Você está na página 1de 11

MINISTÉRIO DA DEFESA

EXÉRCITO BRASILEIRO
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
3º CENTRO DE TELEMÁTICA DE ÁREA

Estudo de Viabilidade de Aplicativo


Estudo de Viabilidade de Aplicativo – Nr 18122006

1.Referência: Solicitação realizada ao Chefe do 3o CTA pelo Comandante Militar


do Sudeste – Gen Ex Luiz Edmundo Maia de Carvalho

2. Sistema de registro de pessoal e ordens – Nome provisório – Nome de


código – Projeto Bandeirante

3. Objetivo
a. Criar um suporte automatizado à elaboração das folhas de alterações de
militares.

b. Analisar todos os sistemas existentes para que o novo sistema não


necessite criação de cadastros acessórios que já existem como
institucionais.

4. Situação atual

a.Boletim Interno

O Boletim Interno(BI), é o “instrumento pelo qual o comandante,


chefe ou diretor divulga suas ordens, as ordens das autoridades superiores e
os fatos que devam ser do conhecimento da OM, tendo sua organização
prevista no RISG e podendo ser utilizado suporte eletrônico ”(Número II
artigo 58 IG 10-42). O BI é dividido em quatro partes: 1a Parte – Serviços
Diários, 2a Parte - Instrução, 3a Parte - Assuntos Gerais e Administrativos e
4a Parte – Justiça e Disciplina. O BI será publicado diariamente ou não,
conforme as necessidades e o vulto das matérias a divulgar. Os assuntos
classificados como reservados serão publicados em boletim reservado,
organizado pelo S2, de forma semelhante a do boletim ostensivo.
(Parágrafos de I a III dos artigo 170 do RISG). Os BI receberão numeração
própria, por ano(artigo 355 do RISG).

b. Folhas de Alteração

Folha de Alterações é o documento, de responsabilidade da OM,


destinado ao registro semestral (com encerramento a 30 Jun e 31 Dez, ou
por períodos, conforme o caso) das alterações relativas aos militares na
ativa onde são escriturados os dados relativos às atividades e à vida pessoal
do militar que forem publicados em boletim interno da OM a qual estiver
vinculado, reservado ou ostensivo (letra c do número 3 da PORTARIA Nº
001 -DGP, DE 03 DE JANEIRO DE 2001). As Folhas de alterações são
divididas em duas partes: a 1ª Parte onde são lançados em ordem
cronológica assuntos diversos, publicados no Boletim Interno da OM
(ostensivo ou reservado), que digam respeito à vida funcional do militar, à
sua remuneração, a promoções, recompensas, sanções disciplinares,
condenações etc.; a 2ª Parte é onde deve constar, obrigatoriamente, todos
os tempos de serviço de interesse do militar. As unidades consideram
militares de outras Organizações Militares que estejam prestando serviço de
qualquer natureza a unidade como seus para fins de alterações (letra e do
número 5). Existem informações obrigatórias no cabeçalho das folhas de
alterações (letra a anexo B) e são assinadas pelo Cmt, Cmt de Subunidades
Incorporadas ou pelo Subcomandante (letra a número 5).

c. Ficha de Identificação

Ficha de Identificação é o documento que acompanha


obrigatoriamente a(s) primeira(s) Folhas de Alterações do militar contendo
os dados individuais que caracterizam a identificação do militar (letra c, do
número 3, da PORTARIA Nº 001 - DGP, DE 03 DE JANEIRO DE 2001).

d. Nota para Boletim

NOTA PARA BOLETIM - documento proposto por uma autoridade


subordinada competente, sujeito à aprovação do comandante, chefe ou
diretor, para fim de publicação em seu BI, podendo ser utilizado suporte
eletrônico (o documento é arquivado/enviado por rede de computadores ou
por meio de disquete, CD ROM, etc, porém continua sendo uma nota para
boletim), ou ser substituído por mensagem eletrônica, sempre que houver
meios físicos adequados.

e. Principais envolvidos nos processos

Militar Envolvido Legislação


Comandante artigo 23 do Risg, letra f número 3
portaria 001 DGP

Subcomandante artigo 25 do Risg, letra c número


5 portaria 001 DGP

Ajudante-Secretário artigo 26 do Risg, S/1 – artigo 28


do RISG
S2/,S/3,S/4 artigos 30, 33, 34, 35 do RISG
Sargento Ajudante Artigo 78 do RISG
Comandante de artigo 110, letra a, número 5,
Subunidade Incorporada portaria 001 DGP

Sargenteante – artigo 116 artigo 116 do RISG

5. Definição do problema.

Atualmente a maioria das OM realiza a confecção do Boletim Interno


(Ostensivo, Reservado) e das folhas de alterações utilizando um Processador de
Texto, ficando a produtividade restringida pela habilidade deste operador em
realizar a tarefa, pelo conhecimento dos proponentes das Notas para BI, pela
experiência dos envolvidos no processo de revisão e aprovação das Notas para BI
e pela capacitação das pessoas envolvidas na produção do Boletim. A competência
no uso das ferramentas também vem a ser um dos problemas existentes, visto
que dar o melhor editor de textos do mundo a quem não o sabe explorar sempre
será tornar mais difícil a tarefa de preparação dos resultados.

Existe um retrabalho muito grande devido a um costume de modificar os


textos para adequá-los aos contextos em que se inserem, Folhas de Alterações ou
Boletim Interno, principalmente no que toca nos tempos verbais. Emprega-se,
hoje, no geral, a separação dos processos de confeccionar o boletim interno e as
folhas de alterações. Os processos têm entradas comuns, a Nota para Boletim, e
podem ser unificados através da implantação de um Projeto de Inovação e
Melhoria, como está previsto em qualquer objetivo estratégico de mudança e
economia de recursos. Existem, ainda, fortes oportunidades para acontecerem
distorções no processo de confeccionar o Boletim Interno e as folhas de
alterações, visto a dificuldade intrínseca de conferência dos resultados, recaindo
sobre poucas pessoas os controles dos entes principais da segurança da
informação.

O Chefe do Centro de Desenvolvimento de Sistemas foi consultado para


orientar sobre uma possível solução para o problema, que atenda ao Exército
como um todo, decidiu, originalmente, pelo uso de um Sistema de Boletim
existente no Gabinete do Comandante do Exército. O 3º CTA realizou
imediatamente, uma visita técnica com finalidade de importar o Sistema em uso
no Gabinete para as OM do CMSE, com as devidas adaptações. Nesta visita,
acompanhada por pessoal do CDS, registraram-se, como principais
características:

a. Foi desenvolvido utilizando-se de outros sistemas já existentes naquela


OM. Os referidos sistemas de apoio são necessários, ou seja, o sistema principal
somente funciona quando os outros existem e são disponibilizados integralmente.
Como exemplo, cita-se o caso das informações dos militares que são inseridas a
partir dos dados cadastrados no CadMil (Sistema Interno ao Gabinete).

b. O principal desenvolvedor (ex 1º Ten Cunha) encontra-se realizando


estágio probatório na Polícia Federal, dificultando a retirada das diversas dúvidas
que surgiram por ocasião da instalação do sistema durante o treinamento
realizado no Gabinete e no 3º CTA.

c. A documentação técnica e operacional do sistema é inexistente.


Observando-se que foram utilizadas ferramentas e arquitetura diferenciada do
padrão e proprietárias (do principal desenvolvedor) em sua construção, a
dificuldade de agregação teve um acréscimo extra. O entendimento para possíveis
alterações visando o uso por parte de outras OM foi julgado muito difícil.

Perante as diversas dificuldades supra citadas, avaliou-se como técnica e


financeiramente inviável a continuidade da instalação do sistema em outras OM ou
mesmo a recomendação de tal procedimento.
6. Necessidades Atuais

A simples configuração de um método de gerar alterações dificilmente


poderão resolver um problema que tem fortes componentes organizacionais de
método de resolver o problema.

A proposta de trabalho precisa resolver e facilitar o serviço de quem realiza


a tarefa, modificando, como resultado, a capacidade do tomador de decisão, que
fica como beneficiário indireto do sistema.

Para realizar estas tarefas são conhecidas somente o processo baseado em


engenharia de requisitos, cujo primeiro passo é a análise de requisitos. Esta
poderá levantar todas as necessidades dos clientes, dos sistemas legais, dos
beneficiários indiretos, das chefias imediatas e da instituição. Com intuito de
avançar nesta direção, foram realizadas algumas entrevistas, ainda não
estruturadas, no âmbito do CMSE e Ba Adm Ap Ibi para colher subsídios iniciais.
Estes dados serviram para realizar o Estudo de Viabilidade do sistema. As análises
não são conclusivas em relação às necessidades dos clientes.

7.Situação Proposta

a. Tipo da necessidade

1) Aplicação:

Sistema para confecção de boletins e folhas de alterações, conforme


necessidades dos clientes e orientações do Escalão Superior para desenvolvimento
de sistemas (CDS).

2) Premissa

Permitir o armazenamento seguro e manipulação das informações


geradas pelo sistema.

3) Hardware

Utilização do sistema em computadores de baixa plataforma (micros)


que estejam em rede ou não, seguindo perfil das diversas OM do Exército
(CMSE) a ser levantado durante a análise de requisitos.

8. Acordo de serviço.

a. Benefícios:

O desenvolvimento do aplicativo proporcionará os seguintes benefícios:

- Unificação dos processos de confecção de boletins e folhas de alterações.


- Diminuição de retrabalho.

- Economia de pessoal hoje dedicado a processos distintos.

- Utilização de tecnologia mais adequada ao processo.

- Melhoria na funcionalidade.

- Atender as propostas de melhoria gerencial do CMSE.

- Realizar manutenção do treinamento do pessoal da Divisão técnica do 3o


CTA no desenvolvimento de sistemas

b.Riscos

O sistema proposto apresenta as seguintes riscos em seu desenvolvimento:

- Pouca padronização em todo o Exército na confecção dos itens para


boletim, dificultando a criação de modelos de uso geral e adaptação aos
diversos casos de uso.

-Futura adaptação das diversas OM ao novo processo de confecção de


boletim/alterações que será requerido pelo novo sistema.

-Pouco pessoal disponível para desenvolvimento do Sistema. Apenas seis


profissionais com pouca experiência no desenvolvimento de sistemas.

-Falta de previsão orçamentária para o desenvolvimento.

-A missão de desenvolver sistemas é do CDS, que pode autorizar o CTA a


fazer, em parte ou no todo, o desenvolvimento. O CITEx já autorizou que o
3º CTA realize este apoio, em detrimento de outras missões regulares na
área do CMSE, desde que o interesse se mantenha em ambas as partes.
Não há obrigatoriedade de o CDS manter o desenvolvimento no 3º CTA
durante todo o tempo. Existem casos de deslocamento de sistemas para
Brasília, assim que tenham permeabilidade suficiente.

9. Estimativa inicial de custos

a. Desenvolvimento

1) Hardware:

Descrição Valor Qtd Obs


a. Servidor para desenvolvimento e 0,00 1 Existe no 3CTA
testes
b. Servidor para SW de controle de 0,00 1 Existe no 3CTA
versão
Descrição Valor Qtd Obs
c. Computadores para 0,00 10 Existe no 3CTA
desenvolvimento
d. Rede de computadores 0,00 1 Existe no 3CTA

2) Software: Considerando o uso de ferramentas conhecidas pelo 3º CTA mesmo


inexistentes

Descrição Valor Qtd Obs


(R$)
a. Sistema Operacional para 0,00 1 Existe no 3CTA
Servidor
b. Sistema Operacional para 0,00 10 Existe no 3CTA
computadores de desenvolvimento
c. Software para modelagem de 14.300,00 1
banco de dados - Allfusion ERwin
Data Modeler
d. Software de criação de páginas 1.280,00 1
Web
e. Sistema de Gerenciamento de 1.800,00 1
Projeto – Project2003 – Microsoft
f. Ferramenta para modelagem OO 8.000,00 1
– Rational Rose
g. Robo help X5 Office – construção 3.500,00 1
de ajuda (help)
h. Outros softwares necessários ao 15.000,00 1
desenvolvimento das ferramentas
do sistema
i. Sistema Gerenciador de Banco de 0,00 1 Existe no 3CTA
dados
j. Contratação de serviços de 100.000,00 1 Eventual
terceiros
Total 143.880,00

3) Contratação de Serviços
Depende da finalização da Análise de requisitos

4) Contratação de Pessoal
Depende da finalização da Análise de requisitos

5) Outros custos associados ao desenvolvimento


Passagens e diárias
Representação
Combustíveis para o deslocamento da Análise de requisitos
Item Deslocamentos Característica (Motivo) Qtd Gasolina
(l)
1 CMSE/2RM/2DE/BaA Grande 5 50
dm Comando/Administração
2 2o BPE Unidade de Tropa tipo Btl 1 50
3 2a Cia Eng L Unidade de Tropa tipo cia 1 40
4 HGeSP/CTA/CRO2/I Unidades não 1 0
CFEX Operacionais
5 EsPCEx Escola 1 20
6 CAvEx Grande Comando com 1 20
unidades em uma mesma
sede e outra subordinada
a outro C Mil A
7 Cmdo 12 Bda Grande Unidade 1 40
Operacional
Total............................................................................... 220
......................................................................................
.................................…………………………………………………………….

Obs – Foram considerados somente os deslocamentos para análise de requisitos


bem como as unidades localizadas no CMSE, após a finalização da análise de
requisitos serão definidos os quantitativos para o desenvolvimento e testes.

b. Implementação

1) Hardware
Depende da finalização da Análise de requisitos
Descrição Valor Qtd Obs
a. Servidor para implantação do ? 1
sistema
b. Computadores Clientes ? ?
c. Equipamentos de assinatura 300,00 2
digital e smart card
d. Licença de Sistema Gerenciador ? ?
de Banco de Dados
Total por Organização Militar 600,00+ ?

2) Software
Depende da finalização da Análise de requisitos e do tipo de unidade
Descrição Valor Qtd Obs
a. Sistema Operacional para ? 1
Servidor
b. Sistema Operacional para ? ?
computadores clientes
c. Sistema Gerenciador de Banco ? ?
de dados
d. Software Assinador 1.500,00 2
Total 3.000,00
+

3) Outros custos relacionados a implementação e teste do software


Passagens e diárias
Representação
Combustíveis para entrega inicial e implantação do protótipo nas unidades onde
foi realizada a análise de requisitos

Item Deslocamentos Característica (Motivo) Qtd Gasolina


(l)
1 CMSE/2RM/2DE/BaA Grande 5 50
dm Comando/Administração
2 2o BPE Unidade de Tropa tipo Btl 1 50
3 2a Cia Eng L Unidade de Tropa tipo cia 1 40
4 HGeSP/CTA/CRO2/I Unidades não 1 0
CFEx Operacionais
5 EsPCEx Escola 1 20
6 CAvEx Grande Comando com 1 20
unidades em uma mesma
sede e outra subordinada
a outro C Mil A
7 Cmdo da 12 Bda Grande Unidade 1 40
Operacional
Total............................................................................... 220
......................................................................................
......................................................................................

5) Logística de distribuição do Software


R$ 200,00 por unidade, podendo diminuir com o aumento do número de unidades
- amortização por volume
10. Plano de Recursos Humanos.

a. Pré-requisitos profissionais exigidos para desenvolvimento, instalação e


suporte:

Somente serão conhecidos após o fim da análise de requisitos

Mão-de-obra disponível

Item Profissional Qtd


1 Gerente de Projeto 1
2 Administrador de BD 1
3 Desenvolvedores 4
Total 6

– Conhecimentos referentes a instalação e configuração do Apache tanto


para plataformas Windows quanto Linux (considerando-se a
distribuição);

– Conhecimentos referentes a instalação e configuração do banco de


dados, tanto para plataformas Windows quanto Linux (considerando-se a
distribuição);

– Conhecimentos referentes a instalação e configuração do PHP tanto para


plataformas Windows quanto Linux (considerando-se a distribuição);

– Conhecimentos em programação utilizando-se a linguagem PHP;

– Conhecimentos em bancos de dados relacionais e linguagem SQL;

– Conhecimentos em HTML;e

– Conhecimentos em Javascript.

Obs – Caso a análise de requisitos mostre a necessidade de outros conhecimentos


será necessário a contratação de mão-de-obra ou serviços terceirizados.

11. Conclusão

Tal como o nome sugere, pretende-se com este estudo avaliar se, de um
ponto de vista tecnológico e organizacional, o projeto é viável. Uma forma de
avaliar a viabilidade de um projeto é obter, através da interação com "as partes
interessadas", a resposta às seguintes questões:

a. Será que o sistema contribui para os objetivos da organização?

Em um primeira observação podemos observar que o Sistema proposto


integra dois processos existentes há muitos anos nas Organizações Militares do
Exército Brasileiro. A automatização dos processos causará maior eficiência e
confiabilidade no novo processo proposto. Caso o sistema não seja desenvolvido,
as unidades continuarão realizando os processos de forma separada e não
estruturada. A organização militar ganhará maior agilidade com o
desenvolvimento, porém poderá perder, dependendo dos custos aceitos no
desenvolvimento, algumas características típicas de software editores de texto
como revisão, correção ortográficas e simplicidade no uso.

b. Dadas as restrições tecnológicas, organizacionais (econômicas, políticas,


ambientais, recursos disponíveis) e temporais associadas ao projeto, será que o
sistema pode ser implementado?

Existem restrições do ponto de vista econômico e de recursos disponíveis que


podem inviabilizar o desenvolvimento do sistema. O ambiente político é favorável
ao desenvolvimento. Após a análise de requisitos podem ser agregados outros
apoiadores ao projeto.

c. Caso haja necessidade de integração entre diferentes sistemas, será que esta é
possível?

O Sistema deverá ser construído de forma integrada com bancos de dados de


pessoal (módulo E1) já existentes nas OM. Em uma primeira impressão a
integração é possível, mas existem casos excepcionais que necessitam ser
tratados por acréscimos aos bancos citados.

Conforme análise realizada verificamos que o Sistema proposto possui


média complexidade de desenvolvimento, mas pode trazer diversos benefícios
(citados na letra a. do Item 6.) às OM que o utilizarem. Afastados ou
administrados os riscos da letra b do item número 6, o 3o CTA é plenamente
favorável ao seu desenvolvimento. A viabilidade do desenvolvimento é uma
decisão do Cliente.

Aprovações:
Registro de Alterações
Data Modificado Alterações
por:

São Paulo-SP, ___ de ___________________ de 2006.

__________________________________

__________________________________
João Rufino de Sales – Ten Cel
Chefe do 3º CTA

Você também pode gostar