Você está na página 1de 2

Grupo: Vitor Renan, Vitor Pacini, Aléxia Zancan

Aula 06_Artigo_2016_40_Fire protection as the underpinning of good process safety programs

as the underpinning of good process safety programs A figura 3 descreve o fluxo de radiação

A figura 3 descreve o fluxo de radiação de calor emitido por uma piscina de hidrocarbonetos pegando fogo. A radiação de calor depende do diâmetro dessa piscina e a fumaça gerada pode diminuir esse fluxo. Foi considerado que a radiação é emitida a partir de um único ponto, para propósitos de engenharia. A figura 3 mostra que conforme a distância aumenta, usando a borda da piscina como referência, o fluxo de radiação de calor diminui. Uma análise de como o fogo se espalha seria necessária devido ao fato de que nos primeiros estágios o fogo cresce até englobar toda a superfície da piscina de combustível. Mas essa área/superfície pode variar, por exemplo, em um vazamento dentro de uma barca onde as bordas possuem uma certa inclinação. A figura 4 descreve o fluxo de radiação de calor nessa situação onde a altura não é uniforme em toda extensão da barca (avaliado usando a temperatura do teto como referência).

onde a altura não é uniforme em toda extensão da barca (avaliado usando a temperatura do

Métodos de proteção ativa:

Como todos os meios de proteção requerem uma forma de serem acionados, o autor sugere que a abordagem inicial seja feita com meios de detectar o incêndio. Por exemplo, componente térmicos de sprinklers para apagar incêndio, detectores de incêndio e métodos manuais.

incêndio, detectores de incêndio e métodos manuais. Esses métodos são avaliados utilizando alguns fatores como

Esses métodos são avaliados utilizando alguns fatores como tempo de resposta, seletividade, sensibilidade e possibilidade de alarme falso. Tempos de resposta muito curtos podem ser resultados de uma sensibilidade muito alta e isso pode resultar em alarmes falsos. Deve ser feita uma seleção das características necessárias em cada caso, como um tempo de resposta rápido ou uma sensibilidade baixa. Essa seleção deve ser feita com prioridade para detectar um incêndio começando e não identificar somente após uma certa

quantidade de calor ser emitida. O método utilizado para detectar o incêndio em cada cenário deve levar em conta os produtos gerados na combustão, a concentração desses produtos e

a presença de produtos similares em condições normais. Um incêndio produz diversas variáveis que podem ser utilizadas por esses detectores,

como a energia térmica liberada, os gases dispersos e características individuais de cada componente químico. A energia térmica no ambiente é transportada principalmente por convecção e radiação. Muitos detectores de incêndio respondem a essa variação de energia

e são preferencialmente colocados no teto do ambiente.