Você está na página 1de 2

Transitórios em Circuitos R.L. série

Seja [V m .sen(ωt + α)] a tensão aplicada a um circuito RL, que terá seu disjuntor fechado, conforme indicado na figura 1.8.

Figura 1.8 - Circuito elétrico RL, antes de sua energização.
Figura 1.8 - Circuito elétrico RL, antes de sua energização.

A equação diferencial que descreve este evento é:

v(t) = V m . sen(ωt + α) = Ri + L

di

dt

(1.3)

Cuja solução será:

i(t) =

 V m   [ − Rt / L . sen( ω t +
V
m
[
− Rt
/ L
. sen(
ω
t
+
α
θ
)
e
.sen(
α
θ
)
]
 
Z

(1.4)

onde:

[Z] =

θ (fatôr de potência do circuito)= arctg(ωL/R)

2 2 R + (ω ) L
2
2
R
+ (ω )
L

V

m

Z

[

. sen(ω + α θ)

t

]

 

V

m

Z

[

. e

Rt / L

.sen(

α θ

)

]

= componente alternada da corrente

= componente contínua da corrente,

que decresce com o tempo. Este decréscimo, também conhecido por atenuação, ocorrerá mais rapidamente para circuitos que possuírem grandes resistências elétricas.

O fenômeno da presença da componente contínua surge sempre que, em um circuito RL, houver uma variação brusca da corrente. Assim, também na eventualidade da ocorrência de um curto-circuito, a componente contínua também surgirá. O valôr da componente contínua dependerá também do instante α da energização e do fator de potencia θ do circuito.

A figura 1.9, mostra o comportamento da corrente, ao longo do

tempo, na condição ideal de α - θ = 0. Nestas condições, i(t) =

V m Z
V
m
Z

.sen(ω ) , ou seja, a componente contínua da corrente i(t) não

t

existirá.

a componente contínua da corrente i(t) não t existirá . Figura 1.9- Corrente nos primeiros ciclos

Figura 1.9- Corrente nos primeiros ciclos da energização do circuito da figura 1.8, quando α - θ = 0

No entanto, para a situação, bastante desfavorável, de α - θ =

-π/2, a componente contínua da corrente terá o seu valor máximo

inicial e Rt / L e a corrente total será i(t) =

V m Z
V
m
Z

[sen(

ω +α−θ +

t

)

e

Rt

/

L

]

.

Esta condição está ilustrada na figura 1.10.

Rt / L ] . Esta condição está ilustrada na figura 1.10. Figura 1.10 - Corrente

Figura 1.10 - Corrente nos primeiros ciclos da energização do circuito da figura 1.8, quando α - θ = -π/2

CONCLUSÃO:

desde zero até V m /Z e depende do valor instantâneo da tensão quando o circuito é fechado e do fator de potência do circuito.

A componente contínua pode ter qualquer valor