Você está na página 1de 32

EDITORIAL

SUMÁRIO
APELOS À MISSÃO OUTUBRO 2017/08

O
mundo continua nas ondas das incertezas po-
líticas e sociais. As ameaças entre Ocidente
e Oriente, entre Norte e Sul desestabilizam
países e continentes. O capitalismo reina com
sua força férrea e avassaladora, sacrificando
vidas humanas. As guerras devastam países. O terroris-
mo surpreende sociedades em alerta. A violência reina Imagem de N. Sra. Aparecida
na Casa Regional dos
solta com assaltos, roubos e assassinatos. A corrupção Missionários da Consolata,
perpassa o tecido social. Enfim, a natureza devastada dá São Paulo, SP.
Foto: Cleber Pires
sinais de agonia, com degelos, tempestades e estiagens
prolongadas.
À mercê desta realidade, diversos eventos eclesiais  ESPECIAL--------------------------------------------------03
e políticos, nacionais e internacionais, constituem os Campanha Missionária 2017
Maurício da Silva Jardim
sinais dos tempos, aos quais devemos estar atentos,
para corresponder ao chamado de sermos discípulos  ATUALIDADE----------------------------------------------04
80 anos a serviço da Missão
missionários de Jesus. Jordão Maria Pessatti
A Igreja no Brasil celebra em 2017, os 300 anos do  INFÂNCIA MISSIONÁRIA-------------------------------06
encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a terna Oração e sacrifício
Patrícia Souza
padroeira que alimenta a fé e a devoção do povo brasileiro.
 MISSÃO EM CONTEXTO-------------------------------07
No contexto da Igreja latino-americana, 2017 marca os 10 Aparecida no Jardim Peri
anos do Documento de Aparecida, fruto da Conferência Gabriela Monteiro
do Episcopado latino-americano e do Caribe, que trouxe  VOLTA AO MUNDO-------------------------------------08
Folha de S.Paulo / O Globo / O São Paulo
para a sofrida realidade do continente, a nova proposta
 ESPIRITUALIDADE----------------------------------------10
de vida enquan- A Espiritualidade Missionária
to discípulos Ronaldo Lobo
missionários. O  TESTEMUNHO-------------------------------------------12
documento do V Missionário para sempre
Diamantino Guapo Antunes
CELAM, a Evan-  FORMAÇÃO MISSIONÁRIA----------------------------14
gelii Gaudium, A Igreja e os jovens
traz as instruções Dom Milton Kenan Junior

importantes e  FÉ EM AÇÃO---------------------------------------------16
Amor é relação, civismo é imposição
atualizadas a res- Nei Alberto Pies
peito da missão.  FAMÍLIA CONSOLATA-----------------------------------17
A missão, tarefa Nada grande, tudo pequeno
Giacomo Mazzotti
primordial que
 MISSÕES RESPONDE-----------------------------------21
cabe a todos os As missões e Nossa Senhora Aparecida
4º Congresso Missionário Nacional. Foto: Jaime C. Patias cristãos, com- Edson Luiz Sampel
porta o profetismo de testemunho das exigências da  ÁFRICA----------------------------------------------------22
Palavra de Deus. A missão é proclamar a Palavra de Deus Teologia Afro da Libertação
Isaack Mdindile
com alegria. O documento Evangelii Gaudium aponta as  DESTAQUE------------------------------------------------24
metas para o anúncio de uma Boa Nova ao mundo atual. Tudo com missão, nada sem missão!
Para o papa Francisco a missão exige a transformação Robério Crisóstomo da Silva

da Igreja, institucionalmente sedentária, prisioneira dos  CIDADANIA-----------------------------------------------26


Um dia necessário
estilos ultrapassados, parada no tempo e enrijecida no Carlos Roberto Marques
decorrer de sua história. Em outras palavras, a Igreja deve  BÍBLIA------------------------------------------------------27
preservar o que deve ser conservado e remover o que não Apóstolos: a missão do testemunho
Mauro Negro
presta mais. Francisco propõe novas metas e mudanças
 ENTREVISTA-----------------------------------------------28
radicais; propõe uma Igreja em saída! A missão merece Missão em Angola
uma chance. Daí o tema da Campanha Missionária: “A Maria Emerenciana Raia
alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”.   VOLTA AO BRASIL-----------------------------------------30
G1 / O Globo / O São Paulo

2 OUTUBRO 2017 MISSÕES


ESPECIAL

Campanha
Missionária
2017 de Maurício da Silva Jardim

E
m estado permanente de missão, juntos, que-
remos viver este mês missionário de outubro
refletindo sobre o tema “A alegria do Evangelho
para uma Igreja em saída”. A inspiração vem do
convite do papa Francisco na Evangelii Gaudium
para “uma nova etapa evangelizadora marcada pela
alegria (EG 1). Trata-se da alegria que nasce da experiên­
cia do encontro com Jesus crucificado e ressuscitado.
É uma alegria que brota da fé. É gratuita, um dom que
não pode ser comprado. Tal alegria, que não é um
sentimento de bem-estar egoísta, comporta cruzes,
sofrimentos, incompreensões, perseguições e lágrimas. A alegria do Evangelho para
Discipulado e missão é uma realidade que tem
dois lados. O encontro com Jesus Cristo e o seu segui- uma Igreja em saída.
mento motiva-nos a sair de nós mesmos, de nossas
seguranças e zona de conforto. A saída é uma viagem angústias dos homens e mulheres de hoje, sobretudo
para fora e para dentro de nós mesmos. Na dinâmica dos pobres e de todos aqueles que sofrem” (GS 1) é a
da missão, é importante ter presente o binômio sair intenção primordial desta Campanha Missionária que
e voltar. Somos Igreja em saída e que volta da missão não pode ser reduzida a um domingo de coleta, pois os
para contar as alegrias do Reino de Deus. Em cada saída objetivos vão muito além da arrecadação de fundos.
missionária, crescemos na consciência de colaborar
com a missão que é de Deus. Tomemos a iniciativa de Material
sair para testemunhar o Evangelho, em um processo Com a finalidade de animar a Campanha Missionária,
de permanente conversão. as Pontifícias Obras Missionárias (POM) prepararam
Encontrar, seguir e sair são verbos que apontam uma série de materiais. Todos os itens foram enviados,
para uma causa maior de doação pela causa missio- no final do mês de junho, às 276 dioceses e prelazias
nária. No entanto, há outras formas de cooperação: do Brasil para serem distribuídos entre as paróquias e
oração e oferta em favor da evangelização dos povos. comunidades. Além disso, os materiais estão disponíveis
A coleta do penúltimo final de semana de outubro para baixar e multiplicar livremente, no site das POM
(este ano, dias 21 e 22) destina-se de forma integral (www.pom.org.br). Compõem o material: o cartaz, o
à cooperação missionária, sobretudo para as regiões livrinho da Novena Missionária, o DVD que acompa-
do planeta que mais necessitam. nha o livrinho, as orações dos fiéis, os marcadores de
Impulsionar, pois, as Igrejas do Brasil para a Animação página e os envelopes para a coleta do Dia Mundial
e Cooperação Missionária, em um dinamismo de saída, das Missões. 
testemunhando a alegria do Evangelho pelo compro-
misso com as “alegrias e esperanças, as tristezas e as Maurício da Silva Jardim é diretor das Pontifícias Obras Missionárias (POM).

OUTUBRO 2017 MISSÕES 3


FOTOS AQRQUIVO IMC
ATUALIDADE

80 anos
a serviço
da Missão
O Instituto Missões Consolata (IMC)
celebra 80 anos de presença no
Brasil (1937-2017).
Padre Bísio
de Jordão Maria Pessatti
como Mãe e Patrona a Virgem Ma-
ria, sob o título de Consoladora, ou

N
o ano em que o Brasil re- simplesmente, Consolata.
corda e comemora, com A obra, fruto de destacado amor
júbilo e ação de graças o e zelo do missionário padre José
tricentenário de Nossa Allamano, visa formar missionários
Senhora Aparecida (1717- que levem o conhecimento de Je-
2017), também o Instituto Missões sus Cristo e do Evangelho aos que
Consolata (IMC) recorda os primei- ainda não o conhecem, ou necessi-
ros 80 anos de vida e atividade no tam conhecê-lo melhor. O primeiro
país. Apresento alguns pontos de campo de sua atividade missionária
sua história. foi o Quênia, já a partir de 1902,
Fundado na cidade de Turim passando depois a vários outros
(Itália), pelo sacerdote diocesano países do continente africano.
José Allamano, o Insti-
tuto Missões Consola- Chegada ao Brasil
ta é uma família de Em fevereiro de 1937, o Instituto
consagrados para a Missões Consolata chegou ao Brasil,
missão Ad Gentes. trazido pelo ardoroso missionário
A evangelização italiano, padre João Batista Bísio.
dos povos é a fi- Como foram os inícios do
nalidade que o IMC no Brasil? Tudo começou
caracteriza na assim: em maio de 1936,
Igreja. Cultua dom Carlos Duarte

4 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Costa, então bispo de Botucatu e desembarcou no Porto de Santos Foi assim que em fevereiro de 1940,
(SP), foi à Itália a procura de sa- (SP) no dia 17 do mesmo mês. Na em Aparecida de São Manuel (SP)
cerdotes para sua diocese. Entre tarde do dia 19 de fevereiro, acom- e Rio do Oeste (SC), começaram
os motivos que o levou a procurar panhado pelo bispo dom Carlos a funcionar a Casa Apostólica e o
sacerdotes figurava também este: Duarte Costa e pelo padre Cândido, Seminário São Francisco Xavier,
em São Manuel (SP), paróquia de passionista, padre Bísio chegou a São trabalho levado adiante pelos es-
sua diocese, fora iniciada a constru- Manuel, berço do IMC no Brasil e cassos missionários de então, não
ção do Santuário dedicado a Santa meta de suas primeiras atividades sem duros sacrifícios.
Teresinha do Menino Jesus (foto), em solo brasileiro.
padroeira das missões. Como a obra A expansão
estivesse paralisada há tempo, dom Efeitos da Guerra A partir do segundo semestre
Carlos procurava um sacerdote que Durante o primeiro decênio de de 1946 e começo de 1947, com o
pudesse encorajar a população de vida no Brasil, em razão das graves cessar do conflito bélico, o Instituto
São Manuel a retomar os trabalhos. dificuldades criadas pela Segunda no Brasil recebeu um considerável
Na Itália, o cardeal Granito Pig- Guerra Mundial (1939-1945), o IMC reforço de outros missionários, po-
natelli di Belmonte encaminhou o teve de limitar sua atividade apenas dendo assim expandir sua presença
bispo brasileiro ao Instituto Missões em dois lugares: São Manuel (SP) e e atividade (paróquias, seminários,
Consolata, em Turim. Na sede da Rio do Oeste (SC). alguns colégios) nos estados de
Casa Mãe do Instituto, dom Carlos Em 1937, com o retorno defi- Santa Catarina, Rio Grande do Sul,
encontrou-se com a Direção Geral, nitivo a Portugal do pároco, padre Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo e,
que estava em Assembleia, expôs- João Marques de Silva Faia, o bispo um pouco mais tarde, em Brasília
-lhe o caso do Santuário e pediu que de Botucatu confiou a paróquia de e na Bahia. Em 1948, como cam-
se dignasse enviar um padre para São Manuel ao Instituto Missões po de trabalho acentuadamente
a sua diocese, a fim de assumir a Consolata; e padre Bísio assumiu o missionário, o Instituto assumiu a
continuação e o acabamento da cargo de pároco da mesma no dia Prelazia de Rio Branco (atual estado
obra. O pedido do bispo foi ana- 5 de setembro de 1937. de Roraima), para onde seguiu um
lisado juntamente com os outros Durante os anos sofridos da grupo de missionários, sob a direção
assuntos, e a Direção do Instituto, Guerra, além do padre João Batis- de monsenhor José Nepote Fus,
no dia 15 de junho de 1936, tomou ta Bísio, outros sete missionários mais tarde eleito bispo-prelado de
a resolução de enviar missionários puderam chegar ao Brasil: os padres Rio Branco.
ao Brasil. O escolhido para iniciar Pedro Calandri, Afonso Durigon, Dio- Os Capítulos Gerais do Instituto,
as atividades do Instituto no país nísio Peluso, Domingos Fiorina, João a partir de 1981, pediram a requa-
foi o padre João Batista Bísio, que Marin, Antônio Ronchi e o irmão lificação do pessoal missionário e
anteriormente havia trabalhado Giácomo Suardi. Duas constantes a reestruturação das obras. Era
durante alguns anos nas missões prioridades do Instituto, desde o preciso assumir campos de tra-
da Somália, na África. começo da chegada ao Brasil, fo- balho em realidades missionárias
Padre Bísio, jovem missionário ram a promoção de vocações e a mais destacadas, em áreas mais
de pouco mais de 30 anos, deixou atividade missionária, visando a necessitadas. Por isso, o Instituto
a Itália aos 3 de fevereiro de 1937 formação de futuros missionários. redimensionou suas obras e ativi-
dades; retirou-se dos estados do
Rio Grande do Sul, Santa Catarina e,
parcialmente, também dos estados
do Paraná e São Paulo, voltando
sua atenção para determinados
lugares do estado da Bahia e Bai-
xada Fluminense.
Pelo bem realizado durante os
primeiros anos, graças a Deus! Pelo
muito trabalho que ainda resta por
fazer, confiamos no apoio do Dono
da messe a na proteção de sua Santa
Mãe – Estrela da Evangelização. 

Jordão Maria Pessatti, imc, é missionário em São Paulo e


Rio do Oeste, SC. foi Secretário do Instituto Missões Consolata.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 5


INFÂNCIA MISSIONÁRIA

Oração
e sacrifício
Projetos da Infância
e Adolescência
Missionária.

de Patrícia Souza

3ª Jornada da IAM em

Q
Umuarama, PR.
uando o bispo francês dom Carlos Augusto Foto: Arquivo IAM.

de Forbin-Janson fundou a Associação da


Santa Infância, em 1843, seu desejo era Uganda: Arquidiocese de Tororo. Reestruturação
que todas as crianças do mundo pudessem de quatro salas de aula na Escola Católica de Achilet.
conhecer Jesus e ter uma vida digna, mas A escola está situada a cinco quilômetros da cidade
que as próprias crianças com suas orações de Tororo. A maioria das pessoas que vive naquela
e donativos fizessem isso, ajudando-se pelo mundo região trabalha na agricultura e é pobre.
inteiro. Por isso, as crianças da IAM cooperam espiri-
tualmente com orações e materialmente com ofertas, Índia: Construção de salas na escola primária de
fruto de seus sacrifícios. Essas ajudas são necessárias, Santa Maria.
conforme diz o próprio compromisso da Obra: “Uma A região de Idappadi na diocese de Salem está
Ave-Maria por dia e uma moeda por mês”. rodeada de aldeias muito pobres. A escola começou
As crianças e adolescentes missionários cooperam com os missionários da Sociedade para as Missões
materialmente com ofertas, que são fruto de seus Estrangeiras de Paris (M.E.P) em 1921, para dar res-
sacrifícios e se destinam para as obras dedicadas às postas às necessidades educativas das crianças pobres
crianças e para a evangelização. da região. Atualmente são 640 estudantes. Como só
Cada mês, as crianças, com alegria, entregam suas haviam 14 salas para 16 turmas, alguns estudantes
ofertas para as crianças necessitadas do mundo. As tinham que estudar debaixo das árvores. Por isso
crianças e os adolescentes missionários comprometem- surgiu o projeto de construção de mais duas salas.
-se a: "repartir seus bens com os que não têm, mesmo
à custa de sacrifícios" (3º Compromisso da IAM). Papua Nova Guiné: Ajuda no ensino fundamental
Compartilhamos alguns projetos apoiados pela das crianças.
Secretaria Internacional da IAM, com o sacrifício A diocese de Wabag ocupa a região montanhosa
das crianças e adolescentes e também da coleta da de Papua Nova Guiné. As paroquias de Kompiam,
Campanha Missionária realizada em diversos países. Mungulep e Muramuni são muito distantes e estão
dando prioridade às escolas de ensino fundamental.
Projetos apoiados pela Secretaria Não há ligação por estrada, de modo que tudo precisa
Internacional da IAM ser transportado por avião, ou carregando quase um
dia inteiro caminhando. Cerca de 3.800 crianças entre
Peru: Vicariato Apostólico de San Ramón. Unifor- 5 e 9 anos beneficiam-se com esse projeto. 
mes e material escolar para as crianças da Missão de
Yurinaki, na selva amazônica. Patrícia Souza, sds, é Secretária Nacional da IAM.

6 OUTUBRO 2017 MISSÕES


MISSÃO EM CONTEXTO

Aparecida no
Jardim Peri
Centro Comunitário Nossa Senhora Aparecida luta pela
comunidade Flamingo, na periferia de São Paulo.

de Gabriela Monteiro

FOTOS: AQUIVO O LEÃO


E
m 1979 as Missionárias da Consolata, sob a
liderança de Rosa Mareschi (irmã Petra) e
orientações da arquidiocese de São Paulo,
iniciaram o “Programa Operação Periferia”,
no Jardim Peri. Irmã Petra assumiu o papel
fundamental de articuladora a fim de garantir, junto
à comunidade do Flamingo, direitos básicos como
energia elétrica, saneamento, saúde, educação e No contexto infanto-juvenil há também o MSE –
moradia. Motivado a suprir tais necessidades, nas- Serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto,
ceu o Centro Comunitário Nossa Senhora Aparecida onde são acolhidos adolescentes que perderam o
em outubro de 1980. No ano seguinte a entidade vínculo social através de atos infracionais e necessitam
assumiu a administração de uma creche e um OSEM de auxílio para a reinserção na sociedade. Ainda com
– Organização Socioeducativa do Menor. a intenção de valorizar e motivar os moradores da
Atualmente são acolhidas crianças de 2 a 4 anos comunidade, a entidade conta com o MOVA – Mo-
através do CEI – Centro de Educação Infantil Con- vimento de Alfabetização de Jovens e Adultos para
solata. Há também três CCAs – Centro para Criança pessoas que por algum motivo, social, econômico
e Adolescente, onde são acolhidas pessoas entre 6 ou intelectual não tiveram acesso ou pararam os
e 14 anos no contra turno escolar com atividades estudos e necessitam de auxílio para retomar.
lúdicas. O SASF – Serviço de Assistência Social à Família
O CJ – Centro para Juventude Eucaliptos acolhe e Proteção Básica no Domicílio existe para atender
adolescentes entre 15 e 18 anos no contra turno demandas familiares com o objetivo principal de,
escolar, tendo como prioridade adolescentes em entre outros, contribuir para a autonomia social
evasão escolar, com deficiência, gravidez precoce em busca de melhores condições de sobrevivência
e em cumprimento de medida socioeducativa. As através da economia solidária, a fim de criar alter-
atividades são voltadas para o desenvolvimento nativas para a geração de renda. A entidade conta
pessoal e coletivo. ainda com o NCI – Núcleo de Convivência do Idoso
onde as atividades visam a reinserção da pessoa na
sociedade e a melhoria na qualidade de vida, através
de palestras, cursos, atividades físicas e orientação
nutricional.
Todas as atividades desenvolvidas pelo Centro
Comunitário têm grande preocupação com a Evan-
gelização a partir da realidade em que as pessoas
se encontram. 

Gabriela Monteiro é assistente técnica do Centro para Juventude Eucaliptos. Para


mais informações acesse: http://ccnsap.wixsite.com/ccnsa

OUTUBRO 2017 MISSÕES 7


México
Três terremotos em cinco dias
O México foi sacudido por três terremo-
tos no período de cinco dias. O primeiro, de
magnitude 7,1 ocorreu no dia 19 de setem-
bro, atingindo fortemente a capital do país.
O abalo derrubou dezenas de prédios e, de
acordo com boletim do governo mexicano,
deixou 318 pessoas mortas, 180 só na Cidade
do México. No sábado, dia 23 de setembro,
um novo tremor alcançou 6,2 na escala
Richter, balançando os edifícios da capital.
Colômbia Segundo a Defesa Civil, não houve relatos de
Papa pede reconciliação ao povo danos maiores. Duas mulheres, no entanto,
Dar o primeiro passo rumo à reconci- morreram por infarto em consequência dos
liação foi o espírito que guiou toda a visita tremores. Um novo terremoto de magnitude
apostólica do papa Francisco à Colômbia, 5,9 atingiu o país na manhã do domingo, 24.
VOLTA AO MUNDO

entre os dias 5 e 11 de setembro. Sua 20ª Segundo o Centro de Alerta de Tsunamis do


viagem ocorreu no momento em que o Pacífico, o sismo aconteceu no litoral Oeste,
governo do presidente Juan Manuel Santos a 99 quilômetros Sul-Sudoeste da cidade
vem tentando pacificar a nação com acordos de Tonala, no estado de Chiapas. Entre os
e certa anistia à principal guerrilha do país, prédios derrubados pelo terremoto do dia
as Forças Armadas Revolucionárias da Co- 19 de setembro está uma escola primária,
lômbia (FARC). O papa deixou claro de que onde pelo menos 21 crianças morreram e
lado está: apoia o acordo de paz e pede ao várias outras estavam desaparecidas até o
povo colombiano que recomece do zero. Aos fechamento desta edição. Um vídeo compar-
bispos colombianos aconselhou que deem o tilhado nas redes sociais mostra o momento
primeiro passo. “O nome do primeiro passo em que algumas crianças são resgatadas nos
é Jesus, e é um passo irreversível”, afirmou. escombros da escola.

Filipinas Sudão do Sul


Mil execuções sumárias por mês O testemunho de um missionário
“No contexto do que se convencionou O Sudão do Sul está em guerra civil desde
chamar a cruzada contra as drogas, lança- 2013. O padre Daniele Moschetti, missioná-
da pelo presidente Duterte, as execuções rio comboniano que serviu no país durante
sumárias continuam num ritmo de mil por seis anos, explicou em carta a situação local
mês. Elas afetam principalmente os pobres”. sob o seu ponto de vista: “É muito simplista
Este é o alerta do padre Albert Alejo sobre a descrever o conflito do Sudão do Sul como
situação nas Filipinas. O cardeal Luis Anto- sendo exclusivamente de natureza étnica.
nio Tagle declarou que o país é governado A luta pelo poder, a corrupção, a péssima
pela violência e chamou os católicos a se gestão dos comandantes militares e políticos,
manifestarem: “nós não podemos permitir os recursos e a falta de liberdades básicas,
que a destruição da vida se torne um fato constituem realidades que complicam forte-
ordinário. Não é possível governar a nação mente o conflito”, disse o padre. O sacerdote
por meio de homicídios. Isso não é huma- contou que ouviu de uma mãe de cinco
no”, disse. Segundo os bispos do país, a filhos, Mary, 23: “a única forma de estar em
Igreja nas Filipinas reconhece o problema segurança para mulheres e adolescentes
das drogas e a necessidade de combatê-lo, é estar morta. Não há meio de estarmos
mas considera inadequados e inaceitáveis seguras enquanto estivermos vivas”. Os
os meios utilizados pelo governo de Rodrigo missionários combonianos tiveram algumas
Duterte, isto é, a exterminação de traficantes de suas missões completamente destruídas.
e viciados em drogas por meio de milhares de Eles decidiram seguir a população em fuga
execuções sumárias, sem respeito ao devido até os campos de refugiados em Uganda. 
processo legal e aos direitos fundamentais
dos cidadãos. Fontes: Folha de S.Paulo, O Globo, O São Paulo.

8 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Intenção Missionária
Pelo mundo do trabalho, para preocupar-se, de maneira especial, dos fracos e dos
que sejam assegurados a todos o indigentes”. O governo deve promulgar leis sábias
que protegem o trabalho dos operários. No traba-
respeito e a tutela dos direitos e lho, o número de horas diárias não deve exceder a
seja dada aos desempregados a força dos trabalhadores, e a quantidade de repouso
possibilidade de contribuírem para deve ser proporcional à qualidade do trabalho, às
circunstâncias do tempo e do lugar, à compleição e
a edificação do bem comum. saúde dos operários.
de Joseph Kihiko
Responsabilidade
Também é uma responsabilidade do governo

S
egundo a Declaração Universal dos Direitos ajudar os cidadãos a procurar por emprego, seja
Humanos, promulgada pela ONU, em 1948, oferecendo cargos na administração pública, ou nas
artigo 23, “todo o homem tem direito ao tra- empresas particulares. O fato é que o governo tem
balho, à livre escolha de emprego, a condições um papel que afeta o desemprego. Mas ele deveria
justas e favoráveis de trabalho e à proteção criar emprego e dar ajuda às empresas privadas que
contra o desemprego”. Essa declaração continua podem empregar um bom número das pessoas. As
dizendo que todo homem sem nenhuma distinção, pessoas precisam de um emprego para se tornarem
tem direito a igual remuneração por igual trabalho e prósperas. O governo também deveria estabelecer
que essa renumeração deve ser justa e satisfatória, programas para pessoas que não podem trabalhar
ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

que lhe assegure, assim como à sua família, uma ou não podem trabalhar em empregos que dão a
existência compatível com a dignidade humana, e a eles e suas famílias uma renda insuficiente para viver
que se acrescentarão, se necessário, outros meios decentemente.
de proteção social. Portanto, através da intenção do mês do outubro,
É responsabilidade do governo garantir e assegurar o Santo Padre conclama todos os cristãos a rezarem
o direito do trabalhador. Segundo a encíclica Rerum pelo mundo do trabalho e para que sejam respeitados
Novarum nº 20, os direitos “devem ser religiosamen- e assegurados os direitos dos trabalhadores. Que eles
te respeitados e o Estado deve assegurá-los a todos possam ser valorizados no trabalho que fazem. 
os cidadãos, prevenindo ou punindo a sua violação.
Todavia, na proteção dos direitos particulares, deve Joseph Kihiko, imc, é estudante de teologia em São Paulo, SP.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 9


ESPIRITUALIDADE

A Espiritualidade
Missionária
Nos últimos dois
milênios, o amor pela
missão tem levado
um número elevado
de missionários
e missionárias às
regiões fronteiriças
pela evangelização.
de Ronaldo Lobo

A
palavra ‘Missão’, em si, tem
uma atração à parte. Ela
aponta a um destino sem
fim e desafia os fiéis escon-
dendo a chamada transfor-
mação. Um chamado misturado
de dramas, desafios, realidades
humanas e conceitos eclesiásticos.
Os missionários e as missionárias Padre Diamantino, imc, em missão em Moçambique. Foto: Arquivo IMC.
fizeram uma passagem às outras atos da missão divina. Escolhemos cristãos, comporta a missão profé-
terras, outras culturas, outros povos, um ou outro texto para a nossa tica de testemunho das exigências
periferias sociais e geográficas do reflexão. Podemos nos limitar aos da Palavra de Deus (Documento:
mundo. Cativaram tantos pela Boa evangelhos e nos encontraremos Evangelização e missão profética
Nova e foram cativados pelos cora- na missão de Jesus (Mc 1,14ss; Lc 4, da Igreja). Os bispos apontam aos
ções humanos. Sacrificaram as suas 16-30), na missão dos seus discípulos novos desafios que hoje se colocam
vidas longe dos seus familiares, da (Mc 6, 6-13; Lc 9,1-6) e mais tarde, diante dessa tarefa - o pluralismo
sua amada pátria, em prol da missão! na missão da primeira comunidade cultural e religioso, a exclusão social
Hoje, nos parece, tal zelo não existe (Mt 28,19; At 1,6-8; 13,1-3), muitos persistente no Brasil, as questões
mais. Os tempos mudaram. Mais relatos da missão para refletir. éticas decorrentes, corrupção en-
ainda, há tentativas recorrentes de Documentos como o da V Con- dêmica, a pastoral urbana e um
minar a contribuição que a religião ferência (Aparecida), Evangelii Gau- esvaziamento dos fiéis da Igreja.
cristã é chamada a dar para o bem dium, trazem as instruções impor-
comum da sociedade. tantes e atualizadas a respeito da Fundamentação
missão. As Igrejas locais devem A missão tem sua fundamenta-
Sagrada Escritura acolher com carinho especial o que ção trinitária. Uma obra conjunta
A missão se encontra em muitos disse o decreto Ad Gentes e colocá-lo pela salvação da humanidade. O
textos bíblicos, mais ainda, a Sagrada em prática. A evangelização, tarefa Concílio Vaticano II situou a Mis-
Escritura inteira é regada dos ditos e primordial que incumbe a todos os são na sua verdadeira fonte: ela

10 OUTUBRO 2017 MISSÕES


nasce em Deus, é dom de Deus Pai, condiz com os valores do Evangelho. divina já esteve presente. A missão
realizada pelo Verbo Encarnado e Todo cristão carrega o compromisso é cuidar da ecologia, a nossa casa
conduzida pelo Espírito Santo. É de construção de uma sociedade comum. Com a encíclica Laudato si’
um grande projeto de bondade de igualdade, justiça e paz. A mis- o tema da ecologia e a responsa-
e misericórdia de Deus. A nossa são existe a serviço do Reino e da bilidade de um compromisso para
colaboração missionária consiste libertação. É preciso respeitar a o cuidado da casa comum entrou
apenas em deixarmo-nos envol- liberdade de Deus, já presente na na agenda da Igreja. Hoje faz parte
ver por esse dom misericordioso liberdade das pessoas que procuram da missão de todos os cristãos!
de Deus. A missão é proclamar a responder à sua maneira. Mais que Um compromisso para erradicar
Palavra com alegria. O documen- destruir muros, o papel do missio- a miséria e promover a igualdade
to Evangelii Gaudium (Alegria do nário será aprender a ver por cima de acesso para todos os recursos
Evangelho) aponta as novas metas deles, como Deus vê. do planeta. O documento alerta
para a ‘deterioração do mundo e
Compromisso da qualidade de vida de grande
A missão é levar a cabo as parte da humanidade’ que afeta,
atividades pastorais da Igreja. A de modo especial, ‘os mais frágeis
Igreja cumpre sua missão e se do planeta’.
realiza como diz o documento Alguns anos atrás, numa das
Ad Gentes: “mediante a ativi- suas mensagens, o papa Bento XVI
dade pela qual, obedecendo escreveu a seguinte frase: ‘que o Dia
ao mandamento de Cristo e Mundial das Missões seja ocasião útil
movida pela graça e pela ca- para compreender, sempre melhor,
ridade do Espírito Santo, ela que o testemunho do amor, alma
se torna atual e plenamente da Missão, diz respeito a todos.
presente a todos os homens De fato, servir o Evangelho não
ou povos para os conduzir à deve ser considerado uma aventura
fé, liberdade e paz de Cristo, solitária, mas um compromisso
não só pelo exemplo de vida e compartilhado de todas as comu-
pela pregação, mas também, nidades. Ao lado dos que estão na
pelos sacramentos e pelos res- linha de frente nas fronteiras da
tantes meios da graça (AG 5)”. evangelização - e refiro-me aqui
Somente através do diálogo com gratidão aos missionários e
inter-religioso e intercultural às missionárias -, muitos outros,
um missionário pode apalpar o crianças, jovens e adultos, com sua
outro, o desconhecido, onde a oração e cooperação, contribuem,
Igreja ainda não chegou, nem de várias formas, para a difusão
para o anúncio de uma Boa Nova ao Cristo foi anunciado ou compreen­ do Reino de Deus na terra. Desejo
mundo atual. Para o papa Francisco dido. A permanente dinâmica de dar que esta coparticipação, graças à
a ‘Missão’ exige uma transformação e receber deve prevalecer. Somente colaboração de todos, aumente
de uma Igreja institucionalmente quando você se aproxima, enxerga a sempre.’ Em poucas palavras o papa
sedentária, prisioneira dos estilos beleza do outro, admira o diferente. traduz o mandato missionário rece-
ultrapassados, parada no tempo Devemos ter a mesma reciprocidade bido do Evangelho pelos Discípulos:
e enrijecida no decorrer de sua com o mundo em que vivemos. O ‘Ide pelo mundo inteiro e anunciai
história. Ou seja, a Igreja deve pre- missionário deve facilitar e ajudar a Boa Nova a toda criatura!’ (Mc
servar o que deve ser conservado e nesse diálogo. 16,15) e traz à tona as reflexões
remover o que não presta mais. Ele A missão é participar no projeto fundamentais do documento Ad
propõe novas metas e mudanças do Reino de Deus. A missão da Igreja Gentes. Os membros da Igreja não
radicais (EG 272) e propõe uma insere-se nesse projeto divino, que são todos chamados a trabalhar
Igreja em saída! ultrapassa as fronteiras e atinge as em terras estrangeiras, mas todos
A missão é profética. Os missio- dimensões do Reino, porque o Reino têm uma parte a desempenhar na
nários e os cristãos têm a grande é maior que a Igreja. Deus chegou grande obra de comunicar a luz do
tarefa de anunciar o Evangelho e a todos os povos, as sementes do Evangelho ao mundo. 
denunciar as múltiplas formas de Reino estão presentes em todas as
exclusão social, a violência e desi- culturas e religiões. Antes do mis- Ronaldo Lobo, SVD, é Superior dos Verbitas
gualdade. Ou seja, aquilo que não sionário ter chegado lá, a presença em Curitiba, PR.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 11


TESTEMUNHO

Missionário
Após 50 anos de
sua morte, padre
Pedro Calandri

para sempre
é lembrado com
carinho em
Moçambique.

de Diamantino Guapo Antunes também é conhecido no Brasil.


Foi o braço direito do padre João
Batista Bísio no início da presença

F
oi com carinho e solenidade dos missionários da Consolata no
que católicos e muçulmanos país. Entre 1936 e 1940 trabalhou
do Niassa, Massangulo, em na Paróquia de São Manuel, São
Moçambique, celebraram Paulo, onde deixou uma grata re-
em agosto os 50 anos da cordação e uma importante obra
morte do padre Pedro Calandri, pastoral e artística. (ver rubrica
ocorrida em 12 de agosto de 1967. Atualidade)
Foi o primeiro missionário da Con-
solata no país e o pioneiro da evan- Consolata
gelização da região. Faleceu com Pedro Calandri nasceu no dia
74 anos de idade e vivera uma 5 de julho de 1893 em Moretta-
longa vida missionária, dedicada -Cuneo, no norte de Itália. Desde
quase inteiramente a serviço da cedo evidenciou curiosidade e um
evangelização do povo Ayao e à temperamento disciplinado e de- Padre Calandri, imc.
educação da juventude. O seu fu- terminado. O sonho de uma vida de por cinco anos, adquirindo expe­
neral e sepultura, em Massangulo, dedicação e aventura levaram-no riência, reforçando a sua formação
missão por ele fundada em 1928, ao interesse por ser missionário, o e forjando o sentido prático que
foram a expressão eloquente do que se concretizou em 1911, quan- lhe viria a ser tão útil no futuro.
quanto era considerado e ama- do ingressou no Instituto Missões Em 1925 o jovem missionário
do por todos. Entre os Ayao mu- Consolata. Concluída a sua forma- conhece uma nova missão, ainda no
çulmanos do Niassa ganhou um ção, foi ordenado sacerdote no dia continente africano: Moçambique.
nome: Bwana Cilimba que significa 3 de fevereiro de 1917. Três anos Desembarca no porto da Beira em
“homem forte de coração e que depois, em 1920 foi enviado para o junho de 1926, incumbido da difícil
aguenta com tudo”. Padre Pedro Quênia, África, onde permaneceu tarefa de desbravar terreno num
vasto território, o Niassa, onde
ainda nenhum missionário católico
tinha entrado. Não foi sozinho,
seu companheiro é o padre José
Amiotti. Iniciam então uma grande
aventura por terras desconhecidas,
num tempo onde as comunica-
ções eram quase inexistentes e a
ausência de estradas e meios de
locomoção tornavam tudo mais
isolado e difícil. Os dois jovens
missionários fixaram residência
em Mandimba aos 5 de julho de
1926. Durante cerca de dois anos a
primeira preocupação foi a inserção
no meio ambiente social da região.

12 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Dedicaram-se à aprendizagem da em concretizar. Investiu na agri- tabelecesse este clima de bom
língua ciyao e procuraram conhe- cultura e na criação de gado, nas entendimento e respeito que ainda
cer os usos e costumes do povo, oficinas de serralharia, carpintaria hoje perdura. Foram múltiplos os
exercício a que se esmeraram com e sapataria, para autossustento e gestos de estima recíproca, vividos
afinco e gosto à medida que crescia comércio, mas, também na tipo- em diversas situações: a defesa da
neles o amor pelas pessoas e pela grafia e na encadernação. população contra a cultura força-
terra. O tempo de permanência em Envolveu em todas as tarefas a da do algodão; o acolhimento na
Mandimba foi de estudo, prepara- população e os alunos da missão, missão da população perseguida
ção e delineamento de estratégias. integrando-os nos trabalhos e for- pelos militares portugueses du-
mando-os para que pudessem ser rante a guerra pela libertação de
Um estrategista autônomos e ousassem sonhar uma Moçambique do regime colonial;
Padre Calandri escolhe no sopé vida diferente e mais capacitada. as visitas às mesquitas; a participa-
do Monte Massangulo o terreno Valeu-se sempre da colaboração ção em festas comuns. Apesar das
ideal para a sede da missão. Em de outros missionários: os padres conversões de muçulmanos serem
maio de 1928 funda a Missão de Angelo Lunati e Luís Wegher e os raras, o padre Calandri respeitou
Nossa Senhora da Consolata de irmãos José Benedetto, Lorenço sempre essa opção sem impor o
Massangulo. Depressa se entregou Baroffio e Hugo Versino; além do catolicismo.
ao planejamento das tarefas, de apoio das missionárias da Consolata
modo a estabelecer as estruturas e da contribuição de catequistas. Vida missionária fecunda
de base da missão: arroteamento Pacientemente a comunidade
do espaço; plantação das primeiras Diálogo com muçulmanos cristã foi crescendo. Formaram-se
árvores; abertura de caminhos; Nos primeiros tempos, nem as primeiras famílias cristãs a partir
construção de casas. Visionário, tudo foi fácil. Quando da fundação dos alunos formados nos inter-
projetou e construiu os lugares de da missão de Massangulo, o pa- natos. Homem de ação, lançando
habitação e de serviços essenciais dre Calandri e seus companheiros mão aos meios exíguos dotou a
a um desenvolvimento estruturado experimentaram a adversidade sede da missão de Massangulo
e integrado: internatos, escolas, dos muçulmanos Ayao, que não com um conjunto de edifícios tão
oficinas, moagem, posto de saúde queriam entre eles outra religião. imponentes nas suas dimensões
e maternidade. Paciente, soube suportar esses como importantes nas perspec-
Usou os recursos naturais para primeiros anos de atitude hostil da tivas pastorais que lhes estavam
as construções, utilizando o barro população. A diplomacia e a ativi- subjacentes. Homem de ciência e
para a produção de tijolos e de dade desenvolvida pelos missioná- de letras, o padre Calandri compôs
telhas. Através de um engenhoso rios, de proximidade e entreajuda um dicionário e uma gramática
sistema de canais, captou a água foram pouco a pouco produzindo da língua ciyao. O estudo, o diá-
da nascente do Monte Massangulo, frutos. A adversidade deu lugar a logo e a pregação na língua local
conseguindo assim um recurso es- uma boa relação e à colaboração aproximavam-no das populações e
sencial para todas as empreitadas entre todos. Grande mérito teve reforçavam a empatia. Este enraiza-
que idealizara e que se empenhava o padre Calandri para que se es- mento na cultura do povo adotado
teve por consequência inevitável
a adoção do missionário entre os
Ayaos. Planejou e dirigiu a obra
da imponente e belíssima igreja
dedicada a Nossa Senhora da Con-
solata, hoje Santuário Diocesano de
Massangulo. Contou com o exímio
trabalho de arquitetura exterior e
interior, produzido localmente, com
recurso à sua oficina de artes. Esta
extraordinária igreja causa ainda
hoje deslumbre a quem a contem-
pla e numa de suas capelas laterais,
padre Calandri foi enterrado. 

Diamantino Guapo Antunes, imc, é Superior


em Moçambique.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 13


FORMAÇÃO MISSIONÁRIA

Jovens brasileiros
O bispo de Imperatriz (MA)
e presidente da Comissão Epis-
copal Pastoral para a Juventude
da Conferência Nacional dos
Bispos do Brasil (CNBB), dom
Vilsom Basso, explica como
A Igreja
A Igreja de todo o mundo volta sua
os jovens brasileiros podem
participar do Sínodo. Para
atenção para os jovens, preparando-se
dom Vilsom, “é um tempo de para a 15ª Assembleia Geral Ordinária
graça, um kairós para toda a do Sínodo dos Bispos que acontecerá em
juventude, para toda a Igreja, Roma, em outubro de 2018.
um Sínodo dos Bispos sobre
juventude”. Ele explica que de dom Milton Kenan Junior
estão à disposição dos jovens
três maneiras de participar.

H
Na primeira etapa os jovens á precisamente 10 anos a
brasileiros responderam um Conferência Nacional dos
questionário, entregue a to- Bispos do Brasil publicava o
das as dioceses do Brasil. As Documento “Evangelização
respostas foram enviadas até da Juventude” e, tendo em
vista a Assembleia do Sínodo dos
o final de julho de 2017 para a
Bispos no ano que vem, a Secretaria
CNBB, para que fosse feita uma do Sínodo publicou o “Documento
síntese e enviada à Secretaria Preparatório” que traz como título
do Sínodo, no Vaticano – este o tema do Sínodo: “Os jovens, a fé
material ajudará na formulação e o discernimento vocacional”.
de ações pastorais no âmbito As Jornadas Mundiais da Juven-
brasileiro. A segunda maneira é tude ocorridas no Rio de Janeiro
a participação direta dos jovens (2013) e em Cracóvia (2016) com a
no site do Sínodo, que entrou presença marcante do papa Francisco
no ar em 14 de junho (http:// sinalizaram a importância que os
youth.synod2018.va). O secre- jovens ocupam também no coração
tário-geral do Sínodo, cardeal do papa, que a semelhança dos seus
Lorenzo Baldisseri, explicou predecessores, chama os jovens a
que a plataforma na internet ocuparem um lugar de destaque no
interior da Igreja.
deve promover “ampla parti-
para a Assembleia do Sínodo dos
cipação”. Com o website, os Porta-vozes da esperança Bispos que ocorrerá no próximo ano
jovens receberão informações Embora vítimas de uma sociedade diz que as novas gerações “estão
e vão poder também interagir que se alicerça na busca desenfreada aprendendo a viver “sem” o Deus
no caminho da preparação para do lucro e na visão hedonista do apresentado pelo Evangelho e “sem”
o Sínodo. A terceira maneira de ser humano, os jovens continuam a Igreja, salvo confiar-se em formas
colaboração com o Sínodo, de a ser com o seu inconformismo e, de religiosidade e espiritualidade
acordo com dom Vilsom, é com com seu anseio por novas relações, alternativas e pouco instituciona-
a partilha de experiências da marcadas pela autenticidade e pela lizadas ou refugiar-se em seitas ou
juventude e expectativas para justiça, porta-vozes da esperança e experiências religiosas com forte
o Sínodo. Isso poderá ser feito sementes de transformação. matriz de identidade”.
no Facebook, com publicações A realidade dos jovens não deixa, Ao abordar o tema “Os jovens, a
usando a hastag #popeasks. contudo, de desafiar a Igreja do nosso fé e o discernimento vocacional”, a
tempo. O Documento de Preparação próxima Assembleia do Sínodo dos

14 OUTUBRO 2017 MISSÕES


e os jovens
Bispos tentará responder ao desa- da necessidade da Igreja partindo “Evangelização da juventude – de-
fio de permitir que a juventude do dos seus pastores em questionar-se e safios e perspectivas pastorais” afir-
nosso tempo encontre nas comuni- redescobrir “a vocação ao cuidado”. mam: “Cuidado particular merecem
dades cristãs “figuras de referência Os jovens continuam a ser para as os jovens, considerando-se a situação
próximas, credíveis, coerentes e comunidades eclesiais o termômetro que encontram na sociedade de

Celebração da Cruz na Praça Municipal em Salvador. Foto: Manu Dias/SECOM.

honestas”, mas também lugares e capaz de medir a sua capacidade hoje. Ela lhes apresenta uma oferta
ocasiões onde possam amadurecer de renovação. Uma comunidade imensa de experiências potenciais
na relação com os outros e afrontar que exclui da sua atenção as novas e de conhecimentos, mas não lhes
as dinâmicas afetivas. gerações condena-se a morrer. E, fornece recursos adequados para
por isso, os jovens são para a Igreja satisfazer suas aspirações. Além
Vocação ao cuidado a grande chance de renovar-se e disso, muitas vezes os desvia para
Todo esforço da Igreja exige que tornar-se sinal de esperança para caminhos ilusórios de busca do pra-
ela volte, na compreensão do papa, o mundo. Não nos equivocamos se zer. Os jovens são um grande desafio
a “personalizar” sua ação pastoral, dizemos que a Igreja pode aprender para o futuro da Igreja, que deve
a partir do “desejo de encontrar, com os jovens e, ao mesmo tempo, torná-los protagonistas e artífices
acompanhar e cuidar de cada jovem, ser para eles uma companheira capaz da renovação social” (n. 92). 
sem exceção”. Daí compreende-se o de ajudá-los a discernir os melhores
que afirma o texto preparatório para caminhos para encontrar a felicidade. Dom Milton Kenan Junior é bispo de Barretos, SP e
a Assembleia dos Bispos quando fala Os bispos brasileiros no documento Referencial do Regional Sul1 para a Pastoral Juvenil.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 15


FÉ EM AÇÃO

Amor é
relação,
civismo é
imposição civismo, por sua vez, pode ser uma forma de amor,
mas não é a única forma de amar um país.
O civismo é autoritário e impositivo, já o amor nasce
O civismo precisa ser medido, livre e desimpedido, espontâneo e duradouro. O civismo
precisa ser medido, enaltecido e demonstrado, já o
enaltecido e demonstrado, já amor ao Brasil brota livre, instantâneo e sem medidas
o amor ao Brasil brota livre, definidas para ser vivido pelos brasileiros.
instantâneo e sem medidas Em oportunidades espontâneas e livres, os brasi-
definidas para ser vivido leiros apreciam muito a bandeira e o hino nacional.
As cores da diversidade cultural, regional e étnica de
pelos brasileiros. tantos povos que aqui fazem sua morada são sobre-
postas pelas cores da bandeira, maior símbolo de
de Nei Alberto Pies identidade nacional.

Brasil amado

D
urante o mês de setembro, em especial, levanta- O sentimento de amor ao Brasil gera-se através
-se nos meios de comunicação de massa a da participação, da importância e do envolvimento
teoria de que estamos desencantados com que dispensamos, cotidianamente, como cidadãos
os rumos da nação. Consequentemente, bra- brasileiros. Em setembro de 2016, defendi que “uma
sileiros estariam sem civismo e sem amor à das maiores atitudes cívicas e cidadãs é demonstrar
Pátria. Permito-me discordar frontalmente desta teoria. amor à Pátria interessando-se por ela, participando
Levianamente, os mais convictos desta tese dizem ativamente dos acontecimentos que a envolvem
que o mal da nação estaria nos políticos corruptos e no atual momento histórico. Afirmar democracia é
na quantidade excessiva de partidos políticos. Que os atitude relevante e decisiva para vislumbrar o futuro
brasileiros estariam deixando de lado a exaltação de desta nação. É necessário afirmar e debater, de forma
amor à Pátria para digladiar-se com os demais pelos ampla, aberta e plural a participação como um direito
créditos e paixões do partido A, B ou C. Dizem, ainda, humano, a fim de sensibilizar e comprometer a todos
que partidos de esquerda estariam na origem da falta com a luta por sua efetivação no cotidiano de todos
de amor à Pátria. Em síntese: o problema do Brasil se- e de cada pessoa”.
ria a política (coisa do demônio) e, principalmente, os Leia na íntegra: www.revistamissoes.org.br/2016/09/
partidos de esquerda seriam os maiores culpados pela amar-a-patria-participando-dela/
falta de civismo dos brasileiros. Explicações que não se Lutar por direitos, por liberdade e por dignidade
justificam pela pouca participação dos brasileiros com humana é, para mim, a maior demonstração de amor
partidos políticos e com a política propriamente dita. ao Brasil e a todos os brasileiros. Um país que tanto
O amor sempre é relação, é feito de apostas e amamos não pode considerar que “lutar é crime”. 
acordos, vividos permanentemente. O amor é doação,
e tudo o que contradiz a doação fere e machuca. O Nei Alberto Pies é professor, escritor e ativista de direitos humanos.

16 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Família
consolata

Nada grande,
tudo pequeno
de Giacomo Mazzotti “Santa Teresa do Menino Jesus tornou-se santa com as
pequenas coisas; ela tinha uma vontade de ferro.

O
Fazer tudo para agradar Nosso Senhor e fazer sempre a
Santuário de Loreto, na vontade de Deus era o seu método”. (José Allamano)
Itália, é famoso porque
conserva no seu interior
a “Casa de Nazaré”.
Numerosíssimos são
os peregrinos, que, muitas vezes
passando por Roma, aproveitam
para uma visita àquela que foi a
morada de Jesus, Maria e José.
Num dos corredores do San-
tuário foi colocada uma placa de
mármore, com os nomes dos santos
e Bem-aventurados, que passaram
para visitar a “casa santa”.
Olhando a lista dos visitantes,
não pode fugir este pequeno de-
talhe: entre os nomes, dois, um uma estreita sintonia com o seu Em 1924, por vontade de Allama-
perto do outro: o Bem-aventurado pensamento e estilo. no, relizou-se um tríduo de orações
José Allamano e Santa Teresa do em honra da nova Bem-aventurada.
Menino Jesus. Eles deixaram ali A Santa de Lisieux Assim foram comentados no diário
seus nomes, como peregrinos Na Santa de Lisieux, ele encon- da casa: “o tríduo em honra da
comuns, obviamente sem se co- trava não só o desejo de salvar Bem-aventurada Teresa de Lisieux
nhecerem, em datas diferentes, almas até os confins de mundo, passou muito rápido, mas fecundo
passaram pelo Santuário de Loreto, mas as indicações claras de como de ensinamentos, emoções e até de
antes de visitarem o papa Leão trabalhar - fazendo o bem, bem propósitos. Encorajou-nos a aceitar
XIII, por ocasião do seu jubileu feito, sem barulho, ou grandes ges- o desafio a nós lançado pela jovem
sacerdotal. Era 1887 e, menos de tos, passando pela “pequena via” carmelita... Não será possível que
dez anos depois, Teresa, que se da criança que confia nas mãos em amor a Jesus Cristo, nós, da
tornara monja carmelita, partia de seu Pai, acreditando. Por isso, heroica estirpe dos apóstolos (!)
para o céu. No entanto, a fama da antes mesmo de ter sido procla- fiquemos como segundos? Que
pequena Teresa de Jesus começou mada Bem-aventurada, o fundador ela nos ajude nesta nobre batalha”.
a se espalhar rapidamente, alcan- a propôs aos seus missionários e A atenção e a devoção do Alla-
çando em Turim os dois Institutos missionárias, como protetora do ano mano pela pequena grande carme-
Missionários há pouco fundados (1923), porque Teresa, “mesmo não lita, passaram assim, sem forçar,
por Allamano. A vida, os escritos, tendo feito grandes coisas tornou-se de uma forma quase natural, aos
a espiritualidade de Teresa, mas, santa agindo nas pequenas coisas. seus filhos e filhas missionários. 
sobretudo o seu espírito missio- Padroeira do Ano, também porque
nário tinham chamado a atenção rezou muito pela causa missionária Giacomo Mazzotti, imc, é postulador da Causa de Cano-
de Allamano que ali reconheceu e protegia os missionários”. nização do Bem-aventurado José Allamano.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 17


O amor nunca
se aposenta
Os 100 anos das irmãs Allamano, iniciou a Instituição
Norberta e Riccarda. Educativa que hoje é o Colégio Con-
solata de Bogotá. No seu tempo
de missão, irmã Riccarda acom-
de Rosa Clara Franzoi panhou e formou vários grupos
de jovens, preparando-os para a
vida religiosa e até acompanhou

O
Instituto das Missionárias os inícios de uma congregação
da Consolata viveu, neste religiosa colombiana: as Irmãs de
ano, um fenômeno na Nossa Senhora da Paz.
sua história: duas irmãs Os pioneiros sempre apontam
completaram 100 anos: uma direção e um estilo. Passo a
Norberta Simoncelli e Riccarda do, ela e suas colegas missionárias passo, gota a gota, irmã Norberta,
Gallo, italianas das regiões de sempre demonstraram uma grande irmã Riccarda e outras missioná-
Trento e do Piemonte, respectiva- paixão pelo encontro com o povo rias que hoje já estão com Deus,
mente. Irmã Norberta (de branco e o anúncio de Jesus; visitavam traçaram um caminho. E hoje, que
na foto) está na Argentina e irmã as aldeias perdidas na floresta, poderiam gozar dias tranquilos de
Riccarda (abaixo), na Colômbia. dando atenção aos mais pobres. aposentadas, nem pensam nisso:
Celebrar estes dois jubileus, não Anos mais tarde, irmã Norberta foi irmã Riccarda continua servindo a
foi só agradecer a Deus o dom protagonista da legendária “Equipe comunidade fazendo todos os dias o
da vida das duas, mas também, Itinerante”. Em companhia de outra seu turno na portaria, acolhendo as
celebrar a história das missionárias irmã, visitava as aldeias do extenso pessoas, e irmã Norberta é sempre
no continente americano. povoado, chegando a ficar fora a primeira a cantar os louvores do
Irmã Norberta iniciou a presença de casa até duas semanas. Como Senhor a todo momento, porque
da Consolata no norte da Argentina. enfermeira, dava cursos básicos o amor nunca se aposenta.
Não obstante o clima quente e úmi- de pronto-socorro; enquanto sua Celebrar os 100 anos destas
colega ensinava às mulheres corte- duas missionárias é dizer um gran-
-costura, tudo unido à catequese de de “obrigada” por este trabalho
crianças e adultos. Quando o grupo humilde, silencioso de semeador,
estava um pouco preparado, vinha e alegrar-se da colheita abun-
o sacerdote para os sacramentos. dante que hoje podemos gozar.
É ver encarnado o que significa
Na Colômbia o “para sempre” que cada uma
Irmã Riccarda deu o melhor de delas um dia professou. Muito
si na educação. Depois de duas obrigada, queridas missionárias
semanas de navio e dois dias de centenárias! 
avião, a missionária não perdeu
tempo ao chegar à missão: dig- Rosa Clara Franzoi, MC, é membro da equipe
na filha do Bem-aventurado José de redação.

QUER
QUERSER MISSIONÁRIO?
SER MISSIONÁRIO? QUER
QUERSER MISSIONÁRIA?
SER MISSIONÁRIA?
TEL.: (11) 2232.2383 TEL.: (11) 2231.0500
E-mail: amv@consolata.org.br E-mail: mc@consolata.org.br

18 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Para servir
O Instituto Missões Bafutanga, na Paróquia Nossa
Senhora da Anunciação de Teley.
Consolata anuncia Ambos fizeram seus estudos em
São Paulo, no Seminário Interna-
ordenação de sete cional João Batista Bísio. Mampia
novos sacerdotes. foi articulista da revista Missões,
escrevendo para a rubrica África.
da Redação
E no próximo dia 20 de outubro,

O
os quenianos Bernard Njiru, Jared
Instituto Missões Conso- Mayaka Makori, Gregory Nzau Joseph Motema Mampia
lata ganhou o reforço de Musyoka, Antony Malila Malwe e Paul Okoth Auma serão ordenados
dois novos missionários sacerdotes em Nairobi, capital do
congoloses em agosto, seu país de origem. Paul Okoth fez
que foram ordenados seus estudos como seminarista
em seu país de origem. No dia 6 em São Paulo, SP.
Joseph Motema Mampia recebeu Rezemos pelos novos sacer-
das mãos do bispo o sacramento dotes. Que eles possam exercer
da Ordem na Paróquia Mater Dei, seu ministério com perseverança
em Kinshasa, capital da Repúbli- e coragem, servindo às missões,
ca Democrática do Congo. No conforme o carisma do Instituto
dia 27, foi a vez de Jean Claude Jean Claude Bafutanga fundado por José Allamano. 

Encontro anual dos LMC


em Votuporanga
de Fabrícia Paes
PAULO MZÉ

A
natureza foi o cenário do
Encontro Anual dos Leigos
Missionários da Consolata
(LMC), ocorrido entre os
dias 16 e 17 de setembro
no rancho do casal Neusa e Darci,
em Cardoso, a 38 quilômetros da
cidade de Votuporanga, SP, com
a presença das Comunidades São Com o objetivo de se colocar a 1994, sendo presença nas cinco pa-
Paulo, Jardim São Bento, São Mi- caminho, os leigos de São Paulo e róquias da cidade, testemunhando
guel Paulista e Rio de Janeiro; e a Rio de Janeiro foram ao encontro vida e amor à missão.
participação dos assessores dos da Comunidade de Votuporanga, Conduzida pelos leigos, privile-
LMC, irmã Sofia Carvalho e padre que partilha o carisma do Bem- giou-se a experiência do encontro
Paulo Mzé. -aventurado José Allamano desde com o outro, favorecendo a co-

OUTUBRO 2017 MISSÕES 19


munhão fraterna e o espírito da toda a vida). De maneira especial, as atividades do caminho percor-
família consolatina, com espaços relembrou que o trio consolati- rido e programou o calendário do
livres para o diálogo e partilha de no (Instituto Missões Consolata, próximo ano, cujo primeiro com-
experiências. Missionárias da Consolata e Lei- promisso será o retiro em março
A LMC Fátima Bazeggio que em gos Missionários da Consolata) de 2018.
maio desse ano esteve na Itália, beberam na mesma fonte quan- O encontro foi concluído com a
por ocasião dos Capítulos Gerais do partilharam em Roma, a vida benção final e após o almoço num
IMC e MC partilhou, primeiramen- da Bem-aventurada irmã Irene clima de muita alegria e esperança
te, a experiência vivida em Nepi, Stefani, à luz da conferência de renovada, a comunidade do Rio de
junto aos LMC vindos de países de Muranga. Janeiro e as de São Paulo pegaram
vários continentes, que também a estrada para retornar aos seus
se colocaram a caminho, cada Fonte de vida lares, com a certeza de que todos
qual com suas culturas e desafios No domingo, após o lindo nascer os quilômetros percorridos valeram
percorridos ao longo de suas jorna- do sol, os leigos participaram da muito a pena, pois reafirmaram
das, mas, sobretudo reafirmando celebração eucarística na Paróquia o espírito de família que se nutre
a identidade do leigo: própria, de São Sebastião, em Cardoso, à da verdadeira vida que está na
independente, mas, recíproca à qual o casal anfitrião pertence; e Consolata, o Cristo ressuscitado,
comunhão do Carisma dos Insti- junto à comunidade local, os leigos que a todos sacia e convida a ser
tutos (IMC e MC), que cria pontes e assessores deram testemunho perseverante e caminhar sempre
por meio da consolação, anuncia da alegria de pertencer à família ao encontro do irmão que sofre.
a boa nova, comprometendo-se Consolata.
com a promoção humana, frutos Após o retorno ao recanto da Fabrícia Paes é Leiga Missionária da Comunidade
de uma vocação ad vitam (para natureza, o trio consolatino avaliou São Paulo.

ajude-nos e venha
fazer parte desta obra
Missões é o veículo de comunicação do Instituto Missões Consolata e retrata o
trabalho missionário de levar a consolação aos que sofrem, aos que andam tristes,
aos que estão sem esperança.

Torne-se um missionário membro da família Consolata, mantendo o


nosso trabalho, contribuindo financeiramente. Mediante a sua
contribuição, enviaremos Missões para você como forma de gratidão!
Veja como é fácil:
R$ 15,00 R$ 20,00 R$ 30,00 R$ 40,00 R$ 65,00 ou mais
1 Exemplar 2 Exemplares 4 Meses 5 Meses 10 Meses
da última edição da última edição últimas edições últimas edições últimas edições

por BOLETO BANCÁRIO


por CHEQUE NOMINAL E CRUZADO - Instituto Missões Consolata



AG.: 545-2 AG.: 0355 AG.: 0386-7
por DEPÓSITO BANCÁRIO
 C/C: 38163-2 C/C: 17759-3 C/C: 945-8

Envie para nós o Comprovante, junto com seu Nome,


Data de Nascimento, CPF, Endereço, Telefone e E-mail para:

Rua: Dom Domingos de Silos, 110 - 02526-030 - São Paulo - SP - Telefax: (11) 2238.4595 - E-mail: redacao@revistamissoes.org.br

20 OUTUBRO 2017 MISSÕES


MISSÕES RESPONDE

As missões e
Nossa Senhora
Aparecida
de Edson Luiz Sampel

N
o mês de outubro, procura-se enfatizar algo
essencial da Igreja Católica. Refiro-me à
atividade expressa pelo verbo “missionar”
que, segundo o dicionário Aurélio, significa
“pregar a fé cristã”. De fato, o divino fundador
da Igreja Católica, Nosso Senhor Jesus Cristo, deu aos
apóstolos a seguinte incumbência: “Ide pelo mundo
O mês de outubro
e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15). nos recorda dos 300
Ao longo dos 20 séculos de história do cristianismo,
cumprir essa ordem implicou, por exemplo, o estabe-
anos de aparição da
lecimento de missões junto aos indígenas, ofertando padroeira do Brasil.
a eles o dom da eucaristia, dos outros sacramentos
e da palavra divina. Quem, diante de uma situação do povo de Deus, a Igreja recomenda a devoção
deste tipo, queda-se inerte e não “ousa” missionar, especial e filial dos fiéis à Bem-aventurada sempre
“porque Deus já se manifestou aos povos indígenas Virgem Maria (...)”.
de várias maneiras”, comete erro gravíssimo e, com Missionemos sempre, em todos os lugares, mas
efeito, descumpre a norma de Cristo. como católicos autênticos, sabedores do fato histórico
O código canônico (CIC) regula diversos tipos de que Jesus Cristo instituiu sobre a pessoa de São
de missão. O cânon 770 determina que os párocos Pedro uma única Igreja (Mt 16, 18-19), conforme no-lo
organizem “santas missões”. Isto significa percorrer recorda o Concílio Vaticano II: “Por isso, não podem
o território da paróquia e alardear o Evangelho aos salvar-se aqueles que, sabendo que a Igreja Católica
que nunca comparecem à igreja paroquial. Cônscio foi fundada por Deus através de Jesus Cristo como
da missionariedade como característica primordial da instituição necessária, apesar disso não quiserem nela
Igreja Católica, o supremo legislador, no cânon 781 entrar ou nela perseverar”. (Constituição dogmática
do CIC, determina que todos os fiéis, leigos e clérigos, Lumen Gentium, 14a)
conscientes da própria responsabilidade assumam, O católico que missiona, com ênfase especial no
cada qual, sua parte na obra missionária. mês de outubro, decerto contribui para com a edifi-
cação do reino de Deus, animando e aperfeiçoando
Católicos autênticos a realidade temporal com o espírito do Evangelho
Particularmente neste mês de outubro de 2017, (cânon 225, §2.º do CIC), porém, seria relevante traçar
temos de nos inspirar no missionário por excelência: um plano de ação, com os locais e irmãos a serem
Maria santíssima, a mãe de Jesus. Nesta época ditosa visitados e catequizados, tudo com respeito e caridade
do ano, em que comemoramos o tricentenário do e em plena sintonia com o bispo diocesano. 
achado de uma humilde imagem da mãe de Deus no
Rio Paraíba, no estado de São Paulo, atentemo-nos Edson Luiz Sampel é professor da Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo
ao que está prescrito no cânon 1186, conforme a (Arquidiocese de São Paulo). Membro da Sociedade Brasileira de Canonistas (SBC).
tradução portuguesa: “para promover a santificação el.sampel@uol.com.br

OUTUBRO 2017 MISSÕES 21


Teologia Afro
da Libertação
de Isaack Mdindile dos seus anseios e necessidades. Uma pastoral para o
povo, mas nunca com o povo ou como o povo queria.
Na elaboração deste pensamento teológico afro

N
os últimos tempos, a análise pertinente da está presente a preocupação de fundo da Teologia
realidade socioeconômica e cultural da África, da Libertação, ou seja, a explicação do contexto a
da América Latina e do Caribe fez com que partir de uma realidade que se quer teologizar. Em
emergisse também a reflexão teológica afro. termos de realidade é preponderante, hoje, o fato de
Como é sabido, trata-se de uma teologia com que há na comunidade negra, de modo geral, uma
bases epistemológicas próprias. Evidentemente, o consciência crítica e um sentimento de autoestima.
fato teológico mais amplo nestes contextos tem sido O povo negro está realizando movimentos que con-
a Teologia da Libertação, ou seja, a teologia do povo firmam sua intenção de garantir sua identidade e
no seu cotidiano. O pensamento teológico afro toma suas tradições culturais e religiosas.
como referência básica as experiências de Deus vividas No campo eclesiológico também surgem questões
pelas comunidades negras no continente. de abertura e pesquisa ao teólogo. Por exemplo, a
O mesmo ocorre com o pensamento teológico vol- família negra como elemento fundante da prática
tado para as realidades indígenas e mestiças. Trata-se evangelizadora; a busca de uma identidade comum
da experiência da fé numa sociedade marcada pelo
racismo e pela opressão sobre tantos. A população
afro, em sua maioria, vive num estado de abandono
quase total, acentuado pela exclusão determinada
pela vigente política econômica neoliberal.
É importante mencionar que, em seu percurso,
o pensamento teológico afro foi corroborado pelos
compromissos pela prática das igrejas cristãs históricas
e ratificados em documentos destas igrejas. Neste
sentido, há uma recente tradição de sensibilidade
pela realidade dos negros, e posteriormente também
pela realidade dos pobres, provenientes dos discursos
das Igrejas. Aliás, como é consensual, este impulso e
Papa celebrou para milhares de fiéis na Universidade de Nairóbi. Foto: EFE
dinamismo têm como base de lançamento o Concílio
Vaticano II. da família afro; quais são as influências que afetam a
família negra frente à crise econômica; o resgate do
Histórico da missão sentido de viver em comunidade onde estão presentes
A ação missionária colonial constituiu-se na busca os valores do povo negro. Contudo, o importante é
da dilatação da fé e do império. As consequências que a comunidade negra, nesse momento, sinta-
deste passado são amplamente conhecidas. Uma -se sujeita de uma nova história afro, completando
delas, por exemplo, foi a inclusão, na Igreja, de uma assim, a história da salvação e da revelação de Deus
prática paternalista e assistencialista, própria dos nos continentes africano e latino-americano. 
grupos dominantes hegemônicos. Outra consequência
foi a prática pastoral, prescindindo do povo e distante Isaack Mdindile, imc, é seminarista em São Paulo, SP.

22 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Novos ares
às Igrejas cristãs
Ecumenismo e diálogo inter- O mês das Missões
religioso são duas palavras O Mês das Missões surgiu no Norte da Itália por
iniciativa do Bem-aventurado José Allamano, tornou-se
que permeiam a relação das um imperativo para abrir os horizontes da missão da
igrejas no continente asiático. Igreja. Não é somente o mérito de ter incentivado a
existência do Dia Mundial das Missões, mas os passos
que pensou serem feitos: paciência, diálogo, fineza,
de Mário de Carli delicadeza e, sobretudo, na “unidade de intentos”
continuam iluminando os passos do ecumenismo
e diálogo inter-religioso. Ora se desejarmos uma

A
s Igrejas cristãs buscaram constantemente aproximação, como esta página trata das Igrejas da
ao longo da história, a Unidade, isto é, tudo Ásia, nada melhor do que nos atermos ao exemplo
aquilo que mais as unia e as aproximava. do que fez Francisco em junho passado, recebendo
Para tudo ficar mais claro, foi encontrado no Vaticano a delegação do Patriarcado Ecumênico de
na palavra grega oikos, aquilo que é o mais Constantinopla. Ao lado dele, a delegação do Pontifício
próximo de nós e tudo o que significa: saber admi- Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos
com o reverendo Ambrosios Chorozidis e o padre
Agathanghelos Sikos, teve duplo motivo para
a visita: as celebrações das festas dos Santos
padroeiros Pedro e Paulo, dia 29 de junho e
dia 30 de novembro em Istambul a de Santo
André Apóstolo. Tais festas litúrgicas evocam
o sonho de cada um desses mártires. O papa
oferece uma ênfase especial na necessidade de
trabalhar juntos, rezar juntos, para enfrentar
as emergências existentes no mundo de hoje.
O pensamento de Francisco é construir um
“ecumenismo espiritual” e um “ecumenismo
de sangue”, pois nossas Igrejas têm a marca do
martírio dos Santos acima citados, que banha-
ram seu sangue com o de Cristo.
Encontro inter-religioso no Centro de Congressos de Colombo, Sri Lanka. Foto: REUTERS

nistrar e manter cuidados para com a “Casa”. Para Caminhos do Ecumenismo


expandir essa visão, surgiu o empenho de cuidar Não consiste numa negociação de valores, de
de toda a terra habitada. Um olhar para dentro das verdades, ou mesmo um acordo ou pacto para se
Igrejas e surgiu a palavra “ecumenismo”. Porém, no chegar a um “estado de paz”, como se vê em alguns
sentido mais restrito interno, emprega-se o termo círculos das Igrejas. Para Francisco é clara esta posição:
para os esforços em favor da unidade entre Igrejas para se construir a unidade é condição fundamental
cristãs: católica, ortodoxa e protestante. O sonho de o diálogo, a paciência, a firmeza. No caso religioso, é
todas essas Igrejas é a unificação, a aproximação e importante que cada Igreja tenha sua fé bem firme
a cooperação, esforçando-se para a busca da frater- e bem esclarecida. 
nidade e superação das divisões entre os diferentes
rostos que essas Igrejas revelam. Mario de Carli, imc, é missionário da Consolata em Nova Redenção e Ibiquera, BA.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 23


DESTAQUE

Tudo com missão,


nada sem missão
de Robério Crisóstomo da Silva 4º Congresso Missionário Nacional reuniu 700
pessoas em Recife, Pernambuco, com o objetivo

A
arquidiocese de Olin- de impulsionar a Igreja do Brasil para uma
da e Recife reuniu 700
participantes para o 4º postura de saída na alegria do Evangelho.
Congresso Missionário
Nacional, de 7 a 10 de A programação foi baseada Fernando Saburido, arcebispo de
setembro de 2017, no intuito de na metodologia do Ver, Julgar Olinda e Recife, irmã Maria Inês
proporcionar reflexão, animação e Agir, iluminada pelas palavras Vieira, presidente da Conferência
e articulação sobre a natureza Encontrar, Contemplar, Discer- dos Religiosos do Brasil (CRB);
missionária da Igreja e de sua ta- nir e Comprometer-se, conforme dom Esmeraldo Barreto de Farias
refa evangelizadora, voltando-se apresentado pela coordenação e padre Maurício da Silva Jardim,
aos povos e além-fronteiras. Para do evento, presidida por dom diretor das POM.
isso, foram realizadas diversas Esmeraldo Barreto de Farias, bispo
atividades, como conferências, auxiliar de São Luiz (MA), e pre- As conferências
oficinas, plenárias, celebrações, sidente da Comissão Episcopal Cinco conferências foram pro-
caminhada dos mártires, entre Pastoral para a Ação Missionária e feridas ao longo de três dias do
outras, incluindo eventos espe- Cooperação Intereclesial da CNBB. Congresso. O teólogo xaveriano,
cíficos e de convivência com as O 4º CMN foi promovido pe- padre Estevão Raschietti destacou
famílias, as quais hospedaram as las Pontifícias Obras Missionárias a missão Ad Gentes como hori-
delegações, conforme organizado (POM) em comunhão com o Con- zonte da Igreja em Saída. Dom
entre paróquias e comunidades. O selho Missionário Nacional (Co- Roque Paloschi, arcebispo de Por-
4º Congresso Missionário também mina) e a arquidiocese de Olinda to Velho (RO) e presidente do
teve como objetivo específico, e Recife. A abertura se deu às 18 Conselho Indigenista Missionário
preparar o 5º Congresso Missio- horas do dia 7 de setembro, no (Cimi) falou sobre testemunho e
nário Americano (CAM 5), que Auditório do Colégio Damas, zona martírio por causa do evangelho,
será realizado entre os dias 11 e norte da capital pernambucana lembrando nomes como Dorothy
15 de julho de 2018, na Bolívia. com pronunciamentos de dom Stang, Chico Mendes e Irmã Ade-

24 OUTUBRO 2017 MISSÕES


laide, entre outros. O arcebispo vivem em outras periferias geo- Para os congressistas, “o Con-
de Brasília (DF) e presidente da gráficas e existenciais. As reformas gresso foi o encontro de irmãs e
Conferência Nacional dos Bispos trabalhista, previdenciária, política irmãos que partilharam sua fé,
do Brasil (CNBB), cardeal Sérgio da e da educação, bem como a reto- suas lutas, suas angústias, seus
Rocha, falou sobre sinodalidade, mada das privatizações mostram sonhos, suas esperanças. Durante
um dos eixos do Congresso, como que o governo e o Congresso Na- todo o tempo, sentimos agir em
dimensão comunitária da missão. cional viraram as costas ao povo. nós o Espírito Santo, protagonis-
“Sinodalidade é caminhar juntos, A corrupção e a falta de ética, que ta da missão, reforçando nossa
compartilhar alegrias e dores. A atingem tanto a classe política, convicção de que ser missionário
missão não é propriedade parti- quanto empresarial e outros se- é uma graça e uma responsabili-
cular, não é restrita a alguém ou a tores da sociedade, têm levado o dade. Por isso, renovamos nosso
um grupo, mas é tarefa eclesial”, desencanto e a desesperança aos compromisso com a Infância e
afirmou. O cardeal dividiu a mesa brasileiros e brasileiras”. Adolescência Missionária e com a
com a teóloga Lúcia Pedrosa Pá- A indignação com o desprezo Juventude Missionária, em união
dua, da PUC-Rio, que falou sobre pelo meio ambiente por parte com as demais expressões juvenis,
comunhão. dos governantes ficou evidente a fim de que crianças, adolescentes
A última conferência do Con- na Mensagem dos congressistas: e jovens sejam protagonistas da
gresso foi proferida por dom José “causam-nos indignação a devasta- missão onde quer que estejam”.
Antônio Peruzzo, arcebispo me- ção da Amazônia, a degradação da Finalizando, os presentes con-
tropolitano de Curitiba, que falou natureza e a violência que ceifa a cluíram que “para a vivência da
sobre A alegria do Evangelho, vida de lideran-
FOTOS: JAIME C. PATIAS

animando a todos afirmando que ças. O decreto


a alegria de evangelizar é plena, do governo que
diferente da euforia do sucesso. extingue a Re-
serva Nacional
Mensagem Final do Cobre e As-
Ao final do Congresso, os 700 sociados (Ren-
missionários e missionárias, vin- ca) é um duro
dos de todas as regiões do Brasil golpe nos direi-
produziram a Mensagem às Comu- tos dos povos
nidades Eclesiais do Brasil, onde indígenas e no
afirmam que foram “fortemente bioma amazô-
desafiados a testemunhar A ale- nico”. Porém,
gria do Evangelho para uma Igreja os presentes
em saída”. também se
Na Mensagem, os congressistas manifestaram
afirmaram que “o exemplo dos no sentido da
mártires e profetas, como dom esperança, ao afirmar que “essa missionariedade é imprescindível
Hélder Câmara, ajudou-nos a olhar realidade, longe de nos desanimar, a atitude da escuta. Contribui
para o Brasil, mergulhado numa cobra-nos uma ação missionária para isso a formação missioná-
profunda crise que fere, no coração vigorosa, transformadora, liberta- ria contínua que alimenta nossa
e na alma, a nós e a tantos irmãos dora. Revigorados pelo espírito da espiritualidade, cria a cultura da
e irmãs empobrecidos, excluídos Conferência de Medellín que, há 50 missão e contribui para que to-
e descartados”. anos, deu à Igreja latino-americana dos os batizados assumam sua
Diante do quadro de crise polí- o rosto de uma Igreja em saída, vocação missionária. Assim, onde
tica e econômica, os missionários pobre, missionária e pascal, somos estivermos, iremos ecoar o refrão
e missionárias presentes ao 4º motivados a vencer a tentação da que ficou gravado em nossos co-
Congresso assim se posicionaram: indiferença, do comodismo, do rações: “Tudo com missão, nada
“como se estivesse anestesiada, a desencanto, do desânimo e do sem missão”.
população brasileira assiste ao for- clericalismo presentes em muitas A íntegra da Mensagem pode
talecimento de políticas neolibe- de nossas comunidades. Somos ser lida em www.pom.org.br. 
rais que retiram direitos e agravam guiados pela fé e pela esperança
a situação dos trabalhadores/as, cristãs capazes de reacender, no Robério Crisóstomo da Silva, imc, é coordenador da
dos povos indígenas, quilombolas, coração de todos, a chama do amor Animação Missionária Vocacional dos missionários da Con-
ribeirinhos, pescadores e dos que pela vida, pela justiça e pela paz”. solata. Participou do 4º Congresso Missionário Nacional.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 25


CIDADANIA

Um dia
necessário
Dia 10 de outubro
celebramos o Dia da
Honestidade.

Preceitos de Deus
Já no Direito Romano, cerca de dois séculos antes
de Cristo, Honeste Vivere foi estabelecido como um
dos preceitos do Direito: viver honestamente, não
ofender ninguém, dar a cada um o que lhe pertence.
Juris Praecepta Sunt haec: Honeste Vivere, Alterum
Non Laedere, Suum Cuique Tribuere.
Antes mesmo de serem formalmente estabelecidos,
esses preceitos já haviam sido violados na origem da
Criação, pelo pecado da desobediência e do desres-
peito à coisa alheia: o fruto da árvore da sabedoria
não lhes havia sido liberado. O dualismo do bem e do
mal, do certo e do errado, do justo e injusto, é pró-
de Carlos Roberto Marques
prio do ser humano. “O Senhor arrependeu-se de ter
criado o homem” (Gn 6, 5-6). Há momentos em que
o desequilíbrio recomenda a intervenção do Criador,
como em Sodoma e Gomorra e na história do dilúvio.

E
stranho destacar-se um dia do ano para se re- Mas não é preciso esperar a ação de Deus. Há de
fletir sobre honestidade, maneira de agir que haver um Jonas a intervir, como em Nínive. No Brasil,
deveria ser tão natural e espontânea como o estamos passando por um duro teste. Há quase um
ato de respirar. Há referências também ao Dia século, nosso mais brilhante jurista registrou sua in-
Mundial da Honestidade, comemorado em 30 dignação, deixando ver que a vantagem indevida já
de abril, encerrando o mês em contraposição ao Dia era parte de nossa cultura. “De tanto ver triunfar as
da Mentira, que o inicia. nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto
A definição de honestidade, em alguns dicionários, ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os
é relativamente imprecisa, valendo-se eles de outros poderes nas mãos dos maus, o homem chega a de-
tipos de comportamento para explicá-la. Fala-se em sanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha
procedimento rigorosamente conforme as regras de de ser honesto” (Rui Barbosa). Sejamos, cada um de
uma ética socialmente aceita. Com isso, ficaria seu nós, o Jonas ao menos de nossa própria consciência. 
conceito vinculado a culturas e costumes, ou seria
mesmo um conceito intuitivo, ao sabor da consciência Carlos Roberto Marques é Leigo Missionário da Consolata, (LMC), bacharel em Direito
e do interesse individual ou de grupos. pela USP e membro da equipe de redação.

26 OUTUBRO 2017 MISSÕES


BÍBLIA

Apóstolos: a missão
do testemunho
de Mauro Negro
E sereis minhas
testemunhas…

O
Evangelho segundo Lucas e o livro dos Atos (At 1, 8)
dos Apóstolos foram, muito provavelmente,
escritos pela mesma pessoa, que se enten-
de ser Lucas, discípulo do Apóstolo Paulo. Ora, a mensagem que os discípulos devem agora
Quando se estuda mais atentamente estes transmitir é o próprio Jesus, sua Pessoa e Missão. E
dois livros, percebe-se pontos comuns. devem fazê-lo com a decisão de mulheres e homens
O que nos interessa é uma pequena frase no início convictos do que vivem. Não é um “produto” a ser
de Atos dos Apóstolos. No capítulo um, versículo oito. vendido, um “serviço” a ser proposto ou uma “van-
Depois de quarenta dias da Ressurreição, durante uma tagem” a ser partilhada. É a Salvação que é levada a
ceia, Jesus se entretém com os discípulos

JAIME C. PATIAS
que lhe fazem muitas perguntas. Eram
algumas perguntas válidas e outras que
demonstravam que eles não estavam
entendendo realmente a nova ordem
das coisas.

O que importa
O que Jesus diz é o que importa. “Re-
cebereis uma força, a do Espírito Santo
que descerá sobre vós, e sereis minhas
testemunhas em Jerusalém, em toda
a Judeia e Samaria, e até os confins da
terra” (At 1, 8). O Espírito Santo, que
agora dá ânimo ou força aos discípulos,
os levará a ser testemunhas de Jesus. E
isso acontecerá em Jerusalém, na região
da Judeia, depois Samaria e em todo o
mundo. Este é um verdadeiro projeto
missionário com três focos importantes.
O Espírito que dá força; o testemunho que é a men- todos, indistintamente. O testemunho dos discípulos
sagem e a vivência; e o âmbito da missão, que são começa, efetivamente, naquele momento, em Jerusa-
os extremos da terra. lém, e se difunde, como que em ondas cada vez mais
Na língua em que o Novo Testamento foi escrito, amplas, até os confins da terra. Em Atos 28,11–31
a palavra “testemunha” é martyr. Vem dai a palavra vemos Paulo em Roma, anunciando e ensinando
“martírio”, que é o ato de testemunhar. Nós associa- sobre Jesus. Ele está no centro do mundo daquela
mos esta palavra ao sofrimento por alguma causa época. Então o Evangelho está nos confins da terra.
importante, mas podemos pensar em “martírio” Também hoje a Missão deve ser como aquela
como algo menos sangrento e mais constante, in- vivenciada pelos Apóstolos: Testemunho! A todos,
tenso. Neste caso, a palavra indica dois elementos: Graça e Paz! 
(1) A firmeza ou convicção do que se diz e (2) o que
se diz, a mensagem transmitida. Mauro Negro, OSJ, é professor e biblista - PUC São Paulo, SP. mauronegro@uol.com.br

OUTUBRO 2017 MISSÕES 27


ENTREVISTA

Missão
Missionários da
Consolata em Funda,
próximo à capital

em Angola
de Angola, realizam
Campanha para
dar continuidade ao
trabalho pastoral.

ARQUIVO
de Maria Emerenciana Raia

O
Instituto Missões Conso-
lata (IMC) abriu nova co-
munidade em Angola, a 60
km da capital, Luanda, em
Funda, diocese de Caxito,
contando com três missionários.
Um deles, padre Luiz Antônio de
Brito relata em entrevista exclusiva
à revista Missões o trabalho e a Por que o IMC optou por abrir foi fundada. Desta vez em Funda,
Campanha que estão realizando uma nova missão em Angola? na Diocese de Caxito, a 60 km da
para arrecadação de recursos e A intenção do Instituto em abrir capital Luanda. Para lá foram envia-
construção de uma igreja. uma missão em Angola já data de dos os padres Sylvester Ogutu (até
1920, quando o fundador recebeu então em Viana), Heradius Mbyela
a proposta para tal, porém, devido e Luiz Antônio de Brito, que naquele
ao escasso número de missionários momento eram recém-ordenados.
do ainda jovem Instituto, não foi Este é um ambiente semi-rural onde
possível. Devido à nossa presença coexistem a agricultura e a expansão
forte no continente africano, viu-se de empresas de médio e grande
a necessidade de uma presença porte. É um ambiente propício para
mais expressiva e significativa em a aglomeração de pessoas vindas
um outro país de língua portuguesa do interior em busca de condições
(até então estávamos presentes so- melhores, porém, nem sempre bem
mente em Moçambique). Em 2005 sucedidas acabam por inflar o con-
durante o Capítulo Geral, a reflexão tingente de moradores em bairros
acerca da abertura tomou forças e, com condições precárias de serviços
tendo em consideração os convites básicos. Esta é também uma opção
de vários bispos diocesanos optamos em área de periferia urbana.
por Angola. A nossa presença em
Angola está intimamente ligada à Quantos missionários estão
presença nas periferias urbanas. trabalhando nesta missão?
A primeira presença IMC nestas Atualmente em Angola temos
terras ocorreu em 1 de agosto de seis missionários, distribuídos nas
2014, com a chegada de três mis- duas missões. Na missão da Paró-
sionários. Estes assumiram a área quia Santo Agostinho, Viana, estão:
de periferia urbana na cidade de Freddy Gomes, colombiano, fez
Viana, nos arredores de Luanda, seus estudos teológicos no Congo
onde veio a ser instalada a Paróquia e trabalhou por alguns anos lá;
Santo Agostinho. Quase três anos Marco Simbeye, tanzaniano, fez
depois, em 18 de dezembro de seus estudos teológicos em Roma
2016, uma nova comunidade IMC e, após estudos posteriores foi des-

28 OUTUBRO 2017 MISSÕES


tinado a esta missão; Dani Romero, Senhora Consolata, para a qual julgamos insuficientes os míseros
venezuelano, estudou em São Paulo esta Campanha se destina, após recursos adquiridos para a aquisi-
e, após ordenação e passagem por seis meses de ereção da Paróquia, ção destes equipamentos.
Moçambique foi enviado a Angola. conseguimos construir uma estru-
Na missão da Paróquia Nossa Se- tura provisória onde realizamos as Como vocês estão organizando
nhora Consolata, em Funda, estão: missas dominicais e os encontros a Missão? O que desenvolvem,
Sylvester Ogutu, queniano, estudou de formação de catequistas e lide- além da estrutura física?
em São Paulo e, após ordenação ranças. Por razões de segurança, no A missão na Paróquia Nossa Se-
e passagem por Moçambique foi momento estamos na construção nhora Consolata está organizada em
enviado a Angola na Paróquia Santo do muro perimetral. Temos como dois aspectos: Zonas Geográficas,
Agostinho e posteriormente à Fun- perspectivas a construção da casa com quatro zonas formadas por
da; Heradius Mbeyela, tanzaniano, paroquial e futuramente a igreja. quatro a seis comunidades cada
estudou em São Paulo e, após or- Porém, no momento, mais do que uma, de acordo com a proximidade.
denação foi enviado diretamente construir estruturas físicas neces- Cada comunidade possui catequis-
a Angola e Luiz Antônio de Brito, sitamos contruir a igreja viva, ou tas e um coordenador. O segundo
brasileiro, natural de Monte Santo seja, atender as pessoas em suas aspecto são Grupos e Movimentos,
na Bahia, fez seus estudos teológi- comunidades (21 no total) e formar orientados desde a promoção da
cos no Quênia, realizou o ano de líderes capazes de nos ajudar nesta mulher, o cuidado da criança, for-
serviço pastoral em Uganda e, após missão. A nossa prioridade é, por- mação juvenil até movimentos de
ordenação foi enviado à Angola. tanto, a aquisição de instrumentos espiritualidade. Trabalhamos em
que facilitem este nosso trabalho, ajuda mútua, porém, cada sacer-
Vocês estão lançando uma Cam- nomeadamente, equipamentos dote é diretamente responsável
panha para arrecadar fundos para de som, gerador, material para a por acompanhar certo número de
a Missão. Fale para nós como está celebração de missa (cálice, cibó- grupos ou movimentos. Temos prio-
esta Campanha. O que já consegui- rio), kit para catequese (bíblias, rizado a formação de catequistas e
ram? O que esperam? Como está o terço, material para formação), a promoção e formação de agentes
trabalho? Quais as perspectivas? um veículo. Tudo o que tem sido da Liturgia, dos Conselhos de Econo-
As duas paróquias estão em feito até o momento foi através mia e de Pastoral. Também temos
estágios de desenvolvimento bem da generosidade desta gente, em dedicado muito tempo às visitas e
distintos. A Paróquia Santo Agosti- sua grande maioria trabalhadores conhecimento das comunidades,
nho, devido ao período de presença rurais ou empregados de fábricas pastoral da escuta e aconselha-
e ao bom momento econômico com salários minguados que tem mento, além de atender muitas
encontrado já conseguiu construir abraçado nossa missão. Tendo em confissões. Nos momentos menos
um salão que funciona como igreja conta a localização geográfica e ocupados pastoralmente temos nos
e o muro que a protege. No aspecto olhando as condições financeiras dedicado às melhorias na casa que
pastoral e catequético já se tem uma das famílias ou cristãos que todos nos foi emprestada com trabalhos
funcionalidade bastante eficaz. No os domingos acorrem para aquele de carpinteiro e pedreiro, o que
momento trabalham para a compra espaço em busca de Consolação e provocou alguns jovens a unir-se
de um veículo e a construção da de valores cristãos que concorrem a nós para aprender alguma coisa.
casa paroquial. Na Paróquia Nossa para a humanização da sociedade, Temos a graça de ter três congrega-
ções religiosas femininas em nosso
território. As Irmãs Servas do Espí-
rito Santo, que se dedicam mais ao
campo da saúde e medicina natu-
ral (incluindo Pastoral da Criança);
Congregação da Divina Providência
e Sagrada Família, que se dedicam
à área educativa e apoio familiar;
e as Irmãs Servas Franciscanas Re-
paradoras que atuam na educação,
apoio à catequese e formação de
grupos de espiritualidade. 

Maria Emerenciana Raia é jornalista e editora


da revista Missões.

OUTUBRO 2017 MISSÕES 29


São Paulo (SP) o Brasil caiu de 27 para 21 posições na
1º Sínodo Arquidiocesano lista. São avaliados os critérios de ensino,
Durante a missa da Solenidade de Corpus pesquisa, produção de conhecimento e
Christi, em 15 de junho, o arcebispo metro- reputação internacional. Para compreender
politano de São Paulo, cardeal Odilo Pedro o ranking, é preciso saber que, após as 200
Scherer, anunciou e convocou o 1º Sínodo Ar- primeiras, as universidades são organizadas
quidiocesano, em blocos. A Universidade de São Paulo, por
que terá como exemplo, foi a que mais se destacou entre
tema “caminho as brasileiras: ficou no grupo da 251ª até
de comunhão, 300ª. Em seguida, vieram a Universidade
conversão e re- Estadual de Campinas (Unicamp), entre
novação missio- 401ª e 500ª, e a Universidade Federal de
nária” e como São Paulo (Unifesp), entre 501ª e 600ª.
lema “Deus ha-
bita esta cida- Governo estuda extraditar Battisti
de: somos suas O ex-ativista italiano Cesare Battisti, con-
testemunhas”. denado à prisão perpétua em seu país natal
Segundo dom Odilo, o Sínodo será dedicado por envolvimento em quatro assassinatos,
à vida e à missão da Igreja na arquidiocese corre o risco de ser extraditado pelo Brasil.
VOLTA AO BRASIL

e será uma ação eclesial de grande signifi- Segundo o jornal O Globo, o governo da Itália
cado, que contará com o envolvimento de fez um pedido sigiloso para o presidente
todas as forças vivas desta Igreja particular. Michel Temer rever a decisão de Luiz Inácio
“O objetivo principal do Sínodo Arquidio- Lula da Silva que garante a Battisti o direito
cesano é a renovação da evangelização e de viver em solo brasileiro. De acordo com
da vida pastoral da arquidiocese, à luz dos o diário carioca, as negociações entre os
apelos de Deus e da Igreja e à luz da reali- dois países começaram no ano passado,
dade, na qual vive a Igreja de São Paulo”, após a ascensão de Temer ao poder. Dois
afirmou o arcebispo. Na convocação, dom ministros já teriam dado aval à extradição:
Odilo também detalhou as várias etapas do Torquato Jardim, da Justiça, e Aloysio Nunes
caminho sinodal que se concluirá em 2020 Ferreira, das Relações Exteriores. O jornal
com a realização da Assembleia do Sínodo diz que o pedido da Itália foi submetido a
Arquidiocesano. No dia 12 de setembro uma “primeira análise técnica” e agora será
foram divulgados o logotipo e o hino do avaliado pela consultoria jurídica da Presi-
Sínodo. O logotipo será utilizado em todos dência da República. Oficialmente, segundo
os materiais de divulgação e formação das o diário, o Palácio do Planalto afirma que o
diferentes etapas até sua conclusão em assunto não está sendo tratado. Membro
2020. Já o hino poderá ser executado nas do grupo Proletários Armados pelo Comu-
atividades do caminho sinodal tanto em nismo (PAC) na década de 1970, Battisti foi
âmbito paroquial, regional e arquidiocesano. condenado à prisão perpétua na Itália por
O logotipo foi desenvolvido pelo designer “terrorismo” e envolvimento em quatro
Marco Antonio Merlos da Cunha e o hino assassinatos cometidos durante os “anos
teve a letra composta pela Comissão de de chumbo”, período de intensa atividade
Coordenação Geral. Já a melodia é de au- de grupos de extrema direita e extrema
toria do padre Luiz Eduardo Baronto, Cura esquerda na península. Para escapar da ca-
da Catedral da Sé. No dia 16 de setembro, deia, ele se mudou para a França, mas fugiu
houve uma reunião com os animadores pa- quando teve sua extradição autorizada. De
roquiais (dois representantes por paróquia) lá, viajou para o México e, em seguida, ao
para serem a ponte entre a organização do Brasil, onde foi preso em 2007, no Rio de
Sínodo e as paróquias. Janeiro. O STF também chegou a autorizar
sua expulsão, mas Lula, no último dia de
Brasília (DF) seu segundo mandato, deu permissão para
21 universidades entre as melhores Battisti ficar no país. 
No ranking que classifica as mil melhores
universidades do mundo, divulgado pela
Times Higher Education, dia 5 de setembro, Fonte: G1, O Globo, O São Paulo.

30 OUTUBRO 2017 MISSÕES


Seja um mantenedor
desta Obra Missionária

Saiba mais

www.revistamissoes.org.br
colabore
Expediente
Diretor: Paulo Mzé Editora: Maria Emerenciana Raia Equipe de Redação: Rosa Clara Franzoi, Isaack Mdindile, Joseph Kihiko e Carlos Roberto Mar-
ques Colaboradores: Mauro Negro, Giacomo Mazzotti, Marcus E. de Oliveira, Nei A. Pies, Edson L. Sampel, Mário de Carli, Joaquim Ferreira Gonçalves
e Jaime C. Patias Agências: Adital, Asia News, CIMI, CNBB, Ecclesia, Fides, POM, Misna e Vaticano Diagramação e Arte: Cleber P. Pires Jornalista
responsável: Maria Emerenciana Raia (MTB 17532)
Impressão: Forma Certa - Fone: (11) 2081.6000 Administração: Luiz Andriolo Sociedade responsável: Instituto Missões Consolata
(CNPJ 60.915.477/0001-29) - Colaboração anual: R$ 65,00 BRADESCO - AG: 545-2 CC: 38163-2 Instituto Missões Consolata (a publicação anual de Mis-
sões é de 10 números) MISSÕES é produzida pelos Missionários e Missionárias da Consolata - Fone: (11) 2238.4599 - São Paulo/SP / (11)
2231.0500 - São Paulo/SP / (95) 3224.4109 - Boa Vista/RR
Endereço: Rua Dom Domingos de Silos, 110 - 02526-030 - São Paulo - Fone/Fax: (11) 2238.4595
Site: www.revistamissoes.org.br - E-mail: redacao@revistamissoes.org.br