Você está na página 1de 5

As Bênçãos da Escrituras:

Recentemente quando ouvi o discurso de Élder D. Todd Cristofferson na


Conferência Geral de Abril e depois tive a oportunidade de lê-lo na A Liahona de
Maio de 2010, fiquei ponderado sobre a vida William Tyndale. Um mártir cujo
um único pecado foi querer que o povo comum tivesse acesso às sagradas
escrituras.
Acho incrível a frase dele quando diz: “Se Deus poupar minha vida, em
poucos anos farei com que um rapaz que maneje o arado saiba mais sobre as
escrituras do que vós!”.
Vemos um homem de nobreza e coragem lutando por um ideal mais nobre
ainda.
Diante desta história e de tantas outras de pessoas que se sacrificaram
muito para que nós hoje pudéssemos ter as escrituras, e me pergunto: O que há
de tão grandioso e importante nas escrituras? O que homens como Tyndale,
Moisés, Joseph Smith e tantos outros sabiam que nós não sabemos.

I – Definição:

Antes de prosseguirmos e respondermos estas questões, seria importante


definirmos o que são as escrituras.
O livro “Sempre Fiéis” na página 67 diz: “Quando homens santos de Deus
escrevem ou falam pelo pode do Espírito Santo, o que escreverem ou disserem
‘será escritura, será vontade do Senhor (...)’”. E então o livro cita D& C 68:3-4
que gostaria de ler para o irmãos. Poderíamos dizer então que tudo o que um
homem santo de Deus, o ungido de Deus, escreve ou diz são as palavras do
próprio Deus, portanto escrituras.
O livro “Sempre Fiéis” prossegue dizendo: “As Escrituras canônicas e
oficiais da Igreja, geralmente chamadas de obras-padrão, são a Bíblia, O Livro de
Mórmon, Doutrina e Convênio e A Pérola de Grande Valor.” (Sempre Fiéis
Pg.67).
É interessante notar a expressão “Obras-padrão”. Padrão aquilo que mede
alguma coisa. As Obras-padrão conforme mencionada anteriormente são a
medida de doutrina da Igreja de Jesus Cristo do Santos do Últimos dias. Nada
pode ser contrário a elas. Ninguém pode ensinar nada que seja contrário ao que
nas obras-padrão.
O Apóstolo Pedro em seus escritos também nos dá uma definição muito
instrutiva do que seja escritura: Vejamos 1º Pedro 1: 20-21 Vemos com isso que
as profecia (mas poderíamos dizer escritura) não é produzida por vontade
humana. O que temos de compreender e isto é fundamental para entendermos a
importância das escrituras é: Deus falou aos homens santos e eles escreveram.
Isto é escritura.
Quando nós compreendemos isto, e o Espírito Santo testifica em nosso
coração que é verdade passamos a compreender duas coisas importantes:
Primeiro: por que aqueles homens morreram pelas escrituras.

1
Segundo: muito mais do que morrer pelas escrituras, precisamos tomar a firme
decisão de estudarmos as escrituras com verdadeiro afinco, não só um dia, mas
todos os dia de nossa vida.
Caberia aqui uma citação do Presidente Ezra Taft Benson que diz: “Os
santos do Últimos Dias devem fazer do estudo do Livro de Mórmon [e de todas
as obras-padrão] um projeto para toda vida”.

Muito bem, depois de definido o que são as escrituras e aí nós temos um


pequeno entendimento do por que homens como Tyndale, Moisés ou Joseph
Smith e tantos outros se sacrificaram tanto por elas, gostaria de considerar com
vocês três bênçãos que as Escrituras nos trazem. Elas são mencionadas nos
discurso da Conferencia Geral de Abril deste ano pelo Élder D. Todd
Cristofferson.
Gostaria de ler uma escritura para que dela pudéssemos tirar as três
grandiosas bênçãos das escrituras. Antes de sua morte, o profeta Alma confia os
registros sagrados ao seu filho Helamã. Alma era o grande registrador nefita da
época, portanto ele sabia da importância dos registros sagrados. Ele havia
passado parte de sua vida registrando e cuidando deles. Agora chegara o
momento de passar a frente. Então ele está instruído seu filho da importância
daqueles registros. As suas instruções servem para cada um de nós. Vejamos
Alma 37:8. Ele explica que as escrituras no ajuda a ampliar nossa memória,
convencem muito de seus erros e nos leva a conhecer o Deus de nossa Salvação.
Alma também diz algo a seu filho que deveria chamar nossa atenção:
Vejamos Alma 37:14. As escrituras nos mostram o poder de Deus hoje. Se
pensarmos profundamente nós somos “as futuras gerações” mencionadas por
Alma. Nós temos o privilégio de ver o poder. E temos visto. Termos o livro de
Mórmon em nosso idioma e em tantos outros é um evidência do poder de Deus
nos últimos dias.
Sobre esta escritura, Alma 37: 14 o Elder Cristofferson fez o seguinte
comentário: “Por meio das escrituras, Deus realmente ‘demonstrou seu poder’ de
salvar e exaltar Seus filhos”. (A Liahona, Maio de 2010 pg.33).
Vamos então considerar os três pontos mencionado pelo Élder
Cristofferson sobre a importância das escrituras.

II – As Escrituras Ampliam nossa memória.

Temos de ter em mente que o conhecimento que temos hoje é vindo das
escrituras. Ninguém de nós aqui presente teve a oportunidade de ver o mar
vermelho se abrir, o andar sobre as águas com Jesus, ou estar diante do Sinédrio
com Cristo, ver o sofrimento de Cristo no Getsêmani ou na Cruz. Ninguém de
nós estava com o profeta Joseph Smith no bosque ou na cadeia de Cartage.
Ninguém de nós viu quando Brigham Young decidiu onde seria o Templo de Salt
Lake.
Portanto sem as escrituras nós não saberíamos nada, não teríamos
memória.

2
Mais importante do que isso, o Élder Cristofferson nos diz sobre um
conhecimento muito importante que as escrituras nos trazem. Ele explica: “As
escrituras ampliam nossa memória ajudando-nos a lembrar sempre do Senhor e
de nosso relacionamento com Ele e com o Pai. Lembram-nos do que sabíamos
em nossa vida pré-mortal.” (A Liahona, Maio de 2010 pg.33).
Outra memória importante que as escrituras nos dão é quem nós somos e
de onde viemos. Somo Filho Espirituais de Deus e temos linhagem celeste.
Aqueles que não têm as escrituras não sabem de onde vieram, ou para onde vão
depois desta e nem qual é o objetivo da vida. Vemos hoje no mundo muito
ateísmo no mundo. Pessoas que acham que não existe um Deus e que não serão
punidas por nada do que fizerem. Elas pensam assim por que não conhecem as
escrituras.
No livro de Mórmon fala de um povo que saiu de Jerusalém pouco depois
de Lei. Um fato interessante sobre eles é que eles não tinham as escrituras
consigo. Cerca de 400 anos depois quando foram encontrados pelos nefitas esta
era sua condição. Vejamos Ômini 1:15, 17. Podemos observar duas grandes
conseqüências para aqueles povo, por não terem as escrituras:
Primeiro, o idioma deles se corrompeu. Concluímos com isto que não só idioma
se corrompeu mas também a sua identidade como povo. Eles se perdem e se
esquecem de eles são.
Segundo, eles perdem a crença no seu Criador. A crença num Criador Universal
num Pai Celestial Amoroso foi esquecida por eles.
Hoje também vivemos uma situação muito semelhante de pessoas que
esqueceram de onde vieram elas se esquecem que tem linhagem espiritual e que
são filhos de um Pai Celestial amoroso. Pessoas que perderam a sua crença no
Seu Criador. Tudo isto em virtude de não darem o devido valor nas sagradas
escrituras. Muitos achariam um exagero de minha parte afirma que parte da
descrença e do ateísmo hoje reinante é de devido ao fato de não darmos atenção e
valor as escrituras sagradas. Mas eu discordo, acho que se nós, mesmos que só os
santos do últimos dias, déssemos devido valor as escriturar teríamos uma
sociedade melhor e seríamos espiritualmente mais fortes.

II – As Escrituras são o Padrão entre a verdade e o erro.

Vivemos numa época de relativismo moral. O certo nem sempre é certo e


o errado por sua vez também não é tão errado. Mas as escrituras falaram de uma
época assim. Vejamos: Isaías 5:20. Temos visto cada fazer para si uma lei e sem
se preocupar com o outro e nem consigo mesmo,
Sobre este assunto o Élder Cristofferson disse: “Deus usa as escrituras
para desmascarar pensamentos errôneos, falsas tradições e o pecado com seus
efeitos devastadores.” (A Liahona Maio de 2010, pg. 34).
Temos de ter em mente que nosso padrão moral de vida é aquilo que
escrituras falam. Talvez alguns argumentem assim: “Bem nem tudo está nas
escrituras. Então o que fazer?”.
Muito simples responder esta indagação. É por isso que temos profetas
vivos. Oráculo de Deus que revelam a sua verdade ao povo em época de

3
necessidade. Duas escrituras para corroborar este argumento. Provérbios 29:18
Se não há profecia, e para que tenha profecia faz-se necessário ter-se um profeta,
o povo se corrompe. A segunda escritura muito mais conhecida do irmãos é
Amós 3:7. O Senhor não faria nada sem revelar seus segredos, mas bem
poderíamos chamar de planos, sem antes revela-los ao seus profetas.
Sobre este relativismo moral que vivemos hoje, não é novidade. Na
verdade. Corior no Livro de Mórmon já usava os mesmo argumentos de que hoje
são usado. Vejamos Alma 30:18. Quanto de nós não temos sido bombardeados
com este tipo de argumentos.
Mas devemos nos lembrar que neste aspecto a palavras de Deus é clara ao
afirmar: “Iniqüidade nunca foi felicidade.” (Alma 41: 10).
Temos visto muitos jovens e até mesmo adultos em dúvida sobre o que
fazer. |O que é certo e errado. Realmente a televisão, a internet os celulares
muitas vezes se parecem muito com as nevoas d escuridão vista por Lei na Visão
da Árvore da Vida. (Ver 1º Néfi 8). Mas quando estivermos esta dúvidas
devemos nos lembras de dois conselhos muito importantes, pois eles nunca
falharam.
Primeiro, o Elder Cristofferson diz: “As escrituras são o meio de avaliarmos o
que é correto e verdadeiro (...)” – A Liahona Maio de 2010, pg.34.
Segundo, “E pelo poder do Espírito Santo podeis saber a verdade de todas as
coisas.” (Morôni 10:5.

III – As Escrituras nos conduzem a Cristo.

As escrituras, todas elas testificam de Cristo. E seu grande propósito central


e principal é nos conduzir a Cristo. Duas escrituras conhecidíssimas do irmão
servem de apoio a este afirmação.
A Primeira se encontra João 5: 39: “Examinai as escrituras, por que vós
cuidais ter nelas a vida eterna e são elas que de mim testificam.”.
Cristo nos exorta ao não apenas ler esporadicamente as escrituras. Mas
examinar. Ler com atenção, ponderar sobre seu significada mais profundo e aí
então como nos ensina Néfi “aplicar a nós mesmo”. (Ver 1º Néfi 19:23)
Uma segunda escritura que está intimamente liga a esta é João 17:3: “E a
vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só por Deus Verdadeiro, e a Jesus Cristo,
a quem enviaste.”.
Observamos nesta escritura que a vida eterna está condicionada ao
conhecimento e, portanto estudo das escrituras. Quando falo em estudo, não
estou dizendo uma leitura esporádica uma vez por semana. Mas um esforço
continuo de aprender e aplicar em nossas vidas aquilo que aprendemos.
Um das maiores benção das escrituras e consequentemente de seus estudo
contínuo é o aumento na fé em Jesus Cristo. A fé é como uma semente que
precisa ser plantada em nossos corações. Alma faz esta comparação. Vejamos:
Alma 32:28-29. A Fé ela virá de quando plantarmos a semente, ou seja dermos
lugar em nosso coração para palavra de Deus agir e nos transformar naquilo que
nós devemos ser.

4
Vejamos o que diz O Apóstolo Paulo sobre o poder da palavra de Deus:
Hebreus 4:12. As Escrituras tem o poder de nos modificar interna e
externamente. Eles tem o pode de aumentar nossa fé em Cristo. E por fim nos
conduzir a Cristo.

IV- Conclusão

Precisamos com mais afinco estudar e ponderar as escrituras, para que nos
tornemos novas criaturas em Cristo. Para que a nossa fé nele abunde e que
por fim possamos voltar resto, justos e limpos a sua presença.

Data: 8 de Agosto de 2010.

Algumas reflexões do discurso homônimo do Élder D. Todd Cristofferson.Para


uma visão geral do discurso ver: A Liahona de Maio de 2010, páginas 32 - 35 .