Você está na página 1de 549

Catálogos de Produtos

Controles Industriais
Sistemas de Automação
Sensores
O Motion Book
Inversores com Velocidade Ajustável CA e CC
Motores CA e CC com Velocidade Variável Combinado ao Controle
Produtos de Segurança
Rockwell Software

Acesse nosso website: http://www.ab.com/safety ou www.ejaltd.co.uk Produtos de

Produtos de Segurança
Segurança
Dispositivos de Detecção de
Segurança
Chaves de Intertravamento
Relés de Segurança
Chaves de Intertravamento com
Segredo
Dispositivos de Parada de
Emergência
Chaves (fim-de-curso) de Posição
CLPs de Segurança
Contatores e Relés de Controle
Chaves sob Carga IEC
Dispositivos de Controle Bi-manual
Sistemas de Isolação de
Segurança
Soluções de Segurança Aplicada
Sistemas de Conexão
Chaves para Áreas Classificadas
Terminal MobileView™ Guard

Publicação S115-CA001A-PT-P – Maio de 2003


Substitui publicações S114-CA001A-PT-P – Novembro de 2000 e S114-CA002A-EN-P – Março de 2002 Copyright © 2003 Rockwell Automation. Todos os direitos reservados. Impresso nos EUA
Novo neste Catálogo

Ensign™ 3 Minotaur MSR132E


Chaves de Relés de Minotaur MSR30RT/RTP
Atlas™ 5 Intertravamento Segurança
Chaves de Relés de Segurança
Página 3-74 Página 4-60 Página 4-26
Intertravamento
Página 3-32

440G-MT
Minotaur MSR238
Chaves de
Relés de Segurança
Intertravamento
Página 4-82
Página 3-36 Porta T com Conexão de Slamlock™ Electrical
Segurança e Caixa de Chave de
Distribuição Intertravamento
Sistemas de Conexão com Segredo
15-4, 15-5, 15-8 Prosafe™
Senator™ Pequena Página 5-26 SafeZone™
de Plástico Dispositivos de
Chaves (Fim-de- Segurança de
curso) de Posição Detecção de
Página 7-2 Presença
Página 2-68
ElectroGuard™
Sistema de Isolação de
Segurança
Página 12-2
Senator™ Grande
de Metal
Chaves (Fim-de- GuardShield™
curso) de Posição Dispositivos de
Página 7-8 Segurança de Detecção
SafeEdge™ de Presença
Lifeline™ 4
Dispositivos de Segurança Página 2-8
Dispositivos de
Parada de de Detecção de Presença
Emergência Página 2-94
Página 6-8

STFPro™
Soluções de FeederPro™
Segurança Soluções de
Aplicada Segurança
Página 13-7 Serviços de Segurança StamPro™ Aplicada
da Máquina PressMaster™ Compacta Soluções de Página 13-6
Soluções de Soluções de Segurança Segurança Aplicada
Segurança Aplicada Aplicada Página 13-5
Página 13-2 Página 13-8
PlusProdutos inclusos no Safety Products Catalog Supplement (S114-CA002A-EN-P) e o IEC Load Switches
também publicados no catálogo Industrial Control (A113 – março de 2000).
Informações sobre
Patentes
Os produtos deste catálogo são protegidos por uma ou mais das seguintes patentes.
Nenhuma omissão constitui de do abandono explícito ou implícito dos direitos de patente.
Austrália
AU2632199, AU4337393, AU4337493, AU5009296, AU5420790, AU6739598, AU7051591,
AU7631996, AU7701196, AU7944794, AU8661891, AU8875098
Alemanha
DE3020593, DE69033004D, DE69033004T, DE69303597D, DE69407625D, DE69407625T,
DE69601224D, DE69601224T, DE69619128D, DE69619128T, DE9308260U, DE9308261U
Toda a Europa
EP0467942, EP0620948, EP0736218, EP0821829, EP0864169, EP0935721, EP0968384,
EP0985077, EP1089014, EP1136723, EP1139362, EP1255262
Grã Bretanha
GB2052158, GB2247320, GB2261115, GB2283365, GB2298740, GB2300075, GB2321784
Japão
JP11503867T, JP2000501224T, JP2001311454, JP2001312930, JP2002373552, JP3007413B2,
JP3281384B2, JP4504792T, JP7507416T , JP9507333T
E. U.A.
US2002175058, US4963706, US5254879, US5587569, US5777284, US5977500, US6135417,
US6213148, US6365850, US6418592, US6446666, US6474120, US6483049
Por todo o mundo
WO9008396, WO9013180, WO9110250, WO9207374, WO9324946, WO9324947,
WO9518457, WO9633504, WO9719285, WO9720334, WO9842937, WO9913254, WO9943915

Informações sobre marcas


registradas
Atlas, Cadet, Centurion, ElectroGuard, Elf, Ensign, FeederPro, Ferrocode, Ferrogard, GuardPLC,
GuardShield, Imp, Lifeline, Logix, MatGuard, MicroLogix, MobileView, Omega, PressMaster, Prosafe,
Rotacam, SafeEdge, SafeShield, SafeZone, Senator, Sentinel, Sipha, Slamlock, Spartan, Sprite, StamPro,
STFPro, Trojan, Zero-Force são marcas registradas da Rockwell Automation.

DeviceNet e o logotipo DeviceNet são marcas registradas da Open Device Vendors Association (ODVA).
Geral

Geral
Considerações de Aplicação e Conversões Métricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-3
Termos e Condições de Vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-4
Manutenção do Equipamento de Controle Industrial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-7
Gabinetes IEC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-9
Gabinetes NEMA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-11

Princípios de Segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Chaves de Intertravamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Relés de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Chaves  de Intertravamento com Chave com Segredo Prosafe . . . . . . . . 5
Dispositivos de Parada de Emergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Chaves de Posição (Fim-de-curso) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
CLPs de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Contatores e Relés de Controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Chaves sob Carga IEC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Dispositivos de Controle Bimanual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Sistemas de Isolação de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Soluções de Segurança Aplicadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Sistemas de Conexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Áreas Classificadas e Chaves Pneumáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Interfaces do Terminal de  Proteção MobileView . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Aplicações de Proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Índice de Códigos de Catálogos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Índice Geral de Produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Escritórios de Vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Informações Por causa da diversidade de usos dos produtos descritos nesta publicação, os
Importantes ao responsáveis pela aplicação e uso deste equipamento devem certificar-se de que todas
as etapas necessárias foram seguidas para garantir que cada aplicação e uso cumpram
Usuário
todos os requisitos de desempenho e segurança, incluindo todas as leis,
regulamentações, códigos e normas aplicáveis.
As ilustrações, gráficos e exemplos de programas e de layout mostrados neste manual
são apenas para fins ilustrativos. Visto que há diversas variáveis e requisitos associados a
qualquer instalação em especial, a Rockwell Automation não assume responsabilidade
(inclusive responsabilidade por propriedade intelectual) pelo uso real baseado nos
exemplos mostrados nesta publicação.

Informações Relacionadas à Segurança

O profissional que instalar o equipamento é responsável pela segurança de todo os


sistema de controle instalado, bem como pela conformidade com todas as leis, códigos
e requisitos de segurança aplicáveis.

ATENÇÃO: Como instalador do sistema de controle, você deve


conhecer todas as normas aplicáveis pertinentes às recomendações de
segurança relacionadas a:
• Construção da Máquina
• Toda Parte Elétrica
• Proteção da Máquina
• Proteção dos pontos de operação, cortinas de luz, proteções
mecânicas, controles bimanuais e relés de monitoração de
segurança
Além de todas as leis e códigos locais, você é responsável por todas as
recomendações de segurança detalhadas em todos os códigos e normas
aplicáveis, incluindo:
• National Electric Code (NEC)
• Regulamentações OSHA
• Normas ANSI
• NFPA
• CSA

Termos e Para “Termos e Condições de Vendas”, consulte a página Geral-4.


Condições

IMPORTANTE

A Rockwell Automation reserva-se o direito de revisar o material contido neste


catálogo e isentar-se de toda responsabilidade por danos acidentais ou resultantes do
fornecimento, desempenho ou uso deste material.
Geral
Considerações de Aplicação e Conversões Métricas/Garantias

Considerações de Aplicação Fatores de Conversão Métrica


Seleção de Equipamentos — Por causa da diversidade de usos dos De Para Multiplicar por
produtos descritos nesta publicação, os responsáveis pela aplicação e Comprimento
uso deste equipamento devem certificar-se de que todas as etapas
Polegadas (pol.) Milímetros (mm) 25,4
necessárias foram seguidas para garantir que cada aplicação e uso
cumpram todos os requisitos de desempenho e segurança, incluindo Polegadas (pol.) Centímetros (cm) 2,54
todas as leis, regulamentações, códigos e normas aplicáveis. Pés (pés) Metros (m) 0,305
Jardas (yd.) Metros (m) 0,914
As ilustrações, gráficos e exemplos de programas e de layout Milímetros (mm) Polegadas (pol.) 0,0394
mostrados neste catálogo são apenas para fins ilustrativos. Visto que Centímetros (cm) Polegadas (pol.) 0,394
há diversas variáveis e requisitos associados a qualquer instalação em Metros (m) Pés (pés) 3,28
especial, a Rockwell Automation não assume responsabilidade Metros (m) Jardas (yd.) 1,09
(incluindo responsabilidade por propriedade intelectual) pelo uso Área
real baseado nos exemplos mostrados nesta publicação.
Polegadas quadradas (pol.2) Milímetros quadrados (mm2) 645,0
A Publicação SGI-1.1, “Diretrizes de Segurança para Aplicação, Centímetros quadrados
Instalação e Manutenção dos Dispositivos de Controle Eletrônico” Polegadas quadradas (pol.2) 6,45
(cm 2)
(disponível no escritório local Rockwell Automation) descreve Pés quadrados (pés2) Metros quadrados (m2) 0,0929
algumas diferenças importantes entre os equipamentos eletrônicos e 2 2
dispositivos eletromecânicos que devem ser levadas em consideração Jardas quadradas (pol. ) Metros quadrados (m ) 0,836
ao utilizar os produtos conforme descritos neste catálogo. 2
Milímetros quadrados (mm ) Polegadas quadradas (pol. ) 2 0,00155
Centímetros quadrados
Serviços e Condições de Instalação — A não ser que esteja Polegadas quadradas (pol.2) 0,155
(cm 2)
descrito de outra forma, os produtos descritos neste catálogo foram
Metros quadrados (m2) Pés quadrados (pés2) 10,8
projetados para atender “condições normais de instalação e serviço”
conforme definido pela NEMA (National Electrical Manufacturers Metros quadrados (m2) Jardas quadradas (pol.2) 1,20
Association), Publicação de Normas – Parte ICS 1-108. Os Peso
dispositivos do tipo aberto devem ser fornecidos com proteção Onças (oz.) Gramas (g) 28,3
ambiental através de montagem apropriada em gabinetes, projetados Libras (lb) Quilogramas (kg) 0,454
para condições de aplicação específicas.
Gramas (g) Onças (oz.) 0,0353
Consulte as páginas 1-7 e 1-9 deste catálogo para informações sobre Quilogramas (kg) Libras (lb) 2,20
gabinetes e esclarecimentos quanto aograu de proteção oferecidos Volume
pelos diferentes tipos, baseado na NEMA Publicação de Normas Polegadas cúbicas (pol.3) Centímetros cúbicos (cm3) 16,4
250 e Publicação IEC 529, conforme aplicável.
Pés cúbicos (pés3) Metros cúbicos (m3) 0,0283
Informações sobre Desempenho — As informações sobre Polegadas cúbicas (pol.3) Litros (L) 0,0164
desempenho fornecidas neste catálogo têm por objetivo servir como Pés cúbicos (pés3) Litros (L) 28,3
um guia ao usuário para determinar a aplicabilidade e não constitui Galões (Imp) Litros (L) 4,55
uma garantia. Pode representar o resultado de testes acelerados com Galões (US) Litros (L) 3,79
níveis de stress elevados e o usuário deve correlacioná-lo aos
requisitos da aplicação real. O desempenho real está sujeito à Centímetros cúbicos (cm3) Polegadas cúbicas (pol.3) 0,061
GARANTIA e ao LIMITE DE RESPONSABILIDADE da Metros cúbicos (m ) 3
Pés cúbicos (pés3) 35,3
Rockwell Automation/Allen-Bradley (veja os Termos e Condições Litros (L) Polegadas cúbicas (pol.3) 61,0
de Vendas da Rockwell Automation/Allen-Bradley na página 1-4).
Litros (L) Pés cúbicos (pés3) 0,0353
Litros (L) Galões (Imp) 0,220
Litros (L) Galões (US) 0,264
Pressão
Libras/polegada quadrada Kilo Pascals (kPa) 6,89
(psi)
Libras/polegada quadrada Bars (Bar) 0,0689
(psi)
Kilo Pascals (kPa) Libras/polegada quadrada 0,145
(psi)
Bars (Bar) Libras/polegada quadrada 14,5
(psi)
Torque
Libra por polegada (lb/pol.) Metros Newton (Nm) 0,113
Metros Newton (Nm) Libra por polegada (lb/pol.) 8,85
Temperatura
Graus Fahrenheit (°F) Graus Celsius (°C) !
Graus Celsius (°C) Graus Fahrenheit (°F) "
! Fórmula de Conversão: 5/9 (°F – 32 °F) = °C
" Fórmula de Conversão: 9/5 (°C) + 32 °F = °F

Geral-3
Geral
Termos e Condições de Vendas

Estes termos e condições gerais de vendas aplicam-se somente às vendas diretas C. Reparo na Fábrica e Troca no Campo: O vendedor garante
dos fabricantes ou seus afiliados. As vendas através dos distribuidores por um período de seis (6) meses a partir da data da nota fiscal
selecionados e outros revendedores independentes estarão sujeitas ao termos e do Vendedor ou de seu distribuidor indicado, conforme o caso,
condições de vendas conforme pode ser estabelecido separadamente para cada um que os Produtos de hardware fornecidos neste contrato, que
destes distribuidores e revendedores. As vendas fora da América do Norte, assim podem ser faturados ou reparados em fábrica sem garantia ou
como as vendas dos produtos e serviços da Rockwell Automation, também podem trocados em campo, não apresentarão defeitos de material e de
estar sujeitos a termos e condições de vendas separados ou suplementares. Para fabricação. Os Produtos fornecidos à base de troca podem ser
mais informações, entre em contato com o Escritório de Vendas da Rockwell novos ou recondicionados.
Automation/Allen-Bradley. D. Serviço: O Vendedor garante que os Produtos constituídos de
Geral — Estes termos e condições gerais de vendas (juntamente serviços, incluindo serviços de engenharia e de programação do
com quaisquer especificações ou orçamentos associados escritos irão aplicativo do cliente, fornecidos com base em um custo ou com
governar exclusivamente a venda ou licenciamento pelo Vendedor base em um período em material, serão desempenhados de
de todas as mercadorias e serviços (incluindo sem limitações acordo com as práticas industriais geralmente aceitas, sendo que
produtos de software, hardware e firmware, treinamento, tais serviços estão sujeitos a critérios de aceitação acordados
programação, manutenção, engenharia, peças e serviços de reparo antecipadamente por escrito pelo Vendedor. Todas as outras
— coletivamente denominados “Produtos”) mencionados abaixo. garantias relativas aos serviços fornecidos são renunciadas.
Nenhuma adição ou modificação destes termos e condições E. Especificações do Cliente: O Vendedor não garante e não será
constantes deste documento deverão ser vinculados ao Vendedor a responsável por critérios de projeto, materiais e de construção
menos que esteja por escrito e assinado por um representante fornecidos ou especificados pelo Cliente e incorporados aos
autorizado da Sede do Vendedor. O Vendedor pode fazer objeção a Produtos ou para os Produtos feitos por ou originais de outros
outros termos e condições que possam ser propostos pelo cliente e fabricantes ou fornecedores especificados pelo Cliente.Toda
que não estejam consistentes com estes ou outros termos e garantia aplicável a estes Produtos Especificados pelo Cliente
condições estabelecidos em especificações, orçamentos ou pedidos estarão limitadas unicamente à garantia, se houver, fornecida pelo
conhecidos e por escrito no material do Vendedor. fabricante ou fornecedor original e não pela garantia do
Condições de Pagamento — Trinta (30) dias corridos a partir da Vendedor nos termos permitidos neste contrato.
data da fatura com o crédito aprovado contínuo conforme F. Remediações: A satisfação das garantias acima estará limitada,
determinado pelo Vendedor. O Vendedor se reserva o direito de a critério do Vendedor, à substituição, reparo, re-manufatura ou
suspender qualquer obrigação futura advinda deste contrato, caso o modificação, ou emissão de crédito pelo preço de aquisição dos
pagamento não seja feito na data devida. Não é permitido nenhum Produtos envolvidos, e onde aplicável, somente após a devolução
pagamento por compensação sem a aprovação do Vendedor. de tais Produtos com o consentimento do Vendedor. Os
Condições de Entrega — As condições de entrega são Ex Works Produtos Substituídos podem ser novos ou recondicionados.
em relação aos custos de envio, risco de perda e transferência de Todo serviço de garantia (constituído de tempo, deslocamento
direito de propriedade, exceto os direitos de propriedade intelectual e despesas relativas a tais serviços) desempenhados fora da
associados aos Produtos (p. ex.: software e firmware) que fábrica do Vendedor, ficará a cargo do Cliente.
permanecem com o Vendedor (ou seus fornecedores e G. Geral: A satisfação da garantia está disponível somente se (a) o
licenciadores). Além disso, tais produtos são disponibilizados ou Vendedor for comunicado imediatamente por escrito e (b) se a
licenciados somente para o uso do cliente conforme este contrato ou análise do Vendedor determinar, para esta satisfação, que
outro contrato de licença do Vendedor. As datas de envio declaradas nenhum defeito alegado tenha sido causado por uso indevido;
são apenas estimadas e são baseadas no pronto recebimento todas as negligência; instalação, operação, manutenção, reparo, alteração
informações necessárias a serem fornecidas pelo cliente. ou modificação indevida; acidente; ou deterioração ou
Garantia — degradação típica dos Produtos ou suas partes devido ao
ambiente físico ou ao ambiente com ruído elétrico ou
A. Hardware: O vendedor garante por período de um (1) ano a eletromagnético.
partir da data da fatura do Vendedor ou dos distribuidores
H. AS GARANTIAS ACIMA SUBSTITUEM TODAS AS
indicados, de acordo com a situação, que os Produtos de OUTRAS GARANTIAS EXPRESSAS, SUBENTENDIDAS
hardware fornecidos neste contrato atenderão o uso a que se OU ESTATUTÁRIAS, INCLUINDO GARANTIAS
destinam, livre de material, mão-de-obra e projeto defeituosos. SUBENTENDIDAS DE PADRÃO DE QUALIDADE DO
Os Produtos reparados ou de substituídos em garantia têm PRODUTO E OU ADEQUAÇÃO PARA UM USO EM
PARTICULAR, OU GARANTIAS DE DESEMPENHO OU
garantia de seis (6) meses a partir da data de embarque para o DE APLICAÇÃO, E SÃO APLICÁVEIS SOMENTE AOS
Cliente ou pelo restante do prazo da garantia original, o que for CLIENTES QUE COMPRAM DO VENDEDOR OU DE
mais longo. DISTRIBUIDOR INDICADO PELO VENDEDOR.
B. Software e Firmware: A menos que o contrário seja acordado Limite de Responsabilidade — EM NENHUMA CIRCUN-
em um contrato de licenciamento do Vendedor ou de terceiros, STÂNCIA O VENDEDOR SERÁ RESPONSÁVEL POR
o Vendedor garante por um período de um (1) ano a partir da DANOS INCIDENTAIS, INDIRETOS OU CONSEQUENTES
data de emissão da nota fiscal pelo Vendedor ou por distribuidor DE QUALQUER TIPO. A RESPONSABILIDADE CUMULA-
indicado, conforme o caso, que os Produtos de software ou TIVA MÁXIMA DO VENDEDOR REFERENTE A TODAS AS
firmware aqui fornecidos terão desempenho de acordo com as OUTRAS REIVINDICAÇÕES E RESPONSABILIDADES,
especificações publicadas preparadas, aprovadas e emitidas pela INCLUINDO AS QUE SE REFEREM AOS
sede do Vendedor quando usados de acordo com o hardware
especificado pelo Vendedor. Em nenhuma circunstância, o
Vendedor fará representação, expressa ou implícita, de que a
operação dos Produtos de software ou firmware será ininterrupta
ou isenta de erro ou que as funções contidas no software ou
firmware atenderão as intenções de uso ou requerimentos do
Cliente. As correções de software e firmware são garantidas por
três (3) meses a partir da data de embarque para o Cliente ou pelo
restante do prazo da garantia original, o que for mais longo.

Geral-4
Geral
Termos e Condições de Vendas

DANOS DIRETOS E OBRIGAÇÕES SOB QUALQUER Pesos e Dimensões — Os pesos e dimensões publicados são
INDENIZAÇÃO, SEGURADOS OU NÃO, NÃO EXCED- apenas estimados ou aproximados e não são garantidos.
ERÃO O CUSTO DOS PRODUTOS QUE GERARAM A
REIVINDICAÇÃO OU RESPONSABILIDADE. TODA AÇÃO Cotações — Cotações escritas são válidas por 30 dias a partir da
CONTRA O VENDEDOR DEVE SER COLOCADA DENTRO emissão a menos que declarado em contrário. Cotações verbais são
DE DEZOITO (18) MESES APÓS A CAUSA DA AÇÃO válidas somente para o dia em que são feitas. Todo erro tipográfico e
RESULTANTE. ESTAS DESQUALIFICAÇÕES E LIMI- clerical está sujeito a correção.
TAÇÕES DE RESPONSABILIDADE SERÃO APLICÁVEIS
INDEPENDENTE DE QUALQUER OUTRO DISPOSITIVO Preços — Preços e outras informações exibidos em qualquer
DO ACORDO EM CONTRÁRIO E INDEPENDENTE DA publicação do Vendedor (inclusive catálogos de produto e
FORMA DA AÇÃO, DEFINIDA OU NÃO EM CONTRATO, brochuras) estão sujeitos a alteração sem comunicação e
DELITO OU NÃO E SERÃO ESTENDIDAS PARA BENEFI- confirmação pela cotação específica. Tais publicações não são
CIAR OS FORNECEDORES DO VENDEDOR, OS DISTRI- ofertas para venda e são mantidas apenas como uma fonte de
BUIDORES INDICADOS E OUTROS REVENDEDORES informações gerais. O cliente pagará ou reembolsará o Vendedor por
AUTORIZADOS COMO BENEFICIÁRIOS TERCEIROS. todos os impostos de vendas, uso, consumo ou similares. Os
TODO DISPOSITIVO NO ACORDO QUE PREVEJA UMA Produtos constituídos de serviços por tempo e por material serão
LIMITAÇÃO DE RESPONSABILIDADE, DESQUALIFI- fornecidos de acordo com as taxas de serviço publicadas pelo
CAÇÃO DE GARANTIA OU CONDIÇÃO OU EXCLUSÃO Vendedor (incluindo hora extra e despesas de deslocamento
DE DANOS É RIGOROSA E INDEPENDENTE DE aplicáveis) com efeito na data em que os serviços foram fornecidos,
QUALQUER OUTRO DISPOSITIVO E DEVE SER EXE- a menos que confirmado em contrário por cotação escrita do
CUTADA COMO TAL. Vendedor ou outra notificação. Tempo de serviço que pode ser
faturado inclui tempo de deslocamento para e da planta do trabalho
Propriedade Intelectual — O Vendedor defenderá todo processo e todo o tempo em que os representantes do Vendedor estiverem
ou trâmite movido contra o cliente com base em uma reivindicação disponíveis para o trabalho ou aguardando (na planta onde o
de que o projeto ou construção do Produto vendido ou licenciado trabalho será realizado ou não) para desempenhar os serviços.
neste contrato pelo Vendedor infrinja qualquer Registro de Patente,
Direitos Autorais ou Máscara de Trabalho dos Estados Unidos ou Alterações — Alterações de pedido solicitadas pelo cliente,
Canadá, desde que o cliente comunique imediatamente e por escrito incluindo alterações que afetam a identidade, o escopo e a entrega
o Vendedor sobre tal reivindicação e processo ou trâmite resultante e dos Produtos, devem ser documentadas por escrito e estão sujeitas à
desde que ainda, a cargo do Vendedor, (a) o cliente forneça ao aprovação prévia do Vendedor e ajustes em preço, cronograma e
Vendedor o direito único de defender ou controlar a defesa do outros termos e condições afetados. O Vendedor reserva-se sempre
processo ou trâmite, incluindo acordos, e (b) o cliente forneça todas o direito de rejeitar qualquer alteração que julgue insegura,
as informações e assistência necessárias à defesa. Exceto por tecnicamente não recomendada ou inconsistente com as orientações
qualquer dano resultante, o Vendedor pagará todos os custos e e normas de engenharia e de qualidade estabelecidas, ou que sejam
danos finalmente concedidos ou acordados pelo Vendedor, que incompatíveis com as capacidades de projeto ou manufatura do
sejam diretamente relacionados à tal reivindicação. No evento de um Vendedor.
encargo por infração a obrigação do Vendedor conforme o Acordo
será cumprida se o Vendedor, a seu próprio critério e despesa, (i) Devoluções — Todas as devoluções de Produtos estarão sujeitas a
obtiver o direito para que o cliente continue a usar tais Produtos; (ii) aprovação prévia do Vendedor. Devoluções sem garantia de
substitua os mesmos por Produtos que não causem uma infração; Produtos não usados e vendáveis para crédito estarão sujeitas às
(iii) modifique os Produtos de forma a torná-los adequados; ou (iv) políticas de devolução do Vendedor com efeito na ocasião da
aceite a devolução de qualquer Produto que cause uma infração e devolução, incluindo cobranças de recolocação em estoque e outras
reembolse o preço de compra. Não obstante o previsto condições de devolução. Os Produtos devolvidos sob garantia
anteriormente, o Vendedor não será responsável por qualquer devem ser devidamente embalados e enviados aos locais
reivindicação de infração no que se refere a uma configuração ou especificados pelo Vendedor. Os recipientes de envio devem estar
modificação incorporada aos Produtos a pedido do cliente, em um claramente identificados de acordo com as instruções do Vendedor e
aplicativo de processo no qual os Produtos são integrados pelo o frete do envio pré-pago pelo cliente.
cliente, ou no uso de Produtos em combinação com outros
equipamentos ou produtos não fornecidos pelo Vendedor. ESTE Cancelamento de Pedido — Um pedido pode ser cancelado pelo
PARÁGRAFO PREVÊ TODA A RESPONSABILIDADE DO cliente antes do embarque somente através de comunicado escrito e
VENDEDOR COM RELAÇÃO À PROPRIEDADE mediante pagamento ao Vendedor das cobranças de cancelamento e
INTELECTUAL E INFRAÇÃO DE PATENTES POR de recolocação em estoque, incluindo reembolso de custos diretos
QUALQUER PRODUTO (INCLUINDO PROGRAMAS DE mais custos por interrupção. As cobranças de cancelamento
SOFTWARE, EQUIPAMENTOS OU PRODUTOS DESTE associadas à pedidos para Produtos do cliente ou Produtos
CONTRATO) OU POR SUAS OPERAÇÕES E SUBSTITUI manufaturados especificamente de acordo com as especificações do
TODAS AS GARANTIAS E CONDIÇÕES REFERENTES À cliente podem ser equivalentes ao valor de venda dos Produtos. O
INFRAÇÃO OU PROPRIEDADE INTELECTUAL, EXPRESSA Vendedor tem o direito de cancelar um pedido por justa causa, em
OU IMPLÍCITA. qualquer momento através de comunicação escrita, e o Vendedor
Software Licenciado e Firmware — Os Produtos constituídos de terá o direito a despesas de cancelamento e de recolocação em
software ou firmware podem estar sujeitos à termos e condições adi- estoque como identificado acima. Nenhuma rescisão por parte do
cionais previstas em acordos de licença adicionais do Vendedor que cliente por justa causa será efetiva a menos que e até que o Vendedor
estabelecerão controles, dentro do necessário, para solucionar confli- falhe ao corrigir a causa alegada dentro de quarenta e cinco (45) dias
tos com os termos e condições estabelecidos neste contrato. Tais após o recebimento da comunicação escrita do cliente especificando
Produtos não serão entregues ou disponibilizados até que o cliente a justa causa.
concorde também com os termos e condições destes acordos de
licença adicionais.
Embalagem e Identificação — A embalagem ou identificação
especificada pelo Cliente pode estar sujeita a cobranças adicionais
não incluídas no preço dos Produtos.

Geral-5
Geral
Termos e Condições de Vendas

Força Maior — O Vendedor não será responsável por perda, dano Disputas — As partes tentarão de boa fé resolver prontamente
ou atraso decorrente de sua falha no cumprimento deste contrato qualquer disputa que surja deste acordo através de negociações entre
devido a causas fora de seu controle, incluindo sem limitar, atos de os representantes que tenham autoridade para decidir a controvérsia.
Deus ou do cliente, atos de autoridade civil ou militar, incêndios, Caso não seja bem sucedido, as partes tentarão ainda de boa fé,
greves, inundações, epidemias, restrições de quarentena, guerra, decidir a disputa através de mediação por terceiros neutros, com
manifestações, atrasos no transporte ou embargos no transporte. taxas e despesas de tal mediação rateados igualmente para cada lado.
No caso de tal atraso, a(s) data(s) para desempenho do Vendedor Toda disputa não resolvida pela negociação ou mediação pode então
será(ão) estendida(s) por qualquer período de tempo que seja ser submetida à corte da jurisdição competente de acordo com os
razoavelmente necessário para compensar o atraso. termos deste acordo. Estes procedimentos são exclusivos para a
resolução de tais disputas entre as partes.
Clausulas e Contratos Governamentais — Nenhuma
regulamentação ou cláusula de contrato governamental será aplicável Lei Aplicáveis — Este acordo e todas as disputas que surjam dele
aos Produtos ou a este acordo ou ato para comprometer o Vendedor serão governadas e interpretadas de acordo com as leis internas do
a menos que devidamente acordado pelo Vendedor por escrito na estado, província ou outra jurisdição governamental na qual o
sede do Vendedor. Os Produtos vendidos ou licenciados neste principal local de trabalho do Vendedor esteja situado, porém
contrato não têm por objetivo serem usados e não devem ser usados excluindo especificamente os dispositivos da Convenção das Nações
em qualquer aplicação com relação nuclear, seja como um Unidas de 1980 sobre Contratos para Vendas Internacionais de
“Componente Básico” de acordo com 10 CFR 21 (NRC Estados Produtos.
Unidos) ou outro, sob leis e regulamentações nucleares similares
deste ou de qualquer outro país. Atribuição — Este acordo não pode ser atribuído a terceiros por
qualquer uma das partes sem consentimento escrito da outra,
Controle de Exportação — Os Produtos e materiais associados entretanto, não será solicitado consentimento para transferências
fornecidos ou licenciados neste acordo podem estar sujeitos a internas e atribuições entre o Vendedor e suas filiais, subsidiárias e
diversas leis de regulamentações de exportação. É responsabilidade do corporações como parte de uma consolidação, fusão ou outra forma
exportador estar em conformidade com tais leis e regulamentações. de reorganização corporativa.

Idioma — As partes reconhecem que solicitaram que este acordo


fosse redigido em inglês. Les parties reconnaissent avoir exigé la
rédaction en anglais du Contrat. No caso de um conflito entre
versões deste contrato em inglês e em outro idioma, a versão em
inglês prevalecerá.

Geral-6
Geral
Manutenção do Equipamento de Controle Industrial

ATENÇÃO: O Equipamento de Controle Industrial energizado e em operação pode ser perigoso. Danos físicos, ou até mesmo a morte, podem
ser resultados de choque elétrico, queimaduras ou atuação inesperada do equipamento de controle. Recomenda-se a prática de desconectar e
travar o equipamento de controle das fontes de alimentação e liberar a energia armazenada, se estiver presente. Consulte a National Fire
Protection Association Norma No. NFPA70E, Parte II e (se aplicável) as normas OSHA para Controle de Fontes de Energia
Perigosas (travamento/Identificação) e as Práticas de Trabalho Relacionadas à Segurança Elétrica da OSHA sobre a segurança
relacionada às práticas de trabalho, incluindo as exigências para o processo de travamento/identificação e as práticas apropriadas de trabalho, as
qualificações de pessoal e as exigências de treinamento quando não for viável desenergizar, travar e identificar circuitos elétricos e o equipamento
antes de trabalhar nas partes expostas do circuito ou próximo às mesmas.
Inspeção Periódica — o equipamento de controle industrial deve substitua o gabinete, se necessário. As tampas e os corpos de alguns
ser inspecionado periodicamente. Os intervalos de inspeção devem gabinetes são fabricados como um conjunto (sem possibilidade de
basear-se nas condições ambientais e operacionais e ser ajustado troca). O fabricante deverá ser consultado antes da substituição de
conforme indicado pela experiência. Sugerimos uma inspeção inicial uma tampa ou de um corpo, a menos que seja especificado pelo fab-
dentro de 3 a 4 meses depois da instalação. Consulte a NEMA ricante como “passível de permuta”.
(National Electrical Manufacturers Association) Norma No. ICS 1.3,
Manutenção Preventiva dos Equipamentos de Controle e Sistemas Mecanismos de Operação — Verifique o funcionamento
Industriais), sobre as diretrizes gerais para estabelecer um programa adequado e a capacidade para não sofrerem emperramento ou
de manutenção periódica. Sugerimos que seja estabelecido um aglutinação. Substitua quaisquer peças ou conjuntos quebrados,
programa de manutenção periódica. Algumas diretrizes específicas deformados ou gastos, de acordo com a lista de peças para
para o produto da Rockwell Automation/Allen-Bradley são descritas renovação do produto específicos. Verifique e aperte livremente os
abaixo. fechos frouxos. Lubrifique-os caso esteja especificado nas instruções
particulares do produto.
Contaminação — Caso a inspeção revele que a poeira, sujeira, Obs. : Os acionadores magnéticos, contatores e os relés da Rockwell
umidade ou outra contaminação esteja interferindo no equipamento
Automation/Allen-Bradley são projetados para operar sem
de controle, a causa deve ser eliminada. Isso pode indicar um lubrificação — não lubrifique estes dispositivos, pois o óleo ou a
gabinete ineficiente ou incorretamente selecionado, aberturas no
graxa nas faces do pólo (superfícies correspondentes) do ímã de
gabinete não vedadas (eletroduto ou outros) ou procedimentos operação pode ocasionar o travamento do dispositivo na posição
incorretos de operação. Substitua o gabinete selecionado
“ON”. Algumas partes de outros dispositivos vêm lubrificadas de
indevidamente por um que seja apropriado às condições ambientais fábrica – se a lubrificação durante o uso ou a manutenção desses
— consulte a norma NEMA No. 250, Gabinetes para
dispositivos for necessária, isto deverá ser determinado nas
Equipamentos Eléctricos para as descrições do tipo de gabinete e instruções específicas. Em caso de dúvida, procure um escritório
critérios de teste. Substitua quaisquer vedações de elastrômero
mais próximo da Rockwell Automation.
danificadas ou quebradiças e conserte ou substitua quaisquer outras
partes danificadas ou com mau funcionamento (p. ex.: dobradiças, Contatos — Verifique os contatos quanto ao acúmulo de sujeira e
fechos etc.). Dispositivos de controle contaminados, úmidos ou desgaste excessivo. Aspire ou limpe os contatos com um pano
sujos devem ser substituídos a menos que possam ser efetivamente macio, se necessário, para remover a poeira. Os contatos não são
limpos por aspiração ou esfrega. Não é recomendado utilizar ar prejudicados pela descoloração ou pequenos furos. Os contatos
comprimido para a limpeza, pois pode deslocar a sujeira ou a poeira nunca devem ser lixados, pois isto diminui a sua vida útil. Os
para outras partes ou ouro equipamento ou danificar as partes limpadores à base de spray não devem ser utilizados, pois seus
delicadas. resíduos nas faces do pólo magnético nos mecanismos de operação
podem causar travamento e nos contato podem interferir na
Dispositivos de Resfriamento — Inspecione os exaustores e continuidade elétrica. Os contatos devem somente ser substituídos
ventiladores utilizados para o resfriamento de ar forçado. Substitua se a prata estiver desgastada. Sempre substitua os conjuntos
qualquer pá que tenha dobrado, lascado ou esteja faltando, ou caso o completos dos contatos para evitar o desalinhamento e pressão
eixo não esteja girando livremente. Energize momentaneamente irregular dos mesmos.
para verificar a operação. Caso a unidade não funcione, verifique e
substitua a fiação, o fusível ou o exaustor ou o motor do ventilador, Contatores a Vácuo — Os contatos dos contatores a vácuo não
se apropriado. Limpe ou troque os filtros de ar conforme são visíveis e, portanto, seu desgaste deve ser verificado
recomendado no manual do produto. Além disso, limpe as aletas dos indiretamente. As ampolas de vácuo devem ser substituídas quando:
trocadores de calor para que o resfriamento por convenção não seja O número estimado de operações totaliza um milhão ou
prejudicado.
O indicador do tempo de vida do contato mostra a necessidade de
Gabinetes em Áreas Classificadas — substituição, ou
ATENÇÃO: Risco de Explosão. Sempre desconecte a
alimentação antes de abrir os gabinetes em locais Os testes de integridade da ampola de vácuo indicam a necessidade
de substituição.
classificados. Feche com segurança tais gabinetes antes
Substitua todas as ampolas de vácuo no contator ao mesmo tempo
de reaplicar a alimentação. para evitar desalinhamento e uso irregular do contato. Caso as
ampolas de vácuo não necessitem de substituição, verifique e ajuste a
Localização dos Gabinetes — os gabinetes NEMA Tipos 7 e 9 ultrapassagem de percurso, de acordo com o valor especificado nas
requerem manuseio cuidadoso para que as flanges usinadas não instruções de manutenção.
sejam danificadas. Para coberturas removíveis, remova a tampa e
coloque-a de lado com a superfície usinada para cima. Para tampas Terminais — As conexões soltas no circuito de alimentação podem
fixas por dobradiças, abra a tampa completamente e a mantenha causar superaquecimento, provocando falhas ou mau
nessa posição se necessário. Limpe e verifique as flanges tanto do funcionamento do equipamento. As conexões soltas nos circuitos de
corpo quanto da tampa antes de montá-la novamente. Caso existam controle podem causar maus funcionamento do controle. As
arranhões, cortes ou ferrugens nas superfícies correspondentes, sub- conexões de ligações e do aterramento podem aumentar os riscos de
stitua o corpo ou a tampa, se necessário. Examine todos os parafu- choque elétrico e contribuir para interferência eletromagnética
sos e substitua aqueles que apresentarem roscas danificadas. (EMI). Verifique as conexões de todos os terminais e as conexões de
Verifique também se as roscas correspondentes não apresentam barramento e aperte de forma segura todas as conexões soltas.
danos e Substitua quaisquer peças ou fiação danificadas pelo
superaquecimento e quaisquer fios quebrados ou tiras de ligação.
Contatores do arco — Verifique-os em caso de rachaduras ou
erosão profunda. Os condutores e contatores do arco devem ser
substituídos caso estejam danificados ou profundamente corroídos.
Geral-7
Geral
Manutenção do Equipamento de Controle Industrial

Bobinas — Caso uma bobina apresente sinais de superaquecimento Teste de Alta Tensão — Os testes de resistência de alta tensão (IR)
(rachadura, derretimento ou queimadura), a mesma deverá ser e de tensão de resistência dielétrica (DWV) não devem ser utilizados
substituída. Nesse caso, verifique as condições de sobretensão ou para verificar o equipamento de controle de estado sólido. Ao medir
subtensão que podem causar falhas na bobina. Certifique-se de a IR ou a DWV de um equipamento elétrico, tais como
limpar qualquer resíduos de isolamento da bobina derretida de transformadores ou motores, um dispositivo de estado sólido
outras partes do dispositivo ou substituir tais partes. utilizado para controle ou monitoração deve ser desconectado antes
da realização do teste. Mesmo que não ocorram danos
Baterias — substitua as baterias periodicamente como especificado aparentemente após os testes de IR ou DWV, os dispositivos de
no manual do produto ou caso as mesmas apresentem sinais de estado sólido são degradados e uma aplicação repetida de alta tensão
vazamento de eletrólitos. Utilize ferramentas para manusear as pode causar falhas.
baterias que apresentarem tal vazamento; a maioria dos eletrólitos é
corrosiva, podendo causar queimaduras. Descarte a bateria antiga de Dispositivos de Travamento e Intertravamento — Verifique
acordo com as instruções fornecidas na nova bateria ou conforme estes dispositivos quanto a condição adequada de trabalho e
especificação no manual do produto. capacidade de desempenho de suas funções. Realize quaisquer
substituições que se façam necessárias somente utilizando peças
Sinalizadores — Substitua as lâmpadas queimadas ou as lentes conjuntos novos da Rockwell Automation/Allen-Bradley. Ajuste ou
danificadas. conserte os dispositivos somente de acordo com as instruções da
Rockwell Automation/Allen-Bradley.
Chaves Fotoelétricas — As lentes das chaves fotoelétricas
necessitam de limpeza periódica com um pano limpo e seco. Os Manutenção Após uma Condição de Falha — A abertura do
dispositivos refletidos utilizados juntamente com as chaves dispositivo de proteção do curto-circuito (tais como fusíveis ou
fotoelétricas também necessitam de uma limpeza periódica. Não disjuntores) em um circuito de derivação do motor adequadamente
utilize solventes ou agentes para limpeza nas lentes ou refletores. coordenado é uma indicação da condição de falha devido à
Substitua quaisquer lentes ou refletores danificados. sobrecarga de operação. Tais condições podem causar danos no
equipamento de controle. Antes da reenergização, a condição de
Dispositivos de Estado Sólido — falha deve ser corrigida, bem como quaisquer reparos ou
substituições necessários devem ser realizados no equipamento,
ATENÇÃO: O uso de qualquer outro equipamento visando o bom funcionamento do equipamento de controle.
que não o recomendado pela fábrica pode resultar em Consulte a Publicação das Normas NEMA No. ICS-2, Parte
danos ao equipamento de controle e teste ou atuação ICS2-302 para obter os procedimentos.
imprópria do equipamento de controle. Consulte o Substituições — Utilize somente peças e dispositivos
parágrafo entitulado TESTE DE ALTA TENSÃO. recomendados pela Rockwell Automation/Allen-Bradley para
manter a integridade do equipamento. Certifique-se de que as peças
Os dispositivos de estado sólido necessitam apenas de uma simples são adequadas ao modelo, à série e ao nível de revisão do
inspeção visual periódica. Os componentes descoloridos, equipamento.
carbonizados superficialmente ou queimado podem indicar que o
componente ou a placa do circuito necessitam de substituição. As Verificação Final — Após a manutenção ou reparo dos controles
substituições necessárias devem ser feitas somente na placa do PC ou industriais, sempre teste o sistema de controle para verificar o
no nível de componentes encaixáveis. As placas de circuito impresso funcionamento apropriado em condições que evitem riscos, em caso
devem ser inspecionadas para determinar se estão posicionadas de mau funcionamento do controle.
adequadamente nos conectores na borda das placas. As travas das
placas também devem estar posicionadas corretamente. Os Para informações adicionais, consulte as Normas NEMA ICS
dispositivos de estado sólido devem ser protegidos contra 1.3, MANUTENÇÃO PREVENTIVA DE EQUIPAMENTOS
contaminação e devem ser mantidas as precauções de resfriamento —
consulte os parágrafos entitulados CONTAMINAÇÃO e DE SISTEMAS E CONTROLES INDUSTRIAIS, publicado
DISPOSITIVOS DE RESFRIAMENTO na página anterior. Não pela NEMA (National Electrical Manufacturers Association) e
devem ser utilizados solventes nas placas de circuito impresso. a NFPA70B, MANUTENÇÃO DO EQUIPAMENTO
ELÉTRICO, publicado pela NFPA (National Fire Protection
Association).

Geral-8
Geral
Gabinetes IEC

Grau de proteção
Primeiro Numeral ! Segundo Numeral !
A Publicação 529 da IEC descreve as normas de Grau de Proteção
para as quais os gabinetes de um produto são projetados quando Proteção de pessoas contra o acesso a Proteção contra a entrada de
instalados adequadamente. partes perigosas e proteção contra a
água sob condições específicas de
penetração de objetos sólidos
teste no IEC 529.
estranhos.
Resumo
0 Não protegido 0 Não protegido
A publicação define o grau de proteção em relação a:
1 Parte de trás da mão; objetos com 2 Gotas de água caindo
• Pessoas mais de 50 mm de diâmetro verticalmente
• Equipamentos dentro do gabinete
• Entrada de água 3 Dedos; objetos com mais de 4 Gotas de água caindo
12,5 mm de diâmetro verticalmente com o gabinete
A publicação não define: inclinado 15°

• Proteção contra risco de explosão 5 Ferramentas ou objetos maiores 6 Água pulverizada


• Proteção ambiental (p. ex.: contra umidade, atmosferas ou fluidos do que 2,5 mm de diâmetro
corrosivos, fungos ou a entrada de pequenos animais e insetos) 7 Ferramentas ou objetos maiores 8 Água borrifada
do que 1,0 mm de diâmetro
Observação: Os requisitos de teste do IEC para Graus de Proteção
contra a entrada líquidos referem-se apenas para água. Aqueles produtos 9 Protegido contra poeira 10 Jatos de água
que estão no catálogo, que têm um alto grau de proteção contra entrada
d líquidos, na maioria dos casos incluem selos de Nitrilo. Estes têm boa (a poeira pode entrar durante
resistência a vários óleos, fluidos, refrigerantes e cortantes. Entretanto, o teste específico, mas não deve
alguns dos lubrificantes disponíveis, fluidos hidráulicos e solventes podem interferir na operação do
causar deterioração severa do Nitrilo e de outros polímeros. Alguns dos equipamento ou desativar a
produtos listados estão disponíveis com selos de Viton ou outros segurança)
materiais para melhorar a resistência a tais líquidos. Para orientação
específica sobre esse assunto, consulte o Escritório de Vendas da 11 À prova de poeira (nenhuma 12 Jatos forte de água
Rockwell Automation, veja qual é o mais próximo na Seção 21 deste poeira é observada dentro do
catálogo. 13 Submersão temporária
gabinete no final do teste)
14 Submersão contínua
Classificação de Gabinetes IEC
O grau de proteção é indicado por duas letras (IP) e dois numerais. Exemplo: O IP41 descreve um gabinete projetado com proteção contra a
A Norma Internacional IEC 529 contém as descrições e os entrada de ferramentas ou objetos maiores do que 1 mm de diâmetro e
para proteger contra água pingando verticalmente sob as condições
requisitos dos testes associados que definem o grau de proteção que específicas de teste.
cada numeral especifica. A tabela a seguir indica o grau geral de
proteção — consulte as Descrições Resumidas dos Requisitos Obs.: Todos os numerais na primeira ou segunda posição, e incluindo, o
de Teste do Gabinete IEC abaixo. Para os requisitos completos numeral de característica 6, implicam na conformidade também com os
dos testes, consulte o IEC 529. requisitos para todos os numerais característicos menores em suas séries
respectivas (primeira ou segunda). Os numerais 7 e 8 na segunda posição
não implicam adequação para a exposição a jatos de água (segundo numeral
Classificação das Descrições Resumidas dos de característica 5 ou 6) a não ser quando codificados duplamente; p. ex.:
Requisitos de Teste de Gabinete IEC IP_5/IP_7.
(Consulte o IEC 529 para as especificações completas do teste — ex.: ! A norma IEC permite o uso de certas letras suplementares com os números de
configuração do mecanismo de teste; tolerâncias etc. Para fatores de características. Se tais letras forem usadas, consulte a IEC 529 para maiores
Conversão Métrica — consulte a página 1-3.) explicações.

IP0_ — Nenhum teste requisitado.


Testes para Proteção contra o Acesso a Parte Perigosas
(primeiro numeral de característica) IP1_ — Uma esfera rígida de 50 mm de diâmetro não irá passar
O primeiro numeral de característica do número IP indica completamente através de qualquer abertura.
conformidade com os seguintes testes para o grau de proteção Força = 50 N.
contra o acesso a parte perigosas. Ele também indica conformidade
com testes como os mostrados na próxima seção para o grau de IP2_ — O comprimento de 80 mm e o diâmetro de 12 mm
proteção contra objetos sólidos estranhos. referente a um dedo pode penetrar até o comprimento de
80 mm, mas deverá ter a transparência adequada como
A proteção contra o acesso apartes perigosas é satisfatória se uma especificado acima, das partes energizadas perigosas, em
transparência for mantida entre a sonda de acesso específica e as qualquer posição possível do teste com o dedo, pois
partes perigosas. Para tensões menores que 1000 Vca e 1500 Vcc, a ambas as juntas estão inclinadas através de um ângulo de
sonda de acesso não deve ser capaz de suportar os testes dielétricos
específicos com a sonda de acesso na posição mais desfavorável. até 90º. Força = 10 N.
Para tensões que excedam 1000 Vca e 1500 Vcc, o equipamento
deve ser capaz de suportar os testes dielétricos específicos com a IP3_ — Uma haste de teste de 2,5 mm de diâmetro não deverá
sonda de acesso na posição mais desfavorável. penetrar e a transparência adequada será mantida em
relação às partes (conforme especificado na tabela acima).
Força = 3 N.

IP4_ — Um fio de teste de 1 mm de diâmetro não deverá penetrar e


a transparência adequada será mantida em relação às
partes (conforme especificado na tabela acima).
Força = 1 N.

Geral-9
Geral
Gabinetes IEC

IP5_ — Um fio de teste de 1 mm de diâmetro não deverá penetrar e IP6_ — Todos os gabinetes são testados como categoria 1, como
a transparência adequada será mantida em relação às especificado acima para IP5_. A proteção é satisfatória se
partes (conforme especificado na tabela acima). nenhum depósito de poeira for observado dentro do
Força = 1 N. gabinete no final do teste.

IP6_ — Um fio de teste de 1 mm de diâmetro não deverá penetrar e Testes para Proteção contra Água
a transparência adequada será mantida em relação às partes (numeral de característica na segunda posição)
(conforme especificado na página 1-9).
O numeral de característica na segunda posição do número IP indica a
Força = 1 N. conformidade com os seguintes testes para o grau de proteção contra
água. Para numerais de 1 a 7, a proteção é satisfatória se a água que
Testes para Proteção Contra Objetos Sólidos Estranhos entrou não causou interferência na operação considerada
(numeral de característica na primeira posição) satisfatória, não atingiu partes energizadas não projetadas para
operar quando molhadas e não se acumulou perto de uma entrada
O numerais 1, 2, 3 e 4 na primeira posição indicam que a proteção contra de cabo ou entrou no cabo. Para o numeral 8 na segunda posição, a
objetos sólidos estranhos é satisfatória se o diâmetro completo da sonda proteção é satisfatória se nenhuma água entrou no gabinete.
específica não passar através de nenhuma abertura. Observe que para o
numerais 3 e 4 na primeira posição, as sondas são feitas para simular IP0_0 — Nenhum teste requisitado.
objetos estranhos que podem ser esféricos. Onde a forma do caminho
de entrada deixar qualquer dúvida sobre a entrada ou sobre um IP_1 — A água pinga sobre o gabinete a partir de uma “caixa de
objeto esférico capaz de movimento, pode ser necessário examinar pingar”, tendo esguichos espaçados em um padrão
os desenhos ou fornecer acesso especial para a sonda do objeto. Para
os numerais 5 e 6 na primeira posição, veja as descrições de teste a quadrado de 20 mm a uma taxa de “queda de chuva” de
seguir para os critérios de aceitação. 1 mm/m. O gabinete é colocado em sua posição normal
de operação, abaixo da caixa de pingar.
IP0_ — Nenhum teste requisitado. Tempo de teste = 10 m.

IP1_ — O diâmetro completo de uma esfera rígida de 50 mm de IP_2 — A água pinga sobre o gabinete a partir de uma “caixa de
diâmetro não deve passar através de nenhuma abertura a pingar”, tendo esguichos espaçados em um padrão
uma força de teste de 50 N. quadrado de 20 mm a uma taxa de “queda de chuva” de
3 mm/m. O gabinete é colocado em 4 posições fixas, com
IP2_ — O diâmetro completo de uma esfera rígida de 12,5 mm de inclinação de 15º de sua posição de operação normal,
diâmetro não deve passar através de nenhuma abertura a abaixo da caixa de pingar. Tempo de teste = 2,5 m para
uma força de teste de 30 N. cada posição de inclinação.

IP3_ — Uma haste rígida de aço de 2,5 mm d diâmetro não deve IP_3 — A água é pulverizada sobre todos os lados do gabinete,
passar través de nenhuma abertura a uma força de 3 N sobre o arco de 60° na vertical, usando um dispositivo de
tubo oscilante com furos para borrifação a uma distância
IP4_ — Um fio rígido de aço de 1 mm d diâmetro não deve passar de 50 mm (ou um bocal manual para gabinetes maiores).
través de nenhuma abertura a uma força de 1 N Taxa de fluxo, dispositivo de tubo oscilante = 0,07 l/m
por furo x número de furos; para bocal manual = 10 l/m.
IP5_ — O espécime de teste é suportado dentro de uma câmara de Tempo de teste, tubo oscilante = 10 m; para bocal manual
poeira específica, onde pó de talco, capaz de passar através = 1 m/m2 da área de superfície do gabinete, 5 m no
de uma peneira entrelaçada com um diâmetro de fio de mínimo.
50 mm e largura de 75 mm, é mantido em suspensão.
IP_4 — O mesmo do teste IP_3 exceto que a pulverização cobre
Gabinetes para equipamentos sujeitos a efeitos térmicos cíclicos um arco de 180° na vertical.
(categoria 1) são bombeados a vácuo visando a redução da IP_5 — O gabinete é pulverizado de todas as direções praticáveis
pressão interna relativa à atmosfera ao redor: depressão com um fluxo de água de 12,5 l/m de um bocal de
máxima = 2 kPa; taxa de extração máxima = 60 volumes 6,3 mm a uma distância de 2,5 a 3 m. Tempo de teste =
por hora. Se a taxa de extração de 40 a 60 volumes/hora 1 m/m2 da área de superfície a ser pulverizada, 3 m no
for obtida, prossegue-se com o teste até que 80 volumes mínimo.
tenham sido extraídos ou 8 horas tenham decorrido. Se a
taxa de extração for menor do que 40 volumes/hora a IP_6 — O gabinete é pulverizado de todas as direções praticáveis
uma depressão de 20 20 kPa, o tempo de teste = 8 horas. com um fluxo de água de 100 l/m de um bocal de
12,5 mm a uma distância de 2,5 a 3 m. Tempo de teste =
Os gabinetes para equipamentos não sujeitos a efeitos térmicos cíclicos 1 m/m2 da área de superfície a ser pulverizada, 3 m no
e projetados para categoria 2, na norma de produto relevante, mínimo.
são testados por 8 horas sem bombeamento a vácuo.
IP_7 — O gabinete é imerso em água na sua posição de serviço por
A proteção é satisfatória se o pó de talco não se acumular em uma 30 minutos. O ponto mais baixo do gabinete menores que
quantidade ou local que, como todo tipo de poeira, possa 850 mm = 1000 mm abaixo da superfície da água.
interferir na operação correta de equipamento ou O ponto mais baixo do gabinete maiores 850 mm =
desabilitar a segurança e nenhuma poeira for depositada 150 mm abaixo da superfície da água.
onde pudesse levar ao rastreamento de distâncias
corrugadas. IP_8 — As condições de teste estão sujeitas a acordo entre o
fabricante e o usuário, mas terão o mesmo nível de
severidade que aqueles para o IP_7 pelo menos.

Geral-10
Geral
Gabinetes NEMA

Especifique o Gabinete Correto Tipo 6P


para Seus Controles de Motor Para Submersão Prolongada a uma Profundidade
Limitada
Tipo 1 Os gabinetes Tipo 6P são feitos para uso interno e externo,
Montagem em Superfície para Uso Geral principalmente, para fornecer um grau de proteção contra a entrada
Os Gabinetes do Tipo 1 são feitos para uso interno, de água durante a submersão prolongada a uma profundidade
principalmente, para fornecer um grau de proteção contra limitada; e para não serem danificados pela formação de gelo no
contato com equipamentos fechados em locais onde condições de gabinete. Eles são projetados para atender os testes de projeto de
serviços não usuais são inexistentes. Os gabinetes são projetados pressão de ar, formação interna de gelo !, hosedown e resistência à
para atender os testes de projetos para entrada de haste e resistência corrosão. Eles não são feitos para fornecer proteção contra
à ferrugem. O gabinete é de lâmina de aço, tratada para resistir à condições como condensação interna ou formação interna de gelo.
corrosão.
Tipo 7
Tipo 1
Para Locais Classificados com Presença de Gás
Montagem Embutida
Os gabinetes Tipo 7 são para uso interno em locais
Os gabinetes de montagem embutida Tipo 1 para instalação em classificados como Classe 1, Grupos C ou D, conforme definido no
estruturas de máquina e parede de argamassa. Esses gabinetes são NEC (National Electrical Code). Os gabinetes do Tipo 7 são
para aplicações similares e são projetados para atender os mesmos projetados para serem capazes de suportar as pressões resultantes de
testes da montagem em superfície do Tipo 1. uma explosão interna de gases específicos e segurar de tal forma essa
Tipo 3 explosão que uma mistura explosiva de gás com ar, existente na
À Prova de Poeira e Chuva atmosfera cercando o gabinete, não terá ignição. Os dispositivos
fechados de geração de calor são projetados para não fazer com que
Os gabinetes do Tipo 3 são feitos para uso externo, as superfícies externas alcancem temperaturas capazes de provocar a
principalmente, para fornecer um grau de proteção contra poeira ignição de misturas explosivas de gás com ar na atmosfera
trazida pelo vento, chuva e granizo; e para não serem danificados circundante. Os gabinetes são projetados para atender os testes de
pela formação de gelo no gabinete. Eles são projetados para atender projeto de explosão, hidrostática e temperatura. O acabamento é de
os testes de projeto de chuva !, formação de gelo ", poeira e esmalte cinza especial, resistente à corrosão.
resistência à ferrugem. Eles não são feitos para fornecer proteção
contra condições como condensação interna ou formação interna de Tipo 9
gelo.
Para Locais Classificados com Poeira
Tipo 3R Os gabinetes Tipo 9 são feitos para uso interno em locais
À Prova de Poeira e Chuva classificados como Classe II, Grupos E, F ou G, conforme
O gabinetes do Tipo 3R são projetados para uso externo, definido no NEC (National Electrical Code). Os gabinetes Tipo 9 são
principalmente, para fornecer um grau de proteção contra chuva e projetados para serem capazes de prevenir a entrada de poeira. Os
para não serem danificados pela formação de gelo no gabinete. Eles dispositivos fechados de geração de calor são projetados para não
são projetados para atender os testes de projeto para entrada de fazerem com que as superfícies externas atinjam temperaturas
haste, chuva #, formação de gelo externo " e resistência à capazes de ignição ou descoloração de poeira no gabinete, ou de
ferrugem. Eles não são feitos para fornecer proteção contra ignição de misturas de poeira com o ar na atmosfera circundante.
condições como poeira, condensação interna ou formação interna Os gabinetes são projetados para atender os testes de projeto de
de gelo. penetração de poeira e temperatura e desgaste da vedação. O
acabamento externo é de esmalte cinza especial, resistente à corrosão.
Tipo 4
À Prova d' Água Tipo 12
Os gabinetes do Tipo 4 são projetados para uso interno e Uso Industrial à Prova de Sujeira
externo, principalmente, para fornecer um grau de proteção contra Os gabinetes Tipo 12 são feitos para uso interno,
poeira e chuva trazidos pelo vento, esguicho de água e água direcionada principalmente, para fornecer um grau de proteção contra
por mangueira, e para não serem danificados pela formação de gelo poeira, sujeira e líquidos nos corrosivos gotejantes. Eles são
no gabinete. Eles são projetados para atender os testes de projeto projetados para atender os testes de gotejamento ", poeira e
hosedown, poeira, formação de gelo externo ". Eles não são feitos para resistência à ferrugem. Eles não são feitos para fornecer proteção
fornecer proteção contra condições como condensação interna ou contra condições como condensação interna.
formação interna de gelo.
Tipo 4X Tipo 13 À Prova de Óleo
Não Metálico, Os gabinetes Tipo 13 são feitos para uso interno, principalmente,
para fornecer um grau de proteção contra poeira, borrifos de água,
Resistente à Corrosão óleo e refrigerantes não corrosivos. Eles são projetados para atender
Os gabinetes do Tipo 4 são projetados para uso interno e os testes de projeto de exclusão de óleo e resistência à ferrugem. Eles
externo, principalmente, para fornecer um grau de proteção contra não são feitos para fornecer proteção contra condições como
corrosão, poeira e chuva trazidos pelo vento, esguicho de água e água condensação interna.
direcionada por mangueira, e para não serem danificados pela
formação de gelo no gabinete. Eles são projetados para atender os
testes de projeto de hosedown, poeira, formação de gelo externo " e
resistência à corrosão. Eles não são feitos para fornecer proteção
contra condições como condensação interna ou formação interna de
gelo.
! Critérios de avaliação: Nenhuma água entrou no gabinete durante o teste
específico.
" Critérios de avaliação: Não danificado após o gelo que se formou durante o
teste específico ter derretido (Obs.: Não requisitado para ser operado
enquanto coberto por gelo).
# Critérios de avaliação: Nenhuma água alcançou as partes energizadas, a isolação
ou os mecanismos.

Geral-11
Geral
Gabinetes NEMA

GABINETES Obs.: Normalmente, os gabinetes não protegem dispositivos


Consulte as breves descrições abaixo para os vários tipos de gabinetes contra condições como condensação, formação de gelo, corrosão
oferecidos pela Rockwell Automation/Allen-Bradley. Consulte a ou contaminação que possa ocorrer dentro do gabinete ou entrar
página 1-13 para os critérios de seleção. Para definições, descrições e através do eletroduto ou de aberturas não seladas. Os usuários
critérios de testes, consulte a Publicação de Normas Nº 250 da NEMA devem fazer as provisões adequadas para proteção contra tais
(National Electrical Manufacturers Association). Consulte também as condições, a fim de fornecer a proteção apropriada para o
listagens de produtos individuais do catálogo da Rockwell Automation/ equipamento.
Allen-Bradley para tipos de gabinetes disponíveis e para informações
adicionais referentes a essas descrições.

Critérios de Seleção
Gabinetes para Locais Não Classificados
Projetado para Tipo
Atender os Testes Para Uso Interno Uso Externo Interno ou Externo
Para um Grau de Proteção Contra: Nº! 1 12 13 3R 3 4 4X 6P
Contato incidental com equipamentos fechados 6.2 % % % % % % % %
Queda de sujeira 6.2 % % % % % % % %
Ferrugem 6.8 % % % % % % % %
Poeira circulando, linho, fibras e partículas em suspensão 6.5.1.2 (2) % % % % % %
Poeira levada pelo vento 6.5.1.1 (2) % % % %
Líquidos caindo e luz se espalhando 6.3.2.2 % % % % % %
Chuva (Teste avaliado de acordo com 6.4.2.1) 6.4.2.1 % % % % %
Chuva (Teste avaliado de acordo com 6.4.2.2) 6.4.2.2 % % % %
Neve e granizo 6.6.2.2 % % % % %
Hosedown e borrifos de água 6.7 % % %
Submersão ocasional prolongada 6.11 (2) %
Filtração de óleo e líquido refrigerante 6.3.2.2 % %
Óleo ou líquido refrigerante borrifado ou pulverizado 6.12 %
Agentes Corrosivos 6.9 % % % % %
! Consulte a página 1-13 para a descrição resumida dos requisitos de teste de gabinete NEMA. Consulte a Publicação das Normas NEMA No. 250 para as especificações
completas de teste.
" Materiais não classificados, sem ignição ou combustão de Classe II.

Gabinetes para Locais Não Classificados (Divisão 1 ou 2) !


Projetados para 7, Grupo Classe I 9, Grupo Classe II
Para um Grau de Proteção Contra Atender os Testes Classe (National
Atmosfera Tipicamente Contendo: # Nº " Electrical Code) A B C D E F G

Acetileno Teste de Explosão I %

Hidrogênio, Gás Manufaturado I % %


Teste Hidrostático
Dietil Éter, Etileno, Sulfeto de Hidrogênio I %

Acetona, Butano, Gasolina, Propano, Tolueno Teste de Temperatura I % %


Poeiras de Metal outras poeiras combustíveis
com capacidade de resistência inferior a 10 II %
105 Ω-cm. Teste de Penetração de
Negro de carvão, carvão, giz ou poeira de carvão Poeira
de pedra com capacidade de resistência entre II %
102…108 Ω-cm Teste de Temperatura
com Cobertor de Poeira
Poeiras combustíveis com capacidade de
II %
resistência de 105 Ω-cm ou maior

Fibras e partículas em suspensão $ III %

! apenas para uso interno, a não ser que seja catalogado com número(s) de Tipo de gabinete NEMA adicional adequado para uso externo conforme mostrado nesta página.
Alguns dispositivos de controle (se estiverem listados no catálogo) são adequados para uso em local classificado de Divisão 2 em gabinetes para locais não classificados. Para
explicações de CLASSES, DIVISÕES e GRUPOS, consulte o NEC (National Electrical Code).
OBS.Classificações para locais classificados estão sujeitas a aprovação da autoridade em jurisdição. Consulte o NEC (National Electrical Code).
" Veja a descrição resumida dos requisitos de testes na página 1-13. Para os requisitos completos, consulte a Norma UL Standard 698, em conformidade com os requisitos
das normas de gabinetes NEMA.
# Para lista de materiais e informações adicionais sobre as propriedade dos líquidos, gases e sólido, consulte NFPA 497M-1991, Classificação de Gases, Vapores e Pós para
Equipamentos em Locais Classificados.
$ A UL 698 não inclui os requisitos de testes para Classe III. Os produtos que atendem os requisitos de Classe II, Grupo G são aceitáveis para Classe III.

Geral-12
Geral
Gabinetes NEMA

Critérios de Seleção seguida, enxagüado e seco. Não deve haver ferrugem, exceto a
proteção não é prática (p. ex.: superfícies usinada correspondentes,
superfícies deslizantes, eixos etc).
Descrição Resumida dos Requisitos
6.9 Proteção contra Corrosão — Gabinetes de lâminas de
de Teste de Gabinete NEMA alumínio são avaliados de acordo com UL (Underwriter’s
6.2 Teste de Entrada de Haste — Uma haste com diâmetro de Laboratories) 50, Parte 13 (teste para proteção equivalente como
3,18 mm (0,125 pol.) não deve conseguir entrar no gabinete, exceto lâmina de alumínio revestida de zinco comercial G-90). Outros
em locais onde a parte energizada mais próxima for maior que materiais de acordo com UL (Underwriter’s Laboratories) 508, 6.9 ou
102 mm (4 pol.) de uma abertura — tal abertura não permitirá que 6.10.
uma haste de 13 mm (0,5 pol.) de diâmetro entre. 6.11 (2) Teste de Pressão de Ar (Método Alternativo) — O
6.3 Teste de Gotejamento — Água é pingada sobre o gabinete por gabinete é submerso em água, a uma pressão igual à profundidade da
30 minutos a partir de uma vasilha suspensa que tem goteiras água de 2 metros (6 pés) por 24 horas. Nenhuma água deve entrar no
uniformemente espaçadas, uma a cada 12,900 mm2 (20 polegadas gabinete.
quadradas) da área da vasilha, cada goteira tem uma taxa de 6.12 Teste de Exclusão d Óleo — O gabinete está sujeito a um
gotejamento de 20 gotas por minuto. teste de fluxo de líquido por 30 minutos a partir de um bocal de
Avaliação 6.3.2.2: Nenhuma água deve entrar no gabinete. 9,5 mm (0,375 pol.) a 7,57 litros (2 galões) por minuto. A água com
0,1 % de agente umedecedor é direcionada de todos os ângulos a
6.4 Teste de Chuva — Toda a parte superior e todos os lados uma distância de 305 a 457 mm (12 a 18 pol.), enquanto qualquer
expostos são borrifados com água a uma pressão de 0,35 kg/cm2 dispositivo operado externamente é operado a 30 operações por
(5 psi) a partir do bocal, por uma hora, a uma taxa que faça com que minuto. Nenhum líquido de teste deve entrar no gabinete.
a água aumente 18 pol. em uma vasilha posicionada diretamente Descrição Resumida dos Requisitos de Teste da Norma UL 698
abaixo do gabinete.
Teste de Explosão — Durante uma série de testes nos quais
Avaliação 6.4.2.1: Nenhuma água alcançou as partes energizadas, a misturas de gás com ar, do gás específico, acima das suas taxas de
isolação ou os mecanismos. concentrações explosivas, provocam ignição dentro do gabinete, o
gabinete deve impedir a passagem de chamas e fagulhas capazes de
Avaliação 6.4.2.2: Nenhuma água deve entrar no gabinete. causar a ignição de uma mistura similar de gás com ar ao redor do
6.5.1.1 (2) Teste de Poeira Externa (Método Alternativo) — O gabinete. Além disso, não deve haver nenhum dano mecânico aos
gabinete e os mecanismos externos estão sujeitos a um fluxo de água mecanismos elétricos fechados no gabinete ou ao próprio gabinete.
de 170,5 litros (45 galões) por minuto a partir de um bocal de Teste Hidrostático — O gabinete deve suportar o teste
25,4 mm (1 pol.) de diâmetro, direcionado a todas as juntas, de todos hidrostático por 1 minuto, baseado na pressão de explosão interna
os ângulos, a uma distância de 3 a 3,7 metros (10 a 12 pés). O tempo de máxima desenvolvida durante os teste de explosão, conforme segue:
teste é de 48 segundos vezes o comprimento do teste (altura + largura + metal fundido, quatro vezes a pressão da explosão sem ruptura ou
profundidade do gabinete em pés) ou um mínimo de 5 minutos. deformação permanente; aço usinado, duas vezes a pressão da
Nenhuma água deve entrar no gabinete. explosão sem deformação permanente e três vezes a pressão da
6.5.1.2 (2) Teste de Poeira Interna (Método Alternativo) — Água explosão sem ruptura. Exceção: testes hidrostáticos podem ser
pulverizada a uma pressão de 2,11 kg/cm2 (30 psi) é borrifada em omitidos se os cálculos mostrarem um fator de segurança de 5:1 para
todas as costuras, juntas e mecanismos de operação externa, a uma metal fundido e 4:1 para aço usinado.
distância de 305 a 381 mm (12 a 15 pol.) a uma taxa de 11 litros Teste de Temperatura — O dispositivo fechado está sujeito ao teste
(3 galões) por hora. Não menos do que 142 gms (5 oz) de água por de temperatura para determinar a temperatura máxima em qualquer
pé linear do comprimento do teste são aplicadas (altura + ponto da superfície externa. O dispositivo deve ser marcado com um
comprimento + profundidade do gabinete) são aplicadas. Nenhuma código de temperatura, baseado no resultado, apenas se a
água deve entrar no gabinete. temperatura exceder +100 °C (+212 °F).
6.6 Teste de Formação de Gelo Externo — A água borrifada no Teste de Penetração de Poeira — O dispositivo é operado com
gabinete por uma hora em uma sala fria a +2 °C (36 °F); em seguida, carga nominal plena até que sejam obtidas temperaturas equilibradas
a temperatura da sala é abaixada para aproximadamente –5 °C e, então, ele é liberado para refrigerar a temperatura ambiente (sala),
(–23 °F) e o borrifo de água é controlado para que o gelo se forme a através de seis ciclos de aquecimento e refrigeração, durante 3 horas,
uma taxa de 6,4 mm (0,25 pol.) por hora até 19 mm (0,75 pol.) de no mínimo, enquanto exposto continuamente à poeira circulando
espessura de gelo tenha se formado no topo da superfície de uma com propriedades específicas, em uma câmara de teste. Nenhuma
barra de teste de metal com 25,4 mm (1 pol.) de diâmetro. A poeira deve entrar no gabinete.
temperatura é mantida a –5 °C (–23 °F) por 3 horas.
Teste de Temperatura com Cobertor de Poeira — Esse teste é
Avaliação 6.6.2.2: O equipamento não deve ser danificado depois de conduzido como descrito para o teste de Penetração de Poeira,
o gelo ter derretido (mecanismos externos não requisitados para exceto que bocais de poeira circulantes são posicionados, de forma
operação enquanto estiver coberto por gelo). que a poeira não seja assoprada diretamente sobre o dispositivo em
teste. O dispositivo é operado com carga nominal plena (e sob
6.7 Teste Hosedown — O gabinete e os mecanismos externos estão condições anormais para equipamento sujeitos a sobrecarga) até que
sujeitos a um fluxo de água de 246 litros (65 galões) por minuto a partir sejam obtidas temperaturas equilibradas. A poeira em contato com o
de um bocal de 25,4 mm (1 pol.) de diâmetro, direcionado a todas as gabinete não deve causar ignição ou desbotar a pintura devido ao
juntas, de todos os ângulos, a uma distância de 3 a 3,7 metros (10 a calor e às temperaturas externas baseadas em +40 °C (+104 °F) que
12 pés). O tempo de teste é de 48 segundos vezes o comprimento do não devem ser excedidas:
teste [altura + largura + profundidade em pés] de gabinete em
metros (pés) ou um mínimo de 5 segundos. Nenhuma água deve Grupo Operação Normal Operação Anormal
entrar no gabinete.
E +200 °C (+392 °F) +200 °C (+392 °F)
6.8 Teste de Resistência à Ferrugem (Aplicável Apenas a F +150 °C (+302 °F) +200 °C (+392 °F)
Gabinetes que Incorporam Partes de Ferro Externas) — O G +120 °C (+248 °F) +165 °C (+329 °F)
gabinete fica sujeito ao borrifo de sal (névoa) por 24 horas, usando
água com 5 partes por peso de sal (NaCI) a 35 °C (95 °F), em

Geral-13
Geral
Notas

Geral-14
Princípios de Segurança

Características Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-3

Diretrizes e Legislação da União Européia . . . . . . . . . 1-4

Normas Européias Harmonizadas (EU) . . . . . . . . . . . 1-9

Seleção das Medidas de Proteção. . . . . . . . . . . . . . . . 1-13

Estratégia de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-16

Sistemas de Controle Relacionados à Segurança . . . 1-22

Considerações e Exemplos Adicionais . . . . . . . . . . . . 1-25

Funções de Reset . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-28

Proteções de Controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-28

Cortinas de Luz de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-39

Regulamentações de Segurança nos E.U.A. . . . . . . . 1-45

Organizações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1-49

Regulamentações de Segurança Australianas. . . . . . 1-49


Princípios de Segurança

Informações Por causa da diversidade de usos dos produtos descritos nesta publicação, os
Importantes ao responsáveis pela aplicação e uso deste equipamento devem certificar-se de que todas
as etapas necessárias foram seguidas para garantir que cada aplicação e uso cumpram
Usuário
todos os requisitos de desempenho e segurança, incluindo todas as leis,
regulamentações, códigos e normas aplicáveis.
As ilustrações, gráficos e exemplos de programas e de layout mostrados neste catálogo
são apenas para fins ilustrativos. Visto que há diversas variáveis e requisitos associados
a qualquer instalação em especial, a Rockwell Automation não assume responsabilidade
(inclusive responsabilidade por propriedade intelectual) pelo uso real baseado nos
exemplos mostrados nesta publicação.

Informações Você é responsável pela segurança de todo os sistema de controle instalado, bem como
relacionadas à pela conformidade com todas as leis, códigos e requisitos de segurança aplicáveis.
Segurança ATENÇÃO: Como instalador do sistema de controle, você
deve conhecer todas as normas aplicáveis pertinentes às
recomendações de segurança relacionadas a:
• Construção da Máquina
• Toda Parte Elétrica
• Proteção da Máquina
• Proteção dos pontos de operação, cortinas de luz,
proteções mecânicas, controles bi-manuais e relés de
monitoração de segurança
Além de todas as leis e códigos locais, você é responsável por
todas as recomendações de segurança detalhadas em todos os
códigos e normas aplicáveis, incluindo:
• National Electric Code (NEC)
• Regulamentações OSHA
• Normas ANSI
• NFPA
• CSA

Termos e Para “Termos e Condições de Vendas”, consulte a página 1-4 neste catálogo.
Condições

IMPORTANTE

A Rockwell Automation reserva-se o direito de revisar o material contido neste


catálogo e isentar-se de toda responsabilidade por danos acidentais ou resultantes do
fornecimento, desempenho ou uso deste material.

1-2
Princípios de Segurança
Características Gerais

UM GUIA RÁPIDO DE CONTEÚDO SOBRE


A LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E MAQUINÁRIO NA UNIÃO EUROPÉIA

DIRETRIZ DE MAQUINÁRIO O USO DA DIRETRIZ DOS


O novo maquinário fornecido dentro da EQUIPAMENTOS DE TRABALHO
CE deve atender os Requisitos Essenciais Os empregadores devem certificar-se de
de Saúde e Segurança. que todo o equipamento fornecido é
Consulte: Diretrizes e Legislação e adequado e seguro.
Padrões Europeus Harmonizados. Consulte: Diretrizes e Legislação e
Padrões Europeus Harmonizados.

AVALIAÇÃO DE RISCO
• Determinação dos limites e características de operação da máquina
• Identificação dos perigos. • Estimativa dos riscos.
Consulte: Estratégia de Segurança.

REDUÇÃO DE RISCOS
• Tomada de quaisquer medidas necessárias para eliminar os perigos ou reduzir os riscos
a um nível aceitável.
Consulte: Escolha das Medidas de Segurança. Sistemas de Controle Relacionados à
Segurança
Considerações e Exemplos Adicionais. Dispositivos de Intertravamento.

ARQUIVO TÉCNICO
• Os empregadores devem certificar-se
• Garantia de disponibilidade das de que o equipamento de trabalho seja
informações requisitadas para verificar a seguro, esteja em ordem para o trabalho
conformidade da máquina. eficiente e com boa manutenção.
Consulte: Diretrizes e Legislação.

ÓRGÃOS DE APROVAÇÃO • Os empregadores devem certificar-se


• Quando necessário (Anexo IV de que as instruções e treinamentos
máquinas) tomar a ação apropriada com necessários estejam disponíveis
um Órgão de Aprovação. juntamente com as informações de
Consulte: Diretrizes e Legislação. saúde e segurança adequadas.

DECLARAÇÃO Fabricantes e empregadores podem


• Preparação da Declaração de precisar atender outras Diretrizes da CE,
Conformidade ou a Declaração de além daquelas discutidas nesta publicação.
Incorporação. A fixação da marca CE tem o objetivo de
• Onde apropriado afixe a marca CE.
demonstrar conformidade com todas as
Consulte: Diretrizes e Legislação.
diretrizes pertinentes da CE.

1-3
Princípios de Segurança
Diretrizes e Legislação da União Européia

O propósito desta seção é fornecer discussão, assistência e a menos que esteja em conformidade com a Diretriz. Isto significa
orientação para qualquer pessoa relacionada à área de segurança de que deve atender os amplos requisitos de segurança essenciais,
máquinas, especialmente sistemas de proteção e intertravamentos de contidos no Anexo I da Diretriz, uma avaliação correta de
proteção. A intenção é que ela seja útil para projetistas e usuários de conformidade deve ser conduzida e a “Declaração de
equipamentos industriais. Conformidade” deve ser fornecida.
Para promover o conceito de um mercado aberto dentro da A Diretriz passou a vigorar na área de maquinário em 1º de janeiro de
comunidade européia (CE) e da EFTA, todos os países membros são 1995, e para Componentes de Segurança em 1º de janeiro de 1997.
obrigados a estabelecer uma legislação que crie requisitos comuns e Um período de transição de dois anos foi permitido nos quais os
essenciais à segurança para máquinas eseu uso. A máquina que não regulamentos nacionais existentes poderiam ser usados ou o novo
atender a esses requisitos não pode ser vendida dentro dos regime da Diretriz poderia ser seguido. É de responsabilidade do
países da CE e da EFTA. fabricante, importador ou fornecedor final do equipamento garantir
que o equipamento fornecido está em conformidade com a Diretriz.
Diretrizes e Legislação da União Européia
Existem duas Diretrizes Européias que são de relevância direta para Requisitos Essenciais de Saúde e Segurança
a segurança de máquinas e equipamentos industriais. Elas são: (denominado EHSRs)
1. A Diretriz de Máquinas
2. O Uso de Equipamentos de Trabalho por Trabalhadores na
Diretriz de Trabalho

Essas duas Diretrizes estão diretamente relacionadas, de forma que


os Requisitos Essenciais de Saúde e Segurança (EHSRs) da Diretriz
de Máquinas possam ser usados para confirmar a segurança dos
equipamentos no Uso da Diretriz de Equipamentos de Trabalho.

Esta seção lida com aspectos dessas duas diretrizes e é fortemente


recomendado que qualquer pessoa relacionada ao projeto,
fornecimento, compra ou uso de equipamentos industriais dentro
dos países da CE e da EFTA familiarize-se com seus requisitos. Figura 2
A maioria dos fornecedores e usuários de máquinas simplesmente A diretriz fornece uma lista de EHSRs, que a máquina deve
não terão permissão para operar na CE, a menos que entrem em obedecer onde for relevante. O propósito desta lista é assegurar que a
conformidade com estas diretrizes. máquina seja segura e esteja projetada e construída para que possa ser
Existem muitas outras Diretrizes Européias, já existentes ou sendo usada, ajustada e mantida através de todas as fases de sua vida sem
colocar pessoas em risco.
preparadas, pertinentes à segurança industrial. A maioria delas é mais
especializada em suas aplicações e, por isso, são deixadas fora do Ela fornece uma hierarquia das medidas para eliminação do risco:
escopo desta seção, mas é importante observar que, onde for (1) Projeto de Segurança Inerente — Onde possível, o projeto em
relevante, seus requisitos devem ser atendidos. Os exemplos são: si prevenirá qualquer surgimento de perigo.
A Diretriz de Baixa Tensão — A Diretriz EMC — A Prevenção de Onde isto não é possível, (2) Dispositivos Adicionais de Proteção
explosões devido à Diretriz de atmosferas classificadas
como, por exemplo, proteções com pontos de acesso intertravados,
barreiras não materiais, como cortinas de luz, tapetes de detecção
A Diretriz de Maquinário (veja Figura 9) etc. devem ser usados.
89/392/EEC conforme 91/368/EEC e 93/44/EEC foi Qualquer risco residual que não possa ser tratado pelos métodos
consolidada em uma nova diretriz 98/37/EC. Esta diretriz aborda o acima deve estar contido em (3) Equipamentos de Proteção
fornecimento de máquinas nova e outros equipamentos, incluindo Individual e/ou Treinamento. O fornecedor da máquina deve
componentes de segurança. Na maioria dos caso, o fornecimento de especificar o que é apropriado.
maquinário pode constituir um delito, Materiais adequados devem ser usados para a construção e operação.
Instalações adequadas de iluminação e manuseio devem ser
fornecidas. Controles e sistemas de controle devem ser seguros e
confiáveis. As máquinasnão devem ser capazes de iniciar operação
inesperadamente e devem ter um ou mais dispositivos de parada de
emergência inseridos. Deve-se levar em consideração as instalações
complexas em que processos com movimentos ascendentes ou
descendentes podem afetar a segurança da máquina. A falha de uma
fonte de alimentação ou de um circuito de controle não deve levar a
situações perigosas. As máquinas devem ser estáveis e capazes de

Figura 1

1-4
Princípios de Segurança
Diretrizes e Legislação da União Européia

suportar tensões previsíveis. Elas não devem ter superfícies ou Arquivo Técnico
bordas expostas, que possam causar danos.
A pessoa responsável por uma declaração de conformidade deve
As proteções ou dispositivos de proteção devem ser usados para
certificar-se de que a seguinte documentação estará disponível em
proteger contra riscos, como peças móveis. Estas devem ser de
premissas para propósito de inspeção.
construção robusta e não serem fáceis de ultrapassar. As proteções
A A Um arquivo técnico, contendo:
fixas devem ser montadas por métodos que só podem ser desfeitos
com o uso de ferramentas. Proteções móveis devem ser • Desenhos gerais dos equipamentos, acompanhado de
intertravadas. Proteções ajustáveis devem ser prontamente ajustáveis desenhos do circuito de controle.
sem o uso de ferramentas. • Desenhos com detalhes, notas de cálculo etc. requisitados
Os perigos elétricos e outros de fornecimento de alimentação devem ser para verificar a conformidade da máquina com os EHSRs.
prevenidos. Não deve haver nenhum risco de dano por temperatura, • Uma lista de:
explosão, ruído, vibração, poeira, gases ou radiação. Deve haver 1. EHSRs relevantes para o equipamento.
provisão adequada para manutenção e serviços. A indicação e 2. Normas Européias Harmonizadas usadas.
dispositivos de aviso necessários devem ser fornecidos. A máquina 3. Outras normas usadas.
deve ser fornecida com instruções para a instalação, uso, ajuste, etc., 4. Especificações técnicas usadas no projeto.
de forma segura. • Uma descrição dos métodos adotados para eliminar os
perigos apresentados pela máquina.
• Se desejado, qualquer relatório técnico ou certificado obtido
Avaliação de Conformidade de um órgão de aprovação para teste local ou laboratório.
• Se a conformidade for declarada com base nas Normas
TEST
RESULTS
Européias Harmonizadas, qualquer relatório técnico
------------- fornecendo os resultados do teste.
----------------
STANDARDS
--------------- • Uma cópia das instruções para a máquina.
----------------
B Para produção em série, detalhes de medidas internas (sistemas de
qualidade etc) para certificar que toda a máquinas produziu
remanescentes em conformidade:

• O fabricante deve conduzir as pesquisas necessárias ou


testes em componentes, ajustes na máquinas completo para
determinar se por seu projeto e construção ela é capaz de
ser erguida ou posta em serviço de forma segura.
• O arquivo técnico não precisa existir como um arquivo
Figura 3 único permanente, mas deve ser possível montá-lo e deixá-
O projetista ou outro corpo responsável deve ser capaz de mostrar lo disponível em um tempo razoável. Ele deve estar
provas na forma de arquivo técnico que prove a conformidade com disponível por dez anos seguindo a produção da última
o EHSRs. Esse arquivo deve incluir todas as informações relevantes unidade. A falha em deixá-lo disponível em resposta a uma
como resultado de testes, desenhos, especificações, etc., como requisição pertinente por uma autoridade legal pode
mostrado abaixo. constituir bases para questionar a conformidade.
Quando o equipamento for projetado para as normas Européias O arquivo técnico não precisa incluir planos detalhados ou qualquer
Harmonizadas específicos, isto simplifica a tarefa de demonstrar outra informação específica com respeito às submontagens usadas
conformidade. Essas normas não são legalmente compulsórias, pela fabricação da máquinas, a menos que elas sejam essenciais para
entretanto, seu uso é altamente recomendado, pois provar verificar a conformidade com o EHSRs.
conformidade por métodos alternativos pode ser uma questão
extremamente complexa.A estruturadestes normas que são
produzidos pelo CEN – European Comittee for Standardization
(Comitê Europeu de Padronização) e pelo CENELEC – European
Committee for Electrotechnical (Comitê Europeu para
Padronização Eletrotécnica) para apoiar a Diretriz de Máquinas.
Juntos, o CEN e o CENELEC formam o Instituto Unido para
Padronização na Europa.
Uma avaliação de risco completamente documentada deve ser
conduzida para assegurar que todos os perigos na máquina foram
abordados.

Figura 4

1-5
Princípios de Segurança
Diretrizes e Legislação da União Européia

Avaliação de Conformidade para Máquinas do


Anexo IV
Certos tipos de equipamento estão sujeitos à medidas especiais. Este
tipo de equipamento está listado no Anexo IV da Diretriz e inclui
máquinas classificadas como máquinas de trabalho com madeira,
prensas, máquinas de moldagem por injeção, equipamento de
subsolo, elevadores de veículos para manutenção etc.
O Anexo IV também inclui certos componentes de segurança como
cortinas de luz e unidades de controle para as duas mãos.

Figura 6

Exame do Tipo CE
Para um exame do tipo CE, o órgão de aprovação requisitará um
arquivo técnico e acesso à máquina a ser examinada. Eles verificarão
A l
a
se a máquina é fabricada de acordo com seu arquivo técnico e se ela
S
---- RD TAND nic
------
------ ----------- LSTS ch le
Te Fi
atende as EHSRs aplicáveis a ela. Se o exame for bem-sucedido, um
-- ESU
R EST
T
certificado do tipo CE será emitido. Um órgão que se recusar a
emitir um certificado deve informar os outros órgãos de aprovação.

Figura 5
Para as máquinas do Anexo IV em conformidade com as Normas Figura 7
Européias Harmonizadas existem três procedimentos para se
escolher: Declaração do Procedimento de Conformidade
1. Envie o arquivo técnico para um órgão de aprovação que A pessoa responsável deve redigir uma Declaração de Conformidade da
reconhecerá o recibo do arquivo e o guardará. CE e fixar a marca CE (consulte a Figura 7) em todas as máquinas
fornecidas. As máquinas devem também ser fornecidas com
Observações: NOTA: Com esta opção não existe nenhuma avaliação
Declaração de Conformidade.
do arquivo. Isto pode ser usado como referência em uma data posterior,
no caso de um problema ou de uma reclamação de não-conformidade.
Observações: OBS.: Os componentes de segurança devem ter uma
Declaração de Conformidade, mas não uma marca CE com respeito à
2. Envie o arquivo técnico para um órgão de aprovação que
Diretriz de Máquinas (embora eles possam ter a marca CE, em relação à
verificará se as Normas Harmonizadas foram corretamente
EMC ou as Diretrizes de Baixa Tensão).
aplicadas e expedirá um certificado de adequação para o
arquivo. A marca CE representa certificação própria, mas afixar a marca CE a
3. Submeta um exemplar da máquina para um órgão de aprovação menos que a máquina atenda as exigências EHSRs e seja de fato
com teste local para exame do tipo CE. Se ele passar, a máquina segura constitui um delito. Considera-se também um delito afixar
receberá um certificado de exame do tipo CE. uma marca em máquina que possa ser confundida com a marca CE.
Para máquinas do Anexo IV em não-conformidade com uma norma
ou onde nenhuma Norma Européia Harmonizada relevante existir, Observações: NOTA: A fixação da marca CE também indica
um exemplo da máquina deve ser submetido a um órgão de conformidade com quaisquer outras diretrizes européias às quais a
aprovação com teste local para exame do tipo CE. máquina possa estar sujeita.

Órgãos de Aprovação Declaração de Conformidade da CE


Uma rede de órgãos de aprovação que se comunicarão entre si e O certificado formando a declaração de conformidade deve
trabalharão com critérios comuns está sendo organizada em todos incluir detalhes do fabricante e da pessoa responsável, detalhes
os países da CE e da EFTA. Detalhes de testes locais e laboratórios (número de série etc.) da máquina, detalhes do órgão de aprovação,
com status dos órgãos de aprovação podem ser obtido a partir do se apropriado, detalhes de quaisquer normas usados e detalhes da
United Kingdom Accreditation Service, Audley House, 13 Palace pessoa em poder para assinar o certificado da declaração. Ele deve
Street, London SW1E 5HS. atestar conformidade com as EHSRs ou com o exemplo de
maquinário que foi submetido a um exame do tipo CE
(veja a Figura 8).

1-6
Princípios de Segurança
Diretrizes e Legislação da União Européia

Maykit Wright Ltd.

Declaration of Conformity
In respect of the following Directives:
European Machinery Directive (89/392 EEC as amended by 91/368 EEC and 93/44 EEC).
Any other Directives relevant to the machine (e.g., the EMC Directive) should also be included.

Company:
Maykit Wright Ltd.
Main Street
Anytown Industrial Estate
Anytown, England
AB1 2DC
Tel: 00034 000890. Fax: 00034 000567

Machine: Meat Packaging Machine.

Type: Vacustarwrap 7D

Serial Number: 00516

Conforming to standards: All relevant Harmonized European Standards used and, where appropriate, any national
standards and specifications.

If the machine is covered by Annex IV (Schedule 4) it would be necessary at this point to include either:
– The name and address of the Approved Body and the number of the Type Examination Certificate.
or
– The name and address of the Approved Body which has drawn up a Certificate of Adequacy for the technical file.
or
– The name and address of the Approved Body to which the technical file has been forwarded.

This is to declare that the above machine conforms with the relevant Essential Health and Safety Requirements
of the European Machinery Directive (89/392 EEC as amended by 91/368 EEC and 93/44 EEC).

Signed for Maykit Wright Ltd.

G.V. Wright
G.V. Wright
Managing Director Issued 18th January 1996

Figura 8

Declaração da Incorporação CE O Uso de Equipamento de Trabalho por


Onde o equipamento for fornecido para montagem com outros Funcionários na Diretriz de Trabalho
itens para formar uma máquina completa em uma data posterior, a (89/655/EEC)
pessoa responsável pode emitir uma DECLARAÇÃO DE
INCORPORAÇÃO (ao invés de uma declaração de conformidade). Enquanto a Diretriz de maquinaria tiver como objetivo os
A marca CE NÃO deve ser afixada. A declaração deve atestar que o fornecedores, esta Diretriz tem como objetivo os usuários da máquinas.
Ela cobre todos os setores industriais e coloca obrigações gerais para
equipamento não deve ser colocado em serviço até que a máquina
os empregadores junto com requisitos mínimos para a segurança do
na qual ele foi incorporado tenha sido declarada em conformidade
equipamento de trabalho. Todos os países da UE estão
(veja a Figura 9).
estabelecendo suas próprias formas de legislação para implementar
Esta opção não está disponível para equipamentos que possam
funcionar independentemente ou que modifiquem a função de uma esta Diretriz.
máquina.

1-7
Princípios de Segurança
Diretrizes e Legislação da União Européia

Todo maquinário deve atender os


Requisitos Essenciais de Saúde e Segurança
A maioria das máquinas e Máquinas e componentes
componentes de segurança (outras de segurança listados no
além dos listados no Anexo IV) anexo IV

Devem estar em Se estiver EM Se NÃO estiver EM


conformidade Devem estar em CONFORMIDAD CONFORMIDADE
com os Padrões conformidade E com os Padrões com os Padrões
Europeus diretamente Europeus Europeus
Harmonizados ou com as EHSRs Harmonizados Harmonizados
pertinentes pertinentes pertinentes

Envie o Envie o ARQUIVO Envie o


ARQUIVO TÉCNICO para equipamento para
TÉCNICO para um órgão de um órgão de
um órgão de aprovação que aprovação para o
aprovação que examinará um EXAME DO TIPO
reconhecerá seu ou CERTIFICADO DE ou CE
RECEBO ADEQUAÇÃO
para o arquivo

Você deve ser DEVE ser enviado


capaz de montar para um órgão de
o ARQUIVO aprovação para o
TÉCNICO se Exame do Tipo CE
necessário

PARA O MAQUINÁRIO — Você deve emitir uma Declaração de Conformidade


e afixar a marca CE ou emitir uma Declaração de Incorporação.

PARA COMPONENTES DE SEGURANÇA — Você deve emitir uma


Declaração de Conformidade.

Figura 9: Características gerais dos procedimentos para as


Diretrizes de Maquinário
No Reino Unido, ela foi implementada na forma de uma compilação A Diretriz foi implementada em 1º de Janeiro de 1993 e todas as
de regulamentos numerados, intitulados P.U.W.E.R. The Provision novas máquinas fornecidas para uso a partir desta data devem
and Use of Work Equipment Regulations 1992 (Provisão e Uso atender todas as regulamentações.
de Regulamentos para Equipamentos de Trabalho de 1992). A Para máquinas existentes em uso antes desta data, os regulamentos de
forma de implementação pode variar entre os países, mas o efeito da 1 até 10 devem ser atendidos, mas os regulamentos de 11 até 24 não
Diretriz é mantido (veja a Figura 11). foram completamente implementados até 1º de janeiro de 1997.

1-8
Princípios de Segurança
Normas Européias Harmonizadas (EU)

Regulamentos de 1 até 10 1º de janeiro de 1993. Eles se aplicam imediatamente a outro


equipamento. Entretanto, se o equipamento estiver em
Esses regulamentos fornecem detalhes sobre quais tipos de
conformidade com as diretrizes pertinentes de produto, como por
equipamentos e locais de trabalho são cobertos pela Diretriz.
exemplo A Diretriz de Máquinas, eles automaticamente obedecerão
Eles também colocam tarefas gerais para empregadores, como a
aos requisitos correspondentes dos regulamentos 11 a 24, pois eles
instituição de sistemas de segurança no trabalho e fornecimento de
são similares em natureza aos EHSRs daquela Diretriz.
equipamentos seguros e convenientes, os quais devem ser
corretamente mantidos. Os operadores de máquinas devem receber O regulamento 11 é de particular interesse e fornece uma hierarquia
informações apropriadas e treinamento para o uso seguro da de medidas de proteção. Elas são:
máquina. A. Proteções de fechamento fixas.
Máquina nova (e máquina de segunda mão, cuja origem não é CE ou B. Outras proteções ou dispositivos de proteção.
a EFTA) fornecida após 1º de Janeiro de 1993 deve atender todas as C. Aparelhos de proteção (gabaritos, prendedores, bastões de
diretrizes pertinentes ao produto, por exemplo, a Diretriz de pressão etc).
Máquinas (sujeita a ajustes transitórios). Equipamentos de segunda D. A provisão de informações, instruções, supervisão e
mão de dentro da CE e da EFTA fornecidos pela primeira vez no treinamento.
local de trabalho devem atender imediatamente os regulamentos de Estas medidas devem ser aplicadas a partir do início (a), à medida que
11 a 24. for prático, sendo que uma combinação de duas ou mais será
requisitada (veja Figura 11).
Normas Européias Harmonizadas (EU)
Essas normas são comuns para todos os países da CE e da EFTA e
são produzidas pelos órgãos de Normalização Europeus CEN e
CENELEC. Seu uso é voluntário, mas projetar e fabricar
equipamentos para eles é o caminho mais direto para demonstrar
obediência em relação às EHSRs.
Na hora da publicação desta seção algumas das normas ainda não
estavam completas, mas assim que elas se tornarem disponíveis, seus
títulos serão publicados no Jornal Oficial das Comunidades
Européias. Detalhes também serão dados em publicações como a
BSI News. Elas terão um prefixo comum de EN e no Reino Unido
elas são prefixados BS EN. Quando forem publicadas, as normas
Figura 10 nacionais existentes que tenham o mesmo escopo serão retiradas.
Elas são divididas em três grupos: Normas A, B e C.
Observações: Obs.: Máquina existente ou de segunda mão que tenha
passado por uma vistoria oumodificação significativa será classificada como A. NORMAS C: Cobrem aspectos aplicáveis a todos os tipos de
equipamento novo e, desta forma, o trabalho feito nele deve assegurar máquinas.
conformidade com a Diretriz de Máquinas (mesmo que seja para uso da
B. NORMAS C: Subdivididos em dois grupos.
própria companhia).
Regulamento 5 A “Adequação do equipamento de trabalho” situa- B1 NORMAS C: Cobrem a segurança específica e aspectos
se no centro da diretriz e destaca as responsabilidades do ergonômicos da máquina.
empregador (sobre o Gerenciamento da Saúde e Segurança dos B2 NORMAS C: Cobrem componentes e dispositivos de
Regulamentos de Trabalho de 1992) para conduzir um processo segurança.
apropriado de avaliação de risco. C. NORMAS C: Cobrem tipos ou grupos específicos de
Regulamento 6 A “Manutenção” requisita que a máquina seja máquinas.
corretamente mantida. Isto normalmente significará que deve haver É importante notar que a obediência à Norma C fornece suposição
uma rotina e um cronograma de manutenção preventiva planejado. automática de conformidade com os EHSRs. Na ausência de uma
É recomendado que um registro seja compilado e mantido Norma C adequada, as Normas A e B podem ser usadas como prova
atualizado. Isto é especialmente importante em casos onde a parcial ou total de conformidade com os EHSRs por indicar
manutenção e a inspeção do equipamento contribua para a obediência com as seções relevantes.
integridade de segurança contínua de um sistema ou dispositivo de
proteção. O sistema solar (veja Figura 12) pode ser usado para exemplificar a
relação da diretriz da máquina com as normas européias. Os planetas
Regulamentos de 11 a 24
representam as normas, que giram ao redor do sol, que representa a
Esses regulamentos cobrem perigos específicos e ajustes de
diretriz de máquinas. As órbitas internas dizem respeito às normas
proteção das máquinas.
“A” e “B”. As órbitas externas representam a norma “C”.
Esses não foram totalmente implementados até 1º de janeiro de
1997 pela existência de máquinas em uso não modificadas antes de

1-9
Princípios de Segurança
Normas Européias Harmonizadas (EU)

Regulamentos de Provisão e Uso de Equipamentos de Trabalho


PARA MÁQUINAS FORNECIDAS PARA USO EM SUAS
PREMISSAS

TODAS AS MÁQUINAS
DEVEM OBEDECER AOS
REGULAMENTOS 1-10
IMEDIATAMENTE

MÁQUINAS INSTALADAS MÁQUINAS


APÓS 1/1/93 (e não INSTALADAS
modificas desde então) APÓS 1/1/93

É DE SEGUNDA
É NOVA? MÃO, ALUGADA
OU LEASING?

TAMBÉM DEVEM DEVE OBEDECER TAMBÉM DEVEM


OBEDECER AOS À DIRETRIZ DE OBEDECER AOS
REGULAMENTOS MAQUINÁRIO e, REGULAMENTOS
11-24 ATÉ 1/1/97 portanto, deve PUWER
obedecer aos 11 A 24
regulamentos IMEDIATAMENTE
PUWER 11-24

Figura 11: Características gerais de procedimentos para uso da Diretriz de Equipamento de Trabalho conforme decretado no Reino
Unido pela Provisão A e uso de regulamentações de equipamento de trabalho

Acordos têm sido alcançados com outros Órgãos de Normalização As próximas páginas listam algumas Normas A e B de relevância
por todo o mundo, para cooperação entre CEN/CENELEC e para esta seção. Se tiverem prefixo EN, elas são normas publicadas.
órgãos como ICE e ISO. Isto deve resultar, finalmente, em normas Se elas tiverem o prefixo prEN, ainda não alcançaram o estágio final
mundiais comuns. de publicação na hora da impressão desta seção.

1-10
Princípios de Segurança
Normas Européias Harmonizadas (EU)

Normas da Máquina
Borracha e
Diretriz de Plástico
Maquinário EN1114
Plástico e

EN746 Máquinas para


EN418 B2
EN954 Calçados
Parada de
Emergência
B1 EN931
Controle

EN1050
EN1760 EN414
Máquinas de Risco EN1037
Processamento de Couro B2
Tapetes/ B1
Bordas Diretriz de Normas
Maquinário Start-up
EN972

EN999
EN1088 “A” B1
Velocidades
B2 EN693
Intertravas EN292
B2
“B” Bimanual Prensas
EN60204 B2 hidráulicas
Equipamentos
EN574
“C”
Termoproc EN415 EN692 Prensas
essamento Mecânicas

Figura 12

EN 292 (ISO 12100 pts 1 e 2): EN 294 (ISO 13852): Segurança do maquinário
Distâncias de segurança do maquinário para prevenir
Segurança do maquinário
zonas de perigo sendo alcançadas pelas partes altas
Conceitos básico, princípios gerais para o projeto.
das máquinas.
É um padrão A que descreve todos os princípios básicos, incluindo
Fornece dados para cálculos de tamanhos de abertura seguros e
avaliação de risco, proteção, intertravamento, paradas de emergência,
posicionamento para proteções etc.
dispositivos de disparo, distâncias de segurança etc. Refere-se a
outros padrões e também inclui os requisitos essenciais de segurança
da Diretriz de Maquinário. EN 811 (ISO 13853): Segurança do maquinário
Distâncias de segurança do maquinário para prevenir
zonas de perigo sendo alcançadas pelas partes baixas
EN 60204-1 (IEC 60204-1):
das máquinas.
Segurança do maquinário
Equipamentos elétricos das máquinas — Pt 1 Fornece dados para cálculos de tamanhos de abertura seguros e
Requisitos gerais. posicionamento para proteções etc.

Esta é uma norma muito importante que fornece recomendações para


EN 349 (ISO 13854): Segurança do maquinário
os aspectos relacionados à segurança da fiação e dos equipamentos
elétricos nas máquinas. Distâncias mínimas para evitar esmagamento de
partes do corpo humano.
Fornece os dados para cálculos de intervalos seguros ente partes
móveis etc.

1-11
Princípios de Segurança
Normas Européias Harmonizadas (EU)

EN 1088 (ISO 14119): Segurança do EN 418 (ISO 13850): Segurança do maquinário


maquinário Dispositivos de parada de emergência — Aspectos
Dispositivos de intertravamento associados a funcionais — Princípios para o projeto.
proteções -- princípios para o projeto e seleção. Fornece os princípios e requisitos do projeto.
Fornece princípios para o projeto e seleção de dispositivos de ISO 11161 (atualmente sob revisão para ISO e
intertravamento associados com proteções.
EN: Sistemas de Automação Industrial
Para verificar as chave mecânicas, consulte IEC 60947-5-1 —
Mecanismos de distribuição de baixa tensão — Pt 5: Elementos Segurança de Sistemas Integrados de Produção —
de comutação e dispositivos de circuitos controle — Seção 1: Requisitos Básicos.
Dispositivos de circuitos de controle eletromecânicos. Esta norma especifica requisitos de segurança onde duas ou mais
máquinas estão interconectadas e operadas por um controlador,
Para verificar chaves não mecânicas, refere-se ao IEC 60947-5-3 –
capazes de serem reprogramadas para a produção de peças ou
Requisitos específicos para dispositivos de proximidade com
montagens distintas.
medidas de prevenção de falhas ou comportamento definido
sob condições de falha. (Número e título apenas provisórios). IEC/EN 61496-1: Segurança do maquinário
Equipamento eletrossensível de proteção Pt 1:
EN 954-1 (ISO 13849-1): Segurança do
Requisitos gerais e testes. (Versão EN não
maquinário publicada).
Peças relacionadas à segurança de sistemas de
controle — Pt 1: Princípios gerais para o projeto. IEC 61496-2: Requisitos gerais e testes.
Pt 2: Requisitos específicos para equipamentos que
Esta norma resume os requisitos para as peças críticas de segurança usam dispositivos de proteção óptico-eletrônicos
de sistemas de controle da máquina e descreve 5 categorias de ativos.
desempenho “B, 1, 2, 3 e 4.” Não está certo qual número ele
finalmente carregará. Em qualquer forma que ele seja publicado, A parte 1 fornece os requisitos e procedimentos de teste para
contudo, é importante alcançar um conhecimento de trabalho deste controle e para os aspectos de monitoração para equipamentos de
documento, já que suas categorias estão se tornando aceitas como a proteção eletrossensíveis. As partes subseqüentes tratam de aspectos
“linguagem” comum para descrever a performance de sistemas de específicos do lado sensível do sistema. A parte 2 fornece os
controle relacionados à segurança. requisitos específicos para a segurança das cortinas de luz.

EN 1050 (ISO 14121): Segurança do EN 1760-1: Segurança do maquinário


maquinário Dispositivos de Segurança Sensíveis à Pressão —
Princípios de avaliação de risco. Pt 1: Tapetes e Pisos.

Resume os fundamentos do processo de avaliações de riscos durante a Fornece os requisitos e procedimentos de teste.
vida da máquina. Ele resume os métodos para análise dos perigos e EN 1760-2: Segurança do maquinário
estimativas de riscos. Dispositivos de Segurança Sensíveis à Pressão —
EN 999 (ISO 13855): Segurança do maquinário Pt 2: Bordas e Barras.
O posicionamento do equipamento de proteção em Fornece os requisitos e procedimentos de teste.
relação ás velocidades de abordagem de partes do
corpo humano. EN 1037 (ISO 14118): Segurança do
maquinário
Fornece métodos para projetistas calcularem as distâncias mínimas de
Requisitos Gerais para o Projeto e Construção de
segurança de um perigo para dispositivos específicos de segurança,
Proteções.
em particular para dispositivos eletrossensíveis (exemplo: cortinas de
luz), tapetes/pisos sensíveis à pressão e controles de duas mãos. Fornece definições, descrições e requisitos de projeto para proteções
Contém um princípio para o posicionamento de dispositivos de móveis e fixas.
segurança baseados na velocidade e tempo de parada da máquina,
IEC 1038 — Segurança do maquinário
que pode ser razoavelmente extrapolado para cobrir portas de
proteções intertravadas sem travamento das proteções. Isolamento e dissipação de energia — Prevenção de
start-up inesperado.
EN 574 — Segurança do maquinário
Define medidas com o objetivo de isolar máquinas de fontes de
Dispositivos de controle bimanual — Aspectos
alimentação e dissipar a energia armazenada, para prevenir o start-up
funcionais — Princípios para o projeto.
inesperado da máquina e permitir a intervenção em zonas de perigo.
Fornece os requisitos e orientação no projeto e seleção de
dispositivos de controle de duas mãos, incluindo a prevenção de
defeitos e erros.

1-12
Princípios de Segurança
Escolha das Medidas de Proteção

Escolha das Medidas de Proteção


Quando o teste de risco mostrar que a máquina ou processo carrega
um risco de dano, o perigo deve ser eliminado ou contido. A maneira
pela qual isto é atingido dependerá da natureza da máquina e do
perigo. Em termos básicos isto significa prevenir qualquer acesso às
peças relevantes enquanto elas estão em uma condição perigosa. A
melhor escolha de medida de proteção é um dispositivo ou sistema
que forneça a proteção máxima com o mínimo obstáculo à operação
normal da máquina. É importante que todos os aspectos da máquina
sejam considerados, como a experiência mostra que um sistema é
difícil de usar é mais sujeito a ser removido ou ultrapassado.
Para alcançar isto há uma escolha de:

1. Prevenir o acesso durante a movimentação perigosa


Figura 14
ou
2. Prevenir movimentação perigosa durante o acesso.
Controles de Bimanual
As páginas seguintes fornecem uma breve visão geral das
O uso de controles de duas mãos (também referidos como controles
características dos dispositivos mais comumente usados.
bimanuais) é um método comum de prevenção de acesso enquanto a
Prevenção de Acesso máquina está em uma condição perigosa. Dois botões de início têm
Proteções de Fechamento Fixas que ser operados ao mesmo tempo para a máquina funcionar. Isto
Se o perigo estiver na parte da máquinas que não requisita acesso, ela certifica que ambas as mãos do operador estão ocupadas em uma
deve estar permanentemente protegida com proteções presas e fixas. posição segura (ou seja, nos controles) e assim não podem estar na
área classificada.

Figura 13
Figura 15
Proteções Móveis com Chaves de Intertravamento
Se o acesso é requisitado, precisa haver uma proteção (que pode ser Observações: Este tipo de medida protege apenas o operador e não
fornece proteção para outras pessoas.
aberta), que é intertravada com a fonte de alimentação do perigo de
uma maneira que certifica que todas as vezes que a porta de proteção
Um sistema de controle bimanual depende fortemente da
não está fechada a alimentação do perigo será desligada. Esta
integridade de seu controle e do sistema de monitoração para
abordagem envolve o uso de uma chave de intertravamento montada
detectar quaisquer falhas, assim, é importante que este aspecto seja
na porta da proteção. O controle da fonte de alimentação do perigo é
projetado para a especificação correta.
dirigido através da chave de seção da unidade.A fonte de alimentação é
geralmente elétrica, mas pode, também, ser pneumática ou O projeto físico deve prevenir a operação imprópria (por exemplo,
hidráulica. Quando o movimento da porta de proteção (abrindo) é pela mão e pelo cotovelo).
detectado, o gabinete de intertravamento isolará a fonte de
alimentação do perigo diretamente ou através de um contato de A máquina não deve passar de um ciclo para outro sem a liberação
potência (ou válvula). ou pressão de ambos os botões. Isto previne a possibilidade de
Algumas chaves de intertravamento também incorporam um ambos os botões serem bloqueados, deixando a máquina funcionar
dispositivo de travamento que tranca a porta da proteção e não a continuamente. A liberação de qualquer botão deve causar a parada
liberará até que a máquina esteja em uma condição segura. Para a da máquina. O uso do controle bimanual deve ser considerado com
maioria das aplicações, a combinação de uma proteção móvel e uma cautela, já que geralmente isto deixa alguma forma de risco exposto.
chave de intertravamento com ou sem o travamento da proteção é
mais confiável e é uma solução de custo mais baixo.

1-13
Princípios de Segurança
Escolha das Medidas de Proteção

É muito útil, entretanto, em aplicações como modo assistente de


controles suspensos e intermitentes, pois pode fornecer níveis
avançados de proteção quando usados em conjunto com outros
dispositivos de proteção.

Prevenção de Movimentação Perigosa


Quando o acesso freqüente é requisitado, a proteção física no perigo
é, muitas vezes, muito restritiva para o carregamento ou ajuste de
peças. Nesta situação, um dispositivo que previna a movimentação
perigosa enquanto permite acesso irrestrito é requisitado, pela
percepção da presença do operador e pela isolação da fonte de
alimentação.

Cortinas de Luz Fotoelétricas Figura 17


Os tapetes sensíveis à pressão são frequentemente usados dentro de
Estes dispositivos emitem uma “cortina” de feixes de luz uma área fechada contendo diversas máquinas, –como, por exemplo,
infravermelha inofensiva em frente à área de perigo. Quando produção flexível ou células robóticas. Quando o acesso for
qualquer dos feixes é bloqueado pelo acesso à área de perigo, o requisitado dentro da célula (para ajustes do robô, por exemplo) ele
circuito de controle de luz desliga a fonte de alimentação do perigo. previne movimentação perigosa se o operador desviar-se da área
Existem muitos fatores que afetam o tipo e posicionamento de uma segura.
cortina de luz e estes são tratados na norma EN 999 “O
O tamanho e posicionamento dos tapetes deve ser calculado, usando
posicionamento dos equipamentos de proteção com respeito às
velocidades de abordagem de partes do corpo humano”. a fórmula da norma EN 999 “O posicionamento dos equipamentos
de proteção com respeito às velocidades de abordagem de partes do
corpo humano”.
Bordas Sensíveis à Pressão
Estes dispositivos são tiras de borda flexível, que podem ser fixadas
na borda da peça móvel, como uma mesa de máquina ou porta
energizada, onde há um risco de perigo de esmagamento ou
cisalhamento.

Figura 16
As cortinas de luz são extremamente versáteis e podem proteger
áreas grandes. Pelo uso de espelhos, os feixes podem ser desviados ao
redor dos cantos para envolver a máquina. Eles estão disponíveis
com diferentes espaçamentos entre os feixes, fazendo-os adequados
para muitas aplicações, variando de perímetros de proteções
totalmente fechados para robôs industriais para indicar a proteção de
acesso para certos tipos de prensas e guilhotinas. Figura 18
Se a parte móvel atingir o operador (ou vice-versa), a borda flexível
Tapetes de Segurança Sensíveis à Pressão sensível será pressionada e desligará a fonte de alimentação do perigo.
Estes dispositivos são usados para fornecer proteção de uma área de As bordas sensíveis podem também ser usadas onde existe um risco
piso ao redor de uma máquina. A matriz dos tapetes interconectados de erro do operador. Se um operador for pego pela máquina, o
é colocada ao redor da área classificada e qualquer pressão contato com a borda sensível desligará a alimentação da máquina.
(ex.: passos do operador) causará o desligamento da unidade As cortinas de luz, tapetes e bordas sensíveis podem ser classificados
controladora do tapete da fonte de alimentação do perigo. como “dispositivos de disparo”. Na verdade, eles não restringem o
acesso, mas apenas o “detectam”. Eles confiam inteiramente na sua
habilidade de sentir e mudar para a provisão de segurança: É
importante que seus circuitos de controle incorporem a própria
monitoração e medidas de falhas-seguras. Em geral, eles são apenas
adequados em máquinas que pára razoavelmente rápido após o
desligamento da fonte de alimentação. Como um operador pode

1-14
Princípios de Segurança
Escolha das Medidas de Proteção

caminhar ou alcançar diretamente a área classificada, é obviamente sendo considerada para as futuras edições desta norma. A remoção
necessário que o tempo tomado para a movimentação parar seja final da alimentação em um circuito de parada de categoria 0 e 1
menor do que o requisitado para o operador alcançar o perigo após deve ser um componente eletromecânico.
disparar o dispositivo.
Dispositivos de Parada de Emergência
Paradas Toda vez que há um perigo de um operador com problemas em uma
Nos E.U.A, Europa e no nível internacional, há um acordo sobre as máquina deve haver a facilidade de fácil acesso para um dispositivo
descrições das categorias das paradas para máquinas de sistemas de de parada de emergência. O dispositivo de parada de emergência
produção. OBS.: estas categorias são diferentes das categorias do deve ser continuamente operável e prontamente disponível. Cada
EN 954-1 (ISO 13849-1). Consulte as normas NFPA79 e IEC/ painel de operação deve conter, pelo menos, um dispositivo de
EN60204-1 para maiores detalhes. As paradas estão divididas em parada de emergência. Os dispositivos extras de parada de
três categorias: emergência podem ser usados em outros locais conforme necessário.
Os dispositivos de parada de emergência vêm de várias formas.
• Categoria 0 é a parada por meio da remoção imediata da Botões e chaves acionadas por cabo são exemplos dos mais
alimentação dos atuadores das máquinas. É considerada populares tipos de dispositivos. Ao acionar o dispositivo de parada
uma parada não controlada. Com a alimentação removida, a de emergência, não deve ser possível gerar o comando de parada
interrupção da ação que precisa de energia não será efetiva. sem travá-lo. O reset do dispositivo de parada de emergência não
Isto permitirá que os motores girem livremente e parem por deve causar uma situação de perigo. Uma ação deliberada e à parte
inércia em um período de tempo prolongado. Em outros deve ser usada para reiniciar a máquina.
casos, o material pode ser despejado pelos acessórios de
retenção da máquina que requer que a alimentação retenha o Para maiores informações sobre dispositivos de parada, leia EN418
material. Os meios de paradas mecânicas, que não requerem (ISO13850), IEC 60947-5-5, NFPA79 e IEC60204-1, AS4024.1,
alimentação, também podem ser usados com uma parada de Z432-94.
Categoria 0. A parada de categoria 0 tem prioridade sobre as
paradas das categorias 1 e 2. Botões de Parada de Emergência
• Categoria 1 é uma parada controlada com alimentação A maneira mais comum de apresentação destes botões é na forma
disponível para que os atuadores da máquina consigam de um botão cogumelo vermelho em um fundo amarelo que o
parar. Em seguida, a alimentação é removida quando a operador pressiona no evento de uma emergência (consulte a
parada é alcançada. Esta categoria de parada permite que a Figura 19). Eles devem ser colocados estrategicamente, em
frenagem alimentada pare os movimentos perigosos quantidade suficiente, ao redor da máquina para certificar que haja
rapidamente e, então, a alimentação pode ser removida dos sempre um ao alcance, em um ponto de perigo.
atuadores.
• Categoria 2 é uma parada controlada com alimentação
disponível para os atuadores da máquina. Uma parada de
produção normal é considerada uma parada de Categoria A.
Estas categorias de parada devem ser aplicadas a cada função de
parada quando a função de parada é a ação tomada pelas peças
relacionadas à segurança do sistema de controle, em resposta, a uma
categoria de entrada 0 ou 1 deve ser usada. As funções de parada
devem suprimir as função de partida relacionadas. A seleção da
categoria de parada para cada função de parada deve ser
determinada por uma avaliação de risco.

Função de Parada de Emergência


A função de parada de emergência deve operar como uma parada de
categoria 0 ou 1, conforme determinado pela avaliação de risco. Ela Figura 19
deve der iniciada por uma única ação humana. Quando executada,
ela deve suprimir todas as outras funções e modos de operação da
máquina. O objetivo é remover a alimentação o mais rapidamente
possível sem criar riscos extras.

Há bem pouco tempo, componentes eletromecânicos fisicamente


conectados eram necessários para as categorias de circuitos de
parada de emergência. Com o advento dos CLPs de segurança e a
lógica eletrônica, que atendem aos requisitos de normas como a
IEC61508, podem ser usados no circuito de parada de emergência.
A versão atual da IEC 60204-1 publicada exige componentes
eletromecânicos. A remoção desta restrição do IEC 60204-1 está

1-15
Princípios de Segurança
Estratégia de Segurança

Dispositivos Atuados por Cabos Estratégia de Segurança


Normalmente, em maquinário como transportadoras, é mais
Incluindo Teste de Risco e Redução de Risco
conveniente e eficiente usar um dispositivo atuado por cabo
(Conforme mostrado na Figura 20.) como dispositivo de parada de De um ponto de vista puramente funcional quanto mais
emergência. Estes dispositivos usam uma corda de fios de aço eficientemente uma máquina realiza sua tarefa de processamento de
conectada ao dispositivo de atuação da retenção de forma que ao material, então melhor ela é. Mas para uma máquina ser viável, ela
puxar a corda em qualquer direção, em qualquer ponto de sua deve ser, também, segura.
extensão, a chave será desarmada e a alimentação da máquina Na realidade, a segurança deve ser considerada uma preocupação
desligada. básica; isto inclui a segurança de equipes e ambiente. (Embora o
ambiente esteja fora do escopo desta seção, as duas categorias de
segurança são freqüentemente a mesma coisa).
Para alcançar a estratégia apropriada deve haver um:
1. AVALIAÇÃO DE RISCO baseada em um entendimento
claro dos limites e funções da máquina que deve, então, ser
analisada para identificar qual representa um perigo potencial.
O grau de risco devido ao perigo é, então, estimado para
fornecer a base para julgamento em estágios posteriores. Uma
avaliação de risco é então requisitada para determinar se as
medidas de segurança existentes são satisfatórias ou se medidas
adicionais são requisitadas para reduzir o risco.
2. A REDUÇÃO DO RISCO é, então, feita, se necessário, e as
medidas de segurança são selecionadas, baseadas nas
informações derivadas do estágio de teste de risco.
Figura 20
Após a implementação destas medidas, o processo é repetido para
Chaves de Intertravamento de Portões determinar se a segurança foi, de fato, alcançada.
As chaves de intertravamento de portões são usadas para enviar os
comandos de parada para as peças relacionadas à segurança do A maneira pela qual isto é feito é a base da ESTRATÉGIA DE
sistema de controle. As intertravas do gate podem, mas não SEGURANÇA para a máquina.
necessariamente devem, executar a mesma função de dispositivo de Precisamos de uma lista de verificação para seguir e garantir que todos
parada de emergência. As paradas de categoria 0 ou 1 devem ser os aspectos são considerados e que o princípio não se perdeu nos
determinadas pela avaliação de risco. A fechar o gate não deve iniciar detalhes.
a máquina. Uma ação deliberada e à parte deve ser usada para
reiniciar a máquina. O primeiro passo é certificar que todo o processo seja documentado.
Isto não apenas garantirá um trabalho mais completo, mas também
Dispositivo de Disparo Telescópico fará com que os resultados estejam disponíveis para a verificação de
Outras variações incluem chaves de antenas telescópicas onde o desvio outras peças. Isto também pode ser incluído no arquivo técnico, que
da antena faz a chave desligar a alimentação da máquina. Estes suporta a Declaração de Conformidade para as Diretrizes da Máquina.
dispositivos são mais comumente usados como dispositivos de Como o processo é provável de ser repetido, a documentação dos
disparo em máquinas como furadeiras de coluna. A chave é montada resultados significa que repetições desnecessárias podem ser
na furadeira e a antena é estendida para baixo, perto da broca da evitadas.
furadeira. No caso de um operador se atrapalhar com a furadeira, ele
será empurrado para cima da antena que opera a chave (geralmente Deve ser notado, aqui, que se a máquina é projetada em conformidade
conectada à uma unidade de injeção de frenagem, como mostrado na com a norma do tipo “C”, específico para aquela máquina, ela já
Figura 21.) deve incorporar todas as medidas necessárias para sua segurança.É
fortemente recomendado que este processo seja ainda conduzido para
assegurar que tudo seja considerado.

Embora esta seção possa apenas parecer se aplicar para os


fabricantes de máquinas, ela é também relevante para os usuários,
pois as máquinas são freqüentemente usadas em situações não
previstas pelo fabricante. O usuário (ou empregador) deve fornecer
um ambiente de trabalho seguro. O regulamento 5 do P.U.W.E.R.
(parágrafo 60 da orientação) torna claro que a segurança do
equipamento de trabalho é abordada partir de três aspectos:

A. Sua integridade inicial


B. O lugar onde ela é usada
C. O propósito para o qual ela é usada.
Figura 21

1-16
Princípios de Segurança
Estratégia de Segurança

Por exemplo, uma máquina de fresagem, usada em uma oficina de Cada máquina com um perigo deve ser identificada e marcada na
escola, necessitará de considerações adicionais além daquelas que lista junto com os tipos de perigos presentes. Neste estágio, é apenas
são usadas em uma sala de ferramentas industriais. a identificação de perigo que nos interessa. É tentador começar a
estimar o grau do risco afirmado pelo perigo, mas isto deve ser tratado
Deve também ser lembrado que se uma empresa de usuário adquire como um processo separado de estimativa de risco.
duas ou mais máquinas independentes e as integra em um processo,
ela é, tecnicamente falando, o fabricante da máquina combinada
ESTIMATIVA DE RISCO
resultante.
Este é um dos mais fundamentais aspectos da segurança da máquina.
Agora, vamos considerar os passos essenciais na rota de uma Há muitos meios de enfrentar este assunto e as páginas seguintes
estratégia única de segurança apropriada. O seguinte pode ser (consulte a Figura 22), dão uma abordagem simples, mas efetiva e
aplicado em uma instalação de fábrica existente ou em uma máquina servem para ilustrar os princípios básicos. O método deve ser
nova. adaptado, como necessário, para adequar os requisitos de situações
individuais. Um entendimento de sua importância e método é
Avaliação de Risco absolutamente essencial.
Toda máquina que contém perigos apresenta riscos. É importante ser
Por que um teste de risco é necessário? capaz de descrever em que ponto o risco está, em uma escala
relativa, do mínimo até o máximo. As páginas a seguir fornecem um
Uma razão é óbvia, é um requisito legal na União Européia. A método prático. O método é simples de usar e confiável como
maioria das diretrizes e regulamentações a respeito da segurança da orientação para uma abordagem lógica. Primeiro vamos analisar
máquina estabelece que um acesso de risco formal deve ser alguns dos pontos fundamentais.
conduzido. A maioria dos Padrões Europeus Harmonizados, tipo A e
B, refere-se a isto e o próprio sujeito tem um padrão — EN 1050 1. A estimativa de risco deve ser sempre documentada.
“Princípios para Avaliação de Risco.” Pode haver poucas pessoas
interessadas na segurança do maquinário, que não percebam a É tentador fazer um julgamento puramente intuitivo. Enquanto isto
importância da avaliação de risco e como nós estabelecemos que isto pode freqüentemente ser baseado na experiência, quase não levará
é uma parte integrantes de uma estratégia de segurança. em conta todas as considerações necessárias e não pode ser
É errado considerar o teste de risco como uma perda de tempo. verificado ou passado para outros facilmente.
É um processo de ajuda que fornece informações vitais e dá poder ao Você deve seguir um norma lógico, escrever os resultados e solicitar
usuário ou projetista para tomarem decisões lógicas sobre os modos de a outras pessoas que os verifiquem.
atingir a segurança.
2. O que é risco?
Determinação do Limite da Máquina e O termo risco é freqüentemente confundido com a severidade de
Identificação do Perigo um acidente. A severidade de dano potencial E a probabilidade de sua
Uma lista completa de todas as máquinas deve ser feita. Onde ocorrência têm que ser levados em conta para estimar a quantidade de
máquinas separadas estão conectadas, mecanicamente ou por risco presente.
sistemas de controle, elas devem ser consideradas como uma
máquina única. Cada máquina é, então, considerada individualmente 3. Todos os fatores previsíveis devem ser levados em
para ver se representa qualquer tipo de perigo e se a lista está de conta.
acordo. Como com o estágio de Identificação de Perigo, é importante
É importante considerar todos os limites e estágios da vida de uma considerar todos os estágios da vida de uma máquina incluindo a
máquina, incluindo instalação, comissionamento, manutenção, instalação, comissionamento, manutenção, descomissionamento, uso
descomissionamento, uso e operação corretos, bem como as e operação corretos, bem como as conseqüências de usos indevidos
conseqüências de usos indevidos ou mal funcionamento ao mau funcionamento razoavelmente previsível.
razoavelmente previsíveis.

Todos os tipos de perigo devem ser considerados incluindo


esmagamento, cisalhamento, erros, ejeção de peças, vapores,
radiação, substâncias tóxicas, calor, ruído etc.

Observações: Se uma máquina conta com qualquer outra coisa mais do


que sua natureza intrínseca para sua segurança, ela deve ser indicada
como uma fonte de perigo. Uma máquina com engrenagens expostas tem
um perigo óbvio e direto. Mas se as engrenagens estiverem protegidas
por um dispositivo de acesso intertravado, elas são um perigo potencial
que pode se tornar um perigo real no evento de falha do sistema de
intertravamento.

1-17
Princípios de Segurança
Estratégia de Segurança

algumas variações nas abordagens detalhadas. Isto reflete o fato de


AVALIAÇÃO DE RISCO que tem sido fortemente influenciado pela necessidade de
Identifica todas as máquinas dentro desenvolver um método que seja direto e confiável e seja
do local de trabalho — Então para especificamente destinado para auxiliar na seleção de sistemas de
cada máquina Consulte as
informações
proteção.
relevantes e um
especialista Os seguintes fatores são levados em conta:
LIMITES DA MÁQUINA
Você pode prever todas as
Não 1. A SEVERIDADE DE DANO POTENCIAL
operações e usos possíveis da
máquina 2. A PROBABILIDADE DE SUA OCORRÊNCIA.
A probabilidade de ocorrência constitui-se de dois fatores:
Sim a – FREQÜÊNCIA DE EXPOSIÇÃO
b – PROBABILIDADE DE DANO.
IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Tratando cada fator independentemente, nós devemos atribuir
Identifica cada situação de perigo — valores para estes fatores.
Para cada perigo
Faça uso de quaisquer dados e especialista disponíveis. Você está
ESTIMATIVA DE RISCO tratando com estágios de vida da máquina, então baseie suas
Estima o nível de risco devido decisões nas piores situações.
ao risco REDUÇÃO DE
RISCOS Lembre-se, para os propósitos deste exercício, que você deve
Aborda o perigo por um assumir que um sistema de proteção não foi incorporado ou falhou
AVALIAÇÃO DE RISCO processo de novo projeto para o perigo. Desta forma, por exemplo, a alimentação da máquina
Não ou medidas adicionais
O nível de risco é pode não estar isolada quando uma proteçã o é aberta ou pode até
aceitável
Determine se as realizar o start-up inesperadamente enquanto a porta é aberta.
características funcionais de
Alguma medida de segurança desempenho da medida de
foi analisada e provou ser Não segurança são adequadas 1. A gravidade de ferimento potencial
adequada? para a máquina e seu tipo
de uso
Para esta consideração, estamos presumindo que o acidente ou
Sim incidente ocorreu. Um cuidadoso estudo do perigo revelará qual é o
dano mais severo que pode ser razoavelmente encarado.
FIM DO
PROCESSO Estratégia de Segurança
Figura 22
NÍVEL
4. É um processo repetitivo, mas o trabalho não precisa DE
ser repetido desnecessariamente
Por exemplo: Uma máquina que tenha uma porta de proteção com
Neste exemplo, o ferimento mais Neste exemplo, o ferimento mais
um sistema de intertravamento que, durante a avaliação de risco grave seria “fatal.” grave seria “sério”. Com a
anterior, mostrou ser satisfatória. Provado que não há nenhuma possibilidade de escoriação, fratura,
mudança que a afete, durante os testes de risco subseqüente, amputação de dedos ou danos na
chave de injeção do mandril, etc.
nenhuma medida adicional será requisitada, já que o risco foi
satisfatoriamente reduzido (ou eliminado). Figura 23
Mas se a máquina nunca foi submetida a testes de risco formais ou Lembre-se: Para esta consideração nós estamos assumindo que um
suas circunstâncias de uso tiverem sido alteradas, então não pode ser dano é inevitável e estamos apenas considerando sua severidade.
automaticamente assumido que o sistema de intertravamento é
satisfatório e a estimativa de risco deve ser repetida para verificar sua A severidade do dano deve ser testada como:
adequação. • FATAL
A sugestão para a estimativa de risco dada nas páginas seguintes não é • GRAVE: (Normalmente irreversível) Invalidez permanente,
advogada como o método definitivo, já que as circunstâncias perda da visão, amputação de membro, danos respiratórios
individuais podem ditar uma abordagem diferente. É etc.
PRETENDIDA APENAS COMO UMA ORIENTAÇÃO • SÉRIO: (Normalmente reversível) Perda da consciência,
GERAL PARA ENCORAJAR UMA ESTRUTURA METÓDICA queimaduras, fraturas etc.
E DOCUMENTADA. • LEVE: Escoriação, cortes, abrasões leves.

Ela é feita para explicar e complementar a seção de estimativa de


risco na norma EN 1050 “Princípios para Avaliação de Risco”. Ela
usa os mesmos princípios estabelecidos como normas, mas tem

1-18
Princípios de Segurança
Estratégia de Segurança

2b. Probabilidade de ferimento


Você deve assumir que o operador está exposto ao movimento ou
processo perigoso.

10
1MENOR
3 SÉRIA
6 PRINCIPAL
FATAL
NÍVEL DE
FREQÜÊNCIA

Neste exemplo, a probabilidade de Neste exemplo, a possibilidade de


Figura 24 danos pode ser classificada como ferimento pode ser classificada
“certa” porque boa parte do como “possível” porque há o
corpo está na área de perigo e contato mínimo entre o perigo e o
2a. Freqüência de exposição devido à velocidade de operação operador. Pode haver tempo para
da máquina. escapar do perigo.

Figura 27
NÍVEL DE
DEFICIÊNCIA Por considerar a maneira pela qual o operador está envolvido com a
máquina e outros fatores (velocidade de início, por exemplo), a
probabilidade de dano pode ser classificada como:

• Improvável • Provável
• Possível • Certa
Figura 25
A freqüência de exposição ao perigo pode ser classificada como:

• FREQÜENTE: Muitas vezes por dia.


• OCASIONAL: Diariamente.
• RARAMENTE: Semanalmente ou menos.

2 4
PROVÁVEL
6
CERTA

1
IMPROVÁVEL
POSSÍVEL

2 4
PROVÁVEL
Figura 28: Os valores são atribuídos conforme mostrado acima

Em todos os cabeçalhos está designado um valor e eles são, agora,


adicionados para dar uma estimativa inicial.
1 POSSÍVEL
O próximo passo é ajustar a estimativa inicial considerando fatores
IMPROVÁVEL
adicionais, como aqueles mostrados abaixo. Freqüentemente eles
Figura 26: Os valores são atribuídos conforme mostrado acima podem apenas ser considerados apropriadamente quando a máquina
for instalada em seu local de operação.

1-19
Princípios de Segurança
Estratégia de Segurança

Avaliação e Redução de Risco


Agora devemos considerar cada máquina e seus riscos respectivos,
um de cada vez, e tomar medidas para abordar todos os seus perigos.
A seção 1.2.2(b) do ANEXO I da Diretriz de Máquinas explica que
há três métodos básicos a serem considerados e usados na seguinte
1 ordem:

• Eliminar ou reduzir os riscos tanto quanto possível (projeto

6
e construção de máquinas inerentemente seguras)
• Tomar as medidas de proteção necessárias em relação aos
riscos que não podem ser eliminados.
• Informar os usuários dos riscos residuais, devido a qualquer
deficiência das medidas de proteção adotadas, indicar se

Figura 29
6 qualquer treinamento específico for requisitado e especificar
qualquer necessidade de fornecer equipamento de proteção
pessoal.
Se a máquina ainda estiver em estágio de projeto, pode ser possível
(Obs.: Isto não é baseado nas ilustrações de exemplos eliminar o perigo pela mudança de abordagem.Se os métodos do
anteriores). projeto não puderem fornecer a resposta, outra ação precisa ser
Dependendo do tipo e uso da máquina pode haver outros fatores tomada.
relevantes que devem, também, ser listados e considerados neste Os tipo de medidas a ser consideradas são dadas em maiores
estágio, como mostrado na Tabela 1. detalhes no Regulamento 11 (2) HIERARQUIA DE MEDIDAS do
P.U.W.E.R. (Provisão e uso de regulamentos de equipamento de
trabalho de 1992):
Fator Típico Ação Sugerida
Mais de uma pessoa exposta ao Multiplicar o fator de severidade A. Proteções de fechamento fixas.
perigo pelo número de pessoas.
B. Proteções móveis (intertravadas) ou dispositivos de proteção
Tempo prolongado na zona de Se o tempo gasto por acesso for
(cortinas de luz, tapetes de pés, etc.).
perigo sem isolação completa da maior do que 15 minutos adicione
alimentação. 1 ponto ao fator freqüência. C. Aparelhos de proteção (gabaritos, prendedores, bastões de
O operador está inabilitado ou pressão etc.): Usados para alimentar uma peça de trabalho
Adicione 3 pontos ao total.
não treinado. enquanto conserva o corpo dos operadores fora da zona de
Intervalos muito longos (ex.: 1 perigo. Freqüentemente usado em conjunção com proteções.
ano) entre acessos. (Podem haver D. Provisão de informações, instruções, treinamento e
Adicione pontos equivalentes ao
falhas progressivas e não
fator máximo de freqüência. supervisão.
detectáveis, particularmente no
sistema de monitoração). É importante que os operadores tenham o treinamento necessário nos
Tabela 1 métodos de trabalho seguros para uma máquina. Isto não significa
que as medidas (a), (b) ou (c) possam ser omitidas. Não é aceitável
Os resultados de todos os fatores extras são adicionados ao total meramente contar a um operador que ele não deve chegar perto das
anterior conforme mostrado (veja a Figura 30). peças perigosas (como uma alternativa para protegê-los).

Equipamento de Proteção Pessoal — Além das medidas acima,


HIGH pode ser necessários que o operador use equipamentos como luvas
especiais, óculos de proteção, respiradores etc. O projetista do
maquinário deve especificar qual tipo de equipamento é necessário.
O uso de equipamento de proteção individual geralmente não
formará o método primário de salvo-proteção, mas complementará
as medidas mostradas acima.
IUM
1 MED Cada medida da hierarquia deve ser considerada individualmente,
começando do topo e usada onde praticável. Isto pode resultar em
uma combinação de medidas.
6 LO
W Se o acesso às peças perigosas não for requisitado, a solução é
protegê-las por algum tipo de proteção fechada fixa.
6 Se o acesso não for requisitado, então a vida se torna um pouco mais
difícil. Será necessário certificar que o acesso pode apenas ser feito
Figura 30

1-20
Princípios de Segurança
Estratégia de Segurança

enquanto a máquina estiver segura. Medidas protetoras, como portas Em qualquer tipo de dispositivo de proteção que seja escolhido, deve
de proteção intertravadas e/ou sistemas de disparo serão ser lembrado que um “sistema relacionado à segurança” pode conter
requisitados. A escolha do dispositivo ou sistema de proteção deve muitos elementos, incluindo o dispositivo de proteção, fiação,
ser fortemente influenciada pelas características operacionais da dispositivo de chaveamento de alimentação e, algumas vezes, partes do
máquina. Isto é extremamente importante já que um sistema que sistema de controle operacional da máquina. Todos estes elementos do
piora a eficiência da máquina estará sujeito à remoção não autorizada sistema (incluindo proteções, fixadores, fiação etc.) devem ter
ou transposição. características de performance relevantes, adequadas para seus
princípios e tecnologia de projeto. A Norma ISO 13849-1 resume várias
A segurança da máquina neste caso dependerá da aplicação categorias para peças relacionadas à segurança dos sistemas de controle.
apropriada e operação correta do sistema de proteção, até mesmo A próxima seção tem mais informações sobre este assunto.
sob condições de falha. A aplicação apropriada tem sido tratada,
agora, com a escolha apropriada do tipo geral do sistema de Um dos erros mais comuns encontrados é acreditar que um alto nível
proteção. de risco sempre equipara-se diretamente a um alto nível de categoria.
Como veremos no próximo capítulo, este não é, necessariamente,
A operação correta do sistema deve, agora, ser considerada. Dentro sempre o caso.
de cada tipo há, provavelmente, a escolha de tecnologia com vários
graus de performance de monitoração, detecção ou prevenção de A tabela mostrada na Figura 31 é uma sugestão para parte do
falhas. processo documentado para dar conta de todos os aspectos da
máquina sendo usada. Ela age como uma orientação para os
Em um mundo ideal, cada sistema de proteção seria perfeito, com usuários da máquina, mas o mesmo princípio pode ser usado pelos
absolutamente nenhuma possibilidade de falha em uma condição fabricantes e pelos fornecedores da máquina para confirmar que
perigosa. No mundo real, contudo, somos restringidos pelos limites todos os equipamentos foram considerados e atuará como um índice
atuais de conhecimento e materiais. Outra restrição é, naturalmente, para relatórios mais detalhados no teste de risco, etc.
o custo. Isto se torna óbvio, pois, por causa deste fator, é requisitado
um senso de proporção. O bom senso nos fala que seria ridículo Ela mostra que onde a máquina porta a marca CE, o processo é
insistir que a integridade de um sistema de segurança, em uma simplificado, já que os perigos da máquina já foram considerados pelo
máquina pode, na pior situação, causar escoriações brandas, é a fabricante e as medidas necessárias foram tomadas. Mesmo com
mesma requisitada para manter um jato Jumbo no ar. As equipamentos marcados com CE, pode ainda haver perigos, devido à
conseqüências da falha são drasticamente diferentes e, desta forma, natureza de sua aplicação ou material sendo processado, que o
precisamos ter algum meio de relacionar a extensão das medidas de fabricante não previu.
proteção ao nível de risco obtido no estágio de estimativa de risco.

1-21
Princípios de Segurança
Sistemas de Controle Relacionados à Segurança

Company - MAYKIT WRIGHT LTD


Facility - Tool room - East Factory.
Date - 8/29/95
Operator profile - Apprentice/Fully skilled.

Equipment Directive Risk Accident Notes Hazard Hazard Action Implemented


Identity & Date Conformity Assessment History Identity Type Required and Inspected -
Report Reference
Number
Bloggs center lathe. None RA302 None Electrical equipment Chuck rotation Mechanical Fit guard 11/25/94 J Kershaw
Serial no. 8390726 claimed complies with with guard open Entanglement interlock switch Report no 9567
Installed 1978 BS EN 60204 Cutting
E-Stops fitted
(replaced 1989)

Cutting fluid Toxic Change to 11/30/94 J Kershaw


non toxic type Report no 9714

Swarf cleaning Cutting Supply gloves 11/30/94 J Kershaw


Report no 9715

Bloggs turret head M/c Dir. RA416 None Movement Crushing Move machine 4/13/95 J Kershaw
milling m/c EMC Dir of bed to give enough Report no 10064
Serial no 17304294 (towards wall) clearance
Manuf 1995
Installed May 95

Figura 31
Observações: Obs. 3: A revisão da falhas pode ser limitada a duas falhas
Sistemas de Controle Relacionados à em combinação se isto puder ser justificado, mas circuitos complexos
(exemplo: circuitos de microprocessador) podem requisitar mais falhas
Segurança
em combinação para serem consideradas.
O que é um sistema de controle relacionado à segurança?
(freqüentemente abreviado para SRCS). Então, como você decide qual categoria você necessita? Para traduzir
É a parte do sistema de controle de uma máquina que previne a estes requisitos em uma especificação de projeto do sistema, deve
ocorrência de uma condição perigosa. Isto pode ser um sistema haver uma interpretação dos requisitos básicos.
dedicado separado ou pode ser integrado com o sistema de controle
É comum acreditar erroneamente que a categoria 1 fornece a menor
da máquina normal.
proteção e a categoria 4 fornece a melhor. Esta não é a razão da
Sua complexidade variará de um sistema simples típico, como uma classificação das categorias. Elas pretendem ser pontos de referência que
chave de intertravamento com trava elétrica de porta e chave de descrevem a performance funcional de diferentes tipos de métodos
parada de emergência conectada em série à bobina de controle do de sistemas de controles relacionados à segurança e das suas peças
contator de alimentação, até um sistema composto, tendo dispositivos constituintes.
simples e complexos comunicando-se através do software e
A Categoria 1 é objetivada para a PREVENÇÃO de falhas. Isto
hardware.
é alcançado pelo uso de princípios de projetos, componentes e
Para fornecer a função de segurança, o sistema deve continuar a materiais. Simplicidade do princípio e do projeto, juntos com o uso
operar corretamente sob todas as condições previsíveis. de materiais com características estáveis e previsíveis são as chaves
para esta categoria.
Então, como projetamos um sistema para alcançar isto e quando
tivermos feito isto, como demonstramos? As categorias 2, 3 e 4 requisitam que, se as falhas não puderem
ser prevenidas, elas devem ser DETECTADAS (e a ação
A Norma ISO 13849-1 “Peças relacionadas à segurança de sistemas de apropriada tomada). A monitoração e verificação são as chaves
controle” trata destes aspectos. Isto coloca uma “linguagem” de para estas categorias. O método mais usual (mas não o único) de
cinco categorias para benchmark e descreve o desempenho de monitoração é duplicar as funções críticas de segurança (ou seja,
SRCSs (a Figura 32 é um resumo destas categorias). redundância) e comparar suas operações.

Observações: Obs. 1: A Categoria B em si não tem nenhuma medida


especial para segurança, mas ela forma a base para as outras categorias.

Observações: Obs. 2: Falhas múltiplas causadas por uma causa comum


ou como conseqüência inevitável da primeira falha devem ser contadas
como um falha única.

1-22
Princípios de Segurança
Sistemas de Controle Relacionados à Segurança

Comportamento do
Resumo dos Requisitos Sistema Princípio
CATEGORIA B (ver obs. 1)

(em direção à PREVENÇÃO falhas)


- Peças relacionadas aos sistemas de controle e/ou seus

Pela seleção de componentes


equipamentos de proteção, bem como seus Quando a falha ocorre, ela pode
componentes, devem ser projetados, construídos, levar à perda da função de
selecionados, montados e combinados de acordo com as segurança.
normas relevantes para que assim eles possam suportar
a influência esperada.
Como descrito para a categoria
CATEGORIA 1 B,
- Os requisitos da categoria B aplicam-se juntamente mas com maior credibilidade da
com o uso de componentes de segurança bem função relacionada à segurança
experimentados e dos princípios de segurança. (quanto maior a credibilidade,
a probabilidade de uma falha.
CATEGORIA 2
A perda da função de segurança
- Os requisitos da categoria B e o uso dos princípios de
é detectada pela verificação.
segurança bem testados se aplicam.
- A(s) função(ões) de segurança deve(m) ser checada(s)
A ocorrência de uma falha pode
durante o start-up da máquina e pelo sistema de
levar à perda da função de
controle da máquina periodicamente. Se uma falha for
segurança entre os intervalos de
detectada, um estágio seguro deve ser iniciado, mas se
verificação.
isto não for possível, um aviso deve ser dado.

(Em direção à DETECÇÃO de falhas)


Quando uma única falha ocorre,
a função de segurança é sempre
CATEGORIA 3 (consulte as notas 2 e 3) acionada.
- Os requisitos da categoria B e o uso dos princípios de

Pela estrutura
segurança bem testados se aplicam. Algumas, mas não todas as
- O sistema deve ser projetado de modo que uma única falhas, serão detectadas.
falha em qualquer de suas peças não leve à perda da
função de segurança. Um acúmulo de falhas não
detectadas pode levar à perda da
função de segurança.
CATEGORIA 4 (consulte as notas 2 e 3)
- Os requisitos da categoria B e o uso dos princípios de
Quando uma falha ocorre, a
segurança bem testados se aplicam.
função de segurança é sempre
- O sistema deve ser projetado de modo que uma única
acionada.
falha em qualquer de suas peças não leve à perda da
função de segurança.
As falhas serão detectadas a
- A única falha detectada antes ou na próxima demanda
tempo de evitar a perda da
da função de segurança. Se esta detecção não for
função de segurança.
possível, um acúmulo de falhas não deve levar à perda da
função de segurança.
Figura 32
Chave de
Intertravamento Controles
Contator de da máquina
Potência Curto-circuito
ou falha no
aterramento

Se considerarmos que o objetivo é a completa confiança, com


Falha de aderência
do contator nenhuma possibilidade de falha em uma condição perigosa, qual das
categorias é a mais apropriada?
Figura 33
Se analisarmos a Figura 32, que tipo de categoria é a mais apropriada?
O exemplo na Figura 33 é um sistema simples, contendo um A de prevenção de falhas ou a detecção de falhas?
dispositivo de intertravamento da porta de proteção, conectado em
O primeiro passo é separar o sistema em seus componentes
série com uma bobina de controle do contator de potência.
principais e considerar seus modos de falhas potenciais.

1-23
Princípios de Segurança
Sistemas de Controle Relacionados à Segurança

Neste exemplo os componentes são: Interlock


Switch
1. Chave de intertravamento.
2. Contator.
3. Fiação. Power Minotaur
Machine
Contactors MSR6RT
Controls
Safety
A chave de intertravamento é um dispositivo mecânico. A tarefa Relay
que ele faz é simples – abrir os contatos quando uma porta de Monitoring
Unit
proteção estiver aberta. Isto atende os requisitos da categoria 1 e
pelo uso de princípios de projeto e materiais corretos pode ser
provado que, quando usado dentro dos parâmetros de operação
estabelecidos, ele não apresentará falhas em uma condição perigosa. Figura 34
Isto se torna viável pelo fato de que o dispositivo é relativamente A Figura 34 mostra um sistema que atende os requisitos da categoria
simples e tem características previsíveis e que podem ser provadas. 3. Uma unidade de relé de monitoração de segurança Guardmaster
MINOTAUR MSR6RT é usada para monitorar um circuito de
O contator é um dispositivo um pouco mais complexo e pode ter controle de dois canais. Qualquer falha única na fiação ou nos
algumas possibilidades teóricas para falha. Os contatores de fabricantes contatores será detectada pelo Minotaur na próxima demanda pela
de reputação são dispositivos extremamente confiáveis. As função de segurança. OBS.: Embora a chave de intertravamento
estatísticas mostram que falhas são raras e podem geralmente ser tenha, agora, o dobro de contatos de pólo duplo, é, ainda, um
atribuídas à instalação ou manutenção precárias. dispositivo que preenche os requisitos da categoria 1 – fazendo parte
de um sistema que preenche os requisitos da categoria 3.
Os contatores devem sempre ter seus contatos de potência
protegidos por um dispositivo de corte de sobrecorrente para Isto apresenta a inevitável questão de quando e em que grau,
prevenir a soldagem. precisamos tomar tais medidas?

Os contatores devem estar sujeitos a uma rotina de inspeção regular A resposta simples é que isto depende dos resultados da avaliação de
para detectar a corrosão excessiva ou as conexões frouxas, que risco. Esta é a abordagem correta, mas devemos entender que isto
podem levar ao superaquecimento e distorção. inclui todos os fatores e não apenas o nível de risco no ponto de
perigo. Por exemplo, pode-se considerar que a estimativa de risco
Deve ser checado se o contator obedece às normas relevantes que mostra um alto nível de risco, o dispositivo de intertravamento deve
incluem as características e condições de uso requisitadas. ser duplicado e monitorado. Entretanto, em muitas circunstâncias,
Atendendo a estes fatores é possível manter as possibilidades de este dispositivo, devido a suas aplicações, projeto e simplicidade, não
falha em um nível mínimo. Mas para algumas situações, até mesmo apresentará falhas em caso de perigo e não haverá nenhuma falha
isto é inaceitável e para aumentar o nível de provisão de segurança, não detectada para monitorar.
precisamos usar a duplicação e a monitoração. Desta forma, o tipo de categoria usada dependerá da avaliação
A fiação que conecta os componentes deve também ser de risco e da natureza e complexidade do dispositivo ou sistema.
considerada. Curtos circuitos não detectáveis e falhas de Isto também esclarece que onde um sistema completo se ajustar aos
aterramento podem levar a uma condição perigosa, mas se ela estiver requisitos da categoria 3, por exemplo, ele pode incluir dispositivos
corretamente projetada e instalada de acordo com normas como da categoria 1.
IEC/EN 60204, para orientação, portanto as chances de falha são Se existirem possibilidades de falha, quanto mais alto o grau de risco
bastante reduzidas. obtido na estimativa de risco, maior a justificativa para medidas de
Este sistema pode fornecer um nível significante de segurança, que prevenção e detecção. O tipo de categoria deve ser escolhido para
será adequado para muitas situações. Você pode observar, contudo, fornecer o método mais adequado e eficiente. Lembre-se, a estimativa
que o contator e a fiação estão propensos a falhas teoricamente do nível de risco é um fator, mas a natureza do dispositivo ou
previsíveis, porém improváveis. Em alguns casos pode ser possível, sistema de proteção e as características de operação da máquina
tomar as devidas precauções (exemplo: quanto à proteção e devem também ser levadas em conta.
instalação do cabo) para eliminar todas as possibilidades de falhas. Se
isto não for possível, então as técnicas relevantes para as categorias
2, 3 e 4, como a duplicação e a monitoração, são, ambas, geralmente,
mais praticáveis e de custo reduzido.
Power Safety
Safety Light Curtain Machine
Contactors Light
Controls
Curtain
Control
System

Figura 35

1-24
Princípios de Segurança
Maiores Considerações e Exemplos

A Figura 35 mostra o mesmo circuito básico, mas o dispositivo de selecionado para sua tarefa, e é projetado e manufaturado para as
intertravamento é substituído por uma cortina de luz de segurança. normas específicas. A parte do sistema com mais tendência a uma
falha é a fiação de conexão. Para superar isto, ela deve ser instalada
A cortina de luz de segurança é um dispositivo complexo.Até mesmo de acordo com as cláusulas relevantes da norma IEC 60204-1. ela
em sua forma mais simples, ela terá um número relativamente grande deve ser dirigida e protegida de maneira que previna quaisquer curto-
de componentes eletrônicos, incluindo circuitos integrados. Os tipos circuitos e falhas de aterramento previsíveis. Este sistema atenderá
mais sofisticados (e, portanto, com mais recursos) podem também os requisitos da categoria 1.
depender de dispositivos e software programáveis.
Start Stop
Antecipar e eliminar todas as falhas perigosas em um dispositivo
eletrônico, mas não programável, seria uma enorme tarefa e com um
dispositivo programável isto seria praticamente impossível.Desta
forma,devemos aceitar que falhas serão possíveis e a melhor resposta
é detectá-las e assegurar que a ação de proteção necessária seja tomada
(ex.: fechar em um estado seguro). Assim, precisaríamos de um K1
dispositivo que satisfaça os requisitos das categorias 2, 3 ou 4. Com um Guard
Interlock
circuito simples, como na Figura 35, a cortina de luz também Switch
monitorará a fiação e os contatores. Como todas as cortinas de luz são
relativamente complexas, a escolha de categorias geralmente
dependerá somente dos resultados da avaliação de risco. Isto não Figura 36
inclui o fato de que pode ser possível trabalhar com uma categoria
diferente se um dispositivo usar uma abordagem não convencional, A Figura 37 mostra um circuito ligeiramente mais complexo. Neste
mas que possa ser provada. caso há um requisito para o dispositivo de intertravamento para
controlar mais do que um contator, cada um em um circuito de
Podemos ver, a partir dos últimos dois exemplos, que o mesmo grau alimentação diferente. As suas peças componentes devem ser
de proteção é fornecido por dois tipos de sistemas usando consideradas da mesma forma.
dispositivos que satisfazem categorias diferentes.
Start Stop

Maiores Considerações e Exemplos


Esta seção fornece exemplos de circuitos de controle relacionados à
segurança, com referência às práticas recomendadas e às categorias
de sistemas de controle relacionados à segurança, onde apropriado. Guard K1
Interlock
Switch
Requisitos gerais
O sistema deve ser capaz de suportar todas as influências esperadas. Minotaur
Estas incluem temperatura, ambiente, carga de potência, freqüência MSR5T
Safety Relay
K2
de trabalho, interferências aéreas, vibração etc. A norma Monitoring
Unit
IEC 60204-1 “Segurança do maquinário —Equipamento elétricos
das máquinas — Especificação para requisitos gerais” fornece
Figura 37
orientação detalhada quanto à proteção contra choque elétrico,
Com um circuito não relacionado à segurança, um relé comum
práticas de fiação, isolamento, ligação equipotencial, equipamentos,
poderia ser usado para “dividir” o sinal, mas onde a segurança é uma
fontes de alimentação, circuitos e funções de controle etc. Um
preocupação isto não seria, definitivamente, aceitável já que eles
conhecimento desta norma é essencial para aqueles preocupados
podem aderir (e algumas vezes o fazem). Desta forma, uma unidade
com o projeto e manutenção de sistemas de controle relacionados à
de relé de segurança de monitoração, como o Guardmaster
segurança.
MINOTAUR MSR5T é usada para fornecer uma ação de
chaveamento certificada. Este sistema atenderá os requisitos da
Unidades de Relé de Segurança de Circuitos e
categoria 1.
Monitoração
CATEGORIA 2
Os exemplos dados abaixo são baseados no uso de um dispositivo
de intertravamento de controle, mas o mesmo princípio pode ser A Figura 38 mostra um sistema que satisfaz os requisitos da
aplicado a outros dispositivos de chaveamento (por exemplo, parada categoria 2 e, desta forma, deve passar por um teste de função de
de emergência ou dispositivos de desarme). segurança antes de a máquina poder ser iniciada. Ela deve ser
também testada periodicamente. Na energização inicial, o Minotaur
Categoria 1
não permitirá a comutação de alimentação para o contator até que a
A Figura 36 mostra um circuito de controle simples de segurança. proteção seja aberta e fechada.Isto inicia uma verificação para
O dispositivo de intertravamento tem modo de operação positivo e quaisquer falhas no circuito, da chave até o Minotaur. Apenas
satisfaz os requisitos da categoria 1. O contator é corretamente quando esta verificação for bem sucedida o contator será energizado.
Em todas as operações subseqüentes de proteção, o circuito será
igualmente verificado.

1-25
Princípios de Segurança
Maiores Considerações e Exemplos

Start Stop sistemas de controle eletrônicos programáveis e complexos


poderiam ser mencionados como o sistema nervoso central de
Guard
Interlock
muitas máquinas. O que quer que aconteça no sistema de controle
Switch afetará a ação da máquina e, da mesma forma, o que quer que
aconteça na máquina afetará o sistema de controle. Interromper a
operação de uma máquina por um método que não utilize o sistema
de controle pode resultar em dano de ferramenta ou dano na
K1 máquina bem como dano ou perda do programa. É também possível
que, no reset, a máquina possa comportar-se de uma maneira
Minotaur imprevisível devido ao “desordenamento” de sua seqüência de
MSR6R (Reset mode)
Safety Relay Monitoring Unit
comandos de controle.
Infelizmente, a maioria dos sistemas eletrônicos programáveis têm
Figura 38
muitos modos de falha devido a sua complexidade para que sejam
Categoria 3 utilizados como o único meio de parar a máquina sob comando do
A Figura 39 mostra um sistema que satisfaz os requisitos da intertravamento da porta de proteção ou do botão da parada de
categoria 3 e é freqüentemente adequado para aplicações com emergência.
estimativas de risco mais elevadas. É um sistema de canal duplo, que Em outras palavras, nós podemos pará-la sem danos na máquina
é totalmente monitorado, incluindo os dois contatores. Ao abrir e OU pará-la SEGURAMENTE — MAS NÃO AMBOS. Três
fechar a proteção, qualquer falha única, perigosa, causará a soluções são dadas abaixo:
interrupção da alimentação do Minotaur para os contatores, até que 1. Sistemas Programáveis Relacionados à Segurança.
a falha seja corrigida e o Minotaur seja resetado. Na teoria é possível projetar um sistema programável que tenha
Start Stop
um nível de integridade de segurança alto suficiente para uso
Guard relacionado à segurança. Na prática isto normalmente seria
Interlock Switch
alcançado pelo uso de medidas especiais como duplicação e
diversidade com monitoração cruzada. Em algumas situações
isto pode ser possível, mas é importante perceber que estas
Contactors
K1 medidas especiais necessitarão ser aplicadas para todos os
aspectos incluindo a escrita do software.
A questão básica é: você pode provar que não haverá (ou haverá
K2
suficientemente poucas) falhas? Um modo de análise completo
de falhas até mesmo para equipamento programável
Minotaur MSR6T
Safety Relay relativamente simples pode, na melhor hipótese, ser um
Monitoring Unit
consumidor excessivo de tempo ou, na pior hipótese, ser
impossível.
Figura 39 A Norma IEC 61508 trata deste objeto em maiores detalhes e
Categoria 4 qualquer um preocupado com sistemas programáveis
A categoria 4 requisita que a função do sistema de segurança ainda relacionados à segurança é advertido para estudá-lo, quando
seja fornecida, até mesmo com um acúmulo de falhas não estiver disponível.
detectadas. O meio mais prático de alcançar isto é empregar técnicas O custo de desenvolvimento destes sistemas é justificável em
de monitoração contínua ou de alta freqüência. Isto não é possível aplicações onde eles têm vantagens significantes ou nenhum
com a maioria dos componentes mecânicos ou eletromecânicos (por outro método funcionará.
exemplo, chaves mecânicas, relés, contatores), da forma como são
2. Unidade de Monitoração com Comando de Supressão de
usados em sistemas de intertravamento e paradas de emergência.
Atraso de Tempo (veja a Figura 40). Este sistema tem um nível
Estas técnicas são viáveis (e freqüentemente usadas) para monitorar
alto de integridade de fiação complexa e também permite um
os componentes eletrônicos de estado sólido, porque uma mudança
desligamento seqüencial e correto que protege a máquina e o
de estado em alta freqüência é possível e não diminui a vida do
programa.
componente substancialmente. Desta forma, a abordagem da
categoria 4 é freqüentemente encontrada em “subsistemas” Main
autônomos, como as cortinas de luz. Contactor

Timed Delay Output


P.E.S. (Sistemas Eletrônicos Programáveis)
Minotaur
Nos circuitos de segurança relacionados mostrados acima, o MSR10 RD
dispositivo de proteção é diretamente conectado aos contator(es)
usando apenas fiação e dispositivos eletromecânicos simples ou Guard
Interlock
completamente monitorados. Este é o método “instalação elétrica Switch PLC
firme” normalmente recomendado. Sua simplicidade significa que é
confiável e relativamente fácil de monitorar. O aumento do controle
operacional normal da máquina está sendo manejado por Normal
Machine Control
equipamentos programáveis. Com os avanços na tecnologia,
Figura 40
1-26
Princípios de Segurança
Maiores Considerações e Exemplos

As saídas primárias do Guardmaster MINOTAUR MSR10RD Outras Considerações


são conectadas às entradas no dispositivo programável (ex:
CLP) e as saídas com atraso são conectadas ao contator. Reinício da Máquina
Quando o interruptor de proteção da intertrava é ativado, a saída Se, por exemplo, uma proteção intertravada for aberta em operação,
primária no Minotaur liga-se imediatamente. Isto sinaliza o a chave de intertravamento de segurança interromperá a operação
sistema programável para conduzir a seqüência de parada daquela máquina. Na maioria das circunstâncias é imperativo que a
correta. Após o tempo suficiente ter transcorrido para permitir máquina não reinicie imediatamente quando a proteção for fechada.
este processo, a saída com atraso no Minotaur liga e isola o O meio mais comum de conseguir isto é confiar na distribuição de
contator principal. partida do contator retentivo como mostrado na Figura 42. Uma
porta de proteção intertravada é usada como exemplo aqui, mas os
Esta linha de dispositivos Guardmaster pode ser usada com vários
requisitos aplicam-se a outros dispositivos de proteção e sistemas de
dispositivos de proteção e está disponível com outras
paradas de emergência.
configurações e ajustes de chaveamento para adequar-se aos
requisitos de sistemas particulares. Interlock Switch
Shown with
Contactor "Start" "Stop"
OBS.: Qualquer cálculo para determinar o tempo total de Control
Guard Closed
Button Button
Coil
parada deve levar em conta o período de saída com atraso do Contactor

Minotaur. Isto é particularmente importante quando este fator Auxiliary


é usado para determinar o posicionamento dos dispositivos em Contacts Derived
Contactor
concordância com o norma EN 999. Power
Control
Supply
Contacts

Guardmaster Atlas
Guard Interlock Switch with
Solenoid Release Locking

Neutral

PLC 3 Phase Power to Machine Motor

Contactor Figura 42
Pressionar e soltar o botão de início energiza momentaneamente a
bobina do controle do contator que fecha a alimentação dos
Solenoid Release Signal contatos. Quanto mais tempo a alimentação estiver fluindo pelos
contatos de potência, a bobina de controle é mantida energizada
Figura 41 (eletricamente travada) através de contatos auxiliares do contator
que são mecanicamente ligados aos contatos de potência. Qualquer
3. Dispositivos de Proteção de Travamento Controlado por interrupção na alimentação principal ou no fornecimento de
Sistemas Programáveis (veja a Figura 41). Este sistema novamente controle resulta na desenergização da bobina e abertura da
fornece um alto nível de integridade de fiação complexa alimentação principal e contatos auxiliares. A intertrava de proteção
combinada com a capacidade de permitir uma seqüência de é instalada dentro do circuito de controle do contator. Isto significa
desligamento correta, mas é apenas aplicável onde uma proteção que o reinício apenas pode ser alcançado pelo fechamento da
for utilizada. proteção e ligando-se “ON” no botão normal de ligar que reinicia o
contator e liga a máquina.
Para permitir a abertura da porta de proteção, o solenóide do
Guardmaster ATLAS deve receber um sinal de liberação do O requisito para situações normais de intertravamento é esclarecido
CLP. Este sinal apenas será dado após uma seqüência de no ISO 2100-1 Parágrafo 3.22.4 (extracto)
comando de parada ter sido concluída. Isto garante que não
haja nenhum dano de ferramenta ou perda de programa. Quando a proteção está fechada, as funções classificadas
Quando o solenóide é energizado a porta pode ser aberta, o da máquina cobertas pela proteção podem operar, mas o
que faz com que os contatos do circuito de controle do ATLAS fechamento da proteção por si só não inicia sua operação.
isolem o contator da máquina. Muitas máquinas já têm contatos simples ou duplos que operam
Para superar o término ou a liberação espúria do sinal, pode ser como descrito acima (ou têm um sistema que permite o mesmo
necessário usar uma unidade de tempo com atraso resultado). Para ajustar uma intertrava em uma máquina existente é
Guardmaster CU1 ou um detector de parada de movimento necessário determinar se os ajustes dos controles de alimentação
CU2 juntamente com o CLP. (O interruptor Guardmaster atendem este requisito e tomar as medidas adicionais se necessário.
Atlas ou o Titan também podem ser usados nesta aplicação).

1-27
Princípios de Segurança
Funções de Reset

Funções de Reset Proteções de Controle


Os relés de segurança Minotaur são projetados com reset manual Uma proteção de controle pára a máquina quando a proteção é
monitorado e reset automático/manual. aberta e diretamente inicia a máquina novamente quando a proteção
é fechada.
Reset Manual Monitorado O uso de proteções de controle é apenas permitido sob certas
condições estritas, pois qualquer start-up inesperado ou falha na
Um reset manual monitorado requisita um fechamento e abertura parada seria extremamente perigoso. O sistema de intertravamento
de um circuito após o fechamento do portão ou que a Parada de deve ter a maior credibilidade possível (é freqüentemente
Emergência seja resetada. A figura 43 mostra uma configuração aconselhável o uso de proteções de travamento).
típica de uma chave reset conectada no circuito de monitoração de
saída de um MSR6R/T. Os contatos auxiliares normalmente fechados O uso de proteções de controle pode ser considerado APENAS em
ligados mecanicamente de contatores de uma comutação de máquinas onde NÃO HÁ POSSIBILIDADE de um operador ou
alimentação são conectados em série com um botão de contato parte de seu corpo ficar na ou alcançar a zona de perigo enquanto a
momentâneo. Após a proteção ter sido aberta e fechada novamente, proteção estiver fechada.
o Minotaur não permitirá que a máquina seja reiniciada até que o A proteção de controle deve ser o único acesso à área classificada.
botão reset tenha sido pressionado e liberado. Quando isto é feito, o
Minotaurverifica (isto é, monitora) se todos os contatores estão
DESLIGADOS e se ambos os circuitos de intertravamento (e, Outras Considerações
portanto, proteção) estão fechados. Se estas verificações forem bem
sucedidas a máquina pode, então, ser reiniciada a partir dos controles Impedância da Entrada
normais. A impedância da entrada dos relés de monitoração de segurança
determina quantos dispositivos de entrada podem ser conectados ao
relé e a que distância os dispositivos de entrada podem ser
Interlock
Momentary Push
Reset Button Switch montados.
Por exemplo, o Minotaur MSR6R/T tem uma impedância máxima
de entrada permitida de 500 ohms (Ω). Quando a impedância de
entrada for maior que 500 Ω, o MSR6R/T não irá comutar nas suas
Minotaur MSR6RT
Safety Relay saídas. O usuário deve ser cuidadoso para certificar que a impedância
Monitoring Unit
de entrada continua abaixo da especificação máxima.

O comprimento, tamanho e tipo de fio usado afeta a impedância de


entrada. A tabela 2 mostra a resistência típica de fio de cobre anelado à
Machine
Controls
25 °C.
Power
Contactors
Corte
Figura 43 transversal Ω por Ω por
A chave reset deve estar localizada em um lugar que forneça uma ISO mm2 Bitola AWG 1000 m 1000 pés
boa visão do perigo, de forma que o operador possa verificar se a 0,5 20 33,30 10,15
área está livre antes da operação.
0,75 18 20,95 6,385
1,5 16 13,18 4,016
Reset Automático/Manual
2,5 14 8,28 2,525
Alguns relés de segurança Minotaur têm reset automático/ 4 12 5,21 1,588
manual. Neste caso, a linha de reset pode ser jumpeada, permitindo Tabela 2
um reset automático. O usuário deve então fornecer outro
mecanismo para prevenir o start-up da máquina quando a porta
fechar. Ou então o usuário pode usar o circuito mostrado na figura
Figura 43, mas o Minotaur não será capaz de detectar uma chave
reset em curto circuito ou um contato auxiliar em curto-circuito no
contator.
Um dispositivo de auto-início não requisita uma ação de
comutação manual, mas após a desativação ele sempre conduzirá
uma verificação de integridade do sistema antes de resetar o sistema.
Um sistema de auto-reset não deve ser confundido com um dispositivo
sem facilidades de reset. Por último, o sistema de segurança será
habilitado imediatamente após a desatuação, mas não haverá verificação
de integridade do sistema.

1-28
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

Corrente
Térmica do Corrente Nominal de operação Ie
Gabinete na tensão nominal de operação Ue VA
Designação Utilização 120 V 240 V 380 V 480 V 500 V 600 V Make Break
A150 AC-15 10 6 – – – – – 7.200 720
A300 AC-15 10 6 3 – – – – 7.200 720
A600 AC-15 10 6 3 1,9 1,5 1,4 1,2 7.200 720
B150 AC-15 5 3 – – – – – 3.600 360
B300 AC-15 5 3 1,5 – – – – 3.600 360
B600 AC-15 5 3 1,5 0,95 0,92 0,75 0,6 3.600 360
C150 AC-15 2,5 1,5 – – – – – 1.800 180
C300 AC-15 2,5 1,5 0,75 – 1.800 180
C600 AC-15 2,5 1,5 0,75 0,47 0,375 0,35 0,3 1.800 180
D150 AC-14 1,0 0,6 – – – – – 432 72
D300 AC-14 1,0 0,6 0,3 – – – – 432 72
E150 AC-14 0,5 0,3 – – – – – 216 36
Corrente Direta 125 V 250 V 400 V 500 V 600 V
N150 CC-13 10 2,2 – – – – 275 275
N300 CC-13 10 2,2 1,1 – – – 275 275
N600 CC-13 10 2,2 1,1 0,63 0,55 0,4 275 275
P150 CC-13 5 1,1 – – – – 138 138
P300 CC-13 5 1,1 0,55 – – – 138 138
P600 CC-13 5 1,1 0,55 0,31 0,27 0,2 138 138
Q150 CC-13 2,5 0,55 – – – – 69 69
Q300 CC-13 2,5 0,55 0,27 – – – 69 69
Q600 CC-13 2,5 0,55 0,27 0,15 0,13 0,1 69 69
R150 CC-13 1,0 0,22 – – – – 28 28
R300 CC-13 1,0 0,22 0,1 – – – 28 28
Tabela 3
Número de Dispositivos de Entrada
O processo de teste de risco deve ser usado para ajudar na Um terceiro exemplo deve ser as portas de acesso para ajustes das
determinação de quantos dispositivos de entrada devem ser máquinas, quando raramente a Parada de Emergência é usada.
conectados à unidade de relé de monitoração de segurança (MSRU) Novamente, um programa deve ser estabelecido para utilizar as
e com que freqüência os dispositivos de entrada devem ser paradas de emergência periodicamente.
verificados. Para assegurar que o intertravamento e as Paradas de O teste de riso ajudará a determinar se os dispositivos de entrada
Emergências estão no estado operacional, elas devem ser verificadas precisam ser verificados e com que freqüência isto deve ser feito.
para operação em intervalos regulares, como determinado pelo teste Quanto maior for o nível de risco, maior a integridade requisitada do
de risco. processo de verificação. E quanto menor for a freqüência da verificação
Por exemplo, um MSRU de entrada de canal duplo conectado a uma “automática”, menor a freqüência da verificação “manual” imposta.
porta intertravada que deve ser aberto a cada ciclo da máquina (ex.:
diversas vezes por dia) pode não ter que ser verificado. Isto porque a
Tensão Nominal da Saída
abertura da proteção faz com que o MSRU cheque a si mesmo, suas
As tensões nominais da saída descrevem a capacidade do dispositivo
entradas e suas saídas (dependendo da configuração) por falhas
de proteção para cargas de comutação. Normalmente, as tensões
simples. Quanto mais a proteção se abre, maior é a integridade do
nominais para dispositivos industriais são descritas como resistivas
processo de verificação.
ou eletromagnéticas. Uma carga resistiva pode ser um elemento tipo
Outro exemplo pode ser as Paradas de Emergência. Como as aquecedor. Normalmente, as cargas eletromagnéticas são relés,
paradas de emergência são normalmente usadas somente para contatores ou solenóides; onde há muitas características indutiva da
emergências, elas são geralmente raramente usadas. Desta forma, um carga. O Anexo A da norma IEC 60947-5-1, mostrado na Tabela 3,
programa deve ser estabelecido para utilizar as paradas de emergência e descreve as tensões nominais para as cargas.
confirmar seu funcionamento periodicamente.

1-29
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

Letra de Designação: A designação é uma letra seguida por um Princípios e Dispositivos de Intertravamento
número, por exemplo A300, Um dos mais importantes tipos de dispositivos de proteção é o
dispositivo de intertravamento de segurança que intertrava a porta
A300
de proteção com a fonte de alimentação do perigo.
A letra está relacionada à corrente térmica interna convencional e se
Quando a porta de proteção é aberta a alimentação é isolada e assim
ela é direta ou alternada. Por exemplo, A representa corrente
garante que a máquina é segura quando o operador requisitar acesso.
alternada de 10 amps. O número representa a tensão nominal de
isolação. Por exemplo, 300 representa 300 V. Existem muitas variações de dispositivos de intertravamento cada
um com suas próprias características.
Utilização: A Utilização descreve os tipos de cargas que o
dispositivo é projetado para comutar. As três utilizações relevantes É importante assegurar que o tipo de dispositivo escolhido seja
ao IEC 947-5 são mostradas na Tabela 4. correto para sua aplicação. Mais adiante neste capítulo deveremos
observar uma série de decisões lógicas que coordenam a escolha
Utilização Descrição da Carga exata do dispositivo a ser usado. Primeiro deixe-nos familiarizar com
Controle das cargas resistivas e das cargas de algumas das características gerais e requisitos que tornam os
AC-12
estado sólido com isolação por optoacopladores dispositivos adequados para demandas de intertravamento.
Controle de cargas de estado sólido com isolação
AC-13
do transformador Normas
Controle de pequenas cargas eletromagnéticas A norma ISO 14119: “Dispositivos de intertravamento associados com
AC-14
(menores que 72 VA) proteções” fornece orientação e pretende-se usá-lo em conjunto
AC-15 Cargas eletromagnéticas maiores que 72 VA com IEC 60947-5-1 para dispositivos eletromecânicos e um norma
Controle das cargas resistivas e das cargas de equivalente para dispositivos do tipo magnéticos e de proximidade
CC-12
estado sólido com isolação por optoacopladores (IEC 60947-5-3).
CC-13 Controle de eletromagnéticos
Controle de cargas eletromagnéticas tendo Confiabilidade
CC-14
resistores de economia no circuito Um dispositivo de intertravamento deve operar confiavelmente até
Tabela 4 mesmo sob condições extremas e tratamento severo. O mecanismo
Corrente Térmica, Ith: A corrente térmica interna convencional é operante deve ser conservado o mais simples possível e todo o
material usado pelo fabricante deve ser da mais alta qualidade. O
o valor da corrente usada para testes de aumento de temperatura do
projeto deve assegurar que o desgaste dos componentes seja
equipamento quando montado em um gabinete específico.
mínimo. O mecanismo deve ser fechado em um compartimento
Tensão Nominal em Operação Ue e Corrente Ie; A corrente e a fortemente lacrado.
tensão nominal operacional especificam as capacidades make e break
dos elementos de comutação sob condições normais de operação. Segurança
A segurança de um dispositivo de intertravamento é dependente de
Os produtos Guardmaster Allen-Bradley são classificados em sua capacidade de suportar tentativas de “burlar” ou invalidar o
125 Vca, 250 Vca e 24 Vcc especificamente. Entre em contato com a mecanismo. Um dispositivo de intertravamento deve ser projetado
fábrica caso queira usar outras tensão que não as especificadas. de modo que não possa ser facilmente violado.
VA: As tensões nominais VA (Tensão x Amperagem) indicam as Em algumas circunstâncias o pessoal pode ser tentado a
tensões nominais dos elementos de comutação durante o make e o desconsiderar o dispositivo. Informações a respeito do uso da
break do circuito. máquina, obtidos no estágio do teste de risco, ajudarão a decidir o
nível de probabilidade de isto acontecer. Quanto maior a
Exemplo 1: Um A150, tensão nominal AC-15 indica que os contatos
probabilidade disto ocorrer, então mais difícil deve ser suprimir o
podem fazer um circuito de 7200 VA. À 120 Vca, os contatos
dispositivo ou sistema. O nível de risco estimado deve também ser
podem fazer um circuito de passagem de 60 amp. Como o AC-15 é
um fator neste estágio. Os dispositivos estão disponíveis com vários
uma carga eletromagnética, 60 amp tem apenas uma curta duração; a
níveis de segurança, variando da resistência à falsificação impulsiva a
corrente de partida da carga eletromagnética O break do circuito é
praticamente impossível de ser violado.
apenas 720 VA pois a corrente de estado permanete da carga
eletromagnética é 6A, que é uma corrente nominal de operação. Deve ser notado neste estágio que se um alto grau de segurança for
requisitado, é algumas vezes mais fácil de alcançar isto pelo modo
Exemplo 2: Um N150, a tensão nominal CC-13 indica que os
pelo qual é montado à máquina.
contatos podem fazer um circuito 275 VA. à 125 Vca, os contatos
podem fazer um circuito de 2,2 amp. As cargas eletromagnéticas CC
não têm uma corrente de passagem como as cargas eletromagnéticas
CA. O break do circuito é também 275 VA pois a corrente de estado
permanete da carga eletromagnética é 2,2, que é a corrente nominal
de operação.

1-30
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

baseia-se inteiramente na pressão brusca para abrir os contatos. Na


eventualidade de falha de desprendimento, contato soldado ou
aderido, o sistema apresentará falhas em caso de perigo e desta
forma, será inaceitável. Este tipo de sistema é facilmente anulável
pressionando o pino enquanto a proteção estiver aberta. Até mesmo
pior, o dispositivo pode ser barrado acidentalmente por um
operador inclinando-se sobre ou dentro da máquina enquanto a
proteção estiver aberta.

Observações: Pode ser aceitável em certas aplicações usar um


dispositivo operante em modo negativo em conjunto com um dispositivo
de modo positivo.

Figura 44
eç ão
Prot
Por exemplo, se o dispositivo for ajustado como na Figura 44 com a de
Port
um trilho de cobertura, não há nenhum acesso ao gabinete com a
porta de proteção aberta. A natureza de qualquer medida de
prevenção de invalidação no estágio de ajuste dependerá do
Modo Positivo
princípio operacional do gabinete. Desconexão
Forçada
Supera
Operação de Modo Positivo a Solda do
(também conhecida como Operação Direta) Contato
A ISO TR 12100-2 explica que se um componente mecânico móvel
inevitavelmente move outro componente junto com ele, por contato
direto ou através de elementos rígidos, estes componentes são
conectados no modo positivo. Figura 46
Com dispositivos de intertravamento do tipo mecânico, quando a A Figura 46 mostra um exemplo simples de operação de modo
proteção está aberta o movimento de proteção deve ser conectado positivo fornecendo desconexão forçada dos contatos. Um came é
no modo positivo nos contatos relacionados à segurança do montado na dobradiça da porta e assim opera diretamente os
dispositivo. Isto assegura que os contatos sejam fisicamente puxados contatos toda vez que a porta da proteção é aberta. A pressão brusca
à parte ou “desconectados à força” pelo movimento da proteção. pode apenas fechar os contatos enquanto a proteção é totalmente
fechada. Qualquer falha na mola apenas resultará na falha da
O dispositivo NÃO deve basear-se somente na pressão brusca para
condição de segurança.
abrir os contatos, pois a força exercida pode não ser capaz de vencer
contatos aderidos ou soldados. Existe também a possibilidade de
Gabinete
que o gabinete possa falhar ao perigo se a mola quebrar e não existir
A operação de modo positivo mostrada na figura 46 é usada onde
nenhum outro meio de abrir os contatos.
quer que seja relevante nos dispositivos de intertravamento
Guardmaster. Eles também evitam qualquer possível abuso, pois
enclausuram o bloco de contato e o came em um gabinete seguro e
çã o sólido. Isto significa que o came e o bloco de contato não podem
rote
r t a de P separar-se e é impossível invalidar a chave, cortando-se outra fenda
Po
no came. O princípio é adaptado mais adiante para um dispositivo de
intertravamento operado por trava como mostrado na Figura 47.
Estes dispositivos são amplamente usados já que eles são simples de
Contatos
Aderidos ou ajustar na borda da abertura da proteção e podem ser usados em
Soldados portas de proteção deslizantes, de dobradiça e removíveis. A trava
atuadora é montada na porta de proteção e a abertura da proteção faz
com que a trava force a desconexão dos contatos. O mecanismo da
chave é montado em um gabinete e o princípio e atuação da trava
são projetados para resistir às tentativas de violar o dispositivo.

Figura 45

A Figura 45 mostra um sistema de modo de operação tipicamente


negativo (ou não positivo). Não existe nenhuma ligação direta entre
a porta de proteção e o contato de segurança e, assim, o sistema

1-31
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

Isolação Galvânica
A Figura 48 mostra os blocos de contato com dois grupos de
contatos. Uma barreira de isolação galvânica é necessária, caso seja
Desconexão possível que os contatos encostem um no outro na parte posterior,
Forçada no caso de solda ou aderência.

Tensão
Cruzada

Barreira
de
Figura 47 Isolação
Galvância
Adequação ao Propósito
No mínimo, todos os projetos e materiais devem ser capazes de Figura 48
suportar o estresse operacional esperado e influências externas.
Formas Típicas de Dispositivos de Intertravamento
Outros Princípios de Segurança Em termos gerais, existem dois tipos básicos de sistemas elétricos
Para dispositivos não mecânicos não existe contato físico (sob de intertravamento, cujas características estão mostradas na Figura 49.
condições normais) entre a chave e o atuador. Desta forma, a
operação de modo positivo não pode ser usada como meio de
Intertravamento Intertravamento
assegurar a ação de chaveamento e necessitamos usar outros de Alimentação
de Controle
métodos como a seguir.

Modo de Falha Orientada


Com dispositivos simples, podemos usar componentes com um Sem Com
modo de falha orientado conforme explicado na ISO TR 12100-2. Trava de Proteção Trava de Proteção
Isto significa que o uso dos componentes em que o modo de falha
predominante já é conhecido e sempre o mesmo. O dispositivo é
projetado de modo que qualquer coisa possível de causar a falha Dispositivos Dispositivos Destravament Destravamento
também causará o desligamento do dispositivo. Mecânicos sem Contato o Incondicional Condicional da
da Proteção Proteção
Um exemplo de um dispositivo que usa esta técnica é a chave de
intertravamento de atuação magnética sem contato Guardmaster Figura 49
FERROGARD. Os contatos estão conectados com um dispositivo
de proteção interna não-reiniciável de sobrecorrente. Qualquer Intertravamento de alimentação: A alimentação da fonte de perigo é
situação de sobrecorrente no circuito sendo ligado resultará em diretamente interrompida devido à abertura da proteção.
circuito aberto
Intertravamento de controle: A alimentação da fonte de perigo é
no dispositivo de proteção que é projetado para operar em uma interrompida pela comutação de um circuito que controla o
corrente bem abaixo daquela que colocaria em perigo os contatos dispositivo de comutação da alimentação.
relacionado a segurança.
O texto a seguir lida com o intertravamento das fontes de
Duplicação (também conhecida como Redundância) alimentação elétrica, de acordo com os requisitos mais comuns, mas
Se componentes que não são inerentemente seguros são usados no os mesmos princípios básicos podem ser aplicados a sistemas
projeto e eles são essenciais para a função de segurança, então um hidráulicos e pneumáticos.
nível aceitável de segurança pode ser fornecido pela duplicação daqueles
componentes ou sistemas. No caso de falha de um dos componentes, Intertravamento de Alimentação
o outro pode ainda realizar a função. É usualmente necessário fornecer O movimento de proteção é intertravado com a comutação direta da
monitoração para detectar a primeira falha e assim, por exemplo, um alimentação do perigo. Para equipamentos usando baixa tensão e
sistema de canal dual não se torna degradado para um canal simples alimentação a maioria dos tipos de chave de intertravamento pode
sem que ninguém esteja a par do fato. Também é necessário dar ser usada para intertravamento da alimentação. Entretanto, devido
atenção à questão de causas comuns de falhas. ao fato da maioria das máquinas usarem uma fonte de alimentação
Qualquer falha que leve os componentes duplicados (ou canais) a trifásica relativamente alta, necessitamos projetar sistemas de
falhar ao mesmo tempo deve ser protegida disto. Medidas adequadas intertravamento de alimentação com uma chave de interrupção de
podem incluir o uso de tecnologias diversas para cada canal ou alimentação capaz de lidar e interromper a carga com segurança.
assegurar um modo orientado de falhas.

1-32
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

A
A
A

Figura 50 Figura 52
O método mais praticado de intertravamento da alimentação é o
Gire e remova a Chave “A” do isolador de alimentação. A
sistema de chave com escotilha PROSAFE (veja figura 50). A chave de
alimentação é, então, desligada. Para ter acesso através das portas de
isolação da alimentação é operada por uma chave que é travada na
proteção, a Chave “A” é inserida e girada na Unidade de Troca de
posição enquanto a chave estiver na posição ON. Quando a chave é
Chave. Ambas as chaves “B” são, então, liberadas para travar as
girada, os contatos da chave de isolação são travados na posição aberta
proteções. A Chave “A” é bloqueada, evitando que a alimentação seja
(isolando a fonte de alimentação) e a chave pode ser retirada.
ligada. Duas Chaves “C” são liberadas das travas das portas de
A proteção é travada na posição fechada e o único meio para proteção para uso no próximo passo da seqüência ou como chaves
destravá-la é usando a chave do isolador. Quando a chave é girada pessoais (consulte a figura 53).
para liberar a unidade de proteção de trava, ela é bloqueada na
posição e não pode ser removida até que a proteção seja fechada e
travada outra vez.

Assim é impossível abrir a proteção sem primeiro isolar a fonte de


alimentação e é impossível acionar a alimentação sem fechar e travar
a proteção.

Esse tipo de sistema é extremamente confiável e tem a vantagem de


não necessitar de fiação elétrica para a proteção. A principal
desvantagem é que, como a transferência é sempre requisitada, isto Figura 53
não é conveniente se o acesso à proteção for freqüente.
As Figuras 54 e 55 mostram outros exemplos de aplicação usando
unidades de chaves duplas de travamento e chaves com diferentes
códigos juntamente com a unidade de troca de chave, podendo
resultar em um sistema complexo. Além de assegurar que a
alimentação seja isolada antes que o acesso possa ser obtido, é
também possível usar o sistema para forçar uma seqüência
A A
A
predefinida de operações

Figura 51

Toda vez que o acesso do corpo todo é necessário, recomenda-se o


uso de uma chave pessoal, como mostrado na Figura 51. A linha
PROSAFE está disponível em versões de chaves duplas para
satisfazer este requisito.

O uso de uma chave pessoal assegura que o operador não será


trancado dentro da área protegida. A chave pode ser também usada Figura 54
para chaves de modo de ajuste de robôs, controles de modo manual,
etc.

1-33
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

Chaves de Intertravamento Sem Trava de Proteção


Esses dispositivos não restrigem o acesso e a porta de proteção pode
ser aberta em qualquer momento, mas assim que ela é aberta, a chave
isola a alimentação do perigo através do circuito de controle do
contator. Se o perigo sempre cessa imediatamente, então os
requisitos foram atendidos, pois o operador não pode alcançar as
peças enquanto oferecem perigo.
SE O PERIGO NÃO CESSA IMEDIATAMENTE,há uma
possibilidade de que o operador possa alcançá-lo enquanto a
máquina está parando e ainda oferecendo perigo. Para evitar esta
situação inaceitável, há três alternativas:
1. Use um dispositivo de intertravamento com intertravamento de
proteção para prevenir a abertura antes do perigo ter cessado.
Figura 55 (consulte a Figura 56.)

Recursos Necessários
Pelo fato de toda a segurança deste tipo de sistema depender da sua
operação mecânica, é crucial que os princípios e materiais usados
sejam adequados para a demanda esperada.

Se uma chave de isolação faz parte do sistema, a mesma deve ter um


modo de operação positivo e deve atender os requisitos da parte
relevante do IEC 60947.

A integridade e segurança do sistema giram em torno do fato de que,


sob certas condições, as chaves são bloqueadas no local, assim dois
recursos básicos necessitam ser assegurados:

1. A TRAVA PODE SER OPERADA APENAS PELA CHAVE


DEDICADA.
Isto significa que não deveria ser possível “enganar” a trava
pelo uso de chaves de fenda etc., ou violar o mecanismo pelo uso Figura 56
inadequado. Onde há mais do que uma trava no mesmo lugar 2. Instale alguma forma de dispositivo de frenagem, visando uma
também significa que a especificação dos códigos das chaves parada rápida. (consulte a Figura 57.) OBS. A integridade do
deve, por si só, prevenir qualquer possibilidade de operação dispositivo de frenagem necessita ser considerada, tanto em
espúria. termos de resistência às falhas, quanto às características de
2. NÃO É POSSÍVEL OBTER A CHAVE DE OUTRA desgaste.
MANEIRA, A NÃO SER DA MANEIRA PLANEJADA.
Isto significa que (por exemplo) uma vez que a chave está
bloqueada, qualquer força excessiva aplicada nela resultará na
quebra da chave e não na quebra da trava.

Intertravamento de Controle
O intertravamento de controle é o método de intertrava mais
comumente usado. Uma chave de intertravamento é anexada à
proteção para detectar movimento e abrir os contatos da chave toda
D.C
vez que a proteção não esteja completamente fechada. Os contatos .
INJ
são conectados através de um circuito de controle ao elemento de EC
BRA TION
KE
controle primário da fonte de perigo (contator). As considerações do
circuito de controle devem ser levadas em conta.

Observe os diferentes tipos de dispositivos adequados para


intertravamento de controle, como ilustrado na figura 49 (página 32).

A primeira maior distinção está entre dispositivos sem trava de


proteção e com trava de proteção. Figura 57
3. A distância de separação entre o perigo e a porta de proteção
deve ser tal que demore mais para o operador alcançar o perigo
do que para o perigo parar.. (consulte a Figura 58.)

1-34
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

Figura 59
Figura 58
Elas são:
Se um cálculo for necessário, o norma EN 999 trata do
posicionamento do equipamento em relação à velocidade de Acionamento Operado por Lingueta
aproximação de partes do corpo humano. Atualmente, não cobre Com a chave de segurança Cadet Guardmaster, como mostrado na
especificamente portas de proteção intertravadas, mas seus princípios Figura 59, a “lingueta” do atuador montado na proteção abre ou fecha
para o posicionamento de outros dispositivos de segurança baseados na os contatos através do mecanismo interno.
velocidade de aproximação e parada da máquina podem ser, de certa
Recursos:
forma, extrapolados para cobrir portas de proteção intertravadas.
O intertravamento e o mecanismo são projetados para prevenir uma
Sugerimos que a seguinte fórmula do EN 999 dará resultados
anulação fácil da chave. Estes dispositivos são fáceis de instalar e
confiáveis.
muito confiáveis.
S = (K x T) + C Eles podem ser usados em proteções de deslizar, dobradiça e de
Onde: levantar e pela sua versatilidade são um dos tipos mais comumente
usados de chaves de intertravamento.
S = A distância mínima em mm da zona de perigo à borda da
abertura da proteção. Para consideração:
A trava montada na proteção deve permanecer alinhada com o
K = 1600 (sugerido). Este parâmetro é baseado em dados de espaço total para a entrada do corpo da chave. As chaves operadas
pesquisa mostrando que é razoável assumir uma velocidade de por trava podem ser difíceis de limpar completamente. Isto pode ser
aproximação pelo operador de 1600 mm por segundo. As um problema em setores como industriais, como o alimentício e
circunstâncias da atual aplicação necessitam ser levadas em conta. farmacêutico.
Como regra geral, a velocidade de aproximação variará de 1600 a
2500 mm por seg. Acionamento Operado por Dobradiça
T = O tempo total de parada do sistema, insto é, o tempo total (em O dispositivo é montado sobre o pino da dobradiça de uma
segundos) da abertura dos contatos da chave de intertravamento até proteção com dobradiça, como mostrado na Figura 60. A abertura da
a interrupção do perigo. proteção é transmitida através de um mecanismo de modo de
operação positivo pra os contatos dos circuitos de controle.
C = Uma distância adicional em milímetros baseada na possível
entrada na zona de perigo. Isto dependerá se é possível alcançar por
cima, ao redor ou através da proteção antes dos contatos da chave
estarem abertos. Por exemplo, a malha na proteção pode permitir a
passagem de um dedo, uma mão ou um braço através da proteção.
Os normas EN 294 e EN 811 fornecem mais informações para o
cálculo das distâncias de alcance.
A próxima subdivisão para dispositivos de intertravamento sem
intertravamento de proteção é designada como acionamento
mecânico ou acionamento sem contato.

Dispositivos Acionados Mecanicamente


Com esses dispositivos, a porta de proteção é conectada
mecanicamente aos contatos do circuito de controle da chave
usando um modo de operação positivo. Existem três tipos principais
de acionamento mecânico.

Figura 60

1-35
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

Recursos:
Quando apropriadamente instalados, esses tipos de chaves de
segurança são ideais para a maioria das portas de proteção com
dobradiça onde há acesso na linha central da dobradiça. Eles podem
isolar o circuito de controle com 3° de movimento da proteção e eles
são praticamente impossíveis de ser anulados sem que a proteção Proteção Fechada
seja desmantelada.
Para consideração: Chave Fim-de-curso Chave Fim-de-curso
Deve-se tomar cuidado, pois o movimento de abertura de apenas 3° Atuada de Modo Não Atuada de Modo
pode resultar em um intervalo significante na borda de abertura em Positivo Positivo
portas de proteção largas. Também é importante assegurar que
portas pesadas não ponham tensão imprópria no eixo acionador da Figura 62
chave.
É freqüentemente aconselhável usar duas chaves como mostrado na
Atuação Operada por Came Figura 62.
Esse tipo de distribuição usualmente leva a forma de uma chave de
modo positivo atuando no limite (ou posição) e um came linear ou Atuação Sem Contato (Não mecânico)
rotatório (como mostrado na Figura 61). É usada, geralmente, em Com esses dispositivos, a porta de proteção é ligada aos contatos do
proteções deslizantes e quando a proteção é aberta, um came força o circuito de controle da chave através de um campo magnético ou
êmbolo para baixo pra abrir os contatos dos circuitos de controle. elétrico. Para tornar esses dispositivos adequados para tarefas de
intertravamento, eles devem incorporar melhorias para assegurar sua
operação satisfatória.
Como eles não têm o benefício de operação no modo positivo
mecânico verdadeiro, eles devem ter outros meios para assegurar que
não apresentem falhas em condições perigosas. Isto é alcançado por
Chave Fim-de-curso princípios de “modo de falha orientada” ou pelo uso de duplicação e
de Modo Positivo monitoração.
O Guardmaster Ferrogard usa o princípio de modo orientado à
falha. Devido ao uso de componentes especiais, a única falha crítica
de segurança possível de ocorrer seria soldagem dos contatos reed,
Figura 61 devido à corrente excessiva sendo aplicada na chave, como ilustrado
na Figura 63.
Recursos:
A simplicidade do sistema permite que a chave seja pequena e Atuador Magnético
confiável. Configurado em
Invólucro Lacrado
Campo de
Para consideração: Atuação
Dispositivo de
Não pode ser usado em proteções de elevação. Proteção contra
É extremamente importante que a chave de êmbolo possa apenas Sobrecorrente Não
Resetável
distender quando a proteção estiver completamente fechada. Isto
significa que pode ser necessário elaborar paradas para limitar o
movimento da proteção em ambas as direções.
Fusível Externo Adequado
É necessário fabricar um came com um perfil adequado, que deve Chave em Contatos Reed para Aplicação Classificado para Proteger o
operar com tolerâncias definidas. O came montado na proteção nunca Invólucro Lacrado Pesada Especialmente Perfilado Dispositivo de Intertrava

deve separar-se da chave, já que isto causará o fechamento dos Figura 63


contatos da chave. Este sistema pode ser propício a falhas, devido ao
uso especialmente na presença de materiais abrasivos ou com cames Isto é evitado pelo dispositivo de proteção de sobrecorrente não
com um perfil defeituoso. reiniciável. Há uma grande margem de segurança entre a
classificação desse dispositivo e os contatos reed. Por não ser
reiniciável, a chave deveria ser protegida por um fusível externo
devidamente classificado.
É importante que a chave seja apenas operada com o objetivo da sua
atuação. Isto significa que dispositivos comuns de proximidade que
detectem metais ferrosos não são apropriados. A chave deveria ser
operada por um atuador “ativo”.

1-36
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

A segurança ainda pode ser melhorada pela codificação como no Destravamento Incondicional da Proteção
Guardmaster Ferrotek. Esta chave usa o mesmo princípio de modo Esses dispositivos são manualmente operados e a proteção pode ser
orientado à falha, como o Ferrogard, mas tem maior segurança aberta a qualquer hora. Uma maçaneta ou puxador, que libera a trava
devido ao seu sensor e atuador codificado. da proteção também abre os contatos do circuito de controle.
Recursos: Em um dispositivo como a chave de parafuso com atraso de tempo
Dispositivos sem contato estão disponíveis em versões seladas, Guardmaster Centurion, um atraso de tempo é imposto. O parafuso
tornando-os ideais para aplicações sensíveis de higiene, já que que trava a proteção no lugar também opera os contatos e é
podem ser limpos por pressão e não têm espaços que permitam o removido girando o puxador de operação. As primeiras poucas
acúmulo de poeira. Eles são extremamente fáceis de ajustar e têm voltas abrem os contatos, mas o parafuso de travamento não é
uma tolerância de operação considerável, o que significa que podem totalmente retirado até que o puxador seja girado muitas vezes
aceitar algum desgaste ou distorção e ainda funcionar corretamente. (demora até 20 segundos).
O sistema de chave com escotilha Prosafe (consulte a seção de
intertravamento de alimentação) também pode ser usado para
Wiga
0942
4HR
n WN2 6
5516

fornecer o travamento incondicional da proteção.


Ferrocode

Safety
Switch
dc
Até 6 Chaves Recursos:
Esses dispositivos são simples de se encaixar e são extremamente
28V
1A Vac
120
0.5A 67

Mad
e in
IP
Unidade
England

de
Blk
Wht
Fonte de Control Monitoração robustos e confiáveis. A chave de parafuso por atraso de tempo é
Blue
alimentação do Contator
adequada principalmente para proteções deslizantes.
Red
X2
X1
R
Segurança
Segurança

.
r Ltd
aste 2 4HR
e
ocod m
rdm .WN
Gua land551 66
Eng 2
an,
Wig Tel: 094
Auxiliar

FerrProof Safety Syste


it

Para consideração:
ol Un
Contr Yel
2 Grn
er Safety
Tamp Safety
1

Aux

O tempo de parada para a proteção contra o perigo pode ser


Figura 64 previsível e não deve ser possível que o parafuso seja retirado antes
que o perigo tenha cessado. Deve ser possível colocar o pino na sua
Dispositivos sofisticados, sem contato, como o Guardmaster
proteção travada somente quando a proteção estiver totalmente
Ferrocode, caracterizam-se por um princípio de codificação
fechada. Isto significa que será necessário adequar-se às paradas e
eletrônica. Eles também têm dois “canais” de comutação separados
restringir o movimento da porta de proteção, como mostrado na
e distintos e uma unidade de controle está disponível, que monitora
Figura 66.
até seis séries de detectores e também pode monitorar os contatores
e a fiação (consulte a Figura 64).
Para consideração:
Para tipos de atuação mais simples, se a segurança é um assunto
importante, pode ser necessário ajustá-los como mostrado na
Figura 65, de forma que eles não possam ser acessados enquanto a
proteção estiver aberta. É importante, especialmente para os tipos
não codificados, que eles não estejam sujeitos à interferência externa,
por campos que são os mesmos que seu princípio de operação.

Figura 66
Área Classificada
Atuador
Destravamento Condicional da Proteção
Parada Interruptor
Com estes dispositivos, a proteção fica aberta somente na recepção
de um sinal mostrando que:
Proteção Deslizante O contator está DESLIGADO (OFF).
Proteção Aberta – Máquina Parada – Chave de Cobertura da Proteção
O intervalo de tempo pré-definido expirou ou,
alternadamente, aquele movimento perigoso cessou.
Figura 65
Estes sinais são geralmente derivados dos contatos auxiliares do
Chaves de Intertravamento Com Travamento de contator e de uma unidade temporizadora de segurança de falha,
Proteção como o Guardmaster CU1 ou uma unidade de detecção de parada de
Esses dispositivos são adequados para máquinas gastas, mas podem movimento, como o Guardmaster CU2.
também fornecer um aumento significante do nível de proteção para
Esses equipamentos fornecem o intertravamento da fonte de
a maioria dos tipos de máquinas.
alimentação do perigo com movimento da proteção e, também,
Eles fornecem intertravamento de fonte de alimentação do perigo evitam a abertura da proteção até que seja seguro. Como um sinal
com movimento de proteção e também previnem a abertura da gerado externamente é requisitado para a liberação do travamento,
proteção até que seja seguro. isto faz com que sejam especialmente adequados para o uso com
Esses dispositivos podem ser divididos em dois tipos: CLP ou outras máquinas controladas eletronicamente e
Destravamento de proteção Incondicional e Condicional programáveis.

1-37
Princípios de Segurança
Proteções de Controle

R2 R1 R3 Indicador Remoto
K1 Partida

Controle de Parada
Segurança e
Contatos de A1 R2 R1 R3 Contatos Chave de
Circuitos Solenóide de Segu- Travamento
Auxiliares rança por
Unidade Solenóide
Temporizadora CU1
Lingüeta do
Atuador Montada K1
A2 13 14
na Proteção
Solenóide de
Liberação de
Trava

Figura 69

Com a configuração mostrada na Figura 69, a chave não liberará a


Figura 67 proteção até que o contator esteja DESLIGADO (OFF) e um
intervalo de tempo pré-programado tenha expirado. A faixa de
O melhor tipo de dispositivo de intertravamento para estes usos é
tempo pode ser definida de 0,1 seg. a 40 minutos. O maior tempo de
uma chave de intertravamento operada por solenóide como o
parada da máquina deve ser previsível e constante. Não se deve confiar
Guardmaster TLS-GD2 (como mostrado na Figura 67) ou Atlas 4. Para
em métodos de parada que possam degradar com o uso.
aplicações acessadas com menos freqüência, o sistema de chave com
escotilha Prosafe (consulte a seção de intertravamento da alimentação)
pode ser configurado para operar desta maneira.
A1
X1 Partida
K1
K1
Chave de Intertravamento com Trava Parada
por Solenóide (Titan mostrada) X2 Parada
Partida Unidade de
N
P
Circuito de
Detecção de N
Segurança Movimentos
42
41 12 11 CU2 P
N Sensor M Sensor Contatos Chave de
54 53 22 21 Travamento
P Solenóide de Segu- por
34 33 13
rança
Solenóide
A2 A1 Circuito de 14
Indicação A2
Solenóide de
Liberação de
Trava Figura 70
Figura 68
Com a configuração mostrada na Figura 70, a chave não liberará a
Neste exemplo, mostrado na Figura 68, o perigo cessa assim que a proteção até que o contator esteja DESLIGADO (OFF) e todo o
alimentação é isolada, mudando a máquina para DESLIGADA movimento tenha parado.
(OFF) nos controles normais. A proteção não pode ser aberta até
que o contator seja mudado para DESLIGADO (OFF). Uma vez Nos sistemas mostrados nas Figuras 69 e 70, a máquina é parada por
que proteção for aberta, os contatos do circuito de controle seu sistema de controle operacional, manual ou automaticamente.
asseguram que o contator não pode ser re-energizado até que a Portanto, estes sistemas são especialmente úteis em máquinas onde
proteção esteja fechada e travada. o dano de ferramenta ou perda de programa pode ser causado por
uma parada brusca, devido à abertura incorreta da proteção.

Questões Importantes para a Seleção dos Dispositivos


de Intertravamento
As seguintes questões ajudarão na seleção lógica do tipo de
dispositivo de intertravamento mais adequado.

A máquina demora para desacelerar depois da isolação da


alimentação?
SIM = Uma trava de proteção com atraso pode ser requisitada.

1-38
Princípios de Segurança
Cortinas de Luz de Segurança

O tempo de parada da máquina é previsível e constante? as cortinas de luz devem oferecer proteção adicional em termo de
NÃO = O travamento condicional da proteção com detecção de Confiabilidade de Controle.
movimento pode ser requisitado.
Confiabilidade de Controle
O acesso de corpo inteiro é requisitado? Confiabilidade de Controle é um conceito aparece na série de
SIM = Uma trava de proteção operada por chave, com chave para o normas ANSI B11 e OSHA 1910.217. A definição que aparece nas
pessoal pode ser necessária. normas B11 mais recentes é:
“A capacidade do sistema de controle da máquina, a proteção,
Uma parada brusca pode causar danos à máquina ou ao
outros componentes de controle e a interface relacionada para
sistema de controle?
alcançar um estado seguro no caso de uma falha dentro das
SIM = A trava condicional da proteção pode ser requisitada.
funções relacionadas à segurança.”
Haverá desgaste da proteção, causando o desalinhamento no Um sistema que atenda este requisito pode ser executado por um
dispositivo de intertravamento? recurso, método ou estratégia de projeto que separe as funções
SIM = Um dispositivo sem contato pode ser requisitado. relacionadas à segurança de um sistema em componentes, módulos,
O dispositivo precisa ser totalmente selado, por exemplo, para dispositivos ou sistemas que possam ser monitorados ou verificados
limpeza de higiene ou ambiente de alta umidade? por outros componentes, módulos, dispositivos ou sistemas.
SIM = Um dispositivo sem contato pode ser requisitado. A aplicação destes três conceitos simples ajudam a garantir o
desempenho da função de segurança
O acesso freqüente é requisitado?
SIM = O intertravamento do controle pode ser o mais adequado. • Redundância — uso de métodos idênticos
• Diversidade — uso de métodos diferentes
É provável que haja tentativas de burlar o dispositivo da • Monitoração — uso de métodos de verificação
intertrava?
SIM = Um dispositivo com segurança aumentada pode ser A seleção e integração de componentes, módulos, dispositivos e
requisitado. sistemas que foram especificamente projetados e destinados para
uso em funções de relacionadas à segurança também contribuem
para a realização do controle. Um processo de projeto disciplinado é
Cortinas de Luz de Segurança
essencial para a realização de um projeto preciso e completo e deve
As cortinas de luz de segurança, muito simplesmente, descrito como ser usado para garantir que a confiabilidade de controle seja
sensores fotoelétricos de presença especificamente projetado para alcançada.
proteger a equipe da planta de ferimentos relacionados ao Em termos de proteção optoeletrônica, isto significa que o sistema
movimento perigoso da máquina. Também conhecido como de cortina de luz deve ser capaz de enviar um sinal de parada para a
AOPDs (Dispositivos de Proteção Optoeletrônico Ativo), as máquina mesmo em caso de falha de componentes. As cortinas de
cortinas de luz oferecem ótima segurança e ainda permitem maior luz têm duas saídas cruzada monitoradas que são projetadas para
produtividade e são uma solução mais ergonômica se comparada às mudar de estado quando o campo de detecção da cortina de luz for
proteções mecânicas. Elas são especialmente adequadas para invadido. Se uma das saída falhar, a outra saída responde e envia um
aplicações em que a equipe precisa de fácil e freqüente acesso a um sinal de parada para a máquina controlada e como parte do sistema
ponto de operação de risco. cruzado monitorado detecta que a outra saída não mudou de estado
ou não respondeu. O sistema passaria para a condição de
Operação travamento que evita que a máquina seja operada até que a cortina
de luz de segurança seja reparada. Resetar as cortinas de luz ou
As cortinas de luz de segurança consistem de um par de emissor e desligar e ligar a alimentação removerá a condição de travamento.
receptor que cria uma barreira de feixes múltiplos de luz
Tipos e Funções
infravermelha na frente ou ao redor da área classificada. Quando
todos os feixes forem bloqueados pela intrusão no campo de As cortinas de luz de segurança Guardmaster da Allen-Bradley são
detecção, o circuito de controle da cortina de luz envia um sinal para classificadas em três famílias de produtos: Ponto de Controle da
a Parada de Emergência da máquina. O emissor e o receptor podem Operação (POC), Controle de Acesso à Área (AAC) e Controle de Acesso
fazer a interface com uma unidade de controle que forneça a lógica ao Perímetro (PAC).
necessária, saídas, diagnóstico do sistema e funções adicionais Ponto de Controle da Operação (POC)
(muting, obstrução, PSDI) para adequar-se à aplicação. Quando
As cortinas de luz POC usam um par de cabeçotes ópticos para criar
instalada sozinho, o par da cortina de luz operará como uma chave
uma cortina de luz infravermelha que permite o acesso freqüente e
de controle confiável.
fácil da equipe ao ponto de operação perigosa. Estas cortinas de luz
Para eliminar a susceptibilidade a falso desarme atribuído à luz são usada quando o operado é solicitado a fazer a interface com o
ambiente e interferências (diafonia) de outros dispositivos maquinário a uma distância relativamente curta da área classificada.
optoeletrônico, os LEDs do emissor pulsam em uma taxa específica As cortina de luz de Ponto de Controle da Operação Guardmaster
(freqüência modulada) com cada LED que pulse seqüencialmente de da Allen-Bradley está disponíveis em resolução de 14 mm e 30 mm
forma que o emissor possa afetar somente o receptor a ele para proteger os dedos e as mãos, respectivamente.
associado. Embora este método propicie um aumento da segurança,

1-39
Princípios de Segurança
Cortinas de Luz de Segurança

Figura 71: POC Figura 73: PAC


Controle de Acesso a Área (AAC) Obstrução — Fixa e Flutuante
AAC é um sistema de longo alcance (até 275 pés) que utiliza unidade A obstrução permite que partes do campo de detecção da cortina de
de receptor e emissor com feixe simples ara criar uma barreira de luz seja desabilitada para acomodar objetos que, normalmente, são
proteção ao redor das máquinas classificadas incluindo células de associados ao processo para serem ignorados pela cortina de luz.
robôs, estações de transferência, paletizadores e máquinas de Quando este objeto for fixo (p. ex.: hardware de montagem, um
carregamento. A interrupção do feixe é usada para parar o acessório fixo da máquina, usinagem com ferramentas ou
movimento perigoso da máquina. O controle de acesso em vários transportadores) esta é a parte bloqueada do feixe. Conhecida como
lados e por dois feixes é mantido através do uso de espelhos de obstrução fixa, esta função requer que o objeto esteja na área
cantoneiras. especificada todo o tempo. Se algum feixe programado como
“obstruído” não estiver bloqueado por um acessório fixo ou peça,
um sinal de parada é enviado para a máquina.

Percurso de Feixe de
Trabalho do Obstrução
Rolete Fixa

Peça de
Trabalho

Figura 72: AAC


Controle de Acesso ao Perímetro (PAC) Figura 74: Obstrução Fixa
As cortinas de luz PAC usam um par de emissor e receptor para criar
uma barreira de feixe simples ou múltiplos (1, 2, 3 ou 4 feixes) para A obstrução flutuante permite que um objeto como um mecanismo
detecção do corpo todo ao redor do maquinário perigoso. Quando o de alimentação entre em qualquer ponto do campo de detecção sem
perímetro protegido for interrompido, a cortina de luz de segurança para a máquina. Isto é alcançado pela desabilitação de até dois feixes
envia um sinal de parada para a máquina protegida que pára o quaisquer dentro de um campo de detecção. Em vez de criar uma
movimento perigoso da máquina e protege a equipe.

1-40
Princípios de Segurança
Cortinas de Luz de Segurança

janela fixa, os feixes bloqueados se movem para cima e para baixo, Peça de
ou “flutuam”, conforme necessário. Dependendo do número de Trabalho
feixes flutuantes, um ou dois feixes podem ser bloqueados em
qualquer lugar dentro do campo de detecção sem que o sistema
envie um sinal de parada para o maquinário protegido.

Peça de
Trabalho

Feixe de
Obstrução
Flutuante

Peça de Percurso de Trabalho


Trabalho do Rolete
Fonte de
alimentação

M8200

Figura 76: Função Muting


Matriz de
Frenagem da A função muting requer a combinação da cortina de luz, dois ou
Prensa quatro sensores com função muting e uma unidade de controle para
processar os sinais e determinar se e quando ativar a função muting.
Os sensores com função muting são montados em frente e atrás da
Figura 75: Obstrução Flutuante cortina de luz e somente a combinação específica de saídas do
Ao usar a obstrução, fixa ou flutuante, a Distância de Segurança (a sensor iniciará a função muting. Por exemplo, quando os dois
distância mínima da cortina de luz a partir do ponto de perigo pode sensores em frente à cortina de luz mudarem de estado dentro de
ser de forma que o operador não possa alcançar o ponto de perigo um tempo predeterminado, a cortina de luz entra em muting. Os
antes da máquina para) é afetada. Como a obstrução aumenta o sensores com função muting devem ser montados longe o suficiente
tamanho mínimo do objeto que pode ser detectado, a distância para que a equipe não possa andar livremente na área e desarmar os
mínima de segurança também deve aumentar com base na fórmula sensores com função muting simultaneamente e por um período
para calcular a distância mínima de segurança (consulte Cálculo de suficiente para iniciar a função muting da cortina de luz.
Distância de Segurança, página 1-43).
A ANSI B11.19 estabelece os requisitos de desempenho de
segurança para a função muting.
Função Muting
“A função muting do dispositivo deve ser habilitada durante a
Algumas vezes, o processo requer que a máquina pare quando a parte não perigosa do ciclo da máquina. A função muting do
equipe acessar a área, ou que permaneça em operação quando o dispositivo deve ser alcançada de forma que uma falha única
material alimentado automaticamente entra. Nestes casos, uma de um componente, um sub-conjunto ou um módulo do
função muting é necessária. sistema/dispositivo que afete o desempenho das funções
relacionadas à segurança não evite um comando de parada
normal desde que iniciado ou deve causar um comando de
parada imediato. No caso de uma falha, a reinicialização da
máquina deve ser evitada até que a falha seja corrigida ou
sistema ou dispositivo seja resetado manualmente.”
Por exemplo, uma chave fim-de-curso operada por came conectada
em paralelo à saída do dispositivo não é suficiente. Uma falha da
chave do came não será detectada.

Proteção da Área

Dispositivos de Detecção Presença e Desarme


Ao decidir como proteger uma zona ou área, é importante ter uma
clara compreensão de quais funções de segurança são necessárias
exatamente.

1-41
Princípios de Segurança
Cortinas de Luz de Segurança

Em geral, haverá pelo menos duas funções. Para estes tipos de aplicações, os mesmos tipos de dispositivos
executam o desarme e a detecção de presença. A única diferença é i
• Desligar ou desabilitar a alimentação quando uma pessoa tipo de aplicação.
entra na área classificada.
• Evitar ligar ou habilitar a alimentação quando uma pessoa Podemos ver que se o corpo todo pode ultrapassar o ponto de
estiver na área classificada. desarme, pode ser necessário ter alguma maneira de detectar a
Em um primeiro momento, estas podem parecer a mesma coisa, mas presença de uma pessoa após o ponto de desarme e através de toda a
apesar de estarem claramente ligadas e, freqüentemente, serem zona classificada acessível. Em outras palavras, um dispositivo de
realizadas pelo mesmo equipamento, na verdade, elas são duas detecção de presença.
funções distintas. Os exemplos de dispositivos de detecção de presença são tapetes
sensíveis à pressão, scanners a laser e cortinas de luz montadas
Ponto de Desarme
Início da Detecção
Fim da
detecção horizontalmente.
Podemos usar um dispositivo que combine as funções de desarme
Não
Detectado detectado do perímetro e detecção da área ou podemos usar um dispositivo
separado posicionado dentro do perímetro de desarme ou protegido.

Perigo É óbvio que todos os dispositivos de detecção de área agem como


um dispositivo de desarme quando sua área de detecção é acessada
primeiro. (p. ex.: veja abaixo)

Ponto de Desarme
Início da Detecção

Figura 77
Para alcançar o primeiro ponto, precisamos usar algumas formas de
dispositivos de desarme. Em outras palavras, um dispositivo que
detecte que uma parte do corpo de uma pessoa ultrapassou um Perigo
determinado ponto w dá um sinal para desarmar a alimentação. Se a
pessoa puder continuar a passar por este ponto de desarme e sua
presença não for mais detectada, o segundo ponto (que evita que a
alimentação seja ligada) não pode ser alcançado.

Para aplicações em que o acesso do corpo todo é possível, os Zona de


exemplo de dispositivos com estas características são cortinas de luz Detecção
montadas verticalmente, barreiras de luz de segurança com feixe
simples, bordas de detecção, chaves com antenas telescópicas. Figura 79
Geralmente, uma porta de proteção intertravada também deve ser
Scanner a Laser
considerada como um dispositivo de desarme apenas porque não há
nada que evite que a porta seja fechada após a entrada (a menos que O primeiro para na zona de detecção desliga a alimentação. Os
haja provisões especiais como sistemas de acesso às chaves). passos subseqüentes ligam ou habilitam a alimentação.
Para dispositivos de desarme e dispositivos de detecção de presença
Ponto de Desarme na área que também agem como dispositivos de desarme, aplica-se o
Início da Detecção
cálculo de distância de segurança (consulte a seção posterior).

UNDETECTED
Perigo Há dois requerimentos fundamentais:

Detectado • Não deve ser possível acessar a área de risco sem desarmar o
dispositivo.
• O dispositivo deve ser posicionado longe o suficiente de
forma que não seja possível alcançar a área de perigo antes
de “mudar” para a condição segura. Isto significa que a
distância de acesso mais curta entre o perímetro da zona de
detecção do dispositivo e o perigo deve satisfazer, pelo
menos, a fórmula de distância segura.
Figura 78
Caso não seja possível o acesso do corpo todo, pois uma pessoa não Alternativamente, pode ser possível que o perigo possa ser protegido
é capaz de continuar a passar o ponto de desarme, suas presença de maneira que não dependa inteiramente de distâncias de separação.
sempre é detectada e o segundo ponto (que evita que a alimentação Normalmente, isto pode envolver proteção rígida com
seja ligada). intertravamento com travamento da porta de proteção. Até que a
máquina esteja em uma condição segura, a porta de proteção não
pode ser destravada.

1-42
Princípios de Segurança
Cortinas de Luz de Segurança

Neste caso, a quantidade de ultrapassagem ou “envolvimento” e o


tempo para parar o movimento são críticos. As bordas sensíveis
podem fornecer proteção efetiva para muitos tipos de perigo
problemáticos como cisalhamento e emprisionamento. Além disso,
pode ser útil como um dispositivo de desarme geral.

Inicialização do Dispositivo de Detecção de


Presença (PSDI)
Também conhecido como um modo de interrupção simples/duplo,
o PSDI envolve o uso de cortina de luz não somente como um
dispositivo de segurança, mas como o controle para a operação da
máquina. O PSDI inicia um ciclo da máquina baseado no número de
vezes que o campo de detecção foi interrompido. Por exemplo,
como um operador avança em direção ao perigo para inserir uma
peça de trabalho, a quebra dos feixes pára a máquina imediatamente
Figura 80 ou evita a reinicialização da máquina até que o operador tire a mão
Uma avaliação de risco pode mostrar se uma pessoa pode entrar na da área no tempo em que a máquina inicia seu próximo ciclo
área protegida e, talvez, saia do campo de visão. automaticamente.
A norma OSHA 1910.217 (h) aborda especificamente as restrições e
A porta de proteção pode ser fechada e a máquina iniciada por uma os requisitos de operação para uso do PSDI em prensas com
outra pessoa. Uma maneira de evitar esta situação é detectar a alimentação mecânica.
presença de uma pessoa em qualquer ponto da área protegida.
Utilizando esta abordagem é possível economizar espaço, mas Aplicação das Cortinas de Luz de Segurança
geralmente restringe o acesso de empilhadeiras. Ao determinar a cortina de luz adequada para a aplicação, você deve:
1. Identificar cada perigo individual no equipamento a ser
protegido
2. Determinar se a máquina pode ser parada em qualquer ponto
de seu êmbolo ou ciclo
3. Identificar o que deve ser protegido: dedos, mãos, membros,
corpo
4. Calcular a distância de segurança
5. Dimensionar a cortina de luz — a equipe não deve poder ficar
acima, abaixo ou ao redor da cortina de luz para acessar o
perigo.
Ultimamente, as Etapas 1 a 3 do processo de seleção são baseadas
nas descobertas da Avaliação de Risco conforme esboçado na seção
Princípios de Segurança (veja a página 1-17).

Cálculo da Distância de Segurança


Figura 81 Ao instalar as cortinas de luz de segurança, deve-se calcular uma
Se um dispositivo de detecção de presença de uma área for usado distância mínima de segurança para que a cortina de luz seja
com esta finalidade, não é necessário obedecer os requisitos de montada do ponto de perigo. A distância entre o perigo e a cortina
tamanho e posicionamento EN 999. Entretanto, ainda há o de luz deve ser de forma que o tempo que o operador leva para
requerimento fundamental que não a área de perigo não seja alcançar o perigo (em relação à velocidade da aproximação de partes
acessada sem que o dispositivo desarme. do corpo humano) seja maior que o tempo de parada da máquina.
Nos Estados Unidos, há duas fórmulas que são usadas para calcular
O movimento de uma pessoa atua este dispositivo. O dispositivo a distância de segurança adequadamente. A primeira, a fórmula da
deve cobrir toda a área ao redor. Os dispositivos típicos são tapetes OSHA, é o requisito mínimo para o cálculo de distância de
sensíveis à pressão, cortinas de luz ou grades e scanners a laser. segurança. A segunda fórmula, recomendada pela Rockwell
A seleção do tipo de dispositivo usar depende da correspondência Automation, é a fórmula da ANSI, que incorpora fatores adicionais
das características do dispositivo e das características da aplicação. a serem considerados ao calcular a distância de segurança.

Em alguns casos, em vez do operador ir até o perigo, o perigo vai até Fórmula de Cálculo de Distância da OSHA
o operador como, por exemplo, portas acionadas. Neste caso, a A fórmula de distância de segurança da OSHA conforme
borda de subida do perigo é combinada com uma borda sensível que especificado na CFR Subparte O 1910.217 é como segue:
é atuada por um contato suave com a pessoa e é capaz de para o
movimento ante de causar algum ferimento. Ds = 63 X TS

1-43
Princípios de Segurança
Cortinas de Luz de Segurança

Onde: cortina de luz, a distância em que um objeto pode entrar


no campo de detecção antes que a cortina de luz inicie um
DS Distância de Segurança
sinal de parada pode ser determinada.
63 É a constante de velocidade da mão recomendada pela OSHA
Exemplo: Ao usar a fórmula ANSI, um tempo de resposta da
em polegadas por segundo
cortina de luz (Tr) de 15 ms, um tempo de parada da máquina
TS É o tempo de parada total de todos os dispositivos no circuito
(Ts+Tc) de 180 ms, um tempo de resposta do monitor de frenagem
de segurança, medido em segundos. Este valor deve
(Tbm) de 40 ms e uma profundidade de 3,2 pol. de entrada, o cálculo
incluir todos os componentes envolvidos na parada do
movimento perigoso. Para uma prensa de alimentação seria como segue (lembre-se de que a constante de velocidade da
mecânica, é o tempo de parada medido em mão, K, é definida pela OSHA em 63 polegadas por segundo):
aproximadamente na posição de 90° de rotação do eixo.
OBS. O número TS deve incluir os tempos de resposta de todosos Ds = K x (Ts + Tc + Tr + Tbm) + Dpf
dispositivos, incluindo o tempo de resposta da cortina de Ds = 63 x (0,180 + 0,015 + 0,040) + 3.2″
luz de segurança, do controlador da cortina de luz de Ds = 63 x (0,235) + 3.2″
segurança (se utilizado), do circuito de controle e todos os Ds = 14,805 + 3,2″
outros dispositivos que reajam à parada de movimento Ds = 18,00″
classificado do maquinário. Não incluir o tempo de Assim, a cortina de luz de segurança deve ser montada a uma
resposta de um dispositivo ou dispositivos no cálculo do distância segura mínima de 18 polegadas.
tempo de parada resultará na distância de segurança
Fórmula EN 999 para Distância de Segurança
insuficiente para a aplicação. Isto pode causar ferimentos
ao operador. EN 999 é a norma européia que lida com o posicionamento do
equipamento em relação à velocidade de aproximação de partes do
Fórmula ANSI para Distância de Segurança corpo humano. Recomenda-se para uso em máquinas que são
projetadas para venda ou uso na Europa. Bastante similar à fórmula
O cálculo ANSI da distância de segurança para cortinas de luz, ANSI, a fórmula da EN 999 é:
conforme usado em B11.1-1988 e B11.19-1990, é: S = (K x T) + C
Ds = K x (Ts + Tc + Tr + Tbm) + Dpf Onde:
Onde:
S A distância mínima em mm da zona de perigo ao campo de
Ds A distância mínima segura da zona de perigo até a cortina de detecção da cortina de luz.
luz (pol.) K 1600 (sugerido). Este parâmetro é baseado em dados de
K 63 pol./s (sugestão). A constante de velocidade da mão pesquisa mostrando que é razoável assumir uma
conforme definida em ANSI B11.19-1990: “…a constante velocidade de aproximação pelo operador de 1600 mm/s.
de velocidade da mão, K, foi determinada por vários estudos e, As circunstâncias da atual aplicação necessitam ser levadas
embora estes estudos indiquem a velocidade de 63 pol./s para mais em conta. Como regra geral, a velocidade de aproximação
de 100 pol./s, eles não são considerados determinações conclusivas. variará de 1600 a 2500 mm/s.
O usuário deve considerar todos os fatores, incluindo a capacidade
T O tempo total de parada do sistema, insto é, o tempo total em
física do operador ao determinar o valor de K a ser usado.”
segundos do início do sinal de parada até a interrupção do
Ts O tempo de parada da máquina, em segundos, medido em 90° perigo.
da posição de rotação do eixo aproximadamente,
C Uma distância adicional, em milímetros, com base na
conforme determinado com um dispositivo de medição.
profundidade de entrada na área de perigo. Isto dependerá
Tc O tempo de resposta, em segundos, do circuito de controle se é possível alcançar por cima, ao redor ou através da
para ativar a parada da máquina conforme determinado cortina de luz antes dos contatos da chave estarem
com um dispositivo de medida. abertos. As normas EN 294 e
Tr O tempo de resposta da cortina de luz conforme especificado EN 811 fornecem mais informações sobre o cálculo de distância de
em segundos. alcance.
Tbm Tempo de parada adicional atribuído ao tempo de resposta
Exemplo: Utilizando as mesmas medidas (convertidas em
de um monitor de frenagem. Se não houver nenhum milímetros) do cálculo ANSI acima, a equação da EN 999 é:
monitor de frenagem disponível, um fator de
porcentagem deve ser adicionado para considerar a S = (K x T) + C
deterioração do sistema de frenagem devido ao desgaste. S = (1600 x 0,235) + 81,28
Para frenagens novas, recomenda-se 20 %; para frenagens S = (376) + 81,28
antigas, o fator recomendado é de 10 %. S = 457,28 mm

Dpf Distância adicional baseada no fator de profundidade


(consulte a Tabela 10 em 1910.217). Conhecendo o
tamanho mínimo do objeto que pode ser visto pela

1-44
Princípios de Segurança
Regulamentações de Segurança nos E.U.A.

Desta forma, a distância segura mínima para a mesma aplicação seria


de 457,28 mm baseada em EN 999.
R S S R
Interferência de Superfícies Reflexivas e
Outros Dispositivos Optoeletrônicos
Quando superfícies reflexivas (metais brilhantes/polidos, chapas de
metais, superfícies pintada polidas etc.) estiverem próximas de
dispositivos optoeletrônicos como cortinas de luz, o sistema é S R S R
suscetível a falhas devido à reflexão dos feixes ópticos. Uma situação
como esta pode fazer com que a cortina de luz não detecte um
objeto ou pessoal no campo de detecção.

Ponto de S R S R
Operação Superfície Reflexiva
(ex.: contêiner)

Trans- a a Figura 83: POC Múltiplos


missor D 4˚ Receptor
4˚ Regulamentações de Segurança nos E.U.A.
Centro do Feixe Feixe d Luz Esta seção apresenta algumas das regulamentações de segurança de
Direção da Abordagem Interrompido máquinas industriais nos E.U.A. Este é apenas um ponto de partida;
Distância Segura (a) mm (pol.) os leitores devem investigar com mais detalhes os requisitos para
suas aplicações específicas e tomar as medidas para certificar de que
500 seus projetos, usos e procedimentos de manutenção e práticas se
ajustem as suas próprias necessidades, assim como aos códigos
400 nacional e às regulamentações.
Existem muitas organizações que promovem a segurança industrial
nos EUA. Entre elas estão:
300
1. Corporações, que usam os requisitos pré-estabelecidos, assim
200 como estabelecem seus próprios requisitos internos;
2. A OSHA – Occupational Safety and Health Administration
(Administração de Segurança e Saúde Ocupacional);
100
3. Organizações industriais como a NFPA -- Industrial
60
20
organizations like the National Fire Protection Association
Faixa de
Operação (Administração Nacional de Proteção Contra Incêndio), a RIA
1 2 3 4 5 6
– Robotics Industries Association (Associação das Indústrias
Figura 82: Alinhamento/distância POC de Robótica) e a AMT – Association of Manufacturing
Ao instalar as cortinas de luz, o potencial de interferência pode ser Technology (Associação de Tecnologia de Produção); e os
calculado para determinar a distância mínima que a cortina de luz fornecedores de produtos de segurança, como a Rockwell
deve ser montada da superfície refletida em questão. Como uma Automation.
regra geral, as superfícies não reflexivas devem ser colocadas dentro
do ângulo de feixe do emissor ou do receptor da cortina de luz
OSHA – Occupational Safety and Health
considerando o desalinhamento. Usando a seguinte fórmula:
Administration
D = R/2 (tan 2a)
Nos Estados Unidos, um dos principais dirigentes de segurança é a
Onde: OSHA. A OSHA foi estabelecida em 1970, por uma Lei do
Congresso dos EUA. O objeto desse ato é fornecer condições de
D Distância até a superfície reflexiva (pior caso) trabalho seguras e saudáveis e preservar os recursos humanos. A
R Distância entre o emissor e o receptor da cortina de luz OSHA cumpre esta tarefa publicando regulamentações no Título 29
do Código de Regulamentação Federal (CFR 29).
a O ângulo de desalinhamento aceitável (ângulo de divergência) As normas pertinentes à máquinas industriais são publicadas pela
conforme determinado nas especificações da cortina de OSHA na Parte 1910 do CFR 29. A Tabela 5 é uma lista desses
luz normas pertinentes às máquinas específicas.
Também é necessário levar em consideração outros dispositivos
optoeletrônicos próximos à cortina de luz de segurança. É bem
provável que as cortinas de luz interfiram uma na outra ou causem
“diafonia”.

1-45
Princípios de Segurança
Regulamentações de Segurança nos E.U.A.

OSHA 1910.217(b)(13) — Confiabilidade de Controle


Seção Descrição
(13) Confiabilidade de Controle. Quando requisitado pelo
1910.212 Requisitos Gerais para todas as máquinas parágrafo (c) (5) desta seção, o sistema de controle deve ser
1910.213 Requisitos de máquinas para Beneficiamento de Madeira construído de forma que a falha do sistema não evite a ação
1910.214 Máquinas de Tanoaria normal de parada que estiver sendo aplicada à prensa quando
necessário, mas evitar a inicialização do próximo êmbolo até que
1910.215 Máquinas de Roda Abrasiva a falha seja corrigida. A falha deve ser detectável por um simples
Laminadoras e Calandras na Indústria de Plásticos e teste ou indicada pelo sistema de controle. Este requerimento
1910.216
Borracha não se aplica àqueles elementos do sistema de controle que não
1910.217 Prensas de Alimentação Mecânica têm efeito de proteção contra danos aos pontos de operação.
1910.218 Forjamento de Máquina
OSHA 1910.217(b)(14) — Monitoração do Sistema de
1910.219 Aparelhos de Transmissão de Alimentação Mecânica Frenagem
Tabela 6 (14) Monitoração do sistema de frenagem. Quando solicitado
Onde possível, a OSHA promulga normas de consenso nacional ou pelo parágrafo (c) (5) desta seção, o monitor de frenagem deve
normas Federais estabelecidos como normas de segurança. As atender os seguintes requerimentos:
provisões obrigatórias (p. ex.: uma palavra implicará obrigação) das (i) Ser construído de forma a prevenir a ativação de um êmbolo
normas, incorporadas pela referência, têm a mesma força e efeitos que posterior e o tempo de parada ou a distância de frenagem
as normas listadas na Parte 1910. Por exemplo, a norma de consenso desgastarem a um ponto em que a distância de segurança que
está sendo utilizada não atenda ao requisitos estabelecidos no
nacional NFPA 70 é listado documento de referência no Apêndice A
parágrafo (c)(3)(iii)(e) ou (c)(3)(vii)(c) desta seção. O monitor de
da Subparte Elétrica-S da Parte 1910 de 29 CFR. A NFPA 70 é uma frenagem usado com o gate tipo B ou dispositivo de barreira
norma que foi desenvolvida pela Associação Nacional de Proteção móvel deve ser instalado de maneira a detectar a sobreposição
Contra Incêndio (NFPA). A NFPA 70 também é conhecida como o de parada além do limite normal razoável estabelecido pelo
Código Elétrico Nacional (NEC). Portanto, todos os requisitos empregador.
obrigatórios no NEC são obrigatórios pela OSHA. (ii) Ser instalado em uma prensa que indique quando o
desempenho do sistema de frenagem estiver deteriorado para a
Com referência às cortinas de luz de segurança, as normas são
extensão descrita no parágrafo (b)(14)(i) desta seção; e
classificadas como normas de aplicação ou de construção. As
normas de aplicação definem como aplicar uma cortina de luz ao (iii) Ser construído e instalado de forma a monitorar o
desempenho do sistema de frenagem em cada êmbolo
maquinário. Os exemplos incluem a ANSI B11.1, que fornece
informações sobre o uso de proteção das máquinas em prensas OSHA 1910.217(c) – Proteção do Ponto de Operação
mecânica e ANSI/RIA R15.06 que delimita o uso da cortina de luz (1) Requerimentos Gerais.
para proteção do robô. As normas de construção fornecem detalhes (i) Deve ser de responsabilidade do empregador fornecer e
sobre o projeto e construção de Dispositivos de Detecção de garantir o uso de “proteções do ponto de operação” ou que os
Presença (PSDs) em aplicações de segurança. A IEC61496, dispositivos do ponto de operação sejam adequadamente
“Segurança de Maquinário – Equipamento de Proteção aplicados e ajustados em todas as operações executadas em uma
prensa mecânica (consulte a Tabela 0–10).
Eletrossensível” aborda os requisitos de cortinas de luz e sensores
fotoelétricos em geral usados em aplicações de segurança. (ii) O requerimento de subdivisão (i) deste subparágrafo não
deve ser aplicado quando a abertura do ponto de operação
A seguir estão interpretações das normas OSHAS e PMA (Precision estiver a um quarto (1/4) de polegada ou menos (consulte a
Metalforming Association) relacionadas à proteção de máquina e Tabela 0–10).
cortinas de luz de segurança:
Tabela O-10 [da OSHA 1910.217 (f)(4)]
OSHA 1910.217(b)(7) — Controles, Embreagem com Distância de Abertura a
Rotação de Peças partir do Ponto de Perigo da Largura Máxima de Abertura
(7) Máquinas que usam embreagens com rotação de peças. Operação (polegadas) (polegadas)
1/2 a 1-1/2 1/4
(i) A embreagem deve liberar e a frenagem deve ser aplicada
quando a embreagem externa for removida, desativada ou 1-1/2 a 2-1/2 3/8
desenergizada. 2-1/2 a 3-1/2 1/2
3-1/2 a 5-1/2 5/8
(ii) Um controle de parada vermelho deve ser fornecido com o
sistema de controle de embreagem/frenagem. A operação 5-1/2 a 6-1/2 3/4
momentânea do controle de parada deve desativar 6-1/2 a 7-1/2 7/8
imediatamente a embreagem e aplicar a frenagem. O controle de 7-1/2 a 12-1/2 1-1/4
parada deve suprimir todos os outros controles e a nova atuação
da embreagem deve solicitar o uso do meio de operação 12-1/2 a 15-1/2 1-1/2
(desarme) que foi selecionado. 15-1/2 a 17-1/2 1-7/8
17-1/2 a 31-1/2 2-1/8

1-46
Princípios de Segurança
Regulamentações de Segurança nos E.U.A.

OSHA 1910.217 (c)(3 ) — Dispositivos do Ponto de (i) o empregador deve usar um sistema de controle e um
Operação monitor de frenagem que obedeçam aos parágrafos (b) (13) e
(i) Os dispositivos do ponto de operação devem proteger o (14) desta seção. Este requisito deve ser atendido até 1º de
operador de: novembro de 1975.

(a) Evitar e/ou parar o movimento normal do êmbolo da prensa (ii) a exceção no parágrafo (b)(7)(v)(d) desta seção para controles
se as mãos do operador estiverem colocadas no ponto de bi-manuais produzidos e instalados antes de 31 de agosto de
operação inadivertidamente. 1971, não se aplica a este parágrafo (c)(5);

(iii) o controle de máquinas com embreagem a ar deve ser


OSHA 1910.217 (c)(3)(iii) — Dispositivo de Detecção de
projetado para prevenir o aumento significativo do tempo
Presença normal de parada devido a uma falha no mecanismo da válvula
(iii) Um dispositivo de detecção de presença de um ponto de de operação e inibir qualquer operação caso corra uma falha
operação deve proteger o operador conforme estabelecido no onde uma embreagem com rotação por peça seja empregada. A
parágrafo (c)(3)(i)(a) desta seção e deve ser intertravado no exceção no parágrafo (b)(7)(xi) desta seção para controles bi-
circuito de controle para evitar ou para o movimento deslizante manuais produzidos e instalados antes de 31 de agosto de 1971,
se as mãos do operador ou outra parte de seu corpo estiverem não se aplica a este parágrafo (c)(5);
no campo de detecção do dispositivo durante a descida do
êmbolo da prensa.
OSHA 1910.217(e) Inspeção, Manutenção e Modificação
(a) O dispositivo não pode ser usado em máquinas que usam de Prensas
embreagens com rotação total. (1) Registros de inspeção e manutenção.

(b) O dispositivo não pode ser usado como um meio de desarme (i) Deve ser responsabilidade do empregador estabelecer e seguir
para iniciar o movimento deslizante a não ser quando for usado um programa de inspeções regulares e periódicas de suas
em total conformidade com o parágrafo (h) desta seção. prensas mecânicas para garantir que todas as suas peças,
equipamentos auxiliares e proteções estejam em uma condição
(c) O dispositivo não deve ser construído de forma que uma de operação e ajuste seguros. O empregador deve manter os
falha no sistema não possa evitar a ação normal de parada que registros destas inspeções que incluem a data de inspeção, a
estiver sendo aplicada à prensa quando necessário, mas deve assinatura da pessoa que executa a inspeção e o número de série
evitar o início de um êmbolo sucessivo até que a falha seja ou outro identificador da prensa mecânica que foi inspecionada.
corrigida. A falha deve ser indicada pelo sistema.
(ii) Cada prensa deve ser inspecionada e testada semanalmente
(d) A função muting (bypass da função de proteção) de tal para determinar as condições do mecanismo de frenagem/
dispositivo, durante o movimento ascendente do êmbolo da embreagem, recurso de anti-repetição e mecanismo de êmbolo
prensa, é permitido para a finalidade de ejeção das pelas, simples. A manutenção ou reparo necessários ou ambos devem
verificação do sistema e alimentação. ser executados e concluídos antes que a prensa seja operada. O
empregador deve manter os registros destas inspeções e a
(e) A distância de segurança (D(s)) desde o campo de detecção manutenção do trabalho executado. Estes requisitos não se
até o ponto de operação deve ser maior que a distância aplicam àquelas prensas que estão em conformidade com os
determinada pela fórmula a seguir: parágrafos (b)(13) e (14) desta seção. O empregador deve
manter um registro de certificação de inspeções, testes e
D(s) = 63 polegadas/segundo X T(s) trabalhos de manutenção que inclua a data da inspeção, a
assinatura da pessoa que executou a inspeção teste ou
Onde: manutenção; além do número de série ou outro identificador da
prensa que foi inspecionada, testada ou feita a manutenção.
Ds = distância mínima de segurança (polegadas);
(2) Modificação. É responsabilidade de qualquer pessoa que
63 polegadas/segundo = constante de velocidade da mão; e
modifique uma prensa mecânica fornecer instruções com a
Ts = tempo de parada da prensa medido na posição de 90º da modificação para estabelecer novas orientações ou alterar as
rotação do eixo aproximadamente (segundos). existentes para uso e cuidados com a prensa que foi modificada.

(f) As proteções devem ser usada para proteger todas as áreas de (3) Treinamento da equipe de manutenção. É de
acesso ao ponto de operação não protegido pelo dispositivo de responsabilidade do empregador garantir que e competência
detecção de presença. original e continuada da equipe responsável pela inspeção e
manutenção de prensas mecânicas.
OSHA 1910.217 (c)(5) Requerimentos Adicionais para
Proteção OSHA 1910.217(f) Operação de Prensas Mecânicas
Quando o operador alimentar ou remover peças colocando as (2) Instruções para os operadores. O empregador de treinar e
mãos no ponto de operação, um controle bimanual, o instruir o operador sobre os métodos seguros de trabalho antes
dispositivo de detecção de presença de gate Tipo B ou barreira de iniciar o trabalho de qualquer operação abordada nesta seção.
móvel (em uma parte da embreagem por rotação) é usado para O empregador deve garantir por meio da supervisão adequada
proteção. que os procedimentos corretos de operação sejam seguidos.

1-47
Princípios de Segurança
Regulamentações de Segurança nos E.U.A.

(3) Área de trabalho. O empregador deve fornecer espaço entre ANSI B11.1 Ferramentas de Máquinas – Prensas de Alimentação Mecânica –
as máquinas de forma que os movimentos de um operador não Requisitos de Segurança para a Construção, Cuidados e Usos
interfiram no trabalho de outro. Uma sala ampla para limpeza ANSI B11.2 Ferramentas de Máquinas – Prensas de Alimentação
das máquinas, manuseio de material, peças de trabalho e sucata
Hidráulica – Requisitos de Segurança para a Construção,
também deve ser fornecida. Todo o chão ao redor deve ser
mantido em boas condições e livres de obstáculos, óleo, graxa Cuidados e Usos
ou água. ANSI B11.3 Freios de Prensa de Alimentação, Requisitos de Segurança para
(4) Sobrecarga. O empregador deve operar sua prensa dentro a Construção, Cuidados e Usos
das classificações de tonelagem e peso de peças especificadas ANSI B11.4 Ferramentas de Máquinas – Máquinas de Corte – Requisitos de
pelo fabricante. Segurança para a Construção, Cuidados e Usos
NPFA – National Fire Protection Association ANSI B11.5 Ferramentas de Máquinas – Trabalhadores de Ferro –
A Associação Nacional de Proteção contra Incêndio (NFPA) foi Requisitos de Segurança para a Construção, Cuidados e Usos
organizada em 1896. Sua missão é reduzir a ocorrência de incêndios, ANSI B11.6 Tornos Mecânicos, Requisitos de Segurança para Construção,
melhorando a qualidade de vida, defendendo os códigos e normas de Cuidados e Usos
consenso com base científica, pesquisa e educação sobre incêndios e ANSI B11.7 Ferramentas de Máquinas – com Moldes e Cavidades Frios,
outros assuntos relacionados à segurança. A NFPA patrocina muitos Requisitos de Segurança para a Construção, Cuidados e Usos
normas para cumprir sua missão. Dois normas importantes ANSI B11.8 Perfuradeiras, Laminadoras e Brochadeiras, Requisitos de
relacionados à segurança industrial e à proteção segura são o Segurança para Construção, Cuidados e Usos
National Electrical Code e a Norma para Máquinas Industriais. ANSI B11.9 Afiadoras de Ferramenta, Requisitos de Segurança para a
A Associação Nacional de Proteção contra Incêndio tem agido Construção, Cuidados e Usos
como patrocinadora do Código Elétrico Nacional desde 1911. O
ANSI B11.10 Serras Mecânicas, Requisitos de Segurança para a Construção,
documento original do código foi desenvolvido em 1897 como um
Cuidados e Usos
resultado dos esforços unidos de vários interesses elétricos,
arquitetônicos de seguradoras e aliados. O NEC foi atualizado ANSI B11.11 Fresadoras de Engrenagens, Requisitos de Segurança para a
inúmeras vezes e é revisado a cada três anos aproximadamente. O Construção, Cuidados e Usos
artigo 670 do NEC cobre alguns detalhes da máquinas industrial e ANSI B11.12 Ferramentas de Máquinas – Máquinas Roll-Forming e Roll-
remete o leitor à Norma Elétrico para a Máquina, NFPA 79. Bending – Requisitos de Segurança para Construção,
O NFPA 79 se aplica a equipamentos elétricos/eletrônicos, Cuidados e Usos
aparelhos ou sistemas de máquinas industriais operando a partir de ANSI B11.13 Ferramentas de Máquinas – Barra Automática de Haste Única
um tensão nominal de 600 volts ou menos. O propósito do NFPA e Múltiplas e Máquinas de Sujeição – Requisitos de Segurança
79 é fornecer informações detalhadas para a aplicação de para Construção, Cuidados e Usos
equipamentos, aparelhos e sistemas eletroeletrônicos, como parte ANSI B11.14 Ferramentas de Máquinas – Máquinas de Fendimento de
das máquinas que estimulam a segurança da vida e da propriedade. Bobina, Requisitos de Segurança para a Construção,
O NFPA 79, que foi oficialmente adotado em 1962, é muito Cuidados e Usos
semelhante ao conteúdo da norma IEC 60204-1 do International ANSI B11.15 Máquinas de Canos, Tubos e Dobradeiras, Requisitos de
Electro-technical Committee (IEC). Segurança para a Construção, Cuidados e Usos
As máquinas que não estão incluídas nas normas OSHA específicas ANSI B11.16 Prensas de Sinterização, Requisitos de Segurança para a
devem estar livres de perigos reconhecidos, que possam causar Construção, Cuidados e Usos
morte ou danos sérios.Essas máquinas devem ser projetadas e ANSI B11.17 Ferramentas de Máquinas – Prensas de Extrusão Horizontal
mantidas para se ajustarem ou excederem os requisitos dos normas Hidráulica – Requisitos de Segurança para a Construção,
aplicáveis da indústria. O NFPA 79 é um norma que se aplica às Cuidados e Usos
máquinas não incluídas, especificamente, nos normas da OSHA.
ANSI B11.18 Ferramentas de Máquinas – Sistemas de Máquinas e
ANSI -- U.SNational Standards Máquinas para Tira de Processamento, Folha ou Placa, a
partir da Configuração em Bobina – Requisitos de Segurança
O American National Standards Institute (ANSI) serve como
para Construção, Cuidados e Usos
administrador e coordenador do sistema de padronização do setor
privado dos Estados Unidos. É uma organização privada, sem fins ANSI B11.19 Ferramentas de Máquinas – Proteção Segura Quando Quando
lucrativos, de parceria, apoiada por uma constituição diversificada de Referida por Outros Critérios de Performance dos Normas de
organizações dos setores públicos e privados. Segurança de Ferramenta de Máquina B11, para o Projeto,
ANSI, em si, não desenvolve normas, mas facilita o Construção, Cuidados e Operação
desenvolvimento das mesmas, estabelecendo um consenso entre os ANSI B11.20 Ferramentas de Máquinas – Sistemas/Células de Manufatura
grupos qualificados. O ANSI também assegura que os princípios de – Requisitos de Segurança para a Construção, Cuidados e
orientação do consenso, devido ao processo e à abertura, sejam Usos
seguidos pelos grupos qualificados. Abaixo está um lista parcial dos ANSI B11.21 Ferramentas de Máquinas – Ferramentas de Máquinas Usando
normas de segurança industrial que podem ser obtidos entrando em Laseres para Materiais de Processamento – Requisitos de
contato com o ANSI. Segurança para Construção, Cuidados e Usos

1-48
Princípios de Segurança
Organizações

ANSI B151.1 Máquinas de Moldagem de Injeção Horizontal – Requisitos de CEN--European Committee for Standardization Central
Segurança para Manufatura, Cuidados e Uso Secretariat
ANSI B151.15 Máquinas de Moldagem de Compressão de Extrusão – rue de Stassart 36, B-1050, Brussels, Belgium
Fone: 011-32-2-550-0819
Requisitos de Segurança
Fax: 011-32-2-550-0811
ANSI B151.21 Máquinas de Moldagem de Compressão de Injeção – Internet: http://tobbi.iti.is/cen/welcome.html
Requisitos de Segurança CENELEC--European Committee for Electrotechnical
ANSI B151.26 Máquinas Plástica – Reação Dinâmica – Máquinas de Standardization Central Secretariat
Moldagem de Injeção – Requisitos de Segurança para rue de Stassart 35, B-1050, Brussels, Belgium
Manufatura, Cuidados e Uso Fone: 011-32-2-51-96-919
ANSI B151.27 Máquinas Plástica – Robôs usados com Máquinas de Fax: 011-32-3-51-96-871
Moldagem de Injeção Horizontal – Requisitos para Integração, OSHA--Occupational Safety & Health Administration
Cuidados e Uso U.S. Department of Labor
200 Constitution Avenue, NW
ANSI B151.28 Máquinas Plástica – Máquinas para Corte, Fendagem ou Washington, DC 20210
Polimento de Espumas Plásticas – Requisitos de Segurança Phone: 202/693-1999
para Manufatura, Cuidados e Uso Internet: http://www.osha.gov
ANSI B155.1 Máquinas de Embalagem e Máquinas de Conversão
Relacionado à Embalagem – Requisitos de Segurança para Australian Safety Regulations
Construção, Cuidados e Uso Standards Association of Australia
ANSI B65.1 Sistemas de Pressão com Impressão Norma de Segurança 1 The Crescent
Homebush, NSW 2104
ANSI/NFPA 70 Código Elétrico Nacional
Phone: 202/693-1999
ANSI/NFPA 70E Requisitos de Segurança Elétrica para Locais de Internet: http://www.standards.com.au
Trabalho
ANSI/NFPA 79 Norma Elétrico para Máquinas Industrial AS 4024.1-1996 Proteção de maquinário. Parte 1: Princípios Gerais
ANSI/RIA 15.06 Requisitos de Segurança para Robôs Industriais e Sistemas Esta norma identifica os perigos e riscos associados ao maquinário
de Robótica industrial e descreve os métodos de redução de risco. Ela também
descreve e ilustra os princípios de segurança e medidas de proteção
Organizações que devem ser aplicados durante o ciclo de vida do maquinário.
Organizações que fornecem cópias das normas e diretrizes: AS4024.2-1998 Proteção de maquinário. Parte 2: Requisitos de instalação e
ANSI—American National Standards Institute comissionamento para sistemas eletrossensíveis —
11 West 42nd Street, New York, NY 10036 Dispositivos optoelétricos
Fone: 212/642-4900 A base desta norma é a IEC61496-1 e -2. A Parte 2 aborda a
Fax (para compra): 212/302-1286 instalação e o comissionamento das cortinas de luz especificamente
Fax (geral): 212/398-0023 relacionadas à segurança do maquinário.
Internet: www.ansi.org
International Electromechanical Commission (IEC) AS 4024.3-1998 Proteção de maquinário. Parte 3: Requisitos de produção e
3, rue de Varembe, P.O. Box 131 CH 1211 Geneva 20 testes para sistemas eletrossensíveis — Dispositivos
Switzerland optoelétricos
Phone: 011-41-22-919-0211 A base desta norma é a IEC61496-1 e -2. A Parte 3 aborda a
Fax: 011-41-22-919-0300
produção e testes das cortinas de luz especificamente relacionadas à
Internet: www.iec.ch/
segurança do maquinário.
International Organization for Standardization (ISO)
1, rue de Varembe, CH 1211 Geneva 20 Switzerland AS4024.4-1998 Proteção de maquinário. Parte 4: Requisitos de instalação e
Fone: 011-41-22-749-0111 comissionamento para sistemas eletrossensíveis —
Fax: 011-41-22-733-3430 Dispositivos sensíveis à pressão
Internet: www.iso.ch/
A base desta norma é a IEC1760-1 e EN1760-2. A Parte 4 aborda a
British Standards Institution
instalação e o comissionamento de tapetes, pisos, bordas e barras
389 Chiswick High Road, London W4 4AL United Kingdom
Fone: 011-44-181-996-9000 que são usados com o maquinário, independentemente da energia
Fax: 011-44-181-996-7400 utilizada.
Internet: www.bsi.org.uk/
AS 4024.5-1998 Proteção de maquinário. Parte 5: Requisitos de produção e
Global Engineering Documents testes para sistemas eletrossensíveis — Dispositivos
7730 Carondelet Ave., Suite 407, St. Louis, MO 63105 sensíveis à pressão
Fone: 800/854-7179
Fax: 314/726-6418 A base desta norma é a IEC1760-1 e EN1760-2. A Parte 5 aborda a
Internet: http://global.ihs.com produção e teste de tapetes, pisos, bordas e barras que são usados
com o maquinário, independentemente da energia utilizada.

1-49
Princípios de Segurança
Notas

Notas

1-50
Dispositivos de
Segurança com Detecção
de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-2
Cortinas de Luz GuardShield . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-8
Cortinas de Luz SafeShield . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-14
Ponto de Controle da Operação (POC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-26
Controle de Acesso ao Perímetro (PAC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-34
Controle de Acesso à Área (AAC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-46

Interfaces da Cortina de Luz de Segurança


Módulo SafeShield DeviceNet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-52
Fonte de Alimentação 120 Vca e Relé de Segurança. . . . . . . . . . 2-54
Relé de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-58
Unidade de Controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-60

Scanner de Segurança a Laser


Características Gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-66
SafeZone . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-68

Tapetes de Segurança
Características Gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-72
Tapetes MatGuard . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-76
Controladores MatGuard . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-84
MatGuard Mat Manager. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-88

Bordas de Segurança
Características Gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-90
Perfis Safedge . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-94
Controladores Safedge . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2-103
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais
GuardShield A cortina de luz de segurança GuardMaster Allen-Bradley é uma
Configuração Típica do Sistema cortina de luz de segurança de dois elementos que consiste de um
Componentes necessários para um sistema “somente par de receptor e transmissor não correspondente. Todos os
Proteção”: transmissores do GuardShield com a mesma resolução e altura de
proteção funcionarão com todos os receptores de mesma resolução
1. Cabeçotes ópticos (operam em 24 Vcc) pedir em pares e altura de proteção.
(transmissor/receptor)
2. Cabos  são necessários dois por par  especificar o cabo A cortina de luz de segurança GuardShield tem dois tipos de
transmissor e o receptor transistores, saídas PNP de segurança. Estas saídas podem ser
3. Suportes de fixação—inclusos conectadas a um módulo a relé de segurança ou diretamente ao
4. Módulo do Relé de Segurança—opcional (Obs.: É possível principal elemento de controle de uma máquina.
atingir um sistema de Categoria 3 por meio da conexão direta
dos OSSDs GuardShield a dois contatores de segurança e por O GuardShield também tem uma saída auxiliar não segura que pode
meio da conexão e configuração do modo EDM de operação ser conectada a um CLP para obter o status dos OSSDs para uma
no receptor GuardShield.) torre luminosa ou controlar um motor de retificação, etc.

O GuardShield requer cabos Transmissor e Receptor separados.


3 O cabo Transmissor utiliza um microconector de desconexão rápida
de 4 pinos e está disponível em comprimentos de 2 a 30 metros.
O cabo receptor tem um conector de desconexão rápida de 8 pinos
e também está disponível em comprimentos de 2 a 30 metros.
1

2-2
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais
O GuardMaster GuardShield Allen-Bradley é uma cortina de luz O GuardShield tem duas minisseletoras localizadas em ambas as
Tipo 4, dois elementos, com modos de operação selecionáveis por extremidades do Transmissor e do Receptor. As minisseletoras
minisseletoras. podem ser acessadas através de uma porta com dobradiças que está
presa às extremidades por um parafuso de segurança.
As minisseletoras do Transmissor são fornecidas com a
configuração e ativação da Codificação de Feixe e Sinal de Teste da
Máquina.
A Codificação do Feixe altera o modelo de pulso da luz
infravermelha do transmissor. Isto ajuda a reduzir a interferência
óptica quando o receptor do GuardShield “olhar” para um modelo
específico de luz infravermelha.
O Sinal de Teste da Máquina é usado para simular a interrupção
do campo de detecção do GuardShield que permite a monitoração
da saída OSSD. O circuito de controle da máquina de uma prensa
pode estar conectado para monitorar as alterações no status da saída
dos OSSDs em todos os êmbolos ou ciclos da prensa.
As minisseletoras do Receptor do GuardShield são fornecidas com a
configuração e ativação dos seguintes modos de operação
Somente Proteção — O GuardShield opera como um chave liga/
desliga. A chave dos OSSDs DESLIGAM quando o campo de
detecção é interrompido e liga novamente quando o campo de
detecção estiver restaurado.
Intertravamento de Partida — Neste modo de operação, o
GuardShield é energizado com os OSSDs DESLIGADO até que
seja concluído reset manual do GuardShield.
Intertravamento de Reinício – Os OSSDs do GuardShield
permanecerão DESLIGADOS após cada interrupção do campo de
detecção. É necessário o reset manual do GuardShield.
Codificação de Feixe — O status da minisseletora de codificação
do feixe deve corresponder à configuração do transmissor, caso
contrário o GuardShield não será energizado até um estado Verde.
EDM — A Monitoração de Dispositivo Externo (EDM) permite
que o GuardShield monitore o status dos contatores de controle
principais ou de outros dispositivos de chaveamento final do
maquinário protegido. Esta monitoração é projetada para solicitar
Porta de Acesso ao Receptor uma mudança de estado (COS) do dispositivo de controle quando os
Intertrava-
Chave de OSSDs do GuardShield mudarem de estado.
Status da
mento
Porta
Botão de Obstrução Fixa — Um objeto que está sempre localizado no
Somente
Ativação de
Proteção
campo de detecção pode ser “obstruído” por meio da configuração
Modo adequada da minisseletora para a posição LIGADA e pressionando-
Obstrução MPCE/EDM se o botão Mode Activation (ativação do modo). Isto permite que o
Fixa GuardShield “aprenda” que o objeto sempre estará obstruindo
determinados feixes.
1 Obstrução
2 Obstrução de Feixe Obstrução Flutuante — A obstrução flutuante permite que um ou
de Feixe
Flutuante
Flutuante dois feixes sejam interrompidos em um GuardShield sem que os
OSSDs mudem para o estado DESENERGIZADO.

Codificação A resolução de 14 mm é capaz de permitir que dois feixes “flutuem”


Não Usado
do Feixe por uma altura de proteção do campo de detecção do GuardShield.
Minisseletoras do Receptor A resolução de 30 mm é limitada a permitir que um feixe “flutue”
por uma altura de proteção do campo de detecção do GuardShield.

2-3
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais
SafeShield todas as cortinas de luz de segurança SafeShield. Em um invólucro
A família SafeShield GuardMaster da Allen-Bradley de cortinas de montável em trilho DIN de 22,5 m compacto, este dispositivo
luz de segurança são softwares configuráveis, AOPDs Tipo 4 de facilita a fiação e a configuração dos parâmetros DeviceNet e das
acordo com IEC 61496. O SafeShield está disponível em resoluções informações de diagnóstico.
de 14 e 30 mm e oferece muitos recursos avançados como obstrução
fixa, obstrução flutuante fixa, resolução reduzida, codificação do Configurações Típicas do Sistema
feixe e EDM, assim como um status de sete segmentos e display de O sistema de cortina de luz de segurança SafeShield GuardMaster da
diagnóstico nos transmissores e receptores. Allen-Bradley é um projeto de dois elementos. Isto significa que a
cortina de luz de segurança não precisa de um controlador separado
Além disso, é possível conectar até três segmentos em uma para funcionar. Desta forma, as saídas de segurança da cortina de luz
configuração em cascata, sendo que cada um destes segmentos (OSSDs) podem ser conectadas a todos os relés de segurança que
tem os recursos avançados programados individualmente. aceitarão as entradas PNP.
O comprimento dos cabos entre os segmentos deve ser de, no
máximo, três metros. A seguir estão algumas configurações comuns dos sistemas de
cortina de luz. Os números nos desenhos indicam a seqüência das
Um cabo de comunicação é fornecido para conectar seu laptop ao etapas que deve ser seguida para garantir que seja especificado um
receptor e ao transmissor do SafeShield, permitindo a programação sistema completo.
e a configuração de seu sistema. A proteção por senha garante que
uma vez que sistema esteja configurado, ele seja armazenado de Componentes necessários para um sistema “somente
forma segura na memória do sistema e possa ser acessado somente Proteção”:
pela equipe autorizada.
1. Cabeçotes ópticos (operam em 24 Vcc)  pedir em pares
Este sistema de luz de segurança versátil fornece flexibilidade (transmissor/receptor)
máxima em soluções simples para aplicações de proteção de 2. Cabos  são necessários dois por par  especificar o
máquinas complexas. comprimento
3. Suportes de fixação — disponíveis em vários tipos

Componentes opcionais (fornecidos pela GuardMaster


Allen-Bradley ou cliente):

4. Relés de Segurança

1 3

2
4

Interface DeviceNet do SafeShield


A família de produtos SafeShield também está disponível com uma
interface DeviceNet opcional, que não é um dispositivo de
segurança que comunica o status e as informações de diagnóstico de

2-4
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais
Características Gerais dos Pontos de Controle Componentes necessários para um sistema com as opções de
da Operação (POC) obstrução, obstrução flutuante, PSDI, etc.
Configurações Típicas do Sistema
1. Cabeçotes ópticos (operam em 24 Vcc) pedir em pares
O sistema de cortina de luz de segurança SafeShield GuardMaster da
(transmissor/receptor)
Allen-Bradley é um projeto de dois elementos. Isto significa que a
2. Cabos  são necessários dois por par  especificar o
cortina de luz de segurança não precisa de um controlador separado
comprimento
para operar no modo somente proteção com reset manual. Desta
3. Suporte de fixação  mínimo de 4 por par de cabeçote óptico
forma, as saídas de segurança da cortina de luz (OSSDs) podem ser
4. Interface programável  440L-M8100
conectadas a todos os relés de segurança que aceitarão as entradas
PNP. As saídas da cortina de luz de segurança devem estar
Componentes opcionais (fornecidos pela GuardMaster
conectadas ao 440L-M8100 quando recursos mais avançados forem
Allen-Bradley ou cliente):
necessários como obstrução fixa, obstrução flutuante, energização
de dispositivos de detecção de presença (PSDI), etc. Esta interface 5. Relés de Segurança
programável pode ser configurada para realizar estas funções (os
relés de segurança separados também são necessários com este
módulo). 1 3
A seguir estão algumas configurações comuns dos sistemas de
cortina de luz. Os números nos desenhos indicam a seqüência das
etapas que devem ser seguidas para garantir que seja especificado um
sistema completo.
Componentes necessários para um sistema “somente
Proteção”: 2 4
1. Cabeçotes ópticos (operam em 24 Vcc)  pedir em pares 5
(transmissor/receptor)
2. Cabos  são necessários dois por par  especificar o
comprimento
3. Suporte de fixação  mínimo de 4 por par de cabeçote óptico

Componentes opcionais (fornecidos pela GuardMaster Allen-


Bradley ou cliente):

4. Relés de Segurança

1
3

2-5
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais
Controle de Acesso ao Perímetro Componentes necessários para um sistema de Controle de
Configurações Típicas do Sistema Acesso ao Perímetro (PAC) com feixe simples, consulte a
Figura 2:
O sistema de cortina de luz de segurança com Controle de Acesso
ao Perímetro (PAC) GuardMaster da Allen-Bradley é um projeto de 1. Cabeçote óptico — o transmissor e o receptor estão no mesmo
dois elementos. Isto significa que a cortina de luz de segurança não cabeçote óptico (opera em 24 Vcc)
precisa de um controlador separado para operar no modo somente 2. Cabos  um comprimento específico necessário (cabo de
proteção com reset manual. Desta forma, as saídas de segurança da 8 pinos com desconexão rápida)
cortina de luz (OSSDs) podem ser conectadas a todos os relés de 3. Relé de Segurança
segurança que aceitarão as entradas PNP. 4. Fonte de alimentação  120 Vca a 24 Vcc (se necessário)
5. Suportes de fixação
A seguir estão algumas configurações comuns dos sistemas de 6. Coluna de espelhos passiva
cortina de luz. Os números nos desenhos indicam a seqüência das
etapas que devem ser seguidas para garantir que seja especificado um
sistema completo.

Componentes necessários por um sistema de Controle de


Acesso ao Perímetro (PAC) com feixe múltiplo, consulte a
Figura 1: 1

1. Cabeçotes ópticos (operam em 24 Vcc)  pedir em pares


5
(transmissor/receptor)
2. Cabos  cabo de 7 pinos para o transmissor e 8 pinos para o
receptor
3. Relés de Segurança
4. Fonte de alimentação  120 Vca a 24 Vcc 6
5. Suportes de fixação — mínimo de 4 pares por par de cabeçote
óptico
6. Colunas de espelhos (para múltipla proteção lateral) 2
3

Figura 2: PAC com Feixe Simples


2

Figura 1

2-6
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Características Gerais
Componentes necessário para um sistema de Controle de Acesso ao Perímetro (PAC) com Função Muting, consulte a Figura 3:

1. Cabeçotes ópticos (operado em 24 Vcc) com módulo com função muting  pedir como um par (transmissor/receptor)
2. Cabos  cabo de 7 pinos para o transmissor e 8 pinos para o receptor
3. Relés de Segurança
4. Fonte de alimentação
5. Acessórios/suportes de fixação (é necessária uma lâmpada com função muting)
6. Sensores com função muting (especificado na página 2-38)
7. Conjunto de cabos de sensores (especificado na página 2-38)

Peça de
1
Trabalho

6 Peça de
2
Trabalho

1
7

Percurso de Trabalho do Rolete

Fonte de alimentação

M8200
4

Figura 3: PAC com Função Muting — módulo com função muting é parte integrante do receptor PAC

2-7
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
GuardShield
Especificações técnicas
Normas EN 61496 Partes 1 e 2
Aprovações Marcado CE e TUV para todas as
diretrizes aplicáveis. UL 61496, UL 1998
Altura Protegida 320 mm a 1760 mm (12,6 pol. a
69,3 pol.) em incrementos de 160 mm
(6,3 pol.)
Resolução/Faixa de 0,3 a 7 m/14 mm (0,98 a 22,9 pés/
Escaneamento 0,55 pol.)
0,3 m a 18 m/30 mm (0,98 a 59 pés/
1,18 pol.)
Resolução 14 mm/30 mm (0,55 pol./1,18 pol.)
Grau de Proteção do IP 65
Descrição Invólucro
A cortina de luz de segurança GuardShield GuardMaster da Allen- Tipo de Conexão Transmissor: Micro desconexão rápida
Bradley é uma cortina de luz de segurança Tipo 4 com boa relação de 4 pinos
custo/benefício e completa em um invólucro exclusivo. As cortinas Receptor: Micro desconexão rápida de
de luz de segurança GuardShield são dispositivos de detecção de 8 pinos
presença para uso geral projetados para maquinários classificados Tensão de Alimentação Uv 24 Vcc ± 20 %
que fornecem ponto de operação, assim como proteção de acesso e Ripple Residual Máximo 5 Vss
perímetro. Esta cortina de luz de segurança autônoma, de dois Consumo de Alimentação 0,9 a 2 A (sem carga) 0,4 A máx. (sem
elementos, tem modos de operação selecionáveis por minisseletoras carga)
e está disponível em resoluções de 14 mm e 30 mm.
Sincronia Óptica, sem canal de sincronia separado
Os modos de operação como obstrução flutuante e fixa, codificação Saídas — Segurança 2 x PNP, 0,5 A, proteção contra curto-
de feixe, intertravamento de partida/reinício, EDM (monitoração de circuito
dispositivo externo) e sinal de teste da máquina podem ser Saída — Não segura 1 x PNP, 0,5 A máx.
selecionados por meio dos ajustes da minisseletora. Estas
Tensão Mínima de Saída Uv – 2 V
minisseletoras estão localizadas abaixo de uma porta de segurança e
estão convenientemente localizadas nas extremidades do transmissor Tempo de Resposta Dependendo do número de feixes
e do receptor. Proteção Curto-circuito e sobrecarga
Comprimento do Cabo 30 m (100 pés) máx.
O invólucro coberto com pó de poliuretano, alumínio extrudado e
rígido do GuardShield, associado a uma classificação ambiental Modo de Operação Reinício manual ou automático
IP65, permite que o GuardShield seja utilizado na proteção de Categoria de Segurança Tipo 4 (verificação automática) de
aplicações em vários setores da indústria. acordo com EN 61496
Temperatura Ambiente em –10 °C a 55 °C (14 °F a 131 °F)
Características Operação
• Obstrução fixa — configurável Umidade do Ar 15 % a 95 % (sem condensação)
• Obstrução flutuante — um ou dois feixes Temperatura de –25 °C a 75 °C (–13 °F a 167 °F)
• Codificação do Feixe Armazenamento
• Monitoração de Dispositivo Externo (EDM)
Dimensões Aproximadas O comprimento depende da altura
• Intertravamento de início/reinício
Altura protegida; (consulte os desenhos
Corte Transversal do dimensionais)
Invólucro 40 mm x 50 mm (1,57 pol. x 1,96 pol.)
Comprimento de Onda do 870 Nm
Transmissor
Resistência à Vibração IEC60068-2-6, freqüência 10 Hz a 55 Hz
Amplitude: 0,35 mm (0,01 pol.)
Choque IEC60068-2-29 aceleração de 10 G,
duração de pulso de 16 ms
Observação: A fonte de alimentação externa deve ser capaz de
armazenar em buffer pequenas falhas de 20 ms conforme
especificado na IEC 60204.

2-8
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
GuardShield
Seleção do Produto
1. Cortinas de Luz de Segurança — Sistemas Padrão
As cortinas de luz de segurança GuardShield GuardMaster da Allen-Bradley são pedidas como pares transmissor e receptor e enviadas
com um código de peça. Após a seleção de um par adequado de cortinas de luz, certifique-se de que as interfaces e acessórios necessários
também foram pedidos.
Altura Protegida Resolução Nº de Código de Altura Protegida Resolução Nº de Código de
mm (pol.) mm (pol.) Feixes Catálogo mm (pol.) mm (pol.) Feixes Catálogo
320 (12,6) 14 (0,55) 32 440L-P4J0320YD 320 (12,6) 30 (1,18) 16 440L-P4K0320YD
480 (18,9) 14 (0,55) 48 440L-P4J0480YD 480 (18,9) 30 (1,18) 24 440L-P40480KYD
640 (25,2) 14 (0,55) 64 440L-P4J0640YD 640 (25,2) 30 (1,18) 32 440L-P4K0640YD
800 (31,5) 14 (0,55) 80 440L-P4J0800YD 800 (31,5) 30 (1,18) 40 440L-P4K0800YD
960 (37,8) 14 (0,55) 96 440L-P4J0960YD 960 (37,8) 30 (1,18) 48 440L-P4K0960YD
1120 (44,1) 14 (0,55) 112 440L-P4J1120YD 1120 (44,1) 30 (1,18) 56 440L-P4K1120YD
1280 (50,4) 14 (0,55) 128 440L-P4J1280YD 1280 (50,4) 30 (1,18) 64 440L-P4K1280YD
1440 (56,7) 14 (0,55) 144 440L-P4J1440YD 1440 (56,7) 30 (1,18) 72 440L-P4K1440YD
1600 (63,0) 14 (0,55) 160 440L-P4J1600YD 1600 (63,0) 30 (1,18) 80 440L-P4K1600YD
1760 (69,1) 14 (0,55) 176 440L-P4J1760YD 1760 (69,1) 30 (1,18) 88 440L-P4K1760YD
Observação: O transmissor GuardShield precisa de um cabo com 4 pinos e o receptor precisa de um cabo de 8 pinos.

2. Conjuntos de cabos  são necessários 2 (um para o transmissor e um para o receptor)


Conector Fêmea (Extremidade do Sensor) Cabo
Visão da Face Ativa Tensão Nominal da Comprimento—m
do Fêmea Versão do Conector Cor do Pino/Fio Isolação (pés) Código de Catálogo
Transmissor
2 (6,5) 889D-F4AC-2
5 (16,4) 889D-F4AC-5
10 (32,8) 889D-F4AC-10
Axial
15 (49,2) 889D-F4AC-15
20 (65,6) 889D-F4AC-20
1 Marrom
1 2
22 AWG 30 (98,4) 889D-F4AC-30
2 Branco
300 V
4 3 3 Azul 2 (6,5) 889D-R4AC-2
3A
4 Preto 5 (16,4) 889D-R4AC-5
10 (32,8) 889D-R4AC-10
Radial
15 (49,2) 889D-R4AC-15
20 (65,6) 889D-R4AC-20
30 (98,4) 889D-R4AC-30
Receptor
2 (6,5) 889D-F8AB-2
5 (16,4) 889D-F8AB-5
10 (32,8) 889D-F8AB-10
Axial 1 Branco 15 (49,2) 889D-F8AB-15
2 Marrom
20 (65,6) 889D-F8AB-20
3 Verde
1 2 24 AWG 30 (98,4) 889D-F8AB-30
4 Amarelo
7 8 3 36 Vcc/ 30 Vca
6 4
5 Cinza 2 (6,5) 889D-R8AB-2
5 1,5 A
6 Rosa 5 (16,4) 889D-R8AB-5
7 Azul
8 Vermelho 10 (32,8) 889D-R8AB-10
Radial
15 (49,2) 889D-R8AB-15
20 (65,6) 889D-R8AB-20
30 (98,4) 889D-R8AB-30

2-9
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
GuardShield
Seleção do Produto (continuação)
Dimensões Aproximadas dos Conjuntos de Cabos  mm (pol.)
As dimensões não devem ser usadas para instalação.
51 (2,0)

84 (3,3)
25,4
Diâ. (1,0)
68
25,4 (2,7)
Diâ. (1,0)

Fêmea, Axial
Fêmea, Radial
As ilustrações não são desenhadas de acordo com fator de escala.

3. Interfaces de Relé de Segurança—Opcional


Saídas de Saídas Fonte de Código de
Relé Entrada Segurança Auxiliares Terminais alimentação Reset Catálogo
Automático/Manual 440R-N23132
24 Vca/cc
Manual Monitorado 440R-N23135
1 N.F.,
2 N.F. ou Cortina Automático/Manual 440R-N23131
3 N.A. 1 N.F. Removível 115 Vca
de Luz Manual Monitorado 440R-N23134
Automático/Manual 440R-N23130
230 Vca
MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23133
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23117
ou Canal Simples 115 Vca 440R-N23116
(MSR126T) 230 Vca 440R-N23115
Automático/Manual
24 Vca/cc 440R-N23114
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23113
(MSR126.1T)
230 Vca 440R-N23112
2 N.A. Nenhum Fixo
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23123
ou 115 Vca 440R-N23122
Canal Simples
(MSR126R) 230 Vca 440R-N23121
MSR126 Manual Monitorado
24 Vca/cc 440R-N23120
Canal Duplo 115 Vca
(MSR126.1R) 440R-N23119
230 Vca 440R-N23118

24 Vca/cc 440R-C23139

Cortina de Luz Automático/Manual


2 N.F.
ou 3 N.A. 2 PNP de Removível 115 Vca ou 440R-C23137
Tapete de Monitorado Manual
Segurança Estado Sólido

230 Vca 440R-C23136


MSR131RTP

4. Interfaces de Relé de SegurançaOpcional (Usado para aplicações com função muting)


Tensão
de Obstrução Obstrução Função Mais Código de
Relé Entrada Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Saídas Detalhes Catálogo

2 N.A.
Segurança
24 Vcc Manual SEM SEM Sim Sim 4-20 440R-P23071
1 N.F.
Contato

MSR22LM

2-10
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
GuardShield
Seleção do Produto (continuação)
5. AcessóriosOpcional
Descrição Código de Catálogo

Suporte de fixação central de alumínio para aplicações com vibração 440L-AF6108

Suporte de montagem da terminação em L de aço (4 por pacote)


440L-AF6101
Obs.: 4 suportes acompanham cada par do GuardShield.

Fonte de alimentação:
Entrada  85 a 265 Vca 1794-PS3
Saída  24 Vcc, 3 A

6. Espelho de Canto para Proteção Multilateral

Espelhos de vidro construídos especialmente para aplicação com proteção de 2 ou 3 lados.


Observação: Cada espelho reduz a faixa máxima de scan em cerca de 10 % por espelho.

Para Modelos
GuardShield Código de Catálogo
320 440L-AM1200450
480 440L-AM1200600
640 440L-AM1200750
800 440L-AM1200900
960 440L-AM1201050
1120 440L-AM1201200
1280 440L-AM1201350
1440 440L-AM1201500
1600 440L-AM1201650
1760 440L-AM1201800
Kit de montagem para espelhos. Cada kit contém 1 suporte com torquímetros. Pedir 2 kits
440L-AM120BRK
por espelho.
Montagem de espelhos e cortinas de luz (consulte a página 2-20) 440L-AMSTD

2-11
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
GuardShield
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões não devem ser usadas para instalação.
Suporte de Fixação Necessário (acompanha a Cortina de Luz) Cortina de Luz de Segurança
42 (1,65)
20
(0,79) 52 (2,04) 20
(0,79)
52 (2,05)
11 (0,43)
42
(1,65) 18,9
(0,74)

14,5 40
(0,57) (1,57)

40 (1,57)
3,0
(0,11)

32
(1,25)

C B A
Suporte de Montagem Central Opcional
30 (1,18)
49,2 (1,93) 20 (0,78)

40,2
(1,58)
62
(2,44)

75
(2,95)
24
(0,94)

>80
(3,14)

Observação: Deve ser usado em aplicações com vibração.

A B C
Tipo Altura Protegida Valor de Montagem Comprimento Total
440L-P4J0320YD 320 ±0,5 436 472 ±1,5

440L-P4J0480YD 480 ±0,5 596 632 ±1,5

440L-P4J0640YD 640 ±0,5 756 792 ±1,5

440L-P4J0800YD 800 ±0,6 916 952 ±1,5

440L-P4J0960YD 960 ±0,6 1076 1112 ±1,5

440L-P4J1120YD 1120 ±0,6 1236 1272 ±1,8

440L-P4J1280YD 1280 ±0,7 1396 1432 ±1,8

440L-P4J1440YD 1440 ±0,7 1556 1592 ±1,8

440L-P4J1600YD 1600 ±0,8 1716 1752 ±2,0

440L-P4J1760YD 1760 ±0,8 1876 1912 ±2,0

2-12
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
GuardShield
Diagrama de Fiação
Os diagramas de fiação não devem ser usados para instalação.

+24 Vcc
S2
Emissor Receptor (Início/Reinício)

Marrom
Marrom Vermelho

Cinza OSSD 1

S1 K2
Teste
Cód. Cat. 100S
Sinal de Contatores de Segurança
Teste da Rosa OSSD 2
ou Relés de Segurança 700S
Máquina

Preto
K1

Amarelo MPCE/EDM
Branco
Azul
M
Sinal
Azul Verde Auxiliar

24 V Terra

➊ A saída auxiliar é não segura. Pode ser conectada a uma lâmpada, motor ou status para um CLP.

Relés de segurança ou contator de segurança para conexões OSSD


K1, K2
1 e OSSD 2
S1 Chave de teste para sistema externo (opcional)
Chave para reset da cortina de luz do intertravamento de partida/
S2
início

2-13
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Especificações técnicas
Normas EN 61496 Partes 1 e 2
Aprovações Marcado TUV, cULus e CE para todas
as diretrizes aplicáveis
Altura de Proteção 300 mm a 1800 mm (12 pol. a 72 pol.)
Faixa de Escaneamento 0 a 2 ou 5 m, 2 a 6 m/14 mm
0 a 6 m ou 5 a 19 m/30 mm
Resolução 14 mm/30 mm (0,55 pol./1,18 pol.)
Grau de Proteção do
IP 65
Invólucro
Tipo de conexão Tipo M23 de metal com 12 pinos no
transmissor e no receptor
Tensão de Alimentação Uv 24 Vcc ± 20 %
Ripple Residual Máximo 5 Vss
Descrição
Tempo no estado energizado
As cortinas de luz de segurança SafeShield são dispositivos de após a aplicação da tensão
proteção optoeletrônico (AOPD) com resoluções de 14 mm de alimentação ao 8 segundos no máximo
(0,55 pol.) ou 30 mm (1,18 pol.). Transmissor e ao Receptor
Consumo de Alimentação 0,9 a 2 Amps (sem carga)
As cortinas de luz de segurança SafeShield GuardMaster da Allen-
Sincronia Óptica, sem canal de sincronia separado
Bradley são um dispositivo de segurança Tipo 4 com verificação
automática. Estes dispositivos foram projetados para aplicações Saídas 2 x PNP, 0,5 A, proteção contra curto-
Tensão Mínima de Saída circuito Uv – 2 V
industriais e são caracterizados por:
Tempo de Resposta Dependendo do número de feixes
• Alto grau de confiabilidade Proteção Curto-circuito e sobrecarga
• Tamanho compacto Corte Transversal
• Construção modular resistente do Fio de Conexão 1,0 mm2 com invólucro
• Possibilidades de aplicações universais Máximo 1,5 mm2 sem invólucro
• Instalação simples Comprimento do Cabo 60 m (196,8 pés) no máximo
• Software configurado Proteção contra sobretensão (≥1 kV)
do nível 3 ou mais alto (IEC 801 parte 5;
2 kV)
Características entre PE e +V.
• Saídas de estado sólido com controle confiável Modo de Operação Reinício manual ou automático
• Tecnologia de ponta em microprocessadores com ASICs
Categoria de Segurança Tipo 4 (verificação automática) de
(Circuitos Integrados Específicos para Aplicação) de projeto acordo com EN 61496
customizado
Temperatura Ambiente em
• Fácil montagem e alinhamento Operação
0 °C a 55 °C (32 °F a 131 °F)
• Conectores tipo M23 desconexão rápida
Umidade do Ar 15 % a 95 % (sem condensação)
• Escaneamento de longo alcance e alta resolução
Temperatura de
• Corte transversal do invólucro pequeno: 40 mm x 48 mm –25 °C a 70 °C (–13 °F a 158 °F)
Armazenamento
(1,57 pol. x 1,77 pol.)
Dimensões O comprimento depende da altura
• Tempo de resposta rápido
Altura protegida; (consulte os desenhos
• Possibilidade de ligar até três sensores em série (para evitar que a Corte transversal do dimensionais) 40 mm x 48 mm
equipe fique entre o campo de proteção e o ponto de operação) invólucro (1,57 pol. x 1,77 pol.)
• Construção em conformidade com a EN 61496 Partes 1 e 2 Vibração 5 G 10 a 55 Hz de acordo com
Tipo 4 (verificação automática) IEC 68-2-6
• Testado e aprovado para E.U.A., Europa, Canadá e Japão Choque 10 G 16 ms de acordo com IEC 68-2-29
• Resolução (sensibilidade do objeto) 14 mm/30 mm
Observação: A fonte de alimentação externa deve ser capaz de
• Altura máxima do campo de proteção 1800 mm (72 pol.) armazenar em buffer um resumo de 20 ms das falhas
• Altura mínima do campo de proteção 300 mm (12 pol.) de alimentação conforme especificado na IEC 60204.
• O eixo óptico (centro da janela) está identificado na extremidade.
• Obstrução fixa e flutuante
• Resolução reduzida, codificação de feixe

2-14
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Seleção do Produto
1. Cortinas de Luz de Segurança — Sistemas Padrão
As cortinas de luz de segurança SafeShield GuardMaster da Allen-Bradley são pedidas como pares transmissor e receptor e enviadas com
um código de peça. Após a seleção de um par adequado de cortinas de luz, certifique-se de que as interfaces e acessórios necessários também
foram pedidos.
Altura de Proteção Resolução Altura de Proteção Resolução
mm (pol.) mm/Feixes Código de Catálogo mm (pol.) mm/Feixes Código de Catálogo
14/40 442L-PA40314CBCD 14/160 442L-PA41214CBCD
300 (12) 1200 (48)
30/15 442L-PA40330CBCD 30/60 442L-PA41230CBCD
14/60 442L-PA40414CBCD 14/180 442L-PA41314CBCD
450 (18) 1350 (54)
30/23 442L-PA40430CBCD 30/68 442L-PA41330CBCD
14/80 442L-PA40614CBCD 14/200 442L-PA41514CBCD
600 (24) 1500 (60)
30/30 442L-PA40630CBCD 30/75 442L-PA41530CBCD
14/100 442L-PA40714CBCD 14/220 442L-PA41614CBCD
750 (30) 1650 (66)
30/38 442L-PA40730CBCD 30/83 442L-PA41630CBCD
14/120 442L-PA40914CBCD 14/240 442L-PA41814CBCD
900 (36) 1800 (72)
30/45 442L-PA40930CBCD 30/90 442L-PA41830CBCD
14/140 442L-PA41014CBCD
1050 (42)
30/53 442L-PA41030CBCD
Peça os dispositivos Mestres projetados para aplicações em ligação serial (sensor mestre) separadamente (consulte a página 2-18).

2. Conjuntos de cabos  são necessários 2 (um para o transmissor e um para o receptor)


Conector Fêmea (Extremidade do Sensor) Cabo
Visão da Face Ativa Tensão Nominal da Comprimento —m
do Fêmea Versão do Conector Cor do Pino/Fio Isolação (pés) Código de Catálogo
2 (6,5) 889M-F12AH-2
5 (16,4) 889M-F12AH-5
1 Marrom
2 Azul 10 (32,8) 889M-F12AH-10
Axial
3 Cinza 15 (49,2) 889M-F12AH-15
4 Rosa
20 (65,6) 889M-F12AH-20
5 Vermelho
1 9 8 18 AWG
6 Amarelo 30 (98,4) 889M-F12AH-30
2 10 12 7 60 V
7 Branco 2 (6,5) 889M-R12AH-2
3 11 6 4A
8 Vermelho/Azul
4 5 5 (16,4) 889M-R12AH-5
9 Preto
10 Roxo 10 (32,8) 889M-R12AH-10
Radial 11 Cinza/Rosa 15 (49,2) 889M-R12AH-15
12 Verde
20 (65,6) 889M-R12AH-20
30 (98,4) 889M-R12AH-30

Dimensões Aproximadas  mm (pol.)


As dimensões não devem ser usadas para instalação.
85 (3,35)
Comprimento

Diâ. 26,2
(1,03)

Roscas Internas
M23 x 1

2-15
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Seleção do Produto
3a. Interfaces do Relé de SegurançaRequisitado
Tensão
de Obstrução Obstrução Função Mais Código de
Entrada Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Saídas Detalhes Catálogo

4A
Manual/ 2 N.A.
24 Vcc SEM SEM SEM SEM 2-58 440L-M8200
Automático Segurança
1 N.F. Contato

Observação: Para a fiação, consulte a seção Aplicações deste catálogo.

3b. Interfaces do Relé de SegurançaOpcional


Saídas de Saídas Fonte de Código de
Relé Entrada Segurança Auxiliares Terminais alimentação Reset Catálogo
Automático/Manual 440R-N23132
24 Vca/cc
Manual Monitorado 440R-N23135
1 N.F.,
2 N.F. ou Cortina Automático/Manual 440R-N23131
3 N.A. 1 N.F. Removível 115 Vca
de Luz Manual Monitorado 440R-N23134
Automático/Manual 440R-N23130
230 Vca
MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23133
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23117
ou Canal Simples 115 Vca 440R-N23116

(MSR126T) 230 Vca 440R-N23115


Automático/Manual
24 Vca/cc 440R-N23114
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23113
(MSR126.1T)
230 Vca 440R-N23112
2 N.A. Nenhum Fixo
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23123
ou 115 Vca 440R-N23122
Canal Simples
230 Vca 440R-N23121
MSR126 (MSR126R) Manual Monitorado
24 Vca/cc 440R-N23120
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23119
(MSR126.1R)
230 Vca 440R-N23118

24 Vca/cc 440R-C23139
Cortina de Luz Automático/Manual
2 N.F.
ou 115 Vca 440R-C23137
3 N.A. 2 PNP de Removível ou
Tapete de
Estado Sólido Monitorado Manual
Segurança
230 Vca 440R-C23136
MSR131RTP

3c. Interface DeviceNet Opcional


Tensão de Entrada Saídas Mais Detalhes Código de Catálogo

24 Vcc DeviceNet 2-52 442L-MDNET

2-16
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Seleção do Produto
4. AcessóriosOpcional
Produtos Código de Catálogo

442L-AF6106
Suporte de Fixação Articulado de Plástico (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

442L-AF6107
Fixação Lateral de Metal (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

440L-AF6102
Suporte de Fixação em L de Aço, fixo (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

Fonte de alimentação:
Entrada  85 a 265 Vca 1794-PS3
Saída  24 Vcc, 3 A

Auxílio no alinhamento a laser 440L-ALAT

Adaptador SafeShield para auxílio no alinhamento a laser 442L-ALBK2

Porcas deslizantes (4 peças acompanham o sistema SafeShield) 440L-AF6105

Tabela de Seleção de Espelho de Canto


Espelhos de vidro construídos especialmente para aplicação com proteção de 2 ou 3 lados.

Observação: Cada espelho reduz a faixa máxima de scan em cerca de 10 % por espelho.

Para Modelos SafeShield Código de Catálogo


300 440L-AM1200300
450 440L-AM1200450
600 440L-AM1200600
750 440L-AM1200750
900 440L-AM1200900
1050 440L-AM1201050
1200 440L-AM1201200
1350 440L-AM1201350
1500 440L-AM1201500
1650 ou 1800 440L-AM1201800
Kit de montagem para espelhos. Cada kit contém 1 suporte com torquímetros. Pedir 2 kits
440L-AM120BRK
por espelho.
Montagem de espelhos e cortinas de luz (consulte a página 2-20) 440L-AMSTD

2-17
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield Em Cascata
Seleção do Produto
A família de cortinas de luz de segurança em cascata SafeShield GuardMaster Allen-Bradley são vendidas em pares — transmissor e receptor
— e enviadas com um número de peça. Após a seleção de um par adequado de cortinas de luz, certifique-se de que as interfaces e acessórios
necessários também foram pedidos.

Sistema em
Cascata
Cabo de 3 m no máximo

Sistema Padrão
(Pg 40)

Cortinas de Luz de Segurança  Sistema em Cascata


Os dispositivos em cascata vêm com dois conectores M23; um ser um sistema de cortina de luz padrão mostrado na página 2-15
conector de sistema em uma extremidade do dispositivo para que tem somente um conector em uma extremidade. O número
conectar a cortina de luz ao seu sistema de controle de segurança e máximo de feixes de todos os segmentos não pode exceder 480.
um conector de extensão na outra extremidade para conectar ao
segmento da próxima cortina de luz. O número máximo de A resolução pode ser combinada entre os segmentos. Por exemplo, o
segmentos é três. primeiro segmento pode ter uma resolução de 14 mm e o segundo
segmento uma resolução de 30 mm.
O primeiro segmento de um sistema em duas cascatas e o primeiro e
segundo segmentos de um sistema em três cascatas devem estar
sempre em um dispositivo em cascata (com um conector em ambas ATENÇÃO: Ao combinar resoluções de
um sistema em cascata, certifique-se de
as extremidades). Isto permite que você conecte segmentos
que os cálculos de distância de segurança
adicionais ao sistema (máximo de três segmentos). O último adequada sejam feitos com a maior
segmento, que é o segundo segmento em um sistema de duas resolução.

Altura de Proteção Resolução Altura de Proteção Resolução


mm (pol.) mm/Feixes Código de Catálogo mm (pol.) mm/Feixes Código de Catálogo
14/40 442L-PA40314DBCD 14/160 442L-PA41214DBCD
300 (12) 1200 (48)
30/15 442L-PA40330DBCD 30/60 442L-PA41230DBCD
14/60 442L-PA40414DBCD 14/180 442L-PA41314DBCD
450 (18) 1350 (54)
30/23 442L-PA40430DBCD 30/68 442L-PA41330DBCD
14/80 442L-PA40614DBCD 14/200 442L-PA41514DBCD
600 (24) 1500 (60)
30/30 442L-PA40630DBCD 30/75 442L-PA41530DBCD
14/100 442L-PA40714DBCD 14/220 442L-PA41614DBCD
750 (30) 1650 (66)
30/38 442L-PA40730DBCD 30/83 442L-PA41630DBCD
14/120 442L-PA40914DBCD 14/240 442L-PA41814DBCD
900 (36) 1800 (72)
30/45 442L-PA40930DBCD 30/90 442L-PA41830DBCD
14/140 442L-PA41014DBCD
1050 (42)
30/53 442L-PA41030DBCD
Para solicitar controladores, relés de segurança e acessórios, consulte a página 2-16.

2-18
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Seleção do Produto — Cabos e Conjuntos de Cabos
2 São Necessários (um para o transmissor e outro para o receptor) para conectar os segmentos
Conector Fêmea (Extremidade do Sensor) Cabo
Visão da Face Ativa Tensão Nominal da Comprimento —m
do Fêmea Versão do Conector Cor do Pino/Fio Isolação (pés) Código de Catálogo

1 Marrom 0,3 (1,0) 889M-F12AHMU-0M3


2 Azul
3 Cinza
4 Rosa 0,6 (2,0) 889M-F12AHMU-0M6
5 Vermelho
1 9 8 22 AWG
2 10 12 7
6 Amarelo
Axial 250 V 1,0 (3,3) 889M-F12AHMU-1
7 Branco
3 11 6 8A
8 Vermelho/Azul
4 5
9 Preto 2,0 (6,5) 889M-F12AHMU-2
10 Roxo
11 Cinza/Rosa
12 Verde 3,0 (9,8) 889M-F12AHMU-3

Dimensões Aproximadas  mm (pol.)


As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
85 (3,35) 85 (3,35)
Comprimento
Diâ. Diâ.
26,2 26,2
(1,03) (1,03)
Roscas Internas Plugue Macho Plugue Fêmea
M23 x 1

3,8 (0,15)
44,4
(1,75)
19
(0,75)

8 (0 13
,31) (0,51) 44 (1,73) 18 (0,71)

50
(1,97)

30,6
(1,2)
15
9 (0,59)
75 (2,95) (0,35)

5,5 (0,22)
6 (0,24)
42 34,5 (1,36)
(1,65)

Suporte de fixação articulado 442L-AF6106 Suporte de fixação lateral 442L-AF6107

2-19
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) 40 (1,57)
(continuação) 20 (0,79)

As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação. 10 14 (0,55)


(0,39) 6 (0,24) 3,5 (0,14)
40 (1,57) 48 (1,89)
2,2 (0,09)

1
20 (0,79) 22,4 (0,88)

(faixa do conector)
aprox. 150 (5,91)
14 (0,55)
10 6 (0,24) 3,5 (0,14) 10,5 (0,41)

110
(0,39)

1
Ranhura da porca
2,2 (0,09) deslizante para
montagem lateral

10,5 (0,41)
Ranhura da porca deslizante

L1
para montagem lateral

S
Plugue do cabo

L2

A
S

A
L1
L2

(faixa do conector)
aprox. 140 (5,51)
100
74 (3,94)
56,3
(faixa de conexão)
aprox. 140 (5,51)

(2,91)
74 (2,22)
56.3 100
(2,91)
(2,22) (3,94)
36,2
(1,43)
M23

Host — Emissor SafeShield, sistema em cascata, receptor, imagem do


Emissor SafeShield, sistema padrão (não pode estar em cascata). espelho
Receptor, imagem do espelho Altura do Campo Dimensões Aproximadas — mm (pol.)

Altura do Campo Dimensões Aproximadas — mm (pol.) de Proteção S L1 L2 A


de Proteção S L1 L2 A 300 (11,8) 381 (15,0) 450 (17,7) 224 (8,8)
300 (11,8) 381 (15,0) 427 (16,8) 224 (8,8) 450 (17,7) 532 (20,9) 600 (23,6) 374 (14,7)
450 (17,7) 532 (20,9) 578 (22,8) 374 (14,7) 600 (23,6) 682 (26,9) 751 (29,6) 524 (20,6)
600 (23,6) 682 (26,9) 728 (28,7) 524 (20,6) 750 (29,5) 833 (32,8) 901 (35,5) 674 (26,5)
750 (29,5) 833 (32,8) 879 (34,6) 674 (26,5) 900 (35,4) 984 (38,8) 1052 (41,4) 824 (32,4)
900 (35,4) 984 (38,8) 1030 (40,6) 824 (32,4) 1050 (41,3) 1134 (44,7) 1202 (47,3) 974 (38,4)
1050 (41,3) 1134 (44,7) 1180 (46,5) 974 (38,4) 1200 (47,3) 1283 (50,5) 1352 (53,2) 1124 (44,3)
1200 (47,3) 1283 (50,5) 1329 (52,3) 1124 (44,3) 1350 (53,2) 1435 (56,5) 1503 (59,2) 1274 (50,2)
1350 (53,2) 1435 (56,5) 1481 (58,3) 1274 (50,2) 1500 (59,1) 1586 (62,4) 1654 (65,1) 1424 (56,1)
1500 (59,1) 1586 (62,4) 1632 (64,3) 1424 (56,1) 1650 (65,0) 1736 (68,4) 1804 (71,0) 1574 (62,0)
1650 (65,0) 1736 (68,4) 1782 (70,2) 1574 (62,0) 1800 (70,9) 1887 (79,3) 1955 (77,0) 1724 (67,9)
1800 (70,9) 1887 (79,3) 1933 (76,1) 1724 (67,9)

2-20
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) Altura do Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação. Campo de
Proteção S L1 L2 L3 L4 L5

15,4 (0,61)
∅7 (0,28)
300 (11,8) 366 (19,4) 340 (13,4) 307 (12,1) — 29,5 (1,2)
450 (17,7) 523 (20,1) 497 (19,6) 307 (12,1) — 108 (4,3)
39 (1,54)

(1,71)
43,5
(1,32)
33,5

528,5 68,75


600 (23,6) 666 (26,2) 640 (25,2) —
(20,8) (2,7)
639,5 88,25
750 (29,5) 816 (32,1) 790 (31,1) —
152,5 (6,0) (25,2) (3,5)
900 (35,4) 966 (38,0) 940 (37,0) 750 (29,5) — 108 (4,3)
1116 1090

L5
1050 (41,3) 972 (38,3) — 72 (2,8)
(43,9) (42,9)
1266 1240 1146
1200 (47,3) — 60 (2,4)
(49,8) (48,8) (45,1)
L4
1416 1390 1296
(0,71)
1350 (53,2) — 60 (2,4)
(55,8) (54,7) (51,0)
18
L1
L2

L3

1566 1540 1415,5 707,95 75,25


1500 (59,1)
(61,7) (60,6) (55,7) (27,9) (2,9)
1716 1690 1596
1.50 (65,0) 798 (31,4) 60 (2,4)
(67,6) (66,5) (62,8)
1866 1840 1746
1800 (70,9) 873 (34,4) 60 (2,4)
(73,5) (72,5) (68,7)
Para Tabela de Seleção de Espelho, consulte a página 2-17

123,4 (4,86)
172 (6,77)
Espelho — Série 440L-AM1200
25,4 63,5 (2,5)
85,6 (3,73) 9,4 (0,73) (2) (1,0)
1.828,8
6,8 (0,27) (72) Diâ. 11,1 [7/16] (0,44)
11,1
Diâ. Diâ. (0,44) 76 (3,0)

38 Diâ. 12,7 [1/2] (0,5)


(1,5)
19,05 (0,75)

63,5 (2,5)
89 (3,5) 25,4 76,2
Suportes de Fixação 6,35
12,7 (0,5) Diâ. (1,0) (3,0)
(0,25)

381,0
171 (6,75) 304,8
(15)
(12)
Suporte de fixação do espelho 440L-AM120BRK
6,35 (0,25)
Bases de montagem 440L-AMSTD

2-21
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Elementos Indicadores Significado
Display
Os LEDs e os 7 displays de segmentos do emissor e do receptor
mostram o status de operação do SafeShield. Laranja: Limpar ou realinhar necessário

Amarelo intermitente: Resetar necessário

Vermelho: O sistema dá sinais para desligar a máquina


Amarelo
Verde: Sistema habilitado

Display com 7 segmentos Erro do sistema. O dispositivo está com defeito. Substitua
o receptor.

Mal alinhado com o emissor.

h. Operação com campo de proteção muito largo

Operação com obstrução e/ou resolução reduzida

Operação não codificada (somente após energizar)


Indicadores de status da operação do emissor
Display Significado Operação com código 1 (somente após energizar)

Amarelo: Fonte de alimentação OK Operação com código 2 (somente após energizar)


Erro do sistema. O dispositivo está com defeito. Substitua Outros
Todos os outros displays são mensagens de erro.
o emissor. displays
O dispositivo está em modo de teste. Significado dos elementos indicadores da operação do receptor

Operação não codificada (somente após energizar)

Operação com código 1 (somente após energizar)

Operação com código 2 (somente após energizar)


Outros
Todos os outros displays são mensagens de erro.
displays
Significado dos elementos indicadores da operação do emissor

Laranja Vermelho
Amarelo Verde

Display com 7 segmentos

Elementos indicadores do receptor

2-22
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Instalação Elétrica Cor do
Pino Fio Emissor Receptor
ATENÇÃO: Certifique-se de que toda a entrada de 24 Vcc entrada de 24 Vcc
máquina e/ou sistema esteja desconectado 1 Marrom
(fonte de alimentação) (fonte de alimentação)
durante a instalação elétrica.
0 Vcc (fonte de 0 Vcc (fonte de
2 Azul
alimentação) alimentação)
Entrada de teste:
Observações: 0 V: teste externo ativo OSSD1 (chaveamento
3 Cinza
• A cortina de luz de segurança é um dispositivo de Classe A. Pode 24 V: teste externo da saída 1)
inativo
causar rádio interferência em áreas residenciais.
• Para garantir total compatibilidade eletromagnética (EMC), um OSSD2 (chaveamento
4 Rosa Reservado
da saída 2)
terra (PE) deve ser conectado.
• A fonte de alimentação externa do dispositivo deve ser capaz de 5 Vermelho Reservado Reset/reinício
armazenar em buffer um resumo de 20 ms das principais falhas Monitoração de
conforme especificado na IEC 60204. As fontes de alimentação 6 Amarelo Reservado Dispositivo Externo
adequadas estão disponíveis como acessórios do GuardMaster da (EDM)
Allen-Bradley. 7 Branco Reservado Reservado
• O alinhamento do plugue (direção de volta) no invólucro pode 8
Vermelho/
Reservado Reservado
variar de unidade para unidade. Você pode identificar a atribuição Azul
de pino adequada através da posição dos pinos em relação aos 9
Comunicação do Comunicação do
Preto
outros conforme mostrado nos desenhos. dispositivo dispositivo
• As conexões do sistema e de extensão em um sistema em cascata 10
Comunicação do Comunicação do
Roxo
só devem ser conectadas se o sistema estiver off-line. A interface dispositivo dispositivo
RS 232 pode ser conectada/desconectada com o sistema on-line. 11
Cinza/ SEL principal/secundário SEL principal/secundário
Rosa de entrada de entrada
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) FE Verde Aterramento funcional Aterramento funcional
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação. Conexão do sistema de atribuição do pino M 23×11 + FE

5 10 6 7 11 8 5 10 6 7 11 8

FE FE 4 2

3 1
4 3 2 9 1 4 3 2 9 1 Conexão de configuração de atribuição do pino M 8x4 (interface
serial)
Conexão do sistema de atribuição do pino M 23×11 + FE
Pino Emissor/ Receptor RS 232 SubD lado do PC
1 Não atribuído
2 RxD Pino 3
3 0 Vcc (fonte de alimentação) Pino 5
4 TxD Pino 2
Conexão de configuração de atribuição do pino M 8x4
Observação: As atribuições dos pinos do emissor e do receptor
são idênticas.

2-23
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) Monitoração de Dispositivo Externo (EDM)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação. A EDM verifica se os contatores estão realmente desenergizados
quando o dispositivo de proteção responder. Se, após uma tentativa
de reset, a EDM não detectar uma resposta do amplificador de
chaveamento dentro de 300 ms, a EDM desativará as saídas de
5 10 6 7 11 8 5 10 6 7 11 8 chaveamento OSSD novamente.

FE FE

Sistema
24 V ou 0 V Pino 6 4 Conector
4 3 2 9 1 4 3 2 9 1 K1 Contator
(consulte as Observações)K2 K1 3
Conexão de extensão de atribuição do pino M 23×11 + FE — usados Contator Contatos K2 Bobinas
nos dispositivos em cascata. Conexão dos elementos de contato à EDM
Cor do
Pino Fio Emissor Receptor A EDM é eletricamente implementada pelos contatos N.F. (k1, k2)
que têm que fechar quando os elementos de contato (K1, K2)
saída de 24 Vcc saída de 24 Vcc
1 Marrom forem desenergizados pela interrupção do campo de detecção: 24 V
(fonte de alimentação) (fonte de alimentação)
aplicados na entrada da EDM. Caso não sejam aplicados os 24 V
0 Vcc (fonte de 0 Vcc (fonte de após uma interrupção do campo de detecção, um dos elementos de
2 Azul
alimentação) alimentação) contato está com defeito e a EDM evita a reinicialização da máquina.
3 Cinza Reservado Reservado
Observações:
4 Rosa Reservado Reservado • A EDM permanece ativa depois que a alimentação é desligada e
5 Vermelho Reservado Reservado ligada. Ela pode ser desativada somente com a função reset.

!
•Se conectar os elementos de contato a serem
6 Amarelo Reservado Reservado
monitorados à entrada EDM, você deve selecionar o
7 Branco Reservado Reservado modo de operação EDM no SCD (Software de
Diagnóstico e Configuração de Segurança). Caso contrário, o
Vermelho/
8
Azul
Reservado Reservado dispositivo apresentará o erro .
• Se, posteriormente, você remover a seleção do modo de operação
Comunicação do Comunicação do EDM, o pino 6 do plugue de sistema não deve permanecer
9 Preto
dispositivo dispositivo
conectado a 24 V. Neste caso, conecte o pino 6 a 0 V.
Comunicação do Comunicação do
10 Roxo
dispositivo dispositivo

SEL principal/ SEL principal/


11 Cinza/Rosa
secundário de saída secundário de saída
FE Verde Aterramento funcional Aterramento funcional
Conexão de extensão de atribuição do pino M 23×11 + FE

2-24
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
SafeShield
Botão Reset/Botão Reinício
No modo de operação com a intertrava de reinício interna, o ATENÇÃO: Faça uma nova configuração
operador deve, primeiramente, pressionar o botão reset/reinício após a substituição do dispositivo.
antes de reiniciar. Caso substitua uma cortina de luz de
segurança configurada com a função de
reset ativada por uma unidade de
ATENÇÃO: Selecione o local correto de substituição, a função de reset deve ser
instalação para o botão de reset. ativada novamente por meio do software.
Instale o botão de reset fora da área Não é suficiente fazer as conexões
classificada de forma que não possa ser elétricas porque os dispositivos novos são
operado de dentro desta área. Ao operar fornecidos com o botão reset desativado.
o botão de reset, o operador deve ser
capaz de visualizar toda a área classificada.

Transmissor Receptor

Botão Reset/Botão Reinício


Pino 5
24 V
Conexão do botão reset/reinício

2-25
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação

6 m/18 m
Faixa máxima de escaneamento
(19,69 pés/59,06 pés)
14 mm/30 mm
Resolução (sensibilidade do objeto)
(0,55 pol./1,18 pol.)
1814 mm/1832 mm
Altura máxima do campo de proteção
(71,4 pol./72,1 pol.)
314 mm/332 mm
Altura mínima do campo de proteção
(12,36 pol./13,07 pol.)
O eixo óptico (centro da janela) está identificado na extremidade.

Especificações técnicas
Normas EN 50100
Aprovações Marcado CE, cULus, BG para todas as
diretrizes aplicáveis
Descrição
As cortinas de luz de segurança Ponto de Controle da Operação Altura de Proteção 314 mm a 1832 mm (12,3 pol. a
72,1 pol.)
(POC) são dispositivos de proteção opto-eletrônicos (AOPD) com
resoluções de 14 mm (0,55 pol.) ou 30 mm (1,18 pol.). Faixa de Escaneamento 0,3 m a 6 m (0,98 pés a 19,6 pés)/0,3 m
a 18 m (0,98 pés a 59,0 pés)
As cortinas de luz de segurança POC GuardMaster da Allen-Bradley Resolução 14 mm/30 mm (0,55 pol./1,18 pol.)
são um dispositivo de segurança Tipo 4 com verificação automática. Grau de Proteção do IP 65
Estes dispositivos foram projetados para aplicações industriais e são Invólucro
caracterizados por: Tipo de Conexão Mini desconexão rápida de 7 pinos no
transmissor e receptor
• Alto grau de confiabilidade
Tensão de Alimentação Uv 24 Vcc ± 20 %
• Componentes que não precisam de manutenção
Ripple Residual Máximo 5 Vss
• Tamanho prático
• Construção modular resistente Consumo de Alimentação 0,9 a 1,5 A (sem carga)
• Possibilidades de aplicações universais Sincronia Óptica, sem canal de sincronia separado
• Instalação simples Saídas 2 x PNP, 0,5 A, proteção contra contra
Tensão Mínima de Saída curto-circuito Uv – 2 V
Características Tempo de Resposta ≤15 ms
• Operação que não precisa de manutenção Proteção Curto-circuito e sobrecarga
• Saída de estado sólido com controle confiável Corte Transversal
• Tecnologia de ponta em microprocessadores com ASICs do Fio de Conexão 1,0 mm2 com invólucro
(Circuitos Integrados Específicos para Aplicação) de projeto Máximo 1,5 mm2 sem invólucro
customizado Comprimento do Cabo 60 m (196,8 pés)
• Fácil montagem e alinhamento Proteção contra sobretensão (≥1 kV)
• Conectores tipo mini desconexão rápida do nível 3 ou mais alto (IEC 801 parte 5;
• Escaneamento de longo alcance e alta resolução 2 kV) entre PE e +V.
• Corte transversal do invólucro pequeno: 52 mm x 55 mm Modo de Operação➊ Somente proteção com reinício
(2,05 pol. x 2,17 pol.) automático
• Tempo de resposta rápido ≤15 ms Categoria de Segurança Tipo 4 (verificação automática)
• Maior ganho de excesso Requisitos De acordo com EN 50100
• Possibilidade de ligar dois sensores em série (para evitar que a
Temperatura Ambiente em 0 °C a 55 °C (32 °F a 131 °F)
equipe fique entre o campo de proteção e o ponto de operação)
Operação
• Construção em conformidade com a EN 50100 Categoria
4 (verificação automática) Umidade do Ar 15 % a 95 % (sem condensação)
• Testado e aprovado para E.U.A., Europa, Canadá e Japão Temperatura de –25 °C a 70 °C (–13 °F a 158 °F)
Armazenamento
Dimensões aproximadas O comprimento depende da altura
Altura protegida; (consulte os desenhos
Corte transversal do dimensionais)
invólucro 52 mm x 55 mm (2,05 pol. x 2,17 pol.)
➊ O POC sem utilizar uma unidade de controle separada
operará em um modo de somente proteção com reinício
automático.

2-26
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Seleção do Produto
1. Cortinas de Luz de Segurança
As cortinas de luz de segurança POC GuardMaster da Allen-Bradley são pedidas como pares transmissor e receptor e enviadas com um
código de peça. Após a seleção de um par adequado de cortinas de luz, certifique-se de que as interfaces e acessórios necessários também
foram pedidos.

Dimensões Altura Dimensões Altura


— mm Resolução Protegida — mm Resolução Protegida
(pol.) mm mm pol. Código de Catálogo (pol.) mm mm pol. Código de Catálogo
300 14 314 12,3 440L-P4B0300-N 1200 14 1214 47,8 440L-P4B1200-N
(12) 30 332 13,0 440L-P4D0300-N (48) 30 1232 48,5 440L-P4D1200-N
450 14 464 18,2 440L-P4B0450-N 1350 14 1364 53,7 440L-P4B1350-N
(18) 30 482 18,9 440L-P4D0450-N (54) 30 1382 54,4 440L-P4D1350-N
600 14 614 24,1 440L-P4B0600-N 1500 14 1514 59,6 440L-P4B1500-N
(24) 30 632 24,8 440L-P4D0600-N (60) 30 1532 60,3 440L-P4D1500-N
750 14 764 30,0 440L-P4B0750-N 1650 14 1664 65,5 440L-P4B1650-N
(30) 30 782 30,8 440L-P4D0750-N (66) 30 1682 66,2 440L-P4D1650-N
900 14 914 36,0 440L-P4B0900-N 1800 14 1814 71,4 440L-P4B1800-N
(36) 30 932 36,7 440L-P4D0900-N (72) 30 1832 72,1 440L-P4D1800-N
1050 14 1064 41,9 440L-P4B1050-N
(42) 30 1082 42,6 440L-P4D1050-N
Peça os dispositivos projetados para aplicações em cascata (sensor mestre/secundário) separadamente (consulte a página 2-18).

2. Conjuntos de cabos  são necessários 2 (um para o transmissor e um para o receptor)


Conector Fêmea (Extremidade do Sensor) Cabo
Tensão
Visão da Face Ativa do Versão do Cor do Pino/ Nominal da Comprimento —m
Fêmea Conector Fio Isolação (pés) Código de Catálogo
2 (6,5) 889N-F7AG-2
1 Preto
2 Branco 5 (16,4) 889N-F7AG-5
(5) 18 AWG
6 1 3 Azul 10 (32,8) 889N-F7AG-10
(2) 20 AWG
5 7 2 Axial 4 Marrom
300 V 15 (49,2) 889N-F7AG-15
5 Cinza
4 3 3A
6 Amarelo 20 (65,6) 889N-F7AG-20
7 Verde
30 (98,4) 889N-F7AG-30

55,8
(2,2)

25,4
Diâ. (1,00)

Fêmea, Axial
As dimensões são aproximadas. As ilustrações não são desenhadas de acordo com o fator de escala.

2-27
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Seleção do Produto
3. Interface ProgramávelOpcional
Tensão Obstru-
de Obstrução ção Função Mais Código de
Entrada Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Saídas Detalhes Catálogo

2 PNP
Manual/ OSSD
24 Vcc Sim Sim Sim Sim 2-60 440L-M8100
Automático 1 Auxiliar
PNP

4. Interfaces do Relé de SegurançaRequisitado


Tensão Obstru-
de ção Obstruç Função Mais Código de
Entrada Reset Flutuante ão Fixa PSDI Muting Saídas Detalhes Catálogo
4 Amp
2 N.A.
Manual/
24 Vcc SEM SEM SEM SEM Segurança 2-58 440L-M8200
Automático
1 N.F.
Contato
Observação:Para a fiação, consulte a seção Aplicações deste catálogo.

5. Interfaces do Relé de SegurançaOpcional


Saídas de Saídas Fonte de Código de
Relé Entrada Segurança Auxiliares Terminais alimentação Reset Catálogo
Automático/Manual 440R-N23132
24 Vca/cc
Manual Monitorado 440R-N23135
1 N.F.,
2 N.F. ou Cortina Automático/Manual 440R-N23131
3 N.A. 1 N.F. Removível 115 Vca
de Luz Manual Monitorado 440R-N23134
Automático/Manual 440R-N23130
230 Vca
MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23133
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23117
ou Canal Simples 115 Vca 440R-N23116
230 Vca 440R-N23115
(MSR126T) Automático/Manual
24 Vca/cc 440R-N23114
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23113
(MSR126.1T)
230 Vca 440R-N23112
2 N.A. Nenhum Fixo
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23123
ou 115 Vca 440R-N23122
Canal Simples
(MSR126R) 230 Vca 440R-N23121
MSR126 Manual Monitorado
24 Vca/cc 440R-N23120
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23119
(MSR126.1R)
230 Vca 440R-N23118

24 Vca/cc 440R-C23139
Cortina de Luz
2 N.F. Automático/Manual
ou 115 Vca 440R-C23137
3 N.A. 2 PNP de Removível ou
Tapete de Monitorado Manual
Estado Sólido
Segurança
230 Vca 440R-C23136
MSR131RTP

2-28
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Seleção do Produto
6. Interface de Relé de Segurança (usado para aplicações com função muting)
Tensão Obstru-
de ção Obstruç Função Mais Código de
Entrada Reset Flutuante ão Fixa PSDI Muting Saídas Detalhes Catálogo

2 N.A.
Segurança
24 Vcc Manual SEM SEM Sim Sim 4-20 440R-P23071
1 N.F.
Contato

MSR22LM

7. AcessóriosOpcional
Produtos Código de Catálogo

440L-AF6102
Suporte de Fixação em L de Aço, fixo (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

440L-AF6103
Suporte de Fixação, ajustável (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

Suporte de Fixação, ajustável com montagem por encaixe 440L-AF6104


(4 por pacote) (1 pacote por sistema)

Fonte de alimentação:
Entrada  85 a 265 Vca 1794-PS3
Saída  24 Vcc, 3 Amps

Auxílio no alinhamento a laser 440L-ALAT

Adaptador POC para auxílio no alinhamento a laser 440L-ALBRK

Porcas deslizantes (4 peças acompanham o sistema POC) 440L-AF6105

Tabela de Seleção de Espelho de Canto


Espelhos de vidro construídos especialmente para aplicação com proteção de 2 ou 3 lados.
Observação: Cada espelho reduz a faixa máxima de scan em cerca de 10 % por espelho.
Para Modelos POC Código de Catálogo
300 440L-AM1200300
450 440L-AM1200450
600 440L-AM1200600
750 440L-AM1200750
900 440L-AM1200900
1050 440L-AM1201050
1200 440L-AM1201200
1350 440L-AM1201350
1500 440L-AM1201500
1650 ou 1800 440L-AM1201800
Kit de montagem para espelhos. Cada kit contém 1 suporte com torquímetros. Pedir 2 kits por
440L-AM120BRK
espelho.
Montagem da base para espelhos e POC (consulte a página 2-21) 440L-AMSTD
Observação: Para Dimensões Aproximadas das bases de montagem e espelhos, consulte as páginas 2-20 e 2-21.

2-29
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Seleção do Produto

Receptor Mestre
Emissor Mestre

O comprimento do cabo é
170 mm (6,5 pol.)

Receptor Secundário

Emissor Secundário

Cortinas de Luz de Segurança  Principal Secundário


A família de cortinas de luz de segurança mestre secundário POC GuardMaster Allen-Bradley são vendidas em pares – transmissor e receptor
– e enviadas com um número de peça. Após a seleção de um par adequado de cortinas de luz, certifique-se de que as interfaces e acessórios
necessários também foram pedidos.

MestrePares SecundárioPares
Dimen- Altura Dimen- Altura
sões Protegida sões Protegida
mm Resolução/ Código de mm Resolução/ Código de
(pol.) Nº de Feixes mm pol. Catálogo (pol.) Nº de Feixes mm pol. Catálogo
900 14 mm/120 914 36,0 440L-C4B0900-N 150 14 mm/20 150 5,9 440L-B4B0150-N
(36) 30 mm/60 932 36,7 440L-C4D0900-N (6) 30 mm/10 150 5,9 440L-B4D0150-N
1050 14 mm/140 1064 41,9 440L-C4B1050-N 300 14 mm/40 314 12,3 440L-B4B0300-N
(42) 30 mm/70 1082 42,6 440L-C4D1050-N (12) 30 mm/20 332 13,0 440L-B4D0300-N
1200 14 mm/160 1214 47,8 440L-C4B1200-N 450 14 mm/60 464 18,2 440L-B4B0450-N
(48) 30 mm/80 1232 48,5 440L-C4D1200-N (18) 30 mm/30 482 18,9 440L-B4D0450-N
1350 14 mm/180 1364 53,7 440L-C4B1350-N 600 14 mm/80 614 24,1 440L-B4B0600-N
(54) 30 mm/90 1382 54,4 440L-C4D1350-N (24) 30 mm/40 632 24,8 440L-B4D0600-N
1500 14 mm/200 1514 59,6 440L-C4B1500-N 750 14 mm/100 764 30,0 440L-B4B0750-N
(60) 30 mm/100 1532 60,3 440L-C4D1500-N (30) 30 mm/50 782 30,8 440L-B4D0750-N
900 14 mm/120 914 36,0 440L-B4B0900-N
(36) 30 mm/60 932 36,7 440L-B4D0900-N
Observação: O número máximo permitido de feixes em todas as combinações de mestre/secundário é 240.
Observação: Para pedir controladores, relés de segurança e acessórios, consulte a página 2-28.

2-30
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) Observação: Dimensões Aproximadas C e D representam as distâncias
sugeridas dos suportes de fixação.
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.

Tipo Mini Altura


Desconexão Rápida Protegida A B C D
(aprox. 100 mm
POC 300 300 384 224
(3,94 pol.) de espaço
28 (1,1) necessário para plugue) POC 450 450 534 374
21 (0,83) POC 600 600 684 524
62 (2,44) D POC 750 750 835 675
POC 900 900 985 825
POC 1050 1050 1135 975 80
POC 1200 1200 1285 1125
POC 1350 1350 1435 1275
POC 1500 1500 1586 1426
POC 1650 1650 1736 1576
POC 1800 1800 1886 1726

Secundário

31 (1,22)

A B C
D

C
A B

27,5
(1,08)

55
(2,17) Eixo óptico = Centro da janela de saída

52 (2,05) 27,5
(1,08)
52
Secundário (2,05)
A B C D
150 150 200 * * 55
(2,17)
300 300 350 190 80 61
450 450 500 340 80 (2,40)

600 600 650 490 80


750 750 800 640 80
900 900 950 790 80

2-31
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Diagramas de Fiação Típicos 1 Plugue do Cabo do Emissor
6 Pino Cor Função
1 Preto +24 Vcc
5 2 2 Branco 0 Vcc
3 Azul Teste
4 Marrom Teste
4 3 5 Cinza N.F.
1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7
7 6 Amarelo N.F.
7 Verde PE
Transmissor POC Transmissor POC
Vista Interna dos Conectores Vista Superior dos Conectores
1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7
Pino nº 1 Pino nº 6

Pino nº 2 Pino nº 5

Comunicação
Comunicação
24 Vcc

Pino nº 3
saída 1
Teste
Teste

24 Vcc

saída 2
0V

PE
nc
nc

0V

Pino nº 7

PE Pino nº 1 = +24 V Interno Mini Pino nº 4


Receptor Pino nº 2 = 0 V Conector Plugue
Transmissor Pino nº 3 = Teste 1 1
Pino nº 4 = Teste 2 2
NC = Sem conexão Pino nº 5 = NC 3 3
Pino nº 6 = NC 4 4
5 5
Pino nº 7 = PE 6 6
Instalação Elétrica 7 7

A conexão dos componentes POC é simples. São permitidos cabos Diagrama de pino do cabo POC (transmissor)
com até 60 m (196,8 pés) de comprimento (proteção contra Entrada de Teste (Transmissor)
sobretensão para nível 3 ou superior (IEC 801), consulte Dados O POC comuta para a condição verde depois que a fonte de
Técnicos). O transmissor é conectado à fonte de 24 V utilizando um alimentação tiver sido aplicada e o teste de energização automática
cabo com 7 condutores. O receptor está conectado ao controle da concluído. Um contato (normalmente fechado) pode ser conectado
máquina e à fonte de 24 V utilizando um cabo de 7 condutores. à entrada de teste (MCC = Contato de Controle da Máquina).
O corte transversal máximo do fio é de 1,5 mm (0,06 pol.) sem A duração mínima da abertura é de ≥ 50 ms.
invólucro; 1 mm (0,04 pol.) com invólucro. Todas as cortinas de luz
vêm, por padrão, com conectores tipo mini desconexão rápida nas Corrente contínua enquanto a entrada de teste estiver fechada:
extremidades. O POC requer uma fonte de alimentação de +24 Vcc 12 mA. A corrente de partida ao fechar é de 150 mA (20 ms).
(± 20 %) que está disponível com o GuardMaster da Allen-Bradley. Entrada de teste aberta = Testando = Saídas do receptor inativa
(vermelho).
LEDs Indicadores
Entrada de teste fechada = Nenhuma saída de teste no receptor
Transmissor Receptor
ativa (verde).

Saída Ativa Transmissor POC


(Verde)
Energizado
(Âmbar) Saída Inativa
(Vermelho) 1
+24 V
Transmissão Sinal Fraco 3
(Amarelo) (Âmbar)
contato de
Interrupção de Feixe Necessária 4 Teste ou
(Amarelo) (somente com teste
440L-M8100) 2
0V
7
PE

Diagrama de conexão POC

2-32
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Ponto de Controle da Operação
Diagramas Típicos de Fiação (continuação) Transmissor POC
Saídas (Receptor)
A tensão de saída UA de cada canal depende da fonte de alimentação 1
+24 V
UV e da carga comutada e seu mínimo é 3
Imax = 0,5 A

UA = UV – 2 V RL
4
As saídas OSSD1 e OSSD2 (OSSD = Dispositivo de Chaveamento Imax = 0,5 A
do Sinal de Saída) são saídas de estado sólido PNP ativamente RL
monitoradas de controle confiável. As saídas podem carregar um
5
máximo de 0,5 Amps e são protegidas contra curto-circuito. Caso o RS 485
campo protegido esteja limpo, as duas saídas estão HIGH (ativas). 6
(440L-M8100/diagnósticos)

• Uma fonte de alimentação adicional não deve ser aplicada a 2


0V
outras saídas. 7
PE

ATENÇÃO: Os sinais de saída devem ser


processados separadamente. Eles devem Diagrama de conexão do receptor
ser conectados em série ou paralelo.

Interface de Comunicação RS-485


Esta interface serve para se comunicar com o 440L-M8100
(opcional). Se o 440L-M8100 não for usado, a conexão não é usada.

1 Plugue do Cabo do Receptor


6 Pino Cor Função
1 Preto +24 Vcc
2 Branco 0 Vcc
5 2 3 Azul Saída 1 OSSD 1
4 Marrom Saída 2 OSSD 2
3 5 Cinza Comunicação –RS 485
4 6 Amarelo Comunicação +RS 485
7 7 Verde PE
Receptor POC Receptor POC
Vista Interna dos Conectores Vista Superior dos Conectores

Pino nº 1 Pino nº 6

Pino nº 2 Pino nº 5

Pino nº 3

Pino nº 7
Interno Mini Pino nº 4
Pino nº 1 = +24 V Conector Plugue
Pino nº 2 = Gnd 1 1
Pino nº 3 = OSSD1 2 2
3 3
Pino nº 4 = OSSD2 4 4
Pino nº 5 = Com- RS 485 5 5
Pino nº 6 = Com+ RS 485 6 6
Pino nº 7 = PE 7 7

Diagrama do pino do cabo do receptor

2-33
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro

Faixa máxima de
70 m
escaneamento
Espaço máximo do feixe 500 mm
Quantidade mínima de
1 feixe
feixes
Quantidade máxima de
4 feixes
feixes
Comprimento mínimo
320 mm
do invólucro
Comprimento máximo
1800 mm
do invólucro
Especificações técnicas
Normas EN 50100
Descrição Aprovações Marcado CE e BG para todas as
Cortinas de luz de segurança com múltiplos feixes da Rockwell diretrizes aplicáveis e cULus
Automation são dispositivos de proteção infravermelha com 1 a Altura Protegida Depende da seleção do produto
4 feixes infravermelhos. Eles operam de acordo com o princípio de
Faixa de Escaneamento 70 m (225 pés), PAC com feixe simples
feixe direto que consiste de uma unidade emissora e receptora e são 7,5 m
adequados para o controle de acesso e proteção do perímetro.
Espaço do Feixe Depende da seleção do produto
O PAC atende os requerimentos pr EN 50100, categoria de Grau de Proteção do IP 65
segurança 4, pois é um dispositivo de monitoração automática. Invólucro
Tipo de Conexão Mini de 7 pinos no transmissor e 8 pino
• A avaliação integrada com componentes eletrônicos de última no receptor
geração e ICs especialmente desenvolvidos (ASICs)
Tensão de Alimentação Uv 24 Vcc ± 20 %
• Codificação de feixe para imunidade à alta interferência Ripple Residual Máximo 5 Vss
• Saídas de semicondutores monitoradas ativamente
Consumo de Alimentação 7 watts — Transmissor
• Mini conectores desconexão rápida 6 watts — Receptor
• Tempo de resposta rápido
• Reserva grande de sinal (fator 2) Sincronia Óptica, sem canal de sincronia separado
• Sincronização óptica das unidade emissora e receptora Saídas 2 x PNP, 0,5 A, proteção contra curto-
• Múltiplas proteções por meio de colunas e espelhos de canto Tensão Mínima de Saída circuito Uv – 2 V
• Modos de operação: Tempo de Resposta ≤20 ms
• Monitoração de Dispositivo Eletrônico (EDM) Proteção Curto-circuito e sobrecarga
• Intertrava de Reinício
Conexão
• Configuração da função muting disponível Corte transversal máximo 1,0 mm2 com invólucro
do fio 1,5 mm2 sem invólucro
Os dispositivos foram projetados para aplicações industriais e
Comprimento do Cabo 60 m (196,8 pés) no máximo
oferecem as seguintes vantagens: Proteção contra sobretensão (≥1 kV)
do nível 3 ou mais alto (IEC 801 parte 5;
• Codificação de feixe para imunidade contra interferência ótima 2 kV) entre PE e +V.
• Capacidade de adaptação para CLP seguro Modo de Operação Somente proteção com reinício manual
• Construção modular robusta
• Possibilidades de aplicações universais Categoria de Segurança Tipo 4 (verificação automática)
• Instalação simples Requisitos De acordo com EN 50100
Temperatura Ambiente em 0 °C a 55 °C (32 °F a 131 °F)
Operação
Umidade do Ar 15 % a 95 % (sem condensação)
Temperatura de –25 °C a 70 °C (–13 °F a 158 °F)
Armazenamento
Dimensões aproximadas
Altura O comprimento depende da altura
protegida; (consulte os desenhos
dimensionais)
Corte Transversal do 52 mm x 55 mm (2,05 pol. x 2,17 pol.)
Invólucro

2-34
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Seleção do Produto
1a. PAC com Feixe Múltiplo
As cortinas de luz de segurança PAC com feixe múltiplo GuardMaster da Allen-Bradley são pedidas como pares transmissor e receptor e
enviadas com um código de peça. Após a seleção de um par adequado de cortinas de luz, certifique-se de que as interfaces e acessórios
necessários também foram pedidos. O PAC com feixe múltiplo pode ser pedido com uma coluna de espelhos passiva (440L-AMIRSTDZ500)
ou dois espelhos de ângulo reto (440L-AMIRR2).
Modelos sem função muting Modelos com função muting
Dimen- Dimen- Espaça-
sões — Espaçamen- sões — mento do
mm to do Feixe Número de mm Feixe Número de
(pol.) mm Feixes Código de Catálogo (pol.) mm Feixes Código de Catálogo
684 (27) 500 2 440L-P4H2500-N 684 (27) 500 2 440L-P4H2500M-N
600 (24) 220 3 440L-P4H3220-N 600 (24) 220 3 440L-P4H3220M-N
1000 (40) 400 3 440L-P4H3400-N 1000 (40) 400 3 440L-P4H3400M-N
534 (21) 120 4 440L-P4H4120-N

1b. PAC com Feixe Simples (Obs.: A faixa máxima de escaneamento é de 7,5 metros.)
Modelos sem Função Muting Modelos com Função Muting
Dimen- Espaça- Dimen- Espaça-
sões — mento do sões — mento do
mm Feixe Número de mm Feixe Número de
(pol.) mm Feixes Código de Catálogo (pol.) mm Feixes Código de Catálogo
684 (27) 500 1 440L-P4G1500-N 684 (27) 500 1 440L-P4G1500M-N
Unidade de espelho necessária 440L-AMIRSTDZ500 Unidade de espelho necessária 440L-AMIRSTDZ500

2a. Conjunto de Cabos Requisitado — Transmissor PAC


Conector Fêmea Cabo
Visão da Face Versão do Tensão Nominal da Comprimento —m Código de
Ativa do Fêmea Conector Cor do Pino/Fio Isolação (pés) Catálogo
2 (6,5) 889N-F7AG-2
1 Preto
Transmissor PAC 5 (16,4) 889N-F7AG-5
2 Branco
(5) 18 AWG
3 Azul 10 (32,8) 889N-F7AG-10
6 1 (2) 20 AWG
Axial 4 Marrom
5 7 2 300 V 15 (49,2) 889N-F7AG-15
5 Cinza
3A
4 3 6 Amarelo 20 (65,6) 889N-F7AG-20
7 Verde
30 (98,4) 889N-F7AG-30

2b. Conjunto de Cabos  Receptor PAC e PAC com Feixe Simples


Conector Fêmea Cabo
Visão da Face Versão do Tensão Nominal da Comprimento —m Código de
Ativa do Fêmea Conector Cor do Pino/Fio Isolação (pés) Catálogo
2 (6,5) 889N-F8AE-2
1 Vermelho
PAC com Feixe Simples
2 Branco 5 (16,4) 889N-F8AE-5
e Receptor PAC
3 Azul
18 AWG 10 (32,8) 889N-F8AE-10
4 Marrom
6 1 Axial 300 V
7 5 Cinza 15 (49,2) 889N-F8AE-15
5 2 3A
8 6 Amarelo
4 3 7 Verde 20 (65,6) 889N-F8AE-20
8 Rosa
30 (98,4) 889N-F8AE-30

2-35
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Seleção do Produto
3a. Interfaces do Relé de SegurançaRequisitado
Tensão Mais
de Obstrução Obstru- Função Deta- Código de
Entrada Reset Flutuante ção Fixa PSDI Muting Saídas lhes Catálogo
4 Amp
2 N.A.
Manual/
24 Vcc SEM SEM SEM SEM Segurança 58 440L-M8200
Automático
1 N.F.
Contato

3b. Interfaces de Relé de Segurança—Opcional


Saídas de Saídas Fonte de Código de
Relé Entrada Segurança Auxiliares Terminais alimentação Reset Catálogo
Automático/Manual 440R-N23132
24 Vca/cc
Manual Monitorado 440R-N23135
1 N.F.,
2 N.F. ou Cortina Automático/Manual 440R-N23131
3 N.A. 1 N.F. Removível 115 Vca
de Luz Manual Monitorado 440R-N23134
Automático/Manual 440R-N23130
230 Vca
MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23133
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23117
ou Canal Simples 115 Vca 440R-N23116
(MSR126T) 230 Vca 440R-N23115
Automático/Manual
24 Vca/cc 440R-N23114
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23113
(MSR126.1T)
230 Vca 440R-N23112
Cortina de Luz 2 N.A. Nenhum Fixo 24 Vca/cc 440R-N23123
ou 115 Vca 440R-N23122
Canal Simples
230 Vca 440R-N23121
(MSR126R) Manual Monitorado
MSR126
24 Vca/cc 440R-N23120
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23119
(MSR126.1R)
230 Vca 440R-N23118

24 Vca/cc 440R-C23139
Cortina de Luz Automático/Manual
2 N.F.
ou 115 Vca 440R-C23137
3 N.A. 2 PNP de Removível ou
Tapete de
Estado Sólido Monitorado Manual
Segurança
230 Vca 440R-C23136
MSR131RTP

2-36
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Seleção do Produto
4. Interfaces de Relé de SegurançaOpcional (Usado para aplicações com função muting)
Tensão
de Obstrução Obstrução Função Mais Código de
Relé Entrada Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Saídas Detalhes Catálogo

2 N.A.
Segurança
24 Vcc Manual SEM SEM Sim Sim 4-20 440R-P23071
1 N.F.
Contato

MSR22LM

5. Fonte de alimentação
Descrição Código de Catálogo

Fonte de alimentação:
Entrada  93 a 265 Vca 1794-PS3
Saída  24 Vcc, 3 Amps

6. AcessóriosOpcional
Descrição Código de Catálogo

440L-AF6102
Suporte de Fixação L, fixo (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

440L-AF6103
Suporte de Fixação, ajustável (4 por pacote)
(1 pacote por sistema)

Suporte de Fixação, ajustável com montagem por encaixe 440L-AF6104


(4 por pacote) (1 pacote por sistema)

Auxílio no alinhamento a laser 440L-ALAT

Adaptador SafeShield para auxílio no alinhamento a laser 440L-ALBRK

Kit de porcas deslizantes (4 incluídas) — Fornecido com PAC 440L-AF6105

Lâmpada de função muting com cabo de 2 m 440L-AMUTLP2M

Lâmpada de função muting com cabo de 10 m 440L-AMUTLP10M

2-37
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Seleção do Produto
7. Acessórios — Colunas de Montagem e Espelhos

Espelho de Canto
Espelhos construídos especialmente para aplicação com proteção de 2 ou 3 lados. OBS.: : Cada espelho reduz a faixa máxima de scan em cerca
de 10 % por espelho.

Para Modelos PAC Código de Catálogo

2 Feixes
440L-A2MIRSTND
Espaçamento do feixe 500 mm

3 Feixes
440L-A3MIRSTND
Espaçamento do feixe 400 mm

Calços de montagem do espelho 440L-ASHIM

Colunas de Montagem
Descrição Código de Catálogo
Coluna montada no chão para PAC com 2 feixes
440L-AMTSTND2B
com 500 mm espaçamento entre os feixes
Coluna montada no chão para PAC com 3 feixes
440L-AMTSTND3B
com 400 mm espaçamento entre os feixes
Coluna montada no chão para coluna de PAC
com 2 feixes com lâmpada da função muting e 440L-AMUTSTDLP2B
espaçamento de 500 mm entre os feixes

Coluna montada no chão para coluna de PAC


com 3 feixes com lâmpada da função muting e 440L-AMUTSTDLP3B
espaçamento de 400 mm entre os feixes

Sensores da Função Muting


Sensor Local da Conexão Tipo Código de Catálogo
Transmissor (alimentado por uma fonte externa) 42GRL-9000-QD➋
Feixe Transmitido Receptor (conectado diretamente ao módulo com função muting
42GRR-9000-QD➊➋
ou 8100)
Conectado diretamente ao módulo com função muting ou 8100 42GRU-9000-QD➊➋
Retrorefletido Chaveamento
Refletor padrão com 3 polegadas 92-39
escuro
Conectado diretamente ao módulo com função muting ou 8100 42GRU-9200-QD➊➋
Retrorefletido Polarizado
Refletor padrão com 3 polegadas 92-39
Conectado diretamente ao módulo com função muting ou 8100
Chave Fim-de-curso Mecânica 802M-NX10➊➋
(A Alavanca de Operação deve ser selecionada separadamente.)
➊ Use com cabo Micro CC de 3 fios e 4 pinos quando conectar ao módulo com função muting (comprimento mostrado de 5 m).
Comprimentos disponíveis 1 m, 2 m, 3 m e 5 m, código catálogo 889D-F3ACDM-*. Onde * = comprimento em metros. 889D-F3ACDM-5
➋ Conjunto de cabos recomendados quando conectar ao 440L-M8100. Cinco comprimentos em metros
889D-F4AC-5
mostrados, outros comprimentos disponíveis, consulte a página 15-10 deste catálogo.

2-38
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
Conexão de Cabo Alternativo PG 9
PAC Feixe Múltiplo Diâ. do Cabo 4 a 8 (0,16 a 0,31)
440L-P4G2502-N PAC com Feixe Simples
Mini Mini
Conector Conector
31 (1,22) 31 (1,22)
21 (0,83) 21 (0,83)

E E D

R3

R2 A B A B
Detalhe A
Seção
Transversal

R1

F F

23 23 27,5
(0,91)➊ (0,91)➊ (1,08)

Detalhe A 14
52 (0,55)
(2,05)
2,2 6
(0,09) (0,24)
55 (2,17) 6,7
3,5 (0,14) (0,26)

10,5
440L A B C D E F R (0,41)
T4H-2500-N 500 684 524 80 107 77 500
T4H-3220-N 440 597 437 80 107 50 220 ➊ Em relação ao centro do invólucro
T4H-3400-N 800 985 825 80 107 78 400
T4H-4120-N 360 534 374 80 107 67 120

PAC com feixe 500 684 524 80 97 87 500


simples
P4G 1500-N

2-39
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) (continuação)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
14 Detalhe A
(0,55)
69 2,2 (0,09) 6
55 (2,72) (0,24) 21 (0,83)
(2,17) 52
3,5 (0,14) 6,7 (0,26) 81 (2,05)
52 (3,1)
(2,05) 10,5
(0,41) 55
(2,17)
23 27.5
(0,91) (1,08)

500 668
(19,69) (26,3)
Detalhe A

A B

87
G (3,43)

B2
440L-AMIRSTDZ500
B1 E
Espelho de canto — uso com PAC com feixe simples
A2 (440L-P4G1500-N ou 440L-P4G1500M-N)
179 (7,05)
A1
Lâmpada com
CONEXÃO
Função D
Muting

Mini 31 (1,22)
Conector

A B C D E F G
440L-R4H 2500M-N 500 663 524 80 265 77 86
440L-R4H 3220M-N 440 576 437 80 265 50 86
440L-R4H 3400M-N 800 964 825 80 265 78 86

1
440L-R4H 1500M-N 500 663 524 80 255 87 76

2-40
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) (continuação)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.

147,7 147,7
(5,81) (5,81)

400 400
(15,75) (15,75)

1216 1216
(47,87) (47,87)

400 400
(15,75) (15,75)

300 300
(11,81) A (11,81) A

180
(7,09)
Lâmpada
A-A
Nível 115
(4,53)

147,7
(5,81) 3,1
(0,12) M10

Diâ. 15 mm

Montagem das colunas do espelho — coluna 400

2-41
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) (continuação)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.

147,7 147,7
(5,81) (5,81)

500 500
(19,69) (19,69)
1216 1216
(47,87) (47,87)

400 400
(15,75) (15,75)

A A

180
(7,09)
A-A

115
Lâmpada (4,53)
Nível

147,7
(5,81) 3,1
(0,12) M10

Diâ. 15 mm

Montagem das colunas do espelho — coluna 500

2-42
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) (continuação)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
440L-AF6102
Porca da peça deslizante
5,3
M5 (0,21) 5
10
24 (0,2)
(0,39)
(0,94)
M5 x 18 25 12
(0,98) 60
14
(2,36)

22
(0,87)
4,8
44 (0,19)
(1,73)
440L-AF6103

80 (3,15)
65 (2,56) 23
40 (1,57) (0,91)
M5 x 18

30 11 51
2° (2,01)
(1,18) (0,43)
440L-AF6104

Suporte de fixação ajustável

90 (3,54)
65 (2,56) 25 (0,98)
40 (1,57) 23
(0,91)

M5 x 20
30 11 51
(1,18) (0,43) (2,01)

Conexão a máquina 4 suportes ajustáveis com montagem por encaixe são necessários

2-43
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Diagramas de Fiação Típicos
Conector de 7 pinos Unidade transmissora Unidade receptora e Conector de 8 pinos
PAC com feixe simples

6 1 Conexão Conexão 6 1
Terminal Terminal 7
5 7 2 5 2
8
4 3 4 3
1234567 1 Vermelho 1234567
Pino Cor 2 Branco Pino Cor
Preto 1234567 3 Azul 1234567
1 1 Vermelho
2 Branco 4 Marrom 2 Branco
3 Azul 5 Cinza 3 Azul

+24 V
0V

OWS
EDM
OSSD 1
OSSD 2
RES
+24 V
0V

RW
RW
4 Marrom 6 Amarelo 4 Marrom
Teste
Teste
5 Cinza 7 Verde 5 Cinza
6 Amarelo 6 Amarelo
8 Rosa
7 Verde 7 Verde
8 Rosa
NC = Sem conexão

Transmissor Receptor
Amarelo

Amarelo Âmbar

Vermelho
Âmbar

Verde

LED indicador

Transmissor Receptor
Amarelo faixa do emissor: teste MCC alto/baixo Amarelo pressione a tecla reinício
Âmbar tensão em operação é aplicada Âmbar contaminação
Vermelho saídas inativas
Verde Feixe de luz não obstruído, saídas ativas

2-44
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso ao Perímetro
Diagrama Típico de Fiação
440L Cortina de Luz para 440R-N23135 (MSR127RP)
+24 Vcc

3
Emissor Receptor
Teste 2
4
2 OSSDA OSSDB
3 4

L1 L2 L3

K4
A S52 S12 13 23 33 41
K4
MSR127RP
A2 S21 S22 S34 14 24 34 42
K5
K5

Pulsador

Cód. Cat. 100S


K4 K5 Contatores de Segurança
ou Relés de Segurança 700S

CC Comum
Observação: Para a unidade PAC 440L, configure as minisseletoras conforme segue:
SW 1, 5, 6, 7, 8 para “B”
SW 2, 3, 4 para “A”
As minisseletoras são acessadas por meio da remoção da proteção da conexão da unidade receptora.
A unidade emissora não precisará da configuração da minisseletora se estas configurações do receptor forem utilizadas.

2-45
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso à Área
Especificações técnicas
Normas EN 50100
Aprovações Marcado CE e BG para todas as
diretrizes aplicáveis e cULus
Faixa do Campo de Proteção 0,5 a 18 m ou 15 a 70 m
Número de Feixes 1
Diâmetro do Feixe de Luz 23 mm
Unidade Emissora/Receptora
Fonte de Alimentação 24 Vcc ±20 %
230 Vca +15 % a -10 %
(pedido especial)
115 Vca +15 % a -10 %
Ripple Máx. 5 % de Uv
Descrição Freqüência 48 a 62 Hz com a versão CA
A chave de segurança fotoelétrica AAC é um dispositivo de Entrada, Emissor Contato de teste
segurança de detecção de presença sem contato de feixe simples que
Tempo de Teste Máx. 150 ms
consiste de unidades transmissoras e receptoras separadas. O feixe
de luz produzido entre o emissor e o receptor fornece proteção de Tempo Mínimo de Abertura 75 ms
acesso às áreas classificadas. de NF
Contato para Teste
O AAC funciona como um dispositivo de segurança de detecção de Consumo de Alimentação
presença para a proteção do perímetro para salvaguardar a equipe de Versão da Tensão 24 V 115 V 230 V
áreas potencialmente classificadas como: Unidade Emissora 5W 8W 8W
Unidade Receptora 8W 11 W 11 W
• Células de trabalho de robôs
• Centros de usinagem Sincronia Óptica
• Paletizadores Saídas Relés de Segurança — Máx. Freqüência
• Maquinário de plásticos de Operação 0,2 Hz (1 operação em
• Guindastes 5 segundos)
• Maquinário de fixação para o setor industrial que lida com pedras Corrente de Comutação 2 A/0,02 A
(máx./mín.)
Características Tensão de Comutação 250 Vca/24 Vcc
• Faixa de escaneamento de longo alcance (máx./mín.)
• Fácil instalação Tempo de Resposta ≤22 ms
• Invólucro de alumínio fundido Cabo de Conexão Conector PG: IP67, comprimento
• Lentes frontais aquecidas, ou seja, pode ser usado em aplicações máximo do cabo de 50 m
internas Aquecimento da Tela Frontal Padrão
Dados de Operação
Classe de Proteção I
Grau de Proteção do IP67
Invólucro
Categoria de Segurança Tipo 4
Requisitos EN 50100 Parte I/Parte II
Temperatura Ambiente em –25 °C a 55 °C
Operação
Temperatura de –25 °C a 70 °C
Armazenamento
Umidade do Ar 15 % a 95 %
Vibração 5 G 10 a 55 Hz de acordo com
IEC 68-2-6
Resistência a Impacto 10 G 16 ms de acordo com IEC 68-2-29
Peso Unidade Emissora: aprox. 0,9 a 1,3 kg
Unidade Receptora: aprox. 1 a 1,4 kg

2-46
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso à Área
Seleção do Produto
1a. Guia de Seleção para Faixa de 0,5 m a 18 m
Corrente da Fonte de Tensão Código de Catálogo
em Operação Tipo de Conexão Transmissor Receptor
24 Vcc Câmera do Terminal com 440L-T4F0018-Q 440L-R4F0018-Q
120 Vca Prensa Cabo (rosca PG13,5) 440L-T4F90018-Q 440L-R4F90018-Q
1b. Guia de Seleção para Faixa de 15 m a 70 m
Corrente da Fonte de Tensão Código de Catálogo
em Operação Tipo de Conexão Transmissor Receptor
24 Vcc Câmera do Terminal com 440L-T4F0070-Q 440L-R4F0070-Q
120 Vca Prensa Cabo (rosca PG13,5) 440L-T4F90070-Q 440L-R4F90070-Q
2. Interfaces do Relé de Segurança — Opcional se saídas adicionais forem requisitadas
Tensão Obs-
de Obstrução trução Função Saídas de Mais Código de
Entrada Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Segurança Detalhes Catálogo
4 Amp
2 N.A.
Manual/
24 Vcc SEM SEM SEM SEM Segurança 58 440L-M8200
Automático
1 N.F.
Contato
Observação:Para a fiação, consulte a seção Aplicações deste catálogo.

3. Interfaces de Relé de Segurança—Opcional


Fonte de
Saídas de Saídas Alimen- Código de
Relé Entrada Segurança Auxiliares Terminais tação Reset Catálogo
Automático/Manual 440R-N23132
24 Vca/cc
Manual Monitorado 440R-N23135
1 N.F.,
2 N.F. ou Cortina Automático/Manual 440R-N23131
3 N.A. 1 N.F. Removível 115 Vca
de Luz Manual Monitorado 440R-N23134
Automático/Manual 440R-N23130
230 Vca
MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23133
Cortina de Luz 24 Vca/cc 440R-N23117
ou Canal Simples 115 Vca 440R-N23116
(MSR126T) 230 Vca 440R-N23115
Automático/Manual
24 Vca/cc 440R-N23114
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23113
(MSR126.1T)
230 Vca 440R-N23112
Cortina de Luz 2 N.A. Nenhum Fixo 24 Vca/cc 440R-N23123
ou 115 Vca 440R-N23122
Canal Simples
230 Vca 440R-N23121
(MSR126R) Manual Monitorado
MSR126
24 Vca/cc 440R-N23120
Canal Duplo
115 Vca 440R-N23119
(MSR126.1R)
230 Vca 440R-N23118

24 Vca/cc 440R-C23139
Cortina de Luz Automático/Manual
2 N.F.
ou 115 Vca 440R-C23137
3 N.A. 2 PNP de Removível ou
Tapete de
Estado Sólido Monitorado Manual
Segurança
230 Vca 440R-C23136
MSR131RTP

2-47
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso à Área
Acessórios
Descrição Código de Catálogo
Auxílio no alinhamento a laser 440L-ALAT

Adaptador para auxílio no alinhamento no AAC 440L-ALBRK1

Suporte de fixação para AAC 440L-AMBRK4

Espelho de canto para faixa de escaneamento


440L-AMIRR1
de 0 a 30 m

Kit de montagem para 440L-AMIRR1 440L-AMKIT

Suporte de fixação para espelho 440L-AMIRRI 440L-AMBRK1

Espelho de canto de vidro, ângulo de 45°, 0 a 30 m 440L-AMIRR2

Espelho de longo alcance (15 a 79 m) 440L-AMIRR3

Adaptador, Eletroduto de Pg13,5 para 1/2” NPT, Aço 440A-A17094

2-48
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso à Área
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
50 (1,96) 116 (4,57)

34
(1,33)
65
(2,5)

156
(6,14) 128
(5,03)

65
(2,5)

17,5
14 (0,68)
(0,55)

Pg 13,5 Cabo O.D. Máx. 8 a 10 mm

M6 x 8
(6 furos)

2-49
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso à Área
Dimensões Aproximadas — mm (pol.) (continuação)
As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
9 (0,35) 20 (0,79)
65 51 6,5 (0,26)
(2,56)(2,01) M 8 x 30 SW 13
26 (1,02)
20°
64,5
(2,54) 46,5 58
(1,83)
(2,28)
9 (0,35)
40 (1,57)
82
(3,23) 20
71
(0,79)
(2,80)
39,5
64,5(1,55) 43 M 8 x 45
(2,54) SW 13
60° (1,69)

22
6,5 (0,25) (0,87)
6 (0,23)

Suporte de fixação 440L-AMBRK4 M6


16,5 (0,65) 33,5 (1,32)

67 (2,64) 63 (2,48)

160
(6,30)

149
(5,87) 177
(6,97)
124 ~7 (0,28)
(4,88)

38 (1,50)
2,5 (0,10)
96 (3,78) 14 8,5 10 (0,039)
100 (3,94) (0,55) (0,33)
Mostrado com suporte (440L-AMBRK1)
Espelho de Canto Montado no espelho (440L-AMIRR1)
Código de catálogo 440L-AMIRR1

76 96,5
80
(2,99) (3,15) (3,80)

40,5 40
(1,59) (1,57)

63
(2,48) 8,5
(0,33)

69,5 8,5
146,5 (2,74) (0,33) 80
(5,77)
(3,15)
Código de catálogo 440L-AMIRR2

2-50
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Cortinas de Luz de Segurança
Controle de Acesso à Área
Diagramas de Fiação Típicos
Transmissor Receptor

1/2 3 4 5 6 7 8 9
1/2 3 10 11
PE

{
{
{
24 Vcc

Sem Conexão
0 Vcc

PE

24 Vcc
Entrada

Sem Conexão
0 Vcc
do Teste

N.A. Saída

N.A. Saída
N.F. Saída
Fonte de 24 Vcc com câmara de terminal

Transmissor Receptor

1/2 3 4 5 6 7 8 9
1/2 3 10 11

{
{
{
PE

115 Vcc

Sem Conexão

PE

Entrada
L1 115 Vca

Sem Conexão

do Teste
N.A. Saída

N.A. Saída
N.F. Saída

Fonte de alimentação CA com câmara do terminal

2-51
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Módulo SafeShield DeviceNet
Especificações técnicas
Classificado como dispositivo de
Categoria de Segurança
não segurança
Marcado CE para todas as
Aprovações
diretrizes aplicáveis e cULus
Fonte de Alimentação 24 Vcc
Consumo de Alimentação 1W
Entradas RS 233 do SafeShield
Saídas DeviceNet
Atraso na Energização 1s
LEDs de Indicação Consulte a tabela de indicadores
Tensão nominal resistente a
2500 V
impulsos
Descrição Grau de Poluição 2
A interface SafeShield DeviceNet não é um dispositivo de segurança Temperatura de Operação –5 °C a +55 °C (+23 °F a 131 °F)
que comunica as informações de diagnóstico de todas as cortinas de Proteção de Painel IP40 (NEMA 1)
luz de segurança SafeShield. Em um invólucro montado em trilho Proteção do Terminal IP20
DIN de 22,5 m compacto, este dispositivo facilita a fiação e a Bitola do Condutor 0,2 – 4 mm2 (24 – 12 AWG)
configuração dos parâmetros DeviceNet. Configurações de Torque –
0,4 – 0,5 Nm (3,54 – 4,43 lb•pol.)
parafusos de terminal
Características Material do Invólucro Poliamida PA 6,6
• Conecta-se às redes DeviceNet diretamente Montagem Trilho DIN de 22,5 mm
• Taxa de transmissão Peso 320 g (0,71 lbs)
• Mudança de estado (COS) e strobe messaging Vida Útil Mecânica N/A
• Minisseletoras rotativas para MAC ID Vibração 10 – 55 Hz, 0,35 mm
• Invólucro compacto de 22,5 Choque 10 G, 16 ms, 100 choques
• Recursos de diagnósticos
• Sinal Fraco
• Alinhamento: número de feixes, número de feixes bloqueados,
etc.
• Status de saída
• Configuração de setup
• LED de diagnósticos
• Identificação do sistema: nome do produto, modelo, etc.
• Status do sistema
• Configurações do sistema: obstrução fixa ou flutuante,
energização automática etc.
• Diagnóstico: códigos de erro, causa de travamento, sugestões
de localização de falhas etc.

Indicadores
Etiqueta Cor Estado Status
Desenergização Interface não energizada ou aguardando a Taxa de Transmissão
Verde Constante Interface ativa e alocada pelo mestre
Verde Intermitente Interface ativa, mas não alocada pelo mestre
Status Dnet Vermelho/Verde
Vermelho Intermitente Falha secundária corrigível (taxa de transmissão)
Vermelho Constante Falha grave (provavelmente, endereço duplicado)
Verde-Vermelho-Verde Seqüência de energização
Desenergização Falha Interna
Status de
Laranja Intermitente Falha ou Aviso de Solicitação de Intervenção do Usuário
Comunicação
Energizado Nenhuma falha ou Advertências
Desenergização Sem comunicação de segurança
Status OSSD Vermelho/Verde Vermelho Sem segurança, OSSD não ativo
Verde Seguro, OSSD ativo

2-52
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Módulo SafeShield DeviceNet
Dados de E/S
Saída de Mudança de Estado (COS) e Strobe:
Conjunto de Entrada = Status (0)
Byte 1, Bit 7 6 5 4 3 2 1 0
Resistência do Advertência do Falha do
Dados de Status Reinício 0 0 0 OSSD
Feixe Dispositivo Dispositivo
Conjunto de Entrada = Modos (1)
Byte 2, Bit 7 6 5 4 3 2 1 0
Modo de
Modo de Modo de
Modos Modo de Reinício Modo de Faixa Obstrução Modo EDM 0 0
Obstrução Fixa Resolução
Flutuante
Conjunto de Entrada = Diagnóstico (2)
Byte 3, Bit 7 6 5 4 3 2 1 0
Diag. Código Códigos de Diagnósticos
Conjunto de Entrada = Feixes (3)
Byte 4, Bit 7 6 5 4 3 2 1 0
Dados do Feixe Contagem dos Feixes

Seleção do Produto
Entradas Saídas de Segurança Saídas Auxiliares Fonte de Alimentação Código de Catálogo
Comunicação do SafeShield N/A N/A 24 Vcc 442L-MDNET

Dimensões Aproximadas — mm (pol.)


As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
22,5 (0,88)
99 (3,89)

114,5
(4,5)

Diagrama Típico de Fiação


24 Vcc

Cortina de luz Pulsador


Out1 Out2
L1 L2 L3
A1 S11 S52 S12 13 23 33 41
K1
MSR127RP
K2

S21 S22 S34 A2 14 24 34 42

M
K1 K2
0V

Cortina de Luz, Reset Manual,


Saída Monitorada

Preto Azul Branco Vermelho Blindagem


}

Conexão DeviceNet

2-53
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Fonte de Alimentação 120 Vca e Relé de Segurança
Especificações técnicas
Alimentação de Entrada 120/230 Vca
Consumo de Alimentação 2 W/4 W
Entradas 1 N.F. ou 2 N.F. ou
2 PNP (cortina de luz)
Resistência Máxima de Entrada 110 ohms
Reset Automático/Manual
Saídas 3 N. A. Circuito de
1 N.F. Auxiliar não seguro
Taxa de Saída
N.A. B300, AC15, 5 A/250 Vca
N300, DC13, 3A/24 Vcc
Mín. Corrente/Tensão Comutada 10 mA/ 10 V
Mínima
Descrição
Atraso na Energização 1 segundo
O elemento de interface de 120 Vca GuardMaster da Allen-Bradley
consiste de um gabinete de metal com trava de classificação NEMA Tempo de Resposta 15 ms
4, montada em DIN de 3 Amp, fonte de alimentação de 24 Vcc e LEDs de Indicação do Módulo a
relé(s) de segurança simples ou duplo(s) de 22,5 mm. Relé
K1 Verde = Alimentação
O módulo de relé de segurança simples fornece 3 saídas a relé “livre Verde = K1 Fechado, se apenas K1
de potencial” N.A. de segurança e uma auxiliar N.F. (não seguro). estiver aceso, verifique se há curto-
A configuração de relé de segurança duplo fornece dois pares de circuito no botão de reset
K2 Verde = K2 Fechado
cortinas de luz de segurança para controlar uma ou duas máquinas
de forma independente. Temperatura de Operação –5 °C a +55 °C (+23 °F a +131 °F)
Umidade 90 % de umidade relativa
O(s) relé(s) de segurança pode(m) ser configurado(s) para reset Proteção de Painel NEMA 4, IP65
manual ou automático. A função de reset pode ser através de uma Bitola Máx. do Condutor 1 x 2,5 mm2 (14 AWG) trançado
chave montada na cobertura frontal do elemento de interface. 1 x 4 mm2 (12 AWG) sólido
Peso 4886/5113 g (10,75/11,25 lbs)
Os furos localizados na parte inferior do gabinete facilitam a fiação Vida Útil Elétrica
do sistema. 222 Vca/4 A/880 VA 100.000 operações
cosseno 0 = 0,35
Freqüência Máxima de Operação 1200 ciclos/hora
Vida Útil Mecânica 2.000.000 operações
Vibração 0,35 mm 10 a 55 Hz
Choque 10 g, 16 ms, 100 choques
Tempo de Recuperação 100 ms

2-54
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Fonte de Alimentação 120 Vca e Relé de Segurança
Seleção do Produto
Saídas de Segurança Saídas Auxiliares Fonte de Alimentação Código de Catálogo
3 N.A. 1 N.F. 440L-M8400
24 Vcc
6 N.A. 2 N.F. 440L-M8500

Dimensões Aproximadas — mm (pol.)


As dimensões não devem ser usadas para instalação.

200,0 (7,87)
161,9 (6,37)

301,6
(11,87)
3,17
(0,12)
1,77
(0,07)

63,5 (2,5)

104,7
22,2 (0,87) (4,12)

2-55
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Fonte de Alimentação de 120 Vca e Relé de Segurança
Diagrama Típico de Fiação
Relé Simples M8400

L
L1

Fusível

Fusível
Elemento de
Interface da Cortina
de Luz
K3

K4

Fusível

Fusível
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

Elementos de
Movimento Inicial da
Máquina

Reinício Manual do Relé


(Jumpers 15 e 16, 17 e 18)
Transmissor

Receptor

Reinício Automático do Relé


(Jumpers 16 e 17)

Reinício Manual do Relé


com Realimentação MPCE
L2
(contatos N.F. entre 15 e
K3 K4 16, Jumpers 17 e 18)
OSSD1
OSSD2
+24 V

+24 V
GND

GND
TEST
TEST
PE

PE

Reinício Automático do Relé com


K3 K4 Realimentação MPCE
(contatos N.F.
entre 16 e 17)

Reinício Manual
Interno a
Cortina de Luz
K3 +24V
Para o fio vermelho
(Jumpers 16 e 17)

do Receptor Safe/
GuardShield
OU
Dispositivos
de Supressão
de Arco
(Jumper solicitado se
metros não utilizado)
K4
N

2-56
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Fonte de Alimentação de 120 Vca e Relé de Segurança
Diagrama Típico de Fiação
Relé Duplo M8500

L1 L

LC1 LC2

K3 K5
Elemento de
Interface da Cortina

Fusível
Fusível

Fusível
Fusível
K4 K6 de Luz

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

LC1 LC2
Reinício Manual Reinício
Transmissor

Transmissor
Receptor

Receptor

(Jumpers 17 e 18, 19 e 20) (Jumpers 20 e 21, 22 e 23)


Reinício Automático do Relé
(Jumpers 18 e 19) (Jumpers 21 e 22)

Reinício Manual
K3 K4 K5 K6 do Relé com
Realimentação
OSSD1
OSSD2

OSSD1
OSSD2
+24 V

+24 V

+24 V

+24 V

MPCE
GND

GND

GND

GND
TEST
TEST

TEST
TEST
PE

PE

PE

PE

(Contatos N.F. entre 17 e (Contatos N.F. entre 20 e


18, Jumpers 19 e 20) 21, Jumpers 22 e 23)

K3 K4 K5 K6 Reinício
Automático do
Relé com
Realimentação
(Contatos N.F. (Contatos N.F. MPCE
entre 18 e 19) entre 21 e 22)
ou ou Reinício Manual
K3 K5
Interno a
+24V
Para o fio vermelho +24V Para o fio vermelho Cortina de Luz
(Jumper solicitado em (Jumper solicitado em
metros não utilizado) metros não utilizado) do Receptor Safe/ do Receptor Safe/ Relé Automático
GuardShield GuardShield (Jumpers 21 e 22)
Dispositivos de
Supressão de Arco
100 Ω, 2,2 µF) K4
LC1 LC2 K6
N

2-57
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Relé de Segurança
Especificações (continuação)
mín. tipo máx.
Monitoração do Contator
Monitoração do Contator T 21,T 22 Contatos N.F. em série
Tempo de Interrupção do Contator Sem restrições
Permitido
Tempo de Resposta do Contator 200 ms
Permitido
Sinal do Sensor T 3,T 4 Dois canais
Resistência da Entrada (ativa) 606 Ω 674 Ω 742 Ω
Sinal Ativo em 17,6 V U V
Sinal BAIXO em 0V 2,4 V
Descrição Período de Tolerância entre T3 e T4 15 ms
O relé de segurança 440L-M8200 GuardMaster da Allen-Bradley é Saídas
especificamente projetado para fazer a interface com as cortinas de Tempo de Resposta 15 ms ➋
luz de segurança. Ele tem duas saídas de segurança normalmente
Corrente de Comutação <0,1 mA 4A
abertas (controle confiável) e uma saída auxiliar normalmente ➌
fechada. O 440L-M8200 requer 24 Vcc e tem conexões
Tensão de Comutação CA/CC 240 Vca/
convenientes para o transmissor e o receptor.
60 Vcc
Comutação CA/CC 1200 VA/
Características
50 W
• Reset manual ou automático
Expectativa de Vida Mecânica 10 7
• Monitoração MPCE
(ações de chave)
• Montado em trilho DIN
• Indicação de LED das saídas energizadas Expectativa de Vida Elétrica 10 9
(ações de chave)
• 2 saídas de segurança N.A.
• 1 saída auxiliar N.F. Atraso na Energização 40 ms
• Régua de terminais removível para fácil substituição (contatos NA)
Atraso na Energização 15 ms
Especificações técnicas (contatos NF)
Fonte de Alimentação UV
mín. tipo máx.
Conexão Régua de terminais encaixável
Normas EN 50100
Corte Transversal do Cabo 2,5 mm2
Aprovações Marcado CE e BG para todas as
diretrizes aplicáveis e cULus Capacidade de Carga dos Terminais 2,5 A
(C 1 ...4,D 1 ...4)
Classe de Proteção I
Dados de Operação
Proteção do Invólucro IP 20 (gabinete com chave, trilho
padrão) Categoria de Segurança Tipo 4
Testado para pr EN 50100 Parte 1 e 2
Tensão de Alimentação U V 19,2 V 24 V 28,8 V
Temperatura Ambiente em 0 °C +55 °C
Ripple Residual ➊ 5V SS
Operação
Consumo de Alimentação (sem 0,3 A
Temperatura de Armazenamento –25 °C +75 °C
carga) (6 W)
Umidade Relativa 15 % 95 %
Unidade de Comando de Entradas Tecla de início
(sem condensação)
T 13,T 14 Contato N.A.
Especificação de Vibração 5 G,10 a 55 Hz de acordo com
Unidade de Comando Ativada 30 ms IEC 68-2-29
Período Resistência a Choques 10 G, 16 ms de acordo com IEC
68-2-29
Dimensões Aproximadas (L x A x P) 152 x 73 x 118 mm3
➊ Os limites máximos de tensão não devem ser excedidos e os níveis mínimos
devem ser alcançados.
➋ O tempo de resposta sem atenuação dos elementos de comutação (relés),
p. ex.: por meio de supressores de interferência.
➌ O contato revestido de ouro é danificado quando corrente >100 mA é comu-
tada. A corrente mínima comutada torna-se 10 mA.

2-58
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Relé de Segurança
Seleção do Produto
Obstrução Obstrução Função Código de
Tensão Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Saídas a Relé Catálogo

2 N.A. Segurança
Manual/
24 Vcc SEM SEM SEM SEM 1 N.F. Contato 440L-M8200
Automático
4 Amp

Dimensões Aproximadas — mm (pol.)


As dimensões aproximadas não devem ser usadas para instalação.
152 118
(5,98) (4,65)

70
(2,76)
35 (1,38)

Diagramas de Fiação Típicos


Comando Sem
Unidade de início/ do Contator
“Reset” reinício de contatores Sem N.A.
Intertravamento contator entrada N.F.
24 Vcc 0 V
monitoração N.A. contato
1)
entrada entrada
2)
ou ou 2)

A 1+ A 2- PE T0 PE T 13 T 14 X 11 X 12 T21 T 22 X 21 X 22 1.3 2.3 3.1

24 Vcc 0 V 0V N.A. N.A. N.F.


Auto Contatos Desenergização
Entrada da Alimentação Energização
Reset Monitor Externo
Contatores Saídas
Desenergização
Emissor Receptor

24 Vcc 0 V 24 Vcc 0 V 24 Vcc 0 V 24 Vcc 0 V

C1 D1 PE C2 D2 PE T3 T4 C3 D3 PE C4 D4 1.4 2.4 3.2

N.F.
N.A. contato
saída entrada
24 Vcc 0 V 24 Vcc 0 V OSSD OSSD N.A.
1 2
saída
AOPD tipo 4 AOPD tipo 4
1) Equalização do potencial, se o pacote de energização -0 V
Emissor Receptor
não conectado ao (VDE 0160)
2) Jumper do fio

Os jumpers X11/X12 para (desabilitação de) inibição de reinício e X21 /X22 para
(desabilitação de) monitoração do contator não deve ser roteada externamente (somente em
cabos isolados laminados de plástico).

2-59
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Unidade de Controle
Possibilidades de Aplicação e Condições
Áreas de Aplicação
O 440L-M8100 com um AOPD é usado como uma unidade de
controle em aplicações de proteção para proteção de pontos de
operação, áreas classificadas e sistemas de entrada/saída. Além disso,
ele assume a responsabilidade de funções de controle como muting
de sistemas de paletes de entrada/saída ou interrupções da prensa,
assim como obstrução e outras funções de controle de prensa
(p. ex.: operação de interrupção).

As áreas típicas de aplicação são:

• Prensas dos setores que lidam com metal, plásticos, couro e


pedras (funções: proteção, operação de interrupção, obstrução
etc.)
Descrição
• Interrupções da Prensa (funções: proteção, obstrução, muting
A Unidade de Controle da Cortina de Luz de Interface de Segurança
antes do centro de limite inferior etc.)
Programável 440L-M8100 é uma unidade de controle para
• Paletizadores ou aplicações de entrada/saída (funções: proteção,
dispositivos opto-eletrônicos (AOPD) ativos e é projetada como um
muting etc.)
dispositivo de auto-monitoração em conformidade com EN 50100.
Regulamentações para o Uso
Esta unidade é destinada a aplicações industriais e diferencia-se por:
O 440L-M8100 é projetado para ser instalado em painéis de controle
• Alta disponibilidade da máquina (IP 20). Caso seja usado fora do painel de controle,
• Sem desgaste de peças deve-se usar um invólucro adequado montado em trilho DIN, p. ex.:
• Construção compacta gabinetes elétricos (IP 54).
• Aplicabilidade universal
As mesmas regulamentações valem para aplicações feitas em salas
Observação: Este produto só deve ser usado com as cortinas de luz abertas (temperatura ambiente 0 °C – 50 °C (32 °F – 122 °F)).
de segurança POC. Ele não pode ser utilizado com
dispositivos SafeShield, PAC ou AAC.
As operações como programação e conexão da unidade, ou seja,
todas as atividades no 440L-M8100 que possam afetar a
Características
operação segura da unidade, devem ser executadas por pessoal
• Operação livre de desgaste
qualificado.
• Segura, saídas de semicondutores protegidas contra curto-circuito
• Monitoração de linha das saídas
• Tecnologia de microprocessador de modem Estrutura do Sistema
• Tempo de resposta curto Características Gerais do Sistema
• Display LCD para indicação de função de programação e O 440L-M8100 tem um invólucro padrão com duas réguas de
mensagens de diagnóstico terminais encaixáveis de 33 pinos. Um display LCD de duas linhas e
• Conexão de dois pares de sensores AOPD tipo 4 ou até quatro um conjunto de teclas de controle estão incorporados ao painel
pares de sensores AOPD tipo 2 (também operação combinada) frontal para operação e programação. Três LEDs indicadores
• Teste automático de sensores AOPD tipo 2 integrados exibem as condições de saída do 440L-M8100:
• Combinações de funções definidas programáveis pelo usuário
• Funções padrão pré-programadas: Somente proteção, LED verde aceso saídas ativas
interrupção única, interrupção dupla LED vermelho aceso saídas inativas
• Programação de senha
• A monitoração do contator e o intertravamento de reinício LED amarelo aceso mal funcionamento
podem ser selecionados
• Obstrução fixa/flutuante para AOPD tipo 4 (Cortina de Luz de O LED amarelo indica o mal funcionamento operacional do sistema
Segurança SafeShield) ou de um equipamento periférico.
• Função muting com conexão para 4 sensores muting
• Saídas para indicadores de funções especiais
• Interface de dados RS 485 para diagnósticos e controles de
sensores
• Conexão para chave seletora de modo de operação
• Interrupção da operação com até 8 interrupções

2-60
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Unidade de Controle
Conexão e Operação dos Elementos 1 par de 1 par de
O display LCD contém duas linhas que comportam a exibição de sensores sensores
1 par de tipo 4 tipo 4 tipo 4
20 caracteres. Além dos menus de programação, todos os estados de
sensores ou ou
operação do sistema são exibidos. Caso ocorra mal funcionamento ou 2 pares de 2 pares de
da operação ou de equipamentos periféricos, são exibidas mensagens 2 pares de tipo 2 sensores sensores
sensor tipo 2 tipo 2
de diagnóstico adequadas.

O teclado de controle é usado juntamente com o display LCD para


programação e diagnósticos no 440L-M8100. Os detalhes sobre a
programação podem ser encontrados nas instruções de operação.

Devido aos terminais de conexão de encaixe, a fiação pode ser


preparada sem o 440L-M8100, de forma que a habilitação de
E1 E2 E1 E2
qualquer troca seja executada o mais rápido possível sem a
necessidade de refazer a fiação dos condutores de conexão. 440L-M8100 440L-M8100

Função e Operação
Princípio de Operação
O 440L-M8100 assume a responsabilidade das funções de controle
como um link de operação entre o sistema de controle da máquina e
a função de controle a partir do AOPD, além de comutar os
elementos de controle (contatores) do sistema de controle da
máquina através de saídas de semicondutores de canal duplo.

Os sinais que chegam do 440L-M8100 e os equipamentos


periféricos são eletronicamente processados pelos componentes
eletrônicos do microprocessador de canal duplo. Os sensores tipo 2
(testáveis) e/ou os de Tipo 4 (auto-monitoração) podem ser E1 E2 E1 E2
operados com o 440L-M8100. O sistema de controle interno pode 440L-M8100 A 440L-M8100
diferenciar as várias categorias. Os sensores Tipo 2 são testados
cíclica e automaticamente pelo 440L-M8100 a cada 60 minutos.
Vários tipos de conexões para o 440L-M8100
O 440L-M8100 é projetado para a conexão de dois pares de sensores
AOPD tipo 4 ou até quatro pares de sensores AOPD tipo 2. (1 par
= 1 emissor e 1 receptor.) As operações “combinadas” de sensores
AOPDs tipo 2 e 4 também podem ser configuradas.

Os sensores tipo 2 sempre são usados em pares, ou seja, 2 pares de


tipo 2 ou 4 pares de tipo 2 são utilizados. O teste automático de
sensores de tipo 2 aumenta o nível de proteção de todo o sistema de
proteção (nenhuma medida externa é necessária).

Ao invés de um segundo sensor AOPD tipo 4, um 440L-M8100


(tipo 4) extra pode ser conectado para que os 440L-M8100s sejam
ligados em série.

2-61
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Unidade de Controle
Externa Modos de Operação
Seleção de Modo
Configuração dos Modos de Operação
Todos os modos de operação configurados no 440L-M8100 podem
ser chamados utilizando-se uma chave BCD correspondente. Uma
conexão em bridge ou a seleção direta por meio do programa “run
modes” é possível para um modo de operação fixo. Os modos de
operação padrão, como somente proteção, interrupção simples,
interrupção dupla já estão pré-programados, ou seja, a interface
pode ser operada sem a programação do usuário.
Entrada 1 2 3
0 0 0 modo do teclado
Além disso, as 3 posições da chave seletora de modo podem ser
destinadas aos programas de aplicações definidos pelo usuário.
(programação)

Intertrava de Reinício/Luzes Indicadoras


0 0 1 operação de somente
proteção A função “com/sem intertrava de reinício” pode ser diretamente
0 1 0 interrupção simples configurada nos terminais 52, 53 e 54. Isto pode ser feito por meio
1 0 0 interrupção dupla
da utilização de jumpers ou contatos externos de comutação que
torna possível o chaveamento da intertrava de reinício (RI) sem
1 1 0 programa do usuário 1
programação, p. ex. em prensas:
1 0 1 programa do usuário 2
0 1 1 programa do usuário 3 • No movimento descendente perigoso com RI
(1 1 1 não utilizado) • No movimento ascendente não perigoso sem RI
entrada não conectada com ↓
0 Para conexão direta com as luzes indicadoras, que mostram as
aberto
1 entrada conectada com ↓ seguintes saídas 24 Vcc de funções, estão disponíveis nos terminais
Terminais de conexão para chave seletora de modo de operação com 57 e 64:
atribuição
“Botão de reset solicitado”

Operação de somente proteção *) “Função Muting”


Interrupção simples *)
Obstrução/Resolução Reduzida” e “Impurezas incorporadas”
Interrupção dupla *)
(AOPD)
Múltiplas interrupções
*)
(3 a 8 interrupções) Corrente máx. de saída 0,4 A cada (corrente mínima de 0,02 A para
Obstrução *) “muting” e “obstrução”).
Função Muting *)
Resolução Reduzida *) Instalação
Seqüência de início para operação de Montagem Mecânica, Condições Ambientais
*)
interrupção O 440L-M8100 é montado em um trilho DIN ou, se necessário, em
Teste do sensor com/sem um invólucro externo adequado (montagem por encaixe). A faixa de
*)
temperatura ambiente permitida é de 0 °C – 50 °C (32 °F – 122 °F)
Reinício do êmbolo único
(IP 54).
Monitoração do Contator com/sem
Botão de Reset: travado/destravado Instalação Elétrica
*) Pode ser programado ou combinado em programas de usuários O 440L-M8100 opera com 24 Vcc ± 20 % e tem um consumo de
1, 2 e 3 corrente de 0,5 A (sem carga). A conexão é livre de potencial através
Modos de operação que podem ser programados através do de duas réguas de terminais de encaixe com 33 pinos. Isto permite
menu do 440L-M8100 que a fiação seja feita antes que o 440L-M8100 seja instalado. Os
terminais são projetados com um corte transversal máximo do fio
de:

1 x 2,5 mm2 com revestimento, ou


1 x 4 mm2 sólido.

2-62
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Unidade de Controle
A extensão da fiação depende da aplicação em particular. Muting de Obstrução/Resolução Reduzida com Indicadores Externos
Se a “Obstrução/Resolução Reduzida é usada, os indicadores
A1 e A2 B1 e B2 correspondentes devem estar conectados. Estes indicadores
Função Muting – (aberto) relacionados à segurança são monitorados por meio do 440L-M8100
Função Muting Função Muting (corrente de saída 0,02 a 0,4 A).
Função Muting reinício de um êmbolo
“reinício travado” Os indicadores “Reinício Necessário” e “Sinal Fraco” (corrente de
Função Muting reinício de um êmbolo saída 0 a 0,4 A) são opcionais. Caso use estas saídas do indicador
“reinício destravado” NPN em um CLP, um resistor (ou seja, 1 kΩ/1 W) tem que ser
- reinício de um êmbolo
conectado entre os terminais 57 e 58 e/ou 63/64 para equalização
“reinício travado”
do potencial. O sinal de saída é fornecido no terminal 58 e/ou 64
- reinício de um êmbolo
“reinício destravado” (função NPN). O potencial 0 V das duas fontes de alimentação
440L-M8100 e do CLP deve estar conectado.
As funções dependem das configurações do programa.

Sensores – Tipo 2
Ao usar sensores tipo 2, os dois pares devem estar conectados a cada
circuito de entrada do 440L-M8100. Eles são testados
automaticamente. O teste exige que o sensor (terminais 14/16/26/
28) possa ser selecionado por simples conexão aos terminais
adjacentes (terminais 15/17/27/29) (teste com potencial 0 V ou
mais potencial).

As saídas de chaveamento de canal simples dos receptores tipo 2


estão conectadas aos terminais 9 e 10 (pares 1 e 2) e/ou aos
terminais 21 e 22 (pares 3 e 4).

2-63
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Unidade de Controle
Modos de Obstrução do 440L-M8100 Especificações técnicas
1. Obstrução Flutuante Ripple da Fonte 24 Vcc 20 %
A. Sistema de 14 mm: Mín. = Espaço – 0,2” – 0,9” Resolução de Alimentação máx. 5 VSS
Máx. = Espaço – 4,7” – 5,3” Resolução Consumo de Corrente aprox. 12 W (sem carga)
Estes são em incrementos de 0,3” Entradas Para os 2 ESPD tipo 4, os 4 ESPD tipo 2
Modos de Execução fixos/programáveis, chamados por meio
B. Sistema de 30 mm: Mín. = Espaço – 0 5” – 1,7” Resolução Interface de Dados do seletor ou configuração fixa do RS
Máx. = Espaço – 9,4” – 10,6” Resolução 485 para diagnósticos e controle de
Estes são em incrementos de 0,6” falha do sensor ESPD, são necessários
pares trançados para cabos >10 m
OBS. Você não pode usar a obstrução flutuante com o modo PSDI
(ex.: modo de interrupção única). Correntes de Entrada Monitoração do Contator 100 mA
dinâmica para T < 1 ms, 10 mA estática.
2. Resolução Reduzida Entradas de Testes: 100 mA dinâmica
A. Somente Sistema 14 mm para T < 1 ms, 10 mA estática.
Mín. = Espaço de 0,2” – RESOLUÇÃO de 0,9” Saídas
Máx. = Espaço do 1,1” – RESOLUÇÃO de 1,8” Chaveamento da Saída 2 x PNP, 0,5 A, proteção contra
Testes são INCREMENTOS de 0,3” sobrecarga
3. Obstrução Fixa Tempo de Resposta 5 ms

A. 14 mm e 30 mm: pode bloquear todos os feixes, Driver Circular Para dispositivos de comando e funções
exceto o feixe nº 1 especiais, máx. 0,4 A por saída
Diagnósticos Através do display para interface RS 485
OBS. Você pode bloquear mais de uma área.
Requisitos De acordo com EN 50100 tipo 4
Grau de Proteção do IP 20
ATENÇÃO: A distância de segurança Invólucro
deve ser recalculada e as cortinas de luz Terminais de Conexão Tipo encaixe
devem ser montadas quando a obstrução
flutuante, resolução reduzida ou obstrução Corte Transversal do fio, 2,5 mm2 com luva longitudinal / 4 mm2
fixa estiverem ativadas. máx. sólido
Temperatura Ambiente em 0 a 50 °C
Operação
Temperatura de –25 °C a +70 °C
Armazenamento
Invólucro Invólucro padrão para trilho top-hat
(montagem de encaixe)
LxAxP 200 x 123 x 118 mm3
Tipo de Encaixe Trilho top-hat 35 x 15 mm2
Interface Programável  Opcional

Tensão
de Obstrução Obstrução Função Código de
Entrada Reset Flutuante Fixa PSDI Muting Saídas Catálogo

Manual/
24 Vcc Sim Sim Sim Sim 2 PNP OSSD 440L-M8100
Automático

2-64
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Interfaces da Cortina de Luz de Segurança
Unidade de Controle
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões não devem ser usadas para instalação.
200 (7,87) 4,5 118 (4,65)
(0,18)

123
(4,84)

34,5
(l,36)

Diagrama Típico de Fiação


Circuito de Parada de Segurança
Fonte de alimentação
24 Vcc ±20 %

Receptor AOPD Emissor AOPD K1 K2

24 V máx 0,5 A

24 V máx 0,5 A
K1 K2
Sem conexão
Sem conexão
Amarelo

Marrom

Marrom
Branco

Branco
Verde

Verde
Cinza
Preto

Preto
Azul

Azul

PE PE Saídas PE PE Saídas PE
1 2 1 2
Entrada Alim. Comunicação Alim. Teste 1 Teste 2 Alim. Alim. Teste 3Teste 4 1 2
24 Vcc Receptor 1 Emissor 1 Receptor 2 Emissor 2 Canais de Saída

Entradas Auxiliares Indicadores Status da


Saída
Contato Monitor Chave Reinício Resolução 1 ou 2
do de Teste do Selecionar Modo de de NecessárioMuting Redu- Sinal do
A1 A2 B1 B2 Ciclo Relé Sistema Modo Externo Reinício Reinício Ativo zida
Fraco Receptor
Ext. Int.

K1 K2
Ext = Reset Automático
1 definido pelo usuário,
Instalação para o modo
(ou contato N.F.)

deixe aberto para o

Int = Reset Manual


Monitor de Relé

modo do teclado.
Muting das chaves

Reinício

Lâmpada de Obstrução
(24 Vcc, 0,02 a 0,4 A)

(24 Vcc, 0,02 a 0,4 A)


Lâmpada de Reinício
(24 Vcc, 0,4 A máx.)
Lâmpada de Muting
ou sensores

(necessário)

(necessário)
(opcional)

2-65
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Scanner de Segurança a Laser
Características Gerais
Princípios de Operação A configuração dos Campos de Alerta e Segurança do SafeZone é
feita através do software SCD (Safety Configuration and Diagnostic)
Faixa de medidas baseado em Windows da Allen-Bradley. As zonas de Alerta e
Segurança são facilmente configuradas por meio do mouse dos PCs.
Campo de alerta (exemplo) Basta clicar e arrastar os pontos pelo perímetro da zona específica
para formar o contorno do perímetro.
Campo de proteção
máximo
Áreas de Proteção
O SafeZone é adequado para aplicações de proteção da equipe em:
Campo de proteção (exemplo)
• Maquinário fixo
6m • Células de montagem de robôs
• Zonas classificadas — atraso de movimento
7,5 m
• Veículos de transporte

Aplicação Fixa
60 °

Área de teste
(alvo de referência)

O scanner de segurança a laser SafeZone foi projetado para uso


industrial. Sua função é detectar o acesso de pessoas a áreas
classificadas e parar o movimento de risco de uma máquina nesta
área. Um sinal é disparado assim que uma pessoa ou objeto entra na
área monitorada:

• Se uma pessoa ou objeto estiver presente dentro do campo de


alerta, o scanner de segurança a laser SafeZone comuta um
contato a relé na saída correspondente ao sinal. Este sinal pode
ser usado para alertas sonoros ou ópticos. Os alertas têm como
objetivo indicar que se deve sair da área classificada antes que o
campo de proteção seja ativado e os OSSDs do scanner a laser de O versátil software do scanner de segurança a laser SafeZone
segurança SafeZone emitem um sinal de parada que inicia uma permite a configuração de zonas de alerta e segurança com
parada da máquina. contornos irregulares.
• Se uma pessoa ou objeto estiver no campo de proteção, o
scanner de segurança a laser comuta dois contatos a relé
independentes. Este sinal deve levar ao desligamento imediato do
movimento de risco da máquina.

2-66
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Scanner de Segurança a Laser
Características Gerais
AGVs – Veículos Automáticos

O scanner a laser de segurança SafeZone é projetado para detectar O SafeZone pode ser configurado com um campo de alerta externo
objetos fixos (paredes, colunas, etc.), assim como objetos móveis e um campo de segurança interno. O campo de alerta externo tem
(pessoas, AGVs, etc.). Normalmente, o SafeZone é montado na uma saída a relé não protegida separada que pode ser conectada a
parte frontal do veículo – em cada direção do percurso. Um objeto um alarme, indicando quando o campo de alerta foi interrompido.
com resolução suficiente é detectado. A entrada no campo de segurança faz com que as saídas a relé de
segurança dupla do SafeZone alterem o estado e parem o
movimento do veículo.

É necessário que o SafeZone seja adequadamente montado e, em


seguida, determine o tamanho do campo de segurança com base em
uma fórmula de distância de segurança. Estas Informações estão
detalhadas no manual SafeZone Installation Instruction.

2-67
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Scanner de Segurança a Laser
SafeZone
Especificações técnicas
Normas IEC61496
Categoria de Segurança Tipo 3 ESPE de acordo com
EN 61496-1
Aprovações Marcado CE para todas as diretrizes
aplicáveis e cULus
Classe de Proteção do Laser IEC 60825 Laser Classe 1 (seguro aos
olhos)
Faixa de Medida e Tolerância 0 a 7,5 m (0 a 24,6 pés)
Faixa para Detecção Segura 0 a 6 m (0 a 19,6 pés)
de Objetos no “Ramo (inclui suplemento de segurança)
Nominal”
Tempo de Resposta do 280 ms
Campo de Proteção
Descrição Ângulo Máximo 300°
O Scanner de Segurança a Laser SafeZone é um dispositivo Comprimento de Onda 905 Nm
optoeletrônico que usa a reflexão difusa da luz infravermelha
Freqüência de Pulso 5,76 KHz + 5 %
emitida para determinar a intrusão de uma pessoa ou objeto dentro
Freqüência de Escaneamento 8 Hz + 5 %
de uma área definida. Uma unidade rotatória deflectiva emite,
periodicamente, pulsos de luz infravermelha de Classe 1 em uma Ângulo de Escaneamento 300°
faixa de ângulo de 300° para criar uma zona de detecção bi- Resolução 70 mm (2,8 pol.) a 6 mm (19,6 pol.)
dimensional. A luz refletida é processada pelo SafeZone que enviará Resolução do Ponto 0,5°
um sinal de parada por meio do chaveamento de suas saídas a relé de Vibração de acordo com IEC 2-6, faixa de
segurança, se ela determinar que uma pessoa ou objeto estiver freqüência
dentro da zona de detecção predefinida. 10-55 Hz, amplitude: 0,35 mm
Choque de acordo com IEC 2-29, aceleração de
As duas zonas podem ser criadas dentro de uma faixa máxima de 10 G, duração de pulso: 16 ms
escaneamento do SafeZone por meio do software baseado em Ópticos (Ópticos do Transmissor e do Receptor Coaxial)
Windows do SafeZone. O “Safety Zone” pode ser configurado com Divergência do Feixe de 15 mrad (0,86 °)
um raio de 6 m (19,7 pés) e a “Zona de Alerta” com um raio de até Laser
7,5 m (24,6 pés). Comprimento do Foco 30 mm (1,18 pol.)
Diâmetro das Lentes 30 mm (1,18 pol.)
O SafeZone pode ser usado em aplicações fixas para detecção
Fonte de Alimentação
horizontal em uma zona de proteção definida, em aplicações
verticais para detecção do acesso do corpo inteiro e em aplicações de Tensão em Operação 24 Vcc ± 25 % (através de um
proteção móveis — AGVs. transformador de isolação de segurança
de acordo com IEC 742)
O valor máximo do tempo de parada da máquina mais o tempo de Corrente de Comutação 2 A durante 100 ms
resposta do SafeZone deve ser calculado de forma que ninguém Consumo de Alimentação 24 W total
possa acessar o ponto de perigo antes que o movimento de risco Resistência Ambiental e Invólucro
tenha parado. Material Alumínio
Grau de Proteção do IP 65
Características Invólucro
• Ângulo de escaneamento 300° Peso 3,0 kg
• Duas zonas programáveis (Segurança/Alerta) Temperatura de Operação 0 °C a 50 °C (32 °F a 122 °F)
• Saídas a relé de segurança Temperatura de –20 °C a 70 °C (–4 °F a 158 °F)
• Invólucro IP65 robusto Armazenamento
Interfaces
Interfaces de Dados com o RS 232: 9600 baud, dados de 8 bits,
Computador 1 bit de parada, sem paridade
Saídas de Sinal para Campo Saídas a relé livres de potencial,
de Alerta, OSSD 1, OSSD 2 máx. 2 A, máx. 30 V, carga totalmente
resistiva, número de operações;
2 milhões

2-68
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Scanner de Segurança a Laser
SafeZone
Seleção do Produto
1. Scanner de Segurança a Laser
Código de Catálogo Descrição
442L-SSFZN Scanner de Segurança a Laser SafeZone, 24 Vcc

2. Conjuntos de Cabos
Código de
Catálogo Descrição Código de Catálogo Descrição

Cabo de
Comunicação para
Alimentação e Saídas
442L-SCPWR 442L-SCCFG Configuração das
5 m (16,3 pés)
Zonas
Vista da Lateral Soldada do 5 m (16,3 pés) Vista da Lateral Soldada do
Soquete de 8 pinos — Cabo de Configuração do
Conecta-se ao SafeZone. Soquete de 14 pinos —
Condutores Individuais na Conecta-se ao SafeZone.
Extremidade Oposta Pré- Conector Sub-D de 9 Pinos da
descascados Extremidade Oposta
Nº do Identi- Nº do
Pino Sinal Explicação ficação Cor Pino Sinal Explicação Direção Nível
1 24 V Fonte 24 Vcc + Marrom A GND Aterramento, RS 232 --- ---
GND24 Aterramento Azul RTS RS 232: Pronto para Saída 24 V
2 – C
enviar
OSSD 2.1 Contato a relé para Branco CTS RS 232: Remover Entrada 24 V
3 campo de proteção S2 E para enviar
2.1
OSSD 2.2 Contato a relé para Cinza TxD RS 232: Transmitir Saída 24 V
4 campo de proteção S2 G dados
2.2
OSSD 1.1 Contato a relé para Preto RxD RS 232: Receber Entrada 24 V
5 campo de proteção S1 J dados
1.1
OSSD 1.2 Contato a relé para Verde --- Sem conexão --- ---
6 campo de proteção S1 L
1.2
Campo de Contato a relé para Vermelho RES Reset (BAIXO ativo) Entrada 24 V
7 A M
alerta 1.1 campo de alerta 1.1
Campo de Contato a relé para Rosa Sem conexão --- ---
8 A N até U
alerta 1.2 campo de alerta 1.2
FE Aterramento Preto
Funcional FE Grosso
(Blindagem)
OBS. O Scanner de Segurança a Laser SafeZone é um dispositivo Tipo 3 com duas saídas a relé N.A. Para atingir um sistema de Categoria 3, o
SafeZone deve estar conectado a um módulo a relé de segurança que monitore os FSDs.

2-69
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Scanner de Segurança a Laser
SafeZone
Seleção do Produto (continuação)
3. Relés de Segurança -- Opcional
Saídas de Saídas Fonte de Código de
Relé Entrada Segurança Auxiliares alimentação Tipo Reset Catálogo
24 Vca/cc 440R-N23114
Canal Duplo
115 Vca Automático/Manual 440R-N23113
(MSR126.1T)
230 Vca 440R-N23112
2 N.A. Nenhum —
24 Vca/cc 440R-N23120
Canal Duplo Monitoração
115 Vca 440R-N23119
(MSR126.1R) Manual
MSR 126 230 Vca 440R-N23118
MSR127TP Automático/Manual 440R-N23132
24 Vca/cc
1 N.F., MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23135
2 N.F ou MSR127TP Automático/Manual 440R-N23131
Cortina de Luz 3 N.A. 1 N.F. 115 Vca
ou Scanner a MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23134
Laser MSR127TP Automático/Manual 440R-N23130
230 Vca
MSR 127RP MSR127RP Manual Monitorado 440R-N23133

1 N.F. ou 2 N.F. 24 Vca/cc 440R-C23139


ou
Monitorado Manual
Tapete de 2 N.F.
ou
Segurança ou 3 N.A. 2 PNP de 115 Vca — 440R-C23137
Automático/
Cortina de Luz Estado Sólido
Manual
ou Scanner a
Laser 230 Vca 440R-C23136
MSR 131RTP

4. Acessórios  Opcional
Produtos Código de Catálogo

Fonte de alimentação:
Entrada  85 a 265 Vca 1794-PS3
Saída  24 Vcc, 3 Amps

5. Diagramas de Fiação Típicos


Conexão das Saídas do SafeZone a um Módulo a Relé de Segurança OSSDs do SafeZone diretamente aos FSDs (contatores)
— Sistema de Categoria 1
24 Vcc
OSSD 1.1 Reset
OSSD 2.1
OSSD 2.1 L1 L2 L3

OSSD 2.2
A1 Entradas MC 13 23
Scanner de
Segurança a Relé de K1
Laser Monitoração OSSD 1.1
de Segurança *
SafeZone K2 *

A2 Entradas MC 14 24 OSSD 1.2


Diodo de supressão K1 K2 Diodo de supressão
OSSD 2.2 M
K1 K2 Os relés K1 e K2 devem ter contatos
OSSD 1.2 GND positivamente orientados
0V
* Bl d d f

2-70
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Scanner de Segurança a Laser
SafeZone
Seleção do Produto
5. Diagramas Típicos de Fiação (continuação)
Saída do Campo de Alerta SafeZone
30 V máx L

Campo de alerta 1

Campo de
alerta 2

0V N

Dimensões — mm (pol.)
56,5 (2,22)
176 (6,9)

178
(7,0) Etiqueta da
137,5 158 Placa de
(5,41) (6,22) Identificação
15 Lâmpa-
(0,59) das
Sinal 24 de
19 Vcc 15,5 Alerta
Interface Fusível
3,15 AT
Indica-
(0,74) (0,61) Segurança Diagnósticos
ção

11 (0,43)
Pino I4 do Plug Macho 4 mm de 10 (0,39) verde vermelho amarelo amarelo
Plugue de 8 Pinos Aterramento de
Macho Chassi do Soquete Furos de Cobertura de
Hexagonal X Montagem Proteção 115 (4,52)

Cobertura de 1 mm2 a 2,5 mm2 Conector Fêmea do Cabo


Proteção de 8 Pinos
raio de curvatura mín. 90 (3,54)
~ 60 (2,36)
Raio de curvatura mín. 120 (4,72)

Conector Fêmea do
Cabo de 14 Pinos
Distância Mín.
175 (6,88)

176 (6,9)
115 (4,52)

Parafuso Rosqueado M4 x 10
4 furos
86
(3,38)

Superfície de Montagem
144 (5,66)

2-71
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Características Gerais
Características
• Certificação tipo EC
• Certificação de terceiros para EN 1760-1, EN954-1 (ISO 13849-
1) categoria 3 e IEC/EN 60204-1, AS 4024.5, ANSI B11.19,
ANSI RIA R15.06
• Sensibilidade geral incluindo tiras de junção
• Unidades de controle monitoram os status de cada tapete
individualmente
• Sistema de completamente seguro com unidade de controle
monitorada de forma cruzada
• Construção resistente para suportar a pressão de 4500 psi
• Construção de vinil resistente a maior parte dos tipos de óleo
• Lacrado de acordo com IP67
• Tapetes com garantia de 5 anos
Descrição
O MatGuard consiste de um número de interconexões de tapetes de Resistência a Produtos Químicos da Cobertura de
segurança sensíveis à pressão e uma unidade de controle de Vinil do Tapete do Sensor
monitoração que formam um sistema para a detecção da área. Resistência da Cobertura do
O tapete foi projetado desde o início para atender às condições Substância Tapete
adversas encontradas no chão-de-fábrica e utiliza componentes e Água Excelente
técnicas confiáveis e testadas.
Álcool Etílico Excelente
Os tapetes estão disponíveis em uma ampla faixa de tamanhos Cloreto de Sódio Excelente
padrão para atender a muitos requisitos. Os tamanhos e formas Alvejante Excelente
especiais podem ser fornecidos. Cada tapete tem duas placas Ácido Clorídrico Aceitável a Excelente
condutivas que são mantidas separadas por separadores prensáveis Ácido Sulfúrico Aceitável a Excelente
não condutivos. Cada tapete com 4 fios, que opera a apenas 24 Vcc é
Ácido Nítrico Aceitável a Excelente
pré-fiado e conectado em série com outros tapetes, formando um
sistema completo de segurança no nível do piso para áreas Ácido Acético Regular
classificadas. O circuito através do tapete é monitorado pela Unidade Petróleo (Gasolina) Regular
de Controle MatGuard que fornece um sinal ao circuito de controle Tricloretileno Aceitável a Fraco
da máquina quando a área está livre. Benzeno Baixa
Acetona Baixa
Quando um tapete é acionado (alguém pisa), as placas condutoras se
tocam e a resistência no circuito cai para zero. Isto é monitorado
De modo geral, a cobertura tem excelente resistência a ácidos, álcali
pela Unidade de Controle que desliga a máquina. O processo de
e sais. Ácidos fortes e álcalis, assim como ácidos concentrados e
construção único garante a durabilidade e confiabilidade do tapete.
orgânicos, têm efeitos nocivos caso a exposição ocorrer por um
Por ser totalmente lacrado (IP67), não há problemas com água,
longo período. A cobertura tem resistência aceitável a solventes
outros líquidos e fluidos refrigerantes presentes. Devido ao vinil alifáticos, de aceitável a pouca resistência a solventes aromáticos e
resistente, ele resistirá a alvejantes, ácidos, sais e até aos mais clorado e pouca resistência a cetonas e a maior parte de ésteres.
agressivos produtos químicos industriais.
OBS. As combinações de produtos químicos podem ter efeitos
Uma variedade de unidades de controle está disponível, incluindo o imprevisíveis. Recomenda-se testar a resistência em tais casos.
Mat Manager que monitora o status de cada tapete ou área de tapetes Pequenos pedaços de materiais de vinil estão disponíveis caso o
individualmente. Isto permite a rápida detecção/reparação de falhas teste seja necessário.
e identificação da área ativada.

Tipos de Aplicações

2-72
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Características Gerais
Anatomia de um Sistema de Tapetes
Modelo de estrias diferente em cada lado (conforme ilustração)
O controlador detecta uma presença no tapete, um curto-circuito
ou um circuito aberto. Em uma destas condições, os relés de saída Localização
de segurança desligam (OFF). Quando se realiza a interface do fio
adequadamente, o movimento da máquina ou perigoso receberá um PADRÃO
sinal de parada, e um relé auxiliar de saída liga (ON). 4,5 m

Localização
do fio

Modelo do verificador Modelo com estrias


(lateral 1) (para permitir retas (lateral 2) (para
máxima proteção anti- facilitar a limpeza em
escorregamento) aplicações de
“higiene”)

A moldura de junção ativa


mantém a face de detecção
ativa nas junções do tapete

Vinil Resistente Estriado

Placa Condutiva Superior


Tapete
desativado
Separadores Prensáveis Não Condutivos
Placa Condutiva Inferior

Vinil Resistente Estriado


Quando o tapete estiver
Tapete ativado, os separadores prensáveis Moldura Flexível de Selagem
Ativado não condutivos (mostrado em
vermelho) comprimem seu recuo
permitindo que as duas placas fechem
o contato fornecendo sensibilidade.

As molduras prendem os tapetes ao chão

Moldura inferior do canal do cabo

2-73
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Características Gerais
Normas O sistema do Tapete de Segurança MatGuard também é
O sistema de tapete MatGuard foi projetado de acordo com a mais projetado para atender às normas norte-americanas ANSI/
recente Norma Européia EN 1760-1 “Segurança de máquinas— RIA R15.06-1999 – Requisitos de Segurança para Robôs
Dispositivos sensíveis à pressão; tapetes e pisos.” Industriais e Sistemas Robóticos e ANSI B11.19 – Critérios de
Desempenho para Salvaguarda.
Esta norma contém os requisitos para todos os aspectos do projeto.
Alguns dos pontos mais importantes são os seguintes: (Item 4.2.2) Estas duas normas norte-americanas têm muitos requisitos
Quando uma área de detecção eficiente é construída com mais de semelhantes e fornecem critérios de desempenho para projeto,
um sensor (tapete) não deve haver zona morta. instalação e uso. As citações destas normas incluem:
O padrão fornece detalhes de tamanho, força e posicionamento de
peças de teste para testar a sensibilidade do tapete. Item RIA R15.06

(Item 4.5.1) Um único sensor (tapete) ainda deve desempenhar sua (Item 11.7) Os sistemas de tapete de segurança devem ser
função após um milhão de atuações por uma massa de 75 kg. projetados, construídos e aplicados de forma que a falha de um
(Item 4.7) Quando a força de atuação for aplicada, o(s) único componente não comprometa a ação de parada do robô.
dispositivo(s) de comutação do sinal de saída deverá(ão) alternar do
estado energizado para desenergizado (ON para OFF). Ele deverá (Item 5.3.4) Os tapetes de segurança devem ter uma sensibilidade
permanecer no estado OFF, pelo menos, durante o período em que mínima de objeto para detectar um peso de 30 kg (66 lb.) de um
a força atuante é aplicada. disco com 80 mm (3,125 pol.) de diâmetro em qualquer lugar na
superfície de detecção do tapete; fornecer um meio para manter a
(Item 4.7.1) Dispositivo com reset – b) Após a remoção da força de sensibilidade mínima do objeto na área em que os tapetes são
atuação, a saída do(s) dispositivo(s) de comutação do sinal de saída unidos.
deverá mudar para o estado energizado apenas após a aplicação de
um sinal de reset. Item ANSI B11.19
(Item 4.7.2) Dispositivo sem reset — Para um tapete sensível à
(Item 11.1.1.4) O dispositivo do tapete de segurança deve ter um
pressão, sem reset, o(s) dispositivo(s) de comutação do sinal de saída
tempo de resposta máximo que não seja afetado pelos ajustes de
deverá mudar para o estado energizado na aplicação da alimentação
sensibilidade de objetos ou alterações ambientais.
e após a remoção da força de atuação.
(Item 4.15) Os tapetes sensíveis à pressão devem atender os (Item 11.1.1.5) Quando ocorrer uma falha no sistema, dispositivo,
requisitos da categoria para a qual eles são especificados... módulo ou componente, a função relacionada à segurança deve
OBS. O sistema de tapete MatGuard apresenta um tapete “ativo” e um evitar que se inicie um movimento de risco da máquina; iniciar um
canal duplo monitorando a unidade de controle contra falhas.Isto comando de parada imediatamente e prevenir a reinicialização do
significa que qualquer falha elétrica no tapete, fiação ou unidade movimento de risco da máquina.
de controle será detectada e a unidade de controle passará para
uma condição segura (desenergizada). Item AS 4024.5

(Anexo informativo B.1.1) A superfície superior (do tapete) deverá O sistema do Tapete de Segurança MatGuard é projetado para
ser de material resistente às atividades de operação.....A superfície atender às Normas Australianas AS 4024.5 que são muito
superior não deverá apresentar risco de se tornar escorregadia semelhantes às Normas Européias EN1760-1. As citações destas
devido ao uso ou efeito de líquidos.... normas incluem:
(Anexo informativo B.1.7) Em algumas situações, cargas pesadas (Item 3.2.2) Quando uma área de detecção eficiente é construída
(como empilhadeiras) podem ser aplicadas ao sensor (tapete)..... com mais de um sensor não deve haver zona morta.
Caso seja necessário, o usuário deve identificar a necessidade ao
fabricante do tapete. (Item 3.7) Quando a força de atuação for aplicada, o(s)
OBS. O tapete padrão MatGuard pode ser utilizado com empilhadeiras dispositivo(s) de comutação do sinal de saída deverá(ão) alternar do
com sucesso. O Sistema MatGuard de Tapete deverá ser instalado estado energizado para desenergizado (ON para OFF). Ele deverá
de acordo com os requisitos da EN 999, “O posicionamento de permanecer no estado energizado durante o período em que a força
equipamento de proteção em relação à velocidade de atuante é aplicada.
aproximação de partes do corpo humano.”
(Item 3.8) O sensor deve ser fornecido com um meio de localização
permanente fixa.

(Item 3.10) Deve-se adotar meios na parte superior da superfície do


sensor para minimizar o escorregamento nas condições de operação
previstas.

2-74
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Características Gerais
Detalhes de Aplicação
Cálculos de Distância ANSI/RIA R15.06 Cálculos para a Distância de Segurança EN999
A distância mínima calculada é a distância horizontal mínima da
borda externa da zona sensora do tapete sensor MatGuard até a A distância mínima calculada é a distância horizontal mínima da
parte mais próxima do perigo. A fórmula para os tapetes de segurança borda externa da zona sensora do tapete sensor MatGuard até a
montados no chão é: parte mais próxima do perigo. A fórmula para os tapetes de segurança
montados no chão é:
S = [K x (Ts + Tc + Tr)] + Dpf
S = [1600 x (t1 + t2 )] + (1200 – 0,4H)
• Ds é a distância de segurança mínima.
• K é a velocidade constante mínima baseada somente no • S é a distância de segurança mínima em milímetros no plano
movimento da mão/braço, sendo que o corpo continua parado. horizontal da zona de perigo até a borda de detecção do
K=1600 mm/s (63 pol/s) dispositivo mais distante da zona de perigo.
• Ts é o pior tempo de parada da máquina/equipamento • 1600 é a velocidade constante mínima baseada somente no
• Tc é o pior tempo de parada do sistema de controle movimento da mão/braço, sendo que o corpo continua parado.
• Tr é o tempo de resposta do dispositivo de segurança 1600 mm/s = 63 pol/s
• Dpf é o fator de profundidade da penetração, que é o avanço • t1 é o tempo máximo entre a atuação da função de detecção e os
máximo em direção ao perigo dentro da área do tapete de dispositivos de comutação do sinal de saída no estado desligado
segurança que pode ocorrer antes da sinalização da parada. (OFF).
Dpf=1200 mm (48 pol.) • t2é o tempo máximo de resposta da máquina, ou seja, o tempo
necessário para parar a máquina ou remover os riscos, após o
O tempo de resposta da máquina e do sistema de controle utilizado
recebimento do sinal de saída do equipamento protegido.
no cálculo deve ser o tempo do pior caso. Algumas máquinas têm
• 1200 é o fator de profundidade da penetração, que é o avanço
tempos de resposta inconsistente que dependem do modo de
máximo em direção ao perigo dentro da área do tapete de
operação, natureza da peça de trabalho e ponto no ciclo de operação
segurança que pode ocorrer antes da sinalização da parada.
no qual a parada é iniciada. Deve-se fazer uma provisão para
1200 mm = 48 pol.
desgaste dos freios, temperatura, envelhecimento dos componentes
• H é a distância acima do plano de referência, ex.: piso, em
etc., se isso puder afetar o tempo de resposta. Uma provisão para
milímetros
atrasos adicionais no sistema de controle da máquina pode ser
requerida em alguns casos.
O tempo de resposta da máquina e do sistema de controle usado no
cálculo precisa ser o tempo do pior caso. Algumas máquinas têm
Exemplo de Cálculo
tempos de resposta inconsistentes que dependem do modo de
Neste exemplo, o sistema MatGuard está sendo usado com um operação, natureza do trabalho e ponto no ciclo de operação no
sistema de controle e de máquina, cujo tempo de resposta de pior ciclo de operação no qual a parada é iniciada. Deve-se fazer uma
caso foi medido em 0,485 segundos. O sistema está em uma provisão para desgaste dos freios, temperatura, envelhecimento dos
superfície plana e não em uma plataforma elevada. Usando a componentes etc., se isso puder afetar o tempo de resposta. Uma
fórmula abaixo: provisão para atrasos adicionais no sistema de controle da máquina
pode ser necessária em alguns casos.
T = Ts+ Tc+ Tr
0,035 + 0,485
0,520s Exemplo de Cálculo
S = (63 x 0,520) + 48 Neste exemplo, o sistema MatGuard está sendo usado com uma
80,76 pol. máquina e sistema de controle cujo tempo de resposta foi medido
em 0,485 segundo. O sistema está em uma superfície plana e não em
Os tapetes sensores serão requisitados de 2032 mm à borda da base uma plataforma elevada. Usando a fórmula abaixo,
da máquina.
T = t1 + t2
0,035 + 0,485
0,520s

S = (1600 x 0,520) + 1200


832 + 1200
2032 mm

Os tapetes sensores serão requisitados de 2032 mm à borda da base


da máquina.

2-75
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Especificações técnicas
Normas EN1760-1, EN954-1, ISO 13849-1,
IEC/EN60204-1, ANSI RIA R15.06,
ANSI/B11.19, AS4024.5
Categoria Cat. 1 de dispositivos de acordo com
EN954-1 Adequado para Cat. 3 de
sistemas
Aprovações Marcado CE para todas as diretrizes
aplicáveis e cULus
Tensão em Operação 24 Vcc, –20 % +10 %
fornecida pela unidade de controle
Comprimento Total Máximo 200 m (656 pés)
dos Fios de Conexão
Comprimento Padrão do Cabo 4,5 m (15 pés)
Descrição Peso Mínimo de Detecção 27 kg (60 lbs) em um disco circular de
O tapete de segurança MatGuard é um produto de segurança 80 mm (3,125 pol.) de diâmetro
sensível à pressão desenvolvido para detectar a presença de pessoas Pressão Máxima APLICADA 31.034 kPa (4500 psi)
na superfície de detecção. ao Tapete
Tamanho Máximo da Zona de 100 m2 (1076 pés2)
O tapete de segurança MatGuard possui duas placas condutoras de Detecção
aço reforçadas que são mantidas separadas por separadores Vida Útil Mecânica 10.000.000 de operações
comprimíveis não condutivos. Cada tapete com 4 fios, operando a Temperatura de Operação –25 °C a 55 °C (–13 °F a 131 °F)
apenas 24 Vcc é pré-fiado e conectado em série com outros tapetes,
Umidade 100 % de umidade relativa
formando um sistema completo de segurança no nível do piso para
Grau de Proteção do Gabinete IP67 (NEMA 6P)
áreas classificadas. O circuito através do tapete é monitorado pela
Unidade de Controle MatGuard que fornece um sinal ao circuito de Vibração 10-200 Hz, 5 G
controle da máquina quando a área está livre. Choque/Distúrbio 11 ms 10 G / 16 ms 10 G
Isolação do Terminal IP20 DIN 0470
Quando um tapete é acionado (alguém pisa), as placas condutoras se Bitola do Condutor
tocam e a resistência no circuito cai para zero. Isto é monitorado Invólucro dos fio de 0,75 mm2 (18 AWG) 2 fios
pela Unidade de Controle, que envia um sinal de desligamento para a Fios OD 3,8 mm x 7,4 mm
máquina. (0,15 pol. x 0,29 pol.)
Peso 10,9 kg/m2 (2,2 lbs/pés2 )
Como o tapete de segurança MatGuard é completamente vedado Material e cor
(IP67), água, líquidos e fluidos refrigerantes não representam Tapete Amarelo, Preto ou Marrom
nenhum problema. Além disso, o vinil é resistente a cloro, ácidos, disponíveis sob pedido especial de
sais e diversos produtos químicos industriais. Moldura Vinil Plastisol
Alumínio 6063
O processo de construção único garante a durabilidade e Montagem Superfície Plana
confiabilidade do tapete. Espessura 16 mm (0,63 pol.)

Características
• Construção de placas de aço reforçadas
• Sem pontos mortos
• Sistema de 4 fios para detectar circuitos abertos e curto-circuitos
• Suporta uma pressão estática de 4500 psi
• Classificação IP67 (NEMA 6P)

2-76
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Seleção do Produto — Tapetes Padrão
Kit de Perímetro de Moldura
Dimensão do Tapete
Padrão Tapete de Segurança
milímetros polegadas Código de Catálogo
500 x 500 19,7 x 19,7 440F-T1010 440F-M1010BYNN
500 x 1500 19,7 x 59,1 440F-T1030 440F-M1030BYNN
750 x 500 29,5 x 19,7 440F-T1510 440F-M1510BYNN
750 x 750 29,5 x 29,5 440F-T1515 440F-M1515BYNN
750 x 1500 29,5 x 59,1 440F-T1530 440F-M1530BYNN
1000 x 500 39,4 x 19,7 440F-T2010 440F-M2010BYNN
1000 x 750 39,4 x 29,5 440F-T2015 440F-M2015BYNN
1000 x 1000 39,4 x 39,4 440F-T2020 440F-M2020BYNN
1000 x 1250 39,4 x 49,2 440F-T2025 440F-M2025BYNN
1000 x 1500 39,4 x 59,1 440F-T2030 440F-M2030BYNN
900 x 1800 35,4 x 70,9 440F-T1836 440F-M1836BYNN
Unidade de controle recomendada. Para outras unidades de controle, consulte a página 2-85 deste catálogo. 440R-C23139

Exemplos de Configurações do Sistema Padrão

Proteção com Barreira Fixa Lista de Materiais

Moldura do Perímetro Código de Catálogo Descrição Qtd.


440F-M2030BYNN 1
440F-M1010BYNN Tapete 2
Tapete 440F-M1030BYNN 1
500 x 500
Moldura do Perímetro

Moldura do Perímetro

Proteção com Barreira Fixa

Moldura do
Caminho de Acesso à Máquina

440F-T3210➊ 2
Perímetro
Moldura do
440F-T3310 ➊ 1
Tapete Máquina Tapete Perímetro
1000 x 1500 (Perigo) 500 x 1500 440F-T3220 ➊ Moldura da Junção 1
440F-C4000S Controlador 1
440F-T3012 Moldura do Canto 4
Tapete
500 x 500

Moldura do Perímetro
Proteção com Barreira Fixa

Código de Catálogo Descrição Qtd.


440F-M2025BYNN 1
440F-M1010BYNN Tapete 1
Máquina
(Perigo) 440F-M1510BYNN 1
Moldura do
440F-T3310 ➊ 1
Perímetro
Moldura do Perímetro

440F-T3012 Moldura do Canto 1


440F-T3020 ➊ Moldura da Junção 2
440F-C4000P Controlador 1
Tapete
750 x 500
Moldura do Perímetro

Tapete
1000 x 1250
Tapete
500 x 500
Conexões
Elétricas ➊ O cliente deve cortar a moldura para obter o comprimento
Moldura do Perímetro
adequado.

2-77
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Seleção do Produto — Tapetes Configuráveis
Os códigos de catálogo das molduras e tapetes de segurança MatGuard podem ser configurados por meio da seleção adequada das tabelas
abaixo.

Tapetes: 440F- M 13 23 A Y NN Kit de Molduras: 440F – T 13 23


abcdeab
650 mm


A

B
1150 mm
e
a Opções de Moldura
Dimensões “A” — mm (pol.) Código Descrição
Código Descrição K Moldura do Canal do Cabo
Comprimento do tapete em milímetros / 50 T Moldura Padrão
Deve estar em incrementos de 50 (1,97)
Mín. permitido 150 (03); Máx. permitido 1000 (20)
número de
O comprimento de A deve ser igual ou menor que B.
2 dígitos
O comprimento máximo de A é de 900 (18) quando B for
maior que 1500 (30)
p. ex.: 750 = 15, 1000 = 20

b
Dimensões “B” — mm (pol.)
Código Descrição
Comprimento do tapete em milímetros / 50 ➊ Controlador pedido separadamente. Consulte a
Deve estar em incrementos de 50 (1,97) página 2-85 para detalhes de seleção.
Mín. permitido 200 (04); Máx. permitido 1800 (36)
número de
O comprimento de A deve ser igual ou menor que B.
2 dígitos
O comprimento máximo de A é de 900 (18) quando B for
maior que 1500 (30)
p. ex.: 750 = 15, 1500 = 30

c
Saída do Cabo
Código Descrição
Dois cabos de 4,5 m (15 pés) com 2 fios — saída dos
A
cantos de A
Dois cabos de 4,5 m (15 pés) com 2 fios — saída dos
B
cantos de B
Um cabo de 9,1 m (30 pés) com 4 fios com conector M12
C
— saída pelo canto superior esquerdo
Um cabo de 9,1 m (30 pés) com 4 fios sem conectores —
D
saída pelo canto superior esquerdo
Um cabo de 0,76 m (2,5 pés) com 4 fios com conector
F
M12 — saída pelo canto superior direito

d
Cor
Código Descrição
B Preto
Y Amarelo

2-78
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Seleção do Produto, Opções de Molduras
Dimensões Código de
Tipo Descrição Aproximadas Catálogo

Extremidades quadradas
440F-T3210
2 m de comprimento
Perímetro Padrão da Moldura ➊
Alumínio
Para uso com até 3 cabos instalados através do canal
Cantos quadrados
440F-T3310
3 m de comprimento

Perímetro Padrão da Moldura da Extremidade Externa


página 2-82 440F-T3012
Alumínio

Perímetro Padrão da Moldura da Extremidade Interna


página 2-82 440F-T3013
Alumínio

Extremidades quadradas
440F-T3211
Perímetro da Moldura com Canal do Cabo ➊ 2 m de comprimento
Alumínio
Usado quando até 8 cabos precisam ser
alimentados pelo canal Extremidades quadradas
440F-T3411
4 m de comprimento

Perímetro da Moldura da Extremidade Externa


com Canal do Cabo página 2-83 440F-T3014
Alumínio

Perímetro da Moldura da Extremidade Interna


página 2-83 440F-T3015
com Canal do Cabo

➊ Extremidade chanfrada, comprimentos disponíveis customizados. Entre em contato com a fábrica.

2-79
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Acessórios
Tipo Descrição Dimensões — mm (pol.) Código de Catálogo

13 x 25 x 2 m (½ x 1 x 6,6 pés) 440F-T3216


Moldura do Perímetro de Ângulo
Reto
13 x 25 x 3 m (½ x 1 x 9,8 pés) 440F-T3316

10
(0.39)
Moldura do Perímetro com Grampo

45 (1.8)
Ø5,5
em Ângulo em Aço Inoxidável (0.22) 440F-T102933
(5 por pacote)

7 (0.28) 20 (0.79)

14,2 (0.56) 20 (0.79)


Moldura do Perímetro com Grampo
7
em Z em Aço Inoxidável

45(1.78)
(0.28)
(5 por pacote) 440F-T102935
10
(0.39)
Ø5,5 (0.22)

extremidades quadradas com 1 m


440F-T3120
(3,28 pés)
Moldura de Junção Ativa
extremidades quadradas com 2 m
Usada para unir dois tapetes e 440F-T3220
(6,5 pés)
garantir a ausência de zonas mortas
extremidades quadradas com 3 m
440F-T3320
(9,8 pés)

63,5 (2,5) de largura


Guia do Fio de Vinil 440F-A3230
2 m (6,6 pés) de comprimento

Kit de Acessórios para 440F-C4000S


e 440F-C4000P
4 Emendas de Extremidades, 2 N/A 440F-A108433
Fusíveis de 500 mA, 1 Lâmpada de
Reset, 4 Terminações de Fios

12 Cabeçotes chatos tipo philips,


parafusos em aço inoxidável para
440FA-3211 e moldura do canal do Nº 6 x 9,5 (3/8) 440F-A17143
440F-T3411
Fixa a parte superior à inferior.

2-80
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapete MatGuard
Acessórios (continuação)
Tipo Descrição Dimensões — mm (pol.) Código de Catálogo

12 Cabeçotes chatos tipo philips,


parafusos em aço inoxidável com
âncoras para
Nº 10 x 32 (1,25) 440F-A17141
440F-T3210. Molduras do
440F-T3310 e
440F-T3510

12 Cabeçotes chatos, parafusos em


aço inoxidável com âncoras para
Nº 10 x 32 (1,25) 440F-A17142
440F-T3211 e moldura do canal do
440F-T3411

Conjunto de Cabos com 2 m (6,5 pés) 889D-F4AC-2


Conectores Fêmea Axial M12 de
4 Pinos 5 m (16,4 pés) 889D-F4AC-5
22 AWG, 300 V, 3 A
Invólucro de PVC Amarelo, PUR 10 m (32,8) 889D-F4AC-10
1 2
Moldado
4 3
1 Marrom 15 m (49,2 pés) 889D-F4AC-15
2 Branco 20 m (65,6) 889D-F4AC-20
3 Azul
4 Preto 30 m (98,4 pés) 889D-F4AC-30

2-81
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões não devem ser usadas para instalação.

Sistema de Tapetes
Quando mais de um tapete for necessário para proteger uma área, utilize as
dimensões abaixo para determinar o tamanho coberto de uma área.

Moldura de Junção Ativa


Quando a pressão for aplicada, a
FORNEÇA UM ESBOÇO DO LAYOUT moldura de junção faz com que o
PARA MÚLTIPLOS TAPETES tapete seja deformado e altera o
Ao calcular a área total do layout, adicione ‘X’, ‘Y’ e ‘Z’ estado, desta forma, fornece
para fornecer as juntas e moldura do perímetro. sensibilidade mesmo nas emendas.

(Y) – Adicione 10 mm (0.4 pol.) para junta


(Z) – Adicione 52 mm
(Z) – Adicione 52 mm (2,0 pol.) (2,0 pol.) para Moldura
(X) Dim A ou B (X) Dim A ou B do Perímetro Padrão ou
para Moldura do Perímetro Padrão
ou 99,5 mm (3,9 pol.) para moldura 99,5 mm (3,9 pol.) para
do perímetro. moldura do perímetro.

Tamanho total

IMPORTANTE: Utilize o Cálculo da Distância exibido na página 2-75 para


garantir a cobertura adequada na área classificada.

Moldura do Perímetro Padrão


Extremidades Internas e Externas Dimensões do Canal

43
(1,7) 52 (2,0)
14 11
(0,55) (0,43)

43
(1,7)
14 (0,55)

96 A moldura do perímetro padrão tem três cabos de tapetes


(3,8) de 2 fios ou 2 cabos de 4 fios. O equivalente a dois cabos são
necessários ao conectar dois tapetes em série.
52
(2,0)

96 (3,8)

2-82
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Tapetes MatGuard
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões não devem ser usadas para instalação.

Moldura Perímetro com Canal do Cabo


Cantos Internos e Externos
Dimensões do Canal
44,5
(1,8) 99,5 (3,9)
14 9,2
44,5 (0,55) (0,36)
(1,8)

42,2 (1,66)

A moldura do canal do cabo mantém até 8 cabos de tapetes de 2 fios


144 padrão ou 7 cabos de tapete de 4 fios mesmo ao redor de cantos.
(5,7)
99,5
(3,9)

144 (5,7)

Diagramas de Fiação Típicos


Opção de Cabo de Dois Fios
Capa Externa Preta

Isolação
Branca

Isolação
Preta

Isolação Isolação
Preta Preta
Padrão Xadrez

Isolação Isolação
Padrão Reto
Branca Branca

Opção com Conector M12 Tipo Micro de 4 Pinos


Lateral do Tapete com Estrias em Padrão Xadrez
43 (1,70)

14
(0,56)

Macho Axial
Lateral do Tapete com Estrias Quadriculadas

2-83
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Controladores MatGuard
Especificações técnicas
Normas EN1760-1, EN 954-1, ISO13849-1,
IEC/EN60204-1, ANSI RIA R15.06,
ANSI B11.19, AS 4024.5
Categoria Cat. 3 de acordo com EN954-1
Aprovações Marcado CE para todas as diretrizes
aplicáveis, cULus e TUV
Tensão em Operação 24 Vca/cc ou 110/230 Vca
Consumo de Alimentação 6 W, 9 VA
Fusível
Entrada (interna substituível) Atraso de tempo 2 – 500 mA,
(4000 S, 4000 P)
Atraso de tempo 1 – 500 mA,
(4000 D)
Saída (externa) Ação rápida 5 A
Entradas: Monitoração do 2 N.A.
Descrição Contator do Tapete de Segurança 1 N.F.
A Unidade de Controle MatGuard monitora todos os tapetes que Reset Manual Monitorado ou
estão conectados em conjunto para formar uma zona de proteção. Automático/Manual
A zona de proteção pode ter uma área total de 100 m2 e ser Impedância da Entrada 500 Ω
composta por vários tapetes. O controlador é projetado para realizar Saídas: Segurança 2 N.A. Segurança
interface com o circuito de controle da máquina e inclui dois relés de Auxiliar 1 N.F. Auxiliar
segurança para garantir a redundância do controle. Classificação de Saída A300, AC-15, 4 A / 250 Vca
P300, DC-13, 2 A / 30 Vcc
O controlador detecta uma presença no tapete, um curto-circuito ou Capacidade Mínima de 10 mA a 10 V
um circuito aberto. Caso cada uma dessas condições ocorram, os Comutação
relés de saída de segurança desligam (OFF). Quando se realiza a Tempo de Resposta 35 ms
interface adequadamente, o movimento da máquina ou perigoso Tapete pressionado para saída
aberta
receberá um sinal de parada e um relé auxiliar de saída será ligado
LEDs Indicadores Verde – Alimentação
(ON). Verde – Modo Reset Automático
O controlador vem em duas versões diferentes de pacotes, um Verde – Modo Reset Manual
Verde – Máquina Habilitada
invólucro de plástico ou de aço para a montagem em superfície e em
Chaves Seletoras Internas Reset Automático / Manual;
parede. Cada modelo oferece diversas das mesmas características 110/230 Vca
básicas. Cada controlador aceita fontes de alimentação de 24 Vca/cc Tamanho Máximo da Zona de 100 m2 (1076 pés2)
e 110/230 Vca. Os modelos de plástico ou aço incluem botões de Detecção
reset. O controlador do gabinete de aço proporciona proteção extra Vida Útil Mecânica 10.000.000 de operações
contra impactos inadvertidos. Temperatura de Operação –25 °C a 45 °C (–13 °F a 113 °F)
Nível de Contaminação III
Como uma alternativa, consulte a tabela de Seleção do Produto para
Umidade 90 % de umidade relativa
relés de segurança que também podem controlar e monitorar os
Proteção do Gabinete:
tapetes de segurança. 4000 P IP65 (NEMA 13)
4000 S IP62 (NEMA 12)
Características Proteção do Terminal IP20 DIN 0470
• Entrada de tensão selecionável Bitola Máxima do Condutor:
4000 P, 4000 S 1 x 1,5 mm2 (16 AWG)
• Reset automático/manual
Peso: 4000 P 880 g (1,94 lbs)
• Sistema de quatro fios para detectar circuitos abertos e curto-
4000 S 3200 g (7,05 lbs)
circuitos Vida Útil Elétrica
• Aprovações de Terceiros — AMTRI, TUV 220 Vca / 4 A / 880 VA 100.000 operações
cosϕ = 0,35
220 Vca / 1,7 A / 375 VA 500.000 operações
cosϕ = 0,6
30 Vcc / 2 A / 60 W 1.000.000 operações
10 Vcc / 0,01 A / 0,1 W 2.000.000 operações
Material Policarbonato ou aço
Tipos de Aplicação Vibração 0,15 mm,10–55 Hz

2-84
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Controladores MatGuard
Seleção do Produto
Tipo de Invólucro Montagem Material Página Código de Catálogo

Policarbonato 440F-C4000P
24 Vca/cc, 110 / 230 Vca
Montagem em Superfície —
(Parede)
Gabinete de Aço 440F-C4000S

24 Vca/cc, invólucro de
22,5 mm, Trilho DIN com 440R-P23073
35 mm
— 4-24
110 Vca, invólucro de 45 mm,
Trilho DIN com 440R-P23074
35 mm
MSR23M
24 Vca/cc, invólucro de
55 mm, Trilho DIN com 440R-J23102
35 mm
115 Vca, invólucro de 55 mm,
Trilho DIN com — 4-30 440R-J23100
35 mm
230 Vca, invólucro de 55 mm,
Trilho DIN com 440R-J23099
MSR121RT
35 mm
24 Vca/cc, invólucro de
45 mm, Trilho DIN com 440R-C23139
35 mm
110 Vca, invólucro de 45 mm,
Trilho DIN com — 4-40 440R-C23137
35 mm
230 Vca, invólucro de 45 mm,
Trilho DIN com 440R-C23136
MSR131RTP
35 mm

24 Vcc, invólucro de 45 mm,


Trilho DIN com MSR210P 4-72 440R-H23176
35 mm

Invólucro de 17,5 mm,


MSR220P 4-76 440R-H23178
Trilho DIN com 35 mm
MSR210P/MSR220P

24 Vcc, invólucro de
22,5 mm,
Trilho DIN de 35 mm — 4-26 440R-N23198
Saídas de Segurança de
Estado Sólido

MSR30RTP

Acessórios
Descrição Página Código de Catálogo
Fusível, 500 mA 14-6 440R-A31562
Kit de Reserva 2-85 440F-A108433

2-85
Dispositivos de Segurança com Detecção de Presença
Tapetes de Segurança
Controladores MatGuard
Dimensões Aproximadas — mm (pol.)
As dimensões não devem ser usadas para instalação.

107 (4,21)
10 (0,39)

4 x M4
Furos de
Montagem

157 (6,18)
11

175 (6,89)
(0,43)

125 (4,92) 75 (2,95)

440F-C4000P
230 (9,1)

165
(6,5)
11
(0,43)

33
(1,3)

5,8 x 7,6 210 (8,3)


(0,23 x 0,30)
225 (8,9) 143 (5,6)

440F-C4000S

Diagrama de Blocos
A1 A2 +Ve NO MC MC PB 13 23 31

F2 K5 K6
F1 K1 K2
K6
110/ 24VDC SW1
230
K3 K3 K4 K2
Auto K3
K4 K3 K4