Você está na página 1de 29
Emmanuel Alloa (org.) PENSAR A IMAGEM Georges Didi-Huberman Jacques Ranciére W. J.T. Mitchell Horst Bredekamp Hans Belting Emanuele Coccia Jean-Luc Nancy Marie-José Mondzain Gottfried Boehm Emmanuel Alloa Lh eh ol oh al ol ol ol ol ol ol oh ol ol oh ol oh ol ol old Sacer oa fecergr tet SrUrcar rts c) art Tae ea) Lied auténtica Copyright © Les presses du réel, Dijon ‘Traducao publicada mediante acordo com Les presses du rel Copyright © 2015 Auténtica Editora Titulo original: Penser Vimage com Todos 0s direitos reservados pela Autentica Editora, Nenhumas Bare Wiel Bisco poders ser reproduzida, sea por meios mecdnicos,eletrénicos,seja via cOpia xerografics Sime auleRScSo previa da Editora, Todos os esforcos foram feitos no sentido de encontrar os Getenaanes as Geeiics autorais das obras que constam deste livo. Pedimos desculpas por eventuais omissSes mwslumeanes © nos comprometemos a inserir os devids créditos e corrigir possiveis falhas em ecicBes subsersentes CcoombewAnoR D4 COLECAO ud Gilson tannini CONSHLHO FOTORAL Giison lannini (UFOP); Barbara Cassin (Paris); Claudio Oliveira (UFF); Danilo Marcondes (PUC- Rio); Ernani Chaves (UFPA); Guilherme Castelo Branco (UFRJ); od Carlos Salles (UFBA); Monique David-Menard (Paris); Olimpio Pimenta (UFOP); Pedro Sussekind (UFF); Rogério Lopes (UFMG); Rodrigo Duarte (UFMG); Romero Alves Freitas (UFOP); Slavoj 2ek (Liubliana), Vladimir Safatle USP) ras Lire Cordova Renata Sih Alberto Bittencourt o1acnaneacéo Jairo Alvarenga Fonseca Dados Internacionais de Catalogacao na Publicacao (CIP) Editora, 2015. (Colecao FidvEstética) (Camara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Pensaraimagem /Ermanuel Aloe... e.BeloHonzonte: Autenca | 1. Arte -Filosoha 2. Estética 3 Imagem 4, Percepgao visual. Alloa | Emmanuel 15.03707 co0-700.1 4 aiogo sistemstico px0 weal Arte: Ensaios 700.1 Bow svrentca Belo Horizonte Sao Paulo Rua Amores, 92, Sea 2 Paulista, 2073, Cc . 30140.071 eo eae Howsa 1 23 andar Cony 2868 Tel. (55 31) 3270 Tele 01211-940 San F Sumario 7. Introdugdo - Entre a transparéncia e a opacidade — 0 que a imagem dé a pensar Emmanuel Alloa 1. O lugar das imagens 23 Aquilo que se mostra. Sobre a diferenca icénica Gottfried Boehm 39. A imagem entre proveniéncia e destinagao Marie-José Mondzain 55. Imagem, mimesis & méthexis Jean-Luc Nancy . Perspectivas histéricas x ~ Fisica do sensivel - pensar a imagem na Idade Média Emanuele Coccia © @ Da idolologia. Heidegger e a arqueologia de uma ciéncia esquecida Emmanuel Alloa 115. Ajanela e o muxarabi: uma histéria do olhar entre Oriente e Ocidente Hans Belting Il. A vida das imagens 141. Maos pensantes ~ consideracées sobre a arte da imagem nas ciéncias naturais Horst Bredekamp 165. O que as imagens realmente querem? W. J. T. Mitchell 191, As imagens querem realmente viver? Jacques Ranciére ff 205. 227. 231. 235. IV. Restituigées Devolver uma imagem Georges Didi-Huberman llustrag6es Sobre os autores Sobre os tradutores 4 A O que as imagens realmente querem? W. J. T. Mitchell Traduzido do inglés por Marianna Poyares As perguntas sobre imagens que dominam os trabalhos recentes em cultura visual e historia da arte tém sido interpretativas e retéricas. Queremos saber 0 que significam as imagens e 0 que fazem, 0 modo como elas se comunicam como signos e simbolos, que tipo de poder elas tém de afetar as emogées e 0 comportamento humano. Quando. se levanta a questo do desejo — normalmente localizado nos produ- tores e consumidores de imagens ~, a imagem é tratada ou como uma expresso do desejo do artista ou como um mecanismo para suscitar os desejos do espectador. Neste ensaio, gostaria de deslocar 0 desejo para as proprias imagens e perguntar o que elas querem. Tal pergunta certamente nao significa um abandono das questdes iriterpretativas e ret6ricas, mas permitir4 considerar diferentemente, espero, a questio acerca do poder e significado pict6ricos. Também nos auxiliaré a nos apossarmos da mudanga fundamental ocorrida na histéria da arte e em outra disciplina chamada de cultura visual (visual culture) ou estu- dos visuais (visual studies),' que tenho associado a virada pictérica da cultura intelectual tanto popular quanto erudita. Para poupar tempo, quero partir do pressuposto de que somos capazes de suspender nossa descrenga a respeito das premissas da Visual culture ou visual studies, comumente traduzido para 0 portugués por cultura visual ou estudos visuais, € uma area de conhecimento relacionada aos estudos cul- turais, histéria da arte ¢ teoria critica, dedicada ao estudo da rela¢do entre cultura e imagem. (N.T.) 165 pergunta “O que as imagens querem?”. Estou ciente de se tratar de uma pergunta estranha e mesmo passivel de questionamentos. Tam- bém estou ciente de que solicita uma subjetivagio das imagens, uma personificacio ambigua de objetos inanimados, que flerta com uma atitude regressiva e supersticiosa com relacao as imagens e que, se tomada seriamente, nos levaria de volta a praticas como totemismo, fetichismo, idolatria e animismo. Sio praticas consideradas primitivas ou infantis pela maior parte dos individuos esclarecidos quando trata— das em sua forma original (por exemplo, adorar objetos materiais ou tratar objetos inanimados, como bonecas, como se estivessem vivos) ou em suas manifestagdes modernas (fetichismo, tanto de commodit es quanto de perversio neurética) Tambéin estou perfeitamente ciente de que a pergunta pode soar como uma apropriagio de mau gosto de uma questio normalmente reservada a outros individuos, particularmente aqueles que tém sido objeto de discriminagio, vitimados por imagens preconceituosas, identificados com estereétipos ou caricaturas. A pergunta de certo modo ecoa toda a investigagio a respeito do desejo do Outro despre- zado ou menosprezado, da minoria ou do subalterno, que tem sido tao central para os estudos modernos sobre género, sexualidade e etnia.? “O que quer o negro?” é a pergunta levantada por Frantz Fanon (1967, p. 8), arriscando a reificagio da masculinidade e negritude em uma s6 formula. “O que querem as mulheres?” foi a pergunta que Freud no péde responder.’ Mulheres e negros tm lutado para responder diretamente tais perguntas, em articular seu préprio desejo. E dificil Transferit as imagens de caracteristicas préprias 3s minorias ¢ aos subalternos seré uum tema central paraa sequéncia do texto. Poderfamos partir de uma reflexdo acerca da famosa pergunta de Gayatri Spivak (1988) “Pode 0 subalterno falar?”. A resposta de Spivak é “no”, uma resposta que ecoa quando imagens sio tratadas como signos silenciosos ou mudos, desprovidos de fala, sonoridade ou negagio (nesse caso a resposta a nossa pergunta seria: as imagens querem uma voz, uma poética de enunciagao). Uma anilise da situacio de “menoridade” da imagem pode ser encontrada nas ob- servagdes de Deleuze (1977, p. 109, 159) acerca da forma segundo a qual 0 processo poético introduz o mutismo nas imagens, produzindo “uma linguagem de imagens, ressoando e colorindo-as”, “cavando buracos” na linguagem “através de um siléncio ordinario, quando as vozes parecem terem se calado”. (N.A.) Ernest Jones relata que Freud uma vez exclamou a princesa Maria Bonaparte “Was will das Weiss?” (“O que quer a mulher?") (GAY, 1989, p. 670). (N.A.) 166 FILBESTETICA imaginar como imagens podem fazer 0 mesmo ou como qualquer questionamento desse tipo pode ser mais do que apenas um ventrilo- quismo mal-intencionado ou, na melhor das hipéteses, inconsciente — como se Edgar Bergen perguntasse a Charlie McCarthy “o que querem as marionetes?”* Nao obstante, gostaria de proceder como se a pergunta valesse a pena ser feita, por um lado, como um tipo de experimento de pen- samento, simplesmente para ver o que sucede e, por outro, pela con- vicgdo de se tratar de uma pergunta que ja estamos fazendo, que nao podemos evitar e que, portanto, merece ser analisada. Os precedentes de Marx ¢ Freud me encorajam, uma vez que ambos consideravam necessrio que as ciéncias sociais e a psicologia modernas tivessem que lidar com as questées do fetichismo e do animismo, com a subjetivi- dade dos objetos, a pessoalidade das coisas.* As imagens sao marcadas Por todos 08 estigmas prdprios 4 animagio e 4 personalidade: exibem corpos fisicos ¢ virtuais; falam conosco, as vezes literalmente, as vezes, figurativamente; ou silenciosamente nos devolvem o olhar através de um abismo-nao conectado pela linguagem.‘ Elas apresentam nio apenas uma superficie, mas uma face que encara o espectador. Ainda que Marx e Freud tratem 0 objeto personificado, subjetivado e ani- mado com profunda suspeita, subordinando seus respectivos fetiches 4 critica iconoclasta, acabam por gastar grande energia em detalhar 0s processos pelos quais a vida dos objetos produzida na experién- cia humana. E, ao menos no caso de Freud, trata-se tle uma questio realmente importante a possibilidade de uma “cura” da doenga do Edgar Bergen era um célebre ventriloquo americano e Charlie McCarthy uma de suas marionetes. (N.T.) Ao afirmar que as imagens tém certas caracteristicas da pessoalidade, trago a questio acerca do que é uma pessoa. Qualquer que seja a resposta 4 pergunta, deverd levar em conta o que é que hi nas pessoas que torna possivel que as imagens as representem € as imitem. A argumentagio poderia iniciar-se pela origem da palavra per-sonare Goar através), que funda a figura da pessoa nas mascaras usadas na tragédia grega. Em sum, pessoas e personalidades podem ter suas caracteristicas derivadas de imagens bem como as imagens derivam suas caracteristicas de pessoas. (N.A.) Estou citando aqui o comentério de John Berger (1980, p. 3) sobre o olhar do animal (“a gulf unbridged by language”) em seu clissico ensaio “Why look at animals”. ‘Mais sobre esse asstunto em meu texto “Looking at animals looking” (MITCHELL, 1994, p, 329-344). (N.A)) W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 167 fetichismo.’ A minha posigao é a de que 0 objeto subjetivado, anima- do, de uma forma ou de outra, é um sintoma incuravel, e que tanto Marx quanto Freud devem ser tomados como guias 4 compreensio desse sintoma para, talvez, sua transforma¢io em algo menos danoso € patolégico. Resumidamente, estamos presos a nossas atitudes magicas € pré-modernas frente a objetos, especialmente frente as imagens, € nossa tarefa ndo é superar tais atitudes, mas compreendé-las, para entao lidar com sua sintomatologia. O tratamento literario das imagens é bastante ousado na cele- bracao de sua personalidade e vitalidade misteriosas, muito provavel- mente porque a imagem literdria no solicita ser encarada diretamente, mas encontra-se distanciada pela mediagio da linguagem. Retratos magicos, m&scaras, espelhos, estatuas vivas ¢ casas mal-assombradas estdo por toda parte nas narrativas literdrias, tanto moderna quanto contemporinea, e a aura dessas imagens imaginirias infiltra-se nas relagSes profissionais ¢ cotidianas com imagens reais.® Os historia- dores da arte podem “saber” que as imagens que estudam sio apenas objetos materiais que foram marcados por cores e formas, mas eles frequentemente falam e agem como se as imagens tivessem senti- mentos, vontade, consciéncia, agéncia e desejo.” Todos sabem que 7 Freud (1961, p. 152-157) aborda o fetichismo sublinhando que se trata de um sintoma notoriamente satisfatério € que seus pacientes raramente reclamam dele. (N.A.) "Imagens magicas e objetos animados sio caracterfsticas especialmente notiveis do romance europeu do século XIX, aparecendo nas paginas de Balzac, Brontés, Edgard Allan Poe, Henry James ¢, claro, por toda parte no romance gético (ZIOLKOWSKI, 1977). Como se, a partir do encontro com sociedades fetichistas tradicionais ou pré-modernas ~ ¢ sua destruigio =, houvesse se produzido nos espagos domésticos vitorianos um ressurgimento pés-iluminista de objetos subjetivizados. (N.A.) ° Adocumentacio completa do tropo da obra de arte personificada e viva no discurso histérico-artistico ocidental necessitaria um ensaio & parte. Tal ensaio poderia comegar considerando o status do objeto de arte nos trés “pais” candnicos da historia da arte: Vasari, Winckelmann e Hegel. Suspeito que as narrativas progressivas e teleolégicas sobre a arte ocidental nfo sio primordialmente focadas na conquista da aparéncia ¢ no realismo visual, como se pensa, mas na “vida” e “animacio"(para usar os termos de Vasari) sio insufladas nos objetos. O tratamento oferecido por Winckelmann a midia artistica como agente de seu proprio desenvolvimento hist6rico e sua descri- 40 do Apolo de Belvedere como um objeto tio carregado de animo divino que transforma espectador em uma figura do Pigmaledo, uma estatua tornada viva, serd 0 foco central de tal ensaio, assim como 0 tratamento que Hegel faz do objeto artistico como uma coisa material que recebeu o “batismo do espirito”. (N.A,) 168 FILBESTETICA uma foto de sua mie nao é algo vivo, mas relutariam em destrui-la. Nenhum individuo moderno, racional e secular considera que ima- gens devem ser tratadas como pessoas, mas sempre estamos dispostos a fazer algumas excegdes para casos especiais. Tal atitude nio esta restrita a valiosas obras de arte ou imagens que possuam um significado pessoal. Todo executive do ramo da propaganda sabe que algumas imagens, para usar © jargio, “tém pernas’"” ~ ou seja, tém a surpreendente capacidade de gerar novas diregdes e torgdes em uma campanha, como se tivessem inteligéncia € propésitos proprios. Quando Moisés pede a Aariio que explique como fez 0 bezerro de ouro, Aarao responde que simplesmente jogou © ouro dos israelitas no fogo e “saiu este bezerro” como se fosse um autémato autogerado.” Evidentemente, alguns idolos também “tém pernas”.”"/A ideia de que as imagens tém um poder social ou psicolé- gico proprio 6, de fato, 0 cliché reinante nos estudos contemporineos em cultura visual. A alegacdo que vivemos em uma sociedade do espeticulo, vigilncia e simulacro nao é uma mera intuigio da critica cultural. Mesmo um {cone do esporte e da propaganda como André Agassi pode afirmar que “imagem é tudo” ¢ ser compreendido como alguém que fala nio apenas a respeito das imagens, mas pelas imagens, como alguém que é, ele préprio, “nada mais do que uma imagem”. Nao ha nenhuma dificuldade, portanto, em demonstrar que a ideia de uma personalidade das imagens (ou, no minimo, um ani- mismo) encontra-se tio viva no mundo moderno quanto outrora em sociedades tradicionais. A dificuldade esta em saber 0 que dizer a seguir. Como as atitudes tradicionais frente a imagens — idolatria, ‘© Expresso prépria do ramo da propaganda, tradugdo da expresso inglesa have legs., (NT) " Pier Bori sublinha que o relato acerca do “autoengendramento” do bezerro era uma parte crucial da expiagio da culpa de Aarao (e da condenagio do povo judeu) pelos pais da Igreja. Macirio, 0 Grande, por exemplo, descreve 0 ouro atirado a0 fogo “transformado em idolo como se o fogo imitasse a decisio [do povo]” (BORI, 1990, p. 19). (N.A) "? Ou asas, Meu colega Wu Hung me afirma que as estatuas voadoras do Buda sio um fenémeno comum nas lendas chinesas. (N.A.) ° © autor se refere a uma propaganda de maquinas fotograficas Cannon do inicio dos anos 1990 estrelada pelo tenista André Agassi. (N:T.) W. J.T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 169 oa fetichismo e totemismo — sio recolocadas na sociedade moderna? Seria nossa tarefa, como criticos da cultura, desmistificar essas ima- gens, destruir fdolos modernos, expor os fetiches que escravizam os individuos? Ou seria nossa tarefa discriminar 0 verdadeito do falso, 0 saudavel do doentio, o puro do impuro, imagens boas de imagens mAs? Sera que as imagens sio um terreno onde ocorrem disputas politicas, onde uma nova ética pode ser articulada? Ha uma enorme tentagdo em responder tais perguntas com um ressonante “sim” ¢ tomar a critica da cultura visual como uma estratégia direta de intervengio politica. Esse tipo de critica procede expondo as imagens como agentes de dano e manipulagio ideolgica. Em um extremo encontra-se a tese de Catherine McKinnon (1987, p. 172-173 & 192-193), segundo a qual a pornografia nio é apenas a representacao da violéncia e da degradagao da mulher, mas um ato de degradagao violenta ¢ que, portanto, imagens pornogrificas — espe- cialmente fotografias ¢ imagens cinematograficas ~ so, elas proprias, agentes dessa violéncia. Existe também o argumento familiar e menos controverso na critica politica da cultura visual: 0 cinema hollywoo- diano constréi a mulher como um objeto do “olhar masculino”; as massas iletradas sio manipuladas pelas imagens da midia visual e da cultura popular; pessoas de cor sao sujeitadas 4 esterestipos graficos ¢ 4 discriminagdo visual racista; museus de arte sio uma forma hibrida de templo religioso e banco, nos quais os fetiches da mercadoria si0 exibidos em rituais de adoragio publica, designados a produzir mais- valia estética e econdmica. Ainda que todos os argumentos anteriores tenham algum grau de verdade (eu mesmo sou responsavel por formular muitos deles), ha algo de radicalmente insatisfatério neles. Talvez o problema mais ébvio seja que a exposicio e demolicio critica do poder vil das imagens é to facil de ser realizada quanto ineficaz. Imagens sio antagonistas cionar-se contrariamente a elas politicas populares, pois é possivel p €, no entanto, no final das contas tudo permanecera praticamente idéntico.* Amplos sistemas podem ser depostos, um apés 0 outro, “Um forte exemplo dessa politica de sombras é a indistria de testes psicolégicos destinados a provar que os jogos de videogame sio causadores de violéncia juvenil Enormes quantias de dinheiro publico sio gastas anualmente em “pesquisas” (sid) 170 FILOESTETICA sem que isso surta nenhum efeito na cultura visual ou politica. No aso de McKinnon o brilhantismo, paixao ¢ futilidade da empreitada so evidentes. As energias de uma politica progressista e humana, que busca justiga social e econdmica, estariam sendo realmente bem empregadas em uma campanha que tem como objetivo erradicar a pornografia? Ou tal empreitada seria, no melhor dos casos, um mero sintoma de frustragio politica e, no pior, um desvio da energia politica progressista pela colaboracao com formas diibias de reagio politica? Ou, melhor dizendo, o tratamento que McKinnon oferece as ima- é um tipo de testemunho de nossa gens, como se tivessem agénci incorrigivel tendéncia a personificar ¢ animar imagens? A futilidade politica poderia levar-nos 4 reflexdo iconolégica? Em todo caso, é tempo de puxar as rédeas dos argumentos acerca das consequéncias politicas da critica 4 cultura visual e de moderar nossa ret6rica sobre o “poder das imagens”. Certamente, as imagens nao séo desprovidas de poder, mas podem ser muito mais frageis do que supomos. O problema é refinar e complexificar nossa estimativa acerca desse poder e do modo como ele se exerce. E por esse motivo que estou deslocando a pergunta de 0 que as imagens fazem para o que elas querem, do poder para oUesejo) do modelo de poder domi- nante, ao qual devemos opor, a6 modelo do subalterno que deve ser interrogado ou, melhor, convidado a falar. Se o poder das imagens é como 0 poder dos fracos, isso poderia explicar por que seu desejo é tio forte: para compensar sua impoténcia. Como critigos, gostaria~ nfos que as imagens fossem mais fortes do que vertidehramsedie sio para, assim, conferirmo-nos uma sensagio de poder ao confronté—las, expé-las ¢ aclamé-las. Por outro lado, o modelo subalterno das imagens revela a dialé- tica entre poder e desejo nas relagdes com as imagens. Quando Fa- non reflete a respeito da negritude, a descreve como uma “maldi¢io corporal” arremessada na imediatidade do encontro visual: “Othe, sobre o impacto de videogames, apoiadas por interesses politicos que preferem um. bode expiatério icénico, “cultural”, do que atengio aos verdadeiros instrumentos da violéncia, a saber, armas de fogo. Para maiores detalhes, ver conferéncia proferida na Universidade de Chicago, “Playing By The Rules: The Cultural Policy Challenges of Video Games”, parte do evento The Arts and Humanities in Public Life, em 26 € 27 de outubro de 2001. (N.A) W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 171 um negro!” (FANON, 1967, p. 109). Mas a construgio do estereétipo racial e racista no é um simples exercicio da imagem como técnica de dominagio. Antes, trata-se da atadura de um né que une tanto © sujeito quanto 0 objeto do racismo em um complexo de desejo € édio."® A violéncia ocular do racismo parte seu objeto em dois, tornando-o simultaneamente hipervisivel ¢ invisivel,"* um objeto de “abominagio” e “adoragio”, nas palavras de Fanon.” Abominacao e adoragao sio precisamente os termos usados na Biblia para condenar a idolatria: é exatamente pelo fato de 0 idolo ser adorado que deve ser abominado pelo iconofdbico. O idolo, como 0 homem negro, é to desprezado quanto adorado, desvalido por ser insignificante, um escravo, e termido por ser uma forga desconhecida ¢ sobrenatural. Se a forma mais dramatica do poder da imagem na cultura visual é a idolatria, ela também é uma fora consideravelmente ambivalente ¢ ambigua. Enquanto a visualidade ¢ a cultura visual estiverem infec- tadas por um tipo de “culpa por associag40” com a idolatria e o mau- olhado do racismo, nio é de se admirar que o historiador e intelectual Martin Jay (1993) possa considerar o proprio “olho” constantemente “baixo”” na cultura ocidental, ¢ a visio repetidamente “denegrida”. Se as imagens sio pessoas, entio, sio pessoas de cor, marcadas, ¢ 0 esciindalo da tela completamente branca ou preta, da superficie em branco, sem marcas, apresenta uma face bastante diferente > ‘Son "© Para uma anilise sobre esse “nd” (double bind), ver Homi Bhabha, “The Other Ques- tion: Stereotype, Discrimination and Discourse of Colonialism” (1994, p. 66-84). (N.A) © romance The Invisible Man, de Ralph Ellison, trata desse paradoxo: é exatamente Por ser hipervisivel que o homem invisivel (em outro sentido), invisivel. (N.A.) "’ “Para nés, o homem que adora o Negro ¢ tao doente quanto aquele que o abomi- na"(FANON, 1967, p. 8). (N.A.) '* Ver, por exemplo, 0 caso do idolo de Astoreth (Reis 23:13 / Isaias 4: on-line do Dicionario Oxford de Inglés oferece uma etimologia duvidosa: “Abo- mindvel (abominable), comumente escrito abominable, ¢ explicado como ab homine, “afastado do homem, inumano, bestial”. A associagdo da imagem animada com bestas é, suspeito, um trago caracteristico do desejo pictérico. Abominagio também é um termo regularmente aplicado a animais impuros ou malditos na Biblia. Sobre o idolo como uma imagem monstruosa, composi¢ao impossivel de formas que combinam caracteristicas humanas ¢ animais, ver Carlo Ginzburg (1994, p. 55, 67). (N.A.) 9). A versio © Da expressio inglesa downcast eyes, utilizada por Martin Jay (1993). (N.A.) 172 FILBESTETICA Quanto ao género das imagens, est4 claro que a concepgio- padrao € que estas sejam femininas. Segundo © historiador da arte Norman Bryson (1994, p. xxv), as imagens “constroem sua audiéncia ao redor de uma oposigdo entre a mulher como imagem ¢ o homem, como 0 portador do olhar” — no imagens de mulheres, mas imagens como mulheres.*” A pergunta “o que as imagens querem?” é, portanto, mulheres?”. Muito antes de insepardvel da pergunta “o que querem a Freud, “O conto da mulher de Bath”, de Chaucer, coloca em cena uma narrativa construida em torno do questionamento “o que as mu- Theres mais desejam?”. A pergunta é posta a um cavaleiro condenado pelo estupro de uma dama da corte, a quem foi concedido um ano de suspensio da execugio de sua pena de morte para que va em busca da resposta correta. Caso ele retorne com a resposta errada, a sentenga de morte seri executada. O cavaleiro recebe muitas respostas erradas das mulheres que entrevista: dinheiro, reputacio, amor, beleza, belas roupas, prazer na cama, admiradores. A resposta correta, no entanto, & maistrye, termo do inglés medieval que indica a ambiguidade entre a dominagio de direito ou por consentimento e 0 poder advindo de uma forga superior ou astiicia.2! A moral do conto de Chaucer é que 0 dominio consensual, livremente outorgado, é melhor, mas o narrador do conto, a cinica e mundana mulher de Bath, sabe que o que as mulheres querem (ou seja, 0 que lhes falta) é poder, e que elas © tomario da forma que for. Qual é a moral para as imagens? Caso se pudeige entrevistar todas as imagens que se encontre em um ano, quais respostas elas da~ riam? Certamente, muitas imagens dariam as respostas “erradas” do conto de Chaucer, isto é, as imagens pediriam um alto valor para si, serem admiradas ¢ louvadas por sua beleza, adoradas por muitos aman- tes. Mas, acima de tudo, elas gostariam de exercer alguma maestria (maistrye) sobre o espectador. O critico e historiador da arte Michael Fried resume a “convengio primordial” da pintura nos seguintes ter- mos: “uma pintura deve, primeiramente, atrair 0 espectador, depois % Um texto central acerca do género da imagem ¢ do olhar é, certamente, o “Visual Pleasure and Narrative Cinema” de Laura Mulvey (1975). (N.A.) * Meus agradecimentos a Jay Schleusener por sua ajuda com a nogio chauceriana de imaistrye. (N.A.) W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 173 prender seu olhar e finalmente encanta-lo. Uma pintura deve cha- mar o espectador, paralisé-lo e sustentar sua aten¢io, como se o espectador estivesse impossibilitado de mover-se, como se estivesse enfeitigado” (FRiED, 1990, p. 92). Em suma, o desejo da pintura € trocar de lugar com 0 espectador, fixa-lo em seu lugar, paralisi-lo, tornando-o assim uma imagem para o olhar da pintura, 0 que po- deriamos chamar de “efeito Medusa”. Esse efeito é, provavelmente, a demonstragdo mais clara que temos que o poder das imagens e © poder das mulheres so modelados um A semelhanga do outro, e que se trata de um modelo, tanto de imagens quanto de mulheres, abjeto, mutilado e castrado.2 © poder que desejam é manifestado como falta ¢ nao como possessio. Sem diivida, poderiamos estabelecer uma rela¢io entre imagens, feminilidade e negritude de forma muito mais elaborada se relacio- nassemos outras variagdes da subalternidade das imagens com outros modelos de género, identidade sexual, local cultural, e até mesmo de identidade entre espécies (suponha, por exemplo, que os desejos das imagens fossem modelados a partir dos desejos dos animais? O que Wittgenstein queria dizer com suas frequentes referéncias a certas penetrantes metéforas filos6ficas como “imagens queer”?*°). Mas, pelo momento, gostaria simplesmente de retornar ao questionamento de Chaucer e ver 0 que acontece se questionarmos as imagens a respeito de seus desejos em vez de simplesmente olharmos para elas como veiculos de significados ou instrumentos de poder. Comecemos por uma imagem que é como um livro aberto, 0 famoso cartaz de recrutamento do exército norte-americano durante a Primeira Guerra Mundial, Uncle Sam, de James Montgomery Flagg (Fig, 1). Trata-se de uma imagem cuja demanda e mesmo seu desejo parecem ser absolutamente claros, focados em um objeto especifico: ® Ver Neil Herz (1983) e minha argumentagio acerca da Medusa em Mitchell (1994, p. 171-177). (N.A) 2 No entanto, 0 termo queer, como utilizado por Wittgenstein (1953, p. 79-80 ¢ 83-84), nao significa de forma alguma perverso (widernatiirlich), mas sim algo absolutamente natural (ganz natiirlich), ainda que estranho (seltsam) ou curioso (merkwurdig). (N.A.) Na traducio inglesa, os vocabulos alemies supracitados sio traduzidos por queer. A diferenciagio de significados é estabelecida por Mitchell e nio por Anscombe, tradutor para o inglés desta obra de Wittgenstein. (N.T.) 174 FILBESTETICA , tar.*O objetivo imediato da imagem parece ser uma versio do efeito Medusa: “vocé”, ou seja, jovens homens admissiveis para o servigo mi ela interpela © espectador verbalmente e tenta paralisa-lo com seu olhar penetrante € (seu elemento pictérico mais extraordinério) com © efeito de proximidade de sua mio e seu dedo que aponta ao espec- tador, acusando-o, designando-o e comandando-o. Mas 0 desejo de paralisé-lo nao passa de um objetivo transitério e momentineo. Seu objetivo a longo prazo é emocionar e mobilizar 0 espectador, envié-lo ao “posto de alistamento mais préximo” e, finalmente, fazer com que atravesse © oceano para lutar e, possivelmente, morrer por seu pais. ! FOR U. S.ARMY NEAREST RECRUITING STATION Figura 1 - Montgomery Flagg, Uncle Sam “Quero vocé para 0 exército dos Estados Unidos. Posto de alistamento mais préximo” * Invoco aqui a distingao lacaniana entre desejo, demanda e necessidade. Jonathan Scott Lee (1991, p. 58) oferece uma glosa interessante: “desejo é aquilo que é manifesto no intervalo em que a demanda o esvazia, é[...] aquilo que ¢ evocado por uma demanda para além da necessidade por ela articulada”, Ver também Slavoj Zizek (1992, p. 134). Certamente, o verbo “querer” pode sugerir qualquer um desses significados (desejar, demandar, necessitar), dependendo do contexto. Zizek me fez perceber que seria perverso ler 0 “Eu quero vocé” do Uncle Sam como “Eu desejo vocé” ¢ nio como. uma expressio de necessidade ou demanda. No entanto, em breve ficari evidente 0 quo perversa é essa imagem! (N.A.) J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 175 Até aqui temos feito uma leitura do que poderfamos chamar de signos manifestos do desejo positivo. O gesto do dedo apontado é um elemento frequente nos cartazes de recrutamento modernos (Fig. 2). artaz alemao de recrutamento, 1915-1916, Staatsgalerie Stutgart Figura 2~ Para avangarmos, precisamos perguntar a imagem o que deseja, no sentido do que lhe falta. Aqui 0 contraste entre o cartaz norte-a- mericano € 0 cartaz alemao é esclarecedor: esse tiltimo mostra um jjovem soldado saudando seus irmios, chamando-os para se juntarem 4 fraternidade da morte honrosa no campo de batalha. Em contraste, Unele Sam, como 0 nome indica, estabelece uma relagio mais ténue ¢ sutil com o potencial recruta. Trata-se de um homem velho, desprovido do vigor da juventude indispensavel para o combate e, talvez ainda mais importante, da conexao sanguinea direta que a imagem da patria poderia evocar. Ele chama jovens rapazes para lutar e morrer em uma guerra na qual nem ele nem seus filhos participario. Tio Sam nao tem filhos, 176 FILBESTETICA apenas sobrinhos, sobrinhos da vida real (real life nephews) como coloca George M. Cohan. Tio Sam é estéril, um tipo de imagem abstrata, um cartaz que nio possui sangue ou corpo, mas que personifica a na- gio, pede o corpo e sangue dos filhos de outros homens. E apropriado, portanto, que ele seja um descendente pictérico das caricaturas brit nicas do Yankee Doodle, uma figura ridicula que adornou as paginas da revista Punch ao longo do século XIX. Seu ancestral mais longinquo € uma pessoa real: “Tio” Sam Wilson, um fornecedor de carne para o exército americano durante a Guerra de 1812. Podemos imaginar uma cena onde © protétipo original do Tio Sam esteja se dirigindo, nio a um grupo de jovens, mas ao gado prestes a ser abatido. Nao é de se admirar que essa imagem tenha sido tio prontamente apropriada para uma inversio parédica na figura do Uncle Osama, incitando os jovens norte-americanos a irem para a Guerra do Iraque (Fig. 3). Figura 3 ~ Tom Paine, Uncle Osama, 2002 “Quero que vocé invada o Iraque” % George M. Cohan foi autor da masica “Yankee Doodle Dandy”, cujos primeiros versos sio: “I'm a Yankee Dloodle Dandy / A Yankee Doodle, do or die / A real live nephew of my Uncle Sam's /Born on the Fourth of July”. (N-T.) 26 Punch, fundada em 1941, era uma célebre revista britinica de humor, respons4vel pela popularizacao das charges satiricas, ou cartoons. Seu dltimo exemplar foi publicado em 2002. (N.T.) W, J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? v7 Entio, © que quer essa imagem? Uma anilise completa nos levaria as profundezas do inconsciente politico de uma nagio ima ginada como uma abstragio desencarnada, um regime iluminista de leis e nio de homens, de principios e nao de relagdes sanguineas, efetivamente encarnada como um lugar onde velhos brancos alistam Jjovens de todas as racas (incluindo um nimero desproporcional de pessoas de cor) para lutarem suas guerras. O que falta a esta nagio, real e imaginaria, é carne — corpos e sangue — e, para obté-los, envia um homem oco, um fornecedor de carne, ou talvez apenas um artista. Afinal, o modelo do cartaz é o préprio James Montgomery Flagg. Tio Sam 6, portanto, o autorretrato do patriota artista norte-americano vestindo as cores da bandeira, reproduzindo a si mesmo em milhées de impressdeb;idénticas — um tipo de fertilidade que est4 disponivel as imagens e aos artistas. A “desencarnagao” dessa imagem produzida em massa contrasta-se com stia encarnagio € localizagio como imagem” relacionada a postos de alistamento (¢ corpos de recrutas) espalhados por todo o pais. Dado esse pano de fundo, pode parecer surpreendente que o cartaz tenha tido qualquer poder ou efetividade como instrumento de recrutamento e, de fato, seria muito dificil saber qualquer coisa a respeito do poder real da imagem. © que podemos descrever, no entanto, é a construgio do seu desejo em relagdo a fantasias de poder € de impoténcia. Talvez a combinagao da sutil inocéncia da imagem quanto a sua esterilidade anémica, com suas origens no comércio e caricatura, forme um simbolo apropriado dos Estados Unidos. Por vezes a expressio de um querer significa antes uma falta do que © poder de comandar ou exigir, como no caso do cartaz promo- cional da Warner Brothers para o filme The Jazz Singer de Al Jolson (Fig. 4), cujo gestual evoca stiplica ou rogo, declaragdes de amor por uma “mie preta”® ¢ uma audiéncia que deve ser encaminhada para o cinema e nao para um posto de recrutamento. O que essa imagem quer, diferentemente do que ela pede, é uma relagio estavel entre imagem e fundo, uma demarcacio entre corpo e espago, pele e roupa, exterior € ® A relagio entre a imagem desencarnada, sem corpo, ea imagem concreta é abordada no capitulo 4 de Mitchell (2005). (N.A.) * Do inglés mammy, uma ama de leite negra que serve s criangas brancas. (N.T) 178 FULDESTETICA interior. Essa demarca Jo é exatamente 0 que a imagem nio pode ter, pois os estigmas racial e corporal se dissolvem em um vai ¢ vem de espagos pretos e brancos que se alternam ¢ tremulam frente a nossos olhos, como um medium cinematografico € a cena que promete a farsa racial. Como se essa farsa finalmente se reduzisse a uma fixagio nos olhos, boca € mos fetichizadas como portées iluminados entre 0 homem visivel orificios ¢ Srgos do corpo como zonas de indistinga ¢ invisivel, brancura interna ¢ negritude externa. “I am black but O my soul is white” (sou negro mas minha alma é branca), diz William Blake, mas as janelas da alia estio triplamente inscritas nessa imagem como ocular, oral e tactil — um convite para ver, sentir ¢ falar para além do véu da diferenga racial. Tal como afirma Lacan, o desejo que a imagem desperta em nosso olhar é exatamente aquilo que nio pode mostrar. Tal impoténcia é 0 que lhe confere seu poder especifico. Figura 4 ~ Cartaz de Al Jolson para The Jazz Singer, 1927, Warner Brothers O desaparecimento do objeto de desejo visual em uma imagem é por vezes o elemento caracteristico da produgao de espectadores, como no caso da miniatura bizantina do século XI (Fig. 5). A figura de Cristo, como a do Uncle Sam ou a de Al Jolson, se dirige diretamente W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 179 ao espectador, aqui com os versos do Salmo 77: “Escuta, meu povo, meu ensinamento: emprestem suas orelhas as palavras de minha boca”. . © que se mostra claramente, no entanto, pelas evidéncias fisicas da imagem, é que as orelhas ndo se inclinaram tanto as palavras da boca, quanto bocas foram pressionadas nos labios da imagem, desgastando sua face até o limiar do seu desaparecimento. Sio espectadores que seguiram 0 conselho de Joo Damasceno: “acolher as imagens com olhos, labios € coracio”.? Como no caso do Uncle Sam, essa imagem ~ deseja 0 corpo, sangue ¢ espirito do espectador; diferentemente do + Uncle Sam, ela entrega seu préprio corpo no encontro, em um tipo 4 de reatualizacio pictérica do sacrificio da eucaristia. A desfiguracio da imagem nao é uma profana¢ao, mas um signo de devogio, um e reposicionamento do corpo pintado no corpo do espectador. Figura 5 ~ Cristo pantokrator,¢. 1084, Manuscrito iluminado apagado pelos beijos dos figis. Dumbarton Oaks, Washington D.C. * Para uma discussio mais aprofundada, ver Nelson (1992). (N.A.) 180 FILBESTETICA c Expresses diretas de desejo pictérico como essas sao geralmente associadas a modos “vulgares” de constituigio da imagem — publicidade comercial, propaganda politica ou religiosa. A figura como subalterna langa um apelo ou emite uma demanda cujos efeito e poder emergem de um encontro intersubjetivo composto por signos de desejo positivo e tragos de falta ou impoténcia. Mas ¢ a obra de arte como tal, 0 objeto estético do qual se espera autonomia em sua beleza ou sublimidade? Michael Fried fornece uma resposta na qual argumenta que a emergéncia da arte moderna deve ser entendida em termos de nega¢io ou rendncia a signos diretos do desejo. O proceso de sedugio pictérica admirado por Fried é 0 indireto, aparentemente indiferente frente ao espectador, teatralmente absorto em seu proprio drama interior. O tipo especifico de imagens que o cativa obtém 0 que quer exatamente por fingir no querer nada, simular possuir tudo aquilo que necesita. As discusses de Fried em torno das obras Bolas de sabao de Jean-Baptiste-Siméon Chardin (Fig. 6) e A balsa da Medusa de Théodore Géricault (Fig. 7) devem ser tomadas como casos exemplares, pois nos mostram que a quest’io nao se reduz simplesmente ao que as figuras parecem querer, aos signos legiveis do desejo que transmitem. Figura 6 —Jean-Bapriste-Siméon Chardin, Bolas de Sabao, c. 1739 Nova lorque, Museu Metropolitano de Arte W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 181 Figura 7 ~ Théodore Géricault, A balsa da Medusa, 1819, Museu do Louvre O desejo pode ser contemplative ou hipnético, como em Bolas de sabaéo, onde-o globo brilhante e tremulante absorve a figura, tornan- do-se “o correlato natural da propria imersio [de Chardin] no ato de pintar e um espelhamento do que ele acreditava que seria a absorgio do espectador frente ao trabalho finalizado” (FRIED, 1990, p. 51). Esse desejo pode também ser violento como em A balsa da Medusa, onde os esforgos dos homens na balsa devem ser compreendidos nio apenas em relagio 4 composigao interna do quadro ¢ ao navio no horizonte que vem socorré-los, mas sim “como a necessidade de escapar a nosso olhar, de pér um fim a nossa contemplagio ¢ serem resgatados da inexorivel presenga que ameaca teatralizar seus softimentos” (p. 153). O estagio final desse tipo de desejo pictérico corresponde, me parece, a0 purismo da abstrago modernista cuja negagio da presenga do espectador é articulada pelo teérico Wilhelm Worringer em sua obra Abstraction and Empathy e concretizada, em sua versio final, nos quadros brancos do jovem Robert Rauschenberg, cujas superficies eram consideradas pelo artista como “membranas hipersensitivas [...] registrando mesmo o mais sutil fendmeno em suas peles esbran- quicadas” (Jones, 1993, p. 647). Pinturas abstratas so imagens que nio querem ser imagens, que desejam ser liberadas de seu tornar-se 182 FILBESTETICA imagem. Mas 0 desejo de nao mostrar desejo é, conforme nos lembra Lacan, uma forma de desejo. Toda tradi¢io antiteatral retorna mais uma vez ao padrio de feminilizagio da imagem, segundo o qual a imagem deve despertar 0 desejo do espectador e, simultaneamente, encobrir qualquer sinal de desejo préprio, ocultando inclusive o reconhecimento de estar sendo contemplada, como se 0 espectador fosse um voyeur olhando através de uma fechadura A fotocolagem de Barbara Kruger, Your gaze hits the side of my face (Fig. 8), fala diretamente a essa concep¢ao purista ou puritana do desejo da imagem. O rosto de marmore esta de perfil, como o rosto do menino com a bolha do quadro de Chardin, desatento ao olhar do espectador ou ao Aspero feixe de luz que varre seu rosto de cima a baixo. O interior da figura, seus olhos brancos, sua expres- sio petrificada, fazem com que ela pareca estar além de qualquer desejo, em um estado de pura serenidade que associamos 4 beleza classica. Mas a inscri¢io verbal colada na imagem envia uma men- sagem absolutamente contréria: “seu olhar atinge a lateral do meu rosto”, Se lermos tais palavras como se fossem pronunciadas pela estatua, toda a aparéncia do rosto se modifica subitamente, como se se tratasse de uma pessoa que acabara de ser transformada em pedra, como se 0 espectador fosse a Medusa, langando seu olhar violento e maligno sobre a imagem. Mas 0 local e a segmentago da inscrigo (sem mencionar 0 uso dos pronomes sew e meu) fazem com que as palavras parecam, alternadamente, flutuarem sobre ©. grudarem-se 3 superficie da fotografia. As palavras “pertencem” tanto a estatua, quanto 4 fotografia e A artista, cujo trabalho de corte e colagem foi to notavelmente posto em primeiro plano. Podemos interpretar tais palavras, por exemplo, como uma mensagem direta sobre a politica de género do olhar, como uma figura feminina criticando a violéncia do olhar masculino. No entanto, 0 género da estatua nao é claramente determinado, poderia muito bem tratar-se de um Ganimedes.”’ E, se as palavras pertencem A fotografia, ou 4 composi¢o como um todo, qual género deveriamos atribuir-lhes? Essa imagem envia ao menos trés mensagens conflitantes acerca de seu desejo: ela deseja ser vista, °° Ganimedes, na mitologia grega, é um dos principes de Troia, raptado por Zeus. Por sua beleza feminina, é um personagem cujo género nao é claramente definido. (N.T.) W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREW? 183 ela nao deseja ser vista, ela é indiferente ao fato de ser vista. Acima de tudo, ela quer ser escutada — uma tarefa impossivel para a imagem silenciosa, imével. Como 0 cartaz de Al Jolson, o poder da imagem de Kruger vem da alternancia entre diferentes leituras, deixando o espectador em um tipo de paralisia. Face 4 imagem abjeta/indiferente de Kruger, o espectador é, simultaneamente, um voyeur exposto, que é flagrado espiando, ¢ 0s olhos mortais da Medusa. De forma oposta, a interpelacao direta da imagem de Al Jolson promete a libertagio da paralisia e do mutismo, a satisfagio do desejo da imagem silenciosa ¢ imével pela voz e pelo movimento — uma exigéncia literalmente satisfeita pelas caracteristicas técnicas da imagem cinematogrifica. Figura 8 ~ Barbara Kruger, Sem situ, 1981, Mary Boone Galery “Seu olhar atinge a lateral do meu rosto” Entio, 0 que querem as imagens? Podemos tirar dedugdes gerais a partir desse rapido exame? Meu primeiro pensamento é o de que, apesar do meu gesto inicial de afastar-me das questdes acerca de significado ¢ poder das imagens 184 FILBESTETIC para aproximar-me da questio do desejo, acabei por retornar aos pro- cedimentos da semidtica, hermenéutica ¢ ret6ric que as imagens querem nao elimina a interpretagao dos signos, tudo A questo acerca do que alcanga é um deslocamento sutil do alvo da interpretagdo, uma modificagio sutil da imagem que temos das proprias imagens (e talvez dos signos).*" As chaves para esse deslocamento sio: 1) consentir com a fico constitutiva das imagens como seres “animados”, quase agentes, simulacros de pessoas; e 2) considerar as imagens ndo como sujeitos so- beranos ou espiritos desencarnados, mas como subalternos cujos corpos sio marcados pelos estigmas da diferenga, que funcionam tanto como mediuns quanto como bodes expiatdrios no campo social da visualidade humana. £ crucial para essa mudanga estratégica que nao confundamos © desejo da imagem com o desejo do artista, do espectador ou mesmo das figuras na imagem. O que as imagens querem no é 0 mesmo que a mensagem que elas comunicam ou 0 efeito que produzem, nio é sequer © mesmo que elas dizem querer. Como as pessoas, as imagens podem nio saber o que querem, devem ser ajudadas a lembra-lo através do didlogo com outros. Poderia ter tornado esse questionamento mais dificil analisando pinturas abstratas (imagens que nao querem sé-lo) ou estilos como paisagens onde a pessoalidade aparece apenas como uma “filigrana”, para usar a expresso de Lacan.*? Comecei pela face como objeto primordial e superficie da mimesis, do rosto tatuado as faces pintadas. Mas a questiio do desejo pode ser dirigida a qualquer imagem e este ensaio é apenas um convite para que vocé mesmo o farca. % Joel Snyder sugere que essa modificagio jé esteja descrita pela distincao aristotélica entre retérica (0 estudo da comunicagio de significados € seus efeitos) poética (a anilise das propriedades de um objeto dado, como se possufsse alma). Desse modo, a Poética se ‘ocupa da “coisa feita” ou imitagio (tragédia), e o enredo deve ser “a alma da tragédia”, um conceito elaborado mais adiante quando Aristételes quando insiste na “totalidade orginica” das criacdes posticas ¢ trata o estudo das formas poéticas como se fosse um bidlogo catalogando espécies da natureza. © que nos interessa, obviamente, € © que acontece contemporaneamente com os conceitos de fabricagio, imitagao e organicismo, hoje, na era dos ciborgues, da vida artificial e da engenharia genética. (N.A.) ® Para uma anilise da animagio/personificagao da paisagem como idolo, ver meu “Holy Landscape: Israel, Paletine and the American Wilderness” (MITCHELL, 2002, p. 261-290). A concepgao lacaniana do olhar como uma “filigrana” na paisagem aparece em Lacan (1978, p. 101). Sobre os desejos da pintura abstrata, ver Mitchell (2005, p. 222-244). (N.A.) W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 185 © que as imagens querem de nés, 0 que falhamos em dar-lhes, € uma ideia de visualidade adequada a sua ontologia. Discussdes contempordneas em cultura visual sao frequentemente desviadas pela retrica da inovagio e modernizacdo. Querem atualizar a hist6ria da arte aproximando-a de disciplinas teéricas, do estudo do cinema e da cultura de massa. Querem apagar as distingSes entre alta ¢ baixa cultura ¢ transformar “a historia da arte em uma historia das imagens”. Querem “romper” com a suposta dependéncia da histéria da arte de nogdes ingénuas de “semelhanga e mimesis”, “atitudes naturais” supersticiosas frente as imagens que parecem dificeis de reprimir.> Elas apelam a modelos de imagens “semiéticos” ou “discursivos” que as revelam como projegdes da ideologia, tecnologias de dominagio as quais a critica atenta deve resistir.** Nio se trata de tal concepgao de cultura visual ser errada ou infrutifera. Muito pelo contrario, ela produziu uma transformagio notivel até mesmo nos confins adormecidos da historia da arte aca~ démica. Mas isso é tudo o que queremos? Ou, mais especificamente, é isso tudo o que as imagens querem? A mudanga mais profunda que marca a busca de um conceito adequado de cultura visual é precisa mente a énfase no campo social do visual, nos processos cotidianos de olhar ¢ ser olhado. Esse complexo campo de reciprocidade visual nao é apenas um produto secundirio da realidade social, mas um elemento que a constitui ativamente. A visio é tio importante quanto a linguagem na mediagio de relagSes sociais sem ser, no entanto, re- dutivel 4 linguagem, ao “signo” ou ao discurso. As imagens querem direitos iguais aos da linguagem e no simplesmente serem trans- formadas em linguagem. Elas nfo querem ser nem igualadas a uma “historia das imagens”, nem elevadas a uma “historia da arte”, mas sim serem consideradas como individualidades complexas ocupando posigdes de sujeito e identidades miltiplas.°> As imagens querem uma ® Ver a critica de Michael Taussig (1993, p. 44-45) ao lugar-comum da “mimesis ingénua” como “mera” cépia ou representacio realista. (N.A.) “* Estou resumindo aqui em linhas gerais os argumentos de Bryson, Holly e Moxey em sua introdugao editorial & revista Visual Culture. (N.A.) * Outro modo de formular essa questdo seria afirmar que as imagens ndo querem ser reduzidas aos termos de uma linguistica sistematica fundada no sujeito cartesiano unitério, mas podem estar abertas a “poética da enunciagio” que Julia Kristeva 186 FILBESTETICA hermenéutica que retorne ao gesto inicial da iconologia do historia~ dor di interpretagio e comparasse o encontro inicial com uma imagem ao encontro com “um conhecido” que “me satida na rua removendo seu chapéu” (Panorsky, 1955, p. 26). O que as imagens querem, portanto, nao é serem interpretadas, decodificadas, adoradas, rompidas, expostas ou desmistificadas por seus espectadores, ou encanté-los. Elas podem nem mesmo desejar que comentadores bem-intencionados, que pensam que a huma- nidade € 0 maior elogio que se Ihes pode ofrecer, Ihes outorgue subjetividade. Os desejos das imagens podem ser inumanos ou nio- -humanos, mais bem modelados pelas figuras de animais, maquinas, ciborgues, ou mesmo por imagens ainda mais basicas — aquilo que Erasmus Darwin chamava de “o amor das plantas”. Portanto, o que as imagens querem, em diltima instdncia, é simplesmente serem perguntadas sobre 0 que querem, tendo em conta que a resposta pode muito bem ser “nada”. te Erwin Panofiky, antes que este elaborasse seu método de Referéncias BERGER, J. About Looking. New York: Pantheon, 1980. BHABHA, H. The Location of Culture. New York: Routledge, 1994. [O local da cultura. Trad, Myriam Avila. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2010.] BORI, P. The Golden Calf. Atlanta: Scholar's Press, 1990. BRYSON, N. Visual Culture: Images and Interpretations. Hannidyer, NH: Uni- versity Press of New England, 1994. DELEUZE, G. Essays on Critical and Clinical. Trans. Daniel W. Smith and Michael A. Greco. Minneapolis: University of Minessota Press, 1977. [Critica e clinica, Trad. Peter P4l Pelbart. Sao Paulo: Editora 34, 2011] FANON, F. Black Skins, White Masks, New York: Grove Press, 1967. [Pele negra, mascaras brancas. Salvador: Ed. da UFBA, 2008] (1980) transferiu to brilhantemente da literatura as artes visuais em seu clissico livro Desire in Language. Ver especialmente os capitulos “The Ethics of Linguistics” sobre a centralidade da poesia e da poética, e “Giotto’s Joy” sobre os mecanismos de jouissance (gozo) presentes nos afrescos de Assis. (N.A.) % Para discussGes mais extensas acerca do tema, ver meu “Iconology and Ideology: Panofsky, Althusser and the Scene of Recognition” (MITCHELL, 1991, p. 292-300). (NA) W. J.T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 187 FREUD, S. Fetishism, In: Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmund Frend. London: Hogarth Press, 1961. [Fetichismo. In: Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996] FRIED, M. Absorption and Theatricality, Chicago: Chicago University Press, 1990, GINZBURG, C. Idols and Likeness: Origin, Homilies on Exodus VIII, 3, and Its Reception. In: Sight and Insight: Essays on Art and Culture in Honour of E. H. Gombritch at 95. London: Phaidon Press, 1994. p. 55-67. GAY, P. The Freud Reader. New York: Norton, 1989. HERZ, N. Medusa’s Head: Male Hysteria under Political Pressure. Representa- tions, n. 4, p. 27-54, Outono. 1983. JAY, M. Downcast Eyes: The Denigration of Vision in the Twentieth Century French Thought, Berkeley: University of Carlifornia Press, 1993. JONES, C. Finishing School: John Cage and the Abstract Expressionist Ego. Critical Enquiry, Chicago, v. 19, n. 4, p. 647, 1993 KRISTEVA, J. Desire in Language. New York: Columbia University Press, 1980. LACAN, J. The Four Fundamental Concepts of Psychoanalysis. New York: Norton, 1978. [Seminério 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanilise. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.] LEE, J. S. Jacques Lacan. Armherst: University of Massachussets Press, 1991. MCKINNON, C. Feminism Unmodified. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1987. MITCHELL, W. T. J. Iconology and Ideology: Panofsky, Althusser and the Scene of Recognition. In: FARAGO, C. (Ed.). Refiaming the Renaissance: Visual Culture in Europe and Latin America, 1450-1650. New Haven: Yale University Press, 1991. p. 292-300, MITCHELL, W. T. J. Picture Theory. Chicago: Chicago University Press, 1994. MITCHELL, W. T. J. Landscape and Power. Chicago: Chicago University Press, 2002. MITCHELL, W. T. J. What do Pictures Want? The Lives and Loves of Images. Chicago: Chicago University Press, 2005 MULVEY, L. Visual Pleasure and Narrative Cinema. Screen, Oxford, n. 13, p. 6-18, 1975. NELSON, R. The Discourse of Icons: Then and Now. Art History, London, v.12, n. 2, p. 144-155, June 1989. SPIVAK, G. Can the Subaltern Speak? In: NELSON, C.; GROSSBERG, L. (Ed.). Marxism and the Interpretation of Culture, Urbana: University of Illinois 188 FILBESTETICA } a Ja a Je he in De De de DH PD Press, 1988. p. 271-313. [Pode 0 subalterno falar? ‘Trad. André Pereira, Belo Ho- rizonte: Ed. da UFMG, 2010] TAUSSIG, M. Mimesis and Alterity. New York: Routledge, 1993 WITTGENSTEIN, L. Philosophical Inverstigations. Trad. G, E. M. Anscombe Oxford: Basil Blackwell, 1953. [Investigagdes filoséficas. Petropolis: Vozes, 2005.] ZIOLKOWSKI, T. Disenchanted Images: A Literary Iconology. Princeton: Prin- ceton University Press, 1977. ZIZEK, S. Looking Awry, Cambridge, MA: MIT Press, 1992. W. J. T. MITCHELL 0 QUE AS IMAGENS REALMENTE QUEREM? 189