Você está na página 1de 17
cor completo iebeeld able Pee PEAS 6 BITS ToNT tne oe Ue cE ERI (e} PARTE 01, OEFINIGOES, capiruto 2 A TEORIA DA COR Para usar a cor eficazmente, precisamos compreender 0 que 6 © como funciona, Depois de desenvolver a lei da gravitagao uni- versal, Isaac Newton (1642-1727) se interessou por teorias da luz eda cor. Naquela época, muitas pessoas acreditavam que a cor era uma mistura de luz e escuridao, Um cientista postulou que a escala de cores ia de um vermelho vivo, que propunha ser luz pura, ao azul e depois ao preto (escuridao). Newton conjeturou que isso devia estar errado, pois uma pagina branca escrita em preto nao parecia colorida quando era vista a disténcia. Ao con- trario, o preto e o branco se misturavam e pareciam cinza. Durante a segurida metade do século XVI, muitos cien- tistas faziam experiéncias com prismas. A opiniao geral era de que © prisma “coloria'' a luz, 0 que explicava o arco-fris que se via ‘quando a luz era projetada através dele, sobre uma superficie. Em 1665, Newton realizou seus préprios experimentos, refratando luz através do prisma sobre uma superficie muito mais afastada. Os resultados confirmaram que, em lugar de colorir aluz, oprisma a estava dividindo nas cores do arco-iris: vermelho, laranja, amare- lo, verde, azul, indigo e violeta. Em 1666, Newton criou um gréfi- co-cireular com as sete cores distribuidas na cireunferéncia. Como ferramenta para compreender e selecionar uma cor, a circunfe- réncia cromatica permanece essencialmente a mesma até hoje. 22 Newton presumiu que a luz era feita de particulas, ou corpiisculos". Enquanto isso, entretanto, 0 fisico holandés Christiaan Huygens (1629-1695) estava desenvolvendo a ideia de que a luz existe em ondas. A teoria de Newton explicava a reflexdo ¢ refracao da luz e 0 aparecimento da sombra, mas a teoria das ondas explicava por que as bordas da sombra no eram definidas. Em 1864, 0 fisico escocés James Clerk Maxwell (1831- -1879) sugeriu que a luz era de natureza eletromagnética, pro- Pagando-se como uma onda, da fonte ao receptor. No final do ‘século, depois que Heinrich Hertz (1857-1894) descobriu as ondas de radio e Wilhelm Rontgen (1845-1923) descobriu os raios X, o pensamento cientifico sobre a luz foi revolucionado Aluz visivel esté em um espectro que também inclui ondas de radio (comprimento de ondas mais longo) e os raios X (com- primento de ondas mais curto), com as cores do espectro apa- recendo na ordem de comprimento de onda decrescente. Albert Einstein (1879-1955) sugeriria mais tarde que a luz poderia consistir de particulas, afinal de contas, na reali- dade criando um quebra-cabega para os fisicos, que ainda tém de resolvé-lo. ii Os artistas trabatharam por séculos para misturar cores e eee eee ere ee eee eee? eee eee ed ono ens atta 02. tear acer a) TEORIA TRICROMATICA Op ub} coloridos”.. A questo de como ma provou que a cor 6 um fend: vidade. Como di 0 real e ao mesmo tempo nfirmou a sui ¢ Newton, “Os raios, expressados adequadamente, nao sao uz criava a impressao de cor na ment nda estava sem resposta. No inicio do século XIX, o fisico inglés Thomas < 2 Young (1773-1829) postulou que o olho devia conter receptores feitos de particulas que “oscilavam” com determinados comprimentos de ‘ondas de luz. Um infinito mimero de particulas seria necessirio para cobrir totalmente o cespectro, mas isto era claramente imposs isso os receptores deviam, 20 contritio, ser cristatino sensiveis a apenas um ntimero limitado de cores. “Todas as outras cores que “vemos” seriam, entio, criadas pelas combinagdes daquelas. A teoria tricromatica de Young inicialmente identificou as I, por cérnea. —- pila humor aquoso __\. trés cores como vermelho, amarelo e azul, mas ele Absix: Dentro daretina,umarranjo Acct: Aluzentrano othoatravés complexode céulasespeciazadas da pupliaeétocadapuaientona processa asinformacées dos retin, onde estimula es bastonetes fotorreceptores{bastoneteseconesl. 05 cones. AinformagSosobre que Noteonimerorelativamente peqvene estamos vendo transmitida 20 doconesazuis:osinaquevemdeless, —cérabropormeia do nero éptice, humor vireo ‘deatguma forma, estimulado para exercerum papel apreximadamente Igual navisso da cor,mas omecanismo erate édesconhecide, ae acs or rcremarescememncnee ‘mais tarde mudou o amarelo para verde. A teoria foi além, desenvolvia pelo cientistaalemo Hermann von Helmholtz (1821-1894), 0 pioneiro da fisiologia sensorial eee Nos anos 1960, os eientistas confirmaram a existéncia dos pee receptores que Young e Von Helmholtz tinham descrto, Esses “cones” (a esquerda) si divididos em trés tipos sensiveis a comprimentos de onda especificos que correspondem a vermelho 1 ctivtashorzontas (570 nanémetros), verde ($35nm)e azul (425 nm). ‘A combinagio das trés cores primirias da luz pera recriar todo o espectro & chamada, hoje, mistura aditiva. Comegando pela auséncia de luz escuridc), a luz de cada cor priméria € adicionada para produzir progressivamente tons mais leves, variando a \ \ proporsio para criar cores diferentes. Misturando igual cflulasganglinares ‘i ‘quantidade de cada uma das cores primérias obtém-se luz “branca”. Voc’ pode ver a misturaaditiva em ago na tevé, na tela «do computador ou do cinema e na iluminagao teatral ee 22-22 cttutasbiotares ee ctutas amscrinas VERMELHO + ERMELHO = amarevo MAGENTA + = i Embora ainda etoda sma pela qual ainformaclo da eshamos um modelo cor sr éprocessada pelo lho palo secionando.HStrés pares estos: escurlclar, serrelholverdee azul/amarelo, Beno de cada par 6 impossivet sesistrar as das sensacbes a0 smo tempo, 0 que explica por eee qualquer combinario de verde moreso de vermetho- “sverdeado";em ver diss, geando cos cones verde evermelho Sioestimulades, mas nso 0 azul, 0 SISTEMA ACROMATICO VERMELHO cima: Aor ne mundo real éreconstruida pelo those pelo cérebre humane partirde trésestretas bandas de comprimento de ‘onda, a que scones fotorreceptores da retina so sensiveis. Por exemplo,vermelho verde igualment obtém-se um cnza Embora teoriatricromitica de Young ¢ Von Helmholtz explicasse muitas observagies as questbes ficaram (1834 sobre a cor, algumas out pendentes. Nos anos 1870, Ewald Herin 1918), um contemporineo de Von Helmholtz, cestudou a impressio subjetiva da cor. Ele ressaltou que o amarelo, que, supde-se, seja produzido por uma combinagio de vermelho e cebido como uma cor verde, &, de fto, pe elementar, nio um verde avermelhado ou um vermelho esverdeado: no temos condigbes fisicas de visualizartais combinagics. Isso 0 levou 1 rejeitar o modelo tricromtico em favor de wm sistema de sensagies de quatro cores: amarelo, 0 e branco, que vermelho, azul e verde, mais pr por um “processo complementar Pesquisas subsequentes mostraram que processo complementar esto corretas. Elas se ocupam com 0 que acontece em estigios diferent cérebro. Assim, os sistemas de cor baseados nos Jois modelos ainda sio usados por cientistas, artista, ilustradores e designers, cada um usado para diferentes propésites. claro,em proporges igus produzem ‘amarelo;vermetho azul, magenta;everdee zu ciao, Combinandoastrés cores ‘quando muito brithante, é bance SISTEMA CROMATICO MISTURA ADITIVA E SUBTRATIVA Qualcquer cri xa de tintas para prova-lo, Ainda assim, como vimos, as em nossos olhos - foram ode Ihe dizer que as trés cores primarias sdo yermelho, amarelo e azul, e ela tema cai verdadeiras cores primérias da luz - aquelas que estimulam os recepto identificadas como vermelho, verde e azul. A razaio para a diferenga € que, quando vemos as cores de uma pintura, ndo estamos olhando para uma luz emitida naqueles comprimentos de onda, mas para uma luz refletida pela superficie. MISTURA ADITIVA (MODELO RGB) MISTURA SUBTRATIVA (MODELO CMY) MAGENTA AMARELO R+0+B=BRANCO CMs ¥=PRETO As cores primarias nfo sio as tinicas que podem Aci esquerds: Quando se ‘Aca ireits: Os pgmentos cana P que p trabalha com a luz emitida, as absorvem6tuzvermelha, ser misturadas, ¢ claro, Podemos usar prismas ou Breiner pedir" Senanetetins | menses ‘comprimento de onda de luz ¢ combiné-lo co ‘que nossos olhos respondem: ‘cores para misturaruz refletida tio qualquer outro para obter determinada cor. ‘vermetho, verde e azul. 0 puramente quanto possivel. A diferentes cores vero resultado. ArazHo para ‘erica comamarelo,magentae estas coresprmérias, iano produzides come cores, secundirias, em que duas cores primrias so misturadas em igual ‘usaras cores primirias & que, se as proporges cstiverem certas, podemos produzir qualquer ‘que chamamos tinta vermelha € tinta que absorve luz verde e azul, cor com precisio dentro do especuo visvel, Sema Homistrates enquantoatnta verde absorve nz vermelhae azul Agora, se comegar com wim conjunto de cores resultado da mistura das trés sabemos pela teoria tricromética que, misturando vermelho € diferentes o resultado no € garantio, cores riméras completes Note verde deveriamos obter amarelo. Mas nio vai fancionardesse jeito ‘Ao mistaraetntas ou pigmentos, ueequequeremosslzercom com nosss pigmentos. Cada um dees absorve mais uz do que “branco" 6um cinza neutr, que perecemsisclaroquendohimaie "flee! entlo, misturar as duas s6 pode produzir uma cor mais ‘escura. A combinagio de vermelho e verde, de fato, produz um «estamos, indiretamente, manipulando a luz ‘Quando a luz bate na superficie pigmentada, fines be tec beoneeein alguns comprimentos de onda sio absorvidos entre dreailuminadaea rea que atrom corde lama. Misturando as tinta das trés cores primérias, ‘outros refletidos. Os comprimentos de onda acerca émaior| ‘em lugar de produzir branco, como a luz, faré surgir alguma cor refletidos determinam a cor que vemos. Assim, 0 proxima do prevo. A solugio éa mistura subtrativa. Em lugar de pigmentos que absorvem tudo, menos determinada cor priméria, usamos piginentos que s6 absorvem determinada cor primsia, 26 parte OL. deine Arete: Compararascores secundirias produzdas por diferentes smétodos de misturaincies oloque a pureza das cores aseremobtidas, Amistura RGB gra cores secundérias (o€Y mute puras. A mistura CMY produt cores secundérias ROB mais