Você está na página 1de 59

Economia do Trabalho p/ AFT 2017

Teoria e exercícios comentados


Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

1. Diferencial de salários compensatório

Antes de juntarmos tudo que aprendemos de oferta e demanda por trabalho,


encontrando o equilíbrio de mercado, precisamos falar mais sobre as condições de
trabalho possíveis.

Veja, até agora não havia diferenças entre os diversos tipos de trabalho oferecidos
em uma economia. Como todos os empregos eram iguais, a única coisa que atraia o
trabalhador era o salário, tal como o modelo da aula 03.

Entretanto, no mundo real, os trabalhos oferecidos são diferentes, alguns são sujeitos
a mais riscos do que outros, alguns pagam mais do que outros e por aí vai. Neste
caso, a “utilidade” de nossos trabalhadores não dependeria somente de aspectos
financeiros, mas de aspectos não financeiros ligados à ocupação oferecida.

Assim, o nosso trabalhador irá ponderar se assume ou não um trabalho em função


das “vantagens” e “desvantagens” do emprego. Toda a ideia do nosso modelo se
baseia no fato de que seria possível “compensar” o trabalhador com ganhos
financeiros por um ambiente de trabalho “desagradável”.

Não entendeu? Vamos comparar 2 empregos: minerador de carvão e atendente.

Se os salários destas duas funções fossem iguais, o que você acha que aconteceria?
É óbvio que quase todas as pessoas iriam preferir o trabalho de atendente, afinal esse
trabalho é bem mais seguro e possui um ambiente de trabalho bem mais agradável
do que a mina de carvão. Assim, todas as pessoas, ou quase todas, iriam ser
atendentes, não restando ninguém para trabalhar na mina de carvão.

O nosso estudo de oferta e demanda da aula 00 nos diz o que iria acontecer com a
oferta (O) e demanda (D) no mercado de trabalhadores de mina de carvão.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Sendo L a quantidade de “trabalho” contratado e w o salário.

Ao salário de w0, que é o mesmo salário do mercado de atendentes, a demanda de


empregados será maior do que sua oferta (L3 > L2).

Nós já vimos este filme, certo? Se a demanda é maior do que a oferta, o “bem” (no
caso, trabalhadores para mina de carvão) é “relativamente escasso”, portanto seu
preço (no caso, o salário para os empregados da mina de carvão) irá subir. Esse
“preço” irá subir até que a “escassez” esgote, ou seja, até o ponto em que oferta for
igual à demanda, no ponto (w1, L1). Esse salário de equilíbrio (w0) será superior ao
salário de atendente.

A ideia seria essa, “empregos piores” pagariam mais a fim de poder atrair os
trabalhadores necessários. Neste caso, a função de utilidade dos trabalhadores ( )
seria tal que:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
ã ô

Agora prestem atenção! Eu sei qual é a pergunta:

-“Professor, mas isso não costuma acontecer na vida real. Há muitos casos de
empregos com condições ruins que remuneram menos do que empregos com
condições boas!”

Agora que a porca torce o rabo. A hipótese fundamental é:

A hipótese fundamental para nossas conclusões é que


“empregos piores” pagarão mais do que “empregos
bons”, mantidas constantes às características
próprias dos trabalhadores, tal como nível
educacional, experiência, etc.

Ou seja, para empregados com mesmas características pessoais, empregos “piores”


pagarão mais do que “empregos bons”. Assim, não seria possível comparar um
médico com o minerador de carvão, pois eles têm condições educacionais diferentes.
Os trabalhadores devem ser comparáveis.

Mas, voltando à comparação de trabalhadores com características semelhantes, cabe


destaca o conceito de diferencial de salário compensatório (DSC). No nosso
exemplo, o DSC seria a diferença de salários entre os mineradores de carvão e os
atendentes, ou seja, seria o valor necessário para atrair os trabalhadores para o
emprego com condições ruins de trabalho. No gráfico descrito acima:

Entenderam?

Mas, para que nossas conclusões sejam válidas, algumas hipóteses adicionais (além
de estarmos trabalhando com indivíduos comparáveis) são necessárias:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
1) Os trabalhadores maximizam utilidade e não somente a renda.

Neste caso nossos agentes em estudo não se preocupam só com o salário,mas com
as condições de trabalho.

2) Trabalhador tem informação perfeita sobre as diferenças de condições de


emprego e salário entre os diferentes trabalhos na economia.

Para que o trabalhador possa decidir entre os diferentes trabalhos, temos que supor
que ele tenha informação sobre as diferenças entre os diversos trabalhos.

3) O trabalhador tem perfeita mobilidade entre trabalhos.

Ou seja, estamos desconsiderando a possibilidade de que o trabalhador precise ficar


atrelado a um trabalho por motivos como distância, contrato, etc.

Toda essa discussão nos faz perceber que este DSC tem papel importante no
nível de trabalhadores e empresas, como em nível social.

O DSC é importante para que as empresas com piores condições de trabalho


consigam ter os trabalhadores necessários e manter sua produção. Veja, por mais
que uma mina de carvão trabalhe na melhoria de suas condições, essas nunca serão
tão boas quanto um escritório bem equipado. Assim, caso não existisse essa
diferença, as empresas não conseguiriam produzir este bem.

Isso repercute em nível social também, pois a sociedade precisa de muitos bens que
são produzidos em condições ruins, portanto, o DSC seria um garantidor de que estes
continuariam a ser produzidos.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

1.2 Teoria Salarial “hedonística”

Gente, com base no que sabemos de DSC já podemos saber que, mantidas as
condições pessoais do trabalhador constantes, um trabalhador precisará de maiores
taxas salariais para compensá-lo por “piores condições de trabalho”, tal como o risco
de acidentes.

Analisando o caso do nosso minerador de carvão, nós sabemos que este demandará
maiores salários para compensá-lo pelo risco que ele corre na atividade. Ou seja,
para manter a utilidade do trabalhador constante, para um dado aumento de
risco em sua atividade, será preciso pagá-lo mais. Você se lembra o que é isso?

Isso mesmo! É uma espécie de curva de indiferença (CI). Neste caso:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Veja as CI no gráfico acima. Para que o trabalhador se mantenha em uma mesma CI,
um maior risco de acidentes tem de estar associado a uma maior taxa salarial. No
caso acima, se a taxa de acidentes passar de 20 para 30 acidentes por dia, o
trabalhador precisará aumentar a taxa salarial em R$ 30 (40 – 10) para que a utilidade
fique constante.

Perceba que CI mais altas estarão associadas a maiores utilidades:

Veja que a curva U2 apresenta maior utilidade do que U1. Neste caso, para uma dada
taxa de acidentes (20), a curva U2 associará este valor a uma taxa salarial de R$ 20
(ponto B) ao invés de R$10, tal como na curva U1 (ponto A).

Neste caso, podemos observar uma coisa: quanto mais inclinado for a CI risco (x)
salários, mais avessa ao risco será pessoa, enquanto que, quanto mais estas forem
planas, mais propenso ao risco será o trabalhador. Veja:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Perceba que uma dada variação na taxa salarial (5 para 10), a curva mais inclinada
estará associada a uma menor variação do risco aceitável (4) do que a curva mais
plana (10).

Ok! E o empregador?

Longe de querermos esgotar a discussão, como você acha que seria uma curva de
isolucro para o empregador? Ou seja, como seria uma curva que mostraria qual a
relação entre os salários que a empresa oferece e o risco que ela proporciona?

Simples! Maiores taxas salariais terão que estar associadas a maiores riscos. É
assim, eliminar riscos é custoso, então, para uma dada taxa de lucro, para eliminar
riscos será necessário reduzir os salários. Uma isolucro seria uma curva que
mostraria qual seria a combinação de riscos e salários que dariam a mesma taxa de
lucro para uma empresa.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
-“Mas, professor, se for assim, as isolucros não terão a mesma forma das CI”?

Boa! Mas, por razões que não irão cair no seu concurso, elas terão a “boca virada
para baixo”, tal como se segue:

Veja que uma taxa salarial mais alta tem de estar associada a uma taxa de acidentes
mais alta na isolucro, pois isso demandaria mais gastos por parte da empresa, o que
teria de ser repassado ao trabalhador.

O formato destas curvas dependerá da “facilidade” com a qual o empregador produz


segurança e qualidade de seus postos. Para algumas empresas, a depender de sua
tecnologia e características, será mais “custoso” do que para outras gerar segurança
(tal como a mina de carvão). Como estas irão atrair trabalhadores? Pagando mais!
Agora, se for mais fácil para empresa gerar segurança, esta poderá pagar salários
menores e, ainda assim, atrair a mão de obra necessária.

Algumas empresas irão preferir gerar mais segurança, pagando menores salários,
outras não irão se concentrar no ambiente de trabalho, mas compensarão
financeiramente seus trabalhadores por este descuidado.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Tá bom! Mas qual a conclusão?

É a seguinte:

Os trabalhadores irão trabalhar nas empresas


quando a sua taxa de troca de riscos por salário for
igual à taxa da empresa na qual ele irá obrar, ou seja,
quando a inclinação de sua CI for igual à inclinação
da isolucro de uma empresa (sendo que esta será a
empresa em que ele irá trabalhar).

Não quero adentrar muito nesta questão, porque há poucas chances disso ser
cobrado, mas perceba uma coisa:

Esta conclusão nos permite dizer que trabalhadores


mais propensos ao risco irão preferir receber mais
e, portanto, trabalharão em empresas com maior
risco. Por outro lado, empregados que tem aversão
ao risco trabalharão em empresas que tem mais
facilidade em produzir segurança, mas que pagam
menos.

Este é um equilíbrio particular do modelo hedonístico de salários. Vamos falar agora


de questões de equilíbrio de mercado como um todo.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

2. Equilíbrio do Mercado de Trabalho

Eu já expliquei para vocês na aula 00 que o equilíbrio de mercado ocorre quando a


oferta é igual à demanda. Isso se aplica ao mercado de trabalho. O equilíbrio do
mercado de trabalho ocorrerá quando a oferta de trabalho for igual à demanda
por trabalho:

Quando a oferta é maior do que a demanda por trabalho (ao salário de R$ 50), não
podemos estar no equilíbrio, pois há mais trabalhadores querendo laborar do que as
empresas querem contratar. Neste caso, há um estímulo para redução de salários,
pois o trabalho está relativamente abundante. Conforme o salário se reduz, alguns
empregados desistem de querer trabalhar, mas outros continuam querendo, fazendo
com que o mercado se movimente até o ponto de equilíbrio.

Já no caso em que a demanda é maior do que a oferta (salário de R$ 20), as empresas


querem contratar mais trabalhadores do que os que estão dispostos a trabalhar.
Neste caso, o trabalho é relativamente escasso, havendo estímulo para aumento de
salários. Conforme o salário aumenta, mais trabalhadores irão querer colocar sua

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
mão de obra à disposição das empresas, fazendo com que o mercado se movimente
até o novo ponto de equilíbrio!

Qual o único ponto em que não há estímulos para mudança, coeteris paribus?
Exatamente, o ponto em que o salário é igual a R$ 30 e há 20 empregados
contratados. Este é o equilíbrio da empresa e trabalhador ou equilíbrio
competitivo.

Neste ponto, precisamos discutir um ponto importante: a mobilidade, informação


perfeita e racionalidade dos trabalhadores, ou seja, os pressupostos da teoria
neoclássica de mercado de trabalho. Nós já falamos que a escola neoclássica é a
responsável pela teoria de mercado de trabalho que estamos estudando. Mas, toda
essa teoria se baseia em algumas hipóteses:

1) Os trabalhadores são racionais – no sentido de que sempre estarão dispostos a


maximizar sua utilidade;

2) Os trabalhadores têm informação perfeita – ou seja, eles conhecem o mercado de


trabalho com a palma da mão e sabem se um emprego remunera mais ou fornece
melhores condições de trabalho que outro;

3) Os empregados têm perfeita mobilidade entre empresas – não há contratos


impeditivos, distância, ou qualquer outro fator que influencie em suas decisões além
de salário (nós já vimos que isso não é verdade pela teoria do diferencial de salário
compensatório, mas, por hora, assumiremos que as condições de trabalho em todas
as empresas são iguais).

Essas hipóteses garantem o funcionamento de mercado que nossa teoria está


prevendo.

Este equilíbrio de mercado competitivo é tido pela teoria como eficiente, pois
maximiza os ganhos de troca.

-“Não entendi”!

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Então, vamos ao gráfico:

Olha pessoal, eu usei linhas vermelhas para facilitar a visualização, mas elas só
servem para ligar os pontos, ok?

O equilíbrio ocorre quando a oferta é igual à demanda, portanto, a contratação de


trabalhadores está ocorrendo no ponto em que o salário é de R$ 20 e há 20
empregados contratados.

Quando a empresa contrata 10 unidades de “trabalho”, ela ainda está “lucrando”, pois
há um excedente de produtor aí. Veja, no ponto H, o valor do produto marginal desta
quantidade de mão de obra é maior do que o salário que a empresa está pagando,
gerando um excedente para a empresa. Essa conclusão também é verdade no ponto
X, significando que a contratação de 11 unidades de L gerará um excedente para o
produtor.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Assim, como nós sabemos da aula 02 que, mantidos os outros fatores de produção
constantes (algo semelhante ao curto prazo), a empresa irá contratar até o ponto em
que:

Neste ponto há uma maximização do excedente do produtor, que, no equilíbrio de


mercado sem interferências, é dado pela área A, acima descrita. Existe
correspondência entre este conceito e o conceito de lucro, mas não vamos adentrar
nisso para sua prova.

Entenderam o que é o excedente do produtor? É a diferença entre o que ele está


“ganhando” com a produção de uma determinada quantidade de bens finais e o que
ele está “pagando” para produzi-las.

Olhe no gráfico. No ponto H, a empresa estaria disposta a pagar R$ 40 pela 10ª


unidade de trabalho, mas só está pagando o salário de mercado, que é de R$ 20.
Portanto, há um excedente de produção neste ponto, que é dado pelo trapézio
marcado pela linha vermelha. Este excedente ocorrerá para todas as contratações
cujo custo (leia-se, salário de mercado) seja inferior ao valor de seu produto marginal.
Assim, até o equilíbrio, onde o custo é igual ao ganho, será gerado um excedente
dado pelo triângulo A, que representa a soma dos ganhos obtidos com cada
unidade produzida.

E o trabalhador?

Nós sabemos da aula 03, que o trabalhador irá ofertar trabalho até o ponto em que:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Ou seja, até o ponto em que o custo de trocar lazer por trabalho seja igual à taxa de
salário. Isso determina a curva de oferta do trabalhador, tal como explicamos na aula
03.

Veja o gráfico:

Perceba que na contratação de 5 unidades de “trabalho”, há um excedente dos


trabalhadores, já que esta unidade de trabalho aceitaria ser remunerada por menos
(R$ 7), mas o mercado oferece R$ 20, gerando um excedente dos trabalhadores.
O mesmo vale para a 7ª unidade de trabalho (recebe R$ 20, mas aceitaria trabalhar
por R$ 10). Isso será verdade até a contratação da vigésima unidade de trabalho,
cuja remuneração desejada será aquela oferecida pelo mercado, maximizando o
excedente do trabalhador.

O excedente dos trabalhadores no equilíbrio de mercado, tal como no caso do


excedente dos produtores, será a soma dos excedentes obtidos por cada unidade de
trabalho ofertada. A soma total será igual ao triângulo B.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Este equilíbrio também é eficiente e maximiza os ganhos de troca.

Daí surge a pergunta: o salário que todas as empresas do mercado irão pagar para
um determinado tipo de mão de obra (a depender do modelo podem ser categorias
de formação, idade, ou tudo junto) será o mesmo? Vamos entender!

O que acontece se duas empresas, com condições de


trabalho idênticas, oferecerem salários diferentes? Simples! Os trabalhadores
migrarão para aquela que paga mais! Ponto! A ideia de mobilidade e
racionalidade é essa, os trabalhadores se movimentarão entre os diversos
trabalhos até encontrar aquele que paga melhor, coeteris paribus.

Então? Qual sua conclusão?

-“Em um mercado competitivo, o salário de equilíbrio para uma determinada categoria


de mão de obra será igual em todas as empresas”!

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Isso! Vamos voltar ao nosso exemplo de duas empresas e supor que a empresa 1
oferece um salário menor do que 2 (w3 < w0) no equilíbrio:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Entenderam? A saída de trabalhadores da empresa 1 fez o seu salário subir,
enquanto que a excessiva quantidade de trabalhadores querendo trabalhar em 2 fez
seu salário cair. Até que ponto isso ocorrerá? Até que os dois salários sejam iguais!

Teste para o caso inverso! Você vai ver que haverá uma tendência de equalização
dos salários. Claro que estamos assumindo todos aqueles pressupostos que
falamos acima, inclusive que os trabalhadores são todos iguais!

Economia é assim mesmo, há uma excessiva simplificação da realidade para


serem criados modelos. Isso se baseia na “teoria do mapa”. Isso é, se a teoria
levasse em conta TODOS aspectos da realidade, o modelo seria tão complexo
que seria mais viável olhar a própria realidade. Mas, relaxem e guardem os
conceitos.

Até aqui, estamos tratando do equilíbrio de uma empresa e trabalhadores operando


em mercado competitivo.

Um mercado competitivo é aquele no qual


todos os compradores e vendedores do bem
negociado são muito pequenos com relação
ao tamanho do mercado, não tendo poder de
influenciar o preço dos bens negociados,
sendo, portanto, tomadores de preço.

Nós já discutimos isso na aula 00. Pense no caso de um mercadão! Neste mercado
os vendedores e compradores têm muito pouca, ou nenhuma, influência no preço dos
produtos vendidos. Se alguém vender acima do preço comum, não venderá nada. E
se vender abaixo, terá todo o mercado, o que seria irracional, pois alguém já o teria
feito antes e abocanhado toda clientela.

Neste caso, a demanda de mercado pelo produto das empresas em um mercado


competitivo seria da seguinte forma:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Veja que ao preço de mercado (P*) uma empresa pode vender o quanto quiser (ou
puder). Isso deriva do fato de que ela é uma parte muito pequena do mercado como
um todo. Essa seria a curva de demanda de mercado com a qual as empresas
em um mercado competitivo se defrontam.

Essa conclusão vale também para um mercado de fatores competitivo, sendo que as
empresas seriam pequenas demais para influenciar o salário de mercado, podendo
contratar quantos empregados que quisessem ao salário de mercado. Desse modo,
a oferta de trabalho para essas empresas seriam:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Ou seja, devido ao fato de as empresas serem pequenas demais com relação ao
tamanho do mercado de trabalho, elas não teriam capacidade de influenciar o salário
de mercado, podendo contratar a mão de obra que desejassem ao salário (w*).

Vocês estão entendendo que esta curva de oferta agregada de mão de obra em um
mercado competitivo de fatores é o somatório de todas as ofertas de trabalhadores
individuais? As curvas de ofertas de trabalhadores são daquele jeito que mostramos
na aula 03, positivamente inclinadas. Mas, neste caso, há infinitos trabalhadores
ofertando mão de obra para infinitas empresas, de forma que o formato deste
mercado como um todo ganhe a forma de um “mercadão”.

O mesmo vale para a demanda de mercado pelo produto final de uma empresa em
mercado competitivo, que seria o somatório de todas as demandas dos consumidores
considerados individualmente.

E como seria uma empresa que não se comportasse dessa forma?

3. Mercados Não Competitivos

Até agora falamos do equilíbrio de mercado competitivo, mas muitas coisas podem
perturbar o equilíbrio e impedir a eficiência. Vários casos serão discutidos ao longo
do curso, mas, agora iremos tratar dos casos do Monopólio e do Monopsônio.

3.1 Monopólio

-“O que é um monopólio, professor”?

Monopólio é o caso de “um único vendedor de um bem”! Ou seja, só há uma empresa


que fornece um determinado bem final, a empresa monopolista. Já ouviram falar dos
processos anti-monopólio que são feitos contra a Microsoft? Então, a ideia é que a
Microsoft fornece um “bem único”, que não pode ser diretamente substituído por
outros, gerando um monopólio.

Mas como isso afeta o mercado de trabalho?

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Nós vimos que, no mercado competitivo, uma empresa pode vender o quanto quiser
ao preço de mercado. No caso do monopólio não é assim. O monopólio não só é uma
grande parte do mercado, mas sua totalidade! Assim, ele se submete a um caso
clássico de demanda, a saber:

Ou seja, para que o monopólio venda mais de seus produtos, ele deve reduzir o preço
do seu produto. As pessoas só irão consumir mais dos produtos do monopólio se este
reduzir o preço, um caso clássico de demanda por produto. Neste caso, ele é um
fixador de preços, pois ao definir a quantidade produzida ele acaba por determinar
o preço do produto.

Matematicamente falando, o preço do produto não é mais constante, mas é uma


função da quantidade produzida pelo monopolista:

Ou seja, a quantidade que ele produzir irá influenciar o preço. A título de exemplo,
uma função demanda dos produtos do monopolista poderia ser:

Viram, neste caso, quanto maior a quantidade produzida, menor será o preço que ele
pode cobrar.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Neste caso, o empregador não mais poderá se basear naquele nosso mantra que
define a demanda por trabalho de uma empresa competitiva:

Ou seja, que o valor do produto marginal do trabalho (VPMgL) será igual ao preço do
produto (constante, no mercado competitivo) multiplicado pelo produto marginal do
trabalho. Isso porque, no monopólio, o preço não é mais constante para qualquer
quantidade produzida.

O Monopolista tem de reduzir o preço de seu


produto para conseguir vender uma quantidade
maior deste no mercado.

Neste caso, o “mantra” do monopólio será diferente:

Sendo RMg a receita marginal e PRMgL o produto da receita marginal. A demanda


por trabalho no monopólio será realizada até o ponto em que o produto da receita
marginal for igual ao salário de mercado, no caso de um mercado de fatores
competitivo.

Receita Marginal é a variação da receita total em


decorrência do aumento da quantidade produzida em uma unidade adicional.

O produto da receita marginal é o correspondente do valor do produto marginal para


o monopólio e que é obtido pela multiplicação da receita marginal pelo produto
marginal do trabalho.

Vocês entenderam? A receita adicional que o monopólio obterá pela venda de seu
último produto, coeteris paribus, é a Receita Marginal e esta não é sempre igual ao
preço de mercado, que independe da quantidade vendida, pois o produtor terá de

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
reduzir o preço de seu produto se quiser aumentar a sua participação no mercado.
Neste caso, é fácil ver que a Receita Marginal é decrescente!

E como é a Receita Marginal? Ela não é o acréscimo de receita decorrente da venda


de uma unidade adicional de produto? Então, no caso do mercado competitivo, ela
é:

O que isso está te dizendo? Está te falando que, quando uma empresa competitiva
produz uma unidade adicional, ela poderá obter o preço de mercado (p*) com sua
venda, independentemente da quantidade já produzida.

E o monopolista? Neste caso:

Ou seja, a receita marginal será função da quantidade produzida. Isso porque, quanto
mais o monopolista produzir, menor o preço que ele poderá obter por cada unidade
produzida.

E como podemos calcular a RMg?

Simples! Pela derivada da função que expressa a Receita Total! Isso é meio que
óbvio, pois nós vimos que a receita marginal é a variação na receita total decorrente
da produção de uma unidade adicional de um bem final. Então a derivada da Receita
Total com relação à quantidade produzida é o quanto variará a receita total quando a
quantidade produzida variar em uma unidade. Veja que os conceitos são iguais!

A receita total pode ser obtida pela expressão “preço vezes quantidade”. Ambos são
variáveis no monopólio, então você pode escolher em termos de qual você irá
expressar a receita total. Vamos trabalhar com a receita total ( ) em função das
quantidades produzidas, o que gera:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
No nosso exemplo:

Assim, a receita marginal deste monopólio será:

Perceberam que ela não é constante? E mais, que ela diminui com a quantidade
produzida? Essa é uma característica do Monopólio!

Eu não vou ficar enchendo a cabeça de vocês com teoria


que vocês não usarão! Então, entendam isso: como o monopólio tem de reduzir o
preço de seu produto para desovar seus estoques, ele irá produzir menos que
se atuasse como uma empresa competitiva, coeteris paribus. Portanto, ele não
maximiza os excedentes dos trabalhadores e dos produtores, por
consequência, não maximizando os ganhos de troca.

Viram? Quando o monopolista faz as contas, ele percebe que não valerá a pena
produzir a mesma quantidade que uma empresa competitiva, que pode produzir o
quanto quiser ao preço de mercado, assim, esta produzirá menos!

Agora eu te pergunto: como fica a demanda por trabalho?

A empresa produz menos, portanto ela contratará menos trabalho, mantido tudo
mais constante! Veja o gráfico:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Sendo L0 < L1.

Percebem que o monopólio irá empregar menos pessoas do que se atuasse como
uma empresa competitiva (L0 < L1), coeteris paribus?

- “E o salário, professor”?

Então, apesar de o monopólio não ser competitivo no mercado de produtos finais, ele
pode ser um tomador de salários no mercado de trabalho, que é o nosso caso. Assim,
ele pode contratar quanta mão de obra quiser ao salário de mercado (w*).

No nosso estudo iremos tratar, unicamente, do caso em que o monopólio atua em um


mercado de trabalho competitivo.

Obs. Função Lucro

Assim, podemos derivar a função lucro de uma empresa monopolista e da empresa


competitiva. Essa função irá nos dizer qual a quantidade produzida no ponto de
maximização de lucro.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

O que é lucro? Lucro é igual a receitas menos custos. Nós já vimos como é a
função receita total de uma empresa competitiva e de um monopolista, então, se
conhecermos sua função Custo Total, que nos mostra como o custo varia com a
quantidade produzida, teremos a função lucro.

Vamos supor que estamos no curto prazo, sendo que o único fator de produção que
pode variar é o trabalho!

Como seria a função Custo Total de uma empresa competitiva? Seria uma função
que mostraria o quanto a empresa “gasta” para produzir! No caso da empresa
competitiva, que se defronta com um mercado competitivo de fatores de produção,
seu custo total (CT) seria:

Veja, o custo total será função da quantidade de trabalho que a empresa contrata ( )
multiplicada pelo salário de mercado ( ), que é fixo.

Esta expressão está nos dizendo algo importante: não importa quanto trabalho a
empresa contrate, o salário de mercado será constante e dado por . Essa é a
característica de uma empresa competitiva no mercado de fatores, pequena demais
com relação ao tamanho do mercado para influenciar o salário de mercado, ou seja,
trata-se de uma tomadora de salários.

É exatamente o mesmo caso da empresa tomadora de preços, conforme já


discutimos, só que no mercado de fatores. O que ocorre é uma falta de poder de
mercado para influir no preço que ela irá pagar por uma unidade adicional de trabalho,
assim, não importa quanto trabalho ela contrate, a sua demanda será pequena
demais com relação ao tamanho de mercado para alterar o salário de equilíbrio.

Assim, a função lucro ( ), que uma empresa competitiva visa maximizar é dada por:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Essa é a função lucro de uma empresa competitiva, com e constantes,
dados pelo equilíbrio de mercado.

E o monopolista?

A fim de facilitar a análise, já dissemos que vamos trabalhar com o caso em que o
monopolista se defronta com um mercado de fatores competitivo, sendo, portanto,
pequeno demais para influir no salário de mercado. Assim, sua demanda não afetará
o salário de mercado, o que resulta em uma função custo total igual à da empresa
sob concorrência perfeita:

Assim, a função lucro do monopolista ( ) será:

Bom gente, nem preciso falar para vocês como maximizar esta função, certo?
Exatamente, derivando em função da quantidade produzida e igualando o resultado
a zero, tal como explicamos em aulas anteriores.

Mas, veja, antes de derivar uma função lucro, seja do monopolista ou da empresa em
concorrência perfeita, acabamos por encontrar 2 (duas) funções que a compõe: a
função Receita Total e a função Custo Total. Observe:

Já sabemos que a derivada da função receita total é a receita marginal. E a derivada


da função custo total? É o Custo Marginal!

Custo Marginal é a variação do Custo total em


decorrência do aumento da quantidade produzida em uma unidade adicional.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Entenderam o que é o custo marginal? Ao aumentarmos a produção de bens finais
em uma unidade, temos uma variação no custo total incorrido pela empresa, esta
variação é o custo marginal.

E como calculá-lo? Exatamente! É a derivada da função custo total com relação à


quantidade de produto produzida. Por que? Porque nós sabemos que a derivada da
função Custo Total com relação à quantidade produzida vai nos dizer qual é a
variação no custo total para uma variação de uma unidade de produto final!

Vamos derivar a função lucro e ver a repercussão disso. Dada uma função lucro:

Se a derivarmos e igualarmos o resultado a zero, visando encontrar o ponto máximo


da função, teremos:

O que leva a:

Esse é o dogma da economia como um todo! Toda empresa, repito, toda


empresa, não importa o mercado em que opere, irá produzir até o ponto em que
a receita marginal for igual ao seu custo marginal.

-“Por que isso professor”?

Analise bem, a RMg é o acréscimo de receita total que uma empresa terá em
decorrência da produção de um bem adicional, enquanto que o CMg é o custo
adicional que uma empresa incorrerá em virtude da produção de um bem final
adicional.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
O que ocorre se, em um determinado ponto de produção, a receita marginal for maior
do que o custo marginal? Neste caso, a produção de uma unidade adicional irá gerar
mais receita do que custos, pois a receita marginal decorrente desta unidade
produzida será maior do que seu respectivo custo marginal. Portanto, vale a pena
aumentar a produção e ter este lucro adicional decorrente da produção desta unidade
adicional.

E se em um determinado ponto de produção, a receita marginal for inferior ao custo


marginal? Neste caso, a produção de uma unidade adicional irá gerar mais custos do
que receitas. Portanto, vale a pena reduzir a produção e diminuir os prejuízos que
esta produção em excesso está gerando.

Qual o único ponto em que não dá para melhorar de situação? É isso aí, quando a
receita marginal for igual ao custo marginal. Neste ponto, não haverá como gerar mais
ganhos para a empresa, pois ela estará obtendo o maior lucro possível.

Essa condição para a empresa competitiva, sem fazer qualquer consideração


sobre o mercado de fatores, fica assim:

Ou seja, a empresa competitiva tem de ter o seu custo marginal igual ao preço de
mercado.

E o monopolista?

Entenderam? A condição de igualdade entre custo marginal e receita marginal vale


sempre e para qualquer mercado! É uma simples questão de racionalidade
econômica. Esta relação irá definir qual a quantidade (ou preço, a depender como
você irá arrumar a equação) que maximiza o lucro da empresa.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Esta condição de igualdade entre receita marginal e custo marginal serve,
inclusive, para explicar nosso “mantra” que determina a demanda de trabalho
pela empresa competitiva e pelo monopólio.

Veja, qual o custo marginal de contratação de um trabalhador adicional? Ora, esse é


dado por:

Pense um pouco. Se o produto marginal de um trabalhador é de 10 unidades de


produto final e o seu salário é de R$ 20, o custo marginal de produção de uma unidade
adicional de produto será de R$ 2 (20 dividido por 10).

E qual a receita marginal decorrente da contratação de um trabalhador adicional? Se


for uma empresa competitiva, será o preço de mercado, enquanto que se for o
monopólio será a receita marginal relativa à produção que ele decidiu produzir.

Assim, no caso da empresa competitiva:

E no caso do monopólio:

Viram? O nosso dogma de escolha maximizadora serve para derivar, inclusive, a


quantidade ótima de trabalhadores que será demandada pela empresa.

Ou seja, guarde essa relação, pois ela explica a maior parte das escolhas na
economia.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

3.2 Monopsônio

Nós não falamos do monopólio, único produtor? Agora vamos falar do monopsônio,
único comprador de um bem em um mercado. Neste caso, iremos pressupor que a
empresa é monopsonista no mercado de trabalho e vende seus produtos em um
mercado competitivo. Qual a mudança com relação à nossa análise de mercado
competitivo anterior?

O monopsonista não pode comprar quanto “trabalho” quiser ao salário de mercado.


Por que? Pelo fato de ele ser o único comprador, o mesmo só conseguirá atrair mais
mão de obra com maiores salários.

Imagine um único hospital em uma cidade pequena. Qual a única forma de este
estabelecimento conseguir atrair mais enfermeiros para trabalhar? Logo de cara
alguns enfermeiros irão querer, mas eles não serão o suficiente. Há alguns que
podem atuar na área, mas estão tranquilos em casa, ou estão visando uma nova
carreira como AFT, ou outras possibilidades. Como fazer estas pessoas mudarem de
ideia?

Exatamente: pagando mais! Quando você é o único comprador, você influencia o


preço de mercado e, no caso do mercado de trabalho, ele será um fixador de
salários! A depender de sua demanda, o salário de mercado será diferente. Assim,
a curva de oferta de trabalho de mercado com a qual este mercado se defronta é:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Ou seja, para conseguir mais mão de obra, o


monopsonista deverá pagar um salário mais alto!

Ou seja, o custo total dessa empresa variará não somente com a quantidade de
empregados contratados, mas com a variação salarial necessária para atrair essa
quantidade de mão de obra. Assim, sua função custo total seria diferente das que
estudamos até aqui, a saber:

Perceberam? O salário de mercado será uma função da quantidade de produto final


produzida pelas empresas o que, por consequência, está ligada à demanda de
trabalho das firmas! Uma maior quantidade de produto fará com que as empresas
necessitem de mais mão de obra, o que ocasionará um aumento na demanda de
trabalho das empresas. No caso, nós sabemos que, no caso do monopsonista, uma
maior demanda de trabalho por estas empresas fará com que o salário de mercado
aumente. Isso decorre do fato de que, como a empresa é a única compradora, uma
maior demanda de trabalho tornará este bem relativamente mais escasso, fazendo o
salário subir.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Pelo que nós vimos, contratar um empregado adicional deve ser seguido de uma
elevação salarial, o que afetará o quanto a empresa está pagando para todos que ela
já contratou! Portanto, o custo marginal da mão de obra de uma empresa
monopsonista não será mais igual ao salário de mercado (w*) divido por seu produto
marginal, tal como no caso competitivo, mas será sempre crescente.

Assim, para uma empresa competitiva no mercado de bens finais, mas monopsonista
no mercado de fatores, a função lucro será:

Assim, na maximização de lucros, derivando a função lucro:

Perceba o seguinte, a empresa não pode contratar o que quer pelo salário de mercado
e está sujeita a custos crescentes de contratação, ou seja, um custo marginal de
contratação ascendente. Se isso ocorre, por dedução, podemos perceber que a
empresa monopsonista irá contratar menos pessoas do que outra exatamente
igual que se comporte como uma empresa competitiva no mercado de fatores
de produção.

Assim, sem fazer muita imersão na teoria, vamos ao que


interessa para sua prova. Portanto, decore:

1) Uma empresa monopsonista contrata menos trabalhadores do que se


atuasse de forma competitiva no mercado de fatores, coeteris paribus;

2) Uma empresa monopsonista, mantido tudo mais constante, paga um salário


de equilíbrio menor do que se atuasse de forma competitiva no mercado de
fatores.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

4. Rendimentos de Escala

Pessoal, já que estamos falando de monopólio, acho importante tratarmos do assunto


Rendimentos de Escala. Isso é uma coisa que pode gerar monopólios!

Olha, nós falamos da lei dos rendimentos marginais decrescentes, que implica uma
produtividade decrescente dos fatores de produção acrescidos no processo, mantido
tudo mais constante. Mas, essa é a palavra chave, tudo mais constante.

E se você alterar a quantidade dos insumos utilizados todos ao mesmo tempo? Ou


seja, o que ocorre se você dobrar a quantidade a quantidade de capital e trabalho
usados no processo ao mesmo tempo?

Isso define que tipo de rendimento de escala uma tecnologia tem. Veja, se você
multiplicar a quantidade de insumos em um processo produtivo por um número “x”
qualquer (tal como 2, 3, 4, etc), podem acontecer 3 (três) coisas com o total de produto
final da empresa:

1) O produto final pode aumentar mais do que x. Este é o caso de rendimentos


crescentes de escala. Por exemplo, se você dobrar a quantidade de ambos os
insumos utilizados, a produção irá mais do que dobrar se a tecnologia tiver
rendimentos crescentes de escala. Analiticamente:

Sendo o valor de sua produção. Isso é algo que pode gerar um monopólio! Se uma
empresa tem uma tecnologia desta e as outra não, ela pode acabar expulsando as
demais do mercado.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

2) O produto final pode aumentar menos que x. Este é o caso de rendimentos


decrescentes de escala. Por exemplo, se você triplicar a quantidade de ambos os
insumos utilizados, a produção irá mais do que triplicar se a tecnologia tiver
rendimentos decrescentes de escala.

3) O produto final pode aumentar em exatamente x. Este é o caso de rendimentos


constantes de escala. Por exemplo, se você dobrar a quantidade de ambos os
insumos utilizados, a produção irá dobrar se a tecnologia tiver rendimentos constantes
de escala.

Viram? Isso determina uma característica da tecnologia da empresa no longo prazo,


em que ambos os fatores de produção podem variar. No modelo de mercado
competitivo, uma hipótese importante é que todas as empresas têm
rendimentos constantes de escala.

Beleza pessoal? É só por hoje pessoal! Agora vamos fazer alguns exercícios
para fixar o que aprendemos.

Se preparem, pois, nesta aula, teremos menos exercícios,


mas eles serão pedreira! Aula que vem eu dou uma maior quantidade, mas que,
com certeza, serão mais fáceis de serem resolvidos.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Exercício 1

(AFT/MTE – ESAF/2003) Suponha que a utilidade de um indivíduo possa ser


representada por U = R*Hlazer, onde R é a renda e Hlazer as horas de lazer. Além
disso, sabemos que esse indivíduo divide as horas totais de seu dia entre horas
de trabalho e horas de lazer (Htrabalho + Hlazer = 24) e que sua renda está
determinada pela taxa nominal de remuneração por horas trabalhadas (W) vezes
o número de horas trabalhadas (R = W*Htrabalho). Assim, a curva de oferta de
mão-de-obra desse indivíduo poderá ser expressa por:

a) Htrabalho = 12 – W
b) Htrabalho = 24 – W
c) Htrabalho = 24
d) Htrabalho = 12
e) Htrabalho = 12 + W

Resolução

Gente, para encontrarmos a curva de oferta de trabalho, precisamos maximizar a


função de utilidade em função das horas a serem despendidas e da renda a ser obtida
no trabalho. Quando você vir alguma coisa assim, primeira coisa que você vai pensar
é em substituir as variáveis relevantes da oferta de trabalho na função de utilidade do
trabalhador. Mesma coisa vale para a demanda por trabalho.

Lembre-se que os trabalhadores visam a maximização da utilidade e as


empresas a maximização do lucro. A banca vai te dar algumas informações.
Avalie qual delas tem relação com o que está sendo pedido na questão e
substitua os valores.

Vamos lá:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Nós sabemos que:

1) , portanto

2)

Agora substitua estes dois valores na função utilidade:

Multiplicando cruzado temos:

Veja, nós queremos encontrar o valor de horas de trabalho que maximiza a utilidade.
Como fazemos isso? Derive em função das horas trabalhadas e iguale a zero. Para
facilitar o entendimento, chame as horas de trabalho de x:

Derivando em função de x e igualando o resultado a zero:

Esta é a resposta. Alternativa (d).

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Exercício 2

(AFT/MTE – ESAF/2003) Uma determinada empresa é monopolista para uma


nova patente de produtos farmacêuticos. Se a demanda por esses produtos for
P = 25 – 2Q, e a função de produção a curto prazo for Q = 4L (Q representa a
quantidade produzida ou vendida e L a quantidade de mão-de-obra), a demanda
de trabalho dessa empresa poderá ser expressa pela seguinte equação (W
representa o salário nominal):
a) W = 100 – 4L
b) W = 100 – 64L
c) W = 25 – 4L
d) W = 25 – 8L
e) W = 100 – 8L

Resolução

Gente, vamos nos basear na relação que mostrei a vocês:

Assim, para o caso do monopolista:

Então precisamos encontrar os valores para o produto marginal do trabalho e para a


receita marginal.

O produto marginal do trabalho é fácil, bastando derivar a função de produção com


relação à quantidade de mão de obra (L):

Assim:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Agora a receita marginal será encontrada por meio da curva de demanda dada no
enunciado:

Multiplicando esta função pela quantidade produzida, encontraremos a função receita


total em função da quantidade:

Derivando com relação à quantidade produzida encontramos a receita marginal:

Agora, vamos substituir a quantidade produzida pela função de produção nesta


expressão da receita marginal, com vistas a deixar tudo em função da quantidade de
trabalho demandada:

Agora basta substituir na nossa expressão original:

Isolando o salário nominal temos:

Alternativa (b).

(SESPA – CESPE/2004) A microeconomia estuda o comportamento individual


dos agentes econômicos e, por essa razão, constitui um sólido fundamento à
análise dos agregados econômicos. Acerca desse assunto, julgue os itens
seguintes.

Exercício 3

No equilíbrio, a firma que opera em um mercado competitivo maximiza seus


lucros quando fixa o preço de seu produto em um valor igual à receita marginal.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Resolução

Perfeito. Nós já vimos que, no caso da empresa competitiva, ela terá sua receita
marginal igual ao preço de mercado. Lembrem-se do “mercadão”. A empresa é
pequena, não tendo influência no preço de mercado. Item correto.

Exercício 4

Se a necessidade de melhor equipar os hospitais públicos, em termos


tecnológicos, levar à expansão do emprego de pessoal qualificado (médicos e
técnicos), então, na função de produção desses serviços hospitalares, o
trabalho especializado e os equipamentos são considerados bens
complementares.

Resolução

É isso mesmo! Se, o equipamento novo e moderno de hospitais demanda pessoal


mais qualificado para operá-los significa que um fator de produção depende de outro
para ter efeitos em termos de quantidade produzida final, no caso, serviços médicos.
Esse é o caso de bens que tem de ser “consumidos juntos”, a saber, complementares.
Correta.

Exercício 5

As isoquantas, que mostram as diferentes combinações fatoriais que


asseguram lucros idênticos, não podem se cruzar.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Resolução

Você pegou a pegadinha? Realmente as isoquantas não podem cruzar, de acordo


com as propriedades que estudamos na aula 02, mas elas não mostram combinações
que geram mesmo lucro, mas combinações que geram a mesma quantidade de
produção. Alternativa errada.

(FUNCAP/PA – CESPE/2004) A microeconomia estuda o comportamento


individual dos agentes econômicos e, por essa razão, constitui um sólido
fundamento à análise dos agregados econômicos. Acerca desse assunto,
julgue os itens seguintes.

Exercício 6

Durante as crises do petróleo na década de 70 do século XX, a elevação dos


preços, orquestrada pelo cartel da OPEP, estimulou a produção de substitutos
para esse mineral, contribuindo, assim, para expandir a elasticidade-preço da
demanda desse produto.

Resolução

Alternativa correta. Lembrem-se das características da elasticidade. Se um


determinado bem tem muitos substitutos próximos, sua elasticidade-preço da
demanda será maior, pois o consumidor terá mais opções para trocar seu consumo
por outro no caso de um aumento de preço.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

(Economia da Saúde – CESPE/2008) Analise as alternativas.

Exercício 7

Nos mercados competitivos, quando o preço de mercado for superior ao custo


unitário de produção, então as firmas que atuam nesses mercados elevarão
seus níveis de produção, no intuito de maximizarem seus lucros.

Resolução

Alternativa errada. No mercado competitivo, a empresa irá aumentar a quantidade


produzida quando o preço de mercado for superior ao custo marginal de produção, e
não o custo unitário. Cuidado com a pegadinha!

Exercício 8

O fato de as academias de ginástica geralmente cobrarem preços mais baixos


para os horários em que há baixa freqüência de usuários explica-se porque a
demanda, nesses horários, é mais inelástica.

Resolução

Alternativa errada. As academias fazem isso porque a demanda nesses horários é


mais elástica. Assim, uma redução de preço terá impacto significativo na demanda
pelos seus serviços.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Exercício 9

A descoberta de que ingerir peixes de água fria, como truta, atum ou salmão,
no mínimo uma vez por semana, contribui para a prevenção de doenças
coronárias e ataques cardíacos eleva a demanda desse tipo de peixes,
deslocando, assim, a curva de demanda de mercado desses pescados para
cima e para a direita.

Resolução

Alternativa correta. Este evento faz com que, para um dado preço, as pessoas
queiram consumir mais desse produto, deslocando a curva de demanda para fora
(leia-se para cima e para a direita). Isso pode ser visto no estudo que fizemos na aula
00.

(CADE – CESPE\2014) Uma empresa do setor alimentício, com fabricas no


Brasil, pretende adquirir outra empresa, uma concorrente brasileira. Caso a
organização opte por esse investimento, espera-se, com a substituição das
maquinas por outras de tecnologia mais eficiente, aumentar a produção das
duas empresas combinadas. As características e qualidades dos insumos,
exceto maquinas, e dos produtos são as mesmas para as duas empresas. O
fluxo de caixa anual esperado para esse investimento, durante os cinco anos
seguintes a aquisição, dependera de fatores de risco, como a quantidade de
produtos demandada por hipermercados e o preço cobrado por fornecedores.
Com base nessas informações, julgue os itens que se seguem.

Exercício 10

No contexto hipotético apresentado, a realização do investimento resultara em


produtividade marginal crescente do capital.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
Resolução

Lembre-se pessoal, a lei dos rendimentos marginais decrescentes afirma que,


conforme aumentamos a quantidade de um fator, a sua produtividade marginal irá
diminuindo.

Perceba, mesmo neste contexto da união de empresas, nada muda a produtividade


marginal do capital, pois isso vale sempre. A produtividade marginal do capital será
decrescente!

Alternativa errada.

Exercício 11

A realização do investimento pretendido pela empresa em tela resultara em


rendimento crescente de escala.

Resolução

Hora de lembrar dos conceitos de rendimentos de escala.

Olha, nós falamos da lei dos rendimentos marginais decrescentes, que implica uma
produtividade decrescente dos fatores de produção acrescidos no processo, mantido
tudo mais constante. Mas, essa é a palavra chave, tudo mais constante.

E se você alterar a quantidade dos insumos utilizados todos ao mesmo tempo? Ou


seja, o que ocorre se você dobrar a quantidade a quantidade de capital e trabalho
usados no processo ao mesmo tempo?

Isso define que tipo de rendimento de escala uma tecnologia tem. Veja, se você
multiplicar a quantidade de insumos em um processo produtivo por um número “x”
qualquer (tal como 2, 3, 4, etc), podem acontecer 3 (três) coisas com o total de produto
final da empresa:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
1) O produto final pode aumentar mais do que x. Este é o caso de rendimentos
crescentes de escala. Por exemplo, se você dobrar a quantidade de ambos os
insumos utilizados, a produção irá mais do que dobrar se a tecnologia tiver
rendimentos crescentes de escala. Analiticamente:

Sendo o valor de sua produção. Isso é algo que pode gerar um monopólio! Se uma
empresa tem uma tecnologia desta e as outra não, ela pode acabar expulsando as
demais do mercado.

2) O produto final pode aumentar menos que x. Este é o caso de rendimentos


decrescentes de escala. Por exemplo, se você triplicar a quantidade de ambos os
insumos utilizados, a produção irá mais do que triplicar se a tecnologia tiver
rendimentos decrescentes de escala.

3) O produto final pode aumentar em exatamente x. Este é o caso de rendimentos


constantes de escala. Por exemplo, se você dobrar a quantidade de ambos os
insumos utilizados, a produção irá dobrar se a tecnologia tiver rendimentos constantes
de escala.

Viram? Isso determina uma característica da tecnologia da empresa no longo prazo,


em que ambos os fatores de produção podem variar. No modelo de mercado
competitivo, uma hipótese importante é que todas as empresas têm
rendimentos constantes de escala.

Assim, os rendimentos de escala derivam da variação de todos os fatores ao mesmo


tempo, enquanto que a produtividade marginal decorre da variação do fator,
mantendo todos os demais constantes.

Voltando à pergunta!

Bom, até pode ser verdadeira a afirmativa, mas isso não é necessariamente verdade.
O enunciado fala que as empresas desejam que a eficiência conjunta seja

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
aumentada, mas nada é dito sobre o resultado final desta operação sobre os
rendimentos de escala das empresas conjuntas.

Alternativa errada.

(Ministério da Justiça – CESPE\2013) Considere que um dos objetivos do


Projeto Eficiência seja reduzir o volume de processos em tramitação no Poder
Judiciário brasileiro, e suponha que, no curto prazo, a tecnologia seja fixa e que
apenas o fator trabalho seja variável. Com base nessas informações, julgue os
itens seguintes.

Exercício 12

Os rendimentos marginais decrescentes no trabalho resultam do declínio da


qualificação da mão de obra, à medida que mais servidores são contratados.

Resolução

Os rendimentos decrescentes do trabalho derivam da própria natureza dos processos


produtivos: a lei dos rendimentos marginais decrescentes.

Esta lei nada tem a ver com a diminuição da qualificação dos trabalhadores, dado
que, mesmo que os trabalhadores tenham a mesma qualificação, este fenômeno irá
ocorrer.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Exercício 13

Quando os rendimentos marginais do trabalho forem decrescentes, os


rendimentos de escala também serão decrescentes.

Resolução

Isso nós estamos “carecas” de saber! O fato de os rendimentos marginais serem


decrescentes, nada implica sobre os rendimentos de escala.

Alternativa errada.

(Ministério da Saúde – 2009\CESPE\adaptada) Julgue as afirmativas.

Exercício 14

O conjunto de oportunidades do trabalhador engloba todas as possibilidades


de lazer e consumo que o mesmo tem, excluindo-se apenas as escolhas sobre
a reta orçamentária.

Resolução

Nós estudamos isso. Lembra-se?

Veja, a renda de um trabalhador é determinada pela sua taxa salarial (salário por
hora, que, por hipótese, será constante independentemente da quantidade de horas
de trabalho ofertadas) multiplicada pela quantidade de horas trabalhadas mais a
renda do não trabalho. Assim:

Sendo o valor gasto no consumo de bens, a taxa salarial, a quantidade de horas


de trabalho ofertadas e a renda do não trabalho. A renda do não trabalho é
definida como uma renda que o trabalhador possui, independentemente de

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04
trabalhar ou não. Esse poderia ser o valor de uma herança, uma aposentadoria,
dentre outros exemplos.

Se chamarmos as horas totais de um dia que podem ser destinadas ao trabalho de


e o tempo destinado ao lazer de , podemos substituir , certo? Substituindo
encontramos a restrição orçamentária:

A inclinação da restrição orçamentária é .

Essa é a restrição orçamentária do trabalhador! Veja o que ela te diz, que a renda
total disponível para o consumo será igual à taxa salarial multiplicada pelas horas
disponíveis para o trabalho mais a renda do não trabalho menos a taxa salarial
multiplicada pelas horas destinadas ao lazer. Portanto, a renda total será igual à toda
renda possível para o trabalhador, do trabalho e do não trabalho, menos o custo de
oportunidade do lazer.

Graficamente, podemos expressar a restrição orçamentária da seguinte forma:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Prestem atenção! Caso o trabalhador escolha trabalhar 0 (zero) horas ( horas de


lazer), o mesmo só terá a renda do não trabalho ( ). Porém, caso o mesmo trabalhe
em toda sua disponibilidade de tempo ( ), ele obterá renda total de .

Esta reta orçamentária é chamada de fronteira do conjunto de oportunidades do


trabalhador! Estas combinações são as escolhas que fazem com que:

Perceba que todos os pontos abaixo da reta estão disponíveis para o trabalhador,
enquanto que os pontos acima não. A união da reta orçamentária com todas as
escolhas que estão abaixo dela compõe o conjunto de oportunidades do
trabalhador. Isso é, este conjunto é composto por todas as escolhas possíveis pelo
trabalhador, inclusive aquelas com que o valor disponível para o consumo seja menor
do que .

Vamos ver:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 50 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Veja que o ponto sobre o conjunto de oportunidades do trabalhador, dado um valor


de consumo de , é de horas de lazer. Portanto, se o trabalhador
abre mão de 5 horas de lazer, ele obterá a renda de trabalho de , se
situando no ponto C. Gente, usei 30% do valor possível a ser ganhado como salário
a título de ilustração, no caso, 0,3*wT, mas poderia ser qualquer valor, ok?

Daí nós podemos perceber porque o trabalhador pode, mas nunca escolherá um
ponto interior à fronteira do conjunto de possibilidades, como A. Isso decorre do fato
de que o trabalhador visa maximizar sua utilidade, assim, com a renda de
pode ser associada a uma quantidade de horas de lazer de , mas, no ponto A,
ela estará associada a , o que não seria uma escolha racional. O ponto A faz
parte do conjunto de oportunidades do trabalhador, sendo que nunca será escolhido
por estar “atrás” da reta orçamentária.

Do mesmo modo, um ponto como B geraria mais utilidade para o trabalhador do que
C, já que uma renda de poderia estar associada a horas de
lazer e não mais . Mas, devido à limitação das horas diárias disponíveis, seria
impossível atingir tal ponto, apesar de ele ser preferível.

Portanto, concluímos que a escolha do trabalhador sempre estará sobre o


conjunto de possibilidades, ou seja, “em cima da linha”!

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

As combinações sobre a reta orçamentária referem-se às combinações que o


consumidor realmente irá escolher, pois são as que dão maior utilidade. Esta reta
compõe o conjunto orçamentário, isso é o conjunto de todas as escolhas que o
consumidor pode tomar.

Alternativa errada.

(Economista/pref. Boa vista – CESPE/alterada) Julgue as afirmativas.

Exercício 15

Considerando que um aumento de 10% no preço das passagens aéreas reduza


em 30% o número de passagens comercializadas, então a elasticidade-preço da
demanda é igual a 0,33.

Resolução

Errada. Elasticidade é dada:

çã
çã ç

A elasticidade é:

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Questões Propostas

Exercício 1

(AFT/MTE – ESAF/2003) Suponha que a utilidade de um indivíduo possa ser


representada por U = R*Hlazer, onde R é a renda e Hlazer as horas de lazer. Além
disso, sabemos que esse indivíduo divide as horas totais de seu dia entre horas
de trabalho e horas de lazer (Htrabalho + Hlazer = 24) e que sua renda está
determinada pela taxa nominal de remuneração por horas trabalhadas (W) vezes
o número de horas trabalhadas (R = W*Htrabalho). Assim, a curva de oferta de
mão-de-obra desse indivíduo poderá ser expressa por:

a) Htrabalho = 12 – W
b) Htrabalho = 24 – W
c) Htrabalho = 24
d) Htrabalho = 12
e) Htrabalho = 12 + W

Exercício 2

(AFT/MTE – ESAF/2003) Uma determinada empresa é monopolista para uma


nova patente de produtos farmacêuticos. Se a demanda por esses produtos for
P = 25 – 2Q, e a função de produção a curto prazo for Q = 4L (Q representa a
quantidade produzida ou vendida e L a quantidade de mão-de-obra), a demanda
de trabalho dessa empresa poderá ser expressa pela seguinte equação (W
representa o salário nominal):
a) W = 100 – 4L
b) W = 100 – 64L
c) W = 25 – 4L
d) W = 25 – 8L
e) W = 100 – 8L

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 53 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

(SESPA – CESPE/2004) A microeconomia estuda o comportamento individual


dos agentes econômicos e, por essa razão, constitui um sólido fundamento à
análise dos agregados econômicos. Acerca desse assunto, julgue os itens
seguintes.

Exercício 3

No equilíbrio, a firma que opera em um mercado competitivo maximiza seus


lucros quando fixa o preço de seu produto em um valor igual à receita marginal.

Exercício 4

Se a necessidade de melhor equipar os hospitais públicos, em termos


tecnológicos, levar à expansão do emprego de pessoal qualificado (médicos e
técnicos), então, na função de produção desses serviços hospitalares, o
trabalho especializado e os equipamentos são considerados bens
complementares.

Exercício 5

As isoquantas, que mostram as diferentes combinações fatoriais que


asseguram lucros idênticos, não podem se cruzar.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 54 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

(FUNCAP/PA – CESPE/2004) A microeconomia estuda o comportamento


individual dos agentes econômicos e, por essa razão, constitui um sólido
fundamento à análise dos agregados econômicos. Acerca desse assunto,
julgue os itens seguintes.

Exercício 6

Durante as crises do petróleo na década de 70 do século XX, a elevação dos


preços, orquestrada pelo cartel da OPEP, estimulou a produção de substitutos
para esse mineral, contribuindo, assim, para expandir a elasticidade-preço da
demanda desse produto.

(Economia da Saúde – CESPE/2008) Analise as alternativas.

Exercício 7

Nos mercados competitivos, quando o preço de mercado for superior ao custo


unitário de produção, então as firmas que atuam nesses mercados elevarão
seus níveis de produção, no intuito de maximizarem seus lucros.

Exercício 8

O fato de as academias de ginástica geralmente cobrarem preços mais baixos


para os horários em que há baixa freqüência de usuários explica-se porque a
demanda, nesses horários, é mais inelástica.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 55 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

Exercício 9

A descoberta de que ingerir peixes de água fria, como truta, atum ou salmão,
no mínimo uma vez por semana, contribui para a prevenção de doenças
coronárias e ataques cardíacos eleva a demanda desse tipo de peixes,
deslocando, assim, a curva de demanda de mercado desses pescados para
cima e para a direita.

(CADE – CESPE\2014) Uma empresa do setor alimentício, com fabricas no


Brasil, pretende adquirir outra empresa, uma concorrente brasileira. Caso a
organização opte por esse investimento, espera-se, com a substituição das
maquinas por outras de tecnologia mais eficiente, aumentar a produção das
duas empresas combinadas. As características e qualidades dos insumos,
exceto maquinas, e dos produtos são as mesmas para as duas empresas. O
fluxo de caixa anual esperado para esse investimento, durante os cinco anos
seguintes a aquisição, dependera de fatores de risco, como a quantidade de
produtos demandada por hipermercados e o preço cobrado por fornecedores.
Com base nessas informações, julgue os itens que se seguem.

Exercício 10

No contexto hipotético apresentado, a realização do investimento resultara em


produtividade marginal crescente do capital.

Exercício 11

A realização do investimento pretendido pela empresa em tela resultara em


rendimento crescente de escala.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 56 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

(Ministério da Justiça – CESPE\2013) Considere que um dos objetivos do


Projeto Eficiência seja reduzir o volume de processos em tramitação no Poder
Judiciário brasileiro, e suponha que, no curto prazo, a tecnologia seja fixa e que
apenas o fator trabalho seja variável. Com base nessas informações, julgue os
itens seguintes.

Exercício 12

Os rendimentos marginais decrescentes no trabalho resultam do declínio da


qualificação da mão de obra, à medida que mais servidores são contratados.

Exercício 13

Quando os rendimentos marginais do trabalho forem decrescentes, os


rendimentos de escala também serão decrescentes.

(Ministério da Saúde – 2009\CESPE\adaptada) Julgue as afirmativas.

Exercício 14

O conjunto de oportunidades do trabalhador engloba todas as possibilidades


de lazer e consumo que o mesmo tem, excluindo-se apenas as escolhas sobre
a reta orçamentária.

(Economista/pref. Boa vista – CESPE/alterada) Julgue as afirmativas.

Exercício 15

Considerando que um aumento de 10% no preço das passagens aéreas reduza


em 30% o número de passagens comercializadas, então a elasticidade-preço da
demanda é igual a 0,33.

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 57 de 58


Economia do Trabalho p/ AFT 2017
Teoria e exercícios comentados
Prof. Jeronymo Marcondes Aula 04

1–d
2–b
3–V
4–V
5–F
6–V
7–F
8–F
9–V
10 – F
11 – F
12 – F
13 – F
14 – F
15 – F

É isso aí! Foi uma aula muito difícil! Leia duas vezes! Não se preocupe, as resoluções
das questões do último concurso serão dadas em aulas posteriores!

Um abraço e mandem dúvidas

jeronymobj@hotmail.com

Prof. Jeronymo Marcondes www.estrategiaconcursos.com.br 58 de 58