Você está na página 1de 2

2

CONTEÚDO

PROFº: ÉRICA SANTOS


13 Ambigüidade: Efeito de Sentido
A Certeza de Vencer KL 060508

POLISSEMIA AMBIGÜIDADE
Fale conosco www.portalimpacto.com.br

Vamos, carioca
sai do teu sono devagar ERRO DE PORTUGUÊS
o dia já vem vindo Quando o português chegou
aí o sol já vai raiar
debaixo de uma bruta chuva
São Jorge, teu padrinho
te dê cana pra tomar vestiu o índio...
Xangô, teu pai Que pena!
te dê muitas mulheres para amar Fosse uma manhã de sol,
ê, vida tão boa O índio tinha despido o português.”
só coisa boa pra pensar O que você vê?
sem ter que pagar nada
céu e terra, sol e mar Ambigüidade é a propriedade de
e ainda ter mulher certas frases que apresentam vários
e ter o samba pra cantar sentidos. A ambigüidade pode ser do
o samba que é o balanço léxico, quando certos morfemas léxicos
da mulher que sabe amar. têm vários sentidos. Assim, na frase:
Carlos lira e Vinícius de Morais
Ele estava em minha companhia
há pelo menos dois sentidos, porque
Observe os sentidos do verbo ter grifados no texto companhia, no caso, pode ter dois
acima . sentidos, o de empresa (Ele estava na
Dizemos, pois, que neste contexto, o verbo ter é minha empresa), ou de uma pessoa (Ele
polissêmico, ou seja, apresenta vários sentidos. Mas observe estava comigo). Fala-se então de ambigüidade léxica.
também que cada sentido ocorre em contextos distintos.
Em sua gramática, Perini atribui à polissemia um papel
essencial no processo de renovação do vocabulário de uma
língua -ela garante a necessária economia e a flexibilidade para
expressar a multiplicidade de significados necessários à Observe, na imagem
comunicação humana. Podemos até mesmo ampliar seu ao lado, um exemplo
comentário, lembrando que, também na linguagem científica, de ambigüidade
inúmeros termos têm origem em extensões metafóricas de sintática.
expressões do uso comum, como buraco negro (na física),
paciente (na medicina), etc.
Polissemia na linguagem do cotidiano: as gírias

A ambigüidade como recurso de construção

A ambigüidade é
freqüentemente utilizada
como recurso de expressão
em textos poéticos,
publicitários e humorísticos,
em quadrinhos e anedotas.
Geralmente, anúncios
fazem uso da ambigüidade
como recurso para se
comunicar com o
consumidor de forma mais
direta, descontraída e
divertida.

Muitas vezes, são vocábulos já existentes na língua, A ambigüidade como problema de construção
mas passam a ser usados em um sentido especial, diferente
VESTIBULAR – 2009

daquele que tinham antes. As gírias são resultado de mudanças Imagine que uma pessoa relate por escrito a violência
de sentido que os vocábulos vão sofrendo, conforme vão sendo ocorrida numa partida de futebol da seguinte forma:
usados. É o que acontece, por exemplo, com a expressão Durante o jogo, Lúcio deu várias caneladas em
"sangue bom", que no sentido próprio expressa o estado do Guilherme.. Depois entrou o Pedro no jogo e ele levou vários
sangue de uma pessoa: sem doença, sem contaminação; já na empurrões e pontapés.
gíria, no sentido figurado, "sangue bom" é um tipo de pessoa, de Será que o leitor que não assistiu à partida terá
boa índole, pessoa legal. condições de compreender a mensagem? O leitor terá

FAÇO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!


Fale conosco www.portalimpacto.com.br

dificuldades, pois o texto é ambíguo. Afinal, quem levou 01. Conforme o texto pode-se inferir em relação à mãe da
empurrões e pontapés? narradora:
Diferentemente da linguagem oral, que conta com a) Reúne qualidades de mulher comprometida com as tarefas
certos recursos para tornar o sentido preciso - os gestos, a domésticas, aceitando as circunstâncias impostas;
expressão corporal ou facial, a repetição etc-, a linguagem b) Deixa vislumbrar certa ansiedade; com leveza, porém,
escrita conta apenas com as palavras. Por isso, é imprescindível contorna a rotina;
empregá-las adequadamente. c) É hostil face à instabilidade a que é submetida, delega a
outros a responsabilidade materna;
Prática de textos d) Apresenta um perfil de mulher de classe média, versátil e
previdente.
01. As frases abaixo apresentam ambigüidade de sentido. Para
cada uma delas: 02. Sobre o enunciado: “Chão da infância. Algumas lembranças
· comente os sentidos que as frases podem sugerir me parecem fixadas nesse chão movediço...”
(ambigüidades – duplo sentido em cada frase); a) Ao usar a expressão chão movediço, a narradora faz
· reescreva as frases de modo a obterem sentido claro e referência à instabilidade vivenciada naquele momento de sua
objetivo. vida.
a) Em Congonhas (SP), modelo contratada pela Varig oferece b) Usa a expressão movediço para justificar seus freqüentes
viagem grátis a passageiro da Gol; a TAM fez reclamação formal questionamentos.
contra a ação de marketing da companhia, que termina hoje. c) Aquele período era movediço por ser marcado por total falta
(FOLHA DE S.PAULO, p. 1, 26 out. 2006) de informação.
d) Sente-se insegura, por se perceber na iminência de
b) Estamos convencidos de que nem todos devem ter a máxima depender de outras pessoas.
educação que a sociedade pode oferecer, muitos não saberiam
o que fazer com ela. 03. Observe o enunciado: “Sua tia vive falando que agora é
(A RECREATIVA RELAX, p. 20, jul. 2005) tarde porque a Inês é morta, quem é essa tal de Inês?”(linhas 09
e 10) Sobre os mecanismos utilizados para a construção do
Texto sentido textual, detecta-se:
Chão da infância. Algumas lembranças me parecem fixadas a) A frase, em sua estrutura sintática, não está de acordo com
nesse chão movediço, as minhas pajens. Minha mãe fazendo o padrão formal da língua, por isso torna-se incoerente para as
seus cálculos na ponta do lápis ou mexendo o tacho de interlocutoras.
goiabada ou ao piano; tocando suas valsas. E tia Laura, a viúva b) A ausência de elementos de ligação formais entre a
eterna que foi morar em nossa casa e que repetia que meu pai afirmação e a pergunta torna a frase ininteligível para as
era um homem instável. Eu não sabia o que queria dizer instável participantes do diálogo, visto que a coesão é necessária para
mas sabia que ele gostava de fumar charutos e gostava de ocorrer compreensão.
jogar. A tia um dia explicou, esse tipo de homem não consegue c) Na construção da frase, o seu produtor repete expressões de
parar muito tempo num mesmo lugar e por isso estava sempre outro texto, desconhecidas pelas participantes do diálogo,
sendo removido de uma cidade para outra como promotor. Ou configurando-se uma intertextualidade, daí a dificuldade de
delegado. Então minha mãe fazia os tais cálculos de futuro, estabelecimento da coerência.
dava aquele suspiro e ia tocar piano. E depois, arrumar as d) Há uma duplicidade de sentido para a frase, ambigüidade
malas. estrutural resultante da referência a uma nova personagem do
- Escutei que a gente vai se mudar outra vez, vai mesmo? texto.
perguntou minha pajem Maricota (...) Não respondi e ela fez
outra pergunta: Sua tia vive falando que agora é tarde porque 04. Avalie as afirmações a seguir, considerando os destaques
Inês é morta, quem é essa tal de Inês? dos trechos indicados:
Sacudi a cabeça, não sabia. Você é burra, resmungou Maricota a) “Sacudi a cabeça, não sabia. (linha 11)”. A oração em
(...) negrito esclarece a anterior, justificando-a, podendo ser
Essa pajem era uma órfã que minha mãe recolhera, tive sempre acrescentada, para uni-las, a palavra porque.
uma pajem que me dava banho, me penteava (...) e me contava b) “Essa pajem era uma órfã que minha mãe recolhera...” (linha
histórias até que chegasse o tempo da escola. Maricota era 12). A palavra em negrito tem como referente órfã; desempenha
preta e magra, a carapinha repartida em trancinhas. (...) Não sei dupla função: é fator de coesão e objeto direto de recolhera.
da Inês mas sei do seu namorado, tive vontade de responder. c) “... chorei tanto que minha mãe ficou preocupada.” (linha 19).
(...) Estava sabendo também que quando ela ia encontrar com o O termo sublinhado estabelece uma ligação formal entre as
trapezista (...) escovava o cabelo até vê-lo abrir em leque como orações, indicando uma conseqüência.
um sol negro. Fiquei quieta. (...) d) “... me penteava...” (linha 13). A palavra destacada refere-se
Quando não aparecia nada melhor a gente ia até o campo para a pajem; é indicativa de posse e complementa o verbo pentear.
colher flores que Maricota enfeixava num ramo e, com cara de
santa, oferecia à Madrinha, chamava minha mãe de Madrinha 05. Considerando o sentido, pode-se afirmar:
(...) a) “... dava aquele suspiro” (linha 07) e “... tive sempre uma
Quando Maricota fugiu com o trapezista eu chorei tanto que pajem que me dava banho...” (linha 12), as palavras destacadas
minha mãe ficou preocupada. (...) são equivalentes quanto ao sentido.
A pajem seguinte também era órfã mas branca. Chamava-se b) E tia Laura, a viúva eterna que foi morar em nossa casa...
Leocádia. Quando minha mãe tocava piano ela parava de fazer (linha 03). No emprego da expressão grifada, percebe-se um
o que estava fazendo e vinha escutar. (...) Leocádia não sabia exagero em sua linguagem.
contar histórias mas sabia cantar, aprendi com ela a cantiga de
c) Mesmo que se desconheça o significado da palavra:
roda que cantarolava enquanto lavava roupa:
carapinha (linha 14), é possível identificá-lo pelas demais pistas
Nesta rua nesta rua tem um bosque
VESTIBULAR – 2009

do texto.
Que se chama que se chama Solidão...
d) Em “... a cantiga de roda que ela cantarolava...” (linha 22).
(TELLES, Lygia F. Invenção e memória. Rio de Janeiro: O verbo destacado indica uma ação que se repete, sentido que
Rocco, 2000, p 09-10, fragmento adaptado) se detecta pelo uso do prefixo.

FAÇO IMPACTO – A CERTEZA DE VENCER!!!