Você está na página 1de 9

A UTILIZAÇÃO DA MATRIZ SWOT COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA: UM ESTUDO DE CASO EM FRIGORÍFICO DA REGIÃO

Humberto Samuel Lorenzzon 1 Ariosto Sparemberger Cleber Eduardo Graef 3 Pedro Luis Büttenbender 4 Luciano Zamberlan 5

RESUMO

Atualmente as organizações dispõem de um conjunto de ferramentas de gestão que quando bem utilizados pode trazer melhorias significativas para a competitividade da empresa. Uma das ferramentas é o modelo SWOT. Este processo é uma ferramenta da gestão empresarial utilizada por muitas empresas que demonstra os obstáculos que precisam ser superados e as condições favoráveis que devem ser administradas. A partir deste contexto, este estudo tem por objetivo demonstrar como uma Indústria Frigorífica utiliza a matriz SWOT para atender as novas exigências e consolidar a sua liderança de mercado. Também contribui na captação, satisfação e retenção de clientes, além de propor novas estratégias para a variável fraqueza. Também o estudo apresenta um conjunto de ações para melhorar a competitividade da empresa. Para atender a este objetivo foi utilizado como metodologia uma pesquisa exploratório-descritiva e estudo de caso. Os dados foram coletados por meio entrevista realizada com sócios, empregados e clientes. Para análise, utilizou-se a teoria sobre o tema em estudo como modelo para atender os objetivos. Pode-se verificara partir dos resultados do estudo que a SWOT traz bons resultados e permite à empresa manter-se competitiva.

Palavras-chave: Matriz SWOT, Estratégia, Desempenho organizacional, Ambiente interno e externo.

1. INTRODUÇÃO

Nas ultimas décadas, o mercado está cada vez mais competitivo e com clientes cada vez mais exigentes, onde as transformações organizacionais precisam ser absorvidas mais rapidamente, onde as organizações precisam conhecer os processos de mudança, por essa razão as organizações precisam conhecer suas forças, oportunidades, suas ameaças, e principalmente suas fraquezas para que a organização ponha em pratica diferentes formas de lidar com os problemas existentes, e desta forma minimizá-los ou resolve-los por completo é necessário realizar algumas mudanças. O gerenciamento de estratégias tem recebido uma grande importância da sociedade atual. As empresas procuram implementá-los em busca de ter um visão do futuro e integrada, isso significa conhecer toda a empresa e nos mínimos detalhes. Através do gerenciamento de estratégias as empresas conseguem: foco nos resultados, assertividade e velocidade das decisões, uma comunicação eficácia, alinhamento organizacional, otimização da alocação de recursos e tradução das estratégias em termos operacionais.

2

1 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

2 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

3 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

4 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

5 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

O planejamento estratégico é composto por várias etapas que variam de acordo com a

metodologia adotada e a finalidade para a qual se destina. Entretanto, o que se percebe é que

a análise ambiental está presente em todas as metodologias analisadas.

A análise ambiental é composta pela análise do ambiente externo que envolve determinada organização e do ambiente interno da mesma. Uma das formas de determinar os ambientes é através da matriz Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats SWOT, que foi desenvolvida por dois professores da Harvard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen. Por outro lado, SILVEIRA (2001) indica que a análise SWOT já era utilizada há mais de dois mil anos quando cita em uma epígrafe um conselho de Sun Tzu: "Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças” (SUN TZU, 500 a.C.)

O presente estudo tem como objetivo analisar uma Indústria Frigorífica localizada na

Região do Noroeste do Rio Grande do Sul, através da matriz SWOT. Também aprestar um conjunto de ações para melhorar a competitividade da empresa. As oportunidades e ameaças são os resultados da análise ambiental externa, enquanto que as forças e fraquezas correspondem ao resultado de análise do ambiente interno. Especificamente se pretende confrontar essas variáveis através de uma matriz de análise estratégica, assim identificar o potencial ofensivo e defensivo, a debilidade ofensiva e a vulnerabilidade da empresa. Para atender este objetivo, utilizou-se de uma pesquisa exploratório-descritiva e também estudo de caso em um frigorifico. A Coleta dos dados foi realizada por meio de entrevistas com os dois sócios da empresa, funcionários e alguns clientes.

2. METODOLOGIA

A pesquisa tem por objetivo um estudo de caso realizado na Indústria Frigorífica. Para

tal, foi feita uma entrevista com sócios, funcionários e clientes, além de pesquisa documental para coleta de informações. De acordo com Bruyne (1991), o estudo de caso é um método de investigação que através da coleta de numerosas e detalhadas informações, visa a aprender a totalidade de uma situação, utilizando-se de diferentes técnicas de coletas de informações entrevistas, observações, documentos, etc. O estudo de caso é freqüentemente de natureza qualitativa e geralmente descreve situações, apresenta problemas e ilustra teorias, mas sem gerá-las.

O estudo também é de natureza exploratório-descritiva que visa proporcionar maior

familiaridade com o problema e descrever determinadas situações. Conforme Marconi e Lakatos (2010), os estudos exploratório-descritivos combinados são estudos exploratórios que tem por objetivo descrever completamente determinado fenômeno, como por exemplo, um estudo de caso, para o qual são realizadas análises empíricas e teóricas. De acordo com Gil (2002), a pesquisa exploratória apresenta menor rigidez no planejamento. Habitualmente envolvem planejamento bibliográfico e documental, entrevistas não padronizadas e estudos de caso. Possui como objetivo conhecer a variável de estudo apresentada, seu significado e o contexto em que está inserida. Esta técnica possibilitou obter maiores informações sobre a temática estudada, na medida em que procurou analisar uma indústria frigorífica tendo por base a matriz SWOT. Para a construção deste estudo e coleta de dados, utilizou-se um instrumento em forma de questionário, com perguntas abertas, aplicado aos gestores da empresa por meio de contato direto em forma de entrevista. Isto permitiu a compreensão mais detalhada do contexto através da concepção das características situacionais apresentadas pelos entrevistados, à medida que permitiu ao pesquisador contato direto com o fenômeno em estudo (RICHARDSON, 1999).

A amostra dos sujeitos da pesquisa é caracterizada pelo tipo não probabilística, uma vez que os entrevistados foram escolhidos pelo critério da intencionalidade e acessibilidade, tendo em vista os objetivos da pesquisa. Desse modo, foram selecionados os dois sócios na empresa, três funcionários de Horizontina/RS, dois funcionários de Três de Maio/RS, três clientes de Horizontina e dois clientes de Três de Maio/RS que representa 18% do total de clientes. Para, além disso, foram realizados contatos diretos com alguns funcionários da indústria, para possibilitar um maior aprofundamento de questões pertinentes ao tema de estudo e, em especial, sobre os elementos do ambiente que interferem na definição das estratégias da empresa. O processo de coleta acorreu no período 25/03/2013 até 08/04/2013. Na análise dos dados utilizaram-se as abordagens existentes na literatura sobre a ferramenta SWOT para interpretar os elementos internos e externos que interferem na gestão da empresa. O método da análise de conteúdo (BARDIN,1977), foi utilizado para interpretar as ações desenvolvidas pela empresa e estabelecer relação com os postulados teóricos trabalhados. Nesta fase, procurou-se, inicialmente, agrupar os dados e informações de modo a possibilitar a análise dos elementos do ambiente e a interpretação deste ambiente percebido pela empresa. Posteriormente, procedeu-se a descrição e a interpretação das ações utilizadas pela empresa objeto de pesquisa.

3. REFERENCIAL TEÓRICO

3.1. Estratégia

A palavra estratégia, em grego antigo, significa “a qualidade e a habilidade do general”; ou seja, a capacidade que tem o comandante de organizar e levar as campanhas militares. Desse conceito tem origem a palavra “estratégia”, que mais freqüentemente está relacionada com situações políticas, guerras ou jogos, onde dois ou mais competidores disputam o mesmo objetivo. Essa disputa ocorre também no mundo dos negócios e, como na versão militar, a estratégia empresarial sofre forte influência de quem a lidera (SERRA, TORRES e TORRES,

2003).

Segundo Chiavenato (2007), A estratégia representa o comportamento da organização em relação ao seu ambiente e através do estudo de modelo estratégico da empresa e podendo identificar os pontos críticos e pontos fortes de uma organização. A estratégia pode construir um padrão de comportamento, uma posição desejada ou uma perspectiva futura. Isso depende de como ela é entendida e interpretada para ser colocada em ação. No fundo, a estratégia é uma teoria sobre a realidade dos negócios. Ela consiste em selecionar entre várias alternativas existentes a hipótese aceitável (teoria) sobre aspectos internos e externos da empresa e tomar decisões com base nessa hipótese escolhida. A maneira como se escolhe uma hipótese de trabalho varia enormemente de acordo com cada estrategista. Então, há várias formas de se forçar estratégia (Chiavenato, 2010, p. 114).

As empresas devem estabelecer como bons objetivos não somente o retorno financeiro que desejam como, também, que o seu negócio seja auto-sustentável em longo prazo. Alcançar esses objetivos pode ser uma tarefa difícil e trabalhosa e, além disso, apenas estabelecer metas não é suficiente para garantir o sucesso do negocio, uma vez que o dinamismo do mercado e as evoluções tecnológicas e sociais constantemente ditam as novas regras de tendências e concorrência. É importante também, procurar compreender bem a área de negócios na qual a organização está inserida, antes de tomar medidas que afetem o seu desempenho interno e a sua imagem perante a sociedade. A rentabilidade de uma empresa decorre de dois fatores que

devem ser muito bem conhecidos: a parte que se deve ao setor a qual a empresa se dedica, ou seja, ao negócio propriamente dito. E o desempenho ou posicionamento que a empresa possui no seguimento. Para que a empresa possa construir seu planejamento, ela deve conhecer sua missão, a qual segundo (MCDONALD, 2004) “é seu propósito, sua razão de ser”. Se a empresa não souber identificar quais são seus objetivos poderá vir a desaparecer, pois a concorrência passa a ser uma arma desafiadora para qualquer organização mal planejada (OLIVEIRA, 2003). Assim, se uma organização tem um desempenho superior ao das demais do seu seguimento, é porque a sua estratégia competitiva é melhor do que a dos concorrentes, em primeiro lugar, ela conhecer a estrutura do seguimento em que está inserida e o seu desempenho em relação a este setor, exercerem o tradeoff na competição e conseguir um bom desempenho na integração das diversas atividades da empresa.

3.2. Planejamento

O planejamento e estratégia têm significados diferentes, mas devem coexistir, pois um

precede o outro. Para Serra e Torres, (2003), a estratégia é iniciada como um processo de raciocino, de criatividade, que antecede as ações e o planejamento, e este são fundamentais para que os objetivos da empresa sejam alcançados. Esse conceito surgiu nos anos 70, juntamente com os demais conceitos da administração e econômicos. Era definido como o planejamento voltado para o futuro dos produtos e mercados e sua prática difundiu-se entre grandes e médias empresas (GAJ, 1990). A elaboração do planejamento estratégico não pode ser feita como um simples exercício de planejamento. O planejamento deve decorrer do raciocínio estratégico, para poder ser flexível, para ajustar-se às modificações do meio ambiente e para orientar a implementação de ações planejadas na empresa.

Um dos pontos fortes do processo de planejamento é desenvolver freqüentemente uma comparação entre as forças e deficiências (internas), bem como as ameaças e oportunidades (externas) das organizações, que auxilia os administradores a avaliarem a realização da missão básica da organização. É o que veremos a seguir. O planejamento estratégico não serve apenas para as grandes empresas. Ele é importante para a sobrevivência e o desenvolvimento de qualquer organização seja ela pública, particular, grande, média, pequena e até microempresa (VASCONCELLOS; MACHADO, 1979). Pode ser considerado como uma ferramenta que as empresas podem aproveitar as suas oportunidades e reduzir os riscos, assim adequando às constantes transformações que acontece no cenário mundial.

O planejamento estratégico inovou as teorias de planejamento empresarial após um

crise de energia, a qual transformou o comportamento do macroambiente mundial em turbulência e incertezas (RASMUSSEN, 1990).

3.3. Matriz SWOT

Em função da necessidade de avaliar a situação da empresa em seu ramo de atuação, assim como, do entendimento da razão de sua posição, pontos fracos e fortes a serem visualizadas, as ameaças e oportunidades que devem ser levantadas, é que surgem ferramentas gerenciais de análise capazes de caracterizar a estrutura competitiva de uma organização, dentre elas, pode-se citar a Matriz SWOT (ALVES et al, 2007). É um procedimento que pode contribuir positivamente com as organizações para avaliar estrategicamente suas vantagens e desvantagens, posicionando os gestores através da visão de seus pontos fracos e pontos fortes. A estratégia SWOT resume-se em eliminar os pontos

fracos em áreas onde existem riscos e fortalecer os pontos fortes em áreas onde se identificam oportunidades. Este processo é uma ferramenta da gestão empresarial utilizada por muitas empresas que demonstra os obstáculos que precisam ser superados e as condições favoráveis que devem ser administradas. De acordo com SILVEIRA, (2003) o termo inglês SWOT representa as iniciais das palavras Strenghts (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças) e tem a finalidade de analisar os pontos fortes e fracos de uma corporação, bem como as ameaças e oportunidades da mesma frente ao mercado em que atua.

Segundo os conhecimentos de Mcdonald (2004), a análise de SWOT é definida como sendo “um resumo da auditoria sob os títulos forças e fraquezas relacionadas às oportunidades e ameaças externas”. Isto corresponde dizer que é efetuada uma análise minunciosa a fim de identificar os pontos fortes e fracos da empresa, com o intuito de trabalhá-los da melhor maneira possível.

A análise é realizada em dois níveis, no ambiente externo e interno. O Ambiente externo

compreende as mudanças que ocorrem fora da organização, mas que podem afetar seu desempenho e se caracterizam pelas ameaças ou oportunidades. O ambiente interno examina os pontos fortes e fracos e que precisam ser monitorados constantemente. Este processo permite visualizar qual área tem desempenho positivo perante o mercado e qual é frágil e precisa melhorar.

3.4. Aplicabilidade e Técnica do Modelo SWOT

A aplicação da análise SWOT, destina-se a avaliação preliminar de cenários divididos

em: ambiente interno (Forças e Fraquezas) e ambiente externo (Oportunidades e Ameaças).Considerada como ferramenta intrínseca no apoio à tomada de decisões e em qualquer planejamento estratégico. A análise SWOT permite sobre os vários aspectos organizacionais, visualizar a posição atual da empresa, geralmente relacionada aos fatores internos e também questões que dizem respeito a processos decisórios no que tange a antecipações de eventos que possam vir a ocorrer no futuro. Outro ponto relevante é que através desta análise a organização poderá confirmar e até mesmo ratificar a missão da organização impedindo assim possíveis dispersões, incertezas e indefinições dos processos. “A aplicação da técnica pode ser feita por indivíduos ou por equipes. O desenvolvimento por meio de equipes é particularmente interessante por proporcionar, potencialmente, maior diversidade de idéias e de riqueza de detalhes”. (SILVEIRA, 2001).

Nesta análise, enfatizando-se a imparcialidade dos envolvidos, podem surgir diversos pontos estratégicos a serem utilizados pela organização originados de práticas comportamentais como brainstorming, técnica do grupo nominal, grupo focal, questionários e entrevistas. Os dados e as informações utilizadas pelos analistas devem possuir caráter mercadológico abrangendo-se os vários segmentos e suas particularidades do âmbito organizacional.

A análise SWOT em alguns casos devido à ausência de pontos fortes e oportunidades

que sejam realmente relevantes e palpáveis, as pessoas que participam do processo em muitos

momentos podem encontrar dificuldades na sua elaboração e execução pelo simples fato de terem que confrontar com uma realidade que se recusam enxergar. Para Ansoff (1993) apud Silveira (2001, p. 222 e 223) “trata-se de vencer os filtros de mentalidade, que são construídos pelos administradores a partir dos modelos de sucesso aplicados, para reduzir a complexidade dos sinais ambientais e selecionar as respostas apropriadas”.

4. RESULTADOS

4.1. Caracterizações da Indústria Frigorífica

O Frigorífico A atua na região Noroeste do Rio Grande do Sul há mais de 15 anos, está

situado na cidade de Horizontina/RS e possui uma filial na cidade de Três de Maio/RS, fornecendo carcaças inteiras exclusivamente para mercados. Possui um total de 15 funcionários

entre os dois abatedouros, é o único frigorífico de Horizontina/RS e Três de Maio/RS.Realiza abates de gado e suínos, onde abate 100 cabeças de gado por semana e 150 suínos por semana. Gerando um total estimado de 50.000kg de carne pronta para consumo.

A compra dos animais é realizada por um dos sócios, que negocia os preços de compra

e também compra de produtores específicos de animais para este fim e também de pequenos agricultores da região. A compra pode ser feita de animais gordos, ou seja, prontos para o abate, ou animais magros, que são comprados e levados para uma das propriedades para ser engordados. O transporte destes animais é realizado pelo sócio que realiza a compra, ele é responsável pela comprar, negociar o preço de compra e realiza o transporte para o frigorífico ou para uma das propriedades.

O sócio comprador analisa minuciosamente os animais que são comprados, o gado

fêmea também são compradas, mas são repassados para frigoríficos da região central do

estado do Rio Grande do Sul, devido a qualidade da carne.

4.1.1. Análise Interna

Para Wright (2000) a análise ambiental interna é composta de pontos fortes que a empresa precisa valorizar, e dos pontos fracos que a organização deve buscar moderar os impactos. Estes elementos constituem os recursos da empresa e incluem os recursos humanos (experiência, capacidades, conhecimento, habilidades), os organizacionais (instalações, equipamentos, localização geográfica) e através de um processo de sistematização desses recursos, juntos devem oferecer uma vantagem competitiva sustentada, a fim de proporcionar uma estratégia valiosa que não pode ser plenamente copiada por outras organizações do mesmo setor, com o intuito de proporcionar retorno financeiro durante um período bastante extenso.

4.1.2 Pontos Fortes

a) Atendimento ao cliente: Em várias partes da entrevista os sócios e gerente deixam

claro que o atendimento ao cliente e uns dos pontos chaves do negocio, onde não medem esforços para atender a necessidade do cliente, um exemplo e a adaptação dos cortes na carne

suína.

b) Número um do setor: Em pesquisa realizada com alguns mercados das duas cidades,

mostram que mercados médios e pequenos são 100% abastecidos pelo frigorífico,os mercados de grande porte compram 82% da carne vendida no mercado. Somente um mercado na cidade de Horizontina tem abatedouro próprio.

c) Fluxo de entrega flexível: O fluxo de entrega pode variar conforme a necessidade do

cliente, geralmente os pedidos são feitos um dia antes das entregas, assim é feito o fluxo de

entrega, dando prioridade ao mercado com mais necessidade de carne. Em alguns casos, a entrega pode ser feita de forma especial, até mesmo após o expediente do frigorífico. As entregas são dividas por cidade, onde existe uma equipe que faz entrega em Horizontina e outra em Três de Maio.

d) Preço Praticado: Conforme informado pelos sócios o preço e diferenciado dos demais

fornecedores. Conseguindo manter o preço 11% a baixo que os concorrentes. Esse preço é possível devido às propriedades rurais que o frigorífico possui na região, onde 52% são

engordados nestas propriedades e alimentados com os alimentos produzidos nas mesmas.

e) Matéria prima de qualidade: como mais da metade dos animais são criados nas

propriedades rurais dos sócios, os animais passam por rigorosos processos de higienização e controle de doenças por veterinários locais. Para animais comprados de pequenos agricultores, somente são abatidos os machos, as fêmeas não são abatidas, pois receberem grande quantidade de medicamento que pode influenciar na qualidade da carne para o consumidor final.

4.1.3. Pontos Fracos

a) Distribuição limitada (somente em dois municípios): conforme informado, o frigorífico

possui autorização para efetuar a entrega da carne somente nos municípios de Horizontina e Três de Maio.

após o abate deve ser

consumida em cinco dias. Existem alguns produtos no mercado que pode ser usado para aumentar a vida útil e mais três dias, mas a essa carne começa a ficar de coloração mais escura e pede a qualidade.

c) Linha de produto limitada: conforme informado, os produtos se resumem somente a

venda das carcaças.

4.2. Análise Externa

A análise externa trata das ameaças e oportunidades encontradas pelas organizações localizadas externamente ao seu negócio ou território, sendo fatores ou situações que podem ser aproveitadas ou neutralizadas, afetando positiva ou negativamente os resultados. Segundo Wright (2000), todas as organizações são afetadas por tendências e sistemas político-legais, econômicos, tecnológicos e sociais.

4.2.1 Oportunidades

a) Rápido crescimento do mercado: em estudo gerado pela empresa, comparando com

os mesmos meses do ano passado, a produção vem aumentando 20% ao ano.

b) Abertura de novos mercados: conforme as respostas dadas pelos sócios, ficou

evidente que eles estão buscando a liberação junto às secretarias municipais da Vigilância Sanitárias das cidades de Dr. Mauricio Cardoso/RS, Tucunduva/RS e Independência/RS, assim estimando um crescimento da produção em 40% da capacidade atual. c) Descoberta de novos produtos: existe um projeto tramitando no Banco de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul BADESUL, onde este consiste em um financiamento de dois milhões de reais para o desenvolvimento de dois novos produtos, seria o processamento de partes dos animais que não utilizadas, para a fabricação de ração animal e bio diesel.

4.2.2. Ameaças

a) Concorrentes: como esse frigorífico é uma empresa pequena, ele é ameaçado constantemente por concorrentes multinacionais que temos na região. b) Maior regulamentação governamental: devido à ineficiência das políticas ambientais, onde as mesmas se contradizem no que diz respeito às regulamentações municipais, estadual e federal. A organização vem trabalhando em projetos ambientais para cumprir todas elas. Segundo um dos sócios, no ano de 2012 foi investido mais de 500 mil reais em projetos ambientais. A partir da análise feita, podemos observar que a empresa possui vários pontos fortes e oportunidades de crescimento, assim como pontos fracos que podem ser

b) Vida útil do produto: a

vida útil da carne

é muita baixa,

desenvolvido, desta forma estamos sugerindo algumas ações para a variável interna fraqueza.

4.3. Proposições de Ações para a Indústria frigorífica melhorar sua Competitividade

A partir da análise da Matriz SWOT é possível apresentar um conjunto de ações com vistas a melhorar a performance da empresa estudada.

Tabela 1 Estratégias Versus Ações

empresa estudada. Tabela 1 – Estratégias Versus Ações Fonte: Autores (2013) 5. CONCLUSÃO Através da utilização

Fonte: Autores (2013)

5. CONCLUSÃO

Através da utilização da SWOT foi possível elaborar um conjunto de ações, a fim de equilibrar e melhorar o desempenho da organização, na análise foi observado que a empresa consegue muito bem administrar seus processos internos, investimentos, relacionamento com fornecedores e colaboradores, onde a empresa utiliza de suas forças e oportunidades para controlar suas fraquezas e minimizar as ameaças. A empresa estudada apresentou uma posição privilegiada no mercado em que atua, onde presa pelo relacionamento continuo com os clientes, pratica um preço competitivo com grandes frigoríficos da região. A empresa está buscando a introdução de um departamento para processar os produtos descartados atualmente, visando o processamento dos mesmos, assim abrindo duas novas linhas de produtos secundários o bio diesel e ração. Também como sugestão para novos produtos a empresa estará realizando uma pesquisa de mercado para verificar a aceitação de três novos produtos, salame, torresmo e charque, para esses produtos não precisaria nenhum investimento, pois possui todos os equipamentos e o conhecimento para produzi los. Com base nos resultados obtidos conclui-se que a utilização da matriz SWOT como ferramenta estratégica permite sim que a organização se mantenha num crescimento contínuo, buscando sempre a qualidade dos seus produtos para os consumidores finais e relacionamento com cliente fornecendo um produto de qualidade e preço competitivo. Deve-se ainda destacar que a SWOT não é a única ferramenta para se obter vantagem competitiva, a empresa pode utilizar de outras estratégias para potencializar seu desempenho.

6. BIBLIOGRAFIA

[1] ALVES, OLIVEIRA NETO. Aplicação do modelo e análise SWOT. Ed 1. Goiânia: 2007. [2] BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

[3] BOONE, Louis E; KURTZ, David L. Marketing Contemporâneo. 8ª ed. Rio de Janeiro: LTC,

1998.

[4] BRUYNE, Paul de. Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais: os pólos da prática metodológica. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991. [5] CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. ed. Rio de Janeiro:

Elsevier, 2007. [6] FERRELL, O. C.; HARTLINE, Michael D; LUCAS JR., George H. & LUCK, David Estratégia de Marketing. São Paulo: Atlas, 2000. [7] GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002. [8] KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 10 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003. [9] MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. Atlas:

São Paulo, 2010. [10] MCCREADIE, Karen. A Arte da Guerra SUN TZU: uma interpretação em 52 idéias brilhantes: 1. ed. São Paulo:Globo, 2008.

[11] MCDONALD, Malcolm. Plano de Marketing: Planejamento e Gestão estratégica: como criar e implementar. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004 [12] OLIVEIRA, D. P. R. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e prática. São Paulo:

Atlas, 1987. [13] PRODANOV, Cleber Cristiano. Manual de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2001. [14] RASMUSSEN, U.W. Manual da Metodologia do Planejamento Estratégico. Aduaneiras,

1990.

[15] RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999. [16] REZENDE, Denis Alcides. Planejamento Estratégico para Organizações: públicas e privadas. 1. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2008. [17] SERRA, Fernando A. Ribeiro; TORRES, Maria Cândida S.; TORRES, Alexandre Pavan. Administração estratégica: conceitos, roteiro prático e casos. Rio de janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2003. [18] SILVEIRA, Henrique. SWOT. IN: Inteligência Organizacional e Competitiva. Org. KiraTarapanoff. Brasília. Ed. UNB, 2001. [19] SOUZA, José Meireles. Gestão Técnicas e Estratégias no contexto brasileiro. São Paulo:

Saraiva, 2009. [20] WRIGHT, P.L.; KROLL.J.K.; PARNELL, J. Administração estratégica: conceitos. Trad. Celso. A. R.; Lenita R. E. São Paulo: Atlas, 2000. [21] VASCONCELOS F., P.; MACHADO, A. M. V. Planejamento estratégico: formulação, implementação e controle. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; Belo Horizonte:

Fundação João Pinheiro, 1979