Você está na página 1de 71

Manual de Ambiente,

Segurança, Higiene e
Saúde no Trabalho –
Conceitos Básicos

Formador: José Paulo Xisto


Índice
Principais resíduos e materiais perigosos ..................................................................................... 4

Definições segundo o Decreto‐lei 239/97 de 9 de Setembro ....................................................... 4

Tipo de águas residuais segundo o Decreto‐lei 236/98 ................................................................ 5

Fontes de perigo de resíduos perigosos........................................................................................ 6

Formas de contaminação dos resíduos ......................................................................................... 7

Principais causas de perigos de resíduos sólidos urbanos ............................................................ 7

Principais Características do Risco ................................................................................................ 8

Principais efeitos de contaminação dos resíduos ....................................................................... 12

Efluentes Líquidos ....................................................................................................................... 13

Fontes de perigo dos efluentes ................................................................................................... 13

Formas de perigo dos efluentes .................................................................................................. 14

Substâncias perigosas ................................................................................................................. 15

Principais Características do Risco .............................................................................................. 16

Principais efeitos de contaminação dos EFLUENTES LÍQUIDOS .................................................. 19

Principais causas de perigo dos efluentes gasosos ..................................................................... 21

Fontes de perigo dos efluentes gasosos (D.L. 352/90) ............................................................... 21

Perigos dos Efluentes .................................................................................................................. 22

Tipos de poluentes atmosféricos ................................................................................................ 22

Principais características de risco nos efluentes gasosos industriais ......................................... 23 .

Gases de efeito de estufa ............................................................................................................ 23

Aspectos Jurídicos da HST ........................................................................................................... 31

Conceitos ..................................................................................................................................... 32

Controlo dos Riscos ..................................................................................................................... 32

Acidentes de Trabalho................................................................................................................. 33

Custos dos Acidentes de Trabalho .............................................................................................. 33

Pirâmide de Acidentes ................................................................................................................ 34

Análise de Riscos ......................................................................................................................... 35

Causas dos Acidentes de Trabalho .............................................................................................. 36

EPI ‐ Equipamentos de Protecção Individual .............................................................................. 38

Como avaliar um EPI do ponto de vista da segurança? .............................................................. 39

Principais tipos de protecção individual ..................................................................................... 40

Riscos Eléctricos .......................................................................................................................... 42

Manutenção ................................................................................................................................ 44

2
Cuidados a ter na Movimentação manual de cargas .................................................................. 46

Higiene Industrial ........................................................................................................................ 47

Valor Limite de Exposição (VLE) .................................................................................................. 48

Higiene Industrial ........................................................................................................................ 50

Ruído ........................................................................................................................................... 50

Vibrações ..................................................................................................................................... 52

Ambiente Térmico ....................................................................................................................... 53

Iluminação ................................................................................................................................... 55

Fundamentos de Ergonomia ....................................................................................................... 57

Sinalização de Segurança ............................................................................................................ 61

Riscos Psicossociais no Trabalho ................................................................................................. 66

Plano de Emergência ................................................................................................................... 67

Organização da Segurança .......................................................................................................... 68

Instruções de Segurança ............................................................................................................. 69

Suporte Básico de Vida ............................................................................................................... 70 .

Referências Bibliográficas ........................................................................................................... 71

3
Principais resíduos e materiais perigosos

Designação segundo o estado físico

Definições segundo o Decreto‐lei 239/97 de 9 de Setembro


Resíduo

Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem intenção ou


obrigação de se desfazer, nomeadamente os previstos em portaria dos Ministros da
Economia, da Saúde, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas e do
Ambiente, em conformidade com o Catálogo Europeu de Resíduos (CER), aprovado por
decisão da Comissão Europeia.

Resíduo Perigoso

Os resíduos que apresentem características de perigosidade para a saúde ou para o


ambiente, nomeadamente os definidos em portaria dos Ministros da Economia, da
Saúde, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas e do Ambiente, em
conformidade com a Lista de Resíduos Perigosos, aprovada por decisão do Conselho da
União Europeia.

Tipo de resíduos segundo o Decreto‐lei 239/97 de 9 de Setembro


Urbanos (RSU)

Os resíduos domésticos ou outros resíduos semelhantes, em razão da


sua natureza ou composição, nomeadamente os provenientes do
sector de serviços ou de estabelecimentos comerciais ou industriais e
de unidades prestadoras de cuidados de saúde, desde que, em
qualquer dos casos, a produção diária não exceda 1100 l por
produtor.

4
Industriais

Os resíduos gerados em actividades industriais, bem como os que


resultem das actividades de produção e distribuição de
electricidade, gás e água.

Hospitalares

Os resíduos produzidos em unidades de prestação de cuidados de


saúde, incluindo as actividades médicas de diagnóstico, prevenção e
tratamento da doença, em seres humanos ou em animais, e ainda as
actividades de investigação relacionadas.

Outros Tipos de Residuos

Os resíduos não considerados como industriais, urbanos ou


hospitalares, como:

• Sucata e entulhos
• Pneus e óleos usados
• Material eléctrico e electrónico

Pilhas e acumuladores

Resíduos com legislação especial

(1) OS RESÍDUOS RADIOACTIVOS;

(2) AS ÁGUAS RESIDUAIS, com excepção dos resíduos em estado


líquido;

(3) OS EFLUENTES GASOSOS emitidos para a atmosfera.

Tipo de águas residuais segundo o Decreto‐lei 236/98


DOMÉSTICAS

Produzidas pelas instalações residenciais e serviços,


provenientes do metabolismo humano e actividades
domésticas.

INDUSTRIAIS

Todas as águas residuais provenientes de qualquer tipo de


actividade que não possam ser classificadas como domésticas ou
pluviais.

5
URBANAS

Águas domésticas ou a mistura destas com águas


residuais industriais ou com águas pluviais.

POLUENTES ATMOSFÉRICOS

Substâncias ou energia que exerçam uma acção nociva na


qualidade do ambiente e no equilíbrio ecológico susceptível de pôr
em risco a saúde humana, de causar danos aos recursos biológicos
e aos ecossistemas, e de deteriorar os bens materiais.

Fontes de perigo de resíduos perigosos

Fonte: Ciclo dos produtos (Joint Industrial Safety Council,


Sweden, 1996)

6
Formas de contaminação dos resíduos

Principais causas de perigos de resíduos sólidos urbanos


Caracterização do perigo: Portaria 818/97

As características que conferem perigosidade aos resíduos foram já objecto da


Directiva n.º 91/689/CEE, do Conselho, de 12 de Dezembro de 1991, e da Decisão n.º
94/904/CEE, do Conselho, de 22 de Dezembro, que, em conformidade, adoptou a lista
europeia de resíduos perigosos.

Caracterização do perigo: Decreto‐Lei Nº 310/95 de 20 de Novembro

Os resíduos perigosos constantes do anexo II apresentam:

Ponto de inflamação ≤ 55ºC;

Uma ou mais substâncias classificadas de muito tóxicas numa concentração


total ≥ 0,1%;

Uma ou mais substâncias classificadas de tóxicas numa concentração total


≥ 3 %;

Uma ou mais substâncias classificadas de nocivas numa concentração total


≥ 25 %;

7
Uma ou mais substâncias corrosivas com a classificação R35 numa
concentração total ≥ 1%;

Uma ou mais substâncias corrosivas com a classificação R34 numa


concentração total ≥ 5 %;

Uma ou mais substâncias irritantes com a classificação R41 numa


concentração total ≥ 10%;

Uma ou mais substâncias irritantes com as classificações R36, R37 e R38


numa concentração total ≥ 20 %;

Uma ou mais substâncias conhecidas como carcinogénicas (categorias 1 ou


2) numa concentração total ≥ 0,1 %.

Principais Características do Risco


Urbanos (RSU)

1. Enormes quantidades produzidas

Uma cidade europeia de cerca de 1 milhão de habitantes gera 1.600 toneladas


de lixo

(Relatório DOBRIS‐1995)

Nova Iorque produz dia 24 mil toneladas/dia de lixo e São Paulo produz 12 mil
toneladas/dia.

2. Não biodegradabilidade

Tempo que a natureza leva para absorver alguns tipos de detritos.

8
Industriais (RI) “lixo químico”

3. Toxicidade
Produção:

As actividades industriais de processamento de alimentos, minério, produção


petroquímica e de plástico, metais e produtos químicos, papel e celulose, e de bens de
consumo são as principais responsáveis pela produção de lixo tóxico.

Alguns lixos químicos são tão tóxicos que são necessárias roupas protectoras e
equipamento especial para lidar com eles

Eliminação:

Por incineração ‐ Produção de cinzas contaminadas extremamente tóxicas

Metais pesados (elevadas concentrações de chumbo e cádmio),

Produtos químicos de combustão incompleta

Compostos químicos inteiramente novos, formados durante o processo de


queima como as dioxinas e os furanos.

4. Corrosividade
São compostos muitas vezes produzidos no local de deposição do lixo químico
industrial frequentemente pela reacção com as águas das chuvas.

Restos de solventes descartados pelas várias indústrias.

5. Elevada persistência no ambiente

Principalmente os compostos químicos organoclorados designados por POP –


Poluente Orgânico Persistente

A sua persistência resulta pelo facto de serem BIOACUMULÁVEIS (acumulação nos


tecidos gordos dos organismos devido à elevada liposolubilidade).

Alguns compostos além de bio‐acumular, têm tendência para bio‐magnificar, ou seja


aumentam a sua concentração ao longo das cadeias tróficas.

Os POP (Poluente Orgânico Persistente) podem ser divididos em:

Pesticidas (ex. DDT, aldrina, toxafeno),

Policlorobifenilos (PCBs) e hexaclorobenzeno (Decreto‐Lei. nº 277/99


estabelece as regras para a destruição dos PCBs)

Dioxinas

Furanos (Um dos contaminantes principais dos PCBs)

9
6. Bioacumulação

Principalmente os METAIS PESADOS que são elementos químicos altamente


reactivos e bio‐acumulativos, ou seja, o organismo não é capaz de eliminá‐los.

Quando lançados como resíduos industriais, na água, no solo ou no ar, esses


elementos podem ser absorvidos pelos vegetais e animais das proximidades,
ao longo da cadeia alimentar.

Radioactivos (RR) “lixo radioactivo”

7. Radioactividade

Característica própria dos ELEMENTOS RADIOACTIVOS que são perigosos pela


intensidade de radiação ou pelo tipo de radiação que emitem.

Eliminação: Embora toda radioactividade se desintegre com o tempo, alguns


materiais levam muitos milhões de anos para se desintegrarem.

Normalmente são colocados em tambores ou tanques de aço inox envolvidos por


cimento e depositados no fundo do mar ou enterrados em armazéns subterrâneos.

Ex: Urânio (U), Césio (Cs) ; Cobalto (Co)

Agrícolas (RA)

8. Excessiva utilização

O aumento da população exige cada vez maiores áreas para produção de alimentos o
que leva à prática de uma agricultura intensiva e abusiva em produtos agro‐químicos
como:

ADUBOS E FERTILIZANTES;

PESTICIDAS.

9. Contaminação

Utilização Agrícola de Lamas de Depuração provenientes de tratamento de


águas residuais urbanas que revelaram ter uma considerada concentração em
metais pesados.

Decreto‐Lei N.º 118/2006 de 21 de Junho (revoga o D. L. n.º 446/91, de 22 de


Novembro)

Aprova o regime jurídico a que fica sujeita a utilização agrícola das lamas de
depuração, transpondo para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 86/278/CE, do
Conselho, de 12 de Junho, relativa à protecção do ambiente e em especial dos solos,
na utilização agrícola de lamas de depuração, de modo a evitar os efeitos nocivos
sobre o homem, os solos, a vegetação, os animais e o ambiente.

10
Hospitalares (RH)

9. Contaminação

Classificação dos RH segundo o Despacho nº 242/96

Pela sua diversidade e tipo de contaminação, os resíduos hospitalares são objecto de


um processo integrado do conjunto das operações de acondicionamento, triagem,
tratamento, eventual valorização e eliminação diferenciado consoante os grupos.

Grupo I – equiparados a RU
Considerado não
Grupo IV ‐ resíduo hospitalar não perigoso contaminado

Grupo III – resíduo hospitalar de risco biológico Considerado


contaminado
Grupo IV ‐ resíduo hospitalar específico

Urbanos (RSU)

10. Deposição não controlada e Outro tipo de resíduos

Lixeiras:

Poluição do solo, dos lençóis de água subterrâneos e linhas de água


superficiais devido aos lixiviados resultantes do processo de degradação dos
RSU;

Produção de metano (CH4) pela decomposição dos resíduos;

Ocupação e impermeabilização do solo;

Problemas de saúde pública.

Os parques de sucata não só ocupam desordenadamente o território como provocam


a degradação da paisagem

D.L. nº 268/98 visa regular a localização dos parques de sucata

Pilhas e Acumuladores Usados

D.L. nº 62/2001 estabelece as normas aplicáveis à gestão da eliminação destes


resíduos

11. Eliminação não controlada

Poluição atmosférica resultante da QUEIMA:

‐ De RSU

‐ De PNEUS USADOS

11
D.L. nº 111/2001 estabelece os princípios e normas aplicáveis à gestão de pneus e
pneus usados.

Poluição hídrica resultante da queima de óleos usados

D.L. nº 88/91 regula a actividade de armazenagem, recolha e queima de óleos usados

Principais efeitos de contaminação dos resíduos

12
Efluentes Líquidos

Fontes de perigo dos efluentes

Fontes de perigo
Águas residuais
Actividade humana domésticas e
urbanas

Actividade industrial
Águas residuais
industriais

Actividade agrícola

Fossas e efluentes
Actividade pecuária

13
Escorrências ‐ Infiltração dos lixiviados produzidos nos depósitos de resíduos e das
“águas de lavagem” do solo urbano.

Acidentes e Derrames ‐ Fugas e derrames que ocorrem no decurso da produção,


armazenamento, transporte e incorrecto manuseamento de matérias perigosas.

Formas de perigo dos efluentes


PONTUAL

• Efluentes
• Fossas
• Águas de lixiviação

Previsíveis

DIFUSA

• Escorrências
• Acidentes
• Fugas
• Derrames

Imprevisíveis

Principais causas de perigo de contaminação de efluentes liquidos

As causas de perigo dos efluentes estão classificadas nas 3 principais classes de


contaminação:

Orgânica de característica biodegradável;


Inorgânica de característica não biodegradável;
Microbiológica de característica infecciosa.

Caracterização do perigo

As características da contaminação que conferem perigosidade aos efluentes


determinam‐se em grande parte pela afluência de substâncias ou grupo de substâncias
tóxicas, persistentes e susceptíveis de bio‐acumulação ou outras que suscitem
preocupações da mesma ordem.

14
Substâncias perigosas
As características da contaminação determinam‐se em grande parte pela afluência
das seguintes principais matérias e substâncias:

_ Substâncias com influência desfavorável no balanço de oxigénio dissolvido (OD)

_ Matérias em suspensão

_ Metais e compostos inorgânicos

_ Substâncias que contribuem para a eutrofização (nutrientes)

_ Agentes patogénicos e toxinas

_ Pesticidas e biocidas.

Lista indicativa dos principais poluentes

1. Compostos organo‐halogenados e substâncias susceptíveis de formar esses


compostos no meio aquático.

2. Compostos organofosforados.

3. Compostos organoestanhosos.

4. Substâncias e preparações, ou os seus subprodutos, com propriedades


comprovadamente carcinogénicas ou mutagénicas ou com propriedades susceptíveis
de afectar a reprodução ou outras funções endócrinas no meio aquático ou por
intermédio deste.

5. Hidrocarbonetos persistentes e substâncias orgânicas tóxicas persistentes e


bioacumuláveis.

6. Cianetos.

7. Metais e respectivos compostos.

8. Arsénio e respectivos compostos.

9. Biocidas e produtos fitofarmacêuticos.

10. Matérias em suspensão.

11. Substâncias que contribuem para a eutrofização (em especial, nitratos e fosfatos).

12. Substâncias com influência desfavorável no balanço de oxigénio (e que podem ser
medidas através de técnicas como a CQO, a CBO, etc.).

Caracterização das substâncias perigosas

Estas matérias perigosas são caracterizadas por um conjunto de parâmetros


específicos que permitem determinar o tipo de contaminação do efluente e servem
para avaliar quer o seu grau qualitativo quer quantitativo.

15
Principais parâmetros:

Físicos

Cor,
Turvação,
Cheiro
Temperatura

Orgânicos

CBO ‐ Carência Bioquímica de Oxigénio


SST‐ Sólidos Suspensos Totais
SD ‐ Sólidos Dissolvidos

Inorgânicos

pH – Alcalinidade ou acidez
CQO – Carência Química de Oxigénio
Dureza – Carbonatos, Alumínio, Ferro, Bário, Cloretos, Fenois, Manganês
Nutrientes ‐ Nitratos, Fosfatos
Metais pesados ‐ Cádmio, Chumbo, Mercúrio, Cobre, Cromo, Níquel e Zinco

Microbiológicos

Microorganismos ‐ Coliformes Fecais (E. Coli) Estreptococos Fecais

Principais Características do Risco


A.R.Domésticas

1. Enormes quantidades produzidas

Uma cidade europeia de cerca de 1 milhão de


habitantes gera: 300.000 toneladas de águas
residuais.

(Relatório DOBRIS‐1995)

2. Eliminação sem tratamento

Cerca de 50 milhões de litros de esgoto são


lançados diariamente no Oceano Pacífico por
este cano no Moa Point em Wellington, Nova
Zelândia.

16
Águas Residuais Industriais
3. Toxicidade

Eliminação de lixo tóxico, chamado "lama amarela", nas costas do norte da França.

Todos os dias, uma companhia francesa deita 2000 toneladas dessa lama no Canal.

Biocidas ‐ Estes produtos compreendem uma vasta gama de substâncias activas e


preparações que as contêm, com benefícios para a protecção da saúde (humana e
animal) e para o ambiente, mas alguns deles comportam um risco potencial que teve
de ser regulamentada por legislação específica:

Dec‐Lei 121/2002, de 16 de Fevereiro, que transpõe para a ordem jurídica interna a


Directiva 98/8/CE, de 16 de Fevereiro.

4. Corrosividade

A água pode tornar‐se mais ácida devido à acção de factores como a descarga de
esgotos industriais, descargas de centrais eléctricas, ou através da poluição da
atmosfera. Os compostos de enxofre e os óxidos de azoto são dos principais
responsáveis pela acidificação.

5. Bioacumulação

Metais Pesados ‐ Os metais pesados surgem na água sobretudo através de esgotos


industriais ou de explorações mineiras. Pela sua toxicidade elevada e uma grande
persistência nos ecossistemas. Devido à bioacumulação são considerados substâncias
prioritárias perigosas.

Águas Residuais Agrícolas

6. Persistência

Pesticidas ‐ Os pesticidas usados na agricultura são altamente tóxicos e persistentes,


sendo dificilmente degradados por bactérias. São por isso outro grupo de substâncias
prioritárias perigosas.

7. Contaminação orgânica

Os grandes responsáveis por este tipo de contaminação são as explorações de


pecuária, com destaque para as suiniculturas e a indústria, especialmente a
industria alimentar.
A intensiva criação de animais em recintos fechados produzem muito lixo
armazenado em fossas que são vazadas nas ribeiras.
A excessiva matéria orgânica promove um grande consumo de oxigénio na sua
decomposição.

17
Agro‐pecuária e Efluentes urbanos

8. Contaminação Biológica

Matéria Infecciosa ‐ Esta contaminação geralmente resulta da emissão de esgotos


domésticos ou efluentes de pecuária não tratados e é normalmente identificada pela
presença de agentes patogénicos do tipo coliforme fecal, que são bactérias presentes
no intestino dos animais.
A presença ou elevada concentração de estreptococus e salmonelas são outros
indicadores deste tipo de poluição.

9. Contaminação por “nutrientes”

Produtos azotados e fosfatados ‐ A contaminação resulta da utilização de quantidades


significativas de fertilizantes compostos por produtos azotados e fosfatados que
facilmente se dissolvem na água.
Fertilizantes, insecticidas e herbicidas são agentes químicos, fortemente tóxicos, que
por infiltração no subsolo ou levados pela chuva para regatos e rios, podem vir a
contaminar os aquíferos de onde se extrai água para consumo humano.

10. Eutrofização

Nitratos e Fosfatos ‐ Enriquecimento das águas


superficiais por compostos nutrientes, em particular
os azotados e fosfatados, que levam a um grande
crescimento de algas e outras espécies vegetais
aquáticas provocando um grande consumo de
oxigénio na sua decomposição.

O excesso de matéria orgânica promove um grande


consumo de oxigénio na sua decomposição. Em
muitos casos esta é a causa do aparecimento de peixes mortos em grande quantidade
em rios e albufeiras.

Águas de escorrência urbana


11. Contaminação por infiltração

Tráfego intenso ‐ A chuva arrasta das estradas óleo, metais, hidrocarbonetos


aromáticos e outros poluentes, originados pelos veículos e postos de combustíveis.
Além disso, também arrasta os poluentes atmosféricos provenientes das chaminés das
fábricas, das unidades de aquecimento central e dos escapes dos veículos.

Águas de escorrência florestal


12. Esterilização e Erosão do solo

18
Incêndios florestais ‐ Após um incêndio assiste‐se a uma devastação florestal que
provoca esterilidade, desertificação e erosão do solo assim como a destruição do
equilíbrio ecológico com possível extinção de espécies.

O arrastamento das cinzas pela água vai provocar a contaminação química dos
aquíferos.

Derrames
13. Contaminação por hidrocarbonetos

A água pode ser poluída por hidrocarbonetos através de acidentes, fugas e


lavagens de tanques de combustível que podem causar as chamadas marés
negras.
Basta uma pequena quantidade hidrocarbonetos para tornar grandes
quantidades de água impróprias para consumo bem como uma ameaça
ecológica.
Os hidrocarbonetos são derivados do petróleo tais como o metano, o butano,
o propano, o benzeno, a parafina e os alcatrões.

a gasolina,
Entre o querosene emais
os hidrocarbonetos o gasóleo para
voláteis, queautomóveis.
são tambémEstes sãotóxicos,
os mais encontra‐se Fugas de radioacti
os hidrocarbonetos
que
vidadese evaporam e dispersam mais rapidamente.
14. Contaminação radioactiva O diesel para navios, o fuelóleo leve e a maior parte dos crudes são modera
damente
pesados, evaporando‐se com menos facilidade. São também bastante tóxicos. Os
Matéria pesados e os A contaminação radioactiva das águas pode ser causada pela crudes
radioactiva ‐ óleos pesados de lubrificação por serem mais pesados não se
extracção de urânio, por descargas de centrais nucleares ou de processamento
de dispersam facilmente e são também menos tóxicos.
combustível nuclear, ou ainda por acidentes.

Principais efeitos de contaminação dos EFLUENTES LÍQUIDOS

19
20
Principais causas de perigo dos efluentes gasosos

Fontes de perigo dos efluentes gasosos (D.L. 352/90)

Poluentes Primários ‐ Fenómenos naturais, actividade e acidentes tecnológicos

Emissões ou fugas instantâneas de gases e partículas.

Poluentes Secundários ‐ Atmosfera

Produção de compostos que resultam de reacções químicas e transformações de


poluentes primários que ocorrem na atmosfera.

Principais causas de perigo da contaminação de resíduos sólidos: Elevada produção;

Deposição não controlada; Não biodegradabilidade; Toxicidade; Corrosividade; Elevada

persistência Bioacumulação; Radioactividade; Excessiva utilização; Contaminação;

Deposição não controlada e Eliminação não controlada.

21
Perigos dos Efluentes
As fontes de perigo de perigo são: Actividade humana (Águas residuais domésticas e

urbanas); Actividade industrial (Águas residuais industriais); Actividade agrícola e

Actividade pecuária (Fossas e efluentes).

Escorrências: Infiltração dos lixiviados produzidos nos depósitos de resíduos e das

“águas de lavagem” do solo urbano.

Acidentes e Derrames: Fugas e derrames que ocorrem no decurso da produção,

armazenamento, transporte e incorrecto manuseamento de matérias perigosas.

Formas de perigo dos efluentes: Pontuais (efluentes, fossas e águas de lexiviação,

estas geralmente) são previsíveis ocorrem por contaminação superficial e Difusas

(através de Escorrências, Acidentes, Fugas e derrames) são Imprevisíveis ocorrem por

contaminação subterrânea.

Tipos de poluentes atmosféricos


Os poluentes primários são os emitidos directamente pelas fontes para a atmosfera, os

poluentes secundários resultantes de reacções químicas que ocorrem na atmosfera.

Redução da capacidade de regeneração da atmosfera devido ao crescimento

exponencialmente de emissões de poluentes. De entre os inúmeros poluentes que

actualmente contaminam a atmosfera iremos nos concentrar naqueles mais comuns,

ou seja, aqueles que existem em grandes quantidades na atmosfera sendo gerados, na

sua maioria, pelas actividades humanas industriais e pelos sistemas de transporte.

Principais fontes de poluentes atmosféricos, poluentes Primários (CO ‐ monóxido de

carbono, NOx ‐ óxidos de azoto como, NO monóxido de azoto, NO2 dióxido de azoto,

SO2 ‐ dióxido de enxofre, COV ‐ Compostos Orgânicos Voláteis).Poluentes Secundários

(O3 ‐ ozono troposférico; H2SO4 – ác. Sulfúrico; HNO3 – ác. Nítrico; Compostos

oxidantes (CFC).

22
Principais características de risco nos efluentes gasosos industriais
Partículas Tóxicas ‐ associadas ao tráfego e Industrias, são as fontes importantes de

emissões de partículas: as indústrias de minerais não metálicos, siderurgia, cimenteiras

e pedreiras, áreas em construção.

Gases tóxicos ‐ SO2 (dióxido de enxofre)‐ proviniente de centrais centrais

termoeléctricas. Indústria química e pasta de papel.

Vapores tóxicos ‐ COV (Compostos Orgânicos Voláteis) resultantes da industria

química pasta.

Gases tóxicos ‐ NOx e CO (óxidos de azoto de e de monóxido de carbono) a maior

parte provém da emissão dos motores dos veículos.

Dioxinas tipo TCDD e Furanos;

Gases de efeito de estufa


Desflorestação ‐ incêndios florestais de gases de combustão, praticas agrícolas através

do uso de fertilizantes emissões de gases CH4 metano; NH3 amoníaco, N2O óxido

azoto.

Corrosividade ‐ gases corrosivos, sendo o cloro presente nos CFC`s, embalagens

plástico, responsável pela destruição da camada do azono. O cloro é capaz de quebrar

a ligação entre os átomos de oxigénio do ozono, levando à formação de monóxido de

cloro (ClO) e oxigénio (O2) É uma reacção catalítica em cadeia, onde cada átomo de

cloro pode destruir 100 000 moléculas de ozono, antes de ser destruído.

Os óxidos de enxofre e de azoto, ao combinarem‐se com o vapor de água da

atmosfera e produzem soluções diluídas de ácido nítrico e sulfúrico que são os maiores

responsáveis pela chuva ácida.

Principais efeitos de contaminação dos efluentes gasosos para a saúde pública são:

maus cheiros; infecções do aparelho respiratório; intoxicações; doenças respiratórias e

alguns tipos de cancro. Ambiente: diminuição da qualidade do ar; aumento do efeito

de estufa; “buraco do ozono”; chuva ácida; aumento de situações meteorológicas

extremas e alterações climatéricas.

23
Efeitos da contaminação dos efluentes gasosos, sobre a saúde humana a poluição

atmosférica afecta o sistema respiratório podendo agravar ou mesmo provocar

diversas doenças crónicas tais como: a asma, bronquite crónica, infecções nos

pulmões, enfizema pulmonar, doenças do coração e cancro do pulmão.

Efeito do ozono na saúde – o ozono pode causar danos respiratórios e outros

sintomas como irritações no tracto respiratório e ao nível ocular, bem como um

decréscimo da capacidade imunológica.

Efeito do ozono nos ecossistemas – o ozono pode causar efeitos nocivos nas colheitas

traduzido por ataques químicos que conduzem, frequentemente, ao queimar de

folhas.

A “ Camada do Ozono” ‐ esta camada desempenha um papel de filtro protector

absorvendo grande parte (mais de 95%) das radiações ultravioleta evitando assim que

ela chegue até nós gerando problemas de pele, tais como cancros. Da radiação solar

que atinge a superfície da Terra, 45% Corresponde ao espectro visível (luz visível), 45%

A radiação infravermelha e 10% A radiação ultravioleta (UV). Uma maior intensidade

de radiação UV, seria impossível a vida na Terra.

Efeito do “ Buraco do Ozono” – está provado também que a exposição prolongada a

radiação ultravioleta pode afectar as defesas imunológicas do Homem e de outros

animais, permitindo o desenvolvimento de doenças infecciosas. Nos ecossistemas

aquáticos, a intensificação das radiações ultravioleta cria também problemas, pois

interfere no crescimento, na fotossíntese e na reprodução do plâncton.

Ao intervir em todas as escalas dos ecossistemas, a radiação ultravioleta afecta,

igualmente, os ciclos biogeoquímicos, como o ciclo do carbono, do azoto e o ciclo dos

nutrientes minerais, entre outros, lesando globalmente toda a biosfera do planeta.

Efeito de Estufa – a camada protectora da Terra, constituída por vapor de água e gases

de estufa como o metano (CH4), o óxido nitroso (N2O) e principalmente o dióxido de

carbono (CO2), reflecte a radiação infravermelha emitida pela superfície da terra

impedindo que parte desta seja perdida para o espaço, tal como uma parede de vidro

numa estufa. Como consequência dá‐se o aquecimento da superfície da troposfera.

24
Consequências: a camada de gelo do Árctico está mais fina, investigação recente

revelou que nos últimos 40 anos a espessura média do gelo Árctico reduziu‐se em

cerca de 40%. Nos últimos 150 anos, a temperatura aumentou cerca de 1,8 graus

centígrados e que a data de congelação na maioria dos rios e lagos atrasou‐se uma

média de 8,7 dias, enquanto a descongelação adiantou‐se 9,8 dias.

Planeamento ambiental ‐ os desastres são expressão de uma relação inadequada

entre o modelo de desenvolvimento (modelo de organização espacial) e o ambiente

que sustém esse modelo. Objectivo do planeamento ambiental é de adaptar o modelo

de desenvolvimento às limitações e capacidades locais.

Instrumentos de planeamento ambiental, que devem ser do conhecimento geral de

um agente de protecção civil, pois apresentam medidas e estratégias de controlo e

prevenção da contaminação pelos resíduos perigosos com os seguintes objectivos:

Controlar os riscos e Minimizar os efeitos

A Política de Ordenamento do Território é concretizada através dos Instrumentos de

Gestão Territorial que asseguram a harmonização dos vários interesses públicos, tendo

em conta as estratégias de desenvolvimento económico e social, bem como a

sustentabilidade na ocupação e utilização do território.

Planeamento Preventivo – quando adequado contribui para um controlo do

ordenamento do território através de: normas de construções devidamente

caracterizadas; desenvolvimento preventivo em áreas expostas; trabalhos de

protecção em relação ao ambiente; projectos de reabilitação de ambientes frágeis.

Identificação dos recursos nos instrumentos de gestão territorial áreas afectas à

defesa nacional, segurança e protecção civil ‐ recursos e valores naturais; Áreas

agrícolas e florestais; Estrutura ecológica; Património arquitectónico e arqueológico;

Redes de acessibilidades; Redes de infra‐estruturas e equipamentos colectivos;

Sistema urbano; Localização e distribuição das actividades económicas.

Recursos e valores naturais identificados: Orla costeira e zonas ribeirinhas; Albufeiras

de águas públicas; Áreas protegidas; Rede Hidrográfica; Outros recursos territoriais

25
relevantes para a conservação da natureza e da biodiversidade (zonas de protecção

especial; sítios a integrar a Rede Natura 2000).

O PNPOT, os PROT, os PIOT e os PSIT definem os princípios, as directrizes e as medidas

que concretizam as orientações políticas relativas à protecção daqueles recursos.

Resíduos sólidos: a geração de resíduos sólidos (RS) tem vindo a aumentar em

quantidade e diversidade nas últimas décadas em todo o mundo tendo surgido

limitações em termos energéticos, de matérias‐primas e do espaço para deposição

final de RS. Desde cedo que a UE se preocupou em actuar na gestão de resíduos,

através de convenções e directivas emanadas.

Os principais tipos de tratamento/destino final a que os RS podem ser sujeitos são:

reutilização, reciclagem, valorização energética, compostagem e aterro, devendo

apostar‐se também na diminuição e substituição dos materiais utilizados na produção

por materiais recicláveis, tendo como principio uma Política de Gestão Integrada de

Resíduos.

Política Gestão Integrada de resíduos: A complexidade e a gravidade dos problemas

relacionados com a gestão de resíduos revestem‐se hoje de uma tal magnitude que

tornou‐se uma tarefa fundamental para Estados, estruturar uma consistente política

de resíduos, no sentido de defender a natureza e o ambiente, ou de preservar os

recursos naturais.

Sistema de gestão de resíduos: Composto pelas operações de: recolha, transporte,

armazenagem, tratamento, valorização e eliminação de resíduos, incluindo a

monitorização dos locais de descarga após o encerramento das respectivas instalações,

bem como o planeamento dessas operações.

Plano Estratégico dos Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU): A quantificação e a

caracterização dos resíduos urbanos, é fundamental para a correcta gestão integrada

dos resíduos para se avaliar sobre as hipóteses de redução, valorização e tratamento

mais adequadas.

26
O PERSU propõe seis bases estratégicas – Prevenção, Tratamento, Educação,

Reciclagem, Gestão e Exploração e Monitorização e descreve as metas qualitativas e

quantitativas para curto, médio e longo prazo, relativas à recolha, deposição e

tratamento de resíduos, tomando o ano de 1995 como referência.

Ciclo da Gestão Integrada de Resíduos: Recolha – Transporte ‐ Separação dos resíduos

– Estação de Transferência (Valorização; Tratamento; Eliminação) – Reciclagem ‐

Reutilização – Produção de resíduos…

R.S.Urbanos – A matéria orgânica é eliminação (aterro, incineração) ou Valorização

(compostagem) ou processo de transformação biológica – Húmus. Matéria Inorgânica

‐ Eliminação ou Valorização (reciclagem ‐ reutilização).

Resíduos industriais: Plano Estratégico de Gestão de Resíduos Industriais (PESGRI),

com os seguintes objectivos:

Gestão Sustentável: prevenção e redução da produção e da perigosidade,

aumento das taxas de reutilização e de reciclagem; encerramento de lixeiras,

adopção da co‐incineração para os resíduos perigosos e da gestão integrada

para os banais e só em último caso a deposição em aterro sanitário;

Protecção e valorização ambiental do território: intervenção em áreas críticas

(como solos contaminados); promoção de acções de sensibilização e educação

ambiental.

Conservação da Natureza, protecção da biodiversidade e da paisagem:

Integração do ambiente nas políticas sectoriais e de desenvolvimento local e

regional.

PESGRI: A caracterização dos resíduos industriais é fundamental para a

correcta gestão integrada dos resíduos para se avaliar sobre as hipóteses de

redução, valorização e tratamento mais adequadas.

Redução ‐ Mediante acções de minimização e estratégias de prevenção

inseridas nos processos industriais.

Reciclagem ‐ Directamente ligada aos processos industriais.

27
Reutilização energética ‐ Com influência nas matérias‐primas, nos processos e

nos produtos.

Tratamento ‐ Alternativa seleccionada para os resíduos perigosos (que não seja

possível reutilizar ou reciclar) em instalações de co‐incineração.

Resíduos Industriais: Banais – Eliminação em Aterro (junto com RSU) ou incineração;

Banais c/ Mat. Org. ‐ Pré‐Tratamento ‐ Valorização – energética; Perigosos –

Tratamento, pré‐tratamento ou co‐inceneração.

Plano Nacional de Prevenção de Resíduos Industriais (PNAPRI), com o principal

objectivo de reduzir a perigosidade e quantidade dos RI, através da aplicação de

medidas e tecnologias de prevenção aos processos produtivos industriais e através da

mudança de atitude dos agentes económicos e dos próprios consumidores.

O Plano Estratégico de Resíduos Hospitalares (PERH): estabelece estratégias e metas

para a resolução da problemática de RH, visando um sistema integrado definido como

um processo através do qual se deve fazer, de forma correcta, o conjunto das

operações de acondicionamento, triagem, tratamento, eventual valorização e

eliminação.

Os resíduos hospitalares são objecto de acondicionamento e tratamento apropriado,

diferenciado consoante os grupos. Gestão de Resíduos não Orgânicos da Actividade

Agrícola (RNOA) entre estes grupos é de destacar: Resíduos de Filme Plástico Agrícola

(RFPA) devido aos quantitativos envolvidos e dificuldades particulares de gestão e as

Embalagens; Residuais de Agro‐Químicos devido à perigosidade associada.

As características específicas destes dois fluxos de RA condicionam de forma

determinante a definição das respectivas soluções de gestão. Esta situação reflecte de

algum modo as indefinições da estratégia nacional para a gestão destes resíduos,

nomeadamente no que respeita ao Plano Estratégico dos Resíduos Agrícolas

(PERAGRI). A observação dos resultados e dificuldades sentidas na concretização dos

objectivos propostos por estas iniciativas tem permitido concluir que a adopção, por

parte dos agricultores, das Boas Práticas de Gestão de RA ao nível da exploração,

(nomeadamente no que respeita ao manuseamento, triagem e acondicionamento dos

resíduos), assim como a mobilização, ao nível das Associações, de técnicos

28
responsáveis pela operacionalização do sistema, são dois aspectos que determinam a

viabilização e sucesso da iniciativa.

O princípio da consciência ambiental a nível mundial: As sociedades deverão adaptar‐

se à escassez e à perda da qualidade da água potável, impondo‐se um uso cada vez

mais eficiente da existente, através da optimização da sua utilização (eficiência), sem

pôr em causa as necessidades vitais, qualidade de vida e desenvolvimento

socioeconómico (eficácia). O esforço de aumento de eficiência deverá passar pela

utilização de novas tecnologias menos poluentes e com menores perdas na gestão da

água bem como pelo uso mais racional deste recurso vital.

Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais

(PEAASAR) ‐ Os níveis de tratamento estão relacionados com a dimensão e o tipo dos

poluentes a tratar: Pré‐tratamento; Tratamento primário; Tratamento secundário;

Tratamento terciário.

Processo de tratamento de água para consumo, depende da qualidade da água

captada. Tratamento Químico: Remoção de matéria inorgânica; Tratamento Físico:

Remoção de matéria orgânica; Desinfecção: Remoção de microorganismos.

A poluição do ar nas suas diversas dimensões: global, nacional, regional e local, com

particular importância para as áreas urbanas, tem sido uma das principais

preocupações políticas ambientais europeias desde o final dos anos 70, de forma a

melhorar a qualidade do ar e de vida dos cidadãos europeus.

Nesse âmbito, a UE (União Europeia) tem actuado a vários níveis através da promoção

da investigação, assinaturas de protocolos, elaboração de legislação comunitária,

participação em acordos internacionais e sectoriais de redução da poluição

atmosférica A poluição atmosférica é um problema ambiental que provoca efeitos

nocivos a curto ou longo prazo, constituindo por isso preocupação internacional.

Existindo assim convenções que estabelecem metas e legislação que estabelece os

valores limites nas emissões com vista a uma vigilância continua.

Protocolo de Quioto: Trinta e nove países industrializados, comprometeram‐se a

limitar as suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE) sob três formas: comércio

de emissões, implementação conjunta e mecanismos de desenvolvimento limpo. O

29
princípio é apostar numa redução que seja economicamente vantajosa, pois desta

forma será mais efectiva. As reduções acordadas incidiam sobre: dióxido de carbono;

metano; óxido nitroso; hidrofluorcarbonetos; hidrocarbonetos perfluorados;

hexafluoreto de enxofre.

Vigilância Contínua: A EuroAirnet, rede de monitorização europeia da qualidade do ar,

que está a ser desenvolvida pelos países europeus e coordenada pela EEA (Agência

Europeia do Ambiente) cujo objectivo principal é o de melhorar significativamente a

extensão espacial e temporal dos relatórios da qualidade do ar na Europa e a base de

análise representativa desta.

Com a finalidade de monitorizar a qualidade do ar têm sido instaladas em vários locais

do País estações de monitorização equipadas com analisadores automáticos que

permitem o registo contínuo da concentração de vários poluentes. As estações de

monitorização equipadas com analisadores automáticos permitem detectar a presença

de diferentes tipos de gases por sensores electroquímicos.

30
Aspectos Jurídicos da HST
1971 – Organização Internacional do Trabalho (OIT) – Publica o regulamento da
Segurança e Higiene nos estabelecimentos industriais.

Com base neste é publicado em Portugal o Regulamento Geral de Segurança e Higiene


do Trabalho nos Estabelecimentos Industriais, aprovado pela Portaria 53/71 de 3 de
Fevereiro.

1985 – Dec.‐ Lei 18/85 de 15 de Janeiro ‐ Regulamento Geral de Segurança e Higiene


nas minas e pedreiras.

1986 – Dec.‐ Lei 243/86 de 20 Agosto – Regulamento Geral de Segurança e Higiene do


Trabalho nos estabelecimentos comerciais, de escritório e serviços.

1991 – Dec.‐ Lei 441/91 de 14 de Novembro (legislação criada como consequência da


entrada de Portugal na EU).

1994 – Portugal adopta as directivas europeias sobre HST (é criada legislação própria
para alguns factores físicos de agressão ambiental:

‐ Poeiras e gases na atmosfera;

‐ Ruído;

‐ …)

2001 – Norma Portuguesa NP 4397 – Sistemas de Gestão da Segurança e da Saúde no


Trabalho (elaborada com base na recomendação OHSAS 18001:1199 “Occupational
Health and Safety Management System – Specification”)

Evolução

Sec. XVIII – Revolução Industrial

Após 1850 – 2ª revolução Industria (Invenção do aço e substituição do vapor pela


electricidade).

‐ Trabalho em série.

‐ Organização dos Recursos Humanos – Produtividade.

1930 – Humanização do trabalho.

‐ Psicologia do trabalho.

‐ Sociologia.

Década de 70 – É assumida a necessidade da Higiene e Segurança no Trabalho (HST).

‐ São criadas medidas legislativas.

‐ Aparecem instituições que defendem a melhoria das condições de trabalho.

‐ A negociação colectiva assume as questões da HST.

31
‐ Investigação, formação e divulgação.

Década de 80 – Novas formas de organização do trabalho (competitividade).

‐ Maior participação dos trabalhadores.

A evolução continua, quer com iniciativas legislativas, quer com a evolução dos
conceitos organizacionais, que aproximam cada vez mais a HST aos Sistemas de
Qualidade.

Conceitos
Segurança do Trabalho ‐ técnica da prevenção e controle dos riscos das operações,
riscos esses capazes de afectar a segurança, a saúde e o bem‐estar dos trabalhadores.

Higiene do Trabalho ‐ trata dos riscos do ambiente, das condições inseguras relativas
ao ambiente de trabalho e que podem potenciar doenças profissionais.

Saúde do Trabalho ‐ estende‐se até ao controlo dos elementos físicos, químicos e


psicológicos ou mentais que possam afectar a saúde dos trabalhadores.

“ Todos os trabalhadores, sem distinção de idade, sexo, raça, cidadania, território de


origem, religião, convicções políticas ou ideológicas têm direito à prestação do
trabalho em condições de higiene e segurança”.

Constituição da República, Art. 59

A Higiene e Segurança tem como principal objectivo a Prevenção.

Identificação dos riscos;


Avaliação dos riscos;
Controlo dos riscos.

Controlo dos Riscos


Os riscos são potenciais fontes de acidentes.

Há 4 processos genéricos de controlo dos riscos:

Eliminar ou limitar o risco; Medidas de Engenharia

Envolver o risco;
Medidas Organizacionais
Afastar o Homem;

Proteger o Homem. Equipamentos


Protecção Individual
► Dar prioridade aos equipamentos de protecção colectiva.

32
Acidentes de Trabalho
“Acidente de trabalho” é uma ocorrência instantânea e não desejada, que altera o
desenvolvimento normal de uma actividade, provocando danos e lesões.

► Situação em que um acidente deixa de ser considerado como tal:

Negligência do trabalhador;
Falta grave e indesculpável da vítima;
Privação permanente ou acidental da razão;
Situação de força maior.

Custos dos Acidentes de Trabalho


► Custos Directos

Indemnizações;
Assistência Médica e medicamentosa.

► Custos Indirectos

Salários;
Tempo perdido p/o acidentado;
Tempo e gastos com formação de um substituto;
Perdas de produção;
Perdas comerciais;
Perdas com a imagem da empresa;
Perdas por produtos defeituosos;
Custos com equipamentos avariados;

33
Pirâmide de Acidentes

Lesão
Incapacitante

Lesões não
Incapacitantes

Acidentes sem
lesão

Isto significa que para uma lesão incapacitante há 29 lesões menores e 300 acidentes
sem lesão, eventualmente com dano à propriedade.

Custos da Sinistralidade – Caso 1

Suponha um acidente de trabalho em 10 de Fevereiro de 2008. O sinistrado aufere


uma retribuição mensal de 560 €, para além do direito a subsídio de férias e de Natal
de igual montante.

Verificou‐se uma incapacidade temporária absoluta (ITA) até 29 de Junho de 2000 e o


regresso ao trabalho, com incapacidade temporária parcial (ITP) sucessivas de 20 e
10% respectivamente, de 30 de Junho a 31 de Agosto e de 1 de Setembro a 30 de
Outubro.

A cura clínica ocorreu em 30 de Outubro de 2000.

Com base nas informações anteriores, determine:

a) A retribuição base.

b) O montante global da indemnização por Incapacidade Temporária, paga pela


Companhia Seguradora.

34
Custos da Sinistralidade – Caso 2

Imediatamente após se ter iniciado o turno de trabalho do dia 07.02.2001 ocorreu um


acidente de trabalho numa fiação industrial. Toda a secção de fiação (7 trabalhadores
+ sinistrado) suspendeu a sua actividade durante essa manhã. Supondo que:

► Os trabalhadores da fiação em questão auferem um salário mensal de 650€


trabalhando em horário normal, das 8.00 às 17.00, com 1 hora para almoço das 12‐
13h;

► O custo da recuperação física do trabalhador, em ginástica de manutenção e


fisioterapia, é de 1260€;

► O valor dos cuidados médicos e farmacêuticos prestados ao trabalhador é de 820€;

► O valor estimado das perdas de imagem da empresa é de 2000€;

► O valor das perdas de produção é de 3400€;

► Do acidente resultou um período de baixa até 30.06.2001, após o qual o


trabalhador regressou à sua actividade com Incapacidades Temporárias Parciais (ITP)
de 15 e 10%, até 20.07.2007 e 01.08.2007, respectivamente. Tendo sido dado como
clinicamente curado.

Determine:

a) O montante global da indemnização por Incapacidade Temporária, paga pela


Companhia

Seguradora.

b) A relação entre os custos segurados e não segurados do acidente.

Análise de Riscos
Tem como objectivo o levantamento de todos os factores do sistema de trabalho
Homem/Máquina/Ambiente.

Perigo – situação com potencial para dano em termos de lesões.

Risco – combinação da probabilidade e das consequências de um determinado


acontecimento perigoso.

35
Análise de Riscos

► Directos (estabelecem‐se factores de risco


antes da ocorrência do acidente);

► Indirectos (são os acidentes que fornecem


indicadores aos factores de risco).

Causas dos Acidentes de Trabalho


Todo o acidente tem pelo menos uma causa.

Os 5 factores na sequência do acidente.

A‐ A queda do primeiro dominó precipita


a queda de toda a fila.

B‐ A remoção do dominó central


neutraliza a acção dos precedentes.

Teoria do Dominó

1 – Ascendência e ambiente social.

2 – Falha humana (Ex: imprudência, temperamento violento).

36
3 – Acto inseguro ( Ex: estacionar sob cargas suspensas, não usar EPI’s) e/ou Condição
perigosa (Ex: ruído excessivo).

4 – Acidente.

5 – Dano pessoal (ferimentos, contusões, fracturas, etc.).

► Causas Humanas (80%)

Maus hábitos de trabalho;


Falta de experiência;
Falta ou deficiente formação profissional;
Cansaço;
Stress.

► Causas Materiais (20%)

Materiais defeituosos;
Equipamentos em más condições;
Ambiente físico ou químico não adequado.

37
EPI ‐ Equipamentos de Protecção Individual
Decreto‐Lei 441/91

Este diploma indica qual a prioridade da protecção colectiva sobre a individual:

Medidas de carácter construtivo;


Medidas de carácter organizativo;
Medidas de protecção individual.

► Medidas de Carácter construtivo

Eliminar o risco na origem, na fonte;


Envolver o risco, isolamento do risco;

► Medidas de carácter organizativo


Afastar o homem da exposição ao risco;

► Medidas de protecção individual


Envolver o homem.

EPI

Esta última barreira contra a lesão é o Equipamento de Protecção Individual (EPI).

O que é um equipamento de protecção individual?

Qualquer equipamento destinado a ser usado ou detido pelo trabalhador para a sua
protecção contra um ou mais riscos susceptíveis de ameaçar a sua segurança ou saúde
no trabalho.

É necessário que o equipamento em questão se destine especificamente a proteger a


saúde e a segurança do trabalhador no trabalho, excluindo qualquer outro objectivo
de interesse geral para a empresa como, por exemplo, o uso de uniformes.

Um EPI deve ser concebido e executado em conformidade com as disposições


regulamentares em vigor. A entidade patronal fornece gratuitamente aos
trabalhadores EPI em bom estado:

Adequados relativamente aos riscos a prevenir;


Que não sejam eles próprios geradores de novos riscos;
Que tenham em conta parâmetros pessoais associados ao utilizador e à
natureza do seu trabalho.

A regra é um equipamento para cada pessoa exposta! Se forem fornecidos a um


trabalhador vários EPI, estes devem ser compatíveis entre si.

38
Se um só EPI servir para vários trabalhadores, será necessário velar pelo estrito
respeito das regras de higiene.

A entidade patronal deve velar para que as informações necessárias à utilização dos
EPI se encontrem disponíveis na empresa sob uma forma que possa ser compreendida
pelos trabalhadores que os utilizam, a cujo conhecimento elas devem ser levadas.

Os EPI devem ser usados pelo trabalhador exclusivamente nas circunstâncias para as
quais são recomendados e depois de a entidade patronal ter informado o trabalhador
da natureza dos riscos contra os quais o referido EPI o protege.

Convém proceder ao estudo das partes do corpo susceptíveis de serem expostas a


riscos:

Riscos Físicos;
Riscos Químicos;
Riscos Biológicos.

Como avaliar um EPI do ponto de vista da segurança?


A selecção dos dispositivos (ou equipamentos) de protecção individual (EPI) deverá ter
em conta:

Os riscos a que está exposto o trabalhador;


As condições em que trabalha;
A parte do corpo a proteger;
As características do próprio trabalhador.

Ensaio de Dispositivos de Protecção Individual na Empresa

Para testar um novo EPI, devem tanto quanto possível, escolher‐se trabalhadores com
um critério objectivo de apreciação.

É indispensável a sua elucidação quanto aos riscos a controlar, bem como o ensaio de
mais de um tipo de protecção.

O registo de elementos como: durabilidade, efeito de protecção, comodidade,


possibilidade de limpeza, entre outros, é extremamente importante para uma solução
definitiva.

A decisão final sobre a utilização do EPI deve ser tomada com base numa análise
cuidada do posto de trabalho, análise essa em que devem participar chefias e
trabalhadores.

39
A co‐decisão conduz a uma maior motivação para o seu uso.

Formação do Utilizador

Os EPI's são simples? É fácil a utilização correcta de um dado EPI? Para muitos EPI's é
necessária uma acção de demonstração, quando são utilizados pela primeira vez. A
transferência de informação deve estar associada à motivação.

Os pontos fundamentais na formação do utilizador são os seguintes:

1) ‐ Porquê utilizar um determinado EPI e qual o tipo de protecção que ele garante?

2) ‐ Qual o tipo de protecção que ele NÃO garante?

3) ‐ Como utilizar o EPI e ficar seguro de que o EPI garante a protecção esperada?

4) ‐ Quando se devem substituir as peças de um dado EPI?

Principais tipos de protecção individual


Protecção da Cabeça

A cabeça deve ser


adequadamente protegida
perante o risco de queda de
objectos pesados, pancadas
violentas ou projecção de
partículas.

A protecção da cabeça obtém‐se


mediante uso de capacete de
protecção, o qual deve apresentar elevada resistência ao impacto e à penetração.

Protecção dos Olhos e do Rosto

Os olhos constituem uma das partes mais sensíveis do corpo


onde os acidentes podem atingir a maior gravidade.

As lesões nos olhos, ocasionadas por acidentes de trabalho,


podem ser devidas a diferentes causas:

Acções mecânicas, através de poeiras, partículas ou


aparas;
Acções ópticas, através de luz visível (natural ou
artificial), invisível (radiação ultravioleta ou
infravermelha) ou ainda raios laser;

40
Os olhos e também o rosto protegem‐se com óculos e viseiras apropriados, cujos
vidros deverão resistir ao choque, à corrosão e às radiações, conforme os casos:

Acções térmicas, devidas a temperaturas extremas.


Acções químicas, através de produtos corrosivos (sobretudo ácidos e bases) no
estado sólido líquido ou gasoso.

Protecção das Vias Respiratórias

A atmosfera dos locais de trabalho encontra‐


se, muitas vezes, contaminada em virtude da
existência de agentes químicos agressivos,
tais como gases, vapores, neblinas, fibras,
poeiras.

A protecção das vias respiratórias é feita


através dos chamados dispositivos de
protecção respiratória – aparelhos filtrantes
(máscaras).

Protecção dos Ouvidos

Há fundamentalmente, dois tipos de protectores de


ouvidos: os auriculares (ou tampões) e os
auscultadores (ou protectores de tipo abafador).

Os auriculares são introduzidos no canal auditivo


externo e visam diminuir a intensidade das variações
de pressão que alcançam o tímpano.

Protecção do Tronco

O tronco é protegido através do vestuário, que pode ser confeccionado em diferentes


tecidos.

O vestuário de trabalho deve ser cingido ao corpo para se evitar a sua prisão pelos
órgãos em movimento. A gravata ou cachecol constituem, geralmente, um risco.

Protecção dos Pés e dos Membros Inferiores

A protecção dos pés deve ser considerada quando há


possibilidade de lesões a partir de efeitos mecânicos,
térmicos, químicos ou eléctricos. Quando há

41
possibilidade de queda de materiais, deverão ser usados sapatos ou botas revestidos
interiormente com biqueiras de aço, eventualmente com reforço no artelho e no peito
do pé.

Em certos casos verifica‐se o risco de perfuração da planta dos pés (ex: trabalhos de
construção civil) devendo, então, ser incorporada uma palmilha de aço no respectivo
calçado.

Protecção das Mãos e dos Membros Superiores

Os ferimentos nas mãos constituem o tipo de lesão mais frequente que ocorre na
indústria. Daí a necessidade da sua protecção.

O braço e o antebraço estão, geralmente menos expostos do que as mãos, não sendo
contudo de subestimar a sua protecção.

Protecção contra Quedas

Em todos os trabalhos que apresentam risco de queda livre deve utilizar‐se o cinto de
segurança, que poderá ser reforçado com suspensórios fortes e, em certos casos
associado a dispositivos mecânicos amortecedores de quedas.

O cinto deve ser ligado a um cabo de boa resistência, que pela outra extremidade se
fixará num ponto conveniente. O comprimento do cabo deve ser regulado segundo as
circunstâncias, não devendo exceder 1,4 metros de comprimento.

Riscos Eléctricos
A electricidade é a forma de energia mais discreta que existe; por ter uma aparência
passiva – não se vê, não se ouve, não tem cheiro – impõe que os procedimentos para
evitar acidentes sejam muito rigorosos.

Perigo eléctrico:

Presença de electricidade.

Risco eléctrico:

Exposição X grau de electrização.

Choque Eléctrico ‐ Acidente resultante da passagem da corrente eléctrica no corpo


humano.

Electrização ‐ Termo que designa o conjunto de manifestações fisiológicas devias à


passagem da corrente eléctrica através do corpo humano.

42
Electrocussão ‐ Termo que designa a morte produzida pela passagem de uma corrente
eléctrica no corpo humano.

Consequências sobre o corpo humano

Efeitos imediatos:

• Efeitos excito‐motores (sobre os músculos);

• Queimaduras electrotérmicas (passagem de corrente);

• Queimaduras foto térmicas (efeito térmico do arco eléctrico).

Efeitos secundários:

• Complicações cardiovasculares;

• Complicações neurológicas;

• Sequelas sensoriais: vista (conjuntivite ou queimadura da córnea) e auditivas;

• Sequelas cutâneas.

Efeitos da corrente eléctrica sobre o corpo humano de adultos

Percepção;
Convulsão;
Paragem Respiratória;
Asfixia;
Queimaduras;
Fibrilação Ventricular.

Actuação em caso de incidente ou acidente

Se o acidentado ficou em contacto com o condutor ou a peça em tensão:

O 1º passo é separá‐lo da fonte de tensão, tendo em atenção que uma intervenção


imprudente pode pôr em risco da pessoa que pretende salvar acidentado.

Em baixa tensão

Colocar a instalação fora de tensão:


Manobrando o aparelho de corte;
Desligando a ficha da tomada de corrente;
Afastando o condutor da pessoa.

Em alta tensão

43
Colocar a instalação fora de tensão, operação que deve ser realizada por uma
pessoa qualificada conhecedora da instalação;
O socorrista só deverá aproximar‐se da vítima depois da instalação estar
comprovadamente sem tensão;

Condutor caído por terra ‐ Evitar aproximar‐se do condutor e impedir que outros o
façam.

Riscos Eléctricos

O que NÃO se deve fazer:

Manutenção
Elevação e transporte manual de cargas:

A elevação e o transporte manual sujeitam o corpo humano a um grande


desgaste físico.
O transporte manual é quase sempre um trabalho pesado, mesmo que a carga
não seja pesada.
Durante o esforço muscular os vasos sanguíneos são comprimidos e o fluxo de
sangue diminuído.

Riscos Associados:

Queda de objectos sobre os pés;


Ferimentos causados por marcha sobre, choque contra, ou pancada;

44
Contusões provocadas por objectos contundentes.

Parte destes riscos podem ser controlados pela utilização de EPI’s.

Métodos de Elevação Manual de Cargas

Métodos correctos:

Métodos incorrectos:

45
Cuidados a ter na Movimentação manual de cargas

Limitar o máximo de peso a 20 kg;


M manter a carga vertical e próxima do corpo;
Manter os pés afastados;
Manter as costas direitas;
Evitar torções do corpo;
Não pegar as cargas com a ponta dos dedos;
Alternar posturas e movimentos;
Não levantar as cargas a partir dos solo…

Cargas máximas permitidas ‐ Os valores limite dependem de:

Idade;
Sexo;
Duração da tarefa;
Frequência do movimento de elevação;
Capacidade física do trabalhador.

Transporte de cargas

Princípios a adoptar:

Mecanizar, sempre que possível;


Utilizar equipamentos de transporte
Utilização de aparelhos auxiliares.

46
Higiene Industrial
Técnica de actuação sobre os contaminantes (poluentes) do ambiente com o objectivo
de prevenir doenças profissionais.

Os agentes agressivos são de 4 tipos:

Químicos;
Físicos;
Biológicos;
Ergonómicos.

Contaminação Química

Os agentes podem existir no estado sólido, líquido e gasoso

Estado sólido:

Poeiras;
Fibras;
Fumos.

Estado líquido:

Aerossóis;
Neblinas.

Estado gasoso:

Gases
Vapores

Poeiras

Inertes
Fibrogénias
Sensibilizantes
Tóxicas

47
Gases e vapores

Irritantes
Asfixiantes
Narcóticos
Tóxicos

Valor Limite de Exposição (VLE)


Os VLE’s dizem respeito às concentrações no ar das várias substâncias e representam
condições para as quais se admite quase todos os trabalhadores podem estar
expostos, dia após dia, sem efeitos adversos.

Valor limite de exposição ‐ média ponderada (VLE‐MP)

Média ponderada para um dia de trabalho de 8 H e uma semana de 40 H à qual se


considera que praticamente todos os trabalhadores possam estar expostos, dia após
dia, sem efeitos adversos para a saúde.

Valor limite de exposição – curta duração (VLE‐CD)

À qual se considera que praticamente todos os trabalhadores possam estar


repetidamente expostos, por curtos períodos de tempo, desde que o valor de VLE‐MP
não seja excedido e sem efeitos adversos, tais como:

Irritações;
Lesões crónicas ou irreversíveis dos tecidos.
Narcose.

Valor limite de exposição – concentração máxima (VLE‐CM)

Que nunca deve ser excedida durante qualquer período da exposição.

Valores limite de exposição para misturas:

48
Caso 1

A atmosfera de um local de trabalho contém:

Acetona=400 ppm VLE=500 ppm

Acetato de butilo=150 ppm VLE=200 ppm

Metiletilcetona=100 ppm VLE=200 ppm

Informação adicional: considere os efeitos aditivos da acetona, do acetato de etilo e do


metiletilcetona.

Caso 2

Considere uma área de armazenamento de produtos químicos com temperatura


média de 200C. Analise o risco de contaminação associado à exposição dos seguintes
produtos e concentrações e conclua quanto à adequabilidade.

Óxido de ferro=2mg/m3 VLE=5 mg/m3

Acetona=200 ppm VLE=500 ppm

Éter isopropílico=100 ppm VLE=250 ppm

Acetato de etilo=1200 mg/m3 VLE=400 ppm=1440 mg/m3 (t= 250C)

Informação adicional: considere os efeitos aditivos da acetona, do acetato de etilo e do


éter isopropílico.

Resolução:.

49
Higiene Industrial
São quatro os ramos de actividade que dão corpo à Higiene Industrial:

Higiene Teórica ‐ Estuda a relação dose‐resposta e estabelece valores padrão de


referência.

Higiene Analítica ‐ Realiza a identificação qualitativa e quantitativa dos contaminantes.

Higiene Operativa ‐ Efectua os estudos tendentes a eliminar o risco higiénico. Propõe


correcções a adoptar de modo a conseguir‐se que as condições ambientais
permaneçam dentro dos limites não perigosos.

Higiene de Campo ‐ É a pedra angular de toda a estrutura. Recolhe no ambiente de


trabalho os dados para o estudo do problema.

Dose ou quantidade de contaminante susceptível de acusar dano é independente dos


factores extrínsecos, sendo expressa por:

D= t X c

t é o tempo de exposição (expresso em anos);

c é a concentração média ponderada do contaminante (expressa em mg.m‐3 e referida


a um turno de 8 H de trabalho).

Ventilação Industrial

Geral:

É aplicável à renovação ou fornecimento de ar com o objectivo de proporcionar


conforto. Tem 4 factores limitantes:

A quantidade do contaminante não deve ser grande;


Os trabalhadores devem estar afastados da produção do contaminante;
A toxicidade deve ser baixa;
A evolução do contaminante deve ser baixa.

Ruído
Não se morre de ruído.

O ruído representa para a saúde o mesmo factor de risco que o tabaco ou o álcool.

Cerca de 20% da população dos países industrializados encontra‐se mergulhada em


níveis de pressão muito intensos.

Constitui um importante factor de risco, afectando a saúde física e psicológica dos


trabalhadores.

50
Representa actualmente a maior perturbação do meio ambiente

Definição subjectiva: Todo o som que produza uma sensação auditiva desagradável,
incomodativa ou perigosa.

Definição operacional: é um estímulo que não contém informações úteis à tarefa em


execução.

O campo de audibilidade do Homem engloba valores de pressão sonora entre o do


limiar audível de 2x10‐5 N/m2 e o limiar da dor de 200 N/m2, para sons de frequência
1000 Hz.

A medida da pressão sonora numa escala linear é impraticável porque compreende


cerca de 1 milhão de unidades.

Consequências ou Efeitos do Ruído

Acção sobre o aparelho auditivo

Perda de audição;
Fadiga auditiva;
Distorção dos sons.

Efeitos fisiológicos

Surdez;
Distúrbios gastrointestinais;
Elevação da pressão arterial;
Vertigens;
Dores de cabeça;
Cansaço geral;
Contracção dos vasos sanguíneos;
Diminuição da pupila…

Controlo do Ruído

Medidas Organizacionais:

Eliminação dos postos + ruidosos;


Rotação do pessoal exposto;
Aquisição de equipamentos menos ruidosos…

Medidas Construtivas:

Substituição/lubrificação das máquinas;


Utilização de amortecedores;
Cobertura das fontes de ruído;

51
Insonorização dos locais em relação ao exterior…

Vibrações
A vibração é qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto de
equilíbrio.

Sob o ponto de vista físico, as vibrações podem classificar‐se em:

‐ Vibrações Sinusoidais

‐ Vibrações Periódicas

‐ Vibrações Aleatórias

RUÍDO desenvolve a sua acção fundamentalmente em relação a um órgão, O OUVIDO.

As VIBRAÇÕES afectam zonas mais extensas do corpo, inclusivamente A SUA


TOTALIDADE.

As vibrações transmitem‐se ao organismo segundo três eixos espaciais (x, y, z).

Caracterização:

Intensidade;
Modo de transmissão;
Direcção;
Frequência;
Duração;
Ponto de aplicação.

Intensidade onde:

Modo de transmissão ‐ Vibrações de corpo inteiro e vibrações do sistema mão‐braço.

Direcção ‐ Longitudinais, Transversais, horizontais, verticais e diagonais.

Efeitos das vibrações sobre o organismo:

Perturbações osteo‐articulares (<30 Hz)


Perturbações vasculares (40 125 Hz)
Formigueiro;
Entorpecimento;
Gangrena;
Picadas;
Doença de Raynaud (doença dos dedos brancos).

Controlo das Vibrações

52
É conseguido através de 3 processos:

Redução das vibrações na origem;


Diminuição da transmissão de energia mecânica a superfícies potencialmente
irradiantes;
Redução da amplitude de vibração das superfícies irradiantes atrás referidas.

Ambiente Térmico
Conjunto das variáveis térmicas do posto de trabalho que influenciam o organismo do
trabalhador.

Conforto Térmico

Segundo a ISO 7730, “Um estado de espírito que expressa satisfação com o ambiente
que envolve uma pessoa (nem quente nem frio) ”.

Depende de aspectos biológicos, físicos e emocionais dos ocupantes.

Um ambiente confortável é um ambiente que permite que a produção de calor


metabólico, se equilibre com as trocas de calor provenientes do ar à volta do
trabalhador.

Fora desta situação de equilíbrio, podem existir situações adversas

Stress Térmico

Índices:

PMV: índice que estima o valor médio dos votos de um grupo de pessoas na escala se
sensação térmica.

PPD: percentagem de pessoas insatisfeitas com o conforto térmico do ambiente.

Formas de Transferência de Calor entre Homem e Meio Ambiente

Condução (K) ‐ contacto entre um corpo quente e um frio.

Convecção (C) ‐ o movimento do ar.

53
Radiação (R) ‐ todas as substâncias radiam energia térmica sob a forma de ondas
electromagnéticas.

Evaporação (E) ‐ através da sudação.

Factores que Influenciam a Sensação de Conforto Térmico

Variáveis Individuais:

Tipo de actividade;
Vestuário;
Aclimatação

Variáveis Ambientais

Temperatura do ar;
Humidade relativa do ar ou pressão parcial de vapor;
Temperatura média radiante das superfícies vizinhas;
Velocidade do ar.

Avaliação do Ambiente Térmico

Temperatura do ar;
Humidade do ar;
Calor radiante;
Velocidade do ar;
Metabolismo;
Vestuário.

Trabalho a temperaturas elevadas

Problemas para a saúde:


Insolação;
Prostração térmica;
Cãibras;
Cataratas e conjuntivites;
Dermatites.

Algumas recomendações:

Isolamento das fontes de calor;


Roupas e óculos adequados;
Pausas para repouso;
Reposição hídrica adequada ‐ beber pequenas quantidades de líquido (0,25
l/vez);
Ventilação natural.

54
Trabalho a baixas temperaturas

Os efeitos sobre a saúde:

Enregelamento dos membros devido a má circulação do sangue;


Ulcerações decorrentes da necrose dos tecidos expostos;
Redução das habilidades motoras como a destreza e a força, da capacidade de
pensar e julgar;
Tremores, alucinações e a inconsciência.

Algumas recomendações:

Para os trabalhos externos e prolongados, recomenda‐se uma boa alimentação


em calorias e roupas quentes;
Devem existir câmaras de transição para que se possam aquecer gradualmente
até à temperatura ambiente.

Iluminação
Uma boa iluminação é fundamental no ambiente de trabalho.

O olho humano só é sensível às radiações electromagnéticas situadas entre os


comprimentos de onda de 400 e 750 (nm).

Esta faixa é designada de LUZ VISÍVEL.

Boa iluminação

Aumenta a produtividade
Reduz os acidentes.

UMA BOA ILUMINAÇÃO é aquela que se adequa ao tipo de tarefa a executar.

Factores que contribuem para uma iluminação correcta:

• Nível de iluminação

• A luminância

• A expressão das cores e dos relevos

Processos de Iluminação

Iluminação Natural

55
A melhor luz é sem dúvida a natural: é aquela a que o nosso sistema visual melhor se
adapta, aumentando a estimulação sensorial, para além de outras vantagens.

Encadeamento

Deve procurar‐se eliminar as fontes de encandeamento,


normalmente lâmpadas nuas ou superfícies demasiado
brilhantes.

Pode provocar perturbação, desconforto e perda na


visibilidade.

Iluminação Adequada

Ao tipo de trabalho;
À idade dos trabalhadores;
À duração do trabalho;
Ao efeito psicológico a obter.

Sistemas de Iluminação

Directa Indirecta

56
Níveis de Iluminação

Fundamentos de Ergonomia
O que é a Ergonomia ?

Adaptação do trabalho ao homem ‐ O trabalho tem todo um pano de fundo de


sofrimento:

No sentido etimológico do termo ‐ Ergonomia significa o estudo das leis do trabalho.

O termo ergonomia foi utilizado pela primeira vez, em 1857, pelo polaco W.
Jastrzebowski, que publicou um artigo intitulado “Ensaio de ergonomia ou ciência do
trabalho baseada nas leis objectivas da ciência da natureza”.

57
Quase cem anos mais tarde, em 1949, um engenheiro inglês chamado Murrel criou na
Inglaterra a primeira sociedade nacional de ergonomia, a “Ergonomic Research
Society”.

Posteriormente, a ergonomia desenvolveu‐se em numerosos países industrializados,


como a França, Estados Unidos, Alemanha, Japão e países escandinavos.

Evolução histórica:

Não existe ainda uma história, propriamente dita, sobre ergonomia.

Conjunto de conhecimentos referentes ao homem em actividade de trabalho permitiu


o surgimento desta disciplina.

Os primeiros estudos sobre o homem na sua actividade profissional foram realizados


por engenheiros, médicos do trabalho e pesquisadores:

Engenheiros que procuravam melhorar o desempenho do homem no trabalho, como


por exemplo: De Vauban, Bélidor, Perronet, Vaucanson, Jacquard, Taylor e Ford.

Médicos do trabalho que procuravam estabelecer uma protecção à saúde dos


trabalhadores: Paracelse, Ramazzini, Tissot, Patissier e Villermé.

Pesquisadores que tentavam compreender o funcionamento do homem em actividade


de trabalho: De la Hire, Da Vinci, Lavoisier, Coulomb, Chauveau, Marey e J. Amar.

O escritório é um local seguro, sem riscos? NÃO

Os escritórios hoje são donos de 70% dos casos de doenças profissionais e ou


ocupacionais como as LMERT.

Existem registos de doenças profissionais desde 1716 quando Ramazzini, o pai da


medicina do trabalho, descreve como “a doenças dos escribas e dos notários”
caracterizados pela fadiga, dor e declínio acentuado do desempenho profissional.

Durante muito tempo a segurança do trabalho foi vista como um tema que se
relacionava apenas ao uso de capacetes, botas, cintos de segurança e uma série de
outros equipamentos de protecção individual contra acidentes.

Os computadores têm uma característica ímpar:

Nunca na história da humanidade uma mesma máquina esteve presente na vida


profissional de um número tão grande e diversificado de trabalhadores.

Riscos Ergonómicos

Em relação ao uso dos computadores quais os riscos ergonómicos mais evidentes?

58
Exigência de postura inadequada;
Utilização de mobiliário inadequado;
Imposição de ritmo excessivo;
Jornada de trabalho prolongada turno nocturno;
Monotonia e repetitividade.

Além destes riscos, as condições de avaliação do ambiente de trabalho fazem também


parte da ergonomia:

Nível de iluminação
Temperatura
Ruído
Reflexos
Stress físico e ou psíquico

Regras básicas para os utilizadores de computadores:

O monitor deve estar com sua parte superior ao nível dos olhos;
A distância do monitor e o operador deve ser equivalente à extensão do braço;
Ajustar o monitor de modo a evitar os reflexos da iluminação;
Os pés devem estar apoiados no chão ou num suporte;
Os pulsos devem estar relaxados porém sem estarem flexionados;
Se há entrada de dados deve‐se usar suporte para os documentos;
O utilizador deve fazer pausas regulares para descanso.

Factores Ambientais do Trabalho

Temperatura e cargas térmicas;

59
Ventilação e renovação do ar;
Iluminação geral e localizada;
Níveis de ruídos;
Disposição de materiais e equipamentos;
Gases, poeiras e vapores.

Factores Físicos do Trabalho

Movimentos, posturas e
gestos que dão origem a
LMERT;
Dimensões dos
equipamentos e
instrumentos de trabalho.

Factores de Carga Mental

Quantidade e rapidez de informação;


Nível de atenção requerido;
Situação do trabalhador.

Concepção do Espaço de
Trabalho

Altura do plano de
trabalho;
Adaptação do assento
às características
anatómicas;
Espaço circundante;
Disposição dos
instrumentos de trabalho.

60
Sinalização de Segurança
Sinais de Proibição ‐ Fundo branco, símbolo a preto, coroa circular e banda oblíqua a
vermelho

61
Sinais de Aviso – Fundo amarelo, símbolo a preto e contorno a preto.

62
Sinais de Obrigação ‐ Fundo azul, símbolo a branco

63
Salvamento ou de Emergência ‐ Fundo verde, símbolo a branco.

64
Sinalização de Material de Combate a Incêndios

65
Riscos Psicossociais no Trabalho
Riscos Psicossociais no trabalho são os que resultam da interacção entre:

O indivíduo

As suas condições de vida

As suas condições de trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta para os seguintes riscos


psicossociais:

Sobrecarga Horária

Sobrecarga de Trabalho Mental e Físico

Monotonia

Falta de Empowerment

Burnout

Assédio Moral e Violência

Insegurança no emprego

Stress (Individual e no Trabalho)

Consequências dos Riscos Psicossociais no Trabalho

Acidentes de trabalho

Absentismo

Doenças (esgotamento, ansiedade, depressão, stress, doenças fisiológicas…)

Diminuição da produtividade e qualidade do trabalho

Degradação do Ambiente de Trabalho

66
Plano de Emergência
Conceitos e considerações iniciais

Planeamento como processo contínuo e não como produção de um objecto acabado;

Plano como instrumento de apoio e suporte e não como um fim em si mesmo:

Gestão intra e inter‐organizacional

Funções genéricas da emergência

Estrutura, missões e responsabilidades;

Definição de cenários de danos.

Os bombeiros como estruturas operacionais de 1ª intervenção. Que papel no


planeamento?

Vistorias e estudos de segurança;

Definição e localização dos meios de intervenção

Elaboração Plano(s) Prévio(s) Intervenção

Plano de Emergência ‐ Instrumento de gestão operacional para resposta a eventuais


acidentes graves ou catástrofes.

Referência

O Plano de Emergência descreve a actuação do sistema de protecção civil


relativamente às responsabilidades, organização e conceito de operações, em caso de
resposta a uma emergência resultante da ocorrência de um acidente grave, catástrofe
ou calamidade.

Identifica e analisa os factores de risco e de vulnerabilidade;

Recenseia e levanta os meios e recursos disponíveis;

Organiza a estrutura interna de apoio à gestão de emergência, definindo


responsabilidades e missões;

Define os mecanismos de cooperação e coordenação entre os serviços, entidades e


organismos que concorrem para a gestão de emergência.

Plano de Emergência Interno ‐ Preparação e organização dos meios existentes para


garantir a salvaguarda dos ocupantes de uma instalação, em caso de ocorrência de
uma situação perigosa.

67
Objectivos gerais

Dotar a instituição de um nível de segurança eficaz;

Limitar as consequências de um acidente;

Sensibilizar para a necessidade de conhecer e rotinar procedimentos de auto‐


protecção a adoptar, por parte de todos.

Corresponsabilizar toda a população no cumprimento das normas de


segurança;

Preparar e organizar os meios humanos e materiais existentes, para garantir a


salvaguarda de pessoas e bens, em caso de ocorrência de uma situação
perigosa.

Objectivos específicos

Conhecimento real e pormenorizado das condições de segurança do


estabelecimento escolar;

Correcção pelos responsáveis das escolas, das carências e situações


disfuncionais detectadas;

Organização dos meios humanos internos, tendo em vista a actuação em


situação de emergência;

Maximização das possibilidades de resposta dos meios de 1ª intervenção;

Elaboração de um plano de evacuação total (ou parcial) das instalações


escolares;

Elaboração do plano interno de intervenção.

Organização da
Segurança
Estrutura Interna
de Segurança

Constituída por
elementos internos
ao
Estabelecimento
de Ensino

68
(professores, funcionários) preparados para, em situação de emergência (iminência ou
ocorrência) coordenarem as acções necessárias à implementação do Plano de
Emergência.

Instruções de Segurança
São normas e procedimentos a adoptar pelos ocupantes de uma instalação, face a uma
situação de emergência, tendo em vista a minimização dos seus efeitos.

69
Suporte Básico de Vida

70
Referências Bibliográficas
Castro, Carlos Ferreira de e Abrantes, J.M. Barreira (2005): Combate a Incêndios

Urbanos e Industriais, Sintra, Escola Nacional de Bombeiros;

Miguel, Alberto Sérgio (2008): Manual de Higiene e Segurança do Trabalho,

Porto Editora;

WorkShop da Área de Produtos Perigosos; 14 e 15 de Setembro de 2008;

ADR – Acordo Europeu relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias

Perigosas por Estrada;

RPE – Regulamento Nacional do Transporte de Mercadorias Perigosas por

Estrada;

REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS DE LISBOA – Fichas de Intervenção

em Matérias Perigosas, 2.ª edição, Maio de 2001;

Baptista, Nelson Teixeira (2008): Manual de Primeiros Socorros, Sintra, Escola

Nacional de Bombeiros;

71