Você está na página 1de 24

Ili Seminário de

Iniciação Científica
do Ensino Médio

23A25 DEJULHO DE 2014


Pró-reitoria de Pesquisa,
Pós-graduação e
Inovação
Tecnológica - PROPPIT
E-mail: pesquisa.ufopa@gmail.com
2014
O III Seminário de Iniciação Científica do Ensino Médio (PIBIC-EM) realizado dia 23,
24 e 25 de julho de 2014.

Dilma Vana Rousseff


Presidente da República
Henrique Paim
Ministro da Educação
Raimunda Nonata Monteiro
Reitora
Anselmo Alencar Colares
Vice-reitor
Sylmara de Melo Luz
Pró-Reitora de Administração
Prof. Dr. Edson Akira Asano
Pró-Reitor de Planejamento Institucional
Profª. Drª. Maria de Fátima de Souza Lima
Pró-Reitora de Ensino de Graduação
Prof. Dr. Thiago Almeida Vieira
Pró-Reitor da Comunidade, Cultura e Extensão
Prof. Dr. Sérgio de Melo
Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação
e Inovação Tecnológica
Prof. Dr. Raimundo Valdomiro de Sousa
Pró-Reitor de Gestão Estudantil
Profª. Drª. Izaura Cristina Nunes Pereira
Pró-Reitora de Gestão de Pessoas
Comissão Organizadora

Sérgio Melo
Pró-reitor de Pesquisa, Pós-graduação
e Inovação Tecnológica
Delaine Sampaio da Silva
Diretora de Pesquisa
Adriângela Silva de Castro
Secretária Executiva
Joelma Sá Figueiredo
Assessora PROPPIT
Nara Claúdia da Cruz Figueiredo
Secretária Executiva
Suelen Maria Costa Monteiro
Assistente Administrativo
Enoque Calvino Melo Alves
Professor Msc.
Lucas Antonio Freitas de Souza
Acadêmico

Comissão de Apoio

Diego Valente
Paulo Henrique Braz Moura
Wilker Correia Chaves
Gabriel Figueiredo Melo
Tiago Dezincourt Guimarães
Valdeth dos Santos Sousa

Comitê Interno do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC

Sérgio de Melo
Adriano Del Pino Lino
Cristina Vaz Duarte da Cruz
Deize de Souza Carneiro
Delaine Sampaio da Silva
Denisson Celio de Oliveira Carvalho
Domingos Luiz Wanderley Picanço Diniz
Esaú Aguiar Carvalho
Francisco Edson Gomes de Almeida
Kelly Cristina Ferreira Castro
Waldiney Pires Moraes
Manoel Roberval Pimentel Santos
Xaene Maria Fernandes Duarte Mendonça
Indice

Pibic-EM 004
BIBLIOTECA DIGITAL: DIFUNDINDO O CONHECIMENTO CIENTÍFICO 005
Correspondências Pessoais da Década de 90 006
DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DA MADEIRA DE TRÊS ESPECIES DA NOVA COBERTURA
VEGETAL DO SEGUNDO CICLO DE CORTE DA FLORESTA NACIONAL DO TAPAJÓS, VISANDO A 007
COMERCIALIZAÇÃO
EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE SANTARÉM (PA): VIVÊNCIAS DO
008
COTIDIANO
EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA: O ESTADO DA ARTE DA PESQUISA NO BRASIL 009
Escola Indígena da comunidade Munduruku de Açaizal (Santarém-PA): reconstruindo o
010
histórico de sua implantação através da coleta de dados narrativos
Escola Indígena Munduruku de Açaizal (Santarém-PA): reconstruindo o histórico de sua
011
implantação através da coleta de dados documentais
ESTUDOS IN SILICO DE SEQUENCIAS BIOLÓGICAS DE GENES PARA FILOGENIA DO GÊNERO
012
PHYTOPHTHORA, COM ÊNFASE NAS ESPÉCIES ASSOCIADAS À CULTURA DA MANDIOCA
EXTRATO BRUTO AQUOSO DE FOLHAS FRESCAS DE ANDIROBA (Carapa Guianensis Aubl.),
VIA TRITURAÇÃO, INFUSÃO E MACERAÇÃO, NO CONTROLE DE FUNGOS ASSOCIADOS A 013
SEMENTES DE SOJA (Glycine max L. Merril)
GEOCONSERVAÇÃO E MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS
014
(TEMPERATURA) EM ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO DE SANTARÉM
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO 015
INSTALAÇÃO, MANEJO E CULTIVO DE HORTOS MEDICINAIS 016
LEVANTAMENTO DE DOCUMENTOS IMPRESSOS E DIGITAIS PARA PESQUISA SOBRE O CLUBE
017
DE CIÊNCIAS DE SANTARÉM-PARÁ
LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DE GRADUANDOS, PROFESSORES E COORDENADORES
018
QUE ATUARAM NO CLUBE DE CIÊNCIAS DE SANTARÉM-PA
Levantamento de insetos sinantrópicos com armadilha luminosa em Santarém, Pará 019
O MAPEAMENTO DA PESQUISA DE EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA
020
EM PROGRAMAS BRASILEIROS DE PÓS-GRADUAÇÃO
ORGANIZAÇÃO E AUTOMATIZAÇÃO DE DADOS ORIUNDOS DE COLETAS DE RÉPTEIS EM
021
ÁREAS DE SAVANA NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM
UM ROTEIRO CINEMATOGRÁFICO PARA A OBRA “O CORONEL SANGRADO”, DE INGLÊS DE
022
SOUSA
UTILIZAÇÃO DE ZEÓLITAS COMO MATERIAL FILTRANTE PARA TRATAMENTO
DESCENTRALIZADO DE ESGOTO DOMESTICO PARA PEQUENAS COMUNIDADES DA 023
AMAZÔNIA
III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO ENSINO MÉDIO
PIBIC EM

004
BIBLIOTECA DIGITAL: DIFUNDINDO O CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Ayure Mota de Oliveira (bolsista), Lucas Lopes Haddad Carvalho (bolsista), Vanessa Lima da Silva
(bolsista), Lilian Rebellato (orientadora)
EEEFM Álvaro Adolfo da Silveira / Santarém, ayuremota@gmail.com
EEEFM José de Alencar / Santarém, lucas.haddad15@gmail.com
EEEFM Rio Tapajós / Santarém, vs128616@gmail.com

Na região oeste do Pará é notável o grande acervo de patrimônio histórico e pré-colonial, material e
imaterial. No entanto, percebe-se que há um distanciamento da população local em relação a este imenso
tesouro que a região do tapajós abriga. Dessa forma, é importante que se conserve este patrimônio,
tomando como exemplo os sítios arqueológicos diariamente destruídos pela construção civil entre outros
fatores. Com a divulgação da arqueologia nas escolas e para a população em geral, além das pessoas
entenderem mais essa ciência, elas também poderão compreender melhor a história da região amazônica.
Assim, este projeto se torna mais um instrumento de acesso ao conhecimento arqueológico e histórico
pelo qual os alunos do ensino médio podem facilmente compreender estas áreas do conhecimento. Para
tanto foram realizadas pesquisas bibliográficas, visitas à exposição de material arqueológico do
Laboratório Curt Nimuendajú II, aulas expositivas sobre introdução à Arqueologia, divulgação de artigos
em PDF para alunos e professores, visitas a sítios arqueológicos e práticas de escavação. Essas práticas
contribuíram para o acesso ao conhecimento sobre a arqueologia brasileira, em especial da região
amazônica através de exposições de materiais arqueológicos, disponibilidade via web de material
bibliográfico e o despertar do interesse de alunos do ensino médio pela arqueologia. Com o
desenvolvimento das atividades foi possível compreender a importância da educação patrimonial e que
essa iniciativa deve ser levada a frente. A preservação do patrimônio histórico não depende só dos
historiadores, arqueólogos e antropólogos, é um trabalho em conjunto com a sociedade, isto se constitui
numa ponte que liga a universidade à comunidade. A interação dos profissionais com a população foi
essencial para a disseminação do conhecimento arqueológico. Dessa forma se faz necessário a
continuidade de ações semelhantes junto aos alunos e à população em geral para abordar de forma mais
atrativa a arqueologia e a importância da preservação do patrimônio arqueológico no Brasil.

Palavras-chaves: arqueologia, educação patrimonial, difusão do conhecimento, universidade,


comunidade.

Financiamento: PIBIC–EM do CNPq

005
Correspondências Pessoais da Década de 90
Danielly Siqueira Pereira (bolsista), Ediene Pena Ferreira (orientadora)
Estudante da E.E.E.F.M. Pedro Álvares Cabral, bolsista PIBIC-EM ,
danypereira96@hotmail.com

O plano de trabalho Correspondências Pessoais da Década de 90 teve como objetivo


compreender a história do português brasileiro no oeste paraense, através de cartas e
outros escritos, a fim de registrar para que o material não se perca no tempo. O oeste do
Pará é local de riquezas culturais, onde as culturas indígena e europeia se misturam e
originam novos valores, crenças, inclusive, a linguagem. Desta forma, o projeto busca a
valorização da linguagem paraense e de seus escritos, que mostram a evolução da língua
portuguesa em nossa região, pelo conhecimento e riqueza dos materiais. Na primeira
fase, houve oficina para manuseio e treinamento para a transcrição de materiais e o
repasse da metodologia que deve ser adotada, as regras para a transcrição correta de
registros, como jornais de outras épocas, para nos habituarmos com a linguagem e o
conteúdo dos escritos, sendo que nessa fase os bolsistas ainda não trabalhavam os seus
respectivos projetos. Em outro momento, os bolsistas foram orientados a buscar outros
registros, para enriquecer os arquivos. Para tanto, consultamos pessoas que pudessem
ceder alguma correspondência pessoal, sempre destacando a importância para o projeto
e o uso somente para fins científicos, mantendo a identidade do proprietário preservada.
Algumas pessoas disponibilizaram seus documentos pessoais somente para a
digitalização e futura publicação ou apresentação. Alguns problemas que ocorreram
impediram a conclusão do processo, como a falta de tempo e algumas atividades que
estavam previstas e não se realizaram. Desejamos que este trabalho sirva para a
divulgação de conhecimento na comunidade acadêmica e a importância dos documentos
para a história do oeste paraense.
Palavras-chave: Linguagem. Correspondências Pessoais. História. Oeste Paraense.

006
DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DA MADEIRA DE TRÊS ESPECIES DA NOVA
COBERTURA VEGETAL DO SEGUNDO CICLO DE CORTE DA FLORESTA NACIONAL DO
TAPAJÓS, VISANDO A COMERCIALIZAÇÃO.

Dêmian Francisco Neto Castro Pereira (bolsista), Victor Hugo Pereira Moutinho (orientador)

Bolsista PIBIC-EM, UFOPA/Santarém, demian.castro.13@gmail.com

Este trabalho apresenta a proposta científica como componente de estudo do segundo ciclo de corte da
Floresta Nacional de Tapajós. Esse sítio de pesquisa, com área de 124ha está localizado no km-67 da BR-
163 da cuiabá-Santarém e tém grande importância para os estudos ligados a silvicultura nos trópicos,
sendo monitorado desde o ano de 1975. Desta forma, o presente plano disponibiliza gerar informações
inerentes à propriedades tecnológicas da madeira de três espécies do inventário florestal, considerando a
mudança da estrutura florestal ocorrente na área, a citar Urucu (Bixa arborea), Breu amarelo (Protium
altisonii) e Acariquarana (Rinorea guianensis). Os critérios para a seleção das espécies foram:
abundância, frequência, dominância na área de estudo e ausência de estudo prévio na área de tecnologia.
Para tal, determinou-se a densidade básica e aparente, a 12% de umidade, contração linear e volumétrica
para cada espécie estudada e massa volumica ( p=m/V ). A (R. guianensis) obteve os maiores resultados
com 0.98ª (densidade aparente) que é considerado um valor significativo para a espécie, com sua
contração a 12%. O (P. altisonii) obteve resultados médios com 0.60 e o (B. arborea) com 0.33 Os
resultados demostram que as espécies estudadas possuem grande valor comercial, já que sua abundancia
na região e razoável e sua comercialização não e tão praticada, a (R. guianensis) tem uma resistência
básica aceitável, sua madeira é usada para a fabricação de moveis e é recomendável para a construção
civil. O (B. arborea) e (P. altisonii) também tem as mesmas finalidades, contudo as pesquisas engajaram
outros trabalhos desenvolvidos por causa da grande necessidade de estudo dessas espécies.

Palavras chaves: ciclo de corte, densidade básica, Rinorea guianensis, protium altisonii, Bixa arbórea.

Financiamento: Programa PIBIC-EM do CNPq

007
EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE SANTARÉM (PA): VIVÊNCIAS DO
COTIDIANO

Josué Pinto do Carmo (bolsista), Maria Mirtes Cortinhas dos Santos (orientadora)

Escola Estadual de Ensino Médio Rodrigues dos Santos, docarmojosue@gmail.com

A educação ambiental (EA) deve ser contextualizada e ligada aos problemas ambientais do Planeta Terra,
enquanto morada da humanidade. No artigo 1º da Lei 9795/99 que trata da Política Nacional de Educação
Ambiental este tipo de educação é vista como processo por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem
valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio
ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. O estudo
realizado faz parte do Programa de Iniciação Científica PIBIC E/M da UFOPA (Universidade Federal do Oeste do
Pará) com apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). O objetivo principal
da pesquisa foi investigar como a escola desenvolve a prática da educação ambiental. O loco de trabalho foi a
Escola Municipal Prof. Eiláh Gentil e o instrumento utilizado foi questionário contendo 11(onze) questões, sendo
01 (uma) objetiva e 10 (dez) subjetivas. O universo contou com 10 (dez) professores sendo escolhidos de forma
aleatória, 07 (sete) do sexo feminino e 03 (três) do masculino. O método de estudo teve base em Travassos (2006)
e a abordagem metodológica foi a qualitativa. Os resultados obtidos foram: o grau de escolaridade 07(sete)
graduados, pós-graduado 01 (um), especialização 01 (um) e 01 (um) com o ensino médio completo. A concepção
de meio ambiente em sua grande maioria voltou-se para o meio onde os seres vivos habitam, o conhecimento de
EA estão ligadas a conscientização do ser humano e a preservação do meio em vive, os professores trabalham a
EA na escola por meio de áudio visual, palestras e exemplos práticos, durante o curso de graduação os sujeitos
(maior parte) não foram preparados para trabalhar a EA, No PPP da escola a EA está contemplada por meio da
realização de alguns projetos, é importante trabalhar a EA na escola pois contribui para coibir os problemas
ambientais, a EA pode contribuir para amenizar ou até mesmo erradicar os problemas ambientais no Planeta Terra
por meio da conscientização de todos. A prática da EA nas escolas brasileiras estão asseguradas na Constituição
Brasileira de 1988 e na forma da Lei 9795/99, portanto dever ser trabalhada dia-a-dia no seio da comunidade
escolar levando todos adquirir atitudes corretas diante da natureza.

Palavras-chave: meio ambiente, educação ambiental, escola, sensibilidade, conscientização.

008
EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA: O ESTADO DA ARTE DA PESQUISA NO BRASIL.

Antonio Carlos Marques Azevedo (bolsista), Rodrigo Medeiros dos Santos (orientador).
Centro de Formação Interdisciplinar (CFI), UFOPA/Santarém, antoniocarlos1.stm@gmail.com

O presente projeto de pesquisa buscou a realização de uma pesquisa do estado da arte em educação estatística no Brasil.
À realização de uma pesquisa do estado da arte em educação estatística é de grande importância, uma vez que pode
conduzir à plena compreensão de estado atingido pelo conhecimento atingido por este tema – sua amplitude, tendências
teóricas e vertentes metodológicas. O levantamento bibliográfico foi realizado em sites de divulgação da produção
científica, bibliotecas digitais e sites de busca, visando englobar, se possível, toda a produção de teses e dissertações da
área de educação estatística. A presente proposta de pesquisa visou, a partir do inventário, sistematização e análise de
teses e dissertações, investigar as raízes históricas da pesquisa em educação estatística no Brasil, destacando sobre tudo
suas origens, principais bases de apoio e linhas temáticas, bem como as principais tendências atuais e perspectivas
futuras. A presente proposta, que visou realizar o estado da arte da pesquisa em educação estatística, é justificada em
função da necessidade de registrar o processo de evolução desta linha de pesquisa a fim de que se ordene o conjunto de
informações e resultados já obtidos, favorecendo uma organização que mostre a integração e a configuração
emergentes, as diferentes perspectivas investigativas, os estudos recorrentes, as lacunas e contradições. A presente
proposta de pesquisa caracterizou-se metodologicamente como exploratória e histórico-bibliográfica, uma vez que visou
inventariar, sistematizar e avaliar a pesquisa brasileira em educação estatística. Exploratória principalmente em sua fase
inicial, pela necessidade de levantamento de hipóteses ou busca de subsídios que levem a informações necessárias para
melhor definir o foco de estudo. Histórico-bibliográfica em sua natureza metodológica de coleta de dados, uma vez que
visou o garimpo da pesquisa na educação estatística brasileira e seu estudo analítico-descritivo numa perspectiva
histórico-dialética. Contudo, optamos pelo enfoque na modalidade de pesquisa do estado da arte, uma vez que visou
identificar a produção, analisá-la, categorizá-la revelar seus múltiplos enfoques, além de identificar e descrever
tendências, sobretudo temáticas e teórico-metodológicas. O catálogo geral da produção será desenvolvido a partir do
fichamento de cada pesquisa, tendo por base seus resumos.

Palavras chaves: Educação Estatística, Estado da Arte, Probabilidade.

Financiamento: programa PIBIC-EM do CNPq.

009
Escola Indígena da comunidade Munduruku de Açaizal (Santarém-PA):
reconstruindo o histórico de sua implantação através da coleta de dados narrativos
Rosiane Guimarães Rocha (bolsista), Gilberto César Lopes Rodrigues (Orientador)
ICED – Programa de Educação; Escola Municipal Indígena Dom Pedro II
(rosianemunduruku@gmail.com, gilbertocesar@gmail.com)

RESUMO
A UFOPA está situada em uma região com alto incidente de comunidades indígenas. A
partir dos anos 1970-80 algumas dessas comunidades se organizaram e passaram a
exigir o seu reconhecimento enquanto indígena tendo em vista os avanços que a
Constituição de 1988, que inverteu toda a lógica jurídica integracionista e
homogeneizadora que imperavam nas Constituições pretéritas. As comunidades que
conquistaram esse reconhecimento avançaram no sentido de conquistar escolas
fundamentadas na Constituição e na LDB de 1996 que lhes facultava o direito a escola
diferenciada no sentido de fortalecer a língua nativa, os modos próprios de organização
social, econômica e cultural, criando a categoria de Escola Indígena dentro do
ordenamento jurídico do âmbito do sistema educacional nacional. Dado a presença
desse tipo de escola na região de abrangência da UFOPA impetramos projeto de
pesquisa junto à PROPPIT/UFOPA no sentido de mapeá-las. Aberto o edital de seleção
de bolsistas recebemos a grata inscrição de alunos indígenas Munduruku da Escola
Dom Pedro II localizada na comunidade de Açaizal considerada indígena. Iniciamos o
projeto com o objetivo geral de reconstruir o histórico de implantação dessa escola e,
tendo como objetivo específico, dimensionar em que medida ela se coaduna com a
legislação acerca das Escolas Indígenas, particularmente as Diretrizes Curriculares
Nacionais da Educação Escolar Indígena. Partimos por dois métodos: um coletando
dados através da narração das memórias dos atores envolvidos e através da análise
documental da secretaria da escola. Os resultados que chegamos sugerem que a escola
iniciou suas atividades na comunidade de Açaizal em 1964 com 40 alunos em sala
multisseriada de 1 a 4 séries, atendendo 52 famílias com 210 habitantes, cuja primeira
professora, senhora Judite de Souza era mantida por contribuição dos comunitários. A
estrutura física da época constava de “apenas um barracão coberto por palha”. Em 2001
recebe novas instalações; 2 salas de aula, 1 cozinha, 1 banheiro e 1 casa do professor.
Em 2006, através de um movimento de resgate cultural, a escola recebe o nome
indígena Kairo Daybe (Guerreiro da paz). A pesquisa demonstrou também que a essa
escola há outras 4 anexadas a ela (Escola José Arlindo, Escola São Francisco da
Cavada, Escola Nossa Senhora da Aparecida e Escola São Pedro-Palhal), o que torna a
Kairo Daybe escola polo. Do ponto de vista curricular a escola conta em seu currículo
com as disciplinas de História Indígena, Notório Saber e Língua Munduruku.
Palavras-chave: Educação Escolar Indígena; Escola; Conquista
Financiamento : Programa PIBIC-EM do UFOPA/CNPq

010
Escola Indígena Munduruku de Açaizal (Santarém-PA): reconstruindo o histórico
de sua implantação através da coleta de dados documentais
Henrique Cruz da Silva (bolsista), Gilberto César Lopes Rodrigues (Orientador)
ICED – Programa de Educação; Escola Municipal Dom Pedro II
(gilbertocesar@gmail.com; henriquemunduruku@gmail.com)
A UFOPA está situada em uma região com alto incidente de comunidades indígenas. A
partir dos anos 1970-80 algumas dessas comunidades se organizaram e passaram a
exigir o seu reconhecimento enquanto indígena tendo em vista os avanços que a
Constituição de 1988, que inverteu toda a lógica jurídica integracionista e
homogeneizadora que imperavam nas Constituições pretéritas. As comunidades que
conquistaram esse reconhecimento avançaram no sentido de receber escolas
fundamentadas na Constituição e na LDB de 1996 que lhes facultava o direito a escola
diferenciada no sentido de fortalecer a língua nativa, os modos próprios de organização
social, econômica e cultural, criando a categoria de Escola Indígena dentro do
ordenamento jurídico do âmbito do sistema educacional nacional. Dado a presença
desse tipo de escola na região de abrangência da UFOPA impetramos projeto de
pesquisa junto à PROPPIT/UFOPA no sentido de mapeá-las. Aberto o edital de seleção
de bolsistas recebemos a grata inscrição de alunos indígenas Munduruku da Escola
Dom Pedro II localizada na comunidade de Açaizal considerada indígena. Iniciamos o
projeto com o objetivo geral de reconstruir o histórico de implantação dessa escola e,
tendo como objetivo específico, dimensionar em que medida ela se coaduna com a
legislação acerca das Escolas Indígenas, particularmente as Diretrizes Curriculares
Nacionais da Educação Escolar Indígena. Partimos por dois métodos: um coletando
dados através da narração das memórias dos atores envolvidos e através da análise
documental da secretaria da escola. Os resultados que chegamos sugerem que a escola
iniciou suas atividades na comunidade de Açaizal em 1964 com 40 alunos em sala
multisseriada de 1 a 4 séries, atendendo 52 famílias com 210 habitantes, cuja primeira
professora, senhora Judite de Souza era mantida por contribuição dos comunitários. A
estrutura física da época constava de “apenas um barracão coberto por palha”. Em 2001
recebe novas instalações; 2 salas de aula, 1 cozinha, 1 banheiro e 1 casa do professor.
Em 2006, através de um movimento de resgate cultural, a escola recebe o nome
indígena Kairo Daybe (Guerreiro da paz). A pesquisa demonstrou também que a essa
escola há outras 4 anexadas a ela (Escola José Arlindo, Escola São Francisco da
Cavada, Escola Nossa Senhora da Aparecida e Escola São Pedro-Palhal), o que torna a
Kairo Daybe escola polo. Do ponto de vista curricular a escola conta em seu currículo
com as disciplinas de História Indígena, Notório Saber e Língua Munduruku.
Palavras-chave: Educação Escolar Indígena; Escola; Conquista.
Financiamento : Programa PIBIC-EM do UFOPA/CNPq

011
ESTUDOS IN SILICO DE SEQUENCIAS BIOLÓGICAS DE GENES PARA
FILOGENIA DO GÊNERO PHYTOPHTHORA, COM ÊNFASE NAS
ESPÉCIES ASSOCIADAS À CULTURA DA MANDIOCA
Jaqueline Tavares de Sousa (bolsista)1 Carlos Ivan Aguilar-
Vildoso (orientador)2
1
Escola Estadual Pedro Álvares Cabral/Santarém
2
Instituto de Biodiversidade e Florestas (IBEF), UFOPA/Santarém,
jaqueline_tavares-ufopa@hotmail.com

As identificações de patógenos da cultura de mandioca são complexas devido à


associação de várias espécies do mesmo gênero, principalmente na podridão
radicular na qual estão associadas a Phytophthora ou Fusarium. Os bancos de
sequências são importantes na identificação molecular, mas parte das suas
sequências é dita não validada ou sem confiança. Este trabalho visa obter sequências
consenso de cada espécie de Phytophthora. Foram usadas sequências do GenBank, o
BLAST bl2seq para retirada de sequências curtas, seleção das sequências por meio
de árvores filogenéticas usando a plataforma francesa de bioinformática, e por
último obtido os consensos com CAP3. Das análises realizadas, duas espécies
anotadas no genbank não pertencem ao gênero Phytophthora, P. batemanensis é
Halophytophthora batemanensise, e P. undulata é Pythium undulata. Houve 133
espécies de Phytophthora com sequências da região ITS no Genbank. Das oito
espécies de Phytophthora associadas à mandioca, não há nenhuma anotação das
sequências depositadas no Genbank associando P. crytogea, P. drechsleri, P.
erytroseptica e P. richardiae a mandioca (Manihot esculenta). Foram obtidas 5
consensos para P. cryptogea; um consenso para P. drechsleri; dois para P.
erytroseptica; dois para P. melonis; dois para P. nicotianae; dois para P. palmivora;
dois para P. richardiae; três para P. tropicalis. Com exceção de P. drechsleri todas
as espécies associadas à mandioca possuem espécies crípticas; ocorrendo de 2 a 3
padrões moleculares diferentes por espécie e no caso de P. cryptogea trata- se de um
complexo de espécies. P. richardiae teve duas espécies moleculares bem distintas
geneticamente, diferente do que ocorreu para as outras espécies de Phytophthora
associadas à mandioca. Foram estimadas até o momento 161 espécies
moleculares, correspondendo a 23 novas espécies neste importante gênero de
fitopatógeno. Estes resultados demonstram a importância de este tipo de trabalho
para poder auxiliar nas identificações e confirmação da ocorrência de espécies
crípticas, ajudando não somente aos trabalhos regionais, mas também mundiais.

Palavras chaves : Manihot, diversidade, espécies crípticas, sequências consenso,


fitopatógenos.

Financiamento: Programa PIBIC-EM do CNPq

012
EXTRATO BRUTO AQUOSO DE FOLHAS FRESCAS DE ANDIROBA (Carapa Guianensis Aubl.), VIA
TRITURAÇÃO, INFUSÃO E MACERAÇÃO, NO CONTROLE DE FUNGOS ASSOCIADOS A
SEMENTES DE SOJA (Glycine max L. Merril)

Ayrton Corrêa Teixeira (bolsista) , Prof. Dr. Robinson Severo (orientador)


Escola Estadual São Felipe, ayrtonteixeira.10@gmail.com

Fungos associados a sementes de soja precisam ser controlados pois causam doenças nas sementes e
reduzem sua germinação e o vigor. Alguns resultados de pesquisa indicam o potencial fungitóxico dos extratos
de andiroba em controlar fitopatógenos. No Laboratório de Sementes da UFOPA, estudou-se o efeito de extratos
brutos aquosos de folhas frescas de andiroba (EBAFA) no controle de fungos e na germinação de sementes de
soja cv. FT Paragominas, safra 2013, Santarém, Pará. Os EBAFAs foram obtidos pelos processos de trituração,
infusão e maceração em água destilada-esterilizada (ADE), e filtração. Amostras de sementes (quatro repetições
de cinquenta) foram imersas, por cinco minutos, nos EBAFAs a 7,5 (tratamento 1; T1), 15,0 (T2), 22,5 (T3) e 30
% (T4), em ADE (T5) e sem tratamento (T6). O teste de sanidade e de germinação foram conduzidos em papel
germ-test conforme as técnicas descritas nas regras para análise de sementes do MAPA. A identificação dos
isolados fúngicos baseou-se em características morfológicas das colônias e de ultra-estruturas somáticas,
comparadas com literatura especializada. O EBAFA a 30 % foi o tratamento mais eficiente por elevar em 11 %
as plântulas normais totais, reduzir em 20,5 % as plântulas anormais totais, erradicar Mucor sp., Aspergillus
niger, Aspergillus ochraceus, Aspergillus glaucus e Cercospora sp. Também, reduziu em 47,0 % Penicillium
spp. e em 4,0 % Colletrotrichum sp., e não alterou as incidências de Aspergillus flavus e Fusarium subglutinans.
Elevou em 8 % a incidência de Fusarium solani. A ação fungitóxica do EBAFA dependeu da espécie fúngica e
da concentração usada do extrato. Tais resultados indicam que o EBAFA apresenta compostos promotores de
crescimento e de ação fungitóxica.

Palavras-chave: andiroba, extrato de folhas, sanidade, trituração / infusão / maceração, sementes, soja.

Financiamento : programa PIBIC-EM do CNPq.

013
GEOCONSERVAÇÃO E MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS
(TEMPERATURA) EM ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO DE SANTARÉM.

Iana Sá Silva1; Cintya de Azambuja Martins Khader2

1
Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Professora Terezinha de Jesus Rodrigues.
2
Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA)
e-mail: iana.sa.silva@gmail.com

Resumo

A superfície da Terra está continuamente sofrendo mudanças em todos os seus ecossistemas e ciclos
biogeoquímicos. A temperatura (T) e precipitação (p) são importantes variáveis meteorológicas, influenciando
fortemente as mudanças ambientais em diversas áreas, ou seja, regiões urbanas ou mesmo outros tipos de
ecossistemas naturais terrestres. Para melhor entender a importância dos estudos relacionados com as alterações
ambientais em um determinado local e a geoconservação, este estudo tem como objetivo realizar medidas de
temperatura(T) e precipitação (p) em diferentes horários no interior e na parte externa da escola. Para a
realização do trabalho foram utilizados os equipamentos como um termômetro (temperatura) e pluviômetro
(precipitação). A área de estudo selecionada foi a Escola Estadual de Ensino Médio e Fundamental Professora
Terezinha de Jesus Rodrigues, localizada na zona urbana de Santarém no bairro Aeroporto Velho. As medidas
das variáveis meteorológicas de temperatura e precipitação, coletadas nos seguintes horários diurnos (08:00h,
13:00h e 16:00h) e noturno (20:00h), para diferentes condições de sazonalidade local. Os resultados obtidos
mostram que, em junho e julho de 2013, os valores de T se mantiveram praticamente constantes, em torno de
27°C a 29°C, nos horários da manhã (08:00h) e à noite (20:00h), com exceção dos dias 03/07 a 07/07, devido a
uma forte precipitação, acarretando um decréscimo na magnitude de T. Assim como em junho e julho, no mês de
agosto a estação é seca, à tarde (13:00h e 16:00h) a radiação solar está mais intensa, a magnitude de T é maior do
que nos outros horários devido ao maior aquecimento superficial, fazendo com que os valores ficassem entre
28°C a 30°C. Também, nos períodos da manhã e noite, ocorreu a mesma estabilidade na temperatura, tanto no
horário da manhã como à noite. Em dezembro, mostra uma grande diferença na magnitude da temperatura nos
dados da manhã e à tarde, observando-se uma forte variação em T, apresentando picos decrescentes devido à
presença de chuva, não aquecendo muito o solo. Tanto em dezembro, como nos meses chuvosos de janeiro e
março, à noite, os valores são muito próximos entre eles, 29°C a 30°C, indicando uma forte estabilidade em
todos os dias, com exceção no final de dezembro que houve uma queda devido ao inicio do período chuvoso. Em
janeiro e março de 2014, apresentaram os mesmos comportamentos, bem como as mesmas variações durante o
horário da manhã. Portanto, conclui-se que as variáveis temperatura e precipitação sofreram variações
significativas de acordo com a sazonalidade local no local de estudo. As magnitudes dos valores de temperatura
foram mais altas, devido a um maior aquecimento na superfície proveniente da radiação solar, apresentando mais
variações no período da tarde, enquanto que de manhã e à noite foram mais baixas e muito próximos os seus
valores. As variações de temperatura estão ligadas a presença de chuva, tanto nos meses secos e chuvosos,
principalmente no chuvoso por causa da presença da vegetação. Assim, faz-se necessário a continuidade do
monitoramento para a construção de ações voltadas para a conscientização da importância da geoconservação do
meio ambiente.

Palavras Chaves: Temperatura, precipitação, Geoconservação, variáveis meteorológicas

Financiamento : programa PIBIC-EM do CNPq.

014
HISTÓRIA DO CINEMA BRASILEIRO

Nickoli Lopes1
Ulysses Maciel
1
Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Pedro Álvares Cabral
nickolycrisstm@gmail.com

RESUMO
Pesquisar as relações existentes entre a literatura de Graciliano Ramos (1892-1953) e o
cinema. Embora não tenha tido um número grande de suas obras transformadas em filmes, a
obra deste autor foi uma das preferidas pelos autores de cinema. Os dois filmes baseados
nelas (Vidas secas, de 1963, de Nelson Pereira dos Santos; e São Bernardo, 1972, de Leon
Hirszman) abordam tanto a vida do povo nordestino como um perfil humano. A leitura das
obras literárias será acompanhada pela exibição dos filmes. Serão também expostos pelo
orientador, de forma simplificada, dois textos teóricos: “A personagem cinematográfica”, de
Paulo Emílio Sales Gomes; “O cinema brasileiro moderno”, de Ismail Xavier; “Posfácio”, de
João Luiz Lafetá. Os resultados alcançados plenamente incluíram a percepção pela bolsista
das relações entre o realismo / regionalismo na literatura brasileira e o realismo no cinema de
Nelson Pereira dos Santos. A literatura é antiquíssima, mas sempre ofereceu temas que são
apropriados pelo cinema. Este, por sua vez, foi um dos pilares da estruturação do mundo
ocidental no século XX. O cinema vivenciou momentos históricos fundamentais, como as
duas Guerras Mundiais, as revoluções socialistas, a ascensão e a queda das ditaduras militares
na América Latina. Além disso, está presente no mundo atual como a linguagem híbrida
capaz de expressar de forma sutil a multiplicidade cultural da humanidade. O estudo do
cinema na universidade é tão importante quanto o estudo da literatura e pode ser feito
segundo a perspectiva comparada proposta pelo projeto.

Palavras-chave: Cinema Brasileiro. Literatura comparada. Estéticas do cinema. Graciliano


Ramos.
Financiamento: CNPq

015
INSTALAÇÃO, MANEJO E CULTIVO DE HORTOS MEDICINAIS

Débora Maciel Pereira (bolsista), Kerollen Waleska Martins Brito (bolsista), Edwin Camacho Palomino
(orientador)

Instituto de Biodiversidade e Florestas (IBEF), UFOPA/Santarém, deboramaciel.p@gmail.com

As plantas medicinais têm sido usadas sempre como forma alternativa ou complementar aos medicamentos na
medicina tradicional. A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem publicado reiteradas vezes em seus
documentos oficiais recomendações para que os países incentivem a prática da medicina tradicional, visando
minimizar, entre outros, a grande dificuldade das populações menos favorecidas quanto ao acesso aos
medicamentos. Nesse sentido foi feita trabalhada a conscientização da sociedade, especialmente envolvendo
pessoas desempregadas da comunidade rural “Àrea verde” sobre o papel desses importantes componentes da
diversidade biológica, como base para o bem-estar social, econômico, alimentar e saúde desta população
considerada como uma das mais carentes e violentas do município de Santarém, PA. Foram produzidas mudas
de alfavaca, amor-crescido, arnica, babosa, chicória, cipó-alho, elixir paregórico, guaco, jaborandi, manjericão e
quebra-pedra totalizando onze espécies medicinais para a formação de uma farmácia viva e que estão sendo
usados como base para a produção de chás, pomada, xarope, creme, xampu e sabonete ou na sua forma natural,
como plantas aromáticas. Cada espécie foi plantada em canteiros individuais e os tratos culturais foram
realizados pelos próprios moradores Na ocasião da instalação da farmácia viva, houve participação da
comunidade em questão e também de alunos da UFOPA, visando aproxima-los da realidade local, além de
contribuir, para o desenvolvimento de comunidades assistidas. A instalação desta horta criou alternativas
diversas para melhorar as condições de vida dessas populações, gerando emprego, renda e auto sustentabilidade,
uma vez que ao instalar o horto e inserir as plantas, a própria comunidade já capacitada tem conhecimento para
multiplicar as mudas e vendê-las nos mercados da cidade, gerando assim renda para manter o horto em pleno
funcionamento.

Palavras chaves: plantas medicinais, farmácias vivas, produtos naturais.


Financiamento: PIBIC-EM, Banco da Amazônia.

016
LEVANTAMENTO DE DOCUMENTOS IMPRESSOS E DIGITAIS PARA PESQUISA SOBRE
O CLUBE DE CIÊNCIAS DE SANTARÉM-PARÁ

Brendo Luis da Rocha Moraes (Bolsista) ¹


Nilzilene Gomes de Figueiredo (orientadora)²

¹Estudante da Escola Conveniada São José e bolsista PIBIC-Ensino Médio (CNPq)


²Professora Assistente da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e Doutoranda em Educação
(DINTER/UFOPA/UNICAMP).

O Clube de Ciências de Santarém (CCI) é uma das atividades do Centro Pedagógico de Apoio ao
Desenvolvimento Científico (CPADC), que desde sua fundação, em 1988 no antigo campus da UFPA-
Santarém, trabalha iniciação científica com estudantes da educação básica e iniciação à docência para
universitários das licenciaturas. Atualmente o CPADC/CCI faz parte do ICED/UFOPA. Considerando a
importância de identificar as contribuições que o CCI oferece aos futuros professores, um projeto de
Doutorado foi organizado, do qual faz parte o plano de trabalho desenvolvido. O objetivo geral do plano
foi fazer levantamento de documentos impressos e digitais sobre o Clube de Ciências de Santarém desde
sua implantação no município. Para isso foi proporcionado primeiramente momentos de discussões
coletivas sobre pesquisa, leituras sobre o ensino de Ciências no Brasil e sobre o CCI de Santarém. Foi
prestado auxílio nas transcrições de entrevistas, visita ao Instituto Boanerges Sena para coleta de
reportagens de jornais sobre o CPADC/CCI, especialmente sobre sua fundação. A maior parte do período
de vigência da bolsa foi dedicada à organização e escaneamento de documentos. No entanto, também
houve oportunidade de participação em dois eventos como ouvinte (Seminário PIBIC-EM 2012 e
Seminário de teses do DINTER) e auxílio na elaboração de dois resumos expandidos para a Reunião da
SBPC 2014. Isso foi importante para o amadurecimento na pesquisa. Foram organizados e escaneados
alguns dos principais documentos a respeito das atividades que o clube promove desde sua fundação (atas
e relatórios, principalmente). Esses documentos ajudaram na elaboração histórica sobre o Clube de
Ciências de Santarém, um dos objetivos do projeto. Das reuniões, foi compreendido que alguns cuidados
devem-se ter no registro de informações coletadas em uma pesquisa. A elaboração dos resumos
expandidos contribuiu para meu desenvolvimento intelectual, bem como serviu para que eu
compreendesse a importância do CPADC/Clube de Ciências para melhorias no Ensino de Ciências em
nosso Estado. Também foi percebido que a participação direta em um projeto de pesquisa, seguindo um
plano de trabalho, nos trás grande beneficio, pois com isso aprendemos os princípios da elaboração e
execução de um projeto, noções de informática, da leitura, da própria escrita e, acima de tudo, trabalhar
em equipe, o que são aprendizagens muito significativas da iniciação científica.

Palavras chave: Clube de Ciências; Formação de Professores; Ensino de ciências.

Financiamento: PIBIC-Ensino Médio/ CNPQ e CAPES

017
LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DE GRADUANDOS, PROFESSORES E
COORDENADORES QUE ATUARAM NO CLUBE DE CIÊNCIAS DE SANTARÉM-PA

Celiane Goreth da Silva (bolsista)1


Nilzilene Gomes de Figueiredo (orientadora)²

¹Estudante do Colégio Álvaro Adolfo da Silveira e bolsista PIBIC-Ensino Médio (CNPq)


²Professora Assistente da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e Doutoranda em Educação
(DINTER/UFOPA/UNICAMP).

O plano de trabalho teve como objetivo geral fazer levantamento de informação sobre os graduandos,
professores e coordenadores que já atuaram no Clube de Ciências (CCI) de Santarém desde sua
implantação, em 1988. O CCI de Santarém é uma das ações do Centro Pedagógico de Apoio ao
Desenvolvimento Científico (CPADC) de Santarém e desenvolve atividades de iniciação científica com
estudantes do ensino fundamental e médio, bem como tem sido um importante espaço de iniciação à
docência para estudantes de graduação, chamados de professores-estagiários (ou monitores). Atualmente
o CPADC/CCI faz parte do Instituto de Ciências da Educação da UFOPA. As atividades desenvolvidas
iniciaram com a leitura de textos sobre o Clube de Ciências de Santarém, sobre o Ensino de Ciências no
Brasil e orientações sobre a pesquisa. Em abril de 2013 iniciou-se a organização dos documentos do
CPADC/CCI para verificar os participantes. Em maio e junho/2013 os nomes foram organizados em
tabelas. Também em 2013 foi dada a oportunidade da participação em dois eventos, um Seminário do
PIBIC-EM e outro do Doutorado em Educação. Houve auxílio em transcrições de entrevistas e pesquisa
em reportagens de jornais no Instituto Boanerges Sena. A busca por reportagens no Jornal de Santarém e
no O Tapajós serviram para reconstruir a história do início do CPADC/CCI em Santarém. Por isso, o
período investigado nos jornais foi de 1988 a 1994. As reportagens dos jornais foram tiradas cópias,
depois escaneadas, organizados os títulos em tabelas e colocadas em pastas digitais. Contribuiu-se na
elaboração de dois resumos expandidos a serem apresentados na Reunião anual da SBPC no Acre em
julho de 2014. Nas reportagens foi possível identificar que existiam Feiras de Ciências locais e regionais
coordenadas pelo CPADC e alunos do Clube de Ciências também apresentavam trabalhos nessas feiras.
Também existiram projetos trazidos pelo Núcleo Pedagógico de Apoio ao Desenvolvimento Científico
(NPADC) da UFPA/Belém que em muito contribuíram com as ações do CPADC/CCI-Santarém.
Percebeu-se que o Clube de Ciências tem contribuído muito para a formação de professores, pois além de
proporcionar desenvolvimento intelectual dos estudantes da educação básica, ainda serve como uma
oportunidade fundamental para quem deseja ser professor.

Palavras chaves: Clube de Ciências; Formação de professores; Ensino de Ciências.

Financiamento: PIBIC-Ensino médio (CNPq) e CAPES.

018
Levantamento de insetos sinantrópicos com armadilha luminosa em Santarém, Pará.

Maria Salvina Ferreira Paz1; Adenomar Neves de Carvalho2


1
Escola Estadual de 1º e 2º Graus São Felipe, bolsista CNPq/PIBIC-EM, mariasalvinaferreria@yahoo.com.br;
2
Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, Instituto de Biodiversidade e Florestas – Laboratório de
Entomologia. Rua Vera Paz s/n, Bairro Salé - Santarém, PA, Brasil CEP 68035-110,
adenomar.carvalho@ufopa.edu.br.

Resumo
Neste estudo objetivou-se amostrar e identificar ao menor nível taxonômico possível, os
insetos sinantrópicos com a utilização de uma armadilha luminosa (tipo Luiz de Queiroz) em
noites de lua nova, em área peridomiciliar da cidade de Santarém-PA. Através desta
metodologia foi possível coletar diversas ordens de insetos que de alguma forma vetoram
fungos, bactérias, vírus, protozoários e também podem causar reações alérgicas em seres
humanos ou animais domésticos. As diferentes morfo-espécies de Blattodea, Diptera e
Hymenoptera registradas neste estudo mostraram-se importantes como insetos sinantrópicos
devendo haver algum controle preventivo destes animais pelo número de animais
encontrados, em função deles atuarem principalmente como veiculadores mecânicos de
patógenos como malária, chagas, dengue e leishmaniose. Portanto, recomenda-se intensificar
a vigilância sanitária nestes ambientes.
Palavras-chave: Insetos sinantrópicos; Doenças; Zoonose; Amazônia.

019
O MAPEAMENTO DA PESQUISA DE EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA
EM PROGRAMAS BRASILEIROS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Bolsista: Antônio Carlos Marques Azevedo


Orientador: Rodrigo Medeiros dos Santos

Resumo

O presente trabalho visa, a partir do inventário e sistematização de teses e dissertações,


realizar o mapeamento da pesquisa em Educação Estatística no Brasil, destacando,
sobretudo, as principais universidades, programas, regiões e unidades federativas onde
são produzidas, os principais orientadores e os níveis de ensino contemplados. Para
tanto, foi desenvolvido o catálogo geral da produção a partir da inventariação das teses e
dissertações. A pesquisa é caracterizada metodologicamente como descritiva e
histórico-bibliográfica, uma vez que visa o garimpo da pesquisa brasileira e seu estudo
analítico-descritivo. Os resultados apontam 260 trabalhos acadêmicos defendidos em
programas de pós-graduação de 56 Universidades brasileiras localizadas em 14 estados,
sendo 229 dissertações e 31 teses. Os tipos de Programa de Pós-Graduação e os
principais orientadores são destacados e a evolução do quantitativo da produção é
discutida.

Palavras-chave: Educação Estatística; Estado da arte; Ensino de Estocástica.

020
ORGANIZAÇÃO E AUTOMATIZAÇÃO DE DADOS ORIUNDOS DE COLETAS DE
RÉPTEIS EM ÁREAS DE SAVANA NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM

Jean da Silva Nogueira (bolsista), Alfredo P. Santos-Jr (orientador)


Instituto de Ciências da Educação (ICED), UFOPA/Santarém, jean.guitar15@hotmail.com

A maioria dos estudos sobre comunidades de serpentes na Amazônia foram realizados em


áreas florestadas. As áreas de savanas na Amazônia foram pouco estudadas quanto a sua
biodiversidade, quando comparadas com áreas florestadas. Coleções biológicas estão na base
das pesquisas sobre a diversidade animal. O principal objetivo do presente trabalho foi
organizar a coleção já existente na UFOPA e auxiliar na preparação para incorporação de
novos exemplares de serpentes e outros répteis provenientes de áreas de savana ao Museu de
Zoologia. O trabalho foi desenvolvido em dois laboratórios da UFOPA campus Tapajós: (1)
Laboratório de Ecologia e Comportamento Animal (LECAn) e (2) MZ-UFOPA. No primeiro
momento foi realizado um levantamento sobre os espécimes coletados e com dados de
procedência que estão sendo depositados no MZ-UFOPA. Os dados do caderno de tombo
foram digitalizados com intuito de facilitar a localização e manter um banco de dados
atualizado e disponível para a comunidade acadêmica. A digitalização dos dados do catálogo
de tombo foi realizada em um computador de mesa utilizando o programa Excel. Atualmente
a coleção de anfíbios e répteis da UFOPA possui 1461 espécimes (414 anfíbios e 1047
répteis). O perfil da coleção é regional, uma vez que a maioria dos espécimes é proveniente de
municípios do oeste do Estado do Pará. Em se tratando dos répteis coletados em área de
savana, foram digitalizados dados de 107 espécimes de lagartos distribuídos em oito famílias
e 12 espécies; e 70 espécimes de Serpentes distribuídos em seis famílias e 28 espécies. Todos
os espécimes analisados de área de savana são provenientes de duas localidades: comunidade
do Tapari em Santarém e comunidade do Ererê em Monte Alegre. Os objetivos propostos no
projeto foram alcançados. Contudo, alguns indivíduos ainda necessitam de uma determinação
em nível específico. A coleção de anfíbios e répteis da UFOPA ainda está em fase de
implantação com carências em alguns aspectos, principalmente em relação à infraestrutura.
Conforme alguns autores as coleções científicas devem funcionar como ponto de partida de
um processo de produção de conhecimento que leve ao desenvolvimento de produtos com
reais possibilidades de utilização prática. No entanto, para isso é necessário que as coleções
apresentem uma estrutura eficiente e apoio continuado.

Palavras chaves: biodiversidade, coleção científica, herpetofauna, oeste do Pará, UFOPA.

Financiamento: CNPq (bolsa PIBIC-EM; e projeto Universal no 014/2011)

021
UM ROTEIRO CINEMATOGRÁFICO PARA A OBRA “O CORONEL SANGRADO”,
DE INGLÊS DE SOUSA

Naiara Viana Ferreira


Ulysses Maciel

RESUMO

Adquirir os conhecimentos básicos sobre a elaboração de um roteiro cinematográfico, levando


em conta que o roteiro é a última etapa literária antes de se produzir o filme. Adquirir as
noções de semiologia relativas às relações entre literatura e cinema. Criar, de acordo com a
arte e a técnica, roteiro cinematográfico baseado no romance naturalista O Coronel Sangrado,
do autor obidense Inglês de Sousa, estabelecendo as prioridades quanto às cenas a serem
roteirizadas e à construção das personagens, de forma a manter a estrutura narrativa da obra
original e tornar possível a sua filmagem. Para isso será feita a leitura orientada do romance O
Coronel Sangrado, de Inglês de Sousa; fichamento desta obra; primeira seleção das cenas do
romance que serão roteirizadas. Leitura de obras sobre a arte e a técnica do roteiro
cinematográfico, citadas na bibliografia. Exibição da série Onde tudo começa, veiculada pelo
Canal Brasil de TV, que aborda a transposição para o cinema de obras literárias, através de
entrevistas com diretores brasileiros. Exibição de longas metragens que tratem da produção de
filmes. Criar um roteiro cinematográfico é a última fase literária de produção de um filme e a
primeira fase da produção, do ponto de vista cinematográfico. Criar um roteiro baseado em
uma obra literária amazônica. Estabelecer um diálogo entre a literatura amazônica e o cinema.
Experienciar as implicações culturais de se adaptar uma obra literária amazônica para o
cinema. Conhecer a técnica de roteirização da obra literária. O estudo do cinema na
universidade é tão importante quanto o estudo da literatura. Além do estudo acadêmico da
literatura e do cinema brasileiro deve-se pensar agora que a Universidade precisa assumir seu
papel de disseminar a cultura do cinema, tanto do ponto de vista do público que assiste quanto
do ponto de vista da produção.

Palavras-chave: Literatura brasileira. Naturalismo. Roteiro cinematográfico. Literatura


paraense. Inglês de Sousa.

naiaraviana34@gmail.com

Finnciamento: CNPq

022
UTILIZAÇÃO DE ZEÓLITAS COMO MATERIAL FILTRANTE PARA TRATAMENTO
DESCENTRALIZADO DE ESGOTO DOMESTICO PARA PEQUENAS COMUNIDADES DA
AMAZÔNIA

Elizandra Biá Viana (bolsista), Rose Caldas de Souza Meira (orientadora)


UFOPA/Santarém, elizv.bia@gmail.com

Pesquisas relacionadas às novas tecnologias no tratamento de águas residuárias são importantes tanto do ponto
de vista ambiental como econômico. O referido estudo buscou avaliar o material zeólita como meio filtrante
visando sua aplicação no tratamento de esgoto doméstico. Os dados foram coletados a partir de pesquisa
bibliográfica e processo de síntese da zeólita. A literatura foi revista por meio de artigos, periódicos e trabalhos
acadêmicos. A síntese de zeólita utilizou o caulim como fonte de silício e o hidróxido de sódio como material
alcalino. As propriedades das zeólitas permitem o peneiramento molecular, além da grande capacidade de troca
catiônica. As zeólitas podem ser usadas como material adsorvente em filtros de areia, a eficiência do material, no
entanto, sofre variação de acordo com as condições de filtragem, como diâmetro e altura da tubulação, proporção
de areia e zeólita, tempo de contato e granulometria da zeólita. O principal constituinte do caulim é a caulinita
que é transformada em metacaulinita. Quando são utilizadas temperaturas muito menores não ocorre a
cristalização do material.

Palavras chaves: zeólitas, filtros, tratamento de águas residuárias.

Financiamento : PIBIC-EM do CNPq

023