logo após a vírgula:
100*x = 3807,821821821...
Agora repetimos o processo do exemplo anterior:
100.000*x = 3807821,821821821...
Fazemos então a subtração
100.000*x - 100*x = 3807821,821821821... - 3807,821821821..., assim, temos que
99900*x = 3804014 , portanto

x= , que poderá ainda ser simplificada.


Como decorrência da repetição deste processo de conversão, podemos chegar à seguinte regra prática de conversão
de dízimas em frações. Vamos aplicá-la ao número 38,07821821821...
Eis os passos:
1. O período da dízima tem 3 dígitos, que é o número de algarismos nove (999 portanto);
2. Após a vírgula temos 2 dígitos que não fazem parte da dízima, que é o número de zeros (00 portanto);
3. Temos assim o denominador da fração que será 99900;
4. O númerador da fração será a diferença do número formado pelos algarismos até o primeiro período da dízima, no
caso 3807821, pelo número formado pelos algarismos que antecedem o início da dízima, no caso 3807. Temos então
3807821 - 3807.

5. A fração será, portanto, .

Tipos de frações
• própria: o numerador é menor que o denominador. Ex.:

• imprópria: o numerador é maior que o denominador. Ex.:

• mista: constituída por uma parte inteira e uma fracionária. Ex.:

• aparente: o numerador é múltiplo do denominador. Ex.:

• equivalentes: aquelas que mantêm a mesma proporção de outra fração. Ex.:


Matemática elementar/Imprimir 20

• irredutível: o numerador e o denominador são primos entre si, não permitindo simplificação. Ex.:

• unitária: o numerador é igual a 1 e o denominador é um inteiro positivo. Ex.:

• egípcia: fração que é a soma de frações unitárias, distintas entre si. Ex:

• decimal: o denominador é uma potência de 10. Ex.:

• composta: fração cujo numerador e denominador são frações:

• contínua: fração constituída a partir de uma sequência de inteiros naturais da

seguinte maneira Quando esta fração contínua termina, o seu resultado é um número

racional, porém quando esta fração não termina, o resultado pode ser racional ou irracional.

Operações

Multiplicação
Multiplicam-se os numeradores entre si e os denominadores entre si. Ex.:

Para multiplicar uma fração por um número inteiro, considera-se que este é uma fração cujo denominador é igual a 1.
Ex.:

É importante notar que, muitas vezes, a multiplicação dos numeradores e denominadores resulta em frações
redutíveis. Esta fração deve ser reduzida a uma fração irredutível:

Costuma ser mais prático simplificar antes de efetuar a multiplicação:

Divisão
Como visto, a divisão é a operação inversa da multiplicação. É importante ter isso em mente para resolver uma
divisão entre frações:

Primeiramente inverte-se o divisor da segunda fração. Com isto, tem-se a inversão da operação, isto é, passará a
haver uma multiplicação:

Que se resolve como mostrado acima.


Matemática elementar/Imprimir 21

Adição
Caso os denominadores não sejam iguais é preciso, antes de efetuar a adição, encontrar o menor múltiplo comum
(MMC) entre os denominadores:

Encontrado o MMC, este será dividido por cada um dos denominadores, multiplicando-se o resultado desta divisão
pelo respectivo numerador. Como o MMC de 3 e 5 é 15, tem-se que:

 ∴   ∴ 

Sendo iguais os denominadores, pode-se efetuar a adição entre os numeradores:

O denominador comum é mantido:

Subtração
A subtração é feita seguindo-se os mesmos passos da adição.

Exponenciação
É indiferente resolver primeiro a exponenciação ou a divisão:

Efetuando-se primeiramente a divisão obtém-se o mesmo resultado:

Radiciação
A radiciação de uma fração é feita seguindo-se os mesmos passos da potenciação.

Expoente fracionário
Da mesma forma que na divisão entre frações, a ocorrência de expoente fracionário causa a inversão da operação:

Simplificação de frações
Uma fração pode ser simplificada quando numerador e denominador não são primos entre si. Ex.:

Para tanto basta dividi-los pelo máximo divisor comum (MDC) entre eles, obtendo-se uma fração que, além de
manter a proporção da original, é do tipo irredutível:
Matemática elementar/Imprimir 22

Comparação entre frações


Para estabelecer comparação entre frações, é preciso que elas tenham o mesmo denominador. Isso é obtido através
do menor múltiplo comum, como foi visto na adição.

 ? 

O MMC entre 5 e 7 é 35.

 ∴   ∴ 

Uma vez igualados os denomidores,pode-se fazer a comparação entre as frações:

< ∴ <
A comparação entre frações com denominadores diversos vale-se do fato de que há frações que são equivalentes
entre si, pois:

 e 

Conversão entre frações impróprias e mistas


Uma fração do tipo imprópria pode ser convertida para mista e vice-versa.

Para tanto, basta dividir o numerador pelo denominador. O quociente será o numerador da fração mista e o resto será
o numerador. Como o quociente da divisão 7 ÷ 3 é igual a 2 e o resto é 1, tem-se que a fração acima, escrita como
fração mista, terá a seguinte notação:

Para fazer o caminho inverso, basta multiplicar o denominador pela parte inteira e somar o resultado ao numerador,
mantendo-se o denominador. Como o produto 3 × 2 é igual a 6 e a soma 6 + 1 é igual a 7, obtém-se novamente a
notação sob a forma de fração imprópria, como visto acima.

Ver também

Wikilivros
• Análise real/Números racionais - texto mais avançado

Wikipédia
• Fração
• Números racionais
[[|]]

Referências
Numero irracional
Matemática elementar/Imprimir 23

Números reais

Potenciação

Definição
Em matemática, potências são valores que representam uma multiplicação sucessiva de um número, ou seja,
representam o mesmo número multiplicado algumas vezes por si mesmo. Uma potência é composta por um número,
chamado base, que é multiplicado sucessivamente por si mesmo; e por um índice, chamado expoente, que diz o
número de vezes que a base é multiplicada por si mesma. As potências apresentam-se na forma onde n é o
expoente e x é a base.
A potência por exemplo, indica que a base, o número 4, será multiplicada sucessivamente 3 vezes por si mesma,
ou seja Se o expoente é 1, então o resultado tem o valor da base ( ), enquanto que
com um expoente 0, devido a regras de operações feitas directamente com potências, o resultado é sempre igual a 1 (
= 1).

Propriedades da potenciação

Primeira propriedade
Ao multiplicar potências de mesma base, repetimos a base e somamos os expoentes.

Segunda propriedade
Ao dividir potências de mesma base, repetimos a base e subtraímos os expoentes.

Terceira propriedade
Ao elevar uma potência a um outro expoente, repetimos a base e multiplicamos os expoentes.

Quarta propriedade
Ao elevar um produto ou um quociente a um expoente, elevamos cada um dos fatores a esse expoente ou, no caso do
quociente, elevamos o dividendo e também o divisor ao mesmo expoente.

Tópicos
1. Definição de Potência
2. Operações com potências
1. Multiplicação
1. Com a mesma base
2. Com o mesmo expoente
3. Com a mesma base e o mesmo expoente
2. Divisão
1. Com a mesma base
Matemática elementar/Imprimir 24

2. Com o mesmo expoente


3. Com a mesma base e o mesmo expoente
3. Equações envolvendo potências
4. Inequações envolvendo potências
5. Gráficos de funções exponenciais

Exercícios
Ver: Matemática elementar/Exponenciais/Exercícios

Radiciação

Exercícios
Ver: Matemática elementar/Números reais/Exercícios

Intervalos reais
Intuitivamente, um intervalo real é um subconjunto dos números reais que não tem nenhum buraco. Ou seja, se I é
um intervalo, a e b são elementos deste intervalo com a < b, então todo número entre a e b também pertence ao
intervalo.
Os intervalos são classificados de acordo com seus extremos (o extremo superior e o extremo inferior). Cada
extremo pode ser ilimitados, limitado e aberto ou limitado e fechado.
Representa-se o intervalo através do seu limite inferior, seguido da vírgula (ou ponto-e-vírgula) e o limite superior.
Costuma-se representar o limite inferior por:
• - ilimitado
• - limitado e aberto
• - limitado e fechado
Sendo o limite superior representado por:
• - ilimitado
• - limitado e aberto
• - limitado e fechado
Por exemplo:
• - é o conjunto dos números reais não-positivos
• - é o conjuntos dos números reais x em que x ≥ 1 e x < 2
Matemática elementar/Imprimir 25

Exercícios
Ver: Matemática elementar/Números reais/Intervalos reais/Exercícios

Veja também
• Análise real/Os números reais - uma abordagem mais avançada

Wikipédia
• Número real
[[|]]

Exercícios

Sobre Radiciação
1. Coloque em ordem crescente:
2. Expresse sob a forma de raiz as expressões abaixo:

1.

2.

3.
3. Os lados de um triângulo valem cm, cm e cm. Calcule seu perímetro.
4. Simplifique os radicais

1.

2.

3.

5. Racionalize as expressões abaixo:

1.

2.

3.

4.

5.

6.

7.
Matemática elementar/Imprimir 26

6. Transforme as expressões em um único radical:

1.

2.

3.

4.

5.

6.
7. Coloque a expressão na forma mais simples, conforme o exemplo do exercício 1:

1. = = =

2.

3.

4.

5.
8. Escreva as expressões abaixo como uma soma de radicais:

1.

2.

3.

4.
9. Seja x um número real positivo tal que é o inverso de . Determine .

10. Seja e . Determine a:b.

11. Simplifique as expressões abaixo:

1.

2.

3.
4.
Matemática elementar/Imprimir 27

Ver também
• Matemática elementar/Exponenciais/Exercícios
• Matemática elementar/Números reais/Intervalos reais/Exercícios

Números Complexos

Introdução
Os números complexos são o resultado de vários aumentos sucessivos do conjunto numérico IN (naturais). Todos
estes aumentos foram para que mais equações tivessem solução. Vamos ver:
No princípio existiam apenas números naturais, representados pelo conjunto IN. Mas não era possível representar o
"nada" apenas com este conjunto, por isso foi inventado o número zero, 0, que acrescentado ao conjunto IN, formou
o oIN, que englobavam os números naturais mais o "0".
Mas equações do tipo não tinham solução em oIN. Com isto foram inventados os números negativos. O
conjunto oIN aumentado com os números negativos resultou no conjunto Z (números inteiros).
Mas com o conjunto dos inteiros ainda haviam algumas equações sem solução. Por exemplo, Com isto
foram inventadas as frações ou números fraccionários (também chamados dízimas infinitas periódicas e dízimas
finitas). O conjunto Z acrescido dos números fraccionários é o conjunto Q (números racionais).
Mas mesmo com os racionais, ainda haviam equações sem solução. Por exemplo, Por incrível que possa
parecer, não existe uma fração que possa assumir o lugar da variável embora várias causem um erro bem
pequeno. Com isto foram criados os números irracionais (também chamados dízimas infinitas não periódicas). O
é um exemplo de número irracional. Qualquer número com casas decimais que não possa ser o quociente do uma
divisão é irracional. O conjunto Q acrescido dos irracionais é o conjunto dos reais.
Finalmente, foi inventada uma extensão dos reais para fornecer solução às ultimas equações que faltavam. Esta
extensão é toda construída a partir de um elemento novo. Um numerozinho chamado Somando um real r com o
produto de por outro real c, temos muitos outros números do tipo Os reais acrescidos destes números
geram o conjunto dos complexos.
Alguém poderia pensar que este processo ainda não parou, mas pode-se provar que o processo terminou. É possível
mostrar que equações com coeficientes reais tem sempre solução nos complexos. Mas este é um resultado avançado
demais para este livro.

O número imaginário
Aprendemos desde muito cedo que não existem números reais tais que elevado ao quadrado dê como resultado -1.
Isso acontece porque existem certas "regras" de multiplicação no conjunto dos números reais que impedem isso. Por
exemplo a regra de que "menos com menos dá mais". Com isso precisamos definir um número com essa propriedade
para que possamos resolver todas as equações. Assim definimos i =

Formas de representar os complexos


As duas formas principais de representar os números complexos são:
z = a+bi
ou
z = (a,b)
A parte real do número z é o número a e é denotada por Re(z). A parte imaginária do número z é o número b e é
denotada por Im(z).
Matemática elementar/Imprimir 28

Operações com os complexos

Soma e subtração
Como já foi dito, um número complexo pode ser representado por (a,b). Assim, a operação soma fica definida como:
(a,b) + (c,d) = (a + c, b + d)
ou na outra notação: (a + bi) + (c + di) = (a + c) + (b + d)i
A subtração pode ser deduzida da operação soma:
(a,b) - (c,d)=(a,b) + (- (c,d))=(a,b) + (-c,-d) = (a-c,b-d)
ou na outra notação: (a + bi) - (c + di)=(a - c)+(b - d)i

Multiplicação
A própria definição do conjunto dos números complexos reside na multiplicação. Assim definimos o conjunto dos
números complexos como tendo a seguinte operação de multiplicação:
(a,b) . (c,d) = (ac - bd, ad + bc) = (ac - bd) + (ad + bc)i
Vamos ver quanto é
i=0 + 1i = (0,1)
Então:
= (0,1) . (0,1) = (0.0 - 1.1, 0.1 + 1.0) = (-1, 0)= -1 + 0i= -1

Veja também
Uma abordagem mais avançada dos números complexos pode ser vista no livro Análise complexa/Introdução.
[[|]]

Relações
Relações são, conforme visto no capítulo anterior, quaisquer subconjuntos do produto cartesiano A × B. Em
verdade, as relações podem envolver produtos cartesianos de vários conjuntos (X1 × X2 × ... × Xn), e a relação
específica que envolve o produto cartesiano de dois conjuntos é chamada relação binária.
Assim, uma relação binária é o conjunto de pares ordenados cujo primeiro elemento pertence a A e o segundo
elemento pertence a B, quaisquer que sejam os conjuntos A e B. Representa-se a relação binária por .
O conjunto A é chamado de domínio da relação, o conjunto B é chamado de contradomínio da relação.
Matemática elementar/Imprimir 29

Especificando relações
A imagem à direita mostra uma maneira comum de se especificar
relações: através de figuras mostrando os dois conjuntos, com setas
indicando os pares ordenados.
As relações também podem ser especificadas matematicamente da
seguinte maneira:

Relação de A em B, definida como a associação


de elementos de A ao seu dobro em B.

,
Onde C é uma condição qualquer que associe os elementos de A e B. Pode ser uma equação ou inequação. Por
exemplo:
A = { 1,2,3 }
B = { 1,2,3,4,5,6 }

A relação, cujo domínio é A e o contradomínio é B, é especificada por y = 2x. Logo, R = { (1,2),(2,4),(3,6) }.


C = { 1,2,4,8 }
D = { 0,1,2 }

R = { (1,2) }

Representação gráfica
Relações binárias, visto consistirem de pares ordenados, podem ser
representadas em gráficos. Um gráfico é nada mais do que uma curva (o
nome se aplica mesmo a gráficos com apenas retas) que representa
visualmente a relação binária, para cada par ordenado em que ela se defina. O
gráfico formado assim é também chamado de sistema cartesiano ou gráfico
cartesiano, por representar um produto cartesiano.

Uma relação que tenha por coordenadas elementos pertencentes ao conjunto


dos números reais é representada, usualmente, num plano com duas retas: o
eixo das abcissas e o eixo das ordenadas. Estas retas recebem também os
símbolos x e y, respectivamente.
Gráfico de uma relação y = 2x, para x e y
reais. Alguns pares ordenados aparecem
marcados pelas linhas azuis.
Matemática elementar/Imprimir 30

No caso da relação ser definida por inequações, o gráfico correspondente vai


representar áreas, e não curvas. (Por razões práticas, no gráfico muitas vezes
aparece colorida ou hachurada apenas uma parte, logo abaixo ou acima de
uma linha que define a inequação.)
Um gráfico pode estar "em branco" para relações definidas pelo conjunto
vazio ({}).
No gráfico como apresentado o eixo das abcissas representa o domínio da
relação, e o eixo das ordenadas representa o contra-domínio da relação. Gráfico de uma relação y ≤ x + 1, para x
e y reais.

Função
Existe um tipo especial de relação que é chamado função: é a relação na qual, para todo elemento do domínio, há
correspondência de um (e somente um) elemento no contradomínio. A função normalmente é simbolizada por f(x)
(sendo x uma variável, ou seja, um valor que pode representar qualquer elemento do conjunto domínio).
Como conseqüência natural da correspondência biunívoca entre elementos do domínio e contradomínio, a função é
sempre uma relação definida por uma equação (pois uma inequação associa um elemento do domínio a vários
elementos do contradomínio).
As funções são estudadas com mais detalhes no próximo capítulo.
[[|]]

Funções
Uma função é uma relação especial, que é definida da seguinte maneira: sejam dois conjuntos A e B, tais que para
todo elemento x pertencente a A, haja uma correspondência de um elemento y pertencente a B. Essa
correspondência é a função: a associação, definida de algum modo, entre todos os elementos de um conjunto e os
elementos de outro conjunto.
A função que associa um elemento x a outro valor pode ser indicada por f(x). O aparecimento de x na simbologia da
função não ocorre por acaso, uma vez que o valor f(x) depende de x. Por isso mesmo, x é chamada variável
independente e f(x) (ou y) é chamada de variável dependente. Matematicamente a função é definida:
, ou mais simplificadamente,
Um exemplo de função: dado o conjunto dos números naturais, uma função pode associar cada número ao seu
quadrado. Assim, essa função assumiria os valores: { 1,4,9,16,... }.
Uma função pode, na verdade, associar mais de um conjunto a outro; podem haver diversas variáveis independentes.
Por exemplo: uma função pode tomar dois valores inteiros e expressar sua soma:

No entanto, neste livro será dada mais atenção às funções de uma variável, apenas. São duas características da
função enquanto relação:
• há correspondência unívoca entre um elemento e o valor associado a ele pela função: isso significa que para
cada valor assumido pela variável independente (x), há um único valor da variável dependente (y) associado pela
função. Consequentemente, se t = f(x) e w = f(x), então t = w.
• a correspondência é total, ou seja, um valor assumido pela variável dependente estará associado para todo valor
possível de ser assumido pela variável independente.
Matemática elementar/Imprimir 31

A tabela a seguir mostra dois exemplos de relações que não são funções:

Nesse caso, um mesmo elemento (3) do domínio X aparece associado a dois elementos do Aqui a correspondência não é total: falta um valor
contradomínio Y (c,d). associado a 1.

Já o diagrama a seguir representa uma função:

Duas funções f(x) e g(x) são ditas iguais (f = g) se e somente se para cada valor de x no domínio D, f(x) e g(x)
assumam o mesmo valor:

Introdução
Relações que estabeleçam dependência entre os elementos de dois conjuntos são denominadas funções.
Um exemplo clássico de função é a do salário de vendedores que ganham por comissão:
Existe um valor fixo que o vendedor ganha mesmo se não conseguir vender nada naquele mês e uma comissão, que
depende da quantidade de vendas que o vendedor realizou. Por exemplo:

Gráfico salário X vendas


Matemática elementar/Imprimir 32

Vendas Comissão por venda Valor Salário


Fixo

0 55 300 300

1 55 300 355

2 55 300 410

... ... ... ...

Da tabela acima podemos construir uma relação entre as vendas e o salário do vendedor:

E com isso, construímos um gráfico que relaciona vendas a salário, onde verifica-se que:
• O salário depende das vendas.
• O salário é uma função das vendas.

Definição
Ao aplicar uma função em um dado conjunto , cada elemento deste deverá ter como correspondente um
elemento em um dado conjunto .
Ao conjunto denomina-se domínio da função, sendo seus elementos denominados abscissas, e ao conjunto
denomina-se contra-domínio, sendo seus elementos denominados ordenadas ou imagens, quando estas se
correlacionarem a um elemento de .
Ou seja:
Dados dois conjuntos e não vazios, dizemos que a relação f de em será função se, e somente se,
.
(Para qualquer x pertencente a D existe um y pertencente a C tal que o par ordenado (x,y) pertence à função f)

Obs: Para cada , deve haver apenas um

Representações
Existem várias maneiras de se representar funções.
Abaixo você pode ver as três mais comumente utilizadas, sendo a primeira a predominante.
As representações abaixo são de uma função em relação a seu domínio e contra-domínio.

Há também as representações por sua fórmula algébrica em relação a sua imagem, como a seguir:
Matemática elementar/Imprimir 33

Condições de existência
As condições básicas de existência são:
1. Todo e qualquer elemento do domínio deve possuir uma única imagem no contra-Domínio.
2. Caso a equação algébrica da função contenha uma fração, seu denominador deve ser diferente a 0 (zero).
3. Caso a equação algébrica da função possua uma raíz de índice par, para que seu resultado pertença aos Reais, o
radicando deve ser maior ou igual a 0 (zero).
1. Caso essa mesma raíz esteja no denominador de uma fração, o radicando deve ser estritamente maior que 0
(zero).
2. Caso o índice dessa raíz seja um número ímpar, a única restrição é que o radicando seja diferente de 0 (zero).
Com isso, cada função deverá ter suas restrições particulares, mas sempre obedecendo as gerais acima. Algumas
regras não são aplicáveis a funções com contradomínio Complexo.

Nomenclaturas
Abaixo você confere o que significa cada nome utilizado ao se falar sobre funções:

Domínio, Contradomínio e Imagem


Domínio
Conjunto ao qual será aplicada a função.
Contra-Domínio
Conjunto que contém os elementos que farão o papel de imagem dos elementos do domínio.
Imagem
Subconjunto do contra-domínio. Contém apenas os elementos que são realmente imagens das abscissas.
Matemática elementar/Imprimir 34

Gráfico Cartesiano
Abscissa
Todo e qualquer elemento do domínio.
Ordenada
Todo e qualquer elemento do conjunto imagem.
Gráfico em Plano Cartesiano da função
Representação de todos os pontos que compõem uma função através de dois eixos perpendiculares.

Funções Sobrejetoras, Injetoras e Bijetoras


Tomemos dois conjuntos e . Digamos que o primeiro seja um conjunto de mulheres e o segundo é de homens.
Então estabelecemos a relação "é casada com" de para .
• Se houver ao menos uma mulher no conjunto que não seja casada com um homem do conjunto , então esta
relação não consiste em uma função.
• Se houver ao menos uma mulher no conjunto casada com mais de um homem do conjunto , então esta
relação também não consiste em uma função.
• Se toda mulher de for casada com apenas um homem de , então a função é injetora, independentemente
de haver ou não algum homem em que não seja casado com alguma mulher de .
• Se não há um homem de que não é casado com uma mulher de (ou seja, a imagem é igual ao
contra-domínio), então a função é sobrejetora, independentemente de duas mulheres de serem casadas com o
mesmo homem de .
• No caso em que a função é tanto injetora quanto sobrejetora, ou seja, cada mulher de é casada com um único
homem de , e cada homem de é casado com uma única mulher de , então a função é bijetora.

Função Injetora e não sobrejetora Função Sobrejetora e não injetora Função Bijetora

• Resumindo:
• Função Injetora é aquela na qual cada elemento do domínio corresponde a um único do contra-domínio.
• Função sobrejetora é aquela na qual o contra-domínio é igual à imagem, ou seja, cada elemento do
contradomínio é correspondido por ao menos um do domínio.
• Função bijetora é aquela na qual para cada elemento no domínio corresponde a um único elemento no
contradomínio, e cada elemento no contradomínio corresponde a um único do domínio.
Matemática elementar/Imprimir 35

Exemplos
• Funções bijetoras
• Funções do primeiro grau são bijetoras.
• Funções estritamente sobrejetoras
• Funções estritamente injetoras

Funções Pares e Ímpares


• Uma função é denominada par quando , para todo (domínio de f).
• Uma função é denominada ímpar quando , para todo .

Domínio, contradomínio e imagem


São três conjuntos especiais associados à função. O domínio é o
conjunto A do exemplo dado no início deste capítulo: contém
todos os elementos x para os quais a função deve ser definida. Já o
conjunto B do exemplo é o contradomínio: o conjunto que
contém os elementos que podem ser relacionados a elementos do
domínio.

Também define-se o conjunto imagem como o conjunto de


valores que efetivamente f(x) assume. O conjunto imagem é, pois,
sempre um subconjunto do contradomínio.
Por exemplo, suponha a função que associa um elemento do
Função x2, definida para { -3,-2,-1,0 }. Observar o
domínio D = { 1,2,3,4,5 } a uma vogal ordenada no alfabeto. conjunto domínio (D), contra-domínio (CD) e imagem
(delineado pela linha tracejada).

O domínio, já especificado, é
O contradomínio é
A imagem é

Propriedades das funções

Continuidade
Uma função é dita contínua sobre um intervalo dado, , se possui um valor definido para todos os números
contidos nesse intervalo. Por exemplo, a função:
, definida para o contradomínio , não é contínua no intervalo , uma
vez que não está definida para x < 0.

Crescimento e decrescimento
Uma função é dita crescente, sobre um intervalo [A,B], se para cada valor de x + ε (ε sendo qualquer valor positivo),
.
Matemática elementar/Imprimir 36

Paridade
A paridade de uma função é uma propriedade relacionada a simetria da mesma, e portanto só pode ser definida para
funções cujo domínio é simétrico (veja a definição de conjunto simétrico). Sendo um elemento pertencente a um
conjunto simétrico , uma função é dita:
• par, se para todo , ; ou seja, o valor da função é definido apenas de acordo com o módulo
da variável independente;
• ímpar, se para todo , ;
• sem paridade, se não corresponder a nenhum dos dois casos anteriores.

Exemplo de função par: -5x2 + 120. Observe que para qualquer valor de x, Exemplo de função ímpar: x3. Observe que para qualquer valor de x,
f(x) = f(-x); por exemplo: f(x) = -f(-x); por exemplo:
f(2) = -5*(22) + 120 = -5*4 + 120 = 100, f(2) = 23 = 8
f(-2) = -5*(-22) + 120 = -5*4 + 120 = 100 f(-2) = -23 = -8
f(2) = f(-2) f(2) = -f(-2)

Funções de primeiro e segundo grau


Existem dois tipos especiais de funções a respeito das quais cabe fazer comentários aqui. Uma função é dita do
primeiro grau quando pode ser expressa na forma:

A função do primeiro grau sempre toma no gráfico a forma de pontos


colineares. Se o domínio da função for o conjunto R, tem-se uma reta.
O valor da constante , na função e que tem domínio
igual a , é chamado coeficiente angular da reta que define a
função. Ele pode ser obtido a partir da relação entre quaisquer dois
pontos da reta (ou valores associados da variável independente e
dependente), conforme a equação:
Função de primeiro grau, definida por
.

Para o caso específico da constante ser igual a zero, a função é chamada função linear.
Matemática elementar/Imprimir 37

Já a função do segundo grau toma a forma:

Função do segundo grau:


.

Graficamente, a função do segundo grau é sempre uma parábola, cuja concavidade depende unicamente do sinal da
constante a. Se a for negativo, a parábola tem o vértice voltado "para cima"; se a for positivo, a parábola tem o
vértice voltado "para baixo". (Considerando a representação usual do plano cartesiano.)

Operações sobre funções

Composição de funções
O conceito de uma função é uma generalização da noção comum de "fórmula matemática". Funções descrevem
relações matemáticas entre dois objetos, e . O objeto é chamado o argumento da função , e o
objeto , que depende de , é chamado imagem de pela .
Intuitivamente, uma função é uma maneira de associar a cada valor do argumento um único valor da função
. Isto pode ser feito especificando através de uma fórmula ou regra de associação, um gráfico, ou uma simples
tabela de correspondência.
1. Gráficos, Função par e função ímpar, Funções crescentes e funções decrescentes, Máximos e mínimos
2. Função módulo, funções lineares, funções afins e funções quadráticas, Equações e inequações envolvendo estas
funções -
3. Composição e inversão de funções -
4. Funções exponenciais e funções logarítmicas - propriedades fundamentais, gráficos, equações e inequações
envolvendo estas funções.
5. Polinômios -

Ligações
• Função na Wikipédia.
[[|]]

Funções sobrejetoras, injetoras e bijetoras


Foi proposta a fusão deste módulo com: Matemática elementar/Funções#Funções Sobrejetoras, Injetoras e Bijetoras ([[|discuta]]).

Tomemos dois conjuntos e . Digamos que o primeiro seja um conjunto de crianças e o segundo é de adultos.
Seja f a função que leva cada criança x do conjunto X na sua mãe y = f(x) do conjunto Y.
Matemática elementar/Imprimir 38

• Se no conjunto X não houver nenhum par de irmãos, então temos que para a e b crianças diferentes do conjunto X,
as suas mães f(a) e f(b) são diferentes. Neste caso, a função é injetora.
• Se o conjunto Y for formado apenas de mães, então qualquer que seja a mãe m do conjunto Y existe alguma
criança c tal que f(c) = m (ou seja, m é a mãe de c). Neste caso, a função é sobrejetora.
• Se não houver irmãos em X, e o conjunto Y for formado de mães, então existe uma correspondência perfeita entre
crianças e suas mães. A função f é, ao mesmo tempo, injetora e sobrejetora, ou seja, é bijetora.

Função Injetora e não sobrejetora Função Sobrejetora e não injetora Função Bijetora

• Resumindo:
• Função Injetora (ou função injetiva, ou uma injeção) é aquela na qual dois elementos diferentes no domínio
correspondem sempre a elementos diferentes no contra-domínio.
• Função sobrejetora (ou função sobrejetiva ou uma sobrejeção) é aquela na qual o contra-domínio é igual à
imagem, ou seja, cada elemento do contradomínio é correspondido por ao menos um do domínio.
• Função bijetora (ou função bijetiva ou uma bijeção) é aquela na qual para cada elemento no domínio
corresponde a um único elemento no contradomínio, e cada elemento no contradomínio corresponde a um
único do domínio.
No restante do texto, serão estudadas funções numéricas, ou seja, funções entre conjuntos de números reais.

Domínio finito
Quando o domínio da função é finito, a forma mais prática de verificar se a função é injetora, sobrejetora ou bijetora
é calcular diretamente f(x) para cada ponto do domínio, e verificar:
• se existem x e y diferentes com f(x) = f(y), então a função não é injetora
• se existe algum y no contra-domínio que ficou de fora, ou seja, para o qual não existe x com f(x) = y, então a
função não é sobrejetora
Matemática elementar/Imprimir 39

Exemplo
Seja A = { -2, -1, 0, 1, 2}, B = {0, 1, 2, 3, 4}, C = {0, 1, 4}, D = {0, 1, 2} e as funções:
• dada por k(x) = 1
• dada por g(x) = x2
• dada por h(x) = x2
• dada por f(x) = x + 2
Então:
• e não é injetora, porque e(0) = e(1). e também não é sobrejetora, porque não existe x tal que e(x) = 0.
• f não é sobrejetora, porque não existe x tal que f(x) = 2. Mas f é injetora: a única forma de f(x) ser igual a f(y) é
quando x = y, como pode ser visto listando os pares ordenados de f: {(0, 0), (1, 1), (2, 4)}.
• g não é injetora, porque g(-1) = g(1). Mas g é sobrejetora, porque para todo elemento y de C existe um elemento
(pode haver mais de um) x de A com g(x) = y. Isto pode ser visto também listando os pares de g: {(-2, 4), (-1, 1),
(0, 0), (1, 1), (2, 4)}. Outra forma de ver que ela é sobrejetora é observar que a imagem de g é o conjunto {0, 1, 4},
igual ao contra-domínio C.
• h é injetora, porque se h(x) = h(y), então x + 2 = y + 2 logo x = y. h também é sobrejetora, porque para todo
elemento y de B existe um x de A com h(x) = y. De fato, isto pode ser visto enumerando-se os pares de h, ou
observando-se que a imagem de h é o conjunto B.

Casos particulares
Alguns casos particulares para funções , em que A e B são conjuntos finitos de números
• Se f é injetora, então A não tem mais elementos que B
• Se f é sobrejetora, então A não tem menos elementos que B
• Se f é bijetora, então A tem tantos elementos quanto B
• Se f é uma função do primeiro grau, f(x) = a x + b, com a ≠ 0, então f é injetora.
Deve-se notar que estas regras não são suficientes para resolver todos os casos, por exemplo a função
dada por f(x) = x2, em que A = {-1, 1} e B = {0, 1} não é nem injetora nem sobrejetora.

Domínio e contra-domínio real


Neste caso temos uma função .
Alguns casos particulares:
• Se f é uma função do primeiro grau, f(x) = a x + b, com a ≠ 0 então f é bijetora.
• Se f é uma função do segundo grau, f(x) = a x2 + b x + c, com a ≠ 0, então f não é injetora nem sobrejetora.
Em outros casos, deve-se procurar desenhar o gráfico da função.
Matemática elementar/Imprimir 40

Exemplo

Considere a função dada


por f(x) = (x - 1)(x - 2)(x - 3).
Obviamente, pelo gráfico é fácil ver que esta função não é injetiva. Pela equação também é fácil, já que f(1) = f(2) =
f(3) = 0.
Esta função é sobrejetiva. Este fato e sugerido pelo gráfico, apesar deste mostrar apenas parte do conjunto imagem.

Domínio e contra-domínio intervalos de números reais


Neste caso temos uma função , em que A e B podem ser toda a reta real, intervalos finitos ou
intervalos infinitos.
A única regra especial é:
• Se f é uma função do primeiro grau, f(x) = a x + b, com a ≠ 0 então f é injetora.

Ver também
Artigos na wikipedia:
• Função injetiva
• Função sobrejetiva
• Função bijetiva
[[|]]
Matemática elementar/Imprimir 41

Função inversa
Dada uma função , uma pergunta natural é, dado um valor v do contradomínio, em que condições a
equação f(x) = v tem uma solução única x = u  ?
Por exemplo, para funções do primeiro grau, de domínio e contra-domínios reais, f(x) = a x + b (em que a ≠ 0), a
equação f(x) = v admite a única solução .

Por outro lado, para funções reais do segundo grau f(x) = a x2 + b x + c (novamente, a ≠ 0), a equação f(x) = v pode
possuir duas, uma ou nenhuma raiz (dependendo do valor de ser, respectivamente,
positivo, zero ou negativo).
Como outro exemplo, a função f(x) = x2 + 1, quando o domínio é o conjunto dos números reais positivos e o
contra-domínio é o conjunto dos números reais maiores que um é tal que f(x) = v sempre admite uma única solução.
Isto porque, sendo v > 1, temos que x2 + 1 = v é equivalente a x2 = v - 1, ou seja, a solução é a (única) raiz quadrada
positiva do número positivo v - 1 dada por .

Conceito
Dada uma função , dizemos que é a função inversa de f quando:
• Para todo valor , a equação f(x) = y tem uma solução
• Esta solução é única, e dada por x = g(y).

Teoremas
• Se a função f tem uma inversa, então f é uma função bijetora.
• Se f é uma função bijetora, então f tem uma inversa, e a função inversa é bijetora
• A função inversa de uma função é única
• Se g é a função inversa de f, então f é a função inversa de g
Matemática elementar/Imprimir 42

Definições relacionadas
Uma função que tenha inversa diz-se
invertível.

A função inversa de uma função real de variável real obtém-se de por


uma simetria em relação à recta .

A função inversa de uma função f é representada por f-1 - note-se que esta notação deve ser usada com cuidado, pois,
em alguns contextos, .

Ver também
Artigo na wikipedia:
• Função inversa

Exponenciais

Definição de Potência
Em matemática, potências são valores que representam uma multiplicação sucessiva de um número, ou seja,
representam o mesmo número multiplicado algumas vezes por si mesmo. Uma potência é composta por um número,
chamado base, que é multiplicado sucessivamente por si mesmo; e por um índice, chamado expoente, que diz o
número de vezes que a base é multiplicada por si mesmo. As potências apresentam-se na forma , onde n é o
expoente e x é a base.
A potência , por exemplo, indica que a base, o número 4, será multiplicada sucessivamente 3 vezes por si mesma,
ou seja . Se o expoente é 1, então o resultado tem o valor da base ( ), enquanto que
com um expoente 0, devido a regras de operações feitas directamente com potências, o resultado é sempre igual a 1 (
= 1).
A regra para o expoente zero pode parecer estranha. Mas se não fosse assim, todas as propriedades de potências
ficariam mais complicadas. Além disto, quem olhar um gráfico de uma função exponencial vai ver que não poderia
ser de outra forma. Enfim, tudo induz para que aceitemos esta forma de definir as potências com expoente 0.
Matemática elementar/Imprimir 43

Operações com Potências


Existem várias regras que visam facilitar a resolução de potências. É possível multiplicar e dividir qualquer par de
potências que possuam a mesma base, o mesmo expoente, ou os dois iguais.

Multiplicação

Com a mesma base

Para multiplicar duas potências com as bases iguais e expoentes diferentes, mantem-se a base e somam-se os expoentes.

Com o mesmo expoente

Para multiplicar duas potências com os expoentes iguais e bases diferentes, mantem-se o expoente e multiplicam-se as
bases.

Com a mesma base e o mesmo expoente

Para multiplicar duas potências com os expoentes iguais e as bases também iguais, pode-se utilizar qualquer uma das
regras.

Divisão

Com a mesma base

Para dividir duas potências com as bases iguais e expoentes diferentes, mantem-se a base e subtraem-se os expoentes.

Com o mesmo expoente

Para dividir duas potências com os expoentes iguais e bases diferentes, mantem-se o expoente e dividem-se as bases.

Com a mesma base e o mesmo expoente

Para dividir duas potências com os expoentes iguais e as bases também iguais, pode-se utilizar qualquer uma das regras.

(1)

(1) - Este caso nos dá mais um motivo para tomarmos qualquer potência com expoente 0 como sendo igual a 1.
Como e então .

Observe que isto não é a prova que pois foi utilizada uma propriedade para subtrair os expoentes,
propriedade esta que, para ser provada, necessita que seja considerado , logo, não pode ser provada
utilizando a equação acima.
Matemática elementar/Imprimir 44

Equações envolvendo potências

Equações do tipo a^f(x) = b^g(x)


Equações do tipo

onde a é uma constante são resolvidas simplesmente igualando-se f(x) a g(x).


No caso mais geral:

é preciso, primeiro, converter uma (ou ambas) bases para que as duas bases fiquem iguais.

Exemplo
• Resolva:

O primeiro passo é transformar as bases. No caso, pode-se transformar ou (exercício), mas


é bem mais simples transformar e :

Aplicando a propriedade :

Agora temos uma equação da forma :

Verificando:
(ok)

Equações do tipo f(a^x) = 0


As equações do tipo

são resolvidas de forma análoga à biquadrada. Lembrando: uma biquadrada é resolvida pela
substituição . Resolve-se a equação em y, e, com o(s) valor(es) de y, resolve-se a equação em x.

Exemplo
• Resolva a equação

De novo, como temos bases diferentes, é conveniente reescrever tudo para a mesma base. Como , temos:

Usando agora a propriedade :

Ainda temos um problema! É preciso transformar em uma expressão onde esteja isolado. Para isto,
vamos usar a propriedade :
Matemática elementar/Imprimir 45

Então a expressão fica:

Resolvendo:

Aplicando a fórmula de Bhaskara:

Ou seja, as duas raízes são:

A primeira solução, y = -3, gera uma equação sem solução em x, porque é sempre um valor positivo e não pode
ser igual a -3.
A segunda solução fornece:

Ou seja:
x = -1
Verificando, temos que:

(ok)

Exercícios
• Ver /Exercícios/

Ver também
[[|]]

Exercícios
A seguir são sugeridos alguns exercícios sobre exponenciais.
1. Simplifique as expressões abaixo, conforme o exercício 1:
1.
2.
3.
Matemática elementar/Imprimir 46

4.
5.
6.
2. Simplifique as expressões abaixo:

1.

2.

3.

4.
3. Simplifique as expressões abaixo:

1.

2.

3.

4.

4. Sendo a = 43, b = (-8)5, c = (-2)6 e d = (1/2)-3, determine o valor de:

1.

5. Escreva Verdadeiro (V) ou Falso (F), corrigindo a resposta no segundo caso:


1. ()
2. ()
3. ()

4. ()

5. Se n é um número par, ()
6. Se n é um número ímpar, ()
7. ()
8. ()
9. ()
10. Se a é diferente de zero, ()
11. ()
12. ()
13. ()
14. ()
15. ()
16. ()
17. ()
18. ()
19. ()
6. Simplifique as expressões:

1.
Matemática elementar/Imprimir 47

2.

3. Sendo x > 0 e y > 0,

Logaritmos

Definição de Logaritmo
Sejam a e b dois números reais. O logaritmo de na base é o expoente a que deve ser elevado para que o
resultado seja . Em símbolos:

Dizemos que b é a base e a é o logaritmando.


Por exemplo, se , podemos dizer que 2 é o logaritmo de 25 na base 5. Isto mostra a proximidade que
logaritmos têm com potências.
É importante definir algumas restrições à base e ao logaritmando:
• A base deve ser positiva. Determinar, por exemplo, o logaritmo de 2 na base -10 é impossível no universo dos
números reais, já que apenas as potências de expoentes inteiros estão definidas para bases negativas.
• A base deve ser diferente de um. Como 1 elevado a qualquer número dá 1, o único logaritmando possível (com
base 1) seria 1.
• O logaritmando deve ser positivo. Nenhum número real positivo tem potências negativas.

Operações com logaritmos


Existem várias regras que visam facilitar a resolução de logaritmos.

Soma e subtração

Multiplicação por constante

Mudança de base

, para qualquer que seja a base (obedecendo, obviamente, às restrições de domínio

apresentadas acima).
Matemática elementar/Imprimir 48

Demonstrações
Sejam:

Então:

Aplicando propriedades da exponenciação:

• Log do produto
Da expressão

concluímos que:

portanto:

• Log da fração
Analogamente, de:

concluímos que:

portanto:

• Log da potência
A partir de:

chegamos a:

ou seja:

• Mudança de base
Da última expressão:

chega-se a:
Matemática elementar/Imprimir 49

ou seja:

e, finalmente:

E temos demonstrações para as quatro propriedades básicas dos logaritmos.

Equações envolvendo logaritmos


Na resolução de equações envolvendo logaritmos é de grande ajuda em certas situações usar princípios de equações
exponenciais. Um exemplo bom é a equação:

Que pode ser entendida como:

Esse tipo de comparação facilita a compreensão do problema em questão e de muitos outros semelhantes.

Logaritmos e raízes
Quando temos uma equação do tipo , devemos buscar um número ao qual devemos elevar de
modo a obter o resultado . Exemplo:

Como , da definição de logaritmo resulta que .


[[|]]
Matemática elementar/Imprimir 50

Trigonometria

Trigonometria
Trigonometria (do grego trigonon = três ângulos e metro = medida) é uma parte da
Matemática que estuda as relações entre triângulos, ângulos e funções circulares como o
seno e cosseno.
1. Trigonometria do triângulo retângulo

Tabela de Trigonometria,
1728 Cyclopaedia

2. Arcos
e ângulos - medida de um arco (radianos), relação entre arcos e ângulos.
Matemática elementar/Imprimir 51

3. Razões trigonométricas na
circunferência

4. Funções trigonométricas
Matemática elementar/Imprimir 52

5. Fórmulas de Adição, subtração,


duplicação e bissecção de arcos

6. Transformações de soma de
funções trigonométricas em produtos
Matemática elementar/Imprimir 53

7. Identidades trigonométricas
básicas

8. Equações e inequações
envolvendo funções trigonométricas
Matemática elementar/Imprimir 54

9. Lei dos senos e dos cossenos

10. Resolução de triângulos


Matemática elementar/Imprimir 55

Ver também
Exercícios de trigonometria
[[|]]

Arcos e ângulos

Circunferência
Seja um ponto qualquer do plano e um número real. A circunferência de centro e raio é o lugar
geométrico dos pontos desse plano tais que

Veja no Wikicionário círculo.

Arco de circunferência
Consideremos uma circunferência de centro Sejam e dois pontos distintos de

Um arco de circunferência de extremos e é cada uma das partes em que fica dividida uma
circunferência por dois de seus pontos.
Quando teremos dois arcos: o arco nulo (um ponto) e o arco de uma volta (uma circunferência).
Matemática elementar/Imprimir 56

Arco de circunferência e ângulo central correspondente


A medida de um arco é, por definição, a medida do ângulo central
correspondente. Medir significa comparar com uma unidade padrão
previamente adotada. Contudo, para evitar possíveis divergências na
escolha da unidade para medir um mesmo arco, as unidades de medida
restringem-se a três principais: o grau ( ), o radiano ( ) e o
grado, sendo este último não muito comum.

O grau
Um grau é um arco de circunferência cujo comprimento equivale a
da circunferência que contém o arco a ser medido. Portanto,

a medida, em graus, de um arco de uma volta completa (uma


circunferência) é
Submúltiplos do grau

• O minuto ou seja,

• O segundo ou seja, e
Matemática elementar/Imprimir 57

O radiano
Um radiano é um arco de circunferência cujo comprimento é igual ao raio da circunferência que contém o arco a ser
medido. É a unidade do Sistema Internacional (SI).
Conseqüentemente, para medir um ângulo em radianos, convém calcular a razão entre o comprimento do
arco pelo raio ou seja, calcular quantos radianos mede o arco Portanto, como consequência da definição de
radiano, podemos estabelecer a seguinte relação:

onde e devem estar na mesma unidade de comprimento.

O comprimento de uma circunferência de raio é Logo, a medida do arco de uma volta completa, em
radianos, é Para converter unidades, podemos usar as correspondências

ou e uma regra de três simples.

O grado
Ver artigo na wikipedia Grado O grado foi introduzido junto com o Sistema métrico, durante a Revolução francesa
mas, ao contrário do sucesso das outras medidas, não pegou. Atualmente, ele é apenas utilizado nos trabalhos
topográficos e geodésicos feitos na França.

É a medida de um arco cujo comprimento equivale a da circunferência que contém o arco a ser medido. É

evidente que, para conversão de unidades, pode-se utilizar as relações ou


e uma regra de três simples.

O ciclo trigonométrico
Consideremos no plano um sistema de eixos perpendiculares em que Seja uma circunferência
de centro raio e o ponto

A cada número real associaremos um único ponto de


• Se então tomamos
• Se realizamos, a partir de um percurso de comprimento no sentido anti-horário e marcamos o
ponto como final desse percurso.
Matemática elementar/Imprimir 58

• Se realizamos, a partir de um percurso de comprimento no sentido horário, e marcamos o


ponto como final desse percurso.

Assim, a circunferência sobre a qual foi fixado o ponto como orientação é chamada ciclo trigonométrico
ou circunferência trigonométrica.

O ponto é chamado imagem de no ciclo trigonométrico.


O sistema de eixos perpendiculares divide o ciclo trigonométrico em quatro partes, cada uma das quais é
chamada quadrante.
Matemática elementar/Imprimir 59

Ângulos côngruos
Os ângulos e em graus, são côngruos ou congruentes se, e somente se, para algum
ou seja, se e têm a mesma imagem no ciclo trigonométrico. Para indicar que e são côngruos
escrevemos
Por exemplo, os ângulos e são congruentes, pois

Expressão geral dos arcos que têm imagem em um ponto do ciclo trigonométrico..
Consideremos um sistema de eixos perpendiculares e uma circunferência de centro e raio
Sendo um ponto qualquer pertencente à a imagem de um ângulo na circunferência, podemos estabelecer uma
expressão geral dos arcos que têm imagem em um determinado ponto do ciclo trigonométrico.

Por exemplo, a expressão geral dos arcos que têm imagem no ponto dar-se-á por
ou sendo o número de voltas completas. Quando
deve-se andar no sentido anti-horário; se deve-se andar no sentido horário.
Analogamente, temos:

• Para ou

• Para ou

• Para ou

• Para ou ou
Matemática elementar/Imprimir 60

• Para ou ou

• Para ou ou ou ou

Considerando a figura acima, a expressão geral dos arcos que têm imagem em ou é:
• em graus:
• em radianos:
Expressão geral dos arcos que têm imagem em
• em graus:
• em radianos:
No caso da figura seguinte, a expressão geral dos arcos fica:

• em graus:
• em radianos:
Matemática elementar/Imprimir 61

Primeira determinação positiva


A primeira determinação positiva de um ângulo é o menor ângulo côngruo que seja positivo.
Por exemplo, os ângulos (em graus) -15o, 315o, 2115o, -2505o são congruentes, sendo sua primeira determinação
positiva o ângulo 315o.

Analogamente, os ângulos (em radianos) , e são congruentes, sendo sua primeira determinação

positiva o ângulo .

Para se resolver o problema de determinar a primeira determinação positiva é preciso:


1. dividir o ângulo pelo valor do círculo trigonométrico (360o ou , conforme o problema seja apresentado em
graus ou radianos)
2. se este número não for inteiro, arredondar o valor para o valor inteiro imediatamente inferior
3. tomar o número inteiro com sinal contrário (ou seja, se o passo anterior obteve n, obter agora -n)
4. somar ao ângulo inicial este valor inteiro do passo acima multiplicado pelo círculo trigonométrico (360o ou ,
conforme o problema seja apresentado em graus ou radianos)
Exemplos:
1. Se o ângulo inicial é -580o
1. Dividir -580 por 360 -> -1,(alguma coisa) (note que não é preciso fazer a divisão até o fim, já que estamos
apenas interessados na parte inteira da divisão)
2. Não sendo inteiro, tomar a parte inteira -> -2
3. Trocar o sinal -> 2
4. Somar -580o com 2 x 360o -> 140o
2. Se o ângulo inicial é
1. Dividir por -> 4
2. Sendo inteiro, manter -> 4
3. Trocar o sinal -> -4
4. Somar com -> 0

3. Se o ângulo inicial é

1. Dividir por -> ou, aproximadamente, 4,(alguma coisa)


2. Não sendo inteiro, tomar a parte inteira -> 4
3. Trocar o sinal -> -4

4. Somar com ->

Imagens de alguns arcos importantes


• Primeira volta no sentido anti-horário:
Matemática elementar/Imprimir 62

Ângulos correspondentes
• Em graus:

• Em radianos:

Exercícios
• Exercícios
[[|]]

Razões trigonométricas na circunferência


Este módulo encontra-se em processo de tradução. A sua ajuda é bem vinda.

Definição geométrica de seno e cosseno


No círculo unitário mostrado abaixo, um raio unitário foi traçado da origem ao ponto (x,y) sobre o círculo.
Matemática elementar/Imprimir 63

Definição de seno e cosseno

A linha perpendicular ao eixo-x que passa pelo ponto (x,y) intercepta o eixo-x no ponto com abscissa x.
Analogamente, a linha perpendicular ao eixo-y intercepta este eixo no ponto de ordenada y. O ângulo entre o eixo-x
e o raio é α.
A funções trigonométricas de qualquer ângulo α são definidas por:

pode ser definido a partir do seno e cosseno.

Estas três funções trigonométricas pode ser usadas para ângulos medidos em graus, radianos ou qualquer outra
medida angular, desde que fique claro qual é a unidade usada.
[[|]]

Funções trigonométricas
Este módulo precisa ser revisado por alguém que conheça o assunto ([[|discuta]]).

Definição
Funções trigonométricas são funções angulares, importantes no estudo dos triângulos e na modelagem de fenómenos
periódicos. Podem ser definidas como razões de dois lados de um triângulo rectângulo, contendo o ângulo ou, de
forma mais geral, como razões de coordenadas de pontos no círculo unitário ou, de forma ainda mais geral, como
séries infinitas ou, de forma igualmente geral, como soluções para certas equações diferenciais.
Existem seis funções trigonométricas básicas, cada uma com a sua abreviatura notacional padrão.
• seno ( em português; a maioria das linguagens de programação escrevem )
• coseno ( )
As últimas quatro funções são definidas nos termos das primeiras duas. Por outras palavras, as quatro equações em
baixo são definições e não identidades demonstradas.

• tangente
Matemática elementar/Imprimir 64

• secante

• cosecante

• cotangente

O seno, o coseno e a tangente são, de longe, as mais importantes.


As inversas destas funções são geralmente designadas de arco-função, i.e., arcsin, arccos, etc., ou adicionando o
expoente -1 ao nome, como em sen-1, cos-1, etc. O resultado da função inversa é o ângulo que corresponde ao
parâmetro da função. Por exemplo, arcsen(1) = 90°.

Periodicidade
Tanto a função Seno como a função Co-seno têm período 2 pi. A função tangente admite o período pi

Paridade
A função Seno é uma função ímpar, pois sen (-x)= -sen x, qualquer que seja x pertencente R. A função Co-seno é
uma função par, pois cos (-x)= cos x, qualquer que seja x pertencente a R. A função Tangente é uma função ímpar
pois é o quociente de uma função ímpar e uma função par: tg (-x)= -tg x, qualquer que seja x pertencente ao
domínio. A função Co-tangente é uma função de período pi.

Ângulos notáveis

Veja abaixo uma tabela com os valores mais importantes das funções trigonométricas.
Matemática elementar/Imprimir 65

0 0 1 0

1 0 Não definido

Existe um macete para memorizar estes valores. Lembrando que o gráfico da função seno é crescente no primeiro
quadrante (ângulos de 0 graus a 90 graus), escreva:
0, 30, 45, 60, 90
0, 1, 2, 3, 4
Em seguida, na segunda linha, tire a raiz quadrada e divida por 2:
0, 30, 45, 60, 90

0, 1/2, 1
E temos os valores da função seno. Os valores do cosseno são obtidos invertendo-se a primeira linha:
90, 60, 45, 30, 0

0, 1/2, 1
E os valores da tangente dividindo-se seno por cosseno.

Propriedades

Cosseno ao quadrado mais seno ao quadrado

Definição de seno e cosseno

Diretamente da figura que define seno e cosseno (ao lado), temos, pelo triângulo retângulo no primeiro quadrante,
que:

Matemática elementar/Imprimir 66

É convencional escrever o quadrado de uma função trigonométrica colocando-se o sinal imediatamente ao lado do
nome da função. Assim, esta relação é escrita:

A geometria do triângulo retângulo prova esta relação no caso de ou seja, para ângulos no primeiro
quadrante. Nos casos temos que um deles (seno ou cosseno) vale 1, e o outro vale 0, logo
a soma dos seus quadrados é 1.
Nos demais casos, temos:
Se x está no segundo quadrante, então está no primeiro quadrante, e:
: portanto:

Analogamente:
Se x está no terceiro quadrante, então está no primeiro quadrante, e:
: portanto:

Finalmente:
Se x está no quarto quadrante, então está no primeiro quadrante, e:
: portanto:

Ou seja, a relação

é válida para qualquer ângulo real x.

Propriedades do quadrado da secante e da cossecante


Lembrando que:

temos que:
Dividindo por

Dividindo por
Matemática elementar/Imprimir 67

Exercícios
• Matemática elementar/Trigonometria/Funções trigonométricas/Exercícios

Adição, subtração, duplicação e bissecção de arcos


Nesta página aprenderemos a efetuar operações trigonométricas que envolvam a adição, subtração ou multiplicação
de números reais.

Adição de arcos

Cosseno da soma

Considere a figura ao lado. Sejam três pontos e pertencentes à circunferência , cujas coordenadas são
e Os arcos e têm medidas
iguais, logo as cordas e também têm a mesma medida. Após aplicarmos a fórmula da distância entre dois
pontos da Geometria analítica, temos:

Ao igualarmos as duas expressões, temos a fórmula:

Seno da soma

Sabemos que A partir disto e sendo obtemos:

Utilizando a fórmula do cosseno da diferença de dois arcos nessa última expressão:

Substituindo e nesta expressão, então:


Matemática elementar/Imprimir 68

Tangente da soma

Sabendo que e utilizando as fórmulas anteriores para soma de senos e cossenos, podemos

facilmente conseguir uma expressão para

Então:

Vale lembrar que essa fórmula só pode ser usada se e

porque a relação só é válida se e somente se

Cotangente da soma

Como podemos obter, de maneira semelhante à formula da tangente da soma, uma expressão para

Simplificando, temos:

Como é válida se e somente se a identidade que demonstramos acima só pode ser

usada se e

Exemplos
• Calcule:

• Resolução
Matemática elementar/Imprimir 69

Subtração de arcos

Cosseno da diferença
Para calcular fazemos uso da igualdade na fórmula do cosseno da soma,
conforme a seguir:

Então:

Seno da diferença
Podemos fazer a mesma substituição da igualdade para encontrar as outras relações de
diferença de arcos. Para o seno, usaremos a fórmula do seno da soma e a igualdade citada acima, conforme a seguir:

Logo,

Tangente da diferença
Usando novamente a igualdade e, desta vez, a fórmula da tangente da soma:

Simplificando, temos:

Pelos motivos já citados anteriormente, esta fórmula só é válida se e

Cotangente da diferença
Mais uma vez, usaremos a igualdade e, desta vez, a fórmula da cotangente da soma:

Logo, obtemos a identidade:

Está fórmula só pode ser aplicada se e


Matemática elementar/Imprimir 70

Exemplos
• Calcule:

• Resolução

• Dados e calcule

• Resolução

Multiplicação de arcos
É possível deduzir fórmulas para calcular as funções trigonométricas de utilizando as fórmulas obtidas
para a soma de arcos e fazendo conforme será mostrado adiante.

Cosseno
Usando a fórmula do cosseno da soma, temos:

Logo, utilizando a Identidade relacional básica, podemos obter duas fórmulas finais:

ou

Utilizando a Identidade relacional básica e trabalhando algebricamente, temos:

Expressões para são obtidas por processos semelhantes.


Matemática elementar/Imprimir 71

Seno
Ultilizando a fórmula do seno da soma:

Então, temos:

Utilizando a Identidade relacional básica:


Logo:

Expressões para são obtidas por processos semelhantes.

Tangente
A partir da fórmula da tangente da soma:

Logo:

Ao subtituimos a fórmula anterior para e simplificarmos, obtemos como fórmula final:

Expressões para são obtidas por processos semelhantes.

Exemplo

• Se e calcule

• Resolução
Precisamos encontrar para aplicarmos a fórmula. Para tanto, utilizaremos a identidade
que relaciona as funções cotangente e cossecante. A partir da cossecante obtida, podemos

encontrar o valor do seno, uma vez que Como o valor da cossecante é positivo.

De onde vem

Podemos finalmente calcular:


Matemática elementar/Imprimir 72

Bissecção de arcos

Cosseno
Vamos utilizar as duas fórmulas que encontramos para a fim de que, dado o cosseno de uma arco
qualquer, possamos obter ou Para isto, consideraremos

A partir de

A partir de temos:

Finalmente, sabendo que temos:

Seno
Caso nos seja dado o sabendo que calculamos e usamos as fórmulas
dadas logo acima para o cosseno.

Tangente

Precisamos agora encontrar fórmulas que permitam calcular e conhecida a Para

tanto, tomaremos as fórmulas de multiplicação

e consideraremos de modo que:


Matemática elementar/Imprimir 73

Exemplos

• Se com calcule as funções circulares de

• Resolução

Logo, temos:

• Se determine

• Resolução
Podemos aplicar diretamente a fórmula, de modo que:

Exercícios
• Matemática elementar/Trigonometria/Adição, subtração, duplicação e bissecção de arcos/Exercícios

Esta página foi eleita pelos colaboradores como uma das melhores do Wikilivros em março de 2007. Para mais
informações, consulte a página de votações.

Transformações de soma de funções trigonométricas em produtos


As fórmulas de transformação de soma e diferença em produto, também conhecidas como Fórmulas de
Prostaférese[10] , são:
Matemática elementar/Imprimir 74

Dedução - soma e diferença dos senos


Partindo das fórmulas do seno da soma de arcos:

Somando-as membro a membro:

Fazendo:

Temos:

Substituindo a e b, em (I):

Procedendo da mesma forma, novamente a partir de:

Subtraindo-as membro a membro:


(II)
Substituindo a e b, em (II):

Dedução - soma e diferença dos cossenos


Agora para a função cosseno

Somando-as membro a membro:


(III)
Substituindo a e b, em (III):

E por fim:

Subtraindo-as membro a membro:


(IV)
Substituindo a e b, em (IV):
Matemática elementar/Imprimir 75

Exercícios
• Exercícios
[1] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ naturais/ naturais1. htm
[2] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ naturais/ naturais2. htm
[3] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ naturais/ divisibilidade. htm
[4] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ naturais/ naturais2-a. htm
[5] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ inteiros/ inteiros. htm
[6] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ fracoes/ fracoes. htm
[7] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ fracoes/ fracdec. htm
[8] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ fracoes/ racionais. htm
[9] http:/ / pessoal. sercomtel. com. br/ matematica/ fundam/ fracoes/ fracoes-a. htm
[10] Prostaférese (http:/ / ecalculo. if. usp. br/ funcoes/ logaritmica/ historia/ prostaferese. htm)

[[|]]

Identidades trigonométricas básicas

Conceito
Uma identidade trigonométrica é uma equação envolvendo funções trigonométricas e que é verdadeira para todos os
valores das variáveis envolvidas. Estas identidades são úteis sempre que expressões envolvendo funções
trigonométricas tem que ser simplificadas. Geralmente é possível aproveitar as características cíclicas das funções
para modificar o seu comportamento, transformando uma ou mais funções trigonométricas em outras operadas de
forma que apresentem o mesmo resultado da função original.

Identidade relacional básica


Uma vez que no ciclo trigonométrico com ângulo podemos encontrar as coordenadas fazendo
e podemos verificar que estas coordenadas e a distância entre a origem e o
ponto formam um triângulo retângulo. Sendo esta distância unitária, temos:

Portanto:

[[|]]
Matemática elementar/Imprimir 76

Equações e inequações envolvendo funções trigonométricas

Conceito
Equações trigonométricas são equações nas quais a variável a ser determinada aparece após a aplicação de funções
trigonométricas.
Uma das grandes diferenças entre equações trigonométricas e as demais equações é a natureza periódica destas
funções.
Assim, enquanto equações do tipo:

possuem uma solução única, ou uma quantidade finita (e pequena) de soluções, uma equação do tipo:

admite infinitas soluções - por ser tan uma função periódica de período para cada solução x = a, temos que
e também serão soluções, assim como qualquer valor sendo k um
número inteiro (positivo, negativo ou zero).

Equações do tipo sen(x) = n, cos(x) = n e tan(x) = n

sen(x) = n

A equação só tem soluções quando está no intervalo [-1; 1]. Se está neste intervalo, então é
preciso primeiro determinar um ângulo tal que:

Neste caso, as soluções são dois conjuntos infinitos (que devem ser unidos):

Em que é qualquer inteiro.


Quando n = 1, 0 ou -1, estas soluções tem uma forma mais simples, que podem ser vistas na tabela ao lado.
Matemática elementar/Imprimir 77

Exemplo
Resolva:

Primeiro, deve-se determinar um valor para

Substituindo nas fórmulas, temos:

ou

Resolvendo estas equações em x chega-se à resposta final:

ou

Em que k é um número inteiro.

Outro exemplo
Resolva:

Substituindo

Sabemos que é um ângulo cujo seno vale 1/2. Portanto, y deve valer:

ou

Substituindo o valor de

ou

Ou seja:

ou
Matemática elementar/Imprimir 78

Esta solução está correta, mas, normalmente, deseja-se expressar os ângulos na forma em que

Para isso, como k é um número inteiro qualquer, ele pode ser substituído por qualquer outra expressão que também
indica um número inteiro qualquer. Ou seja, podemos substituir k por k + 10, k + 42, k - 1000, etc.
No caso, como queremos tornar a parte sem k em um número entre 0 e 2 π, temos que substituir k por k+1, obtendo:

ou

Finalmente:

ou

Exercícios
• Matemática elementar/Trigonometria/Equações e inequações envolvendo funções trigonométricas/Exercícios
[[|]]

Lei dos senos e dos cossenos

Lei dos cossenos


Em qualquer triângulo, o quadrado de um dos lados é igual à soma dos quadrados dos outros dois lados, menos o
dobro do produto desses dois lados pelo cosseno do ângulo formado entre eles. A saber:

Demonstração
Esta é uma das maneiras de demonstrar a lei dos cossenos.
Considerando a figura, podemos observar três triângulos:

Destes, pode-se extrair as seguintes relações: e


Usando o Teorema de Pitágoras para obter uma relação entre os lados dos triângulos, temos:
• Para
Matemática elementar/Imprimir 79

• Para
Substituindo e em

Entretanto, pode-se substituir a relação do triângulo na equação acima. Dessa maneira,


encontra-se uma expressão geral da Lei dos cossenos:

Da mesma forma, pode-se demonstrar as demais relações:

Aplicação
A Lei dos Cossenos permite calcular o comprimento de um lado de qualquer triângulo conhecendo o comprimento
dos demais lados e a medida do ângulo oposto a esse. Ela também permite calcular todos os ângulos de um triângulo,
desde que se saiba o comprimento de todos os lados.

Exemplos
• Considere um triângulo de lados e sendo que o comprimento de é 2 metros e o comprimento de
é metros. Os lados e definem um ângulo de 30º. Calcule o comprimento de
• Resolução

Dada a Lei dos Cossenos, tem-se que e


portanto:

comprimento de é 1 metro.
• Prove por Lei dos Cossenos que o triângulo eqüilátero também é eqüiângulo
• Resolução
Dado um triângulo eqüilátero de lados e por definição tem-se que Sejam e
os ângulos deste triângulo. Aplicando a Lei dos Cossenos:

mesmo vale para e


Matemática elementar/Imprimir 80

Lei dos senos


O seno de um ângulo de um triângulo qualquer é proporcional à medida do lado oposto a esse ângulo. A saber:

Demonstração
Para demonstrar a lei dos senos, tomamos um triângulo
qualquer inscrito em uma circunferência de raio A partir do
ponto pode-se encontrar um ponto diametralmente oposto
e, ligando a formamos um novo triângulo
retângulo em

Da figura, podemos perceber também que porque determinam na circunferência uma mesma corda
Desta forma, podemos relacionar:

Fazendo todo este mesmo processo para os ângulos e teremos as relações:

e em que é a medida do lado oposto a é a medida do lado

oposto a e é uma constante.


Logo, podemos concluir que:

Lei das tangentes


Seja um triângulo não isósceles e não retângulo
cujos ângulos internos e medidas dos lados estão indicadas
na figura. A lei das tangentes estabelece que, para qualquer
triângulo que não seja isósceles nem retângulo, valem as
seguintes relações:
Matemática elementar/Imprimir 81

Demonstração
Para demonstrar a Lei das tangentes, podemos partir da Lei dos senos:

Usando uma propriedade das proporções, temos que:

Substituindo nessa equação as fórmulas de transformação de soma em produto, temos:

Analogamente, pode-se provar as outras duas relações.

Exercícios
• Ver: Matemática elementar/Trigonometria/Lei dos senos e dos cossenos/Exercícios
[[|]]

Resolução de triângulos
Uma das aplicações mais comuns da trigonometria é a resolução de triângulos.
A resolução de triângulos é a operação matemática que, a partir de três elementos de um triângulo, determina todos
outros elementos. Estes elementos podem ser lados, ângulos, perímetro, área, etc.
Os casos mais comuns são representados por uma tríade de letras, usando-se L (para lado) e A para ângulo. Assim,
LLL significa resolver um triângulo no qual são dados três lados, LAA significa resolver um triângulo no qual é dado
um lado, um ângulo adjacente e um ângulo oposto. Nem todos casos são solúveis: AAA pode ter nenhuma (se a soma
dos ângulos não for de 180o) ou infinitas soluções; LLA pode ter nenhuma, uma ou duas soluções.
Matemática elementar/Imprimir 82

LLL
Usa-se a lei dos cossenos para se determinar dois ângulos; o terceiro ângulo sai naturalmente da soma dos ângulos
ser 180o.

LAL
Usa-se a lei dos cossenos para se determinar o lado oposto ao ângulo. Um outro ângulo pode ser determinado pela lei
dos senos ou dos cossenos.

ALA
Determina-se o terceiro ângulo pelos dois ângulos. Os outros lados saem pela lei dos senos.

LAA
Determina-se o terceiro ângulo pelos dois ângulos. Os outros lados saem pela lei dos senos.

LLA
Dois métodos podem ser usados, mas ambos podem não ter solução:
• Resolve-se o terceiro lado pela lei dos cossenos - neste caso, a equação é uma equação do segundo grau, que pode
ter nenhuma, uma ou duas raízes.
• Resolve-se o outro ângulo (que não é o ângulo formado pelos lados) pela lei dos senos - neste caso, a equação
também pode ter nenhuma, uma ou duas soluções.
[[|]]

Progressões
Seqüências ou progressões são funções do tipo , onde A é o conjunto dos números naturais ou um
subconjunto dos números naturais consecutivos com mais de dois elementos, e B é um conjunto numérico. Sendo
funções, nas sequências existe uma regra geral que permite determinar cada elemento de B a partir do elemento A,
por exemplo:
(2,4,6,8,10) é uma seqüência dos números pares de 2 até 10, que pode ser expressa pela função
. Também percebe-se que a função pode relacionar o elemento anterior (an) com
o posterior (an+1)da seguinte maneira: , sendo r uma razão fixa, a razão de progressão.
Os dois tipos de seqüências matemáticas mais comuns são a progressão aritmética, que contém números tais que o
anterior somado a uma razão fixa resulta no posterior, e progressões geométricas, que contém números tais que o
anterior multiplicado pela razão fixa resulta no posterior.
Exemplos:
(1,5,9,13,...) é uma progressão aritmética infinita (o que se indica pelo sinal ...) de razão igual a 4.
(1,3,9,27,81) é uma progressão geométrica finita de razão igual a 3.
Matemática elementar/Imprimir 83

Progressão Aritmética
Progressão aritmética (PA) é uma seqüência que tem entre um elemento e
seus adjacentes uma diferença igual. Ou seja, uma seqüência para a qual se
determinam os números somando ou subtraindo a razão de progressão.
Exemplo:

Uma progressão aritmética (1,3,5,7).

No exemplo, 2 é a razão de progressão da PA.

Fórmula do Termo Geral


Denomina-se fórmula do termo geral a uma equação que expressa a regra para obterem-se os elementos da
progressão. É praticamente o mesmo que a função que define a seqüência. No caso das progressões aritméticas, a
fórmula do termo geral é:

Onde:
• an é o termo que se procura encontrar (n é o índice, por exemplo, a3 é o terceiro termo da progressão).
• a1 é o primeiro termo da progressão. Conquanto a fórmula do termo geral seja expressa em função do primeiro
termo, nada impede que se utilizem outras posições na seqüência, desde que se adapte a fórmula.
• r é a razão de progressão
• n é, como já explicado, o índice do elemento procurado
Matemática elementar/Imprimir 84

Soma dos Termos


Diz a lenda que o matemático Gauss descobriu a fórmula da soma de termos de uma PA quando tinha cinco anos.
Gauss teria sido submetido a um exercício que consistia em somar os números naturais de 1 a 100, e o teria resolvido
em alguns minutos, ao contrário do que esperava seu mestre.

Lendas matemáticas à parte, a soma dos termos de uma progressão aritmética pode ser obtida por uma fórmula
simples:

Onde:
• Sn é a soma dos termos até n.
• a1 e an são, respectivamente, o primeiro e o último termo da progressão (ou pelo menos, do subconjunto da
progressão sobre o qual será feita a soma)
• n é o total de elementos somados; reparar que a fórmula só permite somar elementos contíguos da progressão

Progressão Geométrica
Progressões geométricas são seqüências numéricas em que os
elementos crescem por multiplicações, a uma razão fixa.
Exemplo:
(razão de progressão q = 3)

Soma de Infinitos
Progressão geométrica (1,2,4,8).
A soma dos termos de uma P.G. infinita se dá pela seguinte equação:
Matemática elementar/Imprimir 85

Seqüências numéricas
1. Seqüências numéricas, Progressões aritméticas e progressões geométricas, Soma de um número finito de termos
de uma PA e de uma PG, noção de limite de uma seqüência, soma dos infinitos termos de uma PG de razão com
módulo menor do que 1, Representação decimal de um número real -

Exercícios resolvidos
1) Ache tres numeros em P.A crescente,sabendo que a soma é 15 e o produto é 105.

O problema pode ser resolvido assim: Chame de x o primeiro dos 3 números na PA e de r a razão da mesma. Então
os termos são os seguintes: x, x+r, x+2r Como a soma deve ser igual a 15, os números x e r precisam satisfazer a
equação: x + x+r + x+2r = 15 ou seja, 3x + 3r = 15 que se reescreve como x + r = 5
Logo, r = 5-x.
Por outro lado, se o produto de tais números é 105, deve ocorrer: x*(x+r)*(x+2r)=105 ou seja,
x*(x+5-x)*(x+2(5-x))=105 que pode ser reescrito como 50x-5x^2=105
As raízes dessa equação do segundo grau são 3 e 7 e se obtem rapidamente pela fórmula de Bhaskara.
temos que considerar cada um dos casos: x=3 nessa situação, como r=5-x=5-3=2, os termos da PA são 3, 5 e 7
x=7 deduz-se que r=5-7=-2, donde os termos são 7, 5 e 3
Apenas o primeiro caso representa uma PA crescente, logo a resposta é 3, 5 e 7

2) O perimetro de um triangulo retangulo mede 24 cm.Calcule as medidas dos lados sabendo que eles estao em P.A.

Sabendo que os lados estão em PA, podemos chamá-los de x, x+r e x+2r, e supor que esta é uma PA crescente, como
no problema anterior. Mas se o perímetro é 24, ou seja a soma dos lados tem esse valor, então: 3x+3r=24
ou seja x+r=8
donde r=8-x
Mas em todo triângulo retângulo vale o Teorema de Pitágoras, e a hipotenusa é sempre o maior lado, então:
(x+2r)^2=(x+r)^2+(x)^2
ou seja, (16-x)^2=8^2+x^2
ou ainda, 256 - 32x + x^2= 64 + x^2
que é equivalente a 32x=256-64=192
Portanto, x=6 e consequentemente r=8-6=2. Assim a resposta deve ser 6, 8 e 10.
[[|]]

Expressões algébricas
Produtos notáveis são expressões matemáticas padronizadas, em que um produto ou uma potência pode ser
expressa através de uma soma de monômios.
A operação inversa se chama fatoração algébrica, que consiste em expressar um polinômio como o produto de
polinômios (usualmente binômios) mais simples.
O desenvolvimento dos produtos notáveis é um passo fundamental na simplificação de expressões que envolvem
somas ou subtrações, como na resolução de vários tipos de equação.
A fatoração, por outro lado, é fundamental na simplificação de expressões que envolvem a divisão de polinômios, e
também é importante na resolução de equações polinomiais.
Matemática elementar/Imprimir 86

Produtos notáveis

Quadrado da soma de dois termos


.

Exemplos:

Quadrado da diferença de dois termos

Exemplos:

Cubo da soma de dois termos

Exemplos:

Cubo da diferença de dois termos

Exemplos:

Exercícios
• Ver Matemática elementar/Expressões algébricas/Produtos notáveis/Exercícios.

Fatoração algébrica

Fatoração pelo fator comum em evidência


Considere o polinômio , seu fator comum em evidência é , dividindo cada termo do polinômio
pelo fator comum em evidência e , a forma fatorada de um polinômio pelo fator
comum em evidência é igual ao produto do fator comum em evidência pelo polinômio obtido da divisão de cada
termo do polinômio, logo a forma fatorada de . O fator comum em evidência pode
ser aplicado em todos os termos do polinômio.
Outros exemplos:
Matemática elementar/Imprimir 87

Fatoração por agrupamento


Observe o polinômio . Este polinômio não possui um fator comum para ser aplicado em todo
o mesmo, a solução é fazer pequenos grupos de polinômios a partir do polinômio principal, veja:
, logo podemos fatorar os pequenos grupos formados do
polinômio principal:

, obtemos a fatoração de , nota-se que os


termos entre parênteses são iguais, permitindo uma nova aplicação do fator comum em evidência:
. A forma fatorada de .
Outro exemplo:

Fatoração da diferença de dois quadrados

Considere o polinômio , que é uma diferença de dois quadrados, para fatorar o mesmo devemos obter a
raiz quadrada do primeiro termo menos a raiz quadrada do segundo termo , logo
temos , devemos, agora, multiplicar o polinômio resultante das raizes dos termos
iniciais pelo seu oposto: , logo a fatoração da diferença de dois quadrados é igual à raiz
quadrada do primeiro termo menos a raiz quadrada do segundo termo vezes o oposto:
, ou simplesmente
.
Outros exemplos:

Fatoração do trinômio quadrado perfeito


Considere o polinômio , que é um trinômio quadrado perfeito, pois representa , mas
como saber se um trinômio é ou não quadrado perfeito?
Ainda considerando o polinômio , vamos obter a raiz quadrada do primeiro termo
e a raiz quadrada do terceiro termo , finalmente multiplicamos por dois o produto das

raízes para verificar se o resultado é igual ao segundo termo do polinômio ( ): , o resultado é


igual ao segundo termo do polinômio, logo o mesmo é um trinômio quadrado perfeito e sua forma fatorada é
.
Outro exemplo:

ou
Matemática elementar/Imprimir 88

Fatoração da soma ou da diferença de dois cubos


As expressões usadas são:

Observe a multiplicação resolvida através da propriedade distributiva:


, tendo este cálculo como base,
podemos dizer que , logo, a fatoração do polinômio é igual à raiz
cúbica do primeiro termo , mais a raiz cúbica do segundo termo vezes o quadrado do
primeiro termo , o produto dos dois termos com o sinal oposto mais o quadrado do segundo termo ,
formando: .
Outros exemplos:

Fatoração do trinômio do segundo grau


Observe o trinômio , cuja forma fatorada é , para realizar sua fatoração
devemos obter dois números que somados dêem o coeficiente do segundo termo do polinômio (-2x) e multiplicados
dêem o terceiro termo do polinômio (-35), e escrevê-los como produto de dois termos entre parênteses, veja outros
exemplos:

Fatoração completa
A fatoração completa implica na união de todos os métodos de fatoração de polinômios para tornar um polinômio
fatorado ao máximo, ou seja, que não pode ser mais fatorado. Considere o polinômio , que é a diferença de
dois quadrados, fatorando-o temos: , note que o primeiro termo da fatoração [
] é uma diferença de dois quadrados, devemos fatora-lo:
, assim, temos a fatoração completa do
polinômio .
Outros exemplos:
Matemática elementar/Imprimir 89

Fatoração por artifício


Em alguns casos, a fatoração só é possível com a utilização de algum artifício. Exemplo;
Fatore a expressão algébrica: .

Artifício utilizado: Adicionamos e subtraímos o termo , não alterando, assim, o valor da expressão e
possibilitando a obtenção de trinômio quadrado perfeito para a realização da expressão.
Outro exemplo:

Artifício utilizado: soma-se e subtrai-se , obtendo-se logo em seguida uma soma de cubos:

Um passo intermediário que pode ser usado como artifício é a expressao da soma de dois quadrados:

Polinômios irredutíveis
Alguns polinômios não podem ser fatorados, estes são chamados de polinômios irredutíveis, mas o estudo destes
polinômios deve ficar para um livro mais avançado.

Exercícios
• Ver Matemática elementar/Polinômios/Exercícios.

Problemas resolvidos

Caso 1
Uma indústria produz apenas dois tipos de camisas: o primeiro com preço de R$45,00 a unidade e o segundo com o
preço de R$67,00 a unidade. Se chamarmos de x a quantidade vendida do primeiro tipo e de y a quantidade vendida
do segundo tipo.
• Qual a expressão algébrica da venda desses dois artigos?
• Qual o valor se forem vendidos 200 e 300 unidades respectivamente?

Caso 2
O segundo caso de fatoração é: agrupamento, onde há 4 ou mais termos. Temos como exemplo:
• ax+ay+bx+by = a(x+y)+b(x+y)= (x+y)(a+b).
• Colocamos o 'x+y' em evidência e quem os multiplica também.

Caso 3
Diferença entre dois quadrados.

Caso 4
Trinômio quadrado perfeito.
Matemática elementar/Imprimir 90

Caso 5
Soma e produto

Exercícios
• Ver Matemática elementar/Polinômios/Exercícios

Fração algébrica

Operações

Referências

Wikipédia
[[|]]

Polinômios

Definição
Polinômios em uma variável são séries de monômios (ou termos) em uma variável, que por sua vez são expressões
matemáticas na forma (que, no caso de n = 0, torna-se a constante a). Cada monômio é caracterizado por
• um coeficiente, que na equação acima é representado por a;
• uma variável, que na equação é representada por x; e
• um expoente natural, que na equação é representado por n. No caso particular n = 0, considera-se que e
o termo torna-se simplesmente a.
Assim, um polinômio é um conjunto de monômios, devidamente normalizados. A expressão mais correta é função
polinomial, mas o uso de polinômio é consagrado. A função polinomial ou polinômio assume a forma:

A função constante, é um exemplo de função polinomial, bem como a função linear

Grau
Define-se o grau de um polinômio como igual ao expoente mais alto entre as variáveis de seus monômios não-nulos.
Por exemplo, no polinômio o grau é 3, correspondente ao expoente mais alto entre as
variáveis nos monômios ( ).

Valor numérico
É o valor que se resulta a expressão quando determina-se um valor para as variáveis.
Exemplo

2x + 1 VN = ? Para x=5
VN = 2.5 + 1 = 11,
Matemática elementar/Imprimir 91

Raízes
Raiz ou zero é um valor tal que, atribuído à variável da função
polinomial, faz com que a função resulte em 0. Ou seja, se a é dito
raiz do polinômio P(x), então

No gráfico acima, as raízes r1 e r2 são mostradas.


Reparar que as raízes são correspondentes a pontos do
gráfico que cortam o eixo das abcissas.

Exemplos de raízes:
• tem raiz r = 4 (pois )
• tem raiz r igual a -1, pois
Um polinômio de grau n terá n raízes, sempre. Algumas vezes uma mesma raiz se repete, sendo por isso chamada
raiz dupla, tripla, quádrupla, etc. Por exemplo:
• tem raiz dupla r igual a 2, uma vez que pode ser fatorado em

Num gráfico representativo da função polinomial, as raízes sempre ocorrem nos pontos em que a curva cruza o eixo
das abcissas.

Identidade de polinômios
Dois polinômios são ditos idênticos se tiverem o mesmo grau e os monômios correspondentes idênticos, por
exemplo:

Como o desenvolvimento de B(x) resultou num polinômio de termos correspondentes idênticos a A(x), então os
polinômios são idênticos ou equivalentes; indica-se:
Matemática elementar/Imprimir 92

Polinômio nulo
Um polinômio é dito nulo quando todos os seus coeficientes são iguais a 0.

Igualdade de polinômios
é quando os polinomios sao iguais exemplo

3e3

Operações

Adição
Consideremos que tenhamos os fatores:
e

Todos constantes e com valores diferentes de zero.


Ainda temos:

que são variáveis.


Os polinômios:

A sua adição é efetuada como segue:

Em caso de polinômios compostos por mais de uma variável, tais quais:

A sua adição é efetuada como segue:

Processo:
Para fazer a soma dos polinômios de uma só variável, identificamos os monômios de mesmo expoente e somamos os
fatores dos mesmos, o resultado da soma dos fatores é multiplicado pela parte variável do monômio, repete-se o
processo para todos os monômios até que não haja mais fatores.
Para fazer a soma dos polinômios de várias variáveis, identificamos os monômios com variáveis iguais de mesmo
expoente e somamos os fatores dos mesmos, o resultado da soma dos fatores é multiplicado pela parte variável do
momômio, repete-se o processo para todos os monômios até que não haja mais fatores.
Matemática elementar/Imprimir 93

Subtração
O sinal de negativo (-)antes dos parêntese exige a troca de todos os sinais que estejam dentro dele.
(3x²-2x+5)-(5x-3)=

=3x²-2x+5-5x+3=
=3x²-7x+8

Multiplicação
(15x² - 10x + 2) • (3x - 2)
Nesse caso, multiplica-se todos os termos.
ou
Considere:
(15x² - 10x + 2) = A
(3x - 2) = B
donde,
A • B (ou B • A)

A
•B
---
x

donde,

(15x² - 10x + 2)
• (3x - 2)
-----------------
- 30x² + 20x - 4
45x³ - 30x² + 6x +
---------------------
45x³ - 60x² + 26x -4

Portanto, o produto da multiplicação indicada será 45x³ - 60x² + 26x -4.

Divisão
Para realizar-se uma divisão de polinômios, utiliza-se um dos teoremas abaixo:
• Método de Descartes
• Método do Resto
• Método de D'Alembert
• Método de Briot-Ruffini
Matemática elementar/Imprimir 94

Teoremas

Teorema do resto
O resto da divisão do polinômio P(x) por ax + b é dado por P(-b/a)

Exemplo de resolução 1
Têm-se a seguinte divisão:

• 1º passo: Determina-se x

• 2º passo: Substitui-se os valores

Portanto, o resto é 43.

Exemplo de resolução 2
O resto da divisão do polinômio pelo polinômio de primeiro grau é
Observações: Note que é a raiz do divisor

Teorema de D'Alembert
Um polinômio é divisível pelo polinômio de primeiro grau se e somente se,

Equações polinomiais

Teorema Fundamental da Álgebra


Todo polinômio de uma variável com coeficientes complexos e de grau tem alguma raiz complexa.
Em outras palavras, a equação polinomial tem soluções, não necessariamente distintas.
Apesar do nome pomposo, um estudo mais aprofundado da Álgebra contemporânea mostra que este resultado não é
assim "tão fundamental". No entanto, no contexto das equações polinomiais, é ele quem traz a garantia de que
existem soluções para esse tipo de equação.

Fatoração
Lembre-se: Fatorar é simplificar uma expressão à um produto.
Existem várias formas de se fatorar um polinômio, ou seja, escrevê-lo como um produto de expressões mais simples:
• fatoração simples (ou por evidência)
• fatoração por agrupamento
• trinômios do quadrado perfeito
• e outros
Matemática elementar/Imprimir 95

Fatoração simples (ou por evidência)


Destacam-se os termos em comum.
Exemplo
ax + ay + az = a (x + y + z)

Por agrupamento
Agrupam-se os termos em comum.
Exemplo
ax + by + bx + ay =
ax + ay + bx + by =
a (x + y) + b (x + y) =
(x + y) • (a + b)

Trinômio do quadrado perfeito


Esse já é mais complexo, pois, partiremos em etapas explicando através do exemplo.
Fatorar a expressão abaixo

Primeiro verificamos se é um Trinômio do quadrado perfeito:


• Extrai-se a raiz quadrada dos extremos. Com efeito,
e
• Multiplicam-se os resultados
5 • m = 5m
• Multiplica-se o produto obtido por dois
5m • 2 = 10m
Note que 10m é o valor do meio na expressão, isso prova que ela é um Trinômio do quadrado perfeito.
Sendo trinômio do quadrado perfeito
Sendo Trinômio do quadrado perfeito, utiliza-se a fórmula substituindo-se os valores por ordem. O
binômio representará uma adição caso o sinal do meio da expressão inicial for o sinal de mais (+), ou será uma
subtração caso o sinal do meio da expressão inicial for o sinal de menos (-). Com efeito,
(m - 5)²
Esse é o valor fatorado da expressão inicial.

Equação do segundo grau


Lembre-se: Da fórmula ax² + bx + c .
A expressão abaixo se encaixa na fórmula acima.
x² - 8x + 15
Observações: Fórmula da fatoração das Equações do segundo grau:
a (x - x1) • (x - x2)

Aplica-se a fórmula da fatoração das equações do segundo grau. Onde,


x1 = 3
x2 = 5
Matemática elementar/Imprimir 96

Por tanto, a fatoração de tal expressão resulta em:


1 (x - 3) • (x - 5)
(x - 3) • (x - 5)

Exercícios
• Matemática elementar/Polinômios/Exercícios
[[|]]

Exercícios
A seguir são sugeridos alguns exercícios sobre fatoração de polinômios.
Fatore os seguintes polinômios: <quiz display=simple> { |type="{}"} { 2(x+y) (i) }
{ |type="{}"} { a(x+y) (i) }
{ |type="{}"} { 6(2x-y) (i) }
{ |type="{}"} { (x-y)(x+y) (i)|(x+y)(x-y) (i)|(x-y)*(x+y) (i)|(x+y)*(x-y) (i) }
{ |type="{}"} { (2a-b)(2a+b) (i)|(2a+b)(2a-b) (i)|(2a-b)*(2a+b) (i)|(2a+b)*(2a-b) (i) }
{ |type="{}"} { (a+2)(x+y) (i)|(x+y)(a+2) (i)|(a+2)*(x+y) (i)|(x+y)*(a+2) (i) }
{ |type="{}"} { (a-x)^2 (i) }
{ |type="{}"} { -(x^2+1)(b-a^2 x) (i)|-(b-a^2 x)(x^2+1) (i)|-(x^2+1)*(b-a^2 x) (i)|-(b-a^2
x)*(x^2+1) (i) }
{ |type="{}"} { (2 x-3)(2 x^2+1) (i)|(2 x^2+1)(2 x-3) (i)|(2 x-3)*(2 x^2+1) (i)|(2 x^2+1)*(2
x-3) (i) }
{ |type="{}"} { (a-3)^2 (i) }
{ |type="{}"} { (x-1)(x+1)(y-2) (i)|(x+1)(x-1)(y-2) (i)|(x-1)*(x+1)*(y-2)
(i)|(x+1)*(x-1)*(y-2) (i) }
{ |type="{}"} { -(2a-x)(2a+x)(4a^2+x^2) (i)|-(2a-x)*(2a+x)*(4a^2+x^2) (i) }
{ |type="{}"} { -x(b-ax)(ax+b) (i)|-x(ax+b)(b-ax) (i)|-x*(b-ax)*(ax+b) (i)|-x*(ax+b)*(b-ax) (i) }
{ |type="{}"} { a(3ax^3-6x^2+x-2) (i) }
{ |type="{}"} { 2(x+y)^2 (i) }
{ |type="{}"} { a (x^3+yz+z^2) (i) }
{ |type="{}"} { 3a(x-3)^2 (i) }
{ |type="{}"} { x(a+b)^2 (i) }
{ |type="{}"} { (x-2)^2(x+2)^2 (i) }
{ |type="{}"} { 2(x-1)^2(y-1)(y+1) (i)|2*(x-1)^2*(y-1)*(y+1) (i) }
</quiz>
Para fatorar os polinômios indicados nos próximos exercícios, é necessário conhecer a solução da equação do
segundo grau: <quiz display=simple> { |type="{}"} { (x-10)(x-3) (i)|(x-3)(x-10) (i)|(x-10)*(x-3)
(i)|(x-3)*(x-10) (i) }
{ |type="{}"} { (x-2)(2 x-1) (i)|(2 x-1)(x-2) (i)|(x-2)*(2 x-1) (i)|(2 x-1)*(x-2) (i) }
{ |type="{}"} { (y+5)(y+6) (i)|(y+6)(y+5) (i)|(y+5)*(y+6) (i)|(y+6)*(y+5) (i) }
{ |type="{}"} { (x-3)(x-2)(x+2)(x+3) (i) }
Matemática elementar/Imprimir 97

{ |type="{}"} { -1/4 (-2 x+sqrt(5)+1) (2 x+sqrt(5)-1) (i) }</quiz>

Respostas
O leitor pode conferir as respostas dos exercícios anteriores digitando-as nos campos indicados e clicando em
"Enviar". As respostas fornecidas utilizam o asterisco * para representar a multiplicação, ou então a simples
justaposição das expressões. Devido a uma limitação do sistema utilizado na produção do questionário acima, pode
acontecer que ele acuse incorretamente um erro quando sua resposta diferir da que foi indicada apenas por causa da
ordem um termo da resposta. Em caso de dúvida, também pode conferir as respostas utilizando um dos diversos
softwares de álgebra computacional existentes (se quiser uma uma lista de aplicativos deste tipo, pode consultar esta
página da Wikipédia inglesa).
Por exemplo, com o programa Maxima consegue-se o resultado da fatoração de inserindo o
comando
factor (3*a*x^2 - 18*a*x + 27*a);

Também é possível obter a resposta utilizando ferramentas gratuitas disponíveis na internet, como o Wolfram Aplha.
Basta usar o mesmo comando factor seguido do polinômio que deseja fatorar, e a resposta é calculada em seguida.
Veja as respostas para alguns dos exercícios acima, calculadas pelo Wolfram Alpha:
• (http://www.wolframalpha.com/input/?i=factor+2x+2y)
• (http://www.wolframalpha.com/input/?i=factor+(3*a*x^2+-+18*a*x+++27*a);)
As respostas dos demais exercícios é obtida de maneira análoga.
[[|]]

Equações algébricas

Definição
Uma equação é uma igualdade de expressões matemáticas, que pode ser utilizada no estudo das funções,
nomeadamente das suas raízes. Pelo menos uma da expressão contém uma ou várias incógnitas (variáveis), cujo
valor é denominado de solução ou soluções da equação.
Cada uma das expressões pode ser considerada como função matemática (p.e. f(x) e g(x)), e partilhar as suas
propriedades, em que cada operação efectuada sobre uma das expressões, terá que ser replicada na outra

Raiz
Se as equações forem polinomiais, i.e., compostas por polinómios, o grau n da equação é o mesmo que o maior
expoente encontrado de ambos polinómios, e a sua solução admite no máximo n raízes. A raiz de uma equação é o
valor com o qual a incógnita anula a equação.

Número de raízes de uma equação


Relações entre coeficientes e raízes, Equações algébricas com coeficientes reais - pesquisa de raízes racionais, raízes
complexas conjugadas.
Matemática elementar/Imprimir 98

Exemplo
Um exemplo de como completar quadrado:
Temos a seguinte equação:
Agora imagine a equação:

Vamos tentar transformá-la em um quadrado da soma.

Perceba que

Esse menos 16 é para subtrair do 16 que se forma no produto notável de


,
é só isso, o método de completar quadrados é simplesmente você transformar os números em um quadrado da soma.

Casos particulares

Equação do 1º grau com 1 incógnita

Problemas do 1º grau
A soma das idades de André e Carlos é 22 anos. Descubra as idades de cada um deles, sabendo-se que André é 4
anos mais novo do que Carlos.
Solução: Primeiro passamos o problema para a linguagem matemática. Vamos tomar a letra c para a idade de Carlos
e a letra a para a idade de André, logo . Assim:

Resposta: Carlos tem 13 anos e André tem 13-4=9 anos.

Equação do 2º grau com 1 incógnita


Aqui mostraremos como se pode deduzir a famosa fórmula para a resolução de equações do segundo grau, também
conhecida como fórmula de Bhaskara.

Evolução
, donde

• a multiplica os termos:
Matemática elementar/Imprimir 99

• aqui tornou-se .

• aqui temos como X1 e como X2.

• então,

x = x1 x = x2

• por fim, e (x) é representado pela seguinte fórmula:

Exercícios
• Ver Fórmula de Bhaskara: Exercícios

Problemas do 2º grau
Num jantar de confraternização, seria distribuído, em partes iguais, um prêmio de R$ 24.000,00 entre os convidados.
Como faltaram 5 pessoas, cada um dos presentes recebeu um acréscimo de R$ 400,00 no seu prêmio. Quantos foram
convidados a este jantar?
Solução

x = número de convidados
24.000/x = prêmio recebido por cada um se não houvesse faltas
24.000/(x-5) = prêmio recebido por cada um, como faltaram 5 pessoas
24.000/x+400=24.000/(x-5) ===> cada um dos presentes recebeu mais 400
simplificando a equação:
dividindo os termos por 400
60/x + 1 = 60/(x-5)
mmc: entre x e x-5 = x.(x-5)
60 (x-5) + x.(x-5) = 60.x
60x - 300 + x² - 5x - 60x = 0
x²-5x-300 = 0
Matemática elementar/Imprimir 100

aplicando a fórmula de Bhaskara:


x' = 20, x" = -15(raizes negativas não servem)

Resposta: 20 pessoas foram convidadas...

Equação biquadrada
Uma equação biquadrada é um equação do quarto grau que não possuem termos de grau impar:

A técnica para resolver esta equação consiste em reescrever a equação como uma expressão em y de forma que:

Assim a equação biquadrada transforma-se numa equação do segundo grau em y:

Exercícios
Ver Matemática elementar/Expressões algébricas/Equação biquadrada/Exercícios

Leitura complementar
• Gilberto G. Garbi. O Romance das Equações Algébricas. 3ª ed. São Paulo: Livraria da Física. 2009. ISBN
8588325764
• Gilberto G. Garbi. A rainha da Ciências: um passeio histórico pelo maravilhoso mundo da Matemática. Livraria
da Fisica, 2006. ISBN 8588325616
[[|]]

Médias
Em Matemática, existem quatro tipos de médias.
• Média: a média de um conjunto de números é o valor numérico de tendência central que representa este conjunto.

Média Aritmética simples


Observações: A média Aritmética simples é mais conhecida por simplesmente média Aritmética.

É a razão entre a soma de todos os elementos de um conjunto e a quantidade de elementos deste conjunto.
Matematicamente
a + b + ... + z (n termos)

Média aritmética simples →


Matemática elementar/Imprimir 101

Exemplo

A = {3,5,9,12} =

Média Aritmética Ponderada


Observações: A média Aritmética Ponderada é mais conhecida por simplesmente média Ponderada.

É a razão do somatório dos produtos entre elementos e seu respectivo peso e, a soma dos pesos.

Exemplo
• João tirou 8 em Matemática e 9 em Português. Ele fará uma média Ponderada dando peso 3 à Matemática e peso
1 à Português. Qual será a média?
PM → M=8 → PM=3
PP → P=9 → PP=1

Média Harmônica
É o inverso da média Aritmética dos inversos dos números.

Exemplo
2e3

Média Geométrica
É a raiz n-ésima (ou enésima) do produto dos n números.

Exemplo

[[|]]

Sistemas lineares

Definição
Sistemas lineares são conjuntos de equações lineares. Uma equação linear, por sua vez, é toda equação que pode
tomar a forma:
.
Por exemplo, 5x + 2y + z = 12 ou 0,2x - 15y = 0. Na equação linear sempre aparecem coeficientes e variáveis. No
primeiro exemplo, os coeficientes são 5, 2 e 1 (implícito), e as variáveis são x, y e z.
As equações lineares podem ter um grupo de valores que, substituindo as variáveis, as tornam verdadeiras. Por
exemplo:
Matemática elementar/Imprimir 102

O conjunto de valores (2,1,0) torna essa equação verdadeira:

Os valores que tornam a equação linear verdadeira são chamados soluções da mesma.
O sistema linear é composto por duas ou mais equações, geralmente apresentadas no seguinte formato:

Para estas equações podem haver um conjunto de valores que só serão a solução do sistema se forem solução de
cada equação. Assim, no sistema:

Percebe-se que a solução única capaz de satisfazer a ambas as equações é o par (2,4). O sistema acima é chamado de
sistema linear a 2 incógnitas, e portanto admite soluções que são pares ou duplas. De modo genérico, um sistema
será linear a n incógnitas (ou variáveis) e terá por solução uma n-upla (lê-se "enupla") do tipo (α1, α2, α3, ... αn).
Conforme veremos mais adiante, um sistema apresenta melhores condições de ser resolvido (ou seja, de ter sua
solução encontrada) caso tenha um número de equações igual ao número de incógnitas.

Classificação
Os sistemas lineares podem ser classificados quanto a possibilidade de obtenção de soluções, dentro do conjunto
numérico ao qual os sistemas devem ser resolvidos. Inicialmente, encontramos dois tipos de sistemas:
• impossíveis (ou inconsistentes) são os sistemas que não têm solução, geralmente por conterem equações lineares
que se contradizem. Por exemplo:

Observar que as equações apresentam o inconveniente de apresentar a mesma soma, mas com resultados
diferentes, o que leva à impossibilidade de resolver o sistema. O sistema impossível (SI) sempre resulta numa
contradição. Vale ressaltar que o conjunto numérico ao qual a solução pertence é fundamental na
determinação da possibilidade do sistema; por exemplo:

É considerado impossível dentro do conjunto dos números naturais, pois não há nenhum número natural que
somado em dobro 2y a outro número natural x resulte em um valor menor do que ele próprio y somado ao
mesmo número x. A solução real, (14,-2), é descartada se restringirmos a solução ao conjunto de números
naturais (-2 não é natural).
• possíveis (ou consistentes) são todos os sistemas que não levam a uma contradição, e portanto admitem soluções
dentro do conjunto numérico ao qual estão designados. Os sistemas possíveis, por sua vez, se subdividem em dois
tipos:
• possíveis determinados (SPD) são os sistemas que possuem apenas uma solução; é possível identificar uma
n-upla capaz de resolver todas as equações, única. Como exemplo, além daquele citado na seção anterior, o
sistema:

Permite como solução real a dupla (-6, 8).


Matemática elementar/Imprimir 103

• possíveis indeterminados (SPI) são os sistemas que permitem infinitas soluções, porque apresentam os
chamados graus de liberdade, ou seja, permitem soluções arbitrárias. Por exemplo, o sistema:

Permite uma infinidade de soluções como (10,2), (12,4), (19,11), etc. Em todas elas, basta que a relação entre
o primeiro elemento e o segundo seja (α,α - 8). Também é indeterminado o sistema:

Pois apresenta mais incógnitas do que equações, sendo por isso impossível "trabalhar" as incógnitas de modo a
obter valor preciso para cada uma. A solução é qualquer tripla do tipo (α, 8 - α, -2). Observar que o terceiro
elemento pode ser definido, mas não os dois outros, de modo que essa é a mesma situação do sistema
indeterminado do exemplo anterior.

Sistemas equivalentes
Diz-se que dois sistemas lineares são equivalentes se, e somente se, apresentam a(s) mesma(s) n-upla(s) como
solução(ões). Assim, os sistemas:

Ambos apresentam como solução (-1, 2). Ambos são sistemas equivalentes, portanto.
Um sistema equivalente constitui, de certo modo, apenas um desenvolvimento de outro sistema, das equações desse
outro sistema devidamente transformadas. A relação de equivalência está presente desde situações mais óbvias
(quando dois sistemas são em tudo iguais, exceto pela ordem das equações lineares, por exemplo) até situações mais
complexas, nas quais é preciso multiplicar e somar as equações para obter as mesmas equações de outro sistema. No
exemplo dado, o segundo sistema foi formado a partir de duas equações:
• é a subtração de por
• é a subtração de por
A equivalência de sistemas é fundamental para transformação dos mesmos, e eventual resolução por método de
escalonamento, que será discutido mais adiante.

Resolução de sistemas
Os sistemas lineares podem ser resolvidos (ou seja, ter a solução encontrada) através de diferentes métodos. Aqui
examinar-se-á o método de escalonamento, e no próximo capítulo, o método ou regra de Cramer, que utiliza-se de
matrizes.
O método do escalonamento permite resolver sistemas lineares de n equações a n incógnitas. Caso existam mais
incógnitas do que equações, o método não funcionará, ou seja, ele não permite resolver sistemas com grau de
liberdade maior ou igual a 1. Já os sistemas com mais equações do que incógnitas podem ser resolvidos, desde que
não hajam contradições que o tornem SI.
Matemática elementar/Imprimir 104

Escalonamento
Classificado o sistema como SPD ou SPI, pode ser feito o escalonamento, que consiste basicamente em deixar as
equações do sistema na forma:

Ou seja, o sistema deve ter diversas equações, cada uma com um número crescente ou decrescente de incógnitas, de
modo que a última se reduza a apenas uma incógnita. Isso é feito com as transformações adequadas – sempre é
possível "zerar" uma das incógnitas na equação pela soma/subtração da equação anterior que contenha essa
incógnita. Exemplificando:

Inicialmente, vamos eliminar o termo composto pela variável x nas duas últimas equações, a partir da primeira. Para
tanto, inicialmente multiplicamos a segunda equação por -2 e a terceira por 4. Depois, somamos as equações a
primeira e obtemos:

A continuar o processo, pode-se trabalhar a segunda e a terceira equação linear para obter na terceira uma equação a
uma variável, que arbitrariamente escolhemos ser z. Para tanto, vamos multiplicar a segunda equação por -3, e então
somá-la à terceira equação:

A partir desta última equação, e em geral em qualquer sistema resolvido por escalonamento, é possível encontrar o
valor de uma primeira variável, no caso específico:

Substituindo o valor encontrado para z na equação da segunda linha, temos:

Por fim, é possível substituir esses dois valores na primeira equação:

A solução do sistema é, portanto, (-4,1,1).


Assim resolvem-se os sistemas lineares pela técnica do escalonamento: progressivamente vão obtendo-se os valores
das variáveis, até que todas as equações possam ser resolvidas. Trata-se de um método prático, que inclusive é
utilizado em computadores para resolução de sistemas lineares (embora o enfoque computacional seja um tanto mais
complicado e envolva matrizes).
Matemática elementar/Imprimir 105

Sistemas com grau de liberdade


É usando na estatística

Método de Gauss
O método de Gauss é um método geral de resolver sistemas de equações lineares, consistindo de uma sequência de
passos simples que reduzem o sistema até que a solução se torna óbvia.
[[|]]

Sistemas de equações algébricas

Definição
Sistemas de equações algébricas são conjuntos de equações algébricas.
Por exemplo,

Exercícios
• Matemática elementar/Sistemas de equações algébricas/Exercícios
[[|]]

Equações irracionais
Uma equação irracional é uma equação onde existem polinômios e raízes.
Por exemplo:

Uma definição mais precisa seria: uma equação algébrica irracional é uma equação onde existem funções racionais
e inversas de funções polinomiais.

Solução
Um dos métodos de solução é isolar, em um dos membros da equação, os termos que incluem raízes, e elevar ambos
os membros a uma mesma potência que elimine a raiz. No entanto, este procedimento não produz uma equação
equivalente a original, mas sim uma equação que possui entre as suas soluções os valores que resolvem a equação
inicial.
Por exemplo, quando se tem a igualdade entre uma certa expressão e outra expressão , pode-se concluir que
Por outro lado, é perfeitamente possível que duas expressões tenham os quadrados iguais, sem que elas
próprias sejam iguais. Este é o caso, por exemplo, quando se tem , pois para a maioria dos números,
(a igualdade só vale para ). Assim, se durante a resolução ambos os membros forem elevados a
uma certa potência, será necessário chegar se os valores obtidos como solução para a nova equação são também
soluções da equação inicial.
Acompanhe o próximo exemplo:

Isolando a raiz, elevando ao quadrado e resolvendo:


Matemática elementar/Imprimir 106

Esta equação do segundo grau possui duas soluções, a saber: e . Isto não significa que ambos estes números
sejam soluções da equação original, pois com os cálculos realizados até agora só é possível dizer que "se for uma
solução para a equação original, então tem que ser igual a ou igual a ".
Resta então saber se algum destes números verifica a equação proposta:
(verdadeiro)
(falso)
Portanto, a única raíz é "x = 3".

Exercícios
• Matemática elementar/Equações irracionais/Exercícios
[[|]]

Matrizes

Matrizes

Conceito
Uma matriz pode ser entendida como um conjunto de mn (m multiplicado por n) números, dispostos em m
linhas e n colunas, conforme figura ao lado.

Notação
• Matrizes devem ser escritas com parênteses ou colchetes à esquerda e à direita, sendo as duas maneiras
equivalentes.
• Uma matriz é indicada por uma letra maiúscula.
• Seus elementos são indicados usando a mesma letra, porém minúscula, com a linha e coluna usados como índice
(nesta ordem). Assim, o elemento da 3ª coluna na 2ª linha da matriz A será .
Assim, na matriz acima, de 2 linhas e 3 colunas, temos:
Matemática elementar/Imprimir 107

Ordem de uma matriz


Ordem de uma matriz refere-se ao seu número de linhas e colunas. É apresentada na notação m×n, onde m é o
número de linhas e n o de colunas. Lê-se "m por n".
Assim, a matriz A acima é de ordem 2×3.

Adição e subtração
Esta operação só pode ser feita com matrizes de mesmo número de linhas e mesmo número de colunas (mesma
ordem). Sejam duas matrizes e .
Então a matriz é uma matriz mn tal que cada elemento de é dado por:
. Ver exemplo ao lado.

Multiplicação por um escalar


Seja a matriz e um escalar. A matriz
é uma matriz m×n tal que cada elemento de é dado por:
.

Algumas propriedades das operações anteriores


Sejam e matrizes e e escalares. Então:
e .
E, também, se e então .

Matrizes nulas
Matriz nula é aquela cujos elementos são todos nulos.
matriz identidade é matriz na qual se e zero nos demais casos. Ou, de outra maneira, é
a matriz na qual todos os elementos da diagonal principal são iguais a 1 e os demais são nulos.

Matrizes especiais
• Matriz linha é a matriz em que o número de linhas é igual a 1.
• Matriz coluna é a matriz em que o número de colunas é igual a 1.
• Matriz quadrada é a matriz em que o número de linhas é igual ao número de colunas.
• Matriz unitária é a matriz em que obedece a relação ( ).
• Matriz transposta ( ) da matriz é a matriz obtida pela permutação das linhas e colunas de . Ou seja,
cada coluna de será uma linha de e cada linha da matriz original será uma coluna da transposta.
Matemática elementar/Imprimir 108

Multiplicação de matrizes
Sejam as matrizes e (o número de colunas da primeira deve ser igual ao número de linhas da segunda).
O produto AB é dado pela matriz cujos elementos são calculados por:

Veja os cálculos para o exemplo da figura acima.

Ordem dos fatores


Se A e B são matrizes quadradas (igual número de linhas e colunas), ambos os produtos AB e BA podem ser
calculados.
Entretanto, na multiplicação de matrizes, a ordem dos fatores não é indiferente. Em geral, .
Se AB = BA, as matrizes são ditas comutativas......

Algumas propriedades do produto de matrizes


Sejam as matrizes A, B e C.
1. Se os produtos A(BC) e (AB)C são possíveis de cálculo, então A(BC) = (AB)C.
2. Se os produtos AC e BC são possíveis, então (A+B)C = AC + BC.
3. Se os produtos CA e CB são possíveis, então C(A+B) = CA + CB.
4. Se é a matriz unitária conforme já mencionado, então: e .

Matriz inversa
Sejam as matrizes quadradas e .
Se , onde é a matriz unitária conforme já visto, então B é chamada de matriz inversa esquerda de A.
Para achar a matriz inversa:
Por exemplo, seja a matriz A ao lado e desejamos saber sua inversa esquerda B. O primeiro passo é acrescentar uma
matriz unitária no lado direito de A.
Agora, o objetivo é somar ou subtrair linhas multiplicadas por coeficientes de forma a obter a matriz unitária no lado
esquerdo (processo de Gauss-Jordan).
• 1ª linha = 1ª linha + 2ª linha multiplicada por -1.
• 2ª linha = 2ª linha + 1ª linha multiplicada por -1.
• 3ª linha = 3ª linha + 1ª linha multiplicada por -2.
• 3ª linha = 3ª linha + 2ª linha multiplicada por -3.
• 3ª linha = 3ª linha multiplicada por -1.
• 2ª linha = 2ª linha + 3ª linha multiplicada por -1.
E a matriz inversa é a parte da direita.
Matemática elementar/Imprimir 109

Determinantes

Determinantes de 2ª ordem
O conceito de determinante está ligado ao de matriz, embora seja completamente distinto: enquanto matriz é o
conjunto de elementos conforme já mencionado, determinante é o resultado de uma operação aritmética com todos
os elementos de uma matriz, que obedece a uma determinada regra. Só se aplica a matrizes quadradas.
O prefixo det é colocado antes da matriz para indicar determinante. Ou, de forma mais compacta, os colchetes na
matriz são substituídos por barras verticais para o mesmo efeito.
Para calcular um determinante de uma matriz (determinante de 2ª ordem):

Seja . Então

Determinantes de ordens superiores


Para determinantes de 3ª ordem, há um método conhecido como regra de Sarrus. Considere a matriz:

Exemplo para 3ª ordem.


Quando a ordem é superior a 3, não há algoritmos simples a ponto de poderem ser generalizados por uma fórmula.
Há, no entanto, dois métodos de decomposição que reduzem um determinante a determinantes de ordens menores.
Um deles é conhecido como Teorema de Laplace, e vale para qualquer matriz. Outro método, mais simples, é a
regra de Chió, mas há algumas restrições para que ele funcione numa matriz.

Teorema de Laplace
O Teorema de Laplace permite expandir um determinante de ordem em uma soma de determinantes de ordem
. A descrição do procedimento é a seguinte:
Considera-se uma fila (linha ou coluna) qualquer da matriz; somam-se os produtos de cada elemento desta linha por
seus respectivos cofatores. O cofator de um elemento, por sua vez, é definido como o determinante da matriz que
resta da eliminação da linha e coluna que passam pelo elemento, multiplicado pelo fator sinal ― negativo
se a soma do índice da coluna com o índice da linha for ímpar, e positivo do contrário. O processo pode ser repetido
indefinidamente, até chegarmos num determinante que possa ser calculado trivialmente.

Para deixar o processo mais claro, considere uma matriz . Podemos escolher qualquer linha

ou coluna para calcular o determinante; vamos, por comodidade, escolher a segunda coluna, pois ela contém um zero
― o que nos dispensa de calcular um determinante, já que este seria multiplicado por zero. Então

Você pode verificar que esse mesmo valor será obtido se usarmos a expansão de Laplace por outra coluna ou linha, e
também se usarmos a regra de Sarrus. De fato, podemos provar, algebricamente, que a regra de Sarrus é equivalente
Matemática elementar/Imprimir 110

ao uso do teorema de Laplace para um determinante de ordem 3.

Algumas propriedades dos determinantes


1. Mantidas as ordens dos elementos, um determinante não se altera se linhas e colunas são trocadas (ou seja,
).
2. Se duas linhas ou duas colunas são trocadas entre si, o determinante muda de sinal.
3. Se os elementos de duas linhas ou colunas são iguais entre si ou proporcionais entre si, o determinante é nulo. Se
uma das linhas ou colunas contiver apenas zeros, o determinante também será nulo. Mais genericamente, o
determinante é nulo se uma fila for uma combinação linear das outras filas.
4. Se os elementos de uma mesma linha ou coluna têm um fator de multiplicação comum, ele pode ser colocado em
evidência.
5. Um determinante não se altera se aos elementos de uma linha ou coluna são somados ou subtraídos os elementos
(ou múltiplos deles) de outra linha ou coluna.

Exemplo de aplicação de determinantes


Seja o sistema de equações lineares

e o determinante

e os determinantes , e , obtidos substituindo-se, respectivamente, as colunas dos coeficientes de ,


e pela coluna dos termos independentes:

Então a solução do sistema é dada por:

Esse método costuma ser chamado de método de Cramer.


Matemática elementar/Imprimir 111

Ver também
• Álgebra linear/Matrizes (livro com conteúdo mais avançado)
[[|]]

Análise combinatória

Análise Combinatória
Análise combinatória é a parte da matemática que estuda os métodos de contagem.

A Operação Fatorial
A função factorial é uma função que admite apenas um único argumento. Para esse argumento, chamemos-lhe , a
função factorial procura todos os números menores ou iguais a e maiores que e multiplica-os entre si.
Adicionalmente, é preciso dizer que tanto como pertencem ao conjunto dos números naturais (com uma
pequena diferença, inclui o número zero, não) e que a função factorial é representada pelo simbolo/operador
(ponto de exclamação). Definindo tudo isto formalmente:

Mas esta função ainda não nos diz muito acerca do que é de o factorial de um número, diz-nos apenas como a
representar e qual o seu domínio. Assim, não nos é possível saber para um dado valor qual o valor de .
A definição correcta de factorial é dada pelo operador productório da seguinte forma:

Note-se que aqui o valor já não é incluído como um possível valor de .


Isto significa precisamente aquilo que já foi dito antes. Neste caso, a função productório começa por atribuir a o
valor de ; de seguida, vai multiplicar esse mesmo valor pelo próximo valor de , ou seja, ; esta operação
repete-se até que o valor de seja igual ao valor de . Dito isto, uma forma mais simples de definir a função
factorial seria:

Embora a definição mais utilizada seja:

Estas duas definições são exactamente iguais, apenas muda a ordem pela qual as parcelas aparecem.

Exemplos

ou

mas
Matemática elementar/Imprimir 112

Acontece que, embora esta função não esteja definida para , foi estipulado que o factorial do número zero é
um. Portanto:

O que equivale a dizer "0 factorial está definido como sendo 1".

Operações com factoriais


Se reparar nos exemplos anteriores, não é mais do que , o que já nos indica uma operação relativa a
factoriais: a factorização.
Ainda outra maneira de definir a função factorial, é utilizar uma função recursiva:

ou, por outro lado:

Princípio Fundamental da Contagem


Se um determinado acontecimento ocorre em n etapas diferentes, e se a primeira etapa pode ocorrer de p1 maneiras
diferentes, a segunda de p2 maneiras, a terceira de p3 maneiras, até pn, o número total de maneiras de ocorrer o
acontecimento é :
T = p1 × p2 × p3 × ...× pn ×
Ex.: Se tivermos um dado de 4 faces e um de 6 faces, logicamente, o primeiro pode apresentar 4 resultados
diferentes, e o segundo, 6. Os dois juntos podem apresentar, então, 6*4=24 resultados diferentes.

Permutações Simples
Permutações são os agrupamentos de um determinado número de elementos variando apenas a sua ordem. Ex.:
XYZ, XZY, YXZ, YZX,ZXY, ZYX. O número de agrupamentos de uma permutação simples de n elementos é dado
por n!.
Ex.: De quantas formas podemos agrupar as sete cores do arco-íris? R: 7! = 5040

Permutações com Elementos Repetidos


Se formos fazer permutações com n elementos, mas existe um elemento repetido 'a' vezes, outro 'b' vezes, outro 'c'
vezes, etc, o número de possibilidades de permutações é:
Pn(a,b,c) = n! / (a! b! c!)
Determine o número de anagramas (combinações de letras formando palavras com ou sem sentido) que podemos
formar com PATA. E com MACACA. R: P1= 4!/2! = 12 P2= 6!/(3!*2!) = 60
Obs.: Exemplos de anagramas com PATA: AAPT, AATP, APTA, ATPA, PTAA, TPAA, PATA, TAPA, APAT,
ATAP, PAAT, TAAP.
Matemática elementar/Imprimir 113

Arranjos Simples
Imagine que temos um conjunto de 'n' elementos. O arranjo simples de taxa 'K' é todo agrupamento de 'K' elementos
distintos, podendo variar a ordem em que aparecem.
Ex.: A={X,Y,Z}
arranjo de taxa 1: X,Y,Z. arranjo de taxa 2: XY, YX, XZ, ZX, YZ, ZY. arranjo de taxa 3: XYZ, XZY, YXZ, YZX,
ZXY, ZYX.
O número total de arranjos de 'n' elementos, taxa 'K' é:
An,K= n! / (n-K)!
Quantos anagramas de três letras podemos formar pelo nosso alfabeto (com 26 letras)?
R: A26,3 = 26!/23! = 26*25*24 = 15600

Combinações Simples
As combinações são parecidas com os arranjos, mas apenas há a preocupação com a existência do elemento (não
com a ordem). Ex.:
Combinações de taxa 1 do conjunto A={A,B,C,D} A, B, C, D.
Combinações de taxa 2 do conjunto A={A,B,C,D} AB, AC, AD, BC, BD, CD.
Combinações de taxa 3 do conjunto A={A,B,C,D} ABC, ABD, ACD, BCD.
Combinações de taxa 4 do conjunto A={A,B,C,D} ABCD.
A fórmula é:
Cn,K= n! / (K!(n-K)!)
Ex.: Um jogo possui um cartão com 60 números. Deve-se marcar 6 deles. De quantas forma pode-se fazer isso?
R: C60,6 = 60!/(6!*54!) = 50063860
[[|]]

Probabilidade
A palavra probabilidade origina-se do Latim probare (provar ou testar). Informalmente, provável é uma das muitas
palavras utilizadas para eventos incertos ou conhecidos, sendo também substituída por algumas palavras como
“sorte”, “risco”, “azar”, “incerteza”, “duvidoso”, dependendo do contexto.

Probabilidade condicional
Ao lançar uma moeda, sob certas condições, podemos calcular, com certeza a velocidade com que ela atingirá o solo.
Repetindo esse lançamento nas mesmas condições, obtemos o mesmo resultado. Os experimentos em que podemos
determinar os resultados nas diversas vezes que repetimos são denominados experimentos determinísticos.
Contudo, se observarmos um outro aspecto do mesmo lançamento e quisermos determinar qual das faces da moeda
cairá voltada para cima, não conseguiremos determinar com clareza se sairá cara ou coroa, pois, em lançamentos
sucessivos e em condições idênticas podemos descrever todos os resultados possíveis (no caso da moeda, cara ou
coroa).
Experimentos que têm essa característica são chamados experimentos aleatórios. Por exemplo:
• Lançar um dado e observar a face virada para cima.
• Retirar e observar uma carta de um baralho.
• Sortear uma bolinha no bingo e verificar o número.
Matemática elementar/Imprimir 114

Eventos independentes
[[|]]

Geometria plana

Tópicos
Conceitos geométricos
Ângulos
Retas no plano
Triângulos
Polígonos
Circunferência e círculo
Construções geométricas usando régua e compasso
Áreas e volumes

Conceitos geométricos

Geometria plana

Conceitos geométricos primitivos


A Geometria Plana e a Geometria Espacial baseiam-se nos chamados conceitos geométricos primitivos. Define-se
como conceito primitivo toda aquele que não admite definição, isto é, o conceito que é aceito por ser óbvio ou
conveniente para uma determinada teoria. Normalmente, em Matemática, os conceitos primitivos servem de base
para a construção de postulados (ou axiomas) que formarão, por sua vez, a estrutura lógica e formal da teoria.
Ao contrário do que se pensa, conceitos primitivos existem não somente em Matemática, mas em Física também.
Exemplos desses conceitos são os conceitos de força e velocidade.
Os conceitos geométricos primitivos são os seguintes:
1. Ponto: é o conceito geométrico primitivo fundamental. Euclides o definiu como "aquilo que não tem parte". Ou
seja, para Euclides é o conceito de "parte", e não de "ponto", que é primitivo.
Imagine o ponto o menor que você puder. Diz-se que o ponto não tem dimensão (é adimensional), ou seja,
ele é tão ínfimo quanto quisermos, e não faz sentido mencionar qualquer coisa sobre tamanho ou dimensão do
ponto. A única propriedade do ponto é a localização.
Representa-se o ponto por uma letra maiúscula qualquer do alfabeto latino.
2. Linha: Imagine um pedaço de barbante sobre uma mesa, formando curvas ou nós sobre si mesmo: este é um
exemplo de linha.
3. Reta: É uma linha infinita e que tem uma única direção. Uma reta é o caminho mais curto entre dois pontos
quaisquer.
4. Superfície:
5. Plano: Você pode imaginá-lo como uma folha de papel infinita. Um plano é uma superfície plana que se estende
infinitamente em todas as direções.
Matemática elementar/Imprimir 115

Lugar Geométrico
Lugar geométrico é um conjunto de pontos que satisfazem uma determinada propriedade. Nem mais, nem menos!
No contexto da geometria analítica, a propriedade geralmente pode ser descrita por uma equação. Nesse sentido, um
lugar geométrico pode ser entendido como um conjunto de pontos onde determinada função é igual a zero (ou seja,
sua curva de nível zero). Um estudo mais aprofundados dos conjuntos de pontos dados por uma equação, a relação
entre conjuntos deste tipo, e outros problemas similares são estudados em uma área da matemática denominada
geometria algébrica.
Exemplos: ...

Recta
Reta é uma noção primitiva.

Semi-recta
Enquanto a reta é infinita para os dois lados, a semi reta é infinita numa direção e finita na outra.

Segmento de recta
Enquanto a reta é infinita para os dois lados o segmento de reta termina em ambos os lados.

Áreas
A área de uma superfície plana é um número que expressa o tamanho daquela superfície. Quando maior, maior a
área. Existe uma definição formal. É a seguinte:
A área de uma superfície é um número real positivo de forma que:
1. A superfícies equivalentes estão relacionadas áreas iguais
2. A área da soma de superfícies é a soma das áreas das superfícies
3. Se uma superfície está contida em outra, sua área é menor ou igual à área da outra.
[[|]]
Matemática elementar/Imprimir 116

Ângulos

Ângulo
Intuitivamente, o ângulo é uma medida que expressa o quanto dois segmentos de reta estão não-paralelos.

[[|]]

Retas no plano

Paralelas
• Possuem coeficientes angulares iguais;
• Se interceptam no infinito (nunca se encontram).

Perpendiculares
• Possuem inclinação de 90° entre si;
• Se interceptam em apenas um ponto P definido na solução do sistema composto pelas equações das duas retas.

Feixe de paralelas cortadas por transversais


• Em cada paralela: Ângulos opostos pelo vértice: Equivalentes;
Matemática elementar/Imprimir 117

Teorema de Tales
O Teorema de Tales foi proposto pelo filósofo grego Tales de Mileto,
e afirma que: quando duas retas transversais cortam um feixe de retas
paralelas, as medidas dos segmentos correspondentes determinados nas
transversais são proporcionais. Para entender melhor o Teorema de
Tales, é preciso saber um pouco sobre razão e proporção. Para a
resolução de um problema envolvendo o Teorema de Tales, utiliza-se a
propriedade fundamental da proporção, multiplicando-se os meios
pelos extremos. Considerando-se o exemplo da figura, tem-se:

O teorema de Tales: as razões AD/AB, AE/AC e


DE/BC são iguais.

Esquema mostrando validade do Teorema de


Tales

Aplicação do Teorema de Tales


O Teorema de Tales pode ser aplicado em triângulos que possuem uma reta paralela a um dos lados.

Aplicação do Teorema de Tales


Matemática elementar/Imprimir 118

Ver também
• Teorema de Tales: Exercícios
[[|]]

Triângulos

Tipos de triângulos

Classificação segundo a medida relativa dos lados


Um triângulo pode ser classificado de acordo com as medidas relativas de seus lados:
• Um triângulo eqüilátero possui todos os lados congruentes. Pode-se verificar que um triângulo eqüilátero é
também eqüiângulo, ou seja, possui todos os seus ângulos internos congruentes (e com medida 60°). Por este
motivo, este tipo de triângulo é também um polígono regular.
• Um triângulo isósceles possui pelo menos dois lados congruentes. Num triângulo isósceles, o ângulo formado
pelos lados congruentes é chamado ângulo do vértice. Os demais ângulos denominam-se ângulos da base e,
como se pode verificar, são congruentes. Note que os triângulos equiláteros também são isósceles.
• Em um triângulo escaleno, as medidas dos três lados são diferentes. É possível mostrar que os ângulos internos
de um triângulo escaleno também possuem medidas diferentes.
Denomina-se base o lado sobre qual apóia-se o triângulo. No triângulo isósceles, considera-se base o lado de medida
diferente.
A seguir é mostrada a classificação de alguns triângulos de acordo com o critério anterior.

Exemplo de triângulo equilátero

Este triângulo é equilátero, pois possui os três lados congruentes. Em particular, como seus lados são dois a dois
congruentes, ele é um triângulo isósceles. Pode-se observar que seus todos os seus ângulos internos medem 60°, e
por isso ele é equiângulo.

Exemplo de triângulo isósceles que não é equilátero

Neste triângulo há somente dois lados congruentes: os que têm medida . Por este motivo, o triângulo é isósceles,
mas não é equilátero. Além disso, cada um destes dois lados forma um angulo de medida com a base do
triângulo.
Matemática elementar/Imprimir 119

Exemplo de triângulo escaleno

Aqui, cada um dos lados tem um comprimento diferente dos demais. Assim, este é um triângulo escaleno. Observe
ainda que nenhum par de ângulos internos tem a mesma medida.

Classificação de acordo com seus ângulos internos


Um triângulo também pode ser classificado de acordo com seus ângulos internos:
• Um triângulo retângulo possui um ângulo reto. Num triângulo retângulo, denomina-se hipotenusa o lado oposto
ao ângulo reto. Os demais lados chamam-se catetos. Os catetos de um triângulo retângulo são complementares.
• Um triângulo obtusângulo possui um ângulo obtuso e dois ângulos agudos.
• Em um triângulo acutângulo, todos os três ângulos são agudos.

Exemplo de triângulo retângulo

• Um ângulo reto. Possui um ângulo de 90º.

Exemplo de triângulo obtusângulo

• Um ângulo obtuso e dois ângulos agudos.

Exemplo de triângulo acutângulo

• Todos os três ângulos são agudos. Ou seja, menor que 90º

Soma dos ângulos internos


Na geometria euclidiana, de acordo com o teorema angular de Tales, a soma dos ângulos internos de qualquer
triângulo é igual a dois ângulos retos (180° ou π radianos). Isso permite a determinação da medida do terceiro
ângulo, desde que sejam conhecidas as medidas dos outros dois ângulos.
Matemática elementar/Imprimir 120

Soma dos ângulos externos


Existe também um corolário, que afirma que a medida de um ângulo externo de um triângulo é igual à soma das
medidas dos ângulos internos não-adjacentes.
Exemplo: Se os ângulos internos de um triângulo forem: a resposta final será assim: Resolução:
, . Porque o ângulo externo é a igual à soma dos ângulos internos duas vezes.

Relações de desigualdades entre lados e ângulos


1ª relação: Um ângulo externo de um triângulo é maior que qualquer um dos ângulos internos não-adjacentes.
2ª relação: Se dois lados de um triângulo tem medidas diferentes, ao maior lado opõe-se o maior ângulo e ao menor
lado, opõe-se o menor ângulo.
3ª relação: Em todo triângulo, qualquer lado tem medida menor que a soma das medidas dos outros dois.

Área
Existem várias formas de se expressar a área A de um triângulo:

• Dadas a base b e a altura h:

• Dados dois lados a e b e o ângulo γ entre eles compreendido:

• Dados os três lados a, b e c: , onde p é o semiperímetro (metade do

perímetro). Essa fórmula é conhecida como fórmula de Heron.


Se o triângulo for equilátero de lado L, sua área pode ser obtida pela fórmula:

Congruência

Semelhança

Critério LLL
Segundo o critério LLL (lado-lado-lado), existe semelhança entre dois triângulos se os três lados de um são
proporcionais aos três lados correspondentes do outro.

Critério LAL
Segundo o critério LAL (lado-ângulo-lado), existe semelhança entre dois triângulos se têm entre si dois pares de
lados correspondentes proporcionais e se os ângulos por eles formados forem iguais.

Critério AA
Segundo o critério AA (ângulo-ângulo), existe semelhança entre dois triângulos se eles têm dois ângulos iguais.
Matemática elementar/Imprimir 121

Referências
1. Triângulo
2. Triângulo retângulo
[[|]]

Pontos, linhas e círculos associados a um triângulo

Pontos, linhas e círculos associados a um triângulo

Mediatriz
A mediatriz é a reta perpendicular a um lado do triângulo, traçada pelo
seu ponto médio. As três mediatrizes de um triângulo se encontram em
um único ponto, o circuncentro, que é o centro da circunferência
circunscrita ao triângulo, que passa pelos três vértices do triângulo. O
diâmetro dessa circunferência pode ser achado pela lei dos senos.
O Teorema de Tales determina que se o circuncentro estiver localizado
em um lado do triângulo, o ângulo oposto a este lado será reto.
Determina também que se o circuncentro estiver localizado dentro do
triângulo, este será acutângulo; se o circuncentro estiver localizado
fora do triângulo, este será obtusângulo.

O circuncentro é o centro da circunferência


circunscrita ao triângulo.

Altura
Altura é um segmento de reta perpendicular a um lado do triângulo ou
ao seu prolongamento, traçado pelo vértice oposto. Esse lado é
chamado base da altura, e o ponto onde a altura encontra a base é
chamado de pé da altura.
O ponto de interseção das três alturas de um triângulo denomina-se
ortocentro (H). No triângulo acutângulo, o ortocentro é interno ao
triângulo; no triângulo retângulo, é o vértice do ângulo reto; e no
triângulo obtusângulo é externo ao triângulo. Os três vértices juntos
O ponto de interseção das alturas é o ortocentro com o ortocentro formam um sistema ortocêntrico.
Matemática elementar/Imprimir 122

Mediana
Mediana é o segmento de reta que une cada vértice do triângulo ao
ponto médio do lado oposto. A mediana relativa à hipotenusa em um
triângulo retângulo mede metade da hipotenusa.
O ponto de interseção das três medianas é o baricentro ou centro de
gravidade do triângulo. O baricentro divide a mediana em dois
segmentos. O segmento que une o vértice ao baricentro vale o dobro do
segmento que une o baricentro ao lado oposto deste vértice. No
triângulo Equilátero, as medianas, bissetrizes e alturas são
O ponto de interseção das três medianas é o coincidentes. No isósceles, apenas a que chegam ao lado diferente, no
baricentro ou centro de gravidade. escaleno, nenhuma delas.

Bissetriz
A bissetriz interna de um triângulo corresponde ao segmento de reta
que parte de um vértice e vai até o segmento de reta, dividindo o
ângulo do vértice em que partiu em dois ângulos congruentes.
Em um triângulo há três bissetrizes internas, sendo que o ponto de
interseção delas chama-se incentro.
Já a bissetriz externa é o segmento da bissetriz de um ângulo externo
situado entre o vértice e a interseção com o prolongamento do lado
oposto.
O ponto de interseção das três bissetrizes é o [[|]]
incentro.

Triângulo retângulo
Como dito anteriormente, um triângulo retângulo é aquele no qual um dos ângulos internos é reto.

Catetos e Hipotenusa
Em um triângulo retângulo, são chamados de catetos os lados perpendiculares entre si, ou seja, aqueles que
formam o ângulo reto, e é chamado de hipotenusa o lado oposto ao ângulo reto.

A altura relativa à hipotenusa é o segmento de reta que parte


do ponto onde está o ângulo reto e vai perpendicularmente até a
hipotenusa. Elementos de um triângulo retângulo. Os pontos
A, B e C, os lados opostos a (hipotenusa), b e c
As projeções dos catetos são as partes da hipotenusa divididas (catetos) e as projeções de b e c, m e n.
pela altura relativa.
Matemática elementar/Imprimir 123

Teorema de Pitágoras
Em qualquer triângulo retângulo, o quadrado da medida da
hipotenusa é igual à soma dos quadrados das medidas dos
catetos.
Seja a hipotenusa, sejam e catetos do mesmo triângulo:

Teorema de Pitágoras

Isso significa que, conhecendo as medidas de dois lados de um triângulo retângulo, pode-se calcular a medida do
terceiro lado — propriedade única dos triângulos retângulos.

Demonstração do Teorema

Por semelhança

Existem várias formas de demonstrar o Teorema de Pitágoras. Esta


demonstração é baseada na proporcionalidade de dois triângulos
semelhantes.

Seja um triângulo retângulo, com o ângulo reto localizado em , como mostrado na figura. Nós
desenhamos o segmento de reta que passa por e é perpendicular a . O novo triângulo é
semelhante ao nosso triângulo , pois ambos tem um ângulo reto (por definição de perpendicular), e eles
compartilham o ângulo em , implicando que o terceiro ângulo terá a mesma medida em ambos. De forma
análoga, o triângulo também é semelhante a . A semelhança leva a duas razões:

Isto pode ser escrito como:


e
Somando as duas igualdades, obtemos:

Em outras palavras, o Teorema de Pitágoras:


Matemática elementar/Imprimir 124

Por equivalência de polígonos


Esta demonstração se baseia na congruência de triângulos e na equivalência de área de quadriláteros.

Dado retângulo em e seja a altura relativa à hipotenusa, marcamos na semi-reta um ponto


tal que (lembre que é a hipotenusa). Então construímos o retângulo (lembre que
é a projeção de ).
Agora construímos . A semi-reta intercepta em um ponto , assim como em um
ponto . Temos o paralelogramo .
Como e são paralelogramos de mesma base e mesma altura, ambos tem a mesma área.
Por definição de quadrado, segue que , e também é reto. Portanto, .
e são ambos suplementares de . Portanto, .
Segue pelo critério lado-ângulo-ângulo de congruência de triângulos que . Portanto,
, e por extensão, .
Como e são paralelogramos de mesma base e mesma altura, ambos tem a mesma área. Ou seja,
a área do quadrado sobre um cateto é igual à área do retângulo determinado pela projeção deste cateto e um
segmento congruente à hipotenusa. Como a união do retângulo determinado por e com o retângulo
determinado por e é igual ao quadrado sobre , segue que a soma das áreas dos quadrados sobre os
catetos é igual a área do quadrado sobre a hipotenusa.
Q.E.D.

Aplicações do Teorema
Com o teorema de Pitágoras, pode-se calcular o comprimento da hipotenusa de um triângulo conhecendo
apenas o comprimento de cada cateto deste. Ou ainda, calcular o comprimento de um cateto conhecendo
apenas a medida da hipotenusa e de outro cateto. O teorema de Pitágoras pode também ser usado para calcular
o comprimento da diagonal de um retângulo conhecendo apenas os lados deste.

Exemplos
• Seja um triângulo retângulo no qual consista em um dos catetos o qual mede 3 metros de
comprimento e consista em outro cateto o qual mede 4 metros de comprimento. Calcule o
comprimento da hipotenusa .
Matemática elementar/Imprimir 125

• Resolução
Dado o Teorema de Pitágoras, , tem-se que e , portanto:

A hipotenusa do triângulo mede 5 metros.


• Um triângulo retângulo tem os lados , e , sendo que é um cateto e mede 1 centímetro de
comprimento, enquanto é a hipotenusa e mede 2 centímetros. Calcule o comprimento do cateto
• Resolução
Dado o Teorema de Pitágoras, , tem-se que e , portanto:

O cateto mede centímetros de comprimento.

Triângulos retângulo notáveis

Triângulo 3_4_5

Um "triângulo 3_4_5" é qualquer triângulo


retângulo que tenha esta proporção de lados.
Ou seja, um triângulo cujo um dos catetos
tem o comprimento , outro cateto, o
comprimento e a hipotenusa, ; tal que
haja um número que:

Prova visual para o triângulo (3, 4, 5), Chou Pei Suan Ching 500–200 d.C.

A conciência desta proporção permite, a partir do comprimento de dois lados de um triângulo 3_4_5, inferir
rapidamente o comprimento do terceiro lado. Por exemplo, sabendo que um triângulo tem um lado de 6 metros e
Matemática elementar/Imprimir 126

outro de 8 metros, pode-se inferir corretamente que o outro lado tem 10 metros (onde n=2).

Triângulo 45º_45º_90º
O chamado "triângulo 45º_45º_90º" possui ângulos com essas medidas e a proporção entre seus lados é:
. Ou seja, um triângulo retângulo e isóceles.

Triângulo 30º_60º_90º
O "triângulo 30º_60º_90º" possui ângulos com essas medidas e a proporção de seus lados é: .

Ver também
• Trigonometria
• Lei dos senos e dos cossenos
• Demonstração ilustrada do Teorema de Pitágoras na edição de Byrne dos Elementos de Euclides (http://www.
sunsite.ubc.ca/DigitalMathArchive/Euclid/bookI/images/bookI-47.html)

Esta página foi eleita pelos colaboradores como uma das melhores do Wikilivros em março de 2007. Para mais
informações, consulte a página de votações.
[[|]]
Matemática elementar/Imprimir 127

Polígonos
Polígonos são figuras geométricas planas das formadas por segmentos de reta interligados entre si fechados (linha
poligonal fechada).

Elementos dos polígonos


Um polígono possui os seguintes elementos:

• Arestas ou lados: cada um dos segmentos de reta que unem vértices consecutivos: , , , ,
.
• Vértices: ponto de encontro (intersecção) de dois lados consecutivos: A, B, C, D, E.
• Diagonais: segmentos que unem dois vértices não consecutivos: , , , , .
• Ângulos internos: ângulos formados por dois lados consecutivos: , , , ,
• Ângulos externos: ângulos formados por um lado e pelo prolongamento do lado a ele consecutivo: , , ,
, .

Classificação

Em termos dos ângulos


Em termos das medidas de seus ângulos, um polígono pode ser:
1. Convexo: se possui todos os seus ângulos internos convexos — i.e., entre 0° e 180°; ou
2. Côncavo: se possui um ângulo interno côncavo — superior a 180°.

Quanto ao número de lados


Não há restrições quanto ao número de lados de um polígono — a exceção de polígonos com um ou dois lados, que
não existes —, embora apenas alguns possuam nomenclatura própria. Segue uma tabela com alguns destes nomes.
Matemática elementar/Imprimir 128

Lados Nome Lados Nome Lados Nome

inexistente 11 Undecágono ...

25 icosikaipentagono
inexistente 12 Dodecágono
...

3 Triângulo 13 tridecágono 30 triacontágono

4 Quadrilátero 14 tetradecágono 40 tetracontágono

5 Pentágono 15 pentadecágono 50 pentacontágono

6 Hexágono 16 hexadecágono 60 hexacontágono

7 Heptágono 17 heptadecágono 70 heptacontágono

8 Octógono 18 octodecágono 80 octacontágono

9 Eneágono 19 eneadecágono 90 eneacontágono

10 Decágono 20 icoságono 100 hectágono

A título de curiosidade, são mostrados a seguir os nomes de alguns polígonos cujos números de lados são potências
de 10:

Lados Nome

1000 quilógono

1.000.000 megágono

gigágono
109

googólgono
10100

Quadriláteros

Trapézios
São quadriláteros que possuem dois lados paralelos.

Paralelogramos
São quadriláteros cujos pares de lados opostos são paralelos.

Losangos
São quadriláteros em que todos os lados possuem a mesma medida.

Retângulos
Um retângulo é um paralelogramo, cujos lados formam ângulos retos entre si e que, por isso, possui dois lados
paralelos verticalmente e os outros dois paralelos horizontalmente.
Pode-se considerar o quadrado como um caso particular de um retângulo em que todos os lados têm o mesmo
comprimento. A soma dos ângulos internos: Si=(n-2)*180º / Si=360º
Matemática elementar/Imprimir 129

Quadrados
São quadriláteros em que todos os ângulos são iguais (a 90°) e todos os lados têm a mesma medida.

Fórmulas

Soma dos ângulos internos


Para que se determine a soma de todos os ângulos internos de um polígono convexo, aplica-se a seguinte fórmula:

Soma de ângulos externos


A soma dos ângulos externos vale 360º.

Área

Quadrado (lado ao quadrado)

Retângulo (base vezes a altura)

Paralelogramo (base vezes a altura)

Triângulo
(base vezes altura divido por dois)

Polígonos regulares
São aqueles que possuem todos os lados e ângulos iguais.

Semelhança
[[|]]

Geometria plana/Circunferência e círculo


Aqui, será feito o estudo destas duas formas geométricas.
Observações: Apesar de serem frequentemente interpretados de forma errônea, o círculo e a cincunferência são coisas
diferentes.

• Circunferência: A borda da figura geométrica. É a parte atingida pela tangente;


• Círculo: A parte interna da figura geométrica. É atingida, juntamente com a circunferência, pela secante.
Matemática elementar/Imprimir 130

Circunferência
A circunferência é apenas a forma do círculo ou medida. Como
calcular a área de uma circunferência
A área de um círculo (figura delimitada por uma circunferência) é
calculada multiplicando-se o quadrado do raio por Pi, constante
matemática que tem o valor de, aproximadamente, 3,1416.
Ou seja : S (área) = Pi (3,1416) x R²
Assim, por exemplo, um círculo cujo raio seja de 10 cm terá como área
s = 3,1416 x 10 = 314,16 cm quadrados.

Comprimento

Circunferência.
Matemática elementar/Imprimir 131

Círculo

Área

Onde "A" é a área, "r" é o raio e (=3,14...) é uma constante.

Setores
[[|]]

Construções geométricas usando régua e compasso

Introdução
Matemática elementar/Imprimir 132

Triângulo Eqüilátero
Abra o seu compasso em qualquer tamanho, trace um arco. Com a mesma abertura trace outro arco tendo como
centro qualquer ponto do arco já traçado. Agora, ainda com o mesmo raio, trace um arco tendo como centro a
intersecção do outro dois arcos anteriores. Ligue as três intersecções. Você tem agora um triângulo equilátero.

Mediatriz

Quadrado
Trace uma circunferência, trace um diâmetro em segunda, trace outro diâmetro perpendicular ao primeiro. Cada
ponta das retas que formaram o diâmetro forma um ponto do quadrado, e depois é só unir esses pontos.

Hexágono

Bisecção do ângulo
Matemática elementar/Imprimir 133

Exercícios
• Desenho geométrico/Exercícios
[[|]]

Áreas e volumes
Área do paralelogramo
Tipos de paralelogramos

Área do retângulo
A área do retângulo é o produto de seu lado por sua altura. A área de quadrado é um caso particular da área do
retângulo, assim como a figura quadrado é um caso particular da figura retângulo.

Área do losango

Área do quadrado
Seja a área do quadrado e seu lado:

Área do triângulo
A área do triângulo é o produto de sua base por sua altura dividido por dois.

Assim teremos de um modo geral =

b = medida da base AB
h= medida da altura relativa do lado AB
Obs: o Teorema de Heron permite calcular a área de um triângulo qualquer a partir das dimensões dos seus lados
Matemática elementar/Imprimir 134

Área do trapézio
A área do trapézio é o produto de sua altura pela média aritmética das bases (denotadas por B e b).

Área do círculo

[[|]]

Geometria espacial
1. Figuras geométricas espaciais - retas e planos no espaço, ângulos diédricos e poliédricos, poliedros convexos,
poliedros regulares.
2. Posições relativas de retas e planos - paralelismo e perpendicularismo no espaço, retas reversas.
3. Prismas, Pirâmides, Cilindros, Cones e seus respectivos troncos - cálculo de áreas e volumes.
4. Esfera e superfície esférica - cálculo de áreas e volumes.
5. Semelhança de figuras planas ou espaciais - razão entre comprimentos, áreas e volumes.
[[|]]

Pirâmides

Pirâmide Regular
Pirâmide regular é uma pirâmide cuja base é um polígono regular e projeção ortogonal do vértice sobre o plano da
base é o centro da base.

Fórmulas
• Área da base ( ): área de um poligono.
• Área lateral ( ): soma das áreas das faces laterais.
• Área total:

• Volume:

• área das faces laterais base x h (altura) dividido por 2 .

Geometria analítica
1. Vetores - O que são vetores?
2. Coordenadas cartesianas - Localização de pontos numa reta e num plano usando coordenadas cartesianas,
distância entre dois pontos, o uso de coordenadas cartesianas para a solução de problemas geométricos simples na
reta e no plano.
3. Cálculo com vetores - Soma e subtração de vetores, multiplicação de um escalar por um vetor.
4. Estudo da reta em geometria analítica plana - Equação da reta na forma normal, coeficiente angular, condições de
paralelismo e perpendicularismo de retas, equações e inequações de primeiro grau em duas variáveis, distância de
um ponto a uma reta.
5. Estudo da circunferência em geometria analítica - Equação, intersecção de retas e circunferências, retas tangentes
a circunferências, intersecção e tangência de circunferências.
Matemática elementar/Imprimir 135

6. Representação analítica de lugares geométricos, Definição e representação de cônicas, Equação reduzida de uma
cônica, Intersecção de retas e cônicas.

Referências
1. Geometria Analítica
[[|]]

Estatística
A Estatística é um ramo da Matemática que tem por objetivo obter, organizar e analisar dados, determinar as
correlações que apresentem, tirando delas suas consequências para descrição e explicação do que passou e previsão e
organização do futuro.
A Estatística é também uma ciência e prática de desenvolvimento de conhecimento humano através do uso de dados
empíricos. Baseia-se na teoria estatística, um ramo da matemática aplicada. Na teoria estatística, a aleatoriedade e
incerteza são modeladas pela teoria da probabilidade. Algumas práticas estatísticas incluem, por exemplo, o
planejamento, a sumariação e a interpretação de observações. Porque o objetivo da estatística é a produção da
"melhor" informação possível a partir dos dados disponíveis, alguns autores sugerem que a estatística é um ramo da
teoria da decisão.

Introdução

Medidas de Posição

Medidas de Tendência Central

Média

Média Aritmética
A média aritmética é o cálculo feito em um cálculo de adição e divisão pela porção de parcelas.
Exemplo:

O cálculo se inicia com a adição e depois passa-se à divisão.

Podemos também considerar a seguinte fórmula: μ=

Onde:
∑ = somatório;
xi= cada elemento x de 1 até n; e
n= número de elementos do conjunto de dados.
Matemática elementar/Imprimir 136

Moda

Medidas Separatrizes
É um tipo de separatriz que divide a série estatística em quatro partes iguais de 25% cada - e possui três divisórias,
que são Q1, Q2 e Q3, significando respectivamente, 1º quartil ou quartil inferior, 2º quartil ou quartil médio e 3º
quartil ou quartil superior.

Medidas de Dispersão

Absoluta

Relativa

Medidas de Assimetria

Medidas de Curtose

Ver também
• Probabilidade e Estatística - livro com conteúdo mais avançado
[[|]]

Cálculo
O estudo do Cálculo envolve três conceitos:
1. limite
2. derivada
3. integral
Embora atualmente os livros texto os apresentem para o aluno nesta ordem, eles foram definidos e usados na ordem
inversa. A princípio só havia o conceito de integral. Para formalizar o conceito foi definida e usada a idéia de
derivada. Finalmente para formalizar ambos os conceitos de derivada e integral, foi definido o limite.
Quando se estuda cálculo, limite é o que tem menos aplicações práticas. Derivadas um pouco mais e integral tem
muitas aplicações interessantes. Então, se você estiver achando o começo do estudo meio chato, não desanime.
Quando chegar em derivada fica um pouco melhor e quando chegar em integral fica muito mais gostoso.
[[|]]
Matemática elementar/Imprimir 137

Glossário
O seguinte glossário contém palavras usadas neste livro, em suas diferentes acepções quando for o caso. Procurou-se
especificar também palavras sinônimas e com grafias diferentes.

A
Álgebra (algebra). Parte da matemática que não trata especificamente com geometria. Esta é uma definição antiga.
Hoje a álgebra pode ser dividida em clássica e moderna. A álgebra clássica é a parte que trata de manipulação
simbólica e da solução de equações algébricas. A álgebra moderna ou abstrata lida com um ramo da matemática
conhecido como estruturas discretas (corpos, grupos, anéis, etc.).
Álgebra de Boole (Boolean algebra). Tanto na Matemática quanto na Ciência Computacional uma álgebra Booleana
ou de Boole ou ainda um reticulado (lattice) Booleano é uma estrutura algébrica que lida com as operações lógicas
E, OU e NÃO de mesma forma que lida com as operações sobre conjuntos correspondentes UNIÃO,
INTERSECÇÃO e COMPLEMENTAÇÃO. Esta estrutura foi nomeada em homenagem ao matemático Inglês
George Boole. A álgebra Booleana é uma tentativa de se utilizar técnicas algébricas para lidar com expressões do
cálculo proposicional.
Algoritmo (algorithm). Um algoritmo é um conjunto definido de operações e passos ou procedimentos que
objetivam levar a um particular resultado. Por exemplo, com algumas exceções, os programas computacionais, as
fórmulas matemáticas e (de forma ideal) receitas médicas e culinárias são algoritmos.
Análise (analysis). Parte da matemática que lida com a aproximação de objetos matemáticos (como número e
funções) por outros que são mais fáceis de entender e manejar.
Análise funcional (functional analysis). Parte da matemática que estuda espaços vetoriais de infinitas dimensões e
bijeções entre eles. Os elementos destes espaços são muitas vezes funções, como, por exemplo, o espaço das funções
contínuas sobre um intervalo.
Análise harmônica (harmonic analysis.) Veja teoria do potencial.
Anel (ring). É um conjunto munido de duas operações (normalmente denominadas de adição e multiplicação) que
satisfazem certas propriedades (ou axiomas). Alguns anéis mais conhecidos são: dos reais, dos números complexos,
dos polinômios, das matrizes. Muitos anéis são associativos, mas alguns podem não ser como os anéis de Lie.
Aproximação Diofantina (Diophantine approximation). Uma aproximação Diofantina é aproximar um número real
através de um racional (razão entre inteiros).
Assíntota (assyntota). Reta cuja distância em relação a uma curva diminui indefinidamente sem nunca cortar a
curva.
Axioma (axioma). Proposição que se aceita verdadeira sem demonstração.

C
• Conjunto
Conceito primitivo: reunião de elementos (veja Conjuntos).

D
• Diferença (conjuntos)
Operação envolvendo conjuntos que consiste em criar um novo conjunto (o conjunto diferença)
contendo os elementos que estão contidos num conjunto, mas não estão contidos em outro.
Matemática elementar/Imprimir 138

I
• Intersecção
Operação envolvendo (conjuntos) que consiste em criar um novo conjunto (o Conjunto intersecção)
contendo os elementos que estão contidos simultâneamente em todos os conjuntos interseccionados.

M
• Matriz
Elemento matemático formado por linhas e colunas, onde cada linha e cada coluna é um par ordenado.

P
• Par ordenado
Par de elementos em que a ordem dos mesmo é fundamental; indicado por (a,b), sendo a e b os
elementos ou coordenadas.

S
• Subconjunto
Conjunto contido em outro conjunto.

U
• União
Operação envolvendo conjuntos que consite em criar um novo conjunto (o conjunto união) contendo
todos os elementos dos conjuntos unidos, sem repetição.
• Universo
Na teoria dos conjuntos, representa o conjunto que contém todos os subconjuntos passíveis de estudo,
em determinado problema.

Z
[[|]]

Referências

Links
• Matemática 1ª a 4ª série do fundamental (http://educar.sc.usp.br/matematica/matematica.html)
• Matemática Divertida (http://www.reniza.com/matematica/)
• Matemática do Científico e do Vestibular (http://www.terra.com.br/matematica/)
• Matemática Essencial - Ensino: Fundamental, Médio e Superior (http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/
)
• Matemática - Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Matemática)
• Apostilas do estágio da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) (http://www.
obmep.org.br/estagio_bolsistas/apostila_estagio.html)
Matemática elementar/Imprimir 139

Livros
• Dante, Luiz Roberto. Matemática: contexto e aplicações. Ensino Médio. Ática, 2000. 1 e 2 v.
• Goulart, Márcio Cintra. Matemática no ensino médio. Scipione, 1999. 1 e 2 v.
• Iezzi, Gelson, Dolce, Osvaldo, Machado, Antônio. Matemática e realidade. Atual, 1997. ISBN 857056788X
[[|]]
Fontes e Editores da Página 140

Fontes e Editores da Página


Matemática elementar/Imprimir  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?oldid=179492  Contribuidores: Heldergeovane, Jmatosp, 1 edições anónimas

Fontes, licenças e editores da imagem


Imagem:conjunto_A.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Conjunto_A.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Imagem:Real Number Line.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Real_Number_Line.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Martin Smith-Martinez
Imagem:conjuntos_subconjunto.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Conjuntos_subconjunto.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores:
Dante Cardoso Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:conjuntos_uniao.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Conjuntos_uniao.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso
Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:conjuntos_interseccao.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Conjuntos_interseccao.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante
Cardoso Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:conjuntos_diferenca.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Conjuntos_diferenca.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante
Cardoso Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:conjuntos_complementar.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Conjuntos_complementar.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores:
Dante Cardoso Pinto de Almeida, Jorge Morais, Marcelo Reis, 2 edições anónimas
Imagem:Frações.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Frações.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darapti, EugeneZelenko, Juiced
lemon, Maksim
Imagem:relacoes_ABdobro.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Relacoes_ABdobro.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante
Cardoso Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:relacoes_grafico.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Relacoes_grafico.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso
Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:relacoes_graficoi.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Relacoes_graficoi.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso
Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:naofuncao1.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Naofuncao1.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Imagem:naofuncao2.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Naofuncao2.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Imagem:funcao_venn.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Funcao_venn.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Imagem:Salario_vendas.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Salario_vendas.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Usuário:Marcos
Antônio Nunes de Moura
Image:Funcoes x2.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Funcoes_x2.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Image:Injection.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Injection.png  Licença: desconhecido  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de Almeida
Image:Surjection.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Surjection.png  Licença: desconhecido  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de Almeida
Image:Bijection.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Bijection.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Darapti, Manscher, Ramac
Imagem:funcoes_x2.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Funcoes_x2.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Imagem:funcao_5x2120.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Funcao_5x2120.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto
de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:funcao_x3.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Funcao_x3.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de
Almeida, Marcelo Reis
Imagem:funcao_y6xm5.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Funcao_y6xm5.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto
de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:qfunction.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Qfunction.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Derbeth, EugeneZelenko,
Marcelo Reis, Myukew, 1 edições anónimas
Image:Merge-arrows.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Merge-arrows.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Erin Silversmith, User:Lifeisunfair,
User:Rei-artur
Imagem:1 d xinter.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:1_d_xinter.svg  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: User:Ttbya
Imagem:Función recíproca.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Función_recíproca.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darapti,
Yrithinnd, 1 edições anónimas
Imagem:Table of Trigonometry, Cyclopaedia, Volume 2.jpg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Table_of_Trigonometry,_Cyclopaedia,_Volume_2.jpg  Licença: Public
Domain  Contribuidores: Brian0918, LaosLos
Imagem:100%.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:100%.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Siebrand
Imagem:00%.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:00%.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Siebrand
Imagem:25%.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:25%.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Karl Wick
Imagem:Circ1.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Circ1.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Anarkman, Darapti, Drandstrom, Kwj2772
Imagem:Circ6.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Circ6.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Anarkman, Darapti, Drandstrom, EugeneZelenko
Imagem:Circ7.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Circ7.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Anarkman, Darapti, Drandstrom, EugeneZelenko
Imagem:Circ5.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Circ5.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Anarkman, Darapti, Drandstrom, EugeneZelenko
Imagem:Hypotenusa.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Hypotenusa.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Original uploader was BenTheWikiMan at
nl.wikipedia
Imagem:Figura3.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Figura3.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Drandstrom, Karelj, Rimshot
Imagem:Yhvyvczsa5.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Yhvyvczsa5.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Drandstrom, Karelj, Rimshot
Imagem:Yhvyvczsa6.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Yhvyvczsa6.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Drandstrom, Karelj, Rimshot
Imagem:Yhvyvczsa7.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Yhvyvczsa7.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: BenduKiwi, Drandstrom, 1 edições anónimas
Imagem:Yhvyvczsa4.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Yhvyvczsa4.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Drandstrom, Karelj, Rimshot
Imagem:Yhvyvczsa8.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Yhvyvczsa8.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Drandstrom, Karelj, Rimshot
Imagem:Arco5.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Arco5.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: BenduKiwi, Drandstrom, 1 edições anónimas
Fontes, licenças e editores da imagem 141

Imagem:Arco6.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Arco6.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Anarkman, BenduKiwi, Drandstrom
Imagem:Arco1.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Arco1.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: BenduKiwi, Drandstrom, 1 edições anónimas
Imagem:Arco2.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Arco2.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: BenduKiwi, Drandstrom, 1 edições anónimas
Imagem: Arco4.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Arco4.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: BenduKiwi, Drandstrom, 1 edições anónimas
Imagem: Arco3.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Arco3.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: BenduKiwi, Drandstrom, 1 edições anónimas
Imagem:Translation_arrow.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Translation_arrow.svg  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: User:Down10
Imagem:Defining sin and cosine.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Defining_sin_and_cosine.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Original uploader was
MXC at en.wikibooks
Imagem:Searchtool.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Searchtool.svg  Licença: GNU Lesser General Public License  Contribuidores: User:Ysangkok
Imagem:Unit circle angles.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Unit_circle_angles.svg  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: User:Gustavb
Imagem:Circulocosseno.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Circulocosseno.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Darapti, Drandstrom
Image:Crystal_Clear_action_edit.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Crystal_Clear_action_edit.png  Licença: desconhecido  Contribuidores: Chiccodoro, Choij,
CyberSkull, Ms2ger, Rocket000, 4 edições anónimas
Imagem:Demons cossenos.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Demons_cossenos.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Darapti, Drandstrom, Karelj
Imagem:Law of sines.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Law_of_sines.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Drandstrom, Rimshot
Imagem:Triangle55.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle55.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: Anarkman, Drandstrom
Imagem:Progressoes_pa.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Progressoes_pa.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto
de Almeida, Marcelo Reis
Image:Progresión aritmética-suma de términos-.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Progresión_aritmética-suma_de_términos-.png  Licença: Creative Commons
Attribution-Sharealike 2.5  Contribuidores: Anarkman, Sigmanexus6
Imagem:Progressoes_pg.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Progressoes_pg.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto
de Almeida, Marcelo Reis
Imagem:polinomios raizes.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Polinomios_raizes.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dante Cardoso
Pinto de Almeida, Marcelo Reis
Image:Classificação.PNG  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Classificação.PNG  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Anarkman,
EugeneZelenko, Guilherme Augusto
Imagem:Thales theorem 1.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Thales_theorem_1.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Dake, Darapti,
HB, Heldergeovane, Siebrand, 2 edições anónimas
Imagem:Teorema de Tales.PNG  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Teorema_de_Tales.PNG  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Guilherme
Augusto, Toobaz, 1 edições anónimas
Imagem:Teorema de Tales - Aplicação.PNG  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Teorema_de_Tales_-_Aplicação.PNG  Licença: GNU Free Documentation License
 Contribuidores: Darapti, EugeneZelenko, Guilherme Augusto
Imagem:Triangle.Equilateral.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Equilateral.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Darapti, Limaner, Nandhp, Syp,
2 edições anónimas
Imagem:Triangle.Isosceles.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Isosceles.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darsie,
Kilom691, Limaner
Imagem:Triangolo-Scaleno.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangolo-Scaleno.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: User:Snowdog
Imagem:Triangolo-Rettangolo.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangolo-Rettangolo.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores:
User:Snowdog
Imagem:Triangolo-Ottuso.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangolo-Ottuso.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: User:Snowdog
Imagem:Triangle.Acute.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Acute.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darsie, Limaner
Image:Triangle.Circumcenter.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Circumcenter.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darsie,
Limaner
Image:Triangle.Orthocenter.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Orthocenter.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darapti,
Darsie, Dbenbenn, EugeneZelenko, Limaner
Image:Triangle.Centroid.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Centroid.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darsie,
EugeneZelenko, JMCC1, Limaner, W!B:, 1 edições anónimas
Imagem:Triangle.Incircle.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle.Incircle.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Darsie, Limaner
imagem:Triângulo retângulo.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triângulo_retângulo.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: E2m, 1 edições anónimas
Image:Triangulo-Rectangulo.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangulo-Rectangulo.png  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Czupirek,
EugeneZelenko, HB, KES47, Porao
Image:Pythagorean.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Pythagorean.svg  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: DieBuche, Emijrp, Helix84,
Kdkeller, Rohieb, Steff, 2 edições anónimas
Image:Proof-Pythagorean-Theorem.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Proof-Pythagorean-Theorem.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Delimata,
Georg-Johann, Herbythyme, Schutz, Str4nd, 5 edições anónimas
Imagem:Pitagoras.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Pitagoras.png  Licença: desconhecido  Contribuidores: Dante Cardoso Pinto de Almeida
Image:Chinese pythagoras.jpg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Chinese_pythagoras.jpg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Avsa, Brews ohare,
Christopher.Madsen, Dmcq, Pixeltoo, 5 edições anónimas
Image:Isosceles-right-triangle.jpg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Isosceles-right-triangle.jpg  Licença: Public Domain  Contribuidores: Cwbm (commons), Dante,
Darapti, FirefoxRocks, 1 edições anónimas
Image:603090 triangle.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:603090_triangle.png  Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 2.5  Contribuidores: benrr101
(Ben Russell)
Imagem:Pentagono regular e seus elementos.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Pentagono_regular_e_seus_elementos.svg  Licença: Public Domain
 Contribuidores: User:Heldergeovane, User:Silvério dos Reis
Imagem:Circle - black simple.svg  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Circle_-_black_simple.svg  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Darkdadaah
Imagem:Geom draw circle sequence.png  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Geom_draw_circle_sequence.png  Licença: desconhecido  Contribuidores: Dante Cardoso
Pinto de Almeida
Imagem:Perpendicular bisector.gif  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Perpendicular_bisector.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Ixnay
Image:HexagonConstructionAni.gif  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:HexagonConstructionAni.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Jonathan48
Image:Bisection construction.gif  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Bisection_construction.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: User:Ixnay
Image:Parelogramos.PNG  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Parelogramos.PNG  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Anarkman, Guilherme
Augusto, 1 edições anónimas
Image:Triangle area.gif  Fonte: http://pt.wikibooks.org/w/index.php?title=Ficheiro:Triangle_area.gif  Licença: GNU Free Documentation License  Contribuidores: Burn, EugeneZelenko, Joolz
Licença 142

Licença
Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported
http:/ / creativecommons. org/ licenses/ by-sa/ 3. 0/

Você também pode gostar