Você está na página 1de 4

MERCADORIAS NEGOCIADAS

Para ser negociadas em Bolsa como um contrato futuro, uma mercadoria


precisa ter certas características fundamentais, como:

o Possuir um mercado físico forte;


o Não está sob controle governamental;
o Possuir oferta e procura incertas, de modo que seu preço varie em função do
mercado livremente;
o Ser imperecível a curto prazo, de modo que a mercadoria apresente
condições para entrega num prazo razoável no futuro;
o Possuir um mercado com grande número de participantes, que impossibilite
uma caracterização oligopolista;
o Caracterizar-se como matéria-prima ou, no máximo, produto semiprocessado,
pois a mercadoria manufaturada pode ficar sujeita a uns poucos fabricantes;

Assim, as mercadorias negociadas nos mercados futuros podem ser


agrupadas em três grandes grupos, chamados de mercado primário, secundário e
terciário das Bolsas, isto é, respectivamente:

a) Agropecuários: destacam-se algodão, trigo, café, açúcar, cacau, milho,


soja e derivados, suco de laranja, centeio, porco e subprodutos, boi gordo,
frango congelado, ovos etc.;
b) Metais: destacam-se ouro, prata, paládio, platina, cobre alumínio etc;
c) Instrumentos financeiros : destacam-se moeda estrangeira, taxas de
juros e índices de ações.

Muitos outros produtos podem ser negociados na Bolsa de Mercadorias e

Futuros, o lançamento de tais produtos, no entanto está a critério da respectiva

bolsa. É importante dar atenção às características dos produtos em negociação para


que não ocorram interpretação equivocadas das características do contrato. Para

tanto, é fundamental o entendimento dos contratos que devem ser disponibilizados a

todos os interessados pelas Bolsas de Mercadorias onde tais contratos estão sendo

negociados.

OUTROS ASPECTOS OPERACIONAIS

Como já foi citado anteriormente, os mercados tiveram se desenvolvimento


impulsionado pela impessoalidade de seus agentes e padronização das mercadorias
negociadas. Essa expansão de volume e liquidez, que possibilitou enorme
transferência de riscos, aumentou a possibilidade de descumprimento dos contratos
quando de sua liquidação, afastando a alguns participantes do negócio. Foi no
sentido de reduzir esses riscos que foram criadas as câmaras de compensação.
Foram criadas três medidas básicas para garantir a segurança do sistema:

 Margens de garantia: existem três tipos de margens de garantia: a margem


inicial é cobrada quando se abre uma posição no mercado futuro, na forma
de um depósito inicial para garantir o cumprimento do contrato por dois ou
três dias. A margem adicional é calculada de acordo com as variações entre o
preço de fechamento e o preço do contrato, cobrada de acordo com os
ajustes diários. A margem de manutenção é a quantidade mínima de capital
que deve ser depositada na câmara de compensação e que deve ser mantida
sob pena de punições por parte da Bolsa;
 Limites diários de oscilação de preços: esses limites servem para evitar
grandes especulações de modo que, quando um valor máximo ou mínimo
previamente fixado é atingido, as negociações são suspensas. Essa ação
ajuda a diminuir as chances de inadimplência dos contratos;
 Limites de posição: procura evitar a concentração excessiva de operações
em um único agente, para reduzir ações especulativas.

Os instrumentos derivativos possuem três características que os distinguem da


maioria dos produtos financeiros conhecidos, que são: sua alta alavancagem,
grande velocidade nas transações e complexidade da estrutura financeira.
A alta alavancagem ocorre porque algumas operações podem levar a empresa a
prejuízos muito superiores aos valores inicialmente envolvidos nas operações. Este
é o caso do lançamento das opções de compra, que podem proporcionar prejuízos
ilimitados ao seu lançador.
A velocidade das operações com derivativos é extremamente alta no mercado
financeiro internacional; a maioria das operações realizadas em terminais eletrônicos
é realizada em segundos.
Existem muitos derivativos complexos, como opções exóticas, que são de difícil
compreensão para a maioria dos profissionais envolvidos no mercado financeiro,
mesmo os mais bem preparados tecnicamente. Dessa forma, produtos com essas
características operacionais apresentam enormes desafios para a contabilidade e,
principalmente, para as funções de controle, uma vez que as informações obsoletas
muito rapidamente.
Conclusão

Como já apresentado, os derivativos constituem em instrumentos


extremamente importantes para o mercado financeiro internacional e nacional. Eles
permitem a realização de operações com características e estruturas diferenciadas,
que não poderiam ser construídas de outra maneira. Esses produtos já representam
papel extremamente importante como instrumentos para gestão de riscos para
instituições financeiras, bem como para empresas não financeiras. Sendo assim,
devido a essas particularidades, o conhecimento da sistemática operacional dos
derivativos é extremamente importante para os profissionais da contabilidade, à
medida que seus serviços são requisitados, tanto para a contabilização desses
produtos, quanto para os aspectos relacionados com seu gerenciamento. A própria
gestão de riscos das organizações, de forma geral, constitui-se em assunto de
extrema importância para profissionais de contabilidade, que não podem furtar-se de
participar das discussões e do direcionamento estratégico de suas organizações, por
desconhecimento de um assunto tão relevante.