Você está na página 1de 4

02 - Psicologia organizacional no Brasil aspectos históricos e perspectivas atuais

SINTESE
CONTEÚDO
● Divisão três fases
● Relação com os paradigmas produtivos
● Psicologia Industrial
○ Resposta às demandas gerenciais
○ Surgimento junto com outras profissões (Braverman)
○ Marco com Munsterbeg em 1913, mas já havia outras iniciativas em 1885
(Europa) e 1901 (EUA)
○ Início com os estudos sobre publicidade e fadiga, mas a sua consolidação veio
com a seleção de pessoas
○ Uso de testes e abordagem quantitativa-estatistica
○ Foco nas diferenças individuais e no match com as exigência do trabalho
○ Restrito a seleção de características físicas e perceptivas, sem adentrar a
subjetividade (como os estudos sobre personalidade)
○ Primeiro a concepção homem-maquina (diferença entre ambos) e somente
depois homem-funcionalista (diferença entre os indivíduos), possibilitando
saltar apenas da seleção para o treinamento
○ Enfoque individualista na seleção, treinamento, adaptação ao cargo e estudo
da fadiga
○ Busca pela adaptação não apenas física, mas tb de valores
○ No Brasil a introdução da Psicologia Industrial ocorreu por indução dos
mesmos institutos que introduziram o taylorismo no país durante a década de
1920
○ Destaram-se na década de 1930, o Idort (instituto de organizacao racional do
trabalho) e o SENAI (serviço nacional de aprendizagem industrial).
○ Devido a baixa qualificação da força de trabalho o treinamento recebeu
atenção especial
○ Houve a replicação do que era produzido nos países centrais, seja pela
importação de publicações, seja pelo afluxo de psicólogos estrangeiros.
○ Destaca-se nomes como de Mira y López que coordenou o Isop durante
durante os anos 1940 conduzindo a formação dos psicotécnicos, adapatação de
testes psicométricos e intervenção em empresas
○ Após a I guerra mundial os testes começaram a ser questionados, colocando
em xeque a capacidade da Psicologia prever o desempenho dos trabalhadores.
● Psicologia organizacional
○ Os estudos de Elton Mayo no experimento Hawthorne impulsionaram uma
nova forma de se compreender o ser humano nas empresas, abrindo espaço
para novas práticas
○ Consideração do homem social e dos pressupostos humanistas
○ Os trabalhos de Kurt Lewin sobre os pequenos grupos também colaboraram
para o surgimento de novos temas na discussão sobre o comportamento nas
organizações
○ Os estudos sobre moral e atitude também ajudaram a desvelar novos debates
○ Inclusão de novos recursos metodológicos como a pesquisa ação e pesquisa
intervenção
○ Ganhou destaque a concepção de homem emocional (1940-50 - as pessoas
possuem afetos que determinam o comportamento, não sendo explicado
somente pela recompensa) e o homem organizacional (pós II Guerra - visam
sistêmica do papel das pessoas na organização)
○ Pensa os problemas organizacionais a partir de uma visão sistêmica e em nível
interpessoal e grupal
○ Práticas antigas foram aprimoradas, com os avanços na psicometria dos testes
psicológicos, pesquisas sobre a Psicologia do Consumidor e fatores humanos
no trabalho
○ No Brasil essa fase apenas se consolidou posteriormente considerando o atraso
no desenvolvimento econômico e a reduzida força da classe trabakhadora
○ A introdução da Psicologia Organizacional deveu-se basicamente a chegada
das empresas multinacionais no país, por meio do modismo gerencial -
principalmente com o boom industrial de JK
○ Ainda permanecia o uso de manuais americanos temporalmente defasados.
Usou-se manuais estrangeiros produzidos em 1958 até 1980 até no Brasil.
○ Durante a ditadura civil-militar a Psicologia passou por um movimento de
olhar a si, impulsionado principalmente pela Psicologia Social Crítica que
trouxe profundas críticas ao campo da POT naquele período (Wanderley Codó
e o Lobo Mau da Psicologia). Contrapõe a Psicologia Reguladora a Psicologia
Emancipadora inspirada na psicanálise, psicodinâmica e no marxismo
● Psicologia do trabalho
○ Reestruturação produtiva pós 70 e o surgimento de novos temas
○ Atenção a o que ocorre fora das organizações de trabalho
○ Descompasso academia e profissão
○ Foco na questão estratégica e política
○ Surgimento do conceito de homem modular ou trabalhador LEGO
○ Crescimento no Brasil e no mundo
○ Reposicionamento como gestor
● Na atualidade a PT&O sofre influências da
○ Gestao de pessoas: preocupada com as políticas organizacionais que lidam
com o comportamento no trabalho
○ Psicologia organizacional: trata dos fenômenos dos grupos em relação a
organização
○ Psicologia do trabalho: trata da relação das pessoas com o trabalho
● Os paradigmas que circulam o campo são:
○ Eixo do comportamento
■ Behaviorista, neobehaviorista e sócio cognitivista
■ Influência da Psicologia diferencial, filosofia pragmática e psicologia
aplicada
■ Pesquisa sobre motivação, aprendizagem, processos cognitivos em
grupos, tomada de decisão e atitude
■ No Brasil está representado pela obra de Siqueira e de Bastos e Abbad
■ Usa metodologia quantitativa, no Brasil com desenho quasi-
experimental e no mundo com desenhos diversos
○ Eixo da subjetividade
■ Adota o sujeito como fundamento do conhecimento
■ Influência de autores como Focault Delueze
■ Pensa a construção histórico cultural do sujeito
■ Relatividade das verdade
■ Uso do método genealogico
■ Temas como crítica a institucionalização só trabalho, sentido só
trabalho, empoderamento de grupos e impacto subjetivo do emprego e
desemprego
■ Usa entrevista em profundidade, análise de discurso e de narrativas,
história de vida e análise institucional
■ A intervenção eh sobre as condições de trabalho
○ Eixo clínico
■ Composto pela psicodinamica, Ergologia, sócio clínica
(psicossociológica) e clínica da atividade
■ Inspirasse nos procedimentos das investigações clínicas, mas sem ser
individualizante.
■ Tem vistas a promover a emancipação dos trabalhadores, pela
recomposição do seu poder de agir e atenção ao sofrimento psíquico
■ Da Ergologia adota a distinção entre trabalho real e prescrito, sendo
seu hiato, para a psicodinâmica, o sofrimento psíquico
■ Dedicam-se a saude mental, sofrimento psíquico, centralidade do
trabalho e processos de subjetivação.
■ Usa estudos de casos e entrevistas em profundidade
■ Introduz novos instrumentos como instrução ao social, auto
confrontação cruzada e dispositivo dinâmico se três pólos
■ Atrela pesquisa e intervenção