Você está na página 1de 24

PALESTRA DE INTEGRAÇÃO

DO NOVO COLABORADOR

RESUMO ABRANGENDO AS SEGUINTES

CATEGORIAS DE PESSOAL:

(1) NOVO SERVIDOR (NS)

(2) NOVO ALUNO (NA) DA GRADUAÇÃO


OU COTEL
(3) NOVO ALUNO DE PÓS GRADUAÇÃO
(NAPG), INICIAÇÃO CIENTÍFICA (NAIC)
E ESTAGIÁRIO (NAEST)
(4) NOVO PROFESSOR PESQUISADOR/
VISITANTE (NPV)
(5) NOVO FUNCIONÁRIO DE FIRMA
EXTERNA (NFFE)

REV 03 – JUNHO 2005


SUMÁRIO

1. Introdução........................................................................................................................2
2. Segurança do Trabalho ...................................................................................................2
3. A Importância da Segurança do Trabalho na FAENQUIL................................................2
4. Condições para se ter Segurança Adequada na FAENQUIL ..........................................3
5. Estrutura de Segurança do Trabalho na FAENQUIL .......................................................4
6. Aspectos de Segurança do Trabalho mais importantes...................................................5
6.1. Comunicação e Investigação de Acidentes ...............................................................5
6.2 . Registro e Controle de Deficiências..........................................................................6
6.3 . Atendimento em Caso de Acidente...........................................................................6
6.4 . Prevenção e Combate a Incêndios ...........................................................................6
6.5 . Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) .................................................7
6.6 . Riscos com Produtos Químicos ................................................................................8
6.7 . A Normalização e a Segurança do Trabalho – Instruções de Trabalho e Normas de
Segurança do Trabalho FAENQUIL..................................................................................9
6.8 . Emissão do “FATO OBSERVADO – FO”................................................................11
6.9 . Segurança em Laboratórios....................................................................................11
6.10 . Reunião de Segurança .........................................................................................12
6.11. Caixa de Sugestões...............................................................................................12
6.12 . Outras Atividades Desenvolvidas pelo GSMT ......................................................13
7. Aspectos de Segurança Patrimonial..............................................................................14
8. Resumos de Informações Específicas ou de Importância Realçada conforme a
categoria dos Novos colaboradores presentes..................................................................16
9 . Responsabilidades dos Chefes de departamento/setores e Professores.....................20
10 . Responsabilidades do novo colaborador ....................................................................20
11 . Sanções Disciplinares.................................................................................................20
12 . Conclusões .................................................................................................................20

Anexos

ANEXO 1 - IMPRESSO “FATO OBSERVADO – FO”........................................................22


Anexo 2 - EXEMPLO DE INSTRUÇÃO DE TRABALHO ...................................................23

1
1. INTRODUÇÃO
A Palestra do Novo Colaborador (PNC) é de comparecimento obrigatório e faz parte
do Programa de Segurança do Trabalho, inserido no Programa de Normalização da
Faenquil. Pode ser considerada uma das suas atividades mais importantes, pois treina
diretamente pessoas de diferentes origens e ainda sem conhecimentos mínimos sobre a
estrutura de Segurança da FAENQUIL, o que inclui normas de controle de riscos
existentes em Laboratórios Químicos e demais locais de trabalho e a descrição das
obrigações de cada um. Pelo pouco tempo disponível, a palestra não esgota o assunto, a
ser complementado futuramente pelos professores orientadores ou servidores
responsáveis nos próprios locais de trabalho e nas salas de aula. Além da parte inicial
abrangendo assuntos de natureza geral (itens 1 a 7 e 9 a 11), no item 8 constarão
informações específicas de cada categoria de pessoal.

2. SEGURANÇA DO TRABALHO
Pode-se considerar que a atividade Segurança do Trabalho abrange tudo que se
refere à identificação, avaliação e controle de riscos. E o que devemos considerar como
riscos? São todas as possibilidades de ocorrência de eventos indesejáveis, que causem
ou possam causar danos à saúde das pessoas.
É claro que não é simples se controlar todos os riscos, mas os resultados sempre
aparecem se forem adotadas medidas preventivas e todos participarem deste processo.
Para que isto aconteça, antes de mais nada, precisamos aceitar que a partir do momento
que há um risco, a única maneira de se evitar conseqüências indesejáveis é se tomar
providências antecipadas. Para isso precisamos vencer a tendência que costumamos ter
de acreditar que nada vai acontecer ou de postergar decisões por não querermos
consumir, de imediato, tempo e energia. Não devemos nos esquecer que para o sucesso
em nossa vida particular e profissional precisamos desenvolver cada vez mais esta
mentalidade preventiva.

3. A IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DO TRABALHO NA FAENQUIL


São várias as razões para se dar importância à Segurança do Trabalho na
FAENQUIL. A primeira delas é que, como qualquer entidade do Estado, incluindo as de
ensino, há necessidade de se dar o exemplo no cumprimento da legislação vigente. A
segunda, ligada à primeira, é que o não cumprimento da legislação resulta na aplicação
de multas, normalmente altas, e que desviarão recursos que seriam empregados
diretamente no ensino ou na pesquisa. A terceira razão é que a Faculdade é um órgão de
ensino, de formação de engenheiros e técnicos que certamente no futuro se envolverão,

2
com riscos diversos, incluindo, provavelmente, os referentes ao trato com produtos
químicos. Assim, precisamos oferecer boa formação aos nossos alunos, o que será
prejudicado se não observarem Segurança em sua própria escola. A última razão – mais
importante – é que Segurança tem como objetivo básico preservar a saúde e a
integridade física das pessoas e, se ela não existir ou não for aplicada por todos,
fatalmente conseqüências indesejadas surgirão, com inúmeras implicações, inclusive de
ordem jurídica. Nossos alunos serão chefes e precisam estar conscientes da importância
de se criar hábitos sadios, para repassá-los a seus futuros funcionários.

4. CONDIÇÕES PARA SE TER SEGURANÇA ADEQUADA NA FAENQUIL


Não são poucas estas condições, mas devemos sempre pensar que um
desenvolvimento gradativo, feito com paciência e dedicação, fatalmente trará resultados
positivos. Como a FAENQUIL vem procurando criar uma segurança adequada, vejamos
o que será necessário inicialmente e em que pontos cada um de nós pode ajudar.

a) Estrutura mínima de pessoal dedicado à Segurança.


Podemos dizer que isto já existe através do GSMT (Grupo de Segurança e Medicina
do Trabalho) e da CIPA. O GSMT possui um professor também formado em Engenharia
de Segurança, dois servidores em tempo integral, um técnico e outro administrativo, 03 a
05 estagiários de graduação e de Técnico de Segurança formando, assim, uma equipe
que, juntamente com a CIPA, tem condições de desenvolver boa parte das atividades de
Segurança.
b) Recursos Materiais
Uma parte do trabalho de Segurança só pode ser feita com recursos para o
fornecimento de EPI, eliminação de condições inseguras, etc. Para se resolver tudo, os
recursos necessários seriam elevados e não estão totalmente disponíveis de imediato,
principalmente por sermos uma entidade do Estado. No entanto, pelo menos, os recursos
mínimos para fornecimento de EPI’s, inclusive para alunos, têm sido fornecidos.
c) Apoio da Direção Geral
Este apoio é básico, mas, pelo registrado nas duas condições anteriores, fica claro
que já está ocorrendo, com resultados significativos. Se mais não é dado, é porque não
tem sido possível perante as necessidades gerais de nossa Faculdade.
d) Participação de todos: servidores, professores e alunos
Por incrível que pareça esta é a condição mais difícil de se atingir, embora todos
sejamos beneficiados quando se tem boa Segurança. A razão pode ser a dificuldade que
temos quando precisamos mudar nossa maneira de pensar e agir, o que só ocorre por

3
meio de um processo contínuo de conscientização. A FAENQUIL já está desenvolvendo,
lentamente, este processo, mas esperamos contar, de imediato, com o apoio de todos.
Basta pararmos para pensar e veremos que fazemos parte de uma comunidade e que
nosso exemplo é fundamental.
Vejamos agora um outro aspecto importante a se analisar. Normalmente, em
qualquer local de trabalho existem várias deficiências e assim surge a necessidade de se
estabelecer prioridades para suas soluções. Como nem todos decidem por uma mesma
prioridade, surgem observações ou críticas diversas, como: será que é o momento para
se desenvolver Segurança? Será que não estamos exagerando, querendo implantar uma
estrutura de Segurança muito desenvolvida, mais própria para uma indústria? Na
realidade, Segurança é indiscutivelmente uma atividade colaboradora da atividade
principal da Faenquil, que é o ensino e não estamos, em absoluto, exagerando. Só
desejamos alcançar um nível mínimo de Segurança, que já existe em outras faculdades
de engenharia química brasileiras e principalmente nas de países mais adiantados, o que
pode ser confirmado pela consulta aos nossos professores doutores ou mestres que
fizeram cursos no exterior.

5. ESTRUTURA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA FAENQUIL


Embora já tenhamos citado alguma coisa sobre esta estrutura no capítulo anterior,
precisamos nos estender um pouco mais.
Atualmente na FAENQUIL a coordenação de todas as atividades de Segurança do
Trabalho é feita pelo GSMT (Grupo de Segurança e Medicina do Trabalho), sediado no
Campus I, no prédio C-33 , logo após a Portaria. Este Grupo, tem como missões as
previstas na Norma Regulamentadora (NR) nº 4 do Ministério do Trabalho.
Para os que já têm experiência em Segurança do Trabalho não é difícil concluir que
para a implantação de Segurança adequada esta equipe é ainda reduzida e,
consequentemente, os resultados só aparecerão gradativamente.
Para compensar esta deficiência, o GSMT trabalha em conjunto com a CIPA
(Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho), que é um órgão de
constituição obrigatória em qualquer entidade, conforme o previsto na legislação (NR-5)
do Ministério do Trabalho. A CIPA é constituída na FAENQUIL por quatro representantes
eleitos pelos servidores, quatro suplentes dos mesmos, quatro representantes indicados
pela Direção Geral e também quatro suplentes destes. Além disso, embora não previstos
na legislação, podem participar da CIPA dois alunos do COTEL, eleitos entre os do 3º ano
e dois alunos da graduação, indicados pelo DA.

4
Para atender melhor o trabalho de Segurança, a FAENQUIL foi dividida em quatro
áreas: Departamento de Engenharia Química (DEQUI), Departamento de Biotecnologia
(DEBIQ), Departamento de Engenharia de Materiais (DEMAR) e Área Administrativa e de
Ensino (AAE), abrangendo todos os demais setores da FAENQUIL. Cada uma destas
áreas possui pelo menos um representante da CIPA, também chamado de Cipeiro, que
passa a ser o elemento de ligação entre o chefe do Departamento ou Setor envolvido, e o
presidente da CIPA e o chefe do GSMT.
Pelo exposto, fica claro que o papel destes representantes é muito importante e
precisa ser bem compreendido. Normalmente, como parte de sua função é de fiscalização
do cumprimento das normas vigentes, nem sempre são bem vistos e inicialmente
obedecidos em suas solicitações. Evidentemente que isto não pode acontecer, já que o
Representante da CIPA só está cumprindo determinações aprovadas pela Faculdade e
previstas na legislação e têm autoridade e obrigação de interceder junto a qualquer
servidor ou aluno que esteja contrariando qualquer norma de Segurança estabelecida. O
desrespeito ao Representante e/ou às suas solicitações não pode ser tolerado e é
considerado falta grave, com conseqüentes sanções disciplinares.
Outra parte importante da missão do Cipeiro é atender qualquer servidor/aluno no
tocante à quaisquer observações ou necessidades de Segurança, encaminhando ao
Presidente da CIPA ou GSMT o que não for possível resolver.

6. ASPECTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO MAIS IMPORTANTES

6.1. Comunicação e Investigação de Acidentes


Apresentaremos, agora, alguns aspectos de Segurança mais importantes no
momento e relacionados também com nossos alunos e colaboradores de qualquer
categoria. O primeiro deles é a Comunicação e Investigação de Acidentes. Esta atividade,
juntamente com Sinalização e Reunião Mensal de Segurança, analisadas mais adiante,
são consideradas as três mais importantes para o desenvolvimento de uma estrutura de
Segurança. Quais as razões para isto? Primeiro: com a comunicação e investigação de
acidentes são identificados vários riscos possivelmente ainda não devidamente
analisados e controlados. A segunda razão é que a investigação imediata, seguida de
medidas preventivas, é uma demonstração clara de atenção das chefias no tocante à
preservação da saúde e integridade física dos que trabalham, resultando normalmente
numa reciprocidade por parte das pessoas, com melhor atendimento ao solicitado pela
Segurança.

5
Assim, precisamos que qualquer acidente, com ou sem lesão seja comunicado
verbalmente, de imediato, ao Representante da CIPA do Setor ou ao seu Professor
orientador ou ao GSMT para as devidas providências. Existem impressos próprios para
esta comunicação e investigação, pontos iniciais de um processo mais prolongado de
resolução das deficiências constatadas e a serem preenchidos, em princípio, pelo GSMT.

6.2 . Registro e Controle de Deficiências


Como a FAENQUIL nem sempre consegue dar uma resposta imediata às diferentes
medidas necessárias para o controle de riscos detectados, surgiu a necessidade de se
instituir um sistema em que cada deficiência de Segurança constatada seja registrada em
impresso próprio, para o acompanhamento posterior de sua solução. Assim, nada é
esquecido a partir da comunicação, pois esta ficha registro só é arquivada após a
resolução completa da deficiência relatada. Como já apresentado anteriormente, as
deficiências constatadas em investigações de acidentes são registradas novamente
nestes impressos específicos do sistema integrado de resolução de deficiências.
Outras deficiências deverão ser comunicadas através do impresso “Fato Observado”
(FO), a ser detalhado em outro capítulo.

6.3 . Atendimento em Caso de Acidente


Após termos falado em acidentes no item 6.1, é natural que você queira saber o
que fazer em caso de lesões causadas por acidentes.
Inicialmente deve-se procurar, conforme o caso, um atendimento de Primeiros
Socorros. Pequenos cortes, queimaduras e outros casos simples devem ser tratados
antes do encaminhamento ao médico. A FAENQUIL ainda está se estruturando no
sentido de fazer este atendimento de forma mais completa, mas caixas de primeiros
socorros já estão disponíveis na maioria dos Setores.
Após este atendimento inicial, conforme o caso, é importante que haja atendimento
médico, a ser realizado no Pronto Socorro da Santa Casa de Lorena. A FAENQUIL
deverá providenciar o transporte até este Hospital.
Para que tudo isto ocorra da melhor forma, há necessidade de comunicação
imediata ao Representante da CIPA, ou, na sua ausência, ao Professor Orientador.

6.4 . Prevenção e Combate a Incêndios


Será que vocês precisam ter conhecimento sobre esta atividade, já que aqui estão
de forma provisória? É claro que sim. Vocês estão numa comunidade e várias atividades
não podem se desenvolver adequadamente sem a participação de todos.

6
A FAENQUIL está montando brigadinhas de incêndios com seus servidores, mas
isto não é suficiente. Qualquer incêndio é melhor combatido no início, preferencialmente
pelas pessoas mais próximas. Nem sempre os brigadistas serão essas pessoas. Poderão
ser vocês e resultados positivos só ocorrerão se houver um mínimo de conhecimento
sobre extintores e sua utilização.
Deixaremos por sua conta aprender como funcionam os três tipos principais de
extintores (CO2, Pó Químico Seco e Água Pressurizada) e futuramente serão feitas nos
locais de trabalho demonstrações práticas de combate a incêndio, das quais vocês
poderão participar.
Em breve também será distribuído em folheto com as informações mínimas que
você precisa saber sobre Prevenção e Combate a Incêndios.

6.5 . Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI)


Todos nós conhecemos estes equipamentos, isto é, óculos de segurança, luvas,
protetores faciais, aventais, protetores auriculares, etc., genericamente denominados EPI.
Os EPI não evitam acidentes, mas sim suas conseqüências à integridade física e à
saúde das pessoas. São inúmeros os exemplos, inclusive na FAENQUIL, em que um EPI
livrou o servidor/aluno de conseqüências que certamente seriam sérias.
Mas vamos ao que é mais importante no momento. Será que sabemos realmente
como nos proteger através do uso dos EPI? Será que sabemos o que entidades mais
adiantadas que a nossa fazem neste sentido? Infelizmente sabemos que estas respostas,
para boa parte de vocês, é não. Assim, vejamos inicialmente a única regra efetiva, que é
válida para áreas de risco, como é o caso de Laboratórios, Oficinas Mecânicas, etc.: “Uso
obrigatório dos EPI indicados, por todos, sem exceção, a qualquer momento,
estando em funcionamento ou não, a partir da porta de entrada”.
Pode-se achar isto um exagero, mas não é. Esta regra é aplicada há muito tempo
nas entidades que realmente se preocupam com Segurança e é a única em condições de
controlar determinados riscos, como os de projeção de produtos químicos ou partículas
mecânicas. É impossível se prever o momento de uma projeção e situações mais
inesperadas ocorrem. Logo a única atitude sensata é a recomendada. Se calcularmos o
risco de projeção de produtos químicos em Laboratórios, verificamos que o valor
alcançado o classifica como risco substancial, o que exige providências imediatas. Assim,
para que esperar acontecer uma perda de visão na FAENQUIL para depois sim instituir o
uso de óculos de Segurança desta forma?
Infelizmente esta implantação de forma completa não é simples, pois, entre outros
fatores, costumamos reagir contra qualquer medida que altere nossa maneira anterior de

7
pensar e agir. Mas precisamos refletir mais, levando também em conta nosso mais
elevado nível cultural e nosso atual e futuro papel, em que devemos servir de exemplo
para os que trabalham ou trabalharão conosco.
E afinal, na Faenquil qual a regra que devemos atender? Numa primeira etapa, que
esperamos ser breve, o uso de EPI (óculos de segurança e avental de manga comprida)
será obrigatório a partir da entrada somente em laboratórios de ensino. Nos demais
laboratórios de pesquisa, conforme decisão de cada Chefe de Departamento e sob sua
responsabilidade, só será exigido o uso destes EPI quando do manuseio de produtos
químicos ou da aproximação de operações com os mesmos. Esta situação não dá uma
proteção efetiva, mas foi a considerada mais plausível, neste ainda início de um processo
de conscientização que exige a participação de todos, principalmente os de nível de
chefia de qualquer natureza. É claro, no entanto, que recomendamos a você que aja
nestes laboratórios, como recomendado anteriormente para os laboratórios de ensino.
É de obrigação do aluno de qualquer natureza trazer seus óculos de segurança e
avental de manga comprida. Em princípio, luvas e outros EPI, como máscaras
respiratórias serão fornecidos pela FAENQUIL.
Não seria necessário dizer que, em hipótese alguma, é permitido o trabalho em
laboratórios com bermudas, saias e sapatos abertos.
Lembraríamos também que a conservação dos EPI aumenta substancialmente sua
vida útil. Após se usar uma luva, um protetor facial, etc., os mesmos devem ser lavados
com água e sabão. Mais detalhes constam dos folhetos de cada EPI que estarão
disponíveis.

6.6 . Riscos com Produtos Químicos


Vocês irão trabalhar, provavelmente, com produtos químicos variados. O
procedimento inicial adequado é conhecer antes os riscos existentes, próprios do produto,
e também das suas reações com outros.
Um primeiro risco já é nosso conhecido, assim como a forma de controlá-lo. É a
projeção de qualquer origem a ser controlada pelo uso de EPI por todos, conforme já
detalhado no item 6.5.
Como uma outra forma de controle de riscos, a Faenquil vem adotando em seus
frascos de produtos químicos um sistema de identificação sumária de riscos, denominado
de Diamante de Hommel. A explicação sobre este sistema encontra-se em quadro
específico já existente na maioria dos laboratórios.
Para o conhecimento de mais detalhes sobre estes riscos, , precisaríamos recorrer a
fontes de consulta diversas. Para facilitar este processo, a FAENQUIL vem também

8
desenvolvendo os chamados MINI-FIS, isto é, Mini Folhetos de Informações de
Segurança para Produtos Químicos. Estes folhetos apresentam um mínimo destas
informações e normalmente já são suficientes para um primeiro contato. Cerca de
100(cem) deles já foram elaborados e encontram-se disponíveis em pastas colocadas em
caixas de madeira junto à paredes dos laboratórios. Os professores deverão alertar os
alunos sobre os riscos dos produtos a serem utilizados em cada aula.

6.7 . A Normalização e a Segurança do Trabalho – Instruções de Trabalho e Normas de


Segurança do Trabalho FAENQUIL.
Antes de mais nada, podemos afirmar que sem uma boa estrutura de normalização
nunca se tem Segurança do Trabalho e qualidade de serviços e produtos adequadas.
Em qualquer atividade de natureza geral ou específica para um operador,
precisamos saber exatamente o que fazer, quais os riscos de acidentes ou perdas
envolvidos e como proceder para controlá-los.
Assim, um tipo de norma, a denominada Instrução de Trabalho (ITr) é ferramenta
fundamental para o controle de riscos, principalmente os oriundos de falhas humanas. As
ITr, que são específicas para um determinado tipo de trabalho e operação, apresentam
em seu modelo três colunas básicas que atendem ao previsto anteriormente: etapas de
trabalho, potencial de perdas e acidentes e procedimento recomendado e/ou pontos
principais (modelo anexo). Assim fica menos provável que alguém erre por falta de
conhecimento ou por indisciplina, já que todos os envolvidos participam da elaboração da
ITr inicial ou de suas revisões, referentes às suas atividades.
A FAENQUIL embora ainda esteja no início do seu processo de normalização. Já
possue inúmeras ITr elaboradas, principalmente através de alunos de graduação e que
em breve estarão à disposição de todos no site www.faenquil.br/gsmt-cipa. Certamente,
vários de vocês irão colaborar, principalmente na elaboração de ITr sobre equipamentos
dos seus laboratórios. Detalhes sobre a forma de elaboração destas ITr poderão ser
obtidos por consulta ao Manual de Aplicação do Programa de Análise do Trabalho da
Faenquil também disponível no site citado acima.
No entanto, quando estamos frente à necessidade de padronizar procedimentos de
natureza geral, abrangendo vários ou todos os setores de uma entidade, outro tipo de
norma se torna necessário. No caso de Segurança do Trabalho na FAENQUIL, estas
normas seriam as Normas de Segurança do Trabalho – FAENQUIL, ou, NSF. De
propósito, no início, não falamos sobre a existência destas normas. Mas após a
apresentação dos capítulos sobre estrutura de segurança da FAENQUIL, comunicação e
investigação de acidentes, registro de deficiências, prevenção de combate a incêndios,

9
etc., certamente vocês imaginaram que seria oportuna a existência de documentos em
que todos os detalhes convenientes fossem apresentados, principalmente no caso de
necessidade de consulta futura.
A Faenquil ainda não criou oficialmente o seu Sub-Sistema de Normas de
Segurança e consequentemente suas NSF. Assim, a única opção foi se estabelecer as
primeiras normas necessárias ainda na forma de Instruções Normativas, como todas as
demais normas de nossa entidade.
As já existentes são:
- IN Nº08/2004 - OBRIGATORIEDADE DO USO DE EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI), COM DESTAQUE AOS RELATIVOS À
PROJEÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS E DE PARTÍCULAS MECÂNICAS.
- IN Nº 09/2004 - APLICAÇÃO DE SANÇÕES DISCIPLINARES EM
SERVIDORES, ALUNOS DE QUALQUER NATUREZA E FUNCIONÁRIOS DE
FIRMAS EXTERNAS, POR DESRESPEITO ÀS NORMAS ESTABELECIDAS DE
SEGURANÇA DO TRABALHO OU RELATIVAS A ATIVIDADES VOLTADAS À
MELHORIA DA ORGANIZAÇÃO INTERNA.
- IN Nº 10/2004 - PROCEDIMENTOS INTERNOS RELATIVOS A PRODUTOS
CONTROLADOS PELO EXÉRCITO BRASILEIRO E PELA POLÍCIA FEDERAL.
- IN Nº 11/2004 - ETIQUETAS DE SEGURANÇA
- IN Nº 12/2004 - INSTALAÇÃO, CONTROLE E UTILIZAÇÃO DO CHUVEIRO E
LAVA-OLHOS DE EMERGÊNCIA
- IN Nº 13/2004 - SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NA FAENQUIL
- IN Nº 14/2004 - REGISTRO DE ACIDENTES E DOENÇAS PROFISSIONAIS
- IN Nº 15/2004 - INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E DOENÇAS
PROFISSIONAIS
- IN Nº 16/2004 - ROTULAGEM PREVENTIVA DE PRODUTOS QUÍMICOS
- IN Nº 01/2005 – ORDENS DE SERVIÇO
- IN Nº 02/2005 – CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO
- IN Nº 03/2005 – SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DE DEPENDÊNCIAS
Os textos completos destas IN estão disponíveis no site www.faenquil.br/gsmt-cipa,
clicando-se em Instruções Normativas. Aparecerá uma listagem somente com a
numeração das IN. Clique na numeração desejada.

10
6.8 . Emissão do “FATO OBSERVADO – FO”
No item 6.2, Registro e Controle de Deficiências, fizemos referência a esse
documento, que é o utilizado para registrar qualquer deficiência relacionada com
Segurança, constatada por qualquer pessoa.
A conscientização de que Segurança é problema de todos e de que a detecção de
deficiências é, normalmente, melhor desenvolvida por aqueles mais diretamente
envolvidos em qualquer atividade é fundamental para a melhoria do nível de segurança.
Assim, os FO serão importantes ferramentas nas mãos dos que quiserem colaborar. O
modelo deste documento consta do Anexo 1 e cópias podem ser solicitadas no GSMT ou
ao Representante da CIPA. Não há necessidade de assiná-los.
Mas não podemos esquecer um fator importante em todo este sistema de emissão
de FO. Para seu sucesso, em princípio, devem ser emitidos em maior quantidades FO’s
positivos, relativos a todos os que colaborarem com a segurança. Temos certeza que
conseguiremos isto com certa facilidade.

6.9 . Segurança em Laboratórios


Para a maioria, dos Novos Colaboradores, os locais de trabalho, estudos e
pesquisas mais comuns serão os laboratórios da FAENQUIL. Assim, precisamos falar
um pouco mais sobre as normas de Segurança a serem obedecidas, em grande parte já
apresentadas em itens anteriores. Vejam a seguir algumas delas:
1) Usar óculos de segurança, avental de manga comprida, calças compridas e
sapatos fechados a partir da entrada dos laboratórios de ensino. Usar estes
mesmos EPI quando manusear produtos químicos também em qualquer outro
local.
2) Antes de manusear qualquer produto químico, procurar conhecer seus riscos por
meio da rotulagem nos frascos, dos MINI-FIS ou de outras fontes de consulta.
3) Não fazer nada que não conhecer completamente. Consultar seu professor
orientador ou técnico do laboratório.
4) Reações químicas, principalmente as com desprendimento de calor ou
possibilidade de projeções ou emanações, devem ser feitas nas capelas.
5) Em caso de projeções de produtos químicos, lavar imediatamente com água em
abundância, por pelo menos 15 minutos.
6) Saber antecipadamente os locais destas fontes de água, normalmente chuveiro
de segurança e lava-olhos.
7) Comunicar qualquer tipo de acidente que constatar ou vivenciar ao Representante
da CIPA, assim como qualquer deficiência que implicar em riscos.

11
8) Conhecer pelo menos o funcionamento e aplicação dos extintores de incêndios
próximos do seu local de trabalho.
9) Mesmo antes de passar por curso específico, colaborar com a elaboração de
Instruções de Trabalho referentes a equipamentos que operar.
10) Lavar os EPI utilizados antes de guardá-los.
11) Interceder junto a qualquer colega que esteja infringindo alguma regra de
segurança, solicitando a imediata correção. Isto é fundamental para o
desenvolvimento da Segurança.

Muitas outras normas existem e constam de Manuais de Segurança em Laboratórios


Químicos. A FAENQUIL ainda não fez o seu próprio, mas coloca à disposição de todos
exemplares de outras instituições.

6.10 . Reunião de Segurança


Julgamos que chegou o momento de falarmos desta atividade, já citada
anteriormente como uma das três atividades mais importantes para melhorar o nível de
Segurança de uma entidade. É fácil de se perceber, pelo já citado anteriormente, que
inúmeros conhecimentos e treinamentos têm de ser estendidos para grande parte dos
servidores e alunos em especialização. Desenvolver cursos repetidamente nem sempre é
possível e envolve muitos esforços.
Uma possível solução é a divulgação parcelada destes assuntos em reuniões
periódicas, preferencialmente mensais e com a participação obrigatória de todos, inclusive
alunos e servidores de nível de chefia dos setores. Estas reuniões agem também como
fator fundamental numa melhor conscientização de todos e como uma forma dos chefes
exporem suas idéias e também se comprometerem com o programa de Segurança.
Embora esta atividade já tenha sido iniciada, ainda não alcançou a regularidade desejada.

6.11. Caixa de Sugestões


Estas caixas existem no corredor interior do prédio A.02 (Sala de Aulas), no Debiq
e no Demar. São ferramentas importantes para que a Direção ou os diferentes Setores da
Faenquil tomem conhecimento de sugestões / reclamações / denúncias de qualquer
natureza.
Isto pode ser feito em qualquer tipo de documento / papel ou se utilizando os
impressos próprios de Sugestões ou Fatos Observados (FO) existentes no GSMT, DTA
(Divisão Técnico Administrativa) ou Biblioteca.

12
Se não se deseja um retorno, ou em qualquer outra situação, não há necessidade
de identificação do emitente.
6.12 . Outras Atividades Desenvolvidas pelo GSMT
(1) INTRODUÇÃO
A fim de ajudar no desenvolvimento de um melhor espírito de organização entre
nós, com reflexos diretos nas atividades de Segurança do Trabalho, o GSMT vem
participando das seguintes atividades:
(2) Uso de crachás para alunos de PG, IC, Estagiários, Professores /
Pesquisadores / Visitante e funcionário de Firmas Externas.
É exigido o uso de crachá enquanto estas pessoas permanecerem nos locais de
trabalho. Os crachás de alunos, de cor verde, e os de funcionários de FE, de cor laranja,
serão solicitados ao GSMT pelo Departamento/Setor ao qual estarão vinculados. Por se
tratar de importante medida no processo de desenvolvimento de melhor mentalidade de
organização, ocorrerão freqüentes inspeções relativas ao seu uso.
(3) Quadro de Achados e Perdidos
Existe um quadro no passadiço inferior do prédio A02 (salas de aula do Campus I),
próximo da DTA (Secretaria), em que, por meio de impressos próprios (disponíveis na
Secretaria), qualquer um pode registrar perdas ou achados.
(4) Balcão de Aproveitamento
Esta foi uma idéia tirada de um país bem distante, a China, em que cestas são
colocadas em praças públicas para que qualquer pessoa alí coloque documentos diversos
que não mais utilizem, de forma que possam ser reaproveitados por quem ainda os
acharem úteis. Na FAENQUIL, com a mesma finalidade, foi criado, no Campus I, um
balcão, junto ao passadiço inferior do prédio A.02, próximo da entrada principal. Colabore
com esta idéia, evitando desperdícios desnecessários!
(5) Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho - SIPAT
Uma vez por ano, normalmente no início de Setembro é realizada a SIPAT, de
acordo com o previsto na legislação, visando uma divulgação mais intensa de aspectos
de Segurança do Trabalho.
Várias atividades podem ser realizadas tais como reuniões com servidores/alunos,
palestras internas/externas, distribuição de folhetos, colocação de painéis, inaugurações
diversas, cursos, divulgação de resultados, etc.
Para que a SIPAT alcance seus objetivos é fundamental que todos participem
inclusive, é claro, os alunos.

13
(6) Uso de Produtos Controlados
Alguns produtos químicos são de aquisição, armazenamento e uso controlados
pela Polícia Federal ou pelo Exército Brasileiro. Isto exige, internamente, uma série de
controles, sob fiscalização do GSMT e das chefias de Departamento. Procure saber se os
produtos que pretende usar são controlados e se inteire sobre as normas existentes.
Cada laboratório tem um Servidor Responsável Local (SRL) e cada Departamento um
Servidor Responsável Geral (SRG), que poderão orientá-lo.
(7) Quadro Informativo de Segurança
No seu local de trabalho ou nas proximidades certamente existirá este Quadro.
Nele são colocados artigos diversos; alguns relacionados, em geral, com Segurança do
Trabalho e outros específicos sobre a Segurança na FAENQUIL. Procure ler estes
artigos, discutindo-os com seus colegas. Se puder colaborar, apresente seus artigos ao
GSMT. Em breve estes artigos também constarão do “site”, www.faenquil.br/gsmt-cipa
(8) . Aspectos Diversos
(1) Quando molhados, os pisos de alguns passadiços tornam-se muito
escorregadios. Principalmente se os seus sapatos tiverem solados lisos,
desloque-se com o máximo de atenção.
(2) É proibido se sentar nas muretas do 2o andar dos prédios A02 e A04 (salas de
aula), pelo risco de queda.

7. ASPECTOS DE SEGURANÇA PATRIMONIAL

7.1. GENERALIDADES
A atividade Segurança Patrimonial visa controlar riscos ao patrimônio da entidade e
à integridade física de pessoas, fruto de ações agressivas de terceiros. Assim, sua
ação é bem distinta da Segurança do Trabalho. Mesmo assim, é comum uma certa
parceria entre as duas atividades, pois ambas procuram criar um ambiente de ordem,
vitais para os seus desenvolvimentos.
Na Faenquil esta parceria abrangeu, até o momento, a elaboração de normas
referentes ao controle de pessoas e veículos e o treinamento do pessoal da Portaria.
7.2. INSTRUÇÕES NORMATIVAS (IN) EXISTENTES SOBRE O CONTROLE DE
PESSOAS E VEÍCULOS.
(1) Como deve ser de conhecimento de todos, estão discriminadas no site
www.faenqui.br , após clicar Publicações. São as seguintes:
IN – 01/2004 – Controle de Servidores e Alunos em Horários com Expediente
Normal
IN – 02/2004 – Controle de Trânsito de Veículos em geral
14
IN – 03/2004 – Controle de Visitante Regular
IN – 04/2004 – Controle de Funcionários de Firmas Externas
IN – 05/2004 – Controle de Visitante Ocasional
IN – 06/2004 – Controle de Trânsito de Pessoal e Veículos em Horários sem
Expediente Normal
IN – 04/2005 – Estacionamento de Veículos em Geral
IN – 05/2005 – Entrada e Saída de Materiais
(2) Como está determinado, os veículos (automóveis, motos, bicicletas, etc) só podem
circular na Faenquil se estiverem registrados e portarem adesivos ou cartões de
controle . Procure o GSMT para este registro
(3) Automóveis só podem estacionar nos locais permitidos para cada categoria.
Existem estacionamentos específicos para servidores, alunos e visitantes.
Funcionários de Firmas Externas receberão orientação sobre onde estacionar. Não
se deve esquecer de estacionar dentro das faixas pintadas no solo.
(4) Bicicletas e motos também têm necessidade de controle e locais delimitados para
estacionamento, normalmente sinalizados.
(5) Ao término do seu vínculo com a Faenquil é obrigatório a devolução dos adesivo
ou cartão de controle do seu veículo.
7.3. OUTROS ASPECTOS DIVERSOS DE SEGURANÇA PATRIMONIAL DE
IMPORTÂNCIA REALÇADA.
(1) Não é recomendado se pegar carona com desconhecidos na estrada ou cidade. Já
ocorreram problemas sérios com alunas.
(2) Não transite sozinho ou a pé entre o trevo da Avenida Targino Vilela Nunes e a
Faenquil.
(3) Não é fácil controlar o acesso de estranhos à Faenquil. Assim se perceber alguém
descendo dos ônibus ou circulando em nossa área, que não pareça ser aluno ou
estiver sem crachá de Visitante, comunique imediatamente à Portaria ou ao GSMT
sua suspeita.
(4) Não é recomendado se deixar material, principalmente objetos de valor, em salas
de aula ou laboratórios. Já houve casos de desaparecimento e não recuperação .
(5) Infelizmente, embora não freqüentes, já ocorreram em nossa área alguns furtos ou
fatos altamente negativos, tais como descarga de extintores de incêndio ou o seu
desaparecimento, sumiço de todas as placas para desligamento de luz nas salas
de aula e outras de sinalização de segurança, retirada de artigos dos Quadros
Informativos de Segurança, etc.

15
Como controles mais efetivos são onerosos e mesmo assim dificilmente
abrangeriam todas as áreas, precisa-se da ajuda de todos para se coibir tais fatos.
Normalmente tais atitudes acabam sendo de conhecimento de alguém, que se
inibe por julgar que não é seu problema. Precisamos combater este
comportamento, lembrando que participamos de um todo e não podemos ser
coniventes com estas irregularidades. Os responsáveis devem ser interpelados
sobre suas atitudes ou pode ser feita uma denúncia anônima através das Caixas
de Sugestões existentes ou por colocação em baixo de portas do GSMT ou de
qualquer professor.

8. RESUMOS DE INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS OU DE IMPORTÂNCIA REALÇADA


CONFORME A CATEGORIA DOS NOVOS COLABORADORES PRESENTES

Como podem estar presentes na Palestra várias categorias de NC ao mesmo tempo,


neste momento serão apresentados resumos de informações/aspectos específicos ou
de importância realçada em cada uma delas. Estes resumos estão discriminados
separadamente a seguir:

16
PALESTRA DE INTEGRAÇÃO
DO
NOVO COLABORADOR

RESUMO DE INFORMAÇÕES MAIS ESPECÍFICAS OU DE IMPORTÂNCIA


REALÇADA DA CATEGORIA NOVO ALUNO DE PG, IC OU ESTAGIÁRIO E NOVO
PROFESSOR PESQUISADOR / VISITANTE
REV 00 JUN/2005

1. É importante registrar que este resumo não exclue a necessidade de leitura,


aprendizado e obediência aos aspectos apresentados na parte principal da
Palestra do Novo Colaborador.
2. Os alunos de IC e Estagiários só poderão também iniciar suas atividades após o
pagamento do Seguro de Trabalho, pois só a partir daí estarão segurados contra
acidentes. Para as demais categorias ainda não está previsto este tipo de seguro.
3. Sempre que manusear produtos químicos ou estiver próximo dêles, usar, no
mínimo óculos de segurança e avental de manga comprida.
4. Da mesma forma, conheça antes os riscos dos produtos que for utilizar, lendo os
MINI-FIS e rótulos específicos.
5. O uso de crachás junto ao peitoril é obrigatório e faz parte de um conjunto de
medidas visando criar melhor espirito de organização.
6. Antes de usar qualquer aparelho ou fazer uma operação desconhecida procure
saber se já não existe uma Instrução de Trabalho (ITr). Caso positivo leia-a e só
faça o que entender.
7. Até o final de suas atividades, após as devidas orientações fazer ou revisar, pelo
menos, uma ITr referente ao seu local de trabalho.
8. Até ordem em contrário no Campus I, somente os alunos de PG e Professores
Pesquisadores/Visitantes poderão colocar seus carros em estacionamento próprio
no DEBIQ e no de servidores atrás do DEBAS.
9. Em caso de qualquer dúvida consulte seu orientador ou técnico do local. Nunca se
arrisque por vergonha ou preguiça.
10. O exemplo de cada Novo Colaborador no tocante ao cumprimento de todas as
normas é fundamental, pois influencia marcadamente a todos os demais.
11. Ao final de suas atividades devolver no GSMT os EPI de natureza permanente,
crachás e qualquer tipo de controle de veículo recebidos.

17
PALESTRA DE INTEGRAÇÃO
DO
NOVO COLABORADOR

RESUMO DE INFORMAÇÕES MAIS ESPECÍFICAS OU DE IMPORTÂNCIA


REALÇADA DA CATEGORIA NOVO SERVIDOR
REV 00 JUN/2005

1) É importante registrar que este resumo não exclue a necessidade de leitura,


aprendizado e obediência aos aspectos apresentados na parte principal da
Palestra do Novo Colaborador.
2) Sempre use os EPI recebidos e solicite outros quando necessário.
3) Não faça nada que não souber. Consulte as Instruções de Trabalho (ITr)
existentes e/ou servidores mais antigos.
4) O uso de crachás junto ao peitoril é obrigatório e faz parte de um conjunto de
medidas visando criar melhor espirito de organização.
5) O exemplo de cada Novo Servidor no tocante ao cumprimento de todas as
normas é fundamental para influenciar marcadamente a todos os demais.

GSMT

18
PALESTRA DE INTEGRAÇÃO
DO
NOVO COLABORADOR

RESUMO DE INFORAÇÕES MAIS ESPECÍFICAS OU DE IMPORTÂNCIA


REALÇADA DA CATEGORIA NOVO FUNCIONÁRIO DE FIRMA EXTERNA.
REV 00 JUN/2005

1) É importante registrar que este resumo não exclue a necessidade de leitura,


aprendizado e obediência aos aspectos apresentados na parte principal da
Palestra do Novo Colaborador.
2) O uso de crachás junto ao peitoril é obrigatório a partir da Portaria. Durante os
trabalhos o GSMT poderá autorizar outras formas de identificação.
3) Use os EPI (capacete, óculos, luvas, etc) quando houver riscos de acidentes.
4) Restrinja seus deslocamentos aos locais específicos de seus trabalhos ou
àqueles autorizados.
5) Registre seu veículo (automóvel, moto, bicicleta, etc) no GSMT.
6) Estacione os veículos somente nos locais autorizados para a sua firma.
7) Em caso de qualquer dúvida procure seus responsáveis ou o GSMT (Grupo de
Segurança e Medicina do Trabalho).
8) Ao final de suas atividades devolva no GSMT o crachá e qualquer tipo de controle
de veículo recebido.
GSMT

19
9 . RESPONSABILIDADES DOS CHEFES DE DEPARTAMENTO/SETORES E
PROFESSORES
Como educadores e responsáveis iniciais pelo que ocorrer com seus servidores/
alunos nos locais de trabalho, é fundamental que todos fiscalizem o cumprimento das
normas estabelecidas e influenciem os servidores/alunos através dos seus exemplos.
Tanto eles como a CIPA e o GSMT não devem se sentir constrangidos por fazerem estas
exigências, mas sim considerarem-se profissionais responsáveis e competentes,
conscientes do valor da saúde e integridade física dos servidores/alunos e de que as
soluções preconizadas são as únicas em condições de realmente controlar os riscos e
suas conseqüências nos ambientes de trabalho.

10 . RESPONSABILIDADES DO NOVO COLABORADOR


Nos capítulos anteriores praticamente já se citou o que se espera dos Novos
Colaboradores para a melhoria da Segurança da FAENQUIL. Mas, mesmo assim, é válido
uma recordação bem sintética:
a) Conscientizar-se que a Faculdade precisa melhorar continuamente sua
Segurança e que sua colaboração e participação são fundamentais.
b) Comunicar qualquer acidente que tiver conhecimento ou em que se envolver.
c) Fazer o mesmo quanto à qualquer deficiência de Segurança percebida.
d) Adquirir os EPI de sua responsabilidade e usá-los conforme estabelecido.
e) Conhecer o funcionamento do extintores de incêndio para usá-los quando
necessário.
f) Participar do programa de elaboração e aplicação de Instruções de Trabalho.
g) Não desenvolver atividades sem procurar saber antecipadamente seus riscos.
h) Ser exemplo para os alunos/servidores mais novos.

11 . SANÇÕES DISCIPLINARES
Embora não se espere que existam casos de relutância no cumprimento das normas
estabelecidas, não se pode deixar de registrar que, no interesse de todos, isto é, da
FAENQUIL, professores e alunos, no caso de ocorrência de infratores reincidentes serão
previstas sanções disciplinares conforme a IN nº 09/2004 DGE.

12 . CONCLUSÕES
Esta palestra, da forma que está apresentada, ainda é um trabalho preliminar feito
para atender as necessidades do momento, mas, certamente, contém os aspectos
essenciais de Segurança a serem de conhecimento de qualquer novo colaborador da

20
Faenquil. Para situações especiais deverão ser feitas complementações pelos Chefes de
Setores e Professores nos próprios locais de trabalho.
Não se esqueça, de após esta leitura, se dirigir ao GSMT para um contato rápido e
assinatura do Termo de Compromisso.
E finalmente, como últimas palavras, realçaria mais uma vez que precisamos e
contamos com a colaboração consciente de cada um de vocês, como adultos
responsáveis, influenciando a todos ao seu redor, não só na Faenquil, mas também, no
caso de alunos, onde forem desempenhar suas funções.

Seja bem vindo!

GSMT / CIPA

Anexos

21
ANEXO 1 - IMPRESSO “FATO OBSERVADO – FO”

F.O.
O RESPEITO ÀS NORMAS DA ENTIDADE
É CARACTERÍSTICA DO PROFISSIONAL
COMPETENTE
De:
Para:
Fato observado:
Frente
Local:
Data:
Descrição

Recomendações:

Verso Emitente:
Data:
Providências Tomadas:

Assinatura
da Chefia:

22
Anexo 2 - EXEMPLO DE INSTRUÇÃO DE TRABALHO

23