Você está na página 1de 20
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES Ocupação indevida de

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES

Ocupação indevida de aterros sanitários desativados: a toxicologia ambiental na prática forense

Mariana Ribeiro Gomes 1 Daniela Buosi Rohlfs 2

1 Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília. Aluna de Pós-Graduação em Biociências Forenses, pela Universidade Católica de Goiás/IFAR.

2 Orientadora: Engenheira Florestal pela Universidade de Brasília; Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade de Brasília; Especialista em Gestão Integrada de Águas Saneamento Ambiental pela Universidade das Águas da Itália; Especialista em Saúde e Poluição Atmosférica pela Universidade de São Paulo. Professora de especialização em Biociências Forenses IFAR/PUC. Endereço: IFAR Instituto de Estudos Farmacêuticos. SHCGN 716 Bl B lj 05, Brasília-DF, CEP: 70770-732. E-mail: daniela.buosi@gmail.com

RESUMO

O presente estudo faz uma revisão da literatura concernente à ocupação indevida de áreas antes utilizadas como

depósitos de rejeitos. Aborda os casos do Love Canal (Estados Unidos) e Condomínio Barão de Mauá (São Paulo), referenciando os impactos observados no ambiente e na população exposta aos mais diversos tipos de

resíduos perigosos. Analisa as modificações na legislação brasileira referente ao tema e discorre sobre a importância da toxicologia ambiental como instrumento na prática forense no sentido do apontamento de

culpados e fornecimento de dados confiáveis para a intervenção dos órgãos ambientais, população e responsáveis

na eliminação ou mitigação de danos, bem como na recuperação de áreas degradadas.

Palavras-chave: toxicologia ambiental, prática forense, resíduos sólidos, love canal, Barão de Mauá.

ABSTRACT

The main objective of this paper is to provide a review of studies concerning the illegal occupation of areas previously used as dump sites. It discusses cases like the Love Canal incident (United States) and the Barão de Mauá Residential (São Paulo), referencing the observed impacts on the environment and population exposed to different types of hazardous waste. It analyzes the changes in brazilian legislation concerning this issue and discusses the importance of environmental toxicology as a tool in forensic practice contributing to accountability and providing reliable data for the intervention of environmental agencies, population and the ones responsible for the injuries caused, in the elimination or mitigation of damages, as well as restoration of degraded areas.

Key-words: environmental toxicology, forensics, solid waste, love canal, Barão de Mauá.

2

1 INTRODUÇÃO

O aumento da população mundial acarreta uma demanda contínua por áreas a serem

ocupadas, tanto para a habitação quanto para a produção de alimentos. Em decorrência desse crescimento populacional o espaço urbano invariavelmente apresenta problemas ambientais,

em especial devido à ausência ou insipiência de políticas públicas de ordenamento territorial (MAGALHÃES, 2009; GÜNTHER, 2008).

A expansão da população humana é diretamente proporcional à produção de resíduos,

resultantes das diversas atividades desenvolvidas. O padrão consumista, relacionado ao modelo econômico capitalista, dita as regras de convivência em sociedade na qual o desenvolvimento social se ampara na dominação da natureza, levando, consequentemente, à degradação ambiental (MAGALHÃES, 2009; QUELHAS, 2010). Diversos são os tipos de resíduos produzidos, além dos típicos resíduos urbanos ou domiciliares. O crescimento tecnológico e industrial vem acompanhado da produção de elementos muitas vezes inservíveis em virtude de seu uso, como é o caso de resíduos de equipamentos eletrônicos e revestimento de materiais perigosos (GÜNTHER, 2008). Nesse sentido, o aumento na produção de resíduos associado à disposição incorreta agrava os problemas relacionados à saúde, meio ambiente e segurança pública. Não obstante a

existência de legislação específica sobre o tema, a falta de critérios na escolha do local, para disposição final e tratamento desses materiais, bem como a negligência no acompanhamento dessas áreas ao longo do tempo ainda oferecem riscos ao ambiente natural e à população circundante (ORSATI, 2006).

A Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305/2010, dispõe sobre a gestão

integrada e gerenciamento desses materiais, prevendo, entre outros, a utilização de áreas propícias ao tratamento e disposição final ambientalmente adequada, em concordância com o zoneamento ecológico-econômico e costeiro. Todavia, de acordo com Orsati (2006), a questão financeira tem sido a norteadora na definição dos locais de destinação final, o que demonstra falha nos critérios pré-estabelecidos. Esse fato explicita o despreparo no monitoramento e operação dessas áreas, comprometendo a segurança ambiental e dos indivíduos que as ocupam. Em consequência do exposto, a ocorrência de acidentes ambientais, eventos indesejados que acabam por provocar prejuízos ao ambiente e à saúde, são alvos de discussões relacionadas à prevenção e atendimento aos afetados. No ano de 2008, grande

3

parte dos acidentes registrados estava relacionada ao contato com substâncias perigosas (IBAMA, 2009). Os malefícios e consequências decorrentes da exposição ambiental e humana a esses resíduos são estudados pela toxicologia ambiental. É uma ciência multidisciplinar que estuda os efeitos nocivos de diversas substâncias nos organismos e tem papel fundamental na identificação de elementos com efeitos tóxicos nos diversos sistemas biológicos a partir de sua liberação no ambiente (ALVES, 2005). Quando há dano causado por substâncias diversas a terceiros ou ao ambiente, tem início uma investigação que visa à estipulação dos materiais que se encontram no ambiente, buscando o levantamento de provas capazes de identificar a origem dessas substâncias, apontando responsáveis em um processo criminal (MUDGE, 2008). Trata-se do elemento forense aplicado à toxicologia e demais ramos. De acordo com Rangel (2004), o reconhecimento, a identificação e a quantificação do risco associado ao contato humano com agentes tóxicos é parte do trabalho da perícia desenvolvido em áreas comprometidas. Com efeito, a análise forense é de suma importância nos processos danosos já em curso, a exemplo da ocupação humana em áreas de descarte de resíduos, expondo-as à contaminação diversa, risco de colapso de terras, entre outros (KOELSCH, 2005). Trata-se de uma ferramenta de grande relevância na determinação de riscos e apontamento de causas e responsáveis. Nesse sentido, a análise de casos clássicos como o Love Canal, em 1955, nos Estados Unidos (RICHARDSON, 1999), bem como casos mais recentes como o do Residencial Barão de Mauá em São Paulo (ACPO, 2004), demonstra a importância dos dados fornecidos pela toxicologia na prática forense. O objetivo desse trabalho está na análise de incidentes decorrentes da ocupação indevida de áreas de disposição final de rejeitos, os agentes tóxicos existentes nessas áreas de maior relevância para a saúde pública e o papel da toxicologia ambiental, como instrumento de mitigação e prevenção de danos, bem como de responsabilização. A utilização de relatórios de avaliação de risco e laudos, embasados por dados levantados pela toxicologia ambiental, contribui para a elucidação dos culpados e aplicação das penalidades devidas.

4

2 METODOLOGIA

O presente estudo é uma revisão da literatura pertinente, embasada por trabalhos científicos artigos, dissertações e teses obtidos nas seguintes bases de dados: Scielo, Bireme, Pubmed e ScienceDirect. As publicações foram escolhidas de acordo com a data de publicação, buscando-se não ultrapassar os últimos dez anos, havendo, entretanto, duas exceções a essa regra. Foram realizadas ainda análises em livros sobre o tema e monografias disponíveis nas bibliotecas da Universidade de Brasília e do Centro Universitário de Brasília, bem como buscas em páginas da internet de instituições governamentais e não governamentais reconhecidas.

3 DISCUSSÃO

3.1 Relatos de casos

As pesquisas realizadas demonstraram e existência de dois incidentes relevantes relacionados à ocupação indevida de áreas de disposição de resíduos. São eles o Love Canal e o Condomínio Barão de Mauá em São Paulo. A relevância reside na repercussão de tais registros para a população, com modificações na legislação vigente e indenizações decorrentes da responsabilização dos culpados, bem como uma mudança comportamental relacionada ao contato com resíduos sólidos.

3.1.1 Love Canal

Nas décadas de 70 e 80, os Estados Unidos foram o palco de um desastre ambiental de grandes proporções, capaz de influenciar a legislação do país para a responsabilização dos culpados por danos ambientais e recuperação das áreas degradadas (CLAPP, 2009).

5

A cadeia de acontecimentos teve início no ano de 1892 com William T. Love, com a idealização de um canal que conectasse as regiões mais altas às mais baixas do Rio Niágara, em Nova Iorque. A construção teve início, mas, em razão de incompatibilidades financeiras, jamais foi terminada (MUELLER, 2009). Em 1942, a área foi vendida à Companhia Hooker Electro-Chemical, que por onze anos lançou os resíduos químicos de suas atividades no canal, transformando-o em um aterro. Foram lançadas cerca de 22 toneladas de produtos tóxicos. Quando o potencial de armazenamento de resíduos do local foi atingido, no ano de 1953, a área foi revestida para prevenir a entrada de água e coberta com solo (RICHARDSON, 1999; MUELLER, 2009). Em 1954, a área do aterro foi vendida ao Conselho de Ensino da cidade, que utilizou o terreno para a construção de uma escola. Diversos foram os problemas decorrentes dessa construção e das demais edificações residências, comércios, linhas de esgoto , com consequente migração de alguns poluentes para a superfície e áreas ainda não afetadas (RICHARDSON, 1999; MUELLER, 2009). Na Figura 1 é possível verificar a área durante o aterramento e em 1980 após a construção das unidades habitacionais (NATIONAL AIR AND SPACE MUSEUM, 2012).

habitacionais (NATIONAL AIR AND SPACE MUSEUM, 2012). Figura 1. Love Canal . A: 1951; B: 1980.

Figura 1. Love Canal. A: 1951; B: 1980. Fonte: National Air and Space Museum, adaptada.

6

Fato relevante citado por Richardson (1999) foi o desconhecimento da população vivendo nas proximidades do antigo aterro acerca da presença de substâncias tóxicas, causadoras das mais variadas enfermidades. De acordo com Mueller (2009), diversos foram os relatos de abortos, crianças apresentando queimaduras e irritações de pele, verificação do adoecimento de plantas e animais, além do afloramento de toxinas nos porões e quintais das residências. No ano de 1978, a situação se tornou amplamente conhecida e vários estudos passaram a ser realizados para a comprovação dos danos causados (GENSBURG, 2009). A escola foi fechada e foi declarado estado de emergência no local, com a realocação de cerca de 700 famílias ao final do processo (COLLIN, 2006). As análises realizadas para a comprovação da situação em curso foram as mais diversas. Primeiramente, foram coletadas amostras do ar em porões e áreas de convivência dentro das casas nas proximidades do aterro (GENSBURG, 2009). Em seguida partiu-se para análises toxicológicas do solo, da biota circundante, da água, dos materiais lixiviados e demais sedimentos. Foram ainda analisadas amostras coletadas em esgotos e valas de infiltração, bem como diversas pesquisas realizadas com sangue dos moradores da área. Foram identificadas 239 substâncias tóxicas contaminantes do ambiente local, entre ácidos, pesticidas, metais pesados, benzenos e clorobenzenos, além de dioxinas. (GENSBURG, 2009; MUELLER, 2009; RICHARDSON, 1999). Os dados obtidos permitiram a formação de um plano de gerenciamento de danos, conhecido como programa Superfund o qual previa uma série de medidas capazes de conter e remediar degradação no ambiente (MUELLER, 2009). Entre essas medidas estavam a limpeza de esgotos e incineração de elementos contaminados, bem como a manutenção constante da cobertura de argila protetora dos resíduos (BINNS, 2004). No ano de 2004, a Agência de Proteção Ambiental de Nova Iorque afirmou que a limpeza da área do Canal Love havia terminado. De acordo com o governo local, já é seguro o retorno residencial e comercial. Todavia, a área ainda precisa ser mantida sob monitoramento constante (COLLINS, 2006). A legislação associada ao programa Superfund prevê não somente a recuperação e manutenção de áreas utilizadas para disposição final de resíduos, mas ainda a responsabilização dos causadores (RICHARDSON, 1999). Outra consequência importante foi a criação da Agência de Registro de Substâncias Tóxicas com a missão de desenvolver ações de saúde pública, em conjunto com a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, a partir da exposição ambiental a agentes nocivos,

7

classificados com base no conhecimento de suas concentrações, características físicas/químicas, toxicológicas representativas de perigo à saúde humana e ambiental (ACPO,

2004).

A participação da população local, liderada pela moradora Lois Gibbs, foi

fundamental no desenrolar dos acontecimentos e na cobrança de um posicionamento firme das autoridades competentes (RICHARDSON, 1999). Em decorrência de Love Canal e de outros casos de contaminação (leucemia infantil em Woburn, Massachusetts; más-formações congênitas em San José, Califórnia; ocorrência de crianças sem cérebro em Bornwsville, Texas; câncer pancreático e cânceres no sistema nervoso nas crianças vizinhas à fábrica da Kodak, em Rochester, estado de Nova York) e da

existência de cerca de 30 mil depósitos químicos dados de 1980 , os Estados Unidos criaram, a partir daquela década, uma nova legislação ambiental federal (HERCULANO,

2001).

Essa legislação trata de um superfundo para indenização aos atingidos e para a recuperação ambiental das localidades (clean-up funds), uma lei que garante o direito da vizinhança conhecer o que nela está ou será instalado The Community Right-to-know Act , bem como um programa de financiamento aos cidadãos para que possam contratar assessoria técnica especializada (HERCULANO, 2001).

3.1.2 Condomínio Barão de Mauá São Paulo

No ano de 1974, a Companhia Fabricadora de Peças COFAP adquiriu uma área no

município de Mauá, em São Paulo, a qual destinou à disposição final dos resíduos produzidos

em suas atividades industriais. Após a desativação do aterro, o local foi vendido à Cooperativa Habitacional Nosso Teto que tinha por objetivo a construção de uma área residencial, o Condomínio Barão de Mauá (BRASIL, 2004; CETESB, 2011).

Ao longo do período de construção do espaço residencial, as atividades envolvendo o

preparo do solo revelaram a existência de sacos plásticos contendo lixo industrial e doméstico na área. O fato foi reportado à época, porém considerado sem relevância ao andamento das

obras (BRASIL, 2004). Em 2000, com diversas unidades habitacionais concluídas e ocupadas, a manutenção de uma bomba da caixa de água, localizada no subsolo do condomínio, resultou na morte de

8

um trabalhador e em queimaduras de terceiro grau em outro, após explosão no local. Análises realizadas revelaram a presença de grandes quantidades de gases inflamáveis na área, em virtude da edificação sobre antigo depósito de rejeitos. No caso, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo CETESB puniu a empresa construtora com multa, passando a analisar com mais cuidado o empreendimento (BRASIL, 2004; CETESB, 2011).

O acidente foi considerado previsível uma vez do conhecimento prévio da utilização

da área para disposição de resíduos no passado (BRASIL, 2004). Em 2001, foram realizadas diferentes análises toxicológicas na área que revelaram a existência de diversos tipos de resíduos e compostos orgânicos voláteis nocivos à saúde humana e ambiental (ACPO, 2012).

A estimativa da empresa responsável pelas análises (CSD-GEOKLOCK), em 2006,

era da presença de cerca de 450 mil toneladas de resíduos no subsolo do condomínio construído. Para a população residente, as consequências da proximidade das toxinas residiam em dores de cabeça, fortes odores no local e medo de explosões. Além desses, a preocupação com cânceres e sequelas nas gerações futuras, decorrentes da exposição, também se fizeram frequentes entre os moradores do conjunto habitacional (BRASIL, 2004). De acordo com dados da CETESB (2011), foram solicitadas aos responsáveis pelo empreendimento diversas ações visando a remediação dos danos já causados, a partir da identificação e caracterização de contaminantes do solo e de águas, bem como o monitoramento constante da área. As medidas de contenção e redução de danos variavam desde cobertura de resíduos expostos a sistemas de extração de vapores no condomínio. Em 2009, a empresa Geoklock realizou novas análises na área, com vistas à caracterização dos resíduos encontrados no solo, com foco em sua localização e determinação de concentrações. Após a verificação dos resultados, a CETESB exigiu um plano de intervenção para remediação da área, capaz de contemplar a retirada dos resíduos nocivos, das vias de exposição e dos receptores. Assim, recomendou a remoção dos moradores de onze edifícios do condomínio, situados em áreas de risco, uma vez que nem todas as construções estavam sobre o antigo aterro, como demonstra a Figura 2. (CETESB, 2011).

9

9 Figura 2 . Planta do Condomínio. Fonte: CETESB, adaptada. Em setembro de 2011, os responsáveis

Figura 2. Planta do Condomínio. Fonte: CETESB, adaptada.

Em setembro de 2011, os responsáveis pela área COFAP apresentaram um plano conceitual para remediação da área, prevendo inclusive a remoção dos moradores dos edifícios citados pela CETESB para prédios do residencial fora da área de risco. Os processos referentes a esse caso ainda correm na justiça, respondendo pela contaminação da área as empresas COFAP, Administradora e Construtora Soma, SQG Empreendimentos e Construções e Paulicoop Empreendimentos Imobiliários (BRASIL, 2004; CETESB, 2011). A mobilização da população local para o solucionamento positivo dessas questões tem sido um diferencial no andamento desse caso, com exigências de novas análises, monitoramento e acompanhamento das melhorias realizadas, além do requerimento de indenizações pelos danos sofridos (ACPO, 2012).

3.2 Resíduos de maior relevância nos casos citados

Os resíduos sólidos urbanos são considerados não perigosos, porém podem conter alguns resíduos classificados como perigosos, a exemplo das pilhas, baterias e lâmpadas

10

fluorescentes. Sua acumulação pode acarretar riscos à saúde humana e ao meio ambiente. Uma exposição continuada, por longos períodos, aos agentes tóxicos pode levar a doenças, mesmo após cessar o contato. Além disso, são fatores importantes a produção de gases e sua capacidade de atração de vetores de doenças (GÜNTHER, 2008). Além disso, cabe destacar que as áreas de aterros ou de disposição de resíduos sólidos urbanos, regulares ou irregulares, são comumente ocupadas após sua desativação. Entretanto, essas áreas apresentam importante instabilidade em função da não preparação do solo com a finalidade de ocupação humana. Não são raros os casos em que ocorre o desbarrancamento dessas áreas, como observado no Morro do Bumba, na cidade de Niterói no Rio de Janeiro, em 2010, causando a morte de cerca de 50 pessoas. Uma maior periculosidade está associada aos resíduos industriais, em virtude da presença de características específicas como corrosividade, toxicidade, inflamabilidade, entre outros. Em razão dessas especificidades, necessitam de tratamento diferenciado que anteceda a sua disposição final, buscando a eliminação ou mitigação do risco oferecido (GÜNTHER,

2008).

A seguir serão apresentados os principais compartimentos ambientais afetados e os

compostos químicos mais encontrados em situações de áreas contaminadas por disposição irregular de resíduos.

3.2.1 Compartimento atmosférico

Assim como os demais bens ambientais, a atmosfera possui regras sobre domínio, uso e proteção e é um dos recursos ambientais observados na Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/1981).

A atmosfera consiste em uma camada de gases que envolvem o planeta, formada por

gás nitrogênio (77%) do total, gás oxigênio (21%) e dióxido de carbono em quantidade aproximada de 0,04% do total, além de outros gases (GRANZIERA, 2011).

O lançamento de poluentes na atmosfera, em índices acima da capacidade natural de

diluição e depuração, vem causando sérias preocupações, pois são fontes de doenças (principalmente respiratórias e cardiovasculares) em especial nos grandes centros urbanos, comprometendo a qualidade de vidas das pessoas e onerando o sistema público de saúde (GRANZIERA, 2011).

11

3.2.1.1 Compostos Orgânicos Voláteis COVs

Dentre os poluentes do ar atmosférico, destacam-se os compostos orgânicos voláteis (COVs). Predominantemente emitidos por veículos automotivos e processos industriais, têm como alguns representantes o benzeno, clorobenzeno, tolueno e n-decano. São precursores do ozônio e podem afetar substancialmente a saúde humana em virtude de seu potencial carcinogênico (ALVIM, 2011; VASCONCELLOS, 2005). Ademais, existem registros da atuação dessas substâncias no sistema nervoso central com ação depressora, causando efeitos progressivos do cansaço à morte (COSTA, 2002). Mesmo em baixas concentrações, a exposição por longos períodos pode ter efeitos carcinogênicos (ALVIM, 2011).

É importante observar que, quando uma substância é considerada carcinogênica, o

câncer pode ocorrer em qualquer lugar do organismo humano. Significa também que uma molécula dessa substância pode levar ao desenvolvimento do câncer, dependendo das características próprias de cada pessoa. Mesmo que só existam evidências em animais e com altas doses (como na classificação B2 da EPA Environmental Protection Agency , por exemplo), e mesmo que nesses organismos o câncer apareça em um único sítio, a IARC (International Agençy for Research on Cancer) recomenda que se considerem todas as

possibilidades de câncer (HALLENBECK, 1993).

O benzeno pode causar câncer em órgãos formadores de sangue. Tanto a IARC como

a EPA determinaram que o benzeno é cancerígeno para os seres humanos. A exposição por longos períodos a níveis relativamente altos de benzeno no ar pode causar câncer em órgãos

formadores do sangue. Essa condição é chamada de leucemia. A exposição ao benzeno tem sido associada com o desenvolvimento de um tipo particular de leucemia, chamada leucemia mielóide aguda (BRASIL, 2004).

3.2.1.2 Metano

O metano é um composto de carbono com características inflamáveis. É um dos responsáveis pelo efeito estufa, estando cerca de 10% de suas emissões associadas a aterros sanitários (IPCC, 2007; TEIXEIRA, 2009).

12

A produção de metano em resíduos está associada à ação de bactérias anaeróbicas na decomposição de materiais. A produção em grandes quantidades pode levar a riscos de explosões e ao arraste de outras toxinas voláteis quando de sua produção (SVS, 2002).

3.2.2 Compartimento edáfico

O solo atua como filtro liberando pequenas porções de contaminantes às águas

subterrâneas. Esses componentes muitas vezes apresentam capacidade de bioacumulação sendo depositados nos vegetais. Esse fato é determinante na transferência dos mesmos ao longo das cadeias tróficas (GÜNTHER, 2008).

Assim, disposição de resíduos no solo está associada ao aumento nos níveis de determinados compostos. Nesse sentido, é frequente um aumento nos níveis cádmio, chumbo, mercúrio, zinco, fenóis e das chamadas bifenilas policloradas PCBs (SVS, 2002).

O cádmio, o chumbo, o zinco e o mercúrio, metais pesados com capacidade de

acumulação nos sistemas biológicos, apresentam possíveis efeitos carcinogênicos relacionados a sua concentração e exposição. (GÜNTHER, 2008; SVS, 2002). Além disso, a preocupação ambiental concernente a esses materiais é crescente em razão da facilidade que apresentam em atingir os diversos compartimentos da biosfera (MUÑOZ, 2002). Também associado a efeitos mutagênicos, o cádmio quando em quantidades elevadas nos organismos pode causar distúrbios ósseos, neurológicos e hepáticos. O chumbo pode apresentar efeitos adversos de ordem hematológica, neurológica e óssea. Existe a associação do zinco com distúrbios gastrointestinais e renais. No que concerne ao mercúrio, a exposição já foi relacionada a disfunções neurológicas, musculares e renais, além de cânceres (MUÑOZ,

2002).

Os fenóis, resíduos não-inertes, podem comprometer as características das águas, fato

que se reflete em distúrbios gastrointestinais nas populações afetadas (SISINNO, 2003). Estão relacionados às bifenilas policloradas variados efeitos adversos à saúde humana, como alterações dermatológicas, irritação nas vias respiratórias, desconforto gastrointestinal, além de enfermidades associadas ao fígado (SVS, 2002), além de serem consideradas como prováveis carcinógenos humanos, a partir de experimentos realizados em animais grupo B2 da EPA (EPA IRIS/2004).

13

Para todos os compostos classificados do grupo B2 ao grupo A, a EPA estabelece o fator de potência para que ele cause câncer. Esse fator é definido dependendo da forma como o contaminante se encontra no meio ambiente e da via de contato, a partir de experimentos em animais ou estudos observacionais em seres humanos (BRASIL, 2004).

3.3 Legislação brasileira

Após o acidente envolvendo o Canal Love, nos Estados Unidos, o governo desse país

criou uma legislação específica (Superfund Law) para áreas e populações afetadas por resíduos perigosos. São adotadas medidas de reconhecimento do local, avaliação de risco, mitigação da exposição humana em conjunto com o acompanhamento da evolução clínica da população afetada, além da supressão dos resíduos existentes (BRASIL, 2004).

repercussão do incidente do Canal Love no Brasil esteve na sanção da Lei N o 6.766

de 1979 alterada pela Lei N o 9.785 de 1999 a qual dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e prevê em seu art. 3 o , Parágrafo único, a impossibilidade de parcelamento em terrenos aterrados sem prévio tratamento sanitário (BRASIL, 2004). Como demonstrado, ainda ocorrem irregularidades nessa questão.

A metodologia adotada pela Agência de Registro de Substâncias Tóxicas e Doenças

(ATSDR), americana, foi utilizada como instrumento base nas ações brasileiras referentes à exposição indevida a resíduos perigosos, entre 1999 e 2006 em sete áreas piloto, incluindo o condomínio Barão de Mauá. Após a realização desses pilotos, o Ministério da Saúde elaborou, em 2006, o documento intitulado “Diretrizes para elaboração de avaliação de risco à saúde humana por exposição a contaminantes químicos”, que serve como base para a

elaboração de estudos dessa natureza e é considerado como a orientação técnica nacional (BRASIL, 2012). Em 2007, foi sancionada a Lei N o 11.445, que dispõe sobre a Política Nacional de Saneamento e estabeleceu diretrizes para o saneamento básico no país e para a gestão de resíduos sólidos urbanos, a saber domésticos e resultantes de varrição pública, sendo de responsabilidade municipal. Todavia, não contemplou questões relevantes como o gerenciamento dos resíduos industriais, de serviços de saúde, entre outros que requerem medidas específicas para sua disposição final adequada (GÜNTHER, 2008).

A

14

As pendências supracitadas foram sanadas pela Lei N o 12.305, de 2010, que dispõe acerca da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Essa lei trouxe inovações ao cenário brasileiro ao tratar da gestão dos resíduos produzidos de forma integrada, considerando os aspectos políticos e socioambientais envolvidos. Busca ainda a responsabilidade compartilhada ao aplicar a logística reversa, prevendo o recolhimento dos resíduos, não passíveis de reutilização ou reciclagem, pela empresa fabricante para sua destinação final ambientalmente adequada. Outro aspecto diz respeito à formação de consórcios para coleta, tratamento e destinação de resíduos de uma mesma região, contribuindo para a economia de dinheiro público observando a regra de economia de escala. A lei ainda vincula a disponibilização de recursos da União, a serem utilizados para a gestão de resíduos, à apresentação de planos de eliminação de lixões, adequação a disposição final de rejeitos e conscientização da necessidade de redução, reutilização e reciclagem de materiais, a partir da apresentação dos índices alcançados (JACOBI, 2011). Cabe destacar que esta lei não trata apenas dos resíduos sólidos urbanos, mas também dos resíduos perigosos, dispensando um capítulo inteiro para normatizar o tema. Já a regulamentação da lei, dada pelo Decreto 7.404/2012, dispensa um título aos resíduos perigosos, normatizando desde temas gerais até o cadastro nacional de operadores de resíduos perigosos. Além disso, a Lei prevê a regulamentação da identificação e remediação de áreas contaminadas, matéria que vem sendo discutida no âmbito do Grupo de Trabalho coordenado pelo Ministério da Saúde. A discussão hoje encontra-se amparada pela resolução Conama n° 420/2009 e pelo PL2732/2011, que estabelece diretrizes para a prevenção da contaminação do solo, cria a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico sobre Substâncias Perigosas e o Fundo Nacional para a Descontaminação de Áreas Órfãs Contaminadas.

3.4 Toxicologia e a prática forense

A toxicologia ambiental tem como objeto de estudo os agentes tóxicos à saúde e ao ambiente. Os efeitos adversos causados à saúde dos mais diversos organismos estão relacionados ao contato direto ou a contaminação do ambiente, inviabilizando ar, água e alimento de qualidade (YU, 2005).

15

De acordo com Yu (2005), a toxicologia ambiental tem dois focos de atuação: a pesquisa e a regulação. Nesse sentido, não se baseia apenas em estudos laboratoriais capazes de avaliar a resposta de um organismo a determinado tóxico. Busca um estudo mais complexo, elucidando questões como os impactos reais ou potenciais em organismos expostos direta ou indiretamente a agentes nocivos, bem como os impactos resultantes de interações entre diferentes compostos e caminhos de dispersão no ambiente. Trata-se de uma ciência multidisciplinar que aliada, entre outras disciplinas, à biologia, epidemiologia, química e geologia, busca esclarecer a resposta dos organismos aos mais diversos poluentes existentes no meio. O objetivo final é o levantamento de dados de interesse à saúde pública e ambiental (YU, 2005). Um conceito de grande relevância introduzido pela toxicologia ambiental é a avaliação de risco. Essa avaliação vincula os dados toxicológicos coletados a informações socioeconômicas relevantes. Os resultados fornecem informações sobre possíveis danos instalados ou futuros. A partir desse conhecimento é possível a proposição de planos de ação/manutenção dessas áreas, visando sua proteção e recuperação (YU, 2005). As informações levantadas pela toxicologia ambiental são capazes de embasar processos legais movidos na justiça visando à responsabilização pelos danos causados. A intenção é identificar os contaminantes determinando as rotas que os levaram a atingir determinado local. A partir dessas informações, considerando as diferentes origens de contaminação, é possível a realização de inferências sobre os responsáveis pelos danos causados (MUDGE, 2008). No caso de descarte ilegal de resíduos ou irregular, quando não há a preocupação com o tratamento ou escolha do local para a disposição final, é difícil a determinação de danos nas fases iniciais da contaminação, como observado nos relatos de caso discutidos Love Canal e Barão de Mauá. Assim, a toxicologia ambiental forense faz uso de diversas técnicas para a elucidação da fonte de contaminantes, buscando um diagnóstico prático e de fácil compreensão de forma a convencer com mais facilidade os magistrados envolvidos nos processos legais. Dessa forma, testes como a identificação de substâncias produzidas apenas sinteticamente, presença de compostos específicos em organismos da área, ausentes quando em outro local, são exemplos de análises capazes de embasar um processo legal (MUDGE, 2008). Portanto, a toxicologia ambiental é instrumento fundamental na prática forense, uma vez que respalda laudos indicando a fonte de poluentes, as rotas de exposição e aponta os danos causados (GARCIA, 2008; CYNAMON, 1990).

16

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os casos analisados nesse trabalho demonstram que situações vividas no passado,

como o incidente do Canal Love, serviram para modificações na legislação e atuação dos órgãos ambientais competentes. Todavia, episódios semelhantes ainda estão presentes no nosso país.

Lei N o 6.766, de 1979, já previa a proibição do parcelamento do solo previamente

ocupado por aterros sanitários. Entretanto, a questão financeira continua a nortear os acordos firmados, visto que é mais econômico comprar terras em áreas suspeitas e invariavelmente

não tratá-las. Além disso, o pouco acesso à informação no Brasil torna ainda mais difícil a mobilização popular em prol de justiça frente aos danos ambientais/materiais sofridos. Poucos são os artigos científicos, discutindo o tema da ocupação indevida de áreas contaminadas, de livre acesso à população. Na maioria das vezes é possível acessar notícias e páginas da internet sem qualquer garantia de veracidade das informações. É de suma importância que trabalhos científicos dentro dessa temática sejam realizados e divulgados, uma vez que a informação é a principal arma das massas contra os abusos cometidos (GÜNTHER, 2008). A mobilização popular foi fundamental no desfecho positivo do incidente do Canal Love e tem sido de extrema relevância no processo judicial do Condomínio Barão de Mauá (ACPO, 2012).

A legislação brasileira continua avançando no sentido de um meio ambiente cada vez

mais equilibrado, possibilitando convívio mais saudável dos diversos sistemas biológicos frente ao constante avanço tecnológico, associado à produção de resíduos. Nesse sentido, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei N o 12.305 de 2010 e sua regulamentação, prevê

dispositivos capazes de proteger a saúde humana e ambiental, estabelecendo formas corretas de disposição de rejeitos perigosos, bem como a gestão integrada de resíduos.

O arcabouço legal brasileiro sobre esse tema ainda está em formação, porém apresenta

como aliado a toxicologia ambiental forense, instrumento fundamental capaz de respaldar decisões judiciais, com base na lei e em parâmetros científicos pré-estabelecidos, com dados acerca dos contaminantes, dos danos causados ou que ainda podem surgir em um ambiente

comprometido (MUDGE, 2008; SKLASH et al., 2006).

A

17

Referências

ACPO. Associação de Combate aos Poluentes. Caso Barão de Mauá. Disponível em:

http://www.acpo.org.br/barao_de_maua/barao_maua.htm>. Acesso em: 22 mai. 2012.

ALVIM, D. S. et al. Estudos dos compostos orgânicos voláteis precursores de ozônio na cidade de São Paulo. Eng. Sanit. Ambient., v.16, n.2, p.189-196, Junho de 2011.

ALVES, S. R. et al. Toxicologia forense e saúde pública: desenvolvimento e avaliação de um sistema de informações como ferramenta para a vigilância de agravos decorrentes da utilização de substâncias químicas. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: < http://157.86.8.26/teste_sin/inf_toxicologicas/tese_sergio.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2012.

BINNS, J. Cleanup complete at Love Canal. Civil Engineering, v.74, n.12, p. 22-23. Dezembro de 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estudos de Avaliação de Risco por Resíduos Perigosos no Condomínio Barão de Mauá. 2004. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/svs/pisast>. Acesso em: 10 jun. 2012.

CETESB. Companhia Ambiental do estado de São Paulo. Condomínio Residencial Barão de Mauá. 2011. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/areas-contaminadas/rela%C3%

A7%C3%B5es-de-%C3%A1reas-contaminadas/18-condominio-residencial-barao-de-maua>.

Acesso em: 02 jun. 2012.

CLAPP, R. The Love Canal Storyis Not Finished. Environmental Health Perspectves, Boston, v.117, n.2, p.A54, Fevereiro de 2009.

COSTA, M. F. B., COSTA, M. A. F. Exposição ocupacional a compostos orgânicos voláteis na indústria naval. Quím. Nova, v.25, n.3, p.384-386. 2002.

COLLIN, R. The Environmental Protection Agency. Cleaning up America’s Act.Westport, CT: Greenwood Press, 2006.

CYNAMON, S. E. Perícia em sistemas prediais de água. Cad. Saúde Pública. v.6, n.3, p.260- 263, 1990.

18

DECRETO N o 7.404/2012. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2010/Decreto/D7404.htm>. Acesso em: 10 jun. 2012.

EPA. Environmental Protection Agency Integrated Risk Information System. 2004. Desponível em: <http://www.epa.gov/iris/subst>. Acesso em: 10 jun. 2012.

GARCIA, C.A. et al. Muertes traumáticas por accidentes laborales en Sevilla: Estudio epidemiológico y toxicológico. Cuad. med. forense. n.52, p.137-146. 2008.

GENSBURG, L. J., PANTEA, C., FITZGERALD, E., STARK, A., HWANG, SYNI-AN, KIM, N. Mortality among former Love Canal Residents.Environmental Health Perspectves, v. 117, n.2, p.209-216, Fevereiro de 2009.

GÜNTHER, W.M.R. Resíduos Sólidos no Contexto da Saúde Ambiental. 2008. Professor Livre Docente. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

HALLENBECK, W.H. Quantitative risk assessment for environmental and occupational health. Lewis Publishers. INC. 224pp. International Agency Research Cancer (IARC). 1993. Lyon, IARC Monographs, 58: 119. Disponível em: <http:/www.monographs.iarc.fr/htdocs /monografs/vol58/mono58-2.htm>. Acesso em: 10 jun. 2012.

HERCULANO, S. Justiça Ambiental: de Love Canal à Cidade dos Meninos, em uma perspectiva comparada. Justiça e Sociedade: temas e perspectivas. Marcelo Pereira de Mello (org.) São Paulo: LTr, 2001, pp. 215 238.

IBAMA.

Relatório:

acidentes

ambientais

2008.

(2009)

Disponível

em:

Acesso em: 19 mar. 2012.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE - IPCC. Fifth assessment report of the intergovernmental panel on climate change. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

JACOBI, P. R., BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estud. av. v.25, n.71, p. 135-158, 2011.

KOELSCH, F. et al. Stability of landfills the Bandung dumpsite desaster. [2005?].

Disponível em: < http://dr-koelsch.de/assets/images/sardinia_2005.pdf>. Acesso em: 19 mar.

2012.

19

LEI

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6766.htm>. Acesso em: 15 mar. 2012.

N o

6.766/1979.

Parcelamento

do

Solo

Urbano.

Disponível

em:

LEI N o 6.938/1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm>. Acesso em: 10 jun. 2012.

LEI N o 9.785/1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9785.htm>. Acesso em: 15 mar. 2012.

LEI N o 11.445/2007. Política Nacional de Saneamento. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 15 mar. 2012.

LEI N o 12.305/2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 15 mar. 2012.

MAGALHÃES, L. Z.; WERLE, H. S. Problemas ambientais de uma cidade média de Mato Grosso: o caso de Barra do Bugres. Planejamento e Políticas Públicas. n. 33, [S.l], 2009.

MUDGE, S. M. Environmental Forensics and the Importance of Source Identification. Issues in Environmental Science and Technology, n.26, 2008.

MUELLER, J. An American Tragedy. What have we learned? 2009. Disponível em:

<http://judymuellerdesigns.com/NS%20110%20Environmental%20Issues%20research%20pa

per%20Judy%20Mueller.pdf>. Acesso em: 22 mai. 2012.

MUÑOZ, S. I. S. Impacto ambiental na área do aterro sanitário e incinerador de resíduos de Ribeirão Preto, SP: avaliação dos níveis de metais pesados. 2002. Doutorado. Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2002.

NATIONAL AIR AND SPACE MUSEUM. Disponível em: < http://airandspace.si.edu/ exhibitions/lae/script/compare_lovecanal.htm>. Acesso em: 22 mai. 2012.

ORSATI, A. S. Análise de impactos ambientais e econômicos na escolha de locais para disposição final de resíduos sólidos. 2006. Disponível em: < http://www.ppgec.feis.unesp.br/teses/2006/alexandre_2006.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2012.

20

PL 2.732/2011. Disponível em: < http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichade tramitacao?idProposicao=527624>. Acesso em: 10 jun. 2012.

QUELHAS, O. L. G. Diretrizes para um Sistema de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais. 2010. Disponível em: <http://adingor.es/congresos/web/uploads/cio/cio2010/ environmental_management_and_sustainability//470-481.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2012.

RANGEL, Rui. Noções gerais sobre outras ciências forenses: Toxicologia Forense. 2004.

Disponível em: <http://medicina.med.up.pt/legal/NocoesGeraisCF.pdf>. Acesso em: 19 mar.

2012.

RESOLUÇÃO 420/2009. Conama. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/ legiabre.cfm?codlegi=620>. Acesso em: 10 jun. 2012.

RICHARDSON, A. The Love Canal Disaster. 1999. Brigham Young University. Provo, Utah:

1999.

SISINNO, C. L. S. Disposição em aterros controlados de resíduos sólidos industriais não- inertes: avaliação dos componentes tóxicos e implicações para o ambiente e para a saúde humana. Cad. Saúde Pública [online]. 2003, vol.19, n.2, pp. 369-374. ISSN 0102-311X.

SKLASCH, M.; BOLIN, J.; SCHROEDER, M. Who Done It? The ABCs of Environmental Forensics. American Institute of Chemical Engineers . 2006. Disponível em:

<http://www.redorbit.com/news/science/453157/who_done_it_the_abcs_of_enviro

nmental_forensics/>. Acesso em: 19 mar. 2012.

TEIXEIRA, C. E. et al. Estudos sobre a oxidação aeróbia do metano na cobertura de três aterros sanitários no Brasil. Eng. Sanit. Ambient., v.14, n.1, p. 99-108. 2009.

VASCONCELLOS, P. C., CARVALHO, L. R. F., POOL, C. S. Volatile organic compounds inside urban tunnels of São Paulo City, Brazil. J. Braz. Chem. Soc., v.16, n.6a, p.1210-1216. Dezembro de 2005.

YU, MING-HO. Environmental Toxicology: Biological And Health Effects Of Pollutants. 2ed. Florida: CRC Press, 2005. 339 p.