Você está na página 1de 3

Os Três Âmbitos de Aprendizagem

Baseado num Resumo do Livro de L. Ford, Planejamento de Ensino e Treinamento por Eduardo Nuno Fonseca

Âmbito Cognitivo

.A

Conhecimento - Decorar factos ou informações. O aluno recorda factos e informações anteriormente

aprendidos, o que pode se dar em, pelo menos, duas vertentes: (1) no da fixação de informação concreta ou (2) no simples reconhecimento dos factos.

.1

Envolver os alunos em actividades que exijam uma resposta activa, tanto manifesta (outra pessoa pode

.2

observar) como latente (actividade mental de modo que os outros não possam observar). Usar actividades em que o aluno use mais de um sentido da percepção ao mesmo tempo.

.3

Usar organizadores avançados (129-140)

 

)a

No início é concedido as pretensões de aprendizagem (do professor ou do aluno).

)b

Ver o modelo estrutural completo duma unidade.

 

.4

Oferecer aos alunos um conhecimento imediato dos resultados, ou seja os alunos têm uma confirmação

.5

imediata das respostas correctas. Envolver o aluno em várias actividades relacionadas com o alvo.

.6

Envolver os alunos em actividades novas e diferentes.

.B

Entendimento - Traduzir (expressar ideias em nova forma), resumir e interpretar. O significado das ideias é interpretado.

.1

Planejar actividades de aprendizagem em que o aluno transforme (traduza) ideias para formas novas. A

.2

tradução envolve pelo menos 2 tipos de actividades: (1) O estudante transforma ideias para formas novas (traduz) ou (2) o estudante reconhece novas formas (tradução) ao se deparar com elas. Usar actividades de aprendizagem em que o aluno descubra a relação entre as ideias.

.3

Planejar actividades de aprendizagem em que os alunos definam e interpretem ideias e conceitos.

.C

Aplicação - 'Transferência' para uma nova situação algo aprendido anteriormente. Existe aplicação efectiva (colocar em prática) da aprendizagem. Existe compreensão em relação àquilo que se 'aplica'.

.1

Envolver os alunos em actividades de aprendizagem em que possam usar, de forma prática, aquilo que aprenderam.

.D

Análise - Divisão de um assunto em suas várias partes ou resolução de problemas sob uma forma sistemática. O aluno busca a sua complexidade para perceber a sua organização interna.

.1

Programar actividades de aprendizagem em que o aluno decomponha o material em suas partes constitutivas.

.2

Envolver os alunos em actividades de aprendizagem em que possam resolver um problema de uma forma sistemática.

 

)a

Metodologia de solução de um problema

.E

Síntese - Existe junção das partes para formar algo novo e criativo. Algumas questões requerem uma reflexão mais profunda ( em que o entendimento, aplicação e análise não são suficientes) por parte do aluno que necessita de reflectir (‘sintetizar’) sobre tudo o que sabe e entende em torno da questão.

.1

Usar actividades de aprendizagem em que o aluno combine elementos e pontos para que crie um ‘produto’ novo e criativo.

.F

Avaliação - Julgar o valor ou o mérito de alguma coisa a partir de certos padrões. A avaliação pressupõe a alguma coisa a ser avaliada.

.1

Usar actividades de aprendizagem em que o aluno julgue o valor ou o mérito de alguma coisa, baseado em determinados padrões.

Resumo de Ford, Planejamento de Ensino e Treinamento, por Eduardo Nuno Fonseca

Âmbito afectivo (atitudes e valores)

As atitudes reflectem as disposições mentais para com as pessoas, lugares, coisas e ideias. As atitudes desenvolvem- se como desejáveis subprodutos de outras aprendizagens nos âmbitos cognitivos e de habilidades).

.G

Os níveis de aprendizagem

.1

Recepção - é o nível mais baixo de aprendizagem de atitudes. O aluno simplesmente se torna consciente da existência de algo. Sugere também disposição por parte do aluno para ‘receber’. O aluno foca a sua atenção sobre coisa ou ideia.

.2

Resposta - O aluno vai um pouco mais longe do que prestar atenção. O aluno compromete-se (torna-se

.3

interessado) com aquilo que suscitou a sua atenção. Neste nível ainda não existe acção do aluno. Valoração - O terceiro nível sugere que o aluno compromete-se a fazer alguma coisa porque vê valor

.4

nela. Existe uma reacção coerente face à coisa, pessoa ou ideia. Organização - O aluno oferece tais valores para sustentar sua situação. Organiza os seus valores num

.5

sistema coerente. Caracterização - O aluno ‘vive’ à luz de valores que reflectem toda a sua filosofia de vida.

.H

Princípios de aprendizagem

.1

Providenciar situações para que os alunos possam observar quer os professores, quer os colegas que dão

.2

um bom exemplo e exemplificar as suas atitudes. A incoerência na vida de um professor ensina a incoerência. O aluno pode e deve: 1. Observar as acções de alguém que dá ‘um exemplo’ 2. Ouvir testemunhos pessoais 3. Verificar e avaliar o grau de coerência ou incoerência daquilo que vê 4. Fundamentar os seus próprios actos à luz do que veêm. Providenciar situações em que os alunos possam ler e ouvir acerca de pessoas que exemplificaram de

.3

uma forma práticas atitudes e valores. Tal como Jesus Cristo quando usou as parábolas do Bom Samaritano e do Filho Pródigo tanto para mostrar exemplos positivos como negativos. Criar situações que permitam aos alunos comparar fontes que considerem actualizadas. Os alunos muitas

.4

vezes pensam: ‘se ele disse deve ser verdade’. Pelo facto de aceitarem e conferirem credibilidade à pessoa, tendem a aceitar os seus conselhos. Ajudar os alunos a identificarem e especificarem atitudes, bem como a aprenderem o que elas significam.

.5

Identificar uma atitude significa estudar o contexto de um problema e escolher qual atitude lhe satisfaz. O aluno deverá não só identificar a atitude mas também a perceber o significado e as implicações da mesma. Planear meios, através dos quais os alunos passem por experiências emocionais significativas. O professor

.6

apenas convida o aluno à aprendizagem. Planear no sentido de os alunos agirem de modo positivo em relação à atitude e pratiquem a atitude em

.7

situações que a exijam. Um aluno, por livre e espontânea vontade, age positivamente, a sua atitude tende a mudar. Planear oportunidades para que os alunos analisem seus próprios valores e pratiquem a tomada de

.8

decisões sobre temas morais e éticos. Programar actividades em que os alunos reflictam sobre as suas próprias experiências de vida à luz da

.9

verdade eterna. Reflectir significa ponderar sobre algum assunto, ideia ou propósito, com intuito de compreendê-los à luz da verdade. Significa pensar sobre a qualidade dos próprios pensamentos e experiências. Gerar situações em que os alunos compartilhem suas percepções com os outros num clima de liberdade. Os membros do grupo compartilham os seus pensamentos e sentimentos.

.I

Mapa que associa os níveis com os princípios de aprendizagem

 

Recepção

Resposta

Valorização

Organização

Caracterização

1.

Observar pessoas que

         

dão um bom exemplo

2.

Ler ou ouvir acerca

         

de pessoas

3. Comparar fontes

         

4. Identificar os valores

         

5. Experiências emoc.

         

6. Praticar a atitude

         

7. Analisar os valores

         

8. Reflectir sobre a sua

         

vida à luz da Bíblia

9.

Compartilhar as suas

         

Resumo de Ford, Planejamento de Ensino e Treinamento, por Eduardo Nuno Fonseca

percepções/atitudes

percepções/atitudes
percepções/atitudes
percepções/atitudes
percepções/atitudes
percepções/atitudes

Habilidades

Habilidade motora ou psicomotora significa a capacidade de se executar um acto físico de forma correcta ou com facilidade

.J

Níveis de aprendizagem

 

.1

Percepção - o aluno torna-se consciente por meio dos seus sentidos. Ele toca, ouve, cheira, sente ou vê. Pode desenvolver também a noção do que fazer como um resultado de tomada de uma consciência de algo por meio dos sentidos.

.2

Prontidão - o aluno está pronto mental e fisicamente para a aprendizagem. Ele não só está ciente da sua habilidade como desenvolve uma ‘prontidão’ para responder ao que se apercebeu. Resposta orientada - o aluno responde sob a orientação de um professor ou orientador (quer verbal ou fisicamente). O aluno não tem de dominar todas as sub-habilidades antes de desempenhar algo complexo. Hábito (automatismo) - o aluno domina uma certa prática como parte de uma habilidade complexa. Ele pode agir sem orientação do professor, mas sem alcançar um alto grau de facilidade. Eis os elementos chaves: 1. desempenho sem orientação 2. desempenho de uma sub-habilidade ligeiramente complexa 3. desempenho que ainda não alcançou o nível de uma resposta completamente automática. Resposta aberta complexa - o aluno desempenha uma actividade complexa com um alto grau de habilidade. O aluno executa um acto complexo com facilidade e grande coordenação de músculos. Eis os elementos chaves: 1. desempenho de um acto complexo 2. desempenho automático 3. ausência de incerteza

.3

.4

.5

.K

Princípios de aprendizagem (demonstração e prática).

 

.1

Levar o aluno a ver em avanço a estrutura total do processo ou do produto final - nota (o princípio de ‘organização avançada’ aplica-se a todos os efeitos de aprendizagem) Levar o aluno a ver uma demonstração etapa por etapa. Os alunos observam cada etapa da demonstração, enquanto o líder explica. Se necessário, fazem perguntas. O domínio de uma habilidade complexa exige o domínio das sub-habilidades envolvidas. O aluno vai focar a sua atenção em cada uma. Pedir aos alunos para explicar (ler em voz alta) um conjunto de instruções ou plano para cumprir uma sequência de acções. O aluno testa a sua própria compreensão do que precisa fazer. Ele tenta expressar em palavras os passos na sua execução. Oriente o aluno em suas primeiras tentativas. Ajuda a corrigir erros que, cometidos no início, levam ao surgimento de outros. ‘Orientando’ o aluno fica a saber os resultados. Assim não só corrige erros mas também mostra as respostas certas. Ofereça oportunidades para o aluno executar a actividade repetidamente com pouca ou nenhuma

.2

.3

.4

.5

 

orientação. Os alunos agirão naturalmente, ‘por conta própria’, sabendo que o professor só lhes ajudará se for necessário.

 

.6

Ofereça oportunidades para a prática sob condições realísticas (ou simuladas). situações se aproximem da realidade.

O professor tentará que as

.L

Mapa que associa os níveis com os princípios de aprendizagem

 
 

Princípio

Percepção

Prontidão

Resposta

Hábito

Resposta

 
 

Orientada

Aberta

1.

Ver em avanço a

         

estrutura total do processo

2.

Ver uma demonstração

         

etapa por etapa

3.

Explicar um conjunto

         

de instruções

4.

Orientar o aluno nas

         

suas primeiras tentativas

5.

Executar a actividade

         

repetidamente com pouca ou nenhuma orientação

6.

Oferecer oportunidades

         

para a prática sob condições realísticas